Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador elementary os. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador elementary os. Mostrar todas as postagens

elementary OS 5.0 Juno lançado! Conheça as novidades e faça o download!

Nenhum comentário

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Os desenvolvedores do elementary OS anunciaram a mais nova versão do sistema baseado no Ubuntu 18.04 LTS, que chega com melhorias visuais, de performance e recursos da interface.

elementary OS 5.0 Juno






Cassidy James Blaede, um dos principais desenvolvedores do elementary OS, anunciou o lançamento da versão 5.0 (Juno) do sistema através de um post no blog oficial do elementary OS, contando todas as novidades presentes na nova versão da distro.

Uma lapidação do Loki


O nome "Loki" aqui é uma referência ao codinome da versão imediatamente anterior do elementary OS, baseado no Ubuntu 16.04 LTS. Temos uma review dessa versão aqui no blog para você conferir inclusive, mas estrou trazendo o elementary OS Loki à discussão porque se você é o tipo de usuário que só "dá uma olhada" no sistema a cada lançamento, vai acabar vendo na versão atual, Juno, "apenas" uma lapidação  da versão Loki.

Temos poucas modificações visuais que saltam aos olhos, mas não deixe isso te enganar. Realmente o elementary OS 5.0 Juno é uma lapidação do que foi feito na versão anterior, mas existem muitos detalhes de usabilidade, coesão visual e recursos que foram modificados, ainda que não fique tão óbvio à primeira vista.

Mudanças sutis que fazem a diferença 


elementary OS AppCenter

Uma mudança bem sutil mas que causa uma sensação interessante, do ponto de vista de marketing (que é uma área que eu adoro), é a mudança na numeração. O elementary OS Loki respondia pela numeração "0.4.x", o que dava a impressão de que o sistema ainda não tinha chegado a sua maturidade, não chegando ao "1.0" ao menos. Nesta nova versão, para acabar com essa impressão, a nomenclatura ficou "5.0", e não "0.5", o que sem dúvida é algo positivo.

Ainda que o projeto seja sólido e tenha objetivos bem definidos, o elementary OS ainda tem muito chão pela frente para tornar o seu modelo de negócio algo tido como "extremo sucesso", mas sem dúvida, é algo que todos esperamos.

O elementary OS, neste aspecto, me parece ser o tipo de sistema que você pode dizer algo como: "OK, eu não concordo com o rumo que você estão dando, mas ao menos vocês tem certeza do que querem". Particularmente gosto de pessoas que tem objetivos claros e estão preocupados em agradar quem, igualmente, gosta da proposta.

Temos mudanças e refinamentos no painel de configurações do sistema, no WingPanel (Barra superior), um novo tema de ícones para as pastas e ícones remodelados para vários tipos de arquivos, entre muitas outras coisas.

Tivemos melhorias significativas também na loja de aplicativos "pay what you want" que o sistema possui, o que acabou atraindo mais e mais desenvolvedores para o sistema, colocando a distro um passo mais próximo de seu objetivo: tornar-se uma nova plataforma para softwares Open Source.

Conferindo os vídeos abaixo você terá uma noção clara de todas as novidades no sistema:





Além do elementary...


Apesar do elementary OS possuir um vasto ecossistema atualmente, muitas coisas ainda ficam à cargo da base Ubuntu que o sistema carrega. Em momento algum os desenvolvedores escodem isso dos usuários, muito pelo contrário, ao visitar a aba "Sobre" no painel de configurações, você verá a frase "construído sobre o Ubuntu 18.04 LTS".

Por conta disso, o elementary OS possui elementos comuns da versão LTS mais recente do Ubuntu, como o Kernel, a versão dos drivers e o "grosso" dos pacotes contidos em seu repositório. No momento atual, tudo o que você vê na tela do seu elementary OS é de responsabilidade dos desenvolvedores da distro, mas boa parte do que você não vê, vem do Ubuntu.

As versões LTS do Ubuntu são realmente muito sólidas e estáveis, especialmente a base do sistema, geralmente os bugs eventuais ocorrem em implementações de softwares e interfaces sobre e essa base, e não na base do sistema. Com o novo elementary OS você terá o Kernel Linux 4.15.x, drivers Nvidia 390.x e Mesa 18.1 (AMD e Intel), entretanto isso pode ser modificado adicionando-se PPAs , ou ainda, manualmente, o que requer um pouco de conhecimento avançado em Ubuntu para tal.

Falando em repositórios extras, apesar do elementary OS conseguir suportar Snaps, Flatpaks e PPAs, nenhum dos formatos é aceito nativamente, ficando a cargo do usuário fazer as modificações adequadas para ativar o suporte desejado.


Onde baixar a nova versão do elementary OS?


Ficou interessado e gostaria de baixar a nova versão dos sistema para fazer os seus próprios testes? Isso é muito simples, basta ir até o site do elementary OS e efetuar o download. Algo que gera um pouco de dúvida entre os novatos é que o elementary OS é um sistema "pague o que quiser", então na página de download você será convidado a fazer o download através de uma colaboração financeira; colaboração essa que pode ser de qualquer valor, inclusive, nenhum.

elementary OS Download Grátis


Caso queira baixar o elementary OS gratuitamente em um download direto ou por torrent, basta colocar "zero" como valor e baixar sem complicação. 

Por último, mas não menos importante, fica a recomendação para você conferir o artigo "7 coisas para fazer depois de instalar o elementary OS". Ele foi criado para a versão Loki, mas todos os procedimento continuam absolutamente válidos e necessários.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Elementary OS Beta 2 está disponível para download

Nenhum comentário

terça-feira, 25 de setembro de 2018

No último dia 20 deste mês foi lançado o segundo Beta da distribuição Elementary OS, que tem o codinome “Juno” e trouxe algumas novidades, além dos 200 bugs corrigidos desde o Beta1 da distro.

 ElementaryOS Beta 2 está disponível para download






Alguns problemas em torno do Gala, Greeter, HiDPI foram corrigidos nesse beta 2, além da melhor integração dos aplicativos não nativos com a barra de título, que recebem um menu também. O modo “Picture-in-picture” também recebeu melhorias no dimensionamento no HiDPI.

Outra parte do sistema que recebeu melhorias com o HiDPI foi a tela de login e o bloqueio de tela (lockscreen), utilizando um compositor mais simples para essa tarefa.

Outro que recebeu melhorias e correções foi o AppCenter, corrigindo um bug que fazia com que os aplicativos não fossem exibidos de forma correta na home, bug esse devido ao ID do formato do pacote do aplicativo. Na nova versão já se pode usar tanto o formato antigo como o novo.

Quem recebeu melhoramentos foram os ícones dentro do Pantheon Files (Arquivos), que agora usam o tema “Manila”.

Outros aplicativos também receberam melhorias e correções de bugs, como o aplicativo nativo de músicas (Music) e o aplicativo para fotos (Photos).

Para quem gosta de programação, o software “Code” recebeu melhorias, correções de bugs e o modo dark, opção essa que muitos devs gostam de usar, especialmente na hora de produzir códigos, levando o App para muito além de um “bloco de notas”, que era o que o antigo app “Scratch”, o qual ele veio para substituir, se propunha.

Para maiores detalhes das correções de bugs e melhorias, você pode acessar o blog da equipe do Elementary no site Medium.

Caso você queira baixar e experimentar as novidades apresentadas pela equipe do Elementary, você pode baixar o Beta 2 através deste link.

Conte para nós aí nos comentários o que você espera dessa nova do Elementary OS e se já usou a distro no seu dia a dia.

Um forte abraço e até a próxima.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como trabalhar com "SWAP FILES" no Ubuntu

Nenhum comentário

domingo, 22 de julho de 2018

Há algumas releases  o Ubuntu abandonou o sistema de SWAP via partições para usar SWAP via arquivo, isso permite uma maior maleabilidade sem precisar ficar alterando o particionamento do seu sistema e hoje você vai aprender a manipular o novo formato de SWAP.

Como manipular SWAP em arquivos






Antes de começarmos o tutorial em si, acho conveniente falarmos um pouco mais sobre SWAP, para isso recomendo a leitura de um artigo já antigo aqui do blog, mas ainda válido, é só clicar aqui, dar uma lida e depois voltar pra cá! 😉

Para sintetizar um conhecimento básico, SWAP é um termo usado para referenciar o mecanismo de "troca" que existe entre o armazenamento do  seu computador e a memória RAM. Usar SWAP pode ser útil em vário cenários e tudo depende de como você usa o computador.

Quando usar SWAP?


SWAP só será útil se você é tipo de usuário que costuma lotar a sua memória RAM utilizando aplicações pesadas, que por si só, ocupam uma boa fatia da sua RAM. Nominadamente eu poderia comentar sobre editores de vídeo, pessoas que usam muitas máquinas virtuais e assim por diante.

A SWAP também pode ser útil se você é do tipo que gosta de hibernar o seu computador, assim os dados que estavam na memória RAM podem ir para a SWAP temporariamente. Muita gente que reclamou sobre "meu Linux não volta da hibernação", provavelmente não estava usando a SWAP corretamente.

Quanto usar de SWAP?


Em todos esses anos, nessa indústria vital, eu nunca consegui encontrar uma discussão sobre isso com 100% de consenso, de modo que eu realmente não espero conseguir isso com este artigo, mas podemos tentar usar o bom senso.

Posso falar pela minha experiência, já usei computadores com muita SWAP, pouca SWAP, nenhuma SWAP e você pode ter boas experiências em todos os casos.

Quando você tem pouca memória RAM, a SWAP pode ser uma amiga muito interessante, especialmente no caso de você ter um SSD, que por definição, tende a ser mais veloz que um HD tradicional. 

Mesmo que você use um pouco mais o SSD do que usaria caso a SWAP não estivesse presente, o impacto na vida útil dele deverá ser pouco relevante, tanto que as distros (como o Ubuntu) agora estão colocando a SWAP dentro de um arquivo, independente do dispositivo de armazenamento que você use

Vamos ficar hipotéticos aqui para você ter uma noção: Se eu tivesse um computador com 4GB de RAM e usasse ele para navegar na internet, trabalhar com documentos e planilhas e editar imagens (ou seja, fazer um blog como este), colocaria 2GB de SWAP. Se eu utilizasse esse mesmo computador para edição de vídeo também, colocaria ao menos 4GB de SWAP.

Atualmente eu trabalho com uma estação de edição com 16GB de RAM e trabalho com 2GB de SWAP que raramente são utilizados.

Então, tudo depende do caso. 

Você hiberna o seu computador? Então a SWAP deve ter espaço suficiente para comportar o seu load de RAM atual. Se você for hibernar um computador que está rodando com 12GB de RAM utilizada, pode ser interessante ter uma SWAP de igual proporção ao menos, ou, claro... fechar umas aplicações antes de hibernar o computador, afinal, quanto mais SWAP você colocar, menos espaço você terá no seu disco para armazenamento. A "escolha de Sofia" é sua, analise o que será mais importante para você.

Da mesma forma, caso você use um computador de 4GB para tarefas básicas, como navegação na internet por exemplo, me arrisco a dizer que usar o sistema sem SWAP não vai te impactar tanto, desde que você não hiberne o computador. Mais uma vez, depende o seu perfil de uso. 

Geralmente as distros tentam "chutar" um valor que deve atender a maior parte das pessoas, o Ubuntu 18.10 Cosmic (Development Branch) por exemplo, adicionou um arquivo SWAP de 2GB em uma instalação que possuía 4GB de RAM físicos no meu último teste.

Para você ter uma ideia, eu estou com "muita coisa" aberta agora no Linux Mint, incluindo uma máquina virtual, Telegram, Dropbox, Chrome com 5 abas abertas, Spotify, etc, etc. E ainda assim a SWAP nem sequer está ativa nesta máquina com 16GB de RAM:

Configuração de SWAP

E por último, vale considerar também a configuração de "swapiness", que faz referência ao percentual de memória ocupada que dispara o gatilho para o uso da SWAP.

Trabalhando com SWAP Files


Particularmente eu achei interessante a mudança, ainda que ter uma memória SWAP em uma partição também possa ser útil em algumas aplicações. Um caso simples de exemplificar é a utilização de múltiplas distros Linux no mesmo computador que podem compartilhar a mesma SWAP, com SWAPFILES isso não é possível, você gasta mais armazenamento para ter o mesmo efeito.

É claro que existem pontos positivos, um deles, talvez o principal, é a maior facilidade para manipular o arquivo de SWAP, afinal, ele é um arquivo como qualquer outro, permitindo que você o apague, crie, e altere para o tamanho que você necessitar sem precisar alterar as partições, que é sempre uma operação mais delicada.

Configuração de SWAPFILES

Você encontrará o arquivo "swapfile" dentro da raiz do seu sistema, no caso o Ubuntu (tem de se observar se o seu sistema usa SWAPFILES). Observando as propriedades dele você observará que ele tem o tamanho da SWAP exibida, por exemplo, no seu "monitor do sistema".

Vamos fazer um exercício aqui de apagar este arquivo e criar um novo com um tamanho diferente, assim você aprenderá todo o processo e poderá usá-lo conforme a conveniência.

Vamos o terminalzinho, o seu amiguinho


O primeiro passo é desativar a SWAP, tenha certeza de que a sua memória SWAP não contém arquivos, ou seja, é melhor fazer o procedimento sem outras aplicações abertas. O procedimento à seguir também considera "swapfile" como o nome do arquivo de swap, que pode ser qualquer outro, então procure observar. 

Primeiro vamos desligar o SWAP neste arquivo:
sudo swapoff /swapfile
Agora que ele não está mais em uso, seu sistema está sem SWAP e ele é apenas "mais um arquivo", que você pode remover sem problemas assim:
sudo rm /swapfile 
Agora podemos criar um novo arquivo com o tamanho que quisermos para usar como SWAP, a diferença é que você não pode simplesmente criar um arquivo qualquer, ele precisa se um arquivo com espaço pré-alocado, afinal, ele precisa ter o tamanho da SWAP que você quer.

Acho que a forma mais fácil de criar um arquivo com essas propriedades é usando o utilitário "fallocate", desse jeito:
sudo fallocate -l 5G /swapfile 
sudo: Para rodar o comando com privilégios elevados.

fallocate: Nome do utilitário que vamos usar para fazer a modificação, para mais informações consulte "man 1 fallocate".

l: A letra "L" minúscula é um parâmetro que ser para especificar o tamanho do arquivo que queremos criar.

5G: Este aqui é tamanho do arquivo que você deseja criar, pode ser qualquer outro valor que você queira, a letra G serve para indicar ao programa a quantidade de Gigabytes que você deseja no arquivo, você também pode indicar o tamanho usando Megabytes se preferir, colocando algo como "5120M".

/swapfile: Essa parte final indica o diretório com o nome do arquivo que você vai usar como SWAP, você pode colocar esse arquivo em outro diretório se quiser, mas este é o padrão do Ubuntu, assim como o nome, que você poderia mudar de "swapfile" para "changeman" se quiser.

Para criar um arquivo de 2GB dentro de /mnt/ você poderia fazer assim:
sudo fallocate -l 2048M /mnt/changeman
Mas claro, vamos seguir no primeiro exemplo, ainda que ele seja menos bem-humorado. 😋 

Depois de criado o seu arquivo, você pode dar um "ls" na sua raiz para ver se o arquivo está lá mesmo. O próximo passo é opcional, mas é recomendado, pois se trata de uma medida de segurança.

Se você der um "ls -l" no arquivo "swapfiles" você verá que por padrão outros usuários tem permissão de "ler" o que estiver na SWAP, o que pode não ser uma boa ideia, por isso, convém fazer a alteração:
sudo chmod 600 /swapfile
O "/" só é necessário caso você não esteja na raiz no terminal.

Feito isso, agora precisamos transformar este arquivo em um SWAP com este comando:
sudo mkswap /swapfile
O último passo é ativar a SWAP neste arquivo:
sudo swapon /swapfile 
E é basicamente isso, se você precisar alterar novamente, é só repetir o processo. Caso o comando  fallocate não funcione é possível fazer de outro jeito também, mas você precisar criar o arquivo e encher ele de zeros para ficar do tamanho que você precisa sem outras informações, pode ser feito dessa forma:
sudo dd if=dev/zero of=/mnt/5GiB.swap bs=1024 count=1048576
Provavelmente você não precisará disso.

Com isso você já tem a sua SWAP funcionando, mas na verdade ainda podemos considerar um novo "último passo" que é configurar para que essa SWAP seja ativada durante o boot e você não precise fazer isso manualmente. 

Para que isso ocorra precisamos inserir as informações de SWAP dentro de /etc/fstab, a questão é que se você usar o mesmo nome que o Ubuntu já usa por padrão "swapfile", essa passo é desnecessário, pois a configuração já está lá corretamente, ainda assim, pode ser bom conferir se está tudo certo.

Use o editor de texto que preferir para abrir o arquivo, neste caso vou usar o próprio gedit:
sudo gedit /etc/fstab
Observe a linha que contém o "swapfile":

Configuração do SWAPFiles

Reproduza a informação da última linha do arquivo para que tudo funciona corretamente.

E claro, você também pode fazer esse passo da edição do arquivo diretamente pelo terminal:

sudo echo '/swap none swap sw 0 0' | sudo tee -a /etc/fstab
Agora que você já entendeu como funciona o "SWAPFiles" conte pra gente o que você achou, prefere SWAP em arquivo ou em partição? Por quê?
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



elementary OS Juno (Beta) está disponível para download e testes!

Nenhum comentário

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Daniel Foré, principal desenvolvedor e líder do projeto elementary OS, anunciou no blog oficial da distribuição a disponibilidade da versão Beta do elementary OS 5 Juno.

elementary OS 5 Juno






Depois de muito tempo de espera, finalmente está disponível para testes a nova versão do elementary OS. Esta nova versão do sistema é baseada na nova versão LTS do Ubuntu (18.04) e traz vários polimentos para o Pantheon Shell, a interface do elementary OS.

Os desenvolvedores do elementary informam que a versão Beta do Juno é feito exclusivamente para desenvolvedores e pessoal com habilidades técnicas para contornar eventuais problemas, pois bugs na versão beta são esperados, ou seja, usuários finais não devem cogitar esta versão Beta do elementary OS para produção.

Outro alerta que os desenvolvedores fazem é que a AppCenter, com o sistema "Pay What You Want" está com pouquíssimos aplicativos de terceiros disponíveis no momento, o que deve ser ampliado no lançamento da versão final, visto que há uma retenção proposital.

A versão final do elementary OS Juno até o momento não tem data para ser lançada.


Os desenvolvedores também alertam que o momento do Beta também é importante para a comunidade de tradutores do elementary OS, além disso, aos que desejarem testar o sistema, nas configurações em "Sobre" você encontra um botão para reportar bugs, isso vai ajudar a deixar a versão final do sistema melhor.

Você pode conferir as últimas novidades sobre o elementary OS aqui neste tópico do blog. Para saber sobre as novidades da versão Juno clique aqui.

Você pode baixar a versão Beta do elementary OS em download direto e torrent por aqui.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo Gala do elementary OS vai suportar Blur

Nenhum comentário

terça-feira, 1 de maio de 2018

Não tenho a menor dúvida de que um pouco de blur para os padrões de design atual de interfaces não faz mal. Você vai encontrá-lo em várias aplicações e em interfaces gráficas também. O elementary OS, uma das mais belas distros Linux, está investindo em um recurso que permitirá a construção de aplicativos e temas para o sistema que utilizem este recurso.

elementary OS Gala adicionando suporte para Blur






Um projeto disponível no GitHub promete entregar ao elementary OS um recurso que provavelmente será apreciado por muitos usuários da distro. O efeito de Blur que poderá ser utilizado na interface e nos aplicativos feitos sob medida para o elementary OS e distribuídos através da excelente AppCenter do projeto.

Confira um demonstrativo dos recursos:


Até o momento não existem indicações de que o recurso será implementado para o lançamento do elementary OS 5.0, Juno, mas é algo para se esperar para atualizações futuras.

O que achou do resultado?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do GIMP finalmente está disponível!

Nenhum comentário

sábado, 28 de abril de 2018

Depois de praticamente 6 anos de desenvolvimento a versão 2.10 do manipulador de imagens GIMP está disponível para download e com várias novidades interessantes, confira:

Lançado GIMO 2.10






Os desenvolvedores anunciaram a versão 2.10 do GIMP através do site oficial do programa listando os destaques desta que, segundo eles, é uma GRANDE atualização para o GIMP.

Dentre as principais novidades desta atualização temos:

- O processamento de imagem está próximo de ser completamente portado para GEGL, permitindo um melhor aproveitamento multi-thread e aceleração de hardware para o processamento dos pixels;

-  O gerenciamento de cor agora é um recurso nativo do GIMP, a maior parte das áreas de preview e widgets são gerenciáveis;

- Muitas ferramentas foram melhoradas, como a ferramenta de seleção inteligente (varinha mágica*), ferramenta de transformação, entre outras;

- Houve melhorias para os usuários do GIMP que fazem pintura digital, agora com suporte para pincéis do MyPaint e incremento de funcionalidades para facilitar a criação de desenhos baseados em simetria e rotação;

- Suporte inicial a telas de alta densidade de pixel (HiDPI);

- Novo visual, agora o GIMP tem temas nativos embutidos com o software, dando um visual mais profissional à aplicação, os temas ainda possuem variações de tonalidade, claro, escuro, cinza e uma opção que permite usar o tema gtk do sistema.

Realmente existem muitas, muitas coisas novas! Você pode conferir todas as notas de lançamento diretamente no site oficial, onde você encontra até pequenos vídeos para demonstrar a funcionalidade das novas ferramentas.

Como testar a nova versão do GIMP?


GIMP 2.10


No site do GIMP o modo "oficial" de fazer o teste é através de um pacote Flatpak, no caso do Ubuntu, será necessário rodar estes comandos para utilizar:
sudo apt install flatpak
flatpak install https://flathub.org/repo/appstream/org.gimp.GIMP.flatpakref

Instalando o novo GIMP via Flatpak

Porém, é possível instalar também via PPA, para saber como fazer isso, consulte este artigo aqui do blog.

O processo via Flatpak serve virtualmente para qualquer distribuição, consulte a documentação do seu sistema para entender como ativar o recurso, caso ele ainda não esteja ativo. Este artigo do blog sobre Flatpak pode ajudar também.

Para rodar o GIMP instalado via Flatpak no Ubuntu você deve usar este comando:
flatpak run org.gimp.GIMP
No Linux Mint, que já possui integração com o FlatHub, basta procurar pela versão do GIMP em Flatpak na loja de aplicativos ou, alternativamente, usar o PPA.

Uma coisa que vale observar é que o GIMP é um App muito comum dentro do repositório das distros, então em mais ou menos tempo ele também deverá ficar disponível para todos desta forma, geralmente distros rolling release trazem a versão antes das demais, como o Arch, Manjaro e o Fedora, que mesmo não sendo Rolling, costuma ser bem atualizado.

Um "problema" com o GIMP


O GIMP é um software excelente, que se fosse pago, seria com certeza muito caro! Não sei se você já parou para pensar nisso, mas um software da robustez do GIMP é entregue para você gratuitamente e ainda com o código fonte aberto. Incrível, não?

Estou falando sobre isso porque em meio às notas de lançamento desta nova versão do GIMP eu encontrei um dado muito curioso.

Colaboradores do GIMP

O GIMP é um projeto feito de forma completamente comunitária. Desde 1997, segundo o site, apenas em um mês (Agosto de 2003) é que o GIMP teve mais de 20 colaboradores simultâneos, 21 para ser mais exato.

Olhando a Timeline podemos ver que em vários momentos tivemos apenas 3 pessoas (em todo o mundo) ativas no desenvolvimento do GIMP, a informação mais recente é de Fevereiro de 2018, com 12 pessoas ativas.

E isso diz muito respeito a toda demora para lançar uma grande atualização como esta que temos o prazer de anunciar hoje. Uma equipe reduzida e não assalariada como esta, eu diria que o que vemos é praticamente um milagre de esforço, boa vontade e competência técnica.

Levanto este tópico porque acho pertinente a discussão em torno do assunto. Já vi muitas pessoas reclamarem do GIMP pelos mais diversos motivos, mas será que estas mesmas viram esta situação? Geralmente as pessoas comparam o Photoshop com o GIMP, mesmo com a Adobe tendo um time inteiro e muito bem pago para incrementar o Photoshop ano a ano, o pessoal do GIMP continua fazendo um bom trabalho, que para muitos usuários até ultrapassa ou no mínimo equivale ao produzido pela Adobe, e não esqueça, o programa é de graça para você, disponível nas três principais plataformas e ainda te dão o código fonte. Repito, é incrível.

Talvez com isso as críticas ao GIMP sejam mais brandas de agora em diante, porém, há outro viés que vale a pena ser comentado. Existem alguns softwares que nasceram no Linux para serem utilizados por artistas e produtores de conteúdo em todas as plataformas que encontraram seu caminho ao se organizarem de uma forma diferente.

O Blender, o Krita e até mesmo o Kdenlive são ótimos exemplos. Será que não seria importante haver uma modificação na forma com que o GIMP é trabalhado para que ele gere alguma renda para podermos ter vários desenvolvedores fixos no projeto? 

Criar uma fundação como o Blender e o Krita fizeram acabou ajudando os dois a se destacarem até fora do "mundo Linux". Se este é o caminho eu não tenho certeza, mas o GIMP merece mais atenção e depender apenas de doação e boa vontade pode até funcionar, mas leva muito mais tempo, como vimos neste lançamento que demorou 6 anos para acontecer.

Algo que nem todos pensam, mas se você gosta do GIMP e adoraria incrementar funções nele, nada impede que você trabalhe no software e crie uma empresa para prestar suporte para o mesmo, assim como muitas fazem com uma distro Linux qualquer ou outros softwares como o LibreOffice, por que não com o GIMP?

Que tal patrocinar o projeto? Quem tem realmente condição e tira proveito do GIMP poderia bancar um desenvolvedor. O GIMP poderia criar uma campanha do tipo "adote um desenvolvedor" e entregar benefícios a estes colaboradores, como suporte e criação de ferramentas para atender a necessidades dos mesmos antes. 

Talvez isso ajudasse no desenvolvimento, uma empresa como a Collabora, que trabalha com o LibreOffice, só que com o GIMP. O que você acha da ideia?

Até a próxima!

* "Varinha mágica" é nome da ferramenta de função semelhante do Adobe Photoshop, geralmente as pessoas entendem melhor do que se trata através da expressão.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


elementary OS Juno já tem muitas novidades!

Nenhum comentário

terça-feira, 3 de abril de 2018

Dentre as distros voltadas para Desktop, o elementary OS é uma das que eu mais admiro. O sistema que antes parecia apenas um "rostinho bonito", acabou criando toda uma filosofia de trabalho e é hoje uma bela plataforma para desenvolvedores Open Source.

As novidades do elementary OS Juno






Com o elementary OS 5, de codinome "Juno", os desenvolvedores da distro, que agora já formam uma pequena empresa, pretendem lapidar ainda mais o sistema e acrescer novos recursos, assim como otimizar a AppCenter, que é um dos projetos centrais do elementary.

Novidades para a versão


Existe uma infinidade de implementos a serem feitos na versão 5, Juno, começando pela própria base do sistema que passará para o Ubuntu 18.04 LTS. Tudo isso pode ser acompanhado através do Medium da equipe, onde são feitos reports frequentes de todo o trabalho.

Dando destaque as últimas modificações feitas, teremos um "Shortcut Overley" na nova versão, eu não consegui encontrar palavras em português que descrevessem com clareza do que se trata. Mas é uma tela que aparece quando você segurar pressionada a tecla "super" do teclado, exibindo todos os atalhos do sistema, assim como tínhamos do Ubuntu com Unity.

Teclas de atalho do elementary OS

Falando em atalhos, uma das novidades é que agora você poderá abrir o menu do sistema (Slingshot) pressionando a tecla "Super" também, ainda que o padrão continue sendo "Super+Espaço", imitando o comportamento do "Spotlight" do macOS.

Maior possibilidades de personalização

Melhorias nas configurações de privacidade


Assim como acabou virando tendência em sistemas para Smartphones, agora o elementary OS vai te informar toda a vez que algum aplicativo tentar usar permissões de localização, tentando localizar o usuário através de GPS ou algo semelhante, abrindo uma caixa de diálogo que permitirá ao usuário conceder esta permissão, ou negá-la.

Configuração de permissão de acesso ao GPS

Todos os apps que fizerem esse tipo de solicitação serão abrigados na sessão de "segurança e privacidade" do sistema para que o usuário possa revisar.
Configuração de permissão de acesso ao GPS

Novidades na AppCenter


Os desenvolvedores já disseram que tratam o AppCenter hoje como o coração do projeto elementary OS. Como era de se esperar, agora ela terá ainda mais recursos e um visual aprimorado para ajudar aos desenvolvedores a "venderem" seus softwares.

Novidades na AppCenter
Outra novidade é que teremos é que ao invés da aba "atualizações", teremos a aba renomeada para "Instalados", onde você poderá fazer atualizações para o sistema e instalar os drivers.

AppCenter elementary OS
A sessão de pagamentos foi agora aprimorada para facilitar o pagamento pelas aplicações, independente do valor que você queira pagar.

Ainda não temos datas para o lançamento do elementary OS Juno, mas você pode ficar ligado aqui no blog para ficar por dentro das novidades.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Stacer - Otimizador para Linux recebe novas funcionalidades

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de março de 2018

Existem vários utilitários para distros Linux que te ajudam a otimizar, organizar a fazer manutenções no seu sistema operacional. O Stacer é certamente uma das opções com funcionalidades mais completas aliadas a um visual atraente.

Stacer - Otimizador para Linux






Não é a primeira vez que o Stacer aparece aqui no blog, nós temos inclusive um vídeo para mostrar para você como ele funciona:


A versão nova do Stacer chega com um redesenho para a interface da aplicação e acrescenta novas funcionalidades.

Destaques da nova versão

Stacer - Otimizador para Linux
A nova versão possui temas claros e escuros

Ao abrir a nova versão do Stacer as mudanças são muito óbvias, chamando a nossa atenção, especialmente se comparado à versão anterior. Temos agora nas configurações a opção de usar a aplicação com um tema claro e um escuro.

Todas as sessões de monitoramento e ajustes estão agrupadas em uma coluna na parte esquerda da aplicação. Sendo que o Dashboard principal (esse da imagem acima) mostra uma espécie de "resumo" do sistema operacional e dos consumos de hardware do computador.

Outras funcionalidades do Stacer incluem um utilitário para configurar aplicações que iniciam junto com o sistema:

Stacer Linux

Ferramenta para limpar resíduos de pacotes antigos no sistema e liberar espaço em disco:

Stacer Linux

Gerenciador de serviços que iniciam junto com o sistema:

Stacer Linux

Monitor de processos que permite que você encerre os que não quiser que estejam em execução:

Stacer Linux

Monitor de pacotes de software que te mostra a quantidade instalada no sistema e permite que você os remova selecionando-os em uma lista simples:

Stacer Linux

Monitor de consumo de hardware do sistema, incluindo uso do processador, memória RAM e rede:

Stacer Linux

Gerenciador de repositórios, que além de listá-los e permitir a ativação e desativação, também permite a edição dos mesmos e a adição também.

Stacer Linux

A última aba do software te mostra algumas opções de configuração do Stacer, como em qual aba você quer que ele inicie e se você quer que ele inicie juntamente com o sistema. Além disso, é possível criar alertas para quando o uso de processador ou memória ultrapassar um determinado valor que você pode definir:

Stacer Linux

Agora, além da aplicação em si, o Stacer é capaz de criar um ícone na área de notificação, facilitando o seu acesso por parte do usuário.

Gostou da aplicação e quer testar? Basta acessar esta página e fazer o download para a sua distro. Ele tem pacotes em .deb e .rpm, além da versão em AppImage, compatíveis com sistemas de 64 bits.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ajude a financiar o projeto elementary OS Brasil!

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de março de 2018

A comunidade do elementary OS Brasil está precisando da sua ajuda para fazer um trabalho ainda mais bacana para os fãs e usuários brasileiros da distribuição.

elementary OS Brasil






O elementary OS é um projeto Norte Americano que está mudando vários conceitos de como uma distribuição Linux pode ser uma plataforma lucrativa e útil para desenvolvedores e usuários. A comunidade de desenvolvedores e usuários do sistema se espalhou pelo mundo e aqui no Brasil nós também temos vários representantes.

Para manter o projeto funcionando e criar algumas coisas novas e interessantes, como um fórum ativo para responder as dúvidas dos usuários do elementary OS aqui do Brasil, os membros do time elaboraram uma Vakinha para arrecadar fundos.

A ideia é financiar a infraestrutura de hospedagem web necessária para colocar o futuro site oficial brasileiro online, um protótipo está disponível no GitHub, além do fórum, já mencionado.

O valor a ser arrecado é consideravelmente baixo e perfeitamente possível de ser alcançado com a nossa ajuda. O valor orçado está em torno de R$ 430,00, prevendo já algumas oscilações do dólar, que compreende o pagamento de um ano de um servidor Cloud de 2GB de RAM na Digital Ocean, além do pagamento de um domínio próprio com terminação ".org".

Para doar qualquer quantia, basta acessar este site da Vakinha e fazer a sua contribuição. Com a sua ajuda a comunidade brasileiro do elementary OS será ainda mais forte.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Snaptastic - Uma ferramenta fantástica para gerenciar pacotes Snap

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de março de 2018

Enquanto os pacotes Snap e Flatpak ficam mais famosos, começam a surgir ferramentas para melhorar a usabilidade desse tipo de pacote. A ferramenta que você vai conhecer agora é o "Snaptastic" ela foi produzida especialmente para o elementary OS com o novo SDK da distro, distribuída através do AppCenter do elementary OS com o preço sugerido de 3 dólares, mas que como você pode baixar gratuitamente também se quiser.

Snaptastic elementary OS






A GNOME Software (especialmente no Ubuntu) já possui integração nativa aos pacotes Snap, no entanto, assim como mostramos neste artigo, os pacotes são compatíveis com todas as distros e com o elementary OS não seria diferente. O "problema" com o elementary OS é que ele não usa a mesma central de software do Ubuntu (GNOME Software), apesar de poder ser instalada pelo próprio AppCenter do elementary, por isso, gerenciar os pacotes Snap sem instalar o GNOME Software vai restringir o usuário ao modo texto ou através da utilização de ferramentas como o SnapWeb.

A boa notícia é que graças ao programa de "pague o quanto quiser" do elementary OS, a cada dia mais desenvolvedores estão colocando esforços para elaborar programas para o sistema com um visual que encaixe com o restante da interface, criando uma experiência lucrativa e ajustada, tanto para quem usa as ferramentas, quanto para o desenvolvedor. Neste ambiente é que nasceu o "Snaptastic", uma ferramenta que permite que você instale pacotes Snap no elementary OS com poucos cliques.

Snaptastic

Você pode encontrar o Snaptastic no próprio AppCenter do elementary OS e você pode pagar por ele (ou não) para instalar. Uma vez instalado, assim como o aplicativo Eddy do sistema para instalar pacotes .deb, você pode baixar arquivos Snap direto do site Snapcraft para instalar no elementary.

Spotify via Snap

A integração com a Snapcraft Store é tão bacana que você pode instalar os Apps de lá sem baixar os arquivos, basta clicar no botão "install" que existe no site e o Snaptastic vai reconhecer a chamada e instalar os Snaps automaticamente.

Snaptastic

Basta clicar novamente no botão "Install" em azul e digitar a sua senha para instalar qualquer aplicação. Quando você fizer a instalação de algum programa pela primeira vez você precisará aguardar um pouco mais pois será necessário fazer a configuração básica do sistema para ele rodar os Snaps  (configurar e instalar o snapd e o core do Ubuntu) antes da instalação propriamente dita, os demais serão muito mais rápidos.

gerenciado Snaps

Você pode gerenciar os Snaps que forem instalados facilmente pelo Snaptastic também, atualizá-los ou removê-los conforme você quiser.

Vale a pena usar os Snaps no elementary OS?


Usar ou não usar é algo puramente pessoal, mas visto que a adição de PPAs é desativada por padrão, ainda que você possa ativar, ter acesso a mais alguns softwares sem precisar digitar comandos ou fazer algum ajuste mais profundo no sistema é algo bem-vindo.

Softwares como o Spotify, Skype, Simplenote, entre outros (que eu gosto muito) não fazem parte da AppCenter do elementary OS atualmente, mas fazem parte da SnapStore, então esta é uma forma bacana de conseguir instalar estes softwares de uma forma simples, sem fazer gambiarras.

Muitos desenvolvedores estão apoiando o formato da Canonical, como Microsoft e Spotify, então é bom saber que podemos integrá-los ao elementary OS também sem maiores problemas.

* Os ícones de atalho no menu do sistema só apareceram depois que eu fiz logoff no sistema e me loguei novamente, então #ficaadica.

Saiba mais sobre o Snaptastic no GitHub.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



O elementary OS para 2018 - Novidades

Nenhum comentário

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Eu gosto muito do projeto elementary OS, a distribuição, além de um visual atrativo, vem criando várias coisas que beneficiam o mundo open source de forma geral, para mim, a Central de Aplicativos "pague o quanto quiser" foi um dos melhores projetos deste ano. Mas com 2017 chegando ao fim, está na hora de pensar no futuro.

elementary OS novidades para 2018






Existem várias implementações que devem ocorrer no próximo ano. Com o lançamento do Ubuntu 18.04 LTS, a base do elementary OS 0.5, codinome "Juno", deverá mudar, juntamente com as versões de praticamente todos os outros pacotes.

Teremos a chegada de um novo instalador para substituir o Ubiquity (atualmente provindo do Ubuntu), esse instalador é o mesmo utilizado atualmente pelo Pop OS da System76, que foi desenvolvido justamente com o apoio da equipe do elementary.

Instalador do elementary OS

Teremos melhorias em vários aplicativos do sistema e alguns também talvez deixem de receber suporte, como o aplicativo de música, visto que atualmente poucas pessoas precisam de um software desse tipo, especialmente por conta de serviços de streaming como Spotify e Deezer.

Existem uma possibilidade de implementação do Wayland como servidor gráfico, no entanto, algumas aplicações ainda precisam ser compatibilizadas. O X.org ainda deve ficar no mundo Linux por um bom tempo, mas a migração é importante. Talvez no próximo ano teremos os primeiros testes.

Outra aplicação que continuará recebemos atualizações e melhorias é o AppCenter, coração do projeto elementary OS. Uma das mudanças previstas está no comportamento de sugestão de pagamento para os desenvolvedores, que deve acontecer também quando as aplicações forem atualizadas.

A paleta de cores dos ícones do sistema também receberá uma atenção extra, assim como os ícones em si, alguns deles podem receber animações, como o ícone de notificações, onde o sininho vai "soar" quase que literalmente:

Notificação elementary OS


Você pode encontrar mais informações sobre o elementary OS e os projetos que estão nos planos da distro no blog oficial.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo