Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador Linux. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Linux. Mostrar todas as postagens

OpenToonz agora está disponível para ser instalado via Snap

Nenhum comentário

quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

No seu perfil oficial no Twitter, o Ubuntu anunciou que o OpenToonz está agora nos seus repositórios oficiais via Snap e que vai poder ser instalado em qualquer distro que tenha suporte para o snapd.


 OpenToonz agora está disponível para ser instalado via Snap






Na tarde desta Quinta-feira (3), o Ubuntu mostrou que o OpenToonz, umas das ferramentas de animação 2D mais populares mundialmente, agora está disponível para instalação via Snap. Em um primeiro momento o Snap do programa é suportado pela comunidade Snapcraft, mas que não fecha as portas para que a equipe possa se juntar e dar updates frequentes e afins.



Como instalar o OpenToonz?


Instalar o OpenToonz é muito simples, mas antes, se você está em um sistema que não tem o snapd instalado (é esse carinha que vai habilitar o snap na Distro),temos um artigo bem completo explicando como instalar ele, confira.

Como ele ainda não aparece nas lojas que suportam o snap, vai ser preciso por hora usar o terminal, mas não significa que em um futuro bem próximo ele não esteja já nas lojas, por hora o processo é o seguinte:
Abra o terminal e digite o seguinte comando:

sudo snap install opentoonz

Aí é só esperar a instalação terminar e depois procurar o OpenToonz no menu da sua distro favorita.  😁

Com esse simples movimento, podemos ver que o formato Snap da Canonical pode ser uma porta de entrada para as empresas no mundo Linux, como comentamos no Diolinux Friday Show, facilitando a sua migração para a plataforma e derrubar alguns “mitos”, como a fragmentação do sistema e a impossibilidade de atender a todas as diferentes distros, mas que com a utilização do Snap isso “cai por terra”.

Diga aí nos comentários se você usa o OpenToonz e se gostou da novidade dele ser distribuído via Snap.

 Espero você na próxima, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar Yu-Gi-Oh! Duel Links (PC) no Linux via Steam Play

Nenhum comentário

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Duel links é o atual popular título da Konami da franquia milionária Yu-Gi-Oh! O game vem fazendo muito sucesso, sendo lançado primeiramente para dispositivos móveis, tendo mais de 10 milhões de downloads na Google Play, posteriormente chegando aos PCs pela Steam, onde é gratuito e disponibilizado para Windows originalmente, mas graças ao Proton e ao Steam Play você pode jogar no Linux como se fosse um game nativo.

duel-links-steam-play-proton-linux






O procedimento para fazer a instalação é realmente simples, porém, é necessário fazer um pequeno ajuste para rodar o jogo perfeitamente. Primeiro eu vou te explicar como fazer a instalação, depois eu te explico o porque da instalação precisar ser feita dessa forma.

Como fazer a instalação do Duel Links no Linux


Existe aqui um pequeno passo a passo, sendo que alguns destes passos não são necessários caso você já utilize o Steam Play com o Proton para outros games.

1 - Nas configurações do seu cliente Steam, ative a compatibilidade com o Steam Play

Temos um artigo aqui no blog explicando o passo a passo para habilitar a ferramenta, com dois ou três cliques você consegue ativar a funcionalidade, basta conferir aqui. Se você já tem o Steam Play ativado, esse passo pode ser desconsiderado.

2 - Faça o download do Game

O Duel Links é um game bem pequeno no seu download inicial, mal chegando aos 100 MB de tamanho, ainda que requeira até 4GB de espaço em disco caso você queira baixar as imagens das cartas em alta resolução. Procure pelo game na Steam e instale normalmente, mas não clique em jogar ainda.

Em tese, isso deveria ser o suficiente, ou seja, é o mesmo processo que você faria no Windows, entretanto, o Duel Links necessita do Net Framework 4.5 para rodar, no Windows o game considera que essa dependência já está instalada, pois geralmente está (caso não esteja, mesmo no Windows, você precisará instalar), já no Linux, obviamente ela não está instalada, por se tratar de um componente Windows.

O jogo precisa também do DirectX, do VCrun, entre outras dependências, porém estas são instaladas ao clicar em "jogar" ou "play" pela primeira vez, como a maior parte dos games. Como você deve estar imaginando, a grande questão aqui é instalar o Net Framework 4.5 no Steam Play, no prefixo do Proton do Duel Links.

Eu sei, até soa meio complicado, mas não é, vai por mim.

3 - Instale o Winetricks

Vamos precisar do Winetricks para instalar esse complemento, além de ter o próprio Wine instalado para evitar estes problemas, precisamos dos seguintes pacotes:
  • wine64 
  • wine32-preloader 
  • winetricks
Você pode procurar por eles no seu gerenciador de pacotes ou loja de aplicativos e instalar um por um, no caso do Ubuntu, com a GNOME Software como loja, esse tipo de pacote não é encontrado, então você pode usar o Synaptic para isso, já no Linux Mint, você tem esse recurso através da loja do sistema.

WINE-LINUX-INSTALL
Gerenciador de pacotes do Linux Mint
Caso você use outra distribuição, consulte o gerenciador de pacotes da sua distro e procure pelos pacotes mencionados. Caso você use Ubuntu ou Linux Mint, é possível instalar todos os pacotes com um comando único no terminal:
sudo apt install wine64 wine32-preloader winetricks -y
O próximo passo é instalar, via Winetricks, o pacote dotnet4.5, que referencia o Netframework 4.5.

Para fazer isso, o Winetricks pode ser aberto pelo menu, ele é uma aplicação gráfica, porém, atente-se para escolher o diretório onde o game (Duel Links) está instalado, originalmente no Steam Play ele fica nesse diretório:

home/dionatan/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx

Onde o nome dionatan deve ser substituído pelo nome do seu usuário, selecionando a opção de instalar complementos e adicionando o DotNet4.5, entretanto, eu acho mais fácil rodar outro comando simples que vai fazer todo o processo por você:
WINEPREFIX=/home/$USER/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx winetricks dotnet45
Não sei se você percebeu, mas se você quiser fazer tudo de uma vez pelo terminal, algo quase mágico que o Linux proporciona, você pode instalar os programas necessários e "aplicar o patch" no jogo copiando e colando este único comando no terminal, tudo de uma vez:
sudo apt install wine64 wine32-preloader winetricks -y && WINEPREFIX=/home/$USER/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx winetricks dotnet45
Simples e rápido.

4 - Agora é só jogar! 

Com este pequeno ajuste é possível jogar o game normalmente, basta clicar em "Play" ou "Jogar", aguardar a instalação daqueles componentes que o jogo precisa e logar com a sua conta. O ideal é ter a sua conta atrelada ao perfil da Konami para poder recuperar os seus decks do game que você joga no Smartphone.

Seguem algumas telas do game rodando no Linux Mint 19.1:

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Como melhorar a situação?


O game roda perfeitamente bem, sem travamentos, engasgos ou qualquer outra coisa, porém, sabemos que ele não é um primor de porte. Parece que Konami simplesmente jogou o Duel Links dentro do Unity 3D e exportou para PC, e não se preocupou nem em adicionar todas as dependências que o jogo precisa para instalação na primeira "run" do jogo.


Felizmente rodar ele no Linux, apesar do ajuste, hoje em dia é muito simples, mas poderia ser ainda mais, caso esse passo fosse desnecessário, e é aí que você entra. Fale com a Konami no Twitter, mande e-mails e peça pela simples inclusão desse pacote no instalador do jogo, provavelmente até quem joga no Windows vai se beneficiar.

Até a próxima e que o coração das cartas esteja com você!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Projeto MU é apresentado pela Microsoft, o UEFI de código aberto

Nenhum comentário
A Microsoft, através doblog do Windows, fez o anúncio do “Projeto MU’, uma adaptação do projeto EDK II TianoCore’s para o UEFI (Unified Extensible Firmware Interface) tornando ele open source, sendo aproveitado pela empresa nos dispositivos ‘Surface” e nas versões mais recentes do Hyper-V. A novidade foi anunciado aos 40 minutos do segundo tempo de 2018, no dia 19 de Dezembro mais precisamente.

 Projeto MU é apresentado pela Microsoft, o UEFI de código aberto






A MS começou a implementar o Project MU com as versões mais recentes do Windows, assim tendo uma escalabilidade melhor para o produto final. Segundo a empresa, a manobra vai beneficiar Servers, IoT, PC ou qualquer um que queria usar o Project MU.

No comunicado ainda é dito que ele não é um projeto paralelo, espelho, clone ou qualquer coisa do tipo, e que ele vai ser usado em produtos de “primeira linha” da Microsoft e será mantido para continuar e permitir o fluxo dos produtos dela.

Eles também colocaram metas primárias para uma primeira fase, que são:

- Compartilhar o código da ferramenta de forma ativa para solicitar feedbacks e atrair parceiro a colaborar, como em qualquer projeto open source;

- Promover, evangelizar e apoiar uma mudança na indústria para um ambiente mais colaborativo, para que todos possamos construir e manter produtos com custos menores e qualidade superior;

Que Microsoft é essa?


Dois pontos interessantes colocados no anúncio, eles querem facilitar e padronizar a implementação para os parceiros e assim derrubar algumas “barreiras”. O que traduziu-se na seguinte declaração:

“O Projeto Mu também tenta abordar as complexas relações comerciais e os desafios legais enfrentados pelos nossos parceiros hoje. Para construir a maioria dos produtos, geralmente são necessários ativos proprietários de código fechado, bem como códigos padrão de código aberto. O sistema de compilação distribuído e o design de vários repositórios permitem que as equipes de produto mantenham o código separado e conectado à sua fonte original, respeitando os limites legais e de negócios.”

E o outro ponto foi:

“Os projetos de código aberto de hoje, embora extremamente valiosos, são muito intensivos em recursos para interagir. Esse atrito pode afastar as grandes empresas do setor, evitando a interação pública, diminuindo assim o valor geral da comunidade. A era moderna de projetos de código aberto incorporou novas ferramentas e procedimentos para diminuir esse atrito e é nosso objetivo alavancar essas ferramentas. O GitHub fornece rastreamento de problemas, solicitações de pull, builds de gateways, revisões de código baseadas na web, rastreadas/requeridas, e CI/CD (builds e testes contínuos). Acreditamos que, ao alavancar e ampliar essa automação e fluxo de trabalho, podemos diminuir o atrito e promover um local seguro para todos os colaboradores trabalharem.”

Além disso, a Microsoft comenta sobre o desejo de trazer o FaaS (Firmware-as-a-Service) para o mundo Open Source e trazer alguns recursos, como os que eles listaram:

-  Uma estrutura de código e processo de desenvolvimento otimizado para Firmware como um serviço;
- Um teclado na tela;
- Gerenciamento seguro de configurações de UEFI;
- Segurança aprimorada removendo código herdado desnecessário, uma prática conhecida como redução de superfície de ataque;
- Inicialização de alto desempenho;
- Exemplos modernos de menu do BIOS;
- Numerosos testes e ferramentas para analisar e otimizar a qualidade da UEFI, etc.




Isso vai ser muito bom para quem tem notebooks ou desktops em que as fabricantes tem o seu boot todo personalizado e por alguns empecilhos de padrão ou compatibilidade com o Linux não o trazem para a plataforma, mas com o Project MU isso poderia ser ajustado e deixar de ser uma barreira para a utilização aberta do sistema que usuário desejar de uma forma mais simples e eficiente, já que estaria padronizado.

Se você quiser saber mais sobre o anúncio e o projeto, pode acessar o blog da Microsoft e o site do Project MU.

Espero você, até uma próxima e um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19.1 - Como atualizar da versão 19 sem formatar

Nenhum comentário

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Os desenvolvedores do Linux Mint anunciaram a versão 19.1, de codinome "Tessa", recentemente. Hoje, um dia após o lançamento da versão mais recente, as informações sobre a atualização para a última versão do Linux Mint foram divulgadas. Aprenda agora a atualizar para a versão mais recente da distro sem precisar formatar o seu computador.

linux-mint-191-upgrade






Eu fiz a atualização do meu Linux Mint 19 (Cinnamon) para a versão 19.1 esta manhã, estou usando o sistema o dia todo praticamente e não encontrei qualquer problema até então. Vou te ajudar no procedimento, vamos lá?

Como atualizar o seu Linux Mint para a última versão


1 - O primeiro passo é ter certeza de que você está com todas as suas atualizações em dia. Abra o gerenciador de atualizações pelo menu ou pelo ícone na barra de indicadores, clique em "Atualizar" e se houverem atualizações, aplique-as antes de continuar.

Atualização Linux Mint

Por questão de precaução, os desenvolvedores sugerem que você faça um backup/snapshot do sistema através do TimeShift, a ferramenta de backups do Linux Mint que você encontra no menu. O procedimento não deve falhar, mas em todo caso, se você quiser ter uma segurança a mais é uma boa prática.


2 - O próximo passo é no próprio gerenciador de atualizações, clique no menu "Editar" e você deverá encontrar a opção "Atualizar para 'Linux Mint 19.1 Tessa'", clique na opção.


3 - Você será recebido com a tela de boas-vindas da atualização, onde existem notas da versão para você conferir, informações sobre novos recursos e requisitos mínimos para usar a nova versão. Para saber mais sobre as novidades do Linux Mint 19.1, confira o artigo que fizemos sobre o lançamento da versão.

Uma dica importante, caso você use um Notebook, vale ressaltar a importância de deixar o computador na alimentação ou ao menos, ter a bateria bem carregada. O tempo de atualização demora de acordo com a velocidade da sua internet e também a capacidade do seu hardware.


4 - Depois de iniciar a atualização, uma janela com uma barra de progresso será exibida, de forma geral você não precisa interagir com ela, mas no meu caso, como eu uso uma extensão do Nemo para o Dropbox que oferece uma integração extra, foi necessário clicar em "ver mais" e confirmar a adição do pacote, pressionando a letra "y" de "yes", e pressionando "enter".

Aguarde o processo de atualização acontecer.

Mint-upgrade

5 - Quando a atualização finalizar, reinicie o computador para ter certeza de que tudo está carregado normalmente. Caso você tenha temas instalados, applets extras ou extensões no Cinnamon, pode ser necessário reconfigurá-los ou atualizá-los. Caso você tenha um ambiente customizado, o novo layout do Linux Mint, com ícones  na barra, não será carregado por padrão, para isso, procure no menu pelo aplicativo "Tela de Boas Vindas", nele você poderá alterar o layout.

welcome-linux-mint


6 - Seu Linux Mint está pronto para o uso, basta aproveitar o sistema, com Cinnamon 4.x, melhorias de desempenho e velocidade.

linux-mint191-upgrade-finalized

Passos opcionais


Se você quiser deixar o sistema com os pacotes padrões que os desenvolvedores planejaram, outros dois passos podem ser feitos, a instalação de alguns pacotes e remoção de outros, copie e cole estes dois comandos no terminal:

apt install p7zip-full va-driver-all xul-ext-lightning
apt remove --purge xscreensaver-data xscreensaver-data-extra xscreensaver-gl xscreensaver-gl-extra cinnamon-screensaver-webkit-plugin cinnamon-screensaver-x-plugin
Curiosidade: Repare que agora não é mais necessário usar o "sudo" no início do comando, o terminal entende que você está tentando rodar algo que necessita de privilégios de administrador e pede a senha, que agora exibe caracteres, assim como acontece no elementary OS.

Para mais informações sobre a atualização das versões, confira o artigo no blog oficial do Linux Mint.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


A sua vez de migrar para Linux - Linux Mint 19.1 é lançado

Nenhum comentário

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018


Depois de uma espera de 3 meses e muita apreensão, eis que o tão aguardado Linux Mint 19.1 saiu da versão BETA e é finalmente lançado como uma versão final disponível para download.


 A sua vez de migrar para Linux  - Linux Mint 19.1 é lançado






No dia 9 de Setembro de 2018 a equipe do Linux Mint soltou uma nota rápida em seu blog anunciando o provável codinome para a nova versão e uma estimativa de quando seria lançado. A primeira parte foi revelada naquele post mesmo,o codinome seria “Tessa”, mas a data precisa de lançamento ainda não, sendo mencionado que seria em meados de Dezembro, antes do Natal.

Leia Mais: Linux Mint 19.1 já tem nome e estimativa de lançamento!
Em 31 de Outubro de 2018, Clement Lefebvre (CEO do Linux Mint) anunciou algumas mudanças que viriam na nova versão do sistema, como a melhoria no tema Mint-Y, acrescentando maior contraste à interface, além de incorporar os  dois  applets famosos, o Icing Task Manager e CobiWindowsList, criando uma versão própria e nativa do Mint, atendendo pedidos da comunidade, o que trouxe um melhor acabamento visual e funcionalidades mais modernas ao sistema, de forma semelhante ao visual do Windows 7 e 10.

Leia Mais: Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro

A versão Beta do sistema estava disponível até hoje (19/12/2018) para que a comunidade e entusiastas pudessem testar e reportar os bugs, problemas e afins para a equipe de desenvolvedores antes do lançamento final. Tanto que fizemos um artigo bem completo sobre essa versão, mesmo estando na versão BETA, e no que ela poderia ajudar na migração dos novos usuários para o Linux. Também fizemos um vídeo bem bacana falando sobre, você pode conferir logo abaixo.

       


A versão Beta do Linux Mint 19.1 já era consideravelmente estável antes mesmo da versão final, porém, desencorajamos o seu uso em produção, visto que ainda se tratava de um estágio do desenvolvimento da distro.

Por fim, foi finalmente lançada hoje a versão final do Linux Mint 19.1 (Cinnamon, MATE e XFCE) para que todos instalem em suas máquinas e desfrutem da nova versão. 

Atualizações para a versão


No comunicado do blog oficial do sistema, os desenvolvedores anunciaram as novidades do sistema, links para download e informações de suporte, além do requerimento mínimo de hardware. Ainda não foi divulgado o processo de upgrade das versões mais antigas para a mais nova, porém, não deverá ser diferente do que vimos em outras versões:

      

Para quem estava usando o Beta, basta manter o sistema atualizado através do gerenciador de atualizações, entretanto, há a recomendação de fazer a adição de um pacote via terminal ou gerenciador de softwares, atualizar o sistema e então reiniciar para garantir que tudo fique de acordo, o comando recomendado é o seguinte:

sudo apt install xul-ext-lightning

Suporte e Download

O Linux Mint 19.1 tem suporte até 2023. O que garante a você muito tempo para usar o sistema em empresas e até mesmo no seu computador particular. A base se mantém, continuando com o Ubuntu 18.04.1 LTS. Confira também “o que fazer depois de instalar o Linux”:

       

O vídeo é de uma versão mais antiga do sistema, mas as informações continuam precisas e valiosas.
Para baixar o Linux Mint e escolher qual flavour (sabor) dele você quer, basta acessar o link e partir para o abraço! 😃

Linux Mint Cinnamon 64 bits - Download
Linux Mint Cinnamon 32 bits - Download
Linux Mint Cinnamon 64 bits - Torrent

Linux Mint MATE 64 bits - Download
Linux Mint MATE 32 bits - Download
Linux Mint MATE 64 bits - Torrent

Linux Mint XFCE 64 bits - Download
Linux Mint XFCE 32 bits - Download
Linux Mint XFCE 64 bits - Torrent

[UPDATE] Hoje foi disponibilizado a opção de atualizar o Linux Mint 19 para o 19.1 via Gerenciador de Atualizações, fizemos um artigo bem completinho mostrando como proceder, confiram.

Você já está usando a nova versão do Linux Mint? O que está achando do desempenho e estabilidade até então? Ficou melhor que a versão anterior?

Compartilhe conosco o seus pensamentos através dos comentários, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


TOP 10 Games para Linux via Steamplay (2018)

Nenhum comentário

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Até parece que foi outro dia em que se fosse montar uma lista de TOP 10 de games no Linux, provavelmente seria motivo de chacota ou ficaríamos presos aos games que viriam nas distros. Hoje não mais. Confira agora o TOP 10 dos jogos que rodam via Steamplay no Linux.


 TOP 10 Games para Linux via Steamplay (2018)







Essa lista não coloca os games do melhor para o pior ou qualquer coisa do tipo, nela vamos mostrar que alguns games famosos já rodam no Linux e vamos nos dar ao “luxo” de excluir os que rodam nativamente, como Dota2, CS:GO, Rocket League, Hitman, Tomb Raider, Dirty Rally, entre muitos outros.


Usamos como base o site ProtonDB para escolher alguns dos games que vamos mencionar aqui. Os games que escolhemos para começar essa lista são:

- Warframe (classificado como Silver no ProtonDB):
Warframe é um jogo de ação free-to-play online em um mundo de ficção científica. Você pode jogar tanto seguindo uma história quanto ir montando o seu enredo. Além de poder jogar com os amigos online.

          

- The Elder Scrolls V: Skyrim Special Edition (classificado como gold no ProtonDB)

        

Skyrim é um jogo RPG feito pela Bethesda e publicado pela The Elders Scrolls. No jogo você é livre para explorar o mapa da sua maneira. O jogo se passa 200 anos depois dos eventos de Oblivion.

- Age of Empires II HD (classificado como Silver no ProtonDB)

Bom, esse jogo dispensa apresentações né, 😄 . Um clássico dos jogos de estratégia e agora numa versão em HD, AoE II (carinhosamente chamado pelos jogadores) está funcionando no Linux e muito bem obrigado. Que tal conquistar umas vilas hein??

        

- PES 2019 (classificado como Silver no ProtonDB)

Esse é outro jogo que dispensa apresentações. Uma das franquias de sucesso do e-sports dos últimos 20 anos, PES ainda vem arrebatando vários e vários fãs ao redor do mundo, além é claro de ter o FIFA como o seu maior rival. Enquanto o game da Ea Games não fica compatível com o Linux, o game da Konami já roda via Steamplay.

        

- GTA V (classificado como gold no ProtonDB)

Se eu não mencionasse esse jogo na lista, muito provavelmente daria um “rebu danado” nos comentários. GTA V é outro game que dispensa apresentações e é um dos games de mundo aberto mais famoso da atualidade. Lançado em 2013 mas ainda arrastando uma legião de fãs ao redor do mundo.

      

The Witcher III (classificado como gold no protondb)

O Bruxo mais querido do mundo dos games também está rodando no Linux. O game é um RPG de mundo aberto, tipo GTA V, e com histórias desafiadoras para o player. A trilogia inteira roda no Linux, o 1 e 3 rodando via Steamplay/Wine e o 2 rodando de forma nativa.

        

Batman Arkham Origins e City (classificados como gold e silver no ProtonDB respectivamente)

E não poderia faltar nessa lista, o Morcegão mais “brabo” dos games, o Batman. Com esses dois jogos da Trilogia Arkham, podemos ter várias horas de gameplay com o “Maior detective do mundo”. O jogo Arkham Asylum ainda apresenta algumas inconsistências em algumas pcs e configurações, e assim recebendo o selo “Bronze” no ProtonDB

       

       


METAL GEAR SOLID V: THE PHANTOM PAIN (classificado como gold no ProtonDB)

Não podemos esquecer do agente mais furtivo e que adora uma caixa de papelão mais que um gato (#brinks 😂), estamos falando do Solid Snake. Se você gosta da franquia e gostaria de rodar esse último game dela no Linux, você vai poder.

      

Subnautica  (classificado como Silver no ProtonDB) *Obs.: Funciona perfeitamente via Lutris com a instalação da Epic Store Games.

Já se você gosta de explorar o mar com temática futurista e uma pegada Sci-Fi, esse jogo é para você. Depois de um acidente com a sua nave, você cai num planeta totalmente desconhecido e precisando coletar recursos para sobreviver e depois sair o mais rápido possível de lá.


      

DARK SOULS III  (classificado como gold no ProtonDB)

E para fechar essa lista, nada mais nada menos que uns dos jogos de RPG da nova geração mais difícil de se jogar, segundo os jogadores que morrem nele ( 😛 ). Esse jogo vem conquistando a galera e a crítica dando altas notas para ele. E você vai poder jogar no Linux e tentar não morrer “1 zilhão de vezes”. 😂

      

Esses são alguns games que separamos para mostrar que títulos famosos (os chamados Triple A) estão funcionando no Linux.  Se você quiser saber se o seu jogo está funcionando com o steamplay ou se quer saber se funciona antes de comprar, recomendo consultar o site ProtonDB, ele é muito útil, lá você pode também dar os seus próprios feedbacks de qualquer game da Steam que você esteja rodando no Linux,. Vá na aba Contribute e veja o passo a passo, caso você não se dê muito bem com Inglês, use o Google Tradutor e você não deve ter maiores problemas..

Agora monte a sua lista dos TOP 10 dos games que rodam no steamplay e mostre pra gente aí nos comentários. 😀

E acompanhe o nosso canal la na Twitch também, lives de seg a sex sempre jogando algum jogo.

Espero você até uma próxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


2019 no mundo Linux - O que vai a acontecer?

Nenhum comentário
O ano de 2018 foi realmente incrível para o Linux, com várias novidades em relação ao Kernel, Steam trazendo o projeto Proton à vida, vários projetos ganhando relevância e apoio, além de uma divulgação maior pela mídia.


 2019 no mundo Linux - O que vai a acontecer?





No post de hoje vamos “brincar” um pouco de “adivinhar o futuro do Linux nos desktops”, pois em outras áreas ele já “reina” de forma bem consolidada e com folga.

 Exemplos como NASA, NASDAQ, Down Jones, Google, Facebook, Twitter, Tesla e entre outras empresas e órgãos públicos usando Linux não faltam. A última empresa a aderir ao Linux nos seus servidores foi a Epic Games, utilizando o Kubernetes para dar o suporte ao Fortnite.

O que eu acho que vai acontecer?


Bom, começou como uma brincadeira pois alguns meses antes do lançamento do Steamplay e do projeto Proton, o editor que vos fala, tinha feito um vídeo falando do projeto DXVK e do Atari (sim, ele mesmo e ainda existe, só não sabemos quando vai sair =) ), e que eles seriam as revelações deste ano e que ajudaria a puxar o Linux para a popularidade nos desktops. O Atari ainda não deu o ar das graças, mas o Steamplay sim e com ele milhares de jogos que estavam só para Windows agora funcionam no Linux.

A última bomba que noticiamos aqui no blog e no canal foi o movimento que a comunidade fez no fórum da Adobe pedindo o porte do Adobe Cloud Creative, temos grandes chances disso acontecer.

Agora as previsões para o Linux em 2019:


- Adobe vindo para o Linux, usando o Ubuntu como base;

- Epic Games vai lançar a Store deles para Linux, nos mesmos moldes da Steam;

- Além do Edge ter uma versão para Linux, aposto que o Office 365 na versão básica (Word, Excel e Outlook);

- Blizzard pode vir para Linux também, trazendo o WoW, o seu carro chefe como desbravador. Visto que os jogos delea ja rodam em sua maioria sem problemas no Wine/Lutris;

- Mais jogos serão compatíveis com o Steamplay, assim ficando “de fora” só os games que ainda usarem anticheats, como Denuvo ou parecidos;

- Aposto que NVIDIA e AMD vão melhorar mais ainda os seus drivers para Linux, além de disponibilizar ferramentas e recursos presentes até o momento no Windows;

- E porque não pensar, Fortnite para Linux (mesmo que seja somente para o Ubuntu), isso já vai ser uma grande vitória.

Bom, essas são as minhas ”previsões” para 2019 no Linux e espero muito que se concretize,você pode dizer até que eu sou super otimista, mas pensar de forma negativa não ajuda em nada também.


Deixa aí nos comentários, qual a sua previsão para o Linux em 2019? O que você acha que pode acontecer?

Espero você na próxima, grande abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Driver Open Source da Nvidia - Vale a pena usar?

Nenhum comentário

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018


Quem é recém chegado ao mundo Linux e utiliza NVIDIA pode ficar em dúvida sobre qual driver usar no seu equipamento, se o proprietário ou o de código aberto (chamado de Nouveau), e muitos provavelmente em um primeiro contato utilizam o nouveau, por ser o que vem por padrão no Kernel, tendo assim uma experiência nada agradável


Driver Open Source da Nvidia - Vale a pena usar?







Até descobrirem como instalar o driver proprietário de forma correta (que é mamão com açúcar) podem ficar chateados e até “com raiva” do sistema, assim não voltando mais a utilizar ele por causa de pequenos detalhes.


  • Falando em instalar drivers da NVIDIA de forma fácil, recentemente fizemos um post explicando melhor como fazer isso, vale a pena conferir. =)

De uns tempos para cá a solução open source para NVIDIA não vinha trazendo resultados satisfatórios, com perda de rendimento em games, renderização de vídeos e em alguns casos nem subindo o sistema operacional, como acontece nos notebooks com placas híbridas.

Também fizemos duas matérias falando sobre o sistema híbrido, uma comentando as novidades que virão à partir do Xorg 1.20 e o outra sobre como instalar o driver Linux (Ubuntu e Mint).


AMD e Intel


Quem utiliza AMD e Intel geralmente não se aborrece com esses “perrengues”, visto que os drivers de vídeo dessas empresas vêm embutidos diretamente no kernel e se precisar de uma versão mais nova, basta instalar o MESA Driver mais recente e receber os últimos updates. Também fizemos um artigo de como receber as versões do MESA.

Dito isso, sempre se especulou o quanto o driver open source “perdia” em relação ao proprietário, visto que a NVIDIA não facilita a vida dos desenvolvedores do Nouveau, liberando por exemplo o firmware com suporte ao PMU (Power Management Unit ou Unidade de Gerenciamento de Energia) entre outras features.

Testando o driver Open Source da Nvidia

Para tirar essa dúvida a limpo, o pessoal do site Phoronix, resolveu testar algumas placas de vídeo, primeiro com o driver proprietário da NVIDIA na versão 415 e depois com o Nouveau utilizando o Kernel Linux 4.19 e com o MESA 19.0-devel.

No caso do nouveau, eles precisaram fazer um re-clocked 0f em algumas placas para que o teste pudesse ser feito. As placas utilizadas foram: NVIDIA GeForce GTX 680 2GB (1066/3004MHz), NVIDIA GTX 750 Ti 2GB (1019/2700MHz), NVIDIA GTX 780 Ti 3GB (875/3500MHz), NVIDIA GTX 980 4GB (1126/3505MHz) e a NVIDIA GTX 1080 8GB (1607/5005MHz). O teste foi feito no Ubuntu 18.04.

No driver proprietário da NVIDIA, tinha o VULKAN 1.1 + OpenGL 4.6, enquanto que no nouveau só tinha o OpenGL 4.3.


Os jogos utilizados no teste foi limitado para aqueles que tinham suporte  para o OpenGL, visto que o nouveau ainda não tem suporte para VULKAN.

O primeiro jogo a ser testado foi o BioShock Infinite, que quando utilizado as GPUs GTX 680, GTX 780Ti e GTX 750 Ti (tecnologias Kepler e Maxwell1 respectivamente) a média de fps ficava na casa dos 60 fps utilizando o nouveau, mas quando ia para às GTX 980 e GTX 1080 não passavam dos 20 fps (tecnologias Maxwell e Pascal respectivamente).
Já quando foi utilizado o driver proprietário nas GPUs, o mínimo registrado foi de 100 fps com a GTX 750 Ti.



Outro jogo que foi utilizado, foi o popular moba Dota 2. Quando utilizado nouveau nas GPUs mais “antigas” se conseguiu uma média de 30 fps, já nas GPUs mais novas não passou dos 12 fps de média, utilizando o driver proprietário, foi mais que o dobro de ganho de FPS nas GPUs. A diferença fica visível nas GPUs mais novas.



Já nos jogos de código aberto, a situação é um pouco mais confortável para o nouveau, os jogos que ele se saiu bem foram: ET:Legacy v2.75; Xonotic v0.8.2 e The Tesseract v2014-05-12. Nesses games o driver open source ficou “colado”com o driver proprietário, conforme você pode ver nas imagens abaixo, mas ainda assim perdendo.








Para ver os testes completos, veja neste link do Phoronix.

Vai jogar no Linux com Nvidia? Instale o Driver proprietário

Com esses testes, podemos tirar algumas ideias sobre o driver open source, o nouveau. Caso você tenha uma GPU um pouco mais antiga, como as das séries 600 e 700, o desempenho em jogos fica no razoável, ainda que você não tenha suporte ao Vulkan, o que é uma grande perda para jogos mais recentes e para os que rodam via Proton e DXVK. Caso você tenha GPUs mais recentes, das séries 900 e 1000, o desempenho fica perto do injogável. 

Enquanto a NVIDIA não trabalhar junto com o pessoal do Nouveau, infelizmente ele ficará preso a GPUs antigas e tecnologias básicas, uma triste realidade. Ao menos a empresa oferece um driver proprietário que funciona corretamente e entrega um bom desempenho.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Estilo Long Shadow - Novo tema de ícones para Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Se você estiver procurando uma opção bacana de tema de ícones para a sua distro Linux e pretende colocar um tema bem estilizado e com um conceito um tanto diferente, especialmente se você curtir as famosas “long shadows”, você vai adorar o tema “Shadow”.

 Estilo Long Shadow - Novo tema de ícones para Linux










O Shadow é um tema flat para GNOME 3.10+ e interfaces “filhas” Na versão 4 contém mais de 980 ícones de apps e mais de 2200 ícones para o sistema e afins.




Instalando o tema Shadow


Baixe o tema à partir do GitHub ou do "GNOME Look", ele virá em um pacote compactado (zip), basta extrair o tema do arquivo compactado para a pasta .icons (ponto icons) dentro da sua pasta pessoal. Depois é só fazer a alteração do tema pelo software adequado a sua interface gráfica.



No Linux Mint você pode usar as próprias configurações do sistema e no Ubuntu, use o GNOME Tweaks.

Quem deseja fazer o processo de instalação pelo terminal pode seguir os seguintes passos:

git clone https://github.com/rudrab/Shadow.git

mv Shadow-master /home/$USER/.icons/

Se for pelo Gnome-Look, basta baixar e extrair o .tar.xz dentro da pasta “icons” que você criou

Feito isso, agora você pode desfrutar do novo tema para o seu sistema.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Economia de bateria no Ubuntu e Linux Mint - TLP GUI

Nenhum comentário

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Muitos que usam notebooks tem uma “guerra infinita” (sério, sem trocadilhos =) ) ao tentar  economizar a maior quantidade de bateria possível, assim podendo utilizar o notebook por mais tempo. A ferramenta que utilizaremos se chama TLP.

 Economia de bateria no Ubuntu e Linux Mint - TLP GUI






O TLP é ferramenta via linha de texto que permite que você controle módulos do kernel e ajuste o consumo de dispositivos de forma individual e bem detalhada, entretanto, como todo aplicativo que você for usar via terminal, é necessário um certo conhecimento técnico, o que pode ser drasticamente reduzido com a sua interface.

Uma interface para o TLP


No Windows é menos comum de acontecer, mas no mundo Linux o software e a interface para ele não são necessariamente a mesma coisa, inclusive, é possível usar, em alguns casos, várias interfaces diferentes para o mesmo software.

E o TLPUI é uma interface gráfica para o TLP e permite que você gerencie o TLP de uma forma mais simples e fácil. Fizemos um artigo bem completinho explicando como funciona o TLP.

Tanto o TLP, quanto a sua interface são distribuídos para Ubuntu e Linux Mint através de um repositório PPA, e como você deve saber, é possível adicionar PPAs sem usar o terminal, entretanto, para fins de versatilidade nós vamos usá-lo aqui neste tutorial.

Instalando o TLP


Primeiramente vamos instalar o TLP para depois instalar o TLPUI. Vamos abrir o terminal e digitar os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:linrunner/tlp -y && sudo apt update && sudo apt install tlp tlp-rdw -y

Feito isso é só esperar o processo terminar e adicionar os seguintes comandos no terminal:

sudo add-apt-repository ppa:linuxuprising/apps -y && sudo apt update && sudo apt install tlpui -y

Depois de instalado é muito simples achar o TLPUI, basta acessar o menu e digitar “tlpui” e vai aparecer a seguinte janela do programa.



Essa facilidade é muito bem vinda, ainda mais para quem não tem familiaridade com o terminal e queira fazer a gestão de energia, o TLPUI vem para ajudar e muito essas pessoas, visto que a mudança pode ser feita a um click ou dois, facilitando a vida delas.

Como usar?


Na primeira tela podemos ter uma visão geral do que o TLP faz, como habilitar e desabilitar, qual modo padrão queremos ( bateria ou ac, que seria o plugado na tomada).

Outra aba interessante é a “Disk”, onde podemos configurar melhor como o nosso HD vai se comportar em cada situação (via bateria ou não). Lembre-se de tomar cuidado ao habilitar/desabilitar cada opção, faça isso com muita cautela, pois isso vai afetar a forma com que a sua máquina vai funcionar em algumas circunstâncias.



A aba “Network”, podemos configurar como o Wi-Fi vai se comportar, visto que o Wi-Fi ligado junto com o bluetooth (quando disponível) é um dos maiores consumidores de energia quando não utilizados, juntamente com um grande brilho da tela. Então nessa aba podemos configurar isso.




Mais uma aba interessante é a que se pode configurar o “USB”, em que podemos configurar como as portas USB vão se comportar quando temos um dispositivo conectado, como um Smartphone, ou quando se tem uma impressora plugada e afins


Para saber mais de cada função do TLP, acesse o site deles, lá você encontra uma documentação bem detalhada.

O que você achou da dica? Já sentiu a diferença?

Espero você na próxima,forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


As extensões resolverão a "falta de desktop" no GNOME?

Nenhum comentário
Enquanto ambientes gráficos como KDE Plasma e Cinnamon Desktop estão ampliando cada vez mais as opções voltadas para o desktop, o GNOME vai na contramão desse movimento e abandona esse conceito, ao menos de forma nativa. A promessa é que essas funcionalidades voltem através de uma extensão chamada "Desktop Icons", além de toda uma família de extensões disponíveis que acrescentam funcionalidades, mas será que isso se resolve com uma extensão?

GNOME Desktop Icons






Desde o lançamento da versão 3.0, que trouxe o novo Shell para o GNOME, o comportamento padrão da interface é não possuir um desktop ativo, porém, essa função era "habilitável" através de uma pequena configuração no Nautilus, o gestor de arquivos do projeto. Isso deixou de ser possível recentemente com a versão 3.30 do GNOME, onde as funcionalidades que tornavam o Nautilus capaz de gerenciar a Área de trabalho foram removidas do código da aplicação.

Para contornar esse problema, a comunidade de desenvolvedores do GNOME acabou criando uma extensão que tenta trazer essas mesmas funcionalidades para o desktop GNOME, porém, ela ainda não está completamente finalizada e continua sendo uma extensão, e não uma função nativa do ambiente.


Um problema de filosofia de trabalho?


Recentemente tivemos uma série de entrevistas no canal com um dos desenvolvedores brasileiros do GNOME, onde foram comentadas várias coisas importantes e interessantes sobre o desenvolvimento do projeto, incluindo os motivos para a remoção de alguns componentes, vale a pena conferir. Uma das coisas que me chamou a atenção no discurso foi a retidão da forma de trabalho do GNOME, o que traz coisas boas e ruins ao projeto, discutivelmente.

O GNOME tem como viés um padrão de excelência técnico, optando por deixar de implementar coisas se elas não forem implementadas da forma considerada "correta", como os ícones de indicadores, como Telegram, Dropbox, Skype, Steam, etc. O GNOME também visa ser pioneiro em tecnologia, simplicidade e eficiência, além de criar tendências.

Que o projeto foi inovador, eu não tenho a menor dúvida, o projeto GNOME, ao lado do KDE, é responsável por uma massiva produção de aplicativos para, virtualmente, todas as funcionalidades imagináveis no mundo Linux, sendo um projeto muito maior que do "somente" o GNOME Shell, a interface, ainda que seja justamente ali que todos esses softwares acabem convergindo.

Esse viés de trabalho que parece quase imutável divide muitas opiniões, me arrisco a dizer que ser mais flexível com algumas coisas faria bem para o projeto.

Dividindo opiniões desde o início


As críticas ao GNOME ter mudado drasticamente a forma de se usar o computador para algo muito diferente da "metáfora de desktop" reconhecida por qualquer um que usou um computador na vida , seja Windows, seja macOS, não são recentes, com o tempo as pessoas foram entendendo e se acostumando, mas ainda assim, exemplos de mudanças não faltam.

Ainda assim, mostrar o GNOME pela primeira vez para alguém que nunca o utilizou, ou que só usou Windows vai causar comentários do tipo:

- Nossa, que bonito!
- Onde abre o menu?
- Não tem minimizar?
- Onde desliga?
- Por não consigo criar uma pasta na área de trabalho?

Unity
Unity do Ubuntu 17.04


Antes do GNOME 3 já existiam muitas interfaces diferentes, mas só depois dele é que tantas outras se criaram. 

Não sei a sua idade e nem a quanto tempo você conhece/usa Linux, mas na época do Ubuntu 10.04 LTS nós tínhamos uma "disputa" entre GNOME 2 e KDE 3/4, onde XFCE, LXDE e interfaces baseadas em linha de comando eram menos populares, junto com algumas outras ainda menos populares hoje em dia.

Depois do lançamento do GNOME 3, tivemos o nascimento do Unity, do Cinnamon, do Budgie Desktop, do MATE, do Deepin Desktop, e tivemos uma grande acensão de ambientes como o XFCE, além disso, tivemos várias distros modificando o Desktop GNOME porque a opção padrão simplesmente não agradou, como o Zorin Desktop, o Endless Shell e o próprio Ubuntu recentemente, além disso, ainda temos a crescente popularidade de extensões como Dash to Dock e Dash to Panel, que modificam consideravelmente a forma com que se usa a área de trabalho do computador.

  • Por que as pessoas simplesmente não usam o GNOME como ele foi feito para ser?
  • Por que a maior parte dos projetos que tem como público alvo o usuário DESKTOP não usa o GNOME PURO?
  • Qual é o perfil de utilizador das distros que usam o GNOME puro?
  • O GNOME é feito para agradar a quem?
São perguntas que eu gostaria que você respondesse no seus comentários logo abaixo.

Muitas interfaces forkeadas ou iniciadas do GNOME


Essa grande criação, com certeza, não foi uma coincidência. Analisemos:

- Cinnamon: Nasceu depois da equipe do Mint tentar usar o GNOME com um pacote de modificações chamado MGSE (Mint Gnome Shell Extensions), que tentava manter o viés Desktop tradicional;

- Unity: Nasceu por parte do desagrado do GNOME 3 pela Canonical, parte pela intenção da empresa em colocar o Ubuntu em dispositivos diferentes;

- Budgie Desktop: É uma reimaginação do GNOME 3 "como ele deveria ter sido", criado pelo projeto Solus para ser uma interface com base GNOME, mas diferenciada;

- Deepin Desktop: Originalmente o Deepin usava customizações do GNOME também, mas depois  desistiu e decidiu fazer usa própria interface baseando suas aplicações em Qt, não GTK.

- Zorin Desktop e Endless Shell: Continuam usando o GNOME como motor, mas criaram um Shell diferente que usa os mesmos elementos organizados de forma diferente, procurando respeitar mais o modo mais tradicional de desktop.

- MATE: A saudade do GNOME 2 foi tanta, que eles decidiram continuar da onde a equipe GNOME, que passou a focar do GNOME 3, parou.

De certa forma foi todas as mudanças foram positivas, pois temos mais opções atualmente, ao mesmo tempo que muitos talentos foram dispersados entre vários projetos diferentes, fazendo o projeto GNOME Vanilla, como a equipe do GNOME o planeja, perder popularidade.

Atualmente as distros que usam o GNOME "puro" são geralmente sistemas onde a interface é secundária, onde focam os serviços na parte "enterprise" e profissional, Red Hat, SUSE, Fedora Workstation, CentOS, Debian, Pop!_OS (esse usa temas diferentes), são alguns exemplos.

Todas as distros que tem foco em serem acessíveis ao Desktop e ao usuário comum mudam o GNOME consideravelmente, incluindo o próprio Endless OS e seu Endless Shell, que é um sistema que trabalha de forma bem próxima do time do GNOME.  O Endless fez um extensa pesquisa sobre os hábitos dos usuários e familiaridade, intuitividade com o sistema, será que o GNOME não pode tirar boas ideias dali?

Distros atuais que são populares em desktops e estão em evidência incluem: Ubuntu, Linux Mint, elementary OS, Deepin e Manjaro, onde ou elas não usam o GNOME, ou usam ele modificado.

Resolvendo com extensões


Tornou-se comum, até uma piada praticamente, que "tudo no GNOME" precisa de extensões, o que tem até um pequeno fundo de verdade. 

Não tenho dúvidas de que existem pessoas que usam o GNOME puro, sem extensões, mas elas provavelmente não são um grande número e principalmente, elas fazem parte de um nicho de usuários que é, ou próximo do desenvolvimento do GNOME, ou um núcleo de usuários avançados, mais purista. 

Gnome Desktop Icons
"Oh que legal, agora  o GNOME removeu a função de 'não ter ícones no desktop' ;) Bom trabalho Carlos!"


O que eu mais vejo "na várzea" são pessoas mudando muito o GNOME para atender às suas necessidades, até pouco tempo atrás existia uma extensão até para atualizar automaticamente a lista de redes Wi-Fi, coisa que mudou nas versões mais recentes do ambiente felizmente.

A filosofia do projeto é estreita e direta, mas ela não precisa ser imutável!

Uma decisão que seria muito acertada, do meu ponto de vista, seria observar quais extensões as pessoas mais utilizam para entender quais as funcionalidades as pessoas buscam e então adicioná-las ao sistema como um recurso nativo, planejado e integrado.

Se as pessoas usam muito o Dash to Dock ou o Dash to Panel, isso é um claro indicativo de que as pessoas acham menos produtivo manter os ícones escondidos, para citar um exemplo.

O GNOME pode tentar forçar o mercado a aceitar os seus padrões, mas será que essa força realmente faz diferença? Qual foi a última vez que você viu alguém desenvolver alguma aplicação (de fora do mundo Open Source) pensando em GTK ou GNOME? Talvez existam casos, mas eu não consegui pensar em exemplos.

Quando você faz parte de um nicho, você não dita tendências geralmente, você se adapta a elas. Mesmo que você tenha personalidade para fazer diferente e influenciar um pouco, o quanto isso trará de benefício efetivo para quem usa o software? É uma reflexão a se fazer.

Utopia do GNOME?


O objetivo do GNOME é utópico, mas isso não é necessariamente um problema. Fazer com que os desenvolvedores implementem as funções como eles gostariam e planejaram essas implementações seria o ideal, mas ele será possíve?

Toda vez que eu vejo alguém falando que algo é ruim porque é uma suposta "utopia', eu não consigo ver com bons olhos. 

Utopias são boas.

A utopia serve para nos apontar uma direção, algumas pessoas se esforçam para viver a utopia antes do momento de todos as condições estarem favoráveis, geralmente fazendo esforço e eventualmente sacrifícios para tal.

Eu penso de forma mais prática, afinal, existem vários níveis diferentes de adoção de uma ideia até que ela se torne padrão. 

A paz mundial é um utopia, mas nem por isso é uma ideia descartável (por ser uma utopia) e que deva deixar de ser perseguida, porém, existirão sempre "meios termos" até esse objetivo final e utópico, muitos deles não são tão ruins assim.

Eu aposto que você gostaria da paz mundial, ou da extinção da fome, mas se você tivesse que escolher entre: Ou você tem zero de fome ou você tem a situação atual e uma situação onde você tem pelo menos 90% a menos de fome do que agora, qual você preferiria?

Para exemplificar com o suporte a indicadores do GNOME, por exemplo, a situação atual é exatamente essa: Ou os devs implementam como o GNOME gostaria ou não faz parte do projeto.

Quem fica sem a função, no fim das contas, é quem só queria usar o software, será que não existe um meio termo? Será que não seria possível oferecer e melhorar essa função até que a solução ideal aparecesse?

É como a ideia de software livre. Algumas pessoas defendem a ideia de que tudo no mundo dos programas de computador deveria ser aberto, livre, open source, como quiser chamar, e eu tenho certeza de que se tudo fosse viável, esse seria um mundo ideal muito interessante de se viver, porém, para caminharmos para isso, é preciso que parte dos usuários use software livre, depois uma maior parte, depois uma maior parte ainda, assim até ir caminhando cada vez mais para essa "utopia livre", querer cortar o caminho e viver esse momento agora vai requerer sacrifícios que nem todos querem ou podem fazer, usando a lógica de que, ou é livre ou eu não uso, não me parece conquistar muitas pessoas.

Fazer transições graduais é um processo menos traumático e que facilita a aceitação, em alguma momento será preciso dar passo maiores, mas se tudo estiver bem fundamentado, até esses passos mais largos serão melhores aceitos.

Desktop Icons


A tentativa é válida, e como você viu no vídeo do início do artigo, a extensão já tem vários bons recursos, ainda que alguns estejam faltantes, mas ainda assim é uma extensão. É algo que você terá de esperar a distro implementar por conta própria, como é o caso do Ubuntu, ou como algo que você, como usuário terá de buscar.

Extensões, assim como em navegadores, servem para ampliar as funcionalidades básicas do software, mas no GNOME, as extensões servem, em alguns casos, para trazer justamente funções básicas que, apenas na minha, estrita e individual opinião, deveriam fazer parte do ambiente de forma nativa, permitindo que a equipe de desenvolvedores e tradutores atue de forma mais direta, sem necessidade de haver de prestar atenção com a compatibilidade da extensão com a versão do Shell.

O GNOME continua sendo um dos meus projetos favoritos, é por isso que eu falo sobre ele, endosso, incentivo o uso e elogio, por esse mesmo motivo é que eu critico quanto acho que tenho que criticar, lamento que eu simplesmente não consiga ser produtivo no GNOME Shell padrão, o próprio layout da interface ignora completamente tudo o que qualquer um que usou um computador não Linux anteriormente tenha aprendido, algumas pessoas gostarão dessa novidades, outras nunca mais voltarão.

A solução para o Desktop virá com essa extensão? É cedo para dizer, mas provavelmente se não for dessa forma, provavelmente não será de nenhuma outra.

O que você acha?
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo