Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador dicas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador dicas. Mostrar todas as postagens

10 Dicas para novos usuários de Linux/Ubuntu

Nenhum comentário

terça-feira, 23 de julho de 2019

Recentemente fiz um post falando dos motivos que levam novos usuários a desistirem da plataforma, agora trago 10 dicas para os novos usuários. São conselhos simples, mas que podem fazer toda diferença. Para aqueles que estão esperando uma postagem com os motivos que me fizeram utilizar Linux, calma que provavelmente ele está a caminho (😏😏😏).

new-user-usuario-linux-ubuntu-iniciante-dicas

As dicas a seguir podem soar demasiadamente simples para usuários mais experientes no Linux, entretanto, a postagem destina-se aos novatos. Compartilhe com pessoas que queiram adentrar ao mundo do Pinguim, ou com iniciantes. Lembrando que foco no Ubuntu e seus derivados, por compreender que ele é a porta de entrada para muitos. No entanto, as dicas vão além, talvez um ou outro tópico, como PPA’s são exclusivamente para Ubuntu e derivados, mas os demais aplica-se a maioria das distribuições Linux (voltadas aos iniciantes, obviamente).

01 - Permita-se descobrir o sistema


Essa dica é para os novatos de plantão, não que as demais tenham foco em outro usuário. No entanto, essa é a que mais dá prazer ao se descobrir algo. Gaste algum tempo utilizando, aprendendo, “brincando” com o sistema. Se for mais além, evite isso em um computador com dados importantes ou que utilize para produção. Como dizem: “o céu é o limite”. Quando for utilizar o sistema, evite esses testes malucos na máquina de trabalho, e considere as dicas descritas neste poste.

02 - Você não precisa do Wine para tudo


Existem muitas programas no Linux. Você necessariamente não precisa executar aplicações do Windows para tudo. O Wine é uma forma paliativa para casos que não haja outra opção. Não é incomum ver usuários executando programas que existem versões nativas no Linux com o Wine. Pesquise se existe o app que usa na plataforma, e experimente as alternativas. Na realidade indico outra coisa, antes mesmo de migrarem para Linux, entretanto, isso ficará para outra postagem (😁😁😁).

03 - Mantenha seu sistema em dia


Atualizar o sistema garante possíveis correções de bugs e falhas graves. Mantendo o sistema em dia, sua segurança é maior. Alguns usuários não gostam de atualizar por terem que baixar vários gigabytes durante o processo. No entanto, se está utilizando o Ubuntu e instalou apenas o necessário, essa situação não será presente. Alguns sistemas trazem as últimas novidades, consecutivamente mais updates são exigidos. Não existe mal algum nisso, porém, evite tardar as atualizações. Caso seja uma atualização crítica, com alguma correção de vulnerabilidade, a faça imediatamente.

04 - Instale apenas os programas que for utilizar


Essa dica é simples e tem como alvo deixar seu sistema enxuto e por tabela mais seguro. Sem softwares desnecessários ao seu uso, as atualizações serão menores e o risco de vulnerabilidades com bugs também.

05 - Evite programas abandonados


Outra dica interessante é comparar diversas alternativas a um mesmo propósito. Por exemplo, suponhamos que queira um player de música novo. Existem inúmeras opções, cada uma para um gosto diferente. Mas se existe algo a se pensar, além do visual e funcionalidades, é se o pacote ainda vem sendo mantido. Novas atualizações não são apenas uma forma de receber recursos, mas também de correções de bugs e vulnerabilidades. Evite programas abandonados e dê preferência aqueles que estão em pleno desenvolvimento. Claro que nem sempre isso será possível, porém, minimizando ao máximo seu sistema se tornará mais seguro.

06 - PPA só em casos reais de necessidade


PPA é um assunto delicado, uns amam e outros odeiam. Caso não saiba o que são esses repositórios, temos essa matéria explicando sobre. O interessante dos PPA's é a possibilidade de utilizar programas, drivers e bibliotecas que nativamente não estão no repositório do sistema ou encontram-se em versões inferiores. Por muitos anos essa feature era uma necessidade de muitos usuários no Ubuntu, utilizar o mesmo sem PPA era quase impossível. Hoje a história mudou, com o surgimento de novos pacotes, como: AppImage, Flatpak e Snap. Para usuários de Nvidia o Ubuntu passou a adicionar as últimas versões do driver proprietário nos repositórios, então, nada de PPA (😉😉😉). Evite PPA's, use outros meios, reconsidere se é tão importante assim arriscar o sistema com possíveis erros de dependências e outras coisas.

07 - Cuidado com tutoriais “vencidos”


O mundo da tecnologia evolui de forma assombrosa, com o Linux não é diferente. Pelo contrário, parece que nos últimos anos o pinguim vem evoluindo tão rápido que fica até difícil acompanhar seu progresso. Isso tudo para facilitar a utilização por usuários comuns, tornando o sistema cada dia mais simples. Antes de utilizar algum comando pesquise um pouco mais, veja a data do tutorial, se já não existem outros modos ou se a solução seja mais simples no momento. Cuidado com PPA's “sem data de validade”, eles costumam ocasionar em diversos erros de dependências e quebrar o sistema. Pacotes DEB antigos podem fazer um estrago igualmente perigoso. Os novos pacotes (AppImage, Flatpak e Snap) evitam transtornos e não danificam seu sistema.

08 - O conhecimento é uma “chama”


O conhecimento é como um fogo, conforme você o alimenta mais ele cresce e ao compartilhar ele não diminui só se multiplica. Participe de grupos e fóruns, e tenha como máxima uma coisa que sempre ouvi (e creio que você também). Absorva o que é bom e descarte o que for ruim. Aprenda e também transmita adiante o que sabe, assim sua chama só tende a crescer e multiplicar. Crie tópicos, auxilie pessoas, você aprende enquanto ensina.

09 - “Cuidado por onde andas”


Essa dica é complementar a anterior. Absorver o que é bom não significa “manter-se entre os porcos”. Infelizmente na comunidade, assim como outra qualquer, existem pessoas radicais, mesquinhas e que só destroem. Fuja destes grupos e fóruns, evite tais usuários. Obviamente, que mesmo em grupos sensatos alguns “sem noção” vão aparecer. Apenas ignore, trate os outros com gentileza e não deixe sua chama apagar. Para quem tem dúvidas de onde ingressar, recomendo o fórum Diolinux Plus. O pessoal é mente aberta, não importa se você usa, Windows, Linux ou macOS.

10 - Siga, incentive e compartilhe bons conteúdos


É comum pessoas compartilharem notícias que as deixam “#¿$?%!¡ da vida” ou que são fake news. Ao se deparar com conteúdo tóxico, seja sensato. Respire fundo, deixe a raiva ir embora e ignore, mande para o limbo. Compartilhe apenas conteúdos significantes, acompanhe produtores que façam mais pela comunidade ao invés de quem propaga mentiras. Incentive projetos que em algum momento acrescentaram em sua vida. Assim outros poderão ser beneficiados e o projeto não morrerá. Nós produtores de conteúdo precisamos de seu apoio, seja ele financeiro, com engajamento ou compartilhamento. Assim mais e mais pessoas podem descobrir nossos projetos.

Curtiu as 10 dicas? Acrescentaria algo? Considere criar um tópico em nosso fórum Diolinux Plus, lembre-se a chama do conhecimento não se apaga ao compartilhar, só tende a se multiplicar.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como eu faço a minha instalação do Ubuntu? - Dicas e Otimizações

Nenhum comentário

terça-feira, 9 de julho de 2019

Muitas pessoas me perguntam sobre customizações e configurações que eu faço no meu Ubuntu nas nossas lives na Twitch, por isso, resolvi produzir um vídeo e um artigo contando um pouco mais sobre o assunto. Material deste tipo pode ser útil, tanto para você pegar algumas dicas novas, quanto para ter algumas ideias de como fazer as suas próximas instalações. Vamos lá? 😄

Configurações do Ubuntu






Precisamos deixar algo claro antes de continuarmos: Este artigo não se trata de um "must have" ou um "must do", ou seja, não se sinta obrigado a fazer nada do que for descrito aqui, porque são simplesmente hábitos que eu tenho. Pode ser o que as minhas configurações não se encaixem no seu workflow, assim como você pode tirar algumas boas ideias daqui e acrescentar à sua forma de trabalhar, combinado? Não se trata de um "jeito certo" de fazer as coisas, se trata do meu jeito de fazer as coisas.

Eu produzi um vídeo que acompanha este artigo, onde é explicado de forma mais detalhada cada uma das configurações:



Por que Ubuntu? (No momento, 19.04 especificamente)


Eu tenho um longo histórico com o Ubuntu, ele sempre foi eficiente e estável para mim, tem todos os recursos de que preciso, além de ter uma ótima representação comercial, documentação e ser o nome para porta de entrada de muitos usuários ao mundo Linux, o que é perfeito para quem trabalha com o que trabalhamos aqui no Diolinux. 


Apesar de geralmente recomendarmos para trabalhos mais sérios a versão LTS do Ubuntu, eu estou usando a versão 19.04 (uma versão regular e não LTS) desde seu lançamento, em Abril deste ano (2019), ela trouxe algumas otimizações em relação ao GNOME Shell, e é muito mais rápida e otimiza que do que a 18.04 LTS (infelizmente até...), o que me fez escolhe-la por enquanto, além de já ter um visual que me agrada por padrão.

Eu estou ciente, e é bom que você também esteja, que essa versão terá seu suporte de atualizações de segurança encerrado em Janeiro de 2020 mais ou menos, o que implica em usar a versão 19.10, que sai em Outubro, ou voltar para a 18.04 LTS (o que não pretendo), visto que a próxima versão, 20.04 LTS, sairá apenas em Abril do próximo ano.

Como eu instalo o Ubuntu?


A minha instalação do Ubuntu não é exatamente a padrão, eu utilizo a instalação "Minimal Desktop", que traz menos aplicações e deixa o ambiente de trabalho um pouco mais compacto. Confira no vídeo abaixo a diferença entre os dois modos:


O motivo da escolha em relação a isso é simples: Eu quero  finalizar a instalação o mais rápido possível e quero que o sistema já esteja o mais pronto possível para a minha utilização (afinal tempo é dinheiro), mas não quero vários aplicativos de que não necessito.

Esse modo permite que eu instale o Ubuntu completo, com tradução, codecs, drivers, sem muitos aplicativos que eu não uso, como o Thunderbird ou o LibreOffice.

Para isso, durante a instalação, eu sempre marco a opção de atualizar o sistema enquanto instalo, e também a opção de instalar softwares de terceiros, que incluem codecs básicos e drivers essenciais.

E depois de instalar?


Apesar de já conseguir drivers atualizados fazendo a instalação do Ubuntu da forma com que foi descrita, por eu fazer lives e jogar muito, eu tento manter os drivers super atualizados para a minha placa de vídeo.

Atualmente utilizo uma RTX 2060 de 6GB e utilizo o repositório de drivers da Nvidia para o Ubuntu, conforme você pode conferir aqui neste artigo.

Depois disso, reinicio o computador.

Removendo Snaps

Eu gosto do conceito dos pacotes Snap, mas eles também tem seus prós e contras, como quase tudo. Acho desnecessário utilizar Snaps para algumas aplicações padrão do Ubuntu que acabam não ficando bem integradas com o tema que eu gosto de usar, então, por questão puramente estética, eu removo estes pacotes:

- gnome-system-monitor 
- gnome-calculator 
- gnome-characters 
- gnome-logs

Para removê-los, você pode usar a loja de aplicativos, procurar e remover cada um. Mas apesar disso, eles são úteis, então eu instalo as suas contrapartes em .deb. Se quiser fazer tudo de uma vez, use este comando no terminal:

snap remove gnome-system-monitor gnome-calculator gnome-characters gnome-logs && sudo apt install gnome-system-monitor gnome-calculator gnome-characters gnome-logs -y

Codecs

Outra coisa importante de garantir é a compatibilidade com arquivos de mídia, especialmente para quem trabalha com produção de conteúdo, por isso, o pacote ubuntu-restricted-extras acaba funcionando muito bem. 

Você pode instalar todos os codecs que precisar pela loja de aplicativos, em  modo gráfico, sem terminal, mas se preferir fazer pelo terminal:
sudo apt install ubuntu-restricted-extras

Google Chrome

Minha próxima parada é o Google Chrome, eu adoro o navegador e utilizo ele para tudo na internet há muitos anos, no caso do Ubuntu é só baixar o .deb direto do site da Google e instalar dando dois cliques. 

Flatpak

Eu utilizo vários pacotes Flatpak também, por isso habilito eles, como mostramos neste post, e instalo alguns softwares.

No caso do Ubuntu 19.04, é possível instalar e habilitar o repositório flathub para instalar pacotes da loja de aplicativos assim:
sudo apt install flatpak
sudo apt install gnome-software-plugin-flatpak
flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo
E instalo o OBS Studio (que funciona com o NVENC e Linux Browser) e o GIMP dessa forma:

flatpak install flathub com.obsproject.Studio
flatpak install flathub org.gimp.GIMP 
No caso do GIMP, também instalo o nosso patch, PhotoGIMP.

Gnome Tweaks

Eu não costumo fazer muitas mudanças no Ubuntu (GNOME) padrão, a única coisa que eu mudo é o tema padrão para seu "modo dark". Para isso uso o GNOME Tweaks:
sudo apt install gnome-tweaks
Dentro da sessão "Aparência" do programa, eu mudo o tema para "Yaru Dark".

Instalando Snaps

Como eu disse, eu gosto de Snaps, mas acho que eles fazem mais sentido em alguns momentos, como agora, onde os Apps de terceiros são oferecidos de forma oficial e com suporte assim, caso do Spotify e Skype, então, você pode procurá-los na loja de apps ou:
sudo snap install spotify
sudo snap install skype 

Extensões para o GNOME 


Eu perdi muito do hábito de customizar o meu desktop visualmente falando, mas uso duas extensões que agilizam a minha produtividade, ambas você encontra na loja de aplicativos:

- Multi Monitors Add-On: Muito interessante para quem trabalha com duas ou mais telas.

- Sound Input & Output Device Chooser: Tem um nome autoexplicativo, se atrela ao menu de som do GNOME e permite a troca rápida entre dispositivos de entrada e saída de áudio, o que é útil para pessoas como eu, que tem vários dispositivos conectados ao computador.

Programas extras

Alguns outros programas fazem parte do meu "set" de aplicações, como o DaVinci Resolve para edição de vídeo.


Para acompanhar o DaVinci Resolve e converter vídeos para um formato que o editor, em seu modo grátis, aceite, eu utilizo um software chamado WinFF.

Outros programas que fazem parte do meu uso diário são:

 - Virtualbox


- GUVCVIEW



- Telegram

- Gnome-Sushi

- Steam

- Proton

- Lutris e Wine

- Dropbox

- Insync

- Simplenote

- Flameshot

- Piper

Configurações adicionais


Para finalizar, algumas configurações adicionais que faço no meu Ubuntu:

- Desativo balões de notificação no painel de controle.

Configurações de notificações

- Habito o envio automático de erros no menu de privacidade.

Configuração de envio de erros

Essas são as configurações básicas que faço no Ubuntu para minha produvidade.

Mas é claro que...


Nada disso é um "pacote fechado", naturalmente, instalarei mais programas conforme uma necessidade eventual, assim como farei outros ajustes quando necessário.

Sinta-se à vontade para compartilhar as suas dicas aqui e no nosso fórum, participe e ajude a comunidade a crescer.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


5 Softwares para manipulação de imagens para Ubuntu e Linux Mint

Nenhum comentário

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Muitos que vem chegando ao mundo Linux sempre procuram por ferramentas que podem facilitar o seu dia a dia e os editores e manipuladores de imagens são uma parte importante do trabalho de muitas pessoas. Vamos mostrar 5 softwares para essa funcionalidade e que vão suprir a demanda de pequenos ajustes e montagens até produções profissionais.


5 Softwares para manipulação de imagens para Ubuntu e Linux Mint






Ainda se tem o mito entre algumas “muitas” pessoas, que no mundo Linux não se tem programas que possam dar conta de trabalhos profissionais de edição/manipulação de imagens ou simples montagens daquela festa de fim de ano, mas isso não é verdade. Como tem muita gente que não tem tempo para ficar “caçando” esses programas, reunimos 5 aplicativos que vão lhe atender. Alguns são pagos, outros são grátis, outros são grátis e Open Source.

1 - GIMP

 Esse carinha é o primeiro que vem a mente quando pensamos em programas para manipulação e edição de imagens no mundo Linux. Antes renegado e posto de lado pela grande maioria das pessoas da área, hoje em dia ele vem ganhando espaço e muito destaque de profissionais que estão trocando a plataforma da Adobe para uma alternativa realmente viável. Com a possibilidade de ser instalado no Windows e macOS, as pessoas conseguem experimentar ele e assim quando precisarem migrarem para alguma distro Linux não vão sentir muito a tal “curva de aprendizado”. Pode acontecer de ter que aprender uma forma diferente de se fazer um efeito, correção ou algo do tipo, mas nada que uma boa olhada no manual do GIMP não resolva 😁. Para baixar ele basta acessar esse link.


Nos vídeos abaixo, dois produtores profissionais de audiovisual que estão migrando do Adobe Premiere para o DaVinci Resolve, recomendam o GIMP como uma alternativa ao Adobe Photoshop:



2 - Photopea

Já o nosso próximo candidato é um editor online para quem está procurando uma solução que não precise instalar nada além do navegador de internet. Nesse caso o Photopea tem integração com o Google Chrome e assim ele pode virar um “app” e ser aberto como um. Ele importa arquivos nos formatos PSD, XCF, SKETCH, XD e CDR (Adobe Photoshop, GIMP, Sketch App, Adobe XD e CorelDRAW respectivamente). Na versão free tem algumas limitações e propagandas, mas na versão paga não. Você pode conferir melhor no site deles, clicando na opção conta.


Fizemos um vídeo lá no canal sobre ele, ta bem bacana por sinal corre lá para conferir. 

3 -  PIXELUVO

Esse já passou aqui pelo blog e pelo canal se mostrando uma ferramenta surpreendentemente para a tarefa de edição e manipulação de imagem. Mas como nem tudo são flores, ele tem algumas restrições na versão free, como só conseguir exportar as imagens em 800x600. Mas a versão paga não é tão cara, custando US$34 (mais ou menos R$100) e assim dando possibilidade de updates até a versão 1.99, podendo ser comprada até através da Steam, onde ele custa pouco mais de 60 reais. Para maiores informações basta acessar o site deles.


Fizemos um vídeo lá no canal sobre ele, ta bem bacana por sinal corre lá para conferir.

4 - Polarr 

Se você estiver procurando por um programa versátil e multiplataforma de fato, pois ele roda online, Linux (via snap), macOS e Windows, e que vai lhe proporcionar ferramentas para edição e manipulações de fotos com uma qualidade muito boa, o Polarr é um grande candidato. Ele é um aplicativo que tem a versão free e a paga, que custa os incríveis US$23,99 por ano ou US$2.49 por mês (algo como R$80 por ano ou R$10 por mês aproximadamente). Para mais detalhes consulte o site deles.


5 - Bloom

Já o nosso quinto e último programa dessa lista é uma novidade e vem prometendo muitas ferramentas e funcionalidades que vão facilitar o dia a dia de quem trabalha com edição de imagens. Segundo a mensagem no site deles, “Bloom é o primeiro editor gráfico verdadeiramente não-destrutivo. Isto significa que qualquer ação que você fizer durante a edição é armazenada separadamente e pode ser ajustada posteriormente ..

O aplicativo é free e você precisa fazer um cadastro com nome e e-mail para que eles gerem uma licença do produto, por isso pode demorar um pouco. Na versão paga você tem acesso imediato às correções de bugs, recursos novos e aprimoramentos no desempenho do aplicativo. A versão paga possui atrelado a sua licença vitalícia  e ao direito de receber os updates do software, entre outros benefícios. Tudo isso vem com um valor anual de US$49,99. Se você quiser renovar esse suporte “Premium”, será necessário desembolsar US$24,99. Mas se você não quiser pagar nenhum valor, sem problemas, o programa está disponível para testes pelo período de um mês. Site deles.


Esses são alguns dos programas que podem lhe ajudar na tarefa para edição e/ou manipulação de imagens e ainda lhe ajudar a economizar uma graninha boa com licenças caras, além da licença do Windows 😜. Ainda vai ter outras listas com aplicativos para designers, fique ligado aqui no blog!
Deixe aí nos comentários quais outras listas de aplicativos você gostaria que nós podemos elaborar.

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


32 ou 64 bits: Qual usar no meu PC?

Nenhum comentário

sábado, 21 de julho de 2018

Há um tempo fizemos um vídeo falando sobre a utilização de sistemas de 64 e 32 bits, tanto no Linux, quanto no Windows. No post de hoje vamos retomar um pouco dessa ideia e discutir quando cada um deles pode ser utilizado.







Sistemas operacionais podem ser projetados para serem utilizados em cima de processadores de 32 ou de 64 bits, sendo que um sistema de 64 bits, não consegue rodar em um processador de 32 bits, porém um sistema operacional de 32 bits, consegue rodar em um processador de 64. Isso quer dizer que você pode utilizar um sistema operacional de 32 bits, tanto em processadores de 32 quanto de 64 bits. 

No entanto, caso utilize Windows, um sistema de 32bits não conseguirá reconhecer mais do que 4gb de memória RAM (Exceto em versões especiais para servidores), isso quer dizer que você pode estar desperdiçando memória caso tenha mais memória do que isso. Já para isso no Linux, temos um recurso acessível a praticamente todas as distros chamado "Kernel PAE", sendo que "PAE" é uma sigla para “physical address extension”. O kernel PAE possibilita que sejam reconhecidos mais de 4 gigas de memoria RAM, mas ainda assim fica a dúvida: quando devemos utilizar um sistema de 32 bits e quando devemos usar um de 64 bits?

Bom, a resposta prática é: Quando seu processador FOR de 32 bits.

E para isso, talvez tenha que voltar muito no tempo para encontrar facilmente um processador que não seja 64 bits. Caso tenha um processador de 64 bits, opte por rodar um sistema de 64 bits, pois caso rode um sistema de 32 em um de 64 bits, além de desperdiçar um pouco do desempenho do seu processador, você pode estar jogando um pouco de memória RAM fora.

Existem pessoas que preferem colocar sistema de 32 bits em máquinas com pouca memória como netbooks por exemplo, pois os sistemas de 64 bits acabam usando um pouco mais de memória RAM que os de 32 bits, apesar de ainda não ser a melhor coisa a ser feita pois você acaba deixando de aproveitar melhor o processamento do CPU e o impacto na memória RAM, acaba nem sendo assim, tão grande.

Caso você não tenha entendido o que os processadores tem a ver com a escolha de um sistema 32 ou 64 bits, assista o vídeo abaixo, assim você pode entender melhor a relação entre eles. Esse conteúdo foi feito para leigos no assunto, então caso tenha um maior conhecimento e deseja estudar ainda mais, confira esse post com informações mais completas sobre o assunto.


Espero que esse post tenha ajudado você :)
Até mais!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o OBS Studio 21.1 nas versões 14.04/16.04/18.04 do Ubuntu

Nenhum comentário

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Quando falamos em captura de tela ou em transmissão para a internet, o primeiro programa que vem a nossa cabeça é o famoso OBS (OBS Studio). Pois ele é grátis open-source (código aberto), assim podendo receber melhorias e plugins de terceiros, o que aumenta as suas capacidades. E ele também é usado por YouTubers que fazem tutoriais ensinando algo no seu computador, como também o pessoal gamer usa para transmitir as suas partidas online.





Depois dessa pequena "intro" explicando a serventia do OBS, vamos ensinar a instalar a última versão do programa  para as versões 14.04, 16.04 e 18.04 do Ubuntu e seus derivados, como o Mint, ou seja, as últimas versões LTS.


Nessa nova versão foram corrigidos alguns bugs, como o travamento de  inicialização do OBS, falhas relacionadas aos scripts também foram corrigidas.

A lista completa das correções você pode acessar aqui.

Para instalar essa nova versão do OBS, vamos utilizar o terminal, mas nada que seja complicado, ok? 😉

Para abrir ele (terminal) vamos pressionar as seguintes teclas simultaneamente:  "Ctrl + Alt + T" ou procurar por "terminal" no menu da sua distro.

Depois de ter feito isso, você vai digitar (ou copiar e colar) no terminal essa linha de comando:
sudo add-apt-repository ppa:obsproject/obs-studio
E depois vai pressionar a tecla Enter  e digitar a sua senha.

Dica: Se você ainda estiver usando o Ubuntu 14.04 LTS, será necessário acrescentar este ppa para a biblioteca FFmpeg: 
sudo add-apt-repository ppa:kirllshkrogalev/ffmpeg-next
Feita essa primeira etapa, vamos atualizar o sistema e instalar o OBS com os seguintes comandos:
sudo apt-get update 
sudo apt-get install obs-studio -y
Dica:  É possível instalar programas no Ubuntu via PPA sem utilizar o Terminal, para entender como isso funciona, leia este artigo aqui do blog.

Pronto! Agora é só esperar o término do processo no terminal e acessar o programa no menu do seu sistema.

Se precisarem de mais uma "forcinha" para configurar o OBS, temos um vídeo, explicando com maiores detalhes:




E nesse simples passo a passo, você vai ter o OBS sempre atualizado na sua distro. :)

Dica: Aprenda a configurar Streamlabs no OBS.

Conte pra gente nos comentários se você tem mais alguma dica para o OBS.

Espero que tenham gostado, até uma próxima e um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Economize mais de R$ 370,00 nestes 10 jogos para Linux no Steam Summer Sale

Nenhum comentário

segunda-feira, 26 de junho de 2017

O Steam Summer Sale começou e está com descontos arrasadores em vários títulos. Na última live que fizemos no canal (jogando Outlast no Linux), algumas pessoas pediram para eu fazer uma seleção de títulos de games bons para Linux e com bons preços. Bom, eu fiz o meu TOP 10 aqui e você vai poder se divertir pra caramba economizando mais de R$ 370,00 nestes 10 títulos.

Melhores games Steam Summer Sale LInux



Eu escolhi alguns títulos clássicos, mas acima de tudo, jogos que eu gosto muito de jogar e que eu realmente acho bons. Existem muitos outros disponíveis, talvez alguns até melhores em vários aspectos, como gráficos, história, etc, tudo dependendo do seu gosto. Mas vamos para a minha seleção deste ano.

1 -  CS:GO: Acho que não precisamos de apresentações, certo? Um dos games mais clássicos da história dos vídeo games em sua versão mais recente e um dos games competitivos mais famosos do mundo atualmente.


2 - Middle-earth - Shadow of Mordor: Ótimos gráficos e uma história rica esperam todos o fãs de Tolkien que gostam de RPGs de mundo aberto, cheio de aventura e diversão, certamente é uma ótima opção, ainda mais pelo preço que neste momento que escrevo chega à 80% de desconto (outro bom que não está na lista é The Witcher 2).


3 - Left 4 Dead 2: "Left", como é chamado pelos jogadores, está longe de ser um jogo novo, mas é certamente um clássico incrivelmente divertido que vale a pena você comprar caso ainda não tenha, especialmente pelo grande desconto que temos nele nesta Sale. Até hoje milhares de jogadores lotam os servidores do game, de modo que você definitivamente não vai jogar sozinho, fazendo dele também um dos games de maior sucesso da Valve.


4 - Rocket League: Aí está um jogo que eu já me viciei, desviciei e viciei de novo em um ciclo quase sem fim. De fato, Rocket League é um dos jogos mais divertidos que eu já pude jogar, ainda mais se você puder chamar os seus amigos para jogar com você. A proposta de futebol com carros é contra intuitiva quando pensamos de forma lógica, mas o jogo é surpreendentemente bom e é mais um figura o cenário de eSports ao redor do mundo.



5 - Dying Light: Junte zumbis, sobrevivência, parkour, aventura e muita ação e você tem Dying Light, os belos gráficos também são atrativos, sem falar que o jogo está todo em português, incluindo a dublagem dos personagens. Ótimo para quem gosta de jogar o modo história em campanha Single Player e muito divertido também para jogar no modo multiplayer, esse é mais um jogão em promoção que vale a pena aproveitar.




6 - ARK: Survival Evolved: Ark é um dos games mais vendidos da Steam, existem muitas pessoas apaixonadas por ele. Francamente eu não tive todo o tempo que gostaria para jogá-lo, mas tenho muitos amigos que já passaram muitas horas jogando. Acredito que Ark seja um dos melhores jogos da atualidade com o conceito de sobrevivência.


7 - Borderlands 2: Os gráficos cartoonizados de Borderlands sempre me chamaram a atenção, a dinâmica do jogo, o universo a se explorar, e por um preço desses? Acho que é certamente um que vale a pena você conferir.



8 - Metro Redux Bundle: "Metro: Last Light" foi o primeiro jogo para Linux que eu lembro de ter zerado, a história é incrível e os gráficos também são muito bons até hoje. Estou sugerindo aqui porque temos um Bundle, isto é, um pacote com Metro 2033 e Last Light em suas versões remasterizadas. É um presentão!



9 - Outlast: Fãs de games de terror não podem deixar Outlast de fora da lista, este é um dos poucos games que podemos jogar em seu tempo de lançamento e que temos certeza de que entrará para a história como um marco no gênero. Outlast não é para todo mundo, claro, mas para os mais chegados em jogos de terror, é um dos melhores. Guardadas as proporções e épocas, acho Outlast tão marcante quanto foi Silent Hill na época de seu lançamento.



10 - Tomb Raider: Vejamos quais são os motivos para você considerar a compra desse jogo... A história é bacana, a protagonista é pra lá de carismática (estamos falando da Lara Croft, né?), bons gráficos também, aposto que o cabelo da Lara no jogo é melhor que o seu! 😂 O jogo também tem um modo multiplayer que eu achei muito legal, ainda que não seja tão explorado, e difundido, sendo assim, apesar do jogo valer só pela história mesmo, se você achar mais alguém para comprar junto com você, umas 4 ou 6 pessoas, o modo multiplayer vai ser bem divertido também. Explorar as ruínas de civilizações antigas, criar ferramentas improvisadas e viver aventuras é algo muito divertido.



E assim eu encerro a minha humilde listinha de games, como eu disse, existem muitos outros e uma coisa que você deve se atentar é que os preços podem variar de acordo com o momento em que você está vendo este post. Mas independente do preço, são todos ótimos games para se jogar.

Se você comprar todos, você vai gastar um pouco mais de 175 reais em 10 (na verdade 11) jogos excelentes, o que nos dá a média de aproximadamente 16 reais por jogo. Claro, você não precisa comprar todos, mas se você fosse comprar todos em seus preços normais, o valor passaria fácil dos R$ 500,00!

Espero que você se diverta nesta Summer Sale com a sua distro Linux e se puder gastar menos, melhor ainda!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Os 3 temas de ícones mais bonitos para Linux

Nenhum comentário

sábado, 14 de janeiro de 2017

Uma das coisas mais legais das distros Linux (pode incluir até o Android aqui) é que tudo é muito personalizável, e isso, obviamente, incluem os temas de ícones. Hoje eu vou mostrar para você os temas que eu considero serem os melhores.

Top 3 Icon Packs for Linux




Um bom tema de ícones pode dar uma vitalidade extra para o seu desktop e quando se trata do desenvolvimento de temas de ícones para Linux, existem 3 equipes que dão um verdadeiro show.

1 - Moka


Moka icons para Linux

Certamente um belo conjunto, com ícones arrendondados, lembrando muito os padrões mobiles, especialmente os usados no iPhone e nos celulares da Xiaomi.

Acesse o site para baixar o tema. Nós temos um tutorial de instalação para ele também, basta clicar aqui para ver.

2 - Numix


Ícones Numix

Os temas Numix tem muitas variações, uma das mais populares é a "Circle", mas existem outras opções que você encontra no site oficial.  Os ícones Numix Circle, como o nome sugere, usam formatos arrendondados para todas as artes, com um tema flat muito agradável.

Veja aqui o nosso tutorial para instalar o tema.

3 - Paper


Paper Icon Theme

Este é o tema que eu venho utilizando atualmente, na verdade, venho utilizado uma variação que eu mesmo fiz chamada Paper Orange Diolinux, o tema é inspirado no material design da Google e os ícones são muito bem desenhados. Você pode acessar o site oficial para saber as novidades sobre ele.

Confira aqui o nosso tutorial para instalação deste tema.


Claro que temas são puramente pessoais, então sinta-se à vontade para compartilhar nos comentários os temas que você mais gosta.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Guitarix - Amplificador de guitarra virtual para Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Hoje vamos conhecer um programa muito legal para quem é guitarrista, ele é grátis, é open source e você pode usar sem sair do seu Linux, vamos conhecer um pouco melhor Guitarix?

Guitarix - amplificador de guitarra virtual

Guitarix para Linux: Let the rock off begin!


Acho que se eu não tivesse um blog sobre tecnologia eu teria um sobre música, sim, é uma das coisas que me fascinam, e se não fosse sobre música seria sobre ciência... mas não vem ao caso agora! =P

Guitarix é um amplificador de guitarra virtual para Linux que usa a conexão Jack de áudio, o programa faz a mesma função que qualquer amplificador real faria, ele consegue trabalhar tanto com canal mono, como estéreo.

Guitarix


Você pode adicionar efeitos e distorções se desejar, existem 25 presets que vem junto com o programa, o que já garante alguma diversão, há também um fórum onde os usuários criam efeitos novos e você também pode criar os seus apenas configurando o Guitarix como achar melhor.

Guitarix


O sinal de áudio é processado pelo Guitatix com um mínimo de latência, cerca de 10ms, o que pode ser ajustado usando um Kernel de latência mais baixa, falei sobre os Kernels Low Lantency neste em um vídeo há um certo tempo atrás, clique aqui para assistir.

Confira três exemplos do que é possível fazer apenas com o Guitarix, sem pedais adicionais ou outros amplificadores.




É sem dúvidas um programa muito interessante e que vale uma exploração dos músicos que eventualmente leem o blog Diolinux, inclusive, fique aqui a proposta, se você acompanha o nosso canal no YouTube e faz um som bacana, faça um vídeo usando o Guitarix mostrando o software e você tocando que nós fazemos uma divulgação grátis pra você.

Instalando o Guitarix na sua distribuição Linux


Felizmente a instalação do software é muitíssimo simples, todas as distribuições tem ele em seu repositório, pelo menos as mais populares, no Ubuntu ou em sistemas baseados nele você pode instalar clicando no botão abaixo:


Ou para quem curte instalar as coisas pelo terminal:
sudo apt-get install guitarix
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Terminal Linux Básico - Aprenda os principais atalhos para aumentar a sua produtividade

Nenhum comentário

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Conheça os principais atalhos no teclado para se usar um terminal Linux, com estas dicas a sua produtividade vai aumentar com toda a certeza.

atalhos para o terminal Linux

Confira algumas dicas para agilizar a sua vida no terminal Linux


Ah o terminal! Que belo programa você é! Eu acho extremamente válido explicar, especialmente para iniciantes, o quanto o terminal pode ser uma ferramenta útil, isso mesmo, ele não é complicado, muito pelo contrário, ele é simples.

Hoje em dia com distros como Ubuntu e Linux Mint o terminal se tornou de vez o que sempre deveria ter sido, uma ferramenta poderosa para quem quer usá-la e não o único modo de fazer as coisas.

Como você está lendo este artigo eu presumo que você deseje saber um pouco mais sobre o terminal e usar ele de forma mais tranquila, existe muito material que você pode ler e ver também, como este vídeo onde eu mostrei os comandos básicos do terminal do Ubuntu.

As teclas de atalho podem ajudar muito na sua produtividade, então vamos listar aqui algumas teclas de atalho que você poderá utilizar em qualquer distro Linux que use:

Ctrl-A: Leva o Cursor ao início de linha

Ctrl-E: Leva o cursor ao fim da linha.

Ctrl-B: Volta um caractere.

Alt-B: Uma palavra para trás.

Ctrl-F: Avança um caractere.

Alt-F: Avançar uma palavra.

Ctrl-U: Apaga todos os caracteres da posição do cursos para trás.

Ctrl-K: Apaga todos os caracteres da posição do cursor para frente.

Ctrl-Shift-V: Colar o texto da área de transferência .

Ctrl-Shift-C: Copie o texto para área de transferência.

Ctrl-L: Limpa a tela.

TAB: Completa os comandos e nomes de arquivos e diretórios.

Estes são alguns dos atalhos que eu conheço e que eu mais uso, você conhece mais alguns? Então acrescente as informações através dos comentários para deixar o artigo ainda mais completo.

Leia também:
4 recursos do APT-GET que você não conhece
É isso aí, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Notebook ou Desktop, qual a melhor opção para você?

Nenhum comentário
Hoje vamos destrinchar um tema que causa bastante dúvidas na hora de comprar um computador novo, devo comprar um Notebook ou um Desktop?

Notebook ou Desktop

Desktop ou Notebook: Algumas dicas para ajudar você a escolher


Apesar das diferenças físicas existentes entre desktops (computadores de mesa) e notebooks (computadores portáteis), suas capacidades estão cada vez mais similares, o que dificulta a nossa vida na hora de escolher.

Nunca tivemos tantas ofertas assim para diferentes tipos de computadores. Diversos sites de informática oferecem máquinas com preços, marcas, modelos e demais especificações distintas. Mas de todos os perfis de usuários possíveis, o que eles buscam?

Defina a utilidade da máquina


Praticidade, capacidade de armazenamento de dados ou velocidade? Usaremos para acessar a Internet e baixar arquivos leves, como documentos de texto, ou para operar programas gráficos, como o Photoshop e GIMP? Como você usa o seu computador?

Computador para trabalho


Cada vez mais temos dúvidas na hora de escolher entre tantas opções, mas a grande novidade é que os laptops e notebooks agora já não são considerados versões inferiores do desktop. Alguns possuem memória e recursos semelhantes aos que encontramos nos grandes Desktops.

Um laptop ou notebook possui a distinta vantagem da mobilidade e em certos casos como para estudantes ou executivos, basta esta característica para justificar a escolha. A conveniência de levar o Notebook da universidade para a casa ou até para utilização em um ponto Wi-Fi, e poder acessar os arquivos sem precisar acessar um FTP ou documentos online é sem dúvida o que muitos buscam, principalmente esta nova geração de pessoas, que já cresce plugada na internet por conta dos Smartphones.

Desktops, por outro lado, não esquentam em excesso após uso contínuo por horas de trabalho, exceto casos específicos como computadores gamers, se você possuir um Home Office, por exemplo. 

Outro benefício ao comprar um desktop, é a possibilidade de repor apenas as peças do hardware, como a memória ou trocar o HD (do inglês, hard-disk). Isto é mais vantajoso financeiramente do que aventurar-se em comprar um laptop novo, ao perceber que o seu encontra-se levemente defasado.

Entretanto, desktops costumam apresentar melhor performance para profissionais que precisam executar diversas tarefas ao mesmo tempo. Indiferente de serem planilhas, documentos de textos, vídeos, páginas da internet ou ferramentas específicas de trabalho.

Minhas regras


Com o passar dos anos o mercado muda, os aparelhos também, mas certas nuances você consegue perceber. Hoje podemos comprar Notebooks muito melhores do que determinados desktops, inclusive para fazer trabalhos mais pesados.

Regras de qualidade


A meu ver a utilização do Desktop ainda é mais viável para pessoas que desejam jogar, trabalhar com softwares que exijam renderização como editores de vídeo, modeladores 3D, Jogos especialmente e outras coisas mais pesadas como virtualização de sistemas.

Sabendo escolher bem, se você comprar um bom Notebook ele lhe atenderá sem dúvidas para a maioria das atividades, minha dica principal é sempre olhar para o seu orçamento e ver até quanto você pode gastar e então procurar a ajuda de alguém que entenda de informática  (caso você não entenda, é claro) para que este possa te ajudar  a montar e analisar a melhor configuração possível.

Essencial também não cair no famoso "combo da desgraça" como eu o chamo, leia mais aqui.

E você leitor, prefere Notebooks ou Desktops?

Este artigo foi escrito em parceria com o nosso leitor Ronaldo Ramires.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como esconder uma pasta ou arquivos no Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 2 de junho de 2015

Conheça um truque bem interessante para você criar pastas e documentos ocultos no seu sistema.

Como ocultar pastas no Linux

Conheça hoje uma maneira diferente de ocultar pastas no Linux


Pastas e arquivos ocultos existem há muito tempo nos computadores, elas tem diversas funções, mas normalmente é esconder do usuário algo que não deve ser alterado sem conhecimento de causa.

O jeito mais comum de se ocultar um arquivo ou pasta no Linux é bem simples, basta adicionar um "."(ponto) antes do nome do arquivo, por exemplo.

arquivo
.arquivo
O segundo exemplo seria um arquivo oculto enquanto o outro estaria sendo exibido normalmente, porém, existe uma outra maneira de fazer isso sem precisar adicionar este "ponto" antes dos nomes do arquivo.

Escolha um diretório qualquer para fazer o teste, dentro dele crie um arquivo e dê o nome dele de ".hidden", dentro dele escreva o nome das pastas ou arquivos dentro deste mesmo diretório que você está que deseja ocultar.

Ocultando pastas

Basta salvar o documento e pronto, os arquivos estarão ocultos. Atenção para o detalhe de que é necessário escrever exatamente o mesmo nome do arquivo que você quer esconder, tendo atenção para letras maiúsculas e minúsculas, pois o Linux é "case sensitive" e diferencia diretórios e arquivos desta forma.



No exemplo acima eu pretendia ocultar a pasta "pasta" por isso coloquei ela dentro do arquivo.

Para exibir arquivos ocultos você pode usar as teclas de atalho "CTRL+H" no Ubuntu e praticamente qualquer distro que use o seu ambiente baseado no Gnome, caso você use KDE a tecla de atalho é "ALT+." (alt e ponto).

Divirta-se!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Novo Ubuntu, Debian Jessie e a Microsoft no novo DioCast

Nenhum comentário

sábado, 2 de maio de 2015

Lançamos mais um episódio do nosso querido DioCast, o seu podcast sobre Linux e Tecnologia, desta vez falando sobre os últimos lançamentos do mundo Linux, confira:

DioCast Piloto


Ouça o mais novo episódio do DioCast


Preparem os rojões pois o DioCast voltou!

Pois é, muita gente (mesmo) pediu a volta de quadro e agora ele está de volta para trazer até você as opiniões ácidas e bem humoradas do DioCast sobre os principais assuntos envolvendo tecnologia no momento e os principais lançamentos do mundo Linux.

À partir de agora vamos publicar os episódios no canal do Diolinux, tudo foi explicado no início do episódio então, prepare-se para se encher de informações:


Links das informações comentadas em vídeo:

Acesse a nossa loja: http://www.diostore.com.br


Para uma experiência completa confira os links das matérias que comentamos no episódio:

Lançamento do Debian:

Lançamento do Ubuntu 15.04:

Microsoft Visual Studio para Linux:


Projeto Continnum da Microsoft:

Super Tux Kart com gráficos joinha:

Número de usuários de Ubuntu no mundo:

A história do RedHat




Programas via PPA no Debian:

Review Ubuntu 15.04:

Extensão para Chrome e Firefox:http://goo.gl/bZu8jJ

Anuncie no Diolinux: http://goo.gl/BWsafD

- Acesse o site: http://www.diolinux.com.br
- Android App: http://goo.gl/DTVt7I
- Assine o nosso Feed:http://goo.gl/w6418F

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.
Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo