Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador flatpak. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador flatpak. Mostrar todas as postagens

GNOME 3.34 lançado, confira as novidades

Nenhum comentário

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Depois de muito empenho ao desenvolver o GNOME 3.34, cerca de 6 meses, a nova versão de codinome “Thessaloniki” é anunciada. Para quem achou estranho o codinome, saiba que a cidade foi sede do evento GUADEC (Conferência Europeia do Usuário e Desenvolvedor do GNOME). Também conhecida por “Tessalônica”, é a segunda maior cidade da Grécia, sendo homenageada neste lançamento.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade

Novos recursos, melhorias de performance, atualizações visuais para vários aplicativos e correções de bugs, são as novidades do GNOME 3.34, alguns destaques são:

Novo design nas configurações de “Plano de Fundo”, facilitando a seleção de wallpapers personalizados.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-wallpaper-personalizado

O recurso tão aguardado e já abordado por nós, com um post detalhando tudo, é a possibilidade de criar pastas nativamente no menu do GNOME Shell. Agora basta arrastar o ícone de um aplicativo e soltar em cima de outro, para criar uma pasta. 

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-app-pasta-folder-menu

Houve um aprimoramento na navegação web, o navegador do GNOME passa a manter processos em sandbox, com a capacidade de fixar guias e um recurso que permite bloquear anúncios através de filtros de conteúdo do WebKit. 

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-webkit-browser-navegador-sandbox

O GNOME Boxes passa a suportar a inicialização de VMs a partir de imagens de CD/DVD anexadas. 

gnome-boxes-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-vm-maquina-virtual

Já o GNOME Jogos recebeu suporte para salvar múltiplos save states dos jogos. 

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-jogos

Sua aplicação de música, o GNOME Músicas, enfim atualiza automaticamente a biblioteca de músicas. Além de receber o recurso Gapless playback (reprodução sem intervalos), compatível com um número massivo de formatos.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-musica

Os programas GNOME Photos (Fotos), GNOME To Do (Tarefas) e Totem (Vídeos), receberam um redesign em seus ícones. O gerenciador de arquivos do GNOME, Nautilus (Arquivos), agora avisa ao usuário quando o mesmo tentar mover algum arquivo em um diretório protegido contra gravação. Quem não curte o atalho atividades, pode desativá-lo sem o auxílio de uma extensão de terceiros.

Essa versão está recheada de novidades, seja para o usuário comum ou desenvolvedor. Por exemplo, o Mutter passa a ter integração com o Sysprof. Mais fontes de dados foram adicionadas, facilitando a criação de perfis de desempenho em um aplicativo e diversas melhorias no Builder, incluindo um inspetor D-Bus integrado. Um prato cheio para desenvolvedores GNOME.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-sysprof-d-bus-mutter

Pessoalmente fiquei animado com várias coisas nessa versão 3.34 (algumas dispensarão o uso de extensões que sempre adiciono 😁️😁️😁️) e nosso querido desenvolvedor brasileiro do GNOME, Georges Stavracas, pontuou o que mais gostou com esse lançamento.

“Como usuário GNOME, o que está me deixando mais animado é o gapless playback no GNOME Músicas. Seguido do GNOME Jogos.

Como desenvolvedor, o que me deixa mais maluco é a integração do Mutter com o Sysprof. Está abrindo portas para todo tipo de melhoria, e isso porque só começamos”.

Veja abaixo o vídeo de lançamento do GNOME 3.34, um trabalho primoroso e muito bonito. Detalhe, feito com software livre, segundo informado pelo Georges em uma de suas lives desenvolvendo o GNOME em seu canal pessoal no Youtube.


A versão 3.34 pode ser obtida diretamente nos repositórios das distros (isso depende do sistema, nem todos irão receber essa versão), se preferir os programas podem ser instalados via Flatpak, basta pesquisar no Flathub. Outra alternativa é compilar o GNOME direto do repositório oficial do projeto, nada recomendado para novos usuários.


Participe de nosso fórum Diolinux Plus. Assim você sempre fica por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: GNOME.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Tangram, um app para gerenciar Webapps

Nenhum comentário
Hoje em dia, ter os serviços concentrados em um único lugar e poder acessá-los de forma rápida e prática é muito bom, não é mesmo? 😊
Se usamos webapps então, uma hora ou outra vira “bagunça”. 😄 Tangram quer ajudar a organizar essa “bagunça”.


Tangram, um app para gerenciar Webapps






Webapps, de forma bem resumida, são serviços ou aplicações dentro da “Web”, como por exemplo o Google Docs, GDrive, YouTube, Twitter e afins. Se estivermos usando o Google Chrome/Chromium, podemos “instalar” alguns sites e assim virar “programas”, sem exibir a barra de URL, favoritos e etc.
Alguns programas já famosos, como o Rambox e Franz, fazem esse tipo de instalação e hoje vamos mostrar mais um que está chegando para isso, o Tangram.

Ele foi pensado e desenvolvido para o ambiente GNOME, usando o WebKitGTK como base, então teoricamente, qualquer ambiente derivado dele pode se beneficiar das integrações entre app e o ambiente gráfico.


Para adicionar um Webapp é bem simples, basta digitar a url na barra de pesquisa, não precisa do https:// ele completa “sozinho” depois que você apertar a tecla “Enter”. Feito isso é só esperar o carregamento do site e aí apertar o botão “Done”. Pronto o seu webapp ta criado no Tangram.



Recursos presentes na versão atual:

● Configurar e gerenciar webapps;
● Abas permanentes e independentes;
● Personalizar título;
● Re-ordenar abas;
● Alterar posição das abas;
● Navegação;
● Atalhos;
● Notificações na área de trabalho;

Para instalar ele, você vai utilizar o Flatpak. Se o seu sistema não tem ele instalado, basta seguir o nosso tutorial. Depois de ter feito a configuração do Flatpak, vamos a instalação do Tangram. Com o terminal aberto, digite o seguinte comando para adicionar o repositório do Flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Em seguida, instale a aplicação:

flatpak install flathub re.sonny.Tangram

Depois de terminado a instalação, é para ficar “mais ou menos” parecido com a imagem abaixo.


Se quiser remover via terminal, utilize este comando:

flatpak remove re.sonny.Tangram

No Ubuntu depois de seguir a nossa postagem, acesse este link, pesquise diretamente na loja por: “Tangram” e instale o programa.

Alguns sites podem não funcionar, mas aí vai depender do site. Aí agora é só usufruir do Tangram 😉.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Flatpak oficial do Mozilla Firefox pode chegar em breve

Nenhum comentário

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

O navegador Mozilla Firefox é o navegador padrão de quase todas as distros Linux, que já vem instalado por padrão e com repositório próprio. O que pode ocasionar um atraso na hora dos updates de uma versão para outra, mas isso pode estar com os “dias contados”.


Flatpak oficial do Mozilla Firefox pode chegar em breve





Eles podem estar contados, pois um bug que bloqueava a implementação via sandbox, estava relacionado a execução de tarefas do Mozilla Taskcluster. Você pode conferir aqui toda “thread”.

Essa descoberta só foi possível, pois um leitor do site Phoronix, comunicou eles sobre essa correção, assim abrindo caminho para a versão oficial do Mozilla Firefox em flatpak. Isso só foi possível, graças a dois engenheiros de softwares da Mozilla, Peter Moore e Mihai Tabara.

Isso vai beneficiar muitas distros que usam o Flatpak, como o Fedora e o Mint, além de muitas outras.

Atualmente, existe uma versão Flatpak “unofficial” mantida pelo pessoal do Fedora e Red Hat. Você pode ver o processo de instalação dele aqui. Se você precisar instalar o Flatpak na sua distro, basta seguir esse nosso tutorial.

Muito bom ver que uma barreira que impedia essa implementação no Mozilla Firefox, pois a forma que é distribuída hoje em dia, tem uma limitação, ou sendo pelo tempo que uma distro leva para reempacotar ele e disponibilizar nos repositórios ou no formato binário, que pode assustar muitas pessoas. Já sendo distribuído em formatos mais fáceis, como Flatpak e o Snap (versão essa já disponível e feita pelo pessoal da Canonical), ajuda e muito na hora de disseminar o navegador. 

Isso é o que eu penso, agora deixe aí nos comentários, o que você acha dessa possível vinda de uma versão oficial Flatpak.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Faça pequenas edições em seus documentos PDFs

Nenhum comentário

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Experimente um editor de arquivos PDF simples e direto ao ponto, para resolver uma situação específica, sem muitas opções que possam lhe confundir. 

pdf-editar-mover-trocar-excluir-adicionar-pagina-imagem-linux

Existe uma enorme gama de softwares no Linux que nos proporciona editar arquivos PDFs, alguns cheios de recursos e presentes em suítes offices. No entanto, às vezes a simplicidade acaba sendo uma valiosa característica. Afinal, nem sempre queremos algo muito complexo, apenas remover uma página indesejada, quem sabe adicionar uma capa ou algo do tipo.

Caso queira uma ferramenta mais avançada, acesse a postagem sobre o Master PDF Editor, se preferir uma alternativa Android, considere testar o PDFelement

Editando documentos PDFs sem dificuldades


Como mencionei anteriormente, alternativas no Linux não faltam. Durante anos utilizei o PDF Mod, por ser bem intuitivo e estar nos repositórios do Ubuntu, e de todas as distribuições que já utilizei para trabalho. Confesso que a ferramenta não é a mais recheada de funcionalidades, entretanto, sempre me atendeu.

PDF-Shuffler também propõe simplicidade de uso, manusear seus documentos PDF e modificá-los com o programa é “melzin na chupeta” (😋️😋️😋️). Veja a seguir um vídeo demonstrando o editor.


Você pode pesquisar na loja de sua distribuição por: “pdfshuffler” ou baixá-lo do SourceForge.

pdf-shuffer-mod-editar-mover-trocar-excluir-adicionar-pagina-imagem-linux-flatpak-flathub-snapcraft-snap

Sua instalação via terminal no Ubuntu e derivados, para quem desejar, é muito simples.

sudo apt install pdfshuffler

Removendo o PDF-Shuffler:

sudo apt remove pdfshuffler

Simples editor PDF em Flatapk


Aos amantes do Flatpak, o PDF Slicer pode ser interessante. Contudo, o mesmo é muito “enxuto” possibilitando pouquíssimas modificações, comparado aos demais editores abordados neste post. Seu visual é igualmente “clean” e dispensa maiores explicações.

pdf-slicer-mod-editar-mover-trocar-excluir-adicionar-pagina-imagem-linux-flatpak-flathub-snapcraft-snap

Usuários do Linux Mint podem pesquisar diretamente na loja por: “pdf slicer”, enquanto, para quem possuir Ubuntu, será exigido uma prévia configuração do Flatpak e adição do repositório Flathub. Essa postagem ensina todo processo

pdf-slicer-mod-editar-mover-trocar-excluir-adicionar-pagina-imagem-linux-flatpak-flathub-snapcraft-snap

Outras distribuições podem configurar o Flatpak, por este link. A adição do repositório Flathub, pode ser diretamente no setup oficial. O uso do terminal para obter o PDF Slicer é opcional.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o PDF Slicer Flatpak via terminal:

flatpak install flathub com.github.junrrein.PDFSlicer

Removendo o PDF Slicer Flatpak via terminal:

flatpak remove com.github.junrrein.PDFSlicer

Lembrando que as alternativas apresentadas nesta postagem, não tem como objetivo serem repletas de funcionalidades, e dependendo do contexto e usuário em questão, elas são mais que eficientes.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, até mais, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Informática para crianças e idosos com o GCompris

Nenhum comentário
Conheça um software incrível para o ensino de informática. Através do GCompris, crianças e idosos (ou até mesmo alguém que tenha dificuldades de aprendizado), podem começar a desbravar um novo mundo recheado de descobertas e aprendizado.

linux-informatica-educação-criança-jovem-idoso-jogos-games-educativos-logica-aprendizado-ti-ubuntu-mint-snapcraft-snap-flathub-flatpak

GCompris é um software educativo totalmente gratuito e de código aberto. Um conjunto de programas possuindo as mais variadas de atividades. Totalmente em português, o aplicativo abrange diversos temas, como: funcionamento do computador, utilização do mouse e teclado, leitura, escrita, idiomas estrangeiros, conhecimentos gerais, álgebra, geografia, jogos de memória e lógica, experimentos científicos, e muito mais.

A ferramenta é bem completa e uma ótima escolha para introduzir tecnologia e conhecimento. Veja logo abaixo um vídeo demonstrando alguns recursos do GCompris.


Basicamente você poderá obter o GCompris de 3 formas: diretamente do repositório de sua distribuição Linux, via Snap ou Flatpak.

linux-informatica-educação-criança-jovem-idoso-jogos-games-educativos-logica-aprendizado-ti-ubuntu-mint-snapcraft-snap-flathub-flatpak

Particularmente recomendo o uso dos novos formatos de empacotamento (Snap ou Flatpak), pois sempre estão recebendo novas atualizações. No caso do Ubuntu, por padrão você encontrará duas versões do programa (empacotamento tradicional + Snap). Já no Linux Mint o caso é semelhante, entretanto, o Flatpak toma o lugar do Snap. Não que seja complicado adicionar suporte ao Snap ou Flatpak, pelo contrário, é uma tarefa bem simples. 

Escolher qual método de instalação fica ao seu agrado, pesquise por: “GCompris” e instale a que desejar ou dê preferência aos formatos Snap e Flatpak.

GCompris via Snap


O Snap é padrão no Ubuntu, como mencionado anteriormente, bastando pesquisar pelo programa. Usuários de outras distribuições podem seguir essa postagem e adicionar o suporte ao sistema. Logo após instalar diretamente pela loja, caso haja esse suporte, ou via terminal.

Instalando o GCompris Snap via terminal:

sudo snap install gcompris

Removendo o GCompris Snap via terminal:

sudo snap remove gcompris

linux-informatica-educação-criança-jovem-idoso-jogos-games-educativos-logica-aprendizado-ti-ubuntu-mint-snapcraft-snap-flathub-flatpak

GCompris via Flatpak


Aos usuários do Ubuntu que optaram pela versão contida no repositório Flathub, segue a postagem ensinando como configurar o suporte ao Flatpak e adicionar o repositório na qual o GCompris se encontra. Em seguida, pesquise normalmente na loja pela aplicação e efetue sua instalação.

Outras distribuições podem configurar o Flatpak, por este link. A adição do repositório Flathub, pode ser diretamente no setup oficial. O uso do terminal, como a alternativa em Snap, também é uma opção.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o GCompris Flatpak via terminal:

flatpak install flathub org.kde.gcompris

Removendo o GCompris Flatpak via terminal:

flatpak remove org.kde.gcompris

linux-informatica-educação-criança-jovem-idoso-jogos-games-educativos-logica-aprendizado-ti-ubuntu-mint-snapcraft-snap-flathub-flatpak


Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, compartilhe este conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Assista gameplays na TwitchTV com o GNOME Twitch

Nenhum comentário

terça-feira, 3 de setembro de 2019

A Twitch.tv é uma plataforma repleta de jogadores, muitos até profissionais, e acompanhar as jogatinas, pode ser algo divertido e relaxante. Caso não acompanhe o nosso trabalho na Twitch, considere interagir conosco. Temos lives de segunda a sexta, às 20h. Venha comprovar que Linux é um sistema viável para gamers. Vire SUB do canal

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

Não é difícil ver usuários alegando que não conseguem assistir a Twitch, sei muito bem como é passar por essa situação, há um tempo sofria com esse mal. Um paliativo que aliviou os constantes engasgos ao acompanhar uma transmissão, foi justamente o app que irei apresentar. Longe de ser o “Santo Graal”, mas proporcionou a, minha e de alguns que recomendei, possibilidade de assistir e interagir na Twicth. Atualmente minha conexão é um pouco melhor, mas em dias de instabilidades, confesso que ainda recorro ao programa (😁️😁️😁️). 

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

GNOME Twitch


O GNOME Twitch é um cliente/player focado na plataforma de streaming TwitchTV, o programa possui recursos interessantes, como: aceleração por hardware, com 4 back-end disponíveis, bate-papo integrado, escolha da qualidade da transmissão, tema dark, modo fullscreen, etc. Em constante desenvolvimento, a aplicação é distribuída em vários formatos, conforme mostra seu site oficial. Hoje irei apresentar duas formas, via Snap e Flatpak. Assim, não importa a distribuição que esteja utilizando, estes formatos cobrem boa parte das distros Linux.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

GNOME Twitch via Snap


O formato Snap pode ser habilitado nos principais sistemas baseados em Linux, no Ubuntu o mesmo já vem por padrão. Para usuários de outros sistemas, acesse essa postagem e configure o Snap. Nem toda loja possui a integração com esse tipo de pacote, caso a sua não tenha tal recurso, a instalação via terminal pode ser a solução. No Ubuntu é opcional, caso queira instalar via interface gráfica, abra a loja e pesquise por: “Gnome Twitch”.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-snapcraft

Efetuar a instalação via terminal é bem simples, após ter configurado o Snap em seu sistema, digite os comandos a seguir.

Instalando o GNOME Twitch Snap via terminal:

sudo snap install gnome-twitch

Removendo o GNOME Twitch Snap via terminal:

sudo snap remove gnome-twitch

GNOME Twitch via Flatpak


O repositório Flathub também possui o programa. Para quem deseja esse formato, como o Snap, ele pode ser configurado nas principais distribuições e algumas já vem com ele habilitado. O Linux Mint é um exemplo. Aos usuários de Ubuntu, demonstramos todo passo a passo para configurar o Flatpak e adicionar o repositório Flathub no sistema. Acesse essa postagem e configure seu Ubuntu. Após os procedimentos, pesquise normalmente na loja por: “Gnome Twitch Flatpak

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-flathub-flatpak

Outras distribuições podem configurar o Flatpak, por este link. A adição do repositório Flathub, pode ser diretamente no setup oficial. O uso do terminal, como a alternativa em Snap, também é uma opção.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o GNOME Twitch Flatpak via terminal:

flatpak install flathub com.vinszent.GnomeTwitch

Removendo o GNOME Twitch Flatpak via terminal:

flatpak remove com.vinszent.GnomeTwitch

Configurando o Back-end do GNOME Twitch


Se você instalou o GNOME Twitch e “na hora H” apareceu uma mensagem do gênero: “Sem reprodutor carregador!”. Não se preocupe, acesse no local indicado pelo app “Clique aqui para carregar um”.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

Outra maneira é com a janela do GNOME Twitch em foco ir “Definições”, em seu menu, que no caso do Ubuntu você pode acessar essa opção clicando na barra superior. Detalhe, basta ir na primeira opção, se quiser logar com sua conta da Twitch.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

Na aba “Reprodutores”, selecione o que mais lhe agradar. Sempre utilizo o “GStreamer OpenGL player backend”, efetue os testes da melhor alternativa para sua situação. Pode ocorrer de apenas o áudio da stream ser reproduzida, ao mudar de backend também, mas ao reiniciar o programa as mudanças serão aplicadas.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

O GNOME Twitch me ajuda bastante, e caso tenha problemas de instabilidades ao ver transmissões da TwichTV, recomendo experimentar a aplicação. Explore suas opções, em “Definições” >> “Geral” existem algumas que podem auxiliar quem tem uma conexão ruim. Essas são as duas formas que indico a utilização do GNOME Twitch, obviamente, que existem outras e você pode até instalar sem recorrer ao Snap ou Flatpak. No entanto, as versões podem não ser as mais recentes. A decisão é sua.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e acompanhe nossas lives na Twitch, com essa dica é bem capaz de não ter mais complicações com instabilidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

GNOME Feeds, um leitor de feeds simples para o Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 27 de agosto de 2019

Em um mundo cada vez mais dinâmico, a notícia corre cada vez mais rápida pela internet, assim ficando quase “impossível” acompanhar os “feeds” de notícias dos sites. Um bom leitor de RSS pode ajudar nisso.


GNOME Feeds, um leitor de feeds simples para o Linux





RSS (Really Simple Syndication) é formato de distribuição de notícias, desenvolvido na linguagem XML, assim permitindo que os sites consigam distribuir as suas postagens em “tempo real”. Aqui no Diolinux também temos um RSS, basta “assinar” ele através deste link.

Se você acompanha vários sites, já se deparou que acompanhar todos é quase uma tarefa “bem difícil”, e que um leitor de feeds  RSS ajudaria e muito não é verdade?? Eu mesmo acompanho vários sites sobre tecnologia e seguir todos eles não é uma tarefa fácil, pensando nisso, fui buscar algum app que fosse simples e que me entregasse às notícias “já de cara”, assim poupando alguns “minutinhos valiosos” 😂. 

Nesta busca, acabei encontrando o GNOME Feed feito em Python 3, GTK+ 3 e utilizando a licença GPL3.



As funções dele são bem simples e objetivas, como:

●  Marcar como Lido ou não-Lido



● Filtro por feeds específicos



● Adição de RSS facilitada


● Possibilidade de ler os artigos offline;

●  Modo de leitura facilitada, assim deixando “menos poluído”



●  Modo RSS de Leitura



● Possibilidade de Importação e Exportação dos feeds RSS em OPML.

Para mais detalhes, você pode acessar o site do projeto.

Instalando o GNOME Feeds


Para instalar  o GNOME Feeds, você vai precisar do Flatpak configurado em seu sistema, se ele não estiver habilitado de forma nativa, basta seguir esse tutorial que preparamos para você. Se você preferir, pode seguir o tutorial feito pelo pessoal do Flatpak.

Depois de feito a instalação do Flatpak, você pode procurar na “Lojinha” de Aplicativos por “GNOME Feeds” e instalar por lá. Ou se preferir, a instalação pode ser feita via terminal, copiando ou digitando o seguinte comando nele:

flatpak install flathub org.gabmus.gnome-feeds 

Aí é só esperar a instalação acabar e usufruir do seu novo leitor de feeds RSS.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instale o Kodi, uma central multimídia, via Flatpak

Nenhum comentário

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

O Kodi é uma ferramenta incrível para quem deseja consumir diversos tipos de conteúdo multimídia. De código aberto e multiplataforma, está disponível para os mais variados sistemas operacionais. Com ele você poderá assistir seus filmes prediletos, seja offline (caso estejam em formatos, como MP4, MKV, AVI, por exemplo) ou online com o auxílio de Addons. Até assistir TV é possível por meio do software (você pode comprar em lojas um adaptador para utilizar a TV digital no PC). Na internet você encontrará inúmeros tutoriais demonstrando como instalar complementos (Addons) no Kodi.

central-multimídia-kodi-cinema-linux-flatpak-tv-digital-filmes-musicas

Existem muitas formas de se obter o Kodi e montar o seu “Cinema em casa”, caso queira instalar as últimas versões do programa em seu Ubuntu via PPA, acesse essa postagem demonstrando todo passo a passo. Se não se importar com o versionamento do Kodi, basta pesquisar diretamente na loja de sua distro por: “Kodi” ou instalar via terminal (o nome do pacote também é “kodi”, mais simples impossível 😁️😁️😁️).

central-multimídia-kodi-cinema-linux-flatpak-tv-digital-filmes-musicas

Como instalar o Kodi em Flatpak


No repositório Flathub, mantido pela comunidade, o Kodi também está presente. Particularmente utilizo essa versão, evito ao máximo adicionar vários PPAs em meu sistema. Primeiramente será necessário habilitar o uso dos Flatpaks no Ubuntu, essa postagem ensina o procedimento. Agora basta pesquisar na loja do Ubuntu por: “Kodi Flatpak” e instalar o programa (no Linux Mint você pode pesquisar diretamente, sem prévias configurações, o Flathub já vem habilitado por padrão).

central-multimídia-kodi-cinema-linux-flatpak-tv-digital-filmes-musicas-flathub-loja-ubuntu-mint

Usuários de outras distribuições, que não tenham o Flatpak configurado, podem fazer conforme este link (observe que esse passo apenas demonstra a configuração do Flatpak. Sendo necessário a adição do Flathub também). Caso queira instalar via terminal, ou a loja de seu sistema não possui integração com os pacotes no formato Flatpak, eis o exemplo.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Kodi Flatpak via terminal:

flatpak install flathub tv.kodi.Kodi

Removendo o Kodi Flatpak via terminal:

flatpak remove tv.kodi.Kodi

Agora você pode desfrutar de sua completíssima central multimídia ou sair em busca de mais conteúdo e material sobre Addons e recursos do Kodi. Garanto que existe muita coisa internet afora sobre o programa, o legal que ele pode ser utilizado no Windows, macOS, Linux, iOS, Android, Raspberry Pi e por aí vai.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Emulador de Nintendo Wii e GameCube, Dolphin Emu no Linux

Nenhum comentário
A comunidade de gamers no Linux vem crescendo a cada ano, sejam games via Steam, Wine ou quaisquer que sejam os meios. O cenário “retro gamer” é bem presente e forte na plataforma do pinguim. Existem até distribuições com foco em emulação de consoles antigos. Hoje apresento um dos melhores emuladores disponíveis no Linux, o Dolphin Emu.

dolphinemu-dolphin-emulador-nintendo-gamecube-wii-linux-mint-ubuntu-ppa-flatpak

O Dolphin Emu é capaz de emular duas gerações distintas de consoles, o Nintendo GameCube e o Nintendo Wii. Não confunda o Dolphin Emu com o gerenciador de arquivos do projeto KDE, já vi algumas pessoas se confundirem por conta disso.

O emulador é software livre e sempre está em constante desenvolvimento, sendo que a cada nova versão sua performance melhora drasticamente. Os games podem ter sua resolução escalonada (em até 5K), melhorando muito seu visual. A compatibilidade com diversos joysticks é um ponto a se destacar e em todos os anos que venho utilizando o Dolphin Emu, nunca vi um que não tenha sido reconhecido. Outras características interessantes, como: contador de fps, modo multiplayer online e local, presets de joysticks, suporte aos joysticks originais de cada console, resolução Full HD (indo além da resolução original dos jogos), e muito mais.

dolphinemu-dolphin-emulador-nintendo-gamecube-wii-linux-mint-ubuntu-ppa-flatpak

Caso esteja interessado, o emulador é multiplataforma e existem versões para Linux, Windows, macOS e Android (para plataformas mobiles). Acesse seu site oficial, para mais detalhes.

dolphinemu-dolphin-emulador-nintendo-gamecube-wii-linux-mint-ubuntu-ppa-flatpak

Dolphin Emu diretamente do repositório oficial (da distro)


Você pode encontrar o emulador diretamente da loja de sua distribuição, no Ubuntu o programa encontra-se na versão 5.0 e pode ser instalado tanto pela interface gráfica ou terminal. Essa opção não é a mais atual, caso não se importe com versionamento ou possíveis melhorias de performance dos mais recentes lançamentos, basta pesquisar por: “Dolphin Emu” e instalar pelo Ubuntu Software (Gnome Software) ou loja de sua distro.

dolphinemu-dolphin-emulador-nintendo-gamecube-wii-linux-mint-ubuntu

No terminal é muito simples também.

Instale o Dolphin Emu via terminal:

sudo apt install dolphin-emu

Removendo o Dolphin Emu:

sudo apt remove dolphin-emu

Dolphin Emu via PPA


Existem várias formas de se obter o Dolphin Emu em sua distribuição Linux, o emulador encontra-se na maioria dos repositórios, porém, nem sempre a versão será a mais recente. Alguns preferem compilar diretamente do GitHub (não tão prático para um iniciante), enquanto outros via PPA.

Para instalar o Dolphin Emu no Ubuntu, Mint ou derivados. Segue abaixo todos os comandos necessários.

Adicione o PPA do Dolphin Emu:

sudo add-apt-repository ppa:dolphin-emu/ppa

Atualize a lista de pacotes:

sudo apt update

Instale o Dolphin Emu via PPA:

sudo apt install dolphin-emu

Agora se deseja remover de seu sistema, prossiga desta maneira.

Removendo o Dolphin Emu:

sudo apt remove dolphin-emu

Removendo o PPA do seu sistema:

sudo add-apt-repository -r ppa:dolphin-emu/ppa

Não se preocupe com todos estes comandos de terminal, seu intuito é ser bem simples e direto ao ponto. No entanto, você poderá fazer todo esse procedimento sem abrir o terminal. Ensinamos como instalar programas via PPA por interface gráfica nesta postagem, acesse e faça sem digitar uma linha na famigerada telinha preta (se é o que deseja).

Mesmo o PPA sendo mantido pela equipe do Dolphin Emu, suas atualizações não são tão constantes, como a terceira opção que irei demonstrar. Particularmente não creio que a adição de um PPA seja necessário em pleno 2019, salve poucos casos, ficando a seu cargo. Curiosamente, mesmo tendo um dos membros do projeto Dolphin Emu mantendo o PPA e no site oficial existir a indicação do mesmo. No Launchepad do Ubuntu, é descrito que as builds não são oficiais (vai entender 😵😵😵).

Dolphin Emu via Flatpak


O Dolphin Emu está disponível no repositório Flathub, curiosamente, sua versão em Flatapk recebe mais atualizações e na maioria das vezes está em versões superiores a do PPA (sempre venho observando, até o momento nunca vi a versão do PPA na frente ou equiparada com os lançamentos do Dolphin Emu Flatpak). O motivo disso? “Mistérios da meia noite” (😁️😁️😁️).

Antes será necessário adicionar o suporte a Flatpak em seu Ubuntu, por sorte essa postagem demonstra todo procedimento.

Outras distros podem ser configuradas conforme descrevemos aqui (o repositório Flathub deve ser adicionado ao sistema, logo abaixo demonstrarei). Com tudo pronto, pesquise na loja por: “Dolphin Emu” e escolha a opção em Flatpak (usuários de Linux Mint não precisam configurar nada previamente).

dolphinemu-dolphin-emulador-nintendo-gamecube-wii-linux-mint-ubuntu-ppa-flatpak-flathub

Obviamente que o procedimento pode ser feito com auxílio do terminal.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Dolphin Emu Flatpak via terminal:

flatpak install flathub org.DolphinEmu.dolphin-emu

Removendo o Dolphin Emu Flatpak via terminal:

flatpak remove org.DolphinEmu.dolphin-emu

Instalando o Dolphin Emu, você poderá jogar seus títulos do Nintendo Wii e GameCube com vantagens e facilidades que só a versão emulada traz. Outro ponto interessante é que instalando o emulador via PPA ou Flatpak, a opção gráfica de utilizar o Vulkan, além do OpenGL estará disponível. Algo não presente no emulador instalado diretamente do repositório do Ubuntu.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lollypop um player de música completo

Nenhum comentário

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Lollypop é um poderoso player de música desenvolvido em GTK, software livre e muito famoso no meio GNOME. No entanto, sua usabilidade não se limita ao ecossistema GNOME, podendo ser utilizado em diversos ambientes e até outros sistemas. Afinal, o player também está disponível para FreeBSD.

player-música-gnome-gtk-lollypop-ppa-flatpak-ubuntu-mint

Durante este ano de 2019 venho mais do que nunca utilizando diversos players de música. Há muito tempo substitui meus “momentos sonoros” pelo streaming via Spotify, e quando offline utilizava o VLC player. Infelizmente meu player favorito foi “abandonado pela Canonical”, era o Music, uma das aplicações do Unity 8 com convergência conforme o redimensionamento da janela. Obviamente que sou movido tanto pela praticidade, funcionalidades, como visual. Veja o visual logo abaixo do Music.

music-ubuntu-unity8-canonical

Contudo, se existe algo em que o Lollypop não peca (e não estou falando do Android 😁😁😁), é em seu visual e quantidade de recursos. O player chama a atenção com seu visual minimalista e elegante. Além, de também possuir uma certa convergência ao se adaptar conforme redimensione sua janela.

player-música-gnome-gtk-lollypop-ppa-flatpak-ubuntu-mint

Uma curiosidade é que o Lollypop é o player de música padrão do smartphone com Linux da Purism, o Librem 5. Algumas características deste belo player, que posso destacar são:

  • Tema dark;
  • Reprodução dos principais formatos de áudio, por exemplo: MP3, MP4, OGG, FLAC, entre outros (até hoje não tive problema com formatos);
  • Navegação de suas músicas por: gênero, artista, capa;
  • Pesquisa rápida e eficiente;
  • Integração com atalhos de teclado;
  • Suporte a lista de reprodução (podendo importar playlists);
  • Visualização em modo tela cheia;
  • Sincronização MTP;
  • Suporte a telas de alta intensidade (HiDPI);
  • Suporte a TuneIn;
  • Integração com a web, podendo buscar informações de canções diretamente em serviços, como o Last.fm;
  • Download das capas dos albúns e dos artistas (o legal que o player não te força esse recurso, sendo totalmente opcional);
  • Suporte a rádio;
  • Visualização do artista por contexto;
  • Equalizador de áudio;
  • Sistema de favoritos, você pode dar notas as suas músicas com estrelas (podendo ouvir as prediletas ou pesquisar e montar suas playlists “mais acaloradas”);
  • Adição de vários diretórios em locais diferentes com suas músicas;
  • Possibilidade de ouvir música via streaming (por incompatibilidades com algumas APIs proprietárias, esse recurso pode nem sempre funcionar perfeitamente);
  • Opções como: transição suave entre as músicas, repetição, separação por categorias, redimensionamento das miniaturas de seus álbuns, e muito mais. 

player-música-gnome-gtk-lollypop-ppa-flatpak-ubuntu-mint

Existem várias formas de se obter o Lollypop nas distribuições, como Arch Linux, Fedora e OpenSUSE. Basta pesquisar normalmente no repositório, seja via terminal ou pela loja. No Ubuntu e derivados existe a possibilidade da adição de um PPA ou via Flatpak (forma que também pode ser utilizada em outras distros).

Lollypop via PPA


A instalação via PPA é um meio de se obter o Lollypop, entretanto, caso seja iniciante recomendo a segunda opção. Particularmente não creio que atualmente o uso de PPAs seja a melhor forma de se obter softwares no Ubuntu, salvo poucas exceções.

Adicionando o PPA via terminal:

sudo add-apt-repository ppa:gnumdk/lollypop

Atualizando a lista de pacotes:

sudo apt update

Instalando o Lollypop do PPA via terminal:

sudo apt install lollypop

Removendo o PPA:

sudo apt-get install ppa-purge && sudo ppa-purge ppa:gnumdk/lollypop

Lollypop via Flatpak


O Lollypop encontra-se no repositório Flathub, antes de tudo, para instalar o Lollypop desta maneira será necessário ter o Flatpak configurado em seu sistema. Para usuários de outras distros que não sejam o Ubuntu ou Mint, acesse essa postagem (o repositório do Flathub deve ser adicionado, conforme irei abordar ao demonstrar o processo via terminal). No Ubuntu, você pode acompanhar todo passo a passo deste post, e além de configurar o Flatpak, configurar a GNOME Software (loja do Ubuntu) para efetuar suas instalações via interface gráfica. Após ter tudo pronto, pesquise por: “Lollypop” e instale a aplicação (no Linux Mint, basta pesquisar, não sendo preciso nenhuma configuração prévia).

player-música-gnome-gtk-lollypop-flathub-flatpak-ubuntu-mint

O processo pode ser igualmente feito via terminal, caso tenha preferência ou sua distribuição não possua uma loja que suporte este tipo de pacote.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Lollypop Flatpak via terminal:

flatpak install flathub org.gnome.Lollypop

Removendo o Lollypop Flatpak via terminal:

flatpak remove org.gnome.Lollypop

Conclusão


O Lollypop é uma alternativa muito interessante, funcional e bonita. Ao que parece o mesmo permanecerá em meu sistema por muito tempo. O player passou a ser um de meus favoritos, seja por sua beleza ou eficiência. No entanto, existem muitas soluções atuais em que eu e meu colega de trabalho, Ricardo (O Cara do TI), abordamos durante este ano de 2019. Recomendo que experimente e descubra qual o melhor player de música para você. Segue a lista: Olivia Player, Elisa Player, Museeks, Tauon Music Box e o Strawberry para os mais saudosistas. 

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, existem muitos audiófilos por lá também (😁😁😁).

Agora vou ouvir algumas músicas no Lollypop, enquanto vou criando a capa deste post, SISTEMATICAMENTE! 😎


Fonte: GNOME.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo