Diolinux - Open Source, Ubuntu, Android e tecnologia

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador tutorial. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador tutorial. Mostrar todas as postagens

Como instalar League of Legends no Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

League of Legends é um dos games mais jogados do mundo e hoje vamos aprender a instalar ele em distribuições Linux de Desktop, confira:

League of Legends no Linux






League of Legends não possui, infelizmente, uma versão nativa para Linux, isso significa que precisaremos utilizar o Wine como camada de abstração para rodar aplicativos do Windows no Linux, diferente do seu principal "concorrente", Dota 2, que possui uma versão nativa para o sistema através da Steam.

Neste caso em específico, vamos usar um software chamado "Lutris" para automatizar a instalação. Antes de eu te dar as dicas para a instalação, é interessante que você entenda como utilizar o Lutris e como ele funciona:


Uma vez que você tenha entendido como funciona o Lutris, basta fazer o download da aplicação diretamente do site oficial e instalar para podermos seguir para próximo passo.

Agora veja como você pode fazer para instalar o League of Legends no Linux:



Eu percebi que o game tem uma clara queda de desempenho, não o suficiente para impedir que você jogue com uma taxa de frames decente, geralmente acima de 60 FPS, no entanto, se para você isso for um grande problema, vale a pena manter o Windows para jogar, pois ele possivelmente lhe atenderá melhor neste quesito.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Desktop Folder - Tornando a área de trabalho do elementary OS útil novamente

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

Uma das maiores críticas ao Desktop no elementary OS é que a área de trabalho serve apenas para comportar o papel de parede, o que na minha opinião é um desperdício de espaço, afinal, quem não quer não itens na área de trabalho, simplesmente não coloca eles ali, ou o Desktop poderia ser habilitado e desabilitado, semelhante ao que é possível de fazer no GNOME Shell. Infelizmente não é isso que acontece, mas agora você tem uma alternativa.

elementary OS Desktop






Juntamente com o lançamento da nova Central de aplicativos Indie do elementary OS onde os desenvolvedores podem cobrar pelos aplicativos e os usuários podem pagar o quanto quiserem, vários projetos feitos exclusivamente para o elementary com integração ao sistema passaram a existir.





Um dos aplicativos feitos sob medida para o elementary OS é o Desktop Folder que você encontra a loja de Apps:

elementary OS Desktop Folder

Baixe o aplicativo na loja e abra ele pelo menu "Aplicativos.

Os recursos do Desktop Folder


Esse aplicativo não ativa o Desktop do elementary OS propriamente dito, mas funciona como os Widgets do projeto KDE Plasma, dando uma funcionalidade muito parecida.

Atrvés dele você consegue criar painéis no Desktop e dentro destes painéis (que você pode modificar livremente) você poderá criar pastas, atalhos, arquivos de texto, etc.

Configurações da área de trabalho do elementary OS

Se você não gostar dessa película que aparece sobre o papel de parede, você pode tirar a cor dele,  assim ele fica transparente, ou ainda usar outra cor. Você pode esticar o painel para o tamanho de todo o Destkop para você poder aproveitar todos os espaços.

Você também pode criar vários Desktop Folders também para armazenar arquivos de forma separada.

Configuração do elementary OS

Os arquivos que você colocar dentro dessa pasta na Área de Trabalho ficam dentro da sua Home, dentro da pasta Desktop, dentro da pasta com o nome do Painel que você criou, as suas notas ficam dentro da mesma pasta.

Caso você queira a experiência Desktop "limpa", como eu comentei, basta tirar a cor e os arquivos vão ficar como ficariam no Desktop tradicional:

elementary OS

Espero que você tenha gostado da dica, ela deixa o elementary OS muito mais produtivo, sem sombra de dúvidas.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o Kernel do Ubuntu no Deepin Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 28 de novembro de 2017

O interessante de distribuições derivadas do Debian é que em linhas gerais elas são compatíveis entre si, com algumas pequenas exceções. Hoje você vai aprender a instalar o Kernel do Ubuntu no Deepin, a distro chinesa que chama tanto a atenção das pessoas pelo seu design aprimorado e usabilidade simples.

Ubuntu Kernel no Deepin






Usar o Kernel do Ubuntu no Deepin pode ter algumas utilidades. Apesar do Deepin ser Rolling Release, ele não é Bleeding Edge, ou seja, nem tudo está nas últimas versões em seu repositório, o Kernel inclusive. 

O Kernel Linux é a parte do sistema operacional que contém os drivers e por isso, versões mais recentes podem ser vantajosas em alguns aspectos, podendo trazer versões mais recentes de componentes que vão influenciar no desempenho do sistema, como os de drivers de vídeo, drivers de rede também, o que pode até mesmo melhorar o seu sinal de Wi-Fi.

Eu não vejo o Kernel do Deepin como algo suspeito, simplesmente pela distro ser chinesa, isso é um tanto quanto falacioso na minha opinião, no entanto, se isso te incomoda de alguma forma, usar o Kernel do Ubuntu pode deixar você mais tranquilo.

Como instalar o Kernel do Ubuntu no Deepin


Vamos fazer da forma mais simples possível. O primeiro passo é acessar o repositório de Kernels do Ubuntu.



Kernel do Ubuntu

No repositório você encontra as pastas com a versão do Kernel, você pode escolher a versão que você quiser para instalar. No meu caso vou usar a versão 4.14 (já existem até algumas versões mais recentes 4.14.1 e 4.14.2), esta é a versão mais atual no momento deste tutorial.

Escolha a versão desejada e e clique na pasta.

Baixando o Kernel

Dentro do diretório você encontrará varias sessões diferentes, observe para qual arquitetura são os pacotes. Para sistemas de 64 bits nós vamos baixar os pacotes contidos abaixo de "Build for amd64 suceeded".

Dentro de cada sessão haverão também pacotes para o Kernel de baixa latência, a menos que você precise dele, você deve baixar apenas os outros pacotes.




Você só precisa baixar 3 pacotes, o que termina com "all deb", o "linux headers" e o "linux image". Caso queira baixar o Kernel de baixa latência, você deverá baixar o "all deb" também e os outros dois que contém "lowlatency" no nome.

Neste exemplo vou baixar os pacotes assinalados na imagem acima. São 3 pacotes .deb:

Kernel Ubuntu no Deepin

Basta instalar eles em ordem dando dois cliques:

Instalar o Kernel

Depois de instalar os 3 pacotes, para o novo Kernel ser reconhecido no GRUB na inicialização do sistema é necessário atualizar o GRUB. Caso você não se importe de usar o terminal, basta digitar o seguinte comando nele:
sudo update-grub

Sudo update Grub

Claro, é possível fazer essa atualização sem usar o terminal também, mas para isso vamos precisar de uma ferramenta chamada GRUB Customizer.

Para o Deepin basta baixar o pacote .deb daqui e fazer a instalação dando dois cliques.

GRUB Customizer

Basta atualizar a lista e reinstalar o GRUB, você pode também ordenar as entradas livremente como você bem entender.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como evitar lag na Netflix no seu navegador (Configuração escondida)

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A Netflix tem uma das melhores transmissões de streaming que existem, com uma internet de qualidade razoável você dificilmente enfrenta travamentos, no entanto, existem outros fatores que podem fazer com que a sua Netflix fique "lagada" no navegador.

Lag na Netflix






Uma conexão instável pode ser um pesadelo para quem quer maratonar aquela série no final de semana, no entanto, a qualidade da sua internet não é o único fator, outra coisa que pode deixar a Netflix com lag é um hardware que não consegue entregar muito desempenho gráfico, como este computador aqui que eu ressuscitei e usei essa técnica para poder assistir a Netflix nele sem muitos problemas.

Ajustar a sua transmissão Netflix


Tela de carregamento da Netflix


Existe um menu de configuração "secreto" dentro da Netflix que permite que você ajuste a qualidade do vídeo para melhor ou para pior. As vezes mudando um pouco o bitrate ou o CDN (Content Delivery Network) a sua Netflix pode parar de travar sem que você perca muita qualidade.

Abrindo o console da Netflix


Vamos começar a brincadeira abrindo o console da Netflix, com ela aberta em qualquer filme ou série pressione as teclas: Ctrl+Alt+Shift+D

Console Netflix

Você pode observar especialmente o Bitrate e ao lado a referência da resolução utilizada. Nessa tela aparecem várias informações interessantes, como por exemplo a taxa de quadros por segundo, quadros perdidos, entre outras coisas.

A forma da Netflix trabalhar faz com que o ajuste dessas opções seja automático, mas isso não quer dizer que seja sempre o ideal para você, apesar da intenção ser essa. 

Agora você vai aprender a configurar essas opções manualmente.

Ainda no vídeo que você estava, se você pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+D você esconde o console, pressione agora Ctrl+Alt+Shift+S para abrir um pop-up de configuração:

Configuração de bitrate na Netflix

Na janela que se abre você pode configurar o Bitrate de áudio, vídeo e alterar o servidor principal de conteúdo, eventualmente mudar de servidor pode tornar a entrega mais rápida.

Números de Bitrate menores geralmente indicam uma transmissão em qualidade reduzida  e por isso mais leve para a sua conexão e hardware, então tente reduzir um pouco a qualidade se você estiver com muito lag e veja se você consegue ainda assistir ao filme ou série em uma qualidade que você goste ou tolere.

Depois de selecionar os valores basta clicar em "Override", caso queira voltar ao padrão é só clicar em "reset". Pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+S faz o menu sumir.

Aproveite a sua Netflix sem travamentos e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como adicionar o repositório oficial do Google Chrome no Deepin

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O Google Chrome é o navegador mais popular da atualidade e ele já vem pré-instalado e no repositório do Deepin Linux, uma das distros que mais tem chamado a atenção nos últimos meses. O Deepin é baseado no Debian mas possui um repositório próprio de onde todos os seus softwares preveem, por isso, alguns softwares podem demorar um pouco mais para atualizar.

Google Chrome oficial no Deepin



Quando nós entrevistamos os desenvolvedores do Deepin, eles explicaram como funciona o repositório e o ciclo de atualizações da distro. Como o Chrome faz parte do repositório deles, o mesmo vale para ele.

O Chrome do Deepin não é desatualizado demais, mas mesmo assim, como se trata de um navegador de internet, mantê-lo sempre na última versão pode ser importante. Se você não quiser aguardar até que os desenvolvedores do Deepin façam a atualização do software, a forma de contornar isso e ter sempre a última versão instalada é adicionando o repositório oficial da Google no Deepin.

Como adicionar o repositório oficial do Google Chrome no Deepin


O Deepin é baseado no Debian, como já mencionado, logo, não vamos usar PPAs, como no Ubuntu, vamos usar os repositórios do Debian, você pode ler mais sobre isso na própria Wiki do "sistema universal".

Você poderia ir até o site da Google e baixar o Chrome, instalando com dois cliques, isso também funcionaria, porém, isso não adiciona o repositório ao Deepin, fazendo com que você tenha que instalar o browser a cada lançamento manualmente, podemos automatizar essa tarefa fazendo uma pequena configuração.

Geralmente os arquivos de repositórios ficam em /etc/apt/sources.list, este arquivo de texto contém os repositórios padrões da distro, são eles que modificamos neste tutorial, onde você aprendeu a deixar o download de pacotes do Deepin mais rápido, no entanto, não é este arquivo que temos que alterar para modificar os repositórios adicionais, como o do Skype, Spotify e do Google Chrome.

Os repositórios adicionais ficam no diretório /etc/apt/sources.list.d. Use o gerenciador de arquivos do sistema para navegar até esta pasta:

Configuração de listas de repositório no Deepin

Nesta pasta, clique com o botão direito do mouse e vá na opção de "Abrir em nova janela como administrador".

Configuração de listas de repositório no Deepin

Na janela em modo Root, crie um novo arquivo de texto e coloque o nome de google-chrome-stable.list

Configuração de listas de repositório no Deepin

Abra o arquivo que você criou com o editor de texto de sua preferência e cole a seguinte linha dentro dele, depois salve o arquivo:
deb [arch=amd64] http://dl.google.com/linux/chrome/deb/ stable main

Google Chrome repository

Depois de salvar, pode fechar o editor de texto e agora você terá um arquivo google-chrome-stable.list dentro daquele diretório.

Google Chrome repository

Depois disso, basta mandar atualizar o sistema, você pode fazer isso pelo utilitário de atualização:

Atualização do Deepin

Ou é claro, pelo terminal:
sudo apt update
Se houverem atualizações, você poderá instalá-las.

Essa dica vale para qualquer repositório extra do Debian que você queira adicionar, eu uso também o do Spotify e do Skype para mantê-los sempre nas últimas versões.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instale este tema moderno no seu Ubuntu 17.10!

Nenhum comentário

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Com o lançamento do Ubuntu 17.10 nós tivemos a volta do ambiente GNOME para o Ubuntu de forma completa, entretanto, o tema tradicional do Ubuntu, o Ambiance/Radiance, assim como os ícones Ubuntu Mono Dark/Light, continuam os mesmos de sempre, somado ao tema para o Shell, eles garantem a aparência tradicional do Ubuntu, que convenhamos, já está ultrapassada.

Tema United no Ubuntu






Ouvi falar que o Ubuntu 18.04 LTS virá com uma aparência melhorada, mas até lá, vamos ver o que podemos fazer com o Ubuntu 17.10, certo? Para tentar "corrigir" a aparência do GNOME Shell no Ubuntu, sem perder a identidade visual do sistema, vamos usar o tema United e o tema de ícones Diolinux Paper Orange.

O primeiro passo é adicionar a extensão para o GNOME Shell que permite que você carregue temas do seu diretório pessoal, então clique aqui e adicione o "user themes".

Outra ferramenta que você vai precisar é o GNOME Tweak Tool, ele permite que você faça modificações mais profundas no seu sistema, incluindo o tema. Você encontra esta aplicação na Central de Aplicativos do seu Ubuntu:

GNOME Tweak Tool Ubuntu

Agora que você já tem as ferramentas adequadas para mudar o tema, resta-nos baixar o tema United, acesse a página no GitHub do projeto e baixe os arquivos indicados.

Download do Tema United

O tema United tem algumas variações, inclusive é compatível com outras distros, no entanto, vamos fazer uma mescla entre eles para ter uma bom resultado final. Baixe o "United Latest" e o "United Ubuntu Alt", serão dois arquivos compactados.

Extraindo o tema United

Bastar extrair as pastas contidas dentro dos dois arquivos que você baixou para a pasta oculta .themes, caso ela não exista você pode criá-la, mas não esqueça de colocar o ponto antes do nome "themes", caso contrário ela não fica oculta. Para exibir as pastas ocultas no Nautilus é só pressionar Ctrl+H, para voltar a ocultar é só pressionar a mesma combinação novamente.

Para instalar o tema de ícones Diolinux Paper Orange, temos um tutorial específico para ele aqui.

Uma vez os temas instalados, agora só falta ativá-los, abra o GNOME Tweak Tool (Ajustes) e na sessão aparência deixe assim:

Gnome Tweak Tool Ubuntu

Claro que existem outras combinações que você pode testar, mas esta foi a que eu achei mais bela, lembra um pouco o design que o "falecido" Unity 8 tinha.

Aproveite a nova aparência e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Adobe Creative Cloud no Linux - Um Script "Mágico" que automatiza a instalação no PlayOnLinux

Nenhum comentário

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Para algumas pessoas a migração para a plataforma Linux ainda é complicada pela falta das ferramentas da Adobe nativas, especialmente para aqueles que trabalham já há muitos anos com elas, qualquer mudança é complicada e isso é compreensível, ainda que em linhas gerais existam ferramentas alternativas e eficientes, você ainda assim pode querer utilizar a suíte da Adobe. Neste caso, ou você utiliza um sistema em Dual Boot (Windows ou macOS) ou apela para virtualização e para o Wine.

Adobe Creative Suite






Caso você opte pelo Wine, existem várias possibilidades, porém, antes de prosseguirmos eu gostaria de deixar clara a minha posição quanto ao Wine: Ele é um paliativo, ou seja, não encare ele como a solução padrão para o seu problema, muitos podem o chamar até de "gambiarra", mas eu vejo o Wine como um projeto de grande valor de engenharia, que quando funciona, pode ser utilizado sem problemas, afinal, no fim das contas é isso que importa, certo?

O ideal, é claro, é sempre usar as ferramentas nativas da plataforma que você for usar, mas em muitos casos o Wine se mostra eficiente o suficiente para você trabalhar. Se você ainda tem uma dependência do Photoshop, por exemplo, mas gostaria de utilizar o GIMP, considere conferir o projeto PhotoGIMP que mantemos aqui no Diolinux, eu utilizo ele diariamente e acaba sendo muito confortável para quem aprendeu a editar imagens com o Adobe Photoshop, ele funciona inclusive no Windows, caso você prefira usar o GIMP no sistema da Microsoft.

Falando nele, se você só tem a intenção de instalar o Photoshop pelo Wine (no caso, pelo PlayOnLinux), temos aqui um vídeo só para isso.




Se você quiser ver um pouco mais sobre o assunto da Adobe e o Linux, este outro vídeo também será interessante.

Um script "milagroso"


Vamos ao tópico do artigo em si. No vídeo anterior eu mostrei como instalar somente o Adobe Photoshop, contudo, a suíte da Adobe é composta de vários outros softwares que podem ser úteis para você. Para realizar este experimento nós vamos utilizar um software chamado PlayOnLinux.

Muita gente pensa que o Wine e o PlayOnLinux (e o CrossOver) são coisas diferentes, mas na verdade os dois últimos são apenas interfaces para o primeiro (para o Wine).

O PlayOnLinux é grátis e é encontrado nos repositórios de todas as distros, possuindo até uma versão para macOS, chamada de PlayOnMac, que permite que os usuários "da maçã" possam rodar jogos e aplicações que só existem no Windows em seus sistemas. A intenção do PlayOnLinux (ou PlayOnMac) tem um propósito único: Fornecer ao usuário uma interface repleta de recursos para trabalhar com o Wine, gerenciar suas versões e, o que vem ao caso agora, utilizar scripts prontos para automatizar a instalação de determinados programas.

Se você quer aprender mais sobre o PlayOnLinux é necessário ter um pouco de paciência, ele é um software com muitas opções de configuração, mas para a sua sorte nós temos um vídeo no canal (bem longo) que detalha praticamente tudo o que é necessário saber sobre essa ferramenta, é grátis, então aproveite:


1 - O primeiro passo para usar este Script que instala a Adobe Creative Suite Manager no Linux é baixar o PlayOnLinux, então faça como preferir, geralmente você o encontra na Central de Aplicativos da sua distribuição.

2 - O segundo passo é baixar o Script que instala a Creative Suite, você pode baixar ele daqui. 

Dica: Acesse a página no GitHub onde o Script está hospedado, pressione Ctrl+S e escolha onde você quer salva-lo.

Depois de baixado o Script, basta rodá-lo através do PlayOnLinux. Com o software aberto, vá até o menu "Ferramentas" e selecione a opção "Executar um Script local".

Rodando o Script

Uma janela vai se abrir para você navegar pelos seus arquivos e escolher o Script que você baixou do GitHub, basta selecionar e avançar. Depois disso teremos uma grande sessão de "Next, Next, Finish", como a maior parte dos programas do Windows.

Rodando o Adobe Script no PlayOnLinux

Adobe Creative Suite Linux

Eventualmente o PlayOnLinux vai pedir a sua permissão para baixar algumas coisas, como o Mono, o Gecko e alguns outros componentes que serão úteis para rodar o Manager da suíte da Adobe. Apenas clique em instalar.

Adobe Creative Suite Linux

Ao finalizar a instalação, uma janela com o gerenciador de softwares da Adobe vai se abrir, você deve se logar com a sua conta da Adobe normalmente, assim como faria no Windows ou no macOS, se você já tem as licenças para usar os softwares compradas para a sua conta, eles vão estar disponíveis automaticamente em suas versões completas.

Adobe Creative Suite Linux

Caso você não tenha os programas comprados, é possível usar a "versão de avaliação" de cada um deles por 30 dias.

Gerenciador da Adobe no Linux

Basta selecionar os softwares que você quer instalar, depois do "Adobe Application Manager" baixar os softwares você poderá iniciá-los.


Ao abrir qualquer um deles, você poderá usar a versão trial ou entrar com os seus dados para usar a versão completa também. As atualizações também funcionam corretamente, eu instalei o Photoshop e atualizei ele para uma versão mais recente pelo próprio aplicativo.


Atualização de programas da Adobe


Photoshop no Linux

Photoshop no Linux

Photoshop no Linux

Adobe Photoshop no Linux

Não cheguei a testar todos os programas, mas dentre os que eu testei tive resultados diferentes. O Photoshop funciona perfeitamente, sem tirar e nem pôr. Já o Illustrator abre e funciona também, mas percebo glitches na interface.

Adobe Illustrator

Repare em como as ferramentas ficam distorcidas do lado esquerdo.  Curiosamente, eu já consegui rodar o Adobe Illustrator sem estes problemas usando o mesmo prefixo do Photoshop que eu mostrei no primeiro vídeo deste artigo, então se você precisa dele, usar aquele método pode ser uma alternativa.

Adobe Ilustrator Linux


O Audition, que foi o outro que eu testei, nem abriu, contudo, é muito possível que com ajustes finos no PlayOnLinux você tenha resultados melhores. Depurando o Audition, percebi que ele precisa de uma DLL chamada "AuUI.dll", talvez instalado ela, funcione.

Outro que funciona perfeitamente é o Fireworks. Já vi muitos desenvolvedores Web reclamarem que recebem imagens do feitas no Adobe Fireworks com várias camadas para templates de páginas e terem dificuldade de lidar com isso no Linux eventualmente.

Fireworks no Linux

Outro "queridão" dos fotógrafos que funciona perfeitamente é o Adobe Lightroom:

No Linux, rodando um software de Windows pra editar o wallpaper do macOS xD 

Uma dica legal é criar atalhos para os programas, assim você pode iniciar eles individualmente sem precisar abrir o programa de gerenciar softwares da Adobe.

Você encontra a opção de criar atalhos na guia "Geral" nas configurações do prefixo do PlayOnLinux, em caso de dúvidas, consulte o vídeo manual que eu coloquei anteriormente no artigo.

Criando atalhos

Minha opinião sobre o Script


Como comentei a principio, isto aqui nada mais é do que um paliativo. Caso funcione, ótimo! Use e seja feliz! Mas não ponha todas as suas esperanças aqui, alguns programas como o Photoshop realmente funcionam muito bem, quase como se fossem nativos, não fosse a não integração com o gestor de arquivos original da distro, usando o do Wine, mas isso é um detalhe pouco relevante para o contexto geral.

Falando do Script, ele promete instalar o gerenciador de softwares da Adobe e da fato, isso ele faz, mas os programas que compõem a suíte não utilizam todos os mesmos recursos do seu computador e do sistema, de modo que alguns ou não funcionaram (pra mim pelo menos), ou funcionaram com bugs, caso do Illustrator, entretanto, felizmente alguns dos mais famosos rodaram sem problemas aparentes.

Trabalhando com alternativas mais viáveis


É bom deixar claro que existem ferramentas que são multiplataforma, ou seja, que você pode usar não somente no Linux, mas no Windows e no macOS também, e que são extremamente poderosas. Se você costuma acompanhar os nosso DioCasts, já deve ter visto a quantidade de convidados que nós já trouxemos que usam Linux para trabalhar com artes gráficas e audiovisuais. Vou deixar alguns episódios como sugestão aqui para você conferir, mas se você der uma vasculhada vai encontrar muitos mais:





Estes 4 episódios acima somados dão cerca de 4 horas de conteúdo relacionado ao tema com vários profissionais de cada uma das áreas, vale a pena conferir se você ainda está relutante e tem dúvidas sobre essas profissões utilizando softwares que rodam no Linux. Você pode simplesmente deixar eles rolando no seu navegador enquanto faz outras atividades e curte o conteúdo, tenho certeza que será muito proveitoso.

Eu vou ficando por aqui, espero que o artigo tenha sido útil e que te ajude de alguma forma! :)

Se você achou o conteúdo bacana, uma forma de você pagar este esforço sem gastar nada é compartilhar nas suas redes sociais, marcar os seus amigos e mostrar este conteúdo para eles também, assim você nos incentiva a continuar criando este tipo de material.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo