Fevereiro 2019 - Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Como instalar o DaVinci Resolve no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O DaVinci Resolve é um software da Black Magic Design, uma famosa empresa de equipamentos para filmmakers profissionais, que também é responsável por um dos melhores softwares da atualidade para edição e pós-produção de vídeo. Hoje você vai aprender a instalar o DaVinci Resolve na sua distro Linux.

Como instalar o DaVinci Resolve no Linux






O DaVinci Resolve é um software extremamente completo, capaz de trabalhar com edição de vídeo profissional, composição, edição de áudio e color grading e está disponível para Linux, macOS e Windows em uma versão gratuita e uma versão paga (DaVinci Resolve Studio).


A versão grátis é muito poderosa e pode resolver os problemas da maior parte dos produtores de conteúdo e é essa versão que você vai aprender a instalar no seu Linux.

Temos também a versão em vídeo deste tutorial:


Fazendo o download do DaVinci Resolve para Linux


O primeiro passo é acessar o site do software e rolar (muito) a página até a parte de baixo onde você encontrará as opções de downloads para cada sistema operacional, enquanto observa as várias funcionalidades do software que são exibidas na página.

DaVinci Resolve Download

Nessa região você encontrará a versão grátis e a paga, basta escolher a desejada. Uma curiosidade interessante em relação a versão paga, é que se você comprar qualquer câmera da Black Magic, a versão Studio do DaVinci Resolve vem de brinde, bacana, né?

No nosso caso vamos baixar a versão gratuita (Free), basta clicar no botão referente à versão.

Download DaVinci Resolve Linux

Na próxima tela você verá as opções de download disponíveis, incluindo a versão de Linux, basta clicar no botão referente.

O próximo passo é um pequeno formulário de cadastro que deve ser preenchido, caso você baixe a versão Studio ele não é necessário, porém, na versão grátis, sim. Preencha com as informações requeridas.

Download do DaVinci Resolve no Linux

Depois de fazer o cadastro você efetivamente poderá fazer o download do software.

DaVinci Resolve Download para Linux

O arquivo tem cerca de 900 MB de tamanho e vem compactado no formato .zip.

Instalação do DaVinci Resolve no Linux


*Essa era uma parte consideravelmente complicada até pouco tempo, temos aqui no blog um tutorial completo para a instalação do Resolve no Ubuntu e também um outro tutorial mostrando como transformar o instalador em um .deb, ambos devem ser usados apenas em caso de necessidade.

Atualmente a Black Magic melhorou muito a forma com que o software é distribuído e incluiu todas as dependências e libs diretamente no instalador, fazendo com que a instalação no Linux seja extremamente simples, tanto quanto no Windows ou no macOS.

O primeiro passo é extrair os arquivos do arquivo compactado que você baixou.

Davinci Resolve extração

Com essa extração uma pasta será criada com o nome do programa, você pode entrar nela, onde encontrará dois arquivos, um instalador no formato .run e um pdf com um manual de instruções.

Tudo o que você precisa fazer é dar dois cliques no arquivo .run e o instalador vai se abrir.

*Caso não funcione, verifique o arquivo está com as permissões de execução através do menu "propriedades", clicando com o botão direito sobre ele e observando a aba "permissões.

Instalação do DaVinci Resolve

À partir de agora o instalador é completamente guiado, basta avançar pelas etapas observando as opções disponíveis. Durante a instalação será solicitada a sua senha de Root pelo menos duas vezes para a instalação de alguns arquivos em certos diretórios, basta confirmar digitando a sua senha e aguardar a instalação processeguir até o seu final.

Na dúvida, consulte o manual que vem com o programa.

Quando o procedimento finalizar, o programa já estará instalado, basta procurar pela aplicação no menu do seu sistema.


Configuração do DaVinci Resolve no Linux


Ao abrir o software pela primeira vez você poderá fazer um "setup" inicial, configurando algumas das suas preferências, como local onde deseja armazenar os seus arquivos de mídia, configuração de padrões da teclas de atalho (usar as do Adobe Premiere, FinalCut e Avid Media Composer são algumas opções), além de fazer uma verificação de se o hardware instalado está adequado para o trabalho e a configuração dos padrões dos seus projetos, como a resolução.


Configuração do DaVinci Resolve
Começando a conifguração do DaVinci Resolve

Configuração do DaVinci Resolve
Verificação de compatibilidade

Configuração do DaVinci Resolve
Definição de padrões do projeto

Configuração do DaVinci Resolve
Seleção da pasta adequada para armazenar as suas produções

Todas as configurações aqui feitas poderão ser alteradas posteriormente nas configurações do próprio DaVinci Resolve através do menu de mesmo nome no programa.

Dicas para usuários da versão Free do Resolve no Linux


Configurando DaVinci no Linux

No Linux o DaVinci Resolve não tem decoração nas janelas, talvez isso seja alterado no futuro, talvez não, mas de toda forma, apesar de ser um software que você sempre vai querer trabalhar em tela cheia, é possível manipular a janela segurando a tecla "Alt+Clique do botão esquerdo do mouse" para movimentá-la, ou "Alt+F7", você também pode usar "Alt+F8" para redimencioná-la se quiser.

A versão do Resolve livre de custos possui limitações em relação a codecs, de modo que pode ser necessário capturar as suas mídias em formatos suportados na versão grátis (ver manual do programa), ou então converter os seus arquivos capturados em formatos diferentes.

Convertendo arquivos para o DaVinci Resolve Linux


Para tal, nós preparamos um outro artigo aqui no blog que faz uso do poderoso FFMPEG, através de uma de suas interfaces chamada WINFF (Disponível também para Windows), com um script que converte facilmente qualquer arquivo para um formato que o DaVinci possa trabalhar sem problemas.

Para saber mais sobre essa ferramenta, basta acessar este artigo: "Convertendo vídeos para trabalhar no Davinci Resolve no Linux".

É interessante observar que o DaVinci Resolve requer um bom hardware para funcionar bem, em especial placas de vídeo, porque a maior parte (se não todos) os seus recursos de edição são trabalhados pela GPU, no Linux temos um desempenho (generalizando) melhor com placas da Nvidia atualmente, então tenha certeza de ter os seus drivers instalados corretamente.

Ficou alguma dúvida? Conheça o nosso fórum, você pode ter suporte por lá.

DaVinci Resolve não abre por falta de uma biblioteca


Dependendo da sua instalação, pode ser que uma biblioteica relacionada ao seu driver de vídeo não seja instalada e por conta dela, a versão atual do DaVinci Resolve não consegue ser executada. Eu tivesse problema apenas uma vez, mas acho que vale a pena deixar a dica registrada.

DaVinci Resolve Linux lib

Caso você clique no ícone do DaVinci Resolve e nada aconteça, pode ser que algum componente assim esteja faltando. Para ter certeza de qual componente é esse, rode o seguinte comando no terminal:
/opt/resolve/bin/resolve
E observe o erro que aparecer, no meu caso era a ausência da "libOpenCL", bastando instalar, neste caso pela loja do Mint, o pacote "ocl-icd-libopencl1", que foi encontrado pesquisando simplesmente por "libopencl". Depois da instalação o DaVinci Resolve iniciou normalmente.


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Purism quer proteger computadores com Linux com o PureBoot

Nenhum comentário
A Purism anunciou em seu site uma nova formado Linux lidar com o boot do sistema através de uma tecnologia chamada “PureBoot”. O anúncio foi feito por Kyle Rankin, Diretor de Segurança da Purism, na Segunda-feira (25).

 Purism quer proteger computadores com Linux com o PureBoot






Segundo a nota solta por Kyle, os métodos atuais para a segurança do boot (ou inicialização do sistema), são com abordagens que são “convenientes” somente para os fornecedores do hardware,tirando o controle das mãos dos usuários. Ele ainda complementa que atualmente as duas alternativas existentes, que são, usar chaves de assinaturas que permitem o software de boot seja executado, ou simplesmente desabilitar o Boot Security.

O “PureBoot” não é uma nova ferramenta e sim o conjunto de 6 (seis) tecnologias e práticas de segurança, e segundo a Purism, essa tecnologia concilia a segurança com o controle e comodidade dos usuários. As práticas são : 

1- Intel Management Engine Neutralizado e Desativado;
2- A substituição da BIOS pelo software livre coreboot;
3- Um chip do Trusted Platform Module (TPM);
4- Heads, o software da Purism de boot inviolável que é carregado à partir do coreboot;
5- Librem Key , token de segurança USB da Purism;
6- Autenticação de múltiplos fatores que desbloqueia a criptografia de disco usando a chave Librem;

Com isso, a Purism acredita que dando mais controle aos usuários na hora do boot, eles vão poder auditar e ver se existe alguma alteração nele, pois como o próprio Kyle comenta, se os invasores conseguirem ter acesso ao processo de inicialização, vão conseguir “injetar” softwares mal-intencionados ali e que não serão detectados pelo sistema.

Se você quiser mais detalhes técnicos e de como vai funcionar cada um das 6 práticas do PureBoot, basta acessar este link do post do Kyle ou a documentação completa dele.

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Mandriva ainda vive? Conheça o Beta do Mageia 7

Nenhum comentário
Mageia 7 chega ao seu segundo Beta para testes com várias novidades em relação aos aplicativos padrões e também melhorias e correções pontuais no “motor” do sistema. O Mageia é uma distro francesa que surgiu em Setembro de 2010, como um fork do famoso Mandriva Linux, que teve a sua última versão lançada em 2011 e sem mais nenhuma atualização até então. A própria empresa, Mandriva, declarou falência anos depois.

 Mandriva ainda vive? Conheça o Beta do Mageia 7






O Mageia 7 ainda vai continuar a oferecer suporte a arquiteturas de 32 bits junto com as de 64 bits, com versões com GNOME, XFCE, KDE Plasma, LXQt, Cinnamon, LXDE, MATE, Enlightenment e IceWM. Houveram também melhorias e correções para usuários com notebooks com GPUs híbridas da Intel+Nvidia, que você pode conferir neste link.

As principais novidades que vão vir no Mageia 7, são:


●  Kernel 4.20
●  Mesa 19.0 (rc)
●  Rpm 4.14.2
●  Plasma 5.14.2
●  GNOME 3.30
●  XFCE 4.13.4
●  Firefox 64.0
●  Chromium 70
●  LibreOffice 6.2.0

Para conferir todas as novidades que virão no Mageia 7, veja a nota de lançamento deles através deste link.

E se você for um entusiasta do mundo Linux e gostaria ajudar o pessoal do Mageia a reportar bugs, basta acessar o bugzilla deles neste link, ou, se preferir contribuir de alguma outra forma, basta acessar este outro link.

Espero você no próximo post, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Economize internet com a extensão Bandwidth Hero

Nenhum comentário
Nem todas as regiões do Brasil possuem conexão de internet com alta velocidade, e às vezes é comum a adesão em alguma banda larga 4G LTE, e nestes casos economizar o limite de tráfego de banda de internet é algo super importante, pois caso o limite da franquia seja alcançada, a internet pode diminuir drasticamente sua velocidade, ou até mesmo ficar temporariamente indisponível.

extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

É aí que o Bandwidth Hero (“Herói da Banda Larga”) entra em ação, com essa extensão de código aberto e disponível para Google Chrome e Firefox, o fluxo dos dados podem diminuir, economizando sua franquia de internet

Seu funcionamento é bem simples, comprimindo as imagens dos sites que são acessados pelo usuário nos formatos WebP e JPEG. Ao navegar na web o Bandwidth Hero endereça as imagens dos sites visitados para seu servidor proxy, que compacta cada uma e envia em baixa resolução diretamente para você, essa técnica visa diminuir a qualidade da imagem e evitar o máximo do uso da sua banda larga, uma maneira interessante para quem sofre com essas limitações de internet.

funcionamento-extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

Comprimindo as imagens em até 50 - 70% de seus tamanhos originais, no entanto, em alguns casos sua compressão é tão agressiva que imagens podem ficar em preto e branco, entre outras coisas, mas com as diversas configurações da extensão você pode resolver tais problemas facilmente, apenas desabilitando alguns recursos.

Outro ponto a ser observado é que o proxy não garante seu anonimato, ele faz o download de imagens em nome do usuário, passando os cookies e o endereço IP para o host de origem. 

Configurando o Bandwidth Hero no seu navegador


O serviço de proxy do Bandwidth Hero faz uso do Node.js, então vamos instalá-lo em nosso sistema (Ubuntu, Linux Mint e derivados):

sudo apt install nodejs

sudo apt install build-essential

Você pode utilizar a interface gráfica, caso não queira usar o terminal, basta fazer todo procedimento via Synaptic, pesquise e instale os pacotes: “node.js” e “build-essential”, aprenda a utilizar o Gerenciador de pacotes Synaptic, com esse vídeo super especial.

instalar-node.js-ubuntu-synaptic

Por se tratar de uma aplicação em Node.js, devemos hospedá-lo para correto funcionamento do servidor proxy, no entanto acalme-se, iremos usar o serviço gratuito Heroku (mesmo possuindo planos pagos, utilizaremos o free).

Efetue seu cadastro normalmente no serviço, e na opção “Primary development language”, selecione “Node.js”. Um link de confirmação será enviado para seu email.

hospedar-node.js-heroku-app

Configure sua senha de acesso ao Heroku, e acesse o serviço.

senha-heroku-cadastro-free-app-node

Adicione a extensão, conforme seu navegador:

Google Chrome

 Baixe a extensão para Google Chrome

Mozilla Firefox

 Baixe a extensão para Mozilla Firefox

Em seu navegador na parte superior direita irá aparecer o ícone do Bandwith Hero, clique nele, um pequeno pop-up surgirá, clique na opção “Compressions settings”, logo após em “Configure data compression service”, abrindo assim a janela de configuração.

config-extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

Clique na opção “Heroku”, aparecerá um botão de nome “Deploy to Heroku”, clique nele e ao ser redirecionado para página do Heroku, efetue o login.

extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

Configure seu app Node.js, preenchendo todos os campos, em “App name” tente uma combinação até ter um nome disponível, em “Choose a region” escolha “United States”, logo abaixo crie um LOGIN e PASSWORD para aplicação, ao finalizar clique em “Deploy app” e aguarde a conclusão do processo (pode demorar uns minutinhos).

extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

Ao finalizar a compilação do app, aparecerá dois botões no final da página, clique em “View”, um pop-up solicitando LOGIN e PASSWORD aparecerá, digite ambos que acabou de criar.

deploy-app-heroku-nodejs

Uma nova página se abrirá, copie a URL.

url-node.js-heroku-app

Cole a URL no campo “Data Compression Service” na página de configuração do Bandwidth Hero, aquela que abrimos anteriormente após instalar a extensão.

extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

Por fim veja a mágica acontecer, e a quantidade de MBs que serão “salvos” na sua franquia de internet. Por exemplo, aqui no blog Diolinux passamos a utilizar o formato Webp (indicado para imagens na web), e mesmo assim o Bandwidth Hero, comprimiu e conseguiu economizar 78% no resultado final .

resultado-compressão-imagens-extensão-bandwidth-hero-economizar-internet-firefox-google-chrome

Com essa extensão muitos poderão se beneficiar e prolongar sua franquia, seja ela 4G, ou como já fiz há alguns anos atrás, uma internet 3G por meio de um adaptador USB (Época que não tinha internet cabeada, recorrendo a boa e velha gambiarra com o 3G do meu celular  😂😂😂).

Gostou da dica? Deixe nos comentários se já conhecia essa solução.

Te espero como sempre, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Dark Mode chega no Google Chrome para Android

Nenhum comentário
Recentemente a Google disponibilizou alguns temas para seu navegador Google Chrome, a novidade foi apenas para a versão desktop, porém, rumores indicam que a “gigante de Mountain View” está trabalhando num modo noturno para o desktop, não apenas os PCs convencionais ganharão o recurso, também contemplando sua versão mobile.

dark-mode-google-chrome-android-app

O modo escuro do Google Chrome Android ainda não foi lançado, mas através da sua versão canary, podemos ter uma breve noção de como está ficando, e para conferir o resultado desta opção é bem simples.

Conferindo o modo escuro do Google Chrome Android


A última versão do browser Google Chrome Canary para Android implementou timidamente o modo escuro, porém, para ativá-lo será necessário habilitar algumas flags, por se tratar de um recurso experimental, a Google não o usa ativo por padrão, entretanto, é apenas uma questão de tempo para que o recurso amadureça e chegue à versão estável do navegador. 

Pesquise na Google Play por google chrome canary e instale o App, tenha em mente que é uma versão instável do navegador, e eventuais erros podem acontecer com o app.

dark-mode-google-chrome-android-app-canary-instalar

Após baixar e instalar o app, abra-o e na barra de buscas e digite a seguinte flag:

chrome://flags

dark-mode-google-chrome-android-app-flags

Isso possibilitará o acesso às funções “escondidas” do aplicativo, agora no campo de buscas digite:

#enable-android-web-contents-dark-mode

dark-mode-google-chrome-android-app

Clique em cima da opção, mude o sinalizador que por padrão vem como “Default”, que atualmente desativa a função, para “Enabled”, clique em “Relaunch Now” e espere o aplicativo reiniciar.
dark-mode-google-chrome-android-app

Com o modo dark ativo, as páginas mudam sua coloração de branco para preto, particularmente senti que a cor era muito forte, talvez uma tonalidade escura sem necessariamente ser o “preto massivo” fique mais atraente, todavia, perceba que é algo experimental e quando ele for implementado na versão para o usuário final a equipe de design e desenvolvimento da Google lapidará esse recurso, juntamente com seu visual.

resultado-dark-mode-google-chrome-android-app

E você o que acha de modos escuros em aplicações? Em meu cotidiano sempre utilizo essa funcionalidade.

Você gostaria de um modo dark no Chrome? Ou quem sabe outro navegador como Firefox?

Nos vemos no próximo post, aqui no blog Diolinux, te aguardo, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


KDE Plasma 5.15.2 é lançado apenas uma semana após o primeiro patch de correções

Nenhum comentário
Um dos projetos de interface gráfica mais famosos do mundo Linux, o KDE Plasma, lançou na Terça-feira (26), o segundo patch de correções para a interface com pequenas melhorias e correções que passaram batidas no primeiro patch.


 KDE Plasma 5.15.2 é lançado apenas uma semana após o primeiro patch de correções





Em nota publicada em seu blog oficial, a equipe do KDE menciona que foram feitos alguns refinamentos dos recursos e alguns novos módulos  para deixar a experiência com o Desktop deles ainda mais completa. Confira o trecho:

“O KDE Plasma 5.15 foi lançado em Fevereiro com muitos refinamentos de recursos e novos módulos para completar a experiência de desktop. Esta nova versão, adicionada uma semana depois, vem com novas traduções e correções dos colaboradores do KDE. As correções de erros são geralmente pequenas, mas importantes.”

Melhorias da nova versão do KDE Plasma


O menu de aplicativos Kickoff recebeu algumas correções, como está que você pode ver nesta Commit com esse Fixes bug #402614 e Phabricator Code review D19023, e nessa também  Commit com o seguinte Phabricator Code review D19154. O filtro de tela para o applet do Menu Global também foi melhorado e a seleção de vários arquivos, que apresentava algumas inconsistências e erros, agora funcionará normalmente.

Outros componentes importantes também foram atualizados, como : Plasma Workspace, Plasma Desktop, KWin, Plasma Discover, Complementos para o Plasma, Info Center, o KDE GTK Config e o xdg-desktop-portal-kde.

Vale mencionar que a próxima atualização do KDE Plasma deve chegar em breve, se os cronogramas forem mantidos, ela deve aterrissar nas distros que usam o KDE Plasma em 12 de Março.

Se você quiser ver o changelog completo desta versão do KDE Plasma, basta acessar este link.

Espero você no próximo post, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja as estrelas no seu Linux com o Kstars

Nenhum comentário
O campo da astronomia é algo infinitamente encantador, conhecer estrelas, planetas, galáxias e uma gama enorme de possibilidades, faz você pensar no quão pequeno é diante a tamanhas descobertas, e o estudo da astronomia encanta milhares de pessoas, contudo, na atualidade a forma de interagir com os astros se tornaram mais simplificadas, graças a softwares como o Kstars.

kstars-programa-app-astronomia-amador-profissional

Kstars é um programa de código aberto, multiplataforma e gratuito, aos moldes do Stellarium, um aplicativo bem famoso para quem é da área, inclusive temos uma postagem com diversos programas que vale a pena dar uma olhada se você é professor (seja de humanas ou exatas), com ele existe a chance de ver uma simulação gráfica perfeita do céu, de qualquer local da terra, data e hora. O software é tão poderoso que possibilita a observação de 100 milhões de estrelas, 13 mil objetos do céu profundo, planetas, o Sol, a Lua, milhares de cometas, asteroides, supernovas e satélites.

interface-kstars-programa-app-astronomia-amador-profissional

Com foco em estudantes e professores, têm suporte a diversas simulações, além de incluir o Astrocalculador Kstars para prever conjunções e efetuar diversos cálculos astronômicos. 

Existem diversas funcionalidades no software que com o tempo e uso claramente você vai descobrindo, como um planejador de observação, um calendário celestial, gráficos de “altitude de plotagem vs. tempo” para qualquer objeto, impressão de tais gráficos e muito mais. 

recursos-funcionalidades-kstars-programa-app-astronomia-amador-profissional

Instalando o Kstars


Para efetuar a instalação do Kstars é bem simples, tudo de forma gráfica direto da loja do Ubuntu, então pesquise por “kstars” e efetue a instalação do programa. São duas opções, a primeira em Snap e a segunda de forma “tradicional”. 

instalar-kstars-snap-deb-programa-app-astronomia-amador-profissional

E qual a diferença? 


A versão em Snap possui as últimas atualizações do programa, então se quer novidades ela é a recomendada, no entanto, sua interface está toda em Inglês, se isso é um empecilho recomendo a segunda opção, que mesmo numa versão mais desatualizada, conta com nosso idioma português.

versão-kstars-programa-app-astronomia-amador-profissional

O procedimento a seguir é para quem efetuou a instalação da versão em Snap, clicando na opção “Permissões”, diversas funcionalidades que por padrão vem desabilitadas podem ser ativas, como a utilização da webcam e entrada USB.

permissão-snap-kstars-programa-app-astronomia-amador-profissional

Outra possibilidade é instalar a versão Android, tendo, quase que literalmente, milhares de estrelas na palma da mão. Efetue o download direto da Google Play.

kstars-programa-app-android-astronomia-amador-profissional

Gostou da dica? Esse programa me fez lembrar de minha infância. Eu tinha alguns livros de ciências que ganhei em Salvador-BA e sempre estava aprendendo coisas, maravilhando-me com os planetas, astros e o tamanho das estrelas comparadas ao nosso Sol, livro este que me possibilitou ir para segunda etapa na olimpíada nacional de astronomia, em meados de 1998/1999 no ensino fundamental.

E você, curte astronomia? Conhece alguma pessoa que gostaria deste programa? Não perca tempo e indique, existe versão Windows e Mac também, acesse o site oficial e efetue o download da aplicação

Deixe nos comentários suas experiências com programas deste tipo, ou quem sabe histórias que possam incentivar pessoas a seguirem essa área.

Te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎 Compartilhe e indique o blog para seus amigos e familiares.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como fazer Dual Boot entre Ubuntu e Gentoo

Nenhum comentário
O Gentoo para muitos é uma distro que instiga o aprendizado, funcionando quase como uma "meta" para se completar enquanto se usa Linux. Por diversos motivos, pode ser insteressante usar o Gentoo em Dual Boot com outra distro, como o Ubuntu, ao menos enquanto você "constrói" o seu sistema.

Ubuntu e Gentoo em Dual Boot






Para facilitar a sua vida, o nosso amigo Marcos, do canal Terminal Root, realizou um incrivelmente detalhado tutorial sobre o assunto, eliminando as suas possíveis dúvidas e problemas. Você pode conferir o vídeo completo aqui:


Caso tenha restado alguma dúvida, entre para a nossa comunidade no Diolinux Plus, lá é o lugar ideal para tirar as suas dúvidas, ensinar e aprender.

Aproveitando a deixa


O pessoal do Terminal Root produz muitos cursos e material interessante, de altíssima qualidade e orquestrado por pessoas extremamente competentes, inteligentes e de confiança. É um combo raro, nao?  

Temo um uma MEGA PROMOÇÃO rolando . Na promoção você irá adquirir e baixar todo o material para o seu computador por apenas R$ 129,90 , o que inclui todos os cursos: 
  • Vim;
  • Shell Script do Iniciante ao Avançado;
  • Sed;
  • Expressões Regulares
  • e Shell Script Extremamente Avançado.
Para adquirir tudo pelo preço diferenciado acesse o link:

Saiba mais: http://terminalroot.com.br/promo

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ícones Yaru do Ubuntu podem receber um "leve redesign"

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

Parece que o Ubuntu ainda está revendo seu design atual, com um pack de ícones “controverso”, que tenta propor um design novo, porém ao mesmo tempo sem descaracterizar os ícones de terceiros, o tema de ícones Yaru vem “lutando” entre manter os ícones num estilo meio quadrado/arredondado e usar os ícones oficiais de apps de terceiros.

redesign-novos-icones-yaru-ubuntu-suru

Recentemente a equipe de designers da Canonical estava desenvolvendo uma solução para tal paradigma, até noticiamos sobre a mesma, num post bem interessante, entretanto ao que parece, a investida de criar um script que automatiza a padronização dos ícones de terceiros sem agredir sua identidade visual, talvez não seja a melhor solução.

É notório o desagrado de alguns usuários sobre esse novo rumo e design dos ícones Yaru, um ícone mais quadrado mantendo todos apps num padrão visual, é condizente com as aplicações nativas ao sistema, o “desfalque” começa quando instalamos vários softwares de terceiros, descaracterizando uma harmonia visual com ícones quadrados e alguns fora do padrão. Se por um lado mudar os ícones dos softwares como Firefox, Spotify, Skype, Discord etc; Pode matar a identidade visual proposta por seu fabricante, manter todos os ícones do sistema num padrão e outros sem, parece algo contraditório, e a equipe do Yaru vem tendo grandes dificuldades com o desfecho desta questão.

Ícones Yaru junto a softwares de terceiros (Atual)


icones-yaru-ubuntu-suru-atual

E qual a solução, afinal? Não existe algo finalizado. Os designers, ao que tudo indica, estão começando a desistir desta ideia de “ícones quadrados”, e começaram a experimentar outras formas de desenhos, misturando objetos quadrados, retangulares e circulares no mesmo tema. Um fork do Yaru foi criado, e testes estão sendo feitos, com tais experimentações de formatos diversificados, contudo, sem perder a premissa de identidade visual e consistência dos ícones originais de aplicações de terceiros.

Ícones Yaru junto a softwares de terceiros (Em testes)


icones-yaru-ubuntu-suru-teste

Ainda em fase de testes


Por ser algo relativamente novo, os ícones obviamente não estão todos prontos, e nem a ideia foi tomada como decisão final, a discussão ainda continua: Qual a melhor decisão a ser tomada? Ao que parece, “pelo andar da carruagem”, este será o caminho tomado pela equipe do Yaru.

Se você é um apressadinho (ou curioso 😂😂😂), e gostaria testar os ícones com esse novo redesign, basta instalar via snap, ou substituir, caso tenha ele instalado.

Instalando os ícones, caso não tenha a versão estável

snap install communitheme --channel=edge/yaru-pr1209

Substituindo os ícones pelo “redesign”

snap refresh communitheme --channel=edge/yaru-pr1209

Voltando para versão estável

snap refresh communitheme --stable

Para remover basta substituir o parâmetro “install/refresh” pôr “remove”.

Torne como padrão o tema de ícones Yaru através da aplicação “gnome-tweak-tool”, você pode instalá-lo via terminal com o seguinte comando:

sudo apt install gnome-tweak-tool

Ou via interface gráfica, para isso abra a loja e pesquise por “ajustes do GNOME” e instale o app.

gnome-ajustes-ubuntu-temas-icones-loja

Execute o mesmo pesquisando no menu do Ubuntu por “ajustes do GNOME”, abra o programa e na aba “Aparência”, selecione na opção’ Ícones” o tema Yaru, que estará com o nome “Communitheme”.

gnome-ajustes-ubuntu-temas-icones-configurando

Conforme os designers forem atualizando o pack de ícones, você também receberá as modificações normalmente por atualizações do sistema.

E você, curtiu esse “redesign” no tema de ícones Yaru? Particularmente uso uma customização que fiz mesclando o Suru + Yaru, e agora com essa nova opção, estou pensando em dar um upgrade e substituir os ícones que não achei legal. 

Deixe nos comentários o que achou deste caminho traçado pela equipe de arte do Ubuntu, ou se prefere os ícones padrões do Gnome etc.

Até o próximo post, te aguardo aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo