Responsive Ad Slot

Prepare-se para a certificação Linux por apenas R$ 49!

Nenhum comentário

quarta-feira, 18 de outubro de 2017


Profissionais de TI em todo o mundo já sabem que experiência e conhecimento são imbatíveis no setor de tecnologia. Mas como se destacar em uma área que hoje emprega mais de 1 milhão de pessoas no Brasil? A resposta está nas certificações de TI, que são selos internacionais que comprovam a habilidade do profissional em diversas áreas do conhecimento. Estas certificações geralmente aumentam (e muito) o salário e geram muitas oportunidades. E para a alegria dos fãs do Linux, o curso online preparatório de algumas das certificações mais requisitadas do mercado está com mais de 80% de desconto!

Certificação Linux Curso Udemy






Seu próximo passo Profissional


As certificações LPIC-1 (Linux Administrator) e CompTIA LInux+ são muito valorizadas e reconhecidas internacionalmente por credenciar o profissional como um Administrador de Sistemas Linux. São duas provas distintas mas o conteúdo é o mesmo e curso online da Udemy já é uma referência por ter preparado mais de 3 mil profissionais a conseguir este importante destaque no currículo. 

O acesso ao conteúdo é vitalício e não há mensalidade. Todo o curso é apresentado em tópicos demonstrados de maneira prática. Você verá a utilização e os retornos de cada comando diretamente aplicados em uma máquina Linux e poderá reproduzir e testar em sua própria máquina de estudos. E mesmo que seu computador não tenha o Linux, será mostrado o passo a passo para criar uma máquina virtual do sistema que pode rodar do Windows ou Mac. 

Udemy: A referência em cursos online


Esqueça as mensalidades. Com a Udemy, você paga apenas uma vez no boleto ou cartão e pode acessar o curso (e todas as atualizações) para sempre. E o melhor é que você pode fazer os cursos no seu próprio ritmo, do dispositivo que quiser e até mesmo offline. Pode ter certeza, os melhores cursos online estão na Udemy. Já são mais de 18 milhões de alunos em todo o mundo.

Aproveite a promoção (os cupons são limitados). De R$ 295 por apenas R$ 49!

*Este artigo foi um apoio de Udemy, clique aqui e conheça.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como um mau logotipo pode afetar a sua loja virtual

Nenhum comentário

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Um dos assuntos que eu mais gosto e mais tenho estudado nos últimos anos é Marketing Digital. É um mundo fantástico, estudar esses assuntos ajuda a qualquer empreendedor ou curioso na área a elaborar QUALQUER projeto melhor, não somente empreendimentos digitais. Hoje vamos falar sobre um assunto extremamente delicado, o seu logo!

A importância dos logotipos





Muitas empresas ainda não perceberam que para ter uma loja virtual de sucesso, é importante apostar em diversas questões, nomeadamente o design do logo (que deve ser a primeira coisa a ser feita) e no design e simplicidade da loja. O cliente precisa encontrar o que está procurando com poucos cliques. Depois que eu comecei a desenvolver a DioStore este tipo de preocupação aumentou e as melhorias devem ser contínuas.

O seu logotipo pode afetar a sua loja online?


Você reconhece os logos que eu coloquei na primeira imagem do artigo? Sim? Então eles estão cumprindo a sua função. A ideia de um logo, além de passar determinadas sensações através de cores e formas, é também gerar identificação, afinal, sempre que as pessoas verem o seu logo, vão lembrar do seu trabalho, ou pelo menos, esta é a ideia. Um dos motivos do logo da DioStore ser da forma que é, consiste em justamente passar a associação que ela tem com o blog.

Sim. A verdade é que embora cada vez mais seja possível criar logos online de forma gratuita, muitas empresas não percebem o quanto a criação de um mau logo afeta as suas lojas virtuais, independente da ferramenta.

A grande maioria das empresas (principalmente PME, ou seja, Pequena e Média Empresa) têm um logo mal feito, o que afeta negativamente a sua imagem junto de potenciais clientes. Muitas vezes feito pelo famigerado "sobrinho que estudou photoshop". Você já deve ter visto algumas pérolas na sua cidade, certo?

Isto acontece, essencialmente pela falta de investimento nas estratégias de marketing, seja por falta de orçamento ou pela inexperiência mesmo. Talvez eu não possa te ajudar diretamente a gerar orçamento para investir nisso, mas ao menos vamos tentar tirar um pouco da sua inexperiência.

Lembre-se que o logotipo é o rosto visível da empresa e é a primeira impressão que os clientes têm sobre a marca. O design de um logo fala não apenas da atividade da empresa, mas também de seus valores. Assim sendo, e especialmente no caso das PME, a empresa deve encontrar um equilíbrio entre sua essência e a imagem que quer transmitir.

Independente de que ferramenta se use na produção, Photoshop, GIMP, Inkscape, Corel, Illustrator, seja lá o que for, até mesmo editores online, que hoje em dia já tem muita qualidade, é preciso fazer um estudo preliminar de imagem, cor e tipo de letra, tudo deve ser realizado com calma e reflexão para criar uma coerência visual entre todos esses elementos, tornando o logotipo perceptível em qualquer escala. Na dúvida pesquisa na internet, contrate um profissional, peça ajuda para quem já desenvolve um trabalho.

Como fazer um bom logo

Criando uma loja virtual que venda!


Pois bem, depois de ter o seu logo criado, está na hora de criar a sua loja virtual grátis. Sim, atualmente pode-se criar a e-commerces de forma gratuita e mesmo assim ter a qualidade de um site pago, desenvolvido por profissionais, até porque, estes produtos semi-prontos também foram feitos por profissionais. O único detalhe que você deve se atendar é se estes serviços vão entregar todos os recursos que você necessita para o seu produto. A DioStore por exemplo funciona assim, nosso maior diferencial é o produto, a plataforma só tem a função de criar o intermediário entre você e a gente, por isso ela deve simplesmente funcionar.

É importante colocar na ponta do lápis os valores que serão investidos ao trabalhar com uma plataforma pronta ou com uma sob medida, os valores podem ser inicialmente bem diferentes, mas pense no longo prazo. Eventualmente aparecerão diferenciais. Em caso de lojas feitas sob medida, pense no curto do desenvolvimento, manutenção e hospedagem, além dos recursos da própria plataforma. Geralmente serviços prontos são mensalmente mais em conta, mas podem não oferecer o que você precisa, fique atento e escolha a opção que se adapta melhor as suas necessidades.

É importante que tenha em conta que o design da sua loja deve ser coerente com o seu logo. Por exemplo, se o logo é amarelo, branco e preto, estas são as cores base que devem vigorar no site, isso se chama "paleta de cores", não vá misturar as cores colocando laranja e azul por exemplo com o logo amarelo, branco e preto, essa  mistura só deu certo com a banda Restart e por pouco tempo. #FicaaDica

Observe a concorrência, observe lojas grandes, Walmart, Amazon, e veja o quão "simples" são seus sites. Desta forma, acaba por ser mais simples manter a identidade visual da sua marca, e transmitir uma imagem cuidada aos consumidores, o que, obviamente vai ajudar nas vendas, dando aquele "feeling" de seriedade ao negócio.
Além da identidade visual da sua loja online, é também preciso que tenha imenso cuidado (e que perca algum tempo) para escrever a descrição de cada um dos seus produtos, assim como, colocar fotografias de qualidade. Pense sempre em o que você olha nas lojas antes de comprar os produtos e seja exigente e dedicado.

Com essas técnicas será mais simples aumentar o ranking do seu negócio no Google (através de técnicas de SEO na escrita das descrições e do próprio site), e consequentemente ganhar notoriedade e aumentar as vendas. 

Lembre-se que embora o logo e a loja online possam ser criados gratuitamente, é importante que se "perca" algum tempo para realizar os estudos comentados e a fazer testes, de forma a perceber quais as melhores opções. 

Esse campo de estudo é imenso e existe "muito pano pra manga aqui", mas estas são algumas dicas que eu posso passar para você neste momento, dicas que me teriam sido muito úteis quando eu decidi me aventurar por este campo. Quem sabe, se podemos publicar mais conteúdos semelhantes, no futuro, não é? Se você gostou, basta comentar.

Comente e compartilhe! Participe! Qual a sua opinião sobre o assunto?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instalando o básico para programar em Python no Linux (Ubuntu, Mint e Debian)

Nenhum comentário
Dando continuidade a uma pequena série de artigos que vai te ensinar a criar ambientes básicos de programação em linguagens variadas que começou com este artigo falando de Java, hoje vamos mostrar como criar um ambiente bacana para você desenvolver Python no Ubuntu, Linux Mint, Debian e seus derivados, o que inclui Deepin, elementary OS, entre outros.

Montando ambiente para programar em Python





Este artigo foi desenvolvido em parceria com Tiago Funk, ele vai te ajudar a entender melhor como criar uma ambiente ideal para começar a programar em Python em algumas das distribuições Linux mais famosas.

Começando


Se você está com dúvidas sobre o que é necessário para poder programar em Python na sua distro Linux, este artigo tem a pretensão de lhe instruir em seus primeiros passos. Antes de tudo, é importante dizer que o Python é uma linguagem interpretada, ou seja, todas as instruções que você for programar nela são, na verdade, instruções que um outro software seguirá.

O mais legal nessa história é que distros Linux utilizam Python para muitas coisas, assim esse interpretador já vem instalado na sua distribuição, mas há um porém, em geral as distros utilizam uma versão antiga do Python, a 2.7, enquanto que hoje existe a 3.5 (Essa versão também já vem instalada em alguns casos). Para ver testar o Python, abra o terminal e digite python3.5 e note que o cursor do terminal vai mudar.

Testando Python

Nesse console que se abriu podemos digitar comandos em Python para que ele os execute. Ao digitar  apenas python  o terminal, ele vai usar a versão 2.7 ai invés da mais recente.

É importante definir qual a versão do Python que você quer trabalhar, pois existem diferenças na sintaxe entre as versões, ou seja, para fazer a mesma ação, existem comandos diferentes em cada versão.

Instalando uma IDE


Para poder programar em Python, em teoria, você já teria o suficiente só com o que vem pré-instalado, entretanto, para ganharmos tempo, vamos instalar um IDE, que é um software que vai automatizar muito dos processos que você teria que fazer para poder executar o programa que você acabou de escrever.

Talvez a melhor opção para Python seja o PyCharm, é muito completo, leve, e bastante bonito. 


No site de download escolha a versão da comunidade, que é gratuita, porém mais básica, para o nosso propósito, vai servir perfeitamente. Se não me engano há um pacote Snap para Ubuntu (e qualquer distro) dele, se você usa o Deepin, ele está na Deepin AppStore.

Site do PyCharm

Após o finalizado o download, você terá uma arquivo .tar.gz, descompacte-o, entre na pasta que foi criada e entre na pasta bin.

Instalando o PyCharm

Dentro dessa pasta existe um arquivo chamado pycharm.sh, esse arquivo é o instalador, para executa-lo, abra o terminal, navegue até a  pasta do arquivo e digite ./pycharm.sh, e a instalação vai iniciar.

Instalando o PyCharm

A primeira janela que vai se abrir é a janela que pergunta se você vai querer restaurar dados de instalações passadas, no nosso caso não vamos fazer isso, depois aceitamos o termos de utilização e por último, uma janela aonde podemos personalizar a interface vai se abrir, podemos deixa-la no padrão.

O próximo passo é criar um projeto, escolhendo o local onde serão guardados os nossos arquivos Python.

Configuração do PyCharm

Não esqueça de escolher a versão do Python com que você quer trabalhar. Agora, vamos criar um novo arquivo.
Novo arquivo no PyCharm

Clique em file (no menu superior) e depois em new…, vai-se abrir uma pequena janela, selecione Python file, nomeie-o e escreva o seguinte:
print(“Olá para todos !!”)

PyCharm Indexando

Talvez você tenha que esperar um pouco se esta for a sua primeira vez abrindo o PyCharm, é necessário esperar um pouco. Como na imagem acima, o Pycharm estará indexando alguns arquivos, assim, é bom esperar um pouco e deixar que isso ocorra.

Para executar o seu código, vá até o menu Run e clique em Run novamente, a execução será semelhante a isso:

Rodando o programa no PyCharm

Finalizando


Basicamente está tudo pronto e funcionando, mas temos mais duas dicas para você:

1 - Para escolher a versão do Python do seu projeto vá em: File (no menu superior), default settings, e na janela que se abrir selecione project interpreter e  então selecione a versão desejada.

Configurando o Interpretador no PyCharm

2 - Se você é do tipo que gosta de usar atalhos, vá em help (menu superior), keymap references e vai se abrir um PDF como todos os atalhos da IDE. Dê uma estudada nele, pois eles podem ajudar a agilizar o seu trabalho.

Agradecemos ao Tiago pela contribuição, agora você já tem o básico para começar os seus trabalhos e estudos.


Até a próxima!


_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça, instale e personalize o FreeBSD

Nenhum comentário
Algumas pessoas pediram pra gente comentasse um pouco sobre BSD aqui no Diolinux, então para atender a este pedido, em parceria com o Marcos Oliveira, do canal Terminal Root, nós vamos fazer uma matéria completa para você que quer conhecer um pouco mais este sistema.

FreeBSD





A ideia deste artigo é dar a você o primeiro contato com o mundo BSD.  O FreeBSD é um sistema operacional livre, assim como o Linux, do tipo Unix-like que provém do Research Unix via Berkeley Software Distribution (BSD). Aplicativos podem ser instalados usando o sistema de gerenciamente de pacotes: Ports, ou compilando o código-fonte. Devido aos seus termos de licenciamento permissivos, grande parte do código do FreeBSD tornou-se parte integral de outros sistemas operacionais tal como o OS X da Apple. A licença BSD pode ser considerada até mais permissiva do a GPL que licencia o Linux e diversos outros Softwares Livres, pois ela permite até mesmo que o código de uma aplicação derivada seja fechado. Garantindo maior liberdade de escolha aos desenvolvedores.



Depois dessa breve introdução, aprenda a instalar ao FreeBSD:


Para fazer o download basta acessar este endereço.

Depois de instalar o FreeBSD, você provavelmente vai querer também instalar uma interface, que tal uma simples e direta como o MATE?

No vídeo abaixo você vai aprender a instalar o Xorg, MATE Desktop, SLiM e configurar o rc.conf utilizando o Easy Editor.



Se você for testar o FreeBSD em dual boot com Linux, talvez você tenha problemas iniciais com o reconhecimento do sistema no GRUB, então confira este material para contornar a situação:


Chegando a parte final do nosso tutorial, agora você aprenderá a configurar e personalizar o FreeBSD com aplicações e customizações visuais.


O FreeBSD é um sistema muito interessante e é utilizado em várias grandes empresas, como a Netflix. Particularmente não o vejo ele com grande apelo para uso no desktop diário, mas profissionalmente falando, é um sistema que você deveria se importar em conhecer um pouco mais a fundo. No entanto, para para as pessoas que gostariam de experienciar um desktop BSD, talvez o TrueOS seja uma escolha mais interessante.

Se você vai instalar ou não no seu computador para fazer um test drive eu não sei, mas se tiver curiosidade de ao menos conhecer, considere então uma máquina virtual, assim você faz as suas experiências sem comprometer o seu sistema operacional atual.

Quero agradecer ao Marcos pela contribuição com o conteúdo, vocês podem conhecer o canal dele aqui.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça o Emmi Linux, uma nova distribuição Linux brasileira

Nenhum comentário

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

É muito interessante ver o os brasileiros buscando desenvolver projetos relacionados a software livre, recentemente eu anunciei aqui a volta do Big Linux, que volta a fazer parte do "time" de distros nacionais. Além dele, temos o Metamorphose Linux, o DuZeru e o GoboLinux, que já são mais conhecidos, porém, recentemente um novo projeto começou a chamar a nossa atenção. Conheça hoje o projeto Emmi Linux.






O Emmi Linux é uma distribuição baseada no Debian que possui o ambiente gráfico XFCE com várias modificações temáticas e muitos softwares adicionais, vários deles desenvolvidos pela equipe Emmi. Atualmente ele é distribuído gratuitamente de duas formas, ainda que seja possível comprar o CD/DVD de instalação também, uma das versões é a chamada versão mínima, nela você terá somente o básico do sistema com a interface juntamente com o repositório do Debian e do Emmi Linux também. A versão completa é destinada para usuários comuns e vem recheada de softwares úteis para o dia a dia dos usuários, não fazendo distinção entre softwares proprietários e livres.

Os dos softwares interessantes é o Fish Shell que acompanha a distro, segundo os desenvolvedores, este seria uma forma mais interativa e simples para leigos utilizarem o terminal.

A versão atual é a 2.2 de codinome "Sid", fazendo referência à Sidney Weber, e está disponível apenas em ISOs de pouco mais de 2 GB de tamanho para processadores de 64 bits.

Existem vários projetos sendo desenvolvidos para o Emmi Linux, através do site oficial você pode acompanhar o desenvolvimento da distro, recentemente foram publicados novas informações sobre recursos que virão na versão 2.3, que ainda não tem data de lançamento, como novos controladores de áudio e um novo Menu para o XFCE.

Emmi Linux
Preview do novo Menu do Emmi Linux

Este é mais um projeto nacional para ficarmos de olho e acompanharmos a evolução, seria ótimo ver um sistema brasileiro despontando para o mundo, quem sabe não é o Emmi?


Você encontra mais referências sobre a distro aqui:

- Twitter 
- Youtube 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


A volta do Big Linux: Distro brasileira agora conta a interface do Deepin

Nenhum comentário

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Fico feliz em ver projetos queridos pelas pessoas voltando a ativa, ainda que, como no caso do Big Linux, eles tenham se remodelado de uma forma drástica, agradando a muitos e desagradando a outros tantos. Vamos falar sobre a volta do Big Linux para o mercado.

Big Linux 2017





O anúncio da volta do Big Linux, cheio de bom humor, surgiu nesta página pertencente ao domínio principal do sistema, nesta mesma página você pode fazer o download do novo Big, como é chamado pelos usuários. O último lançamento da distribuição Linux brasileira foi em 2012, onde ainda utilizava o KDE Plasma como desktop principal.

O principal desenvolvedor do projeto, Bruno Gonçalvez (A.K.A. Big Bruno) explicou detalhadamente os motivos do afastamento anterior do projeto, os motivos para a volta e a nova proposta com a nova base e as novas interfaces (sim, no plural), através de um post no fórum oficial da distribuição.

Você pode conferir o nosso vídeo mostrando a prévia da versão 7.10 RC do Big Linux logo abaixo; agora ele conta com o Deepin Desktop Enviroment e com o Cinnamon Desktop na mesma ISO:



Foi notável a quantidade de pessoas que sentiam falta do Big Linux e se manifestaram de forma positiva na internet quanto a volta da distro. Claro que este é só o primeiro lançamento, então podemos esperar melhorias no futuro da distro, que agora é baseada no Deepin Linux, que por sua vez baseia-se no Debian. Na verdade, o novo Big Linux Trioxin está apenas em sua versão RC (Release Candidate), o que significa que ainda faltam alguns ajustes até o lançamento final ainda não previsto.

Para conhecer as novidades, diferenciais, um pouco da história e da perspectiva passada e futura da distro eu recomendo que você leia o post do Bruno, apenas para reforçar.

O que você achou da volta do Big Linux?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O blog não morreu! (Nota de NÃO falecimento)

Nenhum comentário

sábado, 7 de outubro de 2017

E aí pessoal, tudo certo?  Fazia um bom tempo que eu não publicava aqui, mas especificamente 10 dias, o que é algo absolutamente incomum e que, sinceramente, não me recordo de ter acontecido em cerca de 6 anos de blog Diolinux, mas aqui vai uma chuva de boas notícias para você e um belo motivo para este hiato.

O blog nao acabou






Sem muita enrolação, o blog está parado por que eu estou extremamente atarefado. Pois é, eu tenho uma montanha de novidades, tutoriais e artigos para publicar aqui no blog, mas acabei me dedicando nos últimos dias a uma produção massiva e incessante de vídeos para o canal, se você acompanha o canal Diolinux com frequência, deve ter visto este vídeo:


Outubro está sendo louco mesmo. Nos últimos 7 dias eu gravei e editei cerca de 16 vídeos, a maioria ainda não foi para o canal e ainda tenho mais uns 10 pelo menos por fazer. Tudo isso está acontecendo devido a vários eventos para os quais o nosso projeto foi convidado. 

Fico muito feliz em fazer parte de todo esse movimento, mas caramba! É mais cansativo do que eu imaginei...

Recentemente estivemos em SP no fórum da Red Hat, onde entrevistamos vários líderes da empresa, incluindo o presidente, o Gabriel foi lá para o evento fazer a cobertura em nome do Diolinux enquanto eu participei de dois eventos Tchelinux, nas cidades de Bento Gonçalves e Erechim, no RS. Teremos vídeos em breve sobre todos eles, assim que eu conseguir editá-los.

Além disso, a correria se deve ao fato de que eu estarei viajando à partir da metade deste mês, indo participar da Campus Party de Pato Branco e logo em seguida da Latinoware, onde ministrarei a minha palestra "Dossiê dioLinux", em Novembro estarei na universidade Ulbra, em Carazinho, no RS, para fazer a mesma apresentação. Por conta da viagem eu vou ter que adiantar um pouco mais de uma dezena de vídeos para manter o canal na ativa.

Pretendo gravar coisas bacanas em todos os eventos que eu for, entrevistas, takes, coisas novas e muita informação, então até mesmo quem não puder comparecer nas ocasiões vai sentir como se estivesse lá, pelo menos, um pouco. :)

Como a viagem é à trabalho, eu espero poder trabalhar no blog nestes dias onde não precisarei editar os vídeos para o canal, dividindo meu tempo com a cobertura dos eventos, então aos poucos as postagens diárias aqui devem voltar também.

Instagram.com/dionatan_simioni


Um dos lugares que eu acabei ficando mais ativo nos últimos dias é o Instagram, você pode me seguir lá, sempre tem fotos e vídeos dos bastidores e das coisas que nós estamos aprontando para vocês, incluindo os spoilers dos futuros vídeos do canal, assim ficamos mais próximos e você sempre vai saber o que está acontecendo. :)

Bom, vou me despedindo aqui e vou voltar para a edição de vídeo, grande abraço e até breve!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft e Canonical criam Kernel Linux customizado para o Azure

Nenhum comentário

terça-feira, 26 de setembro de 2017

As imagens do Ubuntu que rodam dentro do Microsoft Azure agora poderão rodar um Kernel especial projetado por desenvolvedores de ambas as companhias para obter recursos especiais de otimização.

Ubuntu no Microsoft Azure





O Kernel Linux personalizado é plenamente compatível com o Ubuntu 16.04 LTS, que é a versão mais utilizada dentro do Azure atualmente. O novo Kernel receberá o mesmo nível de atenção da equipe da Canonical quanto a manutenção e suporte, porém, ainda não está compatível com o "Canonical Livepatch Service".

Este Kernel especial tem a capacidade de oferecer um desempenho otimizado no Azure A8, A9, série H e NC24r, com suporte total para o "Accelerated Networking" da Microsoft, o que garante uma maior velocidade na rede por conta do acesso direto aos dispositivos PCI. O Kernel do Ubuntu para o Azure também é mais enxuto, com 18% menos de tamanho e ainda assim mantendo um suporte excelente para Hyper-V.

Este será o Kernel padrão de toda as instalações do Ubuntu no Azure de agora em diante, entretanto, ainda será possível usar o Kernel padrão, caso o usuário deseje.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Sobre o caso da Universidade leiloada por conta de dívida com a Microsoft

Nenhum comentário

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Recentemente tivemos um caso de pirataria no Brasil que chamou a atenção, uma universidade do Rio de Janeiro teve de ser leiloada para pagar uma dívida de pirataria do Windows à Microsoft.

Universidade leiloada






A Universidade Cândido Mendes teve de ser leiloada por conta da pirataria do sistema operacional da Microsoft praticado na instituição. O processo arrastava-se desde os anos 2000. O prédio – localizado em Ipanema, Zona Sul da cidade do Rio – foi oferecido pela própria Universidade como garantia de pagamento da dívida de R$ 42 milhões com a Microsoft, que processou a instituição há 17 anos pelo uso de cópias pirata do Windows. Porém, após inúmeros acordos, um valor de R$ 4,3 milhões relativo a honorários de advogados ainda ficou em aberto

Confira abaixo o vídeo sobre a minha opinião em relação ao caso, considera este um aviso também para os empreendedores, talvez seja hora de planejar as empresas levando em consideração também a infraestrutura de software e não apenas de hardware.


Conto com você para levar essa informação para outras pessoas que podem estar criando problemas futuros por conta de situações parecidas.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O Xiaomi Amazfit pode ser o seu futuro Smartwatch!

Nenhum comentário
Smartwatchs são produtos ainda controversos no mercado, o público se divide muito em relação a real vantagem de se ter um device deste tipo. Hoje você vai conhecer melhor um dos produtos da Xiaomi para este segmento, o AMAZFIT.

Xiaomi Amazfit





Antes de mais nada, eu gostaria de agradecer à loja TOMTOP por ter cedido o Smartwatch para este review, sem eles este conteúdo não seria possível.

Eu estive utilizando o AMAZFIT por cerca de uma semana e meia antes de fazer o roteiro final para a análise do produto. Conforme os dias foram passando eu consegui identificar pontos fortes e fracos que serão comentados mais à frente no texto, porém, antes de tocarmos nestes pontos, vamos a uma apresentação geral do produto.

Conheça o Xiaomi Huami AMAZFIT


Xiami HUAMI AMAZFIT


HARDWARE: Falando um pouco do relógio em si, ele certamente tem uma das melhores construções que eu já pude utilizar, tudo bem que eu não tive muitos Smartwatchs até hoje, mas já pude brincar um pouco com alguns modelos, quando você comprar um AMAZFIT você terá:

- Um relógio com corpo de cerâmica;
- Tela touch de 1,34";
- 512 MB de memória RAM;
- 4GB de armazenamento interno;
- Bateria de 280 mAh;
- Carregador acoplável USB
- BlueTooh 4.0;
- Wifi;
- Monitor cardíaco;
- Pulseira emborrachada e resistente.

Xiaomi Amazfit


Adicionado a isso, o AMAZFIT pesa apenas 55 gramas e tem um ótimo visor, que permite ângulos de visão bem abertos, permitindo que você visualize o conteúdo na tela mesmo sob uma forte luz ou em lugares escuros.

SOFTWARE: Temos aqui um diferencial também (e o maior fator de pontos positivos e negativos), ele possui um sistema operacional próprio, pelo que vi através de comentários na internet, seria um Android modificado, mas de qualquer forma, ele é diferente da experiência que você costuma ter em Smartwatchs Android, visto que você não tem acesso à Google Play Store e outros recursos comuns do Android. Por outro lado, este sistema mais enxuto dá ao AMAZFIT uma vida longa em sua bateria.

Xiaomi Amazfit Review


O sistema também carrega vários aplicativos úteis pré-instalados, especialmente para as pessoas que querem criar e regular com precisão seu exercícios físicos, além disso, é possível instalar um aplicativo no celular, onde você pode parear o seu Smartphone com o Smartwatch e ter acesso a funções extras de análise e personalização.

Antes de seguirmos para os prós e contras, fique com a review completa em vídeo:



Pontos Positivos:

Pontos positivos

A coisa que mais me impressionou no AMAZFIT foi a bateria. Na minha utilização tradicional a bateria durou exatamente uma semana em uma recarga completa, na segunda semana (a qual não mencionei no vídeo acima), a carga durou uma semana e meia praticamente, fazendo menor utilização dele. Então posso dizer que estou muito satisfeito neste quesito.

Segundo a Xiaomi, pessoas que utilizarem o AMAZFIT com maior intensidade deverão conseguir por volta de 5 dias de carga, o que é ótimo, visto que muitos Smartwatchs mal conseguem aguentar um dia inteiro.

Muito dessa conservação de bateria vem do sistema operacional ajustado especificamente para o AMAZFIT. Ele é simples, é compacto e faz o que tem que fazer. A interface é intuitiva e simples de se utilizar. Possui uma capacidade razoável de personalização, trocar as Watchfaces é algo realmente bem simples, tanto pelo Smartwatch, quanto pelo aplicativo no Smartphone.

Acompanhando o sistema operacional, temos uma grande variedade de apps de treinamento para regular os seus exercícios físicos. O medidor cardíaco possui a funcionalidade de avaliar se o seu batimento está adequado de acordo com padrões de saúde e o seu estado atual, incluindo perguntas sobre o seu humor no momento da medição para ajudar na apuração dos dados.

O brilho da tela é autoajustável, porém, você pode alterá-lo para o modo manual. O sensor de luminosidade funciona incrivelmente bem, como eu disse anteriormente, não há um momento em que você olhe para a tela não consiga ver perfeitamente as horas ou informações, como as notificações do seu Smartphone. Outra coisa bacana é que o sistema te avisa quando você deve fazer uma pausa de suas atividades e esticar um pouco as pernas por ter ficado muito tempo sentado; como eu trabalho muito nesta posição, achei o recurso muito útil.

Falando do corpo do Smartwatch, dentre os pontos positivos podemos apontar um design clean, esteticamente bem acertado, um acabamento impecável, uma tela com ângulos de visão excelentes (como já comentado) e uma pulseira bela e resistente, que também pode ser substituída por outra de seu gosto sem muitos problemas.

Pontos Negativos:

Pontos negativos do Amazfit

Todo produto tem seus contras. Para algumas pessoas os detalhes que eu vou comentar aqui nem podem ser considerados um contra necessariamente, mas vamos lá.

Apesar do sistema operacional ser muito funcional, ele peca em um detalhe para o público brasileiro, sendo completamente em inglês, tanto o App, quanto os sistema do Smartwatch em si. Ouvi falar que a comunidade brasileira da Xiaomi já criou ROMs e Apps alternativas traduzidas para o AMAZFIT, mas como tenho que avaliar o que vem dentro da caixa, é isso que temos. Fora que nem todo usuário final vai se dar ao trabalho de fazer isso, isso se tiver conhecimento e paciência para tal.

Outro ponto que recai sobre o sistema operacional é ele não ser Android, ou melhor, ser, mas não ser um "Android tradicional". Sem a Google Play Store você não consegue adicionar aplicativos para que você possa estender as funções que o relógio tem, limitando você ao que ele te entrega out of the box. Mais uma vez, a comunidade brasileira da Xiaomi já deu um jeito de mostrar como você pode instalar APKs nele (os pacotes de Apps do Android), aparentemente usando o ADB, um recurso comum entre os desenvolvedores, mas mais uma vez, é algo que foge da alçada do usuário comum, logo, um contra sob o meu ponto de vista.

O sistema operacional é mesmo o meu maior alvo de críticas aqui, sobre o aparelho, não tenho realmente nada a acrescentar nos contras, talvez 1 GB de RAM não fosse má ideia, mas como você (teoricamente) não vai instalar Apps, isso se torna desnecessário. Entre as coisas que você não conseguirá fazer nele nativamente sem dar aquela "hackeada" básica estão:

- Impossibilidade de interagir com as notificações, você pode apenas pré-visualizar as mensagens;
- Sem a possibilidade de adicionar novos Apps nativamente, você não terá coisas como um calendário completo, um aplicativo para controlar a ingestão de água (ainda que com criatividade você possa contornar isso sem problemas, usando um App no Smartphone ou programando o despertador que vem no AMAZFIT);
- Sem lanterna;
- Impossibilidade de controlar as músicas do Smartphone por ele.

Nesta última cabe uma ressalva. A ideia é que você coloque as músicas dentro do armazenamento interno dele e use fones de ouvido Bluetooth, assim você pode sair para dar a sua caminha sem levar o celular, certo? Certo. No entanto eu ainda acharia útil poder parear ele com o Smartphone e controlar as músicas nele, visto que não tenho acesso ao Spotify pelo Smartwatch ou ainda, controlar o som de casa via Bluetooth também, isso seria muito legal, mas ele não permite. 

O armazenamento interno, que tem 4GB é parcialmente preenchido com o sistema operacional, sobrando cerca de 2,56GB disponíveis para você colocar músicas, o que deve ser o suficiente para colocar mais de 150 músicas de alta qualidade.

Conclusão


Especialmente na parte dos "contras", eu observo que os pontos que eu apontei variam muito de acordo com o que cada consumidor espera de um Smartwatch, ou do AMAZFIT, mais especificamente. Então fique à vontade para colocar o seu ponto de vista nos comentários, OK?

No mais, é um ótimo Smartwatch. Eu que nunca fui um grande adepto desse tipo de tecnologia não tirei mais ele do pulso e estou gostando bastante, aprendi a lidar com as limitações que ele me oferece também e agora já estou habituado.

Você pode conferir o preço atual dele (com desconto especial) diretamente no site da TOMTOP, muito obrigado e até a próxima! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça a nova "Central de Aplicativos" do Manjaro Linux/Antergos/Arch

Nenhum comentário

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Recentemente o gerenciador de pacotes do Arch e seus derivados, PAMAC, recebeu um pequena, porém importante, atualização e acrescentou um visual mais intuitivo e fácil de se utilizar.

Manjaro Linux novo PAMAC





A nova mudança vai tornar o Manjaro, Antergos (e relacionados) muito mais simples para usuários domésticos, com simples botões para instalar e remover os programas, sem necessidade alguma da utilização do terminal. Nós produzimos um vídeo para mostrar te como funciona o novo PAMAC, confira:



O que você achou da atualização?
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançada nova versão do Vivaldi Browser, confira a novidades

Nenhum comentário
O excelente navegador de internet Vivaldi recebeu uma atualização interessante que trouxe uma série de novidades, especialmente para PRO users!

Vivaldi Browser





A versão 1.12 do Vivaldi está disponível para download, com ela os desenvolvedores lançaram uma série de novas funcionalidades, dentre elas:

- Funções avançadas para detalhamento de imagens

-  Gerenciador de downloads aprimorado

- Controle de saturação para páginas

Confira o vídeo demonstrativo:


Você pode baixar o novo Vivaldi através do site oficial, se você já estiver com ele instalado, ele deverá se atualizar sozinho juntamente com o restante do sistema.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como ler mensagens no WhatsApp sem que apareçam os dois risquinhos azuis para quem enviou a mensagem

Nenhum comentário
Hoje você vai aprender aquela famosa e antiga "técnica ninja" de ignorar as pessoas que você quiser sem se preocupar com as convenções sociais. Eu sei "é horrível", mas se você está lendo isso aqui é porque tem algum interesse no assunto, certo? Querendo ou não, o "double blue check" do WhatsApp já causou problemas por aí...

Riscos azuis no WhatsApp







Na era digital, passamos muito tempo com nossos celulares em mãos e os levamos para todos os lugares. Neste universo, uma das aplicações mais utilizadas é o WhatsApp. O App mantido pelo Facebook acabou se tornando uma das formas centrais de comunicação, seja para simples usuários comuns, seja para empresas, porém, junto com as informações enviadas de forma praticamente instantânea, a "necessidade" de resposta instantânea veio junto e isso nem sempre é possível, ou, nem sempre é o que você deseja fazer.

Até aí, tudo bem, certo? É... quase. Acontece que o recurso do WhatsApp para avisar que a mensagem foi entregue e visualizada acabou gerando um certo problema em algumas comunicações, como eu não conheço outra forma de explicar, o que costuma se passar na cabeça das pessoas, especialmente as mais ansiosas, é algo como:"ele(a) viu a minha mensagem e não respondeu? WTH!", ou algo muito próximo disso, com certeza.

No próprio WhatsApp você tem uma configuração possível para alterar um pouco este comportamento. O recurso pode ser parcialmente desativado simplesmente indo no ícone dos 3 pontos alinhados na parte superior direita, depois em configurações, conta, privacidade e no final "Confirmação de Leitura", com o recurso você não pode ver quem leu a sua mensagem.

Configuração de privacidade no WhatsApp

Mas essa funcionalidade não faz exatamente o que você gostaria que acontecesse (a menos que a pessoa que te enviou a mensagem tenha feito algo do tipo também), essa funcionalidade apenas esconde a confirmação quando você envia a mensagem e não quando você recebe, que é o ponto aqui. Além disso, a função não funciona para grupos e você pode querer ela ativada, afinal, em última análise ela pode ser útil, então, como criar uma solução que atenda a todos esses detalhes?

Conheça o: Shh - Hi Blue Double  Check



Você baixar este aplicativo diretamente na Google Play:
Em sua primeira inicialização o aplicativo vai pedir-lhe o "Acesso a Notificações do seu Android", aceite-as para que quando alguém lhe enviar uma mensagem no WhatsApp, o "Shh" possa te notificar também, nas configurações do App você também pode escolher ocultar o "Double Check" em conversas Individuais, Grupos ou em ambos.

Configurações do Shh

Você deve usá-lo assim: Quando você receber uma mensagem no WhatsApp, o seu WhatsApp vai continuar lhe notificando como sempre fez, porém, o "Shh" vai fazer o mesmo, se você quiser ler a mensagem sem que a pessoa que lhe enviou a mensagem saiba que você a leu, basta fazer isso através do aplicativo.

Com ele você não consegue responder as mensagens diretamente, mas ao tocar em uma mensagem e clicar em "Reply" (responder), ele lhe direcionará para o WhatsApp, onde o "Double Check" vai aparecer para o seu contato.

Funciona de um jeito muito simples, não é? 

Este material foi co-produzido com o nosso leitor Anderson Carvalho, autor do blog "Baixar jogos para Android".
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Confira:
Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo