Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador empresas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador empresas. Mostrar todas as postagens

Canonical procura novo engenheiro para trabalhar com Ubuntu Desktop

Nenhum comentário

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

A Canonical, empresa que desenvolve a distro Linux Ubuntu, anunciou que está com vagas abertas para novos profissionais que devem ajudar a melhorar o sistema operacional, para ser mais específico, a vaga é para Software Engineer para o time de desenvolvimento do Ubuntu Desktop.

Canonical procura por Engenheiro de Sofware






Para quem imaginava que a Canonical estava deixando o Desktop do Ubuntu de lado, uma vaga para esta função mostra que empresa ainda se preocupa com o segmento que o deu tanta popularidade a distro. Segundo o anúncio, a empresa busca um engenheiro de Software para se unir ao time de Desktop do Ubuntu. 

Essa equipe é responsável por entregar o Ubuntu para computadores tradicionais e usuários domésticos, que é, segundo as palavras do anúncio, "um dos mais populares sistemas operacionais baseados em Linux da atualidade", afirmando que "o Ubuntu prima por ser o melhor sistema operacional baseado em Open Source da existência", nas palavras da Canonical.

Um dos desafios particulares do "Ubuntu Desktop Team" é manter todos os pacotes que a empresa suporta atualizados e com alta qualidade de funcionamento e segurança, desde pacotes que fazem referência a coisas mais básicas do sistema, como gestores de rede, bluetooth, gerenciadores de áudio, até a própria interface GNOME Shell e as aplicações do ecossistema GNOME.

A anúncio afirma que um engenheiro de software bem sucedido no cargo deve ver o futuro do Ubuntu com paixão e ter um "mindset" ajustado com os ideais do modelo Open Source, ao mesmo tem que precisa ter uma ampla e inovadora organização, ter uma boa comunicação. Segundo o anúncio, ser bom em relacionamentos é tão substancial quanto ser muito bom tecnicamente. 

O trabalho também envolve em fazer algumas viagens por ano, geralmente com duração de uma semana inteira. O trabalho pode ser feito de qualquer home office, em qualquer lugar do mundo, porém, se a pessoa morar na Europa ou estiver na costa leste dos EUA (ou no mesmo fuso horário) seria preferível.

Sobre as principais responsabilidades do cargo


A vaga lista algumas funções que o candidato(a) deve cumprir para exercer a função na empresa, como:

- Acompanhar e fazer a manutenção de alguns componentes centrais do Ubuntu Desktop, como alguns já mencionados anteriormente no texto. Isso envolve debugar problemas complexos de qualquer tipo de pacote que o Ubuntu e Canonical suportem, além de trabalhar diretamente com as equipes de desenvolvimento Upstream, como o time de desenvolvimento do GNOME;

- Garantir que os trabalhos sejam feitos com performance e qualidade;

- Trabalhar com os pacotes Snap, ferramentas que envolvam os pacotes Snap e a integração deles com o Ubuntu Desktop;

- Trabalhar com outros times da Canonical para entregar as funções acordadas pelo desenvolvimento e ajudar a levar essas funções para o Ubuntu Desktop em cada lançamento, a cada seis meses, dentro do cronograma.

- Quando necessário, trabalhar respondendo a assuntos e problemas envolvendo usuários finais e usuários comerciais da empresa.

Habilidade requiridas e experiência


Toda vaga de emprego tem alguns pré-requisitos e elementos que são bem vistos e/ou obrigatórios, para este caso não seria diferente. Coisas que serão observadas na hora de contratar um novo funcionário:

- Uma clara paixão pelo futuro do Ubuntu;

- Uma demonstração clara de contribuição com algum projeto Open Source;

- Uma boa experiência com C/C++, preferencialmente em algum projeto Open Source;

- Conhecimento em tecnologias que formam o Ubuntu Desktop como o GNOME, D-Bus, Xorg/Wayland, etc;

- Estar a par de ferramentas open source de desenvolvimento e das metodologias utilizadas para a criação do Ubuntu, como o Git, o Launchpad, o empacotamento em .deb, apt, dpkg, debhelper, etc;

- Excelente lógica, capacidade de resolver problemas e habilidade de análise de bugs;

- Inglês fluente, especialmente Inglês técnico;

- Estar confortável com comunicação online e colaboração através de listas de e-mails, IRC e Wiki;

- Habilidade de ser produtivo em um projeto globalmente distribuído, sendo disciplinado em relação a motivação, acordos de entrega e prazos.

Além destes itens, existem também alguns que são especialmente bem vistos e podem contar como "um pontinho a mais" para o candidato:

- Experiência com a comunidade GNOME;

- Já ser um desenvolvedor Debian ou Ubuntu;

- Estar desperto para metodologias e ferramentas de desenvolvimento ágeis.

Se você gostou da ideia de trabalhar com o Ubuntu, você pode submeter a sua candidatura através deste site.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Trabalhando com revenda de servidores Linux

Nenhum comentário

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Meu pai sempre dizia que “o cavalo não passa selado duas vezes”, fazendo referência a não perder oportunidades, não é bem o caso do artigo de hoje, afinal, você não simplesmente perderá uma oportunidade, o que não faz ela menos interessante e proveitosa.

Em tempos onde todos buscam uma renda extra, paralela, e que ajude nas finanças, empreendedores podem deixar uma oportunidade como esta passar por falta de conhecimento, e ninguém quer isso, certo?

Revenda de Servidores Linux






Revenda de servidores é um recurso que existe há bom tempo e é muito acessível, talvez mais do que você imagine, permitindo que você comece a sua própria empresa.



Não é incomum recebermos currículos de pessoas aqui no Diolinux, muitas delas estão justamente em busca da dita “renda extra”, e de preferência, sem sair de casa. Existem muitas formas de trabalhar o empreendedorismo digital hoje em dia, a revenda de hospedagem pode acabar sendo uma solução interessante e viável para várias pessoas com algum conhecimento nesta área, por isso, vamos explorar um pouco mais este assunto.

O que é revenda de servidores?


Se fossemos comparar com carros, seria algo parecido com táxis ou o Uber. Imagine que você tem uma frota de carros, você aluga estes carros para outras pessoas dirigirem e outras pessoas alugam os carros para serem transportadas, esses seriam os passageiros.

No caso da revenda de servidores, temos uma empresa que possui uma imensa infraestrutura para atender seus clientes diretamente, mas tem tanto desempenho, espaço e estrutura “sobrando” que pode se dar ao luxo de alugar parte da sua infraestrutura para que outras pessoas revendam e tomem conta. De forma simples é isso que acontece com a revenda da HostGator por exemplo, mas é claro que existem mais detalhes por trás disso.

Geralmente os clientes da HostGator estão em busca de uma boa hospedagem, mas e se você comprasse servidores para você vender para os seus clientes? Como isso é possível?

É exatamente aí que entra o plano de revendas. Você pode comprar o acesso a um painel de controle que te dá possibilidade de gerenciar o seu próprio serviço de hospedagem, criando planos diferenciados para oferecer para os seus clientes, incluindo preços diferenciados.

Uma chance para profissionais e não profissionais


É interessante observar que se você é um SysAdmin com experiência, que está desempregado ou quer uma renda extra, ou alguém que simplesmente gosta de trabalhar com Linux, servidores e relacionados, esse tipo de ferramenta pode cair como uma luva.

Profissionais de TI

Afinal, você até pode não ter acesso físico aos servers, mas por um preço consideravelmente baixo você consegue ter acesso a uma infraestrutura sólida sem precisar se preocupar com espaço, refrigeração, hardware, ou qualquer outra coisa, podendo focar no seu negócio.

Para pessoas com menor experiência ou em busca de um primeiro emprego, ao invés de esperar que algo caia do céu, pode ser uma chance de criar o seu próprio empreendimento.

Na cabeça das mentes criativas a revenda de servidores de hospedagem pode ser ou não o seu produto principal. Um desenvolvedor pode oferecer o seu próprio serviço de hospedagem, com seu logotipo, seu DNS com nome personalizado para o seu cliente como um extra, afinal, ele iria precisar trabalhar com alguma hospedagem de qualquer forma, por que não alguma que ele mesmo controle, não é?

Para facilitar, dentro da HostGator, para o caso das pessoas sem experiência, você pode usar o criador de sites que nós mostramos em um outro vídeo do canal para aumentar ainda mais as possibilidades de levantar algum valor.

Reconhecendo o mercado e atuando


Vamos precisar fugir um pouco do meio técnico da revenda de servidores para entender a implementação do empreendedorismo relacionado a isso. Podemos “pintar” vários cenários diferentes para trabalhar neste ramo, por isso é difícil especificar algum com todas as variáveis possíveis, entretanto, vou dar um exemplo perfeitamente aplicável na cidade onde eu moro, tenho certeza que muitos leitores do blog se encontram em uma condição semelhante.

Analisando o mercado


Minha cidade é pequena, tem um fluxo de pessoas que gira em torno de 60 mil, sendo que 40 mil pessoas são consideradas pelo senso estatístico como “fixas da cidade”. É um pouco atrasada tecnologicamente de forma geral, existem sim, várias pessoas e empresas por aqui que trabalham com primor no setor, mas de forma geral, o povo é leigo do assunto. 

Para se ter uma ideia, existem empresas de informática na cidade que ainda usam Ubuntu 8.04 em seus servidores e que não conseguem fazer nada além de formatar computadores com Windows, se precisar trocar uma peça, provavelmente terá de procurar outro local. Todos buscam redução de custo, otimização e performance, mas a maior parte não sabe onde encontrar isso.

Olhando para este cenário, eu vejo um potencial imenso de exploração, se eu fosse bater de porta em porta, eu reconheceria que (chutando), no mínimo 60% das empresas tradicionais da cidade não possui sequer um site, muito menos tem preocupação com hospedagem, DNS, SEO, etc, etc.

De modo que alguém que decidir atuar na área de revenda de servidores por aqui pode ser uma boa vantagem, oferecendo serviços completos e uma estrutura de primeira, como a da HostGator, podendo colocar valores diferenciados, afinal, vale a lei da oferta e da procura, mas além disso, uma coisa que pode ser considerada um grande diferencial numa cidade com este perfil, o fornecedor do serviço está perto. Por incrível que pareça, ainda existem muitas pessoas conservadoras quando se trata de confiar em serviços de pessoas que não moram na mesma cidade, qualquer que seja o serviço.

É claro, uma revenda não se limita a sua cidade, trabalhando através de meios digitais “o céu o limite”, inclusive internacionalmente, entretanto, nesse caso você deve criar um combo para ter alguma relevância, saindo do modo local de trabalho você pode acabar concorrendo diretamente com outras empresas, incluindo a própria HostGator, de modo que o serviço que você oferecer precisa contar alguns diferenciais, como por exemplo, você cria um site básico para o cliente, você oferece suporte via WhatsApp, você trabalha com design e pode criar identidades visuais, etc. Aqui cabe a sua criatividade.

Nada é fácil, tudo é possível.

As ferramentas disponíveis


O pessoal da HostGator é um grande parceiro aqui do blog e eles nos forneceram acesso a essas ferramentas para revenda dentro do plano médio, mas pelas comparações que podem ser feitas, até mesmo os planos básicos podem servir.

O Serviço


Na modalidade de revenda, você pode hospedar vários sites diferentes no mesmo plano e eles possuem algumas diferenças entre si que vamos comentar logo mais. Apesar de eu estar falando de empreendimento aqui, esse tipo de plano pode servir também para quem precisa simplesmente hospedar muitos sites, tornando-se mais viável do que ter uma conta diferente para cada, menos boletos, menos complicação, mais eficiência.

Falando de recursos, ao se tornar um revendedor de sites na HostGator, você poderia criar um site para a sua revenda gratuitamente através da ferramenta de criação de sites automatizado da empresa, mas é claro, você também pode colocar o seu site você mesmo no ar. Outra coisa legal é você pode ter um e-mail com o seu domínio e oferecer isso aos seus clientes também. Como eu já havia mencionado antes, esses planos de revenda também permitem que você crie planos próprios, com os recursos que desejar, para vender pelo preço que desejar, dando-lhe muito controle sobre o seu projeto.

Como você terá apenas acesso remoto ao hardware dos servidores, o suporte funciona 24 horas por dia, 7 dias por semana para te ajudar, tirar as suas dúvidas, ou, enfim, lhe dar suporte. :D

Ferramentas gratuitas


Uma das coisas mais legais, de longe, é o acesso ao WHM da HostGator de forma grátis, ele é o painel de controle simples e intuitivo que lhe permitirá gerenciar a sua empresa de hospedagem. Você pode, através dele, oferecer aos seus clientes acesso aos seus próprios cPanel, para que os mesmos criem e modifiquem seus sites, gerenciem seus domínios e subdomínios, contas de e-mail e mais, tudo isso sob o seu controle. Além disso, por lá você pode configurar coisas adicionais que você pode querer oferecer aos seus clientes, como domínios grátis, certificados SSL, etc. Tudo isso é escalável, ou seja, na medida que o seu negócio crescer, você pode expandir ainda mais mudando de plano e quem sabe chegar ao ponto de receber um plano especial, específico para a sua necessidade.

Além de tudo o que foi comentado até agora, o plano de revenda de hospedagem da HostGator também possui as seguintes funcionalidades, recursos e garantias:

  • Domínios, subdomínios, contas de e-mail, bancos de dados MySQL e contas FTP ilimitadas;
  • Painel de controle de fácil utilização;
  • 99,9% de uptime garantido, para o seu projeto não sair do ar;
  • Servidores de DNS privados, com base no seu domínio.

Várias coisas são grátis também no plano deles, que em outros lugares geralmente é pago, como:

  • Criador de sites;
  • WHMCS para gestão de clientes e cobranças;
  • Revenda de domínios na Reseller Club;
  • Certificado SSL, etc.

Já dentro do seu painel de controle WHM você pode:

  • Criar os seus planos com diferentes armazenamentos, tráfego mensal, entre outros;
  • Monitorar o Status do Servidor;
  • Modificar senhas, DNS, criar e excluir contas;
  • Customizar o painel de controle do seu cliente com o seu Logo;
  • Trabalhar com clusters e mais.

Através do cPanel você pode usar o instalador automático da HostGator e criar a instalação base para lojas virtuais, blogs, sites, fóruns, criar formulários e outros. Você terá acesso a  estatísticas com site através do AWStats, Webalizer, logs de acesso e também os de erro.

Quem é programador vai gostar de saber que você tem fácil acesso a um número ilimitado de bancos de dados MySQL com acesso ao phpMyAdmin, além de linguagem de programação com CGI, Fast CGI, PHP, Ruby (on Rails), Perl, Python, entre outras mais, ainda existem os módulos de programação como Curl, CPAN, lib GD e ImageMagick e para finalizar, você pode controlar tudo isso via SSH e ainda agendar tarefas via Cron (Manjar de Linux é uma boa nesse caso, eles geralmente usam CentOS como distro).

Tudo isso que foi mencionado até agora entra no suporte ao cliente da HostGator, você só terá que se preocupar em dar suporte para os seus próprios clientes. Ainda temos a parte de cuidado ambiental, a HostGator investe em energia Eólica para neutralizar as suas emissões de carbono, além de comprar créditos de energia renovável

Se você chegou até aqui…


… é porque o assunto lhe chamou a atenção, e não é para menos, realmente é uma ótima oportunidade com baixo risco, se “tudo der errado”, você simplesmente encerra a sua conta e não tem milhares de dólares em hardware parado.

Para deixar as coisas ainda melhores, através do Diolinux você terá acesso a uma oferta para revenda de servidores na HostGator ainda melhor, ao acessar os planos de revenda da empresa, na hora de fechar a sua compra, insira o cupom “DIOLINUX”, sem as aspas, e você terá 50% de desconto para experimentar e começar o seu novo empreendimento.

Em caso de dúvidas, entre em contato com o suporte da HostGator, são vários atendentes, fóruns, com artigos e tutoriais em vídeo sobre cada produto para te ajudar, e você ainda tem o sistema de tickets.

Boa sorte, até a próxima! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


SIGE Lite - Um software ERP completo e grátis para Linux, Windows e macOS

Nenhum comentário

terça-feira, 5 de junho de 2018

Dizem que um dos segredos do sucesso de qualquer negócio está na forma com que ele é gerenciado. Nas mãos de alguém que não tem a empresa "na ponta dos dedos" até as maiores franquias do mercado podem definhar. Nesse "meio campo" é que entram softwares do tipo ERP (Enterprise Resource Planning) para ajudar a organizar e planejar as empresas e os negócios, assim, ter sucesso ou não passa a ser uma questão de ter um bom produto e um bom marketing.

Sige Lite - ERP Grátis para Linux Windows e macOS






Algo que sempre pediram muito aqui no blog foi para que eu escrevesse sobre algum software bacana para essa finalidade de gerenciamento empresarial e que rodasse também no Linux. Pois bem, acabei de encontrar um incrivelmente fácil de usar e com vários recursos, o Sige Lite.

Sige Lite Download

Por ser multiplataforma você pode considerar um ambiente misto de empresas com sistemas diferentes e ainda assim poder utilizar a ferramenta sem maiores problemas.

Acessando o site oficial você pode baixar o aplicativo para o seu computador, no caso do Linux ele é distribuído em AppImage, um formato cada vez mais popular, portátil e que funciona em qualquer distribuição.

Para rodar o aplicativo em AppImage basta ter certeza que ele está com permissões de execução nas propriedades do arquivo e executar dando dois cliques.

Sige Lite no Linux

Sige Lite no Linux

Uma vez instalado você vai poder logar-se com a sua conta ou criar uma conta para usar a ferramenta de forma gratuita.

Criando uma conta no Sige Lite

Criando uma conta no Sige Lite

As informações colocadas na hora da criação da conta serão utilizadas como base de informações no ERP, mas como trata-se de um software capaz de emitir notas fiscais, é interessante gastar um tempo nas configurações do programa para preenche-lo completamente.


Ao se logar, a primeira tela que você verá é uma Dashboard muito intuitiva, ela lhe dará acesso as informações mais importantes da sua empresa:

Sige Lite


Você pode cadastrar pessoas e produtos facilmente, você tem um calendário que pode conter informações sobre lançamentos que precisam ser feitos, faturamento e gastos, tudo isso de uma forma muito visual e fácil de compreender.

Temos aqui algumas imagens de exemplo com alguns dados fictícios para que você possa visualizar melhor o funcionamento da aplicação.

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Além de ter clareza quanto a contas à receber e à pagar, você também pode cadastrar contas bancárias diversas para destinar valores.

Site Lite ERP

Há também o sistema de emissão de nota fiscal de forma simples, completo, grátis e que funciona mesmo sem acesso à internet, ou seja, chega de colocar a culpa "no sistema" por não poder finalizar a venda.

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Você tem também um módulo de PDV completo para fazer as operações de venda ao cliente.

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Site Lite ERP

Site Lite ERP

E como você pode ver, é possível gerenciar os clientes, adicionando informações pertinentes a cobrança, observar vendas, entre outras coisas.

Recursos avançados e outras funcionalidades


Uma novidade muito interessante que surgiu na última atualização do Sige Lite foi a integração com o sistema de recebimento do Mercado Pago, muito popular dentro do Brasil, criação do Mercado Livre.

O Sige Lite tem essa versão completamente grátis, mas existe uma versão premium por um valor bem em conta, com mensalidades à partir de pouco menos de RS 90,00 que te oferece alguns recursos interessantes. Tudo isso que você viu até agora está na versão grátis, na versão premium você tem acesso ao Sige Cloud, o servidor de sincronização em nuvem da empresa que o desenvolve, garantindo que os seus dados estejam sempre a salvo. O modo premium também permite acesso a relatórios de cada segmento, podendo ser exportado em PDF ou em planilhas compatíveis com o Microsoft Excel ou com o LibreOffice Calc, além de, é claro, ter suporte por parte da empresa, coisa que a versão grátis não possui.

É bom observar que alguns dos recursos listados aqui estão disponíveis somente na versão paga, mas podem ser extremamente úteis, como:

- Gestão Financeira;
- Gestão de Vendas;
- PDF com Cupom Fiscal Eletrônico;
- Gestão de Estoque;
- Gestão de Serviços;
- Gestão de Compras;
- Gestão de Fiscal;
- NF-e de Exportação;
- Documentos Personalizados;
- Gestão de Contratos;
- Gestão de Produção;
- Gestão de CRM;
- Relatórios;
- Central de Integrações;
- Integração com Google Apps;
- Gestão de Expedição;
- SIGEP Web - Correios;
- Gestão de Tarefas;
- Gestão de Frotas;
- Gestão de RH;
- Gestão de arquivos;
- Sistema Online e mais.

Você pode ler mais detalhes sobre as funcionalidades na página oficial, lá os desenvolvedores explicam cada detalhe com maior clareza.

Mesmo sem assinar a versão premium, você tem bastante material de apoio para utilizar a ferramenta com uma Central de ajuda completa e uma playlist no YouTube com vários vídeos relacionados ao funcionamento e apresentação da ferramenta.

Acho que hoje eu finalmente consegui preencher uma das lacunas de informação que perdurava aqui no blog há anos, um bom software ERP! Missão cumprida pelo visto! :)

Espero que a informação tenha sido útil para você, até uma próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft encerrando suporte ao Windows 10 Para empresas?

Nenhum comentário

quinta-feira, 10 de maio de 2018

No dia 30 de Abril foi lançada a última atualização do Windows 10 para usuários corporativos. Isso significa o fim do Windows?

e-o-fim-da-estrada-para-o-windows





Se você disse que sim, você está completamente enganado. De acordo com o site IDGnow, a Microsoft encerrou o suporte de seis meses do Windows 10 para usuários corporativos com o lançamento da atualização de recursos no dia 30 de Abril. Essa nova versão teve seu suporte reduzido de 24 meses para 18 meses (até Novembro de 2019).

Na minha opinião, está parecendo o modelo de desenvolvimento do Ubuntu onde se tem as versões que são lançadas a cada seis meses, sendo entre Abril e Outubro de cada ano, e que continuam recebendo um pequeno suporte após o lançamento de cada nova versão; e temos a versão com suporte a longo prazo.

Até mesmo os números das versão ficaram com certo aspecto parecido, mudando somente as datas e a exclusão do "." entre ano e mês. Enquanto no Ubuntu temos 16.04, 16.10, 17.04, 17.10 e 18.04, no Windows temos 1511, 1607, 1703, 1709 e 1803.

À partir desta data, quem quiser continuar recebendo as atualizações poderá conseguir estendendo o seu suporte pago (que não foi revelado nem valor e nem para quais versões).

De acordo com o site Pureinfotech, dentre as melhorias desta atualização está a correção de filesystem e de desempenho. Porém, de acordo com Stephen Philip no link de respostas da própria Microsoft, essa atualização causou problemas em vários usuários.

Será que isso não se trata de um plano de adaptação a mudança? Pelo o que parece, sim. Vamos ver o que vai acontecer.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como um mau logotipo pode afetar a sua loja virtual

Nenhum comentário

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Um dos assuntos que eu mais gosto e mais tenho estudado nos últimos anos é Marketing Digital. É um mundo fantástico, estudar esses assuntos ajuda a qualquer empreendedor ou curioso na área a elaborar QUALQUER projeto melhor, não somente empreendimentos digitais. Hoje vamos falar sobre um assunto extremamente delicado, o seu logo!

A importância dos logotipos





Muitas empresas ainda não perceberam que para ter uma loja virtual de sucesso, é importante apostar em diversas questões, nomeadamente o design do logo (que deve ser a primeira coisa a ser feita) e no design e simplicidade da loja. O cliente precisa encontrar o que está procurando com poucos cliques. Depois que eu comecei a desenvolver a DioStore este tipo de preocupação aumentou e as melhorias devem ser contínuas.

O seu logotipo pode afetar a sua loja online?


Você reconhece os logos que eu coloquei na primeira imagem do artigo? Sim? Então eles estão cumprindo a sua função. A ideia de um logo, além de passar determinadas sensações através de cores e formas, é também gerar identificação, afinal, sempre que as pessoas verem o seu logo, vão lembrar do seu trabalho, ou pelo menos, esta é a ideia. Um dos motivos do logo da DioStore ser da forma que é, consiste em justamente passar a associação que ela tem com o blog.

Sim. A verdade é que embora cada vez mais seja possível criar logos online de forma gratuita, muitas empresas não percebem o quanto a criação de um mau logo afeta as suas lojas virtuais, independente da ferramenta.

A grande maioria das empresas (principalmente PME, ou seja, Pequena e Média Empresa) têm um logo mal feito, o que afeta negativamente a sua imagem junto de potenciais clientes. Muitas vezes feito pelo famigerado "sobrinho que estudou photoshop". Você já deve ter visto algumas pérolas na sua cidade, certo?

Isto acontece, essencialmente pela falta de investimento nas estratégias de marketing, seja por falta de orçamento ou pela inexperiência mesmo. Talvez eu não possa te ajudar diretamente a gerar orçamento para investir nisso, mas ao menos vamos tentar tirar um pouco da sua inexperiência.

Lembre-se que o logotipo é o rosto visível da empresa e é a primeira impressão que os clientes têm sobre a marca. O design de um logo fala não apenas da atividade da empresa, mas também de seus valores. Assim sendo, e especialmente no caso das PME, a empresa deve encontrar um equilíbrio entre sua essência e a imagem que quer transmitir.

Independente de que ferramenta se use na produção, Photoshop, GIMP, Inkscape, Corel, Illustrator, seja lá o que for, até mesmo editores online, que hoje em dia já tem muita qualidade, é preciso fazer um estudo preliminar de imagem, cor e tipo de letra, tudo deve ser realizado com calma e reflexão para criar uma coerência visual entre todos esses elementos, tornando o logotipo perceptível em qualquer escala. Na dúvida pesquisa na internet, contrate um profissional, peça ajuda para quem já desenvolve um trabalho.

Como fazer um bom logo

Criando uma loja virtual que venda!


Pois bem, depois de ter o seu logo criado, está na hora de criar a sua loja virtual grátis. Sim, atualmente pode-se criar a e-commerces de forma gratuita e mesmo assim ter a qualidade de um site pago, desenvolvido por profissionais, até porque, estes produtos semi-prontos também foram feitos por profissionais. O único detalhe que você deve se atendar é se estes serviços vão entregar todos os recursos que você necessita para o seu produto. A DioStore por exemplo funciona assim, nosso maior diferencial é o produto, a plataforma só tem a função de criar o intermediário entre você e a gente, por isso ela deve simplesmente funcionar.

É importante colocar na ponta do lápis os valores que serão investidos ao trabalhar com uma plataforma pronta ou com uma sob medida, os valores podem ser inicialmente bem diferentes, mas pense no longo prazo. Eventualmente aparecerão diferenciais. Em caso de lojas feitas sob medida, pense no curto do desenvolvimento, manutenção e hospedagem, além dos recursos da própria plataforma. Geralmente serviços prontos são mensalmente mais em conta, mas podem não oferecer o que você precisa, fique atento e escolha a opção que se adapta melhor as suas necessidades.

É importante que tenha em conta que o design da sua loja deve ser coerente com o seu logo. Por exemplo, se o logo é amarelo, branco e preto, estas são as cores base que devem vigorar no site, isso se chama "paleta de cores", não vá misturar as cores colocando laranja e azul por exemplo com o logo amarelo, branco e preto, essa  mistura só deu certo com a banda Restart e por pouco tempo. #FicaaDica

Observe a concorrência, observe lojas grandes, Walmart, Amazon, e veja o quão "simples" são seus sites. Desta forma, acaba por ser mais simples manter a identidade visual da sua marca, e transmitir uma imagem cuidada aos consumidores, o que, obviamente vai ajudar nas vendas, dando aquele "feeling" de seriedade ao negócio.
Além da identidade visual da sua loja online, é também preciso que tenha imenso cuidado (e que perca algum tempo) para escrever a descrição de cada um dos seus produtos, assim como, colocar fotografias de qualidade. Pense sempre em o que você olha nas lojas antes de comprar os produtos e seja exigente e dedicado.

Com essas técnicas será mais simples aumentar o ranking do seu negócio no Google (através de técnicas de SEO na escrita das descrições e do próprio site), e consequentemente ganhar notoriedade e aumentar as vendas. 

Lembre-se que embora o logo e a loja online possam ser criados gratuitamente, é importante que se "perca" algum tempo para realizar os estudos comentados e a fazer testes, de forma a perceber quais as melhores opções. 

Esse campo de estudo é imenso e existe "muito pano pra manga aqui", mas estas são algumas dicas que eu posso passar para você neste momento, dicas que me teriam sido muito úteis quando eu decidi me aventurar por este campo. Quem sabe, se podemos publicar mais conteúdos semelhantes, no futuro, não é? Se você gostou, basta comentar.

Comente e compartilhe! Participe! Qual a sua opinião sobre o assunto?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


7 distribuições Linux que você pode usar na sua empresa

Nenhum comentário

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

As distribuições Linux são versáteis, existem sistemas para todas as finalidades, desde uma distro para ser utilizada no computador da secretaria ao seu servidor onde serão armazenados os preciosos dados da sua empresa. Vamos mostrar aqui 7 distribuições Linux que são comumente utilizada nas empresas e que você pode utilizar na sua também.

7 distros Linux para a sua empresa




A nossa lista não vai necessariamente do melhor para pior, ou o inverso, afinal, tudo isso é bem relativo a sua necessidade. Vamos focar em mostrar sistemas que são robustos e amigáveis o suficiente para atender a demanda empresarial, considerando estabilidade, acessibilidade, compatibilidade e suporte como características primordiais, vamos lá?

1 - Red Hat Enterprise Linux (RHEL)


Red Hat Enterprise Linux



A Red Hat é uma das mais famosas e sólidas empresas que trabalham com Linux. A empresa e o a sua distribuição, o Red Hat Enterprise Linux, além de ser influenciadora de outros projetos como o CentOS e o Fedora, é a escolha de muitas empresas para serviços profissionais, especialmente graças ao suporte. Certamente é uma escolha boa para o seu negócio, porém, os serviços da Red Hat não são dos mais baratos, por isso, muitas pessoas optam pela próxima distro da nossa lista.


2 - CentOS


CentOS

Bom, não há tanto o que acrescentar aqui. O CentOS é basicamente o Red Hat, só que sem a Red Hat com seu suporte e programas específicos por trás. Muitas empresas acabam optando por ele pelo seu custo zero e por ter basicamente as mesmas qualidades da distribuição "do chapéu vermelho", bastando assim investir da equipe técnica que vai cuidar do sistema. Ele também normalmente é utilizado em servidores.


3 - SUSE Linux (openSUSE)


SUSE Linux

SUSE é uma das distribuições Linux mais antigas, assim como o Red Hat, sua história está mesclada com os primeiros passos no Linux no mundo empresarial. Não tão popular no Brasil, o SUSE faz muito sucesso na Europa e a opção de muitas empresas.

O openSUSE a versão comunitário do SUSE Enterprise Linux, numa relação semelhante ao que o Red Hat tem com o CentOS, porém, ainda mais unificado entre os projetos, que são basicamente o mesmo sistema. (Cabe observar que o openSUSE possui versões de lançamentos regulares e versões Rolling Release, preste atenção na hora de fazer a escolha). O openSUSE pode ser utilizado tanto como Desktop, como em servidores.
Veja também: Análise completa (mesmo!) do openSUSE


4 - Ubuntu

Ubuntu para empresas

É difícil fazer uma lista de qualquer sobre distribuições Linux sem incluir o Ubuntu. O sistema é literalmente "pau para toda obra". Muitas empresas o utilizam como Desktop para os funcionários, e ele certamente é uma das melhores opções dentre as distribuições Linux para atender a usuários finais, porém, ele não se resume a isso, o Ubuntu como servidor também é amplamente utilizado ao redor do mundo nos mais variados serviços. Com versões LTS e com suporte comercial, o Ubuntu pode ser uma alternativa interessante para o seu negócio.


5 - Linux Mint


Linux Mint

O Linux Mint se consolidou ao longo dos anos como a porta de entrada para o mundo Linux de muitos usuários. Graças a sua interface familiar é perfeitamente possível utilizá-lo em máquinas "simples" que vão ser operadas por leigos, ou onde o computador é compartilhado. Conheço algumas empresas que optaram por ele pela curva de aprendizado baixa.

O Mint não possui nenhum plano de suporte como o Ubuntu, mas por se basear nele, praticamente toda a documentação do sistema da Canonical serve para o Linux Mint, salvo algumas exceções. O ideal é utilizar o Mint como Desktop mesmo, para servidores existem distros um pouco melhores, como algumas que já foram comentadas no post.


6 - Debian


Debian em empresas

Assim como o Ubuntu, é difícil fazer uma lista sobre distribuições Linux sem falar no Debian. O Debian é um dos sistemas mais estáveis que existem. Sua versão estável é utilizada largamente por servidores que precisa de um sistema robusto e com pouquíssimos bugs. Não tão popular em desktops, talvez Ubuntu e Mint sejam opções melhores, o Debian com um pouco de tratamento e alguns ajustes, também pode desempenhar esta função.

Existem muitas empresas multinacionais que investem no Debian, justamente por utilizarem a distro em seus produtos, trabalhos e serviços, certamente você estará em boas mãos. O Debian também é um sistema multiplataforma, que roda em diversas arquiteturas diferentes.


7 - Qubes OS


Qubes OS

Se Debian Ubuntu são figuras populares nestes listas, o mesmo não se pode dizer do Qubes OS, ele tem uma proposta muito interessante e que pode ser do interesse de muitas empresas, ou de quase todas, segurança. 
Dica: Leia a página da Wikipédia do sistema para entender melhor.
O que o QubesOS consegue fazer é trabalhar com virtualização de vários sistemas e uniformizá-los sob uma interface contendo aplicativos com perfis de acesso diferentes, ainda que rodem de forma simultânea, eles são isolados um dos outros. Isso permite que você tenha um navegador de internet ou um editor de texto destinado ao trabalho e um outra janela com perfis de acesso diferentes que você pode usar para acessar vídeos no YouTube, confira o vídeo explicado (em Inglês) logo abaixo:




Com Linux você vai além!


Claro que essa lista não é imutável, então se você acha que mais alguma distribuição deveria figurar por aqui, fique à vontade para adicioná-la a nossa lista através dos comentários, assim mais pessoas poderão ficar sabendo das alternativas.
Leia também: 30 grandes empresas que usam Linux
É comum pensar no Linux nas empresas em servidores, mas ele vai muito além disso, é possível fazer dos sistemas baseados em Linux companheiros fiéis e indiscutivelmente úteis para o dia a dia de empresas de todos os tamanhos.



Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Nova sede da Samsung no Vale do Silício

Nenhum comentário

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Samsung vai fazer uma casa "no ninho das cobras"


A fabricante da linha Galaxy anunciou nesta quarta-feira (10) o projeto de sua nova sede no Vale do Silício, em San Jose, Califórnia (EUA).

O lugar vai ser uma torre de 10 andares, com pavilhão de convivência e estacionamento com oito andares, para abrigar as equipes de pesquisa e desenvolvimento e também a de vendas. Ao todo, cerca de 2 mil funcionários devem conviver no espaço — e o projeto arquitetônico foi desenvolvido justamente para favorecer a interação entre as equipes.

Nova Sede da Samsung no vale do Silicio

Nova Sede da Samsung no vale do Silicio

O projeto foi concebido pela empresa de arquitetura NBBJ e vai custar US$ 300 milhões para se tornar realidade, cerca de R$ 650 milhões. Entrando na onda de construções sustentáveis com foco em eficiência energética, o pavilhão das garagens terá painéis solares no teto para fornecer energia renovável.

Nova Sede da Samsung no vale do Silicio

Já as fachadas da torre principal serão desenvolvidas para reduzir o calor dos raios solares que incidem ali, o que reduz a necessidade de refrigeração artificial. Os vidros claros vão permitir maior incidência de luz natural, reduzindo também o consumo de energia na iluminação do ambiente.

Nova Sede da Samsung no vale do Silicio


A previsão é de que a nova sede comece a ser utilizada em 2015



Nova Sede da Samsung no vale do Silicio

As imagens são apenas ilustrativas já que tudo ainda está no projeto, mas são modelagens conceituais do que está por vir.
Este artigo foi uma colaboração de +Lucas Borghetti Araldi para o blog Diolinux.

E aí o que você achou da nova "choupana" da Samsung?

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Até que ponto a exclusividade ajuda os consumidores?

Nenhum comentário

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Polícia da Austrália afirma que Apple Maps pode "machucar" as pessoas

Estive a cá pensando, o quão realmente grande é uma empresa a ponto de dominar qualquer segmente que entre, e o post será sobre isso, porém, cabe explicar a notícia que desencadeou a minha reflexão.
De maneira resumida, na Austrália algumas pessoas que precisavam chegar a uma cidade chamada Mildura, e usando seus iPhones e Tables com o serviço de mapas da Apple foram parar a 70 Km de distância de onde deveriam ir, indo parar em desertos e matas. Segundo o relato da polícia local que teve que resgatar as pessoas é recomendável que as pessoas utilizem outro serviço de localização que não seja o da Apple, diz o Sargento que comandava as operações de resgate que eles já entraram em contato com o Apple solicitando a correção. ( Se quiser ler a notícia na integra clique aqui)


A questão é que eu como bom Geek que sou, adoro ler e principalmente usar novos gadgets e e tecnologias, o que ocorre é que muitas vezes não podemos usufruir com pĺenitude do que há de melhor por culta de um coorporativismo muito fechado.
O caso mais recente talvez sejam mesmo os mapas da Apple, mas não é o único exemplo, neste caso a empresa fundada por Jobs deixou de lado o Google Maps por conta de uma "estúpida" concorrência com o Android, dizendo algo como " Nós também podemos fazer isso, não precisamos deles", em outras palavras obviamente, mas com este mesmo sentido.
Sabemos que elaborar um bom serviço de mapas demanda muito tempo, muito mesmo e para torná-lo exato e confiável seis meses não são um tempo adequado, ainda mais para alguém que até então não havia entrado neste ramo.
A ideia básica é fazer uma empresa "auto-suficiente" ou "independente" de outras, a Apple está neste caminho renegando os mapas da Google, mas não totalmente, o que poucas pessoas sabem é que os serviços de localização dos iPhones e do iCloud ainda estão ligados ao Google Maps, ou seja, precisam funcionar. Imagina você perder seu celular e ele indicar estar muito longe de onde realmente está?
A ideia de uma única empresa dominar todos os segmentos que seu produto utiliza nunca traz benefícios aos usuários, vejamos a Microsoft, que se por exemplo tivesse comprado a NetScape ou o Opera teria uma navegador possivelmente mais decente que o IE, que passa ano ou década continua motivo de chacota.
A única empresa que parece que ter potencial para ser dominadora desta maneira é o Google, o Android e o ChromeOS são dois bons exemplos, e a empresa parece estar se voltando para o lado Hardware investindo no Chromebooks e na compra da Motorola.
Tudo o que o Google faz é perfeito?
Não, definitivamente não, veja o Google Pĺus por exemplo, que é uma excelente rede social, e mesmo com o Google jogando ele na cara dos usuários a maioria ainda não troca o Facebook.
Pense comigo, não seria interessante uma plataforma que juntasse tudo que há de melhor?
Algo que fosse, tão estável, versátil e seguro como o Linux, com  o cuidado nos detalhes do Mac OS e com a grande compatibilidade de software do Windows?
Muitas vezes deixamos de ter o melhor somente porque uma empresa quer dominar todo o segmento em que atua, foco é muito útil nesses casos, quer ver um exemplo?
Meu computador, este que estou escrevendo agora, tem um processador AMD e uma placa de vídeo ATI da AMD também.
Não quero ser tendencioso, mas historicamente os processadores Intel levam vantagem sobre os AMD na maioria dos casos ( não todos), e por que disso?
A resposta é simples: foco.
Enquanto a AMD tantava abocanhar o mercado fazendo processadores e placas gráficas dividindo seus investimentos e tempo, a Intel se focava em processadores só agora nos últimos anos é que a empresa voltou os olhos para chips gráficos para trabalhar em conjunto com processadores da família Core i.
Já pensou um Android com a Siri? Ou um iPhone com a maleabilidade do Android?
Seria ótimo se a exclusividade que as empresas de tecnologia tentam trazer para seus usuários fizessem apenas o bem, mas isso é a competição e diferenciais exclusivos fazem parte do jogo de marketing de cada um e isso é mais corriqueiro do que pensamos, são de ideias como essas de exclusividade que nascem serviços como o Facebook, Instagram, Google Now etc...


Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 


Mark Shuttleworth, fundador do Ubuntu, está investindo em outras empresas

Nenhum comentário

quarta-feira, 12 de setembro de 2012

1 Milhão em investimentos

mark-ubuntu

O Fundador e patrocinador do Ubuntu , Mark Shuttleworth investiu US $ 1 milhão na Inktank, empresa que fornece suporte para o projeto Ceph open-source. Ceph é um software de nível empresarial que fornece soluções para o gerenciamento de armazenamento distribuído.

Sitação de  Shuttleworth: " A arquitetura distinta de Ceph lhe dá vantagens sobre os concorrentes naturais tanto de origem proprietária como aberto"

O Ceph foi incluído no Ubuntu 12.04 e também estará disponível no Ubuntu 12.10. A Inktank foi fundada em maio de 2012 com a missão de fornecer suporte de nível profissional a prestadores de serviços, empresas, empresas de redes de armazenamento e de negócios de computação de alta performance.

Fonte

Fique por dentro de tudo o que acontece no Diolinux...

              Twitter Diolinux@blogdiolinux   Facebook  blogdiolinux  Twitter Diolinux@dionatanvs   Google Plus Circule do Google +

Empregos na Google, pode ser sua chance

Nenhum comentário

segunda-feira, 13 de agosto de 2012



Google

Ei pessoal hoje eu trago uma novidade pra quem esta atras de um emprego que envolva tecnologia, internet e outras coisas relacionadas a informatica.

E aqui esta o que você precisa para se transformar em um novo empregado do Google.

Agora é a vez de oferecermos indicações para conseguir um emprego no Google. A gigante de buscas está com 35 vagas abertas em São Paulo e mais três vagas em Belo Horizonte, um dos maiores escritórios da empresa no mundo.

As vagas para a capital paulista incluem assistente jurídico, gerente de vendas, vendedor para pequenas e médias empresas, gerente de marketing, além de vagas para programadores e até gerente de conta para o Google Wallet - serviço ainda inédito no Brasil. 
Já em Minas Gerais, as oportunidades são para engenheiro de software e gerente de data center. 

Segundo estudo da Glassdoor, publicado pelo Search Engine Land, os funcionários do Google estão mais satisfeitos que os do Facebook. 
O buscador marcou 3,9 pontos contra 3,7 da rede social na pesquisa. O fator que mais influenciou na escolha dos entrevistados foi o ambiente de trabalho . 

Os "Googlers", como são chamados os funcionários, parecem gostar mais do seu CEO que os "Facebookers" e, além disso, não se importam tanto em trabalhar longas horas e passar do horário do expediente sucessivas vezes. O interessante é que mesmo não tendo a preferência geral, o Facebook paga mais. 
O salário de um funcionário pleno chega a ser até US$ 3 mil maior do que aquele praticado pelo Google, sem falar que o processo seletivo da rede social é mais leve.

A empresa exige que o candidato passe por diversas etapas, o que pode levar cerca de seis semanas. 
Em uma entrevista para a revista Exame, Ana Carolina Azevedo, gerente de recrutamento do Google para a América Latina, revela que eles recebem currículos via website do Google, indicações de funcionários e universidades. 
Os CVs são avaliados e os que têm mais a ver com as vagas são chamados para entrevista por telefone com o recrutador e, depois, para um encontro presencial. 

O que eles querem

Nesta fase são avaliadas a habilidade cognitiva, raciocínio analítico, experiência profissional, evidências de liderança e adequação à cultura da empresa. 
Com as avaliações das entrevistas e do currículo, o perfil completo do candidato é enviado ao comitê de seleção da região e à matriz nos Estados Unidos. 
Se ambas equipes gostarem dos cadidatos, estes receberão uma oferta da empresa.

Uma das caracteríticas que a companhia espera ver em um candidato é a ambição. Portanto, falar sobre seus sonhos e planos futuros, é importante. 
Outro ponto indispensável é aprender rápido, já que trabalhar no mundo da tecnologia exige agilidade. Estudar bastante e aplicar conhecimentos acadêmicos aos trabalhos exercidos também é esperado pelos líderes da empresa, assim como ampliar seus conhecimentos. 
Para trabalhar no Google é necessário saber de várias coisas e, obviamente, ter uma conta no Google Plus e demais serviços da empresa. 

O Google leva as contratações muito a sério. 
Apesar de o processo ser um pouco lento e burocrático, a empresa se esforça para que, durante a contratação, os candidatos sejam informados de tudo o que está acontecendo. 
Para manter essa fórmula mágica de contratações "perfeitas", quase todos os funcionários do Googlejá recrutaram, entrevistaram ou contrataram, pois isso faz parte de suas responsabilidades.
Além de ser parte do trabalho, tudo é medido. 
Os colaboradores recebem bônus cada vez que indicam um candidato que é aprovado. A maioria faz diversas entrevistas no mês e é obrigada a dar um feedback por escrito.

Todos são orientados sobre como fazer entrevistas e como opinar de maneira mais esclarecedora. Fora isso, o sistema mantém o controle das entrevistas, feedbacks e avaliações do candidato, e são analisadas pelo comitê de contratação. 
Isso mesmo, os feedbacks sobre candidatos geram feedbacks para os funcionários. 

Existem muitas vagas abertas no Google e podem permanecer assim por um bom tempo. 
A empresa prefere deixar espaços vagos a contratar funcionários que não supram os requisitos determinados. 
Os comitês de contratação jamais poderão escolher alguém rapidamente só porque o gerente do departamento está com pressa.

Tudo no Google é diferente, inclusive a definição de metas e objetivos. 
Lá eles estabelecem objetivos e medem o progresso a cada trimestre, e mesmo quando não alcançam o que querem, os resultados ainda assim são impressionantes para o mercado. 
Para eles, atingir 60% do impossível é melhor do que 100% do normal, e é por isso que conseguir entrar nessa equipe de vencedores é difícil. No final das contas, o grande segredo do Google é o seu povo.

E aí, ficou empolgado? Então clique aqui e se candidate para uma das 38 vagas abertas no Brasil. Escolha a cidade em que você quer trabalhar e siga em frente. O processo pode ser difícil, mas também bastante gratificante.

Fique por dentro de tudo o que acontece no Diolinux...



                                                                                                                                       Fonte:Olhar Digital
Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo