Home » tutorial

Veja o Steam funcionando via Flatpak

Flatpak é um dos novos e revolucionários formatos de empacotamento para as distribuições Linux, juntamente com o Snap e com o AppImage, além de multidistro, um pacote Flatpak elimina a necessidade de caçar dependências para instalar os softwares, sejam elas instaladas automaticamente ou manualmente.

Steam Flatpak



Aos poucos mais aplicações são empacotadas no formato Flatpak, existe inclusive uma lista de aplicações já consideradas estáveis no site do projeto, entretanto, outras continuam a surgir. Uma interessante que apareceu recentemente foi o Steam da Valve, a plataforma de venda e gerenciamento de games.

O Flatpak do Steam ainda não é considerado estável e requer correção de bugs e ajustes, no entanto já está funcional para uma parte considerável de jogos.


O meu grande amigo Renato, do canal FastOS, fez um teste do Steam via Flatpak e já podemos ter uma noção de até onde estas primeiras construções podem chegar. 

Toda vez que uma nova forma de trabalho (especialmente na tecnologia) é desenvolvida, é necessário adaptá-la e testá-la, então os problemas esperados de uma situação nunca encontrada anteriormente como esta estão realmente acontecendo e certamente serão corrigidos com o tempo.

Existe uma série de vantagens práticas com baixo custo a se "pagar" ao utilizarmos os Flatpaks (ou Snaps e AppImages), uma delas, no caso do Steam, que ainda necessita de muitas bibliotecas de 32 bits, mesmo em sistemas de 64, é justamente eliminar as bibliotecas cruzadas nas distribuições para rodar a aplicação, colocando tudo em um pacote único, a desvantagem é o tamanho do pacote que tende a ser um pouco maior, mas ainda assim, considero, como comentei, um "preço" baixo a se pagar pela comodidade, visto que armazenamento tende a ficar mais barato com o tempo. Entenda melhor os Flatpaks aqui.

Como instalar o suporte a Flatpak na sua distro?


O projeto Flatpak está disponível para todas as distribuições Linux, ou pelo menos, toda as principais. Temos um artigo especial para te ensinar a habilitar o suporte a Flatpak em todas elas, basta clicar aqui para aprender a usar esta nova tecnologia.

Instalando o Steam via Flatpak


Uma vez o suporte a Flatpak habilitado, a instalação é a mesma em todos os sistemas, então para testar esta versão do Steam neste formato, basta usar o terminal e rodar os seguintes comandos:
sudo flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo
Depois instale: 
sudo flatpak install flathub com.valvesoftware.Steam
Provavelmente o logo da Steam vai aparecer no menu do seu sistema, assim como o Renato mostrou no vídeo.

Os Flatpaks me parecem estar com comandos simplificados para quem for operar via linha de comando, ao menos perto do que tínhamos no início, mas ainda assim tem "muita coisa" para se digitar, por assim dizer, é preciso sempre simplificar, seria bom algo como: sudo flatpak install steam, não? Coisas assim devem ser ajustadas com o tempo, claro, mas em fim, apenas uma observação.

Se você testar o Steam via Flatpak deixe um comentário abaixo informando a sua experiência.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 20 de junho de 2017

Como instalar e gerenciar pacotes Flatpak nas distribuições Linux

Há algum tempo atrás eu fiz aqui no blog duas matérias relacionados ao Snap, uma delas mostrando como você instala o suporte a eles em qualquer distribuição e outra ensinando a utilizar a ferramenta. Hoje é a vez do Flatpak com um combo! 😊 

Como instalar e utilizar os pacotes Flatpak




Tecnologias revolucionárias como o Flatpak e o Snap são ótimas, mas elas carecem da mesma coisa, justamente por conta de serem novidades, que é documentação coloquial. Por mais que existam manuais oficiais, sempre há algo que foge àquele conteúdo. Hoje eu vou te mostrar como fazer a instalação do Flatpak na maior parte das distribuições Linux e te dar as diretrizes básicas de como se utilizam estes pacotes.

Instalando o Flatpak na sua distribuição Linux


Basicamente o pacote é o mesmo em todas as distros, variando de acordo com o sistema e seu gerenciador de pacote, então vamos para a pequena lista em ordem alfabética:

Alpine Linux

O suporte a Flatpak pode ser instalado desta forma:
sudo apk add flatpak

Arch Linux (Manjaro/Antergos)

O suporte a Flatpak está disponível diretamente dos repositórios oficiais, e também existe a versão do AUR. Você pode instalar desta forma:
sudo pacman -S flatpak
No Arch, para ter as ferramentas de desenvolvimento (Flatpak-Builder) funcionando corretamente é necessário instalar algumas dependências extras, mas isso só serve para você que for desenvolver os pacotes, usuários comuns poderão usar apenas o comando acima.
sudo pacman -S --asdeps --needed elfutils patch
Debian

Com o lançamento da versão 9 do Debian que tivemos na semana passada, o suporte a Flatpak pode ser instalado à partir do repositório oficial também.

su root
(digite sua senha)
apt install flatpak
Para o Debian Jessie será necessário usar o repositório Backports.

Fedora

Do Fedora 23 em diante você habilita o suporte ao Flatpak facilmente com o comando:
sudo dnf install flatpak
Gentoo

Atualmente não existe uma forma oficial de instalar o Flatpak na distribuição, entretanto, existe um método não oficial que pode ser encontrado aqui.

Mageia


Instalar no Mageia é simples também, inclusive existem duas formas de fazer isso, dependendo do gerenciador de pacotes que você preferir utilizar. Lembre-se de executar os comandos como root, como no Debian:
dnf install flatpak
Quase igual do Fedora, não é? Outra opção é caso você prefira utilizar o urpmi como gestor, neste caso seria (também como root):
urpmi flatpak 
openSUSE

No openSUSE também existem duas formas de fazer a instalação, dependendo de qual versão do "Rei lagarto" você use. Se você usa a versão Leap ou Tumbleweed, em ambos os casos você pode usar o método 1-click install através do Yast, ou caso use a versão Tumbleweed em específico, você pode instalar via Zypper também:
sudo zypper install flatpak
Ubuntu (Linux Mint/elementary OS) 


No Ubuntu varia de acordo com a versão, caso você esteja usando a versão 17.10 ou superior, o flatpak já está no repositório e você pode instalar com um simples "sudo apt install flatpak", no entanto, para quem usa o Ubuntu 16.04 LTS ou 17.04 é necessário usar o PPA oficial, o mesmo vale para Linux Mint e elementary OS (ambos baseados na LTS) e as outras derivações oficiais do Ubuntu (Kubuntu, Xubuntu, Ubuntu MATE, etc) respeitando o seu versionamento.
sudo add-apt-repository ppa:alexlarsson/flatpak
sudo apt update
sudo apt install flatpak
Isso cobre a maior parte das distribuições, agora vamos aprender a utilizar o Flatpak.

Como usar os pacotes Flatpak 


Vamos fazer agora do gerenciamento de pacotes Flatpak básico para você poder atualizar as aplicações, instalar e remover e fazer consultas sobre informações.
Quer aprender a fazer isso com o apt? Confira este artigo.
Acho que em primeiro lugar é bom que você saiba que pode consultar toda a documentação sobre o Flatpak disponível atualmente aqui,  no site você encontra informações sobre a estrutura dos pacotes, como criá-los, como criar repositórios, etc.

A grande questão que deixa um pouquinho mais complicado o Flatpak em relação ao Snap atualmente é que você precisa adicionar um repositório específico para cada programa em muitos casos, então é importante que o desenvolvedor te informe isso, você pode ver alguns exemplos nesta página na aba "Command Line".

Os pacotes Flatpak possuem os chamados flatpakref, que como o nome sugere, são pacotes quem contém referências para o download das aplicações e servem de intermediário, futuramente esses pacotes serão gerenciados diretamente com as centrais de aplicativos, como o GNOME Software, permitindo que os pacotes sejam instalados com dois cliques como qualquer deb ou rpm (assim como os Snaps), porém, atualmente, ao menos eu meus testes este recurso ainda não está funcional. Quando a integração estiver perfeita, a necessidade da adição manual dos repositórios poderá ser contornada.

O conteúdo de um flatpakref é basicamente este abaixo (LibreOffice), composto do nome do pacote, informações do repositório, como a URL do mesmo, qual é a versão de lançamento dele, chave GPG e link para o Runtime do Flatpak, etc.

[Flatpak Ref] Title=The Document Foundation LibreOffice Name=org.libreoffice.LibreOffice Branch=fresh Url=http://download.documentfoundation.org/libreoffice/flatpak/repository IsRuntime=False GPGKey=mQINBEyzEr0BEADT441wUITsTwDA2nM3kmUhGrzTdxZB5xv/E1ZJCw63qWdmdTdWNZDfNDuLs4r2VjlEoA3xGK6jgnQvyAoNj0yiEbW/JedHHgOiVdXDlkgkY58myafTFXqDLzTXVrsNnay0GS8XrNjptZJPhEPBvNUdkqpA9B7RTkfaXj779Pf/AeFMZVLlUAci5RA0NNF910GHwoXT6SEv2PGoawsphnfmMVdKh9wz7asbtKXEmotCwX3k045xLsIVK5ANOi+BI9C3LkrrFJWw2XHqDW2ulwCJ0L5QNSjOuY/v8REODwIXamvvdZOzXBKSIzDOalJqFCHls3YlGyFw1knr6BAOmVOm32YtNTCLbVA/iK55fZWnUCjD3a4Gxz4qpQYWfpxhOmlHpk5JkraSNHzCc7SB43DwcHF5ecXHttMhO8MoN/bAZBgCuLGFEwNvwFbDwIWo07mlv7wD8i1rtUCvLywJc5YL2PbjCLfB1Q4YzDX1EWnjKdnAsxxKftrx1DFlxzUF+TaHbLTPttUcsWQaL8wITznoWIwdIWlo2woPgWIpUXMOYwYV31OofgmroHa3V4NOvkke09uhaZawg5yZCoRFohhfKPqT1ZrJ9SnRbW/WR3VTVY76ht5kRuV3eb2VWBmPU9zn56Tbe6dvFkBuzHH1JdECAqy1BzFcmQQFBebFzf1XAQARAQABtEhMaWJyZU9mZmljZSBCdWlsZCBUZWFtIChDT0RFIFNJR05JTkcgS0VZKSA8YnVpbGRAZG9jdW1lbnRmb3VuZGF0aW9uLm9yZz6JAjcEEwEKACEFAkyzEr0CGwMFCwkIBwMFFQoJCAsFFgIDAQACHgECF4AACgkQ9DSh76/urqOc4w//X+74QlyRalcuLNw3oJKB1+1z6xxhhpwg1kw5cMMrGu0w0YoPvLDKaiS02DdkIaXDECcQTOoEh7/bYbZq6OtE1WyxqHYYOPK5yul5FRwZ5k5HZ7pDFcKCQ72UgWhz+QznRhgZ0jwEWl5Ln3rwJpSynIvTXHmQogId0xmcrNQPyckzzugGx4qZFinSOmDGwTgG14NU3vat2iek37PhBLh5V8ohlEoccwwPejtKEWQudg0Q8K7uBuqLUhnJoZodEytqpOvtysuPtGxGXnmD7oXtBVEF3X6eFRXDIp81cx2isHK4Krf4z4T9KUimNLHjWRa+ZQtp2pZLHQlblfsnCUf6TYZ0Yi909EhcM/hxAgBZXellOCQ/8U2cJsTUyN5Dp1wbf6X0uK4uaed1/037EGLAO6PP6WQz6jWd1/hhsQ5oAmdjkzlMFEfKNeIIDuKMOjXcTvM8/KRXhufwICvSFBlSIveHfDFWCvOVgq0VjAY7NFMFKRUnRHB58qBamtyhOyscRIvT5QH8HYfUA/YNl9FguczYUIQi3t+H1hoHIywdtmRuhYx5WlIUe8FO9QD5RMPbBjVbkCYgdHdxgnJDKCoRGsoKlLB7UZc4Ak9j6plZbYtFRonm2MjU4zxblCFNuEqVQ0V/y6/OIGpBYF9YaEAtTgEJd9OmmDCM3d8O0zZHYma5Ag0ETLMSvQEQAMDp0HxSDWd+2Od/aJutCMFe8tfw7+nP9gfHOCUqesb88QvRMJgVY6z1aNdMllxTKlsxUiuA6uNcrUAkzDp/qRWR58rWIO642PLifng3urJ1cDbSKC+K4RHpQC+hXllMKLqq8dwNy1LO4fPo9SdtUF4Bev6enKmo4yCiOGv2tvztPh9gMGYoDncaOsS0t2UPr2MMQIVUmmIzfJBkdOxbZiWOdoeNbWsYJHQaO+Ahal6SjPHKzhdjeXhZzHl1vqeDkV4MXHprrOwXNXwPiEpkZe2Odc7yaMkQc0k8WRrfKHApbnwDx6Mi8HYaf+LvRq7P0eMO9osD1q44wQQvVzk199zpMMHS5/kAv7RBNmDOSJQIZ4zT4lzRDODjMf01Ljn02zon12GfJo0WbbpmLulta7ujHgMrUU54by8WPFGW0fljXiDX0EpkHhxUsUsfaNfBsFnE+sRxQjNF/ljvofkyApI21OjtEa9krwvgDqaXsL+a2076OsoFpORlTZ30REb0eRS6rEt8M+7s4xTaA7GFxlY/N+bnaM8m+ItygfFHHW4H0wLbbgajDeooSTgaheVNF5V9HS0EkN4MNVvtJH7J6drdiR1QVhX87n7+JtQzTtCOyfeKjaB+kcbAm/2VOFOeHdig5+BygpXt3IixVq72xmGzh0jhY565MjXrqg5O3pvLABEBAAGJAh8EGAEKAAkFAkyzEr0CGwwACgkQ9DSh76/urqPaeg//avI2/a94XlSYtSZb2hVdW3qa9AEypQurqtVrKJfEKFV+ZQBPXbPRy8Mz5LMEH1sfD6B4SVGIGJ8opSyieJkcKIke+GMekTWvSqDpFOgY2rw7eHNn/33ZJs3OzQOyWz8smE/AIM/5lyiVGuSlU7RjYncf1V9bIBc91q9Edqk4IYUo/7W+yafC0VW/8oHUFYjHNaujiOsEoLiXsh9Y0R/6Jxs6fvE4XbCANV/ecN5UX+9BBrNZNN/9GbNr6CYGZ57M2f1Pgywy/XvOnEPnJ8aWXUyGLqq34KvMPFPSOeAmFbkFEsB4mdDMFaDwrzziiZE/zS8/nKiH4X2JgmLgFsadEihdfYxeDcGbhREK/qA1f3bGnr1j05V07yko2FFZdiOr4OgiT5ymgwVUXQ2Aiz+J/C8URjfpcPxetmuDQT9AYfgmMKPNVXPFWuNQdzN5GZbI+E1/cb5+uLNknvjngw2G4PR/4uPHX1HCSftlNawBqWzyun1k+B7/u3OeFebWXcdqSmZuLQ7l0Pkuz/Nlp6M6cKpceL+9zCgaiR5+v9h94VvtXKd/mw9ZLACcVcOANiwCtsJP3lt7jRSHtkuUe6vUm5tLS582RfXxoI1BlPjNtG9xAQ3JKBHIXbalT18pAFO3t74cxg3h0iI1G51F3oL0DwILP2MBBmardVEp5CMnB/M= RuntimeRepo=https://sdk.gnome.org/gnome.flatpakrepo


Tirando a questão dos repositórios que podem variar de acordo a aplicação, o manuseio é simples de se fazer:

flatpak install nome_do_app - Instala uma aplicação ou um Runtime, por exemplo, flatpak install spotify.

flatpak update - Atualização uma aplicação ou Runtime, pode ser usado para uma aplicação específica também ou para um conjunto, como flatpak update skype.

flatpak uninstall - Como é de se supor, esta opção serve para remover um pacote ou Runtime, por exemplo, flatpak uninstall libreoffice.

Para saber o nome dos pacotes Flatpak que você tem instalado, você vai querer usar o:

flatpak list

Vamos agora para algumas opções um pouco mais avançadas:

flatpak info nome_do_app - Mostra informações sobre a aplicação.

flatpak run nome_do_app - Roda o App com o nome indicado

flatpak override - Este parâmetro serve para sobrescrever os requerimentos da aplicação.

flatpak make-current - Produz uma versão específica do app indicado (develop)

flatpak enter - Entra em uma aplicação

flatpak document-export - Exporta um arquivo para o modo Sandbox

flatpak document-unexport - Para a exportação iniciada com o comando anterior

flatpak docuiment-info - Mostra informações sobre os Apps exportados

flatpak document-list - Lista os arquivos/Apps exportados

flatpak remotes - Lista os repositórios remotos habilitados

flatpak remote-add nome_do_repositório - Adiciona um repositório Flatpak

flatpak remote-modify - Modifica um repositório remoto

flatpak remote-delete - Deleta um repositório remoto

flatpak remote-ls - Mostra as Runtimes e aplicações disponíveis

Estes são os principais, mas existem outros especialmente voltados para desenvolvedores, vale a pena conferir o link que eu passei anteriormente com a documentação, para quem estiver interessado em desenvolver pacotes Flatpak, o site do projeto explica como você pode baixar o SDK e começar a fazer seus primeiros pacotes neste novo formato.

E claro, outra forma de você conhecer mais e entender os parâmetros de manuseio do Flatpak via linha de comando e usar o bom e velho:
flatpak --help
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como criar um Shell Script simples para automatizar a instalação de programas no Linux

Uma das coisas mais legais do Bash é o poder de automatizar tarefas, até mesmo na própria linha de comando. Hoje você vai aprender a criar um simples Shell Script para instalar um programa.

Shell Script




Para você entender o conceito, vamos dar um exemplo com um programa popular e simples, o GIMP. O GIMP é um manipulador de imagens que está no repositório de todas as distros Linux praticamente, como exemplo nos comandos vamos usar o gerenciador de pacotes "apt", comum no Debian, Ubuntu, Linux Mint e derivados, apesar disso, entendendo o conceito, você pode aplicar em qualquer distro, basta entender o gerenciador de pacotes dela e os comandos que ele aceita.

Claro, o GIMP pode ser instalado por centrais de apps sem comandos, pode ser também instalado com um simples # apt install gimp mas a intenção é te mostrar como você pode estruturar um script para automatizar a instalação de qualquer programa ou de vários ao mesmo tempo.

Vamos imaginar que você queria instalar o gimp a partir do terminal.

Muito provavelmente os passos que você dará serão:

1) Atualizar os repositórios
$ sudo apt-get update
2) Instalar possíveis atualizações do sistema:
$ sudo apt-get dist-upgrade -y
3) Efetivamente instalar o pacote.
$ sudo apt-get install gimp

O processo manual da instalação de um programa pode levar algum tempo, pois você deverá esperar que o primeiro comando termine sua execução para digitar o próximo.

Nem sempre atualizar repositórios é rápido e portanto é o seu tempo que está sendo gasto esperando algo que poderia facilmente ser automatizado.

O primeiro nível de automatização que poderíamos fazer aqui é criar uma fila de comandos (chamadas de listas) que serão executados pelo Bash em sequência.

Para isso basta separar os comandos com um ponto e vírgula:
sudo apt-get update ; sudo apt-get dist-upgrade -y ; sudo apt-get install gimp -y
Apesar de já automatizar um pouco o processo, não há praticamente nenhuma lógica envolvida.

Você muito provavelmente não deseja executar um "dist-upgrade" se o "update" falhar antes por qualquer motivo. Certo?

Aqui chegamos no nosso segundo nível de automatização. Em vez de usar o ponto e vírgula, podemos separar os comandos com "&&", e desta forma o Bash somente executará o comando seguinte se o anterior finalizar a execução com sucesso.
sudo apt-get update && sudo apt-get dist-upgrade -y && sudo apt-get install gimp -y
Agora já melhoramos bastante o processo, porém no caso de algum dos comandos retornar falha, esta fila de comandos simplesmente para de ser executada sem qualquer tipo de aviso mais elaborado para o usuário.

É possível em linha de comando adicionar mais lógica para continuar aperfeiçoando este nosso procedimento, porém este é aquele momento em que talvez seja mais proveitoso se criar um script de verdade e deixar o processo legível, em vez de simplesmente criar uma "tripa" de comandos que depois poderá dificultar a sua vida na hora de encontrar e consertar qualquer erro.

Para este nosso exemplo, usaremos o próprio "if" do Bash (que é uma estrutura de condicional explicada brevemente neste vídeo aqui)

Basta criar um arquivo de texto que você pode 'chamar do que quiser .sh", tipo "batatinha_quando_nasce.sh" e inserir os dados que vamos te mostrar. Tá bom, talvez seja melhor criar um arquivo chamado instala-pacote.sh o seguinte conteúdo:

#!/bin/bash

echo Atualizando repositórios..
if ! apt-get update
then
    echo "Não foi possível atualizar os repositórios. Verifique seu arquivo /etc/apt/sources.list"
    exit 1
fi
echo "Atualização feita com sucesso"

echo "Atualizando pacotes já instalados"
if ! apt-get dist-upgrade -y
then
    echo "Não foi possível atualizar pacotes."
    exit 1
fi
echo "Atualização de pacotes feita com sucesso"

# note que $1 aqui será substituído pelo Bash pelo primeiro argumento passado em linha de comando
if ! apt-get install $1
then
    echo "Não foi possível instalar o pacote $1"
    exit 1
fi
echo "Instalação finalizada"

Veja que utilizamos o operador "!" após o "if" para inverter o resultado do comando seguinte, portanto o conteúdo das condicionais (código que está entre o "then" e o "fi") somente será executado caso os comandos falhem na execução. Também utilizamos o comando "exit 1" para pedir ao Bash que interrompa a execução do script em caso de falha.

Para executar o script basta rodar a seguinte linha:

sudo bash instala-pacote.sh gimp

Desta forma podemos utilizar o mesmo script para qualquer pacote, e o "sudo" só precisa ser invocado uma vez. Basta passar o nome do pacote desejado em linha de comando e ver o Bash fazer o resto sozinho.

É possível melhorar e incrementar o script de diversas maneiras. Podemos imprimir mensagens com cores, suprimir a saída em tela do comando apt-get para facilitar a leitura, dentre outras coisas.

Basta ter criatividade e dominar a linguagem do shell script para poder automatizar praticamente o que você quiser.


Outra coisa que você pode fazer é incluir dentro do Shell Script os comandos para a instalação do pacote em específico, assim você pode rodar apenas o Shell Script e ele se encarrega de fazer a instalação para você.

Você pode por exemplo criar um script de pós formatação para o seu sistema, acrescentando repositórios, pacotes e programas que você normalmente usa, incluindo as opções para fazer a atualização do sistema e apenas rodar um Shell Script depois de instalar a sua distro e ir tomar café enquanto seu sistema é montando automaticamente. É mais do que bacana!

Nós lançamos nesta semana o nosso curso avançado de Shell Script, onde você vai aprender coisas como esta deste post e muitas outras para automatizar a sua vida de usuário Linux, as matrículas estão abertas até Quinta-feira, dia 15 de Junho e tem promoção especial para quem comprar hoje até a meia-noite. Corre lá pra conferir antes que fechem as matrículas.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 13 de junho de 2017

Como instalar o game PokerStars no Linux

O Poker é um dos games de cartas mais populares do mundo, isso não chega a ser novidade, mas um dos principais games online do gênero infelizmente não tem versão para Linux, como alguns usuários pediram, (na verdade foi um amigo meu que disse que só vai testar o Mint se rodar o PokerStars 😂) aqui vai um breve tutorial de como jogar PokerStars através do Wine sem complicação.

PokerStars




Aí está uma coisa que eu quero me dedicar a aprender jogar, já assisti alguns campeonatos e até comprei um Kit com fichas, mas está faltando gente pra me ajudar a praticar ultimamente. O jogo em si veio se popularizando ao longo dos anos e conquistou muitos fãs também, quem não lembra dos casinos de Las Vegas quando pensa em Poker, né?


Com a ascensão da internet, o jogo que já era muito popular, acabou se tornando praticamente um eSport, com milhares de jogadores ao redor do mundo, parece ser um passatempo muito bom para
aqueles dias chuvosos, é um jogo carregado de estratégia e competitividade, pra quem gosta de coisas do gênero é um prato cheio.

Falando do PokerStars


Se você gosta de Poker, saiba que existe um aplicativo do jogo de cartas que pode ser instalado na sua distro Linux. De todo o leque de jogos que o poker oferece, você pode encontrar cada um deles presente na plataforma de pôquer online PokerStars. Com a instalação do game é possível jogar em três modalidades: jogo aberto (você pode entrar e sair da mesa no momento em que quiser), sit and go (torneios curtos) ou torneios em si.

Esse jogo também permite apostas, claro, então é bom ficar atento, os modos de jogo possuem três limites de aposta: fixo, limite da mesa e no limite,que permite que você aposte todas suas fichas em um excitante e inesperado all in.

Como eu tinha comentado, o game em si foi desenvolvido apenas para Windows, mas isso não quer dizer (Felipe), que você não possa rodar ele no Linux! Especialmente porque ele é um aplicativo simples e você pode usar o Wine para rodar a aplicação, então aqui vai um passo a passo para você rodar o PokerStars no Linux.

1 - Precisaremos do Wine ou do PlayOnLinux, se você não sabe utilizar estas ferramentas ou tiver dúvidas, confira o nosso manual de Wine.

Se você não tiver o Wine instalado, você poderá fazer simplesmente procurando pelas aplicações na Central de Aplicativos:

PlayOnLinux


2 - O segundo passo é baixar o game normalmente, acesse o site do PokerStars e faça o download. 

Se preferir, você pode fazer o download também utilizando o comando:

wget -c http://www.pokerstars.com/PokerStarsInstall.exe


3 - Uma vez feito o download, agora vamos fazer a instalação. Abra o PlayOnLinux pelo menu do sistema, com ele aberto, clique no botão "Instalar".

PokerStars Linux Wine

Na janela que se abrir você pode pesquisar pelo PokerStars e instalar ele por ali, entretanto, para garantir que você tenha a versão mais atualizada, vamos usar o arquivo que você baixou no segundo passo. Para isso, ao invés de instalar através do ícone do PokerStars que aparece ali, você deve clicar na parte inferior onde está escrito "Instalar um programa não listado".


Ao clicar na opção, um utilitário será mostrando, basicamente você precisa avançar, haverá apenas uma opção onde você tem que digitar no nome do prefixo que você deseja, pode digitar apenas "PokerStars", sem aspas.

PokerStars Linux Wine

PokerStars Linux Wine

PokerStars Linux Wine

PokerStars Linux Wine

PokerStars Linux Wine

Se você seguir os passos corretamente, você chegará na seguinte tela, onde será necessário encontrar o instalador do game:

PokerStars

Depois de selecionar o instalador basta clicar em "Avançar" mais uma vez, após isso o instalador do PokerStars vai se abrir, então basta seguir o processo de instalação tradicional, como no Windows.

PokerStars

Após o processo de instalação terminar, é possível abrir o game clicando no ícone dentro do PlayOnLinux, na Área de Trabalho ou no menu do sistema.

Se era pelo Poker que você não estava no Linux, agora não é mais! :D

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.





quinta-feira, 18 de maio de 2017

GNOME Dash Fix - Agrupe automaticamente os aplicativos do Gnome Shell com este Script

Confesso que eu tenho várias algumas queixas com a organização do Gnome Shell, ele tem vários pontos positivos também, mas com certeza a organização dos aplicativos não é uma delas. Hoje você vai aprender a categorizar os aplicativos do Gnome Shell em qualquer distribuição.

Gnome Dash Fix




Como você pode ver na imagem acima, é basicamente isso que vamos fazer, agrupar os aplicativos em suas devidas categorias, por mais críticas que o Unity recebesse, ele possuía nativamente a opção de filtrar os resultados por categorias, coisas que o Gnome Shell, que será a nova interface padrão do Ubuntu não permite.

Na  minha opinião, a criação destas pastas no Dash do GNOME Shell deveria ser tão simples quanto é no Android, criar pastas com cliques com o botão direito, arrastar um App sobre o outro para criar um agrupamento, ou ao menso possuir esse modo categorizado por padrão e outra versão no modo GRID, assim com faz o Deepin.

Ajustando o Gnome Shell

Baixe o pacote .zip com o Script para corrigir o GNOME Shell daqui. Extraia para uma pasta de sua preferência, dentro da pasta extraída você encontra o arquivo appfixer.sh, clique com o botão direito do mouse sobre ele e vá nas propriedades, lá você encontra a aba de permissões, nela você deve marcar o arquivo para leitura e escrita no seu usuário e também para ser executado como um programa, como na imagem acima.

Appfixer

Clique com botão direito do mouse em um espaço em branco dentro da pasta que você extraiu os arquivos anteriormente e selecione a opção "Abrir em um terminal", agora basta rodar o comando:
./appfixer.sh
Como você pode ver na imagem acima. É só isso, nenhum mensagem aparecerá, mas ao abrir o menu do GNOME Shell novamente você já verá os aplicativos organizados.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 11 de maio de 2017

Como instalar a última versão do VLC no Ubuntu e no Linux Mint

O VLC Media Player é pra mim o melhor programa da categoria do mercado, sendo uma aplicação que possui versões para todas as plataformas que você puder imaginar (talvez até as que você não consiga) e tem se mantido em meu computador como uma das ferramentas mais úteis ao longo dos últimos anos.

VLC Media Player




O VLC disponibiliza uma versão Nightly para os usuários, essa é a última versão do player e normalmente traz recursos interessantes, ainda que experimentais, como a compatibilidade com o Google Chromecast. 

Usuários do Ubuntu e do Linux Mint podem utilizar um PPA para ter a última versão disponível do VLC Media Player:
sudo add-apt-repository ppa:videolan/master-daily
sudo apt update 
sudo apt install vlc
Se você preferir instalar sem utilizar o terminal, confira este artigo que te mostra como usar PPA em modo gráfico. 
VLC em sua última versão

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 10 de maio de 2017

Instale o tema GTK e ícones do Deepin em outras distros Linux

O Deepin é uma distribuição Linux sem par quando se fala em design e conceitos elegantes de interface, ainda que isso não seja tudo em um sistema operacional, certamente é uma parte importante, por isso vamos aprender a transportar um pouco deste "charme" para outras distros.

Deepin Linux Theme para Ubuntu e Linux Mint
Linux Mint Cinnamon com o Tema



Os temas do Linux Deepin estão disponíveis da página do projeto GitHub, assim como o código fonte de todas as demais aplicações próprias. Então os interessados em usar o tema GTK do Deepin e os temas de ícones do sistema, podem fazê-lo sem maiores problemas.

Pelos testes que eu fiz, somente o tema GTK não ficou muito bem adaptado ao Ubuntu 16.04 LTS e ao Linux Mint 18.1, mas em distros que usarem uma versão do GTK mais recente ele funcionará bem. Ainda assim, com alguns ajustes os temas ficarão muito bem.



Quem se interessar em baixar os fontes pode fazê-lo dali, mas para facilitar um pouco a instalação, eu criei um pacote .zip para você simplesmente extrair para a sua home e instalar automaticamente os ícones.
Baixando o pacote .zip de 14 MB aproximadamente, basta extrair as pastas ".themes" e ".icons" para a sua pasta pessoal, elas serão pastas ocultas, depois disso, vá até a ferramenta de ajustes de temas e configure os temas conforme desejar. Dando o exemplo do ambiente Cinnamon, eu o configurei desta forma para ficar com o visual harmonioso que você vê na primeira imagem deste artigo.

Configuração de tema

Além dos temas GTK e de ícones, também ficará disponível para você o tema de cursores do Deepin, que também é muito belo.

Se quiser levar um pouco mais do design do Deepin para o seu sistema, você pode baixar também os papeis de parede da distribuição, é uma bela seleção de imagens, sem dúvida.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blender - Como renderizar projetos 3D com GPU NVIDIA (CUDA) no Ubuntu e no Linux Mint

O Blender é um poderoso programa de manipulação 3D, como Maya, 3D Studio Max e Cinema 4D.  O programa traz consigo dois motores de renderização, o Blender Render, mais antigo, e o Cycles Render, mais moderno e com simulação de luz mais realista. Mas renderizar um projeto 3D pode ser algo muito pesado e demorado. O Cycles Render, felizmente, aceita renderização via placa de vídeo, ou seja, via GPU (o Blender Render somente aceita renderização via CPU).

Renderizar via GPU proporcionará uma economia enorme de tempo. A diferença de tempo de renderização entre CPU e GPU pode superar os 50%.

Render GPU - Blender




Antes de continuar com a explicação, alguns avisos: 

-Este tutorial usou o Ubuntu 16.04 (versão LTS) como base, mas deve funcionar em todos os derivados, incluindo o Linux Mint, no qual nós também testamos.

-Você não conseguirá renderizar via GPU se seu projeto requerer mais memória do que sua placa de vídeo possui;

-Se você usou algum recurso 3D que ainda não é suportado via GPU, também não será possível usar sua placa de vídeo. Mas a cada versão nova do Blender o suporte à GPU aumenta.

Passo 1: Instalar do ToolKit


Para trabalhar com renderização utilizando CUDA, você precisa obviamente de uma placa Nvidia e também precisa que os drivers estejam instalados corretamente, use de preferência os drivers mais recentes para o seu sistema.

O primeiro passo para usar a renderização via GPU é instalar o toolkit do CUDA (que é a tecnologia de GPGPU da NVIDIA, cujo objetivo é permitir programação de propósito geral via GPU). Para instalar o toolkit via repositório padrão do Ubuntu ou do Linux Mint, execute o comando:
sudo apt install nvidia-cuda-toolkit nvidia-modprobe
Após, reinicie o sistema operacional.

Passo 1 (Alternativo): Instalação do ToolKit 

Antes de passar ao passo 2, também é possível instalar o toolkit através do site da NVIDIA, se você instalou pelo terminal, não é necessário fazer este passo. Para tanto, acesse o link https://developer.nvidia.com/cuda-downloads. Uma vez no site, siga o roteiro abaixo.

1 - Escolha Linux

Nvidia CUDA Linux

2 - Escolha a arquitetura x86_64 (essa é a arquitetura dos PCs, sejam desktops ou notebooks);

Nvidia CUDA Linux

3 - Escolha sua distribuição (aqui usaremos o Ubuntu);

Nvidia CUDA Linux

4 - Escolha a versão do Ubuntu. As duas opções listadas são LTS. Se seu Ubuntu for mais recente, escolha a versão para Ubuntu 16.04 (Essa seria a opção para o Linux Mint 18.x também);

Nvidia CUDA Linux

5 - Escolha o tipo de instalador. Recomendo usar a versão deb. Há duas variações, local e network. A versão local conterá todos os arquivos, e pesará cerca de 1.9GB. A versão network é apenas um instalador básico, e durante a instalação ele fará o download dos arquivos necessários.

Nvidia CUDA Linux

Nvidia CUDA Linux

Após baixar, instale o pacote deb. Quando a instalação terminar, execute os seguintes comandos:
sudo apt update
sudo apt install cuda
Reinicie seu computador. Após, abra o Blender.

Passo 2: Configurando o Blender para renderizar por GPU


Com o Blender aberto, vá no menu "File > User preferences…", no menu que se abre, clique na aba "System". No canto inferior esquerdo, onde está escrito "Cycles Compute Device", escolha "CUDA". Após, clique em "Save User Settings".

Configurando Blender para usar CUDA

Agora você ativou o uso de GPU no Blender, porém ainda é preciso alterar mais uma opção, no painel Render, para dizer ao Blender se ele deve usar a GPU no projeto corrente ou não. Então vá até o painel Render. Uma vez lá, na opção Device, escolha GPU Compute.

Blender Render

Durante a renderização a imagem é dividida em regiões, que por padrão possuem 64x64 pixels. O tamanho dessas regiões interfere no tempo de renderização. Valores pequenos são ideias para CPU, mas para GPU o valor 256x256 pixels é o mais adequado. Para alterar o tamanho das regiões, ainda no painel Render, expanda a aba Performance. Uma vez lá, na opção Tiles, altere os valores de x e y para 256.

Blender Render

Agora você já pode utilizar o Blender com toda a sua potência para renderizar os seus trabalhos. Esta foi mais uma contribuição do nosso parceiro, amigo e professor do Diolinux EAD, Júlio César, então fica aqui o meu muito obrigado, eu testei todo o processo no Linux Mint 18.1 também, e funciona perfeitamente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




sexta-feira, 5 de maio de 2017

Testando distribuições Linux pelo VirtualBox

Um dos pedidos mais recorrentes nos contatos do blog é algum material sobre a utilização do VirtualBox para testar distribuições Linux, afinal, são tantas opções e você pode "perder" muito tempo até ver como todas, ou boa parte, são em seus aspectos visuais e funcionais. Para este tipo de teste o VirtualBox é excelente.

VirtualBox - Testando distros Linux




O VirtualBox é um software desenvolvido e mantido atualmente pela Oracle, sendo que seu core é licenciado sob licença GNUv2, o que faz dele um software livre, entretanto, existem extensões para implementar funções, como reconhecimento de UBSs independentes do host e drivers pela melhorar o desempenho de vídeo que são obtidos facilmente através do próprio programa ou do site oficial e são de código proprietário.

VirtualBox

O funcionamento do VirtualBox é muito simples, qualquer pessoa consegue utilizar, basta prestar um pouco de atenção nas opções e especialmente ler as instruções que são todas descritas a cada etapa do processo. Preparei um vídeo especial para mostrar como eu utilizo a ferramenta para testar distribuições Linux.



Eu recomendo muito o VirtualBox para os meus alunos praticarem formatação, tanto de Linux, quanto de Windows, é uma ótima forma de repetir o processo e testar as coisas sem colocar em risco a integridade do seu computador ou sistema operacional real.

Dica adicional: Alguns sistemas operacionais vão rodar muito melhor se você ativar os "Adicionais para convidados" do VirtualBox, confira o vídeo:


Agora você já sabe o básico para fazer testes em sistemas operacionais, divirta-se testando as distros Linux ou outros sistemas operacionais.

Até próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 4 de maio de 2017

Pop Theme - System76 desenvolve tema para Ubuntu que será disponibilizado em seus computadores

Com a mudança de Unity para Gnome, um pouco da identidade visual que o Ubuntu criou ao longo dos últimos 7 anos acabou sendo deixada de lado junto, o que permite que a comunidade de usuários e empresas que trabalham com o Ubuntu profissionalmente possam "opinar" em como deve ser a nova aparência do sistema com Gnome e digamos que a System76 tem algumas boas ideias.

Pop GTK Theme Ubuntu Gnome


A System76 é uma empresa dos EUA que é especializada em vender computadores de alto desempenho com Ubuntu, e sempre personaliza os seus computadores, como qualquer outro fabricante, para dar uma melhor experiência de usuário ao seus consumidores e a aparência é certamente uma ponto crucial do mercado. Como o Linux permite que você vá além de simples implementações de hardware e drivers, a empresa buscou criar um tema que caracterize o seu produto.

Pensando neste tipo de coisa, a System76 criou um tema para o Ubuntu chamado "Pop Theme", que engloba temas de ícones e GTK que são compatíveis com qualquer ambiente, inclusive, não somente GTK, existe uma versão compatível com KDE também, ainda que ele fique efetivamente melhor no Gnome. Usando como base outros temas conhecidos e aplicando um visual próprio o tema chama atenção pela sua beleza e pelos efeitos, que lembram muito o material design do Android.

Pop Theme Gnome
Calendário, Notificações e controle do Player de Mídia (Spotify)

Pop Theme Gnome
Central de Controle

Pop Theme Gnome
Grid de Apps

Para instalar o Pop Theme no seu Ubuntu Gnome ou qualquer outra distro que tenha compatibilidade com arquivos .deb, basta baixar os pacotes contidos neste link e instalar dando dois cliques.

Depois de instalado, para ativar e configurar o seu novo tema vamos precisar do Gnome Tweak Tool, ele provavelmente já vem com o sistema, entretanto, caso não esteja, você encontra ele na Central de Aplicativos:

Gnome Tweak Tool

Quem preferir pode instalar através da linha de comando também:
sudo apt install gnome-tweak-tool
Uma vez instalado, abra ele e procure a sessão de "aparência", que é a primeira coisa que aparece na verdade, e configure os temas para "Pop" ou "Pop-Eta", a versão "Eta" é um pouco mais compacta e eu gostei um pouco mais, pois me parece aproveitar melhor o espaço na tela.

Gnome Tweak Tool

Teste as duas opções e veja de qual você gosta mais, depois me diga qual você escolheu. 

A System76 também trabalha com algumas fontes específicas, então se você quiser deixar o sistema com o "look completo", será necessário configurar isso também. Observe a sessão "Fontes" que fica do lado esquerdo e configure desta forma com estes tamanhos:

Fontes do PopTheme

As fontes seguem a seguinte configuração:

Títulos e Janelas: Fira Sans SemiBold Tamanho: 10 

Interface: Fira Sans Book Tamanho: 10

Documentos: Robot Slab Regular Tamanho: 11

Monoespaçada: Fira Mono Regular Tamanho: 11

Você encontra mais informações sobre esta fonte no GitHub.

Aproveite o seu novo tema e até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 1 de maio de 2017

Como testar novos recursos no Firefox antes de todos!

Se você gosta do Mozilla Firefox e gostaria de ficar por dentro de todas as novidades do browser, fazer experimentos e testar funcionalidades que podem entrar para o browser antes de todo mundo, este artigo é pra você!

Como usar Firefox Test Pilot






A Mozilla é uma organização que já está presente na internet a um bom tempo, sempre seguindo seu objetivo de manter a Web “saudável, aberta e acessível para todos”, é uma das empresas com maior ativismo nas questões das liberdades dentro desse âmbito, desde questões como perigo de monopólio do mercado na época do fim do NetScape, como também preocupações com privacidade de dados e criptografia e liberdade.

Uma das coisas mais interessantes sobre o Firefox e que poucos conhecem é o chamado "Test Pilot", que é uma ferramenta que permite que você teste ferramentas que podem ser incorporadas ou não em futuras versões do navegador. Essas ferramentas podem sumir de um dia para o outro, então não se apegue demais, certo? 😂


Firefox e experimentos


Firefox Test Pilot

Querido por muitos, o Firefox é um dos projetos com desenvolvimento ativo mais longos da história, e a Mozilla mantêm um programa chamado Firefox Test Pilot que é um facilitador para usuários testarem e opinarem a respeito de futuros recursos e add-on para o navegador da raposa (ou do panda de fogo, como queira).

Selecionei para este artigo um recurso muito legal que pode vir a entrar nos próximas versões do Firefox: o recurso Container Tabs. Mostrar ele também será uma forma de você conhecer melhor o Test Pilot.

Container Tabs, um novo recurso de usabilidade e privacidade


Os containers lhe permitem criar espaços no Firefox para diferentes atividade que você queira manter separadas, as etiquetas personalizadas e abas destacadas por cores ajudam a manter diferentes atividades — como compras on-line, planejamento de viagens ou verificar e-mails de trabalho — separadas.

Firefox Container Tabs

Como os containers armazenam os cookies separadamente, você pode entrar no mesmo site com uma conta diferente em cada contêiner e os rastreadores on-line não conseguem conectar a sua navegação à um outro contêiner. Assim, você pode manter as suas compras pessoais separadas da sua vida social e do seu trabalho, sem se preocupar em ser monitorado pela Web.

Firefox Container Tab

O processo de abrir uma aba dentro de um contêiner é extremamente simples, apenas aponte para o ícone de “mais”, serão listados os Contêineres que você possui, clique no desejado e pronto, a nova aba ira obter uma etiqueta colorida conforme a cor do Container escolhido.

Container Tab

Ao habilitar os Containers é possível gerenciá-los através do ícone do recurso que ira ficar localizado na barra de ferramentas.

Firefox Container
Nele é possível acessar as principais funcionalidades do novo recurso, dentre elas criar novos contêineres, como por exemplo um chamado “Acadêmico”, para abrir seus e-mails e contas relacionadas a vida acadêmica, sem que isso se cruze com suas outras atividades, basta clicar no ícone de “mais” ao lado de “Edit Containers”.

Firefox Test Pilot

De um nome, escolha a cor e o ícone de seu novo container e clique em “OK”.

Firefox Container Tabs

Você pode usar o mesmo menu para organizar as abas já abertas de um determinado container, bastando abrir o menu, clicar na seta ao lado do nome e ter acesso as opções.

Firefox Container

Firefox Container

Se interessou pelo recurso? Deseja testar e contribuir?

Este recurso assim como os outros recursos do Test Pilot (que mesmo sendo bastante estáveis) são funcionalidades experimentais, similar a um beta e não está totalmente traduzido para o português. Para testar este novo recurso basta acessar o link clicando em Firefox Test Pilot: Container Tabs e clicar em “Habilitar Containers”. Se quiser conhecer outras funções experimentais basta acessar esta página.

Finalizando


Este artigo foi construído de forma colaborativa, em sua maior parte pelo nosso querido leitor Gabriel L. P. Abreu, Técnico e estudante de TI, admirador de projetos OpenSource e Liberdade, assim como um admirador da Mozilla e suas contribuições.

Se você quiser fazer como ele mandar a sua contribuição pra gente, escreva-nos um e-mail com o seu material, vamos adorar recebê-lo!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.





terça-feira, 25 de abril de 2017