Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Como resolver o problema da placa de wireless Realtek RTL8723BE no Ubuntu e Linux Mint

Nenhum comentário
Se você tem um notebook equipado com a placa de wireless da Realtek, o modelo RTL8723BE, e está tendo problemas com conectividade, sinal caindo ou qualquer outro problema, esse post pode lhe ajudar a sanar isso.

 Como resolver o problema da placa de wireless Realtek RTL8723BE no Ubuntu e Linux Mint






O Kernel Linux  ao longo dos anos vem compatibilizando cada vez mais os drivers dos equipamentos, como placas de rede, de vídeo, wireless, bluetooth e afins. Mas alguns modelos podem apresentar um baixo desempenho ou funcionar de uma maneira “selvagem” digamos assim (lol).

Um desses raros dispositivos é a placa de rede wireless da Realtek, modelo RTL8723BE, que segundo relatos dos usuários de Ubuntu desde a versão 15.04, o sinal do Wireless fica fraco ou cai ou fica inconsistente. Situação bem incomum de acontecer com placas da Realtek, que tem boa compatibilidade com o Linux. Vejo essas placas geralmente equipando computadores da Positivo e da Multilaser, em suas linhas de baixo custo. 

Alguns usuários reclamaram nos fóruns, como o Reddit e o askubuntu, e obtiveram uma solução até o momento como “definitiva”. Vamos aí ao passo a passo.

Resolvendo o problema de sinal

Nesse tutorial vamos usar o terminal, que você acessa pressionando a combinação de teclas Ctrl+Alt+T, feito isso vamos para o próximo passo.

O comando abaixo serve para ter certeza que a sua placa de Wi-Fi é o modelo que estamos discutindo neste post. O comando tem que retornar com o nome Realtek e o modelo RTL8723BE.

lspci -knn | grep Net -A2

Agora vamos baixar o driver para resolver isso.

Vamos baixar do GitHub, com o comando git, se você não tem instalado ainda no seu sistema, basta ver esse tutorial no blog (podexa q depois no blogger eu ponho dio hehe)
Escolha uma pasta que você tenha acesso privilegiado, como a pasta Downloads por exemplo. Vai ficar parecido com o print abaixo.



1) Dentro desta pasta você vai fazer o download do pacote com o seguinte comando:

 git clone https://github.com/lwfinger/rtlwifi_new.git

2) Depois você vai acessar a pasta, com o comando:

cd rtlwifi_new

3) Vamos dar um comando para “preparar o terreno” para o driver, com o comando:

make

4) Depois vamos instalar com o comando

sudo make install

5) Agora vamos descarregar o módulo

sudo modprobe -r rtl8723be

6) Agora vamos carregar o módulo novo, com as suas configurações e parâmetros para a antena.

sudo modprobe rtl8723be ant_sel=1

7) Por último vamos verificar os sinais que o Wi-Fi está usando

iwlist scan | egrep -i 'ssid|quality'

Em seguida repita os passos do 5 ao 7, com o ant_sel = 2 no passo 6

8) Quando você escolher a melhor configuração e quiser tornar ela a padrão do sistema, use esse comando:

echo "options rtl8723be ant_sel=N" | sudo tee /etc/modprobe.d/rtl8723be.conf

Obs 1: Substitua a letra “N “ no comando pelos números 1 ou 2, dependendo da opção que você escolheu.

Obs 2: Para cara atualização ou modificação do Kernel, é preciso refazer esses procedimentos.

Se por algum acaso esse procedimento não funcionar ou qualquer coisa do tipo, você pode consultar o Reddit, AskUbuntu 1, 2 e 3 ou o GitHub do lwfinger

Espero você até um próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu vem de fábrica em novo computador

Nenhum comentário
Não é de agora que falamos que para o Linux se tornar popular nos desktops não basta apenas uma distribuição fácil, como um Ubuntu ou Linux Mint, mas é necessário marketing voltado ao usuário comum, e máquinas com o sistema pré-instalado.

pc-linux-hardware-ubuntu

E foi isso que uma fabricante do Reino Unido acaba de fazer. Especializada em oferecer sistemas Linux customizados, a Entroware lança no mercado Europeu uma máquina que atrai os olhares, não apenas pelo seu sistema operacional, mas pelo hardware, em corpo único e muito bonito.

Equipado com um monitor fosco de 24 polegadas, resolução full hd, por ser All-In-One, mantém simplicidade e elegância, sem um gabinete separado, tendo alto-falantes embutidos. Perfeito para usuários mais casuais que desejam usá-lo em: escritórios, escolas, uso comercial, etc. 

Além da tela de 24 polegadas, por baixo do capô, esse AIO da linha denominada Ares, conta com:

pc-ubuntu-linux-hardware

Hardware

  • Processador: Intel Core-i3 8100, 3.6GHz
  • Memória RAM: 8GB, clock 2400MHz
  • Armazenamento: SSD 120GB 

Conectividade

  • 1x DisplayPort,
  • 1x HDMI
  • 4x USB Hi-Speed 2.0
  • 2x xUSB SuperSpeed 3.1
  • 2x Entradas de áudio (entrada do microfone, e saída de áudio).
  • 1x Entrada Ethernet RJ-45
  • Intel Wireless-AC
  • Bluetooth.

Seu valor nesta configuração de entrada é de cerca de 829 Euros, podendo ser customizado para ter maior capacidade, se tornando um computador mais high-end, que acompanha um processador intel Core-i7 8700, 4,6GHz, 32GB de RAM e um SSD NVMe de 2TB, mais um SSD adicional de 4TB.

Estão disponíveis duas opções, Ubuntu Mate ou Ubuntu (com Gnome Shell). Com uma garantia oferecida pela empresa de 3 anos.

Gostaria de máquinas assim sendo oferecidas com Linux de fábrica no Brasil? A Dell vem oferecendo ótimas alternativas com Ubuntu instalado. Já pensou se uma empresa distribuir computadores aqui em terras tupiniquins, com distros como: Mint, Manjaro, KDE Neon, Fedora, Deepin, etc? Seria muito interessante, e se o marketing fosse feito da forma correta, usuários enfim poderiam saber, que existe alternativa ao Windows e macOS.

Confesso que fiquei tentado em adquirir uma máquina assim, e você curte All-In-One? Deixe nos comentários se gostaria de ver mais hardwares com Linux sendo comercializados no Brasil (mas não falo de empresas que usam unicamente para baratear os custos hein!).

Te espero no próximo post, e lembre-se, compartilhe o Diolinux, SISTEMATICAMENTE!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça alternativas Open Source ao Android

Nenhum comentário
Você sabia que Linux além de dominar o segmento servidores, também domina os sistemas operacionais para dispositivos móveis? Muitos negam que Android é Linux e usam o “argumento” de, “se não utilizar ferramentas GNU, então não é Linux”. 

Se quer saber mais sobre esse tema de Android ser ou não Linux, acesse o post e acabe de uma vez por todas, com essa dúvida cruel. No fim das contas o que define um sistema “ser Linux” ou não é usar o Kernel Linux.

alternativas-opensource-android

Mas quais são as alternativas ao Android? Será ele o único sistema móvel disponível no mercado? Melhor ainda. Quais as alternativas de Código Aberto?

Irei apresentar brevemente 5 alternativas Open Source ao popular robozinho verde, a lista não obedece nenhuma ordem específica. Dada as ressalvas, vamos conhecer as opções.

Tizen


sistema-mobile-tizen

O Tizen é um sistema operacional móvel, também baseado em Linux, como o Android. Tem muito apoio da Linux Foundation, Samsung e Intel. O primeiro smartphone lançado com o sistema de fábrica foi o Samsung Z, na Índia. Infelizmente o Tizen não teve a projeção esperada, muitos afirmam que o sistema não terá futuro. Isso deixo aos especialistas e “Pais/Mães Diná” de plantão.

postmaketOS


sistema-mobile-postmartketos

Também conhecido como pmOS, o postmarketOS está em desenvolvimento inicial. Trata-se da distribuição Alpine Linux configurada para toques.Com pacotes próprios, visa ser instalado em smartphones e obter ótima performance, assim como sua versão desktop.

Librem 5


smartphone-opensource-librem

Com a audaciosa proposta de oferecer um sistema e hardware de código aberto, o Librem 5 é uma iniciativa que visa segurança e privacidade de seus usuários.

Um Smartphone que virá com distribuições Linux adaptadas ao toque como: PureOS, Debian, Ubuntu, SUSE, Fedora e Arch. É um dos projetos mais aguardados pela comunidade, e muitos estão ansiosos de quais serão os rumos do projeto.

Plasma Mobile


sistema-plasma-mobile-kde

O Plasma Mobile é a versão da interface do KDE para smartphones. Atualmente já pode ser testado em dispositivos como o LG Nexus 5. É interessante ver o conceito de convergência no Projeto KDE, entre sua DE e aplicações. Pois os apps do Plasma Mobile utilizam a framework Kirigami, possibilitando desenvolvimento dos seus softwares tanto para mobile como desktop.

Ubuntu Touch


sistema-mobile-ubuntu-touch

Abandonado pela Canonical em 2017, o Ubuntu Touch teve uma complicada trajetória. Primeiro a campanha de arrecadamento para seu desenvolvimento, não foi tão bem. Com meta de 32 milhões de Dólares, arrecadando 12 Milhões.

Após a campanha de crowndfunding, muitos pensaram que o projeto seria abandonado. Eis que em Fevereiro de 2015 a Canonical firma parceria com a empresa espanhola BQ e lança seu primeiro aparelho. Logo depois, pela fabricante chinesa Meizu, mas não tendo o retorno esperado, o sistema foi abandonado pela Canonical em Abril de 2017.

Então a comunidade entra em ação, abraçando o projeto e não deixando morrer. Novas funcionalidades estão sendo incorporadas, como a possibilidade de execução de apps Android.

Mantido pela UBPorts, é relativamente cedo para falar sobre o destino do Ubuntu Touch, se o mesmo vai vingar ou morrer com sua proposta de conversão.

E você, sabia de tantas alternativas? É muito bom ver que outros sistemas vem crescendo e amadurecendo. Melhor ainda quando são projetos de código aberto, agregando diversas vantagens e fomentando o desenvolvimento de mais boas alternativas.

Deixe nos comentários se conhece mais opções ao popular Android, nos vemos no próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


UE vai começar a dar recompensas para quem achar bugs de segurança em projetos Open Source

Nenhum comentário
Em 2019 uma Comissão Europeia relacionada a segurança cibernética está procurando a ajuda de quem puder para descobrir falhas de seguranças e bugs em 15 projetos Open Source,  o montante pode chegar até €1 Milhão.

 UE vai começar a dar recompensas para quem achar bugs de segurança em projetos Open Source






Anúncio foi feito por Julia Reda, membro do European Pirate Party e co-fundadora do projeto Free Software Open Source Audit (FOSSA), que foi iniciado em 2014 para ajudar a melhorar a segurança geral da Internet.

Em seu blog, ela fez o anúncio em 30 de Dezembro de 2018 e a na última atualização neste ano (10/01/2019) fez o seguinte complemento.

“Em janeiro, a Comissão Europeia está lançando 14 de um total de 15 recompensas para a caça de bugs em projetos de Software Livre que as instituições da UE confiam. Um bug bounty é um prêmio para pessoas que procuram ativamente por problemas de segurança. O montante da recompensa depende da gravidade do problema descoberto e da importância relativa do software. Os projetos de software escolhidos foram previamente identificados como candidatos nos inventários e uma pesquisa pública .”

Alguns programas bem conhecido estão na lista dos “contratos”, como:

- Filezilla, com recompensa €58.000,00, começando em 07/01/19 e terminando em 15/08/19;

- VLC Media Player, com recompensa de €58.000,00, começando em 07/01/19 e terminando em 15/08/19;

- KeePass, com recompensa de €71.000,00, começando em 15/01/2019 e terminando em 31/07/2019;

- PuTTY, com recompensa de €90.000,00 começando em 07/01/2019 e terminando em 15/12/2019;

Outro ponto pertinente levantado pela Julia foi o seguinte:

"A questão fez muitas pessoas perceberem o quão importante é o Software Livre e de Código Aberto para a integridade e confiabilidade da Internet e outras infraestruturas. Como muitas outras organizações, instituições como o Parlamento Europeu, o Conselho e a Comissão baseiam-se no Software Livre, tanto em seus sites, quanto muitas outras coisas ".

Bem que nossos legisladores poderiam ter a mesma postura em nossas prefeituras, governos estaduais e federais.

Para saber a lista completa de aplicativos que participam da campanha, além de saber como você pode participar, acesse o link do blog da Julia Reda.

Iniciativas assim são muito bem-vindas, pois trazem benefícios para os usuários dos aplicativos e assim eleva a qualidade dos mesmos, não só para quem promove a caça aos bugs, como para aqueles que ainda irão usar os aplicativos no futuro que já contarão com correções de bugs, vulnerabilidades e implementações de novas tecnologias também. 

Isso é um dos “poderes” que a comunidade open source tem, poder diagnosticar um problema, pensar e desenvolver a solução e aplicar a mesma em tempo “recorde” em relação aos softwares e sistemas operacionais proprietários.

Espero você até o próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


AppImage, Flatpak ou Snap?

Nenhum comentário
Qual das 3 novas alternativas de empacotamento de software no Linux é a melhor? Quem já utilizou Linux há alguns anos não reconheceria as distribuições em seu estado atual. A evolução foi intensa e numa velocidade assombrosa, nisso novos formatos de empacotamento apareceram no cenário, são eles: AppImage, Flatpak e Snap.

Não sabe o que é um AppImage, Flatpak ou Snap? Aqui no blog temos diversos artigos, explicando sobre essas novas tecnologias e ensinando como utilizá-las em sua distro Linux.

vencedor-appimage-flatpak-snap-pacote-linux

Se existe algo em que um novo usuário de Linux, quem sabe um antigo que não acompanhou esses anos, vai se deparar, é com as facilidades de se obter programas e instala-los no sistema.

Para especificamente usuários Ubuntu, os PPAs, que antes eram indispensáveis na maioria dos casos, atualmente tornaram-se dispensáveis (em muitos casos). Isso graças a novas formas de distribuição de softwares na plataforma do pinguim.

A dúvida que paira no ar: Qual o melhor entre os 3? Isso é uma questão delicada. Mas traçando um perfil, pode ficar mais fácil qual alternativa indicar, tendo em vista o usuário em questão.

appimage-linux-pacote

AppImage - Vantagens


Se você já utilizou algum software portable no Windows, sabe o quão prático pode ser uma aplicação portátil, sem a necessidade de baixar complementos ou instalar em seu sistema, muitas vezes executando-os direto do seu pendrive. Pois bem, resumidamente essas são algumas vantagens do AppImage.

Outra facilidade é no pós-install, não necessitando o download da aplicação, isso é uma “mão na roda” para quem tem Internet ruim.

AppImage - Contras


Alguns contras são: Não ter downloads automáticos da aplicação, e nem sempre uma maior integração ao sistema, seu tamanho normalmente será maior que um “.DEB/.RPM”.

AppImage - Para quem é:


É uma ótima opção para utilizar softwares, que nem sempre você queira atualizar por algum motivo. No meu caso, uso o Kdenlive neste formato, pois tenho maior controle sobre sua versão, posso testar outras sem impactar meu sistema operacional, além de poder editar algum vídeo caso esteja numa máquina sem acesso a Internet que não tenha o Kdenlive.

flatpak-pacote-linux

Flatpak - Vantagens


Se você quer utilizar os softwares nas versões atuais sem adicionar um repositório instável ao seu sistema, o Flatpak é perfeito nestes casos. 

Com um número relativamente grande de aplicações, o Flatpak tem se tornado o queridinho de projetos Open Source, a comunidade parece estar cada dia abraçando este formato. Por exemplo o Emulador de Nintendo 3DS, Citra. Recentemente adotou o Flatpak como formato de distribuição oficial para o Linux.

Algumas vantagens dos Flatpak são: diversas aplicações neste formato, segurança ao utilizar um app novo, mesmo instável não afetará seu sistema. Não terá problemas com erros de dependências. Melhor integração com o sistema, seja na utilização ou visual. Inclusive é possível instalar diversos temas ao seu sistema em Flatpak.

Flatpak - Contras


Para obter as vantagens de um sistema livre de instabilidades, ou erros de dependências, o Flatpak teve que adotar uma estratégia. Utilizar RUNTIMES, onde as dependências dos softwares são embutidas. Isso evita que cada programa acompanhe bibliotecas junto a eles, como no caso dos AppImage. O “calcanhar de Aquiles” do Flatpak, com o tempo você acaba tendo muitas Runtimes no sistema, pois nem todo app utiliza a mesma, isso depende de sua versão, ou quem e como foi desenvolvido.

Então se você tem uma Internet lenta, ou espaço em disco escasso. Talvez os Flatpaks não sejam a melhor escolha.

Flatpak - Para quem é:


Se você não gosta de ir no site das aplicações procurando por atualizações, quer utilizar aplicativos em versões mais recentes, não ter problemas com dependências quebrando seu sistema, uma integração visual e na utilização do sistema.

Tem espaço suficiente para instalar as aplicações, e uma Internet razoável para efetuar a instalação dos apps. O Flatpak é uma ótima opção.

snap-pacote-linux

Snap - Vantagens


O Snap possui muitas características dos Flatpak, como o fato de ser SANDBOX, e as aplicações não interferirem no seu sistema operativo. Acompanhando todas as vantagens, de poder utilizar o app sem o medo de danificar o sistema, por conta de alguma dependência. E as aplicações em regra não precisarem de bibliotecas adicionais.

Um ponto a se observar, é que o Snap utiliza uma outra forma para suprir as dependências dos programas. Cada aplicação vem com bibliotecas embutidas, e as mais comuns estão no CORE, algo que funciona parecido com as RUNTIMES do Flatpak. Com um diferencial, esse Core será para todas as aplicações.

Snap - Desvantagens


O Snap parece ter uma boa integração com o tema oficial do Ubuntu, já nas diversas distribuições Linux, ele poderá ficar com uma cara de Windows 95. Se você é perfeccionista, isso pode lhe irritar um pouco (risos).

A sua forma de sanar dependências dos programas, pode ser em alguns casos uma vantagem sobre os Flatpaks, e em outras não. Isso dependerá da quantidade, e versão das aplicações que serão utilizadas.

Outra coisa é o arranque inicial das aplicações em Snap, não parecem ser tão ágeis como as demais alternativas, ao menos na versão atual, a Canonical vem trabalhando nessas melhorias e a versão mais recente do snapd, o daemon responsável por lançar os softwares em Snap, está conseguindo lançar as aplicações com maior velocidade e menor tempo de resposta.

Snap - Para quem é:


Se você é perfeccionista, e não suporta a possibilidade de algumas aplicações, com um visual de “Windows 95”. Ou uma Internet ruim, não tem paciência para downloads maiores (isso vale para os Flatpaks também). O Snap não é para você.

Então qual é o melhor?


A real é que não existe o melhor ou pior, cada caso tem um formato, que supre um tipo de demanda, e dependendo do usuário, as 3 formas serão utilizadas. Este é meu caso, utilizo várias aplicações em Flatpak, outras em AppImage e algumas em Snap. Confesso que o arranque um pouco demorado e o visual do Snap, não me deixam utilizar mais aplicações como gostaria.

Mas isso é questão de tempo, pois essas tecnologias estão evoluindo cada vez mais, e daqui algum tempo, essas desvantagens que listei, possam nem existir.

Alguns boatos rondam as comunidades, um deles é que formatos como Flatpak e Snap, são ruins pois quem tem o armazenamento limitado, como um SSD de 120GB, não poderão utilizá-los.

Pois bem, isso é um mito. Por mais que os Flatpaks e Snaps, demandem uma quantia superior a outros pacotes como DEB/RPM, a sua utilização é viável no hardware atual.

Se seu HD tem espaço para o Windows e suas aplicações, não terá dificuldades com os Flatpaks e Snaps...

E aí, qual dos 3 você mais utiliza? Conte-nos nos comentários, o que lhe impede de usar um ou outro, e quais melhorias gostaria de ver nestes novos formatos.

Até a próxima, nos vemos SISTEMATICAMENTE, em outro post.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo Kernel Linux chega com melhorias para GPUs da AMD

Nenhum comentário
Após a AMD começar a distribuir seu driver diretamente no Kernel Linux, donos de hardware da empresa vem recebendo melhorias de performance e novas implementações a cada versão. É notória a evolução do AMDGPU, driver Open Source, comparado a alternativa proprietária e descontinuada Catalyst/fglrx. Parece que a AMD vem dando maior atenção a plataforma Linux.

amd-gpu-freesync-linux

Previsto para meados de Março deste ano, a versão 4.21 do Kernel Linux está repleta de novidades para usuários AMD. 

Uma delas é o suporte ao FreeSync e Adaptive-Sync, na qual auxilia a remoção de atrasos e variações nos framerates, adaptando dinamicamente a taxa de atualização. Resultando em uma gameplay fluida e sem inconvenientes, como: Tearing e “fantasmas”, os rastros de tela, na gameplay.

O FreeSync foi anunciado em 2014, para competir com seu concorrente G-Sync, tecnologia da Nvidia, que basicamente tem a função de sincronização adaptativa, evitando os “rasgos de tela”.

Já o Adaptive-Sync é uma especificação do DisplayPort e HDMI, desenvolvida pela organização internacional VESA, que tem como objetivo padronizar o funcionamento de periféricos de vídeo em computadores.

O FreeSync usa os protocolos do Adaptive-Sync em conjunto com hardware e software para proporcionar mais fluidez, livre de distorções e com baixa latência, em hardwares que o suportam. 

Outras tecnologias da AMD incorporadas ao Kernel 4.21 são: O Adaptive Backlight Management, que reduz o nível da luz de fundo, para economizar energia, aumentando o contraste e luminosidade do pixel para maior legibilidade e qualidade. E o ROCm, que é incumbido na interação entre CPU e GPU, aumentando o desempenho de tarefas computacionais.

O kernel trará suporte ao ROCm para processadores gráficos de entrada, da arquitetura Polaris, em placas de vídeo da série RX 400, e arquitetura Vega 12.

Com isso podemos esperar melhorias para utilizadores de GPUs AMD no Linux, com funcionalidades que antes não existiam no AMDGPU.

E você possui alguma placa de vídeo AMD? Tem ou gostaria de comprar um monitor com FreeSync? Deixe sua opinião nos comentários, queremos saber sua experiência com a plataforma AMD no Linux.

Até o próximo post, e lembre-se: Compartilhe as postagens do Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu pretende facilitar instalação de drivers para Gamers

Nenhum comentário
A chegada do Steamplay usando o Proton (DXVK+Wine) e trazendo a possibilidade de se poder jogar uma quantidade de jogos que antes só se tinha no Windows, “forçou” as empresas que mantém os drivers para Linux “ a se mexerem” também, como NVIDIA e AMD, e assim trazer as implementações e melhorias que o VULKAN proporciona.


Ubuntu pretende facilitar instalação de drivers para Gamers





Prezando pela estabilidade das suas versões LTS, o Ubuntu não traz às versões mais recentes dos drivers da NVIDIA, AMD e Intel (e sim os “estáveis”), e algumas funcionalidades e tecnologias podem não estar presentes no sistema, como a implementação completa do VULKAN e entre outras.

Para adicionar os drivers de vídeos mais recentes dessas empresas, precisamos recorrer aos PPAs (Personal Package Archive) r e assim desfrutar dessas tecnologias novas. Adicionar não é nenhuma tarefa difícil, tanto que já fizemos alguns posts aqui no blog explicando como proceder e tudo mais, mas sabemos que ainda tem pessoas que podem encontrar alguma dificuldade para tal procedimento. Sendo via terminal ou não.

Vendo isso, o jornalista da Forbes, Jason Evangelho, fez um questionamento em seu Twitter, perguntando o porque que o Ubuntu não tinha feito ainda uma ferramenta gráfica para adicionar os PPAs dos drivers e assim facilitar a vida dos gamers que estão vindo do Windows.

Eis que alguém da Canonical, empresa essa que mantém o Ubuntu, responde. E não foi “qualquer pessoa” que respondeu e sim alguém de “gabarito”. Quem respondeu ao tweet do Jason foi o Will Cooke, Diretor da Canonical responsável pela área de desenvolvimento do desktop. E a resposta foi positiva.

Segundo Cooke, a Canonical tem planos para o próximo ciclo de desenvolvimento (Ubuntu 19.04/19.10???) adicionar algumas GUI (Interfaces gráficas de interação) para tornar a adição desses PPAs mais fáceis, ou como ele disse “pointy-clicky”.

Jason questionou se seria possível selecionar o PPA apropriado para a sua GPU e a resposta do Cooke foi que sim, que eles facilitariam o acesso aos drivers Betas das empresas. Se quiser ver o Tweet original, basta clicar na imagem abaixo.



Esse tipo de facilidade questionada pelo Jason e prontamente respondida por Cooke, mostrando que a Canonical está atenta na guinada em que se deu nos últimos 6 meses, depois da “bomba” chamada Proton (Valve/Steam) e que deu uma “remexida” das boas, fazendo assim as empresas melhorarem os seus produtos no Linux, desde o pessoal do Lutris até em empresas como Canonical, NVIDIA, AMD e Intel. 

Podemos ter bons frutos ao longo de 2019 e não podemos ficar surpresos se o Linux pegar mais corpo e popularidade nos desktops através dessas iniciativas, que para quem já usa Linux possa ser algo “pequeno”, mas pra quem vem de outra plataforma ou que nunca teve um contato agradável com Linux, pode fazer uma grande diferença e fazer com que a pessoa possa se sentir “em casa”.

Espero você até o próximo post, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo