Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador gnome. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gnome. Mostrar todas as postagens

Ubuntu 18.10 vai ser lançado com versão antiga do Nautilus

Nenhum comentário

sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Quando a versão final do Ubuntu 18.04 LTS foi anunciada no começo desse ano (26/04), ele veio trazendo algumas novidades na nova versão do Gnome (3.28), que foi o não suporte a inclusão de ícones na área de trabalho e uma nova versão do gerenciador de arquivos Nautilus (v3.28).

Ubuntu 18.10 vai ser lançado com versão antiga do Nautilus






Isso gerou algumas reclamações na comunidade Linux e assim “forçando”  a Canonical a lançar o novo Ubuntu 18.04 LTS com a versão do Nautilus ainda na ”versão antiga”, a 3.26 que ainda tem suporte nativo a criação de ícones na área de trabalho. 


Parece que a história vai se repetir novamente com a versão 18.10 do Ubuntu.

Os devs querem lançar com a nova versão do Ubuntu, as também versões novas do Gnome e do Nautilus, que seriam respectivamente 3.30 e 3.28 e que não iam oferecer suporte nativo para a criação de ícones na Área de Trabalho.

Mas o pessoal achou melhor “não mexer no time que está ganhando”, estão preferindo manter a versão 3.26 do Nautilus junto com o Gnome 3.30.

Sabendo que os ícones na área de trabalho são “populares”, o dev Carlos Soriano da Red Hat está trabalhando em uma extensão do GNOME SHELL para quando acontecer a mudança de fato, os usuários possam habilitar novamente essa opção do ícones. Por hora o projeto está em Beta. 

Os devs do Ubuntu estão observando que essa extensão que habilita os ícones na área de trabalho está bem completa e “redondinha”, mas que ainda não está pronta para adoção no sistema. Ainda preferem manter como está, com a versão 3.26 do Nautilus.

Houve recentemente o anúncio da versão 3.30 do GNOME, que deverá sair em Setembro., essa versão traria também a nova versão do Nautilus (3.30), comentamos mais neste artigo.

Muito provavelmente será possível instalar a nova versão do Nautilus (3.30) no Ubuntu 18.10 como um aplicativo Flatpak através do repositório GNOME e assim podendo ter as duas versões no sistema, de forma a poder experimentar as novidades do gerenciador de arquivos novo do Gnome. 

Lembrando que o Nautilus Flatpak pode não ter uma integração “perfeita” ao desktop do Ubuntu.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar e usar a GNOME Software no Linux Mint

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

Apesar do Linux Mint possuir um excelente gestor de softwares, que permite que você instale tudo o que você precisa com poucos cliques, a GNOME Software pode te oferecer alguns complementos interessantes e garantir uma experiência ainda mais completa se usada em conjunto com o seu sistema.







O GNOME Software possui uma boa integração com pacotes Snap e Flatpak, ainda que talvez em termos de Flatpak, a integração do Mint seja ainda melhor nativamente, no entanto, você pode querer utilizá-lo para gerenciar os seus Snaps, ou talvez, você simplesmente goste do visual ou funcionalidade da aplicação.

GNOME Software no Linux Mint

Explorando a GNOME Software que vem com o Ubuntu por padrão eu acabei descobrindo vários softwares interessantes que estão sendo distribuídos via Snap, de forma que eles não ficam disponíveis no Linux Mint, a menos que você use a linha de comando. Instalando o GNOME Software, esse problema é contornado facilmente.

Como fazer a instalação do GNOME Software no Linux Mint?


Gestor de softwares do Linux Mint

Abra a loja de aplicativos do Linux Mint e procure por "Gnome Software", você verá que alguns resultados serão exibidos, a primeira opção com o ícone diferenciado é a loja em si (vide a imagem acima), os demais são complementos. Você pode instalar os complementos para Snap e Flatpak caso queira que a GNOME Software seja capaz de gerenciar estes formatos também.

Depois de instalados é sobre a procurar por "Programas" no menu do seu Linux Mint ou por "Software", que você encontrará a aplicação, uma vez aberta basta você instalar o que quiser normalmente.

Se preferir fazer a instalação pelo terminal, você pode usar este comando:
sudo apt install gnome-software gnome-software-common gnome-software-plugin-flatpak gnome-software-plugin-snap
De forma geral eu não vejo tanta utilidade na GNOME Software no Linux Mint, a central que ele mesmo carrega é muito rápida e eficiente (e até mais leve), mas a GNOME Software pode ser útil para manusear os pacotes Snap de forma mais intuitiva. 

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GNOME 3.30 terá ícones na área de trabalho via extensão

Nenhum comentário

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

A evolução do projeto GNOME não tem agradado a todos, e uma das mudanças mais drásticas foi a remoção do suporte à área de trabalho ativa, com ícones e atalhos, mas felizmente, ao menos agora você terá uma extensão para contornar essa ausência.

GNOME Shell






Como a maior parte das funcionalidades diferenciadas do GNOME Shell nos últimos tempos, agora a área de trabalho também será responsabilidade de uma extensão da comunidade.

Obviamente a decisão foi controversa, mas mesmo assim parece que o GNOME vai seguir por este caminho, entretanto, a solução veio à partir de Carlos Soriano, funcionário da Red Hat e desenvolvedor do GNOME, onde é responsável por dar manutenção no pacote do gerenciador de arquivos Nautilus, o que lhe deu conhecimento suficiente para realizar este projeto. Soriano criou uma extensão que devolve ao ambiente GNOME todas as funcionalidades que o nautilus-desktop fornecia, e quem sabe, algumas a mais.

Através da extensão de habilitar os ícones no desktop os usuários GNOME poderão ter uma experiência semelhante ao que já se tem usando o Nautilus, até então, distros como o Ubuntu 18.04 LTS, que gostariam de usar os ícones no desktop, foram obrigados a usar uma versão mais antiga do gestor de arquivos, que claramente possui alguns problemas de usabilidade.

O que você acha da decisão do GNOME de acabar com os ícones na área de trabalho? Você acha viável usar uma extensão para contornar o problema?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O que são GUI e DE? Quais suas diferenças?

Nenhum comentário

terça-feira, 17 de julho de 2018

Uma das dúvidas e confusões de quem está iniciando no mundo Linux: Qual a diferença entre Interface Gráfica e desktop environment? Se você usa Linux há muito tempo e possui essa dúvida, não se sinta mal, o importante é que vamos conferir essa diferença agora mesmo!



A interface gráfica ou GUI (graphical user interface) em um sistema operacional, é uma aplicação, uma das partes do sistema operacional, já o DE (desktop environment), é algo mais abrangente que engloba por exemplo, até mesmo a própria interface gráfica. O desktop environment é composto de várias aplicações e não somente da interface. A interface é uma das aplicações que acompanham o desktop environment e a interface gráfica é basicamente o que você vê na tela do seu sistema operacional.

Podemos usar como exemplo o projeto KDE, que é responsável por gerenciar várias aplicações diferentes, desde aplicações como calculadora, calendário, o nosso querido Kdenlive, utilizado para editar os vídeos do canal e é claro a interface gráfica KDE Plasma, ou somente "Plasma", como os próprios desenvolvedores do KDE convencionaram chamar. Sendo assim, o desktop environment KDE é composto do Plasma juntamente com outras ferramentas desenvolvidas pelo projeto KDE. 

Apesar de usarmos o KDE como exemplo, o mesmo vale para, virtualmente, qualquer outro projeto. Além disso, você pode utilizar uma interface gráfica, mas com aplicações de projetos diferentes. Uma prova disso, é utilizar uma distro como o Linux Mint, com a interface Cinnamon, mas com aplicações GNOME, como o Monitor do Sistema, ou seja, você usa parte de um desktop enviroment em uma distro cujo ambiente gráfico corresponde a outro diferente.

Nesse vídeo no canal, discutimos com vários exemplos a diferença entre interface gráfica e desktop environment no Linux e vale muito a pena conferir.


Espero que este post e vídeo tenham lhe ajudado :)

Até mais!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Winepak - A junção dos pacotes Flatpak com o WINE

Nenhum comentário

terça-feira, 12 de junho de 2018

Os pacotes Flatpak vem se tornando mais populares a cada dia e novos projetos começam a surgir usando as suas tecnologias. Conheça hoje o Winepak.

Winepak Linux Flatpak






Pacotes Flatpak (e Snap) são assuntos recorrentes aqui no blog e no canal também, eu realmente acredito que através deles nós teremos o futuro das aplicações Linux. Muitas pessoas ainda argumentam contra os formatos por eles possuírem maiores tamanhos e ocuparem mais espaço em disco e alguns casos onde visual das aplicações deixa a desejar, no entanto, se formos fazer uma tabela, a coluna de vantagens é maior.

Uma das prerrogativas de um Flatpak é colocar todos os componentes de que o software precisa para rodar dentro de um único pacote, eliminando problemas de dependências, assim como acontece no macOS, nos Snaps ou nos AppImage. Enquanto você compara apenas com outros Apps que são distribuídos de forma tradicional também, como o GIMP, você pode ver menores vantagens, mas isso muda drasticamente com apps de terceiros.

Uma empresa que queira dar suporte para Linux não precisa mais se preocupar em entender como cada distro funciona e trata as aplicações, basta fazer um Flatpak e ele rodará em todos os sistemas.
Atualmente as empresas geralmente escolhem algumas distros apenas para dar suporte por conta disso, como acontece regularmente com o Ubuntu.

Winepak


Estendendo estas possibilidades, surgiu um projeto chamado Winepak, focando em jogos inicialmente, mas que também pode ser usado com outros softwares.

Se você já tentou instalar um game ou software um pouco mais complexo no Linux via Wine, ou seja, um software de Windows, deve ter reparado que invariavelmente existem configurações, pacotes a serem baixados, bibliotecas e mais. 

Me diga, o que você acha de deixar tudo isso para traz e simplesmente baixar o software como se fosse nativo? Sonho?

Bom, é basicamente isso que o projeto Winepak faz. Ele pega uma versão do Wine compatível com o software em questão, adiciona todas as configurações e ajustes e você já pode utilizar.

Fortinite no Linux

Jogos populares como Fortinite, OverWatch, WoW, LoL e até o emulador de Wii U, o CEMU, estão sendo portados via Winepak. Nem todos os projetos estão no repositório atualmente, mas muitos já funcionam.

Veja o LoL instalado via Winepak no meu Linux Mint 18.3.

Linux Mint LoL via Winepak

E é fácil mesmo?


Pior que sim! Na verdade o único passo "difícil" é adicionar os repositórios Flatpak.

No terminal cole os seguintes comandos (necessário ter o flatpak previamente instalado):

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://dl.flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

flatpak remote-add --if-not-exists winepak https://dl.winepak.org/repo/winepak.flatpakrepo

Depois de adicionados os repositórios, você pode adicionar as aplicações usando um comando como:
flatpak install winepak tld.domain.Application
No entanto, no Linux Mint a coisa fica muito interessante graças a nova loja de Aplicativos, ao acessá-la você verá a sessão Flatpak, dentro dela, depois de adicionar o repositório, os pacotes aparecerão disponíveis assim:

Linux Mint Winepak

Basta clicar no App que você quiser instalar e instalar normalmente, clicando no botão "instalar" e digitando a sua senha, se solicitado. 

Como os pacotes de jogos tendem a ser grandes, pode demorar um pouco, então é só esperar pacientemente.

Não cheguei a testar, mas imagino que haja integração com o GNOME Software ou o Discover do KDE Plasma também.

Se este projeto realmente for levado a sério, os problemas de configuração de aplicativos via Wine estão praticamente acabados.

Para saber mais sobre o Winepak consulte o GitHub.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GNOME está removendo a função de abrir aplicativos dando dois cliques no Nautilus

Nenhum comentário

quinta-feira, 17 de maio de 2018

O GNOME vem removendo vários funcionalidades do chamado "Desktop tradicional" nos últimos tempos. Além da área de trabalho em si, agora o gestor de arquivos Nautilus não poderá mais manusear aplicativos, permitindo que ele sejam abertos pelos usuários dando dois cliques com o mouse.

Nautilus GNOME






A mudança deverá ser incorporada nas próximas versão do GNOME Desktop onde o Nautilus não será mais capaz de abrir arquivos binários de software e scripts à partir do gestor de arquivos.

Essa medida afeta, por exemplo:

- Arquivos .bin;
- Arquivos .run;
- AppImages;
- Atalhos de programas;
- Shell Scripts, entre outros.

A ideia por trás do projeto consiste em tentar aumentar a segurança dos usuários que não poderão rodar aplicativos de fora da loja de uma forma tão simples. Ainda será possível rodar qualquer aplicativo binário (como os AppImages) através do terminal por exemplo, ou utilizando outro gestor de arquivo.

O que você acha dessa medida?

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como usar o GNOME Shell Vanilla no Ubuntu 18.04 LTS

Nenhum comentário

terça-feira, 1 de maio de 2018

O GNOME Shell do Ubuntu 18.04 LTS funciona de forma diferente do GNOME "puro", por assim dizer. O que fez muitas pessoas que gostavam de usar o Ubuntu GNOME, versão que foi descontinuada, torcessem um pouco o nariz para as modificações da Canonical. Mas para você que não gosta do visual e funcionalidade padrão do GNOME no Ubuntu, este tutorial vai ensinar você a instalar uma sessão com o GNOME Vanilla para a sua utilização.

Ubuntu GNOME Vanilla 18.04 LTS






Ao habilitar a sessão padrão do GNOME Shell no Ubuntu 18.04 LTS você deixará de lado o tema padrão do Ubuntu (Ambiance, Radiance, Ubuntu mono Dark e Ubuntu mono Light), deixará de lado também a extensão Ubuntu Dock e a Ubuntu Appindicators, a Área de trabalho também deixará de ser ativa por padrão e outra coisa que você perceberá é que o GNOME padrão possui apenas o botão de "Fechar" nas janelas.

Para habilitar a sessão GNOME Vanilla no Ubuntu você deve rodar este comando no terminal:
sudo apt install gnome-session
Ao fazer a instalação você deve reiniciar o computador (encerrar a sessão não funcionou para mim), ao voltar da reinicialização, na tela de login clique no ícone da engrenagem e selecione a opção GNOME (que vai rodar com Wayland) ou "GNOME on Xorg", conforme você desejar, depois basta digitar a sua senha e se logar no sistema. 

GNOME Shell Vanilla no Ubuntu 18.04 LTS


Caso você tenha algum problema com o tema de ícones Adwaita do GNOME pode ser que tenha um pacote esteja faltando, neste caso:
 sudo apt install adwaita-icon-theme-full
Caso você queira voltar ao Ubuntu "normal" basta voltar até a tela de login e selecionar "Ubuntu" novamente.

Se você quiser ir um pouco além de simplesmente mudar a sessão e instalar mais pacotes de software padrão do GNOME, este comando vai instalar o GNOME Maps, Gnome Metereologia, Polari, GNOME Documents, Gnome Fotos e o Gnome Música:


sudo apt install gnome-maps gnome-weather polari gnome-documents gnome-photos gnome-music
Aproveite a nova experiência!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo site do Flathub já está disponível

Nenhum comentário

sábado, 14 de abril de 2018

O novo site do Flathub está no ar com uma nova aparência e ainda mais agradável, contendo algumas novidades, como um campo para buscas de aplicativos e a separação por categorias, assim tornando-o mais organizado e facilitando a navegação no site.

Novo site do Flathub já está disponível






Depois de se tornar um formato de empacotamento de programas muito popular no mundo Linux, o flatpak atraiu o interesse de vários desenvolvedores e aplicativos populares como o Spotify, Steam, Discord, LibreOffice, Skype entre outros, acabaram ganhando versões no formato. Aqui no blog temos várias matérias sobre o flatpak, que você acessa através desse link.

Com essa adesão de grandes nomes do mundo da tecnologia, fazia-se necessário um site aonde as pessoas pudessem buscar os programas favoritos de forma organizada, um lugar onde também os desenvolvedores pudessem hospedar os seus aplicativos para esse tipo de empacotamento.

Quando foi lançado o flathub, site esse que mantem o fácil acesso aos programas no formato flatpak, ele tinha como buscar os programas através de uma barra de pesquisa (um Search comum), mas essa facilidade se perdeu ao longo do tempo e na home (tela inicial) do site só apareciam alguns programas tendo assim que utilizar as centrais de programas das distros, como por exemplo a do  Linux Mint, ou mesmo a GNOME Software. 

Mas na última segunda-feira (9) o site do flathub recebeu uma repaginada e trouxe a facilidade que vemos nas centrais de aplicativos das distros, como: Popular Apps, New & Updated Apps, e a tão aguardada "Categorias".

Novo site do Flathub já está disponível

O site ainda está na versão Beta, mas isso não impede de ter uma navegação no site bem fluída e sem problemas.

Dica:  Se você usa o Ubuntu (acima da versão 17.10) e não utilizou o flatpak no seu sistema, vai precisar instalar algumas coisinhas antes:

Primeiro vamos adicionar o PPA do projeto flatpak ao sistema e depois instala-lo:
sudo add-apt-repository ppa:alexlarsson/flatpak
sudo apt update 
sudo apt install flatpak 
Depois vamos adicionar o plugin do flatpak para que ele possa funcionar na Central de programas do Ubuntu:
sudo apt install gnome-software-plugin-flatpak
E por último vamos habilitar o repositório do flathub:
 flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo
Feito isso, basta reiniciar a sessão ou o seu computador, para que o flatpak possa ser usado. Na versão mais recente do Ubuntu (a ainda não lançada 18.04 LTS), a adição do suporte a flatpak pode ser feita diretamente pela GNOME Software, como mostramos neste vídeo:


Conte ai nos comentários o que você achou do novo site do flathub, se achou mais fácil e intuitivo de usar, conte-nos. =)

Até uma próxima e um forte abraço!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GNOME 3.28 melhorará a sua performance com a ajuda da Canonical

Nenhum comentário

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Desde que a Canonical anunciou o abandono do Unity em prol do GNOME Shell como interface principal do Ubuntu que muito vem se especulando em como a empresa ajudará a comunidade. Lembramos que quando a decisão foi tomada, a GNOME Foundation deu uma calorosa "boas vindas" à empresa de Mark Shuttleworth. 

Ubuntu ajudará a melhorar o GNOME 3.28







O  lançamento da nova LTS do Ubuntu estará disponível em breve para o público e alguns detalhes no entorno do GNOME ainda precisam ser ajustados, para tornar esta versão de longo suporte mais estável e polida.

Daniel van Vugt, um dos desenvolvedores da Canonical, anunciou uma serie de bug fixes que deverão ser incorporados ao GNOME 3.28 (a versão que virá com o Ubuntu 18.04 LTS), incluindo a correção para o problema de leak de RAM, que relatamos aqui no blog há algumas semanas e outras melhorias que deverão impactar positivamente a performance do GNOME Shell.

Uma das melhorias esperadas será no compositor de janelas Mutter, a nova versão será mais eficiente ao exibir as animações, transições e efeitos do sistema.

Alguns usuários do Arch Linux já fizeram alguns testes e a diferença é notável:


As otimizações também devem impactar na forma com que o GNOME Shell trata o caching de GPU, deixando o processador com menos carga também, o que gera o resultado de maior eficiência do ambiente gráfico no hardware.

As correções feitas pela Canonical devem ser adicionadas ao GNOME Vanilla, o que vai ajudar outras distros que trabalham com o Shell automaticamente.

Vamos aguardar as novidades para vermos  se as implementações realmente farão uma boa diferença no Ubuntu e nos demais sistemas que usam o GNOME Shell como interface.

Tudo indica que o novo Ubuntu será lançado no dia 26, então não vamos precisar esperar muito! :)

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o tema de ícones Azure no seu Linux via Terminal

Nenhum comentário

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Vamos mostrar hoje como você pode instalar o tema para ícones Azure na sua distro Linux e deixá-lo com um tema de ícones mais moderno e bonitão. Esse é só um dos vários temas para ícones que existem, e se você quiser ver um "TOP 10" montamos uma lista neste artigo.

Como instalar o tema de ícones Azure no seu Linux






O tema de ícones Azure segue a linha de temas flat (ou chapada), que faz muito sucesso nos dispositivos móveis, como celulares e tablets por exemplo, esse tipo de tema vem ganhando fãs a cada dia por serem bonitos e amigáveis.

O tema Azure é baseado no tema Arc, feito pelo usuário horst3180 do github. O Azure é compatível com ambientes gráficos que rodem o GTK 3 e GTK 2, como por exemplo: Gnome, XFCE, MATECinnamon e etc.

Para rodar o tema você vai precisar ter o GTK+ 3.20 ou superior e se você estiver utilizando o GTK 2 vai precisar instalar dois pacotes adicionais, que são o GTK2 engine Murrine 0.98.1.1 ou posterior e o GTK2 pixbuf engine ou o gtk(2)-engine package. Para instalar vamos utilizar o terminal, mas nada que seja complicado, ok? 😉

Para abrir ele (terminal) vamos pressionar as seguintes teclas simultaneamente:  "Ctrl + Alt + T" ou procurar por "terminal" no menu da sua distro.

Depois de ter feito isso, você vai digitar (ou copiar e colar) no terminal essa linha de comando (procure observar o processo na distro que você estiver utilizando):

Fedora/openSuse e derivados:
yum install gtk-murrine-engine gtk2-engines

 Ubuntu/Mint/Debian e derivados:
sudo apt-get install gtk2-engines-murrine  gtk2-engines-pixbuf

ArchLinux:
pacman -S gtk-engine-murrine gtk-engines


Depois de ter feito isso, voce vai baixar o pacote do Azure lá no GitHub.

Como instalar o tema de ícones Azure no seu Linux

Depois de baixado o arquivo, você vai precisar descompactá-lo, o que vai gerar uma pasta com o nome do tema. Feito isso será necessaáio acessar a pasta via terminal e assim instalar o tema.

Estando dentro do diretório, você deve rodar o seguinte comando:
./Install
Se estiver usando o Ubuntu 16.04 (ou uma versão acima) ou o Mint e aparecer o seguinte erro  "XMLLINI not set and xmllint not found in path; skipping xml preprocessing", deverá rodar o seguinte comando para corrigir:
sudo apt install libxml12-utils
E se for no Fedora e derivados o comando é o seguinte:
 sudo dnf install glib2-devel
Feito isso, ainda dentro da pasta que voce descompactou,  é só rodar o seguinte comando para instalar os ícones:
./Install-Paper-Azure
Ai é só aguardar o processo terminar, "reiniciar" o seu computador e depois abrir a sua ferramenta de modificação de ambiente, como o Gnome Tweak ou a equivalente do ambiente da sua distro, procurar a sessão de personalização dos ícones, e ativar o tema Azure.


Como instalar o tema de ícones Azure no seu Linux via Terminal


E nesse passo a passo, você vai ter o Tema de Ícones Azure na sua distro. :)

Conte pra gente nos comentários qual é o seu tema de ícones favorito, espero que tenham gostado, até uma próxima e um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Confirmado: GNOME Shell realmente sofre "Leaks de RAM'

Nenhum comentário

sábado, 24 de março de 2018

Um dos ambientes gráficos mais populares do mundo Linux tem um problema sério e que afeta todas as distribuições Linux que o utilizam. Felizmente este problema não afeta a segurança do sistemas, mas pode se tornar muito inconveniente, especialmente em computadores com menos memória RAM disponível.

Problemas de memória RAM





Com o "abraço" do Ubuntu ao GNOME novamente, muito mais olhos passaram a observar o projeto que já contava com o apoio de praticamente todas as principais distros. Quando eu fiz um vídeo sobre o consumo de RAM no GNOME eu estava pensando que era um caso exclusivo do Ubuntu, mas aparentemente eu estava enganado.



O problema na verdade afeta o GNOME em si e está sendo reportado por diversas pessoas ao redor do mundo provindas de comunidades de distros Linux diferentes.

O problema


Um "leak de RAM", ou "vazamento de memória", no sentido de que está sendo relatado como bug no GNOME acontece quando um processo em execução começa a consumir agressivamente memória RAM de forma arbitrária e sem necessidade.

No caso do GNOME o problema é com o GNOME Shell em específico, ou seja, a interface. Nos experimentos realizados o simples fato de ficar abrindo e fechando janelas no Shell ou mudando a forma de visão de "desktop" para "overview" acaba elevando pouco a pouco o consumo de RAM de forma indefinida.

Um usuário de Fedora fez a demonstração para que possamos entender melhor. Observe no vídeo o consumo no "Monitor do Sistema".


Claro, o nosso amigo do vídeo acima está mostrando a versão 3.26 do GNOME Shell em execução, sendo que a versão mais recente (e que virá com o Ubuntu 18.04 LTS) é a versão 3.28. A má notícia é que o problema ainda não foi corrigido e o sistema virá com esse "bug de fábrica" muito provavelmente.

A gambiarra


Bom, visto que o problema ainda não tem solução e foi confirmado pelo nosso amigo Georges Neto, desenvolvedor da Endless e do GNOME que já nos concedeu uma entrevista inclusive, a única solução temporária é fazer um "reset" da interface para que a memória seja liberada de forma manual.

Para isso basta recarregar a interface, pressione "Alt+F2" e na janela que se abrir digite a letra "r", após isso pressionar "enter", isso deverá fazer com que o Shell se reinicie limpando a memória.

Obviamente o problema deverá ser corrigido com o tempo, o caso é que o pessoal do GNOME ainda não conseguiu identificar qual é o problema que está causando esse "leak", então pode demorar um pouco.

Conte pra gente, você está sofrendo com este tipo de problema?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançado GNOME 3.28 com vários polimentos visuais

Nenhum comentário

quinta-feira, 15 de março de 2018

Finalmente a versão 3.28 do GNOME foi disponibilizada ao público. Tivemos várias melhorias e polimentos visuais nesta versão, assim como a adição de alguns softwares ao ecossistema GNOME.

GNOME 3.28 novidades






Depois de praticamente 6 meses de desenvolvimento e muito trabalho, a comunidade GNOME anunciou a versão 3.28 cheia de melhorias e alguns novos recursos.

Com o codinome "Chongqing", nome provindo da "GNOME.Asia summit", que foi feita na China no último Outubro, o novo GNOME deverá chegar às distros mais populares nos próximos dias e provavelmente será a versão que acompanhará a nova versão LTS do Ubuntu que sai em meados de Abril.

Uma das novidades mais interessante está no virtualizador GNOME Boxes, que agora é capaz de fazer o download de sistemas operacionais pelo próprio aplicativo, facilitando o trabalho de quem quer testar outras distros.

Confira o vídeo do projeto GNOME mostrando as principais novidades:


Outros destaques incluem melhorias no aplicativo de Calendário e de Contatos. Outro coisa interessante no Nautilus é que agora é possível marcar pastas e arquivos com uma "estrela', permitindo um fácil acesso através da lateral do gestor de arquivos. Como se fosse "favoritar" os seus arquivos.

Houveram melhorias também no suporte para conexões Thunderbold 3 e Bluetooth. Houve um polimento das fontes da interface para que melhorar na leitura, assim como uma melhoria no suporte para o teclado virtual em telas sensíveis ao toque.

Você pode conferir todas as pequenas mudanças nas notas de lançamento do GNOME 3.28. Dentre os pontos controversos que esta versão traz, temos a extinção da Área de Trabalho ativa, como comentando neste outro artigo.

Um novo software que também merece destaque e é estreante na família GNOME é o "Usage", que nós mostramos para você aqui. Ele é um novo software para visualizar o consumo de hardware do sistema.

O que você achou dessa nova versão? Já está utilizando?

Comente logo abaixo. :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Desligue os efeitos do GNOME Shell para deixar o ambiente mais leve

Nenhum comentário

quarta-feira, 14 de março de 2018

Infelizmente não podemos dizer que o GNOME Shell seja uma interface "leve". As distros que o utilizam como ambiente gráfico costumam consumir uma certa quantia de memória RAM, mas principalmente, o ambiente gráfico exige aceleração gráfica, o que pode torná-lo pesado para computadores menos potentes. Veja agora como você pode desligar os efeitos da interface para deixá-la mais leve.

Desabilitar os efeitos no GNOME Shell






Eu sei que "leve" e "pesado" são conceitos debatíveis, por isso eu fiz um vídeo para explicar para você "o que é um programa pesado", confira:



Dito isso, essa dica serve para qualquer distribuição Linux que use o GNOME Shell como interface, neste exemplo vou utilizar o Ubuntu 18.04 LTS. A mudança comentada neste artigo afetará simplesmente o consumo do seu chip gráfico, não afetando o consumo de RAM.

Instale o GNOME Tweak Tool


O primeiro passo para desligar os efeitos da interface é instalar a ferramenta de configuração GNOME Tweak Tool, ou simplesmente "Ajustes", como ficou na tradução para o Português. Você encontra essa ferramenta na loja de aplicativos (GNOME Software), se precisar de mais instruções veja este outro artigo do blog onde nós mostramos como instalar a ferramenta.

Removendo os efeitos


O GNOME Shell sem os efeitos fica bem "seco", por assim dizer, mas acho que é essa a ideia mesmo, não? Para remover os efeitos, abra o GNOME Tweak Tool e na sessão "Aparência" simplesmente deslize o interruptor para desligar os efeitos da interface, a mudança é instantânea:

Configuração de efeitos no GNOME Shell
Mova o interruptor de "Animações" para a esquerda.

Ao fazer um essa mudança em um computador com 4 GB de RAM e uma Intel HD Graphics a usabilidade do computador melhorou consideravelmente, vale a pena fazer o teste.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Projeto GNOME lança nova forma de visualizar consumo do sistema - GNOME Usage

Nenhum comentário

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

De tempos em tempos os softwares recebem re-designs, isso garante que os programas mantenham um visual condizente com os padrões atuais e recebam novos recursos e melhorias. Eventualmente o simples redesenho não é o suficiente e uma nova aplicação é lançada. Hoje você vai conhecer o "GNOME Usage", ou simplesmente "Uso".

GNOME Usage no Ubuntu 18.04 LTS






O "GNOME Usage" tem uma funcionalidade que parece concorrer com o "GNOME System Monitor". Eu não sei se ele foi criado com a finalidade de substituí-lo, mas ele tem potencial para isso. Veja só:

GNOME Usage


O visual e a funcionalidade atualmente é muito simples. Uma mistura de conceitos do gerenciador de tarefas Windows, Deepin e macOS, que permite que você veja o consumo do processador em gráficos e através de percentual, assim como o consumo de memória RAM. 

Você consegue finalizar tarefas pertencentes ao seu usuário que não modifiquem o funcionamento do sistema. É possível fechar um navegador por exemplo, mas não é possível finalizar o Xorg ou o processo do GNOME-Shell.

GNOME Usage - Armazenamento

Existe uma outra aba focada em mostrar o uso do armazenamento, semelhante ao Baobab, ou "Analisador de uso de Disco", uma ferramenta comum que acompanha praticamente todas as distros GNOME e até mesmo outras que não usam o GNOME diretamente, como o Linux Mint com interface Cinnamon.

Analisar de uso de Disco

O funcionamento é parecido, mas o "Usage" parece mostrar as informações de uma forma mais clara para usuários domésticos, semelhante ao painel que é exibido em "Meu mac" no macOS da Apple.

Armazenamento no macOS


Essa sessão permite que você exclua os conteúdos das pastas facilmente para liberar espaço no computador e permite também que você visualize com clareza qual o percentual do seu disco que está sendo ocupado pelo sistema operacional em si, assim como as pastas individualmente, semelhante ao modo do Android exibir os conteúdos também.

Em uma eventual migração para os pacotes Snap ou Flatpak, será fácil mostrar também o quando os Apps estão ocupando de espaço.

O "GNOME Usage" ou "Uso do GNOME" (ou simplesmente "Uso") está disponível no repositório do Ubuntu 18.04 LTS Daily Build (essa versão ainda está nos alphas e não deve ser usada em produção) e pode ser encontrar na GNOME Software:

GNOME Usage na GNOME Software

Distros Rolling Release como o Arch Linux, Manjaro, openSUSE Tumbleweed e outros sistemas que costumam trazer novidades com frequência também devem ter a aplicação disponível.

Quem está usando o Ubuntu 18 em suas daily Builds também pode instalar via terminal:
sudo apt install gnome-usage
Comparando ao "GNOME System Monitor", o "Usage" ainda tem algumas funcionalidades a menos. Como mostrar o uso de rede e a visualização de consumo do processador dividida por núcleos, no entanto, essa é a primeira vez que a ferramenta aparece, melhorias devem ser feitas.

GNOME System Monitor
GNOME System Monitor

Será que ele vai tomar o lugar do "GNOME System Monitor"? Será que os recursos serão incorporados ao próprio GNOME? Só o tempo nos dirá. 

O que você acha? Gostou na ferramenta?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



GNOME Tweak Tool (GNOME Tweaks) no Ubuntu - Principais opções de configuração

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

O ambiente GNOME é um dos mais completos e populares do mundo Open Source, sendo parte de muitas das principais distribuições Linux, como Red Hat, Fedora, Debian e mais recentemente, o Ubuntu. Com um ecossistema tão completo e complexo, é interessante ter uma ferramenta que permita que você faça ajustes no sistema para mudar o seu comportamento de forma simples; pois bem, a ferramenta ideal para isso é o GNOME Tweaks.

GNOME Tweak Tool - GNOME Tweaks Ubuntu






O GNOME Tweak Tool, também referenciado nos repositórios como Gnome Tweaks ("Ajustes" em português) é a ferramenta mais completa para configurar e ajustar o ambiente GNOME Shell.

Opções e configurações no GNOME Tweak Tool


Com o GNOME Tweak Tool você pode configurar o tema do ambiente gráfico, e por consequência da distro em si. Você pode alterar as configurações do Desktop, como ícones presentes ou não, manusear extensões do Shell, configurar fontes, atalhos do teclado, gerenciamento de energia, aplicações que iniciam com o sistema, formatos de data e hora, ícones da janelas, animações e até as múltiplas áreas de trabalho virtuais.

Como instalar o GNOME Tweak Tool no Ubuntu


O GNOME Tweak Tool está disponível na GNOME Software, a central de programas do Ubuntu (e de todas as distros que usam GNOME Shell como interface praticamente), então, é muito fácil instalar a ferramenta, basta pesquisar por ela na loja e instalar:

GNOME Tweak Tool

Essa dica vale para qualquer distro que possua a GNOME Software, não somente o Ubuntu.

Instalação do GNOME Tweak Tool via Terminal no Ubuntu


Obviamente você pode instalar o GNOME Tweak Tool no Ubuntu através do terminal, basta digitar (ou copiar e colar) o seguinte comando:
sudo apt install gnome-tweak-tool
ou você pode digitar:
sudo apt install gnome-tweaks
GNOME Tweak Tool no Ubuntu

Aguarde a instalação e após a conclusão você deverá encontrar a ferramenta no menu do sistema. Se você usa o sistema em Português do Brasil, basta digitar "Ajustes".

Principais recursos da ferramenta


Definindo de forma simples, o GNOME Tweaks (ou GNOME Tweak Tool) é uma ferramenta de ajustes, então você vai encontrar primariamente opções que podem modificar o visual ou a forma com que você interage com o sistema.

GNOME Tweak Tool - Temas (Themes)

Uma das principais utilidades e mais populares entre os usuários do GNOME Tweaks é a ferramenta de manipulação de temas, tanto que ela é a primeira aba da aplicação:

GNOME Tweaks Themes

Nesta opção você consegue alterar o tema GTK, o tema do cursor do mouse, o tema de ícones e até o tema do Shell em si, no entanto, para mudar o tema do GNOME Shell você precisa (geralmente) instalar uma extensão para poder carregar temas à partir do diretório do usuário.

Obs: Algumas distros já incluem esta extensão (chamada de "user themes") ativada por padrão.

Outra opção interessante que existe aqui é o botão de liga/desliga das Animações do sistema, desabilitar essa opção pode otimizar o desempenho da interface em máquinas com menor desempenho.

GNOME Tweak Tool - Extensões

Outra opção muito útil e interessante do GNOME Tweaks é a sessão de extensões. As extensões, assim como o nome sugere, estendem as funcionalidades do GNOME Shell, muitas vezes deixando ele mais utilizável e prático, dependendo das suas necessidades.

Neste vídeo, eu mostrei quais são as minhas extensões para o GNOME Shell favoritas, confira:



As extensões são conseguidas através do site extensions.gnome.org geralmente, mas você também as encontra na própria GNOME Software. Eu até já fiz uma lista com as minhas 7 extensões para o GNOME Shell favoritas.

Explore as funcionalidades do GNOME Tweaks


Existem muitíssimas funcionalidades que você pode alterar pelo GNOME Tweak Tool, então experimente, mexa, configure e altere até deixar o sistema do jeito que você preferir, se você "zoar a história toda", há uma forma relativamente simples de resetar o GNOME do seu Ubuntu para os padrões de fábrica e desfazer todas as alterações, eu já escrevi um tutorial para te ensinar a fazer isso, clique aqui para conferir.

Se você é um usuário de GNOME, o Tweak Tool é certamente um parceiro e tanto para o seu dia a dia, especialmente se você gosta de customizar o sistema com alguns dos temas que nós mostramos aqui, sejam temas GTK ou temas de ícones, e é claro, as extensões.

Se este artigo foi útil para você, nos "pague" compartilhando o conteúdo para os seus amigos. :)

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo