Qual o desempenho de um SSD no Ubuntu? SWAP no SSD? - Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Qual o desempenho de um SSD no Ubuntu? SWAP no SSD?

Os SSDs chegaram para substituir os tradicionais discos rígidos em nossos computadores, apesar de serem ainda um pouco mais caros do que os HDs, eles podem dar uma nova vida para o seu computador. Para mostrar o comportamento de um componente destes no Ubuntu eu fiz um vídeo para demonstrar o funcionamento dele no meu Notebook pessoal, confira:

sábado, 10 de dezembro de 2016

/ por Dionatan Simioni
Os SSDs chegaram para substituir os tradicionais discos rígidos em nossos computadores, apesar de serem ainda um pouco mais caros do que os HDs, eles podem dar uma nova vida para o seu computador. Para mostrar o comportamento de um componente destes no Ubuntu eu fiz um vídeo para demonstrar o funcionamento dele no meu Notebook pessoal, confira:

SSD Vale a pena?




Vou aproveitar esta publicação para responder algumas perguntas que foram frequentes no vídeo sobre o SSD, mas para contextualizar, melhor você assistir o vídeo antes:



Algumas das principais dúvidas sobre o uso do SSD residiram sobre o uso ou não da memória SWAP nele, algo que gera alguns debates, mas eu vou explicar a solução que eu encontrei para isso.

Os SSDs possuem um limite de transferência de dados em sua vida útil, isso varia de marca para marca e modelo para modelo, mas podemos assumir que um SSD simples dura muito mais do que o tempo que você vai manter o seu computador. No meu caso, um SSD da Kingston de 240 GB, caso eu transferisse por ele cerca de 40 GB todos os dias, ele duraria algo muito próximo dos 10 anos, o que nem de perto eu faço e você provavelmente também não. 

O ideal não é realmente você utilizar a SWAP em um SSD, afinal, ela costuma estar em constante atividade, mas mesmo que estivesse funcionando, dificilmente o valor que ela emprega iria afetar de forma muito significativa a vida útil de um SSD, no entanto, você mesmo assim pode não querer  desperdiçar um bit se quer, neste caso você, ao menos no Linux, pode utilizar a solução que eu utilizei.

Ao invés de utilizar a memória SWAP em disco de forma tradicional, eu utilizo o ZRAM, que joga a área de troca para um bloco comprimido na memória RAM, isso faz com que o SSD não seja afetado e ainda assim eu tenha uma SWAP funcional e até mais rápida, porém ela fica alojada na memória e não no disco ou SSD.

E você, já tem SSD? Pretende comprar? Se já tem, conseguiria viver sem?

Deixe o seu comentário logo abaixo e até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo