Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador android. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador android. Mostrar todas as postagens

Conheça alternativas Open Source ao Android

Nenhum comentário

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Você sabia que Linux além de dominar o segmento servidores, também domina os sistemas operacionais para dispositivos móveis? Muitos negam que Android é Linux e usam o “argumento” de, “se não utilizar ferramentas GNU, então não é Linux”. 

Se quer saber mais sobre esse tema de Android ser ou não Linux, acesse o post e acabe de uma vez por todas, com essa dúvida cruel. No fim das contas o que define um sistema “ser Linux” ou não é usar o Kernel Linux.

alternativas-opensource-android

Mas quais são as alternativas ao Android? Será ele o único sistema móvel disponível no mercado? Melhor ainda. Quais as alternativas de Código Aberto?

Irei apresentar brevemente 5 alternativas Open Source ao popular robozinho verde, a lista não obedece nenhuma ordem específica. Dada as ressalvas, vamos conhecer as opções.

Tizen


sistema-mobile-tizen

O Tizen é um sistema operacional móvel, também baseado em Linux, como o Android. Tem muito apoio da Linux Foundation, Samsung e Intel. O primeiro smartphone lançado com o sistema de fábrica foi o Samsung Z, na Índia. Infelizmente o Tizen não teve a projeção esperada, muitos afirmam que o sistema não terá futuro. Isso deixo aos especialistas e “Pais/Mães Diná” de plantão.

postmaketOS


sistema-mobile-postmartketos

Também conhecido como pmOS, o postmarketOS está em desenvolvimento inicial. Trata-se da distribuição Alpine Linux configurada para toques.Com pacotes próprios, visa ser instalado em smartphones e obter ótima performance, assim como sua versão desktop.

Librem 5


smartphone-opensource-librem

Com a audaciosa proposta de oferecer um sistema e hardware de código aberto, o Librem 5 é uma iniciativa que visa segurança e privacidade de seus usuários.

Um Smartphone que virá com distribuições Linux adaptadas ao toque como: PureOS, Debian, Ubuntu, SUSE, Fedora e Arch. É um dos projetos mais aguardados pela comunidade, e muitos estão ansiosos de quais serão os rumos do projeto.

Plasma Mobile


sistema-plasma-mobile-kde

O Plasma Mobile é a versão da interface do KDE para smartphones. Atualmente já pode ser testado em dispositivos como o LG Nexus 5. É interessante ver o conceito de convergência no Projeto KDE, entre sua DE e aplicações. Pois os apps do Plasma Mobile utilizam a framework Kirigami, possibilitando desenvolvimento dos seus softwares tanto para mobile como desktop.

Ubuntu Touch


sistema-mobile-ubuntu-touch

Abandonado pela Canonical em 2017, o Ubuntu Touch teve uma complicada trajetória. Primeiro a campanha de arrecadamento para seu desenvolvimento, não foi tão bem. Com meta de 32 milhões de Dólares, arrecadando 12 Milhões.

Após a campanha de crowndfunding, muitos pensaram que o projeto seria abandonado. Eis que em Fevereiro de 2015 a Canonical firma parceria com a empresa espanhola BQ e lança seu primeiro aparelho. Logo depois, pela fabricante chinesa Meizu, mas não tendo o retorno esperado, o sistema foi abandonado pela Canonical em Abril de 2017.

Então a comunidade entra em ação, abraçando o projeto e não deixando morrer. Novas funcionalidades estão sendo incorporadas, como a possibilidade de execução de apps Android.

Mantido pela UBPorts, é relativamente cedo para falar sobre o destino do Ubuntu Touch, se o mesmo vai vingar ou morrer com sua proposta de conversão.

E você, sabia de tantas alternativas? É muito bom ver que outros sistemas vem crescendo e amadurecendo. Melhor ainda quando são projetos de código aberto, agregando diversas vantagens e fomentando o desenvolvimento de mais boas alternativas.

Deixe nos comentários se conhece mais opções ao popular Android, nos vemos no próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google lança sua versão do “Paint”

Nenhum comentário

domingo, 6 de janeiro de 2019

Com diversos aplicativos, a Google vem cada vez mais adicionando novos programas a sua coleção, e dando maiores possibilidades aos usuários de ChromeOS. Como já noticiado aqui no Diolinux, recentemente o sistema da gigante das buscas passou a suportar aplicações em outros formatos, DEB e Flatpak. Agora traz uma novidade que poderá acarretar lembranças de quem “é das antigas”, e já usou o Paint.

canvas-google-chrome-apps-paint



Desenhar é algo simples, mas divertido


Muitos artistas antes de dominarem ferramentas consagradas de edição de imagens ou desenho digital, começaram por hobbie ou por simples inocência, ao rabiscar, quando mais jovens, em programas como o Paint. Aplicativos dessa natureza transparecem simplicidade para alguns usuários, mas podem ser a porta de entrada, e quem sabe o começo de um novo artista, é sabido que crianças ou o público mais jovem gosta de passar um tempinho desenhando na frente do computador.

Canvas, o “Paint” da Google


Chamado por muitos sites de “O Paint da Google”, o Canvas veio para facilitar usuários de ChromeOS, e usuários num geral, de outras plataformas, com uma ferramenta que possibilite desenhos simples, rabiscos rápidos e anotações. Então não espere recursos elaborados como os existentes no Krita ou programas do gênero.

(Observe que sou um artista nato, com traços inigualáveis... 😂😂😂 )

canvas-desenho-web-app-chrome

O Canvas traz a praticidade de uma web aplicação, não exigindo ser instalado no sistema e sendo multiplataforma, podendo ser executado em distribuições Linux, Windows, Mac, Android etc. Bastando ter um navegador com suporte a tecnologia “WebAssembly”, ou Google Chrome.

Se interessou pelo Canvas? Acesse o site da aplicação e desperte o artista que existe dentro de ti.


Deixe nos comentários se em sua infância utilizava Apps como o Paint, ou se atualmente utiliza programas profissionais como o Krita.
Espero você até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Os pacotes Snap mais baixados do ano!

Nenhum comentário

segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

Na última Quinta-feira de 2018 (27), a Canonical soltou em seu blog uma lista com os Top 10 aplicativos mais baixados no formato Snap, baixados através da Snap Store ou do site Snacraft, site onde você tem todas as instruções para a instalação. A empresa não informou o número de downloads, apenas a ordem de aplicativos mais baixados.


 Os pacotes Snap mais baixados do ano!





Vale mencionar a grande gama de empresas portando os seus aplicativos para Linux e usando o Snap como uma porta de entrada para tal, assim dando uma chance para a plataforma. 

Confira agora a lista dos Snaps mais populares do ano, repare que temos vários nomes famosos na lista! 





O Spotify lidera a lista, o popular serviço de streaming de música foi um dos primeiros grandes do  mercado a adotar o formato Snap como padrão para distribuir o software.

2 - Slack



Na segunda posição aparece o Slack, uma ferramenta que se tornou muito popular nos últimos anos em empresas, como uma forma simples e eficiente de organizar projetos e times.

3- VLC 




O player mais versátil do mundo aparece na terceira opção. Agora com suporte ao formato Snap, as novidades do VLC chegam ainda mais rápido ao Ubuntu e a qualquer sistema que o uso dessa forma.

4 - Discord




O Discord é um dos métodos preferido dos gamers de comunicarem, mas além disso ele se tornou uma ferramenta de fórum muito interessante também, com comunicação via chat, voz e imagem. Um quarto lugar neste Top 5 é mais do que justo.

Aproveite para conhecer a comunidade #L2G que nós temos lá no Discord.




Os desenvolvedores agradeceram a possibilidade de instalar uma ferramenta tão completa quanto essa com um simples clique, fechando o Top 5 de aplicativos Snap mais baixados neste ano, o que mostra o grande interesse de desenvolvedores Android no Ubuntu como plataforma também.


O futuro é o Snap?


A popularidade do formato mostra que o Snap vem se tornando muito atrativo para as empresas que querem portar os seus produtos para um sistema com suporte empresarial, no caso o Ubuntu, ainda que esse formato automaticamente porte o software para todas as distros Linux compatíveis com o Snapd.

Apesar do Snap ser muito atrativo, ele não é o único, formatos como Flatpak e AppImage também vem ganhando maior atenção, esperamos em breve ter dados para poder mostrar um “top” desses formatos também.

A lista acima representa apenas alguns dos Snaps mais populares, outros que fazem parte do Top 10 de Snaps mais baixados incluem também o Next Cloud, o servidor de streaming Plex, o editor de texto Notepad++, o editor de vídeo Shotcut e o game Xonotic.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar Yu-Gi-Oh! Duel Links (PC) no Linux via Steam Play

Nenhum comentário

quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

Duel links é o atual popular título da Konami da franquia milionária Yu-Gi-Oh! O game vem fazendo muito sucesso, sendo lançado primeiramente para dispositivos móveis, tendo mais de 10 milhões de downloads na Google Play, posteriormente chegando aos PCs pela Steam, onde é gratuito e disponibilizado para Windows originalmente, mas graças ao Proton e ao Steam Play você pode jogar no Linux como se fosse um game nativo.

duel-links-steam-play-proton-linux






O procedimento para fazer a instalação é realmente simples, porém, é necessário fazer um pequeno ajuste para rodar o jogo perfeitamente. Primeiro eu vou te explicar como fazer a instalação, depois eu te explico o porque da instalação precisar ser feita dessa forma.

Como fazer a instalação do Duel Links no Linux


Existe aqui um pequeno passo a passo, sendo que alguns destes passos não são necessários caso você já utilize o Steam Play com o Proton para outros games.

1 - Nas configurações do seu cliente Steam, ative a compatibilidade com o Steam Play

Temos um artigo aqui no blog explicando o passo a passo para habilitar a ferramenta, com dois ou três cliques você consegue ativar a funcionalidade, basta conferir aqui. Se você já tem o Steam Play ativado, esse passo pode ser desconsiderado.

2 - Faça o download do Game

O Duel Links é um game bem pequeno no seu download inicial, mal chegando aos 100 MB de tamanho, ainda que requeira até 4GB de espaço em disco caso você queira baixar as imagens das cartas em alta resolução. Procure pelo game na Steam e instale normalmente, mas não clique em jogar ainda.

Em tese, isso deveria ser o suficiente, ou seja, é o mesmo processo que você faria no Windows, entretanto, o Duel Links necessita do Net Framework 4.5 para rodar, no Windows o game considera que essa dependência já está instalada, pois geralmente está (caso não esteja, mesmo no Windows, você precisará instalar), já no Linux, obviamente ela não está instalada, por se tratar de um componente Windows.

O jogo precisa também do DirectX, do VCrun, entre outras dependências, porém estas são instaladas ao clicar em "jogar" ou "play" pela primeira vez, como a maior parte dos games. Como você deve estar imaginando, a grande questão aqui é instalar o Net Framework 4.5 no Steam Play, no prefixo do Proton do Duel Links.

Eu sei, até soa meio complicado, mas não é, vai por mim.

3 - Instale o Winetricks

Vamos precisar do Winetricks para instalar esse complemento, além de ter o próprio Wine instalado para evitar estes problemas, precisamos dos seguintes pacotes:
  • wine64 
  • wine32-preloader 
  • winetricks
Você pode procurar por eles no seu gerenciador de pacotes ou loja de aplicativos e instalar um por um, no caso do Ubuntu, com a GNOME Software como loja, esse tipo de pacote não é encontrado, então você pode usar o Synaptic para isso, já no Linux Mint, você tem esse recurso através da loja do sistema.

WINE-LINUX-INSTALL
Gerenciador de pacotes do Linux Mint
Caso você use outra distribuição, consulte o gerenciador de pacotes da sua distro e procure pelos pacotes mencionados. Caso você use Ubuntu ou Linux Mint, é possível instalar todos os pacotes com um comando único no terminal:
sudo apt install wine64 wine32-preloader winetricks -y
O próximo passo é instalar, via Winetricks, o pacote dotnet4.5, que referencia o Netframework 4.5.

Para fazer isso, o Winetricks pode ser aberto pelo menu, ele é uma aplicação gráfica, porém, atente-se para escolher o diretório onde o game (Duel Links) está instalado, originalmente no Steam Play ele fica nesse diretório:

home/dionatan/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx

Onde o nome dionatan deve ser substituído pelo nome do seu usuário, selecionando a opção de instalar complementos e adicionando o DotNet4.5, entretanto, eu acho mais fácil rodar outro comando simples que vai fazer todo o processo por você:
WINEPREFIX=/home/$USER/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx winetricks dotnet45
Não sei se você percebeu, mas se você quiser fazer tudo de uma vez pelo terminal, algo quase mágico que o Linux proporciona, você pode instalar os programas necessários e "aplicar o patch" no jogo copiando e colando este único comando no terminal, tudo de uma vez:
sudo apt install wine64 wine32-preloader winetricks -y && WINEPREFIX=/home/$USER/.steam/steam/steamapps/compatdata/601510/pfx winetricks dotnet45
Simples e rápido.

4 - Agora é só jogar! 

Com este pequeno ajuste é possível jogar o game normalmente, basta clicar em "Play" ou "Jogar", aguardar a instalação daqueles componentes que o jogo precisa e logar com a sua conta. O ideal é ter a sua conta atrelada ao perfil da Konami para poder recuperar os seus decks do game que você joga no Smartphone.

Seguem algumas telas do game rodando no Linux Mint 19.1:

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Linux Mint Duel Links

Como melhorar a situação?


O game roda perfeitamente bem, sem travamentos, engasgos ou qualquer outra coisa, porém, sabemos que ele não é um primor de porte. Parece que Konami simplesmente jogou o Duel Links dentro do Unity 3D e exportou para PC, e não se preocupou nem em adicionar todas as dependências que o jogo precisa para instalação na primeira "run" do jogo.


Felizmente rodar ele no Linux, apesar do ajuste, hoje em dia é muito simples, mas poderia ser ainda mais, caso esse passo fosse desnecessário, e é aí que você entra. Fale com a Konami no Twitter, mande e-mails e peça pela simples inclusão desse pacote no instalador do jogo, provavelmente até quem joga no Windows vai se beneficiar.

Até a próxima e que o coração das cartas esteja com você!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conexão 5G no Brasil: uma realidade próxima?

Nenhum comentário

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Quando o final de um ano se aproxima, costumam surgir nos meios de comunicação quais são as novidades para o ano seguinte. Afinal, as empresas querem preparar os consumidores para as mais diversas tecnologias que vão entrar no mercado. Uma das mais esperadas por muitas pessoas, especialmente no Brasil em que ainda não é uma realidade, é a conexão móvel 5G. Mas de fato, o que isso muda na vida das pessoas?

5G no Brasil






O primeiro passo é entender o que significa esse tipo de sigla. Basicamente, a internet móvel passa por mudanças conforme a tecnologia vai evoluindo. Há seis anos, noticiamos aqui a chegada da internet 4G no Brasil, ou seja, a quarta geração de conexão de internet por meio de dados móveis, um tipo que se utiliza para que o seu smartphone receba as mensagens e abra aplicativos que dependem de conexão quando você não está em uma rede Wi-Fi.

Atualmente, estima-se que cerca de 93% dos brasileiros se conectam diariamente por meio da tecnologia 4G. Acontece que, assim como outros itens da nossa rotina, o 4G também está obsoleto. Em 6 anos foi possível desenvolver uma estrutura melhor, para oferecer mais velocidade para os clientes, por meio da 5G.

Conexão 5G


Embora a tecnologia já esteja disponível, ainda deve demorar para que ela chegue no Brasil. Alguns lugares dos Estados Unidos estão recebendo esse tipo de transmissão somente agora, e por aqui, ainda há uma discussão entre as operadoras sobre quem vai comprar uma faixa da 5G. Ainda assim, para funcionar da melhor forma possível, é necessário que essas operadoras façam um grande investimento em infraestrutura, já que o que temos hoje não é suficiente para suportar esse tipo de conexão. Isso pode fazer com que leve ainda mais tempo para termos a atualização no Brasil.

Vamos voltar à pergunta do início: mas de fato, o que isso muda na vida das pessoas? Pois é, para alguns usuários muito pouco. Uma grande parcela da população utiliza os dados móveis do celular apenas para transferência de dados simples, como envio de mensagens e atualizações em redes sociais. Porém, para pessoas que trabalham pelo smartphone, fazem transferências financeiras ou mesmo jogam pelo celular, uma internet melhor seria um grande avanço.

Um contatação simples de fazer é que: As pessoas usam ferramentas mais simples e limitadas enquanto estão usando dados móveis, simplesmente porque a estrutura atual não torna possível ir muito além disso.

Um exemplo são as pessoas que jogam em plataformas de apostas. Muitos sites oferecem aplicativos para seus usuários, e uma conexão móvel mais rápida como a 5G garantiria melhor qualidade na entrega do serviço. Esse é um mercado que está em constante expansão, ainda mais com as promoções e bônus de boas-vindas que os sites de apostas oferecem. Melhor transferência de dados móveis seria um fator muito vantajoso para pessoas que lucram por meio de jogos, ou até mesmo para aqueles que lidam com investimentos voláteis, como forex. Isso porque, a agilidade é um fator chave em tais mercados. Falhas de conexão podem resultar em perdas significativas para os usuários, e não estamos falando só de "perder a paciência", mas de dinheiro mesmo.

Outras atualizações e promessas


Porém, é importante frisar que ainda que a tecnologia 5G chegasse rapidamente ao Brasil, a maioria dos equipamentos telefônicos não suportariam essa conexão. Pois é, comprou um celular novo que só suporta 4G pro Natal... só lamento. Por isso, a partir do ano que vem, novos modelos que possibilitam o uso do 5G começam a chegar ao mercado brasileiro e aí você vai precisar se dar de presente um novo aparelho se quiser usar a tecnologia.

As principais empresas que fabricam celulares já estão se adiantando e correndo para desenvolver um chip que seja compatível com esse perfil de transmissão de dados e algumas delas garantem que até metade do ano que vem teremos novos modelos. Ainda neste ano, a Motorola foi a primeira a lançar um modelo que atendesse a 5G. Uma curiosidade é que não é um modelo novo, mas sim um acessório (como um chip) que será utilizado para atualizar o seu equipamento. Já a tecnologia 5G em si, os otimistas acreditam que pode começar a funcionar em 2020. É esperar para ver.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Samsung escolhe Ubuntu como distro Linux para o seu novo produto

Nenhum comentário

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Recentemente a Samsung demonstrou o DeX, um produto que deve ser utilizado em conjunto com os Smartphones topo de linha da empresa para entregar uma experiência desktop híbrida para os consumidores, até certo ponto, de forma semelhante ao que a própria Canonical pretendia fazer com o Ubuntu Phone.

Samsung DeX






A "Samsung Developer Conference" que aconteceu em San Francisco (EUA) costuma  trazer novidades sobre as mais recentes tecnologias desenvolvidas pela empresa para serem adicionadas ao portfólio de produtos. No evento a Samsung mostrou a evolução do projeto "Linux on DeX", por sua vez, o DeX é um produto que permite usar um Smartphone atrelado a uma espécie de "dock", mudando a usabilidade para algo mais semelhante a um Desktop tradicional, podendo ser conectado mouse e teclado, dando maior versabilidade para o aparelho.

A ideia por trás do conceito é rodar as aplicações disponibilizadas pela Samsung em uma tela maior, como uma televisão ou monitor, com enfoque em produtividade, podendo também ser usado para entretenimento para assistir filmes, jogar alguns games ou simplesmente navegar na internet em uma tela maior.

A atualização para o DeX traz suporte para distros Linux mais robustas e adequadas para o desktop  ao ambiente da Samsung. A distro escolhida pela empresa Sul Coreana foi o Ubuntu, segundo o blog da Canonical, o Ubuntu foi escolhido por ser uma distro popular entre os desenvolvedores e escolha de muitas empresas ao redor do mundo para seus projetos, incluindo a própria Samsung.


A ideia é simples de entender e o vídeo acima ilustra muito bem. Enquanto o Smartphone estiver desplugado do DeX, você tem um Smartphone normal, como qualquer outro Galaxy da Samsung, plugando ele no equipamento, atrelado a um mouse e teclado, automaticamente você tem um sistema operacional de desktop, simples assim.

Apesar da Samsung possuir uma versão de sistema e interface para o DeX, existem ainda várias limitações, especialmente para atender ao público de desenvolvedores, que é o nicho que empresa parece estar focando nesse momento inicial, por isso a possibilidade de rodar uma distro Linux mais tradicional que o Android se torna interessante.

A Canonical está trabalhando com a Samsung para oferecer uma versão modificada do Ubuntu 16.04 LTS e oferecer uma melhor experiência para os desenvolvedores.

Atualmente o DeX está liberado somente para Beta Testers e desenvolvedores, porém, você pode entrar para essa lista clicando aqui, entretanto, mais do que estar na lista, você precisa de um Galaxy Note 9 ou um Galaxy Tab S4 rodando Android Oreo ou superior.

Você pode ler o anúncio da Samsung de forma completa aqui.

Semelhanças e diferenças com o Ubuntu Phone


Muitas pessoas comentaram que o que a Samsung está fazendo agora é realizar o sonho que Canonical tinha com o Ubuntu Phone e o Unity 8. Na verdade o projeto tem semelhanças e diferenças, eles seguem por dois caminhos diferentes para oferecer produtos semelhantes.


A diferença maior entre os projetos está na forma com que a Samsung está tentando atingir essa condição híbrida de Smartphone e Desktop em relação ao que a Canonical planejava.

A Canonical estava desenvolvendo uma interface única que se adaptava em relação ao dispositivo em que estava rodando, de certa forma, parecido com o modo desktop e modo Tablet do Windows 10, de modo que quando você conectasse o seu Smartphone a um cabo HDMI, por exemplo, a tela do Smartphone se transformasse em um touchpad e você poderia operar o equipamento em um layout diferente, com um visual que seria, dependendo do tamanho da tela conectada, igual ao Unity 8 que seria usado no desktop.

Como sabemos, o plano não vingou, ainda que o projeto do Ubuntu Touch ainda permaneça de forma mais modesta nas mãos da comunidade, entretanto, agora a Canonical pode ajudar a trazer esse conceito com a ajuda da Samsung.

A empresa dona da marca "Galaxy" levou esse conceito de outra forma, acreditando que seria mais viável e eficaz "embutir" dois sistemas em um só, um que funciona no Smartphone tradicional e outro que entra em ação quando conectado ao DeX, porém, permitindo o acesso ao armazenamento normal do aparelho, além de alguns aplicativos específicos que são capazes de rodar em ambos os ambientes.

A grande diferença de um possível sucesso desse projeto é que a Samsung já é uma das maiores fabricantes de Smartphones do mundo e possui uma cartela gigantesca de clientes, coisa que a Canonical não tinha, além disso, a empresa parece não estar com muita pressa de lançar um produto como o DeX, que ainda está claramente inacabado, mantendo ainda essas novidades no canal Beta de seus produtos.

Certamente poderemos aguardar novidades no futuro. Convergência de dados, como faz a Apple em seus produtos ou convergência de produtos, e por consequência de dados também, como está fazendo a Samsung? Quem será que emplacará o novo modelo? Façam suas apostas.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O fone de ouvido que você vai querer levar na sua viagem! Edifier W806BT

Nenhum comentário

sábado, 29 de setembro de 2018

Quando você está em uma viagem, você definitivamente quer se preocupar somente em aproveitar a viagem, problemas técnicos como a falta de bateria no celular, são coisas que você não quer ter que se preocupar, certo? Então porque não seria o mesmo com os seus fones de ouvido?

Edifier análise do produto





Para mim um bom fone ouvido para viagem precisa atender a 3 requisitos:  

1- Ter uma boa qualidade sonora;
2 - Ser confortável;
3 -  E uma vez sendo bluetooth, ter uma boa bateria.

Uma vez estes detalhes satisfeitos, eu começo a observar o design e o material de que ele é feito, além de qualquer outro benefício adicional que ele possa me oferecer.

Quando eu fiz o Unboxing do fone, uma das coisas que mais chamaram a atenção na apresentação era a promessa da bateria dele durar 70 horas. E no fim das contas, ele realmente acabou surpreendendo!


Eu fiz o vídeo de unboxing um dia antes de sair para viajar e isso já faz quase 1 mês! Eu utilizei o fone ligado direto com BT durante no mínimo 43 horas e a bateria ainda está na metade. Então a prerrogativa é muito boa, mesmo que não durasse o dobro, eu já estou mais do que satisfeito com essa duração de bateria.

Confira o vídeo com a análise completa do Edifier W806BT:


Certamente eu estou completamente satisfeito com o produto e recomendo a todos que buscam um bom fone para levar nas suas viagens mais longas, caso você deseje comprá-lo, acesse o site da TOMTOP, que foi onde ele foi adquirido.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


9 dicas de segurança para o seu Android, segundo os especialistas da Kaspersky

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Atualmente os sistemas para Smartphone são consideravelmente seguros, mas devemos lembrar que eles também estão nas mãos das pessoas mais leigas em termos de tecnologia, por isso, é importante se atentar a alguns detalhes para não ter problemas, confira:

Dicas de segurança para o seu Android






Não é de hoje que os usuários sabem dos inúmeros ataques que podem torná-los vítimas de cibercriminosos. Quando se trata da segurança dos nossos dispositivos conectados, é essencial protegê-los desde de coisas simples, como o seu hábito de utilização, e estar ciente dos diferentes métodos que os criminosos usam para enganar os usuários e infectar os dispositivos.

Uma das razões pelas quais os usuários do Android estão mais expostos é porque o sistema permite a instalação de aplicativos de qualquer origem de forma mais simples, não apenas da loja oficial (como no iOS). De acordo com uma investigação da Kaspersky Lab, 83% dos aplicativos do Android têm acesso aos dados confidenciais de seus proprietários, e 96% desses aplicativos podem ser iniciados sem o consentimento.

Não podemos negar que os cibercriminosos são muito criativos e, por isso, os usuários não podem facilitarem, mesmo que indiretamente, esses golpes, fornecendo mais informações do que se deve”, alerta Thiago Marques, analista de segurança da Kaspersky Lab. “Muitos não pesquisam sobre o app e, só baixam por estar em alta. É por isso que é preciso se informar mais e mais, entender o quão pesado é aquele app e se é realmente é necessário baixa-lo”, reforça.

Pensando nisso, a Kaspersky Lab separou algumas dicas para que os usuários não sejam vítimas de suas próprias atitudes e evitem ao máximo caírem em golpes:

1. Como baixar um app seguro? 

O Google possui um departamento inteiro dedicado a verificação de aplicativos que acabam na Google Play. Entretanto, o malware ainda consegue passar vez ou outra. Ainda assim, o risco de baixar um
aplicativo infectado diretamente da loja oficial é muito menor do que de qualquer outra fonte;

2. É só baixar e pronto? 

Antes de fazer o download, procure saber mais detalhes sobre a descrição do aplicativo e sobre os criadores, além de outros trabalhos que eles tenham realizado;

3. O app é nota 10. Qual o problema? 

Um aplicativo com notas altas é bom, útil e provavelmente mais seguro, mesmo assim, fique atento. Uma nota alta não é tudo e as avaliações precisam parecer consistentes, escritas por pessoas de verdades e não bots, inclusive as negativas – às vezes, os cibercriminosos usam Trojans para melhorar a avaliação de aplicativos. Além disso, olhe o número de usuários, aplicativos com milhões de downloads tem menos chances de serem malware;

4. O que o seu app precisa saber sobre você? 

A partir do sistema de permissões, o usuário consegue controlar o quanto de liberdade terá um aplicativo. Por exemplo, seu novo app precisa mesmo ter acesso à sua câmera? E ao seu microfone? Os perigos mais comuns envolvem a habilidade de aplicativos de roubar seus dados (localização, contatos, arquivos pessoais) e realizar certas operações como tirar fotos, gravar áudio, vídeos, enviar mensagens, entre outros. Segundo a Kaspersky Lab, aproximadamente 40% das pessoas na América Latina admitem que não verificam as permissões de seus aplicativos móveis pré-instalados em seus dispositivos Android e iOS, e 15% deles não verificam as permissões ao baixar ou
instalar novos aplicativos em seus dispositivos móveis;

5. Menos é mais. 

Essa frase se aplica no mundo online também, já que quanto menos aplicativos o usuário tiver no seu dispositivo, menos chances de ter
estragos;

⇝ Confira também:



6. “A última vez que atualizei...” 

Quanto mais atualizado estiver o sistema operacional e as versões dos aplicativos, menos problemas de segurança o usuário enfrentará em seu dispositivo. Por isso, as atualizações devem ser regulares. “Mais do que ter a tecnologia a seu favor, os usuários precisam estar conscientes dos perigos que estão no mundo online para evitá-las e das melhores formas para se protegerem”, afirma Marques;

7. Segurança em dose dupla. 

A autenticação de dois fatores é um recurso oferecido por vários prestadores de serviços online que acrescentam uma camada adicional de segurança para o processo de login da conta, exigindo que o usuário forneça duas formas de autenticação. A primeira forma – em geral – é a sua senha. O segundo fator pode ser qualquer coisa, dependendo do serviço. O mais comum dos casos, é um SMS ou um código que é enviado para um e-mail;

8. Minha senha é 1234. 

Não tem como os usuários garantirem segurança se não começam com uma grande proteção como uma senha forte”, reforça Marques. “Informações mais óbvias como data de nascimento, cantor favorito, entre outras que sejam fáceis de qualquer pessoa saber, não devem ser colocadas com senhas”. Por isso, para que uma senha seja segura, ela deve ser única e complexa; em particular, deve ter pelo menos 15 caracteres de comprimento e combinar letras, números e caracteres especiais – o que dificulta os cibercriminosos de adivinharem;

⇝ Confira também:


9. Opa, Wi-fi sem senha. 

Verifique se a sua conexão com a Internet é segura. Ao conectar-se a um site público utilizando uma rede Wi-Fi pública, você não possui controle direto sobre sua segurança. Portanto, você pode preferir usar uma VPN, para ao menos ter o controle de por onde seus dados estão passando, como o próprio Kaspersky Secure Connection, quando tiver dúvidas sobre a segurança da rede Wi-Fi. Esta ferramenta impede a intercepção de informações, pois criptografa todos os dados enviados e recebidos na rede. É essencial não fazer compras online ou transações bancárias enquanto estiver conectado a uma rede Wi-Fi pública. 

Fique ligado no seu comportamento como usuário, a sua segurança começa com você mesmo!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Aprenda a criar um cartão de visita Digital!

Nenhum comentário

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

A evolução da nossa comunicação é perceptível. A internet é, em grande parte, responsável por isso, mas a tecnologia, de forma geral, é que mudou drasticamente a forma com que os seres humanos gerem as suas intercomunicações. Curiosamente, mesmo que tenhamos mudado para o meio digital em diversos setores, um dos setores que é ainda responsável por pouca praticidade, desperdício de dinheiro e principalmente, desperdício de papel, e por consequência, de árvores, são os famigerados "cartões de visita". 

Cartões Digitais






Os cartões de visita são uma forma muito comum das pessoas apresentarem algumas informações pertinentes sobre si mesmas e sobre o trabalho que desenvolvem, porém, em meio a esse tipo de situação, alguns detalhes passam despercebidos.

Uma das primeiras coisas que eu fiz quando comecei a trabalhar foi criar um cartão de visitas que mostrasse todas as minhas "super habilidades", pouco tempo depois eu tinha entregue alguns, mas ainda tinha algumas centenas em casa e tinha que alterar dados neles... ou seja, a falta de planejamento atrelada a uma tecnologia praticamente imutável acabou gerando um certo desperdício, Acho que hoje, mais de uma década depois, ainda tenho alguns cartões daquela época.

Usar um cartão através  de um App em um meio digital tem alguns pontos interessantes:

- O seu cartão é dinâmico, ao contrário de um cartão físico que caso você deseje alterar alguma informação será necessário reimprimir, gerando mais custos e levando algumas árvores junto;

- O seu cartão é facilmente descartável, são pouquíssimas as pessoas que realmente mantém catálogos com cartões de visitas, ainda mais na era digital, onde tudo pode ser pesquisado. Ter um cartão digital facilita no armazenamento da informação, no compartilhamento dela e caso a pessoa não queira guardá-lo, ela simplesmente apaga um arquivo no celular, ao invés de gerar lixo.

- Você pode acabar esquecendo de ter um cartão de visita junto com você em um momento crítico, mas nunca deixará de ter um celular por perto provavelmente, o que lhe permite compartilhar o seu cartão.

- Você pode querer compartilhar um cartão com uma pessoa ou grupo de pessoas em local diferente, como uma palestra, etc.

Para te dar uma sugestão legal de como você pode criar um cartão elegante e de forma simples para o seu negócio, ou qualquer outra atividade, nós produzimos este vídeo sobre um App chamado ECOCARD, confira:


Sobre o App ECOCARD


Como você pôde conferir no vídeo acima, o App tem várias funcionalidades interessante de compartilhamento e criação de uma identidade visual. Eu entrei em contato com os desenvolvedores para falar sobre o App e parabenizar pela iniciativa, afinal, o fator ecológico, prático e econômico que algo assim oferece é realmente digno de elogios, mas aproveitei para pedir sobre novidades que devem chegar ao App no futuro.

Para você que já achou o ECOCARD interessante, saiba que em breve será possível alterar também o plano de fundo do cartão, permitindo uma customização visual ainda melhor, deixando o cartão com "a cara" da sua empresa. Outro recurso interessante é que será possível compartilhar essa base de arte para todas as pessoas que trabalham com você, assim todos os colaboradores da sua empresa poderão usar o mesmo cartão padronizado.

O ECOCARD tem versão para Android e iOS e é completamente gratuito, até mesmo sem anúncios, ele não tem fins lucrativos, pelo que os desenvolvedores comentaram, a ideia é simplesmente apoiar a ecologia, usando a tecnologia para tornar o nosso mundo um lugar melhor para se viver e, quem sabe, com um ar mais puro para se respirar.

Colocar essa ideia em prática já lhe torna um empreendedor mais responsável com o planeta e certamente, chama a atenção das pessoas.

Baixe o App e teste! Se gostar, espalhe a ideia! :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Fortnite: Battle Royale, chegará ao Android muito em breve

Nenhum comentário

segunda-feira, 13 de agosto de 2018

Ótima notícia para todos os fãs de um dos videogames mais eletrizantes da atualidade! Informações reveladas há pouco confirmam que Fortnite está chegando mais perto de ser lançado para Android ainda neste verão.

Fortnite para Android







A Epic Games, a empresa por trás do Fortnite está finalmente trabalhando em uma versão Android do game, após seu sucesso com o lançamento em dispositivos iOS. As primeiras menções da empresa para o lançamento final da versão do jogo para Android, o sistema operacional do Google baseado em Linux, afirmaram que poderia estar pronto até este verão, sem explicitamente falar sobre uma data. A grande notícia para os fanáticos do jogo, é que os mineradores de dados no Fortnite Tracker, encontraram arquivos .ini na mais nova atualização do jogo, que estão diretamente conectados a uma versão Android do Fortnite: Android_Engine, Android_Game e Android_RuntimeOptions. 

Por que o Fortnite estar disponível no Android é uma boa nova?


O que faz a grande diferença no lançamento do Fortnite para Android é que ele se transforma em um dos poucos jogos cross-platform que existem, e que usam a mesma conta de usuário, mesmos servidores, as mesmas informações e status do jogo, ao mudar de um dispositivo ou sistema operacional para outro. 

Exemplos dessas plataformas podem ser vistos com o Netflix, onde os usuários podem começar a assistir a um filme em seu tablet, e continuar vendo exatamente onde eles saíram em sua Smart TV. A Betway Casino é outro exemplo dessa abordagem, já que seus usuários podem estar jogando nos seus laptops em casa e, em seguida, usar as mesmas informações de conta para continuar jogos como Blackjack ou Roleta em seus smartphones. No contexto musical, o Spotify oferece a mesma facilidade de ouvir música em um iPhone e continuar tocando a música em outro dispositivo, como um computador Linux, quando o login no aplicativo é detectado. Ao se tornar cross-platform, o Fortnite: Battle Royale, se une a outros poucos videogames desse tipo, como o Hearthstone, da Blizzard Entertainment, o famoso Minecraft, da Mojang, e o Rocket League, da Psyonix.

Falta ainda a versão de Linux no Desktop? Falta, mas quem sabe, né? Ao menos um dos Linux vai receber o porte.

Netflix


Por que a Epic Games escolheu este verão como ideal para o lançamento?


A empresa uniu forças com o gigante chinês, Tencent, para lançar uma versão Windows do jogo para o mercado chinês, e sendo a China o país com o maior número de usuários de smartphones por uma muito grande diferença, (775 milhões, versus 386 milhões da Índia), a versão Android do Fortnite pode ser um recurso muito lucrativo para a Epic Games e a Tencent. O game para computador foi lançado na China há poucos dias, e apesar de atrair a atenção dos jogadores de PC no extremo oriente do mundo durante esta semana, a versão para o Android pode ser exatamente o que o jogo precisa para decolar na China, que é um dos maiores mercados do Android e do Linux no mundo.

Após seu lançamento, o Fortnite ainda terá que competir com o PlayerUnknown's Battlegrounds, da PUBG, que é um dos poucos jogos que já estão entre os favoritos dos jogadores chineses, e também tem a capacidade multiplataforma que permite aos seus jogadores alternar entre Android, iOS, Xbox One e Windows.

Um Beta já foi disponibilizado para alguns aparelhos da Samsung, o que significa que em breve teremos novidades.

O Google é pioneiro em ser multiplataforma


Uma das principais estratégias do Google é oferecer aos usuários a facilidade de usar a mesma conta e continuar trabalhando ou se divertir facilmente em diferentes dispositivos, com o Gmail, o Google Drive ou o próprio Google Docs, que tenta substituir ao Microsoft Office, sendo exemplos de como o Google trabalhou na integração online. O princípio por trás dessa tecnologia é atualizar constantemente as alterações do usuário ou trabalhar online para que todas essas informações estejam sempre atualizadas usando uma conexão com a Internet. O exemplo mais claro desse esforço é o lançamento do Google de seus Chromebooks e seu sistema operacional Chrome OS, feito por diferentes fabricantes de computadores com o objetivo de reduzir os custos de hardware e basear o uso dos mesmos e o espaço de armazenamento na internet.

Multiplataforma

O uso dos mesmos detalhes da conta em vários dispositivos para fazer uma transição perfeita e oferecer a mesma experiência exige esforços muito difíceis por parte dos desenvolvedores, e é uma tarefa muito agradável quando o resultado final é tão uniforme quanto nos exemplos anteriores.

E aí, vai jogar Fortnite no Android?

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


RAMpage - Falha de segurança afeta Androids de 2012 em diante

Nenhum comentário

sábado, 30 de junho de 2018

Uma nova falha de segurança foi descoberta no sistema operacional para Smartphones mais utilizado do mundo, o Android, sendo capaz de afetar praticamente todas as versões do sistema à partir de 2012.

Falha no Android







Oito acadêmicos de três universidades diferentes relataram em conjunto a descoberta de uma falha de segurança que afeta o Android e foi batizada de "RAMpage". O RAMpage quebra o isolamento fundamental entre os aplicativos instalados pelo usuário e os processos do próprio sistema operacional, lembrando um pouco as falhas que tivemos neste ano nos processadores Intel nos computadores tradicionais.

A exploração do RAMpage permite que os atacantes possam obter acesso administrativo ao sistema e por consequência, acesso aos dados armazenados no aparelho, podendo incluir senhas armazenadas nos aplicativos ou nos browsers, fotos e vídeos, e-mails, mensagens instantâneas, etc.

O RAMpage ataca o subsistema ION nos Androids, que é um driver de alocação de memória que foi lançado pela Google juntamente com o Android 4.0 Ice Cream Sandwich. O curioso é que os pesquisadores afirmam que o RAMpage é versátil e é concebível ver ataques envolvendo ele em dispositivos iOS e até mesmo desktops.

Como o RAMpage é destinado ao ION, os gadgets que usam RAM LPDDR2/3/4 são afetados. Em outras palavras, se o seu telefone Android foi lançado durante ou após 2012, ele é potencialmente vulnerável ao ataque.

A pesquisa envolvendo o RAMpage ainda é bastante nova, mas agora que um holofote está sendo colocado sobre ela, esperamos que o Google e outros OEMs façam sua parte para obter dispositivos remendados para usuários em todo o mundo. O que mais uma vez pode acabar pesando é a dita fragmentação de dispositivos, como discutimos no artigo de ontem sobre o Android GO.

Fonte
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Android GO pode salvar Smartphones mais fracos?

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Existe um grande problema com a evolução massiva da tecnologia, os dispositivos que usamos atualmente acabam ficando desatualizados com uma frequência muito maior do que gostaríamos, fazendo com que especialmente Smartphones não tão potentes fiquem pouco utilizáveis com o passar do tempo.

Android GO






O Android GO, que o Google anunciou no início deste mês, é uma versão mais leve e compacta do sistema operacional com a intenção de atender aparelhos mais baratos e com especificações técnicas mais baixas.

Essa versão do Android é feita para rodar em aparelhos com até 1 GB de RAM, ocupando também menos espaço de armazenamento e claro, com recursos mais limitados. A ideia da empresa é que qualquer pessoa possa ter uma "experiência Google" sem precisar comprar um Smartphone mais caro para isso, ao menos é o que comenda Arpit Midha, gerente de produto da Google e do Android GO.

Para evitar confusões entre os consumidores, a Google decidiu emitir um certificado para empresas que decidirem usar o Android GO, esse certificado, para ser incluso na caixa, precisa ser conseguido através de testes que os aparelhos devem passar, incluindo testes de desempenho, além disso, praticamente todos os aplicativos recebem o sufixo "GO", como, "YouTube GO", "Gmail GO", etc.

Atualmente o Android GO é baseado no Android 8 (Oreo), mas provavelmente com a chegada do Android P teremos novidades.

O interessante é que vários aparelhos de baixo custo vendidos no Brasil podem se beneficiar dessa variação "lite" do Android, como alguns modelos da Positivo, Alcatel e Multilaser, que já anunciaram a intenção de trabalhar com esta nova variação do Android. Isso para citar alguns exemplos mais próximos, mas a Google afirma que mais de 100 fabricantes ao redor do mundo demonstraram interesse no Android GO.

Resolvendo alguns problemas


O Android GO realmente tem o potencial de amenizar alguns problemas de atualização nos aparelhos de mais idade, mas nada parece ser 100%. 
Um dos impeditivos de atualizar aparelhos antigos é justamente que versões mais recentes do Android tendem a ser um pouco mais pesadas do que versões passadas para determinados hardwares, no entanto, mesmo com o Android GO, a famigerada fragmentação ocorrerá também conforme o tempo for passando, visto que desempenho não é o único empecilho.

Você pode saber mais sobre o Android GO neste site. O interessante é que mesmo que você compre um aparelho mais parrudo, com "Android normal", se desejar, você poderá instalar vários "Apps GO" diretamente da Google Play. Mas fica a dúvida, você compraria um Smartphone com Android GO?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo