Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador cinnamon. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador cinnamon. Mostrar todas as postagens

ArcMenu chega na versão 38 com o layout KRunner adicionado

Nenhum comentário

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

A extensão para o Gnome, ArcMenu, traz uma das funcionalidades que acho mais legal, de poder transformar o Gnome em outro ambiente gráfico, como do Cinnamon, XFCE, Windows 7 e por aí vai.


ArcMenu chega  na versão 38 com o layout KRunner adicionado





Há uns dois meses, fizemos um artigo mostrando as novidades da versão 33 desta extensão, que você pode conferir aqui. Desde então, houveram várias melhorias e correções pontuais no código até chegar na versão 38. Umas das distros que utiliza o ArcMenu, é o ZorinOS.


Agora na versão 38 do ArcMenu, mais 3 opções de layouts para Menus foram adicionados, que são: Windows 10, KRunner e Budgie.



Com isso, a extensão traz consigo uma grande variedade de layouts para agradar uma gama bem grande de usuários. Ainda teve algumas outras correções, com por exemplo:

● Corrigido a opção de “Pin to Arc Menu” e “Unpin from Arc Menu”;

● Corrigido o suporte do Dash to Panel para multi-monitores;

Para conferir todas as correções e updates, você consultar este link.

Se você quiser usar o ArcMenu, vai precisar acessar o site para extensões do GNOME, que você pode acessar aqui. Temos um artigo ensinando como instalar e gerenciar extensões no GNOME, que você conferir aqui. É preciso ter o Gnome 3.28 ou posterior.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Ubuntu Cinnamon Remix quer ser o concorrente do Linux Mint

Nenhum comentário

segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

Recentemente tivemos o anúncio do Ubuntu Cinnamon Remix, uma distribuição que usa o Ubuntu como base (19.10), mas traz o ambiente gráfico Cinnamon (o mesmo do Linux Mint) para os usuários, vamos conhecer um pouco melhor o projeto?

ubuntu-cinnamon-remix-logo

A distribuição/remasterização é origem de um projeto de ItzSwirlz, que realmente não é uma pessoa muito fácil de achar informações na internet. Posso estar enganado, mas pela pesquisa que pude fazer, me parece ser um jovem entusiasta de tecnologia.

O Ubuntu Cinnamon Remix


Esta é uma versão NÃO OFICIAL do Ubuntu, e não faz parte, atualmente, do conjunto de flavors apoiadas diretamente pela Canonical, se trata de um projeto comunitário, com algumas poucas pessoas envolvidas até o momento.

Ubuntu Cinnamon Remix Menu

A distribuição é construída com uma série de ferramentas e recursos desenvolvidos por terceiros, caracterizando "a clássica" remasterização. Temos como base o Ubuntu 19.10 Eon Ermine, que traz consigo o Kernel 5.3, e utilizando o repositório backports ativo (o que não é a melhor das ideias), a distro nos traz o Cinnamon Desktop 4.0.x. O problema de usar o backports em prol de um pacote, é que durante as atualizações, outros pacotes também podem receber upgrades instáveis.

A versão mais recente do Cinnamon é a 4.4.x, e será disponibilizada juntamente com o Linux Mint 19.3, o Linux Mint 19.2, ainda usa o 4.2, que mesmo assim é mais recente.

Várias aplicações desenvolvidas pela equipe do Linux Mint para o Cinnamon não fazem parte do Ubuntu Cinnamon Remix, como os XApps, o gerenciador de atualizações, gerenciador de drivers, gerenciadores de repositórios, loja de aplicativos, entre outros, sendo substituídos por contrapartes equivalentes, como o "Atril" para documentos e o "Pluma", para arquivos de texto, (que curiosamente também são desenvolvidos em parte pela equipe do Mint, para o ambiente MATE), com a GNOME Software como loja de aplicativos e o software "Programas e atualizações", tradicional do Ubuntu, fazendo o papel de gerenciador de repositórios e drivers.

Confira o vídeo do canal com mais detalhes sobre a distro:


Poucos elementos do Ubuntu Cinnamon Remix são empacotados pelo(s) desenvolvedor(es), o sistema possui um repositório PPA próprio, onde podemos encontrar os seguintes pacotes:

- blueberry
- calamares-settings-ubuntu
- kimmo-gtk-theme
- kimmo-icon-theme
- ubuntucinnamon-environment
- ubuntucinnamon-meta
- ubuntucinnamon-wallpapers


A maior parte do tempo ciclo parece ter sido gasto na mudança do tema e adição de papéis de parede (eu sei o que você está pensando 😎), no entanto existem promessas para a versão 20.04 LTS, que não me parecem tão promissoras, nesta nota de lançamento no Google Docs.

Atualmente o site da distro ainda está sob construção, possuindo apenas um grupo no Telegram para discussões.

Será que é um projeto com futuro?


Quem me conhece sabe que eu não gosto de desdenhar de projetos de código aberto, só porque eles não são como EU imagino que deveriam ser, especialmente quando as pessoas estão apenas começando e aprendendo a fazer muitas coisas, criando boas práticas. Dito isso, é possível que essa distribuição evolua e se torne uma flavor oficial do Ubuntu, assim como aconteceu com o "Ubuntu Budgie Remix", outrora uma derivação não oficial, que agora se tornou canônica, sendo chamada apenas de "Ubuntu Budgie", no entanto, a primeira impressão que tive com o sistema não foi positiva.

Sinta-se à vontade para compartilhar os seus pensamentos. Do meu ponto de vista, é basicamente uma montagem de um ambiente gráfico sobre uma base, com um gosto duvidoso para design,  ícones diferentes e papéis de parede, entretanto, de forma geral, as principais distros baseadas no Ubuntu, acabam tendo esse viés, elas são o Ubuntu, com uma interface gráfica diferente por cima, então, por que não um Ubuntu Cinnamon?

De fato, esse é um bom ponto, mas o Linux Mint não é exatamente isso? Os desenvolvedores do Linux Mint são os principais responsáveis pelo desenvolvimento do Cinnamon, a integração com outras ferramentas, em muitos casos superiores do que as contrapartes do Ubuntu, não o tornaria mais atrativo do que o Cinnamon Remix?

Ao contrário do Ubuntu Budgie, que não tinha nenhuma outra distro com o Budgie Desktop base Ubuntu como concorrente, o Ubuntu Cinnamon Remix tem uma das mais populares distribuições Linux da atualidade (Linux Mint) como seu comparativo direto inevitável. 

Reparei que alguns nomes conhecidos da Canonical se aproximaram do projeto, como o líder atual da divisão Desktop, Martin Wimpress, e Alan Pope, reconhecido pelos Snaps especialmente, na intenção de dar dicas e apontar algumas direções para tornar o sistema digno de fazer parte das flavors oficiais em algum momento no futuro, o que deve levar ainda alguns ciclos ao menos, creio eu.

Atualmente você pode "fabricar" o seu Ubuntu Cinnamon Remix facilmente, abra o terminal do seu Ubuntu 19.10 GNOME e rode estes comandos:
sudo apt install cinnamon-desktop nemo
Na tela de login, no ícone de engrenagem, você pode trocar a sua interface. O Ubuntu Cinnamon Remix vem também com uma seleção de software ligeiramente diferente do Ubuntu com GNOME, então pode pode instalar os softwares que desejar, e remover os indesejados, se quiser usar o tema do Cinnamon Remix, basta baixar aqui.

Existem alguns outros pequenos ajustes que poderiam ser feitos, como instalar o LightDM, mas a grosso modo, o Ubuntu Cinnamon Remix é apenas isso.

Eu usaria o Ubuntu Cinnamon Remix?


No momento de desenvolvimento atual, eu não vejo o menor sentido em usar esta distribuição, ela não entregada nada que o Linux Mint não entregue, e na minha opinião, ainda fica devendo coisas. 

Apesar dessa posição, confesso que acho interessante que exista uma flavor do Ubuntu com Cinnamon, talvez dessa forma mais pessoas se envolvam com o projeto e tenhamos mais apoio ao desenvolvimento dessa interface que eu acho tão bacana.  Neste momento, aliás, eu acho que as únicas pessoas que deveriam utilizar de fato a distro são os que querem ajudar ativamente em seu desenvolvimento, reportar bugs e coisas do tipo; não é uma distro recomendada para ser usada em produção.

O Cinnamon tem esse potencial de ser fácil de utilizar para pessoas que vem do Windows, o que é uma coisa sempre interessante, e no mundo open source não tem muito essa de "não é útil para muita gente, então não faça", porque no fim das contas, basta ser útil, divertido ou interessante, para quem está fazendo, e mais ninguém. 

Lembra quando o seu computador servia para fazer o que você queria? Então... :)

Ainda assim, a menos que algo super interessante e revolucionário seja apresentado, não vejo as pessoas deixando o Linux Mint pelo Ubuntu Cinnamon Remix, especialmente sem ele se tornar uma flavor oficial, talvez com o tempo e amadurecimento do projeto, e dos desenvolvedores, as coisas mudem. Possivelmente existam pessoas que queiram usar o Cinnamon com base Ubuntu, sem ser no Linux Mint, e serão estes os possíveis usuários desta distro, só não creio que seja uma grande massa de usuários.

Quais são as suas apostas?


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19.3 Beta já está disponível para download

Nenhum comentário

terça-feira, 3 de dezembro de 2019

O Linux Mint é um dos sistemas operacionais mais queridos pelos brasileiros, e hoje foi liberado o beta da nova versão, 19.3 Tricia, com uma série de novidades, principalmente nas versões Cinnamon e Xfce.

versao-19.3-beta-disponivel

Relatório do sistema


Uma das novidades do Mint 19.3 é uma ferramenta chamada “Relatório do Sistema”, que estará presente na bandeja do sistema e avisará toda vez que houver uma novidade ou algum possível problema no sistema, como a falta de um pacote de linguagem, um codec, um novo driver ou até mesmo uma nova versão do sistema.

relatorio-do-sistema

Configurações de linguagem


Além da possibilidade de alterar a linguagem de região, agora também será possível alterar o formato do horário.

configuracoes-de-linguagem

Suporte para HiDPI


O suporte para HiDPI está quase completo, das aplicações disponibilizadas nativamente, apenas para o Hexchat e Qt5Settings ainda continua indisponível. O suporte para HiDPI está disponível para as 3 versões do Mint.

As bandeiras na tela de Configurações de Linguagem não estão mais borradas e por conta do XappStatusIcon, agora os ícones da bandeja também estão mais nítidos. Na versão Cinnamon, o suporte para HiDPI também foi corrigido no descanso de tema e nas prévias de temas.

Substituição de aplicativos


Nesta versão, 3 aplicativos nativos foram substituídos:

O Celluloid entra no lugar do Xplayer como reprodutor de mídias padrão. O Xplayer só pode renderizar os vídeos utilizando o processador, fazendo com que a bateria esgote rapidamente, deixando o computador cada vez mais quente. Já o Celluloid utiliza o backend do MPV, que possui uma performance superior, conseguindo reproduzir vídeos em resoluções muito mais altas com o mesmo hardware.

celluloid-media-player

O Gnote substitui o Tomboy como o aplicativo principal para criação de notas. Assim como no caso do reprodutor de mídias, a substituição foi realizada por motivos de desempenho: O Gnote é desenvolvido utilizando tecnologias mais novas, entregando um desempenho superior.

gnote-anotacoes

O GIMP não é mais o editor de imagens padrão do Linux Mint, dando lugar ao Drawing. Neste caso, o motivo não é desempenho, e sim a facilidade de utilização pelos usuários novatos. Por conta do GIMP ser um aplicativo voltado para edições profissionais, ele pode ser muito intimidador para usuários que buscam por funcionalidades mais simples, como um corte ou desenhar algumas formas geométricas. O Drawing possui uma interface bem mais simplista.

drawing

Cinnamon


O Cinnamon é a interface padrão do Linux Mint, e a nova versão 4.4 conta com algumas melhorias:

  • Cada zona do painel pode ter um tamanho de fonte e ícones diferentes;
  • O Cinnamon pode ser reiniciado sem carregar extensões de terceiros;
  • Agora é possível alterar quais ações ficarão visíveis no menu de contexto do Nemo;
  • Melhoria na animação de login;
  • Otimizações de velocidade no applet de menu, configurações de temas e de extensões;
  • Suporte para notificações silenciosas;
  • Configurações de janela simplificadas;
  • O menu e configurações de painel foram refeitos;
  • As configurações de HiDPI agora estão localizadas no módulo de display;
  • É possível organizar extensões de acordo com atualizações disponíveis;
  • O botão de atualizar a lista de redes foi removido, e agora a atualização é realizada a cada vez que o applet é executado;
  • As extensões agora podem ser recarregadas através do menu na janela de configurações;

Xfce


O Linux Mint também conta com uma opção utilizando a interface gráfica Xfce, e nesta atualização será atualizada para a versão 4.14 com diversas novidades:

  • O gerenciador de janelas agora suporta VSync, reduzindo ou removendo o screen tearing;
  • Melhor suporte para drivers Nvidia;
  • Adição de uma nova tela de configuração para perfis de cores;
  • Na tela de configuração de tela é possível salvar e restaurar configurações completas de múltiplos monitores;
  • Foi adicionada uma nova opção nas configurações de Aparência para habilitar escala de janela GTK;
  • Adição de funcionalidades no Thunar como suporte para miniaturas maiores, a possibilidade do arquivo “folder.jpg” alterar o ícone da pasta (muito utilizado em pastas de músicas) e melhorias na navegação por teclado;
  • Correções de bugs no Tumbler, serviço de criação de miniaturas;
  • Melhorias no aplicativo de captura de tela, como a possibilidade de redimensionar a área tanto horizontalmente quanto verticalmente ao mesmo tempo;

Melhorias nos XApps


A versão 1.6 do libxapp conta com uma solução chamada XAppStatusIcon, que conta com diversas melhorias, como suporte para HiDPI, temas escuros, ícones simbólicos, elimina problemas de renderização, corte e tamanhos errados, e não possui dependências obsoletas. As três versões do Linux Mint possuem suporte ao XAppStatusIcon.

O widget XAppIconChooser recebeu melhorias, e agora conta com suporte à ícones padrão e categorias customizáveis de ícones.

xappiconchooser

O gerenciador de dispositivos bluetooth Blueberry também ganhou um redesign, como mostra a imagem abaixo. Além disso, agora ele conta com uma melhor detecção de dispositivos, melhor relatório de erros e suporta mais dispositivos bluetooth.

blueberry-bluetooth

Logo


O logo do Linux Mint foi simplificado, facilitando na hora de utilizar versões simbólicas e dando mais liberdade para os artistas de utilizarem o logo para produção de artes.

linux-mint-logo

A tela inicial do sistema (também conhecida como Plymouth Splash Screen) possui um novo efeito, que foi apelidado pela equipe do Mint como “a máquina de lavar”:

plymouth-splash-screen

O menu de boot também foi repaginado, com um tema muito mais moderno, exibindo ícones dos sistemas instalados.

grub

Outras novidades


  • Agora é possível desabilitar o touchpad quando um mouse for identificado;
  • Correções no Dbus e PulseAudio;
  • Configurações de data e hora foram reescritos em Python;
  • Xed: Agora é possível abrir links com o botão direito;
  • Xreader: foram adicionados novos botões de anotação;
  • Xviewer: foi adicionado um comando para resetar o nível de zoom;
  • Configurações de LightDM: Agora é possível selecionar um tema de cursor para a tela de login;

Todos as versões do Linux Mint 19.3 são baseadas no Ubuntu 18.04 e contam com o kernel 5.0. Você pode baixar clicando no botão abaixo.


Gostaram das novidades da nova versão do Linux Mint? Deixem suas opiniões nos comentários!

Se você tiver alguma dúvida sobre tecnologia, ou quiser compartilhar conhecimento com a comunidade, o Diolinux Plus é o espaço ideal para isso. Vem fazer parte da nossa comunidade!

Até a próxima!


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do plugin Mate Optimus ganha suporte ao driver 435

Nenhum comentário

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Muitos dos leitores do blog Diolinux, vem acompanhando a “saga” do Linux em notebooks híbridos (Intel+NVIDIA), onde já produzimos artigos de como instalar o Ubuntu/Mint até a notícia mais esperada, a compatibilização completa no Linux, que finalmente saiu e você pode conferir aqui.

Nova versão do plugin Mate Optimus ganha suporte ao driver 435






Dentro desses artigos, teve também artigos falando que a NVIDIA estava disposta a trabalhar o Optimus no Linux, como também os anúncios da Canonical, através do Ubuntu, incluindo os drivers da NVIDIA já na ISO.

Por incrível que pareça, a primeira flavour do Ubuntu a se movimentar e começar o processo de suporte, foi o Ubuntu MATE, através do desenvolvedor principal, Martin Wimpress. Tanto que tem um artigo falando sobre o Ubuntu MATE 19.04 e as suas facilidades com as híbridas.

E como não seria surpresa para ninguém, eis que o Ubuntu MATE surge novamente como “pioneiro”  no mundo das híbridas, vamos assim dizer 😁.

Em seu Twitter, Martin fez um anúncio muito positivo e gerou uma expectativa muito boa na comunidade. Ele anunciou uma nova versão do plugin mate-optimus para a versão 19.10 (a mesma do Ubuntu 19.10) e assim compatibilizando-o com as novidades trazidas pela NVIDIA no driver 435, em especial para as híbridas (Nvidia Optimus).



Como demonstra a imagem, agora podemos escolher qual modo utilizar (Power Saving, Performance Mode ou On-Demand).

É ali na opção On-Demand, que “reside a mágica” da Nvidia para as híbridas. No primeiro anúncio, Martin tinha informado que ainda seria necessário fazer o logoff para a troca. Aí perguntei a ele se pretendia compatibilizar a "não necessidade" dessa etapa, e ele disse que ia arrumar. E assim fez.

Também perguntei se essa ferramenta poderia ser usada em outras interfaces ou se ele teria alguma informação sobre. Ele confirmou que sim, e que as interfaces suportadas serão: MATE, XFCE, Budgie, Cinnamon, GNOME, KDE e LXQt. Para conferir a thread completa, acesse o link.

Ele também me falou, que se a pessoa quiser testar fora do Ubuntu 19.10, bastasse clonar o repositório do GitHub e rodar os binários em usr/bin. Se você quiser testar, o GitHub dele é esse aqui.

Isso era questão de tempo, das distros e interfaces gráficas a compatibilizar a solução da NVIDIA e assim ir “quebrando” esse tabu no Linux, que na minha visão, será totalmente derrubado no Ubuntu 20.04 LTS, assim fazendo com que as outras distros e flavours também irão seguir.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça as novidades que podem chegar no Linux Mint 19.3

Nenhum comentário

sábado, 31 de agosto de 2019

Software é o tipo de coisa que está em constante evolução e aprimoramento, e se você gosta do Linux Mint, vai gostar de saber o que os desenvolvedores estão planejando para a próxima versão do sistema, a 19.3, que deverá sair até o final do ano.

Linux Mint 19.3 Roadmap






A versão 19.3 do Linux Mint deverá sair somente em Dezembro e ainda não tem nome, a versão atual, 19.2, trouxe muitas novidades, mas isso não significa que o trabalho para este ciclo foi encerrado, muito pelo contrário.

No GitHub do Linux Mint podemos ver o "roadmap" de funcionalidades, recursos, correções e ajustes que devem ser feitos para a versão 19.3. Nesse "roadmap" podemos ver muitas coisas diferentes, mas é importante notar que nem todas estas coisas podem ser implementadas, esse documento representa somente as intenções, sem elencar a ordem prioridades.

Novidades previstas


Ainda que nem tudo que está aqui realmente possa chegar na versão 19.3, é interessante observar que as sugestões e melhorias podem fazer parte da futura versão 20 do Linux, que sairá somente por volta de Maio ou Junho de 2020.

As principais novidades a serem implementadas na versão principal do Mint, baseada no Ubuntu e com ambiente Cinnamon, são:

• Suporte para HiDPI para as configurações de temas, configurações de idioma e configurações de fontes de aplicativos;

• Adição de uma comando no terminal para remover, listar e fazer downgrade de pacotes de fora do repositório do Mint;

• Novo Logo para o projeto;

• Novo visual para o site;

• Novos wallpapers com o novo logo;

• Novas telas de Splash;

• Novo tema para o GRUB;

• Usar variantes escuras para Apps de mídia e leitura;

• Adicionar função de segurança para evitar remoção de pacotes acidentalmente no Mint Update;

• Considerando a troca do XPlayer pelo Celludoid.

Há também uma série de ideias que estão em segundo plano e serão trabalhadas somente "se houver tempo", e algumas são bem interessantes, como:

• Renovação dos efeitos sonoros no desktop;

• Corrigir as Tooltips do painel do Cinnamon que não respeitam o tema GTK;

• Criar um guia de segurança para novos usuários;

• Portar o criador de pen drives bootáveis para Python3;

• Ajustar o Mint Report para detectar a falta de idiomas no sistema e avisar sobre a senha de Root, caso ela não esteja configurada;

• Melhorar a barra de navegação do Nemo;

• Considerar inclusão do recurso Sping loaded Folders, como existe no macOS e no KDE Plasma;

Existem também outros detalhes, menores e menos relevantes do ponto de vista do que você vai realmente ver ao utilizar o Linux Mint.

Geralmente estas versões intermediárias não oferecem muitas novidades, de fato, mas a versão 19.2 surpreendeu-me neste sentido, quem sabe a versão 19.3 possa fazer o mesmo, não é verdade?


O plano parece bom, mas e você, o que mudaria no Linux Mint para a versão 19.3? Participe dos debates no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


A espera acabou! Linux Mint 19.2 “Tina” é lançado!

Nenhum comentário

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

A espera acabou. Linux Mint 19.2 “Tina” finalmente é lançada de forma oficial e você já pode baixar a distro.

A espera acabou! Linux Mint 19.2 “Tina” é lançado!






Nesta Sexta-feira (2), foram liberadas para download as imagens ISO do Linux Mint, para que você possa baixar e instalar no seu PC. A nova edição focou em lapidar ainda mais as aplicações e recursos, isso traz para os usuários algumas novas facilidades e alguns softwares atualizado e otimizados.

Principais novidades


●Kernel Linux 4.15.0-54 com suporte até 2023, com suporte para atualização para o 5.x via Gerenciador de atualizações; 

● Cinnamon 4.2, XFCE na 4.12 e MATE na 1.22;

● Wine na versão 4.0 por default;

● Boot-Repair incluso na ISO do sistema;

● Possibilidade de “Pinar” pastas no Gerenciador de Arquivos Nemo;

● Documentos recentes estão agora habilitados por padrão no Menu do Cinnamon.

● Nemo tem condições para executar ações, como um script ou comando externo quando o usuário clica com o botão direito do mouse sobre um arquivo;
● Agora no Menu, haverá diferenciação dos programas, além de informar em qual formato está instalado, como por exemplo, se o programa for em Flatpak ou não;

E quem tem placa híbrida?


Um ponto que vale salientar nessa versão, é a preocupação do pessoal do Mint em entregar a melhor experiência para quem tem Placas da NVIDIA, em especial os notebooks híbridos ou Optimus Card. A equipe do Mint demonstra alguns parâmetros se o método do "nomodeset"  não funcionar. Antes de tentar esses parâmetros, eles recomendam que na hora da instalação do sistema, você instale o driver proprietário da NVIDIA e que no reboot, informando que não será necessário se preocupar com “mais nada”. Depois do reboot, um ícone aparecerá na barra de tarefas, podendo assim trocar de GPU ali mesmo.

Se você não conseguir “subir” o sistema, os parâmetros que eles recomendam são:

"nouveau.noaccel=1" no lugar do "nomodeset".

ou  "noapic noacpi nosplash irqpoll" no lugar do "quiet splash".

Outra possibilidade é usar o  "Compatibility mode" (modo de compatibilidade na hora de dar o boot e instalar o Mint).

Depois da instalação, usar o "Advanced Options" -> "Recovery mode"  no menu de boot e escolher a opção de “resume”. 

Requisitos mínimos e download



Os requisitos mínimos para rodar o Linux Mint Beta 19.2 são:

● 1GB de memória RAM ou 2GB para uma experiência mais confortável;

● 15GB de espaço em disco ou 20GB para ter uma “folga”;

● Resolução mínima da tela de 1024x768

Fizemos um artigo no momento do último Beta do Linux Mint contendo todas as novidades do sistema, clique aqui para conferir.


Se você estiver utilizando a versão BETA do Linux Mint 19.2, basta utilizar o Gerenciador de Atualizações e aplicar os updates ali presente. Em breve a equipe do Mint vai disponibilizar o procedimento de como migrar das versões 19 e 19.1, então fique de olho no blog.

Para baixar a nova versão do Linux Mint, basta acessar este link e escolher a sua interface preferida.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19.2 “Tina” Beta está disponível com muitas novidades!

Nenhum comentário

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Nesta Terça-feira (16),  Clement Lefebvre (líder do projeto Linux Mint), soltou uma release do BETA do Linux Mint 19.2,  mostrando o que estará presente na versão final do sistema. Algumas novidades presentes são muito bem vindas, vamos a elas.

Linux Mint 19.2 “Tina” Beta está disponível com muitas novidades!






Demos uma “palinha” na cobertura do relatório mensal  do Mint, onde eles informaram que “dariam uma olhada com mais carinho” para o design e algumas correções importantes, como no SAMBA (para compartilhamento) e o update para o WINE 4 (“puxado” do Wine HQ). Outras melhorias também foram apresentadas, como:

⏺ O protetor de tela agora tem suporte para o teclado onboard, sendo útil para acessibilidade e computadores com touchscreen.

⏺ O Cinnamon agora tem um applet para impressora, quando uma impressora for adicionada ao sistema ele deve aparecer para dar acesso a configurações diretamente do painel.
⏺ Documentos recentes estão agora habilitados por padrão no Menu do Cinnamon.

⏺ A opção de escolher seu leitor de PDF favorito foi adicionada ao "Aplicativos preferidos" no painel de controle.

⏺ O applet para apresentação que permite usar wallpapers em slides, agora pode mostrar o nome do arquivo atual.

⏺ O gerenciador de sessões foi portado para o gdbus.

⏺ Aplicativos que podem inibir o encerramento de sessão, não mais exercem sua autoridade sobre logouts forçados

⏺ O scrolling natural pode ser configurado para mouses (ele só podia ser configurado para touchpads antigamente).

⏺ O efeito de “fade out” quando o protetor de tela aparece foi removido

⏺ Uma nova opção foi adicionada nas Configurações de privacidade para alterar a verificação de conectividade com a Internet.

Agora o Nemo tem condições para executar ações, como um script ou comando externo quando o usuário clica com o botão direito do mouse sobre um arquivo, dando maiores possibilidades para ele, como comentamos no artigo sobre o report mensal.

Mais uma novidade que estará presente na ISO do Linux Mint 19.2, é a ferramenta de reparo de boot (Boot-Repair). Essa ferramenta já salvou a minha pele muitas vezes ao fazer uma instalação de sistema operacional, onde o boot era perdido, como por exemplo, fazer um dual boot com duas distros Linux, usando a segunda em modo BIOS e a primeira estando instalada em modo UEFI. É uma ferramenta de manutenção excelente, é muito interessante que ela esteja presente.


Outra novidade que podemos pontuar, é o esforço da equipe do Mint em ajudar às pessoas que têm dificuldade na instalação do sistema. Há algum tempo eles já fornecem vídeos explicando, como usar parâmetro "nomodeset" na hora do boot, e nessa versão não poderia ser diferente, eles continuam lá, tanto com o modo Legacy quanto no modo UEFI (EFI).

Suporte para placas de vídeo  híbridas no Linux


O ponto que mais me chamou  atenção, foi em relação ao suporte para GPUs da NVIDIA (que é o meu caso e  de muitos) em notebooks híbridos ou Optimus Card. A equipe do Mint demonstra alguns parâmetros se o método do "nomodeset"  não funcionar. Antes de tentar esses parâmetros, eles recomendam que na hora da instalação do sistema, você instale o driver proprietário da NVIDIA e que no reboot, informando que não será necessário se preocupar com “mais nada”. Depois do reboot, um ícone aparecerá na barra de tarefas (muito parecido com o método que o Ubuntu 19.04 MATE fez), podendo assim trocar de GPU ali mesmo.

Se você não conseguir “subir” o sistema, os parâmetros que eles recomendam são:

"nouveau.noaccel=1" no lugar do "nomodeset".

ou  "noapic noacpi nosplash irqpoll" no lugar do "quiet splash".

Outra possibilidade é usar o  "Compatibility mode" (modo de compatibilidade na hora de dar o boot e instalar o Mint).

Depois da instalação, usar o "Advanced Options" -> "Recovery mode"  no menu de boot e escolher a opção de “resume”

Kernel e Drivers


Agora o gerenciador de atualizações do Linux Mint está ainda mais completo, sendo provavelmente a solução mais completa disponível no mundo Linux atualmente.

O gestor de atualizações permite que você configure atualizações automáticas, caso essa opção esteja ativa, agora o sistema impede o desligamento do computador caso alguma atualização esteja em andamento. Além disso, a sessão de mudança de Kernel, agora conta com variações que vão até o kernel 5.x, permitindo que você tenha um Linux Mint super atualizado neste sentido se você quiser.

Recentemente a Canonical anunciou que o Ubuntu 18.04 LTS estaria recebendo em seu repositório os drivers mais recentes da Nvidia, isso se reflete no Linux Mint também, permitindo que todas essas versões estejam disponíveis no gestor de drivers do Linux Mint 19.2.

O Linux Mint 19.2 BETA vai continuar na base  Ubuntu 18.04, entregando por “default” o Kernel 4.15 e as interfaces gráficas nas seguintes versões: Cinnamon 4.2, XFCE na 4.12 e MATE na 1.22. Essa versão terá suporte até 2023.

Os requisitos mínimos para rodar o Linux Mint Beta 19.2 são:

-1GB de memória ram ou 2GB para uma experiência mais confortável;

-15GB de espaço em disco ou 20GB para ter uma “folga”;

-Resolução mínima da tela de 1024x768

Para baixar o BETA, basta clicar neste link e escolher a interface da sua escolha. Ainda não temos informações sobre o lançamento da versão final, mas por experiência, considerando os lançamentos anteriores, geralmente o Linux Mint fica de duas a três semanas em Beta, antes do lançamento final.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Melhor do que a encomenda! - Linux Mint 19.1 Beta

Nenhum comentário

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Os desenvolvedores do Linux Mint anunciaram que a nova versão do sistema estaria disponível antes do Natal e que belo presente de final de ano para os fãs da distro, não é verdade? Eu estou testando ele há pouco dias, depois do anúncio do Beta, e tenho alguns relatos interessantes para fazer.

Linux Mint 19.1






Difícil dizer o que falta para o Linux Mint se tornar um grande padrão, provavelmente "inteligência de marca" seja uma boa resposta, inclusive, nos especulamos muito em relação a isso é um dos nossos programas no YouTube, um Diolinux Friday Show recente:


Da mesma forma que o Ubuntu se tornou uma marca tão valiosa quanto o Debian para o mundo Linux, será que o Linux Mint chegará ao nível do "seu irmão"?

Há alguns dias tivemos o lançamento da versão Beta do Linux Mint 19.1, de codinome "Tessa" que mantém a base LTS do Ubuntu 18.04.1 e inclui várias melhorias, você pode ver a review completa nesse vídeo do canal:


O que tem de MUITO BOM no Linux Mint 19.1?


Eu gosto muito do Linux Mint, junto com o Ubuntu, certamente são as minhas distros favoritas. Em favor do Mint, eu sempre vi a sensatez, em alguns casos até demasiada, ao adotar novos padrões, ao mudar as coisas tradicionais, etc. Mas a versão 19.1 está dando alguns passos na direção da mudança.

O Linux Mint tem como diretriz não descriminar software de nenhum tipo, independente da licença que ele use, você pode ler mais sobre isso na página de FAQ do sistema, diretamente de seu site oficial e esse é um dos fatores que fazem gostar da forma de trabalho do projeto, porém, no meio dessas diretrizes de trabalho, está uma que consegue me agradar e desagradar ao mesmo tempo, a sua forma conservadora de desenvolver o sistema.

O lado bom

O Linux Mint tem como padrão de comportamento só incorporar tecnologias ao sistema que são super estáveis e popularmente testadas, é por isso que você ainda não vê o Mint com suporte oficial para o Wayland, por exemplo. Dificilmente você verá uma grande quantidade de novidades e modificações implementadas a cada versão, essas mudanças acontecem, mas elas são bem graduais.

O lado bom disso é um tanto quanto óbvio, o sistema se torna mais estável e confiável à longo prazo.

O lado ruim

Suponho que lado ruim seja tão simples de entender quanto o lado bom. Ser mais conservador na inclusão de novidades não deixa os usuários do sistema em contato direto com o que há de mais recente na tecnologia open source pode, até certo ponto, claro. Certos componentes do sistema acabam se atualizando normalmente, como navegadores de internet e correlatos.

Mas as coisas estão mudando

A versão 19.1 Beta está diferente nesse sentido, se comparado a atualizações ocorridas nos últimos anos, ela traz mudanças visuais e de funcionalidade, o que é raro de ser ver no Mint. 

A versão Beta trouxe uma nova forma de usar o Desktop, algo que o Linux Mint carrega desde... bem... sempre! Desde a primeira versão lançada o comportamento padrão do desktop era semelhante ao do Windows XP, organizado em Menu "iniciar", atalhos de aplicações e janelas que abrem ao lado de forma independente, logo depois vinha a área de notificações, calendário, etc.

Visual Linux Mint Windows XP
A semelhança é perceptível (Windows XP em cima, Linux Mint Cinnamon em baixo)

Apesar da diferença enorme na lapidação visual, é fácil perceber que o conceito é o mesmo. E mesmo na versão 19.1 esse painel ainda está disponível para quem quiser utilizar, porém, ele deu lugar para outra versão que agora é o padrão do sistema.

Novo painel do Linux Mint 19.1
Novo painel do Cinnamon - Linux Mint 19.1

Agora os ícones são agrupados e sobrepostos, como acontece no Windows 10, no macOS, no GNOME, como é possível fazer no KDE Plasma também, ou seja, ficou mais de acordo com o padrão atual, o que melhora consideravelmente o aproveitamento de espaço, ainda que eu tenha me adaptado ao Workflow anterior com o passar do tempo, certamente não será difícil de usar o novo padrão.

O lado bom dessa modificação é que a implementação não foi uma "simples troca", se você explorar as configurações desse modo de exibição, clicando com o botão direito em qualquer ícone da barra, indo até preferências>>configurar, você verá os diversos tipos de comportamento possíveis, o que é excelente.

O recurso em si não é totalmente novo no Linux Mint, há alguns anos existem extensões para o Cinnamon Desktop (interface padrão do Linux Mint) que entregavam essa funcionalidade, porém, o lado positivo do recurso fazer parte do sistema é que agora ele está mais próximo dos desenvolvedores principais e nunca irá entrar em conflito com o restante da interface, além de, por se tratar de um parte oficial do sistema, os tradutores também poderão fazer o seu belo trabalho e ter os recursos já em Português, tudo bonitinho.

Falta "aquele" toque


Se eu pudesse apontar o dedo para o projeto do Mint, colocando defeitos, certamente eu apontaria para o design e a paleta de cores. Eu já entendi a relação entre Mint, Cinnamon (Canela) e a cor verde, ainda mais nessa cor de erva cidreira, mas convenhamos que existem cores melhores para associar algo à tecnologia, talvez eles quisessem justamente usar a abordagem de algo calmo, relaxante e confiável, ao contrário do Ubuntu que quer algo mais energético com todo aquele laranja.

Compreensível, mas isso não faz o visual ser mais atrativo.

O logo precisa de uma rejuvenescida, os ícones precisam parar de mudar o design padrão das aplicações (ao menos tanto) e não faria mal dar uma atualizada no site do Mint também.

Analise a versão padrão do Mint e uma modificada por mim:

Linux Mint 19.1 Padrão

Linux Mint 19.1 Mofidicado

Fala aí, qual você sentiria mais vontade de usar?

Para quem ficou curioso, estou usando para personalizar o Cinnamon na segunda imagem:

- Extensão "Transparent Panels"

É claro que só reclamar é fácil demais, por isso, nessa semana enviei um e-mail para o líder do projeto Linux Mint, Clement Lefebvre, me oferecendo para ajudar na parte de marketing da distro e quem sabe, tentar ajustar o visual dela também. Muitas vezes mudar a paleta para um verde azulado pode fazer uma grande diferença. Vamos ver se teremos alguma resposta, fique ligado aqui no blog que eu manterei você atualizado quanto a isso.

A diferença está nos detalhes sem dúvida, o Deepin que o diga.

A versão 19.1 não tem uma data de lançamento fixa, mas está trazendo várias melhorias interessantes e inclusive algumas surpresas para mim, de coisas que eu não esperava ver no projeto, como este novo layout de ícones, na minha modesta opinião está bem melhor que a encomenda, e olha que a encomenda já era boa.

Se quiser testar a versão Beta também, eu encontrei um mirror brasileiro bem rápido para que você possa baixar, mas lembre-se, ainda que esteja consideravelmente estável, ainda é um Beta, então evite usar em produção.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Enquete: Qual a sua interface gráfica favorita no mundo Linux?

Nenhum comentário

sábado, 1 de dezembro de 2018

É sempre interessante vermos as preferências da maioria das pessoas, isso nos ajuda a moldar melhor o conteúdo que será publicado e também mostra aos desenvolvedores de aplicativos as plataformas principais. É hora de você dar a sua opinião também!

As melhores e mais preferidas interfaces do mundo Linux






Você que acompanha o nosso canal no YouTube e presta atenção na "Aba da Comunidade", onde são postamos vários avisos, conteúdos extras e alguns exclusivos para membros também, talvez tenha percebido e até participado da nossa enquete, mas caso ainda não tenha visto, aqui vai ela!


A aba da comunidade do YouTube atualmente permite apenas 5 itens numa enquete, então adicionei as que eu acredito que sejam algumas das mais populares, além da opção "Outras", onde você pode colocar nos comentários as que você preferir.

Depois dessa primeira etapa, temos mais de 1.200 votos e o GNOME Shell continua vencendo em popularidade. Vamos esperar conseguir um valor maior de votos e vamos produzir um vídeo mostrando e comentando o resultado.

Participe!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja como instalar o tema Plata, baseado no último lançamento do Material Design

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de novembro de 2018

Se você gosta de modificar a sua distro Linux e deixar ela com a sua cara, o sistema operacional do pinguim mais simpático da internet deixa você fazer isso. =)


 Veja como instalar o tema Plata, baseado no último lançamento do Material Design






Tem vários temas, ícones e interfaces gráficas para você escolher e assim escolher a opção que mais lhe agrada.

O novo tema para GTK chega para ser mais uma opção para você escolher, e ter opção sempre é bom não é? O nome do tema é Plata, desenvolvido pelo usuário  tista500 que você pode conferir no GitLab.O tema se baseia na última versão do Material Design e tem 3 variações, regular (mixed), Lumiere (Light) e a Noir (dark).

Instalação


Para utilizar o tema você vai precisar ter o GTK+ 3.20.x, 3.22.x, 3.24x e o GTK+2 instalados na sua distro. Ele tem também suporte aos seguintes desktops environments (DE):  Gnome Shell (e Flashback), Cinnamon, XFCE, MATE, LXDE, e Budgie Desktop. As DEs que ainda não tem suporte são o Patheon (elementary OS), Unity 7 e o Gnome Shell customizado pela Canonical, mas você pode usar por sua conta, ele provavelmente funcionará com alguns detalhes quebrados talvez..

Algumas imagens do tema Plata.





Você tem a opção de compilar o tema e ajustar mais ainda a sua maneira, podendo acessar o GitLab do projeto aqui.

Para instalar o tema, precisamos adicionar o PPA do projeto, vamos utilizar o terminal para colocar 3 comandinhos bem simples. Se você preferir adicionar o PPA de forma gráfica, sem usar o terminal, confira esse artigo do blog.

Primeiro vamos abrir o terminal, podendo ser aberto através da combinação de teclas Ctrl+Alt+T ou procurando por “terminal” no menu da sua distro.

Depois vamos pôr este comando. Você pode simplesmente copiar e colar:

sudo add-apt-repository ppa:tista/plata-theme -y && sudo apt update && sudo apt install plata-theme -y

Feito isso é só esperar a instalação acabar e depois ir na ferramenta de customização da sua distro e mudar o tema.

Ter opções de temas nunca é demais né ? rs.

Espero você até uma próxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro

Nenhum comentário

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

No blog oficial do Linux Mint, Clement Lefebvre (idealizador do projeto), anunciou algumas mudanças no visual do Cinnamon e também agradeceu aos apoiadores do projeto

 Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro






Ao todo foram anunciadas três novidades em relação a interface gráfica e uma em relação ao XApps (aplicativos esses que são padrões nas 3 versões do Mint).

A primeira novidade em relação a interface é com o tema Mint-Y, que recebeu melhorias e mudanças sutis feitas por Joseph McCullar, adicionando maior contraste às fontes e apps ícones, o que deixará o desktop mais vívido, você pode ver um exemplo na imagem abaixo:


A diferença também é perceptível  quando o tema é aplicado na área de trabalho, com isso os ícones estão mais escuros e às bordas das janelas estão com uma facilidade de identificação melhor também.


Nos dois exemplos mostrados ficam evidentes as melhorias feitas por Joseph, na primeira ficando à direita e na segunda ficando abaixo da linha vermelha.

A segunda melhoria foi a correção de ícones monocromáticos em fundos brancos ou quando o usuário alterar a cor do fundo e assim não ficando funcional, como por exemplo em submenus e afins.  Para resolver esse problema, o Linux Mint 19.1 será fornecido com suporte para ícones simbólicos para o  Redshift, para o Applet de controle de volume d ambiente MATE, da ferramenta de teclado na tela (onboard) e para o applet de gerenciamento de rede.

A terceira mudança vem no Cinnamon e sua versão 4.0,  que vai trazer um novo layout do painel. Haverão mudanças na cor, tamanho e ícones para que eles se comportem melhor em telas com diferentes resoluções.

Colocando um visual mais moderno no Cinnamon

A grande mudança no Cinnamon é adesão de um novo sistema de gerenciamento de janelas inspirados em dois  applets famosos, o Icing Task Manager e CobiWindowsList, applets esses que deixam as janelas com aspectos parecidos já adotados por outros sistemas, como Windows, macOS e Ubuntu. Esses applets fazem com que às janelas abertas fiquem “juntas” e que a exibição dessas janelas seja sobreposta. Segundo Clement, ele veio trabalhando nessa solução junto com Niko Krause, Joseph e Jason para implementar essa funcionalidade no sistema, como reflexo da popularidade dos Applets, embutindo essa função diretamente no Cinnamon.

É uma postura que nos agrada especialmente, pois, como comentados no Diolinux Friday Show sobre “O que há de errado com o GNOME”, a noção de você observar quais são os complementos mais baixados e adicioná-los como funcionalidades ao sistema é uma forma muito elegante de entregar o sistema que os usuários desejam.

Outra melhoria feita no Cinnamon foi a adequação dos ícones aos diferentes tipos de ícones no painel, podendo ir dos 24x ao 64x sem perder a qualidade e nitidez dos mesmos. Esse recurso é especialmente bom para quem usa o Mint em telas de altíssima resolução.

Já na parte do sistema serão lançadas duas melhorias bem sutis mas muito bem-vindas. A primeira foi em relação aos XApps, onde Stephen Collins adicionou uma nova forma de selecionar os ícones que estão presentes na biblioteca do sistema, assim mostrando os ícones e o caminho deles.  A nova ferramenta permite que você troque o ícone de qualquer aplicação de uma forma muito simples e intuitiva conforme a sua vontade.


No Update Manager haverão novidades também, foi adicionado o suporte para kernels mainline e assim podendo ser escolhidos pelo usuário versões diferentes da que vem por padrão instalada, semelhante ao Manjaro.

Por último e não menos importante, o ‘Welcome” ou “Bem Vindo” do Linux Mint agora vai deixar você escolher qual layout quer usar no sistema, sendo possível escolher entre “Traditional” (Tradicional) ou “Modern” (Moderno). O tradicional é o Mint exatamente como você conhece, e o “moderno” é este com ícones sobrepostos na barra, assim como no Windows 10, essa mudança provavelmente deixará a interface do Linux Mint ainda mais amigável para quem vem do Windows, ainda que seja uma mudança simples.

Para maiores informações, acessem o blog oficial deles.

Legal ver a equipe do Linux Mint querendo dar uma “polida” no sistema e assim dar uma cara mais moderna para o sistema e assim querer atrair mais usuários para o sistema,  principalmente aqueles vindo do Windows (7 e 10) e fazendo com que a curva de aprendizado seja menor e facilitando a adaptação dos mesmos.

O Cinnamon é uma das últimas interfaces da lançar esse modo nativamente, algo que você já encontra no KDE Plasma e no próprio GNOME Shell há muito tempo, mas, antes tarde do que nunca, certo? As versões 19.x geralmente são lapidações da versão 19, ainda que existam aprimoramentos, certamente mudanças maiores são esperadas para a versão 20 do Linux Mint, que sairá somente em 2020.

Conte-nos através dos comentários o que você achou das novidades e o que tem achado do Linux Mint 19. =) 

Até a próxima e um forte abraço.
____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo