Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador Ubuntu. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ubuntu. Mostrar todas as postagens

Teste a velocidade da sua internet via terminal

Nenhum comentário

sexta-feira, 31 de maio de 2019

O terminal Linux é uma ferramenta muito poderosa e prática, pena que alguns usuários não compreenderam essa praticidade e outros chegam a temer a “telinha preta”. Uma das muitas possibilidades é com apenas 1 comando, poder efetuar testes em nossa conexão de internet, isso é o que demonstrarei neste post. Caso queira uma solução gráfica e que abarque outros sistemas operacionais, veja a dica contida neste post.

speedtest-cli-internet-terminal-linux-conexão-download-upload-ubuntu-mint-elementary-kde-neon

Existem diversas maneiras de verificar essa informação, porém, irei demonstrar utilizando o bom e velho terminal. Afinal, terminal é legal (✌).

SpeedTest CLI


O site SpeedTest é famoso entre os usuários brasileiros, não obstante, existe uma forma de efetuar testes de conexão sem ao menos abrir seu navegador. Podemos instalar o utilitário “speedtest-cli”, uma ferramenta de fácil manuseio e muito prática (Github oficial do software). Para instalar o programa em sua distribuição utilize o seguinte comando (Para Ubuntu, Linux Mint, Elementary OS, KDE Neon e derivados):

sudo apt install speedtest-cli

Para executar basta utilizar o comando de mesmo nome do app:

speedtest-cli

Em seguida é aguardar o processo e comparar os valores do Download e Upload com a velocidade contratada.

speedtest-cli-internet-terminal-linux-conexão-download-upload-ubuntu-mint-elementary-kde-neon

Caso queira desinstalar o speedtest-cli, utilize o comando:

sudo apt remove speedtest-cli

Para mais detalhes de uso da ferramenta, veja o vídeo a seguir:


Uso diariamente este e mais alguns comandos do terminal, uma forma rápida e cômoda de obter certas informações ou determinadas ações.

Acesse nosso fórum Diolinux Plus e participe desta comunidade. Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Insync 3 agora traz suporte do OneDrive para o Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 30 de maio de 2019

Como noticiamos em um post no começo deste ano (2019), a empresa por de trás do Insync (nome que ela leva também), tinha anunciado que estaria lançando um Beta do seu aplicativo e que o mesmo estaria trazendo o suporte ao OneDrive (serviço de armazenamento na nuvem da Microsoft). Eis que o dia chegou. 😀

Insync 3  agora trás suporte do OneDrive para o Linux






Para quem se inscreveu em Fevereiro (2019) para participar do Beta, recebeu um e-mail no dia 22 (quarta-feira), podendo assim começar os testes antes. Mas agora o beta está aberto para o público em geral.

O Insync 3 foi todo “remodelado” e agora está usando o Pynthon 3 no seu core engine para a sincronização, que assim foi apelidado de “Core 3”. Nessa fase beta, a parte  do OneDrive teve essas novidades por hora:

-OneDrive e OneDrive para Negócios (Business);
-Sharepoint;
-Sincronizações mais rápidas;
-Interface do Usuário de Sincronização corrigida;
-Pastas de sincronização separadas para My Drive e Shared with me
-64 bits para Linux e Mac

E algumas funcionalidades ainda estão ausentes ou no processo de correção, que são:

-Reutilizar pastas de sincronização do Insync 1.5 (para usuários já existentes);
-Sincronizar qualquer pasta; 
-Barra de progresso;
-Mover Pastas Base (localização de sincronização padrão);
-Integração do gerenciador de arquivos: menu de contexto;
-Pausar e retomar a sincronização;
-Ignorar Regras (anterior. Lista de Ignorados);
-Conversão de documentos;
-Compartilhar e visualizar caixas de diálogo;
-Links simbólicos;
-Atalhos da nuvem (abrir, renomear, excluir);
-Configurações de rede: suporte para proxy; 
-Feed e Ações


Eles ainda fazem o alerta para os usuários da versão 1.5 do Insync, para não reutilizar as pastas desta versão, pois será adicionado posteriormente. 

Para baixar a versão 3 beta do Insync, você pode acessar esse link e escolher entre Ubuntu (16.04 e 18.04), Linux Mint (18.x e 19.x), Debian (8 e 9) e Fedora (27 e 28), além do plugin para o Nautilus. Outros gerenciadores de arquivos serão suportados em breve. Nos meus testes no Ubuntu 19.04 ele também funcionou e talvez também funcione no Fedora 30, mas é algo sem “garantia” pelos devs.

Vale lembrar que o Insync na fase Beta não será cobrado, mas depois do término do mesmo, será cobrado o preço normal. Para conferir todas as novidades, basta acessar este post no site deles. Para baixar a versão 1.5, basta acessar este link.

Isso é muito bom e importante, ter uma ferramenta tão boa e poderosa suportando dois serviços populares, como Google Drive e agora o OneDrive, pois quem está no processo de migração para o Linux, pode sentir falta desses serviços. Agora não mais.

Comente aí nos comentários o que você achou dessa novidade, se usa ou se já usou o Insync.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Krita 4.2 é lançado com mais de 1000 bugs corrigidos e novos recursos

Nenhum comentário
Krita é uma ferramenta de pintura para cartunistas, ilustradores e artistas conceituais em geral. Ao longo dos últimos anos vem ganhando notoriedade e espaço nesse nicho. Nessa última versão, o pessoal do Krita, anunciou a correção de mais de 1000 bugs.


Krita 4.2 é lançado com mais de 1000 bugs corrigidos e novos recursos






Na nova versão do Krita, foi finalmente reunido o código que eles desenvolveram para dar suporte às mesas digitalizadoras no Windows (tanto no Wintab quanto no Windows Ink), macOS e Linux. Código esse existente na plataforma que eles utilizam para desenvolver o programa, o Qt.

Uma funcionalidade adicionada, foi o suporte a monitores HDR, graças ao trabalho colaborativo com a Intel. Por hora, tal funcionalidade só está presente na versão para Windows 10.

Agora você também pode desfazer “movimentos” feitos pela ferramenta “Mover”, quantas vezes precisar, como pode ver na gif abaixo.




Outras melhorias foram:

-Melhor desempenho da velocidade do pincel;

-Docker da paleta de cores aprimorado;

-Nova API de animação em Python;

-Configuração dos arquivos de backup;

-Entre outras.

Para conferir todas as novidades, basta acessar o site do Krita através deste link.

Se você quiser baixar o Krita, ele está disponível em alguns formatos, como Snap, Flatpak, AppImage e via PPA para as distros base Ubuntu.





Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 19.10 vai trazer driver da Nvidia embutidos na ISO

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Houve um tempo em que instalar drivers de vídeo no Linux era uma verdadeira batalha “homérica”, digna dos “12 trabalhos de Hércules”. Hoje em dia essa tarefa é bem mais simples, visto que a AMD e Intel já disponibilizam os seus drivers no próprio Kernel, só ficando de fora a NVIDIA. Mas isso tende a mudar.

 Ubuntu 19.10 vai trazer driver da Nvidia embutidos na ISO






Em uma thread do Ubuntu no Launchpad, foi reportado um "relatório de erro" com a seguinte descrição:

"No desktop do Ubuntu, sem uma conexão de rede, o usuário pode optar por instalar os drivers de terceiros (que afirma que ele instalará o driver gráfico), mas mesmo que ele selecione essa opção, os drivers proprietários da NVIDIA não serão instalados porque não estão no pool da ISO."

Com isso, a equipe da Canonical (Ubuntu) resolveu acrescentar os drivers 390 e 418 na ISO do Ubuntu, um acréscimo de 114 MB. Deixando a ISO com 2,1 GB. Tal mudança teve o aval da Nvidia.

Tal facilidade em instalar o driver da NVIDIA no Ubuntu tende a melhorar "da água para o vinho" e potencialmente podendo trazer mais usuários novos para o Linux, através do Ubuntu. Isso também inclui o pessoal que gosta de jogar.


O driver proprietário da NVIDIA, por padrão vem desabilitado, mas com essa mudança, eles poderão ser ativados sem a necessidade de conexão com a internet, como ocorre na versão 19.04. O driver de código aberto "nouveau" ainda vai ser o padrão para novas instalações ou no modo "live".


Essa mudança de mentalidade da Canonical, em colocar essa facilidade para quem usa NVIDIA e precisa dos recursos que o driver open source não disponibiliza é muito bem-vinda pois, isso trás o usuário "comum" para perto do Linux e também de "quebra" começa a "consertar", em parte, o problema com as GPUs híbridas, dando o primeiro passo no Ubuntu 19.04. Até a versão 18.04.2 LTS e 18.10, você precisava editar o grub no boot para possibilitar a instalação em notebooks híbridos com placas mais recentes, mas com o Ubuntu 19.04 isso mudou, bastando marcar a opção de instalação dos drivers proprietários, assim começando o download e instalação do driver 418 da NVIDIA.

Com a possibilidade de não precisar de uma conexão com a internet, é mais um passo da Canonical, com o Ubuntu, para se tornar de novo a referência no mercado de desktops domésticos e assim angariar novos usuários.

Falando nas GPUs Híbridas…


A NVIDIA vem trabalhando para aperfeiçoar o PRIME, através do dev Kyle Brenneman, para melhorar o suporte aos múltiplos drivers de GPU, nesse caso Intel+NVIDIA. Isso seria através de uma extensão GLX que controlaria o GLXVND. De uma forma "beeemmm" resumida, seria a possibilidade de usar a GPU integrada ao processador da Intel para as funções mais corriqueiras, e quando precisasse de "mais potência" acionaria a GPU da NVIDIA, sem precisar fazendo logoff ou reiniciar o computador ao invés de escolher entre uma ou outra GPU, como é hoje em dia. Essa implementação está sendo planejada para o Server Xorg 1.21, mas ele não tem data de lançamento, uma pena. Mas já é um grande progresso. Para ver as listas de discussões sobre essa funcionalidade, você pode ver aqui e aqui.

Arrisco a dizer que a versão 20.04 LTS do Ubuntu, teremos tais melhorias, sobretudo, mais na parte de notebooks, e talvez vejamos enfim o fim “do calvário” de usuários, que como eu, poderão usar o seu equipamento em plenas capacidades com menos dor de cabeça para configurações extras.

Deixe a sua opinião aí nos comentários, para sabermos o que você achou da novidade.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Configure o seu mouse Logitech no Linux com o Piper

Nenhum comentário

terça-feira, 28 de maio de 2019

Recentemente comprei um mouse Logitech G203, em breve devo fazer uma review dele no nosso canal do YouTube, mas posso dizer que, à primeira vista, parece um ótimo custo benefício. Você também pode ver algumas fotos dele no meu Instagram.

Logitech e Linux








O mouse por si só permite as configurações de DPI através de um botão na região central, algo bem tradicional até em modelos desse tipo, mas ele tem algumas funções que podem ser melhor configuradas via software, como a função dos botões e as cores do RGB, além do DPI e o Polling Rate.

No Windows essas configurações são feitas através do Logitech Software e este mesmo software ainda não tem versões para Linux, ainda que o mouse funcione perfeitamente, não sendo, por tanto, o mesmo caso do meu mouse Razer.



Existe um driver chamado "Libratbag" que suporta dispositivos Logitech, Etekcity, GSkill, Roccat e Steelseries, que possui uma interface chamada "Piper" que funciona perfeitamente com o meu novo G203.

Instalando o Piper e o Libratbag


Driver e Interface não são a mesma coisa, como o hábito com o Windows nos força a pensar, prova disso é que podemos usar várias interfaces diferentes para o mesmo driver Razer (openRazer), então, vamos primeiro instalar o nosso driver "libratbag".

As distros oficialmente suportadas são o Ubuntu, Fedora, Arch Linux, openSUSE e Debian (versão 10 em diante) e o procedimento de instalação pode ser visto no github.

No Ubuntu, você pode instalar o driver diretamente do repositório, usando um Software como o Synaptic, procurando pelo pacote: ratbagd

Se preferir usar o terminal, o comando é este:
sudo apt install ratbagd
Depois disso é só instalar a interface Piper, o que pode ser feito via Flatpak, através do Flathub, ou através de um repositório PPA.

- Veja como instalar um PPA no Ubuntu sem usar o terminal

Se preferir fazer pelo terminal, você pode usar estes comandos:
sudo apt-add-repository ppa:libratbag-piper/piper-libratbag-git
sudo apt install piper 
O interessante de usar o PPA é que você também recebe a versão mais recente do driver "libratbag" assim que ele sair.

Funções e configurações do Piper 


As funções disponíveis obviamente aparecem de acordo com o modelo do mouse, no meu caso, temos as seguintes opções:

Controle RGB Mouse Logitech

Podemos configurar o LED RGB que o mouse possui, usando cores sólidas, onde você pode escolher a cor que deseja, você também pode usar o padrão, que é o "Cycle", onde as cores ficam trocando. No App você pode mudar a intensidade da iluminação e o intervalo das trocas, também há a opção "Breathing", que faz com que as cores acendam e apaguem como se o mouse estivesse "respirando", daí o nome, inclusive; também há a opção de desligar as luzes.

Controle de teclas Logitech Linux

Os botões do mouse também podem ser configurados individualmente para fazer coisas diferentes, incluindo alguns macros prontos, ou modelos que você pode criar.

Controle de DPI Linux Mouse

A página inicial permite que você altere o polling rate do mouse, nesse caso entre 500 e 1000 Hz, e também faça modificações no DPI do mouse, que neste caso vai até 8000, podendo fazer ajustes intermediários em cada valor com uma barra deslizante, permitindo qualquer  valor desejado dentro do intervalo, até o máximo.

Não deixa nada a desejar


Você pode até dizer que o Piper não tem a interface mais linda de todas, mas definitivamente ela não é nada ruim e em termos de funcionalidades, não deixa nada a desejar em relação ao aplicativo da própria Logitech, o que o torna uma excelente alternativa de mouse para se usar com Linux. 

Antes de sair instalando o "libratbag" e o Piper para configurar o seu mouse, vale a pena consultar a lista de dispositivos suportados pelos desenvolvedores do driver, você pode fazer isso consultando o GitHub do projeto.

Será que a minha mira vai melhorar agora? Para descobrir, acesse o nosso canal na Twitch, tem live jogando no Linux todo dia por lá! 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como foi utilizar Ubuntu (Linux) em viagens?

Nenhum comentário
Quem costuma viajar com intenção de trabalhar, geralmente se preocupa com o chamado “computador de viagem”, o que sem dúvida é importante. Você precisa se preocupar com um bom hardware, bateria, peso, etc; mas o sistema operacional também é importante, afinal, é com ele que você vai trabalhar no fim das contas.

Como foi usar Linux para viajar





Eu já fiz alguns vídeos no canal sobre "Como comprar um bom laptop" que vale bastante a pena você conferir, um deles é sobre “como comprar um com notebook para estudos”, o outro é tem um propósito mais geral e tem a intenção de evitar que você caia no chamado “combo da desgraça”, mas como mencionei, a ideia aqui é comentar sobre o comportamento do sistema operacional para viagens, por isso, vamos a algumas informações importantes.

Como o computador foi usado? 


Recentemente eu fiz um viagem relativamente longa, fiquei cerca de 10 dias fora, peguei alguns voos, tive algumas boas horas de espera em aeroportos e tempos de descanso em quartos de hotel e coisas do tipo, tentei trabalhar com o computador sempre que a “internet” me favorecia.

O computador era potente o suficiente para fazer até mesmo edições de vídeo mais básicas, porém, meu uso primário realmente foi navegação na internet, com checagem de e-mails e redes sociais, aplicativos de comunicação como Slack, Messenger e Telegram, além de redação de texto e edição de imagens leve (com o GIMP).

Hardware e sistema operacional 


Para fazer a viagem, eu fiz uma formatação zerada com o Ubuntu 19.04 Disco Dingo, com ambiente gráfico GNOME (versão 3.32), rodando de maneira bem funcional em um laptop Lenovo Yoga 12, o qual já apareceu diversas vezes no canal.

Lenovo Yoga 12


O Ubuntu 19.04 tem uma versão do GNOME extremamente lapidada em relação a versão 18.04 LTS, e roda muito melhor com um Core i5 5200U, que possui uma Intel® HD Graphics 5500 (Broadwell GT2), um SSD de 240GB e 4GB de Memória RAM, além de uma SWAP de 2GB, que raramente é usada. 

O computador tem uma resolução relativamente baixa para os padrões atuais, porém, é o suficiente para fazer o trabalho que espero fazer com ele, 1366x768, em uma tela de 12 polegadas, sensível ao toque.

Modificações no Ubuntu e no GNOME


Apesar de eu testar utilizando o Ubuntu por simplesmente ser a distro mais popular em desktops e ser uma das minhas preferidas também, essas dicas provavelmente se aplicam a qualquer outro sistema que use a mesma versão do GNOME, como o Fedora 30 e o mais recente Manjaro.

Por padrão o Ubuntu 19.04 roda com o X.org, ele é o clássico servidor gráfico das distros Linux, é estável e funciona muito bem, mas, para quem usa drivers open source (caso de placas Intel e AMD especialmente), o Wayland já pode funcionar perfeitamente, salvo um ou outro aplicativo específico que, com sorte, você não precisará utilizar.
Na tela de “login” do Ubuntu é possível selecionar qual deles você prefere utilizar e sugiro que você utilize o Wayland (observe as suas necessidades, preferências e Apps que você utilize), ele consegue ser mais eficiente e deixar o GNOME mais fluido no Ubuntu em muitos casos, ao menos foi o que senti usando um computador como o que descrevi.

Tirando esta questão de uso do Wayland, eu praticamente não fiz modificações no Ubuntu, porém, fiz um ajuste e adicionei uma aplicação.

Aprendendo com quem hoje dá exemplo


Confesso que fiquei na dúvida sobre levar o Ubuntu ou o Pop!_OS como sistema operacional do meu computador de viagem e, apesar de ter ouvido falar muito bem do projeto da System76 e eu mesmo ter comprovado a sua qualidade, a verdade é que eu não tenho muito tempo de uso com ele para confiar 100% (sorry, quem sabe na próxima), então, coloquei o Ubuntu, que sei que nunca tenho problemas e se, eventualmente algo aparecesse (o que não aconteceu), eu saberia resolver facilmente.

Ubuntu vs Pop_OS


Apesar de não ter levado o Pop!_OS para a viagem, uma das características dele é, na verdade, muito interessante para essas circunstâncias. 

Se você viu a review da versão 19.04 do Pop!_OS no nosso canal, talvez lembre que mencionamos sobre um tal “gerenciador de bateria”, pois bem, como era de se esperar, a “vida” do computador fora da tomada é um ponto importante em uma viagem, por isso, achei interessante adicionar um software que mostramos aqui no blog recentemente chamado “Slimbook Battery Manager”, um software que faz a mesma coisa que as configurações do Pop!_OS, porém, é um App à parte e desenvolvido pela empresa Slimbook, responsável pela venda de Laptops com esta marca, especialmente na Europa.

Não vou explicar demasiadamente este App, pois temos um artigo completo sobre ele aqui no blog, como já mencionei, mas para você ter uma idéia, ele atribui perfis de bateria, como “Energy Saving”, “Balanced” e “Maximium Performance”, além de ter um modo avançado bem legal onde você pode configurar alguns detalhes. Colocando o computador no modo de economia de energia com esse software, ele reduz o brilho da sua tela também, o que por si só já ajuda.

Configuração de bateria Ubuntu


Recomendo desligar o brilho automático de tela que o GNOME tem no Ubuntu, você consegue fazer isso facilmente pelo painel de controle. Meu conselho, para poupar bateria neste aspecto é deixar o brilho com o nivel mais baixo possível que seja o suficiente para visualizar as atividades.

Essa configuração me deu mais de 6 horas de bateria, o que é uma coisa muito boa, porém, ela também reduz um pouco o desempenho do computador, por conta do aplicativo de controle de energia, que reduz o clock do CPU e pode desligar algumas outras coisas, como o Bluetooth e o Wi-Fi. Você também pode fazer configurações finas do perfil de energia se quiser, para escolher ligar e desligar o que bem entender.

Coisas de Wi-Fi Público


Um dos problemas de se acessar a internet em aeroportos é justamente o Wi-Fi público. Recomendo fortemente que você use o seu Smartphone para criar um “hotspot” privado com a sua internet móvel, com uma boa senha para acessar a internet. Não podemos esquecer que é bem simples configurar uma VPN no Ubuntu/GNOME, como uma OpenVPN que você tenha, mas penso que esse é um assunto para outro momento.

Internet Wi-Fi Grátis no Aeroporto


Quando você conectar a um Wi-Fi público usando Linux, de forma geral, você já está mais seguro, no entanto, não há Linux que segure um bom ataque de “phishing”. Engenharia social é feita para enganar você, usuário, e não adianta nada um sistema seguro se você mesmo se expor.

Não é tão difícil criar uma página de autenticação falsa com o nome de “Airport free Wi-Fi” ou algo assim como um AP e capturar alguns dados, por isso, preste atenção! 

Essas páginas de autenticação são bem comuns, porém, lembro que uma  fiz viagens com um Linux Mint e com um KDE Neon e a janela que normalmente se abre para que você possa ler os termos de conexão e conectar não aparecia. Lembro que na oportunidade fiquei rastreando o endereço do roteador que me dava esse acesso para poder digitar o IP dele navegador para acessar essa página e autenticar.
 
Tal problema nunca aconteceu comigo em distros GNOME e também no elementary OS, ao conectar em uma rede no tipo, uma janela que puxa o endereço http://nmcheck.gnome.org é aberta, caso você não veja nada na janela, mesmo depois de dar um "F5", é bem provável que você consiga acessar de qualquer navegador o endereço, como um Firefox ou um Google Chrome da vida, assim permitindo que você faça tal “login”.

Uma experiência tranquila


Não posso dizer que tive qualquer problema por estar usando o Ubuntu na viagem em qualquer situação. Levei comigo um sistema que roda todos os Apps dos quais eu preciso, ainda que tenha um hardware mais limitado, uma bateria que vem perdurando muito (até de forma surpreendente), com conexão tranquila com a internet, seja via Hotspot ou via Wi-Fi público. Não da pra dizer que não seja interessante abrir um laptop cheio de adesivos Linux em meio a um monte de macbooks e gerar alguns olhares eventualmente. 😀

Estou finalizando este texto do portão 211, Terminal 2 do Aeroporto de Guarulhos, São Paulo, antes de embarcar para a minha volta para casa, nesse exato laptop e com as configurações que descrevi.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Mark Shuttleworth: "...A comunidade ficou com raiva de ambos Unity"

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de maio de 2019

O então CEO da Canonical e criador do Ubuntu, Mark Shuttleworth, através de uma entrevista para o canal “TFiR: Open Source & Emerging Technologies” expôs sua opinião sobre diversos assuntos relacionados ao Ubuntu e consequentemente ao mundo Linux. Então saiba o que pensa Shuttleworth…

ceo-canonical-linux-ubuntu-mark-shuttlework-flatpak-appimage-snap-chromeos-padrão-unity7-unity8

Mark é conhecido por ter opiniões “fortes” e plenas convicções em sua forma de pensar, algo que aprecio, porém pensar “fora da caixinha” ou ser enfático em algo pode gerar situações não tão agradáveis, ainda mais quando lidamos com seres humanos. Logo abaixo você verá as partes que mais me chamaram atenção, da breve entrevista.

Porque o desktop Linux/Ubuntu falhou?


Esse é basicamente um dos questionamentos feitos à Mark e o mesmo fala sobre a dificuldade de enfrentar um público tão exigente, composto em sua maioria por desenvolvedores de software. Mas porque é difícil agradar aos usuários Linux? Parece que isso está relacionado a maleabilidade e poder que o Linux acaba dando aos usuários que é “um público que gosta de mudar as coisas, têm suas próprias opiniões e não quer o mesmo que os outros”, diz ele. Ainda sobre o mesmo assunto, Mark afirma que não adianta argumentar e dizer que por exemplo: “esta é a melhor mesa”, pois a resposta será algo como: “não é a melhor para mim”. Realmente devido a pluralidade de escolhas nós usuários de Linux, acabamos customizando/adaptando o sistema ao nosso uso, entretanto mesmo que sejamos criteriosos não vejo isso como um real impedimento. Afinal, todo usuário consciente tem dentro de si um bom senso do que é bom para um todo. Ao menos eu sou assim e você também pensa assim? (❔❓❔) 

Sobre o Unity, Shuttleworth diz ter aprendido a lição: “Eu achava que estávamos fazendo um trabalho realmente bom, um ótimo trabalho, mas as pessoas não gostavam de ser pressionadas, então agora eu penso em dar suporte ao GNOME, KDE, MATE; e dar aos desenvolvedores a liberdade de escolher o que quiserem”.

Outra descoberta é saber que Shuttleworth gosta bastante do Chrome OS, e acredita que o “não sucesso do Linux nos desktops” foi devido “...não inventamos nada no desktop Linux que foi muito avançado em seu tempo” ao contrário da Google com sua distro Linux. “Eu amo o que os caras do Chrome OS fazem , porque é essencialmente uma visão futurista do desktop como uma extensão da web, e é por isso que eles merecem seu sucesso, porque estavam dispostos a criar algo que não existia em um mundo onde para maioria das pessoas a área de trabalho é algo que se parece com o Windows”. E “Na comunidade de software livre, só nos permitimos falar sobre coisas que se parecem com algo que já existe e estamos nos definindo como uma série de bifurcações e fragmentações ", diz ele. 

O “engraçado” deste último comentário de Mark, é que isso se parece muito com o atual posicionamento da Canonical, dá para perceber que ele ainda sente “um aperto no peito” por ter “abandonado” a ideia de convergência no Ubuntu. Isso evidencia-se num trecho da entrevista, logo após falar que a comunidade não se permite coisas novas: "Foi algo que achei muito difícil com o Unity, porque pensei que articulamos uma visão de convergência ... e creio que acontecerá; E que o iOS e o Mac vão convergir. Estávamos dez anos à frente, mas a comunidade não nos deixou fazer isso, o que é loucura".


Mas o que acho interessante é que a comunidade ficou com raiva de ambos Unity. E não entendo esse comportamento”.

Talvez eu (HenriqueAD) estivesse em uma bolha, porém mesmo ouvindo reclamações sobre o Unity, num aspecto geral sempre o vi como “a cara do Ubuntu”. Sei que fora do mundo Linux, o Unity era algo que chamava a atenção, ele foi justamente um dos motivos de me aproximar do Ubuntu. Outro aspecto é que de fato a comunidade criticava fortemente o projeto do Unity 8, todavia a Canonical “deu alguns motivos”, justamente por adiar várias vezes o seu lançamento, criando uma desconfiança sobre o quão maduro e bom seria a interface. Não esqueçamos que o Unity 8 nos foi “vendido” como algo revolucionário, a tão “endeusada” convergência. 

Entendo que deve ser difícil trabalhar em algo e pessoas criticarem o tempo todo, só que damos tanto peso as críticas que abafamos os elogios. E no meu ponto de vista esse foi o erro de Mark, claro que seus esforços no desenvolvimento do Unity 8 e Ubuntu Phone estavam criando um rombo nos cofres da empresa. Me parece que ele esperava maior engajamento da comunidade e no desenvolvimento, que abraçassem a ideia, talvez isso teria evitado “o rio de dinheiro desperdiçado no projeto”. Alegar que “a comunidade não nos deixou fazer isso” é algo muito forte. Nem sempre ideias boas são abraçadas pelas massas, mas afirmar que a “culpa” foi da comunidade, me soa muito estranho.

Linux e sua fragmentação


Ao ser questionado sobre a fragmentação no desktop Linux, de projetos que são “teoricamente” redundantes, que apenas um seria necessário (Snap, Flatpak e AppImage são exemplos citados), Shuttleworth respondeu: “Creio que uma das grandes coisas no Linux e software livre é que ela atrai pessoas que querem ser diferentes , que querem mudar as coisas. Isso é genial, é um grupo incrivelmente engenhoso, mas torna um pouco difícil conseguir o que você está pedindo, para criar algo que funcione para todos”.

Outra pergunta feita a Mark, foi sobre a imensidão de distribuições Linux, e se apenas uma não seria melhor. O criador do Ubuntu logo respondeu que isso só seria possível se o Linux tivesse sido de código fechado, e não seria de fato Linux. 

Muitas pessoas “não param para refletir” o quanto é caro desenvolver o Linux, que ele só foi possível como é hoje, graças aos milhões de dólares de diversas empresas envolvidas, desenvolvedores e a comunidade. Sem isso até poderia existir algo semelhante, mas não tão gigantesco e dominando diversos setores e mercados como o pinguim. Seu “aparente fracasso” apenas foi no desktop, e como tudo, tendemos a olhar apenas o “lado mais fraco” de determinada coisa ou situação.

Logo abaixo está a entrevista em inglês, com Mark Shuttleworth.


E você o que achou sobre a entrevista? Continue esse assunto em nosso fórum

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Slimbook Battery 3 uma alternativa para gerenciar a energia da bateria do seu notebook com Ubuntu e Linux Mint

Nenhum comentário
Muitos usuários de Linux, muito provavelmente usam notebooks, buscando mobilidade e comodidade em poder fazer o seu trabalho onde for. E bateria é um item de extrema importância, pois um sistema que balanceia consumo de energia com performance é extremamente útil. O Slimbook Battery 3 vem para ajudar.

 Slimbook Battery 3 uma alternativa para gerenciar a energia da bateria do seu notebook com Ubuntu e Linux Mint






A empresa espanhola Slimbook vende notebooks com Linux instalados neles, podendo ser com Kde Neon, Mint, Ubuntu além de venderem com Windows também.

E um dos apps deles que se destacam, é o que faz o gerenciamento da bateria dos seus notebooks, mas que pode ser usado em qualquer hardware de outro fabricante. Dentro da aba informações da aplicação, eles deixam bem um agradecimento ao pessoal do TLP, NVIDIA, AMD e Intel, a mensagem é:

“Agradecimentos especiais para TLP (© 2019, linrunner), Nvidia, AMD e Intel por nos oferecer as ferramentas necessárias para tornar isso possível!”.



Mas vamos para o que interessa, que é a instalação do Slimbook Battery 3. Por hora ele só está disponível via ppa, então somente Ubuntu, Linux Mint e afins vão conseguir instalar ele. Para adicionar o ppa, você tem duas formas, uma de forma gráfica e a outra via terminal. Da forma gráfica ensinamos neste artigo bem completo. No terminal, basta copiar e colar os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:slimbook/slimbook

sudo apt-get update

sudo apt-get install slimbookbattery -y

Feito o procedimento acima, basta esperar e reiniciar o sistema para que as configurações sejam aplicadas.
Eles recomendam não utilizar junto com o Slimbook Baterry 3 nenhum outro app que faz o mesmo gerenciamento, pois podem entrar em conflito e não funcionar.




Eles ainda disponibilizam um manual (em inglês) mostrando “tim-por-tim” cada função do app. Vale a pena conferir. O código fonte do app é disponibilizado via GitHub e Launchpad.

Falando em gerenciamento, também fizemos um artigo de como instalar uma interface gráfica para o TLP, que você pode conferir aqui

Muito útil ter mais de uma ferramenta para essa finalidade, ainda mais de quem vende notebooks com Linux e ainda disponibiliza para uso em outros equipamentos, isso ajuda e muito quem precisa “esticar” a bateria. Uma “mão na roda”.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja o novo codinome do Ubuntu 19.10 e de todas as versões já lançadas

Nenhum comentário

quarta-feira, 8 de maio de 2019

O Ubuntu 19.04 foi lançado há pouquíssimo tempo, e a Canonical já está em pleno vapor com o desenvolvimento da próxima versão de seu sistema. E há uma curiosidade nos lançamentos do Ubuntu, seus codinomes peculiares, então saiba qual o nome da próxima versão da distro mais famosa do mundo Linux. (Não me crucifiquem, acessem essa matéria e entenderão a afirmativa).


O Ubuntu tem como costume utilizar uma combinação de nomes para os codinomes de suas versões. Essa "brincadeira" é uma "marca registrada do Ubuntu", sendo utilizado pela distribuição desde seu primeiro lançamento em Outubro de 2004.

Como "via de regra" o nome é composto de um adjetivo mais um animal que seguem o alfabeto e ambas possuem as mesmas iniciais, e são combinações um tanto que inusitadas. Veja loga abaixo todos os codinomes do Ubuntu (até o momento).


Versão Codinome Data de lançamento
Ubuntu 4.10 Warty Warthog 20 de outubro de 2004
Ubuntu 5.04 Hoary Hedgehog 8 de abril de 2005
Ubuntu 5.10 Breezy Badger 13 de outubro de 2005
Ubuntu 6.06 LTS Dapper Drake 1 de junho de 2006
Ubuntu 6.10 Edgy Eft 26 de outubro de 2006
Ubuntu 7.04 Feisty Fawn 19 de abril de 2007
Ubuntu 7.10 Gutsy Gibbon 18 de outubro de 2007
Ubuntu 8.04 LTS Hardy Heron 24 de abril de 2008
Ubuntu 8.10 Intrepid Ibex 30 de outubro de 2008
Ubuntu 9.04 Jaunty Jackalope 23 de abril de 2009
Ubuntu 9.10 Karmic Koala 29 de outubro de 2009
Ubuntu 10.04 LTS Lucid Lynx 29 de abril de 2010
Ubuntu 10.10 Maverick Meerkate 10 de outubro de 2010
Ubuntu 11.04 Natty Narwhal 28 de abril de 2011
Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot 13 de outubro de 2011
Ubuntu 12.04 LTS Precise Pangolin 26 de abril de 2012
Ubuntu 12.10 Quantal Quetzal 18 de outubro de 2012
Ubuntu 13.04 Raring Ringtail 25 de abril de 2013
Ubuntu 13.10 Saucy Salamander 17 de outubro de 2013
Ubuntu 14.04 LTS Trusty Tahr 17 de abril de 2014
Ubuntu 14.10 Utopic Unicorn 23 de outubro de 2014
Ubuntu 15.04 Vivid Vervet 23 de abril de 2015
Ubuntu 15.10 Wily Werewolf 22 de outubro de 2015
Ubuntu 16.04 LTS Xenial Xerus 21 de abril de 2016
Ubuntu 16.10 Yakkety Yak 13 de outubro de 2016
Ubuntu 17.04 Zesty Zapus 13 de abril de 2017
Ubuntu 17.10 Artful Aardvark 19 de outubro de 2017
Ubuntu 18.04 LTS Bionic Beaver 26 de abril de 2018
Ubuntu 18.10 Cosmic Cuttlefish 18 de outubro de 2018
Ubuntu 19.04 Disco Dingo 18 de abril de 2019
Ubuntu 19.10 Eoan Ermine ?? de Outubro de 2019
Ubuntu 20.04 LTS ??? ?? de Abril de 2020

Como noticiado aqui no blog Diolinux, através das daily builds do Ubuntu 19.10, ficamos sabendo a primeira parte do codinome do sistema, sendo o adjetivo “Eoan”. O nome me chamou a atenção, tendo segundo o dicionário Collins um significado como: “de, ou relativo a, o amanhecer”. Em outros dicionários o adjetivo é relacionado a “do leste”, e ao escrever o post sobre o desenvolvimento inicial do Ubuntu 19.10, logo me veio à mente a segunda parte do nome (que julgava ser um forte candidato), “Eagle”. A lógica era simples: “relativo a o amanhecer, do leste”, pensei no Sol e sua relação com o leste e o lado do nascente e poente do Sol. O “amanhecer” também remetia a nossa grande estrela amarela que fortalece os kryptonianos (essa fica para os geeks 😁😁😁). Logo o animal com a inicial “E” e que majestosamente se aproxima do Sol, era a águia. Veja a capa que fiz com essa ideia na cachola.



Eu não poderia estar mais equivocado (erroooooou), o novo codinome do Ubuntu 19.04 é “Eoan Ermine”. Parece que a imponente águia não foi a resposta correta. O animal Ermine, é um tipo de doninha de rabo curto, também conhecida como “Arminho”, mas que tem como nome científico Mustela erminea L., 1758. O animal é característico das florestas temperadas, árticas e sub-árticas da Europa, Ásia e América do Norte.


O Arminho é comumente usado em outros países para descrever uma pessoa com casaco ou pele muito branca, pois as espécies de localidades que atingem baixas temperaturas possuem um pelo branco como a neve. Outra curiosidade é que o pelo do Arminho é usado para revestir as vestes de importantes figuras que se sentam na Câmara de Lordes britânicos.

O que podemos esperar do Ubuntu 19.10?


Sem sombra de dúvidas essa versão é muito importante para a próxima versão “Stable” do sistema, afinal ela antecede o Ubuntu 20.04 LTS. O Ubuntu 19.10 é “a última” chance de algum recurso novo entrar no 20.04, que é focado em estabilidade, sendo o 19.10 a porta de entrada para novidades e experimentações.

No momento já sabemos que o Ubuntu 19.10 contará com o Gnome 3.34, uma tela inicial de boas-vindas renovada, suporte à instalação do ZFS etc.

Está ansioso para o lançamento do Ubuntu 19.10? Que tal continuar esse assunto lá em nosso fórum Diolinux Plus? Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Qual distro Linux é a mais popular? (sem achismo)

Nenhum comentário
O mundo Linux é repleto de opções, que agradam diversos tipos e níveis de usuários, e sempre existe aquele sistema que por algum motivo temos uma maior afinidade. Às vezes por uma paixão acabamos por ficar presos em uma bolha e não enxergar sua real popularidade.

distro-distribuição-linux-popular-maior-mais-famosa

Como medir a real popularidade de uma distribuição Linux? Eis a questão. Mensurar a quantidade de usuários no Linux não é uma tarefa tão simples, visto que não existe um controle de quantos usuários estão utilizando distro X ou distro Y, e mesmo se tivesse isso seria apenas nichado as distribuições que fizessem esse controle.

"A falsa popularidade do Distrowatch" 


Não é difícil encontrarmos usuários Linux que pautam a popularidade de um sistema baseado em Linux, de forma única e exclusivamente pelo site Distrowatch. E isso é um erro tremendo, sabe o porquê? A resposta é um tanto quanto simples, pois o Distrowatch mede o número de pesquisas dentro do próprio site sobre determinada distribuição. Como medida de popularidade, não podemos nos embasar pelo Distrowatch, afinal as distribuições nas posições altas da plataforma, ali estão por apenas quem conhece o site, e convenhamos nem toda pessoa que ouviu sobre Linux ou usa, vive pesquisando no Distrowatch. Agora um site como o Google, é bem mais provável tirarmos uma base interessante de dados, pois quem não pesquisa nele? (Sei que existem as exceções, mas galera isso é o mínimo do mínimo, as massas utilizam fortemente o buscador da gigante das buscas).

Veja a popularidade de um site com o Alexa


O Alexa é um serviço da Amazon, na qual várias informações relevantes podem ser levantadas, como a posição de um determinado site mundialmente, rank dentro de cada país, países que ele mais tem popularidade e muito mais. Com o auxílio desta ferramenta, dados pertinentes do quão acessado o site da distro é, nos dá indícios de sua popularidade, ao compararmos com outros sites de outros sistemas Linux.

Efetue seus testes com alguns sites oficiais das distros, e veja qual distribuição tem uma maior popularidade, com base no ranking de seu site.

Como exemplo veja os sites das distribuições: Fedora, Ubuntu, Linux Mint e Manjaro. E o comparativo do ranking global de cada um (quanto menor o número, mais alto a posição).

Fedora: posição global em 43,291.

Ubuntu: posição global em 1,893.

Linux Mint: posição global em 3.924.

Manjaro: posição global em 17.680.

Levando como base o ranking mundial, segundo o Alexa, o site do Ubuntu tem maior popularidade entre os demais.

Claro que você não deve apenas se basear em um site, então a ferramenta a seguir é um ótimo complemento.

Compare as pesquisas com o Google Trends


Uma poderosa ferramenta, e julgo eu, ser a melhor para mensurar a popularidade de qualquer sistema (ou o que for) é o Google Trends. Com ele você poderá ver gráficos com os comparativos das pesquisas, sejam elas mundiais ou do nosso país. Filtrar determinadas informações e na prática observar o quão pesquisado, e consequentemente popular, um sistema é. Como o Google é o buscador mais utilizado do planeta, a assertividade dos dados é extremamente alta e ilustra muito bem o tema desta matéria (Além de obter dados de outras fontes como o YouTube).

Utilizando os mesmos sistemas, que acima comparamos, o Fedora, Ubuntu, Linux Mint e Manjaro. Veja o quão popular o Ubuntu é comparado aos demais sistemas.

distro-distribuição-sistema-linux-mais-procurado-pesquisado-google-ubuntu-fedora-mint-manjaro

A diferença de popularidade é gigantesca, assim fica evidente o porquê de em muitos casos, pessoas que são leigas quando o assunto é Linux, acharem que o Ubuntu é sinônimo de Linux.

Mídias sociais e comunidade


Outra forma que pode ser um "plus" ao medir a popularidade de uma distribuição, é ver o engajamento de outras pessoas em comunidades e redes sociais. Ver o número de seguidores nas contas oficiais das distros Linux é uma maneira de observar o quão interessadas estão as pessoas. E num somatório geral, esse é o tipo de dado que não pode ficar de fora.

Popularidade não quer dizer superioridade 


Não me entenda mal, mensurar e demonstrar com dados (e não achismo ou "fanboyzisse") que o Ubuntu é o sistema Linux mais popular, de forma alguma descaracteriza a qualidade e trabalho dos demais sistemas baseados em Linux. Com isso podemos observar que sim! O Ubuntu é a porta para muitos usuários, devido grande parte a sua popularidade. E o porquê de tal popularidade? Não sei dizer especificamente. Talvez tenha sido a sua tática inicial de oferecer CD's de instalação, ou as ferramentas que traziam facilidades ao usuário. O Unity 7 que tornava sua DE diferente dos demais sistemas. Não sei, só podemos testemunhar que os dados são estes.

Que tal um vídeo super completo, e com mais detalhes sobre tais ferramentas e o assunto: "popularidade das distros"? Então assista esse material com diversos comparativos e veja na prática todo o conteúdo deste post (e mais).


Continue esse assunto em nosso fórum Diolinux Plus. Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o utilitário HPLIP 3.19.3 para gerenciar Impressoras e Multifuncionais da HP no Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Hoje em dia, muitas distros já instalam e gerenciam as impressoras, e uma das marcas mais populares é a HP. Por padrão a distros já trazem os drivers no Kernel Linux. Vale salientar também que a HP faz parte dos membros “Silver” da Linux Foundation, como noticiamos neste artigo.


 Como instalar o utilitário HPLIP 3.19.3 para gerenciar Impressoras e Multifuncionais da HP no Linux






O que muitos que chegam ao mundo Linux não sabem, é que existe um utilitário para gerenciar os produtos de impressão da HP, chamado de HPLIP.




Você não obrigatoriamente precisa utilizá-lo, visto que o aplicativo “Impressoras”, que provavelmente acompanha a sua distro e faz uso do CUPs pode dar conta do recado para a maior parte das coisas, porém, se quiser um “algo a mais” com as impressoras da empresa, o HPLIP é a sua opção.

Nesta nova versão do software, foi acrescentado o suporte para o Fedora 29(64-bit), Open Suse 15(64-bit),  Manjaro 18.0(64-bit), RHEL 7.6(64-bit), Debian 9.7(64-bit), LinuxMint 19.1(64-bit) e Ubuntu 18.10(64-bit). Para instalar ele, você tem algumas opções.

A primeira é buscar no gerenciador de pacotes da sua distro por “hplip”, e nesse caso a versão pode variar.. Por exemplo, no Ubuntu 19.04 ainda está na versão 3.19.1 e a versão nova não pode ser instalada corretamente (durante os testes para este artigo).

A segunda forma é baixar o .run do site da HP para a sua distro e instalar ele pelo terminal (que não é nenhuma “Guerra Infinita”).



Depois de baixar o .run, você precisa dar as devidas permissões. Salve na pasta que quiser, mas recomendo salvar em alguma que você tenha acesso fácil e com permissões de modificação, como a sua pasta home, ou a sua pasta de downloads 

Para dar permissão de execução ao instalador, basta fazer como na imagem abaixo. Clique com o botão direito sobre o arquivo, vá até “propriedades” e na aba de “permissões”, marque a caixa que permite a “execução como um programa”, conforme indicado.



Depois disto, abra um terminal na pasta onde está o arquivo .run que você baixo. Isso pode ser feito geralmente clicando com o botão direito em um espaço em branco na pasta e selecionando a opção “abrir em um terminal” no menu de contexto que aparecer, ou algo similar.

No terminal que se abrir, você deve digitar o seguinte comando: rodar o seguinte comando

./hplip-3.19.3.run

Aí é só esperar as instruções no terminal e segui-las.

Nesta nova versão, foi adicionado o suporte a esses novos modelos:

-HP OfficeJet Pro All-in-One 9010 
-HP OfficeJet Pro All-in-One 9020
-HP OfficeJet All-in-One 9010
-HP PageWide XL 4100 Printer
-HP PageWide XL 4100 MFP
-HP PageWide XL 4600 Printer
-HP PageWide XL 4600PS MFP
-HP Color LaserJet Managed MFP E77422a
-HP Color LaserJet Managed MFP E77422dv
-HP Color LaserJet Managed MFP E77422dn
-HP Color LaserJet Managed MFP E77428dn
-HP LaserJet MFP E72425a
-HP LaserJet MFP E72425dv
-HP LaserJet MFP E72425dn
-HP LaserJet MFP E72430dn
-HP LaserJet Managed MFP E62655dn
-HP LaserJet Managed MFP E62665hs
-HP LaserJet Managed Flow MFP E62665h
-HP LaserJet Managed Flow MFP E62675z
-HP LaserJet Managed Flow MFP E62665z
-HP LaserJet Managed E60155dn
-HP LaserJet Managed E60165dn
-HP LaserJet Managed E60175dn
-HP Color LaserJet Managed E65150dn
-HP Color LaserJet Managed E65160dn
-HP Color LaserJet Managed MFP E67650dh
-HP Color LaserJet Managed Flow MFP E67660z

Para efetuar o download do HPLIP 3.19.3 baixar clicar aqui ou aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo