Home » guest

Xiaomi Redmi 3S é o Smartphone de baixo custo e qualidade para você

Olá pessoal, hoje eu vou mostrar para vocês uma opção muito interessante em relação ao custo/benefício para quem busca um Smartphone. Este artigo está sendo feito à convite dos nossos parceiros da loja GearBest, onde você pode encontrar o aparelho.

Redmi 3S



A Xiaomi é conhecida por muitos como a "Apple da China" e produz Smartphones com lindas curvas e designs bem trabalhados, depois do lançamento da linha Redmi aqui no Brasil a empresa ganhou muitos fãs em terras tupiniquins. Hoje vou mostrar uma boa opção para você que não quer gastar tanto e ainda assim comprar um bom aparelho.


Vamos para a especificação do aparelho:

Tela: 5 polegadas e resolução HD de 1280 x 720

CPU: Qualcomm Snapdragon 430 Octa Core 1.4GHz

Sistema: Android 6.0 

RAM + ROM: 2 GB RAM + 16 GB ROM 

Expansível por cartão de memória para até: 128 GB

Câmera: Câmera traseira de  13.0 MP + camera frontal 5.0 MP 

Bluetooth: 4.1

Características adicionais: Leitor de Digitais Scanner, GPS, A-GPS

SIM Card: Dual SIM dual standby, um micro SIM e outro nano SIM 

Rede de operação: 
2G: GSM 900/1800/1900MHz
3G: WCDMA 850/900/1900/2100MHz CDMA 2000 BC0
4G: FDD-LTE 1800/2100/2600MHz

E quanto custa esse carinha? A GearBest está fazendo uma promoção dele com 50% de desconto custando apenas US$ 129.69, confira mais detalhes sobre a promoção e sobre o aparelho na loja clicando aqui. Eu ainda não tive a oportunidade de testar um pessoalmente, então por enquanto não posso dar mais opiniões à respeito dele, mas dado o preço e as configurações, ele é realmente muito atrativo.

Você já teve ou tem um Smartphone da Xiaomi? O que você acha dele?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 14 de novembro de 2016

3 dicas simples para você estudar programação e T.I online gratuitamente

Você está procurando uma forma de estudar programação online? Então confira agora algumas sugestões para você começar a sua jornada no mundo da tecnologia com sites que você pode usar como auxiliares para o seu desenvolvimento como profissional e/ou hobbysta.

Aprenda em casa




Este texto foi escrito pelo nosso leitor, Felipe Pedrosa, e não representa necessariamente a opinião do blog sobre assunto, mas certamente será de valor para você que está querendo dar uma guinada na sua vida através dos estudos e não tem muito dinheiro para investir na sua educação, confira:

Estudando em casa


Olá amantes da tecnologia, hoje apresentarei diversos sites que venho utilizando para aprimorar meu conhecimento, espero que ajude vocês na caminhada do conhecimento.

Em primeiro lugar trago o a Code Academy, este entre todos é meu favorito, possui diversos tipos de linguagem para programação WEB como Python, Ruby, JavaScript entre outros e todo este conteúdo totalmente de graça.

Para quem deseja aprender SQL posso indicar um curso que eu conclui no site da “SoftBlue”e é espetacular, o curso possui embasamento na ferramenta “PostgreSQL" mas isto não implica em nada caso queira utilizar outra ferramenta de sua preferência como o “MySQL”.

Como estamos falando da SoftBlue posso indicar um outro curso disponibilizado pela empresa que é sobre “Lógica de programação” outro curso excelente, mas este não completei.


Outra alternativa muito interessante que encontrei foi o ”Code Combat”, um site que ensina a programar “jogando”, a iniciativa é muito simples, você controla seu personagem utilizando programação para derrotar seus inimigos e passar de fase, você pode “jogar” utilizando alguns tipos de linguagens diferentes como Python, JavaScript, CoffeeScript e Lua ( no site diz que Lua é uma linguagem utilizada para criar jogos ). Hoje o site esta disponível em português de Portugal mas caso alguém queira contribuir para a tradução para Português do Brasil a opção esta disponível no site da empresa. 

Por ultimo trago uma lista feita pelo Olhar Digital onde diversos sites disponibilizam conhecimento gratuito, este link foi apresentado por meu gerente na empresa em que trabalho e gostaria de compartilhar com todos.

Apenas para conhecimento o nenhuma das empresas citadas patrocinaram esta postagem ou o blog, as informações divulgadas aqui são apenas para que outras pessoas adquiram conhecimento, assim abrindo portas e mostrando que todo mundo tem uma oportunidade de melhorar seu futuro.

Agradeço ao Dionatan e ao blog Diolinux por concederem esta oportunidade.

Nota do blog


Quero agradecer a participação do nosso querido leitor e sugerir a você, caso você tenha alguma ideia bacana, dica, tutorial que gostaria de compartilhar com as pessoas, mande um e-mail pra gente com o seu artigo.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 28 de julho de 2016

Da obrigação à paixão, a história de Marcio com o Linux

Todos tem uma boa história para contar, eu já me convenci disso. Recebemos muitos e-mails aqui no Diolinux de leitores contando as suas histórias, e sabe qual é o fator mais curioso? Elas são muito familiares! Boa parte das situações eu passei também ao longa da minha jornada profissional, e tenho certeza que você também! Ver histórias como as do Marcio fazem você se motivar e ver que muitas vezes há males que vem para bem, confira:

Vou ter que usar Linux?




O texto que você vai ler logo abaixo foi escrito por Marcio Stella Rosso, as opiniões dele não necessariamente representa a opinião do blog sobre qualquer assunto abordado.

"Olá Dionatan, tudo bem?

Assim como outros, também sou leitor assíduo do seu blog. Por ver tantos outros contando suas histórias sobre o vínculo com LINUX, decidi contar a minha também para colaborar e mostrar aos "medrosos" que o LINUX pode ser melhor e mais interessante que o Windows.

Bem...

Meu Nome é Márcio Rosso, sou funcionário público na Prefeitura Municipal de Nova Palma - RS,
no setor de tecnologia há 15 anos. Tenho formação técnica em informática há 20 anos pela escola técnica da Universidade Federal de Santa Maria - RS (UFSM).

Minha história com LINUX é a seguinte:

Já tinha ouvido falar muito em "LINUX". Mas nunca tive um interesse concreto até 2010, quando fui remanejado de setor e passei a ser monitor e coordenador do telecentro comunitário de Nova Palma. 

Quando cheguei ao telecentro me deparei com um sistema chamado "Metasys Server" no servidor e "Metasys Client" nas 20 máquinas do telecentro. No início fiquei assustado: "Meu Deus, o que que é isso? Como isso funciona?". Pensei logo: "Vou formatar tudo e instalar o Windows 2003 no Servidor e o XP nas máquinas!", pois era no que eu aprendi e estava acostumado a trabalhar.

Mas, pra complicar mais ainda, fui informado de não poderia trocar o sistema porque o Ministério das Comunicações fez um contrato de soft livre com a Prefeitura, e, portanto, só poderia ser usado LINUX no telecentro ("To Ferrado!"). Então decidi aprender mais a fundo sobre LINUX, especialmente sobre o Metasys, que na época (2010) estava na versão 2.2 (hoje está descontinuado). Era um sistema baseado em Red Hat, uma mistura de Mandriva e Fedora com KDE 2.

Então... Um sistema fantástico! As máquinas logavam no servidor com cadastro de usuários (previamente definido) e com controle de acesso a internet e controle de tempo de login (Squid), compartilhamento de arquivos e cadastro de usuários (Samba), servidor DHCP e DNS para a rede local e com um sistema que só o LINUX tem, que apaga todos os dados do usuário no logon. "Era tudo o que eu queria!!" Porque não tinha descoberto isso antes?? Que coisa!!". Hoje uso Debian 8 no servidor e o Mint 17.3 nas máquinas e ministro cursos de informática em várias áreas com Linux sem o menor problema. Desde curso básico de informática (iniciantes e 3ª idade), intermediário (pra que está vindo do Windows) e curso avançado, pra que quer ir pra faculdade de Informática já com algum preparo no assunto o precisa pra a empresa no qual trabalha. Além de cursos na área gráfica (GIMP) e na área Office (Writer, Calc e Impress).

Resumindo... Me apaixonei por LINUX de uma maneira, que hoje consigo usar somente LINUX no
trabalho e no lazer. E por isso, vai um recado à todos os "medrosos" da área: "LINUX é melhor, mais rápido, mais seguro, mais estável, mais confiável e, o melhor de tudo, GRATUITO!". E as novas
distros de hoje como Manjaro, Mint, DuZeru, Metamorphose, elementary OS e outras, não deixam à
desejar em nada para o Windows em beleza e praticidade.

Claro, não podemos desfazer tanto do Windows pela históra que ele traz consigo. Mas é bem verdade
que em matéria de cooperativismo e comunidade o Windows não tem nada, pois a Microsoft só visa lucro mesmo. Deste modo, Viva o LINUX! E obrigado Linus Torvalds, Richard Stalmamm e todos aqueles que trabalharam arduamente para que o Linux chegasse à nós hoje, com liberdade, elegância e dinamismo. E vamos incentivar e colaborar com o que pudermos para que as distros brasileiras não tenha o mesmo fim do Kurumim, se não for tecnicamente, vamos ajudar com um pouco de dinheiro para que os desenvolvedores possam continuar mantendo o foco como forma de incentivo.

Obrigado Dionatan pelo espaço, um abraço à todos!"

Nota do blog


Quero agradecer ao Marcio pela sua participação, contando a sua história e expondo a sua opinião. E você, nosso leitor; se você gostou do depoimento do Márcio confira os capítulos anteriores com a história de muitas outras pessoas, basta clicar aqui, e se você quiser enviar a sua história pra gente também, será muito bem-vindo! Entre em contato por e-mail.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 13 de junho de 2016

Minha história com o Linux, por Daniel Valadão

Hoje temos mais um daqueles depoimentos bacanas que os leitores nos mandam; quem vai contar a sua história com os sistemas operacionais baseados no Kernel Linux hoje é o nosso leitor Daniel Valadão, ele mandou um e-mail pra gente contando um pouco da sua experiência com o sistema, confira:

Minha história no Linux




Gostaria de agradecer a participação do nosso leitor e sua boa vontade em compartilhar a sua história que quem sabe possa inspirar mais pessoas a pelo menos experimentarem o lado aberto da tecnologia. Vale ressaltar que como sempre, as opiniões do texto abaixo não necessariamente representam a opinião do blog Diolinux sobre qualquer assunto abordado, se você também tem uma história legal para contar e quer ver ela publicada aqui, mandê-nos um e-mail com o seu texto. Vamos conhecer agora a história de Daniel Valadão.

"Eu sou um leitor do seu blog e um espectador do seu canal há pelo menos 2 ou 3 anos, inclusive já enviei uma reportagem sobre 14 programas similares de Windows no Linux, que segundo você no seu vídeo de retrospectiva do fim de ano, foi a mais acessada de julho.

Hoje eu quero contar um pouco da minha história e experiencia no mundo do pinguim.

Eu fui apresentado ao Linux em 2002; foi quando comprei meu primeiro computador. Meu Windows XP pegou um vírus chamado BLASTER, que afetava o sistema de som do computador e eu precisei que meu amigo, que na época já estudava montagem e manutenção de computadores, para me ajudar a formatar o meu PC. Na época ele me deu uma cópia do Kurumin, me informando que se tratava de 'um Linux', que era excelente, melhor que o XP; eu até achei, mais não conseguia instalar ele no HD, mesmo porque eu nem sabia formatar direito ainda, só usei em liveCD.

 Achei muito chato o fato de não conseguir formatar e instalar em definitivo o Kurumin com o Gparted e acabei jogando o CD fora, continuei no Windows XP. Em 2007 quando eu fiz um curso de montagem e manutenção e redes, o professor me apresentou o Ubuntu, foi ai que me apaixonei pelo sistema do pinguim. 

Este professor ensinou a formatar e instalar o Ubuntu no HD, me deu uma cópia do CD de instalação da versão 7.04 com Gnome 2 na época, quando cheguei em casa instalei e testei, passei a gostar muito do sistema, mais do que o XP e do que o Vista. 

Desde esta época já testei no meu computador o Familix, o Debian, o Fedora, o OpenSUSE, o Mandriva, o elementary OS, o Linux Mint, etc,

Mas, as distros pelas quais me apaixonei e ainda sou apaixonado fora mesmo o Ubuntu e o Fedora, uso e recomendo. Apesar de gostar de usar eu ainda não consegui me desfazer do Windows completamente devido a necessidade de usar alguns aplicativos que apenas rodam no Windows, como Adobe Photoshop e Corel Draw, então eu uso em dual boot com Linux e com Windows."

Nota do blog


E aí, se identificou com a história do Daniel? A sua foi parecida? Conte pra gente nos comentários, ou se preferir, escreva pra gente para que todos também a conheçam. Mais uma vez, obrigado Daniel por compartilhar a sua experiências conosco e com os leitores do blog!

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 2 de junho de 2016

Alex e suas experiências no mundo Linux

Uma vez mais vamos abrir espaço para os nossos leitores contarem suas histórias e experiências sobre o mundo Linux. O texto de hoje foi escrito pelo nosso leitor Alex Morgado, será que você se identifica?

Tem um pinguim na minha vida




Gostaria de agradecer ao Alex pela sua participação e dizer que se você também tiver uma história bacana para contar, sinta-se à vontade para mandar um e-mail pra gente. O texto abaixo é de autoria do nosso leitor e não representa necessariamente a nossa opinião sobre os assuntos abordados, aproveite!

"Meu nome é Alex Morgado, moro no Paraná e venho compartilhar minhas experiências no mundo Linux.


Tudo começou quando eu comprei meu primeiro notebook aos 19 anos, o sistema operacional instalado era o Windows e eu estava entrando no mundo da programação. Percebi que o Windows, de certo modo, me impedia de programar mais, eu precisava viver mais nas linhas de comando, esse foi um dos pontos negativos que percebi no Windows, ele facilitava muito com a interface gráfica, me deixando acomodado, resolvi então, pesquisar sobre as distribuições Linux. 

Como programador, eu costumo sempre tirar minhas próprias dúvidas fazendo algo do que perguntando para alguém que já usou, pois cada pessoa se adapta de uma certa forma. Eu até pesquisei no Google sobre pessoas que preferem o Windows ou Linux, pra dizer bem a verdade, ficaram empatados dentro da minha concepção na época, mas hoje eu tenho minhas próprias conclusões disso tudo!

Meu primeiro passo foi pesquisar as distribuições, através dessas pesquisas decidi fazer o download do Fedora, Debian e também do Ubuntu. 

Instalei elas dentro de uma máquina virtual e comecei a testar. O primeiro que testei foi o Debian, apanhei muito com ele pela falta de conhecimento na época, ele veio totalmente vazio, eu ainda estava me adaptando com o terminal, achei totalmente diferente, mas mesmo assim foi uma experiência muito boa, tanto é que hoje eu uso essa distribuição para fazer algumas coisas. 

Em seguida instalei o Fedora, uma interface gráfica muito leve, gostei muito, antes mesmo de experimentar o Ubuntu eu já estava decidindo em ficar com Fedora, porém, com calma resolvi testar por algumas semanas o Ubuntu, a instalação foi um pouco mais tranquila, sem muita configuração, comecei a perceber que já era um versão mais para usuários que não querem perder tempo com configurações mais robustas e com proposito único, depois que instalei, na hora de pesquisar minhas IDE´s, eu me surpreendi com a rapidez de achar os programas para ele e foi ai que decidi fazer o dual boot com o Ubuntu, pois eu ainda precisava do Windows para mexer com o Photoshop e Corel Draw.

Estou há três anos usando o Ubuntu. As pessoas me perguntam qual é a melhor distribuição muitas vezes, e eu digo que "são todas", tudo depende de como você irá utilizar, bastando apenas usar e treinar para se adaptar e nunca dar muita importância para informações do Google à respeito disso, pois as pessoas que não se acostumam, são pessoas acomodadas, que querem tudo no “Next” da instalação."

Nota blog


Gostaria mais uma vez de agradecer ao nosso leitor por compartilhar a sua experiência e te incentivar a fazer o mesmo, entre em contato e conte a sua história! Agora chegou a sua vez de comentar o assunto; a história do Alex é parecida com a sua? Qual a sua opinião sobre o depoimento dele? Deixe os seus pensamentos aqui nos comentários.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




domingo, 29 de maio de 2016

De funcionário da Microsoft a usuário de Linux

Vamos mais uma vez abrir espaço para o nosso público contar as suas histórias. Desta vez quem vai contar a sua experiência com o Linux é o nosso leitor Diego Amorin, é um depoimento muito interessante pois ele chegou a trabalhar na Microsoft e agora utiliza distribuições Linux como seu sistema operacional padrão, confira.

Do Windows ao Linux




O texto abaixo foi produzido pelo nosso leitor, Diego Amorin, e não representa necessariamente a opinião do blog Diolinux sobre qualquer assunto abordado.

"Olá Dio! Sou de Manaus/AM.

Sempre vejo os depoimentos de novos usuários e também gostaria de deixar a minha experiência e impressões do mundo GNU/Linux. 

Bom... eu sempre fui fã de tecnologia e como a maioria das pessoas, iniciei meu contato com o mundo da informática com o Windows. Passei 8 anos utilizando o sistema, e adorava aprender tudo quanto possível; todos os programas eram incríveis e eu sempre estava "modificando-o" para deixa-lo o mais redondo possível. 

Em 2014 fui convidado para trabalhar na divisão Mobile da Microsoft, como representante de vendas no varejo da cidade. Passei um período de 1 ano lá e todo o mês recebia um dia inteiro de treinamento apresentando novidades do sistema e produtos da empresa. Até então estava tudo certo, eu era usuário do Windows 7 e pagava uma licença anual do Office e uma de um antivírus. O problema é que a crise chegou e a Microsoft anunciou a reestruturação em todo o mundo, o projeto acabou na minha cidade: fiquei desempregado. 

Então veio a questão: Não posso mais pagar a licença do Office e nem do antivírus, como vou fazer as coisas da faculdade? As licenças expiraram e eu passei a procurar alternativas aos produtos da gigante de Redmond, (sair crackeando tudo estava fora de cogitação). Então eu pensei: vou abrir o Google e jogar lá "tudo sobre Linux" e começar a desbravar esse outro universo. 

O primeiro blog que apareceu foi o seu. Foi aí que começou a história de amor (com o Linux rs). Li dezenas de artigos no seu blog e passei alguns dias testando dezenas distribuições. A primeira foi (sem surpresas) o Mint. Depois fui pro openSUSE, Ubuntu, Fedora, elementary, etc e etc. Acabou que a que mais agradou e atendeu as necessidades foi o Ubuntu mesmo. Eu cheguei cheio de paradigmas ruins à respeito do Linux e dos principais programas. Mas assim mesmo resolvi ficar só com o Linux no SSD, sem dual boot com Windows. Confesso que tive vários momentos de surtos com coisas que não sabia fazer, e que eu fazia e não davam certo, quebrei o sistema algumas muitas vezes (rsrs) e refiz tudo dia após dia. 

Mas a parte interessante da história é que... o Linux é sensacional, e eu só percebi o quanto tinha uma usabilidade ruim antes, depois que passei a realmente dar uma chance de usar uma distribuição no meu dia-a-dia sem dual boot. 

Gostei de várias distribuições e me surpreendo a cada dia com as gigantes diferenças entre o Windows e o Linux, principalmente no que se refere a usabilidade e a possibilidade de personalizar as coisas para que o sistema fique a nossa cara. 

Não pago mais licenças, não instalo drivers, não faço "30 passos para otimizar o sistema", não faço escaneamentos infinitos procurando malwares, não instalo os apps essenciais depois de instalar o sistema - pois ele já vem bem polido -, os apps opensource são incríveis e não ficam atrás daqueles populares do Windows. 

E por fim, anteontem eu fiz um dual boot com Windows 10 e Ubuntu 15.10 só pra avaliar melhor as diferenças na usabilidade, e confesso que quando me perguntam hoje eu respondo sem exitar: Estou satisfeito com Linux e não pretendo mudar. 

Estou há apenas 5 meses nisso, e esses poucos meses foram o suficiente para me abrir os olhos e me surpreender com o mundo do pinguim. 

Não posso deixar de agradecer a você pelo site. Esse trabalho realmente ajuda as pessoas e eu sou uma prova disso. Sou um leitor assíduo do Diolinux e apoio o projeto! 

Um abraço e obrigado!"

Nota do blog


Gostaria de agradecer ao Diego por compartilhar conosco a sua história, é bom saber que pudemos ajudar você de alguma forma.

Em adição, gostaria de enfatizar o quanto a história do Diego Amorin pode ser inspiradora para outras pessoas, para que estas comecem a explorar coisas novas, ainda que mesmo depois de experimentarem preferiam Windows ou Mac, sendo o Linux um sistema tão acessível quanto é, é simplesmente ignorância não testá-lo ao menos.

Se você tem uma história parecida (ou não) com a do Diego e quiser contar para os nossos leitores a sua experiência com Linux, entre em contato conosco, vamos adorar conhecer a sua história.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 20 de maio de 2016

Um leigo no Manjaro KDE

Vamos conhecer hoje a história e os relatos do nosso leitor Davidson Souza com o Manjaro Linux com a interface KDE.

Manjaro Linux KDE






O texto à seguir representa opiniões do nosso leitor, não necessariamente o posicionamento do blog Diolinux, espero que você se divirta, como eu me diverti, com a história do Davidson e se você quiser mandar a sua história pra gente também, para que, quem sabe, ela apareça por aqui, use a sessão de contato do blog. Vamos lá?

"Olá Diolinux! O meu nome é Davidson Souza e moro em Vespasiano, Minas Gerais. 

Eu gostaria de escrever um pouco sobre a minha experiência com o Manjaro KDE para o pessoal que curte o seu blog. 

Eu nunca imaginei que em algum dia deixaria de usar o Windows para usar um sistema operacional com kernel Linux, pois as vezes, para mim, o sistema era bom, mas a interface não era bonita; ou o sistema tinha personalidade, mas os ícones eram antiquados… Fora quando o sistema era show, mas não instalava corretamente no pc e as soluções eram complicadas. 

Tudo isto mudou quando conheci o Manjaro KDE Capella. A comunidade Manjaro Brasil é muito focada no usuário e isto é reflexo da comunidade oficial do sistema e dos próprios líderes do projeto. 

Como consequência o sistema tem personalidade e um excelente acabamento visual, já que com o passar do tempo novos elementos vão sendo atualizados para trazer uma boa coesão visual, como foi o caso do wallpaper padrão e os ícones do LibreOffice que foram trocados após a versão 15.12 - 3ª atualização. Embora na versão 0.8.12 o Manjaro fosse bem 'KDE' trazendo muitas aplicações 'KDE-Apps', a versão atual traz outros mais populares entre usuários embora ainda preserva-se muitos apps QT como Kmail e relacionados.

Usabilidade


Eu brinco que se você não tem uma internet com 5 mb/s de velocidade, então esqueça de ter o Manjaro. Ele traz muitas atualizações e é necessário ter uma boa conexão para instala-las. Lembrando que no Manjaro uma atualização pode até mesmo equivaler a uma "mudança de arco", ou seja, eu conheço muitas pessoas que usaram o Manjaro 0.8.9 (que tinha o KDE 4 ) e que até hoje estão utilizando o sistema sem reinstalá-lo mas atualizado para a versão atual 15.12 Capella. 

Ao instala-lo é interessante criar a partição /home para os arquivos do usuário e a /tmp para instalarmos os aplicativos do repositório AUR, que é fantástico. Se o usuário tiver um PC com 4 GB de RAM, ou mais, a /tmp não é necessária, mas com menos é imprescindível, pois as vezes não há espaço suficiente para o processo de instalação dos pacotes do AUR caso ela não seja criada. Quem tem PCs mais velhos (de 2009 como é o meus caso), pode criar um volume estendido e dentro dele criar as partições que desejar. O instalador Calamares é muito fácil e intuitivo. A instalação completa do sistema dura em média apenas 7 minutos (contando a partir em que espetamos o pendrive até a reinicialização).

Outra característica interessante é que podemos escolher o Kernel que melhor se adapta a nossa máquina, pois às vezes as versões que acompanham a ISO de instalação podem não ser compatíveis. 

No meu caso, tive de usar o 3.18 até a chegada do Linux 4.4. Nesse meio tempo instalei a Virtualbox e utilizei o meu PC normalmente. Aliás o Manjaro oferece alguns módulos extras e no AUR há outras versões de kernel com módulos adicionais à gosto do usuário. Basta ler a documentação e recomendações de usuários mais experientes. Inclusive a instalação da Virtualbox é mamão com açúcar no Manjaro, pois eles oferecem os módulos compilados e no jeitinho para instalar o programa. 

Como diz o pessoal, o Virtualbox no Manjaro fica 'fino'! (srsr). Inclusive só no Manjaro é que consigo usar a Virtualbox 5.0: no Windows e outras distros com kernel linux, não.

Outra coisa que fazemos e não vejo com frequência entre outros sistemas operacionais com Kernel Linux com 'lançamento fixo' é que temos que atualizar chaves de segurança e sincronizar os espelhos de download, pois se não fizermos isto, a atualização vai pro beleléu. Fora que demoraremos muito para baixar os pacotes pkg.tar.xz. Quando uma atualização não dá certo, muita das vezes podemos fazer o downgrade do pacote, até que a próxima possa ser compatível com o nosso hardware.

Por que escolhi o Manjaro se há outras "ditas mais fáceis"?


Bem, uma das coisas que me conquistou no Manjaro é o AUR e a galera do Arch Linux (eles podem parecer estúpidos, mas no fundo tem um bom coração srsr), pois esse pessoal simplesmente QUER usar a tecnologia em torno do Linux. Por isso quase todo software principal vocês encontrarão no AUR.

Os bons softwares que você percebe que a galera elogia e que estão atendendo o usuário final, independente de qualquer filosofia, eles rapidamente estão no AUR. Um exemplo: não tem Google Chrome para o Manjaro, mas no AUR você acha… Já o Simple Screen Recorder já está nos repositórios oficiais… Ou seja 'tchau' Record My Desktop srsrs.

No caso do Manjaro, o idealizador focou mais no usuário novato (que é o meu caso) e 'criou' um sistema mais agradável e resolveu demorar um pouquinho para lançar os pacotes esperando as correções para fornecer os mais estáveis. Porém se o usuário quiser ter o mesmo 'rítmo do Arch Linux' é só habilitar o repositório instável. 

Somado aos programas eu não poderia deixar de falar do tema oficial do sistema que se chama Maia: ele é fantástico! Inclusive nem me falarei muito sobre ele porque já cairia também na interface KDE e esta merece um texto por quem a entende melhor. Somado aos ícones temos outra vantagem: as novidades que muitos esperam ver, nós simplesmente a temos! Por isso não sinto vontade de trocar de sistema operacional, pois sei que a qualquer momento poderei ter um software bacana novo instalado no meu PC, exceto se ele for exclusivo de alguma comunidade. Entretanto o preço que pagamos é não ter a estabilidade que uma empresa precisaria. Só lembrando: o Manjaro até poderia ser usado em empresas, mas o custo para mantê-lo poderia ser bem mais alto em relação à um Ubuntu LTS da vida...

Finalizando


O Manjaro amadureceu muito durante os últimos 2 anos, graças a humildade dos desenvolvedores e da comunidade que ajuda no seu desenvolvimento. Por ser focado no usuário doméstico o sistema busca ser 'único', e vale a pena para quem só quer um sistema para uso doméstico ou até para o trabalho, mas de forma individual. Devido a enorme quantidade de programas e soluções à disposição do usuário, ele é ideal para quem já 'farreou muito com várias distribuições Linux' e que deseja 'aquietar' e construir uma história com poucas distribuições. "

Nota do blog


Agradecemos a participação do nosso querido leitor e um adicional para você que deseja conhecer mais do Manjaro, confira a nossa review da distribuição com a interface XFCE.


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 12 de maio de 2016

Configurando resolução de nomes em rede no Ubuntu 16.04 LTS

Vamos aprender hoje a acessar máquinas em rede no Ubuntu através do nome do computador ao invés de usar o seu endereço IP, esta dica foi enviada pelo nosso leitor Marcelo "Elppans", confira.

Resolução de Nomes no Ubuntu



O texto a seguir foi enviado pelo nosso leitor e não representa necessariamente a nossa opinião sobre o assunto, porém, sempre que possível e quanto o conteúdo é interessante, nós tentamos dar este espaço para nossa comunidade compartilhar também seu conhecimento, se você quiser fazer como o Marcelo nos mande um e-mail com o seu artigo, você pode saber mais sobre o assunto aqui.

That's not my name!


"Olá Dio, blz???

O Ubuntu é um sistema bom e fácil de usar e configurar e até mesmo a configuração do compartilhamento é ligeiramente fácil, até mais do que no Windows. Porém, infelizmente o aplicativo samba não vem instalado por padrão tendo que instalar o aplicativo e, felizmente como mostra neste vídeo, é bem fácil instalar e configurar ao mesmo tempo o compartilhamento:


Mas há um detalhe que me intriga, assim como mostra no vídeo é necessário acessar o compartilhamento da outra máquina via endereçamento digitando diretamente o IP da outra máquina, por exemplo: smb://192.168.X.X (o X é a substituição de Nºs).

Mas porque isto acontece? Até o Ubuntu 15.10 mesmo instalando o samba o sistema não tinha suporte para "resolver nomes" e então só dava para fazer acesso via IP mesmo.

Resolver nomes no samba é ter suporte para usar o DNS (Domain Name Service) que é associar o Nº de IP ao hostname das outras máquinas na rede.

Até o Ubuntu 15.10 era necessário fazer uma pequena configuração mais elaborada, como mostro nesta minha outra "dica" no Viva o Linux.

Mas a partir do Ubuntu 16.04, assim que é instalado o compartilhamento samba já é suportado a resolução de nomes, ao menos via gerenciador de arquivos. Para poder mostrar, instalei o Windows 7 e ativei o compartilhamento do mesmo via Máquina Virtual com o nome "Seven" (é... não tenho muita imaginação para nomes):

Resolução de nomes Ubuntu 16.04

Via Nautilus note na barra de endereços que acessei o compartilhamento do Windows via "nome" e não "IP":

Resolução de nomes Ubuntu


Entrei em modo edição na barra de endereços para mostrar melhor, eu acessei a pasta "Public" em "users" na máquina com o nome "Seven":

Resolução de nomes Ubuntu 16.04

Para a maioria dos usuários até aí já está bem fácil e funcional e não precisa de mais nada, porém há quem precise por algum motivo do suporte para resolução de nomes também via Terminal. Eu mesmo trabalho com servidores e preciso deste tipo de comunicação além da comunicação direta via IP.

Mas ao fazer um teste de ping para ver se a comunicação funciona entre as duas máquinas via resolução de nomes, nota-se que não dá certo:

Resolução de nomes ubuntu 16.04

Mas há uma forma de resolver e é bem simples, logo após atualizar os repositórios simplesmente instale o pacote "libnss-winbind". Com isso também é instalado o pacote winbind:
sudo apt-get install libnss-winbind
Configuração resolução de nomes ubuntu 16.04

Agora edite como super usuário o arquivo "/etc/nsswitch.conf", pode usar qualquer editor e aonde está a linha:

hosts: files mdns4_minimal [NOTFOUND=return] dns

Adicione as opções wins e mdns4, para ficar desta forma:

hosts: files mdns4_minimal [NOTFOUND=return] wins dns mdns4
Salve e saia do arquivo, só falta agora ativar o suporte ao winbind, para isto edite o arquivo como super usuário, o "/etc/samba/smb.conf" e procure pela linha onde está:

# wins support = no


Descomente e troque "no" por "yes" (sem as aspas) para ficar desta forma:

wins support = yes


Salve e saia do arquivo. Para fazer o efeito, restarte os 2 serviços do samba para que não precise reiniciar o sistema:

sudo service nmbd restart
sudo service smbd restart


Agora ao pingar para o nome da máquina que está na rede para testar novamente, a mágica acontece e comunica como o esperado:

Resolução de nomes no Ubuntu

Veja o meu comando com nmap (é preciso instalar o mesmo para usar), consigo ver até mesmo informações triviais do sistema em teste usando o nome em vez do IP:

Resolução de nomes no Ubuntu 16.04 LTS no Terminal

Com esta configuração podemos fazer alguns trabalhos e outras coisas alternando entre o IP e o nome da máquina normalmente, apesar do tutorial ter ficado comprido é bem fácil, é que eu meio que especifiquei um pouco demais.

Espero que tenha ficado bom ou quase lá...

Bom, é isso...
Até a próxima!!! o/"

Nota do blog


Gostaríamos de agradecer a participação do nosso leitor, se você quiser fazer como ele, mande-nos um e-mail com a sua dica.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 28 de abril de 2016

Depoimento de um usuário de Fedora

E aí, tudo certinho por aí? Como diziam "na minha época", comigo "tá tudo a pampa", seja lá que isso signifique... por fim, você deve saber que nós gostamos de dar voz ao nosso público aqui no blog, especialmente quando algum leitor ou leitora conta a sua história e mostra como começou a usar Linux, quais foram os caminhos percorridos e por aí vai.

Nessas horas é que a gente percebe o quanto somos parecidos, fazemos as coisas por motivos semelhantes muitas vezes e mesmo pensando de maneira similar e fazendo escolhas parecidas acabamos em pontos, ou distribuições, diferentes. Hoje você vai conhecer a história do nosso leitor Anselmo  Riker.





"Meu nome é Anselmo Riker, sou do Rio de Janeiro e venho aqui compartilhar, como o Blog de Diolinux me ajudou a me tornar usuário do Linux, e também do Linux Fedora.

Desde cedo quando comecei a usar computadores, achava estranho e me perguntava, já que existiam vários tipos de programas, será queexistiam outros sistemas Operacionais também?. 

As primeiras respostas que tive, era que só existia o Windows e como adolescente questionador na época, continuei perguntando, até que descobri que existiam outros sistemas, mas segundo as pessoas que me respondiam, eram ruins, e pra nada serviam.

Depois dos 20 anos, resolvi comprar meu primeiro computador e como já possuía um iPad e não gostava do Windows, (achava ele feio, lento e a questão dos vírus me incomodava demais) resolvi me aventurar em um MacBook achando que o sistema era igual ao do IPad, pura enganação, levei uma surra para aprender, mas depois foi uma experiência incrível, que me fez desistir de vez do Windows, e passar a amar sistemas UNIX (sem kernel DOS). 

Com o passar do tempo, resolvi pesquisar sobre o Linux, aprendi no blog Diolinux a fazer dual boot, foi assim que cheguei ao mundo Linux.

Como quase qualquer usuário recém chegado, comecei com o Ubuntu , depois parti para o Pinguy OS e depois para o Linux Mint; como qualquer aventureiro, sempre baixei outras ISOs e as deixei salvas no meu HD externo para um dia testar.

Um belo dia viajei, para a casa dos meus parentes em MG onde a internet não era muito boa. Entre as minhas venturas de customização meu Mint, o Cinammom deu um bug sinistro, na época eu ainda era novo no Linux, e estava testando o Mint há algumas semanas apenas, acabei desistindo do mesmo
devido ao erro, fui eu retornar para o Ubuntu, e para minha surpresa, a ISO que eu possuía estava corrompida. Foi então que percebi que a do Fedora não estava. Como eu havia acabado de ver um tutorial no Diolinux sobre o Fedora 21, resolvi baixar a ISO e deixar ela guardada para um dia testar, e esse era o momento, então decidi testar, queimei a ISO no pendrive, usando o computador com Windows do meu tio e parti para o abraço no meu notebook, foi ai que começou meu caso de amor com o Fedora com Gnome Shell.

Hoje uso ele em casa, no trabalho, e ajudei o setor de TI da empresa onde trabalho a trocar todas as 80 máquinas dos consultores de vendas para Linux Fedora só que com KDE, que ao meu ver é mais fácil para alguém que vem do Windows. 

Hoje inclusive possuo um blog onde tiro dúvidas apenas sobre Fedora chamado RikerLinux. Tudo isso graças ao excelente trabalho que vocês da equipe do blog Diolinux fazem. Muito obrigado pelo excelente trabalho, Meus parabéns.

Por Anselmo Riker, Gerente de Recursos Humanos, usuário e Blogueiro de Linux Fedora"

Quero agradecer muito pela mensagem do Anselmo, é ótimo saber de que alguma forma o nosso trabalho inspiro outras pessoas e que estas pessoas agora estão ajudando outras mais. Quero dizer que você que está lendo também pode contar a sua história aqui, existem muitos depoimentos já postados e você pode aparecer também, basta nos enviar um e-mail.

Neste mês de Abril o Diolinux está completando 5 anos de existência e você pode nos mandar depoimentos, vídeos e perguntas para aparecer no vídeo especial de 5 anos que nós vamos produzir, saiba mais clicando aqui.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 19 de abril de 2016

5 conhecimentos em TI que estarão em alta nos próximos anos

Para ter sucesso em qualquer carreira é importante saber em que áreas investir e quais competências desenvolver, certo? Isso também é válido para profissionais da Tecnologia da Informação. Nesse caso, uma boa maneira de saber quais habilidades técnicas e estratégicas terão maior valor para o mercado em um futuro próximo, é pesquisando quais serão as próximas tendências na área, dessa maneira, o profissional pode se preparar melhor e garantir as melhores vagas do mercado! 

Pensando nisso, reunimos neste artigo cinco conhecimentos em TI que serão bastante procurados pelas empresas em 2016 e nos próximos anos. Será que você está pronto para aproveitar estas oportunidades? Confira:

5 tendências para o futuro do mercado de T.I.





1. Programação


A demanda por programadores de diferentes categorias deve crescer nos próximos anos. A gamificação, por exemplo, - tendência que leva elementos de jogos para dentro das organizações com o objetivo de aumentar o engajamento em treinamentos - deve gerar um aumento na procura por programadores de games nas empresas especializadas em soluções para o setor de Recursos Humanos.

Programação


Também vale destacar a programação mobile - conhecimento essencial para o desenvolvimento de aplicativos para smartphones e outros dispositivos móveis. Apps são produtos que devem continuar em alta nos próximos anos.


2. Desenvolvimento web


Segundo uma pesquisa feita pelo site americano especializado em assuntos de TI, o Computerworld, os desenvolvedores serão um dos dez especialistas em TI mais procurados em 2016. A alta demanda por estes profissionais pode ser explicada pela migração cada vez maior das empresas para os meios digitais.

Web Developer


Um dado que ajuda a reforçar a alta demanda por desenvolvedores web no Brasil este ano, é o levantamento feito pela empresa de consultoria IDC: 54% das organizações nacionais devem iniciar projetos de digitalização em 2016. 


3. Arquitetura de TI


O estudo de campo feito pela Computerworld também destacou a arquitetura de TI como uma das fortes tendências para os próximos meses: 42% das empresas analisadas disseram ter intenção de contratar especialistas nesta área este ano. Vale destacar o conhecimento em arquitetura de sistema avançado, como é o caso da arquitetura neuromórfica e de alta potência.

4. Segurança


Profissionais especializados em segurança da informação também terão alta procura nos próximos anos. É importante perceber que, com o aumento da complexidade do assunto, é necessário que sejam criadas novas e mais avançadas estratégias de proteção - especialmente quando pensamos em segurança de dados organizacionais. Isso deve refletir em um aumento no orçamento que as empresas reservam para as soluções de segurança.

Segurança da Informação


O especialista nesta área de TI deve estar preparado para identificar e reagir a ataques e para tomar medidas preventivas que protejam os serviços usados pelas organizações - isso inclui os sistemas baseados em nuvem e as interfaces de programação de aplicação (API) abertas para clientes e parceiros.


5. Gestão de projetos


Também é crescente a demanda por profissionais que ajudem a aumentar a qualidade dos produtos e serviços entregues pela empresa. Nesse contexto, é fácil entender porque o gestor de projetos será um dos profissionais mais procurados na área de TI nos próximos anos. Estes são especialistas em gerir prazos, definir metas, controlar orçamentos e avaliar a qualidade das soluções desenvolvidas. Por isso, são profissionais valiosos para o sucesso dos projetos de uma organização e a tendência é que tenham cada vez mais procura no mercado de trabalho.

Com quais destas oportunidades na área de TI você mais se identifica? O que acha das tendências no setor? Deixe a sua opinião nos comentários!

Este artigo foi enviado pelo nosso leitor Paulo Henrique Oliveira da Escola Linux, fica aqui o nosso agradecimento a ele. Se você quiser fazer como o Paulo e nos enviar um artigo para publicação aqui no blog use a área do leitor.

Ate a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 5 de abril de 2016

Como acessar o armazenamento interno do iPhone pelo Ubuntu

O Ubuntu já reconhece nativamente o iPhone por padrão, porém as pastas a que ele nos dá acesso nativamente normalmente se restringem à biblioteca de mídia, com um dica enviada pelo nosso leitor Kaleb você poderá brincar com o seu iPhone como se ele fosse um "cartão de memória".

Habilitando armazenamento do iPhone no Ubuntu




Esta dica vou enviada pelo nosso leitor Kaleb, ele me mandou o seguinte e-mail:


"Olá Dio, me chamo Kaleb e sou usuário de Ubuntu ha algum tempo e vim a adquirir um iPhone 5s como substituto de um Motorola Moto X. Como todos sabem, os Smartphones da Apple costumam utilizar o iTunes para realizar a sincronização de músicas e outros processos no iPhone. Por eu utilizar o Spotify + VLC Player não senti necessidade de ter que voltar a utilizar o Windows e instalar o iTunes, que infelizmente ainda não possui cliente para o Ubuntu. Enfim, o Ubuntu me atende muito bem como sistema e não pretendo utilizar Windows. Para que eu pudesse copiar as fotos e vídeos do meu iPhone para meu computador com Ubuntu segui o procedimento abaixo. "

Veja também: Como passar músicas do Linux para o iPhone

E então ele me enviou a dica de um PPA para fazer com que o iPhone funcione desta forma, entretanto, há algumas ressalvas, o Ubuntu 16.04 já possui algumas pacotes para tal, de modo que o PPA abaixo serve apenas para o Ubuntu 14.04 e 12.04. Basta copiar e colar no terminal um  a um.
sudo apt-add-repository ppa:ingo/ios7support
sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade
Depois disso reinicie o computador e tudo deverá estar funcionando corretamente, outro pacote interessante que pode ser útil é o iFuse, você pode instalar clicando no botão abaixo:

Quando o iPhone for reconhecido, na tela do iOS marque a opção de "Confiar neste computador", o recurso vale para o iOS 7 ou superior.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sábado, 2 de abril de 2016

Verdade ou Mito? Linux é apenas para programadores e profissionais de T.I.?

Linux é a cada dia mais simples de se utilizar, sempre estão surgindo ferramentas para facilitar a vida dos usuários, mas para quem procura "complicação", uma distro Linux pode ser um sistema bem complexo. Por conta destas e outras é que existe um mito na internet de que "Linux é apenas para programadores", vamos falar um pouco sobre isso...

Linux é para programadores apenas?




Recebi um texto muito interessante do nosso leitor Adriano Barbosa Silva, Desenvolvedor em Python de São Carlos, SP, para falar sobre este "mítico mito", eu tenho meus dois palitos para dar sobre o tema também mas o farei apenas no final, vamos ver o texto que ele nos mandou.

Vale lembrar que as opiniões logo abaixo não dizem respeito necessariamente à opinião do blog Diolinux sobre o assunto, este é um espaço que nós abrimos para que os nossos leitores possam se manifestar, se você quiser fazer como o Adriano e mandar o seu tutorial, texto ou sugestão pra gente consulte a área do leitor:

"É muito provável que você já tenha ouvido pelo menos uma vez alguém dizendo que o GNU/Linux é um sistema utilizado apenas por programadores e profissionais da área de TI. Embora seja comum ver este sistema sendo utilizado em setores como desenvolvimento ou administração de redes, indicando que seus usuários tem um conhecimento mais aprofundado na área de informática, isto não significa que a afirmação anterior seja verdadeira. 

Vamos tentar entender alguns dos motivos das pessoas verem o sistema como avançado ou específico para profissionais: 

Usuários antigos


Quando eu comecei a utilizar Linux, há 3 anos atrás, tudo era um pouco confuso e isto é natural, visto que se trata de um sistema operacional diferente do Windows que eu estava acostumado, era outro paradigma e outro tipo de experiência. Pedindo ajuda para alguns conhecidos que trabalham com computadores, eu ouvi o mesmo relato por diversas vezes: “Eu usei Linux em 2000, mas não dava não. Tinha que abrir terminal para fazer qualquer coisa e eu não conseguia compartilhar arquivos com ninguém, porque não abria no Word e no Excel.” 

Prestemos atenção em um 'detalhe' que nos dirá o motivo pelo qual nós não podemos deixar opiniões deste tipo influenciarem nossa experiência com algum sistema (sério, qualquer sistema). Leia a afirmação novamente e veja se você descobre… 

Sim, isso mesmo: 2000! Naquela época o Linux realmente era menos amigável e os processos de configuração do sistema eram mais complicados, muitos deles na linha de comando. Mas, com o tempo, as interfaces gráficas adicionaram cada vez mais assistentes para configurações e muitas distribuições passaram a oferecer gerenciadores de configurações próprios, uns muito bons outros nem tanto, mas mesmo assim no caminho certo. 

Tutoriais online 


Quando precisamos tirar dúvidas na internet, é muito comum vermos tutoriais nos ensinando a realizar algum procedimento usando, para isso, o terminal. Muitos usuários se sentem intimidados pela linha de comando, pensam que é necessário ser um super hacker para poder utilizá-la. 

Mas porque diabos os sites, blogs e comunidades postam tutoriais em linha de comando? 

Simples: porque há muitas interfaces gráficas disponíveis para o sistema e ela possuem gerenciadores de configurações diferentes. Para alguém postar um tutorial usando interface gráfica de maneira que ajudasse a todos os usuários, esta pessoa precisaria aprender a realizar as configurações em todas as interfaces existentes. Isso não é nada prático para uma pessoa que está postando o conteúdo com o intuito de ajudar sem receber nada em troca e também pode gerar outro problema: um usuário leigo saberia exatamente qual interface gráfica ele está usando ou como descobrir isso? 

A alternativa mais 'simples' é a linha de comando, pois não importa se você está utilizando o Gnome, o KDE, o Notion ou o WindowMaker, as chances do comando funcionar são muito grandes, todos os usuários podem utilizar e a pessoa que está postando o tutorial não precisa ter tanto trabalho assim. (Cá entre nós, não podemos exigir que o usuário de um fórum que quer nos ajudar de livre e espontânea vontade tenha que 'se matar' de pesquisar e testar algo em várias interfaces para, após nos ajudar, receber apenas um obrigado). 

Comunidade 


Infelizmente, em algumas comunidades existem usuários que tem comportamentos hostis com usuários novatos ou de outra distribuição (Entre no fórum do Debian e diga que você tem uma dúvida com o Ubuntu e você vai entender). Os comentários mais comuns que eu vi são: “Se você não consegue configurar sua interface de rede pelo arquivo de configuração, então você deveria desistir do Linux.”, “Não venha perguntar neste fórum, use o da sua distro e nos deixe em paz.”, “Não há motivos para você perguntar sobre a instalação aqui, na documentação ensina” e a que eu acho a melhor de todas, que eu vi o moderador de uma distro respondendo em um fórum: “No site tem o binário, é só baixar e compilar, estou fechando o tópico por ele não acrescentar nada de útil para a comunidade”. 

Este tipo de atitude, além de ser inaceitável, faz o usuário novato pensar que ele já deve saber fazer tudo isso para poder começar a utilizar o Linux. Com este tipo de usuários a comunidade Linux como um todo é prejudicada e ganha a falsa sensação de que todos os usuários são grandes entendedores do sistema, quando a coisa não é bem assim. A maioria dos usuários que dizem saber compilar seus softwares não sabem realmente fazer isso. Eles digitam make install e pronto: tem o software instalado com as opções padrão, tendo o mínimo de aproveitamento que este tipo de instalação pode oferecer, mas pensam que sabem realmente compilar. 

Muitos usuários que se vangloriam por instalar uma distribuição manualmente e fazendo uso da linha de comando não sabem realmente como fazer isso, eles seguem tutoriais na internet e, geralmente copiam muitos dos passos. Mas peça para algum deles instalar o sistema do zero sem seguir nenhum tipo de tutorial e você verá que poucos deles sabem de fato fazer isso. 

O que eu estou querendo dizer com isso é: todas as pessoas devem ter respeito com as outras. Não importa se você sabe instalar o Linux do zero e criar sua própria distribuição, ou se você sabe como alterar a arquitetura do sistema para ele ser mais rápido, em algum momento de sua vida você não sabia nada ou sabia muito pouco e foi graças a pessoas que te respeitaram que você chegou onde está, então lembre-se que a pessoa que você esta pensando em ofender pode ter potencial para mudar os paradigmas de computação e mudar a maneira como VOCÊ utiliza a sua máquina. 

Tendo analisado estes tópicos fica a mensagem para os usuários novatos no Linux: 

Não deixe que comentários, postagens, reportagens ou relatos te desanimem de usar o sistema. Sistemas operacionais tem seus altos e seus baixos e nem sempre todas as pessoas se agradam com eles. O interessante é você testar e verificar por você mesmo quais vantagens e desvantagens o Linux pode te oferecer. Muito do que é visto por aí não é necessariamente a realidade, é possível utilizar o sistema apenas pela interface gráfica, tendo que recorrer à linha de comando apenas uma vez ou outra, bem como é possível utilizar o sistema apenas pela linha de comando. Interfaces de rede, acesso a hardware, dispositivos e tecnologias geralmente são configuradas de maneira automatizada no Linux e você nem fica sabendo, apenas vê que funciona. Porém, se você quiser alterar ou criar suas próprias configurações, é possível também. Essa é uma característica muito interessante do Linux, você pode usá-lo como quiser seja você um usuário que entendo pouco de computação, um usuário casual, ou um power user que quer configurar tudo sozinho. 

Concluindo: Há muito tempo que o Linux deixou de ser um sistema que apenas usuários da área de computação conseguem usar e se tornou acessível a todos os tipos de usuários e situações. Qualquer dúvida ou dificuldade que você tenha com algum tutorial, provavelmente existem outros que podem ser mais claros e muitas pessoas que você pode recorrer e que podem te ajudar e te respeitar ao mesmo tempo, pois apesar de algum usuários hostis, a comunidade ainda se mantém muito prestativa, é necessário apenas engolir alguns pepinos de vez em quando."

Nota do blog


Eu gostaria de agradecer ao Adriano pela sua contribuição e instigar a você que também tem algo a oferecer e mostrar para os outros que o faça também. Realmente Linux não é um sistema só para programadores, é para programadores TAMBÉM, se fosse um sistema só para programadores eu não poderia usá-lo, a não ser que programar despertador conte também.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 21 de março de 2016

Migrando para o Linux

Hoje vamos mais uma vez abrir espaço para a manifestação da opinião de um de nossos leitores fiéis, o Yure Felipeto, ele recentemente nos mandou uma matéria que gerou um grande debate chamada "A polêmica dos Refisefuqui", no texto de hoje ele vai abordar alguns aspectos relacionados a migração para o Linux segundo a sua própria experiência.

Este tipo de artigo não reflete necessariamente a opinião do blog Diolinux sobre o assunto, é um espaço que nós abrimos para que os leitores possam participar, se você tiver um texto interessante também mande pra gente através da área do leitor. Confira o texto do Yure logo abaixo:

Linux





"A migração de um sistema operacional para outro não é simples. Você terá de mudar toda a sua forma de usar o PC e habituar-se com um universo totalmente novo. Reaprender tudo de novo. Neste artigo falarei sobre a migração do SO da Microsoft, o Windows, para uma distribuição GNU/Linux e darei algumas dicas de como entrar com tudo no universo Linux.

Não seja radical ao extremo.

Uma dica simples mas eficaz. Não caia de cabeça no desconhecido, pois isso pode te frustrar e ficar com mais receio e medo da mudança. A mudança deve ser gradual e isso facilitará muito a você ir se habituando ao novo sistema. O Linux tem bastante coisa parecida com o Windows, só que tudo apresentado de uma nova maneira. 

A maneira mais legal de mudar é o Dual-boot, que é instalar a distribuição ao lado do Windows. Comece lendo tutoriais de como realizar as suas tarefas cotidianas no Linux e se precisar use o Windows. Mas como? Quando você usa a opção de dualboot, ao ligar o PC será perguntado qual sistema você quer usar e então basta selecionar.

Escolha a distro ideal para você.

Leia bastante sobre as várias distribuições e escola uma que seja a melhor para você. Uma distro que lhe chame atenção fará que você goste cada vez mais dela e aprenda mais e mais. Uma dica é ver reviews sobre a distribuição e ver seus pontos fortes e fracos. 

Distros que eu recomendo para quem que começar no mundo do pinguim: Linux Mint, Ubuntu, Kubuntu, Deepin e Elementary OS. O Linux Mint é a mais completa pois necessita de poucos ajustes para ter todos os recursos e todos os programas básicos vem por padrão. O Ubuntu e Kubuntu necessitam de mais ajustes, mas nada muito difícil. Já Elementary e Deepin são bem fáceis de usar, mas não vem 100% prontas e mais ajustes precisam ser feitos. Eu recomendo essas distros pelo seu foco, que é o usuário doméstico.

Não viva de idealismo.

Manter o Windows ou Mac no PC não é o fim do mundo. Não fique atrelado a idealismos e preconceitos de alguns usuários. O Windows para muitas tarefas é mais produtivo que o Linux, como por exemplo os jogos. Eu mantenho até hoje o Windows 7 ao lado do Ubuntu, porque ainda não tive uma bom desempenho do Linux nos jogos. 

Muitos usuários mais experientes têm preconceito com os novatos e com o Windows. Eles estão errados em acharem que usando Linux são superiores e por isso eu digo: Você pode ser o “mestre jedi” das galaxias com Windows e um perfeito “zé ninguém” usando Linux. Um sistema não define nível a uma pessoa, então não caia em conversa fiada. 

Wine não é milagreiro! 

O Wine pode te ajudar, e muito, com programas de Windows no sistemas Linux mas, com certeza, ele não faz milagres. Não fique tentando transformar o Linux em um Windows instalando todos os seus programas favoritos do Windows. Você deve buscar substitutos aos programas. No Linux se tem vários programas capazes de substituir programas do Windows como, por exemplo, GIMP para substituir o Photoshop; O LibreOffice para Substituir o Microsoft Office e assim por diante.

Espero que essas dicas tenham facilitado um pouco a sua migração e o seu uso do novo sistema operacional. Siga em frente com a mudança e BEM-VINDO AO GNU/LINUX!"

Nota do blog


Agradecemos ao Yure pela sua contribuição, agora você pode contar pra gente que outras dicas você poderia dar para alguém que deseja migrar para o Linux, você concorda com as dicas do Yure? Participe!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 16 de março de 2016