Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador Review. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Review. Mostrar todas as postagens

MX Linux 18.3 é lançado!

Nenhum comentário

quinta-feira, 30 de maio de 2019

O MX Linux é uma distribuição que utiliza os componentes da distribuição antiX e softwares adicionais e empacotados pela comunidade MX, havendo cooperação entre as comunidades do antiX e ex-MEPIS. Mas recentemente, dia 26 de Maio, a distribuição recebeu uma nova atualização.

mx-linux-18.3-linux-debian-stable-distro-xfce

Com um visual “controverso”, creio que esse seja o melhor termo a ser empregado, o MX Linux visa embarcar softwares que facilitem a vida do usuário, entretanto, peca em alguns aspectos muito importantes. Baseado no Debian Stable, a distribuição utiliza como interface principal o bom e velho XFCE, mas com “toques de design” questionáveis. Com uma barra lateral, um tanto quanto “diferente”, o MX Linux parece não obter um visual consistente, a julgar que a primeira questão do seu FAQ é justamente como modificar esse comportamento padrão (Não estou dizendo que a distribuição é ruim, apenas demonstrando um debilidade do projeto, com tais observações a comunidade MX poderá avaliar e refinar o uso de sua distribuição para seus usuários).

mx-linux-18.3-linux-debian-stable-distro-xfce

Novidades do MX Linux 18.3 


A nova versão da distro trouxe algumas atualizações que envolvem mais ajustes “por debaixo dos panos” do que mudanças bruscas. 

  • Agora sua base é o Debian 9.9;
  • Possui o kernel Linux 4.19.37-2 (usuários do sistema podem ter acesso ao atual kernel via a ferramenta MX-PackageInstaller, contida na distro);
  • Patches de segurança para a vulnerabilidade “Zombieland” de processadores Intel;
  • Configuração do sistema, durante a cópia dos arquivos de instalação (no ato da instalação do MX Linux);
  • Aprimoramentos na rotina de inicialização do UEFI;
  • Manual da distribuição atualizado e revisado com imagens e informações atuais do MX;
  • E correções corriqueiras de bugs.

Para maiores detalhes sobre a distribuição, você pode assistir o vídeo logo abaixo com nossa review sobre o MX Linux.


Efetue o download do MX Linux 18.03. Caso utilize a distribuição na versão 18, basta atualizar normalmente que você receberá a nova versão.

Utiliza o MX Linux? Continue esse assunto em nosso fórum Diolinux Plus, e deixe sua experiência com a distro.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: MX Linux
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Meu fone de ouvido sem fio favorito está com um grande desconto! Confira!

Nenhum comentário

sábado, 24 de novembro de 2018

As pessoas sempre nos mandam e-mails pedindo conselhos para fazer as suas compras, são tantos produtos dentre os quais escolher afinal, porém, existem alguns que realmente valem "todas as estrelas" que nos damos para eles em nossas reviews. Hoje você vai poder aproveitar o Edifier W806T por um preço bem camarada.

Edifier






Antes de você dar uma olhada nos preços, confira o unboxing e nossa análise do Edifier, ele é o meu fone de ouvido preferido na atualidade, especialmente para viagem.



O fone está, segundo os nossos parceiros da TOMTOP, com 59% de desconto e com frete grátis para o Brasil, basta clicar aqui para conferir.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O fone de ouvido que você vai querer levar na sua viagem! Edifier W806BT

Nenhum comentário

sábado, 29 de setembro de 2018

Quando você está em uma viagem, você definitivamente quer se preocupar somente em aproveitar a viagem, problemas técnicos como a falta de bateria no celular, são coisas que você não quer ter que se preocupar, certo? Então porque não seria o mesmo com os seus fones de ouvido?

Edifier análise do produto





Para mim um bom fone ouvido para viagem precisa atender a 3 requisitos:  

1- Ter uma boa qualidade sonora;
2 - Ser confortável;
3 -  E uma vez sendo bluetooth, ter uma boa bateria.

Uma vez estes detalhes satisfeitos, eu começo a observar o design e o material de que ele é feito, além de qualquer outro benefício adicional que ele possa me oferecer.

Quando eu fiz o Unboxing do fone, uma das coisas que mais chamaram a atenção na apresentação era a promessa da bateria dele durar 70 horas. E no fim das contas, ele realmente acabou surpreendendo!


Eu fiz o vídeo de unboxing um dia antes de sair para viajar e isso já faz quase 1 mês! Eu utilizei o fone ligado direto com BT durante no mínimo 43 horas e a bateria ainda está na metade. Então a prerrogativa é muito boa, mesmo que não durasse o dobro, eu já estou mais do que satisfeito com essa duração de bateria.

Confira o vídeo com a análise completa do Edifier W806BT:


Certamente eu estou completamente satisfeito com o produto e recomendo a todos que buscam um bom fone para levar nas suas viagens mais longas, caso você deseje comprá-lo, acesse o site da TOMTOP, que foi onde ele foi adquirido.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Aprenda a criar um cartão de visita Digital!

Nenhum comentário

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

A evolução da nossa comunicação é perceptível. A internet é, em grande parte, responsável por isso, mas a tecnologia, de forma geral, é que mudou drasticamente a forma com que os seres humanos gerem as suas intercomunicações. Curiosamente, mesmo que tenhamos mudado para o meio digital em diversos setores, um dos setores que é ainda responsável por pouca praticidade, desperdício de dinheiro e principalmente, desperdício de papel, e por consequência, de árvores, são os famigerados "cartões de visita". 

Cartões Digitais






Os cartões de visita são uma forma muito comum das pessoas apresentarem algumas informações pertinentes sobre si mesmas e sobre o trabalho que desenvolvem, porém, em meio a esse tipo de situação, alguns detalhes passam despercebidos.

Uma das primeiras coisas que eu fiz quando comecei a trabalhar foi criar um cartão de visitas que mostrasse todas as minhas "super habilidades", pouco tempo depois eu tinha entregue alguns, mas ainda tinha algumas centenas em casa e tinha que alterar dados neles... ou seja, a falta de planejamento atrelada a uma tecnologia praticamente imutável acabou gerando um certo desperdício, Acho que hoje, mais de uma década depois, ainda tenho alguns cartões daquela época.

Usar um cartão através  de um App em um meio digital tem alguns pontos interessantes:

- O seu cartão é dinâmico, ao contrário de um cartão físico que caso você deseje alterar alguma informação será necessário reimprimir, gerando mais custos e levando algumas árvores junto;

- O seu cartão é facilmente descartável, são pouquíssimas as pessoas que realmente mantém catálogos com cartões de visitas, ainda mais na era digital, onde tudo pode ser pesquisado. Ter um cartão digital facilita no armazenamento da informação, no compartilhamento dela e caso a pessoa não queira guardá-lo, ela simplesmente apaga um arquivo no celular, ao invés de gerar lixo.

- Você pode acabar esquecendo de ter um cartão de visita junto com você em um momento crítico, mas nunca deixará de ter um celular por perto provavelmente, o que lhe permite compartilhar o seu cartão.

- Você pode querer compartilhar um cartão com uma pessoa ou grupo de pessoas em local diferente, como uma palestra, etc.

Para te dar uma sugestão legal de como você pode criar um cartão elegante e de forma simples para o seu negócio, ou qualquer outra atividade, nós produzimos este vídeo sobre um App chamado ECOCARD, confira:


Sobre o App ECOCARD


Como você pôde conferir no vídeo acima, o App tem várias funcionalidades interessante de compartilhamento e criação de uma identidade visual. Eu entrei em contato com os desenvolvedores para falar sobre o App e parabenizar pela iniciativa, afinal, o fator ecológico, prático e econômico que algo assim oferece é realmente digno de elogios, mas aproveitei para pedir sobre novidades que devem chegar ao App no futuro.

Para você que já achou o ECOCARD interessante, saiba que em breve será possível alterar também o plano de fundo do cartão, permitindo uma customização visual ainda melhor, deixando o cartão com "a cara" da sua empresa. Outro recurso interessante é que será possível compartilhar essa base de arte para todas as pessoas que trabalham com você, assim todos os colaboradores da sua empresa poderão usar o mesmo cartão padronizado.

O ECOCARD tem versão para Android e iOS e é completamente gratuito, até mesmo sem anúncios, ele não tem fins lucrativos, pelo que os desenvolvedores comentaram, a ideia é simplesmente apoiar a ecologia, usando a tecnologia para tornar o nosso mundo um lugar melhor para se viver e, quem sabe, com um ar mais puro para se respirar.

Colocar essa ideia em prática já lhe torna um empreendedor mais responsável com o planeta e certamente, chama a atenção das pessoas.

Baixe o App e teste! Se gostar, espalhe a ideia! :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça o AUGLAMOUR GR-1

Nenhum comentário

segunda-feira, 18 de junho de 2018

Você está precisando de um amplificador portátil que seja poderoso e resistente? Então conheça o AUGLAMOUR GR-1.

Amplificador AUGLAMOUR






É difícil dizer o tipo de usuário que realmente precisa de um amplificador portátil, creio que os usuários que realmente precisam simplesmente buscam por este tipo de coisa, de modo que, se você realmente nunca pensou algo como "seria bom ter um amplificador aqui", produtos como o AUGLAMOUR GR-1 provavelmente não são para você.

Eu fiz o unboxing do produto no meu Instagram (me siga por lá se ainda não segue 👊):


Depois você pode conferir o teste que eu fiz com ele no canal Diolinux no YouTube:



De fato ele possui uma construção muito especial. A junção de design com resistência e qualidade sonora acabou me conquistando, dando uma diferença considerável da hora de ouvir as músicas, especialmente amplificando à partir do celular.

Eu adquiri ele na loja CAFAGO, uma das empresas que tem uma boa relação conosco há um bom tempo, porém, infelizmente ele não estava mais à venda (em estoque) no momento no vídeo, por isso eu pedi para que eles oferecessem alguns cupons de descontos para que vocês pudessem comprar alguns produtos equivalentes:

XU09 Hi-Fi Headphone Amplifier 
Preço: € 15.82
Cupom: L3878V
Até: 2018.6.30
https://goo.gl/iBMgDV

FX-AUDIO DAC-X6 Mini HiFi 2.0 Digital Audio Decoder
Preço: € 49.99
Cupom: L4355V
Até: 2018.6.30
https://goo.gl/NAN4S9

No entanto, sinta-se livre para pesquisar no mercado pelo AUGLAMOUR GR-1, ele é realmente muito bom e certamente você ficará satisfeito, ele custou cerca de R$ 240,00 e não foi taxado, de forma que eu recebi através do Correio em minha casa sem maiores despesas, porém, tive de esperar cerca de 60 dias.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Analisamos o fone KZ-ZSR, uma opção interessante para quem busca versatilidade

Nenhum comentário

quarta-feira, 30 de maio de 2018

O KZ-ZSR é um fone de ouvido que pode ser considerado modular, até certo ponto, pois você consegue desmontá-lo e usamos de formas diferentes dessa forma, além de possuir em sua estrutura algumas peculiaridades que você não vai encontrar em qualquer modelo por aí. Confira os detalhes:

ZSR Fone de ouvido - Review






Você pode conferir a review do aparelho em vídeo para ter mais detalhes logo abaixo no nosso canal no YouTube.


O KZ-ZSR é um fone de ouvido peculiar, essa aparência de plástico transparente acaba dando a ele uma aparência de "coisa barata e sem valor", mas não se engane, apesar do valor dele estar longe dos mais caros do segmento, ele também não está perto da classe mais baixa da categoria, entregando uma qualidade que surpreende.

KZ-ZSR Fone de ouvido
Detalhes de "Right" e "Left" com fonte estilizada dão um toque especial

O fone de ouvido é todo de plástico e aparenta ser bem resistente, com bons acabamentos, no caso desse modelo em específico temos um preto brilhante ao lado de detalhes em prata.

A embalagem do produto tem uma característica minimalista, usando somente da cor branca em toda a caixa e um desenho ilustrando o fone de ouvido em traços cinzas, assim como as informações em inglês e chinês da embalagem também na cor cinza. 

Ao abrir a embalagem nos deparamos com o fone de ouvido em uma sub embalagem preta coberto por uma proteção transparente, que por sinal é um pouco complicada de retirar. Embaixo da embalagem preta você encontra o manual de instruções completamente em inglês e dois pares de borrachinhas intra auriculares de tamanho pequeno e grande, sendo que o tamanho médio já encontra-se no próprio fone de ouvido.

ZSR Unboxing

O fio deste fone vem separado da parte intra auricular, o que pode ser bem interessante caso você estrague o fio, pode fazer somente a substituição dele, não de todo o fone, pois você pode montá-lo e desmontá-lo. 

Tanto no fio quanto na parte intra auricular você encontra os sinais de "direita" e "esquerda" para não ter dúvida na hora da montagem, no entanto, o real motivo para você poder retirar os fios é que o KZ-ZSR é um fone modular, você encontra para a compra um módulo bluetooth capaz de transformar o seu fone com fio e um sem fio.

O modulo bluetooh não é incluso neste modelo que recebemos para testes, mas pode ser comprado à parte. Convenhamos, isso poderia ter sido melhor pensado, mas felizmente, isso não faz com que a qualidade do fone se torne inferior, ele só não fica tão bom quanto poderia.

Já que estamos falando da versão com fios, vamos falar deles.

O fio aparenta ser bem resistente apesar de ser de espessura mediana, ele possui uma capa protetora emborrachada em um cinza de material transparente, que deixa aparecendo os fios internos do fone, o que acaba sendo um detalhe bem bacana. 

Quanto a plug, ele é um conector P3 com um detalhe em plástico na posição horizontal, o fio é longo, possuindo um tamanho de aproximadamente um metro e trinta, logo, é bom caso você goste de ouvir música com o celular no bolço da calça ou até com o celular na mão com o braço estendido.

 O KZ-ZSR não possui ajuste de distância entre os fones, mas ele ficam bem distantes um do outro, além disso, ele possui uma parte de plástico aramado que acaba fazendo com que você consiga ajustar o fone ao seu ouvido e que ele fique bem firme, dando a possibilidade de você poder praticar esportes também, pois por mais que ele fique preso a sua orelha ele é bem leve, e você quase não sente ele.

A qualidade do som

Uma das partes mais importantes merece uma sessão especial, vamos falar sobre a qualidade do som do dispositivo.

Como o fone se encaixa bem ao ouvido, você consegue isolar bem o ruído externo e a qualidade do som é beneficiada com isso. Não percebi qualquer distorção, podendo ouvir bem cada um dos instrumentos. 

Qualidade do som
O design interno separa a região responsável pelos graves, médios e agudos

Vale observar a construção interna do fone nos mostra uma diferença física entre a região responsável por reproduzir os graves e a região responsável pelos médios e agudos, o que é muito bom para um fone deste valor.

O fone possui somente um botão, e através dele você consegue atender e encerrar suas ligações, ter controle das funções de player de música, sem a possibilidade de aumentar e diminuir o volume, que é um recurso presente em alguns fones atualmente.

O ZSR também possui um microfone que é muito bom pra você poder fazer suas ligações, ou mandar seus áudios no WhatsApp, no entanto, não é o ideal para ser usado como microfone principal em uma gravação de vídeo, porque apesar da voz clara e concisa que ele consegue captar, ao mesmo tempo ele não é muito bom em ignorar ruídos.

Uma desvantagem encontrada em relação a conservação do produto, foi que este modelo não vem com nenhum case ou estojo e o fio acaba ficando exposto por conta disso, permitindo que aqueles nós indesejáveis aconteçam, então é bom encontrar um lugar ou uma boa forma de armanená-los para que eles durem muito tempo.

Se quiser comprar um modelo como este para você, confira os seguintes links:

- Compre o fone aqui: http://bit.ly/KZ-ZSR 
- Versão verde (ainda mais transparente): http://bit.ly/KZ-ZSR-VERDE

Até a uma próxima!
_____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Vale a pena comprar câmeras 4K de baixo custo?

Nenhum comentário

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Eis a questão! Você está querendo gravar as suas atividades, exercícios ou querendo uma câmera para fazer vídeos para o YouTube e acabou se interessando por algumas câmeras 4K que existem no mercado? Esse conteúdo é feito para você!

Câmera 4K






Existem muitas opções no mercado, mas que características são as corretas? Qual é o custo benefício? Uma analisei uma dessas câmera de baixo custo e fiz uma review completa para você tirar as suas dúvidas, confira, temos primeiramente o Unboxing do produto e depois o review:



A GoPRO, referência neste segmento de mercado, apesar de ser muito boa, pode fugir do orçamento das pessoas, escolhendo com cuidado você pode encontrar boas opções, leve em considerações as dicas que eu coloquei nos vídeos e você deverá fazer boas compras.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Vale a pena comprar um Chromebook? Entenda se esses computadores servem para você

Nenhum comentário

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Os Chromebooks estão recebendo muita atenção nos últimos meses, 2017 foi um ano excelente para este tipo de equipamento, mas dado o seu perfil e funcionamento, não são todas as pessoas, especialmente no Brasil, que encontraram nesses dispositivos a melhor opção na hora de fazer compras. No entanto, a dúvida ainda permanece, vale a pena?

Chromebook vale a pena?






Sem ao menos testar um, vai ser muito complicado você ter uma real noção para saber se um Chromebook se encaixa no seu dia a dia, por isso eu produzi este material, assim você pode ao menos ter uma noção do que te espera. Eu passei uma semana utilizando um modelo da HP, dada a data de lançamento, um modelo antiquado, mas ainda perfeitamente funcional.

No vídeo eu mostro para você como funciona o Chromebook e mostro as principais opções e configurações do Chrome OS, sistema operacional que acompanha o equipamento.



Chrome OS, o sistema operacional da Google


Como você deve ter reparado, os Chromebooks não vem com o sistema operacional Windows, comum em computadores de varejo, ou mesmo distros Linux, como Ubuntu, vendido em computadores da Dell, HP, entre outros. O que você encontrar no Chromebook é o Chrome OS, um sistema operacional desenvolvido pela Google especialmente para este tipo de dispositivo. 

E você que pensava que a Google "só" tinha o Android, né?

O conceito dos Chromebooks segue a mesma linha de otimização dos MacBooks da Apple, com um sistema operacional otimizado para o hardware, que procura extrair o máximo de desempenho do equipamento. O Chrome OS é um sistema operacional baseado em Linux também, por conta disso ele tem um ótimo nível se segurança, por ser um sistema que basicamente se limita a aplicações Web, aplicativos de Android e similares, eu arriscaria a dizer que ele pode ser até um pouco mais seguro do que distribuições Linux "comuns".

Limitações de Hardware


À primeira vista pode parecer que um Chromebook não tem hardware muito potente, especialmente se comparado a outros computadores e Notebooks da atualidade, no entanto, a demanda por hardware dele é muito menor do que qualquer outro computador de mesmas proporções, tornando o computador veloz, mesmo sem os processadores mais fortes que existem e grandes quantidades de RAM.

Com um sistema extremamente otimizado, a bateria dura muito, não há muito consumo de memória e nem  de processador, permitindo um uso bem confortável em condições moderadas. Como é de se esperar, Chromebooks mais potentes terão um desempenho ainda melhor, como o Pixelbook, que carrega um Intel Core i5, com a opção de utilizar um i7.

O armazenamento interno também não é dos maiores, especialmente para os padrões atuais, mas a função desse armazenamento é para armazenar o próprio sistema operacional (Chrome OS), além de alguns arquivos locais não muito grandes.

Geralmente quando você compra um Chromebook você também ganha espaço de armazenamento grátis no Google Drive para colocar os seus arquivos. Algo como 100GB por dois anos, depois você deverá pagar por isso. O valor gira em torno de 6 reais por mês atualmente. É claro, sempre será possível utilizar um HD Externo para complementar, ou ainda outros serviços em nuvem, que também geralmente possuem planos grátis e pagos.

O perfil de usuário


Como eu mencionei no vídeo, Chromebooks não são para todos. Quem poderá produzir livremente com o Chrome OS serão as pessoas que não dependem de programas específicos que rodem apenas instalados localmente, como alguns softwares de outras distros Linux, de Windows ou macOS.

Certas tarefas ainda são complicadas de realizar com os Chromebooks, como edição de vídeo por exemplo, seja pela ausência de grandes programas para essa finalidade, seja pelos próprios processadores que eles comportam não serem os ideais para essa finalidade, no entanto, a maior parte dos usuários domésticos que usam o computador para acesso a internet pode, em tese, usar um Chromebook sem maiores impeditivos. 

É um ótimo computador para pessoas que não entendem nada de informática e usam apenas para acessar o Facebook, YouTube, Netflix, Spotify, escrever textos, ler e-mails e coisas relacionadas.

O Chrome OS praticamente não tem necessidade de manutenção, não fragmenta e raramente ficará lento (a menos que você encha o armazenamento interno ou o cache do navegador esteja com algum problema), preocupações são mínimas atualmente.

Vale mencionar que gerações mais recentes de Chromebooks possuem integração com a Google Play, a loja de Apps do Android, o que permite que você instale uma certa gama de aplicativos de Android no seu computador, nesta semana mesmo, conforme mencionado aqui no blog, a Microsoft publicou o Office para o Chrome OS.

Alguns modelos novos também tem tela sensível ao toque e são reversíveis, ou seja, você pode literalmente usá-los como Tablets, com alguns Apps Android, talvez você não sinta tanta falta de um Tablet Android propriamente dito, reservadas das limitações já conhecidas.

Apesar de você ter acesso a alguns games no Chromebook, como jogos nativos e jogos que você pode acessar apenas pelo navegador (além de alguns jogos de Android), ele ainda não é, definitivamente, uma solução para os gamers, sendo um computador especialmente interessante para trabalho, produção de conteúdo em texto, como para quem escreve blogs ou trabalha diretamente através de páginas ou algo relacionado e claro, uso doméstico de consumo de conteúdo na internet.

Uma dica muito simples para se testar se você poderia ou não viver feliz com um Chromebook é instalar o Google Chrome (o navegador) no seu computador atual e tentar utilizar somente ele para fazer de tudo, explore MUITO a Chrome Web Store, a loja de Apps do Chrome, e veja se você encontra todos os aplicativos de que precisa. A experiência não é exatamente a mesma, mas ajuda a dar uma noção. Lembre que o Chrome OS do Chromebook vai te fornecer algumas ferramentas a mais para que o seu uso seja mais tranquilo, então se não encontrar algo no Google Chrome, não tire conclusões precipitadas, pesquise e veja e se o recurso está disponível para o Chromebook.

O que você acha dos Chromebooks e do Chrome OS? Vai comprar um para você? Já utiliza?  Conte pra gente nos comentários.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O Xiaomi Amazfit pode ser o seu futuro Smartwatch!

Nenhum comentário

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Smartwatchs são produtos ainda controversos no mercado, o público se divide muito em relação a real vantagem de se ter um device deste tipo. Hoje você vai conhecer melhor um dos produtos da Xiaomi para este segmento, o AMAZFIT.

Xiaomi Amazfit





Antes de mais nada, eu gostaria de agradecer à loja TOMTOP por ter cedido o Smartwatch para este review, sem eles este conteúdo não seria possível.

Eu estive utilizando o AMAZFIT por cerca de uma semana e meia antes de fazer o roteiro final para a análise do produto. Conforme os dias foram passando eu consegui identificar pontos fortes e fracos que serão comentados mais à frente no texto, porém, antes de tocarmos nestes pontos, vamos a uma apresentação geral do produto.

Conheça o Xiaomi Huami AMAZFIT


Xiami HUAMI AMAZFIT


HARDWARE: Falando um pouco do relógio em si, ele certamente tem uma das melhores construções que eu já pude utilizar, tudo bem que eu não tive muitos Smartwatchs até hoje, mas já pude brincar um pouco com alguns modelos, quando você comprar um AMAZFIT você terá:

- Um relógio com corpo de cerâmica;
- Tela touch de 1,34";
- 512 MB de memória RAM;
- 4GB de armazenamento interno;
- Bateria de 280 mAh;
- Carregador acoplável USB
- BlueTooh 4.0;
- Wifi;
- Monitor cardíaco;
- Pulseira emborrachada e resistente.

Xiaomi Amazfit


Adicionado a isso, o AMAZFIT pesa apenas 55 gramas e tem um ótimo visor, que permite ângulos de visão bem abertos, permitindo que você visualize o conteúdo na tela mesmo sob uma forte luz ou em lugares escuros.

SOFTWARE: Temos aqui um diferencial também (e o maior fator de pontos positivos e negativos), ele possui um sistema operacional próprio, pelo que vi através de comentários na internet, seria um Android modificado, mas de qualquer forma, ele é diferente da experiência que você costuma ter em Smartwatchs Android, visto que você não tem acesso à Google Play Store e outros recursos comuns do Android. Por outro lado, este sistema mais enxuto dá ao AMAZFIT uma vida longa em sua bateria.

Xiaomi Amazfit Review


O sistema também carrega vários aplicativos úteis pré-instalados, especialmente para as pessoas que querem criar e regular com precisão seu exercícios físicos, além disso, é possível instalar um aplicativo no celular, onde você pode parear o seu Smartphone com o Smartwatch e ter acesso a funções extras de análise e personalização.

Antes de seguirmos para os prós e contras, fique com a review completa em vídeo:



Pontos Positivos:

Pontos positivos

A coisa que mais me impressionou no AMAZFIT foi a bateria. Na minha utilização tradicional a bateria durou exatamente uma semana em uma recarga completa, na segunda semana (a qual não mencionei no vídeo acima), a carga durou uma semana e meia praticamente, fazendo menor utilização dele. Então posso dizer que estou muito satisfeito neste quesito.

Segundo a Xiaomi, pessoas que utilizarem o AMAZFIT com maior intensidade deverão conseguir por volta de 5 dias de carga, o que é ótimo, visto que muitos Smartwatchs mal conseguem aguentar um dia inteiro.

Muito dessa conservação de bateria vem do sistema operacional ajustado especificamente para o AMAZFIT. Ele é simples, é compacto e faz o que tem que fazer. A interface é intuitiva e simples de se utilizar. Possui uma capacidade razoável de personalização, trocar as Watchfaces é algo realmente bem simples, tanto pelo Smartwatch, quanto pelo aplicativo no Smartphone.

Acompanhando o sistema operacional, temos uma grande variedade de apps de treinamento para regular os seus exercícios físicos. O medidor cardíaco possui a funcionalidade de avaliar se o seu batimento está adequado de acordo com padrões de saúde e o seu estado atual, incluindo perguntas sobre o seu humor no momento da medição para ajudar na apuração dos dados.

O brilho da tela é autoajustável, porém, você pode alterá-lo para o modo manual. O sensor de luminosidade funciona incrivelmente bem, como eu disse anteriormente, não há um momento em que você olhe para a tela não consiga ver perfeitamente as horas ou informações, como as notificações do seu Smartphone. Outra coisa bacana é que o sistema te avisa quando você deve fazer uma pausa de suas atividades e esticar um pouco as pernas por ter ficado muito tempo sentado; como eu trabalho muito nesta posição, achei o recurso muito útil.

Falando do corpo do Smartwatch, dentre os pontos positivos podemos apontar um design clean, esteticamente bem acertado, um acabamento impecável, uma tela com ângulos de visão excelentes (como já comentado) e uma pulseira bela e resistente, que também pode ser substituída por outra de seu gosto sem muitos problemas.

Pontos Negativos:

Pontos negativos do Amazfit

Todo produto tem seus contras. Para algumas pessoas os detalhes que eu vou comentar aqui nem podem ser considerados um contra necessariamente, mas vamos lá.

Apesar do sistema operacional ser muito funcional, ele peca em um detalhe para o público brasileiro, sendo completamente em inglês, tanto o App, quanto os sistema do Smartwatch em si. Ouvi falar que a comunidade brasileira da Xiaomi já criou ROMs e Apps alternativas traduzidas para o AMAZFIT, mas como tenho que avaliar o que vem dentro da caixa, é isso que temos. Fora que nem todo usuário final vai se dar ao trabalho de fazer isso, isso se tiver conhecimento e paciência para tal.

Outro ponto que recai sobre o sistema operacional é ele não ser Android, ou melhor, ser, mas não ser um "Android tradicional". Sem a Google Play Store você não consegue adicionar aplicativos para que você possa estender as funções que o relógio tem, limitando você ao que ele te entrega out of the box. Mais uma vez, a comunidade brasileira da Xiaomi já deu um jeito de mostrar como você pode instalar APKs nele (os pacotes de Apps do Android), aparentemente usando o ADB, um recurso comum entre os desenvolvedores, mas mais uma vez, é algo que foge da alçada do usuário comum, logo, um contra sob o meu ponto de vista.

O sistema operacional é mesmo o meu maior alvo de críticas aqui, sobre o aparelho, não tenho realmente nada a acrescentar nos contras, talvez 1 GB de RAM não fosse má ideia, mas como você (teoricamente) não vai instalar Apps, isso se torna desnecessário. Entre as coisas que você não conseguirá fazer nele nativamente sem dar aquela "hackeada" básica estão:

- Impossibilidade de interagir com as notificações, você pode apenas pré-visualizar as mensagens;
- Sem a possibilidade de adicionar novos Apps nativamente, você não terá coisas como um calendário completo, um aplicativo para controlar a ingestão de água (ainda que com criatividade você possa contornar isso sem problemas, usando um App no Smartphone ou programando o despertador que vem no AMAZFIT);
- Sem lanterna;
- Impossibilidade de controlar as músicas do Smartphone por ele.

Nesta última cabe uma ressalva. A ideia é que você coloque as músicas dentro do armazenamento interno dele e use fones de ouvido Bluetooth, assim você pode sair para dar a sua caminha sem levar o celular, certo? Certo. No entanto eu ainda acharia útil poder parear ele com o Smartphone e controlar as músicas nele, visto que não tenho acesso ao Spotify pelo Smartwatch ou ainda, controlar o som de casa via Bluetooth também, isso seria muito legal, mas ele não permite. 

O armazenamento interno, que tem 4GB é parcialmente preenchido com o sistema operacional, sobrando cerca de 2,56GB disponíveis para você colocar músicas, o que deve ser o suficiente para colocar mais de 150 músicas de alta qualidade.

Conclusão


Especialmente na parte dos "contras", eu observo que os pontos que eu apontei variam muito de acordo com o que cada consumidor espera de um Smartwatch, ou do AMAZFIT, mais especificamente. Então fique à vontade para colocar o seu ponto de vista nos comentários, OK?

No mais, é um ótimo Smartwatch. Eu que nunca fui um grande adepto desse tipo de tecnologia não tirei mais ele do pulso e estou gostando bastante, aprendi a lidar com as limitações que ele me oferece também e agora já estou habituado.

Você pode conferir o preço atual dele (com desconto especial) diretamente no site da TOMTOP, muito obrigado e até a próxima! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Análise do openSUSE Leap 42.2 Leap [Vídeo]

Nenhum comentário

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Nesta semana eu estava testando o openSUSE 42.2 Leap com a instalação no modo Net Install, acho a distro muito interessante, especialmente pela ferramenta Yast, mas tudo tem seus prós e contras, então vamos falar um pouco mais do "Rei Lagarto".

open SUSE Leap 42.2




Eu sempre gostei do openSUSE e do ideal dele ser um sistema operacional que pode ser utilizado tanto para desktop pessoal, quanto para utilização nos servidores. Com o Yast como ferramenta de configuração, o openSUSE tem praticamente tudo o que você pode querer para configurar o sistema em modo gráfico, mas isso não quer dizer necessariamente que seja algo completamente intuitivo e este é um aspecto que eu quero debater um pouco mais.

Veja agora a review do openSUSE 42.2 Leap feita pelos nossos parceiros do Oficina do Tux:


Quando eu fiz o meu teste com a versão Net Install da distro, utilizei o KDE Plasma como desktop, mas curiosamente, e diferente do teste feito pelo Renato do Oficina, o consumo de RAM no SUSE ficou rondando 350 MB apenas, pode ser que a versão  Net Install deixe menos processos rodando em paralelo.

Apesar de possuir ferramentas gráficas ótimas para tarefas avançadas, se comparamos o SUSE com o Linux Mint, Manjaro, Deepin, Ubuntu e outras distros que tem como público alvo as pessoas leigas, o openSUSE ainda precisa investir (assim como o Manjaro) em uma Central de Apps que lembre as que temos nos dispositivos móveis, que atualmente são comuns no público, assim como ferramentas intuitivas para instalação de drivers.

Na minha opinião, distros como o Manjaro ou o openSUSE tem um repositório com potencial imenso, mas o fato de ter gerenciadores de pacotes que lembrem mais o Synaptic do que uma "Store" faz com que eles distanciem-se um pouco do público leigo que não sabe o nome dos pacotes e simplesmente pesquisa pela funcionalidade.

Você concorda? Espero que possamos ver as coisas evoluindo com o tempo, já que as distros são ótimas.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Vídeo Unboxing: Amplificador de 10 dólares BlitzWolf + BlueTooth Receiver

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de julho de 2016

Olá pessoal! Hoje eu vou mostrar para vocês um presente bem bacana que eu ganhei do pessoal da BlitzWolf, me senti criança de novo montando som em casa e desencapando fios com as facas da Tramontina! Foram dois produtos que chegaram, um amplificador e um receptor bluetooth; confira:

Amplificador BlitzWolf


Produtos da BlitzWolf:






São dois produtos complementares, ou seja, eles podem ser usados em conjunto, com o Bluetooth Receiver transmitindo para o amplificador.

Confira o vídeo de Unboxing e o teste que nós fizemos para demonstrar os dois produtos funcionando:



Eu nunca tive um amplificador em miniatura deste tipo, ele tem uma potência baixa como você viu no vídeo, mas mesmo assim ele se mostra bem valente, além de ter um visual atraente, o que é interessante também. Um diferencial ao meu ver são os vários tipos de conexões que ele suporta.


O  Bluetooth Receiver também é muito legal. Compacto, lembra de longe aquele modelo clássico do iPod Shuffle, funciona muito bem, mas é bom ter cuidado com o rádio que você vai colocá-lo, se por acaso ele ficar meio frouxo isso pode causar um problema na qualidade do som reproduzido.

Conectando por Bluetooth

Conectar o Smartphone ao receptor por bluetooth é muito simples, basta ligar o aparelho, ativar o bluetooth no seu Smartphone e parear ambos, como você faria com qualquer  outro Smartphone, assim que você conectar ambos, o seu Smartphone deixará de reproduzir áudio pelos auto-falantes e passará a transmitir diretamente para o aparelho, em últimos casos, você pode usá-lo com fones de ouvido se quiser, deixando seu Smartphone dentro de uma mochila ou bolsa e andando apenas o aparelho no bolso.

Ambos tem um preço atrativo, o único problema é que eles vem de fora do país, por conta disso a entrega pode demorar, no meu caso, fora dois meses, acho que até um pouco mais. Se quiser ver mais o sobre ambos os produtos, basta clicar em um dos link abaixo:






Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Peppermint OS 7 - O que achei do sistema?

Nenhum comentário

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Existem distribuições Linux com as mais variadas propostas, uma delas é o Peppermint OS, uma distribuição que tem o objetivo de ser um sistema operacional leve e belo, como um intermediário entre aplicações desktop e aplicações em nuvem.

Peppermint OS 7 Review




O Peppermint OS é uma mistura de vários conceitos, temos elementos do Linux Mint, temos elementos do Ubuntu e temos coisas que são desenvolvidas pela própria equipe do Peppermint OS 7.

Peppermint OS 7 Review

O tema do desktop é predominantemente escuro, os ícones são baseados no popular Numix Circle, isso garante uma aparência elegante ao sistema, sem dúvidas, porém, eu não consigo gostar de um sistema completamente escuro assim, felizmente, existem temas disponíveis que podem ser modificados facilmente.

O conjunto de aplicações é bem simples, você vai encontrar tudo o que precisa para ter uma experiência online e multimídia boa, juntamente com a interface XFCE, faz com que o Peppermint traga um desempenho bom em máquinas mais modestas também.

Confira agora a revisão em vídeo do sistema:




Apesar de ter boas características, o Peppermint OS não é um sistema único, você consegue atingir resultados parecidos utilizando o Xubuntu, ou o Linux Mint XFCE, as suas ferramentas diferenciais também pode ser instaladas através do repositório PPA do sistema, como o  interessantíssimo ICE, que você viu no vídeo.

O Peppermint OS 7 é um sistema alternativo, cabe a você dizer se ele é ou não uma boa opção para o seu uso.

O que você achou dele?
Site do Peppermint OS
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




DuZeru 2.2, veja o que há de novo na distribuição Linux brasileira

Nenhum comentário

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Aos poucos a distribuição Linux brasileira DuZeru vem ganhando adeptos; esse fenômeno se deve as novas e interessantes funcionalidades que foram implementadas na versão 2.2 da distro, que saiu recentemente, confira agora as principais mudanças e destaques do sistema.

DuZeru GNU/Linux




Fixa técnica:

Fixa técnica DuZeru GNUU/Linux

Vamos começar a falar sobre a nova versão do DuZeru GNU/Linux 2.2. Uma distribuição Linux brasileira com base no Debian Stable, que usa o ambiente gráfico XFCE na versão 4.12.


Não é a primeira vez que nós falamos do DuZeru por aqui. Aliás, se você está curioso para saber mais detalhes sobre o desenvolvimento do sistema, conhecer os desenvolvedores e os ideais do projeto eu recomendo que você veja a entrevista que nós fizemos com o criador da Distribuição, ainda quando ela estava em sua versão 2, e um outro vídeo mais recente, que na verdade foi um VideoCast, onde nós falamos desta versão aqui, A lobo guará, adicionalmente você pode querer ver também a review da versão passada para entender tudo o que mudou de uma versão para outra com maior clareza.

Quem esperava poucas mudanças no projeto da versão 2 para a 2.2 recebeu a ISO, que tem cerca de 1,3 GB em sua versão de 64 bits, esta que é objeto da nossa review, com muita surpresa, pois muitas coisas novas foram adicionadas.

Abastecida pelo Kernel Linux 3.16 compilado pela equipe do DuZeru, a distro agora possui um repositório próprio de programas e uma série de aplicações que visam facilitar a vida do usuário comum.

O DuZeru 2.2 Lobo Guará, agora conta com um gestor de Kernel em modo gráfico, algo que na base Debian, somente o Linux Mint possuía até então, este gerenciador é na verdade uma maneira simples de interagir com scripts contidos no sistema que automatizam o processo. 

Levemente inspirado no gestor de Kernels do Manjaro Linux, distro que você já viu uma review aqui, o gestor do DuZeru facilita a vida de quem quer mudar a versão do Kernel do sistema, ainda que nem todo o processo aconteça numa tela gráfica.

Um dos pontos interessantes da nova versão do DuZeru 2.2, é a integração com o gerenciador de janelas Kwin do projeto KDE. Os desenvolvedores conseguiram uma mistura muito interessante e que por incrível que pareça não aparenta gerar problemas.

O sistema usa a interface XFCE, com o compositor do KDE e com o gerenciador de arquivos Nautilus, do Gnome. 

Outro detalhe que foi alterado na aparência foram os ícones, os desenvolvedores desenharam e modificaram algumas centenas de ícones para que todas as aplicações, ou a maior parte delas pelo menos, tivessem o mesmo padrão visual. 

Se você está preocupado com drivers, isso não deve ser um grande problema. 

Manipular novo drivers proprietários do sistema não é uma tarefa muito difícil com “Device Driver Manager”, com ele você consegue instalar, modificar e remover os drivers contidos no seu computador.

O conjunto de aplicações segue o mesmo padrão da versão antiga e do XFCE, porém, além dos recursos que já foram comentados, temos mais alguns interessantes que vale a pena destacar. 

O DuZeru possui uma aplicação chamada “Welcome”, ou simplesmente “Bem-vindo”, em português, nele você encontra todas as informações básicas para começar a usar o sistema e conhecer o projeto mais à fundo.

Há também uma aplicação chamada Catalogo de comandos, algo realmente útil que concentra praticamente todos os comandos que a distribuição suporta ordenados de A à Z, explicando qual é a função de cada um deles.

Outra aplicação produzida pelo DuZeru é o congelador de painéis, que permite que o usuário congele a edição do painel inferior do XFCE, algo que pode ser muito útil em um computador público, onde muitas pessoas utilizam e compartilham um mesmo computador, assim você evita que algum desavisado faça bagunça e desconfigure o a interface  do sistema.

Outros programas importantes que a distro traz incluem: A suíte Office LibreOffice na versão 5.1, GIMP, Inkscape, Navegador Firefox, Steam, editor de vídeos KDEnlive e o VLC, como player padrão,tanto para músicas, quanto para vídeo.

Se você precisar de mais programas, você pode usar a Central de Programas do DuZeru. O Java da Oracle, o Spotify e até mesmo o projeto Photogimp do Diolinux estão por lá, e o mais interessante é que se você quiser algum programa que não está no repositório é possível fazer a solicitação diretamente com os desenvolvedores.

O DuZeru é muito leve, a combinação de Debian com XFCE sempre gera bons frutos. 

Como os desenvolvedores prestaram atenção para colocar apenas serviços essenciais ao iniciar o sistema, ele dá boot com cerca de 250 MB de RAM utilizados apenas, algo realmente fantástico!

Não presenciei nenhum travento ou bug pontual, gostos visuais à parte, eu achei ele “dark demais”, e não acho necessário ícones tão coloridos, os sistemas atuais buscam uma interface mais clean, quando o padrão atual do DuZeru parece que respeita mais o padrão visual asiático. Ele parece ser uma boa opção para usuários novatos e básicos de computador.

Você pode baixar o DuZeru através do site oficial.


_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo