Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

RetroArch está chegando de forma oficial na Steam

Nenhum comentário
Se você é fã dos games “retros” e sempre está procurando uma forma de emular os seus games favoritos de uma forma fácil, o RetroArch na Steam pode facilitar a sua vida.

RetroArch está chegando de forma oficial na Steam






Para quem não está muito acostumado com o termo “RetroArch”, ele é uma GUI para que os usuários possam manipular a API Libretro e assim poderem emular os seus games “Retro”.

Em anúncio feito no blog oficial, por Daniel De Matteis (uns dos principais devs do projeto), comunicou que o RetroArch estaria chegando na Steam e será a princípio no dia 30. Segundo ele, a entrada do RetroArch na Steam, vai ajudar muitos usuários e projetos que executam os jogos, ou via mídias físicas ou emuladores, e que usam os “núcleos Libretro” de alguma forma.



De início, será lançada a versão para Windows em uma primeira fase e as versões de Linux e MacOS posteriormente. Eles escolheram oferecer para Windows primeiramente, para testar se a infraestrutura do projeto está preparada para uma demanda grande e assim garantir que vão conseguir suportar as outras mais tarde. Nada mais lógico “né não”.

Também comentaram que não terá diferença entre as versões do site deles com a disponibilizada na Steam, e que nesse primeiro momento, não terá implementações do Steamworks SDK, mas que não descartam em um futuro próximo.

Vale mencionar que você pode instalar o RetroArch na sua distro sem precisar esperar pela versão da Steam, tem versões oficiais em Flatpak e Snap também. Para conferir o método para a sua distro, basta acessar este link.

Para conferir o post no blog do projeto, basta acessá-lo aqui. E para acessar a página do RetroArch na Steam, você pode conferir clicando aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


SofMaker Office quer fazer você esquecer o MS Office, e tem versão pra Linux!

Nenhum comentário
A empresa alemã, SoftMaker, acaba de comemorar os seus 30 anos de idade lançando uma nova atualização para o SoftMaker FreeOffice. Uma suite de escritório com visual e funcionalidades extremamente interessantes para quem vem do Microsoft Office.

SoftMaker Office para Linux






O SoftMaker Office está disponível para Windows, macOS e Linux (Android também), e possui versões grátis e premium, a atualização promete trazer plena compatibilidade com arquivos do Microsoft Office 2019, permitindo que sejam abertos, criados e salvos arquivos nos formatos DOCX, XLSX e PPTX, mantendo a compatibilidade de versões antigas do Office, desde a 2007.

SoftMaker Office

O software recebeu melhorias para usabilidade, com atalhos e posicionamento dos ícones na interface para facilitar a migração de pessoas acostumadas com o Office da Microsoft, especialmente pela interface "Ribbon" já estar presente.


Faça o download e teste a versão grátis no site oficial.

Continue a discussão no nosso fórum, Diolinux Plus.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Uma das coisas que eu mais "odiava" nos Snaps, agora é passado!

Nenhum comentário
Eu não sei se alguém da Canonical anda vendo os meus vídeos no YouTube, mas finalmente eles arrumaram o "bug" que impedia que as aplicações Snap usassem o próprio tema do Ubuntu de forma correta. A mudança não é perfeita, mas melhora consideravelmente as condições.

Temas dos Snaps






Os pacotes no formato Snap tem alguns objetivos específicos, como criar uma forma fácil de desenvolvimento e distribuição de softwares através das várias versões do Ubuntu (de desktop à servidor, até IoT), contemplar outras distros Linux, além de oferecer um ambiente Sandbox, mais seguro para o usuário, onde as aplicações rodam.

A premissa é muito boa, mas na prática, para utilização de um usuário desktop do Ubuntu, algumas coisas ainda ficavam "no meio do caminho". 

Quem gosta de personalizar o Ubuntu com temas acabou percebendo que algumas das aplicações em Snap ficavam descaracterizadas ao mudar o tema, permanecessando com tema Adwaita do GNOME, caso do Yaru (tradicional) não foi fosse utilizado, essa mescla de temas acabava criando uma variação visualmente desagradável. 

Isse comportamento em relação aos temas acontece porque os Snaps não buscam por temas nos diretórios tradicionais do sistema, o que acontece por conta da condição de Sandbox que os aplicativos estão submetidos. Enquanto uma aplicação instalada tradicionalmente com o "apt" usa os diretórios:

/usr/share/themes
/home/$USER/.themes

Os Snaps buscam seus temas em um diretório como:
/snap/gtk-common-themes/1313/share/themes
Diretórios Snap
Lista de temas suportados pelos Snap atualmente

Inclusive, repare na lista que aparece na imagem acima. Todos estes temas agora funcionam perfeitamente com pacotes Snap. Você pode instalar eles tranquilamente, da mesma forma que sempre fez, e os pacotes Snap vão reconhecê-los.

Como é possível observar, a lista conta com alguns dos temas mais comuns da atualidade, inclusive em suas variações "Dark". Um, curiosamente especial, dessa lista é o "Matcha", que é o que o Manjaro vem utilizando ultimamente, o que pode indicar que realmente a história do Manjaro adotar os Snaps seja verdade. Vamos aguardar para ter certeza.

A sua cabeça de hacker já está coçando?


Tomara que sim, é por isso que eu gosto de você! 😀 Então, talvez você tenha pensado que seria "só copiar" o seu tema para essa pasta e o tema passaria a funcionar com os Snaps.

Copiando Snaps

O que acontece aqui é que os Snaps são "Read-Only", por questão de estrutura de segurança, ou seja, nada pode escrever dentro de um Snap (é um dos fatores que o torna mais seguro) sem que o Snap seja reconstruído, e esse, infelizmente, é o down side de toda essa questão. Para que os softwaes em Snap suportem um determinado tema é preciso que a Canonical adicione o tema em específico ao snap "gtk-common-themes".

Quase lá!


Minha reclamação em relação aos Snaps era justamente esse fator de blending com o restante do sistema, como comentei no artigo e vídeo "Como configuro meu Ubuntu para produtividade". 

Um dos pontos para remoção de alguns Snaps que vinham como padrão, era justamente essa questão de não combinar com o tema que eu queria usar, e olha que eu nem modifico muito o sistema, eu simplesmente mudo para o "modo dark" do tema padrão do Ubuntu, o "Yaru Dark", e até mesmo o tema da própria Canonical ficava bugado, ao menos até agora.


A tematização, por mais que faça parte da cultura Linux, há muito tempo é menos importante para um produto final, que precisa ter um visual agradável "out of the box", com a adição desses temas, os Snaps ficam mais versáteis e se encaixam melhor com as propostas dos sistemas que forem utilizá-los.

Talvez seja interessante a Canonical criar um tópico no fórum deles para acatar a adição de temas votados pela comunidade, adicionando aos poucos os que as pessoas mais gostam, ou criar uma forma de que os temas sejam lidos sem a ação deles diretamente, o que tornaria as coisas mais práticas para todos.

Apesar de ser um pouco chato não ter suporte a todo e qualquer tipo de tema, na minha opinião, esse é uma troca viável, quando o que se tem como resultado é um ambiente mais seguro e prático.

Me chame de detalhista, mas um coisa que poderia melhorar é o cursor do mouse sobre alguns Snaps, como o Spotify, que não respeitam o tema padrão também. Esse tipo de coisa não interfere em absolutamente em nada na utilização do software, entretanto, uma somatória de detalhes bem cuidados acaba gerando um todo aprimorado.

Continue o debate no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


É hora de parar de usar o Ubuntu 18.10!

Nenhum comentário
Canonical anuncia o fim do suporte de atualizações para o Ubuntu 18.10, versão "intermediária", lançada em Outubro do ano passado (2018). Usuários são encorajados a fazer o upgrade para a versão 19.04 ou migrar para a 18.04 LTS.

Ubuntu 18.10 fim do suporte






O Ubuntu tem um ciclo de desenvolvimento que premia o público com uma versão de longo suporte a cada dois anos, as chamadas versões LTS (long term support), entretanto, a cada seis meses é lançada uma "versão intermediária", que traz tecnologias novas e testes abertos para estabilidade de coisas que serão implementadas na versão LTS.

Se você tem dúvidas sobre os ciclos de desenvolvimento do Ubuntu, confira o vídeo abaixo onde eu explico para você como tudo funciona:


O Ubuntu 18.10, Cosmic Cuttlefish, lançado em Outubro de 2018 atingiu o fim de seu tempo oficial de suporte, de modo que, usuários dessa versão não receberão, à partir de agora, atualizações de segurança. O último dia de suporte será 18 de Julho de 2019.

Para onde ir agora?


Atualmente você tem duas opções, o Ubuntu 18.04 LTS e o Ubuntu 19.04. Geralmente indicamos a utilização das versões LTS, elas tendem a ser mais estáveis à longo prazo e vão evitar que você se preocupe em fazer upgrades por um bom tempo, já que elas tem 5 anos de suporte, entretanto, se você, única e exclusivamente, usa a versão GNOME (principal do Ubuntu) pode ser interessante considerar  a versão 19.04 também por questão de otimizações de desempenho do GNOME Shell.

Essa concepção é debatível por alguns motivos: 

- Pode ser que você precise de uma release que perdure por mais tempo e não se importante tanto com as novidades do Ubuntu 19.04;

- Como o 19.04 também é uma "point release", assim como o Ubuntu 18.10, seu suporte é menor e você terá de deixar de utilizar essa versão por volta de Janeiro de 2020. Até que esse momento chegue, o Ubuntu 19.10 já deverá ter sido lançado e a nova LTS (20.04) estará à caminho. E obrigatoriamente será necessário fazer o upgrade para a versão 19.10, a fim de manter suporte a atualizações de segurança.

O que eu estou fazendo?


Não encare isso como uma recomendação necessariamente, mas eu estou usando o Ubuntu 19.04 desde seu lançamento, apesar de considerar o Ubuntu 18.04 LTS bem estável, eu percebo o seu GNOME pouco otimizado, se comparado com o 19.04, e isso me fez querer trocar. Provavelmente utilizarei o Ubuntu 19.10 também e seguirei assim até que o 20.04 LTS chegar no próximo ano, o qual eu pretendo ficar por mais tempo.

Meus planos são esses agora, mas obviamente que nada é imutável. Participe da discussão no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja como instalar a EPIC Games Store no Linux de forma simples e fácil

Nenhum comentário
Hoje em dia, quando se fala em jogos, temos várias lojas como Origin, da EA Games, Uplay da Ubisoft, Battle.net da Blizzard, GOG Galaxy (GOG), Steam e a da Epic Games a Epic Games Store (nome bem criativo, não? 😅). Nesse tutorial de hoje vamos te ensinar a instalar ela no Linux.


 Veja como instalar a EPIC Games Store no Linux de forma simples e fácil






Para dar uma “refrescada” na memória, há uns 3 meses noticiamos que o pessoal do Lutris recebeu um “incentivo” do manda chuva da Epic Games, Tim Sweeney, em ingressar no programa de financiamento da Epic Games, o Epic MegaGrants. O artigo completo você pode conferir aqui.

Agora vamos para a instalação da Epic Games Store


Para “começo de conversa”, vamos preparar o Linux para rodar jogos, para não nos estendermos demais, recomendo que siga o guia que criamos para isso Tá bem explicadinho e detalhado.

Depois de preparado o Linux e instalado o Lutris, como ensinado no nosso artigo, você pode instalar a Epic Games Store de duas formas. A primeira é buscar dentro do próprio Lutris por ela, como mostra a Figura abaixo. Depois é só clicar em “Install” (Na imagem abaixo, o botão de instalar apareceria onde está escrito “Play”)



Aguarde a instalação e usufrua dela. Vale lembrar que alguns jogos podem não funcionar, como o Fortnite, que por causa do Anti-cheat do jogo, barra o Wine/DXVK. Dos 17 jogos que tenho lá, só o Fortnite não rodou, já os outros rodaram de forma muito boa. Os jogos que peguei lá foram os oferecidos de graça, como o Subnautica,  Slime Rancher e o Super MeatBoy.

A segunda forma, é só procurar no site do Lutris, no campo Search, por Epic Games Store e mandar instalar. Assim vai abrir o Lutris e começar a instalação.

Se você estava precisando daquela ajudinha para rodar a Epic Games Store, espero que esse tutorial lhe ajude. 😀

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Você não precisa mais de PPA para ter os drivers mais recentes da Nvidia no Ubuntu!

Nenhum comentário
Os desenvolvedores da Canonical liberaram uma excelente atualização para os usuários de Ubuntu, incluindo a versão LTS atual, 18.04.2. Os drivers Nvidia mais recentes, que antes eram conseguidos através de um PPA, agora podem ser instalados diretamente do repositório da distro.

Nvidia Drivers Ubuntu






Um dos artigos mais acessados aqui do blog é o nosso guia de instalação de drivers Nvidia para Ubuntu, que acaba servindo também de base para outras distros derivadas, como Linux Mint, elementary OS, Pop!_OS, Zorin OS e por aí vai. Por conta das novidades de hoje, talvez tenhamos que refazer esse material e criar um novo "guia oficial" de como fazer esse processo, pois, felizmente ele acabou de ficar muito mais simples.


Nosso vídeo agora está desatualizado também, mas te mostra o modo que era usado até então. :)

Com mudança oferecida pelos desenvolvedores da Canonical, agora o repositório de pacotes do Ubuntu carrega, não só a versão mais recente e estável, como também a mais recente em Beta também, tornado tudo mais acessível.

Para  usar a nova ferramenta no Ubuntu 18.04.2 LTS, basta garantir que o seu sistema esteja atualizado. Os drivers Nvidia vão aparecer no mesmo local de sempre: No aplicativo "Programas e atualizações", na aba "Drivers Adicionais".

Ou claro, pelo terminal:


Uma observação importante a se fazer. 

Na aba "Opções para Desenvolvedores" existe a opção de "Atualizações de Pré-lançamento", que são pacotes que estão prestes a cair para a versão estável do sistema, mas que ainda não passaram totalmente pelo processo de controle de qualidade da Canonical, marcando essa opção, você tem drivers ainda mais recentes, muitas vezes em estado Beta, o que pode ser eventualmente interessante, no entanto, habilitar esse repositório também te traz uma série de atualizações para outros pacotes, não somente drivers, o que pode deixar o seu sistema menos estável, mas é uma escolha que você pode fazer.


Habilitando essa opção, você terá os mesmos drivers que até então eram entregues somente via PPA. Aliando essa questão a intenção de adicionar Drivers Nvidia diretamente na ISO do sistema para o próximo lançamento do Ubuntu (19.10) e permitir a instalação Offline do Ubuntu com drivers recentes, a Canonical parece minimizar ao máximo possível o atrito que existe entre instalar um sistema Linux e usá-lo com todo o seu potencial, incluindo o "calvário" que às vezes pode ser habilitar uma placa de vídeo híbrida (Intel+Nvidia).

Essa manobra, que visa melhorar o Ubuntu e torná-lo mais prático, acaba ajudando diretamente a comunidade Linux que se baseia no sistema (Linux Mint, elementary OS, etc) que poderão se beneficiar das mesmas ferramentas e repositórios, sem precisar desenvolver ferramentas extras e nem mexer "um palito" sequer.


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lutris agora consta nos repositórios do Clear Linux da Intel

Nenhum comentário
O Clear Linux é a distribuição Linux desenvolvida pelo pessoal da Intel, pensando na otimização para os developers, computação na Nuvem, IoT, desenvolvimento em geral, além de poder ser usada como um desktop “normal”. Além é claro, de ter um sistema otimizado para os seus processadores e também nas suas futuras GPU’s dedicadas.

Lutris agora consta nos repositórios do Clear Linux da Intel





Agora, de forma oficial, o Lutris está incluso nos repositórios oficiais do Clear Linux, juntamente com o pacote WINE.

No Clear Linux, você utiliza o swupd, que em linhas gerais é como se fosse o APT, YUM ou DNF, para saber mais sobre o funcionamento dele de forma profunda, veja o guia. Ele também utiliza para a instalação, o bundle, para facilitar o gerenciamento.

Primeiramente, vamos instalar WINE,  que você pode fazer de duas formas. Como o Clear Linux OS usa o GNOME, você tem a GNOME Software nele, e nela você pode procurar pelo bundle WINE e instalar, ou via terminal, com o seguinte comando:



sudo swupd bundle-add wine

Feito isso, basta esperar a instalação terminar.

Para instalar o Lutris podemos também utilizar a mesma forma de procurar na GNOME Software, mas agora vamos procurar pelo bundle “Games”, ou senão via terminal com o seguinte comando:

sudo swupd bundle-add games

Aí, é só esperar terminar a instalação. No site do Lutris também tem a menção do Clear Linux.

Agora você já tem o conjunto para jogar os games que não são da Steam, visto a mesma pode ser instalada via Flatpak, que já vem instalado no Clear Linux. Se você precisar instalar a Steam, é só seguir esse tutorial.

Vale uma menção aqui. É importante você verificar se a sua GPU da Intel tem suporte ao Vulkan, essa informação pode ser encontrada no site deles. Se ela tiver o suporte incompleto, os games podem rodar de forma instável. Para instalar o Vulkan no Clear Linux, é bem simples, basta instalar o seguinte bundle:

sudo swupd bundle-add developer-gpu

Se você estiver pensando em instalar o Clear Linux  em um PC com GPUs da NVIDIA, você pode tentar seguir a documentação sobre isso, mas a cada update do sistema, será necessário atualizar o driver de  forma manual, ao menos por enquanto.

Muito gratificante ver que um grande projeto como esse do Clear Linux, dando assim mais uma opção de distro Linux para jogos.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo