Como configurar discos e partições no Linux usando FSTAB - Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Como configurar discos e partições no Linux usando FSTAB

Aprenda a configurar o FSTAB para ajustar as suas partições e discos no Linux via linha de comando

terça-feira, 5 de março de 2019

/ por Dionatan Simioni
Quando eu estava aprendendo Linux, lembro de ter lido em algum lugar algo que dizia: "No Linux tudo são arquivos". E querendo ou não, de fato, toda a configuração do sistema, de forma geral, é feita através de "simples" arquivos de textos, configurados de forma a fazer tudo o que você vê na sua tela funciona como se deve. Um desses arquivos é o FSTAB (File Systems Table).

Como configurar o FSTAB






Mesmo que você nunca sequer tenha pensando nisso, a sua distribuição Linux faz, toda a vez que você liga o seu computador e dá boot no sistema operacional, a montagem das partições do seu disco, do seu SWAP e de onde fica cada coisa. Esse é um processo automático que ocorre baseado nas informações contidas em um arquivo que fica no diretório /etc/fstab.

Configurando FSTAB


O que faz com que muitas pessoas tenham receio do FSTAB é que ele é um arquivo realmente não muito claro, especialmente se comparado com outros que existem por aí, que possuem várias linhas comentários informando como trabalhar com as informações contidas neles mesmos.

Meu conselho mais básico é: Encare o FSTAB como o que ele é: uma tabela. O nome TAB (de Table) não está ali à toa. Ao abri-lo, para facilitar, tente visualizar as colunas e linhas, isso vai ajudar bastante.

Você pode abrir ele com qualquer editor de textos que quiser, como o gedit, xed, pluma, entre outros, mas que tal brincarmos no terminal um pouco? 😄

Vocẽ pode fazer uma leitura rápida do que está contido no seu FSTAB com esse comando:
cat /etc/fstab
Isso deve te trazer informações semelhantes a essa:

FSTAB Linux

O FSTAB é responsável pela montagem do seu próprio sistema, por isso, ele é um arquivo bem "sensível", caso você esteja apenas estudando, é recomendo fazê-lo em uma máquina virtual

Outra possibilidade é fazer backup do arquivo antes de começar a editá-lo, por exemplo:
sudo cp /etc/fstab /etc/fstab-bkp
Se precisar usar esse arquivo de backup, coloque ele de volta no lugar assim:
sudo cp /etc/fstab-bkp /etc/fstab
 Vamos usar um editor de textos simples e disponível para todas as distros Linux para editar o FSTAB, o Nano. Para abrir o arquivo com propriedades adequadas para modificação, use:
sudo nano /etc/fstab
Ou rode o comando como Root, caso a sua distro não possua o seu usuário dentro do sudoers

Entendendo o FSTAB


Esse é o ponto primordial. Como já informado, o FSTAB nada mais é do que uma tabela (mesmo que não tenha muito essa cara inicialmente), cada coluna suporta algumas informações diferentes. São elas:

Configuração FSTAB

Coloquei efetivamente em uma tabela esse exemplo para ficar um pouco mais claro, mas vale uma observação, muitas vezes no lugar de "/dev/sda1" do exemplo, pode haver a UUID do dispositivo, de uma forma semelhante a essa: UUID=04b60adc-ccc2-406e-9cbb-fb80f9c4e5fb. No fim, é isso que bagunça um pouco as coisas, mas você pode montar os seus discos e partições apenas sabendo o nome deles, usando o comando:
lsblk

Repare os nomes abaixo da columa "NAME" e ao lado você consegue ver o tamanho e o tipo, se é "apenas leitura" (RO) e se já está montado em algum lugar em "MOUNTPOINT".

Antes de processeguirmos, é importante que você conheça alguma das opções envolvendo as colunas do FSTAB:

File System: Pode conter a UUID do dispositivo ou o endereço dele. Dispositivos como partições e discos ficam sempre em /dev no mundo Linux, então uma partição (como esta de 1,4T na imagem acima) poderia ser encontrada em /dev/sdc1.

Para verificar o UUID de uma partição para usar no lugar do endereço, use o comando:
blkid
Mount Point: É simplesmente o local onde a partição ou disco está montado. Ela pode apontar para qualquer lugar do sistema à partir da raiz (/). Geralmente os dispositivos montados automaticamente pelo sistema, como pen drives, HDs Externos, etc. são montados em /media, porém, quando isso é feito manualmente é comum usar o diretório /mnt, mas realmente, você pode montar em qualquer lugar que quiser.

Type: Nessa columa você deve colocar o tipo do sistema de arquivos de cada disco, você pode ver qual o sistema de arquivos a sua partição usa com o comando:
sudo file -s /dev/sdc1
Observe que a parte sublinhada deve ser trocada pelo caminho da unidade que você quer observar, para saber qual o nome das unidades é possível usar o comando que mostramos antes, o lsblk. Esse comando "file -s" ainda pode ser útil para você descobrir a UUID do disco, além de permitir que você veja em qual sistema de arquivos o seu disco está formatado.

Alguns comuns seriam:

- ext4
- swap

- ntfs-3g- vfat
- btrfs

- ntfs
- auto

Se por algum motivo você não sabe ou não conseguiu descobrir qual o  filesystem do disco, você pode tentar usar a opção "auto", que tenta adivinhar o formato na hora da montagem.

Options: Nessa coluna do FSTAB você vai adicionar as opções de montagem que existem. Existem diversas opções diferentes, eu vou listar algumas das mais comuns aqui. Várias opções podem ser usadas em uma mesma linha, bastando adicionar uma virgula apenas entre cada uma, sem a necessidade de espaço.

- auto/noauto: Essa opção permite que o dispositivo seja montado automaticamente durante o boot do sistema, sendo que "auto" é a opção padrão, se você não quer que o disco seja montado durante o boot, é necessário dizer explicitamente que você não quer isso colocando a opção "noauto".

- dev/nodev: Indica se o disco ou partição deve ou não ser considerado um dispositivo que contém um sistema de arquivos "especial". Geralmente a opção "nodev" é usada em sistemas que tem acesso público e tal opção impede que qualquer usuário possa fazer certas alterações, como criar um "device file".

- exec/noexec: Como você pode ver, as opções até que são simples de ententer, uma permite algo, a outra nega. Nesse caso você pode permitir ou negar que os binários nessa partição ou disco sejam executados.

- rw/ro: Se você associar aos seus significados fica fácil de ententer, rw (read and write/leitura e escrita) e ro (read only/apenas leitura).

- user/users/nouser: Nessa sessão podemos ter três opções. A opção "user" permite que qualquer usuário monte esse sistema de arquivos, o que automaticamente ativa outras funções como noexec, nosuid e nodev, a menos que você informe o contrário. Se a opção "nouser" for especificada, apenas o root poderá montar esse sistema de arquivos, já se a opção "users" for a selecionada, qualquer usuário dentro do grupo users será capaz de montar o dispositivo.

- defaults: Como o nome sugere, essa opção usa os padrões do Linux/da distro. A configuração padrão é definida conforme o sistema de arquivo. Geralmente isso quer dizer que as opções serão equivalentes a rw,suid,dev,exec,auto,nouser,async.

- owner: Permite que apenas o dono do dispositivo o monte, ou seja, quem criou o sistema de arquivos.

Existem muitas outras opções disponíveis, e uma leitura bacana para se fazer sobre isso pode ser nas páginas:

- Ubuntu Community Help
- ArchWiki
- Debian Wiki

Dump: Nessa coluna você pode indicar através de um (1) ou zero (0) se a unidade que está sendo montada deve receber um backup do programa dump. Colocar Zero indica que esse sistema de arquivos nunca será "backupeado" automaticamente dessa forma, em alguns casos, é preciso ver se o dump está instalado na distro.

Pass: O número que for adicionado nessa linha indicada a ordem em que o fsck vai fazer a checagem do disco por erros na hora do boot.

1 - Verifique essa partição primeiro.
2 - Verifique depois de verificar o primeiro.
0 - Não verifique.

Com isso finalizamos a explicação de cada uma das opções mais populares para a montagem de uma partição. Para você entender um pouco melhor, vamos para um caso prático.

Montando um disco e adicionando no FSTAB


Voltemos para a parte  onde eu mostrei  o comando "lsblk". Digamos que eu queira montar a minha partição "sdc1" de 1,4TB através do FSTAB na inicialização do meu sistema.

Primeiro vamos criar o ambiente ideal para fazer montagem. Eu vou fazer a minha montagem dentro de /mnt, então vou criar uma pasta dentro desse direitório para montar o meu disco, assim fica tudo organizado. Esse disco de 1,4TB é um HD de backup, então vou chamar a pasta de "dados".
sudo mkdir /mnt/dados
O comando acima cria uma pasta, ou diretório, dentro da minha pasta /mnt com o nome "dados",  então agora vamos indicar esse ponto de montagem no fstab, vamos editá-lo usando o editor nano.
sudo nano /etc/fstab
FSTAB configurada
Será que você consegue ver a ideia da tabela em ação agora? :)

No nano você deve navegar usando as setas do seu teclado até a última linha e digitar os dados da partição que você quer montar, no meu caso:

/dev/sdc1 /mnt/dados ext4 defauts 0 0

Indicando, em ordem, o disco que eu quero montar (/dev/sdc1), onde eu quero que seja montado (/mnt/dados), qual o sistema de arquivos do disco (ext4), configurações padrões (defaults) e configuranção de dump e pass setadas para zero (0).

Você pode também fazer comentários (como eu fiz na imagem acima) adicionar um # e depois escrever o que quiser. Tudo o que ficar nessa linha será ignorado na leitura do fstab pelo sistema, esses comentários servem apenas para interação humana e melhor compreenção.

No nano você geralmente usa  a tecla Ctrl (Control) combinada com alguma outra tecla para executar uma função, porém, você pode, aqui, para sair e salvar, pressionar "Ctrl+X", o editor vai te perguntar se você quer salvar o arquivo, pressione o "S" (de SIM) e sobrescreva o seu fstab dando "enter".

Dica: Tome cuidado para não alterar o nome do arquivo, ele deve continuar se chamando fstab!

Muito bem, de fato, agora se você reiniciasse o seu computador a sua partição ou disco seria montada no diretório indicado, porém, você pode fazer isso manualmente para montar o dispositivo agora mesmo usando esse comando:
sudo mount -O /dev/sdc1 /mnt/dados 
Lembrando que "/dev/sdc1" deve ser alterado para a nomenclatura que corresponde ao seu disco e "/mnt/dados" deve ser alterado pelo caminho e nome da pasta onde você quer fazer a montagem. 

Com isso você já tem todas as informações excenciais para fazer a montagem das partições do seu servidor, ou até mesmo na sua distro de desktop, se você for "mais raiz". 😀

Fazendo montagens para interface gráfica


Tem uma galera que fica um pouco presa ao "old way" de fazer as coisas, e esse nem sempre é jeito é o mais fácil. Claro, se é um servidor, se você é um profissional ou um estudante de Linux é outra história, mas se você tem uma interface na sua frente e só quer montar o seu disco e nada mais, nada impede que você use uma interface.

Existe um utilitário do GNOME que vem com a maior parte das distros chamado "GNOME Disks", o nome do pacote geralmente é "gnome-disk-utility" ou "gnome-disks" e você o encontra no repositório de qualquer distro. Quando o sistema está traduzido para Português, geralmente você o o encontra no menu do sistema procurando por "Discos".

GNOME Disks

Ele é um software muito legal, tem vários recursos para você se informar sobre os os seus discos. Você pode ver os desenhos das partições, tamanhos, formatos, sistemas de arquivos, tipos, fazer benchmarks, fazer testes de saúde dos discos, entre muitas outras coisas. Realmente fantástico.

Umas das funcionalidades dele é controlar a montagem de discos, fazendo com que tudo que fizemos "na unha" antes possa ser feito através de uma simples, mas poderosa, interface.

Para seguir o mesmo exemplo, digamos que eu queira montar o meu HD de 1,4 (1,5) TB aumaticamente com o sistema, basta eu clicar no disco na esquerda, depois você pode clicar no ícone da engrenagem e ir até "opções de montagem", onde você vai encontrar várias opções de configurações, muitas delas relacionadas ao que aprendemos ao longo do post.

GNOME Disks

É interessante ver a evolução do Linux nesse sentido, o nível personalização para fazer o que você bem entender com o sistema configurando apenas arquivos é sensacional, também é curioso pensar que há algumas décadas a única forma de fazer certas coisas era via terminal e esses arquivos de configuração. Atualmente tudo pode ser mais simples e bonito, mas o poder da linha de comando continua lá para quem quiser tomá-lo.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo