Abril 2016 - Diolinux - Open Source, Ubuntu, Android e tecnologia

Responsive Ad Slot

Definida data de lançamento do Ubuntu 16.10 Yakkety Yak

Nenhum comentário

sábado, 30 de abril de 2016

A Canonical liberou o calendário de lançamentos do novo ciclo de desenvolvimento do Ubuntu, a versão 16.10, que como o nome indica sairá em Outubro.

Ubuntu 16.10 Yakkety Yak



Recentemente nós descobrimos o nome da nova versão do Ubuntu e assim que o Ubuntu 16.04 LTS saiu começou o ciclo de desenvolvimento do Yakkety Yak.

Hoje nós já sabemos qual o cronograma de lançamentos desta nova versão, que é esta aqui:

- Alpha 1 - 30 de Junho (vale para o flavors)
- Alpha 2 - 28 de Julho (vale para o flavors)
- Congelamento de recursos - 18 de Agosto
- Beta 1 - 25 de Agosto (vale para o flavors)
- Congelamento de interface - 08 de Setembro
- Beta final - 22 de Setembro
- Congelamento do Kernel - 06 de Outubro
- Release Candidate - 13 de Outubro
- Ubuntu 16.10 final - 20 de Outubro

Já faz alguns anos que o Ubuntu "original" não lança versões "alphas e "betas iniciais", mesmo  assim essas releases ainda fazem parte das "flavors" do Ubuntu, ou seja, Kubuntu, Lubuntu, Xubuntu e por aí vai...

Mesmo com o Ubuntu deixando de lançar essas versões as daily builds continuam disponíveis, o que de uma forma ou de outra se torna equivalente.

Existem também, como você pode ver no calendário, fases de congelamento,  no dia 18 de Agosto os recursos adicionados ao sistema são congelados para que à partir deste momento apenas bugs sejam corrigidos, o mesmo vale para o congelamento da interface e do Kernel, nos dias 8 de Setembro e 6 de Outubro, respectivamente.

Novidades desta versão


As principais novidades esperadas para esta versão são a inclusão do Unity 8 como interface padrão, o Mir como servidor gráfico padrão e também uma adoção mais plena  dos pacotes Snappy.

O Ubuntu 16.04 é uma LTS que tem suporte de 5 anos com o Unity 7, uma versão já muito estável, como o Ubuntu 18.04 LTS ainda está longe de sair mas é uma LTS e é necessário que o ambiente esteja estável, o 16.10 é uma boa hora para inserir e testar coisas novas.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Outlast 2 é mais tenebroso do que você poderia imaginar e vai ser lançado para Linux também

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de abril de 2016

A desenvolvedora do aclamado game de terror Outlast, que fez muito sucesso há algum tempo atrás, anunciou que haverá uma versão do game para Linux também e já foram liberados alguns gameplays com prévias, vamos dar uma olhada no material?

Outlast 2 Linux




Outlast 2 parece se passar em um mapa mais aberto, ao ar livre em algumas partes, mas ainda assim tão claustrofóbico quanto o hospital psiquiátrico do primeiro game (que já tem versão para Linux). Agora vamos encarar uma vila, escolas e cenário à luz da lua e cheio de névoas "a lá" Silent Hill.


Você pode conferir um dos primeiros gameplays para ver como o jogo está ficando logo abaixo:



Segundo a Linux Game News, Outlast 2 sairá para Linux também, porém, não no dia de seu lançamento para Windows, o mais provável é que o lançamento da versão nativa fique para perto do ano que vem, quando saíra juntamente com a versão para Mac, mas datas poderão ser alteradas.

Falando em Outlast, eu já fiz alguns vídeos do game me cagando completamente ainda quando só existia versão para Windows e depois quando saiu a versão para Linux também, dá uma conferida.



_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




O primeiro Beta do elementary OS 0.4 Loki vem aí!

Nenhum comentário
Agora que a Canonical lançou o Ubuntu 16.04 LTS as distribuições que tomam o sistema como base começaram a dar indícios do lançamento de seus projetos particulares, o elementary OS é uma delas e é muito aguardado pelos usuários.

elementary OS 0.4 Loki



O pessoal do elementary OS não tem falado tanto assim sobre o projeto ultimamente, porém, recentemente revelaram que o primeiro Beta da nova geração do sistema operacional baseado no Ubuntu 16.04 LTS deverá estar disponível para quem quiser testar muito em breve. Nenhuma data foi especificada, algo que já é de costume do elementary OS, no melhor estilo "sai quando estiver pronto."

Os desenvolvedores prometem muitas novidades importantes, apesar de não dizerem quais são elas, mas podemos esperar certamente um Pantheon Shell (a interface do elementary) ainda mais polida do que já era, tudo isso  para tentar manter o "título informal" de distro Linux mais bonita.

Abaixo você pode conferir a nossa análise da última versão estável do sistema até então, a versão 0.3 Freya:


Assine gratuitamente para receber mais vídeos como este
Quem quiser acompanhar o estágio de construção do Beta do elementay OS 0.4 Loki pode clicar neste link e observar toda a evolução.

Outra distro baseada no Ubuntu que promete muitas novidades é o Linux Mint, mas eles já mostraram algumas imagens do que vem por aí, saiba mais sobre o Linux Mint 18 aqui.

Até a próxima!_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como instalar o Nvidia CUDA no Ubuntu e derivados

Nenhum comentário
Olá você! Hoje vamos aprender a instalar o Nvidia CUDA Toolkit no Ubuntu e consequentemente em seus derivados, é muito mais simples do que você imagina, vamos lá?

Nvidia CUDA Core no Ubuntu





CUDA ou "Compute Unified Device Architecture" é um projeto da Nvidia com suas GPUs para fazer com que as mesmas possam trabalhar de forma paralela resolvendo algoritmos complexos que originalmente eram tratados pela CPU. 

Esta tecnologia tem um uso bastante variado, seja para realizar cálculos para propriedades físicas em jogos, identificar placas ocultas em artérias, analisar fluxo do tráfego aéreo e até mesmo visualização de moléculas.

"Trocando em miúdos" a existência dos CUDA cores e ativação deles na sua placa Nvidia podem melhorar um pouco o desempenho do sistema. Eu percebi uma melhora significativa dentro de games, aumentando a sua fluidez e também ao editar vídeos com o Kdenlive, ainda que o ffmpeg não estivesse configurado para renderizar via GPU, a fluidez do programa em si foi notável. Através da instalação dos pacotes à seguir você também poderá renderizar via GPU no Blender.

A dica vale para qualquer distribuição Linux, bastando instalar os mesmos pacotes à partir do seu gerenciador de software, no exemplo eu irei usar o Ubuntu, neste caso o sistema possui os pacotes CUDA dentro do seu próprio repositório, dependendo da distro que você utilize, isso pode variar.

Você pode instalar os pacotes responsáveis pelo funcionamento correto do CUDA no seu Ubuntu clicando nos botões abaixo:
nvidia-cuda-toolkit
nvidia-cuda-toolkit
 nvidia-modprobe
nvidia-modprobe
Se você preferir fazer a instalação pelo terminal use o seguinte comando:
sudo apt-get install nvidia-cuda-toolkit nvidia-modprobe
O processo pode demorar muito, os pacotes que serão baixados tem mais de 600MB de tamanho, então caso você não tenha uma internet rápida fica o alerta.

Ao final do processo eu recomendo reiniciar o computador. Depois de reiniciar comece a testar as suas aplicações e perceba a diferença que faz, claro, milagres de desempenho não existem mas em aplicações que exigem um pouco mais da sua placa de vídeo a diferença é notável. 

Um exemplo que eu posso dar é o game "The Witcher 2" que antes eu não conseguia jogar na qualidade "ultimate" à 60 FPS (GTX 960) e depois desta instalação foi possível. 

Se você quiser, pode baixar também os pacotes CUDA diretamente do site da Nvidia.

Se você testar, conte pra gente se para você o recurso deu resultado ou não, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como instalar o Open Broadcaster(OBS) no Ubuntu 16.04 LTS

Nenhum comentário
Vamos aprender a instalar o OBS Studio no Ubuntu 16.04 LTS através de seu repositório oficial, confira.

Como instalar o Open Broadcaster no Ubuntu 16.04 LTS



O Open Broadcaster Studio é um programa muito completo para fazer captura de tela e transmissões via streaming para o YouTube e outros serviços com diversas configurações adicionais para facilitar a sua vida.

Como instalar o OBS no Ubuntu 16.04 LTS e seus derivados


Para fazer a instalação deste software é necessário adicionar um repositório PPA e isto pode ser feito de uma maneira muito simples.

Abra o menu do seu Ubuntu e procure por "Programas e atualizações", na aba "Outros Programas" clique em "Adicionar..."e adicionar o seguinte PPA: ppa:obsproject/obs-studio

Adicionando o repositório do OBS no Ubuntu
Clique para expandir
Clique em "Fechar", agora é necessário fazer a atualização dos repositórios, se quando você fechar aparecer uma janela pedindo a atualização você pode fazer essa atualização apenas confirmando a ação, caso contrário, procure no menu do sistema pelo aplicativo "Atualizador de Programas" e deixe ele fazer uma atualização.

Agora para fazer a instalação basta clicar no botão abaixo:

Como fazer a instalação pelo terminal?


Se você já fez o procedimento acima você não precisa repetir usando o terminal, isto é apenas para aqueles que preferem fazer a instalação desta forma. Basta copiar todo este código abaixo e colocar no seu terminal, depois de colar pressione a tecla "enter", digite a sua senha e pressione "enter" novamente, aguarde a instalação, ele estará disponível no menu do sistema depois que ela terminar.
sudo add-apt-repository ppa:obsproject/obs-studio -y && sudo apt-get update && sudo apt-get install obs-studio -y
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




FBI recebe autorização do governo dos EUA para hackear qualquer computador

Nenhum comentário
O Supremo Tribunal dos EUA aprovou algumas novas regras que dão autoridade para o FBI  para invadir computadores dos norte americanos regularmente, porém, ela abre um precedente para que a agência possa fazer o mesmo com qualquer computador do mundo.

FBI Hack






Basta um mandato judicial de qualquer juiz norte-americano para que o FBI tenha permissão legal para invadir o computador de qualquer pessoa. A Suprema Corte dos Estados Unidos aprovou ontem uma mudança na regra 41 do conjunto de Regras Federais que abrange o acesso a dispositivos eletrônicos sob a jurisdição do Governo.
Veja também: Apple, Google, Facebook, Microsoft e outras se unem contra o FBI
"Estas alterações terão consequências significativas para a privacidade dos americanos e do âmbito dos poderes do governo para realizar uma vigilância remota e pesquisas de dispositivos eletrônicos", comentou o senador democrata Ron Wyden em um comunicado.

Se o Congresso não agir, as alterações ao artigo 41.º terão efeito imediato em Dezembro apesar da oposição de gigantes da tecnologia e grupos de liberdades civis que acredita que as mudanças iriam expandir o poder do FBI para realizar investidas em massa de redes de computadores e isso poderia ter consequência catastróficas. 

Mas de todas as novas medidas que estão sendo inseridas nesta ementa para o artigo 41 é que um magistrado pode simplesmente mandar apreender um computador ou dispositivo "suspeito" simplesmente pelo fato do usuário estar usando o TOR para navegar na internet de maneira anônima, algo que não faz o menor sentido.

E por que o restante do mundo deve se preocupar com isso? Simples, além de abrir precedentes para que outros governos façam o mesmo, afinal, os EUA são um modelo de comportamento para muita gente, a maior parte das  empresas de internet gigantes são dos EUA, ou seja, Facebook, Google, Microsoft, Apple e por aí vai estarão suscetíveis a estes mandos e desmandos. 

"E agora José?"
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Bugs do Gnome Software no Ubuntu 16.04 LTS serão corrigidos e novos recursos serão adicionados

Nenhum comentário

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Os bugs que estão afetando todos os usuários do novo Ubuntu 16.04 LTS e que impedem a instalação de pacotes .deb normalmente serão corrigidos muito em breve, a atualização já está presente no repositório "proposed" no Ubuntu, que é o repositório que os pacotes vão antes de ir para o sistema principal.

Bugs na Gnome Software Center


Estes bugs tem atormentado a vida dos usuários, apesar de serem perfeitamente contornáveis e de diversas formas como nós mostramos neste artigo, não deixam de ser bugs e não deixam de incomodar as pessoas.

Felizmente a correção para este problema está à caminho e mais do que isso, a atualização para a Ubuntu Software (Gnome Software), a nova Central de Programas do Ubuntu,  trará também alguns recursos a mais como:

- Capacidade de trabalhar com pacotes Snappy;
- Suporte melhorado para a URL do tipo APT que permite instalar programas através de links;
- Listagem de 30 comentários de avaliações;
- Capacidade de mostrar tamanho e versão de aplicações não instaladas.

Essas atualizações deverão chegar em breve no sistema, possivelmente na semana que vem, mas se você é do tipo que não aguenta esperar pode habilitar o repositório "proposed", porém, cabe alertar que ele pode deixar o seu sistema um pouco instável.

Se mesmo assim você quer habilitá-lo para ter estas atualizações agora, procure no menu do sistema o aplicativo "Programas e atualizações" e na aba "opções de programador" marque o repositório e feche, procure o aplicativo "Atualizador de Programas" no menu e faça as atualizações.

Atualizações "proposed" Ubuntu

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Criador do MEGA diz para as pessoas deixarem de usar o serviço urgentemente!

Nenhum comentário
Kim Dotcom é um cara polêmico, fundador do "falecido" MegaUpload e do atual MEGA, do qual ele não tem mais ligação alguma, a não ser histórica, ele fez uma série de postagens no Twitter no intuito de aparentemente alertar os usuários do serviço para que os mesmos deixem de utilizá-lo.

CaiaforadoMega




Não chega a ser um assunto novo mas Kim Dotcom voltou a tocar nele, através de seu Twitter o criador do Mega alertou as pessoas de que o Mega não era mais seguro e que era aconselhável fazer backup dos seus dados e migrar para outro serviço, dizendo que o serviço estaria passando por problemas financeiros.

Como assunto não é novo, mas sim reincidente, e os argumentos são os mesmos, eu vou deixar logo abaixo o vídeo que eu fiz ainda no ano passado explicando todo o problema.




Diferente da vez passada, agora o MEGA se pronunciou pois viu que muitos de seus usuários começaram a desconfiar no serviço.

Segundo as informações o MEGA afirma que está ainda em crescimento e que as acusações de Kim Dotcom não tem fundamento, inclusive falaram que estão providenciando 24PB (Petabytes) de espaço extra para atender aos seus mais de 40 milhões de usuários cadastrados  no serviço.

Muitos apontam que Dotcom estaria pensando em abrir um serviço concorrente ao MEGA e por conta disso ele estaria "criando boatos" para abalar a popularidade de Mega. O que de alguma forma faz sentido.

Veja também: Como usar o Google Drive no Ubuntu pelo Nautilus

No ano passado, eu deixei de usar o MEGA por alguns meses esperando pelo "apocalipse" do serviço, mas isso não aconteceu, então neste ano eu voltei a utilizá-lo, porém, passei a colocar nele apenas arquivos menos importantes e pretendo, por hora, continuar utilizando até organizar meus dados e passá-los para o Google Drive, que tem menos capacidade que o MEGA mas que para mim é o suficiente.


E você o que pretende fazer?
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Lançado Tomb Raider para Linux - Confira alguns Benchmarks

Nenhum comentário
O primeiro game da franquia Tomb Raider foi lançado para Linux/SteamOS, vamos dar uma olhada nesta nova opção de jogatina para os usuários de Linux e conversar sobre o desempenho do jogo.

Tomb Raider Linux




Ontem foi anunciado o porte do game Tomb Raider (2013) para Linux, este é mais um título que vem para "engordar" a biblioteca de games disponíveis para a plataforma, não se trata de uma lançamento, mas é bom poder jogar mais este game no Linux também.

Eu tenho ele desde seu lançamento praticamente e o joguei através do Wine no Linux mesmo, mas agora com uma versão nativa as coisas são ainda melhores, inclusive o desempenho. Tomb Raider é um game relativamente pesado e possui alguns efeitos que fazem muita diferença pelo que pude perceber.

Eu fiz alguns benchmarks com o game usando o seguinte hardware/software:

- Ubuntu 16.04 LTS
- Unity 7.4
- Kernel 4.4
- Driver Nvidia 364.19

- i5 3330
- 2X4GB Hyper-X Fury 1600 Mhz
- GTX 960 Point of View
- SSD 120GB+2,5TB HD 7200 RPM (/HOME)

No primeiro teste eu rodei o benchmark em full HD com todas as configurações no Ultra, absolutamente tudo no máximo possível:

Benchmark Tomb Raider Linux

Sem fazer captura de tela para o YouTube é possível jogar no máximo sem maiores problemas, especialmente se você não se importa em rodar o jogo à 30 FPS, porém, existe um efeito que faz um peso tremendo no game que é a opção de "dar vida" ao cabelo da Lara Croft, este efeito faz com que cada fio de cabelo da personagem seja independente um do outro e o efeito é magnífico, sério, o cabelo dela parece mais de verdade do que o meu! :D

Comentei deste efeito porque realizando o mesmo benchmark acima com tudo no Ultra (Ultimate), porém, desta vez desligando esse efeito no cabelo da Lara (só este efeito, o restante tudo no máximo), o resultado foi este abaixo:

Tomb Raider Linux

Apenas desligando o efeito o game já roda à 60 FPS com uma maior tranquilidade, mesmo que o restante das configurações estejam todas no máximo possível.

Só por questão de curiosidade, eu resolvi colocar o game em modo janela e baixar a resolução para 1440x900, um pouco acima do HD (720p), que para quem tem computadores mais modestos é uma opção a se considerar e até mesmo para quem quer fazer gameplays do jogo, já que, como eu sempre digo, gravar a tela baixa muito a taxa de quadros.


No benchmark acima você vê o game no ultimate, com o efeito de cabelo da Lara ativado, porém, com a resolução inferior e tivemos aproximadamente um ganho de 15 frames se comparado com com o modo FullHD.

Você pode comprar o game na Steam, neste momento por um valor razoável:



Bom proveito e bom jogo! Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Configurando resolução de nomes em rede no Ubuntu 16.04 LTS

Nenhum comentário
Vamos aprender hoje a acessar máquinas em rede no Ubuntu através do nome do computador ao invés de usar o seu endereço IP, esta dica foi enviada pelo nosso leitor Marcelo "Elppans", confira.

Resolução de Nomes no Ubuntu



O texto a seguir foi enviado pelo nosso leitor e não representa necessariamente a nossa opinião sobre o assunto, porém, sempre que possível e quanto o conteúdo é interessante, nós tentamos dar este espaço para nossa comunidade compartilhar também seu conhecimento, se você quiser fazer como o Marcelo nos mande um e-mail com o seu artigo, você pode saber mais sobre o assunto aqui.

That's not my name!


"Olá Dio, blz???

O Ubuntu é um sistema bom e fácil de usar e configurar e até mesmo a configuração do compartilhamento é ligeiramente fácil, até mais do que no Windows. Porém, infelizmente o aplicativo samba não vem instalado por padrão tendo que instalar o aplicativo e, felizmente como mostra neste vídeo, é bem fácil instalar e configurar ao mesmo tempo o compartilhamento:


Mas há um detalhe que me intriga, assim como mostra no vídeo é necessário acessar o compartilhamento da outra máquina via endereçamento digitando diretamente o IP da outra máquina, por exemplo: smb://192.168.X.X (o X é a substituição de Nºs).

Mas porque isto acontece? Até o Ubuntu 15.10 mesmo instalando o samba o sistema não tinha suporte para "resolver nomes" e então só dava para fazer acesso via IP mesmo.

Resolver nomes no samba é ter suporte para usar o DNS (Domain Name Service) que é associar o Nº de IP ao hostname das outras máquinas na rede.

Até o Ubuntu 15.10 era necessário fazer uma pequena configuração mais elaborada, como mostro nesta minha outra "dica" no Viva o Linux.

Mas a partir do Ubuntu 16.04, assim que é instalado o compartilhamento samba já é suportado a resolução de nomes, ao menos via gerenciador de arquivos. Para poder mostrar, instalei o Windows 7 e ativei o compartilhamento do mesmo via Máquina Virtual com o nome "Seven" (é... não tenho muita imaginação para nomes):

Resolução de nomes Ubuntu 16.04

Via Nautilus note na barra de endereços que acessei o compartilhamento do Windows via "nome" e não "IP":

Resolução de nomes Ubuntu


Entrei em modo edição na barra de endereços para mostrar melhor, eu acessei a pasta "Public" em "users" na máquina com o nome "Seven":

Resolução de nomes Ubuntu 16.04

Para a maioria dos usuários até aí já está bem fácil e funcional e não precisa de mais nada, porém há quem precise por algum motivo do suporte para resolução de nomes também via Terminal. Eu mesmo trabalho com servidores e preciso deste tipo de comunicação além da comunicação direta via IP.

Mas ao fazer um teste de ping para ver se a comunicação funciona entre as duas máquinas via resolução de nomes, nota-se que não dá certo:

Resolução de nomes ubuntu 16.04

Mas há uma forma de resolver e é bem simples, logo após atualizar os repositórios simplesmente instale o pacote "libnss-winbind". Com isso também é instalado o pacote winbind:
sudo apt-get install libnss-winbind
Configuração resolução de nomes ubuntu 16.04

Agora edite como super usuário o arquivo "/etc/nsswitch.conf", pode usar qualquer editor e aonde está a linha:

hosts: files mdns4_minimal [NOTFOUND=return] dns

Adicione as opções wins e mdns4, para ficar desta forma:

hosts: files mdns4_minimal [NOTFOUND=return] wins dns mdns4
Salve e saia do arquivo, só falta agora ativar o suporte ao winbind, para isto edite o arquivo como super usuário, o "/etc/samba/smb.conf" e procure pela linha onde está:

# wins support = no


Descomente e troque "no" por "yes" (sem as aspas) para ficar desta forma:

wins support = yes


Salve e saia do arquivo. Para fazer o efeito, restarte os 2 serviços do samba para que não precise reiniciar o sistema:

sudo service nmbd restart
sudo service smbd restart


Agora ao pingar para o nome da máquina que está na rede para testar novamente, a mágica acontece e comunica como o esperado:

Resolução de nomes no Ubuntu

Veja o meu comando com nmap (é preciso instalar o mesmo para usar), consigo ver até mesmo informações triviais do sistema em teste usando o nome em vez do IP:

Resolução de nomes no Ubuntu 16.04 LTS no Terminal

Com esta configuração podemos fazer alguns trabalhos e outras coisas alternando entre o IP e o nome da máquina normalmente, apesar do tutorial ter ficado comprido é bem fácil, é que eu meio que especifiquei um pouco demais.

Espero que tenha ficado bom ou quase lá...

Bom, é isso...
Até a próxima!!! o/"

Nota do blog


Gostaríamos de agradecer a participação do nosso leitor, se você quiser fazer como ele, mande-nos um e-mail com a sua dica.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Lançado o mais poderoso Ubuntu Phone até o momento

Nenhum comentário
Finalmente está disponível para o público final o mais poderoso Ubuntu Phone, o Meizu PRO 5, saiba mais informações sobre ele.

Meizu PRO 5




A página de Insights do Ubuntu anunciou a disponibilidade do mais novo e potente Ubuntu Phone lançado até então. Na imagem abaixo você pode ver as especificações do aparelho.


O Smartphone está saindo com a última versão do Ubuntu para dispositivos móveis e custa USD$369.99, o que se comparando o hardware que ele possui é preço muito bom.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




PhotoGIMP - O GIMP para quem vem do Photoshop

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de abril de 2016

O GIMP é um programa muito poderoso, muito mais do que as pessoas imaginam, porém, por se tratar de um programa diferente é natural que a maneira de trabalhar com ele seja diferente do popular Adobe Photoshop e isto afasta alguns usuários que não podem "perder tempo aprendendo" uma nova ferramenta.

ATENÇÃO: EXISTE UMA VERSÃO ATUALIZADA DO PHOTOGIMP, CLIQUE AQUI PARA CONFERIR.

O PhotoGIMP é um projeto do Diolinux que visa deixar o GIMP o mais parecido possível com o Photoshop e torná-lo uma opção viável para iniciantes e para avançados.

PhotoGIMP




O PhotoGIMP é um patch que você pode aplicar no GIMP 2.8, tanto para Linux, quanto para Windows. Este Patch adiciona as seguintes características.

Veja também: Na mão de quem sabe o GIMP é uma ferramenta incrível, veja este vídeo.

- Visual semelhante ao do Photoshop: Tema escuro com disposição espacial das ferramentas e painéis de configuração semelhantes aos do Photoshop. Os atalhos do teclado para as ferramentas também são iguais aos do Photoshop.

PhotoGIMP versão Windows
PhotoGIMP versão Windows

PhotoGIMP versão Ubuntu
PhotoGIMP versão Linux

- Recursos adicionais: Foram adicionados vários novos Brushes ao GIMP e também foram adicionados alguns filtros do Instagram para você utilizar de maneira prática:

PhotoGIMP

Brushes

Para turbinar o seu GIMP mais ainda ainda consulte: 17 dicas para deixar o GIMP mais completo.

Como instalar o PhotoGIMP no seu computador?


Como o PhotoGIMP é um patch, será necessário que você tenha o GIMP instalado previamente para poder aplicá-lo, caso você use Linux ele estará disponível na Central de aplicativos da sua distribuição, no caso do Ubuntu basta procurar pela aplicação na Ubuntu Software como na imagem abaixo:

GIMP Ubuntu

Se você usa Windows é possível fazer o download do GIMP no site oficial, basta baixar e instalar normalmente, o instalador é um arquivo .exe tradicional do Windows.

Agora que você já tem o GIMP instalado, independente do sistema, basta aplicar o Patch. Para fazer isso você deve baixar um dos arquivos abaixo:
Versão Linux 14 MB
Versão Windows 14 MB
Você encontra instruções para instalação em um arquivo "Install.txt" dentro do arquivo que você baixar. Basicamente o que precisa ser feito é:

1 - Baixe o arquivo .zip.

2 - Dê dois clique no arquivo baixado.

3 - Clique uma vez sobre a pasta .gimp-2.8

4 - Extraia esta pasta:
   4.1 - No Linux (Ubuntu) para /home/SEUUSUÁRIO
   4.2 -  No Windows para C:\Users\SEU_USUÁRIO

Basicamente é isso, para ativar o tema escuro no Windows pode ser necessário configurá-lo dentro do GIMP acessando o menu editar>>preferências e na sessão "Tema" selecione PHOTOGIMP-DIOLINUX, fechar o programa e abri-lo novamente.

Gostaria de agradecer ao meu amigo Charly por ter feito a nova arte da tela de Splash no PhotoGIMP.

Aproveite e até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Analisamos o novo Ubuntu 16.04 LTS: Veja o que achamos!

Nenhum comentário

terça-feira, 26 de abril de 2016

O Ubuntu 16.04 LTS foi lançado há alguns dias e já deu tempo de você se acostumar com as novidades do sistema, certo? Muita gente ainda continua na antiga LTS e está pensando em migrar, ou muitas vezes está em outra distribuição Linux ou sistema operacional e está curioso para ver como este novo Ubuntu está, então, vamos mostrar para você as principais diferenças das versões anteriores para a nova.





Apesar do sistema trazer várias novidades interessantes como você vai ver no vídeo abaixo, muitos usuários tem relatados bugs, mas antes de falarmos deles você pode conferir a nossa análise para ficar por dentro de todas as coisas novas que chegaram com o "Xenial Xerus".


Apesar das muitas coisas boas que o sistema trouxe, se compararmos com o Ubuntu 14.04.4 LTS ele realmente está com problemas de operabilidade e por incrível que pareça o Unity é uma das coisas mais estáveis nele, muito provavelmente por não ter mudando tanto nos últimos anos ele tenha atingido uma certa maturidade.

A maior parte dos usuários tem tido problema com a instalação de pacotes que estão fora na nova Central de Programas do Ubuntu (Gnome Software), como pacotes .deb do Google Chrome, Dropbox e por vai. Aqui você encontra uma possível solução para isso, mas pelo que pude averiguar trata-se de um bug legítimo que já está em processo de correção do Launchpad.

Quer saber o mais "engraçado" desse problema? Eu venho utilizando o Ubuntu 16.04 LTS desde os betas com a intenção de reportar os bugs, e nos betas eu conseguia instalar pacotes .deb normalmente pela Ubuntu Software, aí lançou a versão que deveria ter menos problemas e tem essa mancada, que coisa feia Canonical! Felizmente,  não é nada incorrigível ou não contornável.

Para além disso não tive mais problemas. Tudo o que eu sempre usei no Ubuntu 14.04 LTS está presente e muito mais rápido no 16.04 LTS, mas de fato, ele possui alguns diferenciais, por isso se você, mesmo vendo a review ainda está em dúvidas se deve ou não migrar, pode ser interessante que você leia o artigo "Tudo o que você precisa saber antes de migrar para o Ubuntu 16.04 LTS", ele deve deixar as coisas ainda mais claras.

Conte pra gente como está sendo a sua experiência com o novo Ubuntu através dos comentários. :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Lançado Ubuntu 16.04 Budgie Remix - Download

Nenhum comentário
O novo "sabor" do Ubuntu com a interface Budgie Desktop está disponível para download com base na versão 16.04 LTS, confira as novidades e faça o download.

Ubuntu Budgie Desktop 16.04 Download




Essa versão do Ubuntu já foi notícia aqui no Diolinux há alguns dias atrás onde nós vimos o RC (Release Candidate) do sistema. Agora parece que ele ficou pronto e está disponível para os curiosos e para os que gostam de testar distros Linux.

Ubuntu Budgie Desktop


Basicamente a ideia é juntar o poderoso ecossistema do Ubuntu com simplicidade do Budgie Desktop proveniente do projeto Solus, pelo menos é isso que está no site. Realmente ele está muito bonito. O Ubuntu Budgie Remix é um sério candidato a se tornar uma derivação oficial do Ubuntu na versão 16.10, Mark Shuttlewoth, criador do Ubuntu, já deu seu aval.  

O Budgie Desktop parece fazer uma boa frente em termos de acabamento ao elementary OS, que é uma das referências neste segmento quando se fala em desktop Linux.

Apesar de ser baseado no Ubuntu 16.04 LTS que foi lançado a pouco tempo, o Ubuntu Budgie não é efetivamente uma LTS pois este não é um lançamento oficial da Canonical, ou seja, ele "sem querer querendo", como diria o Chaves, acaba sendo uma LTS por conta de sua base, mas os desenvolvedores não tem esse comprometimento agora. Ao menos nada foi anunciado.

De qualquer forma, parece ser uma forma interessante de usar o computador, você pode baixar o Ubuntu Budgie Remix clicando no botão abaixo, existem versões de 32 e 64 bits, ambas as ISOs tem cerca de 1GB de tamanho.

Você também pode encontrar informações no site oficial da distribuição, inclusive, se você não quer baixar uma ISO completa do Ubuntu Budgie, saiba que é possível instalar a interface no seu Ubuntu 16.04 LTS Unity (ou outra interface) utilizando este nosso tutorial.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como instalar a antiga Central de Programas no Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus

Nenhum comentário

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Uma das novidades do novo Ubuntu 16.04 LTS foi a nova "Ubuntu Software", que nada mais é do que uma versão editada da Gnome Software. Tudo muito lindo, mas ela tem alguns "probleminhas" que podem incomodar, incluindo um bug pontual que não está permitindo a instalação de pacotes .deb.

Ubuntu Software Centerl - Ubuntu 16.04 LTS




Pelo que eu pude averiguar este problema de não instalar pacotes .deb via Ubuntu Software (Gnome Software) já foi reportado como um bug no Launchpad e está como prioridade de resolução alta. De qualquer forma, apesar da Ubuntu Software, a nova central, ser muito bonita e rápida, ela também é carente de algumas funcionalidade que antiga possuía.

Dentre as funcionalidade eu posso citar:

- Possibilidade de instalar libs e codecs através dela, podendo encontrar os pacotes através de uma simples busca, pacotes deste tipo não aparecem na nova central pois não possuem ícones.

- Possibilidade de parar uma instalação no meio e acompanhar a taxa de download em MB de uma aplicação.

- Possibilidade de instalar pacotes .deb sem maiores problemas.

Por essa e outras é que a antiga Central de Programas ainda é útil, porém, se a única questão que está te incomodando é instalar os pacotes .deb saiba que existem opções gráficas mais leves do que a antiga Central de Programas do Ubuntu.

Patrocinador: Baixe grátis o E-book "Curso de Ubuntu Linux"

Você pode usar o GDebi ou o Software Boutique do Ubuntu MATE, que vai permitir que você instale uma série de coisas também, você encontra os dois na Ubuntu Software.

Para instalar a antiga central de programas basta abrir a nova Central de Programas e procurar por ela, assim como você pode ver na imagem abaixo:

Ubuntu Software Center no Ubuntu 16.04 LTS

Para instalar um pacote .deb com ela basta clicar com o botão direito sobre o pacote desejado, ir no menu de contexto até a opção "abrir com..." e selecionar o Ubuntu Software Center, eu testei alguns pacotes como Google Chrome, Steam e Dropbox e todos funcionaram normalmente.

Esperamos que o bug seja corrigido em breve, mas de qualquer forma, é sempre bom ter opções.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Fazendo Dual Boot com Windows 10 e Linux - Tutorial Completo [Vídeo]

Nenhum comentário
Existem muitas pessoas que começam a experimentar o Linux ainda em Dual Boot, eu mesmo fiz isso há alguns anos e acho que esta é uma das formas menos "traumáticas" de se migrar de sistema operacional, por isso, atendendo a pedidos dos inscritos do nosso canal eu resolvi fazer um vídeo para mostrar um "pulo do gato" na hora de fazer Dual Boot com Windows 10 e Linux.

Dual Boot com Windows 10 e Linux Ubuntu tutorial completo




Esta é uma coisa que muitas pessoas tem dúvidas. Não só fazer a instalação do Ubuntu (neste caso, mas poderia ser outra distro) como também manter o Windows funcionando para caso de necessidade. Por conta disso vou dividir este post em duas partes, em dois vídeos. No primeiro você aprenderá passo a passo a fazer a formatação do seu computador com o Ubuntu, todos os detalhes explicados para que não reste dúvida, no segundo, o processo de dual boot com a versão mais recente do Windows.




Dicas adicionais


O nosso leitor Bernardo Ramos nos enviou mais algumas dicas sobre a "convivência" com o Dual Boot e eu achei relevante colocarmos aqui para te ajudar.

Evite hibernar o Windows e tentar acessar os dados da partição pelo Ubuntu, o ideal é que você desligue o "fast startup" do Windows (vale para o 8, 8.1 e 10) porque este mecanismo faz com que o Windows não desligue de verdade e sim faz com que ele hiberne (por isso ele liga tão rápido). Por isso, sempre desligue o seu Windows corretamente fechando todas as aplicações antes de finalizar o sistema além de desligar o "fast startup", isso evitará dores de cabeça.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Chrome OS deverá passar a rodar aplicações Android nativamente

Nenhum comentário
Parece que a Google pretende aproximar o Chrome OS e o Android a cada dia mais. A atualização mais recente do sistema trouxe para o mesmo uma aparência muito semelhante aos mais recentes Android seguindo conceito de design "Material" criado pela empresa.

Chrome OS Material Design




Não sei se você percebe uma tendência acontecendo, mas as grandes empresas de tecnologia, cada um da sua forma, estão criando interoperabilidade entre aplicações desktop e mobile.

O Chrome OS é a aposta da Google para um segmento que muita gente gostaria que fosse realidade em todo mundo, que é ter um sistema operacional voltado para aplicações em nuvem. O maior problema da Google é que justamente o acesso a internet não é "um primor" em todo lugar do mundo, isso dificulta (e muito) a vida do Chromebooks, uma vez que sem internet ou com internet limitada eles são praticamente "inúteis".

Qual seria a solução para isso? Fazê-lo rodar aplicações que não dependam tanto de internet, certo? Acho que a reposta é óbvia. 

O Android nessa história


São várias pequenas coisinhas que eu venho reparando que convergem. Recentemente nós pulicamos aqui no blog uma matéria que mostra que o Android N, a futura versão do sistema, consegue rodar os aplicativos em modo janela, semelhante ao que acontece no Remix OS.

O Chrome OS agora está ganhando o tema do Android, o Material Design, tanto que se você usa a versão 50 do navegador Google Chrome no seu computador, acessando "chrome://flags/" no navegador você vai conseguir ativar uma opção que habilita o novo tema para o browser. Para completar, nesta semana foi descoberta uma função escondida dentro do Chrome OS que permitirá rodar Apps Android. Se isso for verdade, significa que a Google também está embarcando nessa onda de sistemas operacionais convergentes, ou melhor dizendo, compatíveis entre Desktops e Mobile neste caso, já que apesar de rodarem as mesmas aplicações eles são sistemas diferentes.

Para quem tem a maior base de usuários mobile do mundo, trazer Apps que as pessoas aprenderam a gostar para os computadores e fazer com que os usuários queiram usar esse tipo de sistema, ainda mais vindo da Google, não me parece ser um exercício de imaginação muito grande.

Todas as principais empresas do ramo da computação pessoal estão muito próximas disso. Seja compatibilizando sistemas, seja a interface, realmente parece que no futuro teremos um sistema único para todos os nossos aparelhos, ou pelo menos, muito parecidos.

Como o Chrome OS é baseado no Linux, especificamente no Gentoo, não seria nada mal se o Google liberasse o sistema final  pra gente né?

Você encontra informações sobre o Chromium OS aqui.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo