Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador cinnamon. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cinnamon. Mostrar todas as postagens

Nova versão do plugin Mate Optimus ganha suporte ao driver 435

Nenhum comentário

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Muitos dos leitores do blog Diolinux, vem acompanhando a “saga” do Linux em notebooks híbridos (Intel+NVIDIA), onde já produzimos artigos de como instalar o Ubuntu/Mint até a notícia mais esperada, a compatibilização completa no Linux, que finalmente saiu e você pode conferir aqui.

Nova versão do plugin Mate Optimus ganha suporte ao driver 435






Dentro desses artigos, teve também artigos falando que a NVIDIA estava disposta a trabalhar o Optimus no Linux, como também os anúncios da Canonical, através do Ubuntu, incluindo os drivers da NVIDIA já na ISO.

Por incrível que pareça, a primeira flavour do Ubuntu a se movimentar e começar o processo de suporte, foi o Ubuntu MATE, através do desenvolvedor principal, Martin Wimpress. Tanto que tem um artigo falando sobre o Ubuntu MATE 19.04 e as suas facilidades com as híbridas.

E como não seria surpresa para ninguém, eis que o Ubuntu MATE surge novamente como “pioneiro”  no mundo das híbridas, vamos assim dizer 😁.

Em seu Twitter, Martin fez um anúncio muito positivo e gerou uma expectativa muito boa na comunidade. Ele anunciou uma nova versão do plugin mate-optimus para a versão 19.10 (a mesma do Ubuntu 19.10) e assim compatibilizando-o com as novidades trazidas pela NVIDIA no driver 435, em especial para as híbridas (Nvidia Optimus).



Como demonstra a imagem, agora podemos escolher qual modo utilizar (Power Saving, Performance Mode ou On-Demand).

É ali na opção On-Demand, que “reside a mágica” da Nvidia para as híbridas. No primeiro anúncio, Martin tinha informado que ainda seria necessário fazer o logoff para a troca. Aí perguntei a ele se pretendia compatibilizar a "não necessidade" dessa etapa, e ele disse que ia arrumar. E assim fez.

Também perguntei se essa ferramenta poderia ser usada em outras interfaces ou se ele teria alguma informação sobre. Ele confirmou que sim, e que as interfaces suportadas serão: MATE, XFCE, Budgie, Cinnamon, GNOME, KDE e LXQt. Para conferir a thread completa, acesse o link.

Ele também me falou, que se a pessoa quiser testar fora do Ubuntu 19.10, bastasse clonar o repositório do GitHub e rodar os binários em usr/bin. Se você quiser testar, o GitHub dele é esse aqui.

Isso era questão de tempo, das distros e interfaces gráficas a compatibilizar a solução da NVIDIA e assim ir “quebrando” esse tabu no Linux, que na minha visão, será totalmente derrubado no Ubuntu 20.04 LTS, assim fazendo com que as outras distros e flavours também irão seguir.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça as novidades que podem chegar no Linux Mint 19.3

Nenhum comentário

sábado, 31 de agosto de 2019

Software é o tipo de coisa que está em constante evolução e aprimoramento, e se você gosta do Linux Mint, vai gostar de saber o que os desenvolvedores estão planejando para a próxima versão do sistema, a 19.3, que deverá sair até o final do ano.

Linux Mint 19.3 Roadmap






A versão 19.3 do Linux Mint deverá sair somente em Dezembro e ainda não tem nome, a versão atual, 19.2, trouxe muitas novidades, mas isso não significa que o trabalho para este ciclo foi encerrado, muito pelo contrário.

No GitHub do Linux Mint podemos ver o "roadmap" de funcionalidades, recursos, correções e ajustes que devem ser feitos para a versão 19.3. Nesse "roadmap" podemos ver muitas coisas diferentes, mas é importante notar que nem todas estas coisas podem ser implementadas, esse documento representa somente as intenções, sem elencar a ordem prioridades.

Novidades previstas


Ainda que nem tudo que está aqui realmente possa chegar na versão 19.3, é interessante observar que as sugestões e melhorias podem fazer parte da futura versão 20 do Linux, que sairá somente por volta de Maio ou Junho de 2020.

As principais novidades a serem implementadas na versão principal do Mint, baseada no Ubuntu e com ambiente Cinnamon, são:

• Suporte para HiDPI para as configurações de temas, configurações de idioma e configurações de fontes de aplicativos;

• Adição de uma comando no terminal para remover, listar e fazer downgrade de pacotes de fora do repositório do Mint;

• Novo Logo para o projeto;

• Novo visual para o site;

• Novos wallpapers com o novo logo;

• Novas telas de Splash;

• Novo tema para o GRUB;

• Usar variantes escuras para Apps de mídia e leitura;

• Adicionar função de segurança para evitar remoção de pacotes acidentalmente no Mint Update;

• Considerando a troca do XPlayer pelo Celludoid.

Há também uma série de ideias que estão em segundo plano e serão trabalhadas somente "se houver tempo", e algumas são bem interessantes, como:

• Renovação dos efeitos sonoros no desktop;

• Corrigir as Tooltips do painel do Cinnamon que não respeitam o tema GTK;

• Criar um guia de segurança para novos usuários;

• Portar o criador de pen drives bootáveis para Python3;

• Ajustar o Mint Report para detectar a falta de idiomas no sistema e avisar sobre a senha de Root, caso ela não esteja configurada;

• Melhorar a barra de navegação do Nemo;

• Considerar inclusão do recurso Sping loaded Folders, como existe no macOS e no KDE Plasma;

Existem também outros detalhes, menores e menos relevantes do ponto de vista do que você vai realmente ver ao utilizar o Linux Mint.

Geralmente estas versões intermediárias não oferecem muitas novidades, de fato, mas a versão 19.2 surpreendeu-me neste sentido, quem sabe a versão 19.3 possa fazer o mesmo, não é verdade?


O plano parece bom, mas e você, o que mudaria no Linux Mint para a versão 19.3? Participe dos debates no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


A espera acabou! Linux Mint 19.2 “Tina” é lançado!

Nenhum comentário

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

A espera acabou. Linux Mint 19.2 “Tina” finalmente é lançada de forma oficial e você já pode baixar a distro.

A espera acabou! Linux Mint 19.2 “Tina” é lançado!






Nesta Sexta-feira (2), foram liberadas para download as imagens ISO do Linux Mint, para que você possa baixar e instalar no seu PC. A nova edição focou em lapidar ainda mais as aplicações e recursos, isso traz para os usuários algumas novas facilidades e alguns softwares atualizado e otimizados.

Principais novidades


●Kernel Linux 4.15.0-54 com suporte até 2023, com suporte para atualização para o 5.x via Gerenciador de atualizações; 

● Cinnamon 4.2, XFCE na 4.12 e MATE na 1.22;

● Wine na versão 4.0 por default;

● Boot-Repair incluso na ISO do sistema;

● Possibilidade de “Pinar” pastas no Gerenciador de Arquivos Nemo;

● Documentos recentes estão agora habilitados por padrão no Menu do Cinnamon.

● Nemo tem condições para executar ações, como um script ou comando externo quando o usuário clica com o botão direito do mouse sobre um arquivo;
● Agora no Menu, haverá diferenciação dos programas, além de informar em qual formato está instalado, como por exemplo, se o programa for em Flatpak ou não;

E quem tem placa híbrida?


Um ponto que vale salientar nessa versão, é a preocupação do pessoal do Mint em entregar a melhor experiência para quem tem Placas da NVIDIA, em especial os notebooks híbridos ou Optimus Card. A equipe do Mint demonstra alguns parâmetros se o método do "nomodeset"  não funcionar. Antes de tentar esses parâmetros, eles recomendam que na hora da instalação do sistema, você instale o driver proprietário da NVIDIA e que no reboot, informando que não será necessário se preocupar com “mais nada”. Depois do reboot, um ícone aparecerá na barra de tarefas, podendo assim trocar de GPU ali mesmo.

Se você não conseguir “subir” o sistema, os parâmetros que eles recomendam são:

"nouveau.noaccel=1" no lugar do "nomodeset".

ou  "noapic noacpi nosplash irqpoll" no lugar do "quiet splash".

Outra possibilidade é usar o  "Compatibility mode" (modo de compatibilidade na hora de dar o boot e instalar o Mint).

Depois da instalação, usar o "Advanced Options" -> "Recovery mode"  no menu de boot e escolher a opção de “resume”. 

Requisitos mínimos e download



Os requisitos mínimos para rodar o Linux Mint Beta 19.2 são:

● 1GB de memória RAM ou 2GB para uma experiência mais confortável;

● 15GB de espaço em disco ou 20GB para ter uma “folga”;

● Resolução mínima da tela de 1024x768

Fizemos um artigo no momento do último Beta do Linux Mint contendo todas as novidades do sistema, clique aqui para conferir.


Se você estiver utilizando a versão BETA do Linux Mint 19.2, basta utilizar o Gerenciador de Atualizações e aplicar os updates ali presente. Em breve a equipe do Mint vai disponibilizar o procedimento de como migrar das versões 19 e 19.1, então fique de olho no blog.

Para baixar a nova versão do Linux Mint, basta acessar este link e escolher a sua interface preferida.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19.2 “Tina” Beta está disponível com muitas novidades!

Nenhum comentário

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Nesta Terça-feira (16),  Clement Lefebvre (líder do projeto Linux Mint), soltou uma release do BETA do Linux Mint 19.2,  mostrando o que estará presente na versão final do sistema. Algumas novidades presentes são muito bem vindas, vamos a elas.

Linux Mint 19.2 “Tina” Beta está disponível com muitas novidades!






Demos uma “palinha” na cobertura do relatório mensal  do Mint, onde eles informaram que “dariam uma olhada com mais carinho” para o design e algumas correções importantes, como no SAMBA (para compartilhamento) e o update para o WINE 4 (“puxado” do Wine HQ). Outras melhorias também foram apresentadas, como:

⏺ O protetor de tela agora tem suporte para o teclado onboard, sendo útil para acessibilidade e computadores com touchscreen.

⏺ O Cinnamon agora tem um applet para impressora, quando uma impressora for adicionada ao sistema ele deve aparecer para dar acesso a configurações diretamente do painel.
⏺ Documentos recentes estão agora habilitados por padrão no Menu do Cinnamon.

⏺ A opção de escolher seu leitor de PDF favorito foi adicionada ao "Aplicativos preferidos" no painel de controle.

⏺ O applet para apresentação que permite usar wallpapers em slides, agora pode mostrar o nome do arquivo atual.

⏺ O gerenciador de sessões foi portado para o gdbus.

⏺ Aplicativos que podem inibir o encerramento de sessão, não mais exercem sua autoridade sobre logouts forçados

⏺ O scrolling natural pode ser configurado para mouses (ele só podia ser configurado para touchpads antigamente).

⏺ O efeito de “fade out” quando o protetor de tela aparece foi removido

⏺ Uma nova opção foi adicionada nas Configurações de privacidade para alterar a verificação de conectividade com a Internet.

Agora o Nemo tem condições para executar ações, como um script ou comando externo quando o usuário clica com o botão direito do mouse sobre um arquivo, dando maiores possibilidades para ele, como comentamos no artigo sobre o report mensal.

Mais uma novidade que estará presente na ISO do Linux Mint 19.2, é a ferramenta de reparo de boot (Boot-Repair). Essa ferramenta já salvou a minha pele muitas vezes ao fazer uma instalação de sistema operacional, onde o boot era perdido, como por exemplo, fazer um dual boot com duas distros Linux, usando a segunda em modo BIOS e a primeira estando instalada em modo UEFI. É uma ferramenta de manutenção excelente, é muito interessante que ela esteja presente.


Outra novidade que podemos pontuar, é o esforço da equipe do Mint em ajudar às pessoas que têm dificuldade na instalação do sistema. Há algum tempo eles já fornecem vídeos explicando, como usar parâmetro "nomodeset" na hora do boot, e nessa versão não poderia ser diferente, eles continuam lá, tanto com o modo Legacy quanto no modo UEFI (EFI).

Suporte para placas de vídeo  híbridas no Linux


O ponto que mais me chamou  atenção, foi em relação ao suporte para GPUs da NVIDIA (que é o meu caso e  de muitos) em notebooks híbridos ou Optimus Card. A equipe do Mint demonstra alguns parâmetros se o método do "nomodeset"  não funcionar. Antes de tentar esses parâmetros, eles recomendam que na hora da instalação do sistema, você instale o driver proprietário da NVIDIA e que no reboot, informando que não será necessário se preocupar com “mais nada”. Depois do reboot, um ícone aparecerá na barra de tarefas (muito parecido com o método que o Ubuntu 19.04 MATE fez), podendo assim trocar de GPU ali mesmo.

Se você não conseguir “subir” o sistema, os parâmetros que eles recomendam são:

"nouveau.noaccel=1" no lugar do "nomodeset".

ou  "noapic noacpi nosplash irqpoll" no lugar do "quiet splash".

Outra possibilidade é usar o  "Compatibility mode" (modo de compatibilidade na hora de dar o boot e instalar o Mint).

Depois da instalação, usar o "Advanced Options" -> "Recovery mode"  no menu de boot e escolher a opção de “resume”

Kernel e Drivers


Agora o gerenciador de atualizações do Linux Mint está ainda mais completo, sendo provavelmente a solução mais completa disponível no mundo Linux atualmente.

O gestor de atualizações permite que você configure atualizações automáticas, caso essa opção esteja ativa, agora o sistema impede o desligamento do computador caso alguma atualização esteja em andamento. Além disso, a sessão de mudança de Kernel, agora conta com variações que vão até o kernel 5.x, permitindo que você tenha um Linux Mint super atualizado neste sentido se você quiser.

Recentemente a Canonical anunciou que o Ubuntu 18.04 LTS estaria recebendo em seu repositório os drivers mais recentes da Nvidia, isso se reflete no Linux Mint também, permitindo que todas essas versões estejam disponíveis no gestor de drivers do Linux Mint 19.2.

O Linux Mint 19.2 BETA vai continuar na base  Ubuntu 18.04, entregando por “default” o Kernel 4.15 e as interfaces gráficas nas seguintes versões: Cinnamon 4.2, XFCE na 4.12 e MATE na 1.22. Essa versão terá suporte até 2023.

Os requisitos mínimos para rodar o Linux Mint Beta 19.2 são:

-1GB de memória ram ou 2GB para uma experiência mais confortável;

-15GB de espaço em disco ou 20GB para ter uma “folga”;

-Resolução mínima da tela de 1024x768

Para baixar o BETA, basta clicar neste link e escolher a interface da sua escolha. Ainda não temos informações sobre o lançamento da versão final, mas por experiência, considerando os lançamentos anteriores, geralmente o Linux Mint fica de duas a três semanas em Beta, antes do lançamento final.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Melhor do que a encomenda! - Linux Mint 19.1 Beta

Nenhum comentário

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Os desenvolvedores do Linux Mint anunciaram que a nova versão do sistema estaria disponível antes do Natal e que belo presente de final de ano para os fãs da distro, não é verdade? Eu estou testando ele há pouco dias, depois do anúncio do Beta, e tenho alguns relatos interessantes para fazer.

Linux Mint 19.1






Difícil dizer o que falta para o Linux Mint se tornar um grande padrão, provavelmente "inteligência de marca" seja uma boa resposta, inclusive, nos especulamos muito em relação a isso é um dos nossos programas no YouTube, um Diolinux Friday Show recente:


Da mesma forma que o Ubuntu se tornou uma marca tão valiosa quanto o Debian para o mundo Linux, será que o Linux Mint chegará ao nível do "seu irmão"?

Há alguns dias tivemos o lançamento da versão Beta do Linux Mint 19.1, de codinome "Tessa" que mantém a base LTS do Ubuntu 18.04.1 e inclui várias melhorias, você pode ver a review completa nesse vídeo do canal:


O que tem de MUITO BOM no Linux Mint 19.1?


Eu gosto muito do Linux Mint, junto com o Ubuntu, certamente são as minhas distros favoritas. Em favor do Mint, eu sempre vi a sensatez, em alguns casos até demasiada, ao adotar novos padrões, ao mudar as coisas tradicionais, etc. Mas a versão 19.1 está dando alguns passos na direção da mudança.

O Linux Mint tem como diretriz não descriminar software de nenhum tipo, independente da licença que ele use, você pode ler mais sobre isso na página de FAQ do sistema, diretamente de seu site oficial e esse é um dos fatores que fazem gostar da forma de trabalho do projeto, porém, no meio dessas diretrizes de trabalho, está uma que consegue me agradar e desagradar ao mesmo tempo, a sua forma conservadora de desenvolver o sistema.

O lado bom

O Linux Mint tem como padrão de comportamento só incorporar tecnologias ao sistema que são super estáveis e popularmente testadas, é por isso que você ainda não vê o Mint com suporte oficial para o Wayland, por exemplo. Dificilmente você verá uma grande quantidade de novidades e modificações implementadas a cada versão, essas mudanças acontecem, mas elas são bem graduais.

O lado bom disso é um tanto quanto óbvio, o sistema se torna mais estável e confiável à longo prazo.

O lado ruim

Suponho que lado ruim seja tão simples de entender quanto o lado bom. Ser mais conservador na inclusão de novidades não deixa os usuários do sistema em contato direto com o que há de mais recente na tecnologia open source pode, até certo ponto, claro. Certos componentes do sistema acabam se atualizando normalmente, como navegadores de internet e correlatos.

Mas as coisas estão mudando

A versão 19.1 Beta está diferente nesse sentido, se comparado a atualizações ocorridas nos últimos anos, ela traz mudanças visuais e de funcionalidade, o que é raro de ser ver no Mint. 

A versão Beta trouxe uma nova forma de usar o Desktop, algo que o Linux Mint carrega desde... bem... sempre! Desde a primeira versão lançada o comportamento padrão do desktop era semelhante ao do Windows XP, organizado em Menu "iniciar", atalhos de aplicações e janelas que abrem ao lado de forma independente, logo depois vinha a área de notificações, calendário, etc.

Visual Linux Mint Windows XP
A semelhança é perceptível (Windows XP em cima, Linux Mint Cinnamon em baixo)

Apesar da diferença enorme na lapidação visual, é fácil perceber que o conceito é o mesmo. E mesmo na versão 19.1 esse painel ainda está disponível para quem quiser utilizar, porém, ele deu lugar para outra versão que agora é o padrão do sistema.

Novo painel do Linux Mint 19.1
Novo painel do Cinnamon - Linux Mint 19.1

Agora os ícones são agrupados e sobrepostos, como acontece no Windows 10, no macOS, no GNOME, como é possível fazer no KDE Plasma também, ou seja, ficou mais de acordo com o padrão atual, o que melhora consideravelmente o aproveitamento de espaço, ainda que eu tenha me adaptado ao Workflow anterior com o passar do tempo, certamente não será difícil de usar o novo padrão.

O lado bom dessa modificação é que a implementação não foi uma "simples troca", se você explorar as configurações desse modo de exibição, clicando com o botão direito em qualquer ícone da barra, indo até preferências>>configurar, você verá os diversos tipos de comportamento possíveis, o que é excelente.

O recurso em si não é totalmente novo no Linux Mint, há alguns anos existem extensões para o Cinnamon Desktop (interface padrão do Linux Mint) que entregavam essa funcionalidade, porém, o lado positivo do recurso fazer parte do sistema é que agora ele está mais próximo dos desenvolvedores principais e nunca irá entrar em conflito com o restante da interface, além de, por se tratar de um parte oficial do sistema, os tradutores também poderão fazer o seu belo trabalho e ter os recursos já em Português, tudo bonitinho.

Falta "aquele" toque


Se eu pudesse apontar o dedo para o projeto do Mint, colocando defeitos, certamente eu apontaria para o design e a paleta de cores. Eu já entendi a relação entre Mint, Cinnamon (Canela) e a cor verde, ainda mais nessa cor de erva cidreira, mas convenhamos que existem cores melhores para associar algo à tecnologia, talvez eles quisessem justamente usar a abordagem de algo calmo, relaxante e confiável, ao contrário do Ubuntu que quer algo mais energético com todo aquele laranja.

Compreensível, mas isso não faz o visual ser mais atrativo.

O logo precisa de uma rejuvenescida, os ícones precisam parar de mudar o design padrão das aplicações (ao menos tanto) e não faria mal dar uma atualizada no site do Mint também.

Analise a versão padrão do Mint e uma modificada por mim:

Linux Mint 19.1 Padrão

Linux Mint 19.1 Mofidicado

Fala aí, qual você sentiria mais vontade de usar?

Para quem ficou curioso, estou usando para personalizar o Cinnamon na segunda imagem:

- Extensão "Transparent Panels"

É claro que só reclamar é fácil demais, por isso, nessa semana enviei um e-mail para o líder do projeto Linux Mint, Clement Lefebvre, me oferecendo para ajudar na parte de marketing da distro e quem sabe, tentar ajustar o visual dela também. Muitas vezes mudar a paleta para um verde azulado pode fazer uma grande diferença. Vamos ver se teremos alguma resposta, fique ligado aqui no blog que eu manterei você atualizado quanto a isso.

A diferença está nos detalhes sem dúvida, o Deepin que o diga.

A versão 19.1 não tem uma data de lançamento fixa, mas está trazendo várias melhorias interessantes e inclusive algumas surpresas para mim, de coisas que eu não esperava ver no projeto, como este novo layout de ícones, na minha modesta opinião está bem melhor que a encomenda, e olha que a encomenda já era boa.

Se quiser testar a versão Beta também, eu encontrei um mirror brasileiro bem rápido para que você possa baixar, mas lembre-se, ainda que esteja consideravelmente estável, ainda é um Beta, então evite usar em produção.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Enquete: Qual a sua interface gráfica favorita no mundo Linux?

Nenhum comentário

sábado, 1 de dezembro de 2018

É sempre interessante vermos as preferências da maioria das pessoas, isso nos ajuda a moldar melhor o conteúdo que será publicado e também mostra aos desenvolvedores de aplicativos as plataformas principais. É hora de você dar a sua opinião também!

As melhores e mais preferidas interfaces do mundo Linux






Você que acompanha o nosso canal no YouTube e presta atenção na "Aba da Comunidade", onde são postamos vários avisos, conteúdos extras e alguns exclusivos para membros também, talvez tenha percebido e até participado da nossa enquete, mas caso ainda não tenha visto, aqui vai ela!


A aba da comunidade do YouTube atualmente permite apenas 5 itens numa enquete, então adicionei as que eu acredito que sejam algumas das mais populares, além da opção "Outras", onde você pode colocar nos comentários as que você preferir.

Depois dessa primeira etapa, temos mais de 1.200 votos e o GNOME Shell continua vencendo em popularidade. Vamos esperar conseguir um valor maior de votos e vamos produzir um vídeo mostrando e comentando o resultado.

Participe!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja como instalar o tema Plata, baseado no último lançamento do Material Design

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Se você gosta de modificar a sua distro Linux e deixar ela com a sua cara, o sistema operacional do pinguim mais simpático da internet deixa você fazer isso. =)


 Veja como instalar o tema Plata, baseado no último lançamento do Material Design






Tem vários temas, ícones e interfaces gráficas para você escolher e assim escolher a opção que mais lhe agrada.

O novo tema para GTK chega para ser mais uma opção para você escolher, e ter opção sempre é bom não é? O nome do tema é Plata, desenvolvido pelo usuário  tista500 que você pode conferir no GitLab.O tema se baseia na última versão do Material Design e tem 3 variações, regular (mixed), Lumiere (Light) e a Noir (dark).

Instalação


Para utilizar o tema você vai precisar ter o GTK+ 3.20.x, 3.22.x, 3.24x e o GTK+2 instalados na sua distro. Ele tem também suporte aos seguintes desktops environments (DE):  Gnome Shell (e Flashback), Cinnamon, XFCE, MATE, LXDE, e Budgie Desktop. As DEs que ainda não tem suporte são o Patheon (elementary OS), Unity 7 e o Gnome Shell customizado pela Canonical, mas você pode usar por sua conta, ele provavelmente funcionará com alguns detalhes quebrados talvez..

Algumas imagens do tema Plata.





Você tem a opção de compilar o tema e ajustar mais ainda a sua maneira, podendo acessar o GitLab do projeto aqui.

Para instalar o tema, precisamos adicionar o PPA do projeto, vamos utilizar o terminal para colocar 3 comandinhos bem simples. Se você preferir adicionar o PPA de forma gráfica, sem usar o terminal, confira esse artigo do blog.

Primeiro vamos abrir o terminal, podendo ser aberto através da combinação de teclas Ctrl+Alt+T ou procurando por “terminal” no menu da sua distro.

Depois vamos pôr este comando. Você pode simplesmente copiar e colar:

sudo add-apt-repository ppa:tista/plata-theme -y && sudo apt update && sudo apt install plata-theme -y

Feito isso é só esperar a instalação acabar e depois ir na ferramenta de customização da sua distro e mudar o tema.

Ter opções de temas nunca é demais né ? rs.

Espero você até uma próxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro

Nenhum comentário

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

No blog oficial do Linux Mint, Clement Lefebvre (idealizador do projeto), anunciou algumas mudanças no visual do Cinnamon e também agradeceu aos apoiadores do projeto

 Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro






Ao todo foram anunciadas três novidades em relação a interface gráfica e uma em relação ao XApps (aplicativos esses que são padrões nas 3 versões do Mint).

A primeira novidade em relação a interface é com o tema Mint-Y, que recebeu melhorias e mudanças sutis feitas por Joseph McCullar, adicionando maior contraste às fontes e apps ícones, o que deixará o desktop mais vívido, você pode ver um exemplo na imagem abaixo:


A diferença também é perceptível  quando o tema é aplicado na área de trabalho, com isso os ícones estão mais escuros e às bordas das janelas estão com uma facilidade de identificação melhor também.


Nos dois exemplos mostrados ficam evidentes as melhorias feitas por Joseph, na primeira ficando à direita e na segunda ficando abaixo da linha vermelha.

A segunda melhoria foi a correção de ícones monocromáticos em fundos brancos ou quando o usuário alterar a cor do fundo e assim não ficando funcional, como por exemplo em submenus e afins.  Para resolver esse problema, o Linux Mint 19.1 será fornecido com suporte para ícones simbólicos para o  Redshift, para o Applet de controle de volume d ambiente MATE, da ferramenta de teclado na tela (onboard) e para o applet de gerenciamento de rede.

A terceira mudança vem no Cinnamon e sua versão 4.0,  que vai trazer um novo layout do painel. Haverão mudanças na cor, tamanho e ícones para que eles se comportem melhor em telas com diferentes resoluções.

Colocando um visual mais moderno no Cinnamon

A grande mudança no Cinnamon é adesão de um novo sistema de gerenciamento de janelas inspirados em dois  applets famosos, o Icing Task Manager e CobiWindowsList, applets esses que deixam as janelas com aspectos parecidos já adotados por outros sistemas, como Windows, macOS e Ubuntu. Esses applets fazem com que às janelas abertas fiquem “juntas” e que a exibição dessas janelas seja sobreposta. Segundo Clement, ele veio trabalhando nessa solução junto com Niko Krause, Joseph e Jason para implementar essa funcionalidade no sistema, como reflexo da popularidade dos Applets, embutindo essa função diretamente no Cinnamon.

É uma postura que nos agrada especialmente, pois, como comentados no Diolinux Friday Show sobre “O que há de errado com o GNOME”, a noção de você observar quais são os complementos mais baixados e adicioná-los como funcionalidades ao sistema é uma forma muito elegante de entregar o sistema que os usuários desejam.

Outra melhoria feita no Cinnamon foi a adequação dos ícones aos diferentes tipos de ícones no painel, podendo ir dos 24x ao 64x sem perder a qualidade e nitidez dos mesmos. Esse recurso é especialmente bom para quem usa o Mint em telas de altíssima resolução.

Já na parte do sistema serão lançadas duas melhorias bem sutis mas muito bem-vindas. A primeira foi em relação aos XApps, onde Stephen Collins adicionou uma nova forma de selecionar os ícones que estão presentes na biblioteca do sistema, assim mostrando os ícones e o caminho deles.  A nova ferramenta permite que você troque o ícone de qualquer aplicação de uma forma muito simples e intuitiva conforme a sua vontade.


No Update Manager haverão novidades também, foi adicionado o suporte para kernels mainline e assim podendo ser escolhidos pelo usuário versões diferentes da que vem por padrão instalada, semelhante ao Manjaro.

Por último e não menos importante, o ‘Welcome” ou “Bem Vindo” do Linux Mint agora vai deixar você escolher qual layout quer usar no sistema, sendo possível escolher entre “Traditional” (Tradicional) ou “Modern” (Moderno). O tradicional é o Mint exatamente como você conhece, e o “moderno” é este com ícones sobrepostos na barra, assim como no Windows 10, essa mudança provavelmente deixará a interface do Linux Mint ainda mais amigável para quem vem do Windows, ainda que seja uma mudança simples.

Para maiores informações, acessem o blog oficial deles.

Legal ver a equipe do Linux Mint querendo dar uma “polida” no sistema e assim dar uma cara mais moderna para o sistema e assim querer atrair mais usuários para o sistema,  principalmente aqueles vindo do Windows (7 e 10) e fazendo com que a curva de aprendizado seja menor e facilitando a adaptação dos mesmos.

O Cinnamon é uma das últimas interfaces da lançar esse modo nativamente, algo que você já encontra no KDE Plasma e no próprio GNOME Shell há muito tempo, mas, antes tarde do que nunca, certo? As versões 19.x geralmente são lapidações da versão 19, ainda que existam aprimoramentos, certamente mudanças maiores são esperadas para a versão 20 do Linux Mint, que sairá somente em 2020.

Conte-nos através dos comentários o que você achou das novidades e o que tem achado do Linux Mint 19. =) 

Até a próxima e um forte abraço.
____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ícone do Dropbox não iniciando no Linux Mint Cinnamon? Veja como resolver!

Nenhum comentário

segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Hoje eu tive um problema curioso no Linux Mint com Cinnamon. Reparei que o ícone indicador do Dropbox, o popular serviço de armazenamento em nuvem, não estava aparecendo na área de indicadores, ainda que o serviço estivesse funcionando corretamente. Como a solução do problema foi simples, eu resolvi compartilhar com você, caso você tenha o mesmo o problema, já saberá como resolver. ☺

Linux Mint Cinnamon Dropbox






O Cinnamon tem dois tipos de suporte para os tradicionais indicadores, usados para inúmeras aplicações, os indicadores "legados" e os integrados com o Shell do Cinnamon.

Para usar os indicadores de forma mais eficiente eu recomendo que você ative o suporte para indicadores integrados acessando o Painel de Controle >> Geral >> Marcar a opção "Habilitar Suporte para ícones indicadores na Área de Notificação (necessário reiniciar o Cinnamon)".

Configuração de indicadores Linux Mint

Geralmente, ao habilitar essa função, o Cinnamon recarrega os ícones automaticamente, caso não aconteça você pode reiniciar a interface facilmente clicando com o Botão direito na barra tarefas >> Resolução de Problemas >> Reiniciar Cinnamon. Não é necessário reiniciar o computador ou anda parecido, a tela apenas vai "piscar" e voltar ao normal.

Resolvendo o problema do Dropbox


Estes primeiros passos são necessários para a ativação correta dos indicadores, mas ainda assim, o Dropbox não estava aparecendo, ao menos para mim. Para resolver o problema é simples, mas vamos garantir que algumas coisas estão funcionando corretamente antes:

👉  Confira no aplicativo "Monitor do Sistema" e veja na aba "Processos" se o Dropbox está rodando.

Linux Mint Dropbox

Caso você encontre o processo, é sinal de que o daemon do Dropbox está funcionando corretamente, o único problema é realmente o indicador.

👉 Uma forma de corrigir o problema é rodar este comando no terminal:
dropbox stop; dbus-launch dropbox start
Se funcionar, ótimo! Só precisamos alterar as configurações de inicialização do Dropbox para que a correção já funcione quando você ligar o seu computador, para isso é simples, procure no menu por "Aplicativos da Inicialização" e nele, procure pelo Dropbox.

Dropbox Indicator

Basta dar dois cliques para editar os parâmetros de inicialização, na sessão "Comando", altere o valor padrão para:
dbus-launch dropbox start
Depois disso é só salvar. Para testar, encerre a sessão ou reinicie o computador para ver se agora o Dropbox está iniciando corretamente. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint Debian Edition (LMDE) 3 "Cindy" Beta está disponível para download!

Nenhum comentário

terça-feira, 31 de julho de 2018

A nova versão do Linux Mint (Debian Edition), também conhecida pela sigla "LMDE", está chegando a uma nova release e agora você pode testar o Beta da versão 3 com Cinnamon.

Linux Mint Debian Edition 3 Beta





A versão 3 do Linux Mint Debian Edition (LMDE) chegou ao seu Beta, o momento em que usuários mais experientes são convidados a participar da campanha de "caça a bugs" para o lançamento da versão final, que recebeu o codinome de "Cindy".

O LMDE, para você que não conhece, é o Linux Mint com praticamente todas as suas ferramentas tradicionais, só que baseado no Debian, ao invés do Ubuntu, como na versão principal. O LMDE também é desenvolvido pela mesma equipe do Linux Mint e é uma das versões oficiais da distro, no entanto, ele não recebe a mesma urgência de desenvolvimento que a versão baseada no Ubuntu (ao menos no momento), o que não significa que ele seja feito "de qualquer jeito" também, mas um bom exemplo disso é que ele está saindo praticamente um mês depois do lançamento da versão 19 do Mint "tradicional".

A versão "Debian Edition" do Linux Mint é considerada por eles uma "distro de backup" para o projeto, caso, por qualquer motivo, a versão com base Ubuntu se torne inviável. O objetivo da distro também é, como os desenvolvedores deixam claro na nota oficial, provar para eles mesmos que seria possível fazer o Linux Mint sem o Ubuntu e entender quanto trabalho eles teriam para colocar o sistema para funcionar caso o Ubuntu "desaparecesse".

Você pode encontrar as notas de lançamento da versão LMDE 3 Beta neste endereço. É importante conferir as notas para conhecer os bugs já reportados e os que estão ainda em aberto, assim como as correções possíveis para problemas já identificados, para fazer o download da versão basta acessar este link, onde você encontra as ISOs para download direto e também o torrent.

Para rodar o LMDE você precisa de no mínimo:

- 1GB RAM (recomendado 2GB);
- 15GB de espaço em disco (recomendado 20GB);
- Resolução mínima de 1024×768

As ISOs de 64 bits são recomendadas para computadores mais modernos, de 2007 em diante, e conseguem bootar em computadores que usem UEFI ou BIOS, já a versão de 32 bits é recomendada apenas para processadores de 32 bits, em computadores mais antigos e só consegue trabalhar com BIOS.


Conte pra gente, você gosta de usar a versão Debian do Linux Mint? Qual a sua experiência com o LMDE?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O que é um programa "pesado"

Nenhum comentário

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Uma das perguntas mais frequentes encontradas no canal, ou até mesmo aqui no blog, é “tal interface do Linux é pesada?”. Quando perguntamos se uma interface é ou não pesada, o que devemos levar em consideração? Ou melhor, o que é um programa pesado afinal de contas?


Podemos definir um programa pesado, tanto no linux, Windows ou macOS, como um programa que usa muitos “recursos da máquina”. Basicamente podemos incluir quatro itens em nossa lista na hora de verificar se um programa é ou não pesado para nosso computador. Estes itens são: processador, memória RAM, armazenamento e GPU.

Tendo em mente que esses são os recursos que você irá avaliar, fica muito mais fácil de escolher, por exemplo, a interface adequada para a sua máquina, se o intuito é escolhê-la por ser mais “leve”. 

Também é importante lembrar que um programa pode ser considerado pesado, mas não necessariamente nesses quatro itens, pois depende do que você está avaliando no seu computador. Podemos usar como exemplo o Cinnamon, a interface mais popular do Linux Mint.

O Cinnamon, por exemplo, pode ser considerado tanto pesado, quanto leve, dependendo do que você levar em consideração na hora de avaliar. Em comparação com outras interfaces disponíveis, se formos avaliar o uso do processador, ele é um ambiente gráfico leve, se estiver falando de memória, ele é um ambiente gráfico leve, se você está falando de disco rígido de armazenamento, ele também é ambiente leve, agora, se você estiver falando de gráficos, aí você poderá considerá-lo um ambiente mais pesado. Mas então Linux Mint é um sistema leve ou pesado? Depende do que você for avaliar.

Apesar de através de comparativos entre sistemas conseguirmos dizer quais são um pouco mais pesados que outros, devemos considerar também a potência do hardware que você tem disponível no seu computador, pois isso fará grande diferença na hora de considerar um sistema “leve ou pesado”. Confira o vídeo na canal, em que discutimos em detalhes o que podemos analisar em um programa para considerá-lo “pesado”.



Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O novíssimo Linux Mint 19 Beta está disponível, confira as novidades!

Nenhum comentário

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Depois de um longo tempo de espera, finalmente temos acesso a mais recente versão do Linux Mint, ainda que seja apenas um Beta. A versão de codinome "Tara" e de numeração 19 está apta para ser baixada e testada por todos os usuários nas edições Cinnamon, MATE e XFCE.

Linux Mint 19 Download






Os desenvolvedores anunciaram o lançamento da versão Beta do Linux Mint 19 baseada no Ubuntu 18.04 LTS. Esta versão que vem com várias novidades e melhorias, atualização dos pacotes e no ambiente gráfico, além de trazer alguns recursos interessantes e inéditos no Mint.

Linux Mint 19 Cinnamon
Linux Mint 19 "Tara" com interface Cinnamon

Os desenvolvedores alertam que o "report" de bugs é muito bem-vindo nesta fase do desenvolvimento, a versão final e estável deverá ser liberada somente no final deste mês, por isso, ao testar o Mint 19 Beta, esteja ciente de que alguns bugs podem acontecer e alguns detalhes podem ser alterados ao longo das semanas.

Usuários do Linux Mint 18.3 também poderão atualizar para a versão 19, mas somente depois que a versão final for lançada, juntamente com ela serão disponibilizadas instruções sobre o processo de atualização.

Novidades no Linux Mint 19


Linux Mint 19 tela de boas-vindas

Na nova versão do Mint, os desenvolvedores acrescentaram uma nova "tela de boas-vindas', muito mais simplista em design, o que me agrada, a mesma contém todas as informações necessárias para usar o sistema, incluindo as novidades da versão. Em suma, explorando essa aplicação você consegue descobrir tudo o que há de novo no Linux Mint 19.

Claro que podemos descontar algumas coisas.

- Snapshots através do TimeShift agora possuem integração com o gerenciador de atualizações do sistema, funcionando de uma forma semelhante ao "Time Machine" do macOS, com backups incrementais;

Configuração do TimeShift Linux Mint


- A sessão "Primeiros passos" da nova tela de boas-vindas instrui os usuários nas configurações e opções básicas para deixar o sistema funcional para as necessidades de cada um.

Configurações iniciais do Linux Mint

- A busca por aplicativos na "Mint Install", ou "loja de aplicativos", está mais rápida e ela também recebeu melhores acabamentos visuais, mantendo a integração com o FlatHub por padrão, para a instalação de pacotes FlatPak.

Loja de aplicativos Linux Mint

Juntamente com estas mudanças, tivemos uma atualização completa do Cinnamon, ambiente gráfico principal da distro, para uma nova versão que por si só já traz muitas novidades. Temos um artigo aqui no blog para falar apenas das mudanças no Cinnamon, confira aqui.

Como você deve ter percebido, o visual padrão da Distro mudou um pouco, o tema Mint-Y, que foi o tema alternativo da série 18.x, baseado no popular tema Arc, agora acabou dando as caras como tema principal do sistema, tanto no GTK (3.22), quanto no tema de ícones, no entanto, ele não está exatamente igual a versão que tínhamos no Mint 18.3, possuindo agora um acabamento mais simplista e melhorado, especialmente no gestor de arquivos Nemo.

Novo tema do Linux Mint

O tema do Shell do Cinnamon permanece o Mint-X por enquanto, provavelmente ele deverá ser alterado para o Mint-Y também até o final da fase Beta.

Outras melhorias


De forma geral, outras coisas que eu pude perceber usando a versão Beta do Linux Mint 19 é que agora é possível também definir o padrão do volume do sistema para acima de 100%, a interface possui animações mais fluídas de forma geral, o que também dá um toque especial; e o Nemo consegue fazer pesquisar de forma mais ágil.

Temos a inclusão de novos softwares também, agora o calendário do GNOME faz parte do Linux Mint, o que permite que, através das Contas Online no painel de controle, nós possamos sincronizar o Google Calendar nele de forma simples, assim como acontece no próprio GNOME do Ubuntu, por exemplo.

Pastas podem ter cores diferentes agora

Temos um Cinnamon que agora abre pastas e programas mais rápido também, graças a rescrita de código que foi feita, temos também novos ícones alternativos com cores variadas para o tema Mint-Y já mencionado. Talvez sejam incluídos ao longo do Beta as variações de cores para o tema GTK também, que ainda não estão presentes.

O pacote mint-meta-codecs agora inclui também as fontes da Microsoft (Arial, Times New Roman, etc) juntamente com os codecs de áudio e vídeo para que tudo seja simples de instalar, na verdade, caso você não marque a opção de instalar estes complementos durante a instalação do próprio sistema, haverá no menu multimídia do Mint um atalho para instalar estes complementos, assim como na loja de aplicativos.

Com novos papéis de parede para a coleção (muito belos inclusive) e com a lapidação do sistema de forma geral, atualizações de softwares como Firefox e LibreOffice, além do conjunto X-Apps do próprio Linux Mint, esta nova versão tem tudo para ser extremamente estável e funcional.

Papéis de parede Linux Mint

O Linux Mint 19 é uma versão LTS, assim como o Ubuntu 18.04 LTS na qual é baseado, tendo suporte contínuo de atualizações de segurança até 2023, no entanto, em 2020, quando a nova LTS do Ubuntu sair, os desenvolvedores começarão a trabalhar na nova base do sistema, assim como o ocorreu agora na mudança da base 16.04 LTS para a 18.04 LTS, produzindo o que provavelmente será o "Linux Mint 20"

O Linux Mint 19 utiliza o Kernel Linux 4.15.x no momento, mas deverá receber upgrades no futuro conforme os lançamentos forem ocorrendo, assim como será possível também manusear versões do Kernel através do gestor de atualizações. Isso acontecerá de forma semelhante ao que mostramos neste vídeo recente do canal:


Outro ponto que vale mencionar, e que costuma ser recorrente nas atualizações de praticamente todas as distros atuais, é o melhor suporte para monitores HiDPI.

E as outras versões?


Podemos dizer que existem versões secundárias do Linux Mint, as versões MATE e XFCE, sendo que a versão XFCE está mais pra terciária até do que para secundária. Mesmo assim, todas as versões receberam seus Betas de forma simultânea.

Linux Mint 19 MATE
Em linhas gerais, as características de todas as versões do Mint são homogêneas, as diferenças realmente residem nas diferentes interfaces.

A versão com MATE vem com a versão 1.20 do Desktop Enviroment e o principal destaque (fora os já mencionados na versão com Cinnamon) é realmente o suporte a detecção automática de tela de alta definição, ajustando a interface automaticamente. Sendo ainda uma opção leve para computadores de menor potência gráfica, assim como a versão com XFCE.

O MATE também é a "interface de backup" do Cinnamon no Linux Mint, caso o Cinnamon por algum motivo trave no Linux Mint e fique impossibilitado de carregar, automaticamente o Mint exibirá a interface MATE para que o usuário consiga utilizar o computador normalmente.

XFCE Linux Mint 19
Quanto a versão com XFCE, realmente não existe mais nada a ser acrescentado, é apenas uma atualização de base contendo todas as novidades já comentadas para a versão Cinnamon e MATE, inclusive a versão do XFCE (4.12) é a mesma que já era usada no Mint 18.3 com XFCE.

Para mais informações sobre o XFCE na base 18.04 do Ubuntu, confira este vídeo:


Para tirar uma dúvida comum entre as pessoas: Se eu baixar este Beta e ir atualizando, precisarei baixar novamente a versão final quando ela for lançada e formatar o computador novamente?

Resposta: Não, basta ir atualizando e você terá a versão final do sistema quando ela for lançada através das próprias atualizações do sistema.

Onde você pode baixar as imagens do Beta do Linux Mint 19?


Você pode efetuar o download das ISOs diretamente do site oficial do Linux Mint através do download direto de vários mirrors ao redor do mundo e também por torrent:


Em breve teremos a review completa da nova versão do Linux Mint em nosso canal!

Até a uma próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo