Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador Noticia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Noticia. Mostrar todas as postagens

Google e Valve trabalham para trazer Steam para os Chromebooks

Nenhum comentário

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

O ano mal começou e já temos uma notícia que pode mudar um pouco o mercado de games em 2020, que seria a entrada dos Chromebooks para rodar games.

Google e Valve trabalham para trazer Steam para os Chromebooks





O site especializado AndroidPolice, através do seu repórter David Ruddock, deu a informação que o Google está trabalhando em trazer o suporte oficial da Steam para o Chrome OS. A informação ele obteve juntamente com o Diretor de Gerenciamento para Produtos do Chrome OS (Director of Product Management for Google's Chrome OS), Kan Liu, na CES 2019 de Las Vegas.

Segundo Ruddock, Liu “lançou uma espécie de bomba”, em que a equipe do Chrome está trabalhando, muito possivelmente com cooperação com a Valve, para trazer o suporte da Steam para os Chromebooks.

Liu não deu um cronograma ou “timeline” do projeto, mas que ele seria ativado através da compatibilidade Linux que o Chrome OS tem. Em 2018 o Chrome OS começou a suportar apps Linux nele, através da plataforma Crostini, que você pode ver a nossa cobertura neste post.

Ruddock comenta que atualmente rodar a Steam com a camada de compatibilidade Crostini não tem um desempenho perto do aceitável, mesmo em comparação com a Steam em sistemas nativos e que são parecidos com o Chrome OS, como por exemplo Ubuntu, ZorinOS, Manjaro e entre outras distribuições Linux. Nisso tenho que concordar com ele, pois a princípio os Chromebooks são voltados para terem um baixo consumo de energia e assim durarem mais tempo fora de uma tomada. Além dele se sair bem para coisas triviais, como editar uma planilha, editar um texto, ver um vídeo no Youtube e assim por diante.

Mas parece que o Google quer mudar isso, tanto que ultimamente os Chromebooks vieram com mais armazenamento e um “poderio” de processamento, tendo algumas versões vindo com i7 e até 16GB de ram, como os Pixelbooks Go.

E foi exatamente nisso que Liu comentou com Ruddock, que poderíamos esperar Chromebooks mais poderosos, especialmente com GPU (APU) da AMD que estariam chegando. Também falou para “ficarmos atentos” na chegada de Chromebooks com gráficos Radeon dedicados. Não se teve respostas se eles viriam com GPUs da NVIDIA e também não houve manifestação sobre se isso competiria ou atrapalharia a plataforma de jogos do Google, o Stadia.

Agora o que penso e acho dessa possível vinda da Steam para o Chrome OS. Bom, isso seria muito bom, pois seria mais um sistema Linux rodando jogos e que o mesmo tem uma gigante da tecnologia por trás, o Google. Isso poderia atrair muitos desenvolvedores de jogos para a plataforma e assim portar os seus games para Linux, utilizando por exemplo o Vulkan e assim otimizando eles. Com isso, todas as distros se beneficiariam. Creio que poderia vir até outras lojas e jogos, como uma Epic Games Store, Uplay, Rockstar Launcher, Fortnite, PUBG e por aí vai. Isso também resolveria a grande “pedra no sapato” do Linux em jogos online, os tais “benditos” anticheats, que vivem barrando o WINE/DXVK/Proton por “acharem” que são “emulação” ou qualquer outra coisa que “acham” 😅. Arrisco a dizer, que se a Steam vier para o Chrome OS e “dar bom”, outras empresas podem trazer os seus produtos para Linux, como a “Sra” Adobe, Corel, AutoCad (AutoDesk) e além das empresas “menores” que fazem ERP também viriam uma boa trazer os seus produtos para o pinguim.

Se você quiser ver a matéria completa do AndroidPolice, basta acessá-la aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Minigalaxy, um cliente Linux gratuito e open source para GOG

Nenhum comentário
Uma das mais tradicionais lojas de vendas de games na internet, a GOG, ganhou mais um cliente para gerenciar seus jogos no Linux.


Minigalaxy, um cliente Linux gratuito e open source para GOG





O novo gerenciador é o Minigalaxy, que lembra o GOG Galaxy “versão 1.0”, visto que a GOG planeja uma versão 2.0 totalmente reformulada.










Com a versão do cliente lançada, ela tem as seguintes características:

● Foi adicionado um botão aos jogos instalados, que permitem:
   - Desinstalar um jogo;
   - Abrir o diretório em que o jogo está instalado;

● Adicionado modo offline;

● As instalações feitas pelos sistemas Dosbox e Scummvm terão preferência sobre os já empacotados com os games;

● Detecção de jogo aprimorada para verificar todos os diretórios no caminho da instalação;

● Adicionada a opção de manter os instaladores dos jogos;

● Adicionada a opção de desativar o login;

● O menu de preferências agora usa um seletor de arquivos para definir o caminho da instalação;

● O tempo de inicialização foi reduzido;

● Jogos que não estão instalados agora estão acinzentados.

A tradução para o PT-BR está sendo feito pelo nosso amigo Esdras Tarsis.
Você pode consultar a release no Github através deste link.

Para instalar ele, você pode acessar este link e escolher a distro que você usa e seguir os passos para instalação. Segundo o desenvolvedor, distros Ubuntu 18.04 / Linux Mint 19.3 e openSUSE 15.1 não estão suportadas, porque as mesmas não tem a versão requerida do PyGObject.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

X.Org Server 1.20.7 é lançado com melhorias para GLAMOR e Modesetting

Nenhum comentário

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

O projeto open source para implementação do X Windows System, Xorg, recebeu recentemente mais um update com melhorias significativas, provavelmente uma das últimas antes da versão 1.21 que ainda não tem data de lançamento.

X.Org Server 1.20.7 é lançado com melhorias para  GLAMOR e Modesetting






Nessa versão foram feitas 14 (quatorze) mudanças bem pontuais com correções nos drivers GLAMOR e xf86-video-modesetting, pelo Intel Linux graphics developer Matt Turner. Também houveram updates para o sistema da Oracle, Solaris, feitos pelo dev Alan Coopersmith.

Outra adição importante nessa edição, foi feita pelo responsável pela área de drivers para Linux da Nvidia, Aaron Plattner, adicionando ao xf86-video-modesetting DDX uma verificação do RandR na inicialização. Falando em NVIDIA e Xorg, essa versão virá com as implementações e correções para GPUs PRIME ou as “famosas” GPUs híbridas, que começaram na versão 1.20.6 sendo aprimoradas e agora contendo mais melhorias.

A Intel foi outra empresa que colaborou também com essa versão, com o seu desenvolvedor Kenneth Graunke, que adicionou no driver modesetting, o EGL_MESA_query_driver para selecionar o driver DRI, se assim for possível. A outra mudança foi com o GLAMOR, que agora poderá consultar o driver via EGL_MESA_query_driver, assim beneficiando quem utiliza o Iris Gallium 3D.

Red Hat foi mais uma empresa colaborando, com o dev Michel Dänzer, agora para o Wayland, GLAMOR e algumas correções para os modesettings de drivers.

Para ver o anúncio completo, você pode consultar ele aqui.

Essa versão do Xorg, a 1.20.7, está no tempo hábil de entrar para o Ubuntu 20.04 LTS, o que é muito bom, pois dará para testar por completo mais uma distro Linux com soluções para notebooks híbridos. As primeiras foram o Manjaro e o RegataOS (projeto brazuca).


Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Temos um monte de cupons de desconto da GearBest para você! [Atualizado]

Nenhum comentário
Nós fechamos  uma ótima parceria com a loja GearBest para trazer excelentes descontos para os leitores do blog Diolinux e assinantes do canal, confira agora os  descontos em produtos disponíveis para você por um preço mais baixo. 

cupons de desconto GearBest





São cupons de desconto com valores diversos e para vários produtos diferentes. Logo abaixo você confere os produtos com maiores descontos e com valores especiais.


Para ter os descontos, basta clicar no link para ir para a página do produto e inserir o código que está lisado ao lado de cada produto na tabela abaixo na hora de finalizar a sua compra na GearBest, alguns chegam 36%.

Aqui eu vou colocar uma série de cupons que são liberados semanalmente com descontos variados para produtos mais vendidos, volte toda a semana para conferir as novidades:

* Os produtos desta lista já estão com descontos aplicados ou são flashsales.
* Caso o desconto não apareça no site ma versão em português, acesse pela versão mobile, assim os descontos sempre aparecerão.


Confira também os descontos que  separamos para você em lojas nacionais 



PRODUTOLINK
Smartphone Ulefone Armor 7http://bit.ly/2uA7McP
Smartphone Ulefone Armor 6E http://bit.ly/2TgV9Oc
Smartphone HUAWEI Y9shttp://bit.ly/30d4ZSA
Smartphone Oneplus 7Thttp://bit.ly/2FKqnW4
Smartphone ASUS ROG Phone 2http://bit.ly/2tRpW9F
Smartphone CUBOT X20 Prohttp://bit.ly/2NiDLVF
Mini PC Beelink BT3http://bit.ly/2sw7WRs
Mini PC Beelink J45http://bit.ly/2taZPdR
Mini PC Beelink T4http://bit.ly/30elw8U
TV Box Alfawise A8 NEOhttp://bit.ly/2qfMSOb
Mouse Logitech M185http://bit.ly/36J6LNQ
Mouse Logitech MX518http://bit.ly/35S6wPv
Notebook Jumper EZbook A5 http://bit.ly/2Ti9bPO
Notebook Xiaomi Mi Rubyhttp://bit.ly/361e17b
Notebook AIWO I6http://bit.ly/30dyVy9
Smartband Xiaomi Mi Band 4http://bit.ly/2QNlwcR
Projetor M18 LCD http://bit.ly/32nMTNO

A próxima lista possui produtos que contém cupons de descontos, aproveite as promoções da GearBest para fazer as compras:



PRODUTOLINKSCUPOM
Smartphone Ulefone Armor 7 http://bit.ly/2QKEzESMPHGBULE123
Smartphone OPPO Realme X2 Prohttp://bit.ly/35I1l4hOPGBMPH123
Tv Box Alfawise H6http://bit.ly/3a3nbCRALFAWISEH6
Projetor Xiaomi Mijiahttp://bit.ly/35FTTH2GBMIJIAW01
Smartwatch Alfawise S16http://bit.ly/36O2ed8XTCECP0729A
Fone de ouvido Alfawise Mini True http://bit.ly/381lELLGEARBEST1113
Fone de ouvido Alfawise HBQhttp://bit.ly/2FLbNgRALFAWISEQ3203
Camera de segurança Alfawise N816http://bit.ly/30d6YGw11N816IPC11
Mouse Alfawise WM02http://bit.ly/2RbvMuv11AWM02A11


Basta clicar na categoria e usar o cupom de desconto na hora de finalizar a compra em qualquer produto que pertence a ela.
Eu tenho alguns cupons de descontos para a algumas categorias da loja GearBest, então usando estes cupons em qualquer produto da categoria você ganha uma quantidade "x" de desconto.



CATEGORIACUPOMDESCONTO
SmartphonesGBMBP7%
TabletsGBTPC8%
Computadores e RedesGBCPNT8%
LuzesGB17LED10%
LampadasGBST12%
Fitas de LEDGBStrips12%
CarregadoresGBCHS12%
Acessórios e FerramentasGBLA12%
Acessórios AppleGBWATCH20%

Estes são os que eu tenho por enquanto para vocês aproveitarem, vou deixar este artigo fixo no topo do blog para que fique fácil de todos acessarem, se quiserem algum produto específico com desconto que não se enquadra nestas categorias apenas deixem nos comentários que eu vou tentar conseguir para vocês.

Agora você também pode receber as FlashSales pelo Telegram! Basta entrar neste canal:  t.me/descontosdiolinux

Boas compras!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Novo tema para o Ubuntu 20.04 está em desenvolvimento

Nenhum comentário

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Desde que mudou do Unity para o GNOME, a equipe do Ubuntu vem aprimorando o tema do sistema para ficar o mais harmonioso possível. Isso vem acontecendo desde o Ubuntu 18.10 com o tema Yaru, antes chamado de Ubuntu Community Theme.

Novo tema para o Ubuntu 20.04 está em desenvolvimento






O anúncio dos novos ares para o Yaru veio através de um post no blog oficial do Ubuntu, onde o líder do projeto Martin Wimpress comentou como é importante ter uma identidade visual para sistema. Ele comentou que a equipe do Yaru se reuniu em Londres, com o pessoal de design da Canonical e do Ubuntu Desktop para traçar o como seria essa nova identidade visual do sistema.



Também foi comentado que o Yaru está disponível para os usuários do Fedora e Arch. O Pop!_OS também foi citado, em que o seu tema foi baseado no Yaru. Outro ponto interessante mencionado por Wimpress, foi que eles receberam pedidos para “portarem” o Yaru para as outras flavours do Ubuntu, como também para o Linux Mint e Manjaro.

Um detalhe bastante interessante apresentado por ele, é que os botões de seleção, opção (check-boxes) e os switches (similar a um botão de ligar/desligar), vão deixar de serem na cor verde e ir para uma tonalidade de roxo (berinjela), como você pode ver na imagem abaixo.




Ele também tocou no assunto de que muitos colaboradores para o GNOME/GTK não utilizam o Ubuntu como base. Isso foi “percebido” na  GUADEC e na Linux Application Summit, em que os colaboradores desejam que os seus apps funcionem corretamente para os usuários Ubuntu, sem ter a necessidade de fazer dual boot ou “subir” uma VM para isso. Com esse feedback, para facilitar a integração, vai ser disponibilizado em flatpak um complemento do tema Yaru já presentes nos arquivos do Fedora e no AUR do Arch Linux. Para minimizar mais ainda alguma inconsistência em relação ao tema Yaru, ele foi alinhado ao upstream do Adwaita (tema base) no ano de 2019. Sendo introduzida as ações no GitHub, o Yaru vai receber automaticamente as novidades, correções e afins do Adwaita, reduzindo assim o tempo entre “sair” em um projeto e ser “habilitado” no outro.

Agora uma novidade que virá com o tema Yaru, é a variação em relação ao shell do sistema, como a barra superior, balões de notificações e afins. Vão ser 3 opções, uma Light (totalmente clara), uma Standard (barra dark mas o interior da janela branca) e uma totalmente Dark. Os desenvolvedores estão investigando como fazer essa troca sem precisar do logoff.


Por final, eles estão “experimentando” ícones alternativos para se adequarem aos temas light e dark que virão.




Para ver o post completo, você pode acessá-lo aqui.

Muito legal ver que o pessoal do Ubuntu Desktop está preocupado em dar novamente uma identidade visual ao sistema operacional, coisa que ficou marcante nos anos 2010 /2012 quando o Unity era a cara do Ubuntu, querendo resgatar agora e parece que estão conseguindo.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Novidades no GNOME Shell 3.35.3 incluem suporte ao Offloading da NVIDIA

Nenhum comentário
A próxima versão do GNOME Shell, a 3.35.3, como dizem por aí “está prometendo”, especialmente para quem está utilizando notebooks híbridos (Intel + NVIDIA), terá uma função facilitadora.

 Novidades no GNOME Shell 3.35.3 incluem suporte ao Offloading da NVIDIA





Essa versão do GNOME Shell pode ser uma das últimas antes da versão 3.36 que está prevista para o começo de fevereiro de 2020. Uma das novidades vindas nesta versão, é a tão aguardada funcionalidade para quem tem notebooks híbridos, em que você pode escolher qual programa usar a GPU dedicada. No caso do Gnome, seria através “de um simples click” do botão direito e mandar o programa abrir com a GPU. Até então, essa funcionalidade estava disponível para o driver open source, o nouveau, mas que agora vai conseguir trabalhar com o driver proprietário da NVIDIA.

Outro que recebeu correções, foi o Mutter, que na versão 3.35.3 recebeu uma correção na gravação de tela nas saídas HiDPI.

Outras melhorias e correções foram: 

● A funcionalidade “ver código-fonte” dentro do navegador Epiphany agora usa o highlight.js ;
● Epiphany agora tem suporte em mostrar PDFs usando a biblioteca PDF.js ;

● O GNOME Boxes introduziu um novo assistente para máquina virtual e um gerenciador de downloads.

● O Contas Online do GNOME tirou o suporte ao serviço Pocket.

Para ver todas as melhorias e modificações, você pode conferir aqui.

Muito provavelmente teremos essa versão do GNOME Shell já no Ubuntu 20.04 LTS, que será lançado em meados de abril. Isso já é muito bom, pois os donos de notebooks híbridos (estou incluso 😅) poderão testar como o sistema irá se comportar com as implementações da NVIDIA, que também poderá vir neste Ubuntu, o Xorg 1.20.6 ou o 1.20.7 que também contém as implementações. Nas outras, como Fedora, Manjaro, openSUSE e afins, já devem ter recebidos a versão do GNOME Shell.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.




Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Cawbird, um cliente Linux para o Twitter, recebe update

Nenhum comentário
Se você usa bastante a rede social dos “240 caracteres”, ter um cliente para acessar ele pode ser uma boa e não ter que ficar toda hora abrindo o navegador para isso.


Cawbird, um cliente Linux para o Twitter, recebe update





O Cawbird é construído em GTK e meio que uma “continuação espiritual” do abandonado “Corebird”, que já fez sucesso no passado.

Ele tem todas as principais funcionalidades de um cliente de terceiros para o Twitter, como suporte para múltiplas contas, upload para fotos, gerenciamento de contas, filtros e entre outras funcionalidades.



Nesta versão, a 1.0.4 teve as seguintes melhorias : 


● Importar Imagens favoritas do Corebird, se assim for possível ;


Para conferir a release completa, basta acessar aqui.

Para instalar o Cawbird, tem três formas de fazer isso. A primeira é via OBS (projeto do openSUSE de disponibilizar aplicativos), e lá você terá versões para os principais sistemas, como Ubuntu, Fedora, openSUSE, Debian e CentOS. Você pode acessar através deste link e escolher a base.

A segunda é através do flatpak. Se você não tem o suporte ao formato habilitado e instalado no seu sistema, basta seguir esse nosso tutorial. Depois de seguir o tutorial, basta procurar por “Cawbird” na loja do seu sistema e mandar instalar. Se preferir pode instalar via terminal, com o seguinte comando :

flatpak install flathub uk.co.ibboard.cawbird


Já a terceira forma é via snap. Se o seu sistema não tiver suporte ao snap, basta seguir esse nosso tutorial e habilita-lo. Depois fazer o processo, é seguir a mesma orientação do flatpak, você pode buscar na loja de aplicativos da sua distro por “Cawbird” ou instalar via terminal, com o seguinte comando :

sudo snap install cawbird (para a versão estável, que até o presente momento está na versão 1.0.3)

ou

sudo snap install cawbird --edge ( que já está na versão 1.0.4)

Aí depois de instalado, é aproveitar o cliente Cawbird 😀.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Razer Laptop Control Project é um projeto open source para gerenciar laptops da Razer

Nenhum comentário

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

A grande “magia” do mundo open source é prover soluções para funcionalidades em que as empresas se negam ou negligenciam em portar para o Linux, e assim preenchendo essa lacuna.

 Razer Laptop Control Project é um projeto open source para gerenciar laptops da Razer





E foi isso que aconteceu com um dev que tinha um notebook/laptop da Razer e não podia controlar as suas fans e o modo de energia modificado, coisa que o Razer Synapse faz, mas não no Linux. Existe um software para dispositivos Razer no Linux, o OpenRazer, porém possui um foco na parte de iluminação e RGBs. Fizemos um post abordando o OpenRazer.

No vídeo abaixo, você pode ver como o programa vai funcionar.



Se você tiver um laptop/notebook da Razer e quiser testar essa ferramenta, basta entrar na página do GitHub e seguir os procedimentos para tal.

Muito legal ver essas ferramentas sendo criadas na comunidade e trazendo facilidades, essas sendo “negligenciadas” pelas empresas.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


KDE Community quer facilitar a vinda dos usuários do Windows 7 ao Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Como noticiamos no começo do ano passado (2019), o Windows 7 ou “Seven” para alguns, estaria deixando de ter suporte estendido em 2020, assim o tornando muito vulnerável a ataques não sendo mais seguro usá-lo. Bom o KDE quer ajudar trazendo os usuários ao mundo do pinguim.

KDE Community quer facilitar a vinda dos usuários do Windows 7 ao Linux






Em seu blog, o projeto KDE usa a seguinte chamada “Plasma: um lugar seguro para os refugiados do Windows 7” ou em inglês “Plasma: A Safe Haven for Windows 7 Refugees”. No post, eles salientam a data final do suporte da MS ao Windows 7, que será no dia 14 de janeiro de 2020.


Ainda neste post, eles comentam das vulnerabilidades de ainda continuar usando o Windows 7. Também comentam que atualmente o Windows detém cerca de 77% do marketshare global dos desktops e que destes 77%, quase 30% ainda usam o Windows 7. Algumas pessoas já estão migrando as suas máquinas para o Windows 10, que é recomendado pela Microsoft, mas tem outras que não querem essa mudanças por N motivos, que não vamos detalhar aqui 😅.

Eles também incentivam que as pessoas ajudem a trazer os seus amigos, familiares, colegas de classe e conhecidos. Segundo o pessoal do KDE, “Mesmo se você convencer apenas uma pessoa a fazer a transição para qualquer sistema baseado em Linux, você terá feito algo valioso e ajudado o movimento FLOSS.”, que não deixa de ser verdade 😀. Se você quiser contribuir com ideias e afins para o KDE, pode fazer através deste link, basta ter um KDE Identity, mas se não tiver, basta fazer um aqui.

No vídeo abaixo, o pessoal do KDE mostra o por que de fazer o update do Windows 7 para alguma distro Linux, que no caso do vídeo está usando o KDE Plasma com a base Ubuntu.


A modificação foi feita por Dominic Hayes, criador do Feren OS. Ele usou os seguintes elementos para isso:

● Tema do Plasma: Seven Black;
● Decoração das Janelas: Seven Black;
● Application Style: Gtk2;
● Tema GTK: Windows Se7en by Elbullazul;
● Ícones: Darkine;
● Cores: Breeze Light;
● Cursores: DMZ White;
● Splash Screen: Feren OS;
● Painel: 38 height;
● Widgets: Default Apps Menu, I-O Task Manager, Stock System Tray, Feren Calendar or Event Calendar, Win7 Show Desktop.

Para conferir o post completo do pessoal do KDE, basta acessá-lo aqui. Também teve um tweet deles comentando sobre.

Muito bom ver esse tipo de iniciativa da comunidade Linux, em querer ajudar os novos usuários vindos de outro sistema operacional e assim deixá-lo o mais confortável possível para usar o novo sistema. Espero que mais projetos e pessoas de dentro da comunidade façam isso, vai ser muito bom essa atitude 😀.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Engine Visionaire Studio está chegando ao Linux muito em breve

Nenhum comentário
Uma das engines mais populares utilizadas para criar jogos 2D e 2.5D point & click dos últimos anos está “aterrizando” no Linux muito em breve.

Engine Visionaire Studio está chegando ao Linux muito em breve






A Engine Visionaire Studio, que foi usada em alguns jogos como por exemplo a série Deponia e Anna's Quest , Paradigm from Jacob Janerka, STASIS from The Brotherhood, Shadow Tactics - Blades of the Shogun e mais uma lista de games da Daedalic Entertainment, que você pode conferir aqui, agora pode ser usada no Linux.




Geralmente esses games usam os editores Construct (2 ou 3) e o GDevelop, que visam deixar a construção dos games bem mais simples e fáceis. Esses editores trabalham no estilo event-driven system ou sistema orientado a eventos, que ao invés de escrever linha por linha do código do game, você “arrasta e solta” os elementos na tela. Porém, você pode também escrever linha por linha nesses editores.

O anúncio da chegada da engine ao Linux foi feito pelo desenvolvedor principal, o SimonS, quando questionado por um usuário se a ferramenta estaria chegando ao sistema operacional. O post foi feito no blog oficial do projeto e você confere aqui. Ainda segundo SimonS, o suporte ao Linux chega na versão 5.1, que é o próximo update.




Isso é muito bom, de ter mais engines chegando ao mundo Linux e assim facilitando a vida dos desenvolvedores e podendo ter mais jogos pra Linux 😀.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Mozilla Firefox 72 é lançado, com o recurso Picture in Picture e muito mais

Nenhum comentário

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Como noticiamos no final do ano passado (2019), a versão 72 do Firefox viria com a opção Picture-in-Picture (PiP) e que primeiramente seria disponibilizado para Windows. Agora finalmente foi lançado para Linux e macOS.


Mozilla Firefox 72 é lançado, com o recurso Picture in Picture e muito mais





Nesta versão, além do PiP, foram aprimorados alguns recursos, principalmente na área de segurança e privacidade, que segundo o anúncio deles são:


● A Proteção Avançada de Rastreamento (Enhanced Tracking Protection) do Firefox marca um novo passo importante em nossa batalha contra o rastreamento entre sites: agora bloqueamos os scripts de impressão digital (fingerprinting scripts) por padrão para todos os usuários, dando um novo passo ousado na luta pela privacidade dos nossos usuários;


● O Firefox substitui os pop-ups para solicitação de notificação, que são irritantes, por uma experiência mais agradável por padrão para todos os usuários. Os pop-ups não interrompem mais sua navegação. Em seu lugar, um “balão de fala” aparecerá na barra de endereço quando você interage com o site;


● Foi removido o suporte para bloquear imagens de domínios individuais devido ao baixo uso e à má experiência do usuário;

Para ver as notas de lançamento, você pode consultar elas aqui.

Já o recurso PiP está ativado nativamente para as três plataformas de desktop, Linux, macOS e Windows. Para ativar é bem simples, uma opção vai aparecer quando você passar o mouse no player. Essa função por hora só está disponível para o YouTube e Netflix.



Essa versão é para chegar nos repositórios das distros Linux em breve (pode ser que em algumas já tenha chegado), mas se você quiser baixar e experimentar, o link de download é esse aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo