Vídeo mostra toda a beleza do novo Gnome 3.14

A interface Gnome está ficando a cada dia mais e mais bonita e para deixar os usuários com "água na boca" para poder experimentar a nova versão da interface os desenvolvedores liberaram um vídeo com algumas prévias do que está por vir.

Gnome 3.14

Novo Gnome terá refinamento visual 


Uma das coisas mais importantes para um sistema operacional ser utilizado pelas pessoas em geral é sem dúvidas a aparência e pelo que tudo indica o novo Gnome deve chegar cheio de melhorias neste quesito, tanto o tema Adwaita quanto as aplicações estão sendo trabalhadas para haverem novas animações dos ícones, programas mais integrados e semelhantes, em suma, um melhor acabamento da interface.

O canal do Gnome 3 Design foi liberado um vídeo mostrando o chamado "Road to Gnome 3.14",  o caminho até essa nova versão mostra os designers e desenvolvedores trabalhando nos protótipos do que deverá chegar em breve até os usuários finais, confira o vídeo abaixo:


O que você achou deste preview da futura versão do Gnome? Deu vontade de usar não deu? Deixe a sua opinião nos comentários.

Até a próxima!
quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Linux Foundation fala sobre necessidade da convergência e elogia Canonical

Um post da portal Linux.com compartilhado pela página do Facebook da The Linux Foundation enaltece a necessidade de convergência entre interfaces e reconhece a boa iniciativa da Canonical com o Ubuntu.

Convergência de interfaces

Convergência é o futuro das interfaces


Tudo começou com o Ubuntu for Android e depois tivemos o projeto do Ubuntu Edge que infelizmente acabou não saindo do papel por não conseguir o orçamento necessário para colocar o projeto no mercado.

Segundo post publicaeste do no portal Linux.com a iniciativa de fazer um desktop convergente da Canonical foi excelente o mercado atual indica que este é realmente o caminho e futuro da tecnologia, a ideia do Ubuntu Edge de ser um Smartphone com um gráfico excepcional e simplesmente "se transformar" em um desktop quando conectado a uma dock é o que as pessoas esperam, um mesmo sistema para ambas as necessidades, desktop e mobile.

O artigo ainda faz um esclarecimento a respeito do porque investir no mercado mobile é de extrema importância, analisando o mercado podemos ver que no ano passado foram vendidos quase 3 vezes mais Smartphones do que desktops e notebooks no mundo mostrando que cada vez mais as pessoas, leia-e usuários comuns que basicamente acessam redes sociais, e-mail, e navegam por sites, estão substituindo a navegação convencional pela experiência móvel.

E você o que pensa sobre o assunto? Você acha que a convergência é algo bom para as pessoas? Será que é este mesmo o caminho das coisas?

Aproveite para compartilhar a sua opinião nos comentários e também veja este post que separamos para mostrar a você essa ideia de convergência na prática, confira.

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Como instalar o MegaSync no Nemo - Linux Mint (Cinnamon)

Se você usa o Linux Mint ou o Cinnamon como ambiente gráfico deve ter ficado um pouco frustrado ao constatar que o cliente do Mega funciona apenas com o Nautilus de maneira integrada mas acompanhe o nosso artigo, vamos mostrar como você pode ter exatamente as mesmas funcionalidades no Nemo.

Mega no Nemo
Imagem: WebUp8

Aprenda a fazer a integração do MegaSync com o Nemo


Muitas pessoas optaram por usar o Linux Mint como sistemas operacional ou mesmo o ambiente gráfico desenvolvido pela equipe do "Linux verde" o Cinnamon, quem usa sabe que o Cinnamon usa o gerenciador de arquivos Nemo que é um fork do Nautilus, gerenciador de arquivos dos ambientes Gnome.

Mas como a comunidade Linux não é de esperar o pessoal já tratou de fazer um plugin para o Nemo se entender com o MegaSync, antes de mais nada é necessário instalar o MegaSync de maneira tradicional como se fosse no Nautilus, para te ajudar a fazer isso preparamos este tutorial.

Depois de instalar é necessário baixar o arquivo .DEB que é compatível com sistemas baseados no Ubuntu e no Debian, como o Linux Mint por exemplo, tenha cuidado e observe a arquitetura:



Uma vez instalados basta você encerrar a sessão e voltar a se logar, se preferir também pode fazer o recarregamento do Nemo via terminal, basta digitar:

nemo -q

Depois disso clique em qualquer pasta para forçar a reabertura do Nemo e você verá que tuto estará funcionando perfeitamente.
terça-feira, 16 de setembro de 2014

Conheça e instale o Enlightenment 19

Se você está procurado um ambiente gráfico cheio de personalidade e extremamente leve não deixe de dar uma oportunidade ao E19.

enlightenment 19

Ultra leve, ultra rápido e personalizável


Estava eu testando alguns ambientes gráficos alternativos para usar no meu Notebook, ambientes que fossem leves e que tivessem boas opções, lembrei do Enlightenment (demorei uns 2 minutos para escrever este nome) e fui dar uma olhada no site oficial e que esta remodelado e com uma versão mais nova, a última que tinha tido a oportunidade de utilizar tinha sido o E17 e agora ele está na versão 19.

O "Enlaitchment" (é assim que se pronuncia) é um ambiente gráfico muito leve, somente ele pode ser rodado tranquilamente com 250 MB de memória com uma boa qualidade gráfica, a princípio o seu funcionamento pode parecer estranho mas depois que você se acostumar vai achar até interessante a maneria com que ele gerencia as janelas, uma boa combinação é utilizá-lo juntamente com o Nautilus, gestor de arquivos do Gnome, assim você terá  uma área de trabalho ativa para utilizar.

Instalando o E19 no Ubuntu


Mudança de interface gráfica é algo que pode ser considerado avançado então tenha cuidado e se não se sentir seguro evite de fazer estas alterações, para instalar o E19 vamos usar um PPA, abra o seu terminal e cole os seguintes comandos:

sudo apt-add-repository ppa:niko2040/e19 
sudo apt-get update 
sudo apt-get install enlightenment terminology

Depois de instalar encerre a sessão e na tela de Login mude a interface gráfica pelo ícone de seleção, para remover o E19 faça assim:
sudo apt-get remove enlightenment terminology
sudo apt-get install ppa-purge 
sudo ppa-purge  ppa:niko2040/e19

 Um detalhe interessante é o emulador de terminal que vem com ele, o Terminology que possui muitas opções e é muito bom e personalizável, tão bom que resolvi utilizá-lo no Unity também:

Terminology no Ubuntu

Para usar apenas o Terminology no seu sistema instale desta forma:

sudo apt-add-repository ppa:niko2040/e19 
sudo apt-get update 
sudo apt-get install terminology

Até a próxima!

Linux Mint 17.1 vem aí com mudança no codinome

A primeira atualização do Linux Mint 17 se aproxima e os desenvolvedores trazem ao Linux Mint um novo codinome à distribuição.


Tudo muito discreto no Linux Mint 17.1


Há realmente muito pouca informação a respeito deste lançamento, depois que o Linux Mint decidiu basear-se apenas em versões LTS é de se esperar que as mudanças sejam menos drásticas e que novidades mais incisivas aconteçam somente no lançamento da versão 18, daqui a pouco mais de uma ano e meio.

Neste meio tempo o Linux Mint receberá melhorias e aprimoramentos assim como as versões de manutenção do Ubuntu, distro em que é baseada, a única real novidade até o momento é o novo codinome que a versão "17.1" irá receber.

Rebecca


Este foi o nome escolhido pelos desenvolvedores para batizar a primeira grande atualização do Linux Mint 17 de nome Qiana, segundo eles a ideia inicial era colocar outro nome que mantivesse a letra "Q" como inicial mas não conseguiram encontrar nenhum outro que gostassem e tivesse um significado agradável, por isso decidiram continuar o alfabeto usando a letra "R" e por consequência surgiu o nome "Rebecca" que de origem hebraica significa "atar" ou "ligar", algo que tem tudo a ver com o projeto, afinal o 17.1 nada mais é do que uma sequência do excelente trabalho realizado na versão 17 Qiana.

O que você espera desta nova versão? Tem algum recurso ou melhoria que você gostaria de ver no Linux Mint?

Particularmente eu gostaria que a barra de tarefas tivesse um applet que acoplasse os programas em um único ícone e única instância como acontece no Windows, no Mac e no Ubuntu e até mesmo no Gnome, acho isso essencial para um melhor aproveitamento de espaço da tela, seria ótimo ter um recurso bem trabalhado com essas características.

Via: Linux Mint Blog
segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Baixe agora o manual do usuário do Linux Mint 17 em português

Baixe agora mesmo o seu manual do usuário do Linux Mint 17 Qiana, tanto para a interface Cinnamon quanto para MATE totalmente em português do Brasil.

Manual do Linux Mint 17 em Português

Um guia completo através das interfaces e funcionalidades do Linux Mint 17 Qiana


O Linux Mint é uma das distribuições Linux que mais gosto, tenho usado a versão com MATE no meu Netbook por ser bem leve e completa, um grande sistema sem dúvidas, hoje descobri algo que não poderia deixar de compartilhar com você que sempre acompanha o blog, um manual completo do Linux Mint 17 criado pela própria equipe da distribuição.

Trata-se do Guia Oficial do usuário que está disponível em vários idiomas incluindo o português do Brasil, o guia contém pouco mais de 60 páginas com todas as dicas e instruções para que você use o Linux Mint com ainda mais tranquilidade.

Você pode baixar a versão que fala sobre o ambiente gráfico Cinnamon neste link, se você usa a interface MATE você pode baixar este manual, que tem algumas páginas a menos e é ainda da versão com codenome "Glória" mas que mesmo assim deve lhe ser útil, e por último mas não menos importante você tem acesso aos originais neste link onde você também encontra as versões para outros idiomas.

Se você ainda não conhece o Linux Mint vai ser muito interessante você ver a nossa análise do sistema, confira no vídeo logo abaixo:


Para fazer o download gratuito do Linux Mint visite a página do projeto.

Baixe o Manual "Caixa de Ferramentas Unix"

Você já teve alguma dúvida sobre o uso de algum comando no terminal dos sistemas Unix (Linux, Mac, BSD, Solaris...), se você for administrador de sistemas isso pode ser um problema bem chato, nada melhor do que ter um manual onde consultar as funcionalidades dos comandos antes de tomar alguma decisão.


Caixa de ferramentas do Unix 

 

Pensando em ajudar o pessoal que por ventura possa ter alguma dificuldade ou deseja estudar um pouco mais sobre os comandos Unix o nosso amigo Gabriel da Silveira Costa, criador do canal Toca do Tux está traduzindo um documento extremamente completo útil para o nosso idioma, ele ainda está na versão alpha e o projeto está no GiHub, no vídeo abaixo você confere a apresentação do projeto:





O projeto ainda necessita de revisão mas em breve estará disponível para todos, fique ligado no Diolinux pois nós continuaremos a lhe informar sobre esta excelente documentação.

Até a próxima!
sábado, 13 de setembro de 2014

Diretor do Baidu explica a má fama dos softwares da empresa

Empresa chinesa já tem mais de 50 milhões de usuários no Brasil mas recebe acusações constantes de utilizar de artifícios para induzir/obrigar as pessoas a utilizarem os seus produtos, segundo Yan Di, diretor geral de operações do Baidu no Brasil, a culpa é do usuário!

Sede do Baidu
Foto: Reprodução

Baidu monta sede no Brasil e explica crítica sobre a instalação de seus produtos


Estava eu navegando nos mares abissais da internet e acabei encontrando uma matéria do nosso querido amigo Olhar Digital onde falava-se da vinda do Baidu para o Brasil com uma sede em São Paulo e tudo mais (leia aqui) e quando questionado sobre a má fama que o Baidu andou ganhando em "terras tupiniquins" de ser um software que se instala sem permissão nos computadores alheios Yan Di deu aparentemente esta resposta categórica:

"As pessoas dão 'avançar', 'avançar' e 'avançar' sem ler, mas o Baidu sempre oferece a opção de não instalar o serviço"

Permita-me a crítica


Obviamente que se você desmarcar estas opções o software não será instalado, pode ser opcional mas não é ético, o correto seria dar a opção de instalar e não dar a opção de NÃO instalar, sem falar que os instaladores dos programas na maioria das vezes fazem de tudo para ludibriar os os leigos para que eles não saibam o que fazer, onde clicar.

E claro a dor de cabeça não consiste em apenas evitar a instalação dos produtos Baidu mas também a remoção deles uma vez que eles estejam instalados, Hao123 que o diga.

O outro lado da moeda

Poderia resumir a isso, você usa Linux (ponto), tudo o que foi dito e criticado até o momento se refere obviamente ao Windows, mas se tem algo que eu realmente não gosto é de ver as pessoas sendo feitas de trouxa, os produtos Baidu não tem muita qualidade e são SIM induzidos ao usuários da maneira menos perceptível possível que só tem o fator "opcional" (sempre bem camuflado diga-se de passagem) por conta de legislação, caso contrário era capaz de instalar sem te dar opção nenhuma.

super-baidu
Imagem: Jean Hanusch - Canal InfoJHNet


Só digo que os brasileiros não precisam de uma empresa que realmente só venha "chupinhar" os usuários, sejam eles usuários de Linux, Windows e Mac, e não entendam mal, não sou contra concorrência, nada melhor do que ela para agitar o mercado, mas que ela seja leal.
quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Como personalizar o seu Terminal Linux

O Terminal tem aquela fama de ser uma telinha preta onde os "nerds" se sentem em casa e os usuários casuais correm com medo de pegar doença contagiosa, e apesar dele ter uma aparência um pouco "sem graça" nós podemos fazer uma alteração deixar ele com um visual mais bacana.

Personalizando o Terminal Linux


Colocando umas cores no seu terminal Linux


Essa dica eu recebi no nosso grupo do Facebook de um camarada chamado Nilson Nodes, basicamente o que você precisa fazer é substituir o arquivo de configuração ".bashrc" por este arquivo aqui.

Como instalar


Vá até o arquivo que você baixou e dê dois cliques e faça o passo-a-passo abaixo:

Instalando o tema no terminal

E em seguida:


E é só isso mesmo, agora abra o terminal e vejas as mudanças, para deixar ele com o fundo transparente faça assim:

- Abra o terminal...


Clique em "Preferências do Perfil" e na aba Plano de Fundo deixe com esta configuração abaixo:

Configurando transparência no terminal

Agora o seu terminal está bonitão também! Até a próxima!

O que é a memória SWAP?

Conheça agora uma das coisas que mais coloca dúvidas em usuários Linux novatos, e olha, pensando bem talvez até em alguns mais antigos. Afinal, o que é SWAP? Como funciona, como configurar? É isso que vamos responder neste artigo.

Como funciona a memória SWAP

SWAP: Uma memória virtual para o seu Computador


Sei que tem muitas pessoas que tem essa dúvida, especialmente quem vai fazer a instalação do Linux pela primeira vez particionando o HD, então resolvi escrever este artigo para fazer você entender o que é e como funciona o SWAP e como ela pode ser utilizada em seu benefício, muitas vezes até para melhorar o desempenho do seu computador.

Memória SWAP auxilia a memória RAM
Memória SWAP auxilía a memória RAM


O que é SWAP?


Se você é leigo em sistemas operacionais cabe fazer uma citação que pode parecer obvia para quem já manja um pouco do assunto; dentro do seu computador existem chips encaixáveis com circuitos integrados soldados a ele, a esses dispositivos damos o nome genérico de "pente de memória", você pode ver o exemplo de um na imagem abaixo.

Memórias DDR3 Kingston
Exemplo de "pente de memória" Kingston

Não vou entrar em muitos detalhes técnicos porque o assunto do artigo já é técnico o suficiente, as memórias RAM, como esta da imagem acima, podem ser de tamanhos variados seguindo dois modelos básicos, um para Desktop (como esta acima) e outro um pouco menor usado normalmente em portáteis como Notebooks e Netbooks, independente do seu tamanho e capacidade (medida em Giga Bytes) as memórias tem as mesmas funções, armazenar dados enquanto o processador trabalha com os mesmos.

Assim que você liga o seu computador o sistema operacional é carregado para a memória RAM afim de possibilitar a sua entrada no Facebook para duelar com os seus dragões.

Mas porque eu falei de memória RAM?


Entonces, a memória SWAP tem uma ligação quase familiar com a memória RAM, uma ajuda a outra, para ser mais claro, a memória SWAP costuma entrar em ação quando a memória RAM não consegue "dar conta do recado".

Em computadores atuais isso é bem mais raro de acontecer, computadores com 4GB de RAM ou mais raramente usam a memória SWAP, como você pode ver abaixo no meu computador, dos 1,9 GB de SWAP apenas 1,5 MB está sendo utilizado!

Uso de memória SWAP no sistema

Afinal, o que é memória SWAP?


Podemos dizer que seja uma técnica computacional usada pelos sistemas operacionais para aumentar quantidade de memória real do computador a fim de rodar os programas e o próprio sistema sem travamentos.

Essa memória virtual que vai auxiliar a memória RAM fica armazenada no seu HD e tem diferenças de sistema para sistema, porém cumpre a mesma função.

As diferenças de Memória SWAP no Linux e no Windows

Apesar de funcionarem de maneira parecidas a maneira com que o SWAP é implementado no Windows e no Linux é diferente.

No Windows

Logo Windows
Imagem: Reprodução


No sistema da Microsoft o SWAP é um arquivo dentro da raiz do sistema (C:/) chamado PAGEFILE.SYS e ele é criado sem que você saiba durante a instalação do Windows, normalmente colocando a mesma quantidade de memória RAM que você tem no computador realmente, ou seja, se você tem 2GB RAM, vai ter 2048 MB no PAGEFILE.SYS, se tiver 4GB de RAM vai ter mais ou menos 4096 MB de SWAP e assim por diante, sendo que é possível alterar esses valores para mais ou para menos ou mesmo desabilitar o SWAP.

No Linux


SWAP nas distros Linux


No Linux o SWAP é definido na hora da formatação pelo usuário a não ser que você siga o caminho da instalação automatizada, dessa forma a alocação de SWAP será semelhante a do Windows, entretanto, o SWAP do Linux não fica em um arquivo dentro da raiz, o SWAP é uma partição à parte da partição raiz do sistema, você também pode mudar o seu tamanho mas só mediante a reparticionamento, a grande vantagem de se utilizar o SWAP com uma partição à parte é que você pode usar o mesmo SWAP para múltiplos sistemas.

Se você instalasse um dual boot de Windows (dois sistemas no mesmo PC) cada sistema teria um SWAP para si próprio ocupando mais HD, usando um SWAP compartilhado num dual boot de Linux os dois sistemas poderia ocupar o mesmo SWAP.

Mitos, dúvidas e dicas sobre SWAP


Com essa funcionalidade interessante que o SWAP tem que é de trabalhar como se fosse uma memória RAM é normal surgirem questionamentos sobre a sua funcionalidade e aplicação, aqui estão alguns deles com as suas devidas respostas:

- Quanto mais SWAP melhor?

ERRADO, especialmente em computadores atuais o uso da memória SWAP é bem reduzido então não há necessidade de você ter muita memória de paginação alocada (paginação é também uma nomenclatura para SWAP), o SWAP é muito mais útil em computadores mais antigos e que contém pouca memória RAM pois neles será mais fácil que a memória física se encha sendo assim muito útil a atividade da memória auxiliar.


- Quanto devo utilizar de SWAP?


Esse é um ponto de divide opiniões, se você pesquisar por aí vai encontrar muitos dizendo que sempre deve-se usar o dobro da quantidade real de memória, mas baseado em experiências eu acho isso um grande exagero, visto que os sistemas com mais de 4GB de RAM raramente usam SWAP.

Então eu defino assim:

MEMÓRIA RAM (REAL)  >= 3GB = USE 2GB de SWAP

Caso contrário use 4GB de SWAP e seja feliz, não mais do que isso.

- Posso usar o computador sem SWAP?


Sim, poder pode, mas mesmo que o seu computador tenha 8GB de RAM se houver memória SWAP ele vai utilizar um pouco, se você tem memória de sobra e nunca deixa ela completamente carregada de aplicações (full load) realmente não há necessidade do SWAP, mas se você tem um computador modesto ou um PC Gamer ou uma ilha de edição é muito interessante ter os "2 Giginhas" de SWAP como eu comentei no tópico anterior.

- Qual a desvantagem de utilizar o SWAP?


Com tudo o que foi dito até agora você pode pensar que a utilização do SWAP traz apenas vantagens mas não bem assim, apesar de na maioria das vezes ele ser útil se você fizer o sistema utilizar o SWAP demais invariavelmente ele ficará mais lento é bom lembrar que os dados são gravados no HD e ele por sua vez é muito mais lento do que uma memória RAM, logo que o seu fator SWAPINESS (veremos logo à frente) for muito alto isso inclusive vai fazer o seu HD trabalhar mais do que deveria.

SWAPINESS


Esta é uma configuração que o Linux permite que você faça, o termo SWAPINESS serve para designar a quantidade de memória livre que o seu computador deve ter para que pequenos arquivos comecem a ser mandados para a memória SWAP.

Agora que não entendi mesmo!

Calma, é simples de entender, no Ubuntu o padrão de SWAPINESS é de 60 numa escala que vai de 0 a 100. Com o padrão no 60 significa que quando você tiver 60% da memória livre o sistema começará a mandar alguns dados para a partição de SWAP, esse valor pode ser alterado e é até interessante que seja caso você tenha um boa quantidade de memória, ensinamos você a fazer isso neste artigoeu por exemplo costumo usar o SWAPINESS como 10.

SWAP não é a única alternativa, conheça o ZRAM


O ZRAM cria um dispositivo de bloco na memória RAM que funciona como um unidade de disco virtual, mas é comprimido e armazenado na memória ao invés de usar a partição de swap (que é mais lenta), permitindo uma troca de dados rápida aumentando a quantidade de memória disponível antes que o sistema inicie a troca com o disco. O objetivo é ganhar desempenho, principalmente em computadores com pouca memória, a distribuição Lubuntu (Ubuntu com o ambiente gráfico LXDE) já vem com essa funcionalidade por padrão.

Saiba mais sobre o ZRAM e como instalá-lo no Ubuntu neste artigo.

E este foi mais um artigo para fazer você conhecer melhor o sistema que usa, se quiser receber as atualizações do blog no seu e-mail e não perder nenhuma postagem como esta, inscreva-se na nossa newsletter logo abaixo, prometo que envio para você todo o final do dia os posts que forem publicados aqui no Diolinux, até uma próxima!
terça-feira, 9 de setembro de 2014