Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador editor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador editor. Mostrar todas as postagens

Kdenlive 19.04.01 lançado com diversas correções!

Nenhum comentário

terça-feira, 14 de maio de 2019

O Kdenlive 19.04 foi lançado no dia 18 de Abril, com essa nova versão vieram muitas novidades e mudanças no programa, entretanto um bug bem chato estava atrapalhando a edição de vídeos no software. No dia 11 de Maio, uma nova versão foi lançada, corrigindo este problema.

kdenlive-19.04.01-editor-videos-linux-kde-ubuntu-gratis-gratuito-edição

Edição de vídeo no Linux é repleto de ótimas opções, temos o Davince Resolve, Ligthtworks, ShotCut, Openshot, entre outras ferramentas. Porém um dos queridinhos sempre foi o Kdenlive. Muitos canais no Youtube sobre Linux, são editados ou foram por muitos anos com essa ferramenta, que é o caso do Diolinux. Em meu canal OSistemático, venho produzindo conteúdo desde o início (2016) com essa ferramenta, e mesmo tendo pontos fortes e fracos considero um bom editor de vídeos.

Kdenlive um editor em constante amadurecimento


Durante o início do canal OSistemático, sofria bastante com a versão do Kdenlive contida nos repositórios do Deepin. E durante um bom tempo, foram meses de situações que envolviam o travamento do programa e em alguns casos até a perda do projeto. Então um belo dia resolvi experimentar a versão que é recomendada pelo projeto, o Kdenlive em AppImage, e posso lhe garantir parecia outro programa.

A versão 19.04 veio recheada de mudanças, uma timeline refatorada (feita totalmente do zero), a possibilidade de gravar o áudio diretamente do editor, adição da renderização de vídeos com fundo transparente, melhora no render (ainda não é um ShotCut ou Davince Resolve durante a renderização, mas está bem melhor que as versões antigas). São inúmeras mudanças. E como novas mudanças podem ocasionar novos bugs, assim foi.

kdenlive-19.04.01-editor-videos-linux-kde-ubuntu-gratis-gratuito-edição-timeline

Mais de 40 bugs corrigidos no Kdenlive


  • Foram várias correções, eis alguns bugs solucionados:
  • Falha ao abrir projetos antigos;
  • Erro ao desfazer efeito de ganho/gama;
  • Correção na gravação do áudio;
  • Efeito fade-out quebrado;
  • Miniaturas em alguns clips com falhas;
  • Seleção de clipe bin mais rápido;
  • Efeito de todas as guias com falhas;
  • “Agulha” da timeline se perdia;
  • Imprecisão nos atalhos de corte na timeline;
  • Correções na compilação para Windows; 
  • E muito mais correções…

Veja a lista completa de bugs corrigidos no site oficial do Kdenlive.

Durante esse tempo que editei com a versão 19.04, notei apenas 3 bugs que eram: A agulha que sempre se perdia na timeline, acarretando na imprecisão do corte utilizando atalhos. Por algum motivo o Nvenc não foi reconhecido, impossibilitando a utilização de minha placa de vídeo para render, proxys e previews. E em alguns projetos o vídeo não era exportado com o fundo transparente.

kdenlive-19.04.01-editor-videos-linux-kde-ubuntu-gratis-gratuito-edição-osistematico-canal-youtube-diolinux

Utilizei mesmo assim na produção de meus vídeos e o único bug que atrapalhava minha produtividade era “a agulha se perdendo”. Durante nenhum momento o aplicativo fechou ou algo assim.

Kdenlive 19.04.01 em AppImage e Flatpak


Caso utilize o Kdenlive para suas produções, recomendo a dar uma chance para essa nova versão, 19.04.01. Dou preferência pelos AppImages do Kdenlive, por conta de sua estabilidade e praticidade. Entretanto outra solução que venho usando e gostando bastante é o oferecido no Flathub em Flatpak. Esse formato terá a vantagem da atualização, enquanto no AppImage você deverá baixar o editor a cada update.

Para executar o Kdenlive em AppImagem é muito simples, acesse a matéria e proceda como no passo-a-passo. No caso do Kdenlive Flatpak, será necessário configurar algumas coisas, então segue o post completo

O link para download de ambas versões encontram-se no site oficial do Kdenlive, baixe e experimente.

E você edita vídeos com o Kdenlive? Já editei alguns projetos com essa nova versão 19.04.01 e estou gostando muito, migrei totalmente para ela (😁😁😁).

Que tal continuar todo esse bate-papo sobre edição de vídeo em nosso fórum Diolinux Plus?

Até o próximo post, aqui no blog Diolinux, te espero SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do editor de vídeo OpenShot lançada!

Nenhum comentário

sexta-feira, 22 de março de 2019

A gama de editores de vídeo no Linux é enorme, e recentemente postamos uma lista de softwares de edição do básico ao profissional, o OpenShot constava entre as opções indicadas, sendo uma ótima alternativa para novatos, e o melhor de tudo, multiplataforma.

editor-video-openshot-linux-windows-mac

Com o passar dos anos o OpenShot vem timidamente recebendo novos recursos, inclusive você pode acessar uma entrevista que o nosso parceiro Gabriel do Toca do Tux, fez ao desenvolvedor e criador do OpenShot, Jonathan Thomas, mesmo não sendo deste ano, é interessante comparar as mudanças que o software recebeu desde aquela época.

Novidades no Openshot 2.4.4


O editor recebeu algumas novidades e correções de bugs, irei destacar algumas, e caso queira ver todas as mudanças acesse o site oficial com o anúncio desta release.


Dimensionamento e sincronização entre quadros-chave


Este era um bug que vinha ocorrendo no OpenShot ao trabalhar com vídeos com frame rates diferentes, isso ocasionava em resultados catastróficos, em que seu vídeo poderia ficar acelerado ou lento demais. Nesta versão este bug foi corrigido, e esperasse um controle maior, seja trabalhando com vídeos com quadros-chave diferentes, ou com a exportação de um projeto em outro frame rate diferente dos vídeos da time line.

Aperfeiçoado o desempenho e visualização da Time Line


Algo que sempre perseguiu o OpenShot, foram seus engasgos na visualização ou na time line do projeto, não era incomum ver alguns travamentos durante a edição de um vídeo mais robusto, com o aprimoramento do cache de imagens e outras melhorias com foco nesse problema, o OpenShot tende a não passar por tais situações corriqueiramente.

editor-video-openshot-linux-windows-mac

Suporte a renderização SVG


Compatível com render neste formato para criação de seus títulos, o OpenShot conta com este novo recurso graças a biblioteca resvg. Assim os títulos criados com o software não ficarão serrilhados ou perderão a qualidade, conforme a resolução do projeto.

Suporte a presets personalizados pelo usuário


Agora é possível criar seu próprio preset de exportação do projeto, ainda não é algo tão prático, sendo necessário criar um arquivo XML. Você pode usar como base os presets padrões do editor, e adicioná-lo ao diretório correspondente a estas configurações, localizado em: “/home/seu-usuario/.openshot_qt/presets/”, assim seu preset customizado aparecerá no programa.

Novo Widget de propriedades


Um novo elemento adicionado ao editor de vídeos foi o widget de propriedades, que por padrão pode se encaixar no lado esquerdo ou direito, essa nova maneira de acessar as propriedades dos elementos vêm para evitar rolagens demasiadas do mouse e facilitar o processo de animação. Altamente customizável, essa forma de visualizar as propriedades pode ser incorporada em outros painéis de configurações no OpenShot. 

widget-propriedades-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Portabilidade de seus projetos, com caminhos relativos


Uma funcionalidade muito útil e implementada no OpenShot 2.4.4, é a facilidade de manusear o arquivo do projeto entre os diretórios. Sendo assim, não ocorrerá o erro do programa desconfigurar o projeto ao trocá-lo de lugar. O editor consegue “magicamente” ao salvar o arquivo, transformar os caminhos dos elementos que fazem parte dele, em caminhos relativos, e ao abri-lo novamente ele identifica o novo caminho tornando-o em um caminho absoluto. Não espere milagres espalhando os arquivos em inúmeras pastas, então sempre mantenha seus arquivos num único diretório.

Novos idiomas e suporte ao Constante Rate Factor (CRF)


As línguas Hindi, Árabe e Chinês foram adicionadas ao programa. O suporte a CRF foi adicionado por default no preset do formato VP9, porém podendo ser utilizado nos demais, graças ao refatoramento da biblioteca libopenshot::FFmpegWriter, que é desenvolvida focada no comportamento do Editor de vídeos OpenShot.

Veja o registro das alterações no OpenShot


Através do menu “Ajuda >> Sobre OpenShot >> Changelog” é possível ver as modificações no programa em seu changelog, com a data de cada commit de seu Github oficial.

changelog-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Correção do bug nas Waveforms


Ao separar clips que continham visualização das waveforms (ondas sonoras) ativas, ocorria um bug que impossibilitava visualizá-las, dificultando o manuseio destes arquivos na edição, agora no OpenShot 2.4.4, o mesmo foi corrigido.

Muitas outras correções, inclusive para versão Windows, foram disponibilizadas, caso queira maiores detalhes acesse a postagem de seu lançamento em sua página oficial.

Baixando o editor de vídeos OpenShot


Para ter o OpenShot em suas últimas versões, recomendo a versão disponibilizada oficialmente direto do site em AppImage, outra possibilidade é instalar sua versão em Flatpak, com atualizações automáticas.

Você pode efetuar o download do flatpak direto do Flathub, caso não saiba como configurar o Flatpak em sua distro, segue uma postagem de como proceder. Se estiver no Linux Mint, basta pesquisar na loja e instalar a versão flatpak.

flatpak-mint-install-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Sendo uma ótima alternativa para quem está começando a editar, o OpenShot é voltado a edições simples e caseiras, caso queira algo mais “intermediário”, recomendo altamente o Kdenlive, tendo em vista que funcionalidades relativamente comuns em outros editores, estão começando a chegar no OpenShot. É dificultoso a edição de projetos mais elaborados neste editor, no entanto mesmo recebendo “atrasado” algumas funções o OpenShot está a cada dia se tornando maduro, quem sabe num futuro ele deixe esse “título” de editor básico para intermediário. 

Não é de hoje que o projeto recebe críticas por existir, muitos creem que a soma de esforços em outro projeto, como o já citado Kdenlive, seria de maior valor, justamente pelo OpenShot estar atrás de diversos editores de vídeo, comparando suas funcionalidades e recursos.

Porém não esqueçamos que a liberdade do software Livre/Open Source garante tais situações, talvez o desenvolvedor do OpenShot tenha uma visão diferente de editor de vídeo, e é natural que ele siga outro rumo, afinal quem desenvolve é ele. Sei que certamente existem pessoas que preferem o OpenShot ao invés do Kdenlive, e esse seria um público carente caso o programa deixasse de existir.

Entendo os dois lados e mesmo me posicionando mais de um do que do outro, sei que esse é um dos aspectos de ser livre.

E você utiliza o OpenShot? Que tal continuar essa discussão sobre o OpenShot em nosso fórum Diolinux Plus

Até a próxima postagem, e como sempre, compartilhe o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o DaVinci Resolve no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

O DaVinci Resolve é um software da Black Magic Design, uma famosa empresa de equipamentos para filmmakers profissionais, que também é responsável por um dos melhores softwares da atualidade para edição e pós-produção de vídeo. Hoje você vai aprender a instalar o DaVinci Resolve na sua distro Linux.

Como instalar o DaVinci Resolve no Linux






O DaVinci Resolve é um software extremamente completo, capaz de trabalhar com edição de vídeo profissional, composição, edição de áudio e color grading e está disponível para Linux, macOS e Windows em uma versão gratuita e uma versão paga (DaVinci Resolve Studio).


A versão grátis é muito poderosa e pode resolver os problemas da maior parte dos produtores de conteúdo e é essa versão que você vai aprender a instalar no seu Linux.

Temos também a versão em vídeo deste tutorial:


Fazendo o download do DaVinci Resolve para Linux


O primeiro passo é acessar o site do software e rolar (muito) a página até a parte de baixo onde você encontrará as opções de downloads para cada sistema operacional, enquanto observa as várias funcionalidades do software que são exibidas na página.

DaVinci Resolve Download

Nessa região você encontrará a versão grátis e a paga, basta escolher a desejada. Uma curiosidade interessante em relação a versão paga, é que se você comprar qualquer câmera da Black Magic, a versão Studio do DaVinci Resolve vem de brinde, bacana, né?

No nosso caso vamos baixar a versão gratuita (Free), basta clicar no botão referente à versão.

Download DaVinci Resolve Linux

Na próxima tela você verá as opções de download disponíveis, incluindo a versão de Linux, basta clicar no botão referente.

O próximo passo é um pequeno formulário de cadastro que deve ser preenchido, caso você baixe a versão Studio ele não é necessário, porém, na versão grátis, sim. Preencha com as informações requeridas.

Download do DaVinci Resolve no Linux

Depois de fazer o cadastro você efetivamente poderá fazer o download do software.

DaVinci Resolve Download para Linux

O arquivo tem cerca de 900 MB de tamanho e vem compactado no formato .zip.

Instalação do DaVinci Resolve no Linux


*Essa era uma parte consideravelmente complicada até pouco tempo, temos aqui no blog um tutorial completo para a instalação do Resolve no Ubuntu e também um outro tutorial mostrando como transformar o instalador em um .deb, ambos devem ser usados apenas em caso de necessidade.

Atualmente a Black Magic melhorou muito a forma com que o software é distribuído e incluiu todas as dependências e libs diretamente no instalador, fazendo com que a instalação no Linux seja extremamente simples, tanto quanto no Windows ou no macOS.

O primeiro passo é extrair os arquivos do arquivo compactado que você baixou.

Davinci Resolve extração

Com essa extração uma pasta será criada com o nome do programa, você pode entrar nela, onde encontrará dois arquivos, um instalador no formato .run e um pdf com um manual de instruções.

Tudo o que você precisa fazer é dar dois cliques no arquivo .run e o instalador vai se abrir.

*Caso não funcione, verifique o arquivo está com as permissões de execução através do menu "propriedades", clicando com o botão direito sobre ele e observando a aba "permissões.

Instalação do DaVinci Resolve

À partir de agora o instalador é completamente guiado, basta avançar pelas etapas observando as opções disponíveis. Durante a instalação será solicitada a sua senha de Root pelo menos duas vezes para a instalação de alguns arquivos em certos diretórios, basta confirmar digitando a sua senha e aguardar a instalação processeguir até o seu final.

Na dúvida, consulte o manual que vem com o programa.

Quando o procedimento finalizar, o programa já estará instalado, basta procurar pela aplicação no menu do seu sistema.


Configuração do DaVinci Resolve no Linux


Ao abrir o software pela primeira vez você poderá fazer um "setup" inicial, configurando algumas das suas preferências, como local onde deseja armazenar os seus arquivos de mídia, configuração de padrões da teclas de atalho (usar as do Adobe Premiere, FinalCut e Avid Media Composer são algumas opções), além de fazer uma verificação de se o hardware instalado está adequado para o trabalho e a configuração dos padrões dos seus projetos, como a resolução.


Configuração do DaVinci Resolve
Começando a conifguração do DaVinci Resolve

Configuração do DaVinci Resolve
Verificação de compatibilidade

Configuração do DaVinci Resolve
Definição de padrões do projeto

Configuração do DaVinci Resolve
Seleção da pasta adequada para armazenar as suas produções

Todas as configurações aqui feitas poderão ser alteradas posteriormente nas configurações do próprio DaVinci Resolve através do menu de mesmo nome no programa.

Dicas para usuários da versão Free do Resolve no Linux


Configurando DaVinci no Linux

No Linux o DaVinci Resolve não tem decoração nas janelas, talvez isso seja alterado no futuro, talvez não, mas de toda forma, apesar de ser um software que você sempre vai querer trabalhar em tela cheia, é possível manipular a janela segurando a tecla "Alt+Clique do botão esquerdo do mouse" para movimentá-la, ou "Alt+F7", você também pode usar "Alt+F8" para redimencioná-la se quiser.

A versão do Resolve livre de custos possui limitações em relação a codecs, de modo que pode ser necessário capturar as suas mídias em formatos suportados na versão grátis (ver manual do programa), ou então converter os seus arquivos capturados em formatos diferentes.

Convertendo arquivos para o DaVinci Resolve Linux


Para tal, nós preparamos um outro artigo aqui no blog que faz uso do poderoso FFMPEG, através de uma de suas interfaces chamada WINFF (Disponível também para Windows), com um script que converte facilmente qualquer arquivo para um formato que o DaVinci possa trabalhar sem problemas.

Para saber mais sobre essa ferramenta, basta acessar este artigo: "Convertendo vídeos para trabalhar no Davinci Resolve no Linux".

É interessante observar que o DaVinci Resolve requer um bom hardware para funcionar bem, em especial placas de vídeo, porque a maior parte (se não todos) os seus recursos de edição são trabalhados pela GPU, no Linux temos um desempenho (generalizando) melhor com placas da Nvidia atualmente, então tenha certeza de ter os seus drivers instalados corretamente.

Ficou alguma dúvida? Conheça o nosso fórum, você pode ter suporte por lá.

DaVinci Resolve não abre por falta de uma biblioteca


Dependendo da sua instalação, pode ser que uma biblioteica relacionada ao seu driver de vídeo não seja instalada e por conta dela, a versão atual do DaVinci Resolve não consegue ser executada. Eu tivesse problema apenas uma vez, mas acho que vale a pena deixar a dica registrada.

DaVinci Resolve Linux lib

Caso você clique no ícone do DaVinci Resolve e nada aconteça, pode ser que algum componente assim esteja faltando. Para ter certeza de qual componente é esse, rode o seguinte comando no terminal:
/opt/resolve/bin/resolve
E observe o erro que aparecer, no meu caso era a ausência da "libOpenCL", bastando instalar, neste caso pela loja do Mint, o pacote "ocl-icd-libopencl1", que foi encontrado pesquisando simplesmente por "libopencl". Depois da instalação o DaVinci Resolve iniciou normalmente.


Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Convertendo vídeos para trabalhar no Davinci Resolve no Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

O Davinci Resolve vem ganhando os corações dos profissionais audiovisuais, uma das melhores soluções para o tratamento de cores em vídeo, e agora vem tornando-se um concorrente de peso ao Adobe Premiere. 

conversor-codec-davinci-resolve-mp4-mov-h264

Como uma alternativa nativa no Linux, a Blackmagic vem implementando novas funcionalidades ao seu software de edição/pós produção de vídeos, um exemplo que a “senhorita” Adobe deveria seguir. Confira o post de como instalar o Davinci Resolve no Linux, e comece a editar nessa poderosa ferramenta.

Nem tudo são flores


Existe uma limitação na versão gratuita do Davinci resolve que pode irritar alguns, ele não possui suporte aos formatos de codecs MP3 e H264. Isso é um pouco estranho já que as patentes destes formatos expiraram e não seria complicada adição no programa.

Para contornar esse problema, enquanto a Blackmagic não adiciona o suporte nativo, iremos converter os arquivos de vídeo para um formato que a aplicação suporta, MPEG4 ou Apple ProRes via QuickTime.

O MPEG4 gera um arquivo de tamanho menor, ótimo para edições voltadas à internet, o ProRes é voltado para uma edição profissional, consecutivamente de maior tamanho.

Convertendo de forma prática


Você pode fazer de duas maneiras, usando o terminal ou a interface gráfica, tudo de forma prática.

Converter via interface


Efetue o download da aplicação “WinFF”, pesquise na central de software da sua distribuição como na imagem abaixo ou instale com o comando em distros como Ubuntu, Linux Mint e derivados:

sudo apt install winff

winff-conversor-video-linux

Com esta aplicação será simples converter os vídeos e economizar seu tempo ao configurar codecs e formatos, basta importar o preset que disponibilizamos para download. 

Baixe o preset do WinFF

Para adicionar o preset no WinFF, clique em “Ficheiro>>Importar pré-ajuste”, selecione o arquivo “winff_resolve_diolinux_.xml” caso apareça uma janela de diálogo informando que o pré-ajuste já existe, clique em “Yes to All” para substituir.

importar-preset-winff

Na aba “Detalhes de saída” em “Converter para:” selecione “Resolve” e em “Pré-ajuste” selecione “mpeg4”, conforme imagem a seguir. 

ajuste-codec-winff

Para converter seus vídeos, basta adicioná-los ao WinFF, clicar em “Converter” e esperar o processo. 

Após finalizar você poderá trabalhar no Davinci Resolve sem nenhum problema.

Converter via terminal


Agora se prefere utilizar o terminal, fiz um script que basicamente converte como o WinFF.

 Baixe o Script conversor de vídeos

Será necessário ter o FFmpeg instalado em seu sistema, se instalou o WinFF ele provavelmente foi “puxado” como dependência, caso não, use o comando:

sudo apt install ffmpeg

O script funciona da seguinte maneira, você deverá manter os arquivos para conversão e script no mesmo diretório, dê a permissão de execução (via terminal ou por interface gráfica) e execute. Todos vídeos em “MP4” serão convertidos para “MOV” e movidos para uma pasta chamada “convertidos”. 

sudo chmod a+x convert-lote-davince-v0.1.sh
./convert-lote-davince-v0.1.sh

script-conversor-codec-davinciresolve

Para alterar o codec do vídeo que deseja converter (se não for um .mp4), abra o script com algum editor de texto e faça a modificação. Não será uma tarefa complicada, pois comentei cada parâmetro, então fique a vontade para implementar novas funções. 

script-conversor-codecs

Para eventuais dúvidas, acesse o vídeo do Elias do canal Araras Studio, todo processo com o WinFF foi detalhado, e se pretende aprender edição de vídeo no Davinci Resolve inscreva-se no canal, ele está produzindo um conteúdo muito bom sobre o software. 

Te aguardo no próximo post, até lá compartilhe o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


PhotoGIMP v.2018 - O GIMP para quem vem do Photoshop

Nenhum comentário

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

É com muito prazer que anunciamos a atualização do projeto PhotoGIMP, um patch que facilita a vida de quem está migrando do ecossistema da Adobe, com o Photoshop, para o GIMP e para quem gosta de um software de edição de imagens simplificado.

GIMP - PhotoGIMP 2018






Como todo software de código aberto, o GIMP é plenamente modificável e possui uma infinidade de possibilidades de configurações em sua interface para deixá-lo adequado para qualquer tipo de profissional. 

Nós usamos essa liberdade para criar um Patch que traz para você os atalhos de teclado e organização, visualmente equivalente ao Adobe Photoshop, facilitando a vida de quem está migrando de plataforma.

No vídeo abaixo nos ensinamos a fazer customizações no GIMP, para que você mesmo possa fazer as suas e demonstramos a versão mais recente do PhotoGIMP, confira:


Você encontra no PhotoGIMP um software com visual simplificado, apenas as ferramentas mais comuns de quem manipula imagens e faz montagens estão exibidas em uma coluna de ferramentas mais sucintas que a do GIMP original, a ordem das ferramentas também está de acordo com as ferramentas equivalentes no Photoshop, assim como as teclas de atalho para seleciona-las, facilitante na intuitividade de quem já está habituado com o software da Adobe.

PhotoGIMP 2018

Outra modificação implementada ocorre nos painéis de configuração, reduzindo a quantidade para as ferramentas essenciais de manipulação de imagens. Colocando o painel de camadas e canais na mesma região que é encontrado no Photoshop e adicionando uma aba para seleção de fontes de forma mais eficiente.

Configuração de camadas no PhotoGIMP

Esses ajustes devem deixar o GIMP menos "assustador" para novatos também, simplificando as múltiplas ferramentas e painéis de configuração, além de acolher melhor aqueles que estão habituados ao Photoshop.

Como baixar e instalar o PhotoGIMP


O PhotoGIMP não é um novo software, ele é apenas um Patch de configurações para o GIMP 2.10. Isso significa que você precisa instalar o GIMP tradicional normalmente antes e depois aplicar o PhotoGIMP sobre ele. 

1 - Baixe o GIMP

O GIMP está disponível através do site gimp.org para Linux, macOS e Windows. Nas distros Linux você provavelmente o encontra na loja de aplicativos ou gerenciador de pacotes.

Atualmente existem versões Flatpak, Snap e AppImage do GIMP 2.10 também, em todos os casos, em todas as plataformas mencionadas, o PhotoGIMP 2018 deve funcionar, você só precisar identificar o local onde ficam os arquivos de configuração do programa para poder substituí-los pelos arquivos do Patch.

2 - Baixe o PhotoGIMP

O PhotoGIMP 2018 está hospedado no Google Drive, então o download deve estar sempre disponível, o Patch tem apenas 4MB de tamanho. Ao clicar no botão abaixo para fazer o download, você acessará a página onde existe um arquivo compactado, e os arquivos individuais separados. Você pode escolher a opção que desejar baixar, não há diferença.

3 - Instale o PhotoGIMP

Como comentado e explicado no vídeo que acompanha este artigo, basta extrair os arquivos para a pasta correta de configuração do GIMP 2.10. Observe que pode ser necessário abrir o GIMP sem o patch uma primeira vez para que todos os arquivos sejam criados, após isso será possível aplicar o Patch. Em caso de dúvidas, confira o vídeo disponível acima neste artigo.

As pastas onde os arquivo devem ser extraídos são:

##No LINUX, dependendo do tipo de instalação que você faça##

**GIMP Instalado via Repositório tradicional (APT, DNF), extraia para:

           /home/$USER/.config/GIMP/2.10/

**GIMP Instalado via FLATPAK, extraia para:

          /home/$USER/.var/app/org.gimp.GIMP/config/GIMP/2.10/

**GIMP Instalado via SNAP, extraia para:

          /home/$USER/snap/gimp/47/.config/GIMP/2.10/

##WINDOWS 10, como só há uma forma de instalar##

**GIMP Instalado via .EXE extraia para:

          C:\Users\SEU_USUARIO\AppData\Roaming\GIMP\2.10

Uma vez copiados e colados os arquivos do patch, substituindo todos que possuírem arquivos de mesmo nome, o procedimento já terá acabado. Basta abrir o GIMP novamente e você já estará usando o PhotoGIMP.

Como remover?

Você quer voltar a usar o GIMP padrão? Não tem problema. Basta apagar a pasta de configuração para a qual você copiou os arquivos, quando você abrir o GIMP novamente sem esses arquivos eles serão criados novamente com a configuração padrão do software.
_

Esperamos que o PhotoGIMP seja útil para você, ele foi possível graças a ajuda da comunidade Linux e Open Source, incluindo (principalmente) os próprios desenvolvedores do GIMP, que fizeram um trabalho fantástico. Gostaria de fazer um agradecimento especial para o nosso amigo e designer Felipe Cereda, que foi o responsável a imagem de Splash dessa versão.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


7 dicas para você usar o VIM como um PRO

Nenhum comentário

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

A primeira vez que eu usei o vi, eu achei a coisa mais ridícula do mundo 😱 , pensei comigo, como um editor tão contra-intuitivo faz tanto sucesso ? Mas tive que aprendê-lo, pois diversas vezes os testes de software eram no terminal "seco", sem nada, e alterações, só eram possíveis via o vi, pois em ambiente de testes não se incrementa nada que venha alterar o comportamento de um software no seu ambiente padrão.

Percebi que essa era a realidade de várias pessoas, cada uma em uma situação diferente, mas todas com a mesma missão: usar o vi. Com o tempo busquei aprendê-lo, principalmente o Vim que é sua versão melhorada, e com passar do tempo, até hoje, me pego dando um :wq para sair e salvar as abas do Firefox!😕

Como usar o VIM







Vim (uma contração de Vi IMproved, em português "Vi Melhorado") é um clone do programa editor de textos vi para Unix de Bill Joy. Já o vi, foi escrito por Bram Moolenaar. O Vim é destinado para uso a partir tanto de uma interface de linha de comando como uma aplicação isolada em uma interface gráfica de usuário.

É um software livre e de código aberto e é lançado sob uma licença que inclui algumas cláusulas de caridade, encorajando os usuários que se juntarem ao software a considerar a doação para crianças de Uganda.
Dentre as muitas características do Vim, podemos mencionar alguns destaques.m
  • Suporte a expressões regulares em buscas, com várias extensões à sintaxe padrão de expressões regulares;
  • Destaque de sintaxe (com suporte a mais de 500 linguagens);
  • Corretor ortográfico ( versão 7.0+ );
  • Vários temas de cores (colorschemes);
  • E centenas de características bem peculiares.

Entre facilidades e características, vamos ver 7 dicas para você usar o VIM como um PRO.

1 - Abertura de múltiplos arquivos


Se deseja trabalhar num arquivo e ao mesmo tempo visualizar o conteúdo de outros arquivos, então há a possibilidade de abri-los simultaneamente com visualização única.
Você pode abrir tanto na vertical usando o parâmetro -o (minúsculo) usando o comando:

vim -o arquivo1.c arquivo2.sh arquivoN.nnn

A saída será similar a conteúdo da imagem abaixo:

VIM na Vertical

Ou caso deseje, você também pode abrir os múltiplos arquivos na horizontal usando -O (MAIÚSCULO)

VIM na Horizontal

Isso sem dizer que você pode abri-los posteriormente utilizando o comando:

split nome-do-arquivo

2 - Pegando a manha com o Gvim


Se você deseja se adaptar rapidamente ao Vim, é interessante você começar utilizando o Gvim, por exemplo. O Gvim é o Vim com interface gráfica, ou seja, funciona todos comandos igualmente, inclusive as configurações, no entanto ele possui algumas características próprias, similares a dos editores convencionais. Entre elas:
  • Conversão de documentos;
  • Variados temas e cores;
  • Configuração facilitada de família de fontes, tamanho de fonte e entre outros;

Além de que cada menu possui a possibilidade de executá-lo via comando, lhe informando o comando. Ou seja, você aprende utilizando. 

Veja abaixo algumas telas que mostram conteúdo de menus do Gvim.

GVIM

3 - Substituição de palavras com cadeia de caracteres


Muitos editores de textos e IDEs possuem suporte a Expressões Regulares, no entanto, cada qual possui uma limitação. Mas o Vim tem um suporte customizado, é amigo, tudo  pode ser customizado. Há até a customização das "mãos na roda", para encontrá-las e substituí-las existem diversos caminhos, no entanto, vou lhe dar a dica mais simples. Suponhamos que queiramos trocar todas as palavras 'vi' por 'Vim', é mais fácil e rápido do que você imagina, basta pressionar ESC e escrever o comando abaixo, o g no final é para todas as ocorrências, caso desejasse uma única troca, basta não inserí-lo:

O espaço depois do vi foi proposital para não trocar também o vim
:% s/vi /Vim/g

4 - Mapeamento de teclas


É necessário saber que todas as teclas são mapeáveis no Vim, mas como dica básica, vamos supor que você está cansado de ficar digitando :ggVG para selecionar tudo, então basta você mapear a tecla F12 , basta dar ESC e inserir o comando abaixo:
:map <F12> ggVG?
A partir de agora toda vez que você estiver no modo NORMAL, basta pressionar F12 que você irá selecionar tudo ! 😉

5 - Navegação rápida


Essa é especial para quem trabalha com Desenvolvimento de Software. Muitas vezes o compilador/interpretador nos informa o número da linha do erro da execução ou compilação do software e geralmente ficar rolando o cursor do mouse pra ficar procurando a linha, é uma verdadeira perda de tempo, no Vim você pode navegar facilmente pelo arquivo. Por exemplo, o compilador lhe disse que foram encontrados erros nas linhas: 1370846 e na linha 3 , logo, basta você digitar: ESC :1370 você vai diretamente para essa linha e novamente para as outras linhas, resolvendo de forma mais rápida e menos estressante os bugs, ops, desculpa, a palavra agora é Feature 😎.

Ah! Quase ia me esquecendo!! Para ir para primeira linha basta digitar: gg e para a última linha G 😃.

6 - PacVim


Tem muita gente que demora de se adaptar ao Vim e extrair dele o melhor para acelerar seus projetos, para isso eu recomendo o Pacvim um game bem legal que lhe ensina, jogando, como você se adaptar melhor ao vim, e utilizar as teclas: []bw{} ... para navegar mais facilmente nos documentos, pulando palavras, textos, parágrafos e assim por diante.

Para saber como instalar e usar, consulte o GitHub deles: https://github.com/jmoon018/PacVim , só tome cuidado pra não se viciar! 😊

Pacvim

7 - Customização Total do Editor


Você pode transformar o Vim no Editor que você deseja, mas do seu modo: árvores de diretóriosauto-complete de palavrascoresmarcastags e até aprender a Linguagem de Programação Vim!!! Isso mesmo, você pensou que o Vim é o mais utilizado do mundo só porque você o considera difícil ? Nada disso, você pode aprender o Vimscript, é uma "linguagem de programação do vim" , onde você pode pode criar funções, comentários, arquivos customizados no arquivo de configuração do Vim. No Curso de Vim Para Iniciantes você vai aprender diversos truques e dicas bem bacanas de Vim e Vimscript, que em pouco tempo você vai estar dando :wq para desligar seu computador!  .

Veja abaixo a imagem exemplo da minha customização escrevendo esse artigo em Markdown para o Diolinux, com plugins e auto complete de palavras.

Escrevendo o artigo no VIM

Caso deseje adquirir o Curso, aproveite e leve mais dois cursos na Promoção Diolinux e aprenda Vim e Shell Script Extremamente Avançado: Criação de Instaladores para Distros Linux, Criação de Games, Animações e muito mais!

Valeu!

Artigo produzido em conjunto com Marcos Oliveira, do Terminal Root.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Nenhum comentário

sábado, 31 de março de 2018

Sempre que um pessoal novo chega a alguma distro Linux, como Ubuntu ou o Mint (que estamos tomando como base), sempre se perguntam quais programas devem instalar para ter uma certa produtividade ou diversão na plataforma. E nesse post vou mostrar alguns aplicativos que na minha opinião, vão lhe ajudar nessa "jornada". Para facilitar vou dividir em categorias. Então chega mais! 👊😁

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux






Quando terminamos de instalar qualquer distro Linux sempre nos perguntamos quais programas devemos instalar para aproveitarmos ao máximo o sistema que terminamos de instalar, na lista abaixo vou mostrar alguns programas que eu acho bacana ter no computador.

1 - Navegador de Internet


Como não poderia faltar estou recomendando o browser (navegador) mais popular do momento, que é o Google Chrome, onde você vai poder utilizar para acessar praticamente tudo na internet, como Bancos, YouTube, Netflix, Facebook, etc.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Chrome, você pode clicar AQUI.

2 - Multimídia 


Como ninguém é de ferro e precisa se divertir e relaxar, nada melhor do que ouvir uma música e ver um vídeo com a família ou amigos.

Por isso começo com o Spotify, que reúne uma gama enorme de musicas no seu acervo. Ele já aparece nas centrais de programas da maioria das distros Linux, e se não estiver, também é encontrado nos formatos Snap e Flatpak.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux
Para baixar, basta clicar AQUI.

O próximo da minha lista acho que seja essencial em qualquer sistema operacional, servindo para abrir praticamente qualquer arquivo de vídeo e áudio. Estou falando do versátil e "guerreiro" VLC Player, recomendo ele porque o uso há praticamente 10 anos e nunca me deixou na mão para reproduzir qualquer arquivo multimídia. 


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar ele, você tem duas alternativas, clicando AQUI você a sua Central de Programas e instala ele, ou clicando AQUI e baixando direto do site dele.

Por último um programa que me conquistou pela versatilidade e praticidade em poder baixar vídeos da internet, como Facebook, Dailymotion e YouTube por exemplo, o 4K Vídeo download.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Você pode baixar ele através do site da desenvolvedora, clicando AQUI.

3 - Games e apps complementares


Esta categoria pode gerar alguma discordância ou algo do tipo, mas não podemos negar que temos games e aplicativos complementares para quem gosta de dar uma jogadinha no pinguim.

Primeiro vamos começar pela Steam, que é atualmente a maior plataforma de distribuição e vendas de jogos online, metade do seu seu acervo já tem porte para o Linux, além disso, como já foi mostrado aqui no blog, existem outras 7 plataformas de distribuição que você pode acessar AQUI, além da plataforma da Valve, ou seja, Games no Linux estão se tornando algo muito sério para várias empresas.


Para baixar a Steam, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site da Steam e baixar clicando AQUI.

Também não poderia faltar o Discord, a plataforma de comunicação mais usada pela galera gamer e que também está disponível para Linux.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Discord, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site oficial e baixar clicando AQUI.

4 - Messengers


Nessa sessão vou recomendar dois programas desenvolvidos pela comunidade para os dois messengers mais populares e usados no momento. O Messenger do Facebook e o WhatsApp.

O primeiro foi desenvolvido por Dario Ferrando, utilizando a plataforma Electron,  e conseguiu trazer o messenger do Facebook para qualquer sistema operacional, como você pode ver na imagem abaixo, ele é bem "simpático" e de fácil manuseio.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Messenger, você pode acessar o site deles clicando AQUI. Lembrando que não se trata de um cliente oficial.

O segundo foi desenvolvido pelo Enrico204, também utilizando a plataforma Electron, e assim trazendo a vida uma versão de desktop, do popular WhatsApp. Ele funciona da mesma forma que a versão Web com a diferença de que possui integração com a barra de notificações do sistema.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o WhatsApp Desktop, você pode acessar o site deles clicando AQUI. No caso do Linux Mint você o encontra na própria Central de Aplicativos da distros.

5 - Produção Audiovisual 


Nesta categoria vou recomendar dois aplicativos que eu uso no meu dia a dia. Quero fazer uma menção "de honra" ao GIMP, que já teve inúmeros posts aqui no site e que você pode conferir AQUI.
Apesar do GIMP ser extremamente versátil e poderoso, para as pessoas que só querem editar as suas fotos de uma forma mais simples em uma interface mais "moderninha", o Pixeluvo se torna uma opção.


Pixeluvo é um editor de imagem extremamente prático e de muito fácil de aprendizado. Ele conta com duas versões, uma Free (que tem algumas limitações) e uma paga que custa até o presente momento US$ 34,00. Você pode inclusive ver o vídeo demonstrativo dele no canal Diolinux.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Pixeluvo, você pode acessar o site deles clicando AQUI.

O último aplicativo dessa minha lista, e que não poderia faltar, é o poderosíssimo editor de áudio Audacity. Muitos produtores de conteúdo, tanto na internet quanto na industria "convencional", utilizam ele por causa da sua simplicidade e fácil manuseio, mas não deixando a desejar para soluções pagas.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Audacity, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site do software e baixar clicando AQUI

E esse foi o meu TOP 10 de aplicativos que todo mundo deveria ter na sua distro Linux, mas me conte você quais aplicativos não podem faltar na sua pós-instalação do Linux, os comentários estão abertos para você! :)

Até a proxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo