Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador centOS. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador centOS. Mostrar todas as postagens

Unity 2019.1 lançado, com a versão para Linux saindo da fase Experimental

Nenhum comentário

quinta-feira, 18 de abril de 2019

A Unity é uma game engine muito famosa e utilizada em grandes games do mercado e em outros projetos também, como animações, aplicações para Arquitetura/Engenharia e Construção, Mobile entre outros. Agora quem quiser abranger essas áreas e utilizar Linux para isso, poderá de forma mais tranquila.


 Unity 2019.1 lançado, com a versão para Linux saindo da fase Experimental






Até nesta versão do Unity, o editor para Linux era tratado como Experimental pelo pessoal do Unity Technologies, e tendo algum “delay” de lançamento em relação as versões para Windows e macOS, mas agora não mais. Conforme anúncio feito no blog oficial, agora a versão para Linux está como Preview e assim receberá os updates junto com as outras plataformas.



Para eles chegarem neste resultado para Linux, tiveram que dar algumas prioridades de configurações na plataforma e que são bem interessantes, como:

- Sistemas Operacionais suportados oficialmente inicialmente são o Ubuntu 16.04, 18.04 e CentOS 7 com  arquitetura x86-64;

- Ambiente de desktop GNOME rodando em cima do X11;

- Driver de vídeo proprietário da Nvidia e o Mesa Driver para AMD (por hora nada de Intel para GPUs.);

- High-Definition Render Pipeline com melhorias e com menos ajustes (mas alguns problemas ainda permanecem, porém menores), com melhorias no suporte para Vulkan no Linux;

- Correção da mensagem "o jogo não está respondendo" em desktops com GNOME.

A lista de melhorias, correções de bugs e funções novas é enorme, tornando a leitura muito massiva e cansativa. Mas se você quer conferir todas elas, pode conferir o post lá no blog oficial do Unity.

Muito bom ver que uma ferramenta importante para desenvolvimento de games e outros projetos, está agora disponível de forma não experimental para Linux, assim abrindo o leque de opções para os devs poderem usar qualquer sistema operacional. E também poder ver alguns erros em jogos que utilizam Unity serem corrigidos também.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso  fórum

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova falha de segurança afeta distros Linux e BSD

Nenhum comentário

sexta-feira, 26 de outubro de 2018

Recentemente o pessoal do ZDNet soltou uma publicação em que alerta para uma nova falha de segurança no Xorg  que afeta distros Linux e BSD.


Nova falha de segurança afeta distros Linux e BSD






A falha encontrada é no X.Org Server e ela permitia (sim, no passado mesmo) que o invasor conseguisse acesso limitado ao sistema que poderia ser via terminal localmente ou em uma sessão SSH remotamente, assim conseguindo mudar as permissões e conseguindo o modo Root.

A vulnerabilidade não está na categoria  de falhas do tipo “as bad-as-it-gets”,  e ela também não preocupa computadores com segurança alta e bem planejada, mas um pequeno deslize pode transformar rapidamente algo não tem preocupante uma invasão terrível, comenta Catalin Cimpanu.

Um consultor de segurança ouvido pela ZDNet,  Narendra Shinde, alertou que tal falha foi apontada no seu relatório de Maio de 2016 e que o pacote do X.Org Server continha essa vulnerabilidade  que poderia dar aos invasores privilégios de root e podendo alterar qualquer tipo de arquivo, até os mais cruciais para o sistema operacional.

Tal vulnerabilidade foi identificada com a “flag” CVE-2018-14665 e nela foi observado o que poderia ter causado tal falha. O manuseio incorreto de duas linhas de código, sendo elas “as -logfile” e “-modulepath”, teria permitindo que os invasores insiram os seus códigos maliciosos. Essa falha é explorada quando o X.Org Server roda com privilégios de root e isso é comum em muitas distros.

Desenvolvedores da X.Org Foundation já estão planejando soltar uma correção para o X.Org 1.20.3 e assim corrigir esses problemas causados por essas duas linhas.

Distribuições como Red Hat Enterprise Linux, Fedora, CentOS, Debian, Ubuntu e OpenBSD já foram confirmadas como impactadas, e outros projetos menores também são afetados.

As atualizações de segurança que contém o pacote corrigem a vulnerabilidade do X.Org Server  devem ser implantadas nas próximas horas e dias. No Linux Mint e no Ubuntu a correção já foi liberada e confirmada pela nossa equipe, basta atualizar o seu sistema, o mesmo, possivelmente pode se dizer das demais, verifique as suas atualizações.

Isso mostra que o Linux e o BSD não estão “salvos” de falhas e “escorregões” como essa, e assim mostrando que esses sistemas operacionais não são “imbatíveis”, mas ainda assim são alternativas robustas e seguras em relação aos sistemas Windows. Problemas como este no X.org demonstram mais uma vez a importância do desenvolvimento ativo de alternativas como o Wayland.

Espero você na próxima, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Top 5 - Distros Linux para usar em servidores

Nenhum comentário

quinta-feira, 18 de outubro de 2018

A tecnologia Open Source é extremamente versátil, mas sem dúvida, um local onde ela se destaca é na infraestrutura de serviços e da própria internet. O Linux é muito popular neste segmento e por isso hoje você vai conhecer cinco distribuições Linux  que você provavelmente vai esbarrar ao trabalhar com servidores.

Linux para Servidores





É importante conhecer as distribuições Linux mais famosas neste segmento para poder ser preparar melhor para o mercado de trabalho, caso você deseje trabalhar com servidores Linux, claro, ou simplesmente para saber dar algumas indicações em caso de necessidade.

O termo "servidor" é, por si só, muito vago. O ponto importante é atividade que "o dito cujo" irá realizar, em outras palavras, "o que ele irá servir". 

Certamente existem distribuições construídas para atender determinadas demandas que são excelentes, como RockStor, Open Media Vault, Zentyal, etc. Na verdade, qualquer distribuição Linux com foco em servidores pode ser aplicada para cada uma das atividades que existe uma solução desenvolvida especificamente, basta aprender a configurá-la e colocar o serviço para funcionar.

Na lista de hoje entrarão distribuições Linux que podem ser usadas para propósitos genéricos e são reconhecidas no mercado como excelentes opções.

- Debian


O Debian é uma das principais distribuições Linux do mundo, utilizada por grandes projetos de missão crítica, como os sistemas que controlam a estação espacial internacional. Naturalmente todas as distribuições focados em servidores são estáveis, mas este é um assunto que o Debian leva muito a sério, a ponto de você relacionar as duas palavras facilmente. Precisa de um servidor estável? O Debian é uma ótima opção!


O "filho do Debian" também tem lugar garantido neste segmento. O sistema é também um dos mais populares no mundo dos servidores, utilizado em vários sistemas onde intermitência é importante, como laboratórios de meteorologia. Por ser muito popular nos desktops também, é certamente um local com muita documentação e tutoriais, assim como o Debian, para se começar a planejar o seu servidor.


Mudando para "o lado RPM da força", começamos com o Red Hat EL, mantido por uma da maiores empresas do mundo nos segmento de infraestrutura de T.I utilizando tecnologias Open Source. O Red Hat é tão confiável e estável que é utilizado para controlar os submarinos do exército dos EUA, mas claro, sua aplicabilidade não se resume aí.


Curiosamente, a popularidade do RHEL faz com que o CentOS seja tão famoso quanto. O CentOS é conhecido como " a versão grátis do Red Hat" e é usado largamente por serviços de Hospedagem, como os nossos amigos da HostGator, que atuam em vários locais ao redor do mundo.

Pela grande documentação presente para o Red Hat Enterprise Linux ser correspondente ao CentOS, ele também costuma ser a escolha para infraestrutura de diversas empresas de tamanhos diferenciados.


A SUSE é uma das empresas pioneiras no uso do Linux e de software Open Source para infraestrutura. Atualmente a empresa atravessa uma nova e interessante fase, com maior orçamento e independência e é extremamente popular, especialmente na Europa. O Yast (Yet Another Setup Tool) talvez seja a "feature killer" do SUSE para o mercado.

Repare uma coisa...


Repare que eu não coloquei números na minha lista, especialmente porque eu não acredito que exista uma ordem de "melhor para pior" ou vice e versa, estas são, sem dúvidas, as mais famosas distros do mercado, entretanto, elas não são as únicas, outras que poderiam entrar facilmente numa lista como esta são o Oracle Linux, da Oracle e o ClearOS, da Intel, entre outras, mas de toda forma, a lista precisava ter um fim.

As informações aqui contidas podem te ajudar a dar uma direção para os seus estudos e testes de sistemas operacionais, seja para se preparar para o mercado de trabalho, seja para uma certificação. Apesar disso, nada impede que você tenha um favorito, qual a versão do Linux que você mais gosta de usar em servidores?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



CentOS é a estabilidade que você busca para o seu servidor Linux

Nenhum comentário

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

As palavras “Linux” e “servidores” geralmente são encontradas juntas. O sistema operacional “do pinguim” se destaca muito neste segmento por sua estabilidade, maleabilidade e gratuidade, e como era de se esperar, existem distros Linux que se destacam mais neste segmento, hoje vamos falar sobre o poderoso CentOS.

CentOS - Linux Server






A Red Hat é famosa por ser uma empresa bilionária que trabalha com softwares Open Source e um de seus produtos principais, o Red Hat Enterprise Linux (RHEL) é reconhecido internacionalmente pela sua qualidade e robustez, além de trazer, é claro, o suporte por parte da Red Hat, que pode ser contratado.

Mas por que eu estou falando do Red Hat se o assunto é o CentOS? Bom, acontece que o CentOS é basicamente o RHEL, sem o suporte oficial da Red Hat, ou seja, tem todo o poderio que o sistema do “chapéu vermelho” tem, mas sem os encargos, podendo ser encarado como a versão comunitária do mesmo.

Nós preparamos um vídeo muito completo sobre o assunto para que você entenda melhor sobre como o sistema funciona:


O CentOS é comumente utilizado por empresas que buscam estabilidade e um sistema que seja de confiança para os seus projetos, como a HostGator, a nossa parceira, que usa largamente o CentOS em seus servidores de hospedagem, para entregar para seus clientes toda da tranquilidade que eles precisam ao marcar a sua presença online.

O CentOS pode ser baixado gratuitamente em seu site oficial e possui 3 tipos diferentes de ISO, a versão DVD, a versão “Everything” e a versão “Minimal”, a primeira é a versão com interface, mais completa em termos de pacotes, que permite que você use a distro até no seu desktop se quiser, ainda que este não seja o exato foco da mesma, a versão “com tudo dentro” é quase auto-explicativa, e inclui os softwares disponíveis nos repositórios online diretamente na ISO, criando um mirror local para o sistema, já a versão mínima vem sem interface e é ideal para aqueles que querem criar o seu servidor do zero, acrescentando somente os pacotes desejados.

Abaixo você encontra os links de referência para a documentação do CentOS, assim você poderá baixar o sistema para experimentar, além de aprender mais sobre um dos sistemas mais utilizados em servidores.

ꔷ Site: https://www.centos.org/
ꔷ Download: https://www.centos.org/download
ꔷ Notas de lançamento da versão 7: https://wiki.centos.org/Manuals/Relea...
ꔷ Sobre o projeto CentOS: https://www.centos.org/about/
ꔷ FAQs do CentOS: https://wiki.centos.org/FAQ/CentOS7
ꔷ Como contribuir: https://wiki.centos.org/Contribute
ꔷ Documentação: https://www.centos.org/docs/
ꔷ Doc na Red Hat: https://access.redhat.com/documentati...
ꔷ Wiki do CentOS: https://wiki.centos.org/
ꔷ Diferença entre as ISOs do CentOS: https://wiki.centos.org/Download

Muita gente compara o CentOS ao Debian quando o assunto é estabilidade, talvez porque, da mesma forma que o Debian, o CentOS prime por usar pacotes estáveis, mais antigos e derivar da mesma base sólida do já mencionado RHEL.

Você tem experiência usando o CentOS? Conte pra gente através dos comentários o que você pensa sobre a distro, quais os pontos fortes e fracos na sua opinião.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux agora está em 100% dos Top 500 Supercomputadores do mundo!

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Há praticamente dois anos eu postava aqui no blog sobre o índice de 99% dos TOP 500 Supercomputadores do mundo rodarem Linux. Depois desse período o sistema do pinguim avançou um pouco mais tomou conta do segmento rodando em absolutamente todas as máquinas do Top 500.

Top 500 Supercomputers Run Linux






De acordo com a lista do TOP500.org, agora todos os Supercomputadores da lista rodam Linux. Claro, uma das perguntas que podemos fazer é: Já que todos eles rodam com o Kernel Linux, quais distribuições são utilizadas nesses "monstros"?

A reposta para isso é relativamente simples e tem tudo a ver com a filosofia do código aberto e com as características do Linux. São distribuições customizadas para cada Supercomputador, como o "Sunway RaiseOS", que roda no que é atualmente o Supercomputador mais rápido do mundo, o "Sunway TaihuLight", que fica na China e tem mais de 650 mil processadores. 😵

Dentre as distros conhecidas, 5 computadores desse TOP 500 rodam Ubuntu, 20 usam Red Hat Enterprise Linux e 109 rodam Cent OS, a "versão grátis" do Red Hat EL.

A maleabilidade de código, eficiência, segurança e robustez garantem a preferência pelo Linux como plataforma para essas super máquinas que conseguem processar até 93 petaflops de dados, que é o caso do Supercomputador mais rápido, no entanto, os chineses pretendem aumentar até 33% essa capacidade, chegando em breve a pouco mais de 120 petaflops.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o PowerShell do Windows no Ubuntu

Nenhum comentário

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

A Microsoft disponibilizou seu GitHub o PowerShell para Linux e Mac OS X, hoje você vai aprender a baixar e instalar. Atualmente o PowerShell é compatível com o Ubuntu 16.04 e 14.04, CentOS7, OS X 10.11 e via Docker, além do Windows, é claro.

Windows PowerShell on Ubuntu




O PowerShell te dá acesso ao prompt de comando do Windows através do seu Linux ou Mac, ele pode ser muito útil para quem é desenvolvedor e trabalha com ambientes mistos. Os comandos que você roda nele são exatamente os mesmos que você rodaria em um terminal Windows, em um Windows Server, por exemplo.
Leia também: Bash do Linux chega ao Windows

Como instalar o PowerShell no Ubuntu? 


O PowerShell multiplataforma está disponível no GitHub, lá você encontra versões em .deb, .rpm, versões para Mac e para Windows também, além da versão Docker. Entre as distribuições Linux oficialmente suportadas estão o Ubuntu 14.04, Ubuntu 16.04 e o CentOS 7.

Como bom pacote .deb, basta fazer o download e dar dois cliques, ele vai se abrir com a Central de Programas, ou outro aplicativo associado, como o gdebi, então basta clicar no botão instalar e digitar a sua senha.

Windows PowerShell Ubuntu

Como utilizar o PowerShell


Depois de instalado, o PowerShell estará disponível através do seu próprio terminal Linux, abra o seu terminal e digite:
powershell
Depois disso você já estará apto a digitar comandos do Windows no seu terminal através do PowerShell.

PowerShell Linux

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo