Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo.

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador gnome. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gnome. Mostrar todas as postagens

GNOME Tweak Tool (GNOME Tweaks) no Ubuntu - Principais opções de configuração

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

O ambiente GNOME é um dos mais completos e populares do mundo Open Source, sendo parte de muitas das principais distribuições Linux, como Red Hat, Fedora, Debian e mais recentemente, o Ubuntu. Com um ecossistema tão completo e complexo, é interessante ter uma ferramenta que permita que você faça ajustes no sistema para mudar o seu comportamento de forma simples; pois bem, a ferramenta ideal para isso é o GNOME Tweaks.

GNOME Tweak Tool - GNOME Tweaks Ubuntu






O GNOME Tweak Tool, também referenciado nos repositórios como Gnome Tweaks ("Ajustes" em português) é a ferramenta mais completa para configurar e ajustar o ambiente GNOME Shell.

Opções e configurações no GNOME Tweak Tool


Com o GNOME Tweak Tool você pode configurar o tema do ambiente gráfico, e por consequência da distro em si. Você pode alterar as configurações do Desktop, como ícones presentes ou não, manusear extensões do Shell, configurar fontes, atalhos do teclado, gerenciamento de energia, aplicações que iniciam com o sistema, formatos de data e hora, ícones da janelas, animações e até as múltiplas áreas de trabalho virtuais.

Como instalar o GNOME Tweak Tool no Ubuntu


O GNOME Tweak Tool está disponível na GNOME Software, a central de programas do Ubuntu (e de todas as distros que usam GNOME Shell como interface praticamente), então, é muito fácil instalar a ferramenta, basta pesquisar por ela na loja e instalar:

GNOME Tweak Tool

Essa dica vale para qualquer distro que possua a GNOME Software, não somente o Ubuntu.

Instalação do GNOME Tweak Tool via Terminal no Ubuntu


Obviamente você pode instalar o GNOME Tweak Tool no Ubuntu através do terminal, basta digitar (ou copiar e colar) o seguinte comando:
sudo apt install gnome-tweak-tool
ou você pode digitar:
sudo apt install gnome-tweaks
GNOME Tweak Tool no Ubuntu

Aguarde a instalação e após a conclusão você deverá encontrar a ferramenta no menu do sistema. Se você usa o sistema em Português do Brasil, basta digitar "Ajustes".

Principais recursos da ferramenta


Definindo de forma simples, o GNOME Tweaks (ou GNOME Tweak Tool) é uma ferramenta de ajustes, então você vai encontrar primariamente opções que podem modificar o visual ou a forma com que você interage com o sistema.

GNOME Tweak Tool - Temas (Themes)

Uma das principais utilidades e mais populares entre os usuários do GNOME Tweaks é a ferramenta de manipulação de temas, tanto que ela é a primeira aba da aplicação:

GNOME Tweaks Themes

Nesta opção você consegue alterar o tema GTK, o tema do cursor do mouse, o tema de ícones e até o tema do Shell em si, no entanto, para mudar o tema do GNOME Shell você precisa (geralmente) instalar uma extensão para poder carregar temas à partir do diretório do usuário.

Obs: Algumas distros já incluem esta extensão (chamada de "user themes") ativada por padrão.

Outra opção interessante que existe aqui é o botão de liga/desliga das Animações do sistema, desabilitar essa opção pode otimizar o desempenho da interface em máquinas com menor desempenho.

GNOME Tweak Tool - Extensões

Outra opção muito útil e interessante do GNOME Tweaks é a sessão de extensões. As extensões, assim como o nome sugere, estendem as funcionalidades do GNOME Shell, muitas vezes deixando ele mais utilizável e prático, dependendo das suas necessidades.

Neste vídeo, eu mostrei quais são as minhas extensões para o GNOME Shell favoritas, confira:



As extensões são conseguidas através do site extensions.gnome.org geralmente, mas você também as encontra na própria GNOME Software. Eu até já fiz uma lista com as minhas 7 extensões para o GNOME Shell favoritas.

Explore as funcionalidades do GNOME Tweaks


Existem muitíssimas funcionalidades que você pode alterar pelo GNOME Tweak Tool, então experimente, mexa, configure e altere até deixar o sistema do jeito que você preferir, se você "zoar a história toda", há uma forma relativamente simples de resetar o GNOME do seu Ubuntu para os padrões de fábrica e desfazer todas as alterações, eu já escrevi um tutorial para te ensinar a fazer isso, clique aqui para conferir.

Se você é um usuário de GNOME, o Tweak Tool é certamente um parceiro e tanto para o seu dia a dia, especialmente se você gosta de customizar o sistema com alguns dos temas que nós mostramos aqui, sejam temas GTK ou temas de ícones, e é claro, as extensões.

Se este artigo foi útil para você, nos "pague" compartilhando o conteúdo para os seus amigos. :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça e instale o novo tema do Ubuntu 18.04 LTS

Nenhum comentário

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

A comunidade vem desenvolvendo o novo tema do Ubuntu baseado em alguns padrões do tema Adwaita do GNOME original em parceria com os desenvolvedores da Canonical, o resultado até agora me parece muito consistente. Veja como ficou e aprenda a instalar.

Ubuntu 18.04 LTS GKT Theme and Suru






Parece que finalmente o Ubuntu vai ganhar uma repaginada visual em seus ícones e tema GTK, substituindo os antigos "Ambiance & Radiance" que cunharam a identidade visual da distribuição. O novo tema do Ubuntu é composto do tema "Communitheme" para o GTK e o tema "Suru" para o os ícones, este último um resquício do projeto do Ubuntu para Smartphones.

Na imagem a seguir você pode ver a comparação entre o antigo tema (acima) e o novo tema (abaixo).

Ubuntu 18.04 LTS Theme

Como instalar o novo "Communitheme" no Ubuntu?


Antes de mais nada, o novo tema ainda está sendo trabalhado, então, alguns detalhes podem parecer estranhos, como as"barras de load" com outra cor ao invés do tradicional (e esperado) laranja:

Novo tema do Ubuntu

Mesmo assim, se você adicionar o repositório, assim que surgirem as atualizações e correções você deverá recebe-las com o restante das atualizações do sistema. 

O novo tema só funciona perfeitamente no Ubuntu 17.10 e no 18.04 (versões pré-alfa, como a que eu estou usando para fazer as imagens do artigo), ou seja, precisamos do ambiente GNOME Shell também.

A instalação é feita através de um repositório PPA:
ppa:communitheme/ppa
Você pode adicionar o PPA de forma gráfica:

Veja como adicionar PPAs no Ubuntu sem usar o terminal 

Se você adicionar o PPA desta forma, o pacote que você deve instalar é:
ubuntu-communitheme-session

Obviamente o procedimento também pode ser feito via comandos no terminal:
sudo add-apt-repository ppa:communitheme/ppa
sudo apt update && sudo apt install ubuntu-communitheme-session
Depois disso, você pode utilizar o GNOME Tweak Tool para fazer as alterações no tema, basta deixar com as seguintes opções:

GNOME Tweak Tool

Apesar de parecer ser esta a intenção, não há garantias ainda de que este tema será o padrão do Ubuntu 18.04 LTS, mas eu sinceramente espero que aconteça, pois fazia um bom tempo que a distro não apresentava um design padrão condizente com a sua época de lançamento, não é? :)

Você pode acompanhar o desenvolvimento do "Communitheme" através do repositório no GitHub. 

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 18.04 LTS incluirá uma nova aplicação ao sistema, o GNOME Tarefas

Nenhum comentário

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Entrando ainda mais no mundo GNOME, o Ubuntu 18.04 LTS que será lançado em Abril deste ano (sem o Wayland como padrão) acaba de incluir uma nova aplicação na instalação padrão do sistema. O GNOME Tarefas (GNOME To-Do).

GNOME Tarefas Padrão do Ubuntu






O GNOME To-Do, ou GNOME Tarefas, na versão em Português do Brasil, é uma aplicação que serve para você tomar notas e colocar tarefas em lista para serem feitas. 

O aplicativo de produtividade existe há um bom tempo no ecossistema GNOME e é desenvolvido primariamente por um brasileiro, o Georges, que também trabalha na Endless. Nós falamos com ele neste DioCast (logo abaixo). No episódio o Georges comenta sobre o desenvolvimento do GNOME To-Do aos 13 minutos e 11 segundos.



A ferramenta permite que você organize as suas listas de tarefas por ordem de importância, dia, hierarquia e ainda permite personalizações de cor, para você deixar a aplicação com o seu gosto.

GNOME Tarefas

Se você usa o Ubuntu 17.10, é possível fazer a instalação via GNOME Software. A mesma aplicação também está disponível para outras interfaces e via Flatpak. Quem está testando as primeiras imagens do Ubuntu 18.04 LTS (pré-alphas) como eu, só precisa atualizar o sistema e o aplicativo será adicionado.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 18.04 LTS vai manter a Área de Trabalho ativa!

Nenhum comentário

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

No dia 6 de Janeiro nós noticiamos aqui no blog sobre a decisão do projeto GNOME em extinguir a pasta de Área de Trabalho com o lançamento do GNOME 3.28, por consequência, os ícones no Desktop deixarão de existir, sem a possibilidade de ativar essa função nativamente. 

Como o Ubuntu agora usa GNOME Shell, teoricamente isso seria passado para a próxima LTS da Canonical, que deverá ser lançada com essa versão do ambiente, mas aparentemente a decisão não agradou a todos e isso será diferente no novo Ubuntu que deve sair em Abril.

Desktop Ubuntu






Com essa mudança proposta pelos desenvolvedores GNOME muitas "caretas" surgiram entre os usuários que gostam de uma Área de Trabalho ativa, ou que acham que isso deveria ser opcional pelo menos, incluindo o pessoal da Canonical, que desenvolve o Ubuntu.

O desenvolvedor do Ubuntu, Didier Roche, comentou sobre o assunto informando as opções disponíveis. Basicamente são duas, enviar o Ubuntu 18.04 LTS com o Nautilis 3.28, sem suporte para o Desktop, ou procurar uma alternativa para manter os ícones.

Conversando com os outros devs e pegando o feedback da comunidade (e observando o histórico do Ubuntu 16.04 LTS, que é a versão de longo suporte atual),  a conclusão que foi chegada é que a presença dos ícones é importante, a mudança dos usuários do 16.04, com Unity, para o 18.04 com GNOME Shell já é grande o suficiente e quebrar mais uma característica inerente ao Desktop tradicional do Ubuntu não seria benefício.

Dito isso, quais são as opções? Bom, são basicamente três:

1 - Usar o Nautilus 3.26 (versão do 17.10 atual) que tem suporte ao Desktop;

2 - Usar o Nautilus 3.28 mas também incluir o Nemo (gestor do Cinnamon, Linux Mint, etc) com o único objetivo de desenhar os ícones na Área de Trabalho;

3 - Usar uma extensão para o GNOME Shell que faça essa função de tornar o Desktop utilizável novamente, o que seria algo parecido com a solução que é possível no elementary OS.

Dentre essas opções a que exigiria menos "gambiarra" é a primeira e ela que será adotada pelo time de desenvolvimento do Ubuntu, ou seja, o Ubuntu 18.04 LTS usará GNOME 3.28 em todas as aplicações, menos no Nautilus, que se manterá na versão 3.26, mantendo assim a Área de Trabalho ativa.

Entrando em contradição?


Não que eu discorde da inclusão de uma Área de Trabalho ativa, não. Mas que eu lembre, quando a mudança para o GNOME Shell foi feita, uma das justificativas era "não precisar adaptar demais" os pacotes da interface em si, lembram?

Tudo bem, é só o Nautilus (por enquanto pelo menos), mas isso vai um pouco contra a ideia original, fazendo aquela mesclagem de versões dos aplicativos, que era justamente o que estava querendo ser evitado.

Talvez seja um "mal" necessário, afinal, é compreensível a preocupação com as pessoas que vem do Ubuntu 16.04 LTS, no entanto, eu não posso deixar de me perguntar: E depois?

Tudo bem, a versão que sai em Abril é uma nova LTS, isso significa que ela terá 5 anos de suporte a atualizações e eles vão poder manter as suas características para os consumidores por um bom tempo. Ainda assim é bom lembrar que, se as coisas manterem-se como tradicionalmente são, em Outubro teremos o Ubuntu 18.10, que por sua vez incluirá novamente o que há de mais recente na tecnologia GNOME, logo, ou teremos mais cedo ou mais tarde um abandono da Área de Trabalho, ou teremos um fork do Nautilus 3.26 que possa manter a área de Trabalho ou ainda a adição de uma extensão que faça esse tipo de trabalho.

Francamente, nenhuma das opções me parece super interessante. Devido a postura atual da empresa por trás do Ubuntu, criar um Fork parece estar fora de cogitação neste momento e mais uma vez iria contra a ideia inicial da migração para o ambiente GNOME. Apesar de que, se a preocupação fosse realmente o usuário de Desktop, isso seria algo a ser considerado.

Talvez no futuro tenhamos uma extensão que traga este recurso, quem sabe?

O que você acha da medida da Canonical e o que você acha do GNOME sem o Desktop? Deixe a sua opinião nos comentários, até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como resetar o Ubuntu (com GNOME Shell) para o "padrão de fábrica"

Nenhum comentário

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

As distros Linux costumam nos dar muita liberdade para personalizar o sistema operacional, com o Ubuntu não seria diferente, e agora que ele usa GNOME Shell como interface padrão, existem muitas modificações disponíveis através de extensões e temas, afinal, o GNOME é uma das maiores comunidades open source que existem e naturalmente existe muito material sobre customização para ele. Hoje você vai aprender a deixar o seu Ubuntu com a aparência de recém instalado em caso de você alterar muitas coisas e não saber mais como voltar.

Como resetar o Ubuntu






Graças a centralização de configurações do GNOME Shell, nós podemos usar uma função de um utilitário chamado dconf para poder restaurar o sistema e voltar para as configurações padrão.

Para fazer uma demonstração para você eu personalizei completamente os temas do Ubuntu (para um jeito não tão bonito), assim você pode ter uma noção da mudança:

Ubuntu modificado para ser resetado

Para voltar todo o GNOME para as configurações padrões, não só o tema, mas os aplicativos como Evince, Rhytmbox, Nautilus (deixando a área de trabalho sem ícones), extensões e "tudo mais", rode o seguinte comando no terminal:
dconf reset -f /
Depois de alguns segundos apenas (e algumas piscadas na tela)  o seu desktop volta a exatamente o seu padrão, incluindo os ícones dos apps que estão fixados na sua barra lateral:

Ubuntu de volta ao padrão

Existe também uma outra forma de fazer "resets" em aplicativos específicos, eu expliquei como fazer isso neste vídeo:



Simples assim! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GNOME 3.28 vai "extinguir" com a área de trabalho

Nenhum comentário

sábado, 6 de janeiro de 2018

Uma notícia controversa surgiu à partir dos desenvolvedores GNOME, a ideia é acabar com a possibilidade de colocar ícones na área de trabalho no GNOME Shell.

GNOME Shell sem Área de trabalho






O GNOME Shell causou controvérsia desde o seu lançamento, lá pelos idos de 2011, e de uma forma ou de outra, continua fazendo.  Desta vez o que chamou a atenção foi a remoção do "desktop" para a atualização 3.28 do GNOME.

De certa forma, isso já existia


Geralmente as distribuições que incluem o GNOME Shell como interface fazem várias modificações que, em tese, podem auxiliar na usabilidade do ambiente, como o Manjaro e mais recentemente o Ubuntu também.

O GNOME Shell puro, como é entregado em algumas distros como o Fedora, já vem sem a área de trabalho ativa, para poder colocar qualquer ícone ou criar pastas ali é necessário fazer um pequeno ajuste através do GNOME Tweak Tool geralmente.

Não mais


Apesar do desktop já vir desabilitado por padrão, como mencionado, ainda era possível ativá-lo via configuração e algumas distros já te entregavam essa funcionalidade ativa, no entanto, a versão 3.28 do GNOME desabilitará essa possibilidade.

No GNOME (assim como em outros ambientes) a aplicação que faz o gerenciamento da área de trabalho é o próprio gestor de arquivos (no caso, o Nautilus) e como o GNOME Vanilla (Padrão) não possui o Desktop habilitado, melhorias para a área de trabalho não foram trabalhadas com ênfase nos últimos anos, proporcionando uma experiência não tão satisfatória quanto em outros gestores, como o Nemo do Cinnamon ou o Dolphin do KDE Plasma.

Uma tendência?


Eu "tô" começando a me sentir "velho" nesse mundo de tecnologia. Serei um usuário que vai sentir muita falta do Desktop, sou do tipo que usa a área de trabalho, pasmem, para trabalho.

Eventualmente eu coloco arquivos transitórios ali, como uma localização "neutra", onde depois eles serão apagados, ou ainda arquivos dos quais eu preciso me lembrar de observar. Recentemente, utilizando o Linux Mint e o Cinnamon, eu acabei "entrando na onda" da proposta deste desktop e acabei colocando os atalhos dos programas ali também para fins de experimento, eu sei, bem antiquado, quase nostálgico, mas funciona muito bem.

Linux Mint

Apesar das minhas "velhices", a noção de um desktop sem ícones não chega a ser nova, temos o elementary OS que sempre foi assim, o Chrome OS também é assim e o KDE Plasma era assim (na última versão os devs colocaram os ícones), se formos parar para pensar, até o Android e o iOS funcionam de forma parecida, no entanto, não posso deixar de pensar que é um desperdício de espaço útil, usar o Desktop apenas para o Wallpaper.

Felizmente no KDE Plasma existem os Widgets e até no elementary OS nós temos algo parecido atualmente, talvez no GNOME isso possa acontecer também no futuro.

Os desenvolvedores mencionaram que quem precisar de um área de trabalho ativa no GNOME Shell poderá utilizar o Nemo, fork no Nautilus e gestor do Cinnamon, em seu lugar; outra alternativa que está sendo pensada é uma extensão que simule a área de trabalho.

O que você acha disso? Você gosta de usar a área de trabalho ou para você não fará diferença?

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Como ativar o "Minimize on Click" no barra lateral do Ubuntu 17.10

Nenhum comentário

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Quando eu fiz a review do Ubuntu 17.10 Artful Aardvark, um dos pontos  negativos mencionados era relacionado ao comportamento da barra lateral de aplicativos, a Ubuntu Dock, um fork da extensão Dash To Dock. Veja agora como melhorar a sua produtividade com uma dica simples.

Minimizar ao Clicar no Ubuntu






Tudo bem que o "ideal" do GNOME Shell é que para alternar entre as janelas você sempre use a tecla "super", assim as janelas se espalham e você clica na que quiser, mas muitas vezes é tão mais simples clicar no ícone do app para minimiza-lo, não? Se for ver é até um gesto a menos.

Como no mundo Linux "tudo se ajusta e se arruma", o comportamento padrão da Ubuntu Dock também pode ser alterado de forma simples, assim, quando você clicar em um ícone na barra ele vai minimizar e maximizar a aplicação, um comportamento parecido com que tínhamos no Unity.

Abra a Dash (ou menu) e pesquise por "dconf", se você já tiver ele instalado, basta abrir a aplicação, caso não tenha, a Dash deve te mostrar uma opção para instalar via loja de Apps:

Instale o DConf Editor

O dconf editor é um utilitário de configurações avançadas do GNOME, ele é "sensível" por assim dizer, então só altere o que você realmente precisa alterar, brincar com ele sem saber o que está fazendo pode causar instabilidade no seu sistema.

Instale o dconf editor

Uma vez instalado, abra a aplicação e na "lupa" de pesquisa, digite: dash-to-dock

Dconf Editor

Clique na opção que aparecer e deslize as informações até encontrar a opção "Click Action", clique em "Previews".

Dconf editor

Na janela que se abrir, deslize o interruptor de "Usar o valor padrão" para "desligado" e em "valor personalizado" selecione "minimize-or-overview", na parte inferior da janela, clique no ícone de confirmação.

Configurando o minimize on click no Ubuntu

Depois desse confirmação o recurso já está funcionando:

Configurações de minimize on click

Se quiser desfazer a ação, bastar ir até o mesmo menu de configuração e ativar a chave de "Valor padrão".

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Canonical entra para o conselho da GNOME Foundation

Nenhum comentário

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Agora que o Ubuntu voltou a usar o desktop "full GNOME", nas palavras de Mark Shuttleworth, criador da empresa por trás do sistema, a Canonical tem um maior interessante em se integrar a comunidade de forma mais ativa, assim como outras companhias, agora eles fazem parte do "GNOME Foundation Advisory Board".

Canonical entra para GNOME Foundation






Fazendo jus ao lema de "entre em novos projetos de cabeça", a Canonical resolveu participar de forma ativa da comunidade GNOME ajudando com os profissionais da empresa na resolução de problemas, elaboração de recursos e financiando o projeto, junta-se então a outras empresas  e instituições que já fazem parte, como a Google e a Linux Foundation.

A GNOME Foundation deu as boas-vindas para a Canonical através de um anúncio em seu site oficial. O Ubuntu 17.10 foi a primeira versão do Ubuntu a trazer de volta o Desktop GNOME, o processo deverá se repetir e lapidar para a release de Abril de 2018, o Ubuntu 18.04 LTS, que é uma versão importante para a Canonical, justamente por se tratar de mais uma versão de longo suporte que geralmente preza por maior estabilidade.

A Wiki do GNOME agora possui uma página também onde orgulhosamente exibe o processo de mudança do Unity para o GNOME, o que se ganha e o que se perde, acho que é interessante conferir. 

Para aqueles que achavam que a Canonical andava muito "por fora" da comunidade, este deve ser uma novo começo de colaboratividade e troca recíproca.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instale este tema moderno no seu Ubuntu 17.10!

Nenhum comentário

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Com o lançamento do Ubuntu 17.10 nós tivemos a volta do ambiente GNOME para o Ubuntu de forma completa, entretanto, o tema tradicional do Ubuntu, o Ambiance/Radiance, assim como os ícones Ubuntu Mono Dark/Light, continuam os mesmos de sempre, somado ao tema para o Shell, eles garantem a aparência tradicional do Ubuntu, que convenhamos, já está ultrapassada.

Tema United no Ubuntu






Ouvi falar que o Ubuntu 18.04 LTS virá com uma aparência melhorada, mas até lá, vamos ver o que podemos fazer com o Ubuntu 17.10, certo? Para tentar "corrigir" a aparência do GNOME Shell no Ubuntu, sem perder a identidade visual do sistema, vamos usar o tema United e o tema de ícones Diolinux Paper Orange.

O primeiro passo é adicionar a extensão para o GNOME Shell que permite que você carregue temas do seu diretório pessoal, então clique aqui e adicione o "user themes".

Outra ferramenta que você vai precisar é o GNOME Tweak Tool, ele permite que você faça modificações mais profundas no seu sistema, incluindo o tema. Você encontra esta aplicação na Central de Aplicativos do seu Ubuntu:

GNOME Tweak Tool Ubuntu

Agora que você já tem as ferramentas adequadas para mudar o tema, resta-nos baixar o tema United, acesse a página no GitHub do projeto e baixe os arquivos indicados.

Download do Tema United

O tema United tem algumas variações, inclusive é compatível com outras distros, no entanto, vamos fazer uma mescla entre eles para ter uma bom resultado final. Baixe o "United Latest" e o "United Ubuntu Alt", serão dois arquivos compactados.

Extraindo o tema United

Bastar extrair as pastas contidas dentro dos dois arquivos que você baixou para a pasta oculta .themes, caso ela não exista você pode criá-la, mas não esqueça de colocar o ponto antes do nome "themes", caso contrário ela não fica oculta. Para exibir as pastas ocultas no Nautilus é só pressionar Ctrl+H, para voltar a ocultar é só pressionar a mesma combinação novamente.

Para instalar o tema de ícones Diolinux Paper Orange, temos um tutorial específico para ele aqui.

Uma vez os temas instalados, agora só falta ativá-los, abra o GNOME Tweak Tool (Ajustes) e na sessão aparência deixe assim:

Gnome Tweak Tool Ubuntu

Claro que existem outras combinações que você pode testar, mas esta foi a que eu achei mais bela, lembra um pouco o design que o "falecido" Unity 8 tinha.

Aproveite a nova aparência e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Gerencie as pastas na Dash do GNOME Shell facilmente com a extensão AppFolders Manager

Nenhum comentário
Esta é uma das características do GNOME Shell que deveria receber um upgrade em versões futuras, pelo menos na minha opinião. Os aplicativos dispostos no Menu/Dash do GNOME Shell lembram muito a visualização comum de sistemas de Smartphones, como o Android, contudo, o funcionamento é contra intuitivo. Eu já vi várias pessoas tentando arrastar um ícone de App sobre o outro para tentar criar pastas agrupadas de aplicativos, coisa que não funciona no GNOME Shell.

Gnome Shell AppFolder Manager





Apesar de não trazer a funcionalidade ideal, de simplesmente arrastar e soltar, esta extensão ajuda a solucionar o problema, permitindo que você organize os seus Apps de uma forma mais simples, bastando clicar com o botão direito sobre os ícones e categorias, para criar categorias próprias, excluir as existentes, adicionar novos apps a estas pastas, etc.

Configurações de categorias no GNOME Shell

Para passar a utilizar o recurso, basta adicionar a extensão Appfolders Manager, basta ter o GNOME Tweak Tool instalado para ter mais opções de configuração, assim que você ativar a extensão através do site, automaticamente ela já entra em funcionamento.

Aproveite para organizar os seus aplicativos, quem sabe no futuro não vamos precisar desse tipo de coisa.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça todas as novidades do GNOME 3.26 "Manchester"

Nenhum comentário

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Nesta semana tivemos o lançamento da nova versão estável do GNOME, em todo seu ecossistema, incluindo o Shell e várias aplicações que o acompanham. Confira agora todas as novidades na versão 3.26.

GNOME 3.26





Com a chegada da nova versão do GNOME nós teremos várias aplicações remodeladas no Desktop Enviroment, incluindo o novo painel de controle, novas funções para a Dash de pesquisa, aplicativos de escaneamento e fotos remodelados, entre muitas outras novidades. 

Para conhecer todas as novidades, confira o vídeo abaixo produzido pelos desenvolvedores do GNOME:


Qual nova funcionalmente do GNOME 3.26 você gostou mais? Não gostou de alguma coisa? Deixe a sua opinião nos comentários abaixo.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Vídeo conta a história do GNOME Shell (PT-BR)

Nenhum comentário

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Sabe de uma coisa? É muito bom poder chegar aqui e apresentar este tipo de material produzido por brasileiros. Vejo a comunidade Linux brasileira no YouTube em crescimento e se profissionalizando com o tempo, o que é muito bom! Hoje você vai conhecer a história de uma das mais populares interfaces gráficas do mundo da tecnologia, o GNOME Shell.

A história do GNOME Shell





Os nossos amigos do canal Oficina do Tux criaram um vídeo para explicar para você um pouco da trajetória do GNOME Shell, interface preferida de várias distribuições Linux famosas, como o Fedora e agora, o Ubuntu também.

Confira:


Eles estão realizando uma enquete também para saber qual ambiente gráfico deve ser o próximo a ter a sua história contada, então você pode deixar a sua sugestão nos comentários ou no card no vídeo.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Ubuntu 17.10 vai mudar o local dos indicadores no GNOME Shell

Nenhum comentário

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Depois de anunciarem a presença de uma Dock sempre visível do lado esquerdo na interface GNOME do Ubuntu 17.10, os desenvolvedores do Ubuntu anunciaram outra mudança que modificará um pouco a forma dos usuários interagirem com a interface do sistema, especialmente se comparando com o modo atual de operação do GNOME Shell.

Ubuntu AppIndicators






Nas atualizações que tivemos do Ubuntu 17.10 (versão de desenvolvimento) nesta semana, foi acrescentada uma nova extensão ao GNOME Shell (agora na versão 3.25) que dá à interface um recurso que eu acho essencial, os indicadores na parte superior no painel do GNOME.
Originalmente a posição dos indicadores do GNOME Shell é no canto esquerdo inferior; pra mim, um lugar inexplicavelmente fora de mão:

Indicadores no GNOME Shell

Com a mudança do Ubuntu através de uma extensão chamada de Ubuntu AppIndicators, que é um fork, não do Top Icons, mas da extensão KStatusNotifierItem/AppIndicator Support. Com ele ativado, os indicadores no Ubuntu vão ficar na mesma posição que sempre ficaram, o que eu considero bem melhor, repare:

Nova posição dos indicadores

Aos poucos o novo Ubuntu vai ganhando forma, até o final deste mês deveremos ter um novo tema para o GNOME Shell também, fique ligado aqui no blog e no canal para ficar por dentro das novidades.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 17.10 terá uma dock visível do lado esquerdo, mas não será a Dash to Dock

Nenhum comentário

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Os  desenvolvedores do Ubuntu confirmaram a presença de um Dock visível o GNOME Shell no Ubuntu 17.10 que sai no próximo mês de Outubro, porém, ela não será a popular "Dash to Dock".

Nova Dock do Ubuntu






A "Dash to Dock" é uma das extensões mais populares do GNOME Shell e é utilizada por boa parte dos usuários do ambiente e até mesmo vem pré-instalada em várias distribuições.

Por conta das pesquisas realizadas pela Canonical com os usuários do Ubuntu, ficou clara a necessidade do sistema possuir uma Dock visível, semelhante ao que temos na interface Unity, que será deixada de lado na versão 17.10.

Apesar de usar a "Dash to Dock" ter sido algo considerado, os desenvolvedores do Ubuntu optaram por criar um fork dela que será chamado simplesmente de "Ubuntu Dock". O motivo para isso se deve ao fato de que os desenvolvedores queriam que uma função tão importante para a "experiência Desktop do Ubuntu" ficasse sob o controle direto deles. Uma vez que a "Dash to Dock" recebe muitas modificações e acréscimos de funcionalidades, ela poderia acabar desestabilizando a interface, por conta disso a dock da Canonical será mais simples e até mesmo com menos opções de personalização, garantindo uma maior estabilidade.

O interessante é que a "Ubuntu Dock" foi desenvolvida em conjunto com as pessoas que trabalham na "Dash do Dock" e como qualquer outra extensão, ela pode ser desabilitada, inclusive, caso o usuário instale a "Dash to Dock", a "Ubuntu Dock" é desabilitada automaticamente.

Mais alguns detalhes devem ser ajustados no "sprint final" que ocorrera no final do mês de Agosto.

A ideia por trás dessa Dock é diminuir o impacto de quem for migrar do Ubuntu com Unity para o Ubuntu com GNOME Shell, o que sem dúvida vai ajudar, ou pelo menos será muito melhor do que deixar o GNOME puro, sem esta modificação.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Canonical organizará evento para comunidade ajudar na finalização do ambiente Desktop do Ubuntu 17.10

Nenhum comentário

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Em todos estes anos em que eu utilizo o Ubuntu, não me lembro de ter visto algo parecido. A Canonical está literalmente chamando a comunidade do Ubuntu para dentro da empresa e... ainda oferecendo pizzas e bebidas. 🍕🍕🍕

Ubuntu Desktop 17.10






Os desenvolvedores da Canonical estão se envolvendo muito mais com a comunidade de usuários para este lançamento de Outubro. O Ubuntu 17.10, Arful Aardvark, que agora contará com o GNOME Shell como interface gráfica padrão, ainda precisa receber vários ajustes e como quanto mais pessoas estiverem observando a distro, mais provável que os eventuais problemas sejam detectados e corrigidos, os desenvolvedores estão chamando os usuários interessados para um evento que acontecerá na sede da empresa, em Londres.

O acontecimento está sendo chamado de "Desktop Fit & Finish Sprint" e acontecerá por volta dos dias 24 e 25 de Agosto, sendo aberto para todos que desejarem participar, no entanto, os desenvolvedores pedem que as pessoas que se candidatarem a participar tenham um certo conhecimento avançado, especialmente em CSS e GTK, pois esses dias serão destinados a ajustar a experiência desktop no novo Ubuntu.

Não existem vagas ilimitadas, por isso, as pessoas interessadas precisam inscrever-se para isso. Visto que existe todo um esquema de organização e segurança a ser estruturado para o evento.

Dentre as coisas que devem ser finalizadas nestes dias estão tema GTK do Ubuntu, o tema do GDM e a correção de bugs gráficos que apareçam, além de otimizações para velocidade. Mesmo que você não participe, este evento nos dá uma ideia de que em breve teremos coisas novas para testar no Ubuntu.

Até a próxima!

____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo