Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador analise. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador analise. Mostrar todas as postagens

Embutils - Uma alternativa aos comandos padrões do seu Linux

Nenhum comentário

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Embutils, assim como o "coreutils", do projeto "GNU", é um pacote que possui um conjunto de comandos para a administração do sistema. Como descrito no site oficial do embutils, a maioria do userland tipico do "Unix" vem ou do projeto "GNU", ou da galera do "BSD". Essas fontes são antigas e otimizadas para recursos, mas não para manter seu tamanho reduzido, e agora que os computadores são rápidos o suficiente e possuem muita RAM, implementações se tornam cada vez maiores.

Embutils





Essa é a maior diferença entre o "coreutils" do GNU e o "embutils", pois o "embutils" é pensado em manter o tamanho final do seu binário  bem reduzido mesmo nos tempos atuais, porém mantendo as mesmas características de recursos dos projetos anteriores citados.


Para dispositivos embarcados o "embutils" seria um prato cheio (que é o propósito primário que o "embutils" foi pensado), porém podemos utilizá-lo em desktops e servidores ou sei lá aonde mais.

Eu disse seria? SIM! Dois motivos que o atrapalhariam na adoção para embarcados é que seu desenvolvimento parou já faz quase dez anos e isso poderia gerar desinteresse por parte de desenvolvedores (como também pode ser que não). A "dietlibc" recebeu seu ultimo suporte pelo projeto oficial há cinco anos atrás, porém a biblioteca continua sendo utilizada por outros projetos como as próprias distribuições Debian e Ubuntu. Podemos verificar que a dietlibc ainda consta nos repositórios:

dietlibc-no-repositório-do-ubuntu-mate
É uma biblioteca incrível que mantem o tamanho final do binário muito enxuto e possui suporte a uma boa quantidade de arquiteturas.







O segundo motivo é que com o declínio da GPL (como pode ser lido clicando aqui), isso pode ser um motivo para afastar o interesse de empresas e projetos.

O "embutils" possui também o comando "uname" assim como o "coreutils" do "GNU" e o como o "toybox" (nenhum dos três compartilham códigos iguais, sendo totalmente escritos do zero) e sua saída do comando "uname" do "embutils" também não consta o termo "GNU/Linux" em nenhuma de suas opções (assim como não consta nas saídas do "toybox" como pode ser lido no artigo Como conheci o Alpine Linux). Gostem de saber disso ou não, mas o termo "GNU/Linux" no comando "uname" do "coreutils" foi uma forma que a FSF fez para se promover e querer que as pessoas chamem o sistema operacional.

comando-uname-do-embutils-utilizado-para-verificar-o-sistema-operacional

Bom, por hora é só e em breve falaremos do conjunto de comandos para o mesmo propósito do sistema operacional "Plan9" ;)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Analisamos o Solus OS 1.0, a versão final do sistema

Nenhum comentário

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

O Solus OS é um sistema operacional que tem chamado a atenção das pessoas pelo seu ambiente gráfico diferenciado e por ser feito do zero, desta vez nós avaliamos a versão final que saiu recentemente.

Solus OS review

O Solus é um sistema muito interessante, o principal destaque da distro é sem dúvidas o belíssimo e simplista Budgie Desktop. Nós havíamos feito uma review da versão beta do sistema no ano passado, porém notavelmente ele mudou muito de lá para cá, vamos conhecer agora os principais destaques da distribuição.



O que você achou do Solus OS? Pretende utilizar o Solus como seu sistema operacional padrão?
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Testamos o DuZeru GNU/Linux, a nova distribuição Linux brasileira

Nenhum comentário

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Depois de apresentar o sistema operacional para vocês na semana passada através de uma entrevista com o criador da distribuição, chegou a hora de ver o que o sistema tem para oferecer efetivamente, vamos dar uma olhada no DuZeru GNU/Linux mais de perto.

DuZeru GNU/Linux Review

Uma semana com o DuZeru


Analisar os sistemas operacionais leva um pouco de tempo, nem sempre conseguimos ficar o tempo necessário com um sistema para extrair as principais características, por este motivo é que esta review demorou tanto tempo para sair e eu sei que vocês estavam ansiosos para conhecer a nossa opinião sobre o sistema, então aqui vai!

Ficamos por cerca de uma semana usando o sistema para fazer as tarefas básicas, edição de textos, navegação na internet, edição de imagens com o GIMP (OK, isso não é tão básico), em fim, resumidamente o sistema se comporta bem, para cerca de uma semana de uso se mostrou estável, claro que isso é pouco tempo se comparado a quanto tempo você espera usar um sistema sem formatar, o Ubuntu 14.04.3 LTS do meu Notebook está lá há quase um ano e meio, então no quesito estabilidade à longo prazo ainda há o que questionar, no mais você verá as nossas impressões no vídeo abaixo, mostrando alguns pontos negativos e os pontos positivos e interessantes do sistema.


Começamos "DuZeru" os papos da comunidade


Começamos com o trocadilho infame do nome, para dizer que vamos falar desde o início, acredito que se você já viu a entrevista com o criador do sistema e a nossa análise no vídeo logo acima você já sabe praticamente tudo o que tem que saber para pelo menos testar o sistema operacional, mesmo assim, tenho algumas coisas a acrescentar no que podemos chamar de "pós review", se é que isso existe, se não existe acabamos de fundar um novo segmento! =D

De qualquer forma, observando os comentários feitos nas redes sociais, aqui no blog mesmo e também no vídeo, eu pude notar a presença de algumas pessoas criticando o sistema por ser "mais do mesmo", argumentando que "seria melhor assistir o filme do Pelé ajudar um projeto já existente", que "isso atrapalha o Linux", etc, etc, etc.

Nunca se sabe de onde sairá o novo "Ubuntu"


Por mais que a choradeira dos mais radicais defensores do software livre seja grande  em relação ao Ubuntu por "n" motivos, convenhamos que o Ubuntu é o sistema operacional baseado em Linux com maior sucesso no Desktop e ponto final, acredito que boa parte do sucesso do sistema seja devido ao seu equilíbrio entre o "mundo aberto" e o "fechado", atualmente ninguém consegue viver de maneira orgânica só com softwares de código aberto ou só com softwares de código fechado, se alguém consegue é porque se força a isso. Nunca se sabe de onde vai sair um novo projeto para concorrer com o Ubuntu, matar algum antes mesmo de ele se desenvolver, é simplesmente retirar um competidor da corrida.

Mas o que o DuZeru tem a ver com o Ubuntu? 


Atualmente não muita coisa, além de ser baseado no Debian e te der a proposta de usar "user frindly", mas toquei no assunto para abordar outro correlato, o fato de muitas pessoas criticarem atualmente qualquer iniciativa de se criar uma nova distribuição, vejo isso especialmente nos projetos brasileiros, por mais estruturados que eles tentem ser o termo "refisefuqui" acaba aparecendo eventualmente. 

Este termo é usado para designar sistemas baseado em Linux que apenas remasterizam outra distribuição, é uma brincadeira que quer dizer "Remasterizações de finais de semana e fundos de quintal", ou simplesmente "Refisefuqui".

Por isso vamos deixar algumas coisas claras para que possamos debater o assunto de maneira saudável, ainda pretendemos fazer um vídeo sobre o assunto, mas ele veio a calhar.

O que é uma distro Linux?


É um sistema operacional com núcleo Linux, qualquer um, se tem o Kernel Linux é uma distro, remasterizações também são distros por possuirem um Kernel Linux.

O que é uma remasterização de sistema?


É basicamente você pegar um sistema pronto, com programas e repositórios que já fazem parte originalmente da distribuição e fazer uma modificação sobre ela sem necessariamente acrescentar funcionalidades. Todas as remasterizações "são Linux", mas nem todo Linux é uma remasterização. Um bom exemplo de remasterização é o nosso "Diolinux OS".

A característica mais notável de uma remasterização é que ela vai receber atualizações de acordo com a distro Linux em que se baseia. Ao contrário de um sistema mais "independente" que controla seus próprios pacotes.

Remasterizações ajudam no crescimento do Linux?


Neste tanto muitos vão dizer que "não", mas pensando bem, foi justamente essa característica do Linux que nos trouxe até aqui, é justamente por haverem remasterizações que grandes projetos nasceram, o Linux Mint foi só uma remaster do Ubuntu em seu início, assim como o Ubuntu foi só uma remaster do Debian também em seu princípio, e hoje os vemos como os dois principais sistemas para usuários "comuns", se alguém os tivesse impedido simplesmente por serem remasterizações, quem sabe não teríamos as facilidades que ambos nos trazem hoje em dia, não acha?

Remasterizações também conseguem atender um nicho específico, existem vários exemplos e em vários segmentos possíveis da tecnologia, entretanto, há algo que eu tenho de concordar, antes de criar qualquer sistema é importante levar em consideração se o que você pretende criar não pode ser atendido por outro sistema da mesma maneira que você pensa em atender os usuários que eventualmente irão usar o seu sistema, dependendo de como for, é possível pensar bem se vale a pena ou não fazer um sistema, mas uma vez ele feito, sendo um projeto sério, você vai criando diferenciais aos poucos, como foi com o Mint e com o Ubuntu, então aos críticos de sistema "remasterizados", eu peço para que não deixem a oportunidade de apoiar um produto nacional (nós brasileiros damos muita importância ao que vem de fora) simplesmente por achar que "não vai vingar", você pode até não usar ou gostar do sistema, mas propaganda negativa é totalmente desnecessário.

Um bom exemplo dessas adaptações que se tornam algo relevante é outra distribuição brasileira que nós também fizemos uma review chamada de Metamorphose Linux, que é uma opção interessantíssima para quem quer algo ligado diretamente ao Debian e que use KDE como interface gráfica e de bônus, que ainda venha recheada de ferramentas a ponto de você simplesmente não precisar instalar praticamente nada e sair usando.

Quem não faz nada pra mudar o mundo está sempre muito empenhado em provar que a pessoa que faz alguma coisa está errada —melhor seria se usasse essa energia para tentar mudar, de fato, alguma coisa. Como diria minha avó: não quer ajudar, não atrapalha.

Quem precisa de Microsoft para "melar" os planos de uma distro se os próprios usuários Linux entre si já fazem isso né?
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Site comenta as primeiras impressões do SteamOS e das Steam Machines

Nenhum comentário

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Popular entre os gamers de Linux, o site Gaming On Linux publicou uma matéria sobre as suas considerações a cerca do SteamOS e das Steam Machines depois de alguns testes.

SteamOS
Imagem: GoL

Ainda pode melhorar


O SteamOS e as Steam Machines finalmente estão em circulação, finalmente o dia chegou, mas agora que ele está no mercado consumidor ele será também criticado e como qualquer produto, precisará ser melhorado com o tempo, mas mesmo assim, podemos dizer que  a Valve começou bem.

A análise feita pelo "Gaming on Linux" relevou algumas coisas das quais eu já suspeitava e algumas que pude testar já, mesmo em máquina virtual.

A instalação do sistema é simples, "não tão simples quanto a do Ubuntu" eles relatam, mas ainda assim há poucos desafios para quem nunca instalou um sistema Linux, o único empecilho parece ser a parte da instalação onde é necessário indicar a partição onde será instalado o gerenciador de Bootloader GRUB. 

De maneira geral o relato é de que o uso é tranquilo, apesar de alguns problemas que comentaremos em seguida, a maneira de se navegar pelo sistema e pela loja Steam é melhor do que a loja do PlayStation 4 (segundo o relato), entretanto há alguns problemas que temos de considerar e precisam ser melhorados.

Tudo bem o que SteamOS não é feito para ser usado como Desktop, então o ambiente Gnome fica escondido, mas o curioso é que mesmo conectando um mouse e um teclado, o mouse não respondeu até o controle ser conectado também, não sabemos se isso é intencional ou um bug mas que é estranho, isso sem dúvida.

Outro ponto negativo, segundo as informações, é que o sistema de VOIP do SteamOS estava incrivelmente ruim, algo que eu considero relativamente bom na versão desktop. Um outro bug relatado é que o sistema mostra na biblioteca do usuário os games não compatíveis também, ou seja, se você tem também jogos que são exclusivos do Windows o SteamOS estava os mostrando também apesar deles não serem jogáveis.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Testamos o Xubuntu Core, a versão ainda mais enxuta do Ubuntu com XFCE

Nenhum comentário

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

O Xubuntu Core é na verdade uma meta-pacote do Xubuntu, a versão do Ubuntu que vem com o ambiente gráfico XFCE, apesar de poder ser baixado em formato ISO ele pode ser simplesmente instalado no Ubuntu convencional a partir da versão 15.04, confira a nossa review sobre ele.

Xubuntu Core

O Xubuntu ainda mais enxuto


É uma variação interessante do Xubuntu, consigo imaginar algumas funcionalidades para esta versão específica, mas vamos deixar você com a análise, assim você conhece e tira as suas dúvidas.


Descrição do vídeo

Poucas aplicações, um sistema básico, este é o Xubuntu Core, uma versão simplificada do Xubuntu tradicional apenas com a base do XFCE Desktop.

Xubuntu Core para games: http://goo.gl/XsHhhZ

Faça o download: http://goo.gl/ujHcgR

Acesse a nossa loja: http://www.diostore.com.br

Conheça o nosso Patreon; https://www.patreon.com/Diolinux

Anuncie no Diolinux: http://goo.gl/BWsafD

- Acesse o site: http://www.diolinux.com.br
- Android App: http://goo.gl/DTVt7I
- Assine o nosso Feed:http://goo.gl/w6418F
- Diolinux na Google Play Banca: http://goo.gl/qCJQqr

Contato:blogdiolinux@gmail.com
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Lubuntu 15.04 - Review [VIDEO]

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Análise completa da distribuição Linux "Lubuntu", esta distro é baseada no Ubuntu porém ele tem uma interface extremamente leve chamada LXDE, confira os detalhes e conheça melhor o sistema.

Lubuntu - Review

Análise do Lubuntu 15.04


Este é um dos quadros do canal do Diolinux que vocês mais gostam, desta vez a distribuição analisada é o Lubuntu 15.04, uma distribuição baseada no Ubuntu com interface LXDE.

Muitas pessoas tem curiosidades quanto a ela especialmente pela sua leveza, é uma distro altamente recomendada para computadores com hardware modesto.



Agora que você já sabe tudo sobre o Lubuntu deixe a sua opinião sobre o sistema, você já usou o Lubuntu? Qual a sua experiência com ele?

Compartilhe o vídeo para espalhar a informação por aí, mostre para os seus amigos e até a próxima!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Conheça com mais detalhes o Fedora 21

Nenhum comentário

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O Fedora 21 ainda não foi lançado em sua versão final mas já chama a atenção pelas muitas atualizações e pelo lindíssimo Gnome 3.14 que deverá chegar com ele, confira nesta matéria mais informações sobre as novidades do Fedora 21.

fedora-21-download

Análise completa do Fedora 21


Confesso que depois que vi o Fedora fiquei muito tentado a usar o Gnome como interface padrão, ele está mais bonito do que nunca e com várias aplicações com aparência semelhante e integrada.

Para as pessoas que desejam conhecer um pouco sobre esta versão do Fedora que deverá sair em breve preparamos um super vídeo mostrando as principais características do sistema.



E aí, o que você achou do Fedora? Trocaria a sua distro atual por ele?

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Netrunner OS Review - Prós e Contras da Distribuição

Nenhum comentário

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Testamos e avaliamos o Netrunner OS para você!

Netrunner Linux Review

Olá pessoal, finalmente chegamos ao dia da grande review do Netrunner OS, que acompanha o Diolinux nas redes sociais deve ter ficado sabendo que tive alguns problemas para gravar, estar revisões normalmente requerem muito tempo e eu estava sem muito dele para fazer uma review em vídeo, como não queria fazer vocês leitores esperarem ainda mais resolvi fazer a review em modo texto da maneira mais completa possível, passando as mesmas ideias que eu iria passar em vídeo, eu espero que gostem, pretendo fazer outras reviews em vídeo quando possível.

Vamos começar!

Netrunner OS

Primeiramente vamos apresentar a distribuição, o Netrunner OS é uma distribuição de origem alemã baseada no Kubuntu, portanto ele usa os mesmos pacotes que o Ubuntu e Debian mas com ambiente KDE muito, mas muito bem lapidado.

KDE no Netrunner

A distribuição vem com o KDE 4.11.3 e com o Kernel 3.11.0.15.

Versão do Kernel do NetRunner OS

Essa versão que avaliamos chama-se Netrunner OS Enigma II, é baseada no Kubuntu 13.10 mais especificamente e apoiada pela empresa Bluesystems, a mesma empresa que apoia oficialmente o projeto Kubuntu e o Linux Mint KDE, isso mostra que a distribuição Netrunner é realmente um projeto sério.

Introduções feitas, vamos dar inicio ao nosso comparativo tradicional entre pontos positivos e negativos da distro, começaremos com os pontos positivos:

Pontos positivos do Netrunner OS

Dentre os pontos que eu sempre mais critiquei o KDE está o fato do menu principal não abrir com a tecla Super, pelo menos não tradicionalmente, no Kubuntu isso não acontece, no openSUSE idem, tirando o Mandriva e o openMandriva que possuem um menu que abre com essa tecla o Netrunner é a primeira distro com base no Ubuntu que vejo que faz isso, para mim é um ponto extremamente positivo.

Eu sei que é possível configurar o menu para que ele abra com uma tecla de atalho, mas normalmente isso requer uma combinação de duas teclas, e essa é mesma crítica que eu fiz ao Elementary OS e o seu menu que apesar de abrir com teclas de atalho não utilizava apenas uma tecla.

O Menu

O Menu é realmente um dos pontos de mais destaque da distribuição, até então eu não havia presenciado o uso dele em outra distro, não sei dizer se o menu personalizado é obra da equipe do Netrunner mas que ficou muito bom ficou!

Netrunner Desktop

O Menu se chama Homerun Kicker, e é uma versão compacta do Homerun Launcher que é um menu de tela cheia semelhante ao do Gnome Shell e do Unity, esse menu além de compacto é muito eficaz, pressione a tecla Super e ele abre, digite a sua busca por programa ou qualquer outra coisa e pressione enter e aplicação se abrirá, os mesmos passos para abrir um programa no Unity.

Além disso ele traz as boas características do Mint Menu, como adicionar favoritos para que se possa acessar os principais programas facilmente e também traz as opções de encerrar sessão, reiniciar e desligar no mesmo menu.

Para achar as aplicações, arquivos e até mesmo os favoritos do seu navegador ( Firefox) ele se utiliza do Krunner, fiz um vídeo relacionado a isso no canal do Diolinux, veja aqui.

Outro ponto positivo que cabe ligar aqui é, por conta desses recursos do menu, a possibilidade de navegar pela distro apenas usando o teclado, se você conseguir fazer isso de maneira fácil e intuitiva, sem precisar abrir um terminal para chamar os programas, isso significa que a distro tem uma usabilidade boa.

Yakuake e Krunner

São apenas dois atalhos que o pessoal colocou no sistema mas que dão uma diferença enorme na produtividade.

Yakuake e Krunner

Os dois indicadores ficam na perto da área de notificação do sistema como vocês podem ver na imagem acima, ao lado do Krunner ainda temos o indicador de notificações.

O Yakuake é um emulador de terminal que fica muito bem integrado aos sistemas com KDE, ele abre na parte superior da área de trabalho, assim como o Krunner ( veja o vídeo do link anterior ), e permite que você utilize comandos e múltiplos terminais de maneira facilitada em qualquer lugar que esteja.

Yakuake


Um sistema "completamente completo"

Desculpe pela redundância mas é realmente o que é, o Netrunner vem com absolutamente tudo o que um usuário de computador possa querer, para ilustrar vou deixar uma pequena lista dos softwares que vem inclusos na distro:

  • Libre Office (Suite Office)
  • Calligra Flow ( diagramas )
  • Kontact ( Gestor Pessoal)
  • Driver Manager ( Gestor de Drivers Proprietários )
  • OpenJDK ( Java )
  • Windows Wireless Drivers ( Instalar de Drivers Wi-fi de Windows )
  • GIMP (Editor de Imagem)
  • KRITA (editor de imagem)
  • Karbon ( Editor de imagem vetorial)
  • Kamoso (webcam)
  • Thunderbird (gerenciador de e-mail)
  • Firefox (Navegador de Internet)
  • FileZilla ( Cliente FTP)
  • Konversation ( mensagens)
  • Pidgin ( Mensagens)
  • Qtransmission ( Torrents)
  • Skype ( mensagens)
  • Steam ( plataforma de jogos, a distro traz muitos outros mais por padrão)
  • Clementine ( Jukebox - programa para ouvir músicas)
  • VLC ( Player Multimídia)
  • Kdenlive ( ferramenta para edição de vídeo)
  • QMMP ( Player super leve de audio que lembra o Winamp)
  • VokoScreen ( Programa para gravar a tela)
  • Muon Discover ( Central de Programas)
  • K3B ( Gravador de CDs e DVDs)
  • Virtualbox ( emulador de máquinas virtuais)
  • Synaptic ( gerenciador de pacotes)
  • Knotes ( Aplicativos de Notas)
E ainda existem outros que eu ainda não comentei para não deixar a lista muito extensa, além desses ainda temos todos os Apps nativos do KDE, como visualizadores de imagens, gerenciadores de arquivos, e todos os plugins e codecs já instaldos.
Além disso ainda existem aplicativos próprios que eu vou mostrar agora:

My Computer

My Computer é uma aplicação do Netrunner que traz informações do nosso computador de uma maneira muito organizada, a aplicação normalmente fica fixa na área de trabalho e pode ser acessada também pelo menu.

My Computer

Outra aplicação que ele traz são os WebApps do KDE.

Contas da Web

Aparência

A aparência é um dos pontos mais positivos do Netrunner, falo sem medo de errar que é a distro Linux com KDE mais bonita e polida que já usei, pelas imagens apresentadas até agora você já deve ter percebido a elegância do sistema, ele usa as bordas de janela do Gnome 3, o tema Adawita caiu muito bem na distro combinado com um tema de KDE Plasma próprio chamado Eclipse.

Dolphin Netrruner

Outro detalhe que me deixou muito satisfeito foram as fontes do sistema, como vocês podem observar elas são ótimas e completamente legíveis, não sei vocês, mas eu sempre tive problemas com as fontes no KDE, elas sempre ficaram serrilhadas e eu precisei fazer alguns ajustes finos para melhorar, no Netrunner isso não foi preciso.

Vamos aos pontos negativos

Como nada é perfeito o Netrunner também não é, na verdade as minhas reclamações quanto ao sistema são sobre coisas simples mas que podem ser melhoradas.

Skype

O Skype no Netrunner fica mais bonito que no Ubuntu até, mas ele tem um defeito um pouco chato, ele não abre links que os seus contatos tenham mandado para você através do chat, toda a vez tive que copiar o link e abrir no navegador manualmente.

Tecla Print

A tecla Print Screen, muito útil para fazer este tutorial tem algum defeito estranho, as vezes ela funciona e as vezes não, alternando de um login para outro, olhei as configurações do sistema e configurei para outra tecla de atalho e mesmo assim o problema persiste.

Update Grub

Eu tinha modificado o Kernel do Ubuntu que eu tenho em dual boot com o Netrunner atualmente e como é o Grub do Netrunner que está como principal precisei rodar o comando update-grub para atualizar a lista de inicialização, quando fiz isso o nome "Netrunner" apareceu o nome "Kubuntu", não é algo que faça grande diferença para o sistema mas seria bom ser corrigido.

Tradução

Alguns aplicativos, especialmente os que são exclusivos do Netrunner não apresentam uma boa tradução para o português, como  a aplicação My Computer por exemplo e alguns categorias do Menu Homerun Kicker.

E falando em Menu...

O Homerun Kicker foi um dos motivos de maiores elogios para o Netrunner mas ele também apresenta alguns defeitinhos, por exemplo, eu não consigo adicionar mais favoritos a barra quando ela está cheia, no Cinnamon por exemplo o menu se estica para cima quando adicionamos um favoritos a mais do que o espaço na barra afim de acomodar todos eles, no Homerun Kicker isso não acontece.

Uma outra coisa que eu estranhei um pouco foi a "pontualidade em fazer o que se pede" nos botões de desligar, reiniciar e fazer logoff presentes no menu.

Se você clicar em desligar o computador vai desligar direto, se clicar no reiniciar ele vai reiniciar e assim por diante, sem abrir uma tela de aviso para a confirmação da ação, ou seja, caso você clique por engano o computador vai desligar e você não vai poder impedir.

Muitos programas mesmo!

Você pode estranhar o fato deste item estar tanto como positivo como negativo, mas verdade é que existem programas em acesso, não muitos é verdade, mas programas com a mesma função como player de músicas ( Clementine, QMMP e VLC), poderia ser muito bem somente o Clementine e o VLC.
Não há de fato a necessidade da presença de dois programas tão semelhantes quanto o Krita e o GIMP.


Conclusão

Eu não sou muito fã do KDE, mas confesso e resumo este artigo que se eu tivesse que usar KDE para o resto da vida o Netrunner seria a minha distro. Beleza, velocidade, integração e um sistema feito para o usuário final, este é o Netrunner.

Se você ficou curioso para testar acesse o site e baixe agora mesmo para testar.

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Análise completa do Elementary OS 0.2 Luna [Vídeo]

Nenhum comentário

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Esta é a sua chance de conhecer um pouco melhor o sistema operacional mais falado dos últimos meses

Análise do Elementary OS


Olá pessoal, como prometido, este é o vídeo em que analisamos o sistema operacional Elementary OS Luna, abordando todos os pontos que consideramos importantes no sistema, atenção pois o vídeo ficou realmente grande mas vale a pena assistir!


Se a sua opinião for contrária à nossa ou acreditar que esquecemos de algum detalhe deixe a sua opinião nos comentários, ajude a divulgar o vídeo se você gostou, inscreva-se no canal se ainda não for inscrito, adicione aos favoritos e depois vá dormir!

Valeu pessoal, grande abraço!

Compartilhe para mostrar aos seus amigos



Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Análise da distro Zorin OS 7 - Prós e Contras

Nenhum comentário

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Testamos e analisamos para você as características do Zorin OS

Olá leitor seja bem-vindo à mais um review de uma distribuição Linux, a escolhida desta vez foi a irlandesa Zorin OS na sua versão de número 7.

Desktop Zorin OS


O que é o projeto Zorin OS

Talvez você já conheça e já tenha ouvindo falar do Zorin, particularmente eu tenho um carinho especial por ela pois foi através desta e do Linux Mint que eu acabei por ficar no Linux, a versão 7 do Zorin é baseada no Ubuntu 13.04 e o projeto tem pretensões empresariais, criando um sistema muito semelhante ao Windows 7, o Zorin OS possui uma versão Premium e uma Free, nós testamos a Free que tem como diferencial o não suporte pago e alguns recursos de software não incluídos, mas nada de muito extremo, a distro está na posição 12 no ranking do DistroWatch na frente no Elementary OS por exemplo, que analisamos neste artigo.

Tentei fazer uma análise imparcial sobre o sistema e é isso que vocês vão ler agora.

Pros e Contras do sistema Zorin


Contras

- Interface um pouco bagunçada do ponto de vista de quem entende do assunto, não se sabe se esta mexendo no gnome shell, no avant window navegator ou no compiz, o que torna o sistema um pouco estranho, um tema de ícones por exemplos pode não pegar no AWN e o sistema fica com ícones mistos, sem falar que eu mudei o tema do AWN e depois disso as janelas passam por trás da barra inferior, coisa que não consegui arrumar até agora.

- Tema lembra o Windows 8 no acabamento das janelas mas fica inadequado nas janelas no nautilus pois torna um pouco difícil de reparar em saliências e botões.

Análise do Zorin OS


- Particularmente acho que o tema de ícones não é muito adequado, mas como boa aparência é relativo à que vê então essa não é um item muito relevante.

- Apesar de ter escolhido o idioma português tive que instalar manualmente porque o sistema não propôs a instalação de pacotes faltando e quando fui olhar no aplicativo de suporte e idiomas ele sequer tinha marcado que meu idioma preferencial era o Português e nem mesmo a região estava certa.

- Menu do Zorin não abre com a tecla do Windows e não há nada muito à vista que permita esse tipo de configuração, eu considero essencial que seja possível navegar pela interface do sistema com o mínimo uso do mouse, aperta uma tecla e digitar o nome do programa é algo extremamente confortável e difícil de se desacostumar, vide, Cinnamon, Unity e Gnome Shell.

- Desnecessario menu com nome de usuário visto que praticamente todas as opões ficam no menu principal como vocês podem ver nas imagens acima, no menu com o nome temos as mesmas opções que temos no menu do canto superior direito no Ubuntu, usuário, ligar, desligar, reiniciar etc, isso tudo está também no menu da esquerda no Zorin, descessário ter dois lugares com as mesmas funções ocupando um espaço na barra de tarefas que poderia ser usado para outra coisa.

- Menu notebook tem BlueTooth e apesar de eu não usá-lo muito é conveniente saber que ele está presente e se está ativado ou não através de um indicador simples, mas no Zorin o indicador não aparece nem rezando uma missa, nem mesmo adicionando o aplicativo no AWN não aparece e o pior, olhando nas configurações do sistema dá pra perceber que ele está ligado então se eu pretender enviar algum arquivo via BT vou ter que ir até o painel de configurações.

Zorin OS 7 com ZorinMenu aberto

- Mesmo instalando a Tradução ela não fica completa no ZorinMenu, as demais informações do sistema ficaram em português depois que eu manualmente coloquei o idioma mas o Menu principal manteve algumas opções no bom e velho inglês.

- Temas ficaram um pouco bugados, não é recomendado instalar nenhum tipo de tema no Zorin OS, isso é uma coisa muito chata mas é verdade, se você conseguir e não ter nenhum problema considere-se sortudo, nesse o ponto a distro é muito instável.

- Programas que não são não nativos não puderam ser fixados na dock do AWN e isso é muito inconveniente, o Zorin vem com uma ótima seleção de programas e esse programas podem ser fixados na barra inferior tal como eu fiz com o terminal na imagem acima, porém se eu instalar um programa pela central de programas ele não pode ficar fixado alí, baixei o Kdenlive e o Dropbox e ambos não podem ficar fixados alí a opção "pin this application" simplesmente não aparece.


Pros

Talvez a principal qualidade do Zorin seja a dele ser muito parecido com o Windows 7 o que facilita e muito a migração de plataformas.
Dentre as coisas que eu mais gostei foi a seleção de programas, praticamente não precisei instalar nada para fazer de um tudo, ele vem com todos os extras, wine, Chrome, editor de video, GIMP em fim, realmente todos os aplicativos que eu particularmente uso para trabalhar até mesmo o JAVA. 
Tudo que instalei depois foi por opção própria, Steam, Kdenlive, Kazam, Firefox etc. Excelente, talvez a melhor seleção de softwares de todos os Ubuntu Basead.

O menu do Zorin, um applet criado para o AWN feito com base na experiência do praticamente sem uso hoje em dia, GnoMenu, traz uma aparência confortável de uso com todos os atalhos que precisamos e com um campo de pesquisa onde podemos encontrar facilmente os programas recém instalados e os que já estão no sistema, assim como arquivos recentes.

Consumo de recursos do Zorin OS 7 recém instalado


Economico em recursos e leve, com efeitos do compiz apenas para animar a minimização e maximização de janelas, nada de janelas gelatinosas habilitadas por padrão mas é possível tê-las com poucos cliques.

O Painel de Controle traz boas opções como Firewall e Ubuntu One.

Sistema teve respostas rápidas para abertura de aplicativos.


Conclusão

O Zorin OS é uma boa distro, mas provavelmente usuários avançados vão ficar um pouco frustrados com as suas limitações, porém, o Zorin talvez seja a melhor opção para quem está querendo iniciar no Linux e vindo do Windows.
Ele possui um "jeitão Windows de ser" até mesmo na questão de ser meio complicado personalizar ele por conta dos bugs, ele é um sistema pronto para o uso, instalou e sai usando, exceto pela questão de instalar o idioma, mas se você que tem mais experiência instalar ele e configurar tudo certo e bonitinho para alguém que vai usar o Linux pela primeira vez tenho certeza que ele conseguirá fazer as suas tarefas básicas, para quem está iniciando mesmo ele talvez seja a melhor porta de entrada, depois de alguns meses usando possivelmente o Linux Mint ou o Ubuntu mesmo sejam as melhores opções e quando você souber seu próprio caminho poderá experimentar outras distribuições ou mesmo fincar raízes nessas mesmas como eu que sou fã do Ubuntu e do Linux Mint.


Sua opinião é importante!

Qual a sua opinião sobre o Zorin? Já testou ele? Concorda com o que foi exposto no artigo? Deixe sua opinião nos comentários logo abaixo, adoro ler comentários então se quiser me deixar feliz compartilhe o seu ponto de vista conosco e aproveite para deixar uma sugestão de distro para futuras análises, grande abraço!

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Análise do Ubuntu Gnome Remix - Prós e Contras

Nenhum comentário

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Analisemos o Ubuntu com o sabor Gnome

O Ubuntu Gnome Remix é o mais novo integrante da família Ubuntu, ele veio para completar os "sabores" que faltavam e quem sabe dar um alento ao coração dos fãs do Gnome Shell.

Gnome logo


Se você não sabe o Ubuntu Gnome Remix é basicamente toda a base de aplicativos no Ubuntu com o Gnome Shell no lugar no Unity.

Prós do sistema

Baixei o Gnome Remix para testar em meu notebook - Core i5, 4GB RAM, 500 HD, HD Graphics 3000 - e obtive bons resultados e algumas críticas que quero compartilhar com vocês.

Como ponto positivo posso destacar:

Baixíssimo consumo de memória logo após a intalação.

Desempenho Ubuntu Gnome Remix


Realmente incrível ver um ambiente moderno como o Gnome Shell consumir tão poucos recursos da máquina, isso que eu nem havia desabilitado alguns processos que normalmente não uso.

Facilidade para trabalhar com várias janelas.

Essa é um dos recursos que mais tenho que "tirar um chapéu" para o Gnome, tudo se resume na "tecla do Windows", ou "Super" como queiram, basta pressioná-la e temos acesso a um painel de busca e uma tela onde é possível selecionar a janela que quisermos ou mesmo fechá-la.
Apesar disso ser muito prático acabei habilitando os 3 botões convencionais de gerenciamento de janelas, por costume mesmo, outro ponto positivo é que o próprio sistema permitiu que eu fizesse esta alteração sem ter que instalar nenhum pacote extra.

Uma outra coisa bacana é o manuseio de áreas de trabalho, o Gnome por padrão vem com apenas duas áreas de trabalho que podem ser aumentadas de acordo com a necessidade automaticamente, se a necessidade um ajuste em algum menu, basta arrastar uma janela para uma área de trabalho e o Gnome Shell automaticamente cria mais uma.

Uma interface muito limpa

A Interface muito limpa do Gnome Shell chama a atenção, vale dizer que versão que estive utilizando durante os testes foi a versão 3.6 que vem com o Ubuntu Gnome Remix 13.04, segue a mesma linha de simplicidade do Elementary OS, distro que já fizemos o mesmo comentário que estamos fazendo agora, mas ao contrário do Elementary o Ubuntu Gnome Remix já vem com uma opção de habilitar a criação de pastas e manipulação de arquivos na área de trabalho, algo que considero indispensável, tanto pela praticidade quanto pelo menor impacto num possível novo usuário.

Gnome e suas extensões.

Uma das melhores coisas que existem são as extensões para o Gnome Shell que deixam ele muito mas completo e funcional, indicadores e atalhos são bem vindos à fim de organizar o desktop de uma maneira mais agradável, e instalar as mesmas é muito simples através do site de extensões do Gnome, basta dois cliques e tudo pronto e funcionando.

Seleção de Aplicativos

Se você considera a seleção de aplicativos no Ubuntu "normal" boa então não vai ter do que reclamar no Ubuntu Gnome Remix, afinal é praticamente a mesma coisa, muda um programa ou outro como o Evolution no lugar no Thuderbird, o Evolution por exemplo tem integração com o Calendário do sistema de modo que se você desinstalar por preferir outro cliente de E-mail ( meu caso ) essa função do calendário fica à ver navios.

Talvez um outro ponto que seja interessante destacar é a ausência do Compiz como gerenciador de janelas, o Metacity fica no lugar dele e cumpre bem o seu papel, o desempenho do ambiente gráfico com e sem o driver da Intel não mudou muito, o sistema continuava fluido.

Tela de Login muito bonita

Achei muito legal o GDM 3 como gestor de login, essa é claro uma opinião pessoal mas eu adoraria usar uma distro com o menu de login desse tipo.

Tela de login no Ubuntu Unity vs Ubuntu Gnome

Contras do Ubuntu Gnome Remix

Dessa vez eu não vou ressaltar a questão de facilidade para usuários novatos, visto que o Ubuntu Gnome Remix não tem os mesmos ambiciosos projetos do Linux Mint, Ubuntu, Elementary e Zorin que é de serem uma possível porta de entrada para usuários vindos de outras plataformas.
À meu ver o Ubuntu Gnome veio mais para suprir a falta uma distro baseada no Ubuntu que carregue o Gnome Shell por padrão, visto que pelo que me parece apenas o Fedora levanta mesmo a bandeira do Gnome, junto talvez do openSUSE que mesmo assim é ainda meio que voltado para o KDE.

Certamente não é indicado para quem vem do Windows por que vai encontrar algo totalmente diferente, mas dessa vez quero deixar claro que não quero dizer que ele não possa ser usado por quem vem do Windows, apenas quero dizer que ele não é a melhor opção, muito por conta da sua interface e modo de se usar o computador.

Muito bem, passado o primeiro contato o maior problema é a o próprio Gnome que ainda está em fase de amadurecimento, acredito que versões mais recentes como o Gnome 3.8 e o tão esperado 3.10 podem melhorar muito a integração do Ambiente.


Falta também ao Gnome a possibilidade, através do sistema, de redimensionar os ícones do painel de aplicativos porque eles são muito grandes para uma tela pequena de 14'', caso de alguns notebooks e netbooks.

Acho que ainda a minha maior crítica é em relação á aparência, MEUS DEUS QUE COISA FEIA OS ÍCONES PADRÕES DO GNOME, sério, instalar um pacote de ícones é algo obrigatório para deixar o sistema mais agradável, o tema Adawita é bonito, mas algo que me chateou um pouco foram as fontes que vieram por padrão no sistema, ele não usa o Ubuntu Font Family, usa a fonte Catarrel que sem você habilitar o anti-alising fica um pouco serrilhada.

Conclusão

O Ubuntu Gnome Remix é uma boa opção para quem quer usar o Ubuntu com Gnome, se torna uma solução mais viável do que simplesmente instalar o Gnome Shell e mudar na tela de login, o sistema não é recomendado para quem está engatinhando no Linux mas para quem já sabe o seu próprio caminho e tem intimidade com o Ubuntu será uma experiência tranquila, uma coisa é certa, você não vai achar o Gnome Shell "mais ou menos" ou você vai amá-lo ou vai odiá-lo.
Se você está procurando uma distro com Design refinado nenhuma se compara ao Elementary OS em termos de integração do ambiente com a aparência dos programas, mas o Ubuntu e o Linux Mint com Unity e Cinnamon respectivamente não ficam muito atrás.

Em suma, se você prefere Gnome e gosta do Ubuntu essa é a sua distro.

O que vocês usuários do Gnome Shell acham desta distro e do Gnome como ambiente de trabalho?


Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Elementary OS sem dó nem piedade

2 comentários

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Uma distro não recomendada para iniciantes

Olá pessoal  hoje vamos apresentar a vocês que ainda não conhecem esta excelente distro chamada Elementary OS, na sua versão estável de codenome "Luna" que foi lançada a pouco tempo como você pode ver aqui.

Elementary OS Luna Final


O que é o Elementary

O Elementary OS é uma distro baseada no Ubuntu 12.04 LTS e por isso muito estável e com ainda muito tempo de suporte, ao que parece os desenvolvedores pretendem lançar apenas versões "ditas finais" acompanhando os lançamentos LTS da distro da Canonical.

Pontos positivos

Uma ambiente gráfico desenvolvido especialmente para a distro chamado Pantheon - veja como usar o Pantheon no Ubuntu - tudo é muito bonito e integrado, com muitos programas desenvolvidos para a distro, muito leve e simplista, simplista até demais.

O Elementary chamou muita atenção no seu lançamento, tanto que nos primeiros dias no DistroWatch ela estava como a mais visualizada, mas agora já caiu novamente.

Elementary OS


O ambiente Pantheon-Shell é muito simples de usar, é intuitivo, o menu de aplicações é muito bom, apesar de eu considerar que ele tenha um defeito, mas isso vou falar mais para a frente, e é o tipo de distro tão bonita e bem feita que dá vontade de você usar só para ficar clicando nas coisas! =D

Apesar de não ser a melhor seleção de programas que existe ele traz consigo bons programas, como o reprodutor de músicas Noise e o Totem como reprodutor de vídeos.

O Boot é muito rápido e a tela de login é um "LightDM" melhorado, muito bonito mesmo!
Acho que beleza é mesmo o ponto principal do Elementary.

Ele consome poucos recursos do computador também, e o gerenciador de arquivos é muito leve e com muitos recursos.

Pontos negativos e á melhorar

Infelizmente o Elementary OS não é indicado para iniciantes no Linux, porque até eu mesmo com já alguns anos de experiência tive algumas dificuldades, para deixar o Elementary "redondo" para o uso é necessário fazer muitas modificações.
Instalei a versão Luna Final em dual boot no meu computador e percebi alguns pontos negativos para o uso, especialmente por alguém que está vindo do Windows ou do Mac e até mesmo do Ubuntu.

Não vem com o Libre Office

Este é um aplicativo essencial e todas as distros Linux que se presem o carregam consigo, ou o Libre Office ou outros aplicativos de edição de texto mais avançados como o AbiWord por exemplo e o Gnumeric para planilhas, mas no Elementary não há nada.

Sem monitor do Sistema

É uma aplicação simples, que não ocupa espaço, não faz uma grande diferença em termos de desempenho do sistema nem nada disso, poderia vir instalado por padrão no Elementary com toda a certeza.
Percebi a sua ausência quando fui procurar o mesmo para ver o consumo de memória do sistema, visto que pelo que tinha ouvido falar ele consome poucos recursos. E realmente consome poucos recursos, mas nada que o Unity ajustado não se equipare.

Sem plugins pré-instalados

Certo, isso nem mesmo o Ubuntu tem ( o Linux Mint sim! ) e instalado o Ubuntu Restricted Extras não resolve tudo, especialmente a questão do Flash no navegador padrão, Midori.
Acho que isso poderia ser considerado a ser incluído, nada melhor do que "ligar e usar."

Linguagem incorreta

Apesar de ter selecionado o português como linguagem, não instalei a linguagem ao mesmo que tempo que instalava o sistema como sempre faço, esperei que o sistema me avisasse que o pacote de idiomas estava incompleto como acontece no Ubuntu, mas isso não aconteceu, tive que abrir o "suporte a idiomas" e lá só estava instalado o inglês, tive que procurar  e instalar manualmente o português.

Posicionamento inadequado dos botões de controle da janela

Isso é algo um pouco estranho, e talvez até meio chato da minha parte, mas sabe como é, costume é costume, mas acho que seria mais adequado colocar todos na direita ou todos na esquerda, mas no caso do Elementary, temos o botão "fechar" na esquerda e botão "Maximizar/Restaurar" na direita na janela e não existe o minimizar, algo totalmente confuso para que está iniciando.

Gerenciador de arquivos sem opções de personalizar o clique duplo

O Gerenciador de arquivos Pantheon Files é muito bom! Muitos recursos, muito organizado, mas... sempre tem um mas, ele abre as pastas com um clique único, semelhante ao Kubuntu, o grande problema reside em não poder escolher se você quer isso ou não, o que é primário em todos os outros gerenciadores. No mais, achei ele perfeito.

Midori não é a melhor escolha

Não sei exatamente o porque da escolha do Midori como navegador padrão do sistema, talvez pela leveza e por poder se integrar melhor ao resto do ambiente, mas certamente ele não é uma boa escolha, ainda mais com o Firefox e o Chromium dando sopa, ser apenas diferente não basta, tem que ser bom também.

Menu não abre com a tecla do Windows

Esse é um capricho meu talvez, mas não gosto de sistemas onde o menu não abre com a tecla Super, isso diminui a minha produtividade, essa também sempre foi uma crítica que fiz ao KickOff do KDE, mas nela há uma maneira de fazê-la funcionar dessa forma.

Área de Trabalho sem ícones

Essa parte é realmente estranha, eu não sei se algo aconteceu errado durante a instalação do Elementary, deixo aberto aos comentários do usuários mais antigos do sistema, mas ele não possui a pasta Desktop?
Não posso criar uma pasta ou colocar um arquivo na área de trabalho?
Ele até poderia trazer a área de trabalho sem ícones mas deveria haver a opção de configurar isso.

Falta de coisas úteis e presença de coisas dispensáveis

Apesar de ser muito bonito o ambiente lembra muito o Mac OS, o que pode ser positivo ou negativo dependendo da avaliação, mas não é exatamente esse o problema, existem aplicativos como o Shotweall, Calendário, Geary que são dispensáveis para um usuário comum, minha sugestão não é exatamente remover da ISO afinal eles são úteis, mas se o objetivo deles era diminuir o tamanho da ISO para caber em um CD porque não abrir mão destes e colocar uma suíte office?


Considerações Finais

Em resumo, o Elementary é muito bom, e eu usaria ele como distro padrão, mas ele deve ficar "mais fácil" para usuários novatos se quiser atrair mais público, sei que muitos dos pontos negativos que citei no artigo podem ser corrigidos com alguns ajustes, especialmente usando o aplicativo Elementary Tweak, mas volto a dizer, ele deve trazer mais opções por padrão e quem sabe repensar um pouco a questão dos programas que vem junto da distribuição, afinal acredito que ninguém se importe em baixar alguns megabytes a mais em prol de algo melhor e mais completo.

O que vocês o que acham, concordem ou discordem, comentem!

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Rockstar Games divulga gameplay de GTA 5

Nenhum comentário

terça-feira, 9 de julho de 2013

Grand Theft Auto V tem gameplay revelado no canal da Rockstar no YouTube

O Canal da RockstargamesBR no YouTube Liberou um vídeo explicando como será o próximo e tão esperado game da franquia milionária GTA.
O game deverá sair no dia 17 de Setembro e a empresa já está aceitando encomendas de pré-vendas, o game vem para ser o sucessor oficial de GTA San Andreas no coração do gamers, visto que GTA IV não agradou tanto quando a Rockstar esperava.

gta-5-download


No novo GTA a empresa procurou elevar o nível de realidade do mundo a padrões nada vistos até hoje no mundo dos games, o game com maior mapa já feito na história representando a Califórnia atual em alguns aspectos com possibilidades de interagir com pessoas e coisas e até mesmo animais.
Tudo foi projetado nos mínimos detalhes para que cada momento do game seja o melhor possível, quando você estiver usando armas terá recursos parecidos de games como Counter Strike GO, especialmente o menu de seleção de armas, será possível comprar carros valiosos e claro, roubá-los também e depois tuná-los nos mínimos detalhes a lá Need For Speed Underground 2; existem várias ocasiões onde é possível praticar esportes e então o game se torna excelente para esta prática também, somadas todas essas qualidades ao gráfico incrível que vem por aí.
Veja o video abaixo publicado pela Rockstar e narrado em português que mostra todas as características do game que agora tem 3 personagens principais:

Gameplay GTA 5 





Segundo a prévia o Game só está previsto para PS3 e Xbox 360, mas com novos consoles chegando como o PS4 e o Xbox One a coisa deve mudar um pouco.
Possivelmente o game será lançado depois de um certo tempo para PC, como é de praxe  e isso me faz lembrar de uma petição que há na internet para trazer a RockStar para Linux, você pode assinar ela aqui.
Não poderia deixar passar em branco uma revolução no mundo dos games que é o que promete ser o GTA V, e aí o que você achou do novo GTA?

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo