Home » Ubuntu

Como reportar bugs específicos no Ubuntu

Todos os sistemas tem seus problemas e algumas distribuições Linux possuem serviços para reportar bugs de maneira geral, como o Apport do Ubuntu, que aparece quando o próprio sistema detecta alguma instabilidade, além disso, normalmente os próprios programas tem seus próprios serviços de reportar bugs individualmente, porém, você pode estar enfrentando um bug peculiar que não atinja muitos usuários em uma situação específica. Hoje você vai aprender a reportar bugs de uma maneira simples para ajudar a melhorar o Ubuntu.

Como reportar bugs no Ubuntu




Se você é um usuário comum do Ubuntu e deseja ajudar a melhorar o sistema, sempre que uma mensagem de erro aparecer, basta clicar em reportar, porém, se você tiver um pouco mais de conhecimento, talvez você pode ajudar de uma forma um pouco mais incisiva. 


Para "reportar bugs like a boss" você precisa abrir o terminal, ou apertar Ctrl+F2 para abrir a caixa de diálogo de execução e digitar:
apport-bug
Depois de você digitar isso e pressionar a tecla "enter", uma pequena janela vai se abrir com algumas opções, mesmo com o sistema em Português, essas opções aparecem em Inglês, o que pode dificultar a vida de alguns, mas com um pouco de paciência, mesmo não falando/entendendo o idioma, você conseguirá reportar o problema que estiver enfrentando.

Vamos dar um exemplo:

Ao abrir o "bug reporter" você verá várias opções para segmentar melhor o problema que você está tendo, procure selecionar exatamente o tipo de problema que você quer reportar, no exemplo, vou simular um problema de som, então selecionarei a opção "Sound/audio related problems", basta selecionar a opção e clicar no botão "OK".


Independente da categoria que você escolher, o Apport-Bug vai procurar especificar o máximo possível o problema no intuito de facilitar a vida de quem for corrigir, na imagem abaixo por exemplo, ele vai pedir para que eu selecione qual dispositivo de áudio não está funcionando corretamente. Funciona da mesma forma que a etapa anterior, selecione e clique no "OK".


Especificando o problema um pouco mais.


Neste caso de exemplo, reportando um problema de som, o Ubuntu fez um pequeno teste com tons de áudio, que funcionou perfeitamente, porém, mesmo assim eu cliquei na opção "Não", indicando que o problema continuava e isso nos leva até a próxima tela onde você poderá ver um resumo de bug antes de enviá-lo.



Esta é a última tela antes do bug ser reportado por completo, você pode ver um resumo de tudo que será enviado para os desenvolvedores do Ubuntu para que eles tenham ciência do problema que você está tendo.


Se for um bug que afeta muitos usuários, eles tendem a serem corrigidos com maior velocidade, por isso mantenha o seu sistema sempre atualizado.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 27 de julho de 2016

Como desabilitar/remover o Error Apport no Ubuntu

Esse tipo de assunto gera polêmica porque dizem que ignorar os bugs do Ubuntu e como se o seu filho fizesse mal criação e você fizesse de conta que isso não existe.

Para quem não sabe o System Error Apport é um mecanismo que a Canonical instituiu nas últimas versões do Ubuntu para que os usuários possam reportar os erros do sistema facilmente.

Ok, pode ser realmente verdade que não ajuda em nada remover, porém se você é daqueles que nunca reporta os erros e sempre clica no cancelar quando vê essas mensagens:

System Error Apport Ubuntu

System Error Apport Ubuntu

Então não tem porque você deixar o System Error Apport habilitado certo? Se ele te deixa irritado, te atrapalha e pior, o erro que você irá reportar quase nunca é notado realmente no sistema, é um processo interno do sistema que na maioria das vezes não afeta o usuário, provavelmente desabilitar a opção é algo que não dará muita diferença na sua vida.

Desabilitando o Error Apport no Ubuntu


Abra o terminal e digite:

sudo gedit /etc/default/apport

Neste arquivo você alterar uma linha do arquivo, modifique Enable de 1 para 0:

Error Apport

Desta maneira você não vai mais receber aquelas mensagens de erro, caso você realmente não queira usar o Error Apport ainda é possível remover o pacote do sistema com o comando abaixo:
sudo apt-get remove apport apport-symptoms
Caso você mude de ideia e decida reportar os bugs você pode usar o comando abaixo para reinstalar o Error Apport no Ubuntu.
sudo apt-get install apport apport-gtk apport-symptoms
Obs: 

Os comandos acima funcionam em qualquer versão do Ubuntu a partir da 12.04.

Cumulus - Previsão do tempo no seu Desktop Ubuntu

Além de serem úteis, widgets de previsão do tempo também podem enfeitar o seu desktop, conheça hoje um programa chamado Cumulus, com boas opções de personalização para deixar o seu desktop mais moderno.

Cumulus Desktop Weather Ubuntu




Cumulus é o nome de um aplicativo simples de previsão do tempo, ele não tem tradução completa para o Português, porém, isso não deverá te impedir de utilizá-lo, uma vez que todas as configurações são absolutamente intuitivas.

Cumulus Weather

Para configurar o Cumulus Weather basta clicar no ícone da engrenagem presente nele e digitar o nome da cidade que você deseja ver as informações de clima, no mesmo local você pode configurar as unidades de medida e também as cores e opacidade que ajustarão a aparência do Widget de acordo com o seu gosto.

Como instalar o Cumulus Weather no Ubuntu e derivados


O Cumulus só é compatível com o sistemas de 64 bits e está  disponível em formato .deb e em formato de código fonte para quem desejar compilar para outros sistemas, clique aqui para ter acesso aos arquivos de instalação, se você usa o Ubuntu de 64 bits, apenas baixe o arquivo .deb e dê dois cliques, instale através da Central de Programas ou outro utilitário a sua escolha.

Depois de instalado, você encontra o programa no menu do sistema.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 26 de julho de 2016

GRUB Customizer - Como configurar o GRUB no Ubuntu e no Linux Mint

O GRUB é o gerenciador de Boot da maior parte das distribuições Linux, apesar de não ser o único, existem outras alternativas como o BURG e o Lillo, ele certamente é o mais popular, por conta disso, você pode querer personalizá-lo para deixá-lo ao seu gosto, mudar a resolução, o tempo de espera, o tema, entra outras coisas. Aprenda a instalar o GRUB Customizer, uma ferramenta para você configurar o GRUB graficamente.

GRUB Customizer Ubuntu

O GRUB Customizer é uma aplicação gráfica para se gerenciar o GRUB 2, ele é excelente, entre as principais características do GRUB Customizer estão: 

- Editar as entradas do menu (reorganizar, renomear, adicionar ou remover entradas)
- Alterar a entrada de inicialização padrão
- Alterar a visibilidade do menu e tempo de espera
- Desativar entradas de recuperação
- Alterar a resolução do GRUB, cores do menu ou imagem de fundo
- Reparo e configuração do GRUB usando um Live CD
- Opções avançadas como inicializar uma ISO, alterando os parâmetros do kernel e muito mais.

A versão mais recente do GRUB Customizer adicionou os seguintes recursos:

- Entradas podem ser movidas livremente agora
- Diálogo de configurações integrado
- Novo seletor de partição
-Menu de contexto
- Multi seleção de ítens
- Editor de entradas reorganizado
- Manipulação de erros em modo gráfico gráfico
- Sistema anti erro: advertindo ao tentar remover um script inadequado ou entradas do sistema 



Como instalar o GRUB Customizer no Ubuntu ou no Linux Mint


Para instalar no Ubuntu ou no Linux Mint podemos usar apenas um comando, adicionando o PPA, atualizando o sistema e instalando o software.


sudo add-apt-repository ppa:danielrichter2007/grub-customizer && sudo apt-get update && sudo apt-get install grub-customizer

O GRUB Customizer é um programa estável, mas tome cuidado ao utilizá-lo pois o uso errado do mesmo pode causar transtornos desnecessários, como o sistema não iniciar entre outras situações desagradáveis.

Boas customizações! :)
domingo, 24 de julho de 2016

Unity Tweak Tool - A ferramenta ideal para configurar o Unity

O Unity certamente não é o ambiente gráfico mais personalizável disponível para o Linux, mas isso não quer dizer que não possam ser feitas boas customizações para deixar o Ubuntu ao seu agrado. Com o Unity Tweak Tool é possível configurar os temas do Ubuntu e uma série de outras opções que darão a sua cara para o sistema.

Unity Tweak Tool Ubuntu

Através da imagem acima você pode ter uma noção clara de quantas opções você pode configurar através desta ferramenta.

O Unity Tweak Tool é dividido em categorias simples, que permitem que você configure a aparência do lançador do Unity, como mover ele para a parte inferior da tela por exemplo, temas GTK, temas de ícones, cursores, fontes, entre outros.

Você também consegue escolher os efeitos das janelas e menus, configurar as múltiplas áreas de trabalho e o seu comportamento, ícones na "Área de Trabalho", a transparência da barra superior do Unity e muito, muito mais!

Certamente é um aplicativo obrigatório para qualquer usuário de Ubuntu com Unity.

Como instalar o Unity Tweak Tool no Ubuntu


O Unity Tweak está disponível na  Central de Programas do Ubuntu e você pode instalar clicando no botão abaixo:

Ubuntu Unity Tweak Download

sudo apt-get install unity-tweak-tool
Depois de instalado, você o encontrará o programa no menu do sistema facilmente.

Até a próxima dica e boas customizações!
sexta-feira, 22 de julho de 2016

Novo recurso do Ubuntu deixa Unity mais leve em computadores fracos

Um novo recurso interessante foi adicionado ao Ubuntu com Unity pela Canonical, o "LOW-GFX" permite que o sistema rode melhor em computadores que não tem placas gráficas muito potentes, conheça a mudança e veja como ativar no seu sistema.

Ubuntu Low-GFX



O recurso em si não é novo, nós já mostramos como ativar o "Unity 2D" no Ubuntu, o procedimento é válido para o Ubuntu 14.04 LTS por exemplo, porém, até então não existia uma opção simples para ativar esta funcionalidade, pelo menos até agora. O recurso de "low graphics" também é possível de ser atingido através do Unity Tweak Tool, basta ter um pouco de paciência para configurar tudo direitinho.

A Canonical atendeu ao pedido dos usuários que acham que o Unity é pesado demais para computadores modestos, desta forma, mesmo computadores que não possuem uma boa aceleração gráfica poderão usar o sistema.

Basicamente, o que faz o Unity ser "pesado", são as suas transparências e "fades", então, deixando estas opções opacas, o impacto para uma placa gráfica modesta é muito menor.

Uma modificação no Compiz


Enquanto o Unity 8, que deve ser leve, afinal roda até mesmo em Smartphones, não chega, o Unity 7 continua sendo lapidado. O Unity é na verdade um plugin do Compiz, um compositor de janelas que já foi muito mais popular do que é hoje, especialmente por conta dos efeitos gráficos que o mesmo costuma proporcionar.

Basicamente, a opção "low-gfx", adicionada recentemente como uma opção no Compiz, desabilita todas estas opções que fazem o Unity ser pesado.

Como fazer a modificação no Ubuntu 16.04 LTS?


1 - O primeiro passo é ter certeza de que você está com o sistema atualizado, portanto, use o "Atualizador de programas", que você encontra no menu do sistema, para fazer esta verificação, ou use o terminal se você preferir:
sudo apt update
sudo apt upgrade
2 - O próximo passo é instalar o Compiz Config Settings Manager, ou CCSM, para poder configurar o plugin do Unity, quem prefere instalar pelo Ubuntu Software, basta procurar pelo nome comentado logo acima, ou clicar no botão abaixo.


Para fazer o procedimento pelo terminal, use o seguinte comando:
sudo apt install compizconfig-settings-manager
3 - Depois de instalado, você encontra o programa para configurar o Compiz no menu do sistema, procure pela palavra "Compiz" no menu e abra o CCSM:

Compiz Config Settings Manager

4 - Procure a opção "Ubuntu Unity Plugin", como indicado na figura acima, dentro dele você encontrará a opção "Enable Low Graphics Mode", basta marcar a o "checkbox" indicado na image abaixo, você verá mudanças instantaneamente, porém, é recomendável encerrar a sessão e depois logar-se novamente para ter certeza que tudo estará configurado corretamente.

Unity Low Graphics

É isso, você logo perceberá que o Unity está mais opaco e veloz.

Dicas adicionais para otimizar a velocidade


Existem vários "pequenos truques" que você pode fazer para otimizar a velocidade do sistema, além, é claro, desta configuração.

Se você utilizar o Unity Tweak Tool para fazer alguns ajustes, haverá uma configuração que pode ser feita na sessão "Gerenciamento de janelas", na opção "Geral", que permite a você colocar a qualidade de textura no modo "Rápido" e desabilitar as animações das janelas, isso certamente vai acelerar o seu  Unity. Veja o exemplo na imagem abaixo.


Agora o seu Unity já vai estar mais leve e mais rápido, se mesmo assim não for o suficiente para você, aqui vão mais algumas dicas que podem ser úteis:
7 Dicas incríveis para otimizar o Ubuntu
Conte pra gente se as mudanças deram resultado para você comentando logo abaixo e até a próxima! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como ativar todos os núcleos do seu processador no boot do Ubuntu

O Ubuntu possui uma configuração de de "Concurrency" que permite habilitar todos os núcleos,isso faz com que o Boot do seu sistema seja mais rápido que o normal e pode até melhorar o desempenho em determinadas aplicações.

Ativar todos os núcleos do processador no Ubuntu




A ideia para este tutorial surgiu de uma conversa com um seguidor do blog, o Bernardo Ramos, ele me mostrou um vídeo de um tweak que pode ser feito no Windows para ativar todos os núcleos do processador na inicialização do sistema.


Ele me perguntou se era possível fazer o mesmo no Ubuntu, a reposta é: Sim, é possível. E francamente, é até mais fácil.

Para ativar todos os núcleos do seu processador no boot do Ubuntu basta rodar este comando no terminal:
sudo gedit /etc/init.d/rc
Ao rodar este comando, o Gedit vai ser abrir com o arquivo de configuração, você pode substituir o Gedit por qualquer outro editor de texto de sua preferência.

Pressione as teclas de atalho "Ctrl+F" para abrir a caixa de pesquisa e digite a palavra "Concurrency".

Configure no Gedit

Como você pode ver na imagem acima, ela aparece em vários trechos do arquivo, porém, só precisamos alterar as duas linhas assinaladas pelas setas, deixando o arquivo como ele está, ou seja, você precisa comentar a linha 
CONCURRENCY:"none" e descomentar a linha CONCURRENCY:makefile.

Dica: "Comentar" significa adicionar o símbolo "#" antes da palavra, e "descomentar" significa removê-lo.
Feito isso, salve o arquivo e reinicie o computador, provavelmente na própria inicialização você poderá sentir um tempo de boot reduzido.

Mas vamos aos testes... 


Vamos lá, apesar da dica ser interessante, o cara do vídeo do Windows afirmava que aumentava muito o desempenho e etc... Eu estou usando há dois dias esta configuração no meu Notebook e só posso informar que no meu caso a diferença na usabilidade não foi muito grande. Para ser sincero, eu não à percebi, pelo menos em termos práticos, no teste de benchmark foi diferente.

Como você viu no vídeo acima, o YouTuber, ThioJoe, utilizou um software chamado "GeekBench" para fazer os testes de desempenho, felizmente este programa possui uma versão para Linux.
Veja como usar o GeekBench no Linux para fazer benchmarks de processador
Eu fiz também os testes e realmente nos testes de benchmark o resultado foi notável:

CONCURRENCY:"none" 

Benchmark Ubuntu com GeekBench

CONCURRENCY:makefile

Geekbench Ubuntu

Como você pode ver, a pontuação subiu consideravelmente. Mas é só isso...

Realmente, tirando o teste de benchmark não senti diferença na usabilidade no sistema e nem no Boot, uma vez que uso SSD e ele já é bem rápido por padrão, tive alguns travamentos estranhos ao editar um vídeo no Kdenlive também, mas pode ter sido coincidência.

Vou deixar que você teste e também dê um feedback, quem sabe com Discos Rígidos tradicionais a diferença seja maior, por isso é importante que você comente se a modificação deu alguma diferença para você.

Para desfazer a alteração que você fez, basta editar novamente o arquivo e comentar novamente a linha CONCURRENCY:makefile e descomentar a linha CONCURRENCY:"none".

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 19 de julho de 2016

10 frases épicas de Mark Shuttleworth, criador do Ubuntu

Um novo capítulo da nossa série de frases épicas de personalidades da tecnologia acaba de chegar! Desta vez vamos ver algumas frases inspiradoras do criador do Ubuntu e da Canonical, Mark Shuttleworth.

10 frases inspiradoras de MarK Shuttleworth




Mark Shuttleworth é uma figura interessante do mundo da tecnologia, ele fundou a empresa que criou a distribuição Linux mais amigável para usuários domésticos até pouco tempo, depois do Ubuntu, vários outras surgiram com a mesma proposta, muitas vezes até superando "a facilidade" do Ubuntu e uma centena de projetos nasceram e cresceram, baseados nele, certamente ele é um dos responsáveis pela difusão do Linux no mundo.

Se você acompanha o blog com frequência, deve saber que ele não é a primeira figura que aparece por aqui, já tivemos esta série com:




Mark Shutteworth já foi assunto em outro post aqui do blog, então eu recomendo que você leia este artigo antes:


Assim, algumas das frases vão fazer mais sentido! :)

Vamos agora ao compilado de frases de Mark Shuttleworth:

1 - Uma grande parte da força de vontade é ter algo para aspirar, algum motivo pelo qual viver.
2 - O computador não é mais apenas um dispositivo, é uma extensão da sua mente e uma porta de outra para a mente dos outros.
3 - Ao voltar da estação espacial, eu não espero criar uma geração de astronautas, mas espero influenciar as pessoas de forma que as acreditem que vale a pena ir atrás de seus sonhos.
4 - As pessoas que tentam impor regras digitais análogas as que elas mesmas seguem estão do lado errado da onda.
5 - Há muitos exemplos de empresas e países que têm melhorado a sua competitividade e eficiência através da adoção de estratégias de código aberto. A criação de competências através de todos os níveis é de fundamental importância para ambas, as empresas e países.
6 - "É uma experiência que muda a sua perspectiva sobre a vida e o mundo", sobre ver o planeta Terra do espaço.
7 - O software livre é parte de um fenômeno mais amplo, que é uma mudança para o reconhecimento do valor do trabalho compartilhado. Historicamente, o material compartilhado tinha um nome muito ruim. A reputação foi que as pessoas sempre abusaram de coisas compartilhadas e no mundo físico, algo que é compartilhado e abusado torna-se inútil. No mundo digital, eu acho que nós temos o efeito inverso, onde algo que é compartilhado pode se tornar mais valioso do que algo que é de capital fechado, desde que ele seja compartilhado e contribua para toda a gente que está compartilhando nele.
8 - Eu tive que aprender russo, uma língua bonita e extraordinária. Uma mistura de testosterona e ballet.
9 - Muitas pessoas me perguntam se eu me sentia como um Deus no espaço. E a verdade é, não. O espaço é silencioso, escuro, estéril, morto. Em vez disso, quando você olha para a Terra, você vê a complexidade da vida. Se Deus existe, é claro que é na Terra, não no espaço.
10 - "Eu tenho o tempo, dinheiro e experiência para avançar com este projeto. São poucas as pessoas que atendem a estes três requisitos, é impossível ir a um comitê de investidores e vender essa ideia, porque os ganhos e perspectivas são distantes, isso se existirem de verdade. Eu sou jovem, ingênuo e alinhado, então eu me sinto obrigado a cumprir essa missão." Sobre o início do projeto Ubuntu.
E aí, qual citação você gostou mais? Deixe também a sua sugestão para o próximo capítulo da série, que você acha que deve ser a próxima personalidade a ter frases compiladas aqui?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 14 de julho de 2016

Como instalar o Kernel Liquorix facilmente no Ubuntu para otimizar o sistema

Muitas pessoas buscam formas de otimizar seus sistemas para que o desempenho sempre se sobressaia, o Kernel (o núcleo) do sistema, é um dos principais fatores sob este aspecto. Hoje você vai conhecer o Liquorix, um Kernel otimizado para desktop, multimídia e games.

Liquorix Kernel




O Liquorix Kernel é compatível com qualquer distribuição Linux, ele é basicamente uma otimização do Kernel Linux através de um Patch que otimiza o desempenho da máquina, ou pelo menos tem esta proposta.

No site oficial você encontra informações sobre quais são os recursos do Kernel Liquorix e ainda um tutorial para instalação no Debian Sid, há também um link para o repositório do Arch Linux, onde também é possível instalar essa versão do Kernel. O Liquorix é feito por um dos mantenedores do Zen Kernel.
- Principais recursos do Kernel Liquorix
Como o blog tem foco no Ubuntu, vamos aprender a fazer a instalação na distribuição, provavelmente o funcionamento será o mesmo nos derivados do sistema, para outras distros consulte o site oficial.

No Ubuntu, abra o terminal e cole os seguintes comandos, um após o outro:
echo "deb http://liquorix.net/debian sid main" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/liquorix.list
echo "deb-src http://liquorix.net/debian sid main" | sudo tee -a /etc/apt/sources.list.d/liquorix.list
sudo apt-get update
sudo apt-get install '^liquorix-([^-]+-)?keyring.?'
Depois de adicionar o repositório basta instalar o Kernel, neste caso, depende da arquitetura do seu processador:

32 bits 
sudo apt-get install linux-image-liquorix-686 linux-headers-liquorix-686
32 bits com PAE
sudo apt-get install linux-image-liquorix-686-pae linux-headers-liquorix-686-pae
64 bits
sudo apt-get install linux-image-liquorix-amd64 linux-headers-liquorix-amd64
Por garantia, atualize o GRUB:
sudo update-grub
Depois disso, reinicie o computador e você já estará utilizando o Kernel Liquorix.

Como remover o Kernel Liquorix do Ubuntu


O primeiro passo é reiniciar e entrar no sistema por outro Kernel através do menu do GRUB, se você tiver dúvidas sobre como fazer isso, confira esta vídeo aula onde nós mostramos o modo de recuperação do Ubuntu

Depois de iniciar o sistema com o Kernel antigo, é hora de remover os pacotes, você pode fazer através do terminal.

32 bits 
sudo apt-get remove linux-image-liquorix-686 linux-headers-liquorix-686
32 bits com PAE
sudo apt-get remove linux-image-liquorix-686-pae linux-headers-liquorix-686-pae
64 bits
sudo apt-get remove linux-image-liquorix-amd64 linux-headers-liquorix-amd64
O próxima passo é remover o repositório. Abra o menu do sistema e procure pelo aplicativo "Programas e atualizações" e na aba "Outros programas" remova o repositório Liquorix.

Liquorix repositório

Depois de remover, clique no botão "Fechar" e atualize a lista de repositórios e para garantir, atualize o GRUB:
sudo update-grub
Bons testes para você, se você sentir uma diferença bacana conte pra gente através dos comentários, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como adicionar repositórios PPA no Ubuntu Minimal

O Ubuntu Minimal é uma imagem de instalação mínima do Ubuntu e permite que você construa o sistema operacional com apenas os pacotes que você deseja, de forma semelhante ao que acontece numa instalação do Arch Linux, porém, ele por padrão não aceita repositórios de terceiros através dos PPAs, mas isso é fácil de corrigir.

Ubuntu Minimal




Como eu estava brincando aqui com a imagem mínima do Ubuntu e queria instalar o Cinnamon 3.0 nele, eu precisava adicionar um PPA, porém, por padrão o sistema não aceita o comando sudo apt-add-repository, mas felizmente ativar esta opção é muito simples, rode os comandos:
sudo apt-get install python-software-properties
sudo apt-get install software-properties-common
Para garantir o bom funcionamento rode os dois comandos acima, agora você pode adicionar repositórios PPA sem maiores problemas usando comando padrão.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 12 de julho de 2016

Ubuntu com Unity pode rodar dentro do Windows 10 sem máquinas virtuais

Parece que o "Ubuntu on Windows" que portava o Bash para o sistema operacional da Microsoft era só o início do que é possível fazer através dele.

Ubuntu com Unity roda dentro do Unity




Alguns usuários estão conseguindo fazer algumas "milagres" através da simples integração do Bash no Windows 10, como rodar outras interfaces gráficas tradicionais do Linux no sistema da Microsoft.
Leia também: Entrevista com Dustin Kirkland sobre o Ubuntu on Windows
Ubuntu com Unity rodando no Windows 10

Um usuário do GitHub chamado Guerra 24 publicou o procedimento utilizado para conseguir a façanha:
"Eu finalmente consegui executar o Unity dentro WSL, isso mostra que é plenamente possível executar todo um Ambiente de Trabalho, existem alguns problemas com dbus e às vezes o VcXsrv falha, também não se pode fechar a interface, a única maneira de sair é fechar o Compiz."
Interessante, não é mesmo?

Fonte
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Ubuntu 15.10 terá seu suporte encerrado em breve, veja quais são suas opções

As versões não LTS (Long Term Support) do Ubuntu tem um suporte de apenas 9 meses, e a versão 15.10 Wily Werewolf está chegando ao final do seu, se você usa esta versão do sistema, é hora de atualizar.

Ubuntu 15.10 Wily Werewolf




O Ubuntu 15.10, que foi lançado em Outubro de 2015, encerra o seu suporte oficial no final deste mês de Julho de 2016, isso significa que o sistema não receberá mais atualizações de segurança e que os usuários deverão optar por atualizar para o Ubuntu 16.04 LTS ou voltar para a antiga LTS, o Ubuntu 14.04.

O Suporte para o Ubuntu 15.10 acaba no dia 28 desde mês, para ser mais específico, então você ainda tem duas semanas praticamente para decidir o que vai fazer.

Veja também: Como transformar o Ubuntu em "Rolling Release"
Veja também: Como usar o versão "vencida" do Ubuntu
Eu estou utilizando atualmente o Ubuntu 16.04 LTS, porém, se você busca ainda mais estabilidade, a versão 14.04 LTS já está recebendo atualizações e correções desde 2014, o que faz dela uma versão muito estável. 



Uma alternativa que você tem é atualizar o seu Ubuntu 15.10 Wily Werewolf para o Ubuntu 16.04 LTS sem formatar, preparamos um tutorial para que você possa fazer isso sem maiores problemas.

Leia também: 7 Coisas importantes que você precisa saber antes de instalar o Ubuntu 16.04 LTS

Caso você deseje aproveitar o fim do suporte do Ubuntu 15.10 Wily Werewolf para mudar de distribuição, confira o nosso artigo:"3 distribuições Linux para substituir o Ubuntu no computador de iniciantes".

*Vale lembrar que as versões LTS do Ubuntu tem 5 anos de suporte.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.





segunda-feira, 11 de julho de 2016

Como instalar o FFmpeg-NVENC no Ubuntu - Tutorial passo a passo

Olá! No tutorial de hoje você vai aprender a compilar o FFmpeg com o codec Nvidia NVENC habilitado no Ubuntu e seus derivados. O NVENC pode ser muito útil para quem faz captura de tela no Linux, ele permite que os games especialmente rodem com uma taxa de FPS muito próxima da original do game sem a gravação, o que sem dúvida é interessante.

FFmpeg-NVENC Ubuntu Tutorial




Infelizmente o processo de instalação não é tão simples, porém, se você seguir o passo a passo, tudo deve ocorrer sem maiores problemas. Será necessário recompilar o FFmpeg no seu sistema. Vamos começar?

Tutorial passo a passo para instalar o FFmpeg com suporte ao NVENC no Ubuntu


Existem alguns preparativos que você deve fazer para estar apto para recompilar o FFmpeg com o codec Nvidia NVENC ativado. E vamos precisar usar o terminal para muitos passos, então fique atento.

1 - Ative o repositório de código fonte no Ubuntu


Abra o menu do sistema e procure pelo aplicativo "Programas e atualizações", e na aba "Aplicativos Ubuntu", marque a opção "Código fonte". 

Habilite a opção de baixar código fonte

Depois de marcar a caixa de seleção que permite o download de softwares à partir do código fonte, clique no botão "Fechar" e permita a atualização dos repositórios.

2 - Tenha drivers de vídeo atualizados


Para poder desfrutar do NVENC com plenitude é recomendável ter as versões mais recentes dos drivers Nvidia no Ubuntu, para aprender a instalar a versão correta dos drives no seu sistema consulte este post do blog Diolinux. 

OBS: No meu caso, na momento em que fiz o tutorial, utilizei o driver 367.24.

3 - Remova o FFmpeg instalado à partir do repositório oficial


Se você instalou o FFmpeg do repositório do Ubuntu, pode ser uma boa removê-lo. As pessoas que me ajudaram a testar este tutorial fizeram das duas formas, tanto removendo o FFmpeg, quanto deixando-o. Particularmente eu preferi remover, então é com você.
sudo apt-get remove ffmpeg
sudo apt-get autoremove 


Compilando o FFmpeg com o NVENC no Ubuntu


Muito bem, agora que já fizemos os nossos preparativos, vamos começar a fazer a instalação do FFmpeg com NVENC incluso.


1 - Instale as bibliotecas de 32 bits para compatibilidade com aplicações desta arquitetura:


sudo apt-get install libgtk2.0-0:i386 libpangox-1.0-0:i386 libpangoxft-1.0-0:i386 libidn11:i386 libglu1-mesa:i386

2 - Preparando componentes úteis (O CUDA é opcional):

sudo apt-get install build-essential git yasm unzip wget sysstat
sudo apt-get install nvidia-cuda-toolkit nvidia-modprobe

3 -  Baixe o Patch Nvidia NVENC do site


Temos uma passo importante aqui, que é onde você vai baixar o NVENC para habilitá-lo dentro do FFmpeg.

Entre no site de desenvolvedores da Nvidia e baixar o NVIDIA Video Codec SDK. Para baixar a versão utilizada neste tutorial clique aqui. Salve na sua pasta home. Se preferir, baixar usando o wget:
wget -c https://developer.nvidia.com/video-sdk-601

4 - Extraia o conteúdo

unzip nvidia_video_sdk_6.0.1

5 - Copie os arquivos necessários para a compilação para a pasta adequada.

sudo cp nvidia_video_sdk_6.0.1/Samples/common/inc/*.h /usr/local/include

6 - Baixe as dependências do FFmpeg


sudo apt-get build-dep ffmpeg
sudo apt-get install libfdk-aac-dev

7 - Baixe o código fonte do FFmpeg (não rode este comando com o sudo!):


apt-get source ffmpeg

8 - Mude para o diretório do arquivo baixou, ele está na sua home, se a versão for diferente de "2.8.6" coloque a versão correta.


cd ffmpeg-2.8.6

9 - Veja todos os possíveis parâmetros


ffmpeg -buildconf
Caso você não tenha removido o FFmpeg no início, copie todos os sufixos disponíveis da instalação original, eles ficam depois da linha "Configure:" e adicione ao final da linha (como no próximo passo) os parâmetros: 
enable-nonfree --enable-nvenc --enable-libfdk-aac
Configurando O FFMPEG


10 - Habilite os plugins do FFmpeg, incluindo o NVENC. Nesta parte você pode colocar apenas os que você desejar, no meu caso utilizei estes.


./configure --prefix=/usr --extra-version=1ubuntu2 --build-suffix=-ffmpeg --toolchain=hardened --libdir=/usr/lib/x86_64-linux-gnu --incdir=/usr/include/x86_64-linux-gnu --cc=cc --cxx=g++ --enable-gpl --enable-shared --disable-stripping --disable-decoder=libopenjpeg --disable-decoder=libschroedinger --enable-avresample --enable-avisynth --enable-gnutls --enable-ladspa --enable-libass --enable-libbluray --enable-libbs2b --enable-libcaca --enable-libcdio --enable-libflite --enable-libfontconfig --enable-libfreetype --enable-libfribidi --enable-libgme --enable-libgsm --enable-libmodplug --enable-libmp3lame --enable-libopenjpeg --enable-libopus --enable-libpulse --enable-librtmp --enable-libschroedinger --enable-libshine --enable-libsnappy --enable-libsoxr --enable-libspeex --enable-libssh --enable-libtheora --enable-libtwolame --enable-libvorbis --enable-libvpx --enable-libwavpack --enable-libwebp --enable-libx265 --enable-libxvid --enable-libzvbi --enable-openal --enable-opengl --enable-x11grab --enable-libdc1394 --enable-libiec61883 --enable-libzmq --enable-frei0r --enable-libx264 --enable-libopencv --enable-nonfree --enable-nvenc --enable-libfdk-aac

 11 - Construa:


make

12 - Instale


make install


Fim.

Com isso você já poderá utilizar o FFmpeg em programas como o OBS e o Simple Screen Recorder para fazer gravações de tela com maior qualidade.

NVENC no OBS Ubuntu



Tome cuidado para não sobrescrever esta versão do FFmpeg com as atualizações do sistema, caso isso ocorra, será necessário compilar novamente.

Obs: É possível renderizar usando este codec no Kdenlive utilizando a opção HVENC.

Até a próxima! 
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 8 de julho de 2016

Como remover programas instalados via PPA no Ubuntu completamente

Os PPA (Personal Package Archive), são formas simples dos desenvolvedores distribuírem e organizarem versões dos softwares para o Ubuntu e seus derivados. Existem muitos sites que mostram como instalar diverso programas via PPA no Ubuntu, hoje você vai aprender a remover os programas e o PPA do seu sistema.

Como remover programas instalados via PPA no Ubuntu




Aprender a manipular os PPAs do Ubuntu pode facilitar muito a sua vida de usuário do sistema. Aqui no blog Diolinux nós já mostramos diversas vezes programas que necessitam do uso do dito "PPA", então, antes de falarmos de como se remove programas que foram instalados por ele, você deve ler um material complementar que vai facilitar as coisas:

- Tudo o que você precisa saber sobre PPA + Instalação em modo texto

- Instalando PPAs no Ubuntu pela interface gráfica

- Y-PPA Manager - Um programa completo para manipular PPAs

O que é um PPA? (Resumidamente)


Eu expliquei isso no primeiro link da lista logo acima e também neste vídeo do canal do Diolinux, mas simplesmente para simplificar a ideia: PPA é um repositório pessoal (de algum desenvolvedor ou grupo de desenvolvedores), que permite que você instale versões específicas de programas que estão no repositório do Ubuntu (versões mais novas por exemplo) ou mesmo que instale programas que não estão no repositório oficial do sistema.

A ideia aqui é te mostrar como remover os pacotes e os repositórios tanto via interface gráfica, quanto via linha de comando, uma vez que você já sabe como instalar pacotes via PPA, se não sabe, leia os artigos indicados logo acima.

Coisas diferentes


É preciso diferenciar; remover um repositório é diferente de remover um pacote que foi instalado por ele. 

Remover o pacote: Isso significa que você vai remover o programa que foi disponibilizado via PPA. Você pode remover o programa e manter o PPA ativo para que quando você queira instalar ele novamente (ou outro pacote que esteja dentro do PPA) você possa fazê-lo sem precisar adicionar o PPA novamente.

Removendo o PPA: Remover o repositório PPA não significa remover o pacote que foi instalado por ele, apenas significa que você está removendo a fonte do software, de forma que o mesmo não receberá atualizações através do seu repositório. Costuma-se fazer isso quando você quer manter um pacote instalado via PPA em uma versão específica, ou quando você instala um PPA que contém muitos pacotes e você quer apenas um deles funcionando.

A ideia aqui é aprender a fazer ambas as opções acima, e também a opção conjunta, onde você remove tanto o PPA, quanto os pacotes instalados por ele.

Removendo programas instalados via PPA no Ubuntu - Modo gráfico


O Ubuntu possui algumas ferramentas que podem nos ajudar nisso, mas a maneira mais fácil é programar pelo programa que foi instalado via PPA na Ubuntu Software, também conhecida como Central de Programas e removê-lo por lá.

Remover programas instalados via PPA

No exemplo acima você poderia remover facilmente o programa "Simple Screen Recorder" que foi instalado via PPA, clicando apenas no botão "Remover". Esta opção remove o pacote e não o repositório.

Outra forma, ainda gráfica, porém mais avançada, é utilizar o Synaptic.
Veja a nossa vídeo aula sobre o Synaptic
Eu gosto muito dele pela funcionalidade. O Synaptic pode ser encontrado na Central de Programas do Ubuntu, ou instalado através do comando:
sudo apt install synaptic 
Ele é um gestor de pacotes avançado e gráfico, dentro dela há a opção de filtrar pacotes por repositórios, então basta localizar o PPA que você adicionou na parte esquerda, e na direita aparecerão os pacotes instalados, para remover basta clicar com o botão direito sobre o pacote desejado, marca a opção de remoção completa e aplicar as alterações (veja o vídeo indicado acima para mais informações). 

Removendo pacotes pelo Synaptic

Desta forma você também remove apenas os pacotes e não o repositório.

Como remover o repositório PPA do Ubuntu - Modo Gráfico


O Ubuntu possui uma ferramenta nativa para a finalidade de adicionar e remover PPAs. Basta abrir o menu do Ubuntu e procurar pelo aplicativo "Programas e atualizações".

Dentro dele você irá encontrar a aba "Outros Programas" e através dela você consegue adicionar e remover PPAs (como eu mostrei neste post), para remover uma PPA, basta clicar sobre ele de depois clicar no botão "Remover", cabe enfatizar que há também a opção de apenas desabilitar o repositório, desmarcando "checkbox" que fica na frente da linha dele.

Gerenciando PPAs

Depois de fazer qualquer alteração, ao clicar no botão "Fechar", será necessário atualizar a lista de software. Através desta opção você consegue remover o repositório e não os pacotes.

E como se faz para remover tantos os pacotes, quanto o repositório?
R: Simples, primeiro remova o pacote, e depois o repositório como descrito acima. A combinação das duas técnicas resolve o caso, tudo isso sem digitar comandos.

Removendo programas instalados via PPA no Ubuntu - Via Terminal


Quem prefere fazer via terminal costuma ter acesso a esse recursos de uma maneira muito mais direta, se você ainda é novo "nesse negócio de terminal", vale a pena dar uma olhada no nosso vídeo com dicas para iniciantes no terminal Ubuntu, mas basicamente é o seguinte:

Remoção do pacote: 
sudo apt remove nome_do_pacote
Para remover o PPA:
sudo apt-add-repository -r ppa:nome_do_ppa/ppa 
As partes em vermelho são as opções onde você deve adicionar as informações do PPA, por exemplo, se você fosse instalar a aplicação Y-PPA Manager que eu comentei antes você faria:

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/y-ppa-manager 

sudo apt-get update 

sudo apt-get install y-ppa-manager

Para remover este mesmo programa e repositório você faria:

sudo apt-get remove y-ppa-manager

sudo add-apt-repository -r ppa:webupd8team/y-ppa-manager 

Simples não? Ah! Temos também uma ferramente bem legal que é um combo das duas chamada PPA-PURGE, através dele você consegue remover um repositório PPA e todos os pacotes que são provenientes dele:

sudo apt install ppa-purge

sudo ppa-purge nome_do_ppa

Sendo que, como no exemplo acima, para remover o pacote basta alterar a opção em vermelho colocando o PPA desejado.

Ficou mais fácil agora né?  Espero que tenha sido útil para você, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 7 de julho de 2016

Instale o belo "Papirus Icon Theme" no seu Ubuntu

Vamos aprender a instalar o "Papirus Icon Theme" no Ubuntu, ele vai trazer uma aparência moderna ao sistema, lembrando muito os sistemas mobile atuais. Confira:

Papirus Icon Theme Ubuntu



A instalação deste conjunto de ícones é muito simples e pode ser feita através de um PPA, assim, sempre que sair uma atualização para ele, você receberá atualizações.


Para instalar você deve adicionar o seguinte PPA: ppa:varlesh-l/papirus-pack

Instalando o Papirus Theme
Clique na imagem para ampliar
Para atualizar a sua lista de repositórios você pode usar o "Atualizador de Programas".

Atualizador de programas

Agora basta instalar clicando no botão abaixo:

Depois de instalado agora você pode ativar o tema através do Unity Tweak Tool, que você encontra na Central de Aplicativos.

Unity Tweak Tool

Instalação pelo terminal


Se você já fez o procedimento acima você não precisa repetir usando o terminal, isto é apenas para aqueles que preferem fazer a instalação desta forma. 

Basta copiar todo este código abaixo e colocar no seu terminal, depois de colar pressione a tecla "enter", digite a sua senha e pressione "enter" novamente, aguarde a instalação, ele estará disponível no menu do sistema depois que ela terminar.

sudo add-apt-repository ppa:varlesh-l/papirus-pack -y && sudo apt-get update && sudo apt-get install papirus-gtk-icon-theme -y
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 4 de julho de 2016