5 Mitos mais comuns sobre Qt e um Convite - Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo.

Responsive Ad Slot

5 Mitos mais comuns sobre Qt e um Convite

Se você usa tecnologias da comunidade KDE, VLC, Virtualbox ou até mesmo o Skype, você já usa Qt aí por debaixo dos panos e talvez nem saiba. Qt é um framework de desenvolvimento completo para C++ e é bastante utilizado mundo afora e hoje iremos desmistificar alguns mitos que o envolvem.

terça-feira, 20 de junho de 2017

/ por Dionatan Simioni
Se você usa tecnologias da comunidade KDE, VLC, Virtualbox ou até mesmo o Skype, você já usa Qt aí por debaixo dos panos e talvez nem saiba. Qt é um framework de desenvolvimento completo para C++ e é bastante utilizado mundo afora e hoje iremos desmistificar alguns mitos que o envolvem.

QtCon.jpg



Desde algumas marcas de SmartTVs, Blackberrys e até mesmo o sistema de bordo dos carros da BMW utilizam Qt.

Mesmo com toda essa galera "de peso" usando Qt profissionalmente, ao longo do tempo muitos mitos foram criados com relação ao Qt e seu uso, e alguns deles persistem até hoje. Separamos alguns deles para desmistificar neste post e ao final temos um convite bacana pra você que deseja saber mais sobre este incrível framework.


1 - Qt só serve para programas gráficos


Qt Design de interfaces

Pelo fato de também permitir desenvolvimento de programas gráficos, muita gente associa Qt somente com este tipo de software, o que não é verdade. É possível ter programas em Qt somente em modo texto também, o que facilita muito a vida de um programador que deseja desenvolver alguma ferramenta que não necessite de modo gráfico.

Desde fazer seu programa "conversar" TCP/IP, quanto fazer parsing de código XML. Tudo pode ser feito importando algum módulo do Qt no seu programa e utilizando as classes certas.


2 - Não existe uma boa IDE para Qt (como o netbeans, ou visual studio)


Qt Creator

Quem é programador "das antigas" talvez lembre que antes do Qt 4 não existia uma boa IDE. E muita gente ainda evita usar Qt hoje em dia por causa de memórias daquela época.

O que existia era somente o Qt Designer, que permitia "desenhar" as janelas e gerar um arquivo com extensão .ui que continha toda a especificação da interface, e podia ser utilizado no seu programa (utilizando QWidget's).

A IDE oficial hoje chama-se Qt Creator. Ela começou a ser desenvolvida em 2007, mas foi só em 2009 que ela foi integrada e distribuída junto com o Qt 4.

O Qt Creator hoje, além de integrar o Qt Designer, também fornece uma ferramenta para desenvolver a parte gráfica do seu programa em QML, que é uma das tecnologias mais modernas para se programar interfaces gráficas e que tem uma sintaxe muito parecida com o CSS.

Para quem está acostumado com programação web, QML é uma mão na roda. Além da citada similaridade com CSS, é possível adicionar uma certa lógica no QML através de javascript. E enquanto o lado gráfico pode ser todo "desenhado" em QML, é possível fazer ele interagir com código C++ para efetuar tarefas mais complexas, como acessar um banco de dados ou efetuar uma conexão TCP/IP.

Para você ter uma ideia do que é possível de se fazer, o finado Unity 8 e seus aplicativos foram todos feitos com Qt/QML.

Para quem gosta de ter um depurador integrado, pode ficar tranquilo, pois o Qt Creator permite que você depure seus programas diretamente na interface, assim como em qualquer outra IDE. Há plugins para diversos depuradores, como o GDB, LLDB, etc.


3 - Qt só roda em Linux


Qt Linux

Este é um mito bem fácil de desmistificar, sendo que boa parte dos programas que foram citados no começo do artigo funcionam tanto em Linux, quanto OSX e Windows. As empresas por trás destes aplicativos não optaram pela Qt à toa: Qt é multiplataforma.

Desenvolver o mesmo programa para 3 plataformas diferentes é bastante complicado e nem um pouco barato. Manter o mesmo código para plataformas diferentes resolve inúmeros problemas no desenvolvimento de qualquer projeto.

O próprio framework se encarrega de abstrair o máximo possível as peculiaridades de cada plataforma, de forma que o programador se concentre no que é mais importante: desenvolver o software. Além disso, o Qt garante que seu programa tenha a mesma aparência e integração que aplicações nativas do ambiente.


4 - Qt é pago


Qt Pago

Este é parcialmente um mito e precisa ser esclarecido, pois é uma preocupação de muita gente ao utilizar Qt em seus projetos.

Se você estiver desenvolvendo uma aplicação proprietária, talvez deva prestar atenção que você não pode simplesmente fechar o código se o seu programa estiver utilizando Qt.

O Qt tem algumas modalidades de licenças. Se você tem dúvidas sobre o licenciamento, basta olhar os links oficiais:



Como você deve imaginar, se seu objetivo é desenvolver software livre, e ele respeitar as 4 liberdades da GPL, muito provavelmente você pode utilizar Qt no seu software sem nenhum custo.


5 - Não há uma comunidade Qt no Brasil.


Comunidade Qt no Brasil

As comunidades KDE e Qt do Brasil sempre andaram meio que juntas por motivos óbvios: O KDE tem uma história muito ligada ao Qt desde seu surgimento há 20 anos atrás. Até hoje isto ainda é verdade, e esta "parceria" ainda persiste. Grande parte do sucesso do KDE deve-se ao Qt, e vice-versa.

Talvez por este motivo muita gente acredita que não existe uma comunidade Qt no Brasil. Muito do que acontece sobre Qt no Brasil pode ser visto na página da prória comunidade KDE Brasil.

Apesar desta ligação quase familiar, o Qt é um framework independente do KDE, e como você percebeu, já vem por muitos anos sendo utilizada em vários outros projetos de grandes empresas (Blackberry, Nokia, Canonical, BMW, etc).

Em 2016, juntamente com a Akademy em Berlim (evento internacional do KDE) aconteceu a QtCon, reunindo diversas palestras especificamente sobre Qt, e pelo naipe dos patrocinadores, dá pra notar que tem muito mais gente interessada no Qt do que somente o projeto KDE.

A má notícia é que para quem se interessa por este tipo de evento e mora do lado de cá do mapa, não é tão simples se deslocar até a Europa. A boa notícia é que o pessoal do KDE Brasil esteve no evento ano passado e resolveu trazer a QtCon aqui para o nosso lado do globo, e a sua primeira edição brasileira acontecerá dias 18, 19 e 20 de Agosto de 2017 em São Paulo. Há varias palestras interessantes para quem gosta de programação, tecnologia, e claro: Qt.

No momento os treinamentos já estão totalmente esgotados, mas ainda há algumas vagas para as palestras. Se correr ainda dá tempo de garantir seu ingresso aos dois dias de palestras.

Você pode acessar o site oficial do evento para maiores informações: https://br.qtcon.org/

Esta é uma excelente oportunidade para poder aprender mais sobre o projeto, ver softwares reais que utilizam o framework, e até quem sabe ajudar a crescer a comunidade brasileira de Qt.

Este artigo foi escrito em parceria com o nosso professor do Diolinux EAD, Tiago Salem Herrmann.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo