Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador bsd. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador bsd. Mostrar todas as postagens

Nova falha de segurança afeta distros Linux e BSD

Nenhum comentário

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Recentemente o pessoal do ZDNet soltou uma publicação em que alerta para uma nova falha de segurança no Xorg  que afeta distros Linux e BSD.


Nova falha de segurança afeta distros Linux e BSD






A falha encontrada é no X.Org Server e ela permitia (sim, no passado mesmo) que o invasor conseguisse acesso limitado ao sistema que poderia ser via terminal localmente ou em uma sessão SSH remotamente, assim conseguindo mudar as permissões e conseguindo o modo Root.

A vulnerabilidade não está na categoria  de falhas do tipo “as bad-as-it-gets”,  e ela também não preocupa computadores com segurança alta e bem planejada, mas um pequeno deslize pode transformar rapidamente algo não tem preocupante uma invasão terrível, comenta Catalin Cimpanu.

Um consultor de segurança ouvido pela ZDNet,  Narendra Shinde, alertou que tal falha foi apontada no seu relatório de Maio de 2016 e que o pacote do X.Org Server continha essa vulnerabilidade  que poderia dar aos invasores privilégios de root e podendo alterar qualquer tipo de arquivo, até os mais cruciais para o sistema operacional.

Tal vulnerabilidade foi identificada com a “flag” CVE-2018-14665 e nela foi observado o que poderia ter causado tal falha. O manuseio incorreto de duas linhas de código, sendo elas “as -logfile” e “-modulepath”, teria permitindo que os invasores insiram os seus códigos maliciosos. Essa falha é explorada quando o X.Org Server roda com privilégios de root e isso é comum em muitas distros.

Desenvolvedores da X.Org Foundation já estão planejando soltar uma correção para o X.Org 1.20.3 e assim corrigir esses problemas causados por essas duas linhas.

Distribuições como Red Hat Enterprise Linux, Fedora, CentOS, Debian, Ubuntu e OpenBSD já foram confirmadas como impactadas, e outros projetos menores também são afetados.

As atualizações de segurança que contém o pacote corrigem a vulnerabilidade do X.Org Server  devem ser implantadas nas próximas horas e dias. No Linux Mint e no Ubuntu a correção já foi liberada e confirmada pela nossa equipe, basta atualizar o seu sistema, o mesmo, possivelmente pode se dizer das demais, verifique as suas atualizações.

Isso mostra que o Linux e o BSD não estão “salvos” de falhas e “escorregões” como essa, e assim mostrando que esses sistemas operacionais não são “imbatíveis”, mas ainda assim são alternativas robustas e seguras em relação aos sistemas Windows. Problemas como este no X.org demonstram mais uma vez a importância do desenvolvimento ativo de alternativas como o Wayland.

Espero você na próxima, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Clones do Unix também são Unix?

Nenhum comentário

sábado, 7 de abril de 2018

Mais um assunto que entra em um debate quase interminável é se Linux é realmente um Unix pelo fato de ser um clone. Coletei algumas informações em alguns sites para que possamos estudar e analisar o assunto para tirarmos a real conclusão.

Clones do Unix





Muitos defendem que Linux não é um Unix pelo fato de ser um clone; defendem até mesmo que os BSDs são mais Unix do que o Linux simplesmente por ter sua base de código originada do Unix original da AT&T e Bell Labs, porém, se levarmos em conta o processo enfrentado pela comunidade BSD e a maior alegação pela comunidade é que o BSD já havia sido tão modificado que o BSD já não tinha mais código do Unix original, então como afirmar que o BSD é mais Unix do que Linux? O que leva um sistema operacional ser mais Unix do que o outro? Ter derivação do Unix saído da AT&T?

Da mesma forma, se considerarmos o processo enfrentando pelo Linux quando a SCO acusou a IBM  de violação de contrato com código escrito para o UnixWare e doando-o ao Linux (ou seja, código de um Unix original rodando facilmente no Linux); então não há como alegar que Linux não é um Unix. O mais interessante é se considerarmos tantos programas do Linux portados para os BSDs.

Três fatores que temos que considerar é que, como descrito na página kernel.org em about que afirmam que Linux é um clone do Unix. Ele segue a especificação POSIX e a SUS (não do nosso serviço hospitalar público e sim de Sigle UNIX Specification).


Linux é um clone do sistema operacional Unix, escrito do zero por Linus Torvalds com assistência de uma equipe elástica de hackers ao redor da Net. Ele Destina-se à conformidade com a especificação POSIX e Single UNIX Specification.
Ele possui todos os recursos que você teria expectativa em um Unix moderno totalmente desenvolvido incluindo multitarefa real, memória virtual, bibliotecas compartilhadas, carregamento em demanda, executáveis compartilhados copy-on-write, gerenciamento adequado de memória e rede multitarefa incluindo IPv4 e IPv6.
De acordo com o site opengroup.org em Unix, Single UNIX Specification fornece um nível de abertura nas quais essas sem o padrão não podem, garantindo compatibilidade entre plataformas e que o foco é em padrão aberto para sistemas operacionais que incluem sistema UNIX®, POSIX®, sistemas operacionais open source tal como Linux® e BSD, sistemas real-time e redes de computadores.

A segunda coisa é que Linux não é o único clone do Unix. Neste vídeo faço uma analise comparativa entre outros três sistemas operacionais sendo eles o Minix, o Xinu e o Coherent para apresentar outros clones do Unix e chegarmos a real conclusão.

E o terceiro e último fator é que Unix é uma família de sistemas operacionais e não um único sistema operacional, pois estes seguem os mesmo padrões nos parágrafos acima mencionados (isto é o que define o que são Unix ou não). A maior diferença entre os clones do UNIX ou os sistemas operacionais UNIX-Like para o UNIX original é não poder carregar o nome UNIX por ser uma marca registrada.


Mas se nada disso não basta para você e na sua opinião estamos apenas puxando sardinha para o Linux, então ficamos por aqui com o link do próprio open group que mencionam que recentemente uma distribuição Linux se tornou certificada UNIX continuando a tendência e valor de basear o sistema operacional no padrão UNIX. Acho que isso já mata toda a xarada, não? ;)



Tanto Linux quanto os BSDs são sistemas operacionais Unix, ambos pertencem a mesma família e seguem os mesmos padrões. Ambos mantem essa beleza viva e agregando mais valor a tecnologia. O que devemos analisar são aspectos técnicos de ambos e de todos os outros Unix, vantagens e desvantagens (há muito coisa que Linux se tornou melhor até mesmo que outros Unix e o próprio Unix original).

Por hora é só e até o próximo artigo.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Os BSD estão morrendo?

Nenhum comentário

sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

As versões Open Source da Berkeley Software Distribution (BSD) do UNIX sofrem com a falta de monitoria em seu código, e isso prejudica sua segurança, disse Ilja Van Sprundel, diretor de testes de invasão no IOActive no final de dezembro.

Os BSD estão morrendo?






O artigo à seguir foi enviado por Marcos Oliveira, do site e canal "Terminal Root" e foi traduzido da fonte: CSO. Ele não reflete a opinião do blog ou do Marcos necessariamente em todos os pontos.

Admirado pelo pequeno número de vulnerabilidades do kernel BSD em comparação com o Linux, Van Sprundel analisou o código fonte do BSD em seu tempo livre. "Por que há pouquíssimos avisos de segurança de kernel de segurança BSD publicados todos os anos ?" Ele queria saber. É porque os BSDs são muito mais seguros ? Ou é porque ninguém está olhando?

Van Sprundel diz que ele encontrou facilmente cerca de 115 erros no kernel dos três BSDs, incluindo 30 para o FreeBSD, 25 para o OpenBSD e 60 para o NetBSD. Muitos dessas falhas ele chamou de "fruta quase madura". Ele informou prontamente todos as falhas de segurança, mas seis meses depois, no momento de sua palestra, muitos permaneceram sem correção. "De um modo geral, a maioria das falhas de segurança no kernel do Linux não tem uma vida longa. Eles são encontrados muito rápido", diz Van Sprundel. "Já no BSD, isso nem sempre é verdade. Achei diversos erros que
ainda não foram corrigidos".

OpenBSD, o mais seguro!


"O OpenBSD, de longe, tem os desenvolvedores mais conhecedores quando se trata de segurança", disse van Sprundel ao público. Por um lado, o OpenBSD tem um código muito menor, cerca de 2,9 milhões de linhas de código, em comparação com os 7 milhões do FreeBSD e os 7,3 milhões do NetBSD. "Obviamente, isso faz parte", diz van Sprundel. "Você não pode ter um erro no código que você não possui".

Em termos de qualidade do código, Van Sprundel também elogiou o código OpenBSD, no entanto, disse que "A qualidade é proporcional aos problemas". No entanto, a relativa falta de popularidade do OpenBSD prejudica a segurança do sistema operacional, ele sugeriu. "Os erros ainda são fáceis de encontrar. Se houvesse mais pessoas olhando para o OpenBSD, haveriam mais erros".

Theo De Raadt, fundador da OpenBSD, concordou com a van Sprundel que mais analistas no OpenBSD tornariam o sistema operacional mais seguro. "Eu lembro de ler seus primeiros slides, que foram principalmente sobre o impacto de pequenos abusos da API", disse De Raadt por e-mail. "Infelizmente, este é um problema do volume de código relativo à mão de obra. Garantir que todo o código seja 100% livre de erros é muito difícil". Van Sprundel também elogiou a resposta do OpenBSD às descobertas dos erros, dizendo que De Raadt respondeu dentro de uma semana, e o OpenBSD corrigiu as falhas dentro de alguns dias.

"Comuniquei-me com Ilja desde o início e consegui que toda nossa equipe trabalhasse em suas descobertas", escreveu De Raadt. "Nós resolvemos todos os bugs dentro de uma semana ou mais e disponibilizamos patches para aqueles que eram importantes. Na minha experiência, a única maneira de ser proativo e responsivo em um projeto de software dirigido por voluntários é nunca permitir aferição de um problema para mais tarde. Os problemas devem ser tratados o mais rápido possível para manter o interesse neles ".

NetBSD, o mais estável!


O foco do NetBSD por muitos anos foi suportar a mais ampla gama de hardware possível. Com este objetivo, no entanto, vem a necessidade de incluir uma grande quantidade de código de compatibilidade binária, e destacou-se que o NetBSD parece ser menos estável em relação a segurança.

A resposta do NetBSD aos relatórios de bugs de van Sprundel foi surpreendentemente boa e ruim. 

Por um lado, disseram que: "Eles corrigiram praticamente todos os erros submetidos, e praticamente durante a mesma noite!". Por outro lado, esses remendos ainda não foram enviados aos usuários seis meses depois. "Se você não instalar por conta própria as novas versões, seu NetBSD ainda estará vulnerável".

"Muitas das descobertas foram nas camadas de compatibilidade binária, e essas não são coisas que vão causar uma vulnerabilidade remota de qualquer maneira", diz Taylor R Campbell, membro do conselho de administração da NetBSD Foundation. "Alguém precisaria de acesso ao sistema de qualquer maneira para executar esse código".

Embora o NetBSD seja um projeto de código aberto voluntário sem desenvolvedores em tempo integral, Campbell e David Maxwell, um ex-membro do conselho de fundação do NetBSD, são ambos confiantes, o pessimismo de Agryroudis é infundado. "Nosso principal objetivo é ter um sistema central com uma arquitetura limpa, então torna-se muito fácil acessar novas plataformas", diz Maxwell. "Nós provavelmente continuaremos a ser fortes no lugar que temos sido historicamente". "Também somos notoriamente ruins no marketing", acrescenta Campbell.

FreeBSD, o mais avançado!


O FreeBSD é o mais popular dos três grandes BSDs e é usado pela Netflix, WhatsApp, entre outros . "Atualmente, o FreeBSD está a par com Linux ou superando um pouco", diz van Sprundel. "Em qualquer lugar onde você possa implantar o Linux, pode-se dizer que você provavelmente consegue também implantar o FreeBSD. Eles são implantados massivamente em muitos lugares".

O FreeBSD respondeu aos 30 erros do kernel em cerca de uma semana e corrigiu alguns no seu repositório de código-fonte. No entanto, o projeto de software lançou apenas alguns avisos, e "não se sabe dos demais", de acordo com Van Sprundel.

Ed Maste, diretor de desenvolvimento de projetos da Fundação FreeBSD e membro do time eleito do FreeBSD , diz:

"Começamos a tratar alguns destes como apenas erros e não como problemas de segurança".

A falta de desenvolvedores prejudica a segurança da FreeBSD, não só na capacidade de responder aos relatórios de erros, mas também para implementar novos recursos de segurança padrão do setor, o Argyroudis sugere. "O BSD mais popular, o mais tecnicamente avançado, é o FreeBSD, mas eles não têm tantos desenvolvedores,como Linux, e isso basicamente significa que estão um pouco atrasados em termos de recursos de segurança". "Somos capazes de fazer uma enorme quantidade de trabalho com uma base de desenvolvedores muito menor, fenomenal em termos de quantidade e qualidade de trabalho em comparação com o Linux", diz Maste. 

"A sugestão de que nosso futuro é de alguma forma prejudicado pela falta de desenvolvedores é absolutamente falso".

As vulnerabilidades do kernel do FreeBSD afetam o macOS ?


Há muito código FreeBSD no Mac e a equipe de segurança do FreeBSD coordena a divulgação com a Apple, diz van Sprundel. Ainda não está claro se essas vulnerabilidades relatadas afetam os laptops da Apple. O kernel Darwin divergiu fortemente do FreeBSD há 15 anos, e o macOS recebeu muito mais dedicação dos pesquisadores de segurança ao longo dos anos.

"Quando eu enviei os erros que eu tinha para 'Os Caras' do FreeBSD, eles perguntaram:" Você se importa se enviarmos isso para os caras da Apple? ", Disse van Sprundel. "Então, a equipe de segurança da Apple tem essa lista de erros. Não tenho ideia do quanto isso se aplica a eles. Provavelmente há alguns erros que se aplicam lá". A Apple não respondeu ao nosso pedido de comentário, e Maste recusou-se a especular, apontando que apenas a Apple saberia a resposta dessa pergunta. Maxwell da NetBSD é rápido em apontar que o macOS inclui código de não apenas o FreeBSD, mas também o NetBSD e o OpenBSD.

Os BSD estão morrendo ?


Os BSDs perderam a batalha para o Linux, e isso pode muito bem deixar de suportar a futura sustentabilidade dos BSDs como sistemas operacionais viáveis e seguros. "Fale o que quiser do kernel Linux, mas a verdade é que ele possui mais magnitude.", conclui Van Sprundel. "Com base no meu resultado, a qualidade do código por si só não pode explicar a discrepância entre os números de erro (BSD versus Linux)".

O OpenBSD pode ser o mais provável de sobreviver, apesar de ser muito menos popular que o FreeBSD no momento, sugere Argyroudis. "Vejo uma maior chance de o OpenBSD sobreviver porque tem um caso de uso mais focado e segmenta coisas específicas. FreeBSD, acho muito mais difícil para ele sobreviver do que o OpenBSD".

Medir a popularidade dos BSDs é difícil, argumenta Maste. "Um dos desafios com a tentativa de medir ou quantificar a popularidade do FreeBSD ou dos outros BSDs é que, em muitos casos, é usado em aplicativos ou implementações que não são particularmente visíveis", diz ele, como aparelhos ou produtos que se desenvolvem derivados do FreeBSD.

A licença BSD permissiva torna ainda mais difícil quantificar a popularidade dos BSDs. "Para os usuários finais, coisas como a licença no código podem não importar muito", diz Maxwell da NetBSD, "mas para as pessoas que compõem sistemas incorporados, para as pessoas que estão construindo produtos, o licenciamento do código é muito importante".

Argyroudis continua a ser pessimista sobre o futuro dos BSDs. "Eu adoro a base do código BSD", diz ele, "e eu adoraria poder contar-lhe coisas diferentes, principalmente sobre o FreeBSD, o maior rival do Linux. Infelizmente, eu não acho que esse é o caso, eu acho que isso se resume a uma falta de desenvolvedores".

Você pode apoiar a BSD Foundation através de doações no site oficial e reportando bugs.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça, instale e personalize o FreeBSD

Nenhum comentário

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Algumas pessoas pediram pra gente comentasse um pouco sobre BSD aqui no Diolinux, então para atender a este pedido, em parceria com o Marcos Oliveira, do canal Terminal Root, nós vamos fazer uma matéria completa para você que quer conhecer um pouco mais este sistema.

FreeBSD





A ideia deste artigo é dar a você o primeiro contato com o mundo BSD.  O FreeBSD é um sistema operacional livre, assim como o Linux, do tipo Unix-like que provém do Research Unix via Berkeley Software Distribution (BSD). Aplicativos podem ser instalados usando o sistema de gerenciamente de pacotes: Ports, ou compilando o código-fonte. Devido aos seus termos de licenciamento permissivos, grande parte do código do FreeBSD tornou-se parte integral de outros sistemas operacionais tal como o OS X da Apple. A licença BSD pode ser considerada até mais permissiva do a GPL que licencia o Linux e diversos outros Softwares Livres, pois ela permite até mesmo que o código de uma aplicação derivada seja fechado. Garantindo maior liberdade de escolha aos desenvolvedores.



Depois dessa breve introdução, aprenda a instalar ao FreeBSD:


Para fazer o download basta acessar este endereço.

Depois de instalar o FreeBSD, você provavelmente vai querer também instalar uma interface, que tal uma simples e direta como o MATE?

No vídeo abaixo você vai aprender a instalar o Xorg, MATE Desktop, SLiM e configurar o rc.conf utilizando o Easy Editor.



Se você for testar o FreeBSD em dual boot com Linux, talvez você tenha problemas iniciais com o reconhecimento do sistema no GRUB, então confira este material para contornar a situação:


Chegando a parte final do nosso tutorial, agora você aprenderá a configurar e personalizar o FreeBSD com aplicações e customizações visuais.


O FreeBSD é um sistema muito interessante e é utilizado em várias grandes empresas, como a Netflix. Particularmente não o vejo ele com grande apelo para uso no desktop diário, mas profissionalmente falando, é um sistema que você deveria se importar em conhecer um pouco mais a fundo. No entanto, para para as pessoas que gostariam de experienciar um desktop BSD, talvez o TrueOS seja uma escolha mais interessante.

Se você vai instalar ou não no seu computador para fazer um test drive eu não sei, mas se tiver curiosidade de ao menos conhecer, considere então uma máquina virtual, assim você faz as suas experiências sem comprometer o seu sistema operacional atual.

Quero agradecer ao Marcos pela contribuição com o conteúdo, vocês podem conhecer o canal dele aqui.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft criou "a sua própria" versão do FreeBSD

Nenhum comentário

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Depois de customizar uma imagem do Linux para utilizar do Azure, agora é a vez da Microsoft criar a sua própria versão do FreeBSD.

Microsoft ama BSD




A Microsoft anunciou que customizou uma versão do FreeBSD 10.3 para rodar no Azure. A ideia é dar mais uma opção para os clientes da empresa que muitas vezes preferem o sistema operacional para rodar as suas aplicações,  em detrimentos de Linux e Windows.

O "BSD da Microsoft" é, em tese, exatamente igual ao FreeBSD 10.3 normal, a diferença é que as atualizações e a manutenção da imagem que roda no Azure será feita pela própria Microsoft.

Fonte: The Register
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como instalar o UbuntuBSD - XFCE [Vídeo]

Nenhum comentário

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Toda vez que algo envolvendo o Ubuntu acontece invariavelmente acaba chamando a atenção das pessoas, tanto de quem critica, quanto de quem apoia, tudo isso devido a imensa popularidade que o sistema atingiu, tanto que até mesmo o pessoal do BSD agora tem um "sabor" do Ubuntu com este Kernel. Como muitas pessoas ficaram interessadas no UbuntuBSD, hoje vamos aprender a instalar ele no seu computador, ou numa máquina virtual para que você possa testar.

UbuntuBSD - tutorial de instalação





Caso você queira saber mais sobre a ideia deste projeto, o UbuntuBSD, confira o post que nós fizemos em seu lançamento. Eu ainda não fiz uma review/análise do UbuntuBSD para vocês porque antes disso eu quero fazer um DioCast para explicar direitinho todos os detalhes que envolvem o mundo BSD, porém, o nosso amigo Flávio do canal Flávio Dicas, produziu um vídeo mostrando como instalar o UbuntuBSD juntamente com a interface XFCE, esta versão atualmente está em beta (beta 4) e ainda é baseada no Ubuntu 15.10.


Você pode encontrar o link para download do sistema neste artigo do blog Diolinux.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




UbuntuBSD - Conheça o Ubuntu sem Linux!

Nenhum comentário

segunda-feira, 21 de março de 2016

Eis uma coisa interessante do software de código aberto, especialmente os sistemas operacionais, todos eles são feitos em algumas camadas, sendo que uma das mais importantes (se não for a mais) é o Kernel. 

O Linux é um Kernel que é utilizado por inúmeros projetos, e as distribuições Linux como o Ubuntu são um exemplo disso, porém, da mesma forma que você pode mudar a interface gráfica do sistema, de Unity para Gnome, de Gnome para KDE Plasma, etc, você também pode mudar o Kernel, e é justamente isso que o projeto UbuntuBSD visa, disponibilizar o Ubuntu com o Kernel FreeBSD.

UbuntuBSD




Eu achei muito interessante este projeto, o Ubuntu com Kernel Linux já é base para muitos outros projetos que normalmente variam de acordo com as interfaces além das plataformas, como o Ubuntu Snappy Core, mas com uma variação de Kernel não é algo que se veja todo o dia.

O UbuntuBSD nasceu sob o lema "Unix para seres humanos", em inglês, "Unix for human beings", copiando de certa forma o lema do Ubuntu oficial (Linux for human beings), e a ideia por trás do UbuntuBSD é fazer o mesmo que o Ubuntu conseguiu fazer com o Linux nos últimos anos, torná-lo algo acessível até mesmo para leigos. A primeira versão do UbuntuBSD, ainda beta, está sob o codinome de "Escape From SystemD", (nome mais zoeiro impossível hehehe) e está disponível no Source Forge para quem quiser se aventurar e testar.

Ubuntu BSD


A versão beta atual é baseada no Ubuntu 15.10 Wily Werewolf e ao contrário da versão tradicional que usa Linux como Kernel, o UbuntuBSD usa o kernel FreeBSD 10.1 com interface gráfica XFCE, ficando desta forma mais parecido com o Xubuntu, com Central de Programas e tudo e suporte para o sistema ZFS que deu um pouco de dor de cabeça para integrar ao Linux na versão tradicional por conta das licenças de software.

UbuntuBSD

A instalação ainda é feita em modo texto, algo semelhante a instalação do Ubuntu Minimal com Linux ou do Windows XP para quem é das antigas, e você pode instalar facilmente um servidor BSD para várias finalidades ou utilizar apenas como um Desktop convencional, talvez no futuro um instalador gráfico seja incluso, talvez seja o Ubiquity, utilizado atualmente no Ubuntu tradicional ou talvez possa ser o mesmo utilizado no PC-BSD que também é muito simples de utilizar.

Cabe alertar que, apesar de interessante, o projeto não tem relação direta com a Canonical, pelo menos por enquanto.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Baixe o Manual "Caixa de Ferramentas Unix"

Nenhum comentário

sábado, 13 de setembro de 2014

Você já teve alguma dúvida sobre o uso de algum comando no terminal dos sistemas Unix (Linux, Mac, BSD, Solaris...), se você for administrador de sistemas isso pode ser um problema bem chato, nada melhor do que ter um manual onde consultar as funcionalidades dos comandos antes de tomar alguma decisão.


Caixa de ferramentas do Unix 

 

Pensando em ajudar o pessoal que por ventura possa ter alguma dificuldade ou deseja estudar um pouco mais sobre os comandos Unix o nosso amigo Gabriel da Silveira Costa, criador do canal Toca do Tux está traduzindo um documento extremamente completo útil para o nosso idioma, ele ainda está na versão alpha e o projeto está no GiHub, no vídeo abaixo você confere a apresentação do projeto:





O projeto ainda necessita de revisão mas em breve estará disponível para todos, fique ligado no Diolinux pois nós continuaremos a lhe informar sobre esta excelente documentação.

Até a próxima!
Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo