Home » open source

React OS - Um sistema operacional clone do Windows de código aberto

O React OS é um dos projetos mais interessantes que eu já vi, ainda que por enquanto o sistema não funcione tão bem quanto gostaríamos, a sua premissa é excelente e se o objetivo do projeto for atingido, teremos uma ótima opção para os usuários.

React OS review




O React OS é um projeto que procura criar absolutamente do zero um clone do Windows NT compatível com aplicações Windows atuais, isso significa que programas que são distribuídos no formato .exe por exemplo, podem ser executados no React OS.

O nível de compatibilidade já é muito interessante atualmente, mas ainda assim, programas mais complexos, como jogos muito recentes, certamente terão problemas no sistema. Temos um vídeo aqui para você conhecer melhor o projeto e ver o sistema funcionando para que você entenda melhor.



Se você achou o projeto do React OS e gostaria de testar o sistema, basta acessar o site oficial e fazer o download. Como foi comentado no vídeo, você terá acesso a duas ISOs, uma de boot e a outra no modo live, a de boot serve para você instalar o sistema no seu computador, enquanto que a versão live serve para você testar sem fazer a instalação.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 5 de junho de 2017

Fuchsia - Confira as primeiras imagens do novo sistema operacional do Google

O Google vem trabalhando "secretamente" em um novo sistema operacional há algum tempo, mas até então ninguém tinha visto a aparência dele, se seria parecido com o Android, que conceito visual ele aplicaria, se seria mais parecido com o ChromeOS, em fim. Agora a curiosidade vai abacar!

Fuchsia OS Google Interface




Agora nós já temos mais informações sobre o novo sistema operacional que poderá ser o futuro da Google, há algum tempo atrás eu tinha feito um vídeo para falar sobre ele:



Sabemos atualmente que o "Fuchsia", como é conhecido agora, é provavelmente apenas o codinome do projeto, é possível que quando ele chegar ao mercado ele receba outro nome. O Fuchsia não é baseado em Linux como o Android e o ChromeOS, ele usa um Kernel baseado no LK chamado Magenta, que também é de código aberto.

Não somente a base do sistema será diferente do Android atual, como a interface também, confira algumas imagens da "Armadillo", a nova interface da Google:

Armadillo UI Fuchsia

Armadillo UI Fuchsia

Armadillo UI Fuchsia

Armadillo UI Fuchsia

O Google parece estar utilizando o Flutter SDK para desenvolver a nova interface, um SDK que permite que sejam criados Apps para Android e iOS usando o mesmo código fonte, graças a isso, o pessoal do ARS Technica conseguiu criar um APK para testar o Armadillo Shell no Android, particularmente não consegui fazer ele funcionar.

Teclado do Armadillo


A interface tem um ótimo suporte para telas de tamanhos e resoluções diferentes, o que aponta a sua objetividade de convergência, usar o Flutter pode fazer o Fuchsia compatível com Aplicativos Android também, mediante a uma "simples" nova compilação.

Fique ligado aqui no blog, assim que tivermos mais novidades sobre o sistema você ficará sabendo.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 11 de maio de 2017

Microsoft anuncia iTunes, Ubuntu, SUSE e Fedora para a Windows Store

A Microsoft está realizando uma conferência para desenvolvedores chamada MSBuild, essa conferência tem como objetivo dar aos desenvolvedores que utilizam o Windows como plataforma um vislumbre nas novidades e ferramentas que estarão ou que já estão disponíveis no Windows.

MSBuild 2017




A Microsoft anunciou algumas coisas que chamaram muito a atenção da imprensa, uma delas é que a Apple está trazendo o iTunes para a Windows Store, algo que pareceria inimaginável até então, a Apple distribuir software fora de "seus domínios" e a outra, igualmente interessante e surpreendente, é a inclusão de mais distribuições Linux na plataforma.

Ubuntu na Windows Store

Quando a Canonical anunciou o Ubuntu on Windows, muitas pessoas falaram muito mal, na minha opinião por pura desinformação e um orgulho que não faz muito sentido, agora o SUSE Linux e o Fedora também rodarão da mesma forma que o Ubuntu no Windows, com isso os desenvolvedores tem basicamente o Shell dos principais sistemas Linux utilizados no Azure e em desenvolvimento, ou quase isso, temos o Ubuntu, que é até certo ponto equivalente ao Debian, o SUSE e o Fedora, que se assemelha ao CentOS e ao Red Hat.

Utilizar o recurso do Bash dentro do Windows já era possível há alguns meses, mas era um recurso experimental e que necessitava de certos ajustes técnicos para rodar, com a presença do Ubuntu dentro da Windows Store, a utilização fica muito mais simples, bastando instalar como qualquer outra aplicação.

Será que a galera vai fazer campanha de boicote ao SUSE e ao Fedora também como fizeram com o Ubuntu na época? Se a linha de raciocínio mercadológica evoluiu um pouco de lá pra cá, acredito que não. Do meu ponto vista, seja usando diretamente uma distro, ou ela (ou partes dela) dentro do Windows, as pessoas ainda estarão utilizando Linux e tirando do projeto o melhor que a tecnologia poderá lhes prover em situações específicas.

Quem vai achar essa novidade interessante são especialmente os desenvolvedores que usavam Linux por obrigação para trabalhar com determinadas ferramentas, ou os que nunca quiseram utilizar Linux e agora terão essa oportunidade dentro do próprio Windows.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




WikiLab: Comunidade no ABC paulista quer imprimir um laboratório para trabalhar com software livre

Hoje eu vou apresentar pra você o projeto mais bacana que eu vi durante toda esta semana. Com o avança da tecnologia, existe uma cultura nova com impressoras em 3D e outras ferramentas do tipo, mas você já pensou em extrapolar e imprimir o seu laboratório inteiro?

WikiLab




Eu acho muito importante demonstrar o nosso apoio a um projeto tão bacana quanto este. O pessoal da UFABC, de São Paulo está elaborando um projeto para literalmente IMPRIMIR um laboratório.

O projeto


"O que queremos fazer?

Queremos unir mentes e forças para fabricar e montar o espaço que será a casa doLaboratório de Tecnologias Livres da UFABC e da comunidade hacker do ABC . Desde a criação do projeto, feito digitalmente, até a montagem, todo o processo será feito de forma colaborativa e com fonte aberta, usando tecnologias maker.

Para isso, vamos imprimir um laboratório.

Calma, a gente explica: vamos usar chapas de madeira e uma máquina CNC para cortar e numerar as peças que serão utilizadas para levantarmos nosso laboratório acadêmico. Depois juntaremos quem estiver disposto a ajudar – sem a necessidade de nenhum conhecimento específico – e encaixaremos as peças como em um quebra-cabeças gigante.

O local será utilizado como makerspace, laboratório acadêmico e um espaço aberto para todos que queiram transformar um projeto em realidade, usando tecnologias livres. Será a primeira wikihouse de São Paulo , a segunda do Brasil."

Este pequeno trecho de explicação acima foi retirado do projeto de financiamento coletivo para poder tirar esse sonho do papel. Existe uma campanha no Catarse que pretende juntar R$ 63.000, faltam 37 dias para que a campanha se encerre no momento deste post, e foram arrecadados apenas 30% do valor, como é o tipo de campanha "tudo ou nada" do Catarse, caso a meta não seja atingida, o projeto infelizmente não poderá ser concluído.

Confira o vídeo abaixo para entender melhor como vai funcionar o projeto.


As pessoas que colaborarem receberão recompensas que vão desde de adesivos e camisetas até coisas "mais permanentes", como o seu nome escrito na parede do laboratório.

Falando nisso, você reparou em como ele será montado? Todo o projeto é baseado no conceito da WikiHouse.

WikiHouse


WikiHouse é uma estrutura feita de madeira compensada, cortada com uma máquina CNC – impressora 3d com cortadora a laser. Os planos da estrutura foram criados pela comunidade global da Wikihouse e estão disponíveis para qualquer um na internet. O objetivo é permitir que qualquer pessoa projete, faça o download e imprima casas e componentes que podem ser montados com o mínimo de habilidades formais ou treinamento. O projeto é um alternativa inovadora de habitação de baixo custo que pode ser adaptada e implementada no mundo inteiro. É quase como brincar de lego em tamanho real!

O ambiente será aberto ao público e será um local para incentivar a cultura hacker, de pesquisa e de software de código aberto.

Vale a pena colaborar ou no mínimo compartilhar para que um projeto bacana como este saia do papel!

- Clique aqui para acessar o projeto no Catarse e colaborar com o valor que quiser, qualquer quantia já ajuda.

Compartilhe com seus amigos e até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 28 de abril de 2017

OpenLara - O primeiro Tomb Raider agora roda através de um navegador

Procurando reinventar uma engine de código aberto para rodar o clássico Tomb Raider, alguns desenvolvedores criaram o OpenLara, uma versão do game que usa WebGL e roda em qualquer navegador atual.

OpenLara - Tomb Raider WebGL




Este projeto de código aberto foi inspirado no OpenTomb, que tem uma intenção parecida. Você encontra o código do OpenLara no GitHub se você quiser dar uma olhada.

Existe também uma demonstração disponível online para você jogar um pouco o OpenLara, clique aqui para acessar.

OpenLara
A descrição das teclas de controle ficam logo abaixo da tela de jogo, porém, atente-se para o fato de que você deve ter a aceleração de hardware ativada no seu navegador para o jogo funcionar corretamente, no Google Chrome você ativa essa opção, caso não esteja ativada, pelo menu de configurações na sessão de configurações avançadas.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 27 de abril de 2017

Agricultores querem "fazer root" em tratores da John Deere

Quem imaginaria que um dia chegaríamos no patamar de ter que desbloquear tratores para trabalhar? Pois esta é a realidade de vários agricultores ucranianos que estão "crackeando" os tratores para evitar gastos extras.

Tratores desbloqueados




Eu vivi toda a minha infância em uma pequena cidade com forte influência rural, de fato, muitos dos meus amigos tinham pais que tiravam o sustento da vida no campo, muitos deles com lavouras. Meu pai trabalha com maquinário agrícola há muitos anos também, então digamos que eu acabei, mesmo que sem querer, conhecendo um pouco deste mundo.

Assim como praticamente qualquer coisa, os tratores que sempre foram "simples", isto é, puramente mecânicos, aos poucos começaram a ganhar computadores de bordo, à ponto de chegar onde estamos agora, onde a máquina praticamente se dirige sozinha. Tempos modernos, hã?

Talvez você se pergunte o por que de estarmos falando de tratores em um blog de tecnologia, na verdade tenho um ótimo motivo, ouça só (ou leia, melhor dizendo)!

Tratores com código fechado


Vocês sabem muito bem que eu não levo a ferro e fogo essa história de programas de código fechado e de código aberto, mas invariavelmente eu acabo me correspondendo melhor a programas que tem desenvolvimento aberto por uma série de motivos já elucidados, tanto aqui no blog, quanto no canal do Diolinux no YouTube, contudo, existem certos casos em que o código ser fechado pode prejudicar as pessoas no sentido prático mesmo, e não apenas filosófico.

computadores de bordo


Alguns agricultores norte americanos, e ouvi relatos de ucranianos também, estão tentando lutar, inclusive na justiça, pelo direito de poder dar manutenção nas suas próprias máquinas.

A história é a seguinte, como os tratores hoje em dia são todos computadorizados, uma mudança de peça precisa ser desbloqueada via software, caso contrário o trator não funciona, é quase como um serial de Windows quando você muda algum componente e tem que reativar.

A briga ficou mais contundente contra a popular produtora de maquinários agrícolas, John Deere, mas também abarca outras marcas. Os agricultores alegam ter que pagar cerca de 230 dólares para uma troca de transmissão, mais 130 dólares por hora para o técnico que irá até o trator, conectará um Notebook e desbloqueará a peça ativando-a no sistema, obviamente o sistema é de código fechado e somente a John Deere, tem autorização legal para mexer nele.

O resultado disso é que existem agricultores que acharam uma forma de "fazer root" no trator para poder desbloquear essas funções, como isso é ilegal (realmente não acredito que estou escrevendo isso 😁), existem pessoas que estão andando com "tratores pirata" ou "crackeados" por aí. Isso aconteceu especialmente na Ucrânia, onde existe, aparentemente, todo um mercado de desbloqueio, nos EUA isso daria cadeia por violação de direitos autorais, por lá nem tanto, ao menos por enquanto.

Pode parecer óbvio de se dizer, mas se o programa que controla os equipamentos fosse open source, provavelmente isso não aconteceria, ou ao menos existiriam (saca só), custom roms para o seu trator, você poderia formatar ele e instalar outro sistema, acrescentar funções etc, mas como isso não é possível, os agricultores que se aventurarem a comprar esse tipo de tecnologia, acabam ficando na mão das empresas ou na mão de "piratas de tratores."

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 20 de abril de 2017

Como ajudar a traduzir projetos de código aberto

O Transifex é um site muito popular para tradução de projetos, normalmente de softwares, de desenvolvimento comunitário. Existem vários projetos que hospedam seus pacotes de idioma por lá, para que os interessados ajudem a traduzir para os mais variados idiomas.

Transifex -Tradução de projetos




Estou trazendo o assunto de tradução para o blog por dois motivos. O primeiro é que acho importante que você que tem essa capacidade e tempo disponível, além é claro, de interesse, ajude a traduzir softwares para o nosso idioma, isso os torna mais acessíveis e existem várias distribuições para as quais você pode ajudar, muitas delas pelo Transifex.

Outro motivo, é que quem me segue no Instagram percebeu que eu estava ajudando a traduzir o Linux Deepin, e pediu como fazia para ajudar a traduzir também. E vai, um bom motivo bônus é para você praticar o seu Inglês, ou qualquer outro idioma.

Como boa parte do tópico envolve o Deepin, eu pedi para o Raphael Miquelis, o líder de tradução do Deepin para o Português do Brasil, explicasse melhor como funciona o projeto para os interessados, ele me mandou a seguinte mensagem:

Estamos sempre precisando de tradutores para o projeto Deepin Linux Brasil. Atualmente, temos um total de 24 membros, entre revisores e tradutores, que colaboram com o tempo que tem livre na tradução do sistema Deepin.

Para quem não conhece, o Deepin é uma distribuição baseada em Debian, que fornece um sistema operacional elegante, fácil de usar e confiável. Ele não inclui apenas o melhor que o mundo de código aberto tem para oferecer, mas também criou seu próprio ambiente de desktop chamado DDE ou Deepin Desktop Environment, que é baseado no Qt5 toolkit. 

Deepin concentra grande parte de sua atenção no design intuitivo. Suas aplicações caseiras, como Deepin Store, Deepin Music e Deepin Movie, que são adaptadas para o usuário médio, sendo uma distribuição fácil de usar e instalar.

Para ser um colaborador, é necessário apenas saber o básico de inglês e se inscrever no site: transifex.com/linuxdeepin/. A tradução é voluntária e cada membro trabalha no seu tempo livre. Acreditamos que o Deepin tem tudo para ser um bom sistema no Brasil, pois é bonito, rápido, gratuito e tem funcionalidade que auxiliam até os usuários mais inexperientes. Venha fazer parte da nossa equipe!

É claro que se a sua intenção é apenas praticar o seu Inglês e você não deseja ajudar o Deepin, no Transifex você encontrará vários outros projetos para colaborar, do mais simples ao mais complexo, basta acessar o site e criar uma conta, posteriormente escolher um projeto e pedir para participar.

Se você gostaria de ajudar algum outro programa a ter versões em Português, não se acanhe! Eu te incentivo a entrar em contato com os desenvolvedores e informar da sua vontade, certamente eles vão te indicar uma forma de você participar do time de tradutores, na maioria dos casos não é necessário nem mesmo um Inglês fluente para contribuir, mesmo que sejam com poucas palavras.

Se você não tem habilitadas para desenvolver programas e reportar bugs para os desenvolvedores, quem sabe a tradução seja uma das formas de você colaborar com a comunidade de código aberto no software que você tanto gosta.

Caso tradução também não seja o seu forte, pelo menos compartilhe este artigo para mais pessoas, assim quem sabe conseguiremos mais e mais softwares no nosso idioma. 

Pense nisso na próxima vez que você "reclamar" que algo não está em Português.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 30 de março de 2017

10 aplicativos open source que você pode utilizar no Windows e no Linux

Eu acho muito interessante o fato de que programas de código aberto que começaram apenas no mundo Linux ganharam versões para outras plataformas, como Windows e Mac, isso aproxima muito as coisas e faz com que as pessoas possam transitar livremente entre as plataforma, o que é algo muito positivo.

10 open source apps




Listei aqui 10 aplicativos de código aberto que eu utilizo praticamente todos os dias e que poderiam ser usados no Windows também. Acho importante ressaltar a importância disso, quando bons aplicativos existem em várias plataformas, alguém usa Windows pode passar a usar Linux sem sentir falta de muitos programas e o contrário também é verdadeiro.

Conheça agora a minha lista de 10 aplicativos de código aberto que podem ser usados em ambas as plataformas.

1 - Firefox

Firefox Linux e Windows

Um dos navegadores mais populares do mundo e utilizado por milhões de pessoas está presente em ambas as plataformas, a experiência de usar o Mozilla Firefox no Windows e no Linux é basicamente a mesma, então em uma possível migração isso não fará muita diferença. Claro que o Firefox não é o único browser multiplataforma, temos outras opções que convergem, como o Chrome, Vivaldi, Opera entre outros.

2 - GIMP

GIMP para Linux e WIndows

Eu uso o GIMP todos os dias, na verdade, todas as imagens que você está vendo neste artigo foram feitos nele. O GIMP também pode ser utilizado no Windows sem maiores problemas, inclusive, a nossa modificação, o PhotoGIMP, pode ser usado no sistema da Microsoft também. Ele é um ótimo programa para manipulação de imagens.


Inkscape para Windows e Linux

Outro programa que eu costumo usar com frequência, não tanto quanto o GIMP, mas ainda assim, com frequência, é o Inkscape. Um programa para imagens vetoriais. Você pode ver alguns trabalhos feitos com ele no próprio logo do blog e do canal, na DioStore também e em alguns outros projetos aqui do site. O Inkscape está disponível para usar no Windows também sem maiores problemas.


Kdenlive Windows e Linux

Este é um dos meus softwares favoritos de todos, recentemente o Kdenlive ganhou um porte para Windows, que na verdade ainda está em progressão, você pode ver ele rodando no Windows neste vídeo do nosso canal. Para quem não conhece, o Kdenlive é um editor de vídeos não linear que está muito próximo de ser o melhor aplicativo para edição de vídeo completamente grátis, sem versões pagas com mais recursos. Vale muito a pena conhecer.


VirtualBox para Windows e Linux

Máquinas virtuais são extremamente úteis, ao menos para mim, com elas eu consigo experienciar praticamente qualquer sistema operacional, que é algo que eu faço muito, basta olhar a playlist de reviews de sistemas operacionais que temos no canal. O VirtualBox pode ser utilizado em qualquer sistema também, sem distinção.


LibreOffice para Windows e Linux

O LibreOffice é uma ótima suíte office que deve atender a maior parte dos usuários de computador. O maior problema que usuários do Libre tem é abrir documentos do Microsoft Office sem desconfigurar o documento, isso acontece não por culpa do Libre, mas pelo próprio formato proprietário do Office que tem essa intenção mesmo, funcionar somente nele. 

Deixando isto de lado, as funções do LibreOffice atendem diversos governos ao redor do mundo e diversas empresas e é um dos softwares de código aberto que tem mais relevância do mercado. O mesmo LibreOffice que você pode usar no Linux você pode usar no Windows.


OBS Studio

Este é um programa que ficou muito popular entre os YouTubers, o OBS Studio tem versão para Linux e Windows e permite que você faça captura de tela no seu computador ou faça live streams para o YouTube, entre muitas outras funções.

Hoje ele é um programa muito importante para a produção do canal Diolinux.

8 - VLC

VLC Windows e Linux

O VLC é um dos melhores players multimídia que existem, reza a lenda que ele "toca até tampa de Danone". Isso acontece porque o VLC tem vários codecs inclusos no próprio programa, o que dispensa a instalação de pacotes adicionais para reproduzir praticamente qualquer tipo mídia.


Audacity Windows e Linux

Outro programa muito importante para quem produz conteúdo, especialmente em áudio. O Audacity é um editor de áudio grátis e aberto muito útil, especialmente para fazer redução de ruído em arquivos gravados em ambientes externos.


Thunderbird Windows e Linux

Outro programa que eu uso com frequência é o Thunderbird, um programa para fazer gerenciamento de contas de e-mail. Ele é simples e funcional, também tem versão para todas as plataformas. Já atendi algumas empresas fazendo implantação do Thunderbird no lugar no Microsoft Outlook.

Existem muitos outros


Existem outros programas que podem ser usados em ambas as plataformas, inclusive, a maioria desta lista também pode ser utilizada no macOS da Apple, não somente no Windows e no Linux. Fique à vontade para colocar nos comentários mais programas que você gosta e que possuem versões para todas as plataformas.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

O que faz um projeto Open Source ter sucesso e o que não faz?

O SourceForge, um dos maiores sites de apoio a distribuição de softwares de código aberto levantou algumas questões interessantes sobre o sucesso de programas desenvolvidos desta forma. Desde sua criação, estima-se que o SourceForge hospedou mais de 300 mil projetos ao redor do mundo, o que será que eles tem a nos dizer sobre o assunto?

O segredo do sucesso do SourceForge




A reflexão é sempre válida. Por que trabalhar com software de código aberto? Por que optar por liberar o código de alguma aplicação ao invés de reter o código da aplicação? Muitas pessoas tem esta dúvida e não sabem muito bem o que faz um projeto de open source fazer sucesso ou não.

Se você precisasse dizer o que faz um projeto Open Source fazer sucesso, o que você diria? 

Segundo o SourceForge e os seus centenas de milhares de projetos hospedados, depois de anos de trabalho existem alguns fatores surpreendentes, tanto para um lado, quanto para o outro, que poder determinar o sucesso de um projeto de código aberto ou o seu fracasso.

O que faz um projeto Open Source ter sucesso?


1 - Segundo o pessoal do SourceForge o sucesso de um projeto está atrelado a uma coisa um tanto quanto óbvia, a necessidade.

Open Source Windows!


Um software aberto somente consegue obter sucesso quando ele desperta uma necessidade entre os usuários ou quando ele resolve um problema importante. Isso costuma acontecer quando não existe uma outra solução tão prática quanto. Eles observam que "sucesso" é algo relativo, um sistema ou programa pode ter alguns milhares de usuários e ainda assim não ser um "sucesso" porque não tem a propriedade de solucionar um problema que até então não tinha solução. Um exemplo disso seria distribuições Linux que tem um mesmo propósito mas que não apresentam nada de novo, a não ser uma releitura do que já existe.

Neste exemplo a distro poderia ter até alguns usuários, mas não poderia ser chamado de "sucesso" pelo simples fato de não fazer algo diferente ou "melhor".

2 - Demonstrar preocupação com o projeto também faz com que ele evolua mais rápido e faz com que mais pessoas confiem nele. Neste caso o aspecto social se mostrou um diferencial, manter contato com o público, com os usuários e com as pessoas que estão dispostas a ajudar no projeto, ouvir o que as pessoas sugerem e procurar aplicar no projeto é algo comumente visto em projetos de código aberto que deram certo.

3 - Uma visão clara de "para que serve o projeto". Ter objetivos e colocar metas pode ser algo útil para receber apoio de mais desenvolvedores e por consequência, levar o projeto para frente.

Quais os fatores que não influenciam no sucesso de um projeto?


Ao mesmo tempo que é bom mostrar fatores que influenciam no sucesso de um projeto open source, é bom falar também de coisas que não influenciam muito, ao contrário do que se possa pensar. 

Fique ligado neste itens para não se preocupar com coisas que não vão fazer tanta diferença assim.

1 - O número de desenvolvedores envolvidos não quer dizer necessariamente que a qualidade do projeto é superior ou inferior, o compromisso com ele é muito mais determinante para o sucesso do que isso.

2  - Adoção em larga escala também não é necessariamente um fator de sucesso. É verdade que uma grande quantidade de usuários pode ser um indicador de sucesso, mas isso não é necessariamente verdade, projetos com menor número de usuários mas que são extremamente importantes para o nicho que atendem também podem ser considerados bem sucedidos. 

3 - A licença usada. Existem muitas licenças de código aberto, mas apesar de muita gente levar em consideração a filosofia por traz de uma licença, como a GPL por exemplo, a licença em si não faz o programa ser bom tecnicamente, então ela não faz a menor diferença.

4 - O sistema operacional utilizado para fazer o programa ou sistema operacional para qual o programa é desenvolvido para rodar também não influencia diretamente em seu sucesso, vamos repousar novamente no item da necessidade e solução de um problema, se o programa cumpre este papel com excelência o fato dele ser desenvolvido no Linux, Mac ou Windows não faz a menor diferença.

5 - Alto financiamento do projeto ou a falta dele. Segundo uma base de pesquisas da universidade de Massachusetts, a necessidade de uma funcionalidade e de um programa de qualidade é que leva os projetos de código aberto para frente, e não o financiamento. É claro que dinheiro é necessário para desenvolver qualquer coisa, mas projetos bem sucedidos não são necessariamente os que tem mais dinheiro. 

É muito mais vantajoso investir no programa e transformá-lo em produto de qualidade, pois dessa forma ele automaticamente vai chamar a atenção de conseguir patrocinadores, não começar um projeto por falta de fundos é um erro, pois ele costuma vir depois na maioria dos casos.

O que você acha? Concorda com a análise do SourceForge?

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Conheça Ember, a impressora 3D com hardware e software aberto da Autodesk

Juntamente com a Internet das Coisas, outra grande tendência tecnológica dos últimos tempos são as impressoras 3D. A Autodesk é uma empresa renomada que criou uma solução muito interessante  para atender a este público apostando fortemente no Open Source, uma impressora 3D com hardware e software aberto chamada Ember.

Ember 3D Printer




O que torna o projeto da Autodesk tão interessante, além da estrutura da própria impressora, é o fato de seu hardware e software ser aberto, ou seja, as pessoas interessadas em construir a sua própria Ember poderão fazê-lo, basta ter os recursos necessários para isso.

Qualquer um pode ter acesso ao seu projetoo que inclui o desenho mecânico, código fonte do seu firmware, diagramas do seu circuito eletrônico formula da sua resina de impressão. A Autodesk nem sequer vende o projeto pronto, apesar de permitir todo este estudo, assim, existem empresas que começaram a vender a Ember pronta, como a Rio Grande.

É possível conseguir um nível de detalhamento muito interessante com a Ember, veja abaixo um vídeo acelerado do processo de impressão:


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 7 de setembro de 2016

O homem na Lua: Baixe o código fonte do computador da Apollo 11

Se você gosta de astronomia da mesma forma que eu, vai adorar saber que o código fonte utilizado no computador de controle da missão Apollo 11 está disponível para download no GitHub.

Apollo 11 GitHub





O projeto foi desenvolvido em meados dos anos 60 por programadores do Laboratório de Instrumentação do MIT, ele é um software de vôo que foi utilizado em várias missões Apollo, inclusive na que levou o homem à Lua, a Apollo 11.

Leia também: Meu vídeo explicando a teoria de Buracos Negros

Essa tecnologia simplesmente não existia na época, foi necessário fazê-la do nada, desenvolveu-se um novo tipo de memória específica chamada "rope memory" e foi criada uma versão especial da legendária linguagem de programação Assembly, que conseguia ser mais complicada que a original, e notavelmente complicada para seres humanos, mas que funcionavam muito bem com os computadores da época, sendo que os cientistas do MIT escreveram milhares de linhas de código através  dessa linguagem.

Margaret Hamilton

A senhorita da imagem acima é Margaret Hamilton, ela era diretora de engenharia de software do projeto Apollo, e ao lado dela, essa pilha de páginas é o código fonte que você pode baixar através do GitHub hoje em dia.

Em 2003, um pesquisador de tecnologia do MIT chamado Ron Burkey, usou os fontes originais e digitou linha por linha para que o código continuasse disponível para posteridade, porém, apesar de estar online, ele não estava acessível tão facilmente, então Gary Neff, um ex-estagiário da NASA, entrou em contato com Ron Burkey através de e-mail e solicitou o código para fosse disponibilizado no Git, algumas partes estavam faltando e por isso ele foi reescrito em alguns trechos, de forma que funcionasse 100%.



Muito legal, não é mesmo? :)

E agora você pode ter este pedaço da história da humanidade diretamente no seu computador, para baixar ou criar um fork no GitHub do código do computador da Apollo 11 clique aqui.

Será que você já consegue ir até a Lua também? :D

Até a próxima
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 14 de julho de 2016

Trabalho de faculdade: Open Source e Linux

Quero compartilhar uma coisa bem legal que eu recebi por e-mail, não posso dizer que foi uma surpresa que eu ajudei a fazer mas o não tinha ideia de como iria ficar o resultado final. Vamos sobre Linux e desenvolvimento Open Source na Faculdade?

Linux e Open Source




Só para contextualizar você, há algumas semanas eu fui contactado por um grupo de universitários que cursam o 1º semestre  de Engenharia de Computação na UFSCar, eles me mandaram algumas perguntas sobre o mundo  Open Source, algumas direcionadas especificamente ao Linux, outras perguntando a minha opinião sobre determinados assuntos.

Esse questionário acabou gerando um vídeo completo que foi para o canal do Diolinux, no trabalho final dos rapazes o vídeo todo não foi utilizado.


Agora vou compartilhar o trabalho deles completo em vídeo com vocês, eu particularmente gostei bastante, é uma forma bem tranquila de apresentar o universo Linux para as pessoas, com um pouco de termos técnicos, é claro, visto que o curso é de Engenharia. Confira:


Gostaria de agradecer Paulo Henrique Dal Bello e ao seu grupo pela oportunidade de ajudar a divulgar o Linux em uma faculdade brasileira, em um curso tão interessante quanto este, é ótimo saber que estou sendo útil de alguma forma dentro do meio acadêmico, então, mais uma vez, muito obrigado!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 9 de junho de 2016

Forças Armadas da Itália esperam economizar cerca de 30 milhões de Euros usando o LibreOffice

Mais um bom exemplo de como a adoção de software livre ou Open Source pode, além de trazer segurança para as pessoas e maleabilidade, também trazer muita economia, confira o case das Forças Armadas da Itália.

LibreOffice será adotado nas forças armadas italianas




Há poucos dias nós tivemos um notícia envolvendo a cidade italiana de Vicenza, que estava migrando os computadores do município para o Linux  e as notícias envolvendo o Open Source e a Itália não param, desta vez foram as Forças Armadas do país que informaram a sua migração do Microsoft Office para o LibreOffice.

O Ministério de Defesa italiano anunciou que pretendem economizar entre 26 e 29 milhões de Euros nos próximos anos por conta da migração de plataforma, além de tecnicamente adotar o padrão ODF como formato de documentos.

A expectativa é que em 2017 cerca de 70% dos computadores já rodem o LibreOffice, isso representa nada mais, nada menos, do que 75 mil usuários novos para o LibreOffice, segundo o Genereal Camillo Sileo, Vice-chefe do Departamento de Defesa.

Até o momento, 5 mil estações foram migradas, como mostrado em relatório,  e para isso foram treinadas pessoas que vão fazer a instalação das suítes e também manutenção. Segundo as informações, outros países estão procurando fazer o mesmo, como Alemanha, Holanda, Reino Unido, Espanha e França, todos fazendo parte do projeto "LibreDefesa" que segue um protocolo de migração publicado pela Document Foundation.

Que isso sirva de exemplo para outros países fazerem o mesmo. Para ser ter uma ideia do impacto de um processo de migração institucional/empresarial como este, confira o nosso vídeo sobre adoção de softwares abertos em empresas no Brasil:


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 11 de maio de 2016

Shashlik: O projeto que vai trazer os Apps do Android para o Desktop Linux

Rodar as aplicações do Android em uma distribuição Linux de desktop é um objetivo antigo, existem vários emuladores diferentes, um dos melhores é o Genymotion, mas não havíamos visto algo parecido com o Shashlik até o momento.

Apps do Android no Linux Desktop




Eu já recebi muitas vezes esta pergunta: "Se o Android é baseado no Linux, por que os programas do Android não rodam no PC?". Apesar do Android usar um Kernel Linux as aplicações necessitam de bibliotecas de execução diferentes e normalmente são projetadas para trabalhar de forma diferente também, interagindo com o hardware do aparelho, como sensores por exemplo, fora a arquitetura do processador, os windows managers, etc.

Shashlik


O projeto open source Shashlik ((churrasco em Russo) e um parênteses no parênteses, não faço ideia da relação de churrasco com Android, aliás, nem existe tradução para o português, mas para o inglês o Google Tradutor traduz para "barbecue", então...) pretende fazer isso acontecer. Ele ainda está em desenvolvimento mas já consegue fazer algumas proezas, dentro de suas limitações, é claro.

Basicamente o que ele faz é rodar o Android (não completamente, mas o necessário para rodar os Apps) em backgroud enquanto o ambiente Linux Desktop tradicional roda normalmente, é quase como se fosse um "Wine" mas muito mais integrado, a ideia dos desenvolvedores é fazer com que a necessidade de rodar quase que um sistema em paralelo no backgroud vá diminuindo com o tempo. 

Eu ainda não encontrei muita informação sobre ele na internet, vídeos, imagens ou coisas do tipo, porém, encontrei este demonstrativo em vídeo rodando no Netrunner OS com o App do Spotify, confira:



Eu não sei quais as condições da máquina em que foi rodado o teste acima mas podemos ver o quanto lento ele foi para iniciar, ou seja, melhoras precisam vir, pelo menos é o que esperamos, mas de qualquer forma é bom ver que já está funcionando.

Apesar de não ter encontrado no site do Shashlik uma relação direta com o Netrunner, algo me diz que são pessoas que estão envolvidas nos dois projetos, tanto que o download oficial do Shashlink possui apenas compatibilidade oficial com o Ubuntu e o Arch Linux, ambas bases do Netrunner OS, uma vez que o sistema lança duas versões e principalmente o fato de que o Shashlik parece funcionar, por enquanto pelo menos, apenas no ambiente KDE com o Plasma 5, também algo que o Netrunner carrega, mas até então são só evidências não comprovadas, nada demais...

Como testar o Shashlik


Como eu comentei, "o treco" ainda tem restrições para funcionamento, a primeira delas é, tenha o ambiente KDE Plasma 5, não adianta tentar com outro ambiente ou com o KDE 4 (acredite, eu tentei), por enquanto eu só "sento e choro", mas vou criar uma máquina virtual com o Kubuntu ou o Manjaro para testar novamente, se funcionar legal faço até um vídeo para vocês no canal.

Se você usa algum derivado do Ubuntu ou algum derivado do Arch fica mais fácil, existem pacotes prontos para ambas as distros, para os demais você pode compilar você mesmo se tiver interesse, basta clicar aqui para ir para a página de downloads do Shashlik.

Como instalar um aplicativo?


Antes de mais nada você via precisar do APK do App que você deseja instalar, então divirta-se, na internet tem vários sites que você pode baixar APK, como o APK Mirror por exemplo. Depois de ter instalado o Shashlik você vai poder instalar a aplicação pelo terminal ou pela interface gráfica do KDE Plasma 5. No Konsole (terminal) do Plasma você vai navegar até a pasta onde você baixou o APK que deseja testar e rodará o seguinte comando:
/opt/shashlik/bin/shashlik-install nome_do_app.apk
Onde  nome_do_app.apk deverá ser substituído pelo nome do App que você baixo, parece que já dá pra jogar Flappy Bird numa boa, olha só:

Demonstração do Shashlik

Um fato interessante sobre o Shashlik é a integração com o sistema operacional que ele proporciona, como você viu no vídeo, ele consegue extrair o ícone do APK e criar uma entrada no menu que proporciona uma execução sem complicação, semelhante a qualquer outro programa instalado convencionalmente, todo o processamento fica por trás da interface, o único "problema" até então é que instalar os Apps ainda pode ser um pouco confuso para iniciantes, por conta dos comandos e coisas do tipo, mas como ele está ainda em desenvolvimento é natural supor que no futuro haverá uma espécie de "instalador de APKs" que facilite as coisas, tal como é com o gdebi hoje em dia.

Para aumentar a compatibilidade de interfaces é interessante instalar este pacote:
sudo apt-get install kde-baseapps-bin

Bom para o Ubuntu Phone


Sei não... mas bem que a Canonical poderia injetar uma grana neste projeto né? Integrar o Shashlik ao Ubuntu poderia trazer o tão aclamado WhatsApp ao Ubuntu Phone, e de quebra uma gama enorme de aplicações, só uma ideia... 

O projeto tem código aberto e diferente de qualquer outro tipo de emulador Android que existe ele tenta simplesmente integrar as aplicações ao sistema dando as bibliotecas necessárias para rodar os Apps, e aparentemente, sem pesar muito.


_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 7 de março de 2016

Microsoft abre o código do Chakra Javascript

A Microsoft transformou mais um dos projetos sob sua tutela em um projeto de código aberto, desta vez foi o Chakra, que é uma das peças fundamentais do novo browser do Windows 10, o Microsoft Edge.

Microsoft Chakra

A Microsoft abriu o código fonte do Chakra Javascript uma engine da empresa utilizada no Microsoft Edge, no Xbox e outros programas do Windows. A promessa da liberação havia sido feito no ano passado ainda mas só neste ano se tornou realidade.


O projeto de código aberto inclui todas as ferramentas necessárias para analisar, interpretar, compilar e executar o código JavaScript sem depender do Edge. Isso permite que os desenvolvedores incorporem o motor em seus projetos e ampliem sua utilização.

A Microsoft também informou que vai compatibilizar a ferramenta para outros sistemas operacionais e o primeiro da lista é o Linux. Para acessar o código do Chakra no Github clique aqui.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Governo do EUA fecha parceria com Linux Foundation para implantar Linux na Casa Branca

O Linux e o movimento open source estão em alta definitivamente, além da NASA começar a trabalhar com a "The Linux Foundation" para implementação do Linux em todos os computadores da instituição, agora chegou a vez da Casa Branca.

Linux na Casa Branca


O governo dos EUA está trabalhando juntamente com a "The Linux Foundation" para implementar Linux nos computadores da Casa Branca, a sede do governo Norte Americano, e melhorar a segurança interna. A adoção do open source é destacada por Jim Zemlin, um dos diretores da LF, "Na proposta, a Casa Branca anunciou colaboração com a Linux Foundation na Iniciativa de estrutura de Núcleo (CII) para uma internet melhor e mais segura" e adoção de outros softwares open source e também livres, adoção de novos protocolos e padrões obedecendo a filosofia OSS.

Alguém ainda dúvida que Linux é eficaz?
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016