Home » gnome

Desenvolvedores revelam quais extensões devem acompanhar Ubuntu com GNOME

Mais uma notícia bacana para quem está acompanhando o desenvolvimento do novo Ubuntu conosco, como a versão 17.10 que sai em Outubro será a primeira a trazer o GNOME Shell como interface padrão, existem ainda algumas dúvidas sobre como será "o GNOME do Ubuntu", agora temos mais alguns indicativos.

Ubuntu Gnome Extensions




O site de Insights do Ubuntu liberou o resultado da enquete onde a comunidade de usuários votou sobre as extensões que gostariam que viessem no sistema por padrão. A enquete foi feita em parceria com o site "OMG!Ubuntu" e relevou algumas das preferências gerais dos usuários.

Com mais de 18 mil respostas, os desenvolvedores comentaram que agora sabem, além das preferências dos usuários, algumas tendências de comportamento da interface e que estão trabalhando com os desenvolvedores do GNOME Shell para que futuramente certas funcionalidades sejam incorporadas ao Shell nativo.

Extensões GNOME no Ubuntu

Acima você vê o resultado da enquete com as principais extensões votadas, interprete o gráfico da seguinte forma: Os usuários deveriam marcar de 1 a 5 o quanto a extensão seria útil para o Ubuntu, sendo que 1 seria pouco útil, e 5, muito útil.

Extensões como o "Dash to Dock" mostraram-se muito requeridas, os desenvolvedores comentaram que a grande popularidade dessa extensão também mostra o quanto os usuários gostam de uma barra que mostre os aplicativos ao lado, semelhante ao Unity.

Outro dado que foi obtido através da enquete determina de que lado da janela os botões de controle (minimizar, maximizar, fechar) devem ficar, por uma diferença não tão grande (53,8% a 46,2%), venceu o lado direito.

Os desenvolvedores comentaram que agora, com todos esses dados, eles poderão discutir juntamente com a equipe de design do GNOME quais serão as modificações a implementadas, o que nos sugere também um possível novo tema para o GNOME Shell no Ubuntu, o que faria muito sentido para dar uma personalidade específica para o ambiente no sistema da Canonical, assim como outras distros que usam GNOME Shell costumam fazer, pode ser uma boa oportunidade para mudar o visual dos ícones do sistema, que já estão há muito defasados, ainda que eu não ache eles necessariamente "feios".

Fazia um certo tempo que eu não via a Canonical ouvir de forma tão direta os seus usuários, não posso achar isso ruim, pois me pareceu que nos últimos anos essa abertura fora muito menor, vamos ver como o futuro que se aproxima para a distro se desenvolve. Continue acompanhando o blog para saber as novidades.

Se você gosta de enquetes, eu gostaria de te convidar a responder esta aqui, queremos conhecer melhor o nosso público e fizemos algumas perguntas que depois farão parte de um vídeo no canal, onde vamos apresentar os dados comparados com os que colhemos no ano passado.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 13 de junho de 2017

GNOME Shell 3.26 receberá um update visual

O GNOME Shell continua o seu avanço para tornar-se cada vez mais um ambiente moderno e bonito, para isso, algumas novidades interessantes serão incluídas na versão 3.26.

GNOME Shell 3.26




Dentre as novidades visuais incluídas estão as animações das janelas, efeitos de minimizar e maximizar, além de ajustar ao lado da tela. Outra modificação bacana é a transparência do painel superior de forma automática, exatamente igual ao que o elementary OS implementou há alguns anos.


O GNOME Shell 3.26 está em desenvolvimento e em breve deve chegar a todas as distribuições Linux e agora ao Ubuntu também.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




domingo, 11 de junho de 2017

Ubuntu 17.10 adotará o GDM no lugar do LightDM como gestor de login

Temos mais algumas novidades para o futuro lançamento do Ubuntu, a versão 17.10 que sai no próximo mês de Outubro.

GDM Ubuntu 17.10 Arful
GMD - Gestor de login do GNOME




A equipe de desenvolvimento do Ubuntu anunciou a sua decisão para a implementação do gestor de login para o Ubuntu 17.10.  Nesta semana eu publiquei uma matéria aqui no blog que abordava justamente as novidades contidas no Ubuntu até então, inclusive, comentei justamente sobre a presença do LightDM como gestor de login, que é um remanescente do projeto Unity, e que não sabia se ele iria ser o padrão no Ubuntu 17.10 Artful Aardvark. Bom, agora eu sei.

A Canonical divulgou através de seu blog que o GDM, o gestor de login do GNOME, será também o padrão do Ubuntu 17.10. Como a distro agora vai adotar o GNOME Shell como interface também, isso era algo até esperado, ainda que eu ache o LightDM mais belo.

LightDM
LightDM - Atual gestor de login do Ubuntu

Os desenvolvedores alegaram que o LightDM havia sido considerado como primeira opção, mas nos testes de implementação e compatibilidade eles tiveram alguns problemas e encontraram-se em uma situação onde trabalhar em cima do LightDM para compatibilizá-lo plenamente com o GNOME levaria muito tempo, tempo este que eles alegaram não disporem, por isso, GDM na parada!

A adoção do GDM pelo Ubuntu 17.10 tem alguns outros reflexos importantes a serem considerados, em primeiro lugar isso nos sugere que o Ubuntu 18.04 LTS que sai no próximo mês de Abril também trará ele por questão de solidez de desenvolvimento, isso inclusive foi "sugerido" no artigo do blog da Canonical. Outra coisa que temos de levar em consideração é que outras distros usam o LightDM como gestor de login, como o Xubuntu, Linux Mint (na versão 18.2 que vai sair), entre outras aproximações. Para essas distros, os desenvolvedores do Ubuntu comentaram que ainda haverão correções de bugs, de modo que funções novas não serão implementadas, o gestor será apenas mantido, por assim dizer, muito provavelmente para quem decidir instalar o Unity no Ubuntu 17.10.

Não temos novidades ainda sobre o tema que o Ubuntu terá, que é algo que eu sei que vocês estão curiosos, ou qualquer outra modificação mais profunda, o único detalhe mais técnico liberado foi que teremos uma melhor integração dos pacotes Snap com os softwares do GNOME, incluindo uma correção de temas, pois alguns Snaps ficavam um tema muito antiquado, lembrando o Windows 98.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 9 de junho de 2017

Imagem diária do Ubuntu 17.10 já pode ser baixada com GNOME como interface padrão

Como a versão do Ubuntu que sai em Abril de 2018 é uma LTS (Long Term Support) a Canonical decidiu fazer os primeiros testes com a nova (velha) interface do Ubuntu, o GNOME Shell, já no Ubuntu 17.10 que sai agora em Outubro próximo, os interessados em saber como o sistema está evoluindo já podem baixar as compilações diárias com a interface por padrão, a ideia, é claro, é poder fazer os testes necessários e estabilizar as coisas para o lançamento do ano que vem.

Ubuntu 17.10 GNOME




O Ubuntu 17.10 Artful Aardvark ainda está um pouco distante de seu lançamento final, que será apenas em Outubro, mas tradicionalmente a equipe de desenvolvimento do Ubuntu cria compilações diárias do processo de desenvolvimento do sistema, permitindo que os interessados possam acompanhar o desenvolvimento e a inclusão das novidades.

Bom, eu sou um destes enxeridos que fica baixando as daily builds e acompanhando tudo o que acontece nessas etapas e posso dizer que já temos uma boas novas, por assim dizer. Desde o anúncio da adoção do GNOME pelo Ubuntu novamente eu tenho ficado curioso para saber como a Canonical vai tratar a interface, eles chegaram a fazer um concurso de extensões e configurações para que os usuários pudessem dizer o que eles gostariam de ver no sistema e aos poucos as implementações estão sendo feitas.

Até ontem o Unity ainda era o padrão nas isos do 17.10, mas depois da última atualização o Unity deu lugar a interface que veio para ficar à partir de agora, o GNOME. Diretamente na tela de login nós já podemos ver o "pézinho do GNOME" que nos da a entender que temos a nova interface disponível. Falando em tela de login, o LightDM continua, ao menos por enquanto, e sinceramente eu espero que ele permaneça, acho ele muito mais belo do que o GDM, que apesar da minha pequena crítica, também é bonito.

Gnome Ubuntu

Como você pode ver, outra novidade é que agora temos uma sessão Wayland no Ubuntu, o que só nos lembra que realmente o Mir ficou para trás definitivamente nos desktops, o padrão é ainda a utilização do X.org, mas aos poucos a migração deve ir acontecendo, não somente no Ubuntu, mas em todas as distribuições praticamente.

Ubuntu 17.10 GNOME

Na interface podemos ver que os temas Ambiance e Radiance foram adaptados para o GTK mais recente, aliás, a versão do GNOME utilizada nesta compilação do Ubuntu é a 3.24 no momento, o tema de ícones é o mesmo de sempre, os ícones de controle da janela foram movidos para a esquerda com a presença dos tradicionais 3 botões, ao contrário do GNOME Padrão que tem apenas o botão de fechar na direita das janelas, os aplicativos que acompanham a distro continuam os mesmos do Ubuntu tradicional, mas reparei que agora não existe mais o "Atualizador de programas", o que indica que essa função agora será desempenhada pelo GNOME Software Center, ou como a galera costuma chamar, a Central de Aplicativos.

O tema do GNOME Shell no entanto não foi alterado, continua o tradicional com detalhes em azul, o que não combinada em nada com o tema alaranjado do Ubuntu, de fato, mas isso deverá ser alterado em breve também. Não somente no tema em si, mas no desenho da interface existem alguns bugs para serem corrigidos, como a própria barra da Central de Aplicativos.

Novo tema do Ubuntu

O Kernel utilizado no momento é o 4.11, mas ele deverá ir acompanhando os lançamentos até a época de freezing que acontece um pouco antes do lançamento da versão final em Outubro.

Gnome no Ubuntu 17.10

O aplicativo da Amazon continua no sistema, porém, ao contrário do que muita gente espalhou por aí, ele tem um comportamento complemente diferente do que tínhamos no Unity. No Unity além do App da Amazon que levava diretamente para o site através do navegador do Unity 8 do Ubuntu no formato de um WebApp e que fazia com que as pesquisas do Dash trouxessem resultados dentro da loja da Amazon também, no GNOME o aplicativo serve apenas para abrir o Firefox no site da empresa, ou seja, é apenas um atalho, nada demais, funcionando mais como um "sistema de afiliados" para que caso alguém compre algum produto na Amazon pelo atalho do Ubuntu algum dinheiro seja revertido para a distro, acredito eu.

Amazon no Ubuntu

Para os paranoicos de plantão, é possível remover a aplicação através da própria Central de Aplicativos, ele ocupa apenas 44 kB de tamanho no sistema e tem código aberto.

Fique ligado aqui no blog para acompanhar as novidades, em breve teremos vídeos no canal sobre essa nova versão do Ubuntu.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 7 de junho de 2017

NHSbuntu - O Ubuntu para hospitais

Uma das coisas mais interessantes sobre o mundo Linux é como os sistemas podem ser moldados para finalidades específicas, provendo inclusão digital, economia e autossustentação ao longo dos anos. Hoje você conhecerá um projeto feito para ser utilizado em hospitais chamado NHSbuntu.

NHSbuntu - Ubuntu para hospitais




Eu gosto muito da Inglaterra, é de lá que saíram a maioria das coisas que eu gosto, especialmente em sentido cultural, até mesmo no futebol, que não é algo que eu acompanho tanto hoje em dia, onde a Premiere League é o meu campeonato nacional preferido. Pink Floyd, Black Sabbath, Iron Maiden, Led Zeppelin, a lista é grande, a Inglaterra é um local ótimo para o nascimento de boas ideias, e é de lá que está chegando um novo e interessante projeto baseado em Linux.
Um grupo de desenvolvedores britânicos criou o NHSbuntu, uma distro baseada no sistema da Canonical, que também é do Reino Unido (veja só), com o objetivo de ser o sistema ideal para ser utilizado no serviço nacional de saúde britânico, o "National Health Service", daí o nome "NHS". A ideia é construir uma customização do Ubuntu 16.04 LTS já com GNOME Shell como interface e com várias aplicações utilizadas neste segmento. 

NHSbuntu

Faz parte da customização um conjunto que ícones que lembra os do Windows 10, os desenvolvedores acreditam que familiaridade com ícones de pastas e do Microsoft Office vai facilitar a adoção pelos usuários dos Hospitais. Com isso é esperado que haja uma um economia de recursos em um setor tão vital, literalmente, quanto este da saúde.

Os desenvolvedores  também prepararam um vídeo para mostrar as principais características e recursos do sistema:


Se você gostou do sistema, gostaria de testar ou indicar para o sistema de saúde da sua cidade, é possível fazer o download gratuitamente através do site oficial.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 16 de maio de 2017

GNOME Dash Fix - Agrupe automaticamente os aplicativos do Gnome Shell com este Script

Confesso que eu tenho várias algumas queixas com a organização do Gnome Shell, ele tem vários pontos positivos também, mas com certeza a organização dos aplicativos não é uma delas. Hoje você vai aprender a categorizar os aplicativos do Gnome Shell em qualquer distribuição.

Gnome Dash Fix




Como você pode ver na imagem acima, é basicamente isso que vamos fazer, agrupar os aplicativos em suas devidas categorias, por mais críticas que o Unity recebesse, ele possuía nativamente a opção de filtrar os resultados por categorias, coisas que o Gnome Shell, que será a nova interface padrão do Ubuntu não permite.

Na  minha opinião, a criação destas pastas no Dash do GNOME Shell deveria ser tão simples quanto é no Android, criar pastas com cliques com o botão direito, arrastar um App sobre o outro para criar um agrupamento, ou ao menso possuir esse modo categorizado por padrão e outra versão no modo GRID, assim com faz o Deepin.

Ajustando o Gnome Shell

Baixe o pacote .zip com o Script para corrigir o GNOME Shell daqui. Extraia para uma pasta de sua preferência, dentro da pasta extraída você encontra o arquivo appfixer.sh, clique com o botão direito do mouse sobre ele e vá nas propriedades, lá você encontra a aba de permissões, nela você deve marcar o arquivo para leitura e escrita no seu usuário e também para ser executado como um programa, como na imagem acima.

Appfixer

Clique com botão direito do mouse em um espaço em branco dentro da pasta que você extraiu os arquivos anteriormente e selecione a opção "Abrir em um terminal", agora basta rodar o comando:
./appfixer.sh
Como você pode ver na imagem acima. É só isso, nenhum mensagem aparecerá, mas ao abrir o menu do GNOME Shell novamente você já verá os aplicativos organizados.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 11 de maio de 2017

Como sincronizar extensões do Gnome Shell entre vários computadores

Se você está utilizando o Gnome Shell, é quase certo que também faça usa de extensões para personalizar e melhorar a sua experiência de uso, dependendo de quanto você personalize o seu sistema, é bem provável também que a quantidade de extensões seja grande, então hoje você vai aprender a sincronizá-las, para não ter que ficar instalando uma por uma em uma nova instalação ou em outro computador.

Gnome Shell Extensions Sync




Assim como os navegadores possuem a função "Sync", existe uma forma de fazer o mesmo com as extensões do Gnome Shell. Faremos isso através do  Google Chrome e da extensão do Gnome que existe para ele, a mesma extensão de integração existe no Firefox, mas nele não temos a opção de sincronizar, pelo menos por enquanto.

Use o Google Chrome e baixe esta extensão, caso a integração não funcione corretamente, pode ser necessário instalar o pacote: chrome-gnome-shell

Com sorte não será necessário, sistemas que já vem com Gnome Shell "de fábrica" costumam trazer o pacote, no caso do Ubuntu, caso ele não esteja funcionando, basta rodar o comando:
sudo apt install chrome-gnome-shell
A extensão do Gnome para o seu Chrome também permite um fácil acesso, como se fosse um atalho, para o site extensions.gnome.org, entretanto, há mais coisas escondidas nele.

Integração com Gnome Shell Chrome

Clicando com o botão direito sobre o ícone da extensão no seu Chrome, você encontrará a opção "Opções", clique nela.

Opções do Gnome Shell Extension

Marque a opção de sincroniza e clique em "salvar", e é basicamente isso. Se quiser saber quais serão as extensões sincronizadas e se estão ativas ou não, clique no link "Sincronização" que fica logo acima.

Para que as extensões sincronizadas tenham efeito em um outro computador, você deve se logar com a sua conta Google no Chrome do seu sistema operacional novo com Gnome, assim como você faria para sincronizar as demais extensões do seu Chrome e as configurações do navegador.

Atente-se ao detalhe de que as extensões do Gnome não são sempre compatíveis entre as versões do Gnome Shell, então, dependendo das versões que você for utilizar, sincronizar as extensões entre elas não irá funcionar corretamente. Mas tomando que você vá utilizar o mesmo sistema em todas as estações, não deverão ocorrer problemas.

Teoricamente esta função de sincronia deve funcionar entre distribuições Linux diferentes também que utilizem o Gnome Shell, observando a questão da versão do Gnome que eu comentei agora pouco.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 2 de maio de 2017

Pop Theme - System76 desenvolve tema para Ubuntu que será disponibilizado em seus computadores

Com a mudança de Unity para Gnome, um pouco da identidade visual que o Ubuntu criou ao longo dos últimos 7 anos acabou sendo deixada de lado junto, o que permite que a comunidade de usuários e empresas que trabalham com o Ubuntu profissionalmente possam "opinar" em como deve ser a nova aparência do sistema com Gnome e digamos que a System76 tem algumas boas ideias.

Pop GTK Theme Ubuntu Gnome


A System76 é uma empresa dos EUA que é especializada em vender computadores de alto desempenho com Ubuntu, e sempre personaliza os seus computadores, como qualquer outro fabricante, para dar uma melhor experiência de usuário ao seus consumidores e a aparência é certamente uma ponto crucial do mercado. Como o Linux permite que você vá além de simples implementações de hardware e drivers, a empresa buscou criar um tema que caracterize o seu produto.

Pensando neste tipo de coisa, a System76 criou um tema para o Ubuntu chamado "Pop Theme", que engloba temas de ícones e GTK que são compatíveis com qualquer ambiente, inclusive, não somente GTK, existe uma versão compatível com KDE também, ainda que ele fique efetivamente melhor no Gnome. Usando como base outros temas conhecidos e aplicando um visual próprio o tema chama atenção pela sua beleza e pelos efeitos, que lembram muito o material design do Android.

Pop Theme Gnome
Calendário, Notificações e controle do Player de Mídia (Spotify)

Pop Theme Gnome
Central de Controle

Pop Theme Gnome
Grid de Apps

Para instalar o Pop Theme no seu Ubuntu Gnome ou qualquer outra distro que tenha compatibilidade com arquivos .deb, basta baixar os pacotes contidos neste link e instalar dando dois cliques.

Depois de instalado, para ativar e configurar o seu novo tema vamos precisar do Gnome Tweak Tool, ele provavelmente já vem com o sistema, entretanto, caso não esteja, você encontra ele na Central de Aplicativos:

Gnome Tweak Tool

Quem preferir pode instalar através da linha de comando também:
sudo apt install gnome-tweak-tool
Uma vez instalado, abra ele e procure a sessão de "aparência", que é a primeira coisa que aparece na verdade, e configure os temas para "Pop" ou "Pop-Eta", a versão "Eta" é um pouco mais compacta e eu gostei um pouco mais, pois me parece aproveitar melhor o espaço na tela.

Gnome Tweak Tool

Teste as duas opções e veja de qual você gosta mais, depois me diga qual você escolheu. 

A System76 também trabalha com algumas fontes específicas, então se você quiser deixar o sistema com o "look completo", será necessário configurar isso também. Observe a sessão "Fontes" que fica do lado esquerdo e configure desta forma com estes tamanhos:

Fontes do PopTheme

As fontes seguem a seguinte configuração:

Títulos e Janelas: Fira Sans SemiBold Tamanho: 10 

Interface: Fira Sans Book Tamanho: 10

Documentos: Robot Slab Regular Tamanho: 11

Monoespaçada: Fira Mono Regular Tamanho: 11

Você encontra mais informações sobre esta fonte no GitHub.

Aproveite o seu novo tema e até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 1 de maio de 2017

Primeiras daily builds do Ubuntu 17.10 já estão disponíveis para download

Seguindo a tradição, logo depois de um lançamento como o do recente Ubuntu 17.04 Zesty Zapus, que finalizou o alfabeto, temos as primeiras construções diárias da próxima versão, o Ubuntu 17,10 que sairá em Outubro.

Ubuntu 17.10 Artful Aardvark


O Ubuntu 17.10 de codinome "Artful Aardvark" (isso mesmo, voltou no início do alfabeto), já está recebendo as suas primeiras construções diárias, chamadas em inglês de ""daily builds", assim como seus repositórios já foram abertos para o recebimento dos softwares deste ciclo.

Esta versão está muito longe de estar pronta para a utilização do usuário comum, como comentei, ele será lançado somente em Outubro e não é recomendado para pessoas que não tenham a intenção a ajudar a desenvolver o sistema.

As primeiras ISOs estão disponíveis aqui.

O que podemos esperar do Ubuntu 17.10?


A disponibilidade das primeiras ISOs do ciclo 17.10 é um gancho perfeito para falar sobre as coisas que deverão chegar com esta nova versão.

Como você bem deve saber, a Canonical resolveu descontinuar o Unity como interface padrão do Ubuntu, além disso, outros projetos acabaram ficando de lado, pessoas foram demitidas da empresa e setores reformulados.
O local onde essas mudanças serão mais sentidas é justamente o Desktop, que para mim é a parte mais sensível do projeto, não financeiramente falando, mas no aspecto de relação com o usuário final de computador.

Na versão 17.10 nós teremos o Gnome Shell como interface e o Wayland como servidor gráfico, abraçando a maior parte das soluções colocadas pelo projeto Gnome. 

Até o momento, pelas informações que se tem, nós teremos um Gnome puro no Ubuntu 17.10, o que do ponto de vista do usuário final não seria a melhor escolha, pois o Gnome necessita de uma série de complementos para conseguir ter os mesmos recursos que o Unity anteriormente tinha.

Falando em Unity, ele ainda estará nos repositórios caso alguém deseje instalar. Até o momento, não sei de nenhuma comunidade que queira continuar desenvolvendo funções para ele, ou desenvolvendo ele em si, entretanto ele estará disponível. Apesar desta informação deixar os fãs do Unity menos preocupados, é bom alertar que ele não será tão "bem integrado" ao Gnome como antes, a Canonical costumava aplicar vários patches e modificações para fazer com que os Apps do Gnome funcionassem de forma integrada ao Unity, como o Nautilus por exemplo, algo que deixará de acontecer, então os aplicativos poderão ficar "estranhos" no Unity do 17.10, para quem for utilizar.

É provável que o Ubuntu 17.10 chegue com o Gnome 3.26, mas ainda não foi confirmado, outra coisa que ainda não foi definida é se o Ubuntu passaria a utilizar o GDM ou continuaria utilizando o LightDM como gestor de login, particularmente acho o LightDM mais belo, porém, com essa ideia de "all GNOME" de Mark Shuttleworth, não me admiraria se o GDM fosse o padrão também.

O calendário de lançamentos para o Ubuntu 17.10 Artful Aardvark é o seguinte: 

- 29 de Junho - Alpha 1
- 27 Julho - Alpha 2
- 31 Agosto - Beta 1
- 28 de Setembro - Beta final
- 19 de Outubro - Versão final

O que você espera do Ubuntu 17.10? Pretende utilizar? Sei que é muito cedo para qualquer comentário mais técnico, mas será um lançamento importante, pois é onde teremos uma prévia da próxima LTS que sai em Abril de 2018.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 27 de abril de 2017

Ubuntu Gnome deixará de existir e se fundirá com o Ubuntu

Essa é uma notícia que era de se esperar, eu até sugeri isso no vídeo sobre o fim do Unity, mas como ainda não haviam informações oficiais eu apenas especulei, porém, agora é diferente, sabemos o que vai acontecer com ambos os projetos.

Ubuntu Gnome




Ontem o Ubuntu 17.04 Zesty Zapus foi lançado, entretanto, seu lançamento foi completamente ofuscado pela notícia de descontinuidade do Unity, ainda assim, junto com ele todas as demais flavors da distribuição também foram lançadas simultaneamente, incluindo o que pra mim se torna a mais interessante de prestarmos atenção, o Ubuntu Gnome.

Juntamente com as notas de lançamento do Ubuntu Gnome, nós tivemos um comunicado muito relevante que nos dá a noção de como as coisas vão funcionar daqui pra frente por conta das futuras versões do Ubuntu Desktop voltarem a usar Gnome como interface padrão.

Como era de se esperar, a equipe do Ubuntu Gnome será integrada com a do Ubuntu Desktop (os remanescentes, pelo menos) e o Ubuntu Gnome deixará de existir como flavor oficial e passará a ser "o Ubuntu".

Uma das coisas comentadas por Mark Shuttleworth, criador do Ubuntu e da Canonical, é que o Ubuntu passaria a entregar um desktop "All Gnome", isso, como comentei em outro post, ficou ambíguo, pois será que o Ubuntu iria apenas empacotar o Gnome Shell default, assim como o Fedora faz, ou será que o Ubuntu voltaria a fazer customizações visuais como fazia na época do Gnome 2?

Eis uma grande questão, não? Até porque, identidade visual de um sistema é um ponto crucial para o marketing e branding da marca, certo? Bom, os nossos amigos e desenvolvedores do Ubuntu Gnome deram a entender que haverão sim, pequenas customizações para atribuir ao o Ubuntu, agora com Gnome, uma aparência "Ubuntu", talvez com cores e temas e possivelmente algumas extensões.

Como você acha que o Ubuntu com Gnome deveria ser?

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 14 de abril de 2017

Como será o futuro do Ubuntu SEM o Unity?

Pois é pessoal, essa foi sem sombra de dúvidas as notícias mais "bombástica", por assim dizer, do ano no mundo Linux. Nós falamos e noticiamos o fim do Unity 8 e do Ubuntu Phone nesta semana e muitas pessoas se interessaram pelo assunto, foram mais de 60 mil acessos apenas neste artigo, mas algo que eu percebi na maior parte dos comentários foi uma dualidade entre pessoas que já não gostavam muito do Unity e/ou preferiam o Gnome e pessoas que gostavam do Unity e ficaram chateadas com a notícia.

O futuro do Ubuntu sem o Unity




Eu vou tentar brincar de "olho de Tandera" com você e te dar a "visão além do alcance", pois o fim do Unity (ou quase) pode mudar os rumos do Ubuntu como conhecemos, então, eu quero falar sobre as possíveis consequências desta decisão.



Uma grande surpresa!


Apesar dos mais pessimistas acharem que o Ubuntu Phone nunca teve realmente chance, para mim, a "causa mortis" do projeto foi ver o que a Samsung fez com o novo Galaxy S8 (não que tenha sido isso mesmo, mas o conceito que o envolve), além da necessidade de focar onde dá lucro. Sei que nem todos se encaixam aqui, mas se você já tentou empreender algum negócio sabe que esse tipo decisão difícil é sumariamente fundamental.

Convergência do Galaxy S8
Samsung Galaxy S8 no modo "convergente"

A Samsung trouxe para o Android a dita "interface convergente", uma marca forte, com Android, o sistema operacional mais utilizado do mundo, trouxe para o mercado exatamente o conceito que o Ubuntu Phone estava brigando para trazer, claro, com algumas diferenças, pois o Ubuntu com Unity 8 tinha a intenção de rodar aplicativos convencionais de Desktop nos Smartphones também, mas quando se olha em sentido prático, realmente o Android sai na frente, não há nem sequer competição.

Ainda assim, o anúncio de Mark Shuttleworth, criador da Canonical, pegou todos de surpresa, até então não havia sequer um indício de que o projeto fosse efetivamente acabar, ao menos, não de forma tão drástica.

Particularmente, como eu já tinha falado neste vídeo, a versão 18.04 LTS, que deve ser lançada daqui a um ano aproximadamente, faria o sucesso ou o fracasso do Ubuntu e do Unity 8, parece que Mark resolveu não apostar.

Desde que foi anunciado, o Unity 8 chamou a nossa atenção, o conceito de convergência, a nova aparência, novas funcionalidades, tudo isso despertou um interesse extremo no sistema.

Com o tempo e promessas adiadas, depois de pouco mais de 3 anos de espera, tivemos os primeiros aparelhos com Ubuntu, mas a versão destkop nunca ficou realmente pronta. Ao mesmo tempo que ansiedade pela nova interface aumentava no Desktop e os esforços eram concentrados nela, o Unity 7, versão utilizada no Destkop até então, acabou deixando de receber grandes upgrades como o Ubuntu teve outrora, deixou de incrementar funcionalidades, algo que é quase fatal para um sistema que busca mais e mais usuários, especialmente domésticos.

Paradoxalmente, o Ubuntu neste meio tempo ganhou mais popularidade do que nunca, tornou-se a distro Linux mais utilizada do mundo depois do Android, virou sinônimo de Linux na internet  e para a indústria, abarcou cerca de 40 milhões de usuários ao redor do mundo apenas na versão Desktop, ainda assim, as versões para servidor, cloud e IoT do Ubuntu fizeram ainda mais sucesso, Dustin Kirkland, gerente de produto da Canonical, chegou a afirmar que juntando todas as plataformas em que o Ubuntu estava presente, mas de 1 bilhão de pessoas eram usuários do sistema, de forma direta ou indireta e o Unity era facilmente reconhecido em fotos mundo à fora.

Realmente, fomos pegos de surpresa.

O Unity realmente acabou?


Neste momento eu gostaria de me atentar para um detalhe que pode ser divisivo e acabar com o Ubuntu da forma que o conhecemos, a distro simples e para usuários comuns no Desktop, então você precisa prestar atenção.

Tirando a Canonical, as outras duas principais empresas que mantém distros Linux de forma direta são a SUSE e a Red Hat, e o que ambas tem em comum? O foco empresarial em servidores e suporte. E o que mais elas tem em comum? Não tem um foco no usuário doméstico. Sacou?

Mark comentou em seu anúncio que o Ubuntu 18.04 LTS voltaria a usar Gnome e que o Unity 8 e o Ubuntu para Smartphones, assim como a convergência e o servidor gráfico Mir, tinham acabado, ainda que ele continuasse acreditando que esse é o futuro, a Canonical provavelmente não estaria nele. Aqui é que entram os detalhes das lacunas deixadas por ele.

Voltar a "usar o Gnome" não significa que o Ubuntu 18.04 LTS vá usar o Gnome Shell necessariamente, tecnicamente isso são coisas diferentes, ou ainda, não quer dizer que o Ubuntu vá ter o mesmo Gnome que o Fedora tem, por exemplo.  

Seria possível a Canonical criar uma interface em cima do Gnome Shell que tenha a mesma funcionalidade do Unity? Até porque ele disse que o Unity 8 tinha acabado, mas não falou nada sobre o 7 ou o que iria acontecer com ele.

Ontem eu estava brincando com o Ubuntu Gnome 17.04 Beta, que ainda receberá um vídeo para o canal, e com algumas extensões e temas eu fiz um "Unity" do Gnome, a usabilidade fica bem parecida até, dá uma olhada na aparência:

Ubuntu 18.04 Fake com GUnity?
Ubuntu 18.04 Fake com GUnity?

Não estou dizendo que é isso que vai acontecer, mas seria coerente pensar desta forma para não impactar os usuários de Unity demais e manter a usabilidade do sistema.

Por outro lado, se a Canonical estiver se tornando uma nova Red Hat ou SUSE eu tenho más notícias pros usuários comuns, me incluindo aqui.

Isso significaria que o Ubuntu para Desktops receberia um Gnome Shell "puro", assim como é o Ubuntu Gnome hoje em dia, e a preocupação com os usuários de Desktop diminuiria, de certa forma, desperdiçando o bom nome no mercado consumidor comum que o Ubuntu tem atualmente, coisa que até agora nenhuma outra distro conseguiu.

O Ubuntu para Desktop será o mesmo Ubuntu para Desktop que nós conhecemos? Ou será algo mais parecido com o Fedora que é um "campo de testes" comunitário do Red Hat Enterprise Linux?

Isso realmente só o tempo nos dirá, confesso que torço para que seja a primeira opção, caso contrário, não vejo mais motivos para usar o Ubuntu como sistema de Desktop indicando-o para qualquer tipo de usuário. Ele vai continuar sendo simples, fácil e tudo mais, como é agora, mas ferramentas facilitadoras e a preocupação com a experiência do usuário de Desktop mais básico não seriam mais preocupação, fazendo do Linux Mint, elementary OS, Deepin e do Manjaro (dependendo da evolução) opções mais interessantes para "arrastadores de mouse".

O que sobrará depois do Unity?


Existem muitas coisas importantes que irão se acabar com o final do Unity, isto é, do Unity 7 especialmente. Podemos lamentar pelo Unity 8, Mir e pelos Ubuntu Phones, mas ainda assim é algo que nós nunca realmente tivemos, então a sensação de perda é muito menor, não se pode dizer o mesmo da versão 7.

Como tanto o Unity 7, como o Unity 8, são projetos abertos, não seria de desacreditar uma continuação por uma comunidade interessada, como aparentemente já está acontecendo com o Unity 8, mas sinceramente, certos recursos do Unity 7 não estão presentes em nenhuma outra distro de forma nativa atualmente.

O HUD por exemplo, a ferramenta que permite que você pesquise dentro dos menus das aplicações apenas pressionando a tecla "Alt" é algo que eu não vi em nenhum lugar, o aproveitamento de espaço que o Unity tem é incomparável, afinal, não é somente "esconder as barras" e pronto, com o Unity além de ter todo o campo de visão você ainda tem todas as ferramentas do sistema a sua disposição, as barras das janelas que se integram com a barra superior e os menus globais são coisas muito boas também. Concentrar as ações no lado esquerdo da tela faz com que você precise mexer menos o mouse também.

Tirando isso, que são recursos que podem se implementados em outras interfaces, talvez no próprio Ubuntu mesmo com Gnome, o que se perde mesmo caso do Unity 7 e seu conceito de usabilidade e aparência deixem de existir completamente, é a grande marca que ele criou.

Veja bem, a maior parte das distros utiliza um ambiente gráfico que outras distros também utilizam, o Gnome do Fedora não é muito diferente do Ubuntu Gnome, do Gnome do SUSE ou do Manjaro, visualmente falando, e isso vale para qualquer outra interface, mas o Unity, além de ter um visual peculiar, remetia diretamente ao Ubuntu, do mesmo jeito que quando você vê uma barra em cima com uma dock embaixo você lembra do Mac, ou um painel inferior com um "menu iniciar" você lembra do Windows (ou do KDE), quando você via um sistema com barra na esquerda você associava ao Ubuntu, abandonar isso é ruim pra marca, ruim pro marketing, ruim pro Ubuntu. 

Para você ter uma ideia, tem gente que acha que qualquer Gnome é o Kali Linux, isso é um problema de falta de identidade mercadológica que fará muita falta pra qualquer sistema que queira atingir o usuário comum... a menos que essa não seja mais a intenção.

O meu receio e o meu anseio


Independente do que aconteça, o meu respeito pelo Ubuntu e pela Canonical continuam. Graças a eles (e talvez ao Google) é que eu posso trabalhar com tudo o que trabalho hoje em dia, eu tenho uma relação enorme de gratidão com o Ubuntu pelo que o Diolinux se tornou, foi falando do Ubuntu que as coisas começaram a acontecer na minha vida, foi quase uma retro-alimentação.

Meu receio é que com o abandono deste projeto (Unity) o Ubuntu deixe de receber incrementos de ferramentas para facilitar a vida do usuário comum. Antigamente, quando a Canonical lançou uma Central de Aplicativos no Ubuntu isso foi revolucionário, quando adicionaram uma opção para instalar drivers facilmente, isso foi igualmente revolucionário, criar o HUD e novas formas de interação foram diferenciais, mas nos últimos anos, desde 2014 aproximadamente, isso deixou de acontecer (muito em parte pelos esforços da equipe de engenheiros sobre o Unity 8), será que isso voltará a acontecer?

Meu anseio é para que sim! Além de torcer para que o sistema volte a ser revolucionário como sempre foi no Desktop, é bom ver que algumas coisas tomaram definição. Com o Mir fora da jogada finalmente o Wayland tem apoio de todas as distros mais famosas e quem sabe ele se desenvolva mais rápido, será mais fácil até mesmo para as empresas que desenvolvem drivers, além disso, os Snaps vieram pra ficar, de todos os projetos que iniciaram por conta da convergência, este foi o que deu mais certo.

Os pacotes Snaps são uma forma simples de distribuir softwares para Linux (isso mesmo, qualquer distro) e podem permitir que mais desenvolvedores tenham interesse em liberar programas para o sistema graças a existência deste padrão. Sei que existe o formato FlatPak também, mas particularmente acho que os Snaps, além de um nome melhor (marketing é tudo), possuem maior facilidade de operação e manuseio, além de já possuir um grande repositório se comparado com a iniciativa concorrente.

O fim do Unity pode significar um recomeço ainda mais forte para o Ubuntu nos Desktops ou a sua despedida de vez, deixando o trono para outras distros derivadas provavelmente.

Vale lembrar que o Unity 7 permanecerá ativo com o Ubuntu 16.04 LTS até 2021 pelo menos, que é quando o seu suporte deve terminar, então, caso você queira continuar usando a interface, você ainda tem bastante tempo desde que mantenha esta versão do sistema sempre atualizada.

Eu continuarei a usar o Ubuntu, talvez com menos intensidade no futuro dependendo do que aconteça, mas o Ubuntu sempre será a distro que consegue sacudir o mundo Linux e o Mark Shuttleworth sempre será o cara que não tem medo de sonhar, tentar, arriscar, errar, voltar atrás e fazer tudo de novo. Talvez falte um pouco dessa gana na gente mesmo, não é?

É como se diz, se você nunca falhou em nada, talvez nunca tenha tentado fazer algo realmente grandioso.

O que você acha de tudo isso? Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 7 de abril de 2017

Adeus Unity! Canonical abandonará interface e Ubuntu voltará à interface Gnome!

O fim de uma era se encerra meus amigos! Pelas palavras do próprio Mark Shuttleworth, criador do Ubuntu e da Canonical, "é hora de crescer e olhar para o futuro" e aparentemente, o futuro é sem o Unity, tanto o 7, quanto 8. A próxima LTS do Ubuntu que sairá em 2018 já trará a nova "velha" interface no sistema, o Gnome Shell.

Ubuntu 18.04 LTS virá com Gnome




Espera! Espera! Primeiro coloca tocar essa música e depois continua lendo!


O chefão da Canonical, Mark Shuttleworth, publicou no site de Insights do Ubuntu uma notícia que abalou o mundo open source, o fim do Unity, o fim do Mir e o fim do Ubuntu para Smartphones!

Exatamente! Depois de praticamente 7 anos de desenvolvimento, a interface Unity que causou tanta controvérsia está deixando o Ubuntu. A mudança é mais radical e corajosa do que se possa pensar.

Mark informa em seu texto que o Ubuntu é líder em servidores, internet das coisas e é o sinônimo de Linux para o mercado consumidor final, disse que ainda acredita que a convergência seja realmente o futuro, mas que neste campo provavelmente a Canonical não estará atuando. Existiriam vários fatores de mercado que dificultariam essa investida e dinheiro gasto em desenvolvimento que não tratá retorno tão cedo não parece ser uma boa ideia.

Mark Shuttleworth

É preciso muita coragem para parar todos os projetos, respirar e dizer: Vamos deixar quase uma década de trabalho para trás e focar nos resultados. Recentemente eu diz um vídeo comentando os pontos que eu acredito serem os principais responsáveis pela popularidade do Linux (ou a falta dela) no mercado, no vídeo eu comentei que acreditava que a Canonical iria "tomar um rumo" em breve, caso o Unity 8, Ubuntu Phone, etc dessem certo no mercado mobile seria A VITÓRIA, ou simplesmente abandonando o barco e focando onde dá mais lucro, servidores e internet das coisas, resumidamente, assim como Red Hat e SUSE fazem hoje em dia, o que aumenta o meu receio sobre como será o Ubuntu para desktops daqui pra frente. Bom, o "titio" Mark resolveu parar tudo antes que muito dinheiro fosse gasto em algo que levaria anos para ser funcional e perderia completamente o timing do mercado.

E o "Dionatan Diná" estava certo, só não pensei que teríamos a confirmação tão cedo.

Junto com o abandono do projeto Unity, vão embora também o projeto do Ubuntu para dispositivos móveis, o que remove um setor inteiro da empresa praticamente, assim como o servido gráfico Mir, Mark comenta que a próxima LTS do Ubuntu, o Ubuntu 18.04 que sairá em Abril do próximo ano já conterá a interface Gnome Shell como padrão, voltando às raízes.

Coisas que não ficam claras


O motivo da Canonical se voltar para o mercado que lhe dá mais lucro não chega a ser segredo, é um tanto quanto óbvio que essa seria uma manobra esperada de qualquer empresa que preze pelo seu patrimônio, contudo, será que estaremos vendo o Ubuntu para Desktops morrer?

Mark diz que não: O Ubuntu Desktop é parte importante do projeto, entretanto, colocar o Gnome de volta como interface padrão também trará uma menor carga para o desenvolvimento da interface, uma vez que ela é comunitária, deixando a Canonical focar mais onde lhe interessa, a questão para mim é, será que ainda teremos investimentos nesta área por parte da empresa? 

Quando digo "investimentos", quero dizer recursos facilitadores de configuração que tornaram o Ubuntu mais fácil de ser utilizado, ou ele simplesmente "seguirá o fluxo" ficando mais parecido com o projeto Fedora em relação ao Red Hat?

O que acontecerá com o projeto Ubuntu Gnome? Com essa decisão, o projeto parece perder a sua utilidade e membros da equipe poderão integrar a nova equipe de desenvolvedores do Ubuntu Desktop?

O que podemos tirar de bom disso tudo?


Eu sou um otimista, ainda que o Unity tenha sido a minha interface preferida durantes os últimos anos, a volta do Gnome como interface padrão pode resolver alguns "problemas", como por exemplo: Agora todos sabem que o novo servidores gráfico será o Wayland e ponto final, Mir está fora da jogada e os esforços podem ser concentrados em um padrão novamente, o que eu acho ótimo, no entanto so Snaps do Ubuntu continuam e eles me parecem mais funcionais e fáceis de serem manuseados que os pacotes FlatPak do projeto Gnome, poderíamos padronizar aqui novamente, fica mais fácil para todos, certo?

Então, sai Unity, sai Mir, fica Snap, até porque o empacotamento é ótimo para internet das coisas e servidores.

Outro aspecto positivo é que a Canonical voltará a apoiar ativamente um Desktop Enviroment comunitário, fazendo com que ele se desenvolva mais rápido, pelo menos, assim esperamos.

Ubuntu Gnome 17.04


Eu cheguei a testar o beta do Ubuntu Gnome 17.04, inclusive, teremos vídeo em breve no canal sobre os betas, e de certa forma, ali temos um vislumbre do futuro agora mesmo! Gostei do que ví, eu cheguei a ser um usuário ativo do Gnome logo que o Gnome 3 foi lançado até a versão 3.4, depois mudei para o Unity e não saí mais, então me adaptar a interface de volta não seria um grande problema, acredito, entretanto, outras distros como o Linux Mint e o Deepin talvez tomem o posto do Ubuntu de vez como distribuições para "Desktop Medium User", visto a gama de trabalho embarcado nelas para torná-las extremamente amigáveis para o usuário final, só o tempo dirá.

O que você achou das mudanças?

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 5 de abril de 2017

Crie grupos de aplicativos customizados no Gnome com o Meow

O Meow é um novo editor de menus disponível para distribuições Linux que usem o Gnome Shell, e cá entre nós, ele resolve um dos problemas da interface que eu sempre apontei. Uma das coisas mais interessantes do Gnome na minha opinião é a forma com que ele agrupa programas no menu, lembra muito o Android e o iOS, mas não é possível criar os seus próprios agrupamentos ou modificar os existentes, pelo menos não tão facilmente antes do Meow.

Gnome Apps Groups with Meow




Aplicativos para editar o menu do sistema existem "desde sempre", mas o Meow é novo e possui este diferencial, conseguir ajustar os agrupamentos de programas, permitindo assim, que você organize a sua coleção de aplicativos da forma que achar melhor para tornar o seu dia a dia mais produtivo.

Organize os Apps com o Meow

Através do Meow você pode facilmente criar grupos de aplicações e nomeá-las como quiser, adicionando e removendo os aplicativos que você deseja. O programa ainda conta com uma opção prática de pesquisa para que você encontre rapidamente o programa que você deseja para adicioná-lo em um grupo.

O Meow está no GitHub com instruções para instalação e pacotes para Ubuntu, Debian e Fedora, para que você possa instalar facilmente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




domingo, 6 de novembro de 2016

Conheça as novidades incríveis do novo Gnome 3.22 "Karlsruhe"

O Gnome Shell continua em pleno desenvolvimento e as novidades da versão 3.22 se estendem para muito além do Shell, mas todo o ecossistema de aplicações recebeu correções e novidades, confira o vídeo preparado pela equipe do Gnome para mostrar o Gnome "Karlsruhe".

Gnome 3.22




Eu já fui um usuário mais assíduo do Gnome Shell, mas mesmo não estando em contato direto com ele no meu dia a dia atualmente, o conjunto de aplicações Gnome "faz o meu dia mais feliz", se é que posso dizer assim.

O conjunto de aplicações Gnome foi, e ainda é, o core de aplicações da distro que eu mais gosto de utilizar, o Ubuntu, mesmo a versão com Unity, de modo que as aplicações desenvolvidas pela equipe do Gnome acabam "espirrando" até mesmo em quem não utiliza o Gnome Shell por padrão, mais uma prova de o quão benéfico o desenvolvimento aberto pode ser.

Essa versão nova do Gnome está SENSACIONAL (com caixa alta e tudo), eu já havia escrito algo sobre o novo Nautilus que chegará com essa versão com vários recursos legais, mas acho que agora com um vídeo fica mais fácil de você perceber as mudanças, confira:



Esta versão nova do Gnome deverá chegar em breve às distros que costumam manter pacotes nas últimas versões, como o Fedora, Arch Linux, openSUSE e alguns de seus derivados também, para que usam o Ubuntu Gnome, será necessário utilizar provavelmente um PPA na versão 16.10 que sai no final do próximo mês.

E aí, o que você achou das novidades do Gnome? Ele é demais, não é não? :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 21 de setembro de 2016