Home » lançamento

Lançado o novo Debian 9 "Stretch" - Confira as novidades e faça o Download

Uma das principais e mais importantes distribuições Linux, o Debian, acaba de ganhar uma nova versão. Depois de um bom tempo de espera, finalmente temos o Debian 9 disponível para download em sua versão estável. Saiba mais:

Debian Stretch 9 - Download




Os desenvolvedores do Debian anunciaram a nova versão do "Sistema Universal", como é chamado, a versão 9 de codinome "Stretch", o polvo de Toy Story, é lançada depois de 26 meses de desenvolvimento e terá suporte a atualizações de segurança pelos próximos 5 anos.

O Debian 9 Stretch é, como os desenvolvedores informaram, uma homenagem ao criador original do projeto, Ian Murdock, que infelizmente faleceu no final de 2015.

Novidades no novo Debian


É difícil relembrar de Ian neste lançamento, foi uma grande perda para a comunidade Linux, não somente a do Debian, mas como imagino que ele gostaria que acontecesse, vamos falar de coisas boas e das novidades do "Stretch".


No novo Debian temos o MariaDB 10.1 como padrão em substituição dos pacotes do MySQL 5.5 ou 5.6 que acontecerá automaticamente na atualização.

Pacotes Debian


O Firefox e o Thunderbird também retornam ao Debian com seus nomes corretos, anteriormente, por mais de 10 anos, por conta de licenças, o Debian incluía os softwares reempacotados com outros nomes, Iceweasel e Icedove, agora temos o Firefox na versão ESR.

Graças ao projeto Reproducible Builds, mais de 90% dos pacotes fonte incluídos no Debian 9 construirão pacotes binários idênticos bit-a-bit. Essa é uma funcionalidade de verificação importante que protege os usuários contra tentativas maliciosas de adulterar compiladores e redes de construção. Versões futuras do Debian incluirão ferramentas e metadados para que usuários finais possam validar a procedência de pacotes dentro do repositório.

Outra coisa interessante no quesito segurança é que o X.org não exige mais privilégio de root para executar, contornando um problema em potencial, além de outras modificações que garantem a segurança do sistema.

O suporte para UEFI também foi melhorado na nova versão. Ele havia sido introduzido ainda na versão Wheezy, mas vem recebendo melhorias a cada versão, fazendo com que o Debian tenha suporte para instalação em firmware UEFI de 32 bits com um Kernel de 64 bits, as novas ISOs já incluem o suporte a inicialização EUFI também.

Vários pacotes foram atualizados, temos o Kernel Linux na versão 4.9 e o Plasma 5 em sua versão LTS, para quem gosta do KDE (como eu). Segue uma lista com alguns dos principais pacotes e suas versões no Debian:
- Apache 2.4.25
- Asterisk 13.14.1
- Chromium 59.0.3071.86
- Firefox 45.9 (no pacote firefox-esr)
- GIMP 2.8.18
- GNOME 3.22
- Coleção de Compiladores GNU 6.3
- GnuPG 2.1
- Golang 1.7
- LibreOffice 5.2
- MariaDB 10.1
- MATE 1.16
- OpenJDK 8
- Perl 5.24
- PHP 7.0
- PostgreSQL 9.6
- Python 2.7.13 e 3.5.3
- Ruby 2.3
- Samba 4.5
- Thunderbird 45.8
- Tomcat 8.5
- Xen Hypervisor
- Xfce 4.12

Além destes, mais de 51.000 outros pacotes de software prontos para uso, construídos a partir de pouco mais de 25.000 pacotes fonte.

Com essa ampla seleção de pacotes e seu tradicional amplo suporte de arquiteturas, o Debian mais uma vez se mantém fiel ao seu objetivo de ser o sistema operacional universal. Ele é apropriado para muitos casos diferentes de uso: de sistemas desktop a netbooks; de servidores de desenvolvimento a sistemas de cluster; e para servidores de bancos de dados, web ou armazenamento. Ao mesmo tempo, esforços adicionais para garantia de qualidade, como instalação automática e testes de atualização para todos os pacotes do repositório do Debian asseguram que a Stretch satisfaz as altas expectativas que os usuários têm de uma versão estável do Debian.

Saiba mais nas notas de lançamento da distribuição.

Eu testei aqui a versão com Plasma 5.8 LTS e está realmente muito bom e fluído, para as pessoas que tem um hardware mais rebuscado e precisam de drivers proprietários, recomendo baixar a ISO Non-Free do Debian, quem quiser baixar a versão tradicional, pode fazer isso diretamente do site oficial.

Se tiver dúvidas sobre como baixar o Debian, confira o nosso vídeo tutorial, se tiver dificuldades para instalar, nós também temos um vídeo para te ajudar a instalar o sistema universal no seu computador.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




domingo, 18 de junho de 2017

Teremos em breve um novo "Life is Strange"!

Os desenvolvedores do game "Life is Strange" anunciaram que estão trabalhando um novo game da série, em um pequeno vídeo e um pequeno texto em seu blog oficial eles agradecem e explicam da existência do novo projeto, o que já é o suficiente para deixar os fãs esperando.

Life is Strange 2




O pessoal da DONTNOD, desenvolvedores do game "Life is Strange", anunciaram em seu blog um novo game da série, eles também agradeceram aos mais de 3 milhões de jogadores pagantes (fora os piratas) que o jogo teve, se tornando um game clássico e querido por muitos.

Eu sou suspeito para falar, acabei ficando muito fã do primeiro jogo, foi um dos poucos títulos que eu zerei por completo nos últimos anos e certamente serei um dos que ficará aguardando o lançamento de forma ansiosa.

A primeiro, e até o momento único, "Life is Strange" foi lançado para Linux, portado pela Feral Interactive e eu até fiz um vídeo para o canal dos primeiros momentos, que você pode conferir abaixo:



Expectativas para o segundo jogo


Até o momento absolutamente nada sobre ele foi revelado, não sabemos se será uma nova história ou se será a continuação do game anterior, se será como "The Walking Dead" e poderemos continuar de onde paramos dependendo do final que fizemos no primeiro game, não sabemos de nada! Aliás, sabemos de uma coisa, ele não estará na E3 em Junho pelo que os desenvolvedores comentaram, o que indica que provavelmente seu lançamento só ocorrerá lá pelo final do ano, ou até mesmo no ano que vem.

"Life is Strange" conseguiu cativar muito as pessoas, mesmo com um gráfico simples, o nível de envolvimento que você acaba tendo com a Max, personagem principal da história, a trilha sonora, a história, o modo de jogo diferenciado para a época, faz com que você realmente se sinta um amigo da dela, ou alguém próximo, envolvendo-se com a trama da mesma forma com que acontece quando você gosta muito de uma série de TV, com a diferença de que você poder interagir diretamente na história, o que torna a experiência em algo único. O game "Life is Strange" é considerado por muitos, inclusive por mim, uma obra prima.

É muito bom quando somos surpreendidos com algo do tipo, já que o primeiro jogo da série é de desenvolvimento Indie inicialmente, superando as expectativas, mas uma vez que definimos o nosso padrão de qualidade, o próximo lançamento será muito mais cobrado, ainda que inconscientemente, como aconteceu com "Outlast 2", outro jogo excelente, que conseguiu manter o nível e até melhorar em alguns aspectos, então nos resta esperar para ver se o mesmo irá acontecer com "Life is Strange", pois a cobrança será grande certamente.


Os desenvolvedores não comentaram nada sobre versões para Linux, na verdade, não comentaram nada sobre qualquer plataforma, mas provavelmente Windows, Xbox e PlayStation estarão na lista, contudo, a Feral Interactive tem uma ótima relação com a DONTNOD, isso pode ajudar na hora de fazer o porte.

E aí, o que você acha de uma continuação de "Life is Strange"?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 18 de maio de 2017

Lançado Deepin 15.4 para provar que Linux não é difícil de uma vez por todas

A Wuhan Deepin Technology anunciou hoje a disponibilidade da versão 15.4 do Deepin, um sistema operacional baseado em Linux focado na experiência do usuário doméstico e que possui diversas ferramentas para facilitar a sua utilização.

Deepin 15.4 Lançado




O Deepin é uma distribuição que tem me chamado muito a atenção, de fato, é a distro Linux que eu mais tenho utilizado nas últimas semanas, ainda que não seja a única.

Neste dias com ele, passei a ter a sensação que as demais distribuições parecem estar um degrau abaixo pelo menos, quanto o assunto é intuitividade e facilidade de utilização para leigos, mas isso é puramente opinião.

Deepin Software Center


O Deepin é baseado no Debian Unstable, logo tem uma base solida o suficiente para a maior parte dos usuários comuns, possuindo, além de um repositório variado e extenso, também compatibilidade com pacotes Snap, Flatpak, deb e alguns aplicativos Android também, além de integração à diversos WebApps.

Deepin Store Android
Alguns Apps Android que você pode instalar pela Deepin Store


Há algumas semanas eu fiz um vídeo sobre a versão Beta do Deepin 15.4, o qual você pode conferir agora para poder ter uma ideia de como ele funciona:



Desde esse vídeo, eu passei a me envolver um pouco mais com o projeto, então na versão 15.4 você encontrará alguns aplicativos que eu ajudei a traduzir para o nosso Português do Brasil. :)

O Deepin possui uma interface gráfica própria chamada DDE (Deepin Desktop Enviroment) e possui uma série de aplicações próprias também, como um gestor de arquivos, programas para captura de tela, tanto em imagem, quando em vídeo e GIF, programas para conexão de impressoras em rede e até mesmo um programa que facilita a assistência remota entre usuários do Deepin, para que um possa ajudar o outro, o Remote Assistant. 

Outro App curioso que vem com ele, no bom sentido, é o Deepin Feedback, que é um programa que permite que você literalmente escreva um texto para os desenvolvedores informando as dificuldades que você, por ventura, estiver enfrentando ao usar o Deepin.

Ele também carrega o WPS Office por padrão, mas o LibreOffice está na Central de aplicativos à literalmente um clique.

WPS Office

Existem muitos detalhes para se contar sobre o Deepin, que eu vou tentar fazer através de um vídeo novo e mais completo, fazia muito tempo que um sistema não me impressionava desta forma. Seu design não tem medo de copiar e ampliar modelos já conhecidos, através do macOS, do Windows, Android e outras interfaces gráficas.

Outros aplicativos que já vem instalados por padrão nele são:

- Google Chrome
- Spotify
- Skype
- Steam
- Deepin Voice Recorder (Gravador de Voz)
- Deepin Screen Recorder (Gravador de tela em vídeo ou GIF)
- Deepin Screenshot (ferramenta para tirar prints com edição de imagem)
- Deepin Music Player (Player de música)
- Deepin Movie (Player de vídeos)
- Deepin boot Maker (para criar pen drivers bootáveis de qualquer distro)
- CrossOver grátis (App para rodar programas de Windows no Linux de forma grátis para usuários do Deepin em acordo com a CodeWeavers)

Entre outros.

Todas as configurações são concentradas no painel de controle:

Deepin Control Center

Clicando no ícone da engrenagem na barra inferior (que pode ser mudada para qualquer lado da tela), ou batendo com o mouse no canto inferior direito, você tem acesso ao painel de controle através destes ícones, tudo o que for possível configurar no sistema se encontra ali.

Você também tem os controles de brilho e volume e ícones adicionais são colocados na parte inferior conforme o recurso ativado. Por exemplo, na imagem acima você pode ver o ícone de Wi-Fi, que te permite conectar e descontar da internet facilmente por ali. Se você estiver utilizando dois monitores, ali irá aparecer as opções para você configurar as duas telas também de forma rápida, se você estiver utilizando uma VPN também, etc.

Deepin Control Center

Deslizando a tela lateral para o lado você terá a previsão do tempo automática para a sua localização.

Deepin Control Center

Deslizando mais uma vez você tem acesso as notificações do sistema, que ficam armazenadas ali para consulta até que você decida limpá-las, logo acima você vê um exemplo de notificação.

Gerenciador de drivers do Deepin

Instalar drivers também é muito simples, você encontra o gerenciador de drivers no menu do sistema, basta abrir e selecionar o que você quiser instalar.

Download do Deepin 15.4 e mais informações


O Deepin 15.4 está disponível gratuitamente apenas na versão de 64 bits, quem quiser uma versão empresarial de 32 bits poderá pagar o suporte para a equipe da Wuhan Deepin Technology. O download tende a ser um pouco lento, por conta da distância dos servidores, mas existe downloads alternativos através do Source Forge, Google Drive e Mega que são muito mais rápidos.


Caso você já utilize Linux, eu recomendo usar o "wget -c" para fazer o download com maior tranquilidade.

Você pode acessar também a página do Deepin no DistroWatch para saber mais algumas informações sobre o sistema.

Se você tiver problemas com a velocidade de download dos pacotes da central de aplicativos, considere mudar o espelho de download para uma mais próximo de você, no Brasil atualmente existem dois que são rápidos, um fica no Paraná e outro em São Paulo.

A Deepin Store também é muito rica, ainda que vários aplicativos não sejam encontrados por lá, mesmo estando nos repositórios, como o Kdenlive. Para instalá-los você pode usar o Synaptic (Encontrado na Deepin Store) ou se já for mais íntimo, pode usar o terminal mesmo.

Clicando aqui você consegue ter uma ideia das aplicações disponíveis para você através da Deepin Store.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 19 de abril de 2017

Lançado Ubuntu 17.04 Zesty Zapus, confira as novidades faça o download!

O Ubuntu 17.04 Zesty Zapus está disponível para download, incluindo as flavors oficiais: Xubuntu, Lubuntu, Ubuntu MATE, Ubuntu Gnome, Kubuntu e Ubuntu Budgie. 

Veja como fazer o download!

Ubuntu 17.04 Zesty Zapus




O lançamento de Abril de 2017 será para o Ubuntu tão marcante quanto o lançamento de Abril de 2011, quando o Unity apareceu pela primeira vez no sistema, isso porque, dadas as notícias recentes, este será o último lançamento que terá a interface Unity por padrão na versão principal do sistema.

Ubuntu 17.04 Zesty Zapus


A versão 17.04 é uma versão intermediária do Ubuntu, neste ano ainda teremos a 17.10, que são duas das 3 releases que aparecem entre duas LTS. A versão LTS mais recente é o Ubuntu 16.04 Xenial Xerus que tem suporte até 2021, então, tecnicamente, você poderá utilizá-lo até o referido ano com o Unity, o suporte de segurança será mantido, ainda que a interface não seja aprimorada.

Assim como qualquer outro lançamento deste tipo, eu sempre recomendo as pessoas em geral a optarem pelas versões LTS, elas sempre terão pacotes mais estáveis e estarão mais debugadas, contudo, este lançamento novo pode servir para você fazer um "test drive" no Ubuntu Gnome e ver o que você acha da interface que deverá ser padrão do sistema em 2018. Claro, você também pode baixar o Ubuntu Gnome 16.04 LTS, se preferir.

Mediante a tanta coisa acontecendo, existem algumas implementações que virão juntamente com o novo Ubuntu, por exemplo, o arquivo SWAP, no lugar da partição, como noticiamos aqui, que acabaram passando despercebidas.

Os focos voltados para o Ubuntu Gnome


Como era de se esperar, a "grande estrela" do lançamento é o Ubuntu Gnome que nos dá um vislumbre do futuro, apesar de trazer o Shell mais recente, ele ainda terá pacotes mesclados por conta compatibilidade com o Ubuntu Unity, então existirão alguns programas "misturados", com versões 3.20 e 3.22, enquanto a maior parte será 3.24. Esse tipo de coisa deverá deixar de acontecer nos lançamentos futuros e o Ubuntu trará sempre a versão mais recente disponível do Gnome até a época de "freeze" do sistema.

Ubuntu Gnome 17.04

As outras flavors


As demais flavors do Ubuntu, como comentei neste artigo, receberam apenas atualizações dentro dos pacotes já presentes, menos o Ubuntu MATE que está à pleno vapor e criando novas soluções para o ambiente, e claro, temos o Ubuntu Budgie também, como caçula da família "buntu" que chega como uma flavor oficial.

Faça o download do Ubuntu 17.04 Zesty Zapus e também das Flavors


Todos estão disponíveis em 32 e 64 bits por download direto ou torrent, divirta-se!

Ubuntu 17.04


Diz aí! Você vai atualizar para essa versão do sistema? Já está usando? Compartilhe a sua opinião através dos comentários. Uma coisa interessante para se observar, ainda que não tenha relação técnica, é que o "ZZ do Zesty Zapus" encerra também o alfabeto, qual será o nome da próxima versão? 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 13 de abril de 2017

Ubuntu 16.04.2 LTS lançado, veja como instalar as melhorias

A Canonical liberou nesta semana a nova atualização para o Ubuntu 16.04 LTS, recebendo assim a numeração de 16.04.2. Existem algumas observações para serem feitas quanto a sua atualização, especialmente quando se refere ao Kernel, saiba mais:

16.04.2 LTS





Para quem não sabe muito bem como funciona, o Ubuntu tem lançamentos semestrais, ou seja, a cada seis meses sai uma nova versão, sendo que de dois em dois anos saem as versões LTS (Long Term Support). As versões LTS podem ser consideradas as versões estáveis do sistema, enquanto as versões intermediárias são lançamentos onde, normalmente, novas tecnologias são testadas. A versão 17.04, que sai no próximo mês de Abril, é um exemplo disso, nela serão testadas algumas atualizações para o Unity 8, a nova interface gráfica do Ubuntu.

Por conta destes fatores, normalmente as versões LTS são as escolhidas pelos usuários para missões críticas, trabalho, produtividade e relacionados. São elas também que normalmente são utilizadas em servidores, tanto por quem é cliente da Canonical, quanto por quem não é.

Versões LTS recebem atualizações constantes durante um prazo de 5 anos, enquanto as versões non-LTS recebem atualizações por cerca de 8 a 9 meses; mais um motivo para que os usuários que usam o Ubuntu para trabalhar escolham as versões com suporte extenso.

Mas o que significa este suporte (LTS)?


O suporte LTS significa que os usuários receberão atualizações de segurança e de software por um período de 5 anos, entretanto, isso não significa, em termos de software, que as atualizações serão sempre para a última versão disponível e sim para uma próxima versão considerada estável. Até mesmo o Kernel normalmente vai respeitar a versão LTS, recebendo atualizações dentro de sua própria versão.

Você pode contornar isso utilizando repositórios PPA para uma determinada aplicação que você deseja que esteja em uma versão mais recente ou utilizando um pacote Snap para a mesma, existem várias formas de contornar a questão, entretanto, nem todas as aplicações ficarão defasadas com o tempo, por questão de segurança, navegador de internet e aplicações com acesso à rede normalmente estão em suas últiamas versões. Lembre-se a estabilidade vai contra a novidade, dificilmente um software mais recente vai ser tão estável quanto um mais antigo e que teve maior tempo para ser debugado, um ótimo exemplo disso é o Debian Stable.

O que há de novo na versão 16.04.2 LTS?


Conforme o tempo passa, muitas atualizações e correções são feitas. Para evitar que os usuários que baixarem o Ubuntu 16.04 LTS precisem baixar tantas atualizações, a Canonical vai lançando novas compilações da ISO com as atualizações e melhorias já incorporadas, assim nascem essas releases com um terceiro número, como 16.04.1, 16.04.2, etc. É como se fossem os Services Packs do Windows.

Essas atualizações normalmente trazem versões mais recentes de uma série de programas e eventualmente, novos recursos para o sistema em si, mas um grande diferencial é a atualização do Kernel Linux, dando assim mais suporte para novos hardwares e mais desempenho em algumas situações.

As principais novidades do Ubuntu 16.04.2 LTS são a adição do Kernel Linux 4.8.x, Mesa Driver 12, e melhorias intensas no suporte de hardware, além da possibilidade da utilização do Kernel Ubuntu HWE (Hardware Enablement) e de correções de bugs menores.

Como atualizar para o Ubuntu 16.04.2 LTS?


Se você está rodando outro sistema operacional ou outra versão do Ubuntu que não seja a LTS atual (16.04), minha recomendação é formatar e instalar ela do zero, porém, se você já é um usuário do Ubuntu 16.04 LTS, assim como eu, você só precisa atualizar o sistema normalmente e você estará nesta versão.


Use o aplicativo "Atualizador de programas" para atualizar o sistema.

Ou use o terminal:
sudo apt update && sudo apt dist-upgrade

Esse comando não vai mudar a versão do seu Kernel, o Ubuntu vai continuar utilizando o Kernel LTS, ou seja o 4.4.x, que vai receber atualizações de segurança até o fim dos 5 anos de suporte do Ubuntu.

Se você deseja utilizar um Kernel mais recente dentro da LTS, poderá utilizar o Kernel HWE, que acrescenta pacotes novos de drivers de vídeo e de suporte para novos componentes de hardware, é ideal para quem tem computadores muito novos ou equipamentos recém lançados.


Antes de atualizar o Kernel de uma versão para outra, eu recomendo remover os eventuais drivers proprietários que você tenha, especialmente os de vídeo e de wifi, assim você evita conflitos.

Para atualizar para o Ubuntu 16.04.2 LTS com o Kernel HWE você precisa rodar estes comandos:
sudo apt-get install --install-recommends xserver-xorg-hwe-16.04
sudo apt-get upgrade
O primeiro comando direcionada para uma nova versão do X que puxara por dependência o restante dos pacotes.

Este recurso não é experimental, ele vem sendo utilizando desde o Ubuntu 10.10 para trazer suporte extendido para os lançamentos do Ubuntu, fazendo com que mesmo LTS antigas, como o Ubuntu 12.04.5 LTS, que ainda está em atividade (no final dela, inclusive), possam rodar em computadores lançados "mês passado", contudo, uma mudança de Kernel é sempre algo muito sensível, então minha recomendação em linhas gerais é somente atualizar em caso de necessidade, falta de reconhecimento de hardware ou caso você seja entusiasta e principalmente, se você sabe o que está fazendo.

Kernel Update

A diferença dos pacotes de Kernel 


Como isto é algo que considero importante, acho que colocar mais algumas informações à respeito quem podem te ajudar a decidir qual caminho você quer seguir.

O Kernel padrão do Ubuntu chama-se General Availability ou simplesmente GA, os pacotes deste Kernel constumam se manter dentro dos lançamentos do LTS ao qual pertencem, no caso o 4.4, com variações seguindo o seguinte exemplo nomenclatura:
linux-image-4.4.0-21-generic (Kernel Padrão)
ou
linux-image-4.4.0-21-lowlatency (Kernel de baixa latência)
O Kernel HWE tem a seguinte nomenclatura:
linux-headers-generic-hwe-16.04 (Kernel padrão com Hardware Enablement)
ou
 linux-headers-lowlatency-hwe-16.04 (Kernel de baixa latência com Hardware Enablement)
Para mais informações sobre o HWE consulte a Wiki do Ubuntu. 


Alterantivamente, quem deseja manipular versões diferentes do Kernel Linux no Ubuntu de forma gráfica e fácil, pode usar o UKUU (Ubuntu Kernel Update Utility), assim você pode usar a versão do Kernel que bem entender.

Outras variações do Ubuntu também receberam a nova atualização, o procedimento para atualizar é o mesmo em todas e você também pode baixar as ISOs completas através dos links abaixo:

Kubuntu 16.04.2 LTS
Ubuntu GNOME 16.04.2 LTS
Ubuntu MATE 16.04.2 LTS
Xubuntu 16.04.2 LTS
Lubuntu 16.04.2 LTS


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Editor de vídeo profissional Lightworks ganha nova versão para Linux e procura atrair usuários de Adobe Premiere

O Lightworks é sem dúvidas o maior editor de vídeos do mundo Linux em caráter profissional e olha que eu sou um grande admirador do Kdenlive, mas um dos problemas que toda as pessoas que editam com Vegas, Premiere ou até mesmo o Kdenlive enfrentam ao se deparar com ele é a sua interface "diferentona", pois bem, parece que isso não será mais  um grande problema.

Lightworks 14 Ubuntu


Softwares de edição de vídeo fazem parte do dia a dia para mim, eles são uma parte muito importante do conteúdo produzido pelo Diolinux, pois, obviamente é preciso editar os vídeos antes de mandá-los para vocês no nosso canal.

Eu utilizo o Kdenlive há pelo menos 2 anos e meio e sempre admirei  Lightworks, de fato, até já tive o privilégio de entrevistar um dos desenvolvedores do software, porém, mesmo gostando do programa eu sempre tive muita dificuldade de me adaptar ao modo com que se edita vídeos nele, a sua interface sempre me confundiu, para você ter uma noção da diferença da versão antiga para nova, aqui vai uma imagem do Lightworks 12:

Lightworks12

E a versão nova, além de estar mais flat, ainda está com uma organização visual que até eu consegui entender e editar os vídeos:

Novo Lightworks

Quem sentir falta do visual antigo poderá ativá-lo novamente nas configurações dos programa.

Além do visual remodelado com navegação por abas, o que eu achei uma sacada e tanto, o novo Lightworks também tem integração com o Pond5 com o Audio Network, isso permite que você compre conteúdo para utilizar nos seus vídeos, tanto áudio, quanto vídeo.

Pond 5 Lightworks

Audio Network Lightoworks

O novo Lightworks também tem suporte para exportar vídeos em 4K, porém, há uma limitação na versão grátis, que permite apenas exportar em 1080p ou 720p, mas até mesmo neste quesito existe um asterisco.

Acontece que a exportação para o Lightworks grátis só pode ser feita diretamente para o YouTube ou para o Vimeo. Existem licenças mensais e anuais e até mesmo vitalícias.

Você pode baixar a versão grátis com suporte para distribuições .deb e .rpm, com suporte oficial para Ubuntu, Mint e Fedora diretamente do site, é necessário fazer uma conta antes, essa mesma conta será utilizada  no programa depois de instalado, onde é necessário se logar para utilizar.


Observe que o Lightworks 14 ainda está em beta, mas você já pode testar, se quiser baixar a versão estável também é possível, ambos você encontra no link acima. Vale lembrar que além da versão para Linux, o programa também tem versão para Windows e macOS.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O primeiro Smartphone a trazer o Android 7 é da LG

A LG anunciou o seu novo aparelho, o LG V20 será o sucessor do LG V10, e fará parte dos tops de linha da empresa, ele deverá chegar em Setembro deste ano e será o primeiro Smartphone a utiliziar o Android 7, Nougat, a versão mais recente do sistema da Google.

LG terá o primeiro Smartphone  com Android 7






Curiosamente, o aparelho da LG receberá o novo Android antes mesmo dos dispositivos Nexus, que são os que normalmente são atualizados antes de todos, essa vai ser a primeira vez que um aparelho lança a versão mais recente do Android sem ter parceria direta com a Google.


Apesar de ter anunciando o novo Android para o LG V20, a empresa não deu maiores detalhes sobre o aparelho, dizendo que ele será semelhante ao V10, a versão anterior.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Lançado o LibreOffice 5.2, confira as novidades

O LibreOffice, a principal suíte office de código aberto, recebeu uma nova atualização, a versão 5.2 trás algumas novidades interessantes para as principais aplicações do pacote e para os usuários finais, confira:

Lançado LibreOffice 5.2




O novo LibreOffice 5.2 inclui novos recursos para atribuir um classificação a um documento, apesar do recurso parecer de pouca utilidade para a maioria das pessoas, ele é muito relevante par ao meio empresarial e governamental, um local onde a utilização do LibreOffice cresce exponencialmente, tanto que esta modificação foi patrocinada pelo Ministério de Defesa da Holanda, que vai tirar proveito da funcionalidade.

O Calc também muito bem de leve, agora ele possui um "recurso de previsão", que você vai entender melhor ao ver o vídeo de apresentação abaixo, porém, este não deve ser o último recurso adicionado ao LibreOffice ainda na série 5.x. Já o Writer, o programa de textos, agora possui um modo para te ajudar a focar no seu trabalho, escondendo muitas opções em sua barra no modo "Single Toolbar Mode", que me lembra um pouco o modo simplista do Google Docs.


Outra mudanças menores também foram feitas, como adicionar alguns ícones de funções que já existiam na barra principal, buscando sempre colocar ao alcance do usuário as funções que ele mais utiliza, deixando assim o LibreOffice mais amigável. Os menus de contexto também podem ser personalizados através de opções no painel de configurações da suíte, não todos, é verdade, mas boa parte.

A versão 5.2 também melhorou o suporte para trabalhar com arquivos no Google Drive, houve também uma melhoria na compatibilidade com os documentos gerados no Microsoft Office.

Baixe o LibreOffice 5.2


Você encontra a versão 5.2 do LibreOffice no site oficial, disponível para as 3 principais plataformas, Linux, Mac e Windows, e existem até mesmo versões no formato Snap e Flatpak.


O LibreOffice 5.2 também deve chegar em breve às distribuições Linux através das atualizações automáticas, porém, você pode garantir que sempre tenha a última versão do LibreOffice assim que ela for lançada no Ubuntu utilizando o PPA oficial do projeto.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Linux Mint 18 XFCE está disponível para download

A equipe de desenvolvimento do Linux Mint publicou a ISO da versão 18 do sistema com XFCE, a versão com esta interface demorou um pouco mais para sair, sendo que a versão 18 com os dois ambientes principais, Cinnamon e MATE, já havia sido anunciada no final de Junho.

Linux Mint 18 XFCE




Apesar do anúncio ainda não ter sido feito oficialmente, pelo menos na data deste post, e no site do Linux Mint ainda constarem apenas as versões Beta do Linux Mint 18 XFCE, os servidores da distribuição já possuem as ISOs finais deste sabor, o que permite que você já baixe a mais recente versão para a sua utilização.

As novidades para esta versão não são muitas, de fato, as grandes mudanças são as mesmas que afetam as variações principais do Linux Mint, como versões do Kernel, temas, e até mesmo os XApps, como você pode ver aqui.

O Linux Mint 18 XFCE, assim como as outras edições do Linux Mint, exceto o Linux Mint Debian Edition (LMDE), é baseado no Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus da Canonical, o que garante a ele um suporte de atualizações por 5 anos também. Atualmente só é possível baixar as ISOs via FTP, assim que a página oficial disponibilizar os links para download, com torrents e tudo mais, nós vamos atualizar este post, mas por hora:

Linux Mint 18 Xfce (32 bits)

A versão com KDE do Linux Mint deverá demorar um pouco mais para sair, mas fique ligado aqui no blog, assim que ele sair você ficará sabendo.

Até a próxima!_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Kernel Linux 4.6 chega com melhorias para evitar aquecimento em notebooks

Linus Torvalds liberou uma nova versão do Kernel Linux com várias melhorias interessantes, especialmente para quem tem alguns modelos específicos de notebooks, saiba maiores detalhes:

Kernel Linux 4.6



O Kernel Linux 4.6 chegou com várias modificações, segundo Linus Torvalds, este lançamento foi um dos que tiveram uma maior quantidade de contribuições e modificações. O que trouxe várias coisas interessantes para o software.

Usuários finais deverão perceber um melhor controle de temperaturas em notebooks, corrigindo um bug sério que acontecia em alguns modelos da Lenovo. Esta versão do Linux também melhora o suporte para Notebooks da Dell e inclui suporte completo para a linha gamer da Alienware.
Veja também: Alienware volta ao Brasil com computadores incrivelmente caros
O Kernel 4.6 também melhora o suporte para dispositivos embarcados e com tecnologia ARM, incluindo suporte para arquitetura de 64 bits para a mesma. 
Conheça também: O DuZeru Kernel Install
Há também suporte para a nova linha de processadores Power9, normalmente utilizado em servidores High-End.

Drivers da AMD novos também fora incluídos para melhorar o suporte para os chips gráficos e houve também uma ampliação da compatibilidade com drivers de rede.

Você pode encontrar mais informações sobre o lançamento da versão 4.6 do Kernel Linux no anúncio oficial de Linus Torvalds.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 24 de maio de 2016

Novidades interessantes na distro brasileira: Lançado DuZeru Linux 2.2

Eu recebi hoje o release de imprensa do DuZeru Linux 2.2. Esta é uma distribuição Linux brasileira que ainda está em seus primeiros anos de vida mas que já está implementando ferramentas próprias para melhorar a vida dos usuários, segue abaixo as novidades desta versão que os desenvolvedores nos passaram.

Duzeru Linux 2.2




É uma grande satisfação apresentar mais uma vez o OS DuZeru. São poucos colaboradores diretos dentro do projeto e a caminhada é longa para levar voluntariamente um OS fácil, bonito, simples e principalmente com um leve consumo de hardware. Nesta versão atual do sistema (2.2), o usuário não necessitará formatar ou usar scripts para atualização de uma versão subsequente. Foram aplicadas várias mudanças fazendo a comunidade DuZeru crescer com novas ferramentas e recursos.

Entre as principais mudanças são elas a adoção de um repositório definitivo, adotou o novo codinome de Lobo Guará, houve melhorias no instalador, ferramenta de instalador gráfico de Kernel’s, um novo pacote ícones muito bonito, novo tema de janelas, um vasto catálogo de comandos, ferramenta de Bloqueio e desbloqueio de painel do sistema, ferramenta para uso do Kwin no ambiente Xfce, painel de controle substituto do Xfce, novo pacote de papéis de parede, música no início e fim da sessão de usuário, correção de criação de usuários e alteração de horário graficamente e diversos outros recursos. Todas as ferramentas criadas pelo projeto são disponibilizados o código fonte no Git Hub com licença GPL e prório site como instaladores .deb podendo ser utilizados em outras distros baseadas no Debian com Xfce.

Além do DuZeru convencional, o usuário ainda conta com as opções da versão TI voltada a estudantes e usuários programadores e o EDZ versão educacional voltada a educação de ensino fundamental, O EDZ ganhou um novo site e um curso gratuito preparando Professores, Pais, ou interessados no domínio do sistema e ferramentas educacionais. http://duzeru.org/educa

A versão que testamos foi a DuZeru convencional, ela chama a atenção para alguns detalhes que não passam desapercebido, sua interface padrão é o Xfce mas é notável várias características de outras interfaces como o Gnome e o KDE.

Área de trabalho DuZeru
Área de Trabalho DuZeru 2.2

Whisker Menu do DuZeru 2.2
Whisker Menu do DuZeru 2.2


O sistema une beleza com um pequeno consumo de hardware, o consumo é bem baixo comparado com outras distribuições atuais. 

Duzeru não é só beleza, ele é otimizado para rodar em computadores modestos e sempre com estabilidade e rapidez, o sistema consome apenas 263 MB da memória RAM.

Nautius do DuZeru

O gerenciador de arquivos padrão é o Nautilus na versão 3.14 que contém grande compatibilidade de plugins e ferramentas.
DuZeru 2.2 Control Center
DuZeru Control Center
Foi adotado como padrão para as ferramentas de configuração e administração do sistema, ele substitui o Painel de controle tradicional do ambiente Xfce.

Kernel Install

A ferramenta Kernel install foi criada para o usuário instalar as versões mais recentes do Kernel Linux com apenas alguns cliques.

Duzeru Gnu/Linux


Outra ferramenta simples que merece destaque criada pelo projeto foi o Kwin-Xfce que faz com que o usuário alguns cliques, configure e ative efeitos visuais do Kwin.

O sistema novo, tem em média 2 anos e tem muito a crescer, no Brasil é difícil o desenvolvimento autônomo, sem fins lucrativos de uma iniciativa de SL (Software Livre), mas os poucos colaboradores do projeto firmam o compromisso de levar ao usuário uma boa distribuição baseada no Debian.


http://duzeru.org/forum/ → local principal para suporte




Baixe o DuZeru e faça o teste você mesmo dê suas sugestões ou criticas para que possamos cada vez mais aprimorar a distribuição.

Baixe através do endereço http://duzeru.org/versoes-do-sistema/
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 6 de maio de 2016

Gnome 3.20 foi lançado, conheça as principais novidades

Os desenvolvedores do Gnome anunciaram a mais nova versão do ambiente gráfico e conjunto de aplicações, o Gnome 3.20 chega para lapidar ainda mais o bom trabalho que as versões anteriores começaram a fazer e trouxe alguns novos e bons recursos para os usuários, confira:

Gnome 3.20




Depois de mais ou menos seis meses de trabalho, o Gnome 3.20 está disponível para os usuários.

Dentre os destaques desta nova release estão o Gnome Software, que agora consegue gerir as atualizações do sistema operacional, o que pode deixar sistemas que são reconhecidamente mais "complicados" como o Arch Linux mais amigáveis para usuários comuns.

Leia também: 5 principais novidades do Ubuntu 16.04 LTS

A maioria dos aplicativos Gnome agora possuem uma tela com os teclas de atalho de cada programa e o Gnome Photos agora permite recortar fotografias e aplicar filtros semelhantes aos do Instagram, no vídeo abaixo você vê o resumo das novas funções.


O Gnome 3.20 deverá chegar aos repositórios oficias das principais distribuições Linux em breve, e aí, o que você achou da nova versão? O que você acha que falta para o Gnome ficar ainda melhor?
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 23 de março de 2016

Manjaro Linux Lxqt é lançado com o tema do Windows 10

Uma nova variação do Manjaro Linux foi lançada nesta semana, a versão nova traz o ambiente gráfico LXQt, uma junção dos ambientes LXDE e RazorQT e trazendo uma look&feel semelhante ao Windows 10.

Manjaro Linux LXQT





Além da aparência inspirada no Windows 10, com o wallpaper padrão, ícones e temas, o Manjaro Lxqt 16.03 traz outras características interessantes. Para que está disposto a usar uma novo ambiente gráfico o Lxqt, que apesar de ser muito bem embasado ainda é bem recente, é uma boa oportunidade, além disso, esta edição do Manjaro Linux traz consigo os seguintes softwares diferenciais:


- kernel 4.4.4 LTS
- Manjaro settings manager
- sddm
- octopi
- compton
- Drivers proprietários inclusos apenas na versão de 64 bitsr
- pcmanfm-qt
- gimp
- lximage-qt
- chromium (64 bits
- firefox (32 bits)
- hexchat
- transmission-qt
- abiword
- qpdfview
- mpv
- smplayer
- gparted 
- qisousb
- lxtask
- xsensors

Para fazer o download e saber mais informações sobre esta versão do sistema consulte a página oficial.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 16 de março de 2016

O Android para PC, Remix OS 2.0 Beta foi lançado, faça o download!

Conheço muitas pessoas que se pudessem usariam apenas o Android em seus computadores. Enquanto a Google não cria uma solução própria para isso, existem outras iniciativas que estão saindo na frente para tentar oferecer uma solução do tipo para os consumidores.





O Remix OS não é uma grande novidade para você, pelos menos é o que eu acho, já que nos falamos dele algumas vezes por aqui e temos um vídeo até mostrando como ele funciona, na época ele ainda estava em sua versão alpha, você pode conferir logo abaixo inclusive:


Ocorreram algumas mudanças à partir da versão alpha para a beta, atual, foram mais de 50 bugs corrigidos e houve a implementação do suporte para UEFI e suporte para processadores de 32 bits, esta versão inclui também um instalador que facilita o processo de dualboot. Se você quiser experimentar a nova versão do sistema você poderá baixá-lo clicando no botão abaixo.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sábado, 12 de março de 2016

Shashlik: O projeto que vai trazer os Apps do Android para o Desktop Linux

Rodar as aplicações do Android em uma distribuição Linux de desktop é um objetivo antigo, existem vários emuladores diferentes, um dos melhores é o Genymotion, mas não havíamos visto algo parecido com o Shashlik até o momento.

Apps do Android no Linux Desktop




Eu já recebi muitas vezes esta pergunta: "Se o Android é baseado no Linux, por que os programas do Android não rodam no PC?". Apesar do Android usar um Kernel Linux as aplicações necessitam de bibliotecas de execução diferentes e normalmente são projetadas para trabalhar de forma diferente também, interagindo com o hardware do aparelho, como sensores por exemplo, fora a arquitetura do processador, os windows managers, etc.

Shashlik


O projeto open source Shashlik ((churrasco em Russo) e um parênteses no parênteses, não faço ideia da relação de churrasco com Android, aliás, nem existe tradução para o português, mas para o inglês o Google Tradutor traduz para "barbecue", então...) pretende fazer isso acontecer. Ele ainda está em desenvolvimento mas já consegue fazer algumas proezas, dentro de suas limitações, é claro.

Basicamente o que ele faz é rodar o Android (não completamente, mas o necessário para rodar os Apps) em backgroud enquanto o ambiente Linux Desktop tradicional roda normalmente, é quase como se fosse um "Wine" mas muito mais integrado, a ideia dos desenvolvedores é fazer com que a necessidade de rodar quase que um sistema em paralelo no backgroud vá diminuindo com o tempo. 

Eu ainda não encontrei muita informação sobre ele na internet, vídeos, imagens ou coisas do tipo, porém, encontrei este demonstrativo em vídeo rodando no Netrunner OS com o App do Spotify, confira:



Eu não sei quais as condições da máquina em que foi rodado o teste acima mas podemos ver o quanto lento ele foi para iniciar, ou seja, melhoras precisam vir, pelo menos é o que esperamos, mas de qualquer forma é bom ver que já está funcionando.

Apesar de não ter encontrado no site do Shashlik uma relação direta com o Netrunner, algo me diz que são pessoas que estão envolvidas nos dois projetos, tanto que o download oficial do Shashlink possui apenas compatibilidade oficial com o Ubuntu e o Arch Linux, ambas bases do Netrunner OS, uma vez que o sistema lança duas versões e principalmente o fato de que o Shashlik parece funcionar, por enquanto pelo menos, apenas no ambiente KDE com o Plasma 5, também algo que o Netrunner carrega, mas até então são só evidências não comprovadas, nada demais...

Como testar o Shashlik


Como eu comentei, "o treco" ainda tem restrições para funcionamento, a primeira delas é, tenha o ambiente KDE Plasma 5, não adianta tentar com outro ambiente ou com o KDE 4 (acredite, eu tentei), por enquanto eu só "sento e choro", mas vou criar uma máquina virtual com o Kubuntu ou o Manjaro para testar novamente, se funcionar legal faço até um vídeo para vocês no canal.

Se você usa algum derivado do Ubuntu ou algum derivado do Arch fica mais fácil, existem pacotes prontos para ambas as distros, para os demais você pode compilar você mesmo se tiver interesse, basta clicar aqui para ir para a página de downloads do Shashlik.

Como instalar um aplicativo?


Antes de mais nada você via precisar do APK do App que você deseja instalar, então divirta-se, na internet tem vários sites que você pode baixar APK, como o APK Mirror por exemplo. Depois de ter instalado o Shashlik você vai poder instalar a aplicação pelo terminal ou pela interface gráfica do KDE Plasma 5. No Konsole (terminal) do Plasma você vai navegar até a pasta onde você baixou o APK que deseja testar e rodará o seguinte comando:
/opt/shashlik/bin/shashlik-install nome_do_app.apk
Onde  nome_do_app.apk deverá ser substituído pelo nome do App que você baixo, parece que já dá pra jogar Flappy Bird numa boa, olha só:

Demonstração do Shashlik

Um fato interessante sobre o Shashlik é a integração com o sistema operacional que ele proporciona, como você viu no vídeo, ele consegue extrair o ícone do APK e criar uma entrada no menu que proporciona uma execução sem complicação, semelhante a qualquer outro programa instalado convencionalmente, todo o processamento fica por trás da interface, o único "problema" até então é que instalar os Apps ainda pode ser um pouco confuso para iniciantes, por conta dos comandos e coisas do tipo, mas como ele está ainda em desenvolvimento é natural supor que no futuro haverá uma espécie de "instalador de APKs" que facilite as coisas, tal como é com o gdebi hoje em dia.

Para aumentar a compatibilidade de interfaces é interessante instalar este pacote:
sudo apt-get install kde-baseapps-bin

Bom para o Ubuntu Phone


Sei não... mas bem que a Canonical poderia injetar uma grana neste projeto né? Integrar o Shashlik ao Ubuntu poderia trazer o tão aclamado WhatsApp ao Ubuntu Phone, e de quebra uma gama enorme de aplicações, só uma ideia... 

O projeto tem código aberto e diferente de qualquer outro tipo de emulador Android que existe ele tenta simplesmente integrar as aplicações ao sistema dando as bibliotecas necessárias para rodar os Apps, e aparentemente, sem pesar muito.


_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 7 de março de 2016