Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador desktop. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador desktop. Mostrar todas as postagens

Muitas novidades na versão beta do KDE Plasma 5.16

Nenhum comentário

sexta-feira, 17 de maio de 2019

Se existe um projeto que posso "tirar o chapéu" a cada novo lançamento é o KDE, não menosprezando os demais, entretanto os caras do KDE sempre estão implementando coisas novas. Ok! Às vezes me perco em meio a tanta configuração, mas é bem interessante ver essa gama de possibilidades e ferramental oferecido.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur

Em sua nova versão beta, o KDE Plasma 5.16, várias modificações e recursos foram adicionados ao Desktop Plasma 5. Muitos aspectos foram polidos e reescritos.

Como exemplo podemos citar o novo sistema de notificação, totalmente reescrito, o mesmo tem agregado funcionalidades bem úteis como: Modo não perturbe, histórico inteligente com agrupamento, notificações críticas de apps em tela cheia, aprimoramento na notificação de ações como transferências de arquivos, e muito mais.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur-notificação

Outra novidade está nos widgets do Plasma, que foram refinados e agora trabalham com o código pensado em portabilidade, graças ao framework do Kirigami e Qt. Visando melhor experiência na utilização da interface para usuários.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur-widget

Além do widget de rede que passou a atualizar redes Wi-Fi de forma rápida e confiável, e ao clicar em qualquer rede a opção "Configurar" estará disponível.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur-widget-rede

A tela de login está bem mais atraente, ponto para os designers da interface.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur-login

Não foi apenas o login que recebeu uma atenção visual. A aparência da "página" dos "Esquemas de cores", teve todo um redesign, contando com uma visualização de grades. E não ficou apenas nisso, agora é possível filtrar por cores claras ou escuras nos temas, arrastar e soltar para instalar os temas etc.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur

Também foi adicionado o suporte inicial para o uso do Wayland com drivers proprietários Nvidia. Utilizando o Qt 5.13, vários problemas de uso com o Wayland foram removidos, como distorções nos gráficos ao desligar o computador. As janelas GTK aplicam corretamente o esquema de cores ativo e inativo, na nova versão. E o KWin traz um aprimoramento no Blur, sendo mais natural ao olhos humanos.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur-kwin-wayland-nvidia-driver

Claro que o Discover, software para instalação de pacotes do KDE, não ficaria de fora. Foi adicionado melhor suporte para AppImages, um indicador de conclusão de tarefas, opção de forçar a saída durante os processos de instalação e atualização, o menu de fontes apresenta o versionamento de cada aplicativo de fonte diferente e em "Downloads" os pacotes têm seções distintas ("download" e "instalação"). Quando o item for instalado ele deixará de ser listado na exibição.

kde-plasma-5.16-qt-kirigami-kwin-discover-interface-desktop-linux-DE-blur

Crie e envie seu wallpaper para ser o padrão do Plasma 5.16


Pela primeira vez, o papel de parede padrão do Plasma será decidido pela comunidade. Na verdade existirá um concurso na qual o vencedor terá esse mérito, além de receber um computador Slimbook One V2 (processador I5 + 8Gb de RAM). Interessados acessem a página da competição.

Quer saber como está o KDE Plasma 5.16? Então efetue o download da versão de testes do KDE Neon. O lançamento final será no dia 11 de Junho, e essa versão contará com 5 atualizações de manutenções até Setembro de 2019.

Caso queira ver todas as novidades contidas no KDE Plasma 5.16 beta, acesse a página oficial do projeto.

E você, utiliza KDE Plasma como interface principal? Que tal continuar esse assunto em nosso fórum.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


PureOS resgata o conceito de convergência entre desktop e mobile

Nenhum comentário

segunda-feira, 11 de março de 2019

Um sistema convergente é cobiçado por várias empresas, ter diversos dispositivos e apenas um sistema, seria um novo passo na forma de como usamos os computadores. Há quem diga que os smartphones vão “matar” os desktops e laptops, entretanto ao que tudo indica o mesmo sistema operacional rodará em ambos, e investidas de empresas como Microsoft, Samsung, Canonical e Google, são exemplos deste possível futuro.

purism-pureos-convergente-linux-mobile-desktop

Com uma grande ideia ambiciosa (não me entenda mal, pensar alto nem sempre é ruim) a Purism, responsável pelo Smartphone Librem 5 e os notebooks Librem, anunciou que seu sistema PureOS estabeleceu bases para que todos os aplicativos futuros fossem convergentes, possibilitando o funcionamento do mesmo sistema operativo em seus laptops e smartphones.

A convergência é algo simples?


Definitivamente criar aplicações convergentes não é uma tarefa tão fácil, tanto o desktop como o mobile geralmente possuem arquiteturas diferentes, isso significa que uma mesma aplicação deve ser compilada visando o tipo de CPU, e para verdadeiramente ter uma aplicação convergente, o hardware deve ser planejado desde o início com esse objetivo.

Um sistema que engloba ambas plataformas, teria outro ponto para considerar, suas aplicações, pois os desenvolvedores haveriam de adaptar os apps ou criá-los com tal versatilidade em mente.

purism-pureos-convergente-linux-mobile-desktop-librem

PureOS um sistema convergente


A Purism não é a primeira e nem a última, em que luta por um sistema convergente. A Canonical, empresa responsável pelo Ubuntu, alguns anos atrás tentou emplacar tal tecnologia, desenvolvendo uma distribuição Linux que visava unir ambos os mundo, desktop e mobile, através do Ubuntu Phone, que ao conectar-se numa tela maior comportava-se como um desktop.


A Purism declara em sua postagem oficial, que o caminho certo para iniciar essa empreitada foi escolher um “sistema operacional universal”, uma clara alusão ao Debian, e por funcionar em tantas arquiteturas diferentes de CPUs, esse seria um enorme benefício. Outro fator, é que eles consideram a base do PureOS sólida o suficiente para embarcar em diferentes tipos de processadores e arquiteturas, portanto problemas de desempenho e execução não são barreiras para o bom funcionamento do SO.

Apenas o funcionamento de uma aplicação em diferentes plataformas não seria o bastante, para isso é necessário um design inteligente, que se adapte conforme o equipamento e tamanho da tela, comportando-se de maneira distinta em alguns casos. 

Com parcerias com o Projeto Gnome, a Purism vem promovendo formas de criar aplicações atraentes e que se adapte a cada realidade, desenvolvendo e contribuindo ativamente em uma biblioteca chamada libhandy, proporcionando uma apresentação móvel e adaptativa para apps GTK e Gnome.

purism-pureos-convergente-linux-apps-mobile-desktop

Essa forma de desenvolvimento tem total integração com o formato de pacote Flatpak, evidenciando que o projeto está em sintonia com novas tecnologias.

Assim como um site responsivo se adapta ao tamanho de tela e muda alguns aspectos de sua interface, a Purism convida os desenvolvedores a criarem suas aplicações com essa proposta em mente, desta forma os softwares terão melhor funcionamento, sendo assim a comunidade poderá se beneficiar com um ecossistema livre, seguro e que protege sua privacidade.

E você, acredita que sistemas convergentes serão o futuro? Aconselho que acessem o post oficial da Purism, lá existem vídeos que demonstram na prática a responsividade das aplicações.

Te espero no próximo post, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Compreendendo o Tempo de vida das versões do Ubuntu

Nenhum comentário

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

O Ubuntu é uma distro muito importante no cenário de servidores e desktops e seu tempo de suporte, além de influenciar na escolha pelo usuário de qual versão utilizar, também influencia diretamente nas distros que são flavors ou versões derivadas do sistema da Canonical. Você já deve ter se deparado com os gráficos disponibilizados no site da Canonical exemplificando o tempo de suporte de cada versão de seu sistema e agora, nós vamos dar uma olhada mais de perto nesses gráficos para que você compreenda melhor.






O gráfico abaixo (retirado do site da Canonical) basicamente está dividido em ano (na parte inferior) e ao lado você encontra as releases do Ubuntu onde encontram-se também as versões que ainda não saíram.

A parte em laranja escuro que você está vendo são atualizações de hardware e manutenção, mostrando que durante aquele período que está determinado, aquela versão do sistema pode receber versões novas do Kernel que vão sendo implementadas e correções que sejam necessárias como bugs por exemplo. Após um período de tempo depois do lançamento de cada versão LTS (long term support) a versão do sistema simplesmente vai ter atualizações de manutenção (laranja claro) para corrigir algumas coisas de segurança e bugs que aparecerem na distro, não ocorrendo mais muitas atualizações no próprio sistema, pois quando um sistema LTS entra no modo “manutenção” uma outra LTS já terá sido lançada e vários usuários já estarão migrando para esta nova versão. 

Por padrão, as versões LTS do Ubuntu também utilizaram softwares LTS, geralmente tudo o que for Long term Support (LTS), vai ser incluído nos repositórios do Ubuntu, mantendo-se na mesma versão enquanto não for lançaao uma nova versão LTS desse software.

Assim que o período de tempo de suporte passa, o sistema simplesmente “congela” e você não recebe mais atualizações, sendo que o único jeito de você continuar conseguindo consultar o repositório é adicionando o repositório old releases do Ubuntu, o qual até fizemos um post aqui no blog, apesar de ser apenas uma ajuda momentânea até você fazer a troca de versão.

Ainda sobre o gráfico mostrado acima, nele você encontra as Standard releases (em cinza), que são versões intermediárias que não são LTS. As versões LTS no Ubuntu, são lançadas a cada dois anos e entre cada versão LTS, você encontra três lançamentos Standard que são um tipo de versões "beta" para teste daquilo que virá na próxima LTS e só possuem 9 meses de suporte, por isso não são aconselháveis em projetos de longo prazo. Geralmente essas versões são lançadas em Outubro do mesmo ano de lançamento de uma LTS,  em Abril e outra em Outubro do ano seguinte e consecutivamente outra versão LTS. 

No vídeo abaixo, foram respondidas algumas dúvidas sobre as versões do Ubuntu. Nele você encontra explicações detalhadas e exemplos sobre as versões do sistema e seu tempo de suporte.



Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


32 ou 64 bits: Qual usar no meu PC?

Nenhum comentário

sábado, 21 de julho de 2018

Há um tempo fizemos um vídeo falando sobre a utilização de sistemas de 64 e 32 bits, tanto no Linux, quanto no Windows. No post de hoje vamos retomar um pouco dessa ideia e discutir quando cada um deles pode ser utilizado.







Sistemas operacionais podem ser projetados para serem utilizados em cima de processadores de 32 ou de 64 bits, sendo que um sistema de 64 bits, não consegue rodar em um processador de 32 bits, porém um sistema operacional de 32 bits, consegue rodar em um processador de 64. Isso quer dizer que você pode utilizar um sistema operacional de 32 bits, tanto em processadores de 32 quanto de 64 bits. 

No entanto, caso utilize Windows, um sistema de 32bits não conseguirá reconhecer mais do que 4gb de memória RAM (Exceto em versões especiais para servidores), isso quer dizer que você pode estar desperdiçando memória caso tenha mais memória do que isso. Já para isso no Linux, temos um recurso acessível a praticamente todas as distros chamado "Kernel PAE", sendo que "PAE" é uma sigla para “physical address extension”. O kernel PAE possibilita que sejam reconhecidos mais de 4 gigas de memoria RAM, mas ainda assim fica a dúvida: quando devemos utilizar um sistema de 32 bits e quando devemos usar um de 64 bits?

Bom, a resposta prática é: Quando seu processador FOR de 32 bits.

E para isso, talvez tenha que voltar muito no tempo para encontrar facilmente um processador que não seja 64 bits. Caso tenha um processador de 64 bits, opte por rodar um sistema de 64 bits, pois caso rode um sistema de 32 em um de 64 bits, além de desperdiçar um pouco do desempenho do seu processador, você pode estar jogando um pouco de memória RAM fora.

Existem pessoas que preferem colocar sistema de 32 bits em máquinas com pouca memória como netbooks por exemplo, pois os sistemas de 64 bits acabam usando um pouco mais de memória RAM que os de 32 bits, apesar de ainda não ser a melhor coisa a ser feita pois você acaba deixando de aproveitar melhor o processamento do CPU e o impacto na memória RAM, acaba nem sendo assim, tão grande.

Caso você não tenha entendido o que os processadores tem a ver com a escolha de um sistema 32 ou 64 bits, assista o vídeo abaixo, assim você pode entender melhor a relação entre eles. Esse conteúdo foi feito para leigos no assunto, então caso tenha um maior conhecimento e deseja estudar ainda mais, confira esse post com informações mais completas sobre o assunto.


Espero que esse post tenha ajudado você :)
Até mais!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O que são GUI e DE? Quais suas diferenças?

Nenhum comentário

terça-feira, 17 de julho de 2018

Uma das dúvidas e confusões de quem está iniciando no mundo Linux: Qual a diferença entre Interface Gráfica e desktop environment? Se você usa Linux há muito tempo e possui essa dúvida, não se sinta mal, o importante é que vamos conferir essa diferença agora mesmo!



A interface gráfica ou GUI (graphical user interface) em um sistema operacional, é uma aplicação, uma das partes do sistema operacional, já o DE (desktop environment), é algo mais abrangente que engloba por exemplo, até mesmo a própria interface gráfica. O desktop environment é composto de várias aplicações e não somente da interface. A interface é uma das aplicações que acompanham o desktop environment e a interface gráfica é basicamente o que você vê na tela do seu sistema operacional.

Podemos usar como exemplo o projeto KDE, que é responsável por gerenciar várias aplicações diferentes, desde aplicações como calculadora, calendário, o nosso querido Kdenlive, utilizado para editar os vídeos do canal e é claro a interface gráfica KDE Plasma, ou somente "Plasma", como os próprios desenvolvedores do KDE convencionaram chamar. Sendo assim, o desktop environment KDE é composto do Plasma juntamente com outras ferramentas desenvolvidas pelo projeto KDE. 

Apesar de usarmos o KDE como exemplo, o mesmo vale para, virtualmente, qualquer outro projeto. Além disso, você pode utilizar uma interface gráfica, mas com aplicações de projetos diferentes. Uma prova disso, é utilizar uma distro como o Linux Mint, com a interface Cinnamon, mas com aplicações GNOME, como o Monitor do Sistema, ou seja, você usa parte de um desktop enviroment em uma distro cujo ambiente gráfico corresponde a outro diferente.

Nesse vídeo no canal, discutimos com vários exemplos a diferença entre interface gráfica e desktop environment no Linux e vale muito a pena conferir.


Espero que este post e vídeo tenham lhe ajudado :)

Até mais!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo