Como instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint - Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Como instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint

Aprenda a instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint e a criar um atalho para facilitar o seu acesso posterior

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

/ por Dionatan Simioni
O Spark é um cliente de mensagens instantâneas open source, focado em atender empresas e organizações. Ele possui suporte integrado para bate-papo em grupo, integração com VOIP e uma estrutura de segurança muito interessante. Hoje você vai aprender a instalar ele no Ubuntu e no Linux Mint.

Como instalar o Spark no Linux Mint e no Ubuntu






O Spark não é a única opção, mas geralmente é ele que é instalado em um ambiente onde o Open Fire é o servidor de comunicação interna de uma empresa. O Spark Messenger tem suporte para todas as plataformas, incluindo Linux.

Não é a primeira vez que falamos sobre o Spark aqui no blog, há alguns anos eu precisei utilizá-lo em uma empresa que eu trabalhava e na época eu utilizava o Ubuntu 16.04 LTS, com Unity, no artigo você aprende a criar  um ícone de lançador para colocar no desktop.

Felizmente, com o tempo, o processo de instalação do Spark foi simplificado. Recentemente um amigo meu que presta manutenção de computadores em uma empresa de idiomas, que não vem ao caso mencionar, precisou instalar essa ferramenta no Linux Mint 19, um sistema que se encaixou perfeitamente na necessidade deles em substituição ao Windows 10.

Como baixar o instalar o Spark?


O primeiro passo para baixar o Spark para a sua distro é acessar o site oficial, depois haverão algumas possibilidades diferentes de download.

Fazendo o Download do Spark para Linux

Ao observar os downloads para Linux, você verá que temos um pacote Tar.gz (veja mais sobre esse tipo de pacote aqui), temos o pacote .rpm para Red Hat, CentOS, Fedora, SUSE, etc. e temos também a versão em .deb, para Debian, Ubuntu e Linux Mint.

Independente de qual você baixe, basta dar dois cliques para instalar, no caso do Ubuntu você fará a instalação através da loja de aplicativos, do caso do Linux Mint, você usará o instalador de pacotes .deb (gdebi).

Instalando Spark no Linux Mint

Essa versão atual já não depende diretamente do Java, entretanto, em caso de problemas, você pode querer instalar o Java da Oracle, confira este artigo do blog para aprender a fazer a instalação no Ubuntu e no Linux Mint.

O próximo passo é uma dica extra que eu mostrei para o meu amigo para tornar o acesso ao Spark pelos funcionários da empresa que ele estava atendendo tão tradicional quanto seria no Windows, criando um atalho no Desktop. Infelizmente o Spark não recebe atualizações desde 2017 e não cria, automaticamente, um atalho no menu ou no desktop dos sistemas, de modo que, depois de instalado, para você confirmar que o Spark está funcionando, basta digitar no terminal, ou pressionar alt+f2 e digitar: spark

Se funcionar, a forma simples é criar de usá-lo novamente é criar um atalho na área de trabalho, no caso do Linux Mint o processo é extremamente simples.

Criando um atalho para o Spark

1 - Clique com o botão direito na Área de trabalho;

2 - Vá até a opção "Criar novo lançador aqui...";

3 - Coloque "Spark" em "Nome" e "spark", com letras minúsculas em "Comando";

4 - Clique no ícone da imagem para selecionar um ícone para o Spark, você pode baixar o ícone do software e colocar em alguma pasta que você queira, depois é só procurar ela pelo gestor de arquivos.

5 - Clique no botão "Ok", ao fazer isso, será aberta uma caixa de diálogo perguntando se você quer integrar o Spark ao menu do seu sistema também, você pode confirmar, se este for o seu desejo;

6 - Dê dois cliques no ícone e o Spark deve se abrir.

Caso você esteja usando o GNOME no Ubuntu, o processo para isso é um pouco mais complicado, ainda mais agora que o projeto GNOME resolveu remover o suporte para os ícones no Desktop, no entanto, o processo de criação de ícones foi detalhado no nosso outro artigo sobre o Spark mencionado no início deste post.

Outra forma de contornar a situação é usar um editor de menus e criar uma nova entra manualmente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo