Home » tutorial

R-Linux - Ferramenta para recuperação de dados apagados no Linux

Hoje vou mostrar para você uma excelente ferramenta para quem precisa recuperar informações de um HD formatado com o sistema de arquivos Ext2, Ext3 ou Ext4. Conheça o R-Linux!

Recuperando dados no Linux




Quem já teve problema de perda de dados sabe o tamanho da dor de cabeça que isso pode gerar, existem várias boas ferramentas para Windows neste quesito, uma que eu gosto muito por exemplo é o Recuva, mas e para Linux? Como podemos recuperar arquivos em sistemas de arquivos Ext?

Vou te contar uma historinha sobre perda de dados, se você quiser ir direto para o tutorial, seja feliz! É só pular algumas linhas para baixo, vou deixar bem claro onde ele começa! 😉

Nos remotos tempos de 2009 eu trabalhava em uma empresa de tecnologia que era "bem multiuso", sério! Era uma escola de informática, provedor de internet, agência de desenvolvimento de sites, empresa de hospedagem e manutenção de computadores, era muito coisa! Eu trabalhava em todos os setores, em alguns mais, em outros menos.

Certa vez chegou um computador de um cliente com Windows 7 para a nossa "técnica", que não era tão técnica assim. O cliente simplesmente trouxe o computador e nos disse para formatar e instalar o Windows 7 novamente, perguntamos a ele se ele tinha arquivos para salvar, prontamente ele disse que não tinha nenhum arquivo que ele lembrasse ser necessário salvar.

Ótimo, serviço feito, no outro dia ele veio até a empresa buscar a sua máquina, fez o pagamento, levou para a sua casa. No mesmo dia ele apareceu novamente dizendo algo como (vai lá, leia esta parte com intonação):

"- Cadê as fotos do casamento da minha filha?

- Que fotos? [(seu animal!) essa parte foi só em pensamento 😆]

- As fotos! As fotos do casamento da minha filha! Não estão mais no computador!

- Mas o senhor nos disse claramente que NÃO PRECISAVA salvar nenhum arquivo...

- Mas tu tá loko! (sente o gaúches) Só tinha as fotos aqui! E agora!?"

Bom, mesmo que a gente tenha feito a ordem de serviço e ele tendo assinado dizendo que não precisava salvar nada, ele queria as fotos de volta. Como cliente tem sempre razão, lá fomos nós em busca de uma forma de recuperar os dados "do senhor que não sabe o que quer". Sorte dele que eu não tinha a visão de calor do Superman, porque alguém iria derreter na minha frente.

Bom, passamos o resto do dia passando diversos programas para tentar recuperar as fotos, segundo ele, eram cerca de 700 imagens, conseguimos recuperar pouco mais da metade e quando ele finalmente chegou para pegar o computador novamente, o cidadão ainda teve a capacidade de nos dar uma "ótima" notícia:

" - Minha filha tinha as fotos guardadas em um DVD, ela vai me mandar de novo quando vier lá em casa no final de semana, nem precisa mais recuperar nada!"

"Só espero que ele chute a quina da cama do dia seguinte! Só isso!" Pensei eu.

Claro, tem muitos erros e enganos no meio do caminho, a gente deveria ter especificado mais a situação, talvez ele nem soubesse o que a palavra "arquivos" significa, mas em fim, ficou a lição, além de procurarmos especificar sempre o que precisa ou não ser salvo, passamos a fazer backup das coisas independente do que o cliente diga, só apagando os dados depois de ter absoluta certeza de que nada foi perdido.

Programas de recuperar arquivos podem salvar vidas, e dependendo do caso, até tirar algumas também! 😈

Agora começa o tutorial sobre o R-Linux


O R-Linux é um programa muito interessante que eu conhece que permite que você recupere dados de partições Linux formatadas com ExtX, tanto de SSDs, quanto de Discos tradicionais.

R-Linux

Você pode baixar o R-Linux à partir do site oficial, lá você encontra o R-Studio, igualmente compatível com Linux, porém pago, e que tem suporte também para trabalhar com partições NTFS também, você pode testar uma Demo dele antes de comprar. Ambos também estão disponíveis para Windows e Mac, para Linux temos versões de 32 e 64 bits nos formatos .deb e .rpm.


Ao abrir o programa, selecione o disco ou partição que você deseja recuperar dados:

Informações do disco

Depois de selecionado o disco, clica no botão "Scan" que fica na parte superior do programa e veja as informações do disco do lado direito.

Recuperando arquivos

Para recuperar arquivos, você pode clicar com o botão direito sobre a partição/disco que você deseja recuperar e ir na opção "Open Drive Files" onde você chegará a um gerenciador de arquivos:

Recuperando dados

O programa vai escanear o seu disco mostrando os diretórios do lado esquerdo e os arquivos dentro dos diretórios do lado direito, para recuperar um arquivo basta clica com o botão direito sobre o arquivo desejado e clicar em "Recover...", depois disso basta selecionar a pasta de saída para onde você deseja recuperar o seu arquivo. Você também pode recuperar mais um arquivo ao mesmo tempo.

Outra forma que você pode usar para recuperar arquivos é selecionar a "Recover All Files", como está indicado na imagem acima desta última. Desta forma você não vai procurar arquivos específicos e sim recuperar todos os arquivos possíveis, neste caso é bom ter um bom espaço de armazenamento para colocar os arquivos recuperados, observe sempre o tamanho do disco ou partição que você vai recuperar.

Outro recurso do R-Linux que vale a pena comentar é o que de criar imagens de disco:

Criar imagens de disco

Ainda que não seja a função que você vai utilizar mais no R-Linux, essa função permite que você crie uma imagem completa do seu disco rígido, o "problema" é que o formato da imagem de dados que ele cria é compatível somente com ele mesmo, ou seja, você vai precisar do R-Linux para abri-la novamente.

Programas de recuperação de dados são o tipo de software que nós torcemos para que você nunca precise utilizar, mas caso necessite, aqui temos uma boa alternativa.

Outro programa que você pode utilizar, ainda que seja apenas em linha de comando, é o ExtUndelete.

Uma dica importante em caso de perda de dados é você evitar utilizar o sistema operacional o máximo possível, remova do disco do computador e tenta recuperar os dados através de outra máquina, quanto menos atividade no seu disco ou partição alvo da recuperação, melhor. Isso pode evitar que os dados sejam parcialmente ou totalmente sobrescritos e minimiza os problemas.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Safe Eyes - Uma ferramenta para te lembrar que você ainda é humano!

Sabe de uma coisa? Conforme o tempo passa a gente começa a se preocupar um pouco mais com o nosso "hardware", especialmente quando este provém o nosso sustento. Estou falando do nosso corpo, especialmente as mãos e os olhos, muita gente ganha a vida sentando em frente ao computador, mas se você não tomar alguns cuidados, isso pode ter um preço não muito agradável.

Safe Eyes App




É incomum termos aqui no blog uma matéria que pode acabar diminuindo a sua produtividade, mas continue lendo que você vai achar bacana, "te juro-te!"

O Safe Eyes é um aplicativo discreto que fica escondido a maior parte do tempo, mas que às vezes vai te lembrar que mesmo que você seja um cara que simplesmente "senta e trabalha" parecendo um verdadeiro operador da Matrix, você ainda é humano e tem necessidades básicas, como beber água e descansar um pouco o seu corpo e mente.

Como assim?

Então, eu sei que parece meio vago, mas é exatamente isso que o Safe Eyes faz. Ele vai interromper o uso do seu computador por alguns segundos, ou até um minuto, muitas vezes, te lembrando de fazer alguma coisa, como piscar os seus olhos um pouco, girar os olhos, levantar e caminhar por alguns instantes, beber água, recostar na cadeira e ajustar a posição do seu corpo.

De tempos em tempos o Safe Eyes vai escurecer a tela e te mostrar as instruções do exercício que você deve fazer, a tela fica mais ou menos assim:

Safe Eyes

Safe Eyes

A maior parte das interrupções são de 5 e 10 segundos e você pode pulá-las caso não queira fazer a pausa no momento em que ela for sugerida, contudo, existem configurações que você pode fazer para que a opção de "pular" não apareça, te obrigando a esperar o tempo delimitado.

Safe Eyes

Você pode configurar todos os intervalos como você quiser, desde a duração, até a quantidade de interrupções e o aplicativo está todo em português, o que facilita bastante para que qualquer um possa operar.

É bem bacana, não é, não? Especialmente se você for parecido comigo, que incontáveis vezes esquece até de comer enquanto fica focado no trabalho. Se você tem um senso de autocontrole mais alto e não precisa deste tipo de ferramenta, parabéns pra você! Tu és um "serumaninho" abençoado, eu tenho essa dificuldade, confesso.

Como instalar no seu Linux?

O Safe Eyes está disponível no GitHub para quem quiser instalar em outras distros que não sejam derivadas do Ubuntu ou o próprio. Para quem usa o sistema da Canonical, ou algum derivado como o Mint ou o elementary, você pode simplesmente baixar este pacote .deb diretamente do Launchpad, ou utilizar o PPA:

Depois de instalado, você encontra a aplicação no menu do sistema.

Dica adicional


O Safe Eyes ja ajuda muito você a manter o seu lado humano ativo enquanto você tenta conquistar o mundo pelo seu teclado, mas se me permite a ousadia da sugestão, outro programa bacana pra você ter, especialmente se você tem problema com luminosidade e seus olhos são sensíveis, é um corretor de tom de monitor como estes:

- RedShift

- F.lux

Já usei ambos, atualmente uso o mais o F.lux, são ótimos!

Até a próxima e fique de olho na sua saúde!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Green Recorder - Um novo App para gravar a tela do seu Ubuntu

Quem gosta de fazer captura de tela, gameplays ou tutoriais, sempre está de olho em aplicações com a funcionalidade de gravação de desktop. Existem alguns muito bons para Linux, como o OBS Studio, Simple Screen Recorder e o Kazam, para citar três, mas hoje você conhecerá outra boa opção.

Green Recorder




Comparando o Green Recorder com as outras aplicações que eu comentei, ele é que tem menos opções de configuração, mas a ideia dele é justamente ser simples, você clica para gravar e clica para parar de gravar, resume-se a isso e convenhamos, talvez seja exatamente o que alguns usuários desejam.

Green Recorder Ubuntu

O interessante para mim, é que apesar de simples, ele tem tudo o que você precisa para fazer gravaçoes; ele tem suporte a microfone e a selação de formatos diferentes de codificação, como MKV, AVI, MP4, WMV e NUT; seleção da taxa de frames e também do dispositivo de entrada de áudio. Uma vez que você inicie ele, aparecerá um indicador na barra superior do Unity, por lá você pode parar a gravação.

Como instalar o Green Recorder no Ubuntu


Para fazer a instalação você precisa adicionar o seguinte repositório: ppa:mhsabbagh/greenproject

Clique no menu do sistema, pesquise pelo aplicativo "Programas e Atualizações", dentro dele clique no botão "Adicionar", na janela que aparecer coloque o PPA acima, como no exemplo abaixo, posteriormente clique em "Adicionar Fonte", clique em "Fechar", agora é necessário fazer a atualização dos repositórios, se quando você fechar aparecer uma janela pedindo a atualização você pode fazer essa atualização apenas confirmando a ação, caso contrário, procure no menu do sistema pelo aplicativo "Atualizador de Programas" e deixe ele fazer uma atualização.

Adicionando repositório

Se você já tem o programa instalado, provavelmente através do aplicativo "Atualizador de Programas" você atualizará o mesmo, caso contrário, basta instalar o software pela Central de Programas do Ubuntu, o Synaptic, ou clicando no botão abaixo:

Instalando pelo terminal


Se você já fez o procedimento acima você não precisa repetir usando o terminal, isto é apenas para aqueles que preferem fazer a instalação desta forma. 

Basta copiar todo este código abaixo e colocar no seu terminal, depois de colar pressione a tecla "enter", digite a sua senha e pressione "enter" novamente, aguarde a instalação, ele estará disponível no menu do sistema depois que ela terminar.
sudo add-apt-repository ppa:mhsabbagh/greenproject -y && sudo apt update && sudo apt install green-recorder -y
Idependente da forma que você escolha para instalar, o Green Recorder vai estar disponível para você através do menu do sistema. Que quiser baixar o programa via .deb pode fazer isso diretamente da página do Launchpad.

Para outras distribuições, consulte a página do programa no GitHub.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

Como instalar PPAs no Ubuntu em modo gráfico

Aprenda a adicionar repositórios PPA sem digitar nenhum comando

Temos aqui um tutorial muito especial, eu havia prometido no meu vídeo "Como comecei a usar Linux" um tutorial ensinando como instalar repositórios PPA em modo gráfico.

Como instalar PPAs no modo Gráfico no Ubuntu




Por que aprender a instalar PPA dessa maneira?


Se você está se perguntando, "Para começar, o que vem a ser um PPA?" sugiro que leia o artigo que fizemos a respeito desse assunto, inclusive nele você encontra o passo-a-passo para aprender a instalar PPA em modo texto, ou seja, via terminal, explicando cada uma das partes para que você entenda o que está fazendo.


Se você não quiser ler explicações pule para parte "Instalando PPA pela interface gráfica"


Uma vez que você tenha entendido, vem a justificativa deste artigo, com o Linux a cada dia crescendo mais em usuários, começamos a atingir indivíduos que não curtem muito esse negócio de comandos, estão acostumados a usar o Windows e o Mac e raramente precisar destas coisas para coisas triviais como instalar programas.

No Ubuntu nós temos um repositório fantástico com mais de 30 mil softwares na Central de Programas prontos para instalar com pouquíssimos cliques do mouse, entretanto se você precisa de um programa específico é muito comum encontrar tais programas dentro de um repositório PPA e normalmente você encontra essas dicas em blogs como o nosso que mostrar como instalar esses programas via linha de texto, não é nada complicado, são apenas 3 comandos ( normalmente ) e bingo! temos o nosso programa instalado.

Porém nem tudo são flores e existem usuários que não querem chegar nem perto deste tipo de coisa e uma coisa que eu condeno e que já vi varias vezes é gente dizendo para novatos que eles tem que se acostumar assim porque o Linux funciona assim, que tem que tentar aprender um novo sistemas etc, que tem que mexer com o terminal por que é assim que as coisas devem ser...

Me reservo ao direito de não concordar com isso totalmente, por isso sempre estou tentando produzir material especialmente para iniciantes pois isso foi uma coisa que não tinha muito quando eu comecei, uma pessoa não é obrigada a aprender comandos para usar o Ubuntu certo? Ela não precisa querer ser um usuário avançado, ela pode simplesmente usar o computador normalmente e querer instalar um ou outro programa que infelizmente não está na Central de Programas.

Instalando PPA pela Interface Gráfica (Aqui começa o tutorial)


Adicionar repositórios PPA pela interface gráfica não é algo muito difícil, mas depois de ler todo este material você vai de dar conta que fazer isso pelo terminal é até mais simples. Vamos lá!

Passo 1

Abra o menu do Ubuntu e procure pelo aplicativo "Programas e atualizações".

Programas e atualizações

Programas e atualizações >> Outros programas

Programas e atualizações

Na janela que se abrir você encontra 5 abas, a segunda "Outros Programas" é a que você deve clicar, nela estão listados todos os repositórios do Ubuntu, incluindo os PPAs que você adicionou anteriormente (se adicionou), para este exemplo vamos usar o PPA do Wine que se encontra neste artigo que fizemos, para instalar o novo PPA você deve clicar no botão "Adicionar", como está marcado na imagem acima.

Passo 2

No próximo passo você vai precisar prestar atenção para retirar do tutorial em questão apenas a parte do comando que interessa que é o próprio endereço do PPA.

Adicionando o repositório

Na janela que se abrir você deve colocar o endereço do repositório, se você olhou o artigo que eu indiquei no item anterior você vai entender melhor, se fossemos instalar o software via linha de comando usaríamos o comando abaixo como está no artigo:


Observe que somente a última parte do comando você deve utilizar para colocar na tela anterior, a primeira parte não é necessária e se você colocasse não funcionaria, coloque somente o texto contido entre as palavras "ppa e /ppa", depois disso clique em adicionar fonte.

Passo 3

Para adicionar um PPA é necessário que você digite a sua senha, faça isso e tecle "Enter" ou clique em "Autenticar", normalmente a senha é mesma que você usa para se logar no sistema

Autentique-se como root para adicionar um repositório


Passo 4

Tudo isso que fizemos até agora equivale ao primeiro comando no terminal, que é o comando que adiciona o PPA, agora é necessário atualizar a lista de softwares que é equivalente ao comando "sudo apt-get update", para isso clique em fechar.

Atualizando lista APT via interface gráfica

Ao fazer isso podem ocorrer duas coisas dependendo da versão do Ubuntu que você use, pode ser que o sistema peça para atualizar o cache de programas (Ubuntu 13.10 ou anterior), se pedir de OK, ou pode ser que a Central de Programas faça isso automaticamente ( Ubuntu 14.04), no meu caso foi este último que aconteceu.

Atualizando o cache de programas

Uma vez que o processo se encerre a aplicação já vai estar disponível na Central de Programas, basta digitar o nome exato dela, esse nome você encontra na última linha do comando do tutorial, seguindo o nosso exemplo do Wine seria "wine1.7"


Entretanto se o programa já estiver instalado você só precisa atualizar o sistema, para fazer isso pela interface gráfica procure no menu por "Atualizador de Programas".

Existe uma outra possibilidade para o caso que é de que dentro do mesmo PPA existam versões diferentes do mesmo programa e você quer instalar uma específica, para isso você pode usar o Synaptic, que é um gerenciador de pacotes mais avançado que a Central de Programas, você encontra ele na própria Central de Programas pesquisando por "Synaptic".

Nele existe um método para filtrar os programas por PPA permitindo que você veja tudo o que contém nele.

Atualizando programas para o Synaptic

Para isso basta seguir as indicações da imagem acima, marque "Origem" nas opções que ficam na parte inferior esquerda, seleciona na lista acima o PPA que adicionamos, repare que agora ele vem seguido da palavra "Trusty" que indica a versão do Ubuntu, se você usa o Ubuntu 13.10 será "Saucy", se usa o 12.04 será "Precise" e assim por diante, uma vez selecionada do lado direito temos todos os pacotes contidos neste repositório e que são instaláveis na nossa distribuição.

Na primeira marcação na parte direita vemos a versão que está instalada (1.6.2) com um ícone como ponto de interrogação indicando que ela está desatualizada, clicando com o botão direito do mouse sobre ele você conseguir atualizar ele para uma versão mais recente mas muito provavelmente não a última versão que é a 1.7 marcada logo abaixo, e como saber que é a última, ora, basta olhar todos os pacotes contidos dentro do PPA nessa listinha não tão grande aí, 1.7 é atualmente o número mais alto, logo é a versão mais nova.

O que eu fiz foi simplesmente dar dois cliques na versão 1.7 indicada pela seta e confirmar que eu queria fazer essas alterações, automaticamente o Synaptic iria remover a versão mais antiga e instalar a mais nova, para confirmar essa ação basta clicar em aplicar e aguardar o download e a configuração dos novos pacotes.

Atualizando e instalado via Synaptic

No caso acima eu marquei também a opção de instalar atualizações então ele está baixando o pacote "ubuntu-emulator" que estava desatualizado.

Depois de instalado o programa ele estará disponível no seu menu como qualquer outro, viu como é simples? Ou será que nem tanto?

A verdade é que você pode fazer tudo por interface gráfica, mas pela linha de comando é mais direto ao ponto e consideravelmente mais rápido, o Linux é isso, te dá opções.

Compartilhe e até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




domingo, 12 de fevereiro de 2017

GimpPs - Um tema Adobe Photoshop para o GIMP

Eu acho louvável essas camadas de abstração de aprendizado que alguns usuários proporcionam para os demais. O GIMP permite várias modificações bacanas e hoje você vai conhecer o GimpPs.

GimpPS Ubuntu




O objetivo do projeto GimpPs é aproximar que está saindo do Photoshop para o GIMP. Feito para o GIMP 2.8, o tema funciona no Windows, no macOS e no Linux (em geral), valendo observar o tema GTK no caso das distros Linux.


O GimpPs muda o visual da aplicação e também as teclas de atalho da ferramenta, ele é perfeitamente comparável ao nosso projeto PhotoGIMP, porém, com um tema diferente, que pode ou não, te agradar mais.

Como instalar o GimpPs?

O projeto está disponível no GitHub, na página você também encontra as instruções para instalar em todos os sistemas.

Observe que é importante ter o Git instalado para que os comandos de instalação funcionem. Isso varia de acordo com o sistema, no Ubuntu, Debian, Mint e seus derivados o que você precisa fazer basicamente é:
sudo apt install git
Para instalar no Linux:
sh -c "$(wget https://raw.githubusercontent.com/doctormo/GimpPs/master/tools/install.sh -O -)"
No macOS:
cd $HOME/Library/Application\ Support/GIMP
mv 2.8 2.8.backup
git clone --depth=1 https://github.com/doctormo/GimpPs.git 2.8
No Windows (CMD):
cd %USERPROFILE% 
ren .gimp-2.8 .gimp-2.8.backup 
git clone --depth=1 https://github.com/doctormo/GimpPs.git .gimp-2.8
No Windows (PowerShell):
cd $Env:UserProfile 
mv .gimp-2.8 .gimp-2.8.backup
git clone --depth=1 https://github.com/doctormo/GimpPs.git .gimp-2.8
Até a próxima!_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Stacer - Um programa para otimizar o Ubuntu

Finalmente alguém juntou design com funcionalidade e um programa que te ajuda a deixar o seu Ubuntu mais otimizado, conheça o Stacer.

Stacer Ubuntu Optimization




O Stacer é um utilitário de código aberto que permite que você colha informações básicas sobre a operação do seu sistema, faça limpeza de pacotes e arquivos, otimize a inicialização e ainda remova aplicações que você não queira mais, tudo isso numa interface muito bela e intuitiva.

Spacer no Ubuntu

Assim que você abrir o Stacer, ele pedirá que você digite a sua senha de usuário para poder usar o sudo para fazer algumas modificações mais profundas. Isso já serve de alerta para você tomar cuidado com as coisas que você seleciona dentro do programa, pois elas serão executadas como super usuário, pelo menos temporariamente.

Atualmente o programa divide-se em 5 segmentos diferentes.

1 - Dashboard

Stacer Dashboard - Ubuntu

O Dashboard não tem nenhuma função específica, ela apenas serve para mostrar informações do sistema em geral. Nele você consegue ver a utilização do CPU, memória e armazenamento, assim como taxa de download e de upload e informações do sistema, como o hostname, qual plataforma você está rodando, distribuição, informações sobre o processador e a quantidade de RAM instalada disponível.

2 - System Cleaner


A segunda sessão, chamada de "System Cleaner" tem um nome auto-explicativo, assim como outras aplicações disponíveis para esta tarefa no Linux, você pode limpar o cache do sistema, os crash reports os logs do sistema, tudo isso para não deixar conteúdo inútil utilizar o seu armazenamento.

Para usar a ferramente é simples, marque na esquerda o que você gostaria de limpar e clique no botão "System Scan", do lado direito serão mostrados os pacotes que podem ser limpos (se existirem), logo abaixo você encontra o botão "Clean" para efetuar a limpeza.

3 - Startup Apps

Startup Apps

Esta sessão é semelhante ao aplicativo nativo do Ubuntu "Aplicativos de sessão", entretanto, o Stacer é capaz de mostrar entradas que normalmente não estão disponíveis do App padrão do Ubuntu. Até existe uma modificação que você pode fazer para que ele exiba estas opções, porém, no Stacer elas já estão à mostra.

Cabe observar que apesar do Stacer permitir a remoção de Apps da inicialização, ele ainda não tem a opção de adicionar, de movo que se você remover algum equivocadamente,vai ter que colocá-lo de volta através do App "Aplicativos de sessão".

4 - Services

Services Stacer

Essa sessão funciona de forma semelhante à anterior, porém, você deve tomar MUITO MAIS CUIDADO aqui. Isso porque nesta sessão você consegue habilitar e desabilitar serviços do sistema, se você não sabe para que ser algum NÃO MEXA, pois isso pode acarretar no mal funcionamento do sistema. Se você tiver dúvidas, pesquise antes para saber o que pode ser removido ou não, dependendo da sua necessidade.

5 - Uninstaller

Uninstaller Stacer

A última sessão também tem um nome auto-explicativo. O "Uninstaller" permite que você remova todo e qualquer pacote instalado via apt ou .deb, por PPA ou repositório oficial, o Stacer ainda não tem suporte para o Snaps, mas neste momento isso não chega a ser um grande contra. Mais uma vez, como o Stacer lista todos os pacotes, tome cuidado com o que você remove para evitar problemas.

Download do Stacer para o Ubuntu


O Stacer está sendo disponibilizado através de sua página oficial no GitHub, onde é possível encontrar o programa em versão .deb para 32 e 64 bits, além de seu código fonte.

Aproveite o programa e use com cuidado, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Vineyard - Uma alternativa ao PlayOnLinux para trabalhar com o Wine

Você está procurando uma nova forma de trabalhar com o Wine para rodar aplicações do Windows dentro do Linux? Bom, se você não se deu bem com o Wine puro, com o PlayOnLinux, ou com o CrossOver, talvez o Vineyard seja a sua saída.

Vineyard




O Vineyard é uma aplicação que coloca uma camada de abstração em cima do Wine, assim como o PlayOnLinux e o CrossOver, facilitando a instalação e configuração do Wine e de seus complementos.

Uma pergunta inevitável de se fazer é: O Vineyard é melhor que o PlayOnLinux?

A resposta é não. Mas não entenda mal, ele também é não "pior", mas sim diferente, inclusive, você pode usar ambos de forma complementar se achar necessário. O Vineyard consegue ler as suas bottles do CrossOver e os prefixos do POL que você já tiver no seu computador, o que é algo bem legal e muito útil.

O Vineyard é, acima de tudo, simples de entender, todas as opções do programa ficam dispostas em um menu com sessões do lado esquerdo, com tudo o que você vai precisar para configurar as suas aplicações.

Vineyard

A quantidade de complementos disponíveis para instalação não é tão vasta quanto a do PlayOnLinux, mas tem todo o básico para rodar aplicações, sendo que você também pode usar o programa para instalar e configurar DLLs, configurar o registro, entre outras coisas.

Wine configurações

Outra coisa interessante que o Vineyard tem, é a opção de habilitar patches de otimização para o Wine de uma forma bem simples com caixas de marcar, um ponto negativo é que, ao contrário do POL (PlayOnLinux), o Vineyard não permite que você gerencie versões diferentes do Wine através dele, algo pode ser útil para criar prefixos diferentes para cada aplicação.

Como instalar o Vineyard no Ubuntu e no Linux Mint?


Este programa necessita da adição de um PPA para funcionar, e na verdade, temos duas opções, a versão estável, mais antiga, e a versão de testes, com recursos mais recentes, porém, possivelmente instável.

Estável: ppa:cybolic/ppa

Instável: ppa:cybolic/vineyard-testing


Quem prefere fazer pelo terminal, pode fazer assim:

- Versão estável:
sudo add-apt-repository ppa:cybolic/ppa -y && sudo apt update && sudo apt install vineyard -y
- Versão instável:
sudo add-apt-repository ppa:cybolic/vineyard-testing -y && sudo apt update && sudo apt install vineyard -y
Lembrando que o Vineyard depende do Wine para funcionar, então é necessário que o Wine tenha sido instalado previamente, você encontra ele no repositório de qualquer uma das distros, se quiser uma a versão mais recente do Wine, consulte este tutorial.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Crie grupos de Apps na barra do Unity no Ubuntu com o LauncherFolders

Apesar da barra do Unity trabalhar muito bem com vários aplicativos, você pode querer agrupá-los, da mesma forma com que você faz no Android ou no iOS, veja como fazer utilizando a versátil aplicação, LauncherFolders.

Launcher Folders




Este programa é muito versátil e tem vários opções que você pode usar para criar grupos de aplicativos. Mas antes de falarmos mais dele, o primeiro passo é você instalá-lo no seu Ubuntu com Unity. Para isso, acesse o site oficial e baixe o pacote .deb de lá, instale dando dois cliques.

Leia também: Crie grupos de Apps no Gnome Shell

Depois de instalado, você vai encontrar o aplicativo "Unity Launchers Folders" na Dash do Unity, abrindo ele você terá acesso a criação e manipulação das suas "gavetas" de Apps e atalhos.

Unity Folders

Você pode clicar no botão de "mais" para criar as pastas, depois basta arrastar os ícones do menu para ela, escolhendo o nome que você bem entender. Há também a possibilidade de você criar atalhos com pastas do sistema e até mesmo links de sites do Google Chrome e do Firefox, basta arrastas os atalhos para o janela do programa.


É uma ferramenta bem eficaz, não? Faça o teste.

Até a próxima! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Como remover objetos de uma imagem no GIMP "magicamente"

O GIMP possui muitos recursos interessantes, um dos que eu mais gosto é o "Heal Selection", uma ferramenta que permite remover objetos de uma imagem de forma "miraculosa". Aprenda a fazer.

Heal Selection no GIMP




O filtro "Heal Selection" faz parte de um pacote de plugins extras do GIMP, então você precisa adicioná-lo, o nome dele é plugin-registry.

Você pode encontrar ele pelo gerenciador de aplicativos preferido, no Ubuntu você pode usar o Synaptic, ou fazer pelo terminal:
sudo apt install gimp-plugin-registry 
Depois de instalado, abra o GIMP e você verá que existem novas opções de efeitos no seu GIMP, aliás, este é um ponto forte do programa, você pode incrementar os recursos do editor através de complementos e plugins (normalmente grátis), fica aqui uma dica extra para você, dê uma olhada no nosso post "17 Dicas para você turbinar o GIMP". 

Heal Selection


Hoje vou mostrar para você uma dos recursos mais legais do GIMP na minha opinião, o Heal Selection. Como comentei antes, você precisa instalar o complemento do Plugin-Registry para ter acesso a ele. Mas...

O que ele faz?

Basicamente, ele permite que você remova objetos de uma imagem preenchendo o fundo de forma automática, baseando-se no material em torno da seleção.

O primeiro passo é selecionar o objeto que você quer remover, para isso você pode usar qualquer ferramenta de seleção. Como neste exemplo eu quero remover uma nuvem, selecionei a ferramenta de seleção elíptica e desenhei um círculo em torno dela.

Para usar o "Heal Selection", vá até o menu Filtros>>Realçar>>Heal selection...

Heal Selection no GIMP

Vai se abrir uma janela te dando algumas opções, sinta-se à vontade para explorar as opções que você tem ali até encontrar o melhor resultado, normalmente o padrão já traz um resultado interessante, neste caso, basta dar "OK".

Heal Selection

Aguarde a aplicação do Filtro e você automaticamente verá o resultado, como na imagem abaixo:

Heal Selection, resultado no GIMP

Dependendo da complexidade do fundo, o resultado não será o ideal, mas mesmo assim não deixa de ser um efeito interessante. Combinando ele com outros efeitos do editor o resultado será excelente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

O que fazer depois de instalar o Fedora 25

O Fedora 25 foi lançado há algumas semanas e nós temos um ótimo material para compartilhar com você que gosta desta distribuição. O Fedora é um pouco menos user friendly do que o Ubuntu e o Linux Mint, sendo que a utilização do terminal é praticamente obrigatória para fazer todos os procedimentos de pós instalação, mas isso não quer dizer que seja mais difícil e menos satisfatório, confira agora as principais dicas para você deixar o seu novo Fedora 25 "redondinho".

Fedora 25 pós instalação




O vídeo que você vai ver foi preparado pelo Renato Araujo no canal Oficina do Tux, nosso parceiro, confira agora as dicas dadas por ele:


Sintetizando os passos nos temos:

1 - Atualizar o sistema
sudo dnf update
2 - Drivers de Vídeo (Nvidia) no Fedora

3 -  Fedy

Estas são as principais ferramentas e passos para você deixar o Fedora 25 pronto para o seu uso, para baixar essa nova versão do Fedora acesse este artigo.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

ttf-mscorefonts-installer erro no Ubuntu, veja como resolver.

Recentemente o pacote de instalação de fontes ttf do Ubuntu corrompeu seus links fazendo com que os usuários recebem a mensagem de erro que indica uma falha no pacote "ttf-mscorefonts-installer", ainda que as fontes em si estejam instaladas, veja agora como resolver este problema.

ttf-mscorefonts-installer erro no Ubuntu



Este é um erro relativamente simples de resolver, é provável que a Canonical conserte o problema em breve, mas se você não quiser esperar e ainda de quebra, remover essa janelinha chata do seu sistema, vamos fazer alguns procedimentos.

Basicamente, o problema é o pacote com links errados, aparentemente as fontes mudaram de endereço e o pacote ficou obsoleto, mas podemos usar um pacote deb empacotado por outra distro para contornar a situação, no caso o Debian.

Corrigindo o problema


Você pode resolver instalando este pacote .deb, recomendo remover o ttf-mscorefonts-installer atualmente instalado, mas isso não chega a ser essencial, a instalação pode demorar um pouco mais que o normal, pois é necessário instalar várias fontes e fazer o download das mesmas.

Se você preferir fazer pelo terminal, é possível também, assim você consegue acompanhar detalhadamente a evolução do processo:
sudo apt purge ttf-mscorefonts-installer
wget http://ftp.de.debian.org/debian/pool/contrib/m/msttcorefonts/ttf-mscorefonts-installer_3.6_all.deb -P ~/Downloads
sudo apt install ~/Downloads/ttf-mscorefonts-installer_3.6_all.deb
Rode um comando por vez, aguarde o término da ação e problema resolvido.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Cool Retro Term - Um terminal cheio de estilo para você usar no Ubuntu e no Linux Mint

Que tal dar uma incrementada no visual do seu terminal e ainda dar um visual retrô para ele para se sentir um "hacker das antigas"? Conheça agora o belo Cool Retro Term.

Ubuntu Cool Retro Term




O Cool Retro Term não traz para o usuário nenhuma utilidade prática diferenciada de um aplicativo de terminal, sem grande diferencial é a sua aparência mesmo e seus vários temas. Através do menu "Profiles" você poderá escolher entre 9 temas diferentes, confira:

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

Cool Retro Term

As imagens não conseguem representar completamente, mas todos os temas tem animações nas suas telas e você encontra mais algumas opções de personalização nas configurações do aplicativo, como remover as bordas que lembram um televisor antigo.

Como instalar no Ubuntu e no Linux Mint


A instalação no Ubuntu ou no Linux Mint é feita através de um PPA.

PPA: ppa:noobslab/apps


Se você preferir fazer pelo terminal:
sudo add-apt-repository ppa:noobslab/apps 
sudo apt-get update
sudo apt install cool-retro-term
Você encontrará o aplicativo diretamente no menu do seu sistema.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




terça-feira, 10 de janeiro de 2017