Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador Mint. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Mint. Mostrar todas as postagens

Como instalar a última versão do Mesa Driver no Ubuntu e Linux Mint

Nenhum comentário

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

O Mesa Driver é um driver de vídeo de código aberto que é utilizado em praticamente todas as distribuições Linux, o projeto Mesa libera drivers de código aberto para placas Nvidia, Intel e AMD, e hoje você vai aprender a atualizar os drivers do Ubuntu sem precisar alterar a versão do Kernel.

Mesa Driver



Essa dica pode ajudar muito você que usa Ubuntu ou algum sistema derivado e quer ter os drivers abertos mais recentes para melhorar os FPS dos games, quem sabe até melhorar autonomia da bateria do seu Notebook devido as otimizações.

Este PPA de Mesa Driver é recomendado especialmente para quem usa drivers open source, especialmente quem usa chip Intel ou AMD, quem usa Nvidia pode muito bem usar os proprietários seguindo este outro tutorial e desempenho será melhor.

Alterar componentes gráficos pode ser algo sensível no sistema, então prossiga sabendo que caso algo dê errado, você terá que reverter o processo.

Se você prefere fazer as coisas sem utilizar o terminal, acesse este tutorial.

Recomendo instalar o PPA Purge para remover os pacotes caso haja algum problema.
sudo apt install ppa-purge
Você pode verificar a sua versão do Mesa Driver instalado usando o seguinte comando:
glxinfo | grep "OpenGL version"
Agora vamos adicionar o PPA do Mesa Driver, rode no terminal:
sudo add-apt-repository ppa:paulo-miguel-dias/pkppa
Este comando acima adiciona o repositório dos drivers, agora podemos atualizá-lo e depois atualizar o sistema para receber os novos pacotes:
sudo apt update && sudo apt dist-upgrade
Depois de atualizado, você precisa reiniciar o computador, você pode rodar novamente o comando para verificar a versão do Mesa Driver e ver em qual versão você está. 

Caso algo saia errado ou por qualquer outro motivo você queria remover os drivers e voltar ao normal use:
sudo ppa-purge ppa:paulo-miguel-dias/pkppa
Depois da remoção você deve reiniciar o computador e você estará de volta com os drivers originais do sistema.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como instalar Yu-Gi-Oh! Duel Links (PC) no Linux via Steam Play

Nenhum comentário

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Duel links é o atual popular título da Konami da franquia milionária Yu-Gi-Oh! O game vem fazendo muito sucesso, sendo lançado primeiramente para dispositivos móveis, tendo mais de 10 milhões de downloads na Google Play, posteriormente chegando aos PCs pela Steam, onde é gratuito e disponibilizado para Windows originalmente, mas graças ao Proton e ao Steam Play você pode jogar no Linux como se fosse um game nativo.

duel-links-steam-play-proton-linux






O procedimento para fazer a instalação é realmente simples, porém, é necessário fazer um pequeno ajuste para rodar o jogo perfeitamente. Primeiro eu vou te explicar como fazer a instalação, depois eu te explico o porque da instalação precisar ser feita dessa forma.

Como fazer a instalação do Duel Links no Linux


Existe aqui um pequeno passo a passo, sendo que alguns destes passos não são necessários caso você já utilize o Steam Play com o Proton para outros games.

1 - Nas configurações do seu cliente Steam, ative a compatibilidade com o Steam Play

Temos um artigo aqui no blog explicando o passo a passo para habilitar a ferramenta, com dois ou três cliques você consegue ativar a funcionalidade, basta conferir aqui. Se você já tem o Steam Play ativado, esse passo pode ser desconsiderado.

2 - Faça o download do Game

O Duel Links é um game bem pequeno no seu download inicial, mal chegando aos 100 MB de tamanho, ainda que requeira até 4GB de espaço em disco caso você queira baixar as imagens das cartas em alta resolução. Procure pelo game na Steam e instale normalmente, mas não clique em jogar ainda.

Em tese, isso deveria ser o suficiente, ou seja, é o mesmo processo que você faria no Windows, entretanto, o Duel Links necessita do Net Framework 4.5 para rodar, no Windows o game considera que essa dependência já está instalada, pois geralmente está (caso não esteja, mesmo no Windows, você precisará instalar), já no Linux, obviamente ela não está instalada, por se tratar de um componente Windows.

O jogo precisa também do DirectX, do VCrun, entre outras dependências, porém estas são instaladas ao clicar em "jogar" ou "play" pela primeira vez, como a maior parte dos games. Como você deve estar imaginando, a grande questão aqui é instalar o Net Framework 4.5 no Steam Play, no prefixo do Proton do Duel Links.

Eu sei, até soa meio complicado, mas não é, vai por mim.

3 - Instale o Winetricks

Vamos precisar do Winetricks para instalar esse complemento, além de ter o próprio Wine instalado para evitar estes problemas, precisamos dos seguintes pacotes:
  • wine64 
  • wine32-preloader 
  • winetricks
Você pode procurar por eles no seu gerenciador de pacotes ou loja de aplicativos e instalar um por um, no caso do Ubuntu, com a GNOME Software como loja, esse tipo de pacote não é encontrado, então você pode usar o Synaptic para isso, já no Linux Mint, você tem esse recurso através da loja do sistema.

WINE-LINUX-INSTALL
Gerenciador de pacotes do Linux Mint
Caso você use outra distribuição, consulte o gerenciador de pacotes da sua distro e procure pelos pacotes mencionados. Caso você use Ubuntu ou Linux Mint, é possível instalar todos os pacotes com um comando único no terminal:
sudo apt install wine64 wine32-preloader winetricks -y
O próximo passo é instalar, via Winetricks, o pacote dotnet4.5, que referencia o Netframework 4.5.

Para fazer isso, o Winetricks pode ser aberto pelo menu, ele é uma aplicação gráfica, porém, atente-se para escolher o diretório onde o game (Duel Links) está instalado, originalmente no Steam Play ele fica nesse diretório:

home/dionatan/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx

Onde o nome dionatan deve ser substituído pelo nome do seu usuário, selecionando a opção de instalar complementos e adicionando o DotNet4.5, entretanto, eu acho mais fácil rodar outro comando simples que vai fazer todo o processo por você:
WINEPREFIX=/home/$USER/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx winetricks dotnet45
Não sei se você percebeu, mas se você quiser fazer tudo de uma vez pelo terminal, algo quase mágico que o Linux proporciona, você pode instalar os programas necessários e "aplicar o patch" no jogo copiando e colando este único comando no terminal, tudo de uma vez:
sudo apt install wine64 wine32-preloader winetricks -y && WINEPREFIX=/home/$USER/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx winetricks dotnet45
Simples e rápido.

4 - Agora é só jogar! 

Com este pequeno ajuste é possível jogar o game normalmente, basta clicar em "Play" ou "Jogar", aguardar a instalação daqueles componentes que o jogo precisa e logar com a sua conta. O ideal é ter a sua conta atrelada ao perfil da Konami para poder recuperar os seus decks do game que você joga no Smartphone.

Seguem algumas telas do game rodando no Linux Mint 19.1:

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Como melhorar a situação?


O game roda perfeitamente bem, sem travamentos, engasgos ou qualquer outra coisa, porém, sabemos que ele não é um primor de porte. Parece que Konami simplesmente jogou o Duel Links dentro do Unity 3D e exportou para PC, e não se preocupou nem em adicionar todas as dependências que o jogo precisa para instalação na primeira "run" do jogo.


Felizmente rodar ele no Linux, apesar do ajuste, hoje em dia é muito simples, mas poderia ser ainda mais, caso esse passo fosse desnecessário, e é aí que você entra. Fale com a Konami no Twitter, mande e-mails e peça pela simples inclusão desse pacote no instalador do jogo, provavelmente até quem joga no Windows vai se beneficiar.

Até a próxima e que o coração das cartas esteja com você!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19.1 - Como atualizar da versão 19 sem formatar

Nenhum comentário

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Os desenvolvedores do Linux Mint anunciaram a versão 19.1, de codinome "Tessa", recentemente. Hoje, um dia após o lançamento da versão mais recente, as informações sobre a atualização para a última versão do Linux Mint foram divulgadas. Aprenda agora a atualizar para a versão mais recente da distro sem precisar formatar o seu computador.

linux-mint-191-upgrade






Eu fiz a atualização do meu Linux Mint 19 (Cinnamon) para a versão 19.1 esta manhã, estou usando o sistema o dia todo praticamente e não encontrei qualquer problema até então. Vou te ajudar no procedimento, vamos lá?

Como atualizar o seu Linux Mint para a última versão


1 - O primeiro passo é ter certeza de que você está com todas as suas atualizações em dia. Abra o gerenciador de atualizações pelo menu ou pelo ícone na barra de indicadores, clique em "Atualizar" e se houverem atualizações, aplique-as antes de continuar.

Atualização Linux Mint

Por questão de precaução, os desenvolvedores sugerem que você faça um backup/snapshot do sistema através do TimeShift, a ferramenta de backups do Linux Mint que você encontra no menu. O procedimento não deve falhar, mas em todo caso, se você quiser ter uma segurança a mais é uma boa prática.


2 - O próximo passo é no próprio gerenciador de atualizações, clique no menu "Editar" e você deverá encontrar a opção "Atualizar para 'Linux Mint 19.1 Tessa'", clique na opção.


3 - Você será recebido com a tela de boas-vindas da atualização, onde existem notas da versão para você conferir, informações sobre novos recursos e requisitos mínimos para usar a nova versão. Para saber mais sobre as novidades do Linux Mint 19.1, confira o artigo que fizemos sobre o lançamento da versão.

Uma dica importante, caso você use um Notebook, vale ressaltar a importância de deixar o computador na alimentação ou ao menos, ter a bateria bem carregada. O tempo de atualização demora de acordo com a velocidade da sua internet e também a capacidade do seu hardware.


4 - Depois de iniciar a atualização, uma janela com uma barra de progresso será exibida, de forma geral você não precisa interagir com ela, mas no meu caso, como eu uso uma extensão do Nemo para o Dropbox que oferece uma integração extra, foi necessário clicar em "ver mais" e confirmar a adição do pacote, pressionando a letra "y" de "yes", e pressionando "enter".

Aguarde o processo de atualização acontecer.

Mint-upgrade

5 - Quando a atualização finalizar, reinicie o computador para ter certeza de que tudo está carregado normalmente. Caso você tenha temas instalados, applets extras ou extensões no Cinnamon, pode ser necessário reconfigurá-los ou atualizá-los. Caso você tenha um ambiente customizado, o novo layout do Linux Mint, com ícones  na barra, não será carregado por padrão, para isso, procure no menu pelo aplicativo "Tela de Boas Vindas", nele você poderá alterar o layout.

welcome-linux-mint


6 - Seu Linux Mint está pronto para o uso, basta aproveitar o sistema, com Cinnamon 4.x, melhorias de desempenho e velocidade.

linux-mint191-upgrade-finalized

Passos opcionais


Se você quiser deixar o sistema com os pacotes padrões que os desenvolvedores planejaram, outros dois passos podem ser feitos, a instalação de alguns pacotes e remoção de outros, copie e cole estes dois comandos no terminal:

apt install p7zip-full va-driver-all xul-ext-lightning
apt remove --purge xscreensaver-data xscreensaver-data-extra xscreensaver-gl xscreensaver-gl-extra cinnamon-screensaver-webkit-plugin cinnamon-screensaver-x-plugin
Curiosidade: Repare que agora não é mais necessário usar o "sudo" no início do comando, o terminal entende que você está tentando rodar algo que necessita de privilégios de administrador e pede a senha, que agora exibe caracteres, assim como acontece no elementary OS.

Para mais informações sobre a atualização das versões, confira o artigo no blog oficial do Linux Mint.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Estilo Long Shadow - Novo tema de ícones para Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018

Se você estiver procurando uma opção bacana de tema de ícones para a sua distro Linux e pretende colocar um tema bem estilizado e com um conceito um tanto diferente, especialmente se você curtir as famosas “long shadows”, você vai adorar o tema “Shadow”.

 Estilo Long Shadow - Novo tema de ícones para Linux










O Shadow é um tema flat para GNOME 3.10+ e interfaces “filhas” Na versão 4 contém mais de 980 ícones de apps e mais de 2200 ícones para o sistema e afins.




Instalando o tema Shadow


Baixe o tema à partir do GitHub ou do "GNOME Look", ele virá em um pacote compactado (zip), basta extrair o tema do arquivo compactado para a pasta .icons (ponto icons) dentro da sua pasta pessoal. Depois é só fazer a alteração do tema pelo software adequado a sua interface gráfica.



No Linux Mint você pode usar as próprias configurações do sistema e no Ubuntu, use o GNOME Tweaks.

Quem deseja fazer o processo de instalação pelo terminal pode seguir os seguintes passos:

git clone https://github.com/rudrab/Shadow.git

mv Shadow-master /home/$USER/.icons/

Se for pelo Gnome-Look, basta baixar e extrair o .tar.xz dentro da pasta “icons” que você criou

Feito isso, agora você pode desfrutar do novo tema para o seu sistema.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Melhor do que a encomenda! - Linux Mint 19.1 Beta

Nenhum comentário

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Os desenvolvedores do Linux Mint anunciaram que a nova versão do sistema estaria disponível antes do Natal e que belo presente de final de ano para os fãs da distro, não é verdade? Eu estou testando ele há pouco dias, depois do anúncio do Beta, e tenho alguns relatos interessantes para fazer.

Linux Mint 19.1






Difícil dizer o que falta para o Linux Mint se tornar um grande padrão, provavelmente "inteligência de marca" seja uma boa resposta, inclusive, nos especulamos muito em relação a isso é um dos nossos programas no YouTube, um Diolinux Friday Show recente:


Da mesma forma que o Ubuntu se tornou uma marca tão valiosa quanto o Debian para o mundo Linux, será que o Linux Mint chegará ao nível do "seu irmão"?

Há alguns dias tivemos o lançamento da versão Beta do Linux Mint 19.1, de codinome "Tessa" que mantém a base LTS do Ubuntu 18.04.1 e inclui várias melhorias, você pode ver a review completa nesse vídeo do canal:


O que tem de MUITO BOM no Linux Mint 19.1?


Eu gosto muito do Linux Mint, junto com o Ubuntu, certamente são as minhas distros favoritas. Em favor do Mint, eu sempre vi a sensatez, em alguns casos até demasiada, ao adotar novos padrões, ao mudar as coisas tradicionais, etc. Mas a versão 19.1 está dando alguns passos na direção da mudança.

O Linux Mint tem como diretriz não descriminar software de nenhum tipo, independente da licença que ele use, você pode ler mais sobre isso na página de FAQ do sistema, diretamente de seu site oficial e esse é um dos fatores que fazem gostar da forma de trabalho do projeto, porém, no meio dessas diretrizes de trabalho, está uma que consegue me agradar e desagradar ao mesmo tempo, a sua forma conservadora de desenvolver o sistema.

O lado bom

O Linux Mint tem como padrão de comportamento só incorporar tecnologias ao sistema que são super estáveis e popularmente testadas, é por isso que você ainda não vê o Mint com suporte oficial para o Wayland, por exemplo. Dificilmente você verá uma grande quantidade de novidades e modificações implementadas a cada versão, essas mudanças acontecem, mas elas são bem graduais.

O lado bom disso é um tanto quanto óbvio, o sistema se torna mais estável e confiável à longo prazo.

O lado ruim

Suponho que lado ruim seja tão simples de entender quanto o lado bom. Ser mais conservador na inclusão de novidades não deixa os usuários do sistema em contato direto com o que há de mais recente na tecnologia open source pode, até certo ponto, claro. Certos componentes do sistema acabam se atualizando normalmente, como navegadores de internet e correlatos.

Mas as coisas estão mudando

A versão 19.1 Beta está diferente nesse sentido, se comparado a atualizações ocorridas nos últimos anos, ela traz mudanças visuais e de funcionalidade, o que é raro de ser ver no Mint. 

A versão Beta trouxe uma nova forma de usar o Desktop, algo que o Linux Mint carrega desde... bem... sempre! Desde a primeira versão lançada o comportamento padrão do desktop era semelhante ao do Windows XP, organizado em Menu "iniciar", atalhos de aplicações e janelas que abrem ao lado de forma independente, logo depois vinha a área de notificações, calendário, etc.

Visual Linux Mint Windows XP
A semelhança é perceptível (Windows XP em cima, Linux Mint Cinnamon em baixo)

Apesar da diferença enorme na lapidação visual, é fácil perceber que o conceito é o mesmo. E mesmo na versão 19.1 esse painel ainda está disponível para quem quiser utilizar, porém, ele deu lugar para outra versão que agora é o padrão do sistema.

Novo painel do Linux Mint 19.1
Novo painel do Cinnamon - Linux Mint 19.1

Agora os ícones são agrupados e sobrepostos, como acontece no Windows 10, no macOS, no GNOME, como é possível fazer no KDE Plasma também, ou seja, ficou mais de acordo com o padrão atual, o que melhora consideravelmente o aproveitamento de espaço, ainda que eu tenha me adaptado ao Workflow anterior com o passar do tempo, certamente não será difícil de usar o novo padrão.

O lado bom dessa modificação é que a implementação não foi uma "simples troca", se você explorar as configurações desse modo de exibição, clicando com o botão direito em qualquer ícone da barra, indo até preferências>>configurar, você verá os diversos tipos de comportamento possíveis, o que é excelente.

O recurso em si não é totalmente novo no Linux Mint, há alguns anos existem extensões para o Cinnamon Desktop (interface padrão do Linux Mint) que entregavam essa funcionalidade, porém, o lado positivo do recurso fazer parte do sistema é que agora ele está mais próximo dos desenvolvedores principais e nunca irá entrar em conflito com o restante da interface, além de, por se tratar de um parte oficial do sistema, os tradutores também poderão fazer o seu belo trabalho e ter os recursos já em Português, tudo bonitinho.

Falta "aquele" toque


Se eu pudesse apontar o dedo para o projeto do Mint, colocando defeitos, certamente eu apontaria para o design e a paleta de cores. Eu já entendi a relação entre Mint, Cinnamon (Canela) e a cor verde, ainda mais nessa cor de erva cidreira, mas convenhamos que existem cores melhores para associar algo à tecnologia, talvez eles quisessem justamente usar a abordagem de algo calmo, relaxante e confiável, ao contrário do Ubuntu que quer algo mais energético com todo aquele laranja.

Compreensível, mas isso não faz o visual ser mais atrativo.

O logo precisa de uma rejuvenescida, os ícones precisam parar de mudar o design padrão das aplicações (ao menos tanto) e não faria mal dar uma atualizada no site do Mint também.

Analise a versão padrão do Mint e uma modificada por mim:

Linux Mint 19.1 Padrão

Linux Mint 19.1 Mofidicado

Fala aí, qual você sentiria mais vontade de usar?

Para quem ficou curioso, estou usando para personalizar o Cinnamon na segunda imagem:

- Extensão "Transparent Panels"

É claro que só reclamar é fácil demais, por isso, nessa semana enviei um e-mail para o líder do projeto Linux Mint, Clement Lefebvre, me oferecendo para ajudar na parte de marketing da distro e quem sabe, tentar ajustar o visual dela também. Muitas vezes mudar a paleta para um verde azulado pode fazer uma grande diferença. Vamos ver se teremos alguma resposta, fique ligado aqui no blog que eu manterei você atualizado quanto a isso.

A diferença está nos detalhes sem dúvida, o Deepin que o diga.

A versão 19.1 não tem uma data de lançamento fixa, mas está trazendo várias melhorias interessantes e inclusive algumas surpresas para mim, de coisas que eu não esperava ver no projeto, como este novo layout de ícones, na minha modesta opinião está bem melhor que a encomenda, e olha que a encomenda já era boa.

Se quiser testar a versão Beta também, eu encontrei um mirror brasileiro bem rápido para que você possa baixar, mas lembre-se, ainda que esteja consideravelmente estável, ainda é um Beta, então evite usar em produção.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ícone do Dropbox não iniciando no Linux Mint Cinnamon? Veja como resolver!

Nenhum comentário

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Hoje eu tive um problema curioso no Linux Mint com Cinnamon. Reparei que o ícone indicador do Dropbox, o popular serviço de armazenamento em nuvem, não estava aparecendo na área de indicadores, ainda que o serviço estivesse funcionando corretamente. Como a solução do problema foi simples, eu resolvi compartilhar com você, caso você tenha o mesmo o problema, já saberá como resolver. ☺

Linux Mint Cinnamon Dropbox






O Cinnamon tem dois tipos de suporte para os tradicionais indicadores, usados para inúmeras aplicações, os indicadores "legados" e os integrados com o Shell do Cinnamon.

Para usar os indicadores de forma mais eficiente eu recomendo que você ative o suporte para indicadores integrados acessando o Painel de Controle >> Geral >> Marcar a opção "Habilitar Suporte para ícones indicadores na Área de Notificação (necessário reiniciar o Cinnamon)".

Configuração de indicadores Linux Mint

Geralmente, ao habilitar essa função, o Cinnamon recarrega os ícones automaticamente, caso não aconteça você pode reiniciar a interface facilmente clicando com o Botão direito na barra tarefas >> Resolução de Problemas >> Reiniciar Cinnamon. Não é necessário reiniciar o computador ou anda parecido, a tela apenas vai "piscar" e voltar ao normal.

Resolvendo o problema do Dropbox


Estes primeiros passos são necessários para a ativação correta dos indicadores, mas ainda assim, o Dropbox não estava aparecendo, ao menos para mim. Para resolver o problema é simples, mas vamos garantir que algumas coisas estão funcionando corretamente antes:

👉  Confira no aplicativo "Monitor do Sistema" e veja na aba "Processos" se o Dropbox está rodando.

Linux Mint Dropbox

Caso você encontre o processo, é sinal de que o daemon do Dropbox está funcionando corretamente, o único problema é realmente o indicador.

👉 Uma forma de corrigir o problema é rodar este comando no terminal:
dropbox stop; dbus-launch dropbox start
Se funcionar, ótimo! Só precisamos alterar as configurações de inicialização do Dropbox para que a correção já funcione quando você ligar o seu computador, para isso é simples, procure no menu por "Aplicativos da Inicialização" e nele, procure pelo Dropbox.

Dropbox Indicator

Basta dar dois cliques para editar os parâmetros de inicialização, na sessão "Comando", altere o valor padrão para:
dbus-launch dropbox start
Depois disso é só salvar. Para testar, encerre a sessão ou reinicie o computador para ver se agora o Dropbox está iniciando corretamente. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Tracktion 7 Digital Áudio Workstation pode ser baixado de graça

Nenhum comentário

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

A empresa Tracktion Software está disponibilizando para baixar a sua poderosa ferramenta de produção de áudio digital multiplataforma ou em inglês “Digital Audio Workstation” (DAW) de forma gratuita.

Tracktion 7 Digital Áudio Workstation pode ser baixado de graça







Se você está procurando um software para produção de áudio em DAW o Tracktion 7 é uma boa ferramenta para isso. Uma boa alternativa aos programas Audacity e o Ardour.

T7 DAW (ou Tracktion 7) teve a sua primeira versão lançada em 2016 custando US$59 e tendo uma recepção muito boa da mídia especializada e recebendo vários prêmios pela qualidade do produto oferecido.

O T7 DAW é um Freeware ( e não open source) e que se você precisar de plugins complementares e o suporte dado diretamente pela empresa, você terá que pagar por isso, mas se precisar eles disponibilizam um fórum para ajuda, além de um FAQ para Linux.


               


Ele é multiplataforma, podendo ser usado em Linux (Ubuntu, Mint e derivados), RaspBerry PI, macOS e Windows

A interface dele sendo single-panel (painel único) foi pensada em deixar mais dinâmica e rápida para mixar e fazer gravações, como aplicar correções, efeitos entre outros em ilimitadas trilhas apenas usando o arrastar e soltar.

Outra coisa boa que foi confirmado por eles, é que a versão Free não terá nenhuma limitação em relação às versões pagas.

Para rodar ele na versão para Linux (Ubuntu, Mint e derivados) você vai precisar de um processador Intel Core i5 2 GHz e no minimo 4 GB de memória RAM, mas se recomenda  8 GB de memória RAM.

Para baixar ele você vai precisar entrar no site da Tracktion Software e fazer um rápido cadastro, para que eles possam mandar um link onde você poderá baixar o programa, que está no formato .deb, e também ativar o seu programa, após estes passos, para “desbloquear” o seu programa você vai usar o seu login e senha criados no site anteriormente. Um “preço justo a se pagar” para ter um software profissional em mãos. 

Acho muito legal ter mais alternativas para esse segmento do mercado de produção de áudio profissional, e assim mostrando que a plataforma Linux é um meio viável para isso.

Mas digam aí nos comentários se você já usou a ferramenta ou se vai testar o “poderio” dela. =)

Forte abraço e ate a próxima.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint Debian Edition (LMDE) 3 "Cindy" Beta está disponível para download!

Nenhum comentário

terça-feira, 31 de julho de 2018

A nova versão do Linux Mint (Debian Edition), também conhecida pela sigla "LMDE", está chegando a uma nova release e agora você pode testar o Beta da versão 3 com Cinnamon.

Linux Mint Debian Edition 3 Beta





A versão 3 do Linux Mint Debian Edition (LMDE) chegou ao seu Beta, o momento em que usuários mais experientes são convidados a participar da campanha de "caça a bugs" para o lançamento da versão final, que recebeu o codinome de "Cindy".

O LMDE, para você que não conhece, é o Linux Mint com praticamente todas as suas ferramentas tradicionais, só que baseado no Debian, ao invés do Ubuntu, como na versão principal. O LMDE também é desenvolvido pela mesma equipe do Linux Mint e é uma das versões oficiais da distro, no entanto, ele não recebe a mesma urgência de desenvolvimento que a versão baseada no Ubuntu (ao menos no momento), o que não significa que ele seja feito "de qualquer jeito" também, mas um bom exemplo disso é que ele está saindo praticamente um mês depois do lançamento da versão 19 do Mint "tradicional".

A versão "Debian Edition" do Linux Mint é considerada por eles uma "distro de backup" para o projeto, caso, por qualquer motivo, a versão com base Ubuntu se torne inviável. O objetivo da distro também é, como os desenvolvedores deixam claro na nota oficial, provar para eles mesmos que seria possível fazer o Linux Mint sem o Ubuntu e entender quanto trabalho eles teriam para colocar o sistema para funcionar caso o Ubuntu "desaparecesse".

Você pode encontrar as notas de lançamento da versão LMDE 3 Beta neste endereço. É importante conferir as notas para conhecer os bugs já reportados e os que estão ainda em aberto, assim como as correções possíveis para problemas já identificados, para fazer o download da versão basta acessar este link, onde você encontra as ISOs para download direto e também o torrent.

Para rodar o LMDE você precisa de no mínimo:

- 1GB RAM (recomendado 2GB);
- 15GB de espaço em disco (recomendado 20GB);
- Resolução mínima de 1024×768

As ISOs de 64 bits são recomendadas para computadores mais modernos, de 2007 em diante, e conseguem bootar em computadores que usem UEFI ou BIOS, já a versão de 32 bits é recomendada apenas para processadores de 32 bits, em computadores mais antigos e só consegue trabalhar com BIOS.


Conte pra gente, você gosta de usar a versão Debian do Linux Mint? Qual a sua experiência com o LMDE?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Fizeram um SNAP da Steam do Windows para Linux

Nenhum comentário
No começo desse mês foi lançada uma versão do cliente Steam para Windows empacotado via Snap, rodando em cima do Wine, permitindo que alguns games de Windows da Steam sejam rodados no Linux.


Fizeram um SNAP da Steam do Windows para Linux





O pessoal da Snapcrafters criou um snap com a versão de Windows da Steam rodando na versão 3.10 staging de 32 bits do Wine, configurado para rodar como uma versão do Windows XP.

Antes de instalar esse snap, vamos relembrar como instalar o suporte a pacote Snaps na sua distribuição, para isso temos um post especial aqui no blog Diolinux com o " Manual dos pacotes Snap", lembrando que à partir do Ubuntu 16.04 LTS, Linux Mint 18.2 e Fedora 24 o snapd, ferramenta que permite a compatibilidade com os pacotes snap, já está nos repositórios oficiais, só precisando instalar o daemon para funcionar.

Para instalar o daemon snapd no Ubuntu/Mint/Debian, abra o terminal e digite o seguinte comando:

sudo apt install snapd 

E para instalar o daemon snapd no Fedora e derivados:

sudo dnf install snapd


Agora vamos instalar o SteamForWindows e logo em seguida vamos reiniciar ele com os seguintes comandos:

sudo snap install steamforwindows --edge

snap connect steamforwindows:joystick

sudo snap refresh steamforwindows

Depois do processo anterior se abrirá uma janela onde será baixado e atualizado o cliente da Steam, posteriormente ocorrerá a instalação dele. Esse processo pode demorar um pouco, dependendo da velocidade da sua conexão com a internet e do seu computador.

Vale lembrar que é este programa ainda é considerado um "Beta", de modo que ainda serão feitos vários ajustes, como mudar a versão padrão do Windows, como do XP para o 7 e assim dar suporte para mais jogos. Além de poder dar suporte a versão 64 bits do Wine e do Windows.

Conte-nos aí nos comentários qual game você gostaria de ver portado para Linux.

Um forte abraço, até uma próxima.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja como instalar o Krita 4.04 no Ubuntu 18.04 LTS e Mint 19

Nenhum comentário

terça-feira, 24 de julho de 2018

No post de hoje, vamos ensinar como instalar o programa para desenho open source  gratuito, o Krita, ferramenta essa vem ganhando espaço entre os profissionais da área de desenho.







O Krita teve uma nova versão lançada recentemente, a versão 4.0.4, com varias correções e melhorias, entre elas estão:

Correção na escolha de cores ao clicar duas vezes;

⏺ Permitir configurar o ângulo multibrush em frações;

⏺ Remoção de atalhos de ferramentas de texto obsoletos;

A não utilização do nome do arquivo como tag automaticamente;

⏺ entre outros.


Vamos mostrar como adicionar o PPA oficial do projeto e assim instalar a ultima versão dele no Ubuntu e seus derivados, como Linux Mint. Vamos abrir o terminal e digitar os seguintes comandos a seguir. Para adicionar PPA sem usar o terminal temos esse artigo no site.

Primeiro vamos adicionar o repositório:

sudo add-apt-repository ppa:kritalime/ppa

Agora vamos atualizar o sistema e em seguida instalar o Krita:

sudo apt-get update && sudo apt-get install krita -y

Para instalar a tradução (se precisar), basta digitar o seguinte comando:

sudo apt-get install krita-l10n

Agora é só esperar o processo de instalação terminar e depois digitar "Krita" na dash do seu Ubuntu 18.04 LTS ou procurar no menu do seu sistema.

Se preferirem podem baixar no formato AppImage também, que pode ser encontrado no link do site deles.

Conte aí nos comentários o que você achou da nova versão do Krita. =)

Até uma próxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como trabalhar com "SWAP FILES" no Ubuntu

Nenhum comentário

domingo, 22 de julho de 2018

Há algumas releases  o Ubuntu abandonou o sistema de SWAP via partições para usar SWAP via arquivo, isso permite uma maior maleabilidade sem precisar ficar alterando o particionamento do seu sistema e hoje você vai aprender a manipular o novo formato de SWAP.

Como manipular SWAP em arquivos






Antes de começarmos o tutorial em si, acho conveniente falarmos um pouco mais sobre SWAP, para isso recomendo a leitura de um artigo já antigo aqui do blog, mas ainda válido, é só clicar aqui, dar uma lida e depois voltar pra cá! 😉

Para sintetizar um conhecimento básico, SWAP é um termo usado para referenciar o mecanismo de "troca" que existe entre o armazenamento do  seu computador e a memória RAM. Usar SWAP pode ser útil em vário cenários e tudo depende de como você usa o computador.

Quando usar SWAP?


SWAP só será útil se você é tipo de usuário que costuma lotar a sua memória RAM utilizando aplicações pesadas, que por si só, ocupam uma boa fatia da sua RAM. Nominadamente eu poderia comentar sobre editores de vídeo, pessoas que usam muitas máquinas virtuais e assim por diante.

A SWAP também pode ser útil se você é do tipo que gosta de hibernar o seu computador, assim os dados que estavam na memória RAM podem ir para a SWAP temporariamente. Muita gente que reclamou sobre "meu Linux não volta da hibernação", provavelmente não estava usando a SWAP corretamente.

Quanto usar de SWAP?


Em todos esses anos, nessa indústria vital, eu nunca consegui encontrar uma discussão sobre isso com 100% de consenso, de modo que eu realmente não espero conseguir isso com este artigo, mas podemos tentar usar o bom senso.

Posso falar pela minha experiência, já usei computadores com muita SWAP, pouca SWAP, nenhuma SWAP e você pode ter boas experiências em todos os casos.

Quando você tem pouca memória RAM, a SWAP pode ser uma amiga muito interessante, especialmente no caso de você ter um SSD, que por definição, tende a ser mais veloz que um HD tradicional. 

Mesmo que você use um pouco mais o SSD do que usaria caso a SWAP não estivesse presente, o impacto na vida útil dele deverá ser pouco relevante, tanto que as distros (como o Ubuntu) agora estão colocando a SWAP dentro de um arquivo, independente do dispositivo de armazenamento que você use

Vamos ficar hipotéticos aqui para você ter uma noção: Se eu tivesse um computador com 4GB de RAM e usasse ele para navegar na internet, trabalhar com documentos e planilhas e editar imagens (ou seja, fazer um blog como este), colocaria 2GB de SWAP. Se eu utilizasse esse mesmo computador para edição de vídeo também, colocaria ao menos 4GB de SWAP.

Atualmente eu trabalho com uma estação de edição com 16GB de RAM e trabalho com 2GB de SWAP que raramente são utilizados.

Então, tudo depende do caso. 

Você hiberna o seu computador? Então a SWAP deve ter espaço suficiente para comportar o seu load de RAM atual. Se você for hibernar um computador que está rodando com 12GB de RAM utilizada, pode ser interessante ter uma SWAP de igual proporção ao menos, ou, claro... fechar umas aplicações antes de hibernar o computador, afinal, quanto mais SWAP você colocar, menos espaço você terá no seu disco para armazenamento. A "escolha de Sofia" é sua, analise o que será mais importante para você.

Da mesma forma, caso você use um computador de 4GB para tarefas básicas, como navegação na internet por exemplo, me arrisco a dizer que usar o sistema sem SWAP não vai te impactar tanto, desde que você não hiberne o computador. Mais uma vez, depende o seu perfil de uso. 

Geralmente as distros tentam "chutar" um valor que deve atender a maior parte das pessoas, o Ubuntu 18.10 Cosmic (Development Branch) por exemplo, adicionou um arquivo SWAP de 2GB em uma instalação que possuía 4GB de RAM físicos no meu último teste.

Para você ter uma ideia, eu estou com "muita coisa" aberta agora no Linux Mint, incluindo uma máquina virtual, Telegram, Dropbox, Chrome com 5 abas abertas, Spotify, etc, etc. E ainda assim a SWAP nem sequer está ativa nesta máquina com 16GB de RAM:

Configuração de SWAP

E por último, vale considerar também a configuração de "swapiness", que faz referência ao percentual de memória ocupada que dispara o gatilho para o uso da SWAP.

Trabalhando com SWAP Files


Particularmente eu achei interessante a mudança, ainda que ter uma memória SWAP em uma partição também possa ser útil em algumas aplicações. Um caso simples de exemplificar é a utilização de múltiplas distros Linux no mesmo computador que podem compartilhar a mesma SWAP, com SWAPFILES isso não é possível, você gasta mais armazenamento para ter o mesmo efeito.

É claro que existem pontos positivos, um deles, talvez o principal, é a maior facilidade para manipular o arquivo de SWAP, afinal, ele é um arquivo como qualquer outro, permitindo que você o apague, crie, e altere para o tamanho que você necessitar sem precisar alterar as partições, que é sempre uma operação mais delicada.

Configuração de SWAPFILES

Você encontrará o arquivo "swapfile" dentro da raiz do seu sistema, no caso o Ubuntu (tem de se observar se o seu sistema usa SWAPFILES). Observando as propriedades dele você observará que ele tem o tamanho da SWAP exibida, por exemplo, no seu "monitor do sistema".

Vamos fazer um exercício aqui de apagar este arquivo e criar um novo com um tamanho diferente, assim você aprenderá todo o processo e poderá usá-lo conforme a conveniência.

Vamos o terminalzinho, o seu amiguinho


O primeiro passo é desativar a SWAP, tenha certeza de que a sua memória SWAP não contém arquivos, ou seja, é melhor fazer o procedimento sem outras aplicações abertas. O procedimento à seguir também considera "swapfile" como o nome do arquivo de swap, que pode ser qualquer outro, então procure observar. 

Primeiro vamos desligar o SWAP neste arquivo:
sudo swapoff /swapfile
Agora que ele não está mais em uso, seu sistema está sem SWAP e ele é apenas "mais um arquivo", que você pode remover sem problemas assim:
sudo rm /swapfile 
Agora podemos criar um novo arquivo com o tamanho que quisermos para usar como SWAP, a diferença é que você não pode simplesmente criar um arquivo qualquer, ele precisa se um arquivo com espaço pré-alocado, afinal, ele precisa ter o tamanho da SWAP que você quer.

Acho que a forma mais fácil de criar um arquivo com essas propriedades é usando o utilitário "fallocate", desse jeito:
sudo fallocate -l 5G /swapfile 
sudo: Para rodar o comando com privilégios elevados.

fallocate: Nome do utilitário que vamos usar para fazer a modificação, para mais informações consulte "man 1 fallocate".

l: A letra "L" minúscula é um parâmetro que ser para especificar o tamanho do arquivo que queremos criar.

5G: Este aqui é tamanho do arquivo que você deseja criar, pode ser qualquer outro valor que você queira, a letra G serve para indicar ao programa a quantidade de Gigabytes que você deseja no arquivo, você também pode indicar o tamanho usando Megabytes se preferir, colocando algo como "5120M".

/swapfile: Essa parte final indica o diretório com o nome do arquivo que você vai usar como SWAP, você pode colocar esse arquivo em outro diretório se quiser, mas este é o padrão do Ubuntu, assim como o nome, que você poderia mudar de "swapfile" para "changeman" se quiser.

Para criar um arquivo de 2GB dentro de /mnt/ você poderia fazer assim:
sudo fallocate -l 2048M /mnt/changeman
Mas claro, vamos seguir no primeiro exemplo, ainda que ele seja menos bem-humorado. 😋 

Depois de criado o seu arquivo, você pode dar um "ls" na sua raiz para ver se o arquivo está lá mesmo. O próximo passo é opcional, mas é recomendado, pois se trata de uma medida de segurança.

Se você der um "ls -l" no arquivo "swapfiles" você verá que por padrão outros usuários tem permissão de "ler" o que estiver na SWAP, o que pode não ser uma boa ideia, por isso, convém fazer a alteração:
sudo chmod 600 /swapfile
O "/" só é necessário caso você não esteja na raiz no terminal.

Feito isso, agora precisamos transformar este arquivo em um SWAP com este comando:
sudo mkswap /swapfile
O último passo é ativar a SWAP neste arquivo:
sudo swapon /swapfile 
E é basicamente isso, se você precisar alterar novamente, é só repetir o processo. Caso o comando  fallocate não funcione é possível fazer de outro jeito também, mas você precisar criar o arquivo e encher ele de zeros para ficar do tamanho que você precisa sem outras informações, pode ser feito dessa forma:
sudo dd if=dev/zero of=/mnt/5GiB.swap bs=1024 count=1048576
Provavelmente você não precisará disso.

Com isso você já tem a sua SWAP funcionando, mas na verdade ainda podemos considerar um novo "último passo" que é configurar para que essa SWAP seja ativada durante o boot e você não precise fazer isso manualmente. 

Para que isso ocorra precisamos inserir as informações de SWAP dentro de /etc/fstab, a questão é que se você usar o mesmo nome que o Ubuntu já usa por padrão "swapfile", essa passo é desnecessário, pois a configuração já está lá corretamente, ainda assim, pode ser bom conferir se está tudo certo.

Use o editor de texto que preferir para abrir o arquivo, neste caso vou usar o próprio gedit:
sudo gedit /etc/fstab
Observe a linha que contém o "swapfile":

Configuração do SWAPFiles

Reproduza a informação da última linha do arquivo para que tudo funciona corretamente.

E claro, você também pode fazer esse passo da edição do arquivo diretamente pelo terminal:

sudo echo '/swap none swap sw 0 0' | sudo tee -a /etc/fstab
Agora que você já entendeu como funciona o "SWAPFiles" conte pra gente o que você achou, prefere SWAP em arquivo ou em partição? Por quê?
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo