Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador anbox. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador anbox. Mostrar todas as postagens

SPURV quer rodar os Apps do Android nas distros Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 11 de abril de 2019

A Collabora, grande contribuidora do Kernel Linux e projetos Open Source, como o LibreOffice, anunciou o projeto SPURV que vai fazer Apps Android rodarem em distros Linux para Desktops, usando o Wayland como “display server”.

 SPURV quer rodar os Apps do Android nas distros Linux






Em seu site o anúncio foi feito pelo Robert Foss, Engenheiro de Software da Collabora. Ele comenta que agora vai ser possível executar os apps do Android ao lado dos aplicativos nativos do desktop Linux, que estiverem usando o Wayland e com a aceleração 3D completa.

No anúncio ele deu a seguinte declaração:

“Rodar apps Android traz algumas vantagens comparadas com as tradicionais aplicações de Linux, por exemplo, um sistema com essa capacidade tem um acesso muito mais a aplicativos e uma maior quantidade de desenvolvedores. Para sistemas Linux que não sejam o Android, este projeto significa a possibilidade de rodar tais aplicações com o mesmo conjunto gráfico que as tradicionais distros executam seus aplicativos igualmente tradicionais."


Mas, o que é o SPURV?


De uma forma resumida, o projeto SPURV utiliza a tecnologia de containers para oferecer o Android com acesso direto ao seu hardware e assim aproveitando ao máximo o poder do seu processador (CPU) e da sua placa de vídeo (GPU). O SPURV vai ser executado em um container systemd-nspawn.

Na parte do áudio o SPURV Áudio, utilizará o Android Audio Hardware Abstraction Layer (HAL) que fará a “ponte” com o PulseAudio da distro Host (hospedeira).

Já na parte gráfica, o SPURV HWComposer, vai utilizar a API do Android para implementar o gerenciamento de exibição e buffer, o HWC, que vai interpretar todos os diferentes tipos de buffers de exibição em que os apps de Android trabalham.

Na imagem abaixo, você vê um esquema de como o SPURV vai funcionar.

Se você preferir, o pessoal da Collabora disponibilizou um vídeo de aproximadamente 3 minutinhos, mostrando como está o status do projeto.

            


Caso tenha se interessado, é possível conferir o código fonte em seu GitLab oficial.

Para ver o anúncio completo e com mais detalhes de como vai funcionar e tudo mais, você pode acessar este link.

Projetos como esse visam a possibilidade de rodar apps do Android em distros Linux de desktop, disponibilizando mais opções de aplicativos e jogos, além das versões já nativas, esperamos que o projeto evolua bem para além do que o Anbox conseguiu. Vamos torcer para que o dia de usarmos ferramentas assim seja tão simples quanto instalar qualquer aplicação no Linux chegar logo, né? 😄✌

Comente o que achou desta novidade e qual App/Jogo que você gostaria de rodar se fosse possível.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso  fórum

Espero você até a próxima, um forte abraço.

FONTE
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu Touch rodará aplicativos de Android

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Apesar da Canonical ter desistido de seu sonho de levar o Ubuntu para Smartphones o projeto não morreu, depois do Unity 8 ter seu anúncio descontinuidade juntamente com o projeto do Ubuntu Phone, a comunidade UBPorts, que já tentava fazer portes do Ubuntu para diversos Smartphones, resolveu dar continuidade ao projeto e o próximo passo é muito interessante.

Ubuntu Touch UBPorts Apps Android






A comunidade UBPorts, que mantém o projeto do Ubuntu Touch em desenvolvimento, anunciou nesta semana que o sistema rodará aplicativos Android através da incorporação do projeto Anbox. O Anbox, por sua vez, é um projeto que permite que aplicativos Android sejam conteinerizados, dessa forma, podendo rodar em qualquer distro Linux de Desktop. Confira o nosso vídeo demonstrando a tecnologia.

Leia também: Como funciona o Anbox?


Para alguns, a necessidade de rodar aplicativos de Android no Ubuntu Touch era mais do que óbvia, conheço pessoas que falam isso há anos, no entanto, a Canonical sempre quis criar seu próprio ecossistema de aplicativos convergentes, o que acabou , aliado a outras coisas, por afundar o projeto ao longo do tempo.

A comunidade UBPorts no entanto, vê as coisas de um jeito que me agrada muito, a filosofia de pensamento aplicada na divulgação dessa compatibilidade vai de encontro com o que eu acredito em relação ao software livre nos desktops:

"As pessoas dependem de certas aplicação que não estão disponíveis do Ubuntu Touch, para se tornar um sistema operacional completo e convencional, o Ubuntu Touch precisa oferecer aos seus usuários os serviços proprietários dos quais eles dependem, pelo menos até que alternativas de código aberto que sejam viáveis surjam. Como resultado de entrar 'no jogo' do mercado mobile de forma tardia, não temos a força necessária para mover o mercado em nossa direção de forma direta, ter aplicativos para Android é uma solução lógica que vai nos ajudar a preencher a lacuna que existe entre as duas plataformas dominantes atuais."

Os desenvolvedores afirmam também que a utilização do Anbox será opcional, permitindo que quem precise, possa utilizar os Apps de Android. Como se sabe, atualmente o Anbox não consegue rodar todos os aplicativos que estão disponíveis, mas com a ajuda da comunidade Ubuntu, talvez o seu desenvolvimento se agilize.

Saiba mais aqui.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Anbox - O projeto que quer integrar Apps de Android nas distros Linux de Desktop

Nenhum comentário

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Todas as pessoas que não analisaram à fundo a questão tem esta dúvida. Se Android é Linux, por que os Apps de Android não rodam nas distros de Desktop, como Debian, Ubuntu, Manjaro, Fedora, etc?

Além de responder esta pergunta, hoje você conhecerá o projeto Anbox, que tem exatamente este objetivo.

Android Anbox - Run Apps on Linux Desktop




Nesta semana eu recebi diversas mensagens sobre o Anbox, seja por e-mail, seja por Facebook, Twitter, no canal e até pessoalmente, acredite se quiser, ou seja, esse software chamou muito a atenção das pessoas pela sua proposta.

Abstraindo o lado técnico, resumidamente, o Anbox permite que você rode aplicativos Android na sua distribuição Linux de desktop de forma "quase" que nativa.

Sinceramente, desde que funcione bem, eu não me importo na definição técnica de nativa ou não, o mesmo vale para  Wine com os Apps de Windows.

Como eu não gosto de simplesmente colocar as coisas "do nada" aqui para vocês, eu resolvi fazer vários testes antes, mas antes de conversamos sobre isso, me deixe responder a questão levantada no início do artigo. Se Android também é Linux, por que a sua distro não roda os Apps do "sistema do robozinho?"

Estrutura de um sistema Android

Vejamos à partir da imagem acima que foi retirada diretamente do site do Android, o que a sua distro de Desktop tem de semelhante com o Android? Se você olhou pro "tijolinho" vermelho, o Kernel, então você acertou.

Se você acompanha o Diolinux no canal do YouTube, nas redes sociais, etc, deve ter percebido que frase mais repetida deve ter sido: "Linux é um Kernel", nada além disso. Pois bem, de fato é isso mesmo, só pra enfatizar.

Distribuições Linux são sistemas operacionais (para desktops, smartphones, servidores, IoT, etc) que usam o Kernel Linux como base de projeto. O chamado "Linux de Desktop" segue um certo padrão que vai além de simplesmente usar o Kernel Linux apenas, mas outras bibliotecas, ferramentas, servidores gráficos, servidores de som, são comuns entre as distros, por isso programas que rodam no Ubuntu costumam rodar no Fedora, programas que rodam no Manjaro costumam rodar no openSUSE e assim por diante. Muitas destas ferramentas são originárias do projeto GNU (e tantas outras também não são), como o próprio Bash, muito popular em várias distros (praticamente todas), incluindo até o macOS da Apple.

O Android é diferente. Ele também usa o Kernel Linux, assim como a sua distro de desktop, mas o que vem acima do Kernel é que é diferente de um sistema de "desktop Linux" comum. São bibliotecas e frameworks diferentes, e como Kernel por si só não roda nada (a função do Kernel é criar uma "ponte" entre aplicativos e hardware), temos esta incompatibilidade. O simples fato de Ubuntu e Android compartilharem o mesmo tipo de Kernel não os faz rodar o mesmo tipo de aplicação. De forma simples, é basicamente isso. O Kernel dos Smartphones também é comumente construído somente com os drivers de dispositivos e recursos que o próprio Smartphone terá, procurando otimizar o sistema e torná-lo mais veloz, é por isso que o Android que a Samsung usa no Galaxy você pode instalar no Moto Z, e vice-e-versa, sendo que esta regra vale para qualquer fabricante praticamente, só estou dando exemplo.

É o mesmo que acontece entre aplicações do macOS e sistemas com Kernel BSD, apesar do Darwin (Kernel do macOS) ter suas raízes no BSD, a "parte que roda" as aplicações do sistema é diferente, gerando a incompatibilidade.

Agora é que vem o Anbox


Anbox é um nome muito inteligente e que exprime de forma compacta o funcionamento do projeto. Anbox, Android in a Box. Sendo que o funcionamento do projeto, consiste em utilizar um container para rodar o sistema.

Quando li pela primeira vez sobre o Anbox, lembrei-me do Shashlik, estão lembrados? Mas lendo um pouco mais sobre o projeto acabei descobrindo que eles funcionam de jeitos bem diferentes.

Enquanto projetos como o Shashlik o outros disponíveis para Linux para rodar Apps de Android, como o Genymotion (Genymobile), onde um sistema Android com Kernel próprio é emulado e as aplicações são rodadas desta forma, no caso do Anbox, ele promove uma camada de abstração diferente, utilizando o próprio Kernel do sistema, o que, segundo os desenvolvedores, garante uma melhor integração com o próprio sistema.

O Anbox não virtualiza o Android, ele simplesmente cria essa compatibilidade com os recursos necessários para fazer os Apps rodarem sobre o próprio Kernel Linux da distribuição.


Este vídeo foi produzido pelos próprios desenvolvedores do Anbox e mostra o que seria o funcionamento do programa na prática.

Não funcionou tão bem... pelo menos para mim


Tudo bem, como está no site mesmo, o Anbox ainda é um alpha, então tem muito trabalho por vir ainda, porém, eu realmente não consegui nem sequer testá-lo direito, instalei ele, mas o programa simplesmente não roda.

Teoricamente, o Anbox foi testado no Ubuntu 16.04 LTS através de pacotes Snap e assim ele deveria funcionar, aliás, esta é a forma de distribuição principal do programa. Sem Shell Script, sem deb ou rpm, sem PPA, sem Flatpak (por enquanto), apenas via Snap.

Felizmente você pode usar os Snaps em qualquer distribuição, ainda que os testes tenham sido apenas no Ubuntu.

Bom, eu tentei... juro!

Usei o Ubuntu 16.04 LTS, usei o Ubuntu 16.10, o Ubuntu 17.04, o Deepin 15.4 RC2 e o Manjaro 17, tentei usar o pacote Snap em todos e tive o mesmo resultado, nada

Como o código do Anbox está no Git, a galera do Arch já "mexeu os pauzinhos" e temos uma versão do AUR do Anbox, procure pelo pacote "anbox-git", porém, nem esse funcionou.

Por isso, convido você a testar, caso você faça funcionar, seria muito bom se você compartilhasse através dos comentários os seus resultados e como você fez para rodar o Anbox também.

Teoricamente, você precisa instalar o snap:
sudo snap install anbox-installer
E depois de instalado, você precisa rodá-lo:
anbox-installer
ou:
snap run anbox-installer
Será necessário digitar o número "1" no Script para escolher a opção de instalar e depois será necessário digitar em caixa alta "I AGREE" para aceitar os termos do programa, se tudo der certo, você terá o Anbox no menu do seu sistema. Até aqui eu sempre cheguei, mas nunca consegui abrir ele. 

De qualquer forma, é um projeto que promete, se conseguirmos esta integração será ótimo, muito mais aplicações  estarão disponíveis para Linux nos destkops também.

Vale a pena ficar de olho, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo