Diolinux - Open Source, Ubuntu, Android e tecnologia

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador navegador. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador navegador. Mostrar todas as postagens

Vivaldi Browser chega ao Raspberry Pi

Nenhum comentário

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Agora os usuários de Raspberry Pi poderão utilizar o navegador de internet Vivaldi, hoje os desenvolvedores anunciaram o lançamento da versão ARM do navegador.


Vivaldi no Raspberry Pi






Além de suportar o Windows, macOS e Linux Desktop, agora o Vivaldi suporta também Linux em versões ARM, sendo compatível com modelos populares do Raspberry, nominadamente: Raspberry Pi Zero, Raspberry Pi 2 e Raspberry Pi 3.

Apesar do "Rasp" ser muito popular, a variedade de aplicativos ainda não é tão grande quanto outras arquiteturas tradicionais de computador, como AMD64 por exemplo, por isso o suporte de um navegador atual e inovador como o Vivaldi é algo que devemos prestigiar.

Confira abaixo a entrevista que fizemos com o criador do Vivaldi:


Se você se interessou em usar o Vivaldi no seu Raspberry, é só fazer o download por este endereço.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como evitar lag na Netflix no seu navegador (Configuração escondida)

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A Netflix tem uma das melhores transmissões de streaming que existem, com uma internet de qualidade razoável você dificilmente enfrenta travamentos, no entanto, existem outros fatores que podem fazer com que a sua Netflix fique "lagada" no navegador.

Lag na Netflix






Uma conexão instável pode ser um pesadelo para quem quer maratonar aquela série no final de semana, no entanto, a qualidade da sua internet não é o único fator, outra coisa que pode deixar a Netflix com lag é um hardware que não consegue entregar muito desempenho gráfico, como este computador aqui que eu ressuscitei e usei essa técnica para poder assistir a Netflix nele sem muitos problemas.

Ajustar a sua transmissão Netflix


Tela de carregamento da Netflix


Existe um menu de configuração "secreto" dentro da Netflix que permite que você ajuste a qualidade do vídeo para melhor ou para pior. As vezes mudando um pouco o bitrate ou o CDN (Content Delivery Network) a sua Netflix pode parar de travar sem que você perca muita qualidade.

Abrindo o console da Netflix


Vamos começar a brincadeira abrindo o console da Netflix, com ela aberta em qualquer filme ou série pressione as teclas: Ctrl+Alt+Shift+D

Console Netflix

Você pode observar especialmente o Bitrate e ao lado a referência da resolução utilizada. Nessa tela aparecem várias informações interessantes, como por exemplo a taxa de quadros por segundo, quadros perdidos, entre outras coisas.

A forma da Netflix trabalhar faz com que o ajuste dessas opções seja automático, mas isso não quer dizer que seja sempre o ideal para você, apesar da intenção ser essa. 

Agora você vai aprender a configurar essas opções manualmente.

Ainda no vídeo que você estava, se você pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+D você esconde o console, pressione agora Ctrl+Alt+Shift+S para abrir um pop-up de configuração:

Configuração de bitrate na Netflix

Na janela que se abre você pode configurar o Bitrate de áudio, vídeo e alterar o servidor principal de conteúdo, eventualmente mudar de servidor pode tornar a entrega mais rápida.

Números de Bitrate menores geralmente indicam uma transmissão em qualidade reduzida  e por isso mais leve para a sua conexão e hardware, então tente reduzir um pouco a qualidade se você estiver com muito lag e veja se você consegue ainda assistir ao filme ou série em uma qualidade que você goste ou tolere.

Depois de selecionar os valores basta clicar em "Override", caso queira voltar ao padrão é só clicar em "reset". Pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+S faz o menu sumir.

Aproveite a sua Netflix sem travamentos e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça o Falkon, o novo navegador do projeto KDE

Nenhum comentário

sábado, 25 de novembro de 2017

O Falkon não é exatamente uma novidade, mas eu não vi mais ninguém falando sobre ele nos últimos tempos, então resolvi instalar e testar e assim aproveitar para fazer um post sobre ele, já que eu nunca tinha tido a oportunidade de escrever sobre.

Falkon Browser KDE Project






Saindo um pouco do chamado "mainstream" de browsers, existem vários projetos interessantes de navegadores para finalidades diferentes. Talvez você ainda não tenha ouvido falar do Falkon, mas é possível que tenha ouvido falar do QupZilla.

QupZilla Browser

O Falkon é exatamente o mesmo projeto QupZilla agora incubado pelo KDE, uma das maiores comunidades de desenvolvimento de software livre. Com um nome mais moderno e uma comunidade mais forte, utilizando o Qt como ferramenta para a construção do software, ele pode acabar se tornando o navegador padrão do KDE Plasma no futuro.

Por enquanto ele está disponível apenas para testes e pode ser testado através de pacotes Snap (aqueles do Ubuntu). O navegador vem com bloqueador de propagandas ativado por padrão e tem suporte a alguns temas (não muito bonitos) até o momento.

Configurações de temas

Nos testes que eu fiz, utilizando 4 abas abertas com o blog Diolinux, Gmail, YouTube e Facebook ele foi bem econômico em memória RAM, consumindo cerca de 450 MB apenas, o que é um valor baixo comparando com outros browsers da atualidade.

Eu até tinha a pretensão de colocar aqui a pontuação do browser do BaseMark, mas ele não tem suporte a WebGL no momento (ou não está funcionando corretamente) e nem conseguiu finalizar o teste.

Como testar o Falkon na sua distribuição


Como eu havia mencionado, o Falkon está sendo distribuído em formato Snap, então é assim que temos que instalá-lo. Como trata-se de um software em desenvolvimento, bugs são esperados e testar ele como Snap vai impedir que qualquer componente do seu sistema seja afetado.

O primeiro passo é habilitar o suporte para os pacotes Snap. Confira este tutorial para aprender como fazer. Caso você use o Ubuntu 16.04 LTS ou uma versão mais nova, o suporte para Snap já vem instalado por padrão.

Depois disso, vamos precisar usar o terminal e copiar e colar dois comandos:
sudo snap install kde-frameworks-5 
sudo snap install --edge falkon
Depois de instalado, você deve rodá-lo assim:
snap run falkon
Em caso de dúvida, consulte o manual do Snap que eu escrevi aqui no blog. 

Se quiser remover o Falkon do sistema é só usar:
sudo snap remove falkon
 Até a próxima!

____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançada nova versão do Vivaldi Browser, confira a novidades

Nenhum comentário

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

O excelente navegador de internet Vivaldi recebeu uma atualização interessante que trouxe uma série de novidades, especialmente para PRO users!

Vivaldi Browser





A versão 1.12 do Vivaldi está disponível para download, com ela os desenvolvedores lançaram uma série de novas funcionalidades, dentre elas:

- Funções avançadas para detalhamento de imagens

-  Gerenciador de downloads aprimorado

- Controle de saturação para páginas

Confira o vídeo demonstrativo:


Você pode baixar o novo Vivaldi através do site oficial, se você já estiver com ele instalado, ele deverá se atualizar sozinho juntamente com o restante do sistema.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como navegar na internet e pesquisar no Google pelo terminal Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Apesar da interação com o terminal no Linux não ser mais algo obrigatório para usar as distribuições há muito tempo, o terminal é a ferramenta preferida de usuários mais avançados, especialmente profissionais na área e esse interesse acabou gerando inúmeras ferramentas interessantes, hoje você vai conhecer uma delas.

Usando o links2 para navegar na internet






É comum pensarmos em "Google Chrome", "Firefox", "Opera", "Safari", e outros, quando falamos em "navegadores de internet", porém, o que esses softwares mais complexos fazem, podem ser feito de forma simplista (é claro) através do terminal Linux.

Curiosamente existem várias opções para se navegar na internet ou pesquisar no Google usando o terminal, como Lynx e o Googler, o primeiro um navegador, o segundo, uma ferramenta para fazer pesquisas, porém, eu vou te apresentar o links2, uma navegador em modo texto, que dos que eu conheço, é o que eu considero mais fácil de se utilizar.

Pesquisando na internet com o links2


O primeiro passo é instalar a ferramenta. O link2 está nos repositórios padrões das distros, no Ubuntu, Debian, derivados e semelhantes, você pode instalá-lo facilmente usando o comando:
sudo apt install links2
Uma vez instalado, o funcionamento é simples, basta informar ao links2, qual o site que você deseja acessar, como por exemplo o Google. No terminal digite:
links2 www.google.com 
Ao fazer isso você acessará o Google e poderá usar o teclado para navegar entre todas as opções do site de forma relativamente simples e claro, fazer pesquisas:

Pesquisando pelo terminal Linux

Dá até pra ler os posts do blog:

Lendo no modo terminal

O links2 tem também vários menus para facilitar o seu acesso ao recursos do navegador, ao pressionar a tecla "ESC" você terá acesso ao menu do navegador, por ele você pode ir para uma site em específico, basta digitar o endereço desejado:

Links2

É uma ótima ferramenta para quem passa o dia no terminal ou se vê numa situação onde apenas o terminal está disponível.

Faça um teste e brinque um pouco com ele, tenho certeza de que vai achar interessante! :)

Ajude o blog compartilhando este artigo e até a próxima!

_____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Privacidade extrema! Mozilla lança Firefox Focus para Android e iOS

Nenhum comentário

quinta-feira, 6 de julho de 2017

A Mozilla lançou uma nova versão do Firefox chamada de "Focus" com o objetivo em trazer privacidade online para os usuários. Muitos navegadores prometem esse tipo de coisa, mas a Mozilla elevou o Focus a um nível que eu ainda não tinha visto.

Privacidade online



A ideia por trás do Firefox Focus é muito simples: "Navegue como se ninguém estivesse olhando"

O conceito é simples de fato, mas tornar isso possível é uma história completamente diferente. Para atingir essa finalidade o Focus é capaz de bloquear os ditos "rastreadores" online, além disso ele traz ferramentas simples e intuitivas que permitem que você limpe o seu histórico, senhas e cookies, além de bloquear automaticamente propagandas nos sites.

O Focus não é um substituto ao Firefox tradicional, tanto que dentro dele mesmo você tem uma opção para abrir a página no navegador tradicional, você pode ver ele quase como um complemento para o seu navegador principal.

A remoção de componentes rastreadores tem prós e contras, dependendo do que você deseje, ao mesmo tempo que pode deixar a sua navegação mais rápida por carregar menos elementos na página, também pode causar uma aparência quebrada nos sites que necessitam de determinados complementos para a sua estrutura ou funcionalidade. Bloquear anúncios também pode ter uma prerrogativa negativa do ponto de vista do sustento dos sites que você gosta, mas, exatamente pensando nisso, o próprio Focus possui um botão em suas configurações que permite que você habilite os elementos em páginas específicas.

A minha surpresa


Eu instalei ele no meu Android e pensei em tirar alguns prints para mostrar as funções dele por aqui, acontece que o Focus bloqueia qualquer rastreio no aparelho, inclusive os prints. A função simplesmente não funciona com ele aberto. Tentei espelhar ele através do AirDroid para capturar as telas e o resultado foi esse:

Focus Firefox

Mais uma tela preta. Ok, legal essa função! Me surpreendeu de verdade. Mas será que ele evita gravações de vídeo também?

Usei o programa que eu sempre uso para fazer os vídeos sobre Android do canal, o AZ ScreenRecorder, e para minha surpresa, ao abrir o Focus eu consegui navegar normalmente, mas ao consultar a gravação em vídeo tive a mesma tela preta enquanto navegava por ele.

Olha Mozilla, duas palavras: "para béns."

O único jeito de te mostrar alguma coisa é tirando uma foto do celular. (ele possui versão para iOS também)

Firefox Focus
Reprodução: TechCrunch
O design do App é muito belo e com uma paleta de cores agradável, me lembrou a do "Suicide Squad" um pouco até. Simples e direto ao ponto, você abre o App, digita o site que você quer, habilita ou desabilita os rastreadores e ao sair, há um botão de lixeira que permite que você limpe tudo de uma vez. Muito prático.
Vale o teste com certeza, até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Recheado de recursos, novo Opera pode ser o seu novo navegador!

Nenhum comentário

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Eu tenho uma fidelidade incrível ao Google Chrome como navegador principal há vários anos, mas nunca deixei de utilizar outras opções, como o igualmente ótimo Mozilla Firefox, para fazer algumas atividades específicas. Recentemente tivemos o lançamento de uma nova versão do Opera e eu realmente gostei do que vi.

Opera browser




O Opera recebeu uma grande reformulação nas últimas versões e ele agora está mais completo e interessante, parece ser um browser voltado para quem fica navegando o tempo todo.

Opera Linux

Uma das coisas mais interessantes que eu encontrei nele foi a "barra social" do lado esquerdo, que tem diversas utilidades, entre elas o acesso rápido ao Messenger do Facebook e ao WhatsApp. Clicando com o botão direito na barra você também consegue adicionar outros atalhos, inclusive para o Telegram. 

Isso já é muito legal, mas não para por aí não! Se você for como eu e gosta de ouvir vídeos no YouTube (isso mesmo, ouvir) enquanto navega na internet ou faz outra atividade, bom, que tal um vídeo flutuando por cima do conteúdo?

Player YouTube Opera
Que tal ler os artigos do blog Diolinux e curtir um Arctic Monkeys ao mesmo tempo? Demais, não é? :D

E olha só, você não precisa estar com o navegador em primeiro plano pro recurso funcionar, ele fica flutuando na sua área de trabalho também. 


Para ativar a função no YouTube, Dailymotion e bom... francamente não achei algum player que não funcionasse, basta acessar o conteúdo, como no YouTube, e clicar um pequeno botãozinho verde que aparece no topo do player e boom! Player flutuante. Se você fechar a pequena janela o vídeo continua sendo reproduzido na aba normalmente, não há qualquer interrupção.

Outra coisa bem legal para quem usa Notebook, Ultrabook ou qualquer coisa do tipo, é o recurso para poupar bateria que reduz a atividade do navegador e não carrega determinados recursos dos sites para poupar a carga da bateria do seu computador.

Modo economia do Opera

Outro recurso ótimo é a presença de uma VPN nativa do navegador com diferentes localizações para o usuário escolher. O serviço de VPN te mostra inclusive a quantidade de dados trafegados por ela.

VPN no Opera

Basta ativar a função de VPN nas configurações e você consegue conectar-se a uma através da barra de endereços do próprio navegador.

A interface é customizável, ele suporta vários temas e tem um loja de extensões também que não me parece tão rica quanto a do Chrome, mas que tem muita coisa bacana, então vale a pena observar quais são os complementos que você precisa.

Loja de extensões do Opera

Como contra, ao menos no Linux, a Netflix não funciona no Opera nativamente, pelo que pesquisei nos fóruns, as versões futuras pretendem melhorar isso, então se você usa o serviço é melhor manter ao menos um outro browser instalado, como o Chrome ou o Firefox.

Você pode baixar o novo Opera e fazer um test drive diretamente do site oficial do navegador, apesar de não utilizá-lo como padrão ainda, estou gostando muito da experiência.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Pipelight é descontinuado e desenvolvedor recomenda remoção do computador

Nenhum comentário

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O projeto Pipelight está sendo descontinuado, segundo as informações do criador, Michael Müller, por falta de tempo e necessidade, ele vai encerrar as suas atividades. 

Pipelight é descontinuado


Segundo o anúncio no site oficial, o Pipelight não vai simplesmente ficar indisponível, como todo bom software open source, ele ainda disponibiliza o seu código fonte no site Bitbucket, entretanto, não haverão mais atualizações de segurança para ele, o desenvolvedor recomenda que, se possível, os usuários removam ele do computador.

O projeto Pipelight teve início em 2013 com a ideia de trazer suporte para serviços de Streaming, como a Netflix (na época) para o Linux, já que estes serviços utilizavam os plugins NPAPI Silverlight para disponibilizar o conteúdo, com o tempo, o Pipelight além de dar suporte para o Silverlight no Linux, deu suporte também para o Adobe Flash de Windows e para o UnityWeb Player, também de Windows, todos rodando sob implementações do Wine Staging.

Em 2015, a Google encerrou o suporte para plugins NPAPI no Chrome (o navegador Chromium também, juntamente com os derivados do projeto encerram o suporte), o que acabou forçando as empresas a criarem novas formas de disponibilizar conteúdo que ficassem independentes de plugins, fazendo com que o principal uso do Pipelight fosse direcionado ao Firefox. Em alguns meses o Firefox também irá deixar de suportar este tipo de plugin, então o Pipelight ficará obsoleto e dependeria de muitas "gambiarras" para funcionar.

Diante deste cenário, onde, segundo Müller, "há mais código do que tempo para fazer", e também há menor necessidade, visto que a maior parte destes serviços já funciona no Linux diretamente do navegador, sem ser necessário adicionar funções, o Pipelight perde o seu sentido de existir, e por isso, está sendo descontinuado.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como testar novos recursos no Firefox antes de todos!

Nenhum comentário

terça-feira, 25 de abril de 2017

Se você gosta do Mozilla Firefox e gostaria de ficar por dentro de todas as novidades do browser, fazer experimentos e testar funcionalidades que podem entrar para o browser antes de todo mundo, este artigo é pra você!

Como usar Firefox Test Pilot






A Mozilla é uma organização que já está presente na internet a um bom tempo, sempre seguindo seu objetivo de manter a Web “saudável, aberta e acessível para todos”, é uma das empresas com maior ativismo nas questões das liberdades dentro desse âmbito, desde questões como perigo de monopólio do mercado na época do fim do NetScape, como também preocupações com privacidade de dados e criptografia e liberdade.

Uma das coisas mais interessantes sobre o Firefox e que poucos conhecem é o chamado "Test Pilot", que é uma ferramenta que permite que você teste ferramentas que podem ser incorporadas ou não em futuras versões do navegador. Essas ferramentas podem sumir de um dia para o outro, então não se apegue demais, certo? 😂


Firefox e experimentos


Firefox Test Pilot

Querido por muitos, o Firefox é um dos projetos com desenvolvimento ativo mais longos da história, e a Mozilla mantêm um programa chamado Firefox Test Pilot que é um facilitador para usuários testarem e opinarem a respeito de futuros recursos e add-on para o navegador da raposa (ou do panda de fogo, como queira).

Selecionei para este artigo um recurso muito legal que pode vir a entrar nos próximas versões do Firefox: o recurso Container Tabs. Mostrar ele também será uma forma de você conhecer melhor o Test Pilot.

Container Tabs, um novo recurso de usabilidade e privacidade


Os containers lhe permitem criar espaços no Firefox para diferentes atividade que você queira manter separadas, as etiquetas personalizadas e abas destacadas por cores ajudam a manter diferentes atividades — como compras on-line, planejamento de viagens ou verificar e-mails de trabalho — separadas.

Firefox Container Tabs

Como os containers armazenam os cookies separadamente, você pode entrar no mesmo site com uma conta diferente em cada contêiner e os rastreadores on-line não conseguem conectar a sua navegação à um outro contêiner. Assim, você pode manter as suas compras pessoais separadas da sua vida social e do seu trabalho, sem se preocupar em ser monitorado pela Web.

Firefox Container Tab

O processo de abrir uma aba dentro de um contêiner é extremamente simples, apenas aponte para o ícone de “mais”, serão listados os Contêineres que você possui, clique no desejado e pronto, a nova aba ira obter uma etiqueta colorida conforme a cor do Container escolhido.

Container Tab

Ao habilitar os Containers é possível gerenciá-los através do ícone do recurso que ira ficar localizado na barra de ferramentas.

Firefox Container
Nele é possível acessar as principais funcionalidades do novo recurso, dentre elas criar novos contêineres, como por exemplo um chamado “Acadêmico”, para abrir seus e-mails e contas relacionadas a vida acadêmica, sem que isso se cruze com suas outras atividades, basta clicar no ícone de “mais” ao lado de “Edit Containers”.

Firefox Test Pilot

De um nome, escolha a cor e o ícone de seu novo container e clique em “OK”.

Firefox Container Tabs

Você pode usar o mesmo menu para organizar as abas já abertas de um determinado container, bastando abrir o menu, clicar na seta ao lado do nome e ter acesso as opções.

Firefox Container

Firefox Container

Se interessou pelo recurso? Deseja testar e contribuir?

Este recurso assim como os outros recursos do Test Pilot (que mesmo sendo bastante estáveis) são funcionalidades experimentais, similar a um beta e não está totalmente traduzido para o português. Para testar este novo recurso basta acessar o link clicando em Firefox Test Pilot: Container Tabs e clicar em “Habilitar Containers”. Se quiser conhecer outras funções experimentais basta acessar esta página.

Finalizando


Este artigo foi construído de forma colaborativa, em sua maior parte pelo nosso querido leitor Gabriel L. P. Abreu, Técnico e estudante de TI, admirador de projetos OpenSource e Liberdade, assim como um admirador da Mozilla e suas contribuições.

Se você quiser fazer como ele mandar a sua contribuição pra gente, escreva-nos um e-mail com o seu material, vamos adorar recebê-lo!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.





Como fazer o Google Chrome e o Firefox reconhecerem todos os Emojis

Nenhum comentário

domingo, 23 de abril de 2017

Digamos que eu não seja uma pessoa que usa tanto assim os Emojis, mas percebo uma crescente de utilização deles em vários sites, incluindo em mensagens de e-mail, até mesmo em seus títulos, vídeos no YouTube, entre outros.





O problema do navegador não reconhecer os Emojis, é que no lugar deles algumas vezes são apresentados caracteres completamente "bugados" que não nos mostram o que a pessoa que estava emitindo a mensagem gostaria de nos passar.

Emojis faltando

Um exemplo que posso dar, é no meu vídeo sobre o futuro do Ubuntu sem o Unity, sem o complemento do Emojis simplesmente aparece em seu lugar um retângulo com "muito pouca emoção".

Se você possui a fonte Noto da Google instalada, dificilmente algum emoji vai deixar de aparecer, mas ainda assim, ele terá uma aparência deste tipo, variando de acordo com o tipo do emoji.

Emojis faltando

Independente do caso, podemos resolver o problema com duas extensões, ou melhor, com uma, diferente para cada navegador.

1 - Resolvendo o problema no Mozilla Firefox

Firefox Emoji

No caso do Mozilla Firefox, vamos precisar de uma extensão chamada "Emoji Everywhere", você encontra ela no próprio repositório de extensões do Firefox. 

Usando o Firefox, clique neste link e adicione a extensão, recarregue as páginas ou feche a abra o navegador e você verá que será possível ver os emojis normalmente.

2 - Ativando os Emojis no Google Chrome

Emoji for Chrome

Assim como no Firefox, os Emojis para o Chrome vem através de uma pequena extensão de nome "Emoji for Google Chrome", ela está na Chrome WebStore, basta clicar aqui através do Google Chrome e adicionar ela normalmente.

Esta extensão cria no Chrome/Chromium um pequeno ícone que fica perto da barra de pesquisa na direita na parte superior, por ele você consegue facilmente adicionar emojis aos seus textos em qualquer página que você esteja, além é claro, de permitir que você visualize os emojis em qualquer página, que é o objetivo deste post.

Agora que as extensões estão instaladas, você verá a diferença:

Emojis no Linux

Agora você não deverá ter mais problemas com este tipo de caractere, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Nova versão do Vivaldi mostra detalhadamente os seus hábitos na internet

Nenhum comentário

quinta-feira, 30 de março de 2017

O Vivaldi é um navegador que eu admiro muito, eles vão na contramão dos demais e conseguiram seu próprio público desta forma. Enquanto browsers como Chrome, Firefox, Edge e Safari estão a cada dia apostando em um visual mais clean e com recursos diminutos que podem ser expandidos apenas na base de complementos e plugins, o Vivaldi está tentando trazer recursos avançados de forma nativa.

Vivaldi Browser




Eu acho muito interessante a forma quase que "agressiva" que o Vivaldi tem de implementar funções, o mais interessante para mim é que são coisas que dificilmente você pensaria que fariam falta, mas uma vez que você se pegue utilizando, começa a perceber o quanto a ausência delas é enfática em outros navegadores.

Confira a entrevista do blog Diolinux com o criador do Vivaldi Browser, Jon Von Tetzchner.



Para cada lado que você olhar do navegador existem opções, isso pode ser bom para quem gosta da sensação de "painel avião" enquanto navega pela internet, entretanto, os amantes de interfaces limpas poderão se desagradar à primeira vista, sim, à primeira vista, porque o Vivaldi permite que você esconda todas essas opções dando a ele uma aparência semelhante a qualquer outro navegador conhecido.

VivaldI Clean
Vivaldi Browser no modo "Clean"
Para conseguir remover as várias barras, basta ir até o ícone "V" que fica no topo esquerdo do browser por padrão, ir até o menu "Exibir" e marcar ou desmarcar tudo o que você quiser que apareça ou não.

Além de otimizações para segurança, correções de bugs em geral, a nova versão do Vivaldi trás uma nova tela para o histórico de navegação. O novo histórico consegue trazer informações detalhadas sobre a forma com que você navega na internet.

Vivaldi Browser - Novo histórico
Novo histórico do Vivaldi Browser
Navegue um pouco na internet com o Vivaldi e depois pressione as populares teclas de atalho "Ctrl+H" para abrir o histórico do navegador e se surpreenda com gráficos detalhados da forma com que você acessa os sites, links que você clicou, sites acessados, datas, horários, frequência de navegação entre outras coisas.

O mais engraçado disso é que podem haver algumas pessoas que vão pensar que o Vivaldi está obtendo dados "demais" do usuário, mas na verdade, todo navegador de internet popular tem essa capacidade, acho que a grande diferença aqui é que o Vivaldi de mostra detalhadamente toda a informação, então vejo como positivo.

Você consegue também acessar o seu histórico facilmente direto de uma nova aba qualquer, basta clicar na opção indicada.

Vivaldi Browser

Para baixar a versão nova do Vivaldi Browser basta acessar o site e baixar o instalador correspondente para o seus sistema, existem versões para Linux, Windows e macOS.

Apesar de várias coisas bacanas, não posso deixar de comentar que ele ainda não está suportando a Netflix nativamente, coisa que agora o Firefox está fazendo, além do Chrome, isso acaba tornando difícil que os usuários tenham ele como único navegador.

Vivaldi Netflix

O Vivaldi é baseado do projeto Chromium, assim como o Chrome, então, tecnicamente falando uma implementação para o funcionamento da Netflix não deve ser uma passo tão grande, posso estar falando bobagens, mas esta me parece ser uma peça importante para que o navegador fique mais popular.

Pesquisando eu acabei encontrando alguns "workarounds" que permitem que você veja Netflix por ele, mas convenhamos que uma solução mais simples seria muito bem-vinda.

E olha que ele foi bem no teste de HTML5 do site html5test.com fazendo 517 de 555 pontos possíveis.

Vivaldi HTML5 Test

Claro que um teste assim, simples e único não serve para dizer se uma navegador é melhor que outro, porque além dos detalhes técnicos, temos também o gosto do usuário e outros quesitos que não são avaliados em testes assim, mas para você ter uma noção de comparação, nos testes que eu fiz, os concorrentes principais se saíram assim.

Firefox 52: 461 pontos de 555

Google Chrome 55: 507 de 555

Opera 44: 515 de 555

Midori 0.5.11: 315 de 555

Yandex 16 Beta: 487 de 555

Maxthon 1.0.5.3: 386 de 555

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Microsoft Edge é o navegador menos seguro do concurso Hacker Pwn2Own de 2017

Nenhum comentário

quarta-feira, 22 de março de 2017

Parece que o ano não começou tão bem para o novo Internet Explorer navegador da Microsoft, o Edge. Ele tomou o lugar do famigerado IE no Windows 10, apesar de todo o marketing de segurança que a empresa fez, o browser se mostrou na competição Pwn2Own de 2017 o navegador menos seguro.

Microsoft Edge Hackeado


O site Tom's Hardware pulicou uma matéria comentando sobre o último Pwn2Own, uma maratona hacker que visa testar a segurança dos navegadores de internet e de uma série de outros softwares, os hackers que conseguirem explorar falhas de segurança nos navegadores são recompensados com prêmios em dinheiro.

Cada equipe pode escolher qual será o seu alvo, normalmente as escolhas são baseadas em estudos prévios para saber em qual software o ataque será direcionado, normalmente as equipes escolhem aqueles que eles acreditam que tem uma maior chance de atingir o objetivo e receber o prêmio, os valores também variam de acordo com o impacto que o hack tem no sistema ou no browser.

O grande "vencedor" do evento de 2017 foi o Microsoft Edge, o navegador foi hackeado 5 vezes na maratona e de formas diferentes, sendo que uma delas foi capaz de afetar até mesmo o Kernel do Windows, podendo comprometer o sistema como um todo, a equipe 360 Security, que descobriu essa falha, recebeu o prêmio de 105 mil dólares.

O segundo colocado ficou com o Safari, navegador dos sistemas da Apple, ele foi hackeado 4 vezes, porém, uma das falhas que foram utilizadas para invasão já estão corrigidas na nova versão beta do browser que a Apple deverá liberar em breve para os usuários. Então podemos considerar 3 para ele.

Logo após tivemos o Mozilla Firefox, com apenas uma invasão confirmada, no ano passado o Firefox nem foi testado no evento porque os competidores julgaram que seria muito fácil de invadi-lo. Na melhor posição, no caso a última, ficou o Google Chrome/Chromium, que não foi hackeado nenhuma vez.

Neste tipo de evento, os softwares normalmente recebem uma quantidade diferente de tentativas de invasão, o Firefox por exemplo, recebeu duas e foi hackeado em uma, o Chrome recebeu apenas uma que falhou, e assim por diante, como o site Tom's Hardware explica, os alvos mais visados pelos hackers normalmente provém de estudo prévios que são feitos, fazendo com que os especialistas escolham os que é provável que tenham sucesso, como o Chrome tem se mostrado seguro nos últimos tempos, menos pessoas estão tendo interesse, pois fica mais difícil ganhar o prêmio.

Apesar de eu achar que esse tipo de atividade pode ser influenciada por patrocínio, como por exemplo a Google pagar para as pessoas procurarem hackear o Edge, não podemos esquecer que o contrário também poderia ser verdadeiro, afinal, dinheiro não é problema lá pelos lados de Redmond. 

Independente do que cause o resultado, ele é importante, o ideal é que você que usa o Windows 10 com o Edge procure uma alternativa. Como o projeto do Chrome e o Firefox são projetos abertos, fica mais fácil de torná-los mais seguros por conta do modo de desenvolvimento, ou seja independendo do motivo, o Edge foi efetivamente hackeado e forma agressiva, ainda que simplesmente ter código aberto não signifique qualidade, como podemos ver no ano passado a situação do Firefox.

Curiosamente, este tipo de informação chega aos usuários ao mesmo tempo que a Microsoft começou a investir em publicidade dentro do Windows 10, muitas vezes anunciando seus próprios produtos através da interface do sistema, eu mesmo me deparei nesta semana com um Pop-Up que diz "O Microsoft Edge é mais rápido e seguro que o Google Chrome, mude agora para ele!", esse tipo de marketing acaba confundindo os usuários mais leigos, o que me parece ser prejudicial.

O que podemos fazer como usuários, é cobrar que todos os softwares, especialmente os que tem acesso á internet, não somente navegadores, independe de quem os desenvolva, tenham suas falhas de segurança corrigidas o mais rápido possível, afinal, não é porque Firefox e Chrome tiveram notas melhores neste evento que eles não  podem possuir falhas, não é mesmo? O Edge, bom, por  mais que a Microsoft se esforce e até force um pouco a utilização dele, ele continua vivendo o estigma do Internet Explorer.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo