Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador dica. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dica. Mostrar todas as postagens

Como instalar o MetaTrader no Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de novembro de 2018

O MetaTrader é um dos softwares mais populares no mercado de análise financeira, especulação e trading em bolsas de valores. Hoje você vai aprender a instalar ele na sua distro Linux.

MetaTrader Instalar Linux






Ao longo do tempo nós recebemos vários pedidos para ensinar a instalar o MetaTrader no Linux, recebemos um novo recentemente, que foi o que nos motivou a resolver este problema de uma vez. O próprio site do MetaTrader aponta o suporte para Linux, porém, ele é feito através do Wine. Isso não é necessariamente um problema, porém, o tutorial contido no site do MetaTrader é suscetível a problemas de atualização do Wine, por usar apenas o Wine instalado diretamente no sistema.

A solução para isso é usar o PlayOnLinux, ele vai fazer com que você mantenha o seu software estável.

Existe um vídeo no canal que te ensina usar todos os recursos do PlayOnLinux, apesar de ser um vídeo antigo, ele ainda é válido e será útil para você.

Como fazer a instalação do MetaTrader no Linux


O MetaTrader tem duas versões, a 4 e a 5, neste tutorial vamos usar a 5, mas você pode aplicar o mesmo método para a outra versão também.

1 - O primeiro passo é baixar o MetaTrader, faça o download e salve em alguma pasta de sua preferência, vamos puder usar ele mais tarde.

2 - Instale o PlayOnLinux, você o encontra na loja de aplicativos do seu sistema:

PlayOnLinux

3 - Abra o PlayOnLinux, vá na opção de instalar e procure por "MetaTrader", você encontrará as duas opções, instale qualquer uma das duas. Provavelmente você terá um erro nesse processo, mas esse passo é importante para criar o prefixo do Wine onde o nosso MetaTrader vai rodar. Se ao final da instalação der erro, não se preocupe, é isso mesmo. Se não der, bom... você acabou de instalar o MetaTrader...

Seguindo...

Instalando o MetaTrader no Linux

4 - Depois do processo anterior, vamos gerenciar as versões do Wine e instalar a versão de 32 bits mais recente que você encontra (no momento deste artigo é a 3.20). Para isso clique no menu Ferramentas>>Gerenciar versões do Wine.

Configurando Wine MetaTrader

5 - O próximo passo é usar a versão do Wine que você baixou no prefixo do MetaTrader. Clique no botão "Configurar", selecione o prefixo desejado na esquerda e clique na aba "Geral", mude a versão do Wine para a mais recente que você encontrar, depois vá até a aba "Wine" e clique em "Configurar o Wine", na janela que se abrir, mude a versão do Windows para "Windows 10". Confirme as modificações.

Configuração do Wine

6 -  Clique na aba "Diversos" e vá na opção "Rodar um arquivo .exe em um driver virtual", na janela que se abrir, selecione o arquivo .exe do MetaTrader que você baixou no primeiro passo do tutorial. O instalar deve se abrir e agora você pode instalar o software normalmente, como faria no Windows.

MetaTrader no Linux

7 - Depois disso, para facilitar o seu acesso, você pode criar alguns atalhos para o programa.  Na aba "Geral' você encontrará a opção "Faça um novo atalho a partir deste drive virtual", selecione as aplicações das quais você deseja criar atalhos.

Criando atalhos

Se tudo deu certo, você poderá usar o MetaTrader normalmente.

MetaTrader no Linux

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Curso EXTREMAMENTE AVANÇADO de Shell Script!

Nenhum comentário

domingo, 11 de novembro de 2018

Agora que você já perdeu o medo do terminal Linux chegou a hora de dar um passo a mais e usar todo o potencial que ele te oferece como uma ferramenta para controle, automação e até diversão, por que não?

Cursos avançado de Shell Script







O meu amigo Marcos, do canal Terminal Root, vem desenvolvendo há muito tempo um material extenso e completo sobre o uso de aplicações em modo texto, terminal e shell script e hoje eu tenho o prazer de anunciar a disponibilidade deste material!

O que você vai aprender se fizer o curso?


Absolutamente tudo sobre manuais, processos, animações em ASCII e Unicode. Vai aprender inúmeros comandos de manipulação de dados do Terminfo e Termcap. Também vai descobrir todo raciocínio e lógica utilizada para criação de games, utilizando a raíz da criação. 

Aprenderá a criar um instalador pra o Arch Linux, bem como manipulação de Sistema de Arquivos via linha de comando. Entre diversos outros tópicos para criar programas profissionais e com recursos UX e UI deixando-os mais intuitivos.

No vídeo à seguir o Marcos te mostra a aplicação prática do Script de instalação do Arch.



São 22 vídeos, mais de 2GB de conteúdo que você pode baixar e guardar com você para sempre, 18 apostilas em PDF, 18 Scripts didáticos e ainda vários arquivos, imagens e outros, tudo isso para te ajudar a estudar e virar um ninja especialista no terminal.

Quanto custa?


O curso possui o valor de investimento de R$ 174,90, porém, um requisito importantíssimo é já ter conhecimento básico ao menos em Shell Script, para que assim você possa desenvolver as habilidades propostas no curso de forma mais rápida.

Caso você não satisfaça esse pré-requisito, o Marcos também preparou alguns cursos que vão te dar toda a base necessária para ir para o curso extremamente avançado.

1 - Curso do Iniciante ao Avançado de Shell Script - Onde você aprenderá o essencial, além de manipular banco de dados e usar Shell Script para Web.

Valor: R$ 39,90.
Mais detalhes em: terminalroot.com.br/bash

2 - Curso do Editor Vim - Você aprenderá a customizar o Vim, podendo por exemplo mapear qualquer tecla para responder como deseja.

Valor: R$ 29,90
Mais detalhes em: terminalroot.com.br/vim

3 - Curso Extremamente Avançado em Shell Script Bash - Para criação de animações, instaladores de distros, games e muito mais, como já comentado neste artigo:

Valor: R$ 174,90
Mais informações em: terminalroot.com.br/shell

PORÉM, como aqui não brinca quando o assunto é promoção, agora, em uma parceria entre o Diolinux e o Terminal Root, você pode levar todos os 3 cursos por apenas R$ 179,90!

Um bônus: Além destes cursos mencionados, você também receberá o curso de SED - Editor de fluxo completo.

Como você pode comprar?


Na verdade, de forma muito simples. Todo o material dos cursos será enviado para você por e-mail, então basta fazer a compra através do PagSeguro: https://pag.ae/bkBDp7l

Depois disso é só aguardar o recebimento do material, se tiver alguma dúvida, entre em contato diretamente com o Marcos em terminalroot.com.br.

Fique ligado no blog e o no canal Diolinux, pois provavelmente sortearemos alguns cursos completos para nossos leitores e inscritos em breve!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Yaru - Como instalar o novo tema do Ubuntu

Nenhum comentário

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Parece que finalmente as coisas estão mudando pelos lados da Canonical quando o assunto é o visual do Ubuntu, há vários anos os usuários pediam por uma renovação do tema Ambiance do Ubuntu, porém, parece que só agora, no Ubuntu 18.10, que sairá em Outubro de 2018, é que teremos um novo tema por padrão.

Ubuntu Yaru Theme





Apesar do novo tema só vir por padrão na próxima versão do Ubuntu, você já pode instalar o tema Yaru (antigamente chamado de Communitheme) do Ubuntu 18.04 LTS através de um pacote Snap presente na loja de aplicativos.

Abra a aplicativo "Programas" e procure por Yaru:

Instalando o novo tema Yaru no Ubuntu

Instale o tema normalmente como qualquer outro aplicativo, encerre a sessão e na tela de login, clique na engrenagem e selecione o tema para iniciar com o novo visual.

Instalando o novo tema Yaru no Ubuntu

Ainda existem alguns ajustes a serem feitos no tema, mas realmente é uma grande evolução para o visual do Ubuntu, é bom ver o sistema ficando belo novamente, mas sem perder a sua identidade visual.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o Spark Messenger no Ubuntu e no Linux Mint

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

O Spark é um cliente de mensagens instantâneas open source, focado em atender empresas e organizações. Ele possui suporte integrado para bate-papo em grupo, integração com VOIP e uma estrutura de segurança muito interessante. Hoje você vai aprender a instalar ele no Ubuntu e no Linux Mint.

Como instalar o Spark no Linux Mint e no Ubuntu






O Spark não é a única opção, mas geralmente é ele que é instalado em um ambiente onde o Open Fire é o servidor de comunicação interna de uma empresa. O Spark Messenger tem suporte para todas as plataformas, incluindo Linux.

Não é a primeira vez que falamos sobre o Spark aqui no blog, há alguns anos eu precisei utilizá-lo em uma empresa que eu trabalhava e na época eu utilizava o Ubuntu 16.04 LTS, com Unity, no artigo você aprende a criar  um ícone de lançador para colocar no desktop.

Felizmente, com o tempo, o processo de instalação do Spark foi simplificado. Recentemente um amigo meu que presta manutenção de computadores em uma empresa de idiomas, que não vem ao caso mencionar, precisou instalar essa ferramenta no Linux Mint 19, um sistema que se encaixou perfeitamente na necessidade deles em substituição ao Windows 10.

Como baixar o instalar o Spark?


O primeiro passo para baixar o Spark para a sua distro é acessar o site oficial, depois haverão algumas possibilidades diferentes de download.

Fazendo o Download do Spark para Linux

Ao observar os downloads para Linux, você verá que temos um pacote Tar.gz (veja mais sobre esse tipo de pacote aqui), temos o pacote .rpm para Red Hat, CentOS, Fedora, SUSE, etc. e temos também a versão em .deb, para Debian, Ubuntu e Linux Mint.

Independente de qual você baixe, basta dar dois cliques para instalar, no caso do Ubuntu você fará a instalação através da loja de aplicativos, do caso do Linux Mint, você usará o instalador de pacotes .deb (gdebi).

Instalando Spark no Linux Mint

Essa versão atual já não depende diretamente do Java, entretanto, em caso de problemas, você pode querer instalar o Java da Oracle, confira este artigo do blog para aprender a fazer a instalação no Ubuntu e no Linux Mint.

O próximo passo é uma dica extra que eu mostrei para o meu amigo para tornar o acesso ao Spark pelos funcionários da empresa que ele estava atendendo tão tradicional quanto seria no Windows, criando um atalho no Desktop. Infelizmente o Spark não recebe atualizações desde 2017 e não cria, automaticamente, um atalho no menu ou no desktop dos sistemas, de modo que, depois de instalado, para você confirmar que o Spark está funcionando, basta digitar no terminal, ou pressionar alt+f2 e digitar: spark

Se funcionar, a forma simples é criar de usá-lo novamente é criar um atalho na área de trabalho, no caso do Linux Mint o processo é extremamente simples.

Criando um atalho para o Spark

1 - Clique com o botão direito na Área de trabalho;

2 - Vá até a opção "Criar novo lançador aqui...";

3 - Coloque "Spark" em "Nome" e "spark", com letras minúsculas em "Comando";

4 - Clique no ícone da imagem para selecionar um ícone para o Spark, você pode baixar o ícone do software e colocar em alguma pasta que você queira, depois é só procurar ela pelo gestor de arquivos.

5 - Clique no botão "Ok", ao fazer isso, será aberta uma caixa de diálogo perguntando se você quer integrar o Spark ao menu do seu sistema também, você pode confirmar, se este for o seu desejo;

6 - Dê dois cliques no ícone e o Spark deve se abrir.

Caso você esteja usando o GNOME no Ubuntu, o processo para isso é um pouco mais complicado, ainda mais agora que o projeto GNOME resolveu remover o suporte para os ícones no Desktop, no entanto, o processo de criação de ícones foi detalhado no nosso outro artigo sobre o Spark mencionado no início deste post.

Outra forma de contornar a situação é usar um editor de menus e criar uma nova entra manualmente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como customizar o "history" do Shell no Linux

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Vamos dar continuidade na nossa série sobre Shell Script chamada "Não é magia, é shell script!" com uma dica muito legal para quem gosta de usar o comando "history".

comando History





Por padrão o comando "history" exibe somente o número da ordem do comando e o comando utilizado, exemplo:

history

  478  bundle exec jekyll serve
  479  tar Jxvf icons-freebsd.tar.xz
  480  ssh diolinux@192.168.1.207
  481  emerge -s thumbnailer
  482  etc-update --automode -5

Para executar um comando do history, bastar usar um 'sinal de exclamação' ! e o número do comando, exemplo: !480, o shell irá executar o comando de número correspondente.

Ás vezes você executa um comando e esquece a sintaxe para fazê-lo rodar, logo, você terá de procurar no history. Para facilitar essa "procura", você pode customizar seu history adicionando, por exemplo, data e hora na execução dos comandos.

Existe uma variável de ambiente que é a HISTTIMEFORMAT , se você adicionar um formato específico pra ela, nesse caso para data e hora, seu history gravará o histórico dos comandos com data e hora.

Por exemplo, copie e cole esse conteúdo no seu terminal e depois rode o comando history, verifique que a saída dos comandos agora possuem data e hora, no entanto, elas estarão todas iguais, pelo fato de você não tê-la possuído anteriormente e está usando somente no tty que você está, tanto é que se você fechar e abrir de novo o terminal as configurações serão perdidas.

Para que esse formato grave a data e hora da execução dos comandos a partir de então, e sem se perder ao fechar o terminal, adicione ela ao seu .bashrc:

echo 'export HISTTIMEFORMAT="%d/%m/%y %T "' >> ~/.bashrc

A partir de então seu histórico de comandos será gravado a data e hora da execução! Saiba mais rodando os comandos:

help history
man 3 strftime

Se você ainda não tem muitos conhecimentos em Shell Script e está procurando uma forma eficaz de aprender do zero? Ou quem sabe você já possui conhecimentos em Shell mas quer evoluir e aprender a criar manuais, processos, games, animações, instaladores e muito mais?

Então não deixe passar a oportunidade de conhecer o "Curso Extremamente Avançado de Shell Script" que oferecemos junto com a galera do Terminal Root, são 3 cursos pelo preço de um, conheça aqui.

Até a próxima e bons estudos!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar e usar a GNOME Software no Linux Mint

Nenhum comentário
Apesar do Linux Mint possuir um excelente gestor de softwares, que permite que você instale tudo o que você precisa com poucos cliques, a GNOME Software pode te oferecer alguns complementos interessantes e garantir uma experiência ainda mais completa se usada em conjunto com o seu sistema.







O GNOME Software possui uma boa integração com pacotes Snap e Flatpak, ainda que talvez em termos de Flatpak, a integração do Mint seja ainda melhor nativamente, no entanto, você pode querer utilizá-lo para gerenciar os seus Snaps, ou talvez, você simplesmente goste do visual ou funcionalidade da aplicação.

GNOME Software no Linux Mint

Explorando a GNOME Software que vem com o Ubuntu por padrão eu acabei descobrindo vários softwares interessantes que estão sendo distribuídos via Snap, de forma que eles não ficam disponíveis no Linux Mint, a menos que você use a linha de comando. Instalando o GNOME Software, esse problema é contornado facilmente.

Como fazer a instalação do GNOME Software no Linux Mint?


Gestor de softwares do Linux Mint

Abra a loja de aplicativos do Linux Mint e procure por "Gnome Software", você verá que alguns resultados serão exibidos, a primeira opção com o ícone diferenciado é a loja em si (vide a imagem acima), os demais são complementos. Você pode instalar os complementos para Snap e Flatpak caso queira que a GNOME Software seja capaz de gerenciar estes formatos também.

Depois de instalados é sobre a procurar por "Programas" no menu do seu Linux Mint ou por "Software", que você encontrará a aplicação, uma vez aberta basta você instalar o que quiser normalmente.

Se preferir fazer a instalação pelo terminal, você pode usar este comando:
sudo apt install gnome-software gnome-software-common gnome-software-plugin-flatpak gnome-software-plugin-snap
De forma geral eu não vejo tanta utilidade na GNOME Software no Linux Mint, a central que ele mesmo carrega é muito rápida e eficiente (e até mais leve), mas a GNOME Software pode ser útil para manusear os pacotes Snap de forma mais intuitiva. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Fazendo a pós-instalação do Arch Linux com i3+Polybar+Pywal

Nenhum comentário

sábado, 25 de agosto de 2018

O Arch Linux é uma distro que permite que você customize a instalação de todos os pacotes de software que farão parte do seu sistema, mas por ser, em sua forma padrão, uma distro de configuração bastante manual, é natural "perder tempo" configurando o Arch para deixar ele do seu jeito. No artigo de hoje o nosso amigo Marcos, do canal Terminal Root, vai te dar algumas dicas de pós-instalação do Arch Linux, ideal para quem quer um ambiente minimalista.

Arch Linux - Pós-instalação






O i3 é um Window Manager muito minimalista, mas ele fica melhor quando personalizado. Neste artigo vamos falar sobre ele com a pós-instalação do Arch Linux do i3 (clique aqui para ver um vídeo sobre i3 no Ubuntu Minimal), Polybar, Pywal e mais dos aplicativos listados abaixo de forma Automatizada com Shell Script!

Os pacotes necessários para este tutorial serão:
  • xorg;
  • fonts;
  • lightdm;
  • xterm;
  • firefox;
  • e bash-completion.

Após a instalação do Arch Linux, muitas pessoas perdem muito tempo para deixá-lo pronto pro uso com i3, Polybar e Pywal, nesse caso utilizamos Shell Scripts que automatizam e aceleram todo o processo.

Instalamos o wget, pois ele só existia no CD de boot do Arch . Após baixamos nosso software para pós-instalação automatizada, damos permissão de execução ao programa, verificando quais opções estão disponíveis com o parâmetro --help e otimizamos o espelho de rede, para que as instalações fiquem mais rápidas com o parâmetro --mirror.

Criamos e configuramos um usuário para ser o sudo. E então efetuamos a pós-instalação com nosso aplicativo ninja 😎 !!! Após finalizado, vamos reiniciamos o sistema.

passwd
pacman -Syu
pacman -S wget
wget terminalroot.com.br/pos-arch.in
chmod +x pos-arch.in
./pos-arch.in --help
./pos-arch.in --mirror
./pos-arch.in --sudouser [seu-usuario]
./pos-arch.in --install
reboot

Após iniciar sessão gráfica no i3 , instalamos o Polybar e o Pywal com outro Shell Script Ninja: o Popy
git clone https://gitlab.com/terminalroot/popy.git
cd popy && ./popy.in --all
Além de outras dicas complementares que podem ser consultadas assistindo o vídeo abaixo:


Aprenda a criar aplicativos semelhantes ao pos-arch.in e o popy de forma PROFISSIONAL e EXTREMAMENTE AVANÇADA, se você ainda não tem muitos conhecimentos em Shell Script e está procurando uma forma eficaz de aprender do zero? Ou quem sabe você já possui conhecimentos em Shell mas quer evoluir e aprender a criar manuais, processos, games, animações, instaladores e muito mais? Então não deixe passar a oportunidade de conhecer o "Curso Extremamente Avançado de Shell Script" que oferecemos junto com a galera do Terminal Root, são 3 cursos pelo preço de um, conheça aqui.

Links Úteis

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


7 dicas para você usar o VIM como um PRO

Nenhum comentário

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

A primeira vez que eu usei o vi, eu achei a coisa mais ridícula do mundo 😱 , pensei comigo, como um editor tão contra-intuitivo faz tanto sucesso ? Mas tive que aprendê-lo, pois diversas vezes os testes de software eram no terminal "seco", sem nada, e alterações, só eram possíveis via o vi, pois em ambiente de testes não se incrementa nada que venha alterar o comportamento de um software no seu ambiente padrão.

Percebi que essa era a realidade de várias pessoas, cada uma em uma situação diferente, mas todas com a mesma missão: usar o vi. Com o tempo busquei aprendê-lo, principalmente o Vim que é sua versão melhorada, e com passar do tempo, até hoje, me pego dando um :wq para sair e salvar as abas do Firefox!😕

Como usar o VIM







Vim (uma contração de Vi IMproved, em português "Vi Melhorado") é um clone do programa editor de textos vi para Unix de Bill Joy. Já o vi, foi escrito por Bram Moolenaar. O Vim é destinado para uso a partir tanto de uma interface de linha de comando como uma aplicação isolada em uma interface gráfica de usuário.

É um software livre e de código aberto e é lançado sob uma licença que inclui algumas cláusulas de caridade, encorajando os usuários que se juntarem ao software a considerar a doação para crianças de Uganda.
Dentre as muitas características do Vim, podemos mencionar alguns destaques.m
  • Suporte a expressões regulares em buscas, com várias extensões à sintaxe padrão de expressões regulares;
  • Destaque de sintaxe (com suporte a mais de 500 linguagens);
  • Corretor ortográfico ( versão 7.0+ );
  • Vários temas de cores (colorschemes);
  • E centenas de características bem peculiares.

Entre facilidades e características, vamos ver 7 dicas para você usar o VIM como um PRO.

1 - Abertura de múltiplos arquivos


Se deseja trabalhar num arquivo e ao mesmo tempo visualizar o conteúdo de outros arquivos, então há a possibilidade de abri-los simultaneamente com visualização única.
Você pode abrir tanto na vertical usando o parâmetro -o (minúsculo) usando o comando:

vim -o arquivo1.c arquivo2.sh arquivoN.nnn

A saída será similar a conteúdo da imagem abaixo:

VIM na Vertical

Ou caso deseje, você também pode abrir os múltiplos arquivos na horizontal usando -O (MAIÚSCULO)

VIM na Horizontal

Isso sem dizer que você pode abri-los posteriormente utilizando o comando:

split nome-do-arquivo

2 - Pegando a manha com o Gvim


Se você deseja se adaptar rapidamente ao Vim, é interessante você começar utilizando o Gvim, por exemplo. O Gvim é o Vim com interface gráfica, ou seja, funciona todos comandos igualmente, inclusive as configurações, no entanto ele possui algumas características próprias, similares a dos editores convencionais. Entre elas:
  • Conversão de documentos;
  • Variados temas e cores;
  • Configuração facilitada de família de fontes, tamanho de fonte e entre outros;

Além de que cada menu possui a possibilidade de executá-lo via comando, lhe informando o comando. Ou seja, você aprende utilizando. 

Veja abaixo algumas telas que mostram conteúdo de menus do Gvim.

GVIM

3 - Substituição de palavras com cadeia de caracteres


Muitos editores de textos e IDEs possuem suporte a Expressões Regulares, no entanto, cada qual possui uma limitação. Mas o Vim tem um suporte customizado, é amigo, tudo  pode ser customizado. Há até a customização das "mãos na roda", para encontrá-las e substituí-las existem diversos caminhos, no entanto, vou lhe dar a dica mais simples. Suponhamos que queiramos trocar todas as palavras 'vi' por 'Vim', é mais fácil e rápido do que você imagina, basta pressionar ESC e escrever o comando abaixo, o g no final é para todas as ocorrências, caso desejasse uma única troca, basta não inserí-lo:

O espaço depois do vi foi proposital para não trocar também o vim
:% s/vi /Vim/g

4 - Mapeamento de teclas


É necessário saber que todas as teclas são mapeáveis no Vim, mas como dica básica, vamos supor que você está cansado de ficar digitando :ggVG para selecionar tudo, então basta você mapear a tecla F12 , basta dar ESC e inserir o comando abaixo:
:map <F12> ggVG?
A partir de agora toda vez que você estiver no modo NORMAL, basta pressionar F12 que você irá selecionar tudo ! 😉

5 - Navegação rápida


Essa é especial para quem trabalha com Desenvolvimento de Software. Muitas vezes o compilador/interpretador nos informa o número da linha do erro da execução ou compilação do software e geralmente ficar rolando o cursor do mouse pra ficar procurando a linha, é uma verdadeira perda de tempo, no Vim você pode navegar facilmente pelo arquivo. Por exemplo, o compilador lhe disse que foram encontrados erros nas linhas: 1370846 e na linha 3 , logo, basta você digitar: ESC :1370 você vai diretamente para essa linha e novamente para as outras linhas, resolvendo de forma mais rápida e menos estressante os bugs, ops, desculpa, a palavra agora é Feature 😎.

Ah! Quase ia me esquecendo!! Para ir para primeira linha basta digitar: gg e para a última linha G 😃.

6 - PacVim


Tem muita gente que demora de se adaptar ao Vim e extrair dele o melhor para acelerar seus projetos, para isso eu recomendo o Pacvim um game bem legal que lhe ensina, jogando, como você se adaptar melhor ao vim, e utilizar as teclas: []bw{} ... para navegar mais facilmente nos documentos, pulando palavras, textos, parágrafos e assim por diante.

Para saber como instalar e usar, consulte o GitHub deles: https://github.com/jmoon018/PacVim , só tome cuidado pra não se viciar! 😊

Pacvim

7 - Customização Total do Editor


Você pode transformar o Vim no Editor que você deseja, mas do seu modo: árvores de diretóriosauto-complete de palavrascoresmarcastags e até aprender a Linguagem de Programação Vim!!! Isso mesmo, você pensou que o Vim é o mais utilizado do mundo só porque você o considera difícil ? Nada disso, você pode aprender o Vimscript, é uma "linguagem de programação do vim" , onde você pode pode criar funções, comentários, arquivos customizados no arquivo de configuração do Vim. No Curso de Vim Para Iniciantes você vai aprender diversos truques e dicas bem bacanas de Vim e Vimscript, que em pouco tempo você vai estar dando :wq para desligar seu computador!  .

Veja abaixo a imagem exemplo da minha customização escrevendo esse artigo em Markdown para o Diolinux, com plugins e auto complete de palavras.

Escrevendo o artigo no VIM

Caso deseje adquirir o Curso, aproveite e leve mais dois cursos na Promoção Diolinux e aprenda Vim e Shell Script Extremamente Avançado: Criação de Instaladores para Distros Linux, Criação de Games, Animações e muito mais!

Valeu!

Artigo produzido em conjunto com Marcos Oliveira, do Terminal Root.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Governo do Reino Unido cria extenso material sobre segurança no uso do Ubuntu

Nenhum comentário

terça-feira, 31 de julho de 2018

Software utilizado por órgãos públicos pode ser complicado. O ideal é que ele seja gratuito, para não onerar a população através de impostos, é interessante que ele seja aberto a modificações e seguro, também é interessante que exista um órgão ou empresa a qual recorrer em caso de necessidade de suporte, mas que, ainda assim, seja possível treinar a sua própria equipe para cuidar de todas as estações. Definitivamente não é simples.

Dicas de segurança para o Ubuntu


É fácil observar que dentro destes requisitos o Ubuntu se encaixa muito bem, ainda mais por ser um sistema originário do Reino Unido (UK), entretanto, o Ubuntu possui uma configuração genérica, que permite customização, é claro, mas que foca em um público com necessidades mais generalizadas, incluindo o quesito segurança, assim como as demais distros com focos similares. Por conta disso, o governo do Reino Unido decidiu criar um guia de ajustes que devem ser implementados para que o Ubuntu fique dentro dos padrões de segurança que eles desejam.

Por que isso é interessante?


É interessante porque através de um guia como este você pode tirar várias dicas interessantes de segurança e privacidade para usar no seu computador ou no computador da sua empresa ou clientes.

A lista é "pra lá" de longa e você pode conferir ela de forma completa aqui, focando-se no Ubuntu 18.04 LTS. 

O que podemos fazer é apontar alguns pontos interessantes mencionados no documento:

- Dicas de instalação de softwares do repositório, incluindo e preferindo Snaps;

- Dicas de configuração do usuário, como alterar configurações para que arquivos binários não possam ser executados localmente sem maiores permissões;

- Configuração de privacidade, desabilitando a coleta de dados por pacotes do Ubuntu e ajustando as senhas, assim como, desabilitando o Apport;

- Desabilitando o acesso ao Shell pelo usuário comum, entre muitas outras coisas.


Vale a pena conferir a lista completa para ter uma noção das rotinas de segurança aplicadas e colocar em prática o que lhe for conveniente. Agradeço ao nosso leitor Léo Oliveira, que nos enviou a informação e ajudou a produzir este material.

Boa parte do material produzido pelo governo de lá também foca em mostrar que a estrutura por completo precisa ser sólida, não basta apenas ajustar a distro dos desktops e servidores, mas a infraestrutura, contendo firewalls e outras camadas adicionais de segurança também é um ponto de extrema importância, além do treinamento do usuário.

O que você achou da lista? Vai implementar alguma dica do seu(s) Ubuntu(s)?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como trabalhar com "SWAP FILES" no Ubuntu

Nenhum comentário

domingo, 22 de julho de 2018

Há algumas releases  o Ubuntu abandonou o sistema de SWAP via partições para usar SWAP via arquivo, isso permite uma maior maleabilidade sem precisar ficar alterando o particionamento do seu sistema e hoje você vai aprender a manipular o novo formato de SWAP.

Como manipular SWAP em arquivos






Antes de começarmos o tutorial em si, acho conveniente falarmos um pouco mais sobre SWAP, para isso recomendo a leitura de um artigo já antigo aqui do blog, mas ainda válido, é só clicar aqui, dar uma lida e depois voltar pra cá! 😉

Para sintetizar um conhecimento básico, SWAP é um termo usado para referenciar o mecanismo de "troca" que existe entre o armazenamento do  seu computador e a memória RAM. Usar SWAP pode ser útil em vário cenários e tudo depende de como você usa o computador.

Quando usar SWAP?


SWAP só será útil se você é tipo de usuário que costuma lotar a sua memória RAM utilizando aplicações pesadas, que por si só, ocupam uma boa fatia da sua RAM. Nominadamente eu poderia comentar sobre editores de vídeo, pessoas que usam muitas máquinas virtuais e assim por diante.

A SWAP também pode ser útil se você é do tipo que gosta de hibernar o seu computador, assim os dados que estavam na memória RAM podem ir para a SWAP temporariamente. Muita gente que reclamou sobre "meu Linux não volta da hibernação", provavelmente não estava usando a SWAP corretamente.

Quanto usar de SWAP?


Em todos esses anos, nessa indústria vital, eu nunca consegui encontrar uma discussão sobre isso com 100% de consenso, de modo que eu realmente não espero conseguir isso com este artigo, mas podemos tentar usar o bom senso.

Posso falar pela minha experiência, já usei computadores com muita SWAP, pouca SWAP, nenhuma SWAP e você pode ter boas experiências em todos os casos.

Quando você tem pouca memória RAM, a SWAP pode ser uma amiga muito interessante, especialmente no caso de você ter um SSD, que por definição, tende a ser mais veloz que um HD tradicional. 

Mesmo que você use um pouco mais o SSD do que usaria caso a SWAP não estivesse presente, o impacto na vida útil dele deverá ser pouco relevante, tanto que as distros (como o Ubuntu) agora estão colocando a SWAP dentro de um arquivo, independente do dispositivo de armazenamento que você use

Vamos ficar hipotéticos aqui para você ter uma noção: Se eu tivesse um computador com 4GB de RAM e usasse ele para navegar na internet, trabalhar com documentos e planilhas e editar imagens (ou seja, fazer um blog como este), colocaria 2GB de SWAP. Se eu utilizasse esse mesmo computador para edição de vídeo também, colocaria ao menos 4GB de SWAP.

Atualmente eu trabalho com uma estação de edição com 16GB de RAM e trabalho com 2GB de SWAP que raramente são utilizados.

Então, tudo depende do caso. 

Você hiberna o seu computador? Então a SWAP deve ter espaço suficiente para comportar o seu load de RAM atual. Se você for hibernar um computador que está rodando com 12GB de RAM utilizada, pode ser interessante ter uma SWAP de igual proporção ao menos, ou, claro... fechar umas aplicações antes de hibernar o computador, afinal, quanto mais SWAP você colocar, menos espaço você terá no seu disco para armazenamento. A "escolha de Sofia" é sua, analise o que será mais importante para você.

Da mesma forma, caso você use um computador de 4GB para tarefas básicas, como navegação na internet por exemplo, me arrisco a dizer que usar o sistema sem SWAP não vai te impactar tanto, desde que você não hiberne o computador. Mais uma vez, depende o seu perfil de uso. 

Geralmente as distros tentam "chutar" um valor que deve atender a maior parte das pessoas, o Ubuntu 18.10 Cosmic (Development Branch) por exemplo, adicionou um arquivo SWAP de 2GB em uma instalação que possuía 4GB de RAM físicos no meu último teste.

Para você ter uma ideia, eu estou com "muita coisa" aberta agora no Linux Mint, incluindo uma máquina virtual, Telegram, Dropbox, Chrome com 5 abas abertas, Spotify, etc, etc. E ainda assim a SWAP nem sequer está ativa nesta máquina com 16GB de RAM:

Configuração de SWAP

E por último, vale considerar também a configuração de "swapiness", que faz referência ao percentual de memória ocupada que dispara o gatilho para o uso da SWAP.

Trabalhando com SWAP Files


Particularmente eu achei interessante a mudança, ainda que ter uma memória SWAP em uma partição também possa ser útil em algumas aplicações. Um caso simples de exemplificar é a utilização de múltiplas distros Linux no mesmo computador que podem compartilhar a mesma SWAP, com SWAPFILES isso não é possível, você gasta mais armazenamento para ter o mesmo efeito.

É claro que existem pontos positivos, um deles, talvez o principal, é a maior facilidade para manipular o arquivo de SWAP, afinal, ele é um arquivo como qualquer outro, permitindo que você o apague, crie, e altere para o tamanho que você necessitar sem precisar alterar as partições, que é sempre uma operação mais delicada.

Configuração de SWAPFILES

Você encontrará o arquivo "swapfile" dentro da raiz do seu sistema, no caso o Ubuntu (tem de se observar se o seu sistema usa SWAPFILES). Observando as propriedades dele você observará que ele tem o tamanho da SWAP exibida, por exemplo, no seu "monitor do sistema".

Vamos fazer um exercício aqui de apagar este arquivo e criar um novo com um tamanho diferente, assim você aprenderá todo o processo e poderá usá-lo conforme a conveniência.

Vamos o terminalzinho, o seu amiguinho


O primeiro passo é desativar a SWAP, tenha certeza de que a sua memória SWAP não contém arquivos, ou seja, é melhor fazer o procedimento sem outras aplicações abertas. O procedimento à seguir também considera "swapfile" como o nome do arquivo de swap, que pode ser qualquer outro, então procure observar. 

Primeiro vamos desligar o SWAP neste arquivo:
sudo swapoff /swapfile
Agora que ele não está mais em uso, seu sistema está sem SWAP e ele é apenas "mais um arquivo", que você pode remover sem problemas assim:
sudo rm /swapfile 
Agora podemos criar um novo arquivo com o tamanho que quisermos para usar como SWAP, a diferença é que você não pode simplesmente criar um arquivo qualquer, ele precisa se um arquivo com espaço pré-alocado, afinal, ele precisa ter o tamanho da SWAP que você quer.

Acho que a forma mais fácil de criar um arquivo com essas propriedades é usando o utilitário "fallocate", desse jeito:
sudo fallocate -l 5G /swapfile 
sudo: Para rodar o comando com privilégios elevados.

fallocate: Nome do utilitário que vamos usar para fazer a modificação, para mais informações consulte "man 1 fallocate".

l: A letra "L" minúscula é um parâmetro que ser para especificar o tamanho do arquivo que queremos criar.

5G: Este aqui é tamanho do arquivo que você deseja criar, pode ser qualquer outro valor que você queira, a letra G serve para indicar ao programa a quantidade de Gigabytes que você deseja no arquivo, você também pode indicar o tamanho usando Megabytes se preferir, colocando algo como "5120M".

/swapfile: Essa parte final indica o diretório com o nome do arquivo que você vai usar como SWAP, você pode colocar esse arquivo em outro diretório se quiser, mas este é o padrão do Ubuntu, assim como o nome, que você poderia mudar de "swapfile" para "changeman" se quiser.

Para criar um arquivo de 2GB dentro de /mnt/ você poderia fazer assim:
sudo fallocate -l 2048M /mnt/changeman
Mas claro, vamos seguir no primeiro exemplo, ainda que ele seja menos bem-humorado. 😋 

Depois de criado o seu arquivo, você pode dar um "ls" na sua raiz para ver se o arquivo está lá mesmo. O próximo passo é opcional, mas é recomendado, pois se trata de uma medida de segurança.

Se você der um "ls -l" no arquivo "swapfiles" você verá que por padrão outros usuários tem permissão de "ler" o que estiver na SWAP, o que pode não ser uma boa ideia, por isso, convém fazer a alteração:
sudo chmod 600 /swapfile
O "/" só é necessário caso você não esteja na raiz no terminal.

Feito isso, agora precisamos transformar este arquivo em um SWAP com este comando:
sudo mkswap /swapfile
O último passo é ativar a SWAP neste arquivo:
sudo swapon /swapfile 
E é basicamente isso, se você precisar alterar novamente, é só repetir o processo. Caso o comando  fallocate não funcione é possível fazer de outro jeito também, mas você precisar criar o arquivo e encher ele de zeros para ficar do tamanho que você precisa sem outras informações, pode ser feito dessa forma:
sudo dd if=dev/zero of=/mnt/5GiB.swap bs=1024 count=1048576
Provavelmente você não precisará disso.

Com isso você já tem a sua SWAP funcionando, mas na verdade ainda podemos considerar um novo "último passo" que é configurar para que essa SWAP seja ativada durante o boot e você não precise fazer isso manualmente. 

Para que isso ocorra precisamos inserir as informações de SWAP dentro de /etc/fstab, a questão é que se você usar o mesmo nome que o Ubuntu já usa por padrão "swapfile", essa passo é desnecessário, pois a configuração já está lá corretamente, ainda assim, pode ser bom conferir se está tudo certo.

Use o editor de texto que preferir para abrir o arquivo, neste caso vou usar o próprio gedit:
sudo gedit /etc/fstab
Observe a linha que contém o "swapfile":

Configuração do SWAPFiles

Reproduza a informação da última linha do arquivo para que tudo funciona corretamente.

E claro, você também pode fazer esse passo da edição do arquivo diretamente pelo terminal:

sudo echo '/swap none swap sw 0 0' | sudo tee -a /etc/fstab
Agora que você já entendeu como funciona o "SWAPFiles" conte pra gente o que você achou, prefere SWAP em arquivo ou em partição? Por quê?
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo