Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador Programação. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Programação. Mostrar todas as postagens

KDE Connect no macOS e Windows! Isso mesmo! Você não leu errado!

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Praticidade é algo que sempre desejamos, indiferente do sistema operacional. Integrar Android e PC, ao menos que minimamente, é uma tarefa requisitada por muitos. No mundo Linux uma aplicação faz muito bem esse papel, seu nome é KDE Connect.

kde-connect-mac-windows-linux-android-app-smartphone-google

Ao instalar o Ubuntu sempre adiciono o KDE Connect em minha lista de aplicações. No Gnome, especificamente, uma boa pedida é utilizar a extensão GSconnect. Temos um post de instalação do KDE Connect e no caso do Ubuntu com Gnome, o GSconnect. Acesse a postagem e veja como utilizar o programa no Ubuntu e derivados. No entanto, o assunto de hoje é a integração do KDE Connect no Windows e macOS.

Google “contribuindo com KDE Connect”


A gigante das buscas é uma das muitas empresas que impactam o mundo open source. Seja com suas contribuições diretas, com auxílio no desenvolvimento ou dinheiro,como promoção. O curioso que desta vez, é que essa “contribuição” foi de forma indireta, através do Google Summer of Code 2019. Incentivados pela Google, diversos alunos são apresentados ao desenvolvimento de software open source. Esse programa permite que esses estudantes tenham maior contato com projetos abertos e em suas férias auxiliem no desenvolvimento de programas. Desde 2005, ano de sua criação, o Google Summer of Code reuniu mais de 14.000 estudantes e mais de 24.000 mentores ao redor do mundo inteiro. Num total, foram mais de 651 organizações de código aberto auxiliadas, e alguns estudantes estão trabalhando no KDE Connect para Windows e macOS.

KDE Connect no macOS


O Mac, por exemplo, possui o recurso de “continuidade” entre o macOS e o iOS. Essa função é muito interessante, porém, usuários de Android poderão sentir a necessidade de algo parecido. O KDE Connect no sistema da maçã, é uma boa solução.

Basicamente para utilizar o KDE Connect no sistema da Apple, você terá que ter as últimas versões (a partir do macOS 10.14 Mojave). Isso se o intuito for uma simples instalação de um DMG, versões inferiores também poderão fazer uso da ferramenta. No entanto, a construção (compilação do KDE Connect) deverá ser manual. Em breve versões estáveis serão lançadas, até lá os usuários de Mac devem acessar o KDE Binary Factory e obter o arquivo DMG.

kde-connect-mac-dmg-linux-android-app-smartphone-google

Baixe o KDE Connect para macOS, por este link.

Enfatizando que a opção disponibilizada atualmente precisa de permissão para execução de aplicativo de um desenvolvedor não certificado. Todavia é uma questão de tempo para não ser mais necessário esse passo em seu Mac. 

Caso queira mais informações sobre o KDE Connect para macOS, acesse o blog do estudante Weixuan Xiao, responsável por essa façanha.

KDE Connect no Windows


No Windows o KDE Connect pode ser compilado para sua utilização, porém, existem muitos problemas e plugins importantes sem suporte. Por esse motivo a versão para o sistema da Microsoft até hoje não foi considerada estável o suficiente para ser apresentada pelo projeto do KDE Connect. Mais uma vez um estudante, Piyush Aggarwal, participante do programa da Google, entra em ação e pretende resolver as atuais falhas e incompatibilidades.

A versão Windows ainda está em um estado mais “embrionário”, todavia Piyush vem, em seu blog, demonstrando os avanços em seu desenvolvimento. Eis um vídeo demonstrando um pouco do funcionamento do KDE Connect no Windows 10.


Mais informações podem ser obtidas no blog de Piyush, ele descreveu detalhadamente seus testes e resultados.

O app Android do KDE Connect está disponível diretamente na Google Play Store e F-Droid.

É muito interessante ver projetos de código aberto serem auxiliados por estudantes que, ao mesmo tempo que ganham expertise, contribuem com ótimas soluções. Com o Google Summer of Code, a Google proporciona a entrada de jovens profissionais no mundo open source.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Por que o Vim é tão difícil e tão amado por programadores?

Nenhum comentário

segunda-feira, 29 de julho de 2019

Muitos irão dizer que ele é amado, justamente pelo motivo de ser difícil. Mas isso soa um tanto quanto arrogante e contraditório. 

Editor de Texto VIM







*Esse artigo foi escrito por: Marcos, do canal Terminal Root.

O fato de ser "difícil" pra mim é relativo. Difícil nada mais é, do que aquilo que não sabemos utilizar e exige que saiamos da zona de conforto para compreender, por exemplo, algumas linguagens de programação que usam bastante nome de classes e métodos com letras maiúsculas e minúsculas misturadas, eu tenho uma dificuldade enorme de me adaptar, mas tem muita gente que prefere e acha mais fácil de memorizá-los.

Eu prefiro linguagens C-like, ou seja, tudo minúsculo.

Tá, mas o que isso tem a ver com o Vim!?!


O VIM é altamente customizável, e você pode deixar ele exatamente como você quiser. Adaptando o meu gosto para o Vim, posso dizer que pelo fato de ser altamente customizável, um ponto que pra mim é notório, iniciando pelo sistema que escolhi também (Gentoo), alto poder de customização: é possível transformar o Vim em qualquer editor que você conhece, sim isso é possível! Em contrapartida, o inverso não é verdadeiro.

E isso é o legal do Vim! Uma vez alguém pediu meu ".vimrc" , mas digamos que não serviria pra ele, pois esse arquivo é meio pessoal, as pessoas que disponibilizam os seus certamente retiram muita coisa. 

Por exemplo, no meu Vim:

- Salvo também com **Ctrl+s**;

- Saiu do editor sem precisar rodar o comando **:q**, mas simplesmente pressionando a tecla **q**;

- Meus tutoriais são escritos em Markdown para Jekyll com sintaxe YAML, ou seja, emojis, blocos, ... tudo específico eu insiro pressinando combinações de teclas.

- Substituições também são automáticas;

E um monte de outras coisas, como: abreviações, comandos, mapeamentos, meus plugins (falo dos que eu criei)... e por aí vai.

Resumindo, concluindo e respondendo a pergunta do título:

Se você o escolheu, é porque você gosta de customizações e maleabilidade. Com o tempo, utilizando no cotidiano, você vai evoluir e ficar mais avançado, isso em qualquer sistema, linguagem de programação e qualquer outra coisa, mesmo não relacionada à tecnologia, ou seja, a mesma regra se aplica ao editor de texto que você escolher, não somente o Vim, mas também a ele.

Uma forma de entender na prática o que foi dito, é através do "Curso de Vim Moderno e Vimscript", do canal Terminal Root, do Marcos, autor deste artigo.

O curso foi planejado para usuários Iniciantes e Avançados


Para você que deseja adquirir, há duas formas:

- Pela Udemy, lá você poderá baixar todas as Apostilas PDF e assistir aos vídeos, podendo interagir com perguntas e comentários, com 70% de desconto neste momento para leitores do Diolinux.

- Diretamente pelo site do Terminal Root.

A diferença da Udemy para o site é que pelo site, além de você poder baixar os PDFs, você poderá baixar também os arquivos e os vídeos.

O que você vai aprender ?

- Técnicas de utilização, com abordagem completa;
- VimScript, a linguagem de programação do Vim para que você possa criar seus próprios plugins e/ou comandos e mapeamentos customizados;
- Personalização total do editor à sua maneira;
- NeoVim;
- Games; – Dicas extras de utilitários;

E muito mais!

Disponibilizamos 30 CUPONS de DESCONTO pra seguidores do Blog Diolinux: Clique aqui e garanta seu CUPOM .

Não deixe de aproveitar essa oportunidade de aprender um dos softwares mais amados do mundo UNIX!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Curso EXTREMAMENTE AVANÇADO de Shell Script!

Nenhum comentário

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Agora que você já perdeu o medo do terminal Linux chegou a hora de dar um passo a mais e usar todo o potencial que ele te oferece como uma ferramenta para controle, automação e até diversão, por que não?

Cursos avançado de Shell Script







O meu amigo Marcos, do canal Terminal Root, vem desenvolvendo há muito tempo um material extenso e completo sobre o uso de aplicações em modo texto, terminal e shell script e hoje eu tenho o prazer de anunciar a disponibilidade deste material!

O que você vai aprender se fizer o curso?


Absolutamente tudo sobre manuais, processos, animações em ASCII e Unicode. Vai aprender inúmeros comandos de manipulação de dados do Terminfo e Termcap. Também vai descobrir todo raciocínio e lógica utilizada para criação de games, utilizando a raíz da criação. 

Aprenderá a criar um instalador pra o Arch Linux, bem como manipulação de Sistema de Arquivos via linha de comando. Entre diversos outros tópicos para criar programas profissionais e com recursos UX e UI deixando-os mais intuitivos.

No vídeo à seguir o Marcos te mostra a aplicação prática do Script de instalação do Arch.



São 22 vídeos, mais de 2GB de conteúdo que você pode baixar e guardar com você para sempre, 18 apostilas em PDF, 18 Scripts didáticos e ainda vários arquivos, imagens e outros, tudo isso para te ajudar a estudar e virar um ninja especialista no terminal.

Quanto custa?


O curso possui o valor de investimento de R$ 174,90, porém, um requisito importantíssimo é já ter conhecimento básico ao menos em Shell Script, para que assim você possa desenvolver as habilidades propostas no curso de forma mais rápida.

Caso você não satisfaça esse pré-requisito, o Marcos também preparou alguns cursos que vão te dar toda a base necessária para ir para o curso extremamente avançado.

1 - Curso do Iniciante ao Avançado de Shell Script - Onde você aprenderá o essencial, além de manipular banco de dados e usar Shell Script para Web.

Valor: R$ 39,90.
Mais detalhes em: terminalroot.com.br/bash

2 - Curso do Editor Vim - Você aprenderá a customizar o Vim, podendo por exemplo mapear qualquer tecla para responder como deseja.

Valor: R$ 29,90
Mais detalhes em: terminalroot.com.br/vim

3 - Curso Extremamente Avançado em Shell Script Bash - Para criação de animações, instaladores de distros, games e muito mais, como já comentado neste artigo:

Valor: R$ 174,90
Mais informações em: terminalroot.com.br/shell

PORÉM, como aqui não brinca quando o assunto é promoção, agora, em uma parceria entre o Diolinux e o Terminal Root, você pode levar todos os 3 cursos por apenas R$ 179,90!

Um bônus: Além destes cursos mencionados, você também receberá o curso de SED - Editor de fluxo completo.

Como você pode comprar?


Na verdade, de forma muito simples. Todo o material dos cursos será enviado para você por e-mail, então basta fazer a compra aqui.

Depois disso é só aguardar o recebimento do material, se tiver alguma dúvida, entre em contato diretamente com o Marcos em terminalroot.com.br.

Fique ligado no blog e o no canal Diolinux, pois provavelmente sortearemos alguns cursos completos para nossos leitores e inscritos em breve!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Por que o inglês é vital para os profissionais de TI?

Nenhum comentário

sexta-feira, 10 de maio de 2019

Apesar de ser apenas a terceira língua mais falada do mundo – atrás de mandarim e espanhol, acredite – o inglês é considerado hoje o idioma universal. Falar inglês significa ser capaz de se comunicar em basicamente qualquer lugar do mundo, ter a possibilidade de ganhar mais e hoje, na era da globalização, ser capaz de consumir conteúdos de qualquer canto do planeta em apenas alguns cliques.

Aprenda a falar inglês para ter uma melhor colocação no mercado








Em algumas áreas, conseguir comunicar-se no idioma universal é ainda mais essencial. É o caso da tecnologia da informação, que cada vez mais exige que seus profissionais tenham um nível mais aprofundado de inglês. Mas por que exatamente o inglês é tão importante para quem trabalha com TI?

Se você quer seguir carreira na área e ainda não está convencido de que esse idioma é uma obrigação, vamos lhe apresentar alguns motivos para ratificar de uma vez por todas a importância do inglês na TI:

Termos e códigos são universais


Profissionais de tecnologia da informação precisam estar familiarizados com uma série de códigos e termos utilizados no mundo inteiro. E não é à toa que a maioria desses termos é difundida em inglês. Desde os mais simples, como Application, Browser, Hardware ou Keyboard, até outros bem mais específicos, todos eles serão importantes em algum momento para os profissionais da área.

E é bom não confiar muito nos tradutores online. Como estamos falando de um assunto específico, muitas vezes essas ferramentas poderão lhe deixar na mão. O ideal é estudar em um curso de ingles online, para aprender desde frases em inglês, até termos mais elaborados e expressões utilizadas no dia a dia da TI.

Uma boa maneira de começar a aprender essas frases em inglês é através de cursos e aplicativos online, e nesse sentido uma das melhores opções do mercado hoje é o Babbel.com. O site oferece aulas e exercícios em inglês e muitos outros idiomas, tanto para quem está começando, quanto para quem já tem uma noção, mas quer melhorar o nível em outro idioma. Para aprender vocabulário, gramática e tudo o que for preciso para se tornar um profissional de TI com um nível de inglês respeitado no mercado, o Babbel pode ser uma excelente porta de entrada. Importantes portais, como o "The Economist", já reconheceram a eficácia do método.

Qualificação: muito conteúdo em inglês


Um profissional que busca se qualificar – não só em TI, mas em qualquer área – vai encontrar muito mais conteúdo online disponível se falar inglês. Dos mais de 10 milhões de sites online atualmente, mais da metade estão escritos no "idioma universal".

A situação se intensifica no caso da Tecnologia da Informação. Com códigos e termos cunhados em inglês, basicamente todos os melhores cursos da área são produzidos neste idioma. Ainda que alguns cursos disponibilizem legendas em português, o ideal é dominar o idioma para não esbarrar nesse obstáculo.

Certificação: as provas são em inglês


Todas as principais certificações de Tecnologia da Informação só podem ser adquiridas através de provas feitas em inglês. Por exemplo, certificações Microsoft, Vmware e todas as provas da CISCO são aplicadas neste idioma.

Portanto, se você pretende galgar lugares mais altos em sua carreira na TI, entender perfeitamente o inglês será totalmente fundamental.

Oportunidades internacionais


Imagine que você está trabalhando em uma empresa que está em franco crescimento na área da Tecnologia da Informação. Você também está se destacando na empresa e, de repente, surge uma oportunidade para trabalhar e morar fora do país.
Nesse caso, além do ambiente de trabalho, o Inglês será fundamental para o seu dia a dia longe de casa. Como citamos no início, mesmo que o país de destino não tenha o inglês como língua nativa, é possível se comunicar conhecendo este idioma em praticamente todos os lugares do mundo.
Caso seu nível de confiança no inglês não seja suficiente, você pode acabar deixando passar uma excelente oportunidade por não ter estudado o idioma o suficiente.

Você pode ser o novo Zuckerberg?


Eu não sei se você realmente quer se tornar "o novo Zuckerberg", ele não anda muito bem visto ultimamente, especialmente pelo escândalos de privacidade no Facebook, mas acho que você entende o ponto, certo?

Profissionais de TI estão um passo a frente de todos os outros no que diz respeito a criarem potenciais negócios que impactarão na vida de milhões de pessoas. Isso porque o futuro da humanidade passa pela internet, e praticamente qualquer ideia genial hoje em dia passa por códigos e conexões.

Imagine que você teve uma ideia genial, de um novo produto online que pode revolucionar determinado serviço. Se não tiver o inglês afiado, como você vai apresentar seu projeto a investidores e conseguir os recursos necessários para fazer o produto deslanchar? Para empreender na TI, falar inglês é simplesmente essencial.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft torna Open Source seu kit de desenvolvimento de computação quântica

Nenhum comentário

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Quem poderia imaginar uma Microsoft tão Open Source, se olharmos para o passado e compararmos "ambas Microsoft" veremos que Satya Nadella, atual CEO da MS, fez uma mudança e tanto de paradigmas na empresa.

open-source-quantum-development-kit-computador-quântico-ms-microsoft-q#

A computação quântica é algo que em muitos casos é relacionado ao futuro, porém já é o presente em super computadores (que fazem previsões meteorológicas etc.), mesmo engatinhando no aspecto "usuário comum/empresarial", é algo que vai mudar nossa forma de lidar com as máquinas.

Não sabe o que é e como funciona um computador quântico? Então veja o vídeo a seguir:


Gosto muito da Lei de Moore, e acredito que a próxima revolução nos computadores será a computação quântica em nossos lares. E empresas como a Microsoft, já se ligaram que esse é o futuro (presente, se você for mais atento). Dona de uma linguagem de programação específica para computadores quânticos, o Q#, a Microsoft acaba de anunciar que disponibilizará seu kit de desenvolvimento para computação quântica no Github. A build 2019 do Quantum Development Kit será de código aberto e proporcionará um amadurecimento na tecnologia e formação de vários profissionais interessados na área.

O compilador e os simuladores quânticos terão seu código aberto, e se você pensa que a MS é pioneira nisso, saiba que outras empresas, como a IBM, também estão investindo na área da computação quântica Open Source.

Acesse o pronunciamento oficial e veja os demais detalhes.


E você acredita que em pouquíssimos anos estaremos com computadores quânticos em nossas casas, quem sabe em nossos bolsos?

Continue esse bate-papo lá no nosso fórum Diolinux Plus. Até o próximo post SISTEMATICAMENTE! 😎
___________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft lança de forma oficial o Snap do Visual Studio Code

Nenhum comentário

terça-feira, 9 de abril de 2019

Mais um programa da Microsoft chegou de forma oficial para Linux, através do empacotamento via Snap. No dia 4 de Abril de 2019,  Microsoft e Canonical juntaram esforços para trazer o snap do VS Code oficialmente para o mundo Linux.

 Microsoft lança de forma oficial o Snap do Visual Studio Code






Você deve está se perguntando, “Ué, mas já não existia o programa via Snap lá na lojinha de aplicativos?”. Então “pequeno gafanhoto”, sim… já existia um pacote snap do VS Code, mas ele era mantido de forma independente por um dev da comunidade, mas infelizmente ele não tinha os updates e melhorias vindas oficialmente da Microsoft. Agora não haverá mais esse “perrengue”. 😁



A novidade ganhou destaque no Twitter oficial do aplicativo (e tweet fixo), com o anúncio do novo formato, como você pode ver no print abaixo.

Agora o formato via snap se junta com os outros formatos oficiais que distribuem o VS Code, que são o .deb; .rpm e .tar.gz (tanto 32, quanto 64 bits). O formato via snap só tem versão de 64 bits. Para baixar nos outros formatos, basta acessar este link e procurar pela empacotamento suportado pela sua distro.

Se você preferir instalar via Snap, primeiro vai precisar ter o snap habilitado na sua distro se já não estiver. Se precisar, temos estes dois tutoriais de como fazer isso.

Feita esta preparação do sistema, vamos instalar o snap do VS Code. O procedimento é bem simples e sem complicações.

Se você estiver no Ubuntu, pode instalar diretamente da Loja de Aplicativos, basta procurar por  visual studio code ou vs code e fazer o procedimento de instalação.

Se você não estiver, basta abrir o terminal e digitar ou colar o seguinte comando e esperar o procedimento de instalação terminar:

sudo snap install code --classic

Feito isto, basta procurar por Visual Studio Code no “Menu” da sua distro e começar a usar o programa.
Conte aí nos comentários se você já usa o VS Code e se gostou da novidade ou se esta é a primeira vez usando o editor da Microsoft.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso  fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Desenvolvendo Aplicativos Android com Qt

Nenhum comentário

sábado, 26 de janeiro de 2019

É a sua chance de aprender mais sobre um dos toolkits mais populares do mundo, usado largamente em diversos projetos, incluindo o popular KDE.

Webinar Qt







Você sabia que o Qt é um dos toolkits mais utilizados no mundo  por empresas como Google, Oracle, Adobe, Autodesk, Mercedes e Panasonic Avionics? Você sabia que com o Qt você pode desenvolver sistemas para múltiplas plataformas (desktop, mobile e embarcadas) com um único código-fonte?

Neste webinar gratuito, serão aprensetados os fundamentos sobre desenvolvimento de aplicativos Android com Qt, cobrindo desde a instalação até a implementação de funcionalidades tais como: acesso a sensores e câmeras do dispositivo, construção de GUIs mobile-friendly, comunicação cliente-servidor via RESTful, notificações, integração QML/C++ e cache local. O webinar contará com sessões de perguntas & respostas para esclarecer as dúvidas dos participantes.

Webinar sobre Qt

Sandro Andrade é professor do Departamento de Computação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. É mestre em Mecatrônica e Doutor em Ciência da Computação, ambos pela Universidade Federal da Bahia. Sandro projeta e desenvolve soluções em C++ e Qt desde 2000, é co-fundador da QtCon Brasil (primeira conferência Latino-Americana sobre Qt), é colaborador veterano nas comunidades de software livre Qt e KDE e foi, por três anos, membro do Board de Diretores do KDE e.V. (Berlin - Alemanha).

Clique aqui para fazer a sua inscrição gratuitamente, aproveite!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Canonical procura novo engenheiro para trabalhar com Ubuntu Desktop

Nenhum comentário

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

A Canonical, empresa que desenvolve a distro Linux Ubuntu, anunciou que está com vagas abertas para novos profissionais que devem ajudar a melhorar o sistema operacional, para ser mais específico, a vaga é para Software Engineer para o time de desenvolvimento do Ubuntu Desktop.

Canonical procura por Engenheiro de Sofware






Para quem imaginava que a Canonical estava deixando o Desktop do Ubuntu de lado, uma vaga para esta função mostra que empresa ainda se preocupa com o segmento que o deu tanta popularidade a distro. Segundo o anúncio, a empresa busca um engenheiro de Software para se unir ao time de Desktop do Ubuntu. 

Essa equipe é responsável por entregar o Ubuntu para computadores tradicionais e usuários domésticos, que é, segundo as palavras do anúncio, "um dos mais populares sistemas operacionais baseados em Linux da atualidade", afirmando que "o Ubuntu prima por ser o melhor sistema operacional baseado em Open Source da existência", nas palavras da Canonical.

Um dos desafios particulares do "Ubuntu Desktop Team" é manter todos os pacotes que a empresa suporta atualizados e com alta qualidade de funcionamento e segurança, desde pacotes que fazem referência a coisas mais básicas do sistema, como gestores de rede, bluetooth, gerenciadores de áudio, até a própria interface GNOME Shell e as aplicações do ecossistema GNOME.

A anúncio afirma que um engenheiro de software bem sucedido no cargo deve ver o futuro do Ubuntu com paixão e ter um "mindset" ajustado com os ideais do modelo Open Source, ao mesmo tem que precisa ter uma ampla e inovadora organização, ter uma boa comunicação. Segundo o anúncio, ser bom em relacionamentos é tão substancial quanto ser muito bom tecnicamente. 

O trabalho também envolve em fazer algumas viagens por ano, geralmente com duração de uma semana inteira. O trabalho pode ser feito de qualquer home office, em qualquer lugar do mundo, porém, se a pessoa morar na Europa ou estiver na costa leste dos EUA (ou no mesmo fuso horário) seria preferível.

Sobre as principais responsabilidades do cargo


A vaga lista algumas funções que o candidato(a) deve cumprir para exercer a função na empresa, como:

- Acompanhar e fazer a manutenção de alguns componentes centrais do Ubuntu Desktop, como alguns já mencionados anteriormente no texto. Isso envolve debugar problemas complexos de qualquer tipo de pacote que o Ubuntu e Canonical suportem, além de trabalhar diretamente com as equipes de desenvolvimento Upstream, como o time de desenvolvimento do GNOME;

- Garantir que os trabalhos sejam feitos com performance e qualidade;

- Trabalhar com os pacotes Snap, ferramentas que envolvam os pacotes Snap e a integração deles com o Ubuntu Desktop;

- Trabalhar com outros times da Canonical para entregar as funções acordadas pelo desenvolvimento e ajudar a levar essas funções para o Ubuntu Desktop em cada lançamento, a cada seis meses, dentro do cronograma.

- Quando necessário, trabalhar respondendo a assuntos e problemas envolvendo usuários finais e usuários comerciais da empresa.

Habilidade requiridas e experiência


Toda vaga de emprego tem alguns pré-requisitos e elementos que são bem vistos e/ou obrigatórios, para este caso não seria diferente. Coisas que serão observadas na hora de contratar um novo funcionário:

- Uma clara paixão pelo futuro do Ubuntu;

- Uma demonstração clara de contribuição com algum projeto Open Source;

- Uma boa experiência com C/C++, preferencialmente em algum projeto Open Source;

- Conhecimento em tecnologias que formam o Ubuntu Desktop como o GNOME, D-Bus, Xorg/Wayland, etc;

- Estar a par de ferramentas open source de desenvolvimento e das metodologias utilizadas para a criação do Ubuntu, como o Git, o Launchpad, o empacotamento em .deb, apt, dpkg, debhelper, etc;

- Excelente lógica, capacidade de resolver problemas e habilidade de análise de bugs;

- Inglês fluente, especialmente Inglês técnico;

- Estar confortável com comunicação online e colaboração através de listas de e-mails, IRC e Wiki;

- Habilidade de ser produtivo em um projeto globalmente distribuído, sendo disciplinado em relação a motivação, acordos de entrega e prazos.

Além destes itens, existem também alguns que são especialmente bem vistos e podem contar como "um pontinho a mais" para o candidato:

- Experiência com a comunidade GNOME;

- Já ser um desenvolvedor Debian ou Ubuntu;

- Estar desperto para metodologias e ferramentas de desenvolvimento ágeis.

Se você gostou da ideia de trabalhar com o Ubuntu, você pode submeter a sua candidatura através deste site.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como programar em C/C++ no Ubuntu

Nenhum comentário

terça-feira, 22 de maio de 2018

Olá você! Vamos continuando a nossa série de dicas de como programar utilizando Linux, especialmente o Ubuntu. Esta série está sendo coescrita com o nosso leitor Tiago Funk, que já falou sobre a criação de um ambiente básico para programar em Java e em Python.

Como programar em C++ no Ubuntu





Por mais estranho que pareça, programar nessa linguagem no Ubuntu é relativamente simples, você vai perder mais tempo escolhendo a ferramenta aonde será escrito o código do que instalando o básico para compilar o seu código fonte.
Neste artigo C e C++ serão tratados como sinônimos, ou seja, a instalação das ferramentas de um é igual ao que é necessário à outra, apenas na hora de escrever os códigos que é diferente.

Requisitos:

- Computador com Ubuntu.
- Internet para downloads.
- Paciência (para escolher a ferramenta correta para a edição do código fonte e depois para aprender a linguagem)

Entendendo o C/C++


Esta nova linguagem que você esta prestes a aprender é uma das mais utilizadas no mundo atualmente, ela esta nos sistemas operacionais, drivers, compiladores de várias linguagens, etc. Ela é de baixo nível, assim, você pode mexer em recursos avançados no sistema que o seu programa for rodar, isso que pode ser um grande problema para alguns e uma coisa muito boa para outros.

Como o Kernel Linux (o qual o Ubuntu utiliza) tem partes escritas em C/C++, ele já possui um compilador no sistema, por isso não precisamos instalar nada para rodar códigos dessa linguagem, além dela rodar em linguagem de máquina diretamente (o Java por exemplo é executado dentro de uma máquina virtual).

Escolhendo uma ferramenta de Edição de código


Aqui vamos listar algumas alternativas aonde você pode editar o seu código:

Terminal

É comum que os programadores dessa linguagem utilizarem um editor de texto qualquer para escrevê-la (gedit, vi, nano, bloco de notas, etc) e depois compilarem pelo terminal.  Vou ensinar essa alternativa, porque pode ser que um dia ela seja útil para você trabalhar.
Abra um editor de texto qualquer e digite os seguintes comandos:

#include <iostream>

using namespace std;

int main(){
cout << “Olá mundo” << endl;
return 0;
}

Depois salve como main.cpp (a extensão .cpp é muito importante)

Vai pelo terminal até a pasta que você salvou e digite para compilar:
g++ main.cpp -o meuPrograma
Para executar:
./meuPrograma
No terminal deve haver a seguinte saída:

Compilando programa em C++

Como vimos, qualquer editor de texto pode ser utilizado para a edição, mas existe alguma ferramenta que otimize o trabalho, compilando os arquivos para min? Sim.


Atom

O Atom é uma delas, um editor leve, que suporta outras linguagens também, compila e executa e ainda tem uma interface que eu achei muito bonita.

Atom no Ubuntu

Acesse: https://atom.io/ 

E baixei o pacote .deb

Vai na pasta do download pelo terminal e digíte:
sudo dpkg -i nomePacote.deb
Por enquanto, ele ainda é apenas um editor de texto simples, vamos adicionar uma extensão para executar os códigos C++. Você encontra ele no formato Snap também na própria central de aplicativos do Ubuntu.
Vá na barra superior e clique no menu em packages >> setting views >> open, na janela que se abrir, clique em install e busque por "gpp-compiler", instale essa extensão para poder compilar arquivos.

Atom editor

Digíte o seu código e aperte o F5 para compilar e executar (ele vai abrir um “Terminal” para mostrar a saída para você).

Code::Blocks

Outra alternativa é code::blocks, talvez quem programou em C/C++ no Windows conheça, bastante parecido com o Atom. Única coisa diferente é poder criar um projeto com o código, e não apenas separar em pastas.

No terminal:
sudo add-apt-repository ppa:damien-moore/codeblocks-stable
sudo apt-get update
sudo apt-get install codeblocks codeblocks-contrib
Code Blocks

 Para criar um projeto, clique no primeiro ícone à esquerda no menu (olhar imagens).

Code Blocks Ubuntu

Em categoria, selecione Console, e avance, pode deixar tudo no padrão na próxima, selecione C ou C++ depois, E coloque um nome para o seu projeto, e coloque o projeto em uma pasta. 


O programa já vai ter criado um um arquivo main.cpp para você e já pode executa-lo.

Netbeans

Minha última sugestão é o Netbeans, eu vou recomenda-la porque ela é mais completa (por exemplo, as duas anteriores não mostram erros em sintaxe, se você escreveu um comando errado, o Netbeans mostra), ela permite integrar várias linguagens em um único projeto e tenho bastante experiência com ela.
Atenção: o Netbeans é um software que consome bastante recursos do computador, por conta disso é aconselhável ter um processador da geração mais nova e ter pelo menos 4 GB de RAM, não que você não consiga utilizar o Netbeans em uma máquina que não possua este hardware, mas compromete bastante (experiência própria).
Na página você pode ver várias opções:

Download do NetBeans

Selecione a quinta opção se você for programar apenas C/C++.
Com o download finalizado, vá na pasta que foi feito o download pelo terminal e digite:
sudo sh NomedoArquivo.sh
Quando abrir a janela apenas clique “próximo”, em todas as janelas, além de aceitar o termo de utilização, pode deixar tudo no padrão.
Ah, não se assuste com a demora para a instalação. Bem comum. Além disso, não cancele a instalação, senão a instalação ficara comprometida e arrumar tudo depois vai dar muita dor de cabeça.
Para abrir o Netbeans, basta pesquisar no seu computador (Aperte a tecla do Windows) e abra-o, ele costuma demorar um pouco para abrir pela primeira vez. Clique no segundo ícone e escolha “C/C++” e “Aplicação C/C++”, depois de um nome para o projeto.


Repare que o Netbeans já criou o arquivo e muito do código para fazermos o teste. Basta deixar o código igual à imagem e clicar na flecha verde.

NetBeans Ubuntu

Finalizando

Se ficou com alguma dúvida em como instalar ou utilizar, busque tutoriais na internet, aprenda a pesquisar também, vai ser muito útil para você na sua vida de programador.

That’s all folks, por hoje seria apenas isto. Até mais.

Nota do editor: Gostaríamos de agradecer ao Tiago Funk pela colaboração com o artigo.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo