Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador google. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador google. Mostrar todas as postagens

Google e Valve trabalham para trazer Steam para os Chromebooks

Nenhum comentário

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

O ano mal começou e já temos uma notícia que pode mudar um pouco o mercado de games em 2020, que seria a entrada dos Chromebooks para rodar games.

Google e Valve trabalham para trazer Steam para os Chromebooks





O site especializado AndroidPolice, através do seu repórter David Ruddock, deu a informação que o Google está trabalhando em trazer o suporte oficial da Steam para o Chrome OS. A informação ele obteve juntamente com o Diretor de Gerenciamento para Produtos do Chrome OS (Director of Product Management for Google's Chrome OS), Kan Liu, na CES 2019 de Las Vegas.

Segundo Ruddock, Liu “lançou uma espécie de bomba”, em que a equipe do Chrome está trabalhando, muito possivelmente com cooperação com a Valve, para trazer o suporte da Steam para os Chromebooks.

Liu não deu um cronograma ou “timeline” do projeto, mas que ele seria ativado através da compatibilidade Linux que o Chrome OS tem. Em 2018 o Chrome OS começou a suportar apps Linux nele, através da plataforma Crostini, que você pode ver a nossa cobertura neste post.

Ruddock comenta que atualmente rodar a Steam com a camada de compatibilidade Crostini não tem um desempenho perto do aceitável, mesmo em comparação com a Steam em sistemas nativos e que são parecidos com o Chrome OS, como por exemplo Ubuntu, ZorinOS, Manjaro e entre outras distribuições Linux. Nisso tenho que concordar com ele, pois a princípio os Chromebooks são voltados para terem um baixo consumo de energia e assim durarem mais tempo fora de uma tomada. Além dele se sair bem para coisas triviais, como editar uma planilha, editar um texto, ver um vídeo no Youtube e assim por diante.

Mas parece que o Google quer mudar isso, tanto que ultimamente os Chromebooks vieram com mais armazenamento e um “poderio” de processamento, tendo algumas versões vindo com i7 e até 16GB de ram, como os Pixelbooks Go.

E foi exatamente nisso que Liu comentou com Ruddock, que poderíamos esperar Chromebooks mais poderosos, especialmente com GPU (APU) da AMD que estariam chegando. Também falou para “ficarmos atentos” na chegada de Chromebooks com gráficos Radeon dedicados. Não se teve respostas se eles viriam com GPUs da NVIDIA e também não houve manifestação sobre se isso competiria ou atrapalharia a plataforma de jogos do Google, o Stadia.

Agora o que penso e acho dessa possível vinda da Steam para o Chrome OS. Bom, isso seria muito bom, pois seria mais um sistema Linux rodando jogos e que o mesmo tem uma gigante da tecnologia por trás, o Google. Isso poderia atrair muitos desenvolvedores de jogos para a plataforma e assim portar os seus games para Linux, utilizando por exemplo o Vulkan e assim otimizando eles. Com isso, todas as distros se beneficiariam. Creio que poderia vir até outras lojas e jogos, como uma Epic Games Store, Uplay, Rockstar Launcher, Fortnite, PUBG e por aí vai. Isso também resolveria a grande “pedra no sapato” do Linux em jogos online, os tais “benditos” anticheats, que vivem barrando o WINE/DXVK/Proton por “acharem” que são “emulação” ou qualquer outra coisa que “acham” 😅. Arrisco a dizer, que se a Steam vier para o Chrome OS e “dar bom”, outras empresas podem trazer os seus produtos para Linux, como a “Sra” Adobe, Corel, AutoCad (AutoDesk) e além das empresas “menores” que fazem ERP também viriam uma boa trazer os seus produtos para o pinguim.

Se você quiser ver a matéria completa do AndroidPolice, basta acessá-la aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Darktable 3.0 é lançado com grandes mudanças e novos módulos

Nenhum comentário

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

Para quem trabalha com manipulação de fotografias, ter um aplicativo para editar elas sem “destruí-las” é essencial, e o Darktable se mostra muito eficiente nessa segmento.

Darktable 3.0 é lançado com grandes mudanças e novos módulos






No começo do ano (2019), fizemos uma lista de outros apps para essa função, que você pode conferir aqui.

A nova versão do Darktable, chega com mais de 3000 commits para as ferramentas em relação a versão 2.6 do aplicativo. Teve também uma “reformulação” da interface, que agora é gerenciado pelo GTK CSS. Isso possibilita uma seleção de temas diferentes e alguns já são fornecidos para serem experimentados.


Algumas das novidades desta versão são:

● Novos atalhos para permitir uma "experiência de edição sem bordas";

● Adicionado suporte para desfazer / refazer no lighttable para tags, etiquetas coloridas, classificações,
metadados, histórico de exclusão, histórico de transferência e
estilos aplicados;

● Nova visualização da linha do tempo no lightview;

● Suporte aprimorado para telas 4K e 5K;

● Novos módulos “equalizador de tom”, “básico” e “RGB cinematográfico”;

● Módulo para manipulação de transformações 3D RGB Lut;

● Ajustes de redução de ruído;

● Suporte para exportar para o Google Fotos;

● Agora pode exibir tags hierárquicas em uma “visualização em árvore”;

● As tags podem ser privadas;

● Seletor de cores adicionado a vários módulos;

● Janela de visualização disponível em câmara escura.


Para conferir todas as outras novidades e com mais detalhes, pode conferir aqui ou no Github do projeto. Para instalar o Darktable, você pode seguir o procedimento que o projeto sugere.

Até o momento só no Github essa nova versão está disponível, mas muito provavelmente chegará em breve nos repositórios das distros.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum. Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google premia os melhores apps da Play Store de 2019

Nenhum comentário

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Todos os anos o Google lança uma lista com os principais aplicativos da Play Store do ano, e desta vez não foi diferente. Separamos alguns dos aplicativos desta lista e mostramos aqui para você.

melhores-do-ano-play-store-2019

A primeira categoria é Apps mais divertidos, e conta com aplicativos de edição de imagens, conversa e de moda.

21 Buttons


O 21 Buttons é uma rede social de moda, ótimo para quem quer ficar por dentro das últimas tendências do mercado, e também conta com a possibilidade de comprar peças diretamente pelo aplicativo.

Concepts



Disponível para Android e Chrome OS, Concepts é um aplicativo para quem gosta de desenhar. Com ele, é possível criar esboços, fazer ilustrações e até colorir desenhos.

A segunda categoria é a Melhores tesouros escondidos, com aplicativos de nicho, porém com uma qualidade acima da média.

Vem CA


Possivelmente o aplicativo mais interessante desta lista, o Vem CA é uma plataforma de acessibilidade, e conta com diversas atividades culturais com acessibilidade. Entre algumas das atividades, estão: peças de teatro com língua de sinais, filme com audiodescrição e até feiras com gratuidade. Se você necessita ou conhece de alguém que precisa de algum tipo de acessibilidade, que tal recomendar este aplicativo?

Morphin



O Morphin permite que você coloque o seu próprio rosto em alguns dos GIFS mais populares, utilizando tecnologia CGI. Para isso, basta tirar uma selfie dentro do aplicativo e escolher o GIF, aí é só compartilhar aonde preferir.

A terceira categoria é Melhores apps para crescimento pessoal, que conta com aplicativos com foco em autoaperfeiçoamento.

Calm


Se você tem problemas para relaxar e dormir, talvez o Calm possa te ajudar: esse aplicativo conta com técnicas de respiração, meditações e melodias para ajudar a respirar melhor, relaxar e dormir com mais facilidade.

Drops Script



Para quem quer aprender uma nova língua, o Drops Script é uma boa opção. Através dele é possível aprender diversas outras línguas, como japonês, coreano e até russo. O aplicativo exibe a pronúncia correta e permite fazer o “desenho” do símbolo.

A próxima categoria é Melhores apps para o dia a dia, que como o próprio nome já diz, são aplicativos para uso diário.

Mobills


Este é um aplicativo de gerenciamento financeiro, e nele é possível fazer controle de gastos e ganhos, analisar para onde seu dinheiro está indo, realizar um planejamento de como gastar melhor, e acessar informações do seu banco diretamente deste aplicativo.

Endel



O Endel utiliza algoritmos para criar paisagens sonoras que estimulam a mente de maneiras diferentes, de acordo com cada objeto. Existem 4 modos: Relax, Focus, On-the-go e Sleep.

A penúltima categoria é a de Melhor app: voto popular, onde o próprio público decidiu qual é o melhor aplicativo do ano.

O vencedor foi o Dollify, um aplicativo que se popularizou nas redes sociais, em que é possível criar personagens digitais parecidos com você, alguma celebridade ou o que a sua criatividade permitir.


A última categoria é a de Melhor app, aonde a própria equipe do Google decidiu o melhor aplicativo.

O vencedor foi o Cíngulo, um aplicativo de terapia guiada, e conta com avaliações para descobrir os pontos fortes e fracos e utilizar as terapias adequadas para melhorar nos lugares necessários.


Você pode conferir todos os aplicativos participantes na Play Store. Tem algum aplicativo que você gostaria de ver na lista de melhores apps? Comenta aqui embaixo!

Se você tiver alguma dúvida sobre tecnologia, ou quiser compartilhar conhecimento com a comunidade, o Diolinux Plus é o espaço ideal para isso. Vem fazer parte da nossa comunidade!

Até a próxima!


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Insync está com 50% de desconto nesta Black Friday

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Atualmente, tanto o Google Drive quanto o OneDrive não possuem aplicativos nativos para Linux, porém o Insync resolve este problema, incluindo ferramentas além das oferecidas nos aplicativos nativos de Windows e MacOS.

insync-promocao-black-friday-50-desconto

O Insync é um software multi plataforma, portanto é possível utilizá-lo no Windows e MacOS, além do Linux. Ele conta com integração aos principais gerenciadores de arquivos como Nautilus, Nemo, Dolphin, Thunar, entre outros, facilitando a visualização dos arquivos que já foram sincronizados e adicionando o compartilhamento de arquivos através do menu do botão direito.

Se o seu computador conta com pouco espaço disponível, é possível sincronizar apenas os arquivos mais utilizados localmente, deixando o resto disponível apenas através da nuvem. Também é possível sincronizar qualquer outra pasta do sistema na nuvem, sem a necessidade de estar localizado dentro da pasta do Insync.

insync-sincronizacao-seletiva-selective-sync

Se você possui mais de uma conta no Google Drive ou OneDrive, é possível conectar todas elas através do mesmo aplicativo e manter todos os arquivos organizados e sincronizados.

O Insync também conta com uma ferramenta para sincronizar os arquivos de um dispositivo externo com a nuvem, para toda vez que você plugar o dispositivo a sincronização iniciar automaticamente. Dessa maneira, caso algum dispositivo pare de funcionar, não há perigo de perder todos os arquivos.

Uma ferramenta muito poderosa é a de automaticamente converter arquivos do Google Docs para arquivos Microsoft Office ou OpenDocument, permitindo a execução em outros aplicativos de escritório.

No Youtube, temos um vídeo explicando como utilizar o Insync com uma conta do OneDrive:


Nesta Black Friday, o Insync está com uma promoção de 50% de desconto, tanto na versão Prime quanto na Teams. O Insync é vendido através de um pagamento único, não sendo necessário realizar uma assinatura para continuar usando. Você pode comprar utilizando este link.

Se você tiver alguma dúvida sobre tecnologia, ou quiser compartilhar conhecimento com a comunidade, o Diolinux Plus é o espaço ideal para isso. Vem fazer parte da nossa comunidade!

Até a próxima!


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google adiciona novas funcionalidades ao GSuite

Nenhum comentário

domingo, 24 de novembro de 2019

Usuários do GSuite agora poderão desfrutar de um sistema de verificação ortográfica baseado em inteligência artificial em breve, até mesmo um sistema de correção automática. Essas e outras novidades foram trazidas pelo Google na última quinta-feira (21).

google-adiciona-novas-funcionalidade-ao-gsuite

O GSuite é uma das suítes de escritório mais completas e populares, tanto no meio doméstico quanto empresarial. Recentemente o Google trouxe algumas melhorias e novas funcionalidades para a sua suíte de escritório, que prometem refinar e simplificar o uso dos softwares que dela fazem parte

Muitas das suítes de escritório disponíveis no mercado são compostas por três aplicações, sendo uma para criação e edição de documentos de texto, outra para planilhas e uma terceira para apresentações. Estes três tipos de aplicações, com mais o aplicativo de formulários, são os que compõe o Google Docs, mas é importante deixarmos claro que o GSuite é composta por vários outro aplicativos e serviços além do Google Docs. Como por exemplo o Gmail, Google Calendar, Google Contacts, Google Drive, Google Keep entre outros.

Novas integrações com o Google Assistant


Com as novas atualizações, algumas das aplicações que fazem parte do GSuite terão uma integração muito mais completa e aprimorada com o “Google Assistant”. Com essa nova integração, através de comandos de voz, o usuário poderá utilizar funções do Google Calendar e Gmail, como por exemplo, consultar quando será o seu próximo compromisso. Criar, cancelar ou reagendar algum evento no calendário. Enviar uma nota via email, para os integrantes de um determinado evento, bem como enviar emails para qualquer um dos seus contatos. Também será possível acessar reuniões por voz ou videoconferência utilizando o discador do seu telefone ou o Google Hangouts.

Atualmente as funcionalidades mencionadas acima estão em fase beta, estando disponíveis apenas em inglês. Caso você queira obter mais informações sobre como ter acesso a tais funcionalidades no presente momento, acesse o blog oficial para updates do GSuite ou então, ao formulário de inscrição na versão beta do serviço.

Smart Compose


O Smart Compose é uma funcionalidade que utiliza inteligência artificial para tentar prever as próximas palavras do texto que está sendo escrito, assim tornando a escrita mais rápida, fazendo o usuário ganhar aqueles “famosos” segundos preciosos.

O Smart Compose já está presente no Gmail desde o ano passado, agora chegando a vez dos usuários do Google Docs poderem tirar proveito desta funcionalidade. Segundo a Google, o Smart Compose poupa as pessoas em digitarem cerca de dois milhões de caracteres por semana.

Na imagem abaixo você pode conferir o Smart Compose em funcionamento.

smart-compose-em-funcionamento

Mas nem tudo são flores, aquelas pessoas mais preocupadas com privacidade e segurança geralmente não gostam muito de funcionalidades como esta. A razão é que, para poder prever o que o usuário está prestes a digitar, o Smart Compose observa e memoriza termos e frases frequentemente utilizados pelo usuário, de forma que, por quanto mais tempo for utilizado, mais eficaz será em prever o que está para ser escrito.

Este comportamento de aprendizagem, que é uma característica do Smart Compose, não funciona apenas de forma individual. Ou seja, os padrões de escrita que o serviço aprende com você, também são utilizados pelo mesmo ao tentar prever o que será escrito por outras pessoas. E vice-versa.

Para muitas pessoas, todo esse comportamento em observar e memorizar o que o usuário está escrevendo, acaba se tornando uma forma de invasão da privacidade, o quê é um dos principais pontos negativos da funcionalidade. Por isso, antes de utilizar funcionalidades como esta, é muito importante que você saiba o que realmente acontece, para que possa pôr na balança os prós e contras, assim tomando uma melhor decisão.

Correção automática


O Google também está trazendo ao Docs a mesma forma de correção automática, que atualmente é utilizada no Gmail. Esta forma de correção automática utiliza a busca do Google para aprender novas palavras, e à partir desta nova implementação, a fim de oferecer uma experiência mais personalizada, as sugestões de palavras também poderão ser baseadas nos documentos do próprio usuário que estão armazenados no Docs.

Todas essas novas funcionalidades parecem realmente ser muito úteis, mas infelizmente muitas delas esbarram nesse problema de segurança e privacidade, que é o que impede muitos usuários de utilizarem quaisquer serviços relacionados a empresa.

Particularmente, não ligo muito se o Google está lendo o que eu estou escrevendo, bem como observando meu histórico na internet para me oferecer anúncios personalizados e coisas do tipo. Não é algo que eu goste, mas também não me incomoda tanto quanto a muitas pessoas. Mesmo não me importando muito com esse tipo de coisa, para o meu caso, também não acho correta a forma com que essas grandes empresas invadem a privacidade dos usuários. Consigo entender perfeitamente a razão pela qual tais pessoas, com toda a razão, criticam e não fazem uso dos serviços dessas empresas.

O que você acha sobre as novas funcionalidades que estão sendo implementadas na GSuite? E o que você pensa sobre a forma com que, tanto a Google, quanto outras grandes empresas da área de T.I. vem mantendo seus serviços?

Lembre-se sempre de ser educado e respeitoso, por mais diferentes que as opiniões possam ser. 😃

Fique ligado no blog Diolinux para ficar sabendo quando todas essas novas funcionalidades forem abertas ao público, e se realmente estão funcionando conforme o prometido. 😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

A batalha final entre Oracle e Google por copyright

Nenhum comentário

quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Uma disputa judicial que vem ocorrendo entre a Oracle e o Google desde 2010, parece estar chegando ao fim. Agora a Suprema Corte dos Estados Unidos finalmente decidiu dar um veredito, após nove anos de disputas e vereditos favoráveis para ambos os lados.

a-batalha-final-entre-oracle-e-google-por-copyright

A origem de tudo


Na segunda metade de 2010, após ter adquirido a Sun Systems, a Oracle moveu uma ação judicial contra o Google, acusando-o de implementar no Android vários softwares relacionados ao Java. Tecnologias essas que são patenteadas e protegidos por direitos autorais, pertencentes à Sun Systems.

Segundo o pronunciamento feito pela Oracle na época, o Google tirou proveito de propriedades intelectuais pertencentes a Sun Systems, sendo feita de forma intencional. Com isso, a Oracle exigiu em corte que o Google pagasse altos valores, como uma forma de compensar pelas apropriações indevidas das suas patentes.

Segundo os advogados que representam a Oracle, na época:

Sem consentimento, autorização, aprovação, ou licença, o Google conscientemente, deliberadamente, e ilegalmente copiou, modificou, publicou e distribuiu trabalhos pertencentes à Oracle, protegidos por direitos autorais, e continua a fazê-lo. O Android, pertencente o Google, infringe direitos autorais da Oracle ao fazer uso das tecnologias diretamente relacionadas ao Java, e o Google não está autorizada a fazê-lo.

Curiosamente, esta ação por parte da Oracle foi tomada em um momento em que o Android estava iniciando a sua fase de ascensão, e acabara de ultrapassar o “market share” do iPhone/iOS.

A acusação feita por parte da Oracle afirma que o Google tirou proveito de um total de sete patentes utilizadas em várias tecnologias relacionadas ao Java, além de código protegido por direitos autorais, documentação, especificações, bibliotecas, e outros materiais que fazem parte da plataforma.

O processo continuou ao longo de todos esses anos, sendo que o Google obteve ganho de causa em primeira instância em 2012. Ganho de causa esse que veio a ser revogado em 2014. O Google não desistiu e recorreu, o novamente obteve ganho de causa em 2016, decisão esta que voltou a ser revogada em 2018.

A reta final


Agora, atendendo à um apelo do Google, a Suprema Corte Americana irá ouvir o caso e decidir entre manter ou revogar a decisão judicial tomada anteriormente, que havia dado ganho de causa o Google.

Nós recebemos da melhor forma possível a decisão da Suprema Corte em revisar o caso, e esperamos que a Corte reafirme a transparência na competitividade empresarial americana. Desenvolvedores deveriam ser capazes de criar soluções entre as plataformas, e não ficar restringidos aos softwares de uma única companhia.” disse o porta voz do Google, Kent Walker.

A Oracle pode arrecadar a bagatela de US$9 Bilhões (aproximadamente R$38 Bilhões) caso a decisão de 2018 seja mantida, e está confiante no caso, publicando o seguinte pronunciamento:

“Estamos confiantes que a Suprema Corte vai preservar as proteções dos direitos autorais, que foram estabelecidas há muito tempo para os softwares originais, e rejeitar os contínuos esforços do Google em evitar a responsabilidade por ter copiado as inovações da Oracle. Nós acreditamos que a Suprema Corte irá rejeitar qualquer argumento que permita ao Google literalmente copiar uma vasta quantidade de linhas de código, e utilizá-lo para o mesmo propósito e da mesma forma que o original. O quê certamente não é uma forma justa de fazer uso das tecnologias em questão.”

Conclusão


Aqui estamos nós, de volta àquelas questões tão polêmicas: Software livre vs. Software proprietário. Propriedade intelectual é realmente algo justo? Se você cria algo, é realmente justo que aquela ideia seja sua propriedade e de mais ninguém?

Eu realmente fico muito dividido quanto à esse assunto. Consigo ver os dois lados da moeda, procuro manter a mente aberta para ambos os lados. Mantendo a questão apenas na área de T.I., é difícil pensar que se eu criar algo completamente novo, moralmente falando, serei “obrigado” a doar tal ideia para que qualquer um possa utilizá-la como quiser. Por outro lado, é justamente a colaboratividade que fez a humanidade chegar tão longe, em todos os aspectos. É ajudando uns aos outros que conseguimos crescer, e evoluir como indivíduos. Como diz aquela fantástica música do Pink Floyd: “Together we stand, divided we fall.

Então, pensando por um lado, compartilhar a minha suposta ideia inovadora soa injusto. Afinal, é a minha ideia, o meu trabalho, investimento e esforço. Mas por outro lado, não dividir tal ideia, soa como algo extremamente egoísta, nadar contra a corrente, e involuir.

O quê você pensa sobre toda essa questão de direitos autorais, propriedade intelectual e software livre? É uma questão muito polêmica, e complexa, que sempre rende discussões acaloradas, que uma vez que os ânimos tenham se exaltado, acabam não levando a lugar nenhum. Então lembre-se de, ao comentar, ser educado, respeitoso, e manter a mente aberta para ideias diferentes da sua. 😁

Realmente queremos saber a sua opinião, caro leitor, para que assim possamos evoluir juntos.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus!

Isso é tudo pessoal! 😉

Fonte: The Register


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Chrome OS 78 chega com novidades e aprimoramento com apps Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 7 de novembro de 2019

Confira as novidades da versão 78 do sistema do Google, e o aprimoramento de aplicações Linux no Chrome OS.

google-chrome-sistema-operacional-chromebook-laptop-apps-linux-web-browser-desktop-virtual-overview

Donos de Chromebooks devem estar alegres com as mais recentes mudanças no Chrome OS 78. O sistema do Google é muito famoso no meio estudantil, chegando a bater de frente com o Microsoft Surface nos EUA. Com as mudanças que estão sendo implementadas, mais usuários poderão ser atraídos. 

Temos uma review do Chrome OS demonstrando o sistema em funcionamento e avaliando se vale ou não apena comprar um Chromebook:


O suporte para as aplicações Linux no Chrome OS não é de hoje. O recurso vem sendo compatibilizado desde 2018, com a possibilidade dos pacotes DEB poderem ser instalados, unindo as facilidades da web, com apps comuns no mundo Linux sendo acessados offline. 

Veja no início desta implementação, aplicativos de Linux rodando no Chrome OS:


Fica bem interessante pensar aonde as coisas chegarão, caso todo esse trabalho continue adiante. No ano de 2019, por exemplo, parece que o foco principal, além das soluções de bugs, é essa compatibilidade com softwares Linux. Cada atualização vêm sendo minuciosamente ajustada para rodar programas do Linux. Inclusive vários modelos de 2019 passaram a vir com o suporte para aplicativos Linux. Muitos poderão se perguntar, mas qual a dificuldade se o Chrome OS também é baseado em Linux? Pois bem! Ser baseado em Linux, não quer dizer necessariamente que as tecnologias serão compatíveis entre si. Além disso, o Chrome OS não compartilha dos mesmos elementos, comumente semelhantes em outras distribuições. Um que posso citar, é o seu servidor de janelas. Nas distros é comum você utilizar ou o Xorg, ou Wayland.

Apps Linux no Chrome OS 78 e muito mais


Agora é possível salvar e restaurar backups dos arquivos e aplicativos Linux localmente, em armazenamento externo ou na nuvem via Google Drive. O suporte a GPU passa a vir ativado por padrão, oferecendo uma experiência decente e tornando tudo mais fluido ao utilizar esses apps.

As configurações foram divididas, tornando tudo ainda mais organizado, como aprimorado o suporte à impressão. A exibição das impressoras, suportadas, é automaticamente reconhecida sem prévia configuração por parte do usuário. Recursos novos no Chrome OS 78, não faltam e features, como Picture in Picture (PiP) no Youtube compõe algumas das novidades. Outras alterações que são interessantes citar são: melhorias visuais no aplicativo Arquivos tornando mais intuitivo as informações de todo o progresso, a capacidade do Chromebook “acordar” ao utilizar a conexão USB para determinados casos de uso, adição do Click-to-Call, facilitando chamadas telefônicas de usuários Android, novos atalhos de teclado e uma das principais mudanças em sua interface gráfica, sendo a criação de desktops virtuais e interações com o Overview.

Com aspectos que lembram ambientes conhecidos no Linux, GNOME Shell, DDE e Pantheon Shell. 

Desktops virtuais no Chrome OS 78:

google-chrome-sistema-operacional-chromebook-laptop-apps-linux-web-browser-desktop-virtual-overview

Overview no Chrome OS 78, e adição de desktops virtuais:

google-chrome-sistema-operacional-chromebook-laptop-apps-linux-web-browser-desktop-virtual-overview

Detalhes mais simples e pontuais foram adicionados, mas creio que sejam mais relevantes aos usuários do sistema e ficaria maçante mencionar um a um.

“Agora você pode criar até 4 desktops virtuais distintos. Os desktops virtuais são para se concentrar em um único projeto ou para alternar rapidamente entre várias janelas”, diz o Google nas notas de versão.

Se você, assim como eu, não tem um Chromebook. Não fique triste, talvez uma solução paliativa seja “fazer seu próprio Chromebook”. Uma forma interessante é através do CloudReady, conforme o vídeo logo abaixo.


Ainda não tive o prazer de pegar um equipamento desses em minhas mãos, sempre estou pesquisando sobre o sistema e confesso que sua interface é uma de minhas favoritas (em quesito beleza). Gostaria de brincar um pouco com um Chromebook, de preferência um que suporte a instalação de apps Linux.

Você possui um Chromebook? Qual sua opinião sobre o sistema do Google? Particularmente penso bem semelhante ao Linus Torvalds, quando o assunto é Chrome OS.

Quer saber a opinião do criador do Linux, sobre o sistema do Google e mais assuntos? Acesse essa postagem e saiba mais.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus e não perca nenhuma novidade.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Softpedia.


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google lança projeto de design de chip, OpenTitan, de código aberto

Nenhum comentário

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

O Google está desenvolvendo um projeto para design de chips em código aberto, que poderá ser implementado por qualquer hardware ou software, seu objetivo é assegurar a integridade com maior transparência e todas as vantagens que o Open Source pode oferecer.

opentitan-titan-google-chave-criptografia-segurança-chip-hardware-server-pc-laptop-software-open-source-código-aberto

Recentemente abordamos em uma postagem que a System76 começou a distribuir seus laptops com a alternativa livre ao UEFI e BIOS. Curiosamente os Chromebooks também fazem uso do Coreboot, e agora o Google está adotando um novo projeto Open Source. Não é surpresa para ninguém que gigantes da tecnologia passaram a incorporar projetos de código aberto em suas empreitadas. O modelo aberto não é mais um sonho, passou a ser o padrão em muitos mercados, mesmo que utilizado em conjunto à modelo proprietários. Enfim, a liberdade do Open Source permite isso, então não é um crime, como muitos pintam.

O Google vem utilizando tais soluções em determinados aspectos de seus vários nichos de mercado, inteligência artificial, servidores, mobile, laptops, entre outros. Falando em laptops, você já viu nosso review sobre o Chrome OS?

Confira o vídeo e saiba se vale a pena ou não, utilizar o sistema baseado em Linux do Google:


Maior segurança com OpenTitan


Não é de agora que empresas vêm investindo em soluções mais seguras para seus equipamentos. A Apple, por exemplo, desenvolveu o chip T2 presente nos mais recentes MacBooks visando a segurança dos seus dispositivos. Através dos vários meios que dificultam a vida dos invasores, podendo ser palavras-passe, chaves de encriptação, entre outros. Tais alternativas tentam evitar ataques de hackers mal-intencionados, pondo em risco os dados contidos em tais equipamentos.

No ano passado o Google apresentou ao mundo sua chave de segurança, Titan, contendo um chip customizado pela própria empresa. O gadget da empresa era, literalmente, uma chave na qual o usuário utilizava via USB e também tinha uma variante para uso em smartphones que poderia ser conectado sem fio.

opentitan-titan-google-chave-criptografia-segurança-chip-hardware-server-pc-laptop-software-open-source-código-aberto

Em conjunto com diversas universidades e outras entidades, o Google passa a desenvolver um chip focado em segurança e totalmente Open Source. Valendo-se de sua experiência com o Titan, o design do chip denominado de OpenTitan tem agora toda uma comunidade para contribuir com o projeto. Algumas que o Google destaca, são: LowRisc, ETH Zurich, G+D Mobile Security, Nuvoton Technology e a Western Digital.

Vale ressaltar que o OpenTitan poderá ser utilizado para os mais variados fins, e por ser de código aberto, curar todo projeto acabará se tornando bem mais transparente. Em um mundo envolto por escândalos de espionagem entre nações, backdoors sendo implementado por pessoas mal intencionada e tudo mais. Um projeto deste calibre vem para somar e amenizar os estragos envoltos destes ataques contra a segurança.

O projeto será independente de plataforma, garantindo através de criptografia que o chip não seja violado. Toda a base desta tecnologia fornece uma sólida estrutura para o sistema operacional e aplicações em execução sobre o OpenTitan.

opentitan-titan-google-chave-criptografia-segurança-chip-hardware-server-pc-laptop-software-open-source-código-aberto

Atualmente o Google faz uso do Titan na infra-estrutura do seus servidores, e sem dúvidas que com a implementação do OpenTitan nos mais diversos equipamentos e com adoção das grandes fabricantes de hardwares, podemos contar com um elemento a mais em nossa segurança. 

Contudo, este não é o primeiro projeto dedicado à criação de designs de chips focados em segurança. O Open Compute Project, fundado pelo Facebook e outras empresas, foi desenvolvido para assegurar servidores e toda a infraestrutura de diversas empresas.

O projeto OpenTitan pode ser conferido em seu repositório no Github. E quem sabe no futuro, computadores possam vir com o chip e até mais componentes de código aberto. 

O que você acha sobre projetos que visam aumentar a segurança? Acredita, assim como eu, que além do software o próximo passo são hardwares Open Source? 

Deixe nos comentários a sua opinião, participe de nossa comunidade no Diolinux Plus e não perca nenhuma novidade.

Até o próximo post, que o futuro seja mais Open Source, SISTEMATICAMENTE! 😎



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo recurso deixam as pesquisas no Google mais inteligentes

Nenhum comentário

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

Mudanças na maneira em que os resultados de pesquisa são vinculados no Google estão a caminho, e isso pode tornar nossos resultados de pesquisa mais exatos.

google-pesquisa-buscador-resultado-bert-mecanismo-busca-perguntas-respostas

O Google é um dos mecanismos de busca mais famosos na internet, se não o maior, obviamente que existem soluções interessantíssimas, como o DuckDuckGo, por exemplo. Aliás, temos uma postagem super detalhada sobre essa alternativa ao Google. Confira, junto a essa matéria, existem vídeos demonstrando vários recursos e características do buscador.

“Googlando no Google”


Fazer pesquisas no Google tornou-se parte de nosso cotidiano, não obstante, o verbo “googlar” passou a compor como parte de nossa língua. Mesmo com milhões de pessoas utilizando o buscador, a grande maioria não sabe seu funcionamento. Obviamente, que não estou falando de termos técnicos ou da programação utilizada em seu algoritmo. Todavia, saber como pesquisar (o mínimo possível) pode agilizar e até mesmo potencializar seus resultados na internet.

Um vídeo super interessante, e que indico, é do canal Bóson Treinamentos. Para não ficar massante ao demonstrar os diversos comandos que sei sobre o Google, lembrei de seu vídeo sobre o assunto. Caso queira melhores resultados, considere ver o vídeo e aprender 15 comandos para usar a busca do Google de forma mais eficiente.


Atualmente o mecanismo de pesquisa do Google usa processamento de linguagem natural para analisar as consultas. Isso significa que, se alguém pesquisar por: “obter remédio na farmácia”, o Google exibirá resultados referentes às palavras “remédio” e “farmácia”. Todas as páginas na web indexadas com essas palavras-chave serão exibidas, e isso nem sempre é o mais preciso. Afinal, o contexto em si não é considerado, apenas palavras “soltas”. Outro ponto, são palavras que remetam a outras ou possuem outro significado. Por exemplo, no caso do “remédio” o Google também poderia sugerir resultados de páginas na web com a palavra “medicamento”.

A partir de hoje o Google se torna mais inteligente, utilizando um novo método de processamento de idiomas. Por meio do aprendizado de máquina, o novo recurso promete tornar os resultados mais próximos do esperado. Chamado de BERT (Bidirectional Encoder Representations From Transformers, em tradução livre algo, como Representações de Codificadores Bidirecionais dos Transformadores), é a solução capaz de analisar as sequências de palavras e não apenas cada palavra isoladamente.

Para ter uma noção dos resultados do BERT, ao pesquisar por “posso comprar remédio para alguém na farmácia” o resultado considerou o contexto e indicou um artigo do Departamento de Saúde e Serviços Humanos demonstrando como solicitar medicamentos para um amigo ou membros da família. Já da forma tradicional o resultado não foi tão assertivo e levou o usuário a assuntos relacionados a como obter uma prescrição médica preenchida e acabou perdendo o ponto da pesquisa.

google-pesquisa-buscador-resultado-bert-mecanismo-busca-perguntas-respostas

Em um evento de imprensa realizado ontem, Pandu Nayak, o vice-presidente de pesquisa do Google deu outro exemplo, com a seguinte pesquisa: “Quantos anos Taylor Swift tinha quando Kanye subiu ao palco?”. Antes do BERT, o Google ofereceu diversos resultados, sendo vídeos do evento de 2009, discurso de aceitação da estrela do pop na MTV Video Music Adwards. Depois do Bert, o resultado foi direto ao ponto inicial da pergunta, o Google apresentou em primeiro lugar no ranking um trecho de um artigo da BBC, destacando a idade da cantora considerando o contexto da questão.

“Na frente do ranking, essa é a maior mudança que tivemos nos últimos cinco anos — e uma das maiores desde o início”, disse Nayak.

Ao ser questionado quanto a eficácia em números de tais melhorias, Nayak afirma que o BERT teria real valor em perguntas mais exóticas e afetaria apenas uma em cada dez pesquisas nos Estados Unidos. Ainda assim, com um tráfico monstruoso de pesquisas diariamente de seus mais de 90,8% no mercado de buscas em todos seus produtos, centenas de milhões de resultados mudariam da noite para o dia.

“À medida que respondemos à perguntas mais exóticas, espero que isso leve as pessoas a fazerem mais e mais perguntas exóticas”, disse ele.

google-pesquisa-buscador-resultado-bert-mecanismo-busca-perguntas-respostas

Todavia o BERT não é perfeito, e existem áreas que não lida bem. Ao pesquisar por “Tartã” (do inglês tartan), um padrão quadriculado de estampas, o resultado não foi tão agradável e imagens foram ignoradas. Já sem o uso da tecnologia, tais figuras representando o tecido foram destacadas para o resultado final.

google-pesquisa-buscador-resultado-bert-mecanismo-busca-perguntas-respostas

Outro caso foi na busca “Qual estado fica ao sul de Nebraska?”, o BERT apresentou a página da Wikipedia para South Nebraska (um bairro da Flórida), em contrapartida, o resultado ideal seria a página da Wikipedia do Kansas.

Inicialmente apenas disponível para pesquisas em inglês e nos EUA, o BERT será gradualmente incorporado em todas as pesquisas do país e no futuro existem planos para outros países e idiomas, Nayak está confiante com essa tecnologia.

“Estamos jogando um jogo estatístico aqui. Em conjunto, sabemos que qualquer alteração terá alguns ganhos e algumas perdas. … Eu julgo que a recompensa [do BERT] será muito boa”.

A mudança pode atrair mais tráfego dentro do buscador e impactar serviços da empresa. Google Maps, Youtube, entre outros poderão realçar pesquisas de nicho e por consequência os criadores de conteúdo possam ser beneficiados, porém, tudo é incerto e apenas nos próximos meses poderemos ver o impacto causado pelo BERT, em primeiro lugar nos EUA e depois, quem sabe, nos demais países.

Qual sua opinião quanto ao buscador do Google e essa nova investida?

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus e não perca nenhuma novidade.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google contrata ex-chefe do Microsoft Office para sua suite de escritório

Nenhum comentário

terça-feira, 22 de outubro de 2019

Google contrata ex-executivo da Microsoft para liderar o G Suite, e demonstra que não está de brincadeira e faz frente ao Microsoft Office, fomentando a concorrência. 


g-suite-office-ms-microsoft-google-documentos-apresentação-slides-planilhas-estudantes-corporativo-comercial-mobile-android-ios-email

Quando o assunto é office, comumente a primeira alternativa a ser mencionada é o famoso Microsoft Office. Não é atoa que termos, como: “tenho que criar uma apresentação de slides” é substituído por: “tenho que criar um PowerPoint”. Trabalhei durante um tempo fazendo manutenção de computadores em uma Rádio e algumas escolas, e sempre ouvia algo assim.

Confira logo abaixo 6 alternativas ao MS Office.


Sem dúvidas a Microsoft é muito forte no setor corporativo e no meio estudantil, contudo, os Chromebooks do Google vem ganhando esse mercado. Atualmente o G Suite, alternativa da empresa ao Microsoft Office/Office 365, já supre uma grande parcela dos usuários. Talvez em países como o Brasil, que não possui uma internet de altíssima qualidade, sua adoção não seja tão massiva quanto a outros países.

Reforçando o time do G Suite


Para diminuir essa distância entre o G Suite e o Microsoft Office, o ex-chefe para estratégia de software e produtividade do Office, Javier Soltero foi contratado. Mas, “vale isso Arnaldo?”. Claro, que vale! Considerando o currículo e todo o envolvimento em projetos que Javier teve na MS, podemos dizer que a escolha foi mais que acertada.

g-suite-office-ms-microsoft-google-documentos-apresentação-slides-planilhas-estudantes-corporativo-comercial-mobile-android-ios-email
Javier Soltero quando era executivo da Microsoft - Wikimedia Commons

O ex-executivo da MS passou a fazer parte da companhia em 2014, assim que a Gigante de Redmond adquiriu a startup de e-mail móvel Acompli. Neste período Javier era o CEO da startup, que co-fundou. Graças a essa compra, o app da Acompli tornou-se a versão do Outlook para iOS e Android. Então, ele passa a ser o líder do Outlook em todas as plataformas e, em março do ano passado ajudou a implementar os recursos da Cortana (assistente digital da Microsoft) no Office 365. No entanto, após reorganizar sua divisão do Microsoft Office, Javier Soltero foi dispensado.

g-suite-office-ms-microsoft-google-documentos-apresentação-slides-planilhas-estudantes-corporativo-comercial-mobile-android-ios-email

Com ampla experiência e familiaridade em projetos, como o MS Office e a Cortana, o Google contrata o veterano em tecnologia para atuar em áreas de seu domínio. Sendo agora responsável por supervisionar o G Suite, gerenciando a produtividade e ferramentas de colaboração do Google para o meio corporativo. Lembrando que os aplicativos do G Suite que possuem versões gratuitas, são oferecidos para clientes corporativos através de mensalidades (recentemente passou a receber pagamento em Real). Obviamente que recursos extras são oferecidos, como um melhor e-mail comercial, espaço em armazenamento ilimitado, melhor infraestrutura para trabalhos e colaborações em equipe e muito mais. Aliás, caso não saiba o G Suite suporta arquivos do Microsoft Office

Veja neste vídeo, porque utilizamos o Google Docs no Diolinux.



Um ponto que podemos destacar, é que Javier pode contribuir de alguma forma para uma integração semelhante entre a assistente pessoal do Google e seus apps de escritório, como já fez no passado ao trabalhar para Microsoft. Outro detalhe é o aperfeiçoamento das aplicações mobiles, diariamente trabalho com algumas e sei de várias deficiências e dificuldades que algumas impõe em sua usabilidade. Espero que com essa adição importante, as ferramentas da empresa possam evoluir ainda mais e beneficiar seus usuários. Tanto os corporativos, como os comuns.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, compartilhe nossas postagens e divulgue bom conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google anuncia seu novo app de gravação, com IA e muito mais

Nenhum comentário

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

O evento Made by Google, foi recheado de novos recursos, aparelhos, apps Android, notebooks e muito mais. Curioso com tudo o que foi abordado este ano no evento do Google? Acesse a postagem que detalhamos os pormenores e demais novidades.

google-recorder-android-app-gravador-ai-transcrever-áudio-som,song

Entre todas as novidades que surgiram no Made by Google de 2019, uma me chamou bastante atenção. Pode parecer até algo simples, porém gravar anotações e depois transcrevê-las não é uma tarefa tão agradável e rápida de se fazer.

No mês de março deste ano, anunciamos um recurso novo que estava chegando ao Android. Naquele período, o Google estava implementando a transcrição de voz em tempo real no robozinho verde.

Parece que o projeto evoluiu de tal forma, que recebeu funcionalidades interessantíssimas. Junto aos seus novos aparelhos da linha Pixel (Google Pixel 4 e Pixel 4XL), o Google acaba de lançar um novo gravador. Não pense que o Google Recorder é apenas mais do mesmo, o app consegue transcrever em tempo real o que é gravado, e através de uma inteligência artificial (IA) torna o processo bem eficaz.


Além de gravar e transcrever o áudio, com o auxílio de um novo modelo de processamento de linguagem, o Recorder não necessita de conexão com a internet para cumprir tais tarefas. Limitar-se ao uso da internet para acessar esses recursos, não seria o único incômodo, pois se o processamento não fosse offline, os dados teriam que trafegar por algum servidor da empresa. Para muitos, essa característica é super importante.

Contudo, o que me surpreendeu, foi sua capacidade de localizar frases específicas dentro dessa transcrição, e seu grau altíssimo de assertividade. Com sua pesquisa avançada, sons, palavras ou frases podem ser pesquisados em uma gravação. Durante a apresentação, Sabrina Ellis, vice-presidente de gerenciamento de produtos, fez uma demonstração ao vivo da aplicação. Não sabemos se em um cenário real, com ruído de fundo, o aplicativo será tão feliz em sua abordagem e irá identificar corretamente cada palavra, pausas e acentuações. 

google-recorder-android-app-gravador-ai-transcrever-áudio-som,song

O Google Recorder atualmente suporta apenas o inglês, mas existem planos para outros idiomas. No entanto, o mesmo é exclusivo para os novos aparelhos da empresa e nada foi revelado se no futuro estaria na Play Store. Sendo assim, nos resta esperar e ver se a novidade será disponibilizada para download aos demais usuários da plataforma Android.

Gostou do Google Recorder? Confesso que seria uma “mão na roda” e utilizaria frequentemente o software. Atualmente todas as soluções que tentei não me entregaram um resultado realmente satisfatório.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: TuttoAndroid.


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Made by Google, evento do Google com as novidades da empresa para o consumidor

Nenhum comentário
No evento feito nesta terça-feira (15) em Nova York,  foram apresentadas novas versões do celular Pixel, dos fones de ouvido inteligentes, o sucessor do Google Home, o anúncio oficial do Pixelbook Go, e muito mais, confira!

Made by Google, evento do Google com as novidades da empresa para o consumidor





Primeiro vamos falar do novo Pixel, celular do Google que agora chega na versão 4, com várias melhorias de hardware e software. Nesta versão, estão disponíveis o Pixel 4 (US$799) e o Pixel XL (US$899), onde no primeiro terá a tela de 5.7” e na segunda opção, serão incríveis 6.3”. Os dois terão Corning® Gorilla® Glass 5, Processador Qualcomm® Snapdragon 855™ 2.84 GHz + 1.78 GHz 64-bit Octa-core, Chip Gráfico Adreno 640, armazenamento de 64 ou 128 GB, Câmera frontal de 8 MP e traseira de 16 MP, USB Type-C™ 3.1 Gen 1, Single Nano SIM eSIM⁷. Para maiores detalhes, você pode acessar aqui e aqui. Sem previsão de chegada no Brasil.

A gif showing someone skipping songs using Motion Sense


A segunda grande novidade, são os fones de ouvido inteligentes do Google, chamados de Google Pixel Buds, que segundo a empresa, terão uma autonomia de 5 horas e integração com a assistência digital do Google. De forma que que você poderá usar o “OK Google” para dar o comandos para o fone, funcionalidade esta que pode ser usada para ouvir músicas, podcasts e até fazer a tradução para uma outra língua. Os fones terão uma cobertura de aproximadamente 100 metros em campo aberto. Custará US$179 e com lançamento previsto para o segundo trimestre de 2020. Sem previsão de chegada no Brasil.

Pixel Buds - Product GIF (1).gif


Agora uma novidade que nós brasileiros vamos poder aproveitar. O ex-Google Home Mini, agora rebatizado com o nome de Nest Mini, é a caixinha inteligente do Google. Com ela você pode dar comandos de voz e assim automatizar algumas tarefas, como poder ouvir as suas músicas e podcasts. Além de poder usar o Google Assistente, visto que ela tem microfones em 360º. Na Google Store, ainda não tem preço divulgado, mas você pode entrar para uma lista de espera. A previsão é que chegue no Brasil até o final do ano e o preço também ainda não foi revelado. Nós USA o preço são de US$50.



Por último, temos a data revelada do lançamento do Google Stadia de fato. Será no dia 19 de novembro de 2019. O Google Stadia, inicialmente, estará disponível em 14 países - Bélgica, Canadá, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Itália, Irlanda, Holanda, Noruega, Espanha, Suécia, Reino Unido e EUA. Por hora, o Brasil não entra nessa “leva” inicial.

Jogos confirmados até o momento:

● Bandai Namco – Dragon Ball Xenoverse 2
● Bethesda – DOOM Eternal, DOOM 2016, Rage 2, The Elder Scrolls Online, Wolfenstein: Youngblood
● Bungie – Destiny 2, Destiny 2: Shadowkeep Expansion
● CD PROJEKT RED – Cyberpunk 2077
● Chump Squad – KINE
● Coatsink – Get Packed
● Codemasters – GRID
● Dotemu – Windjammers 2
● Deep Silver – Metro Exodus
● Drool – Thumper
● Giants Software – Farming Simulator 19
● Larian Studios – Baldur’s Gate 3
● nWay Games – Power Rangers: Battle for the Grid
● Omega Force – Attack on Titan 2: Final Battle
● Pandemic Studios – Destroy All Humans!
● Robot Entertainment – Orcs Must Die 3
● Sega – Football Manager
● SNK – Samurai Shodown
● Square Enix – Final Fantasy XV – Tomb Raider Definitive Edition, Rise of the Tomb Raider, Shadow of the Tomb Raider, Marvel’s Avengers
● SUPERHOT – SUPERHOT
● 2K – NBA 2K, Borderlands 3
● Tequila Works – Gylt
● Warner Bros – Mortal Kombat 11
● THQ – Darksiders Genesis
● Ubisoft – Assassin’s Creed Odyssey, Just Dance , Tom Clancy’s Ghost Recon Breakpoint, Tom Clancy’s The Division 2 , Trials Rising, The Crew 2, Watch Dogs: Legion

Você pode conferir esses dois vídeos do canal, falando sobre o Stadia.




Para ver o post completo com todas as novidades, basta acessar o blog do Google aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo