Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo.

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador google chrome. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador google chrome. Mostrar todas as postagens

Como transformar o seu celular em um controle remoto do VLC Player!!

Nenhum comentário

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Muitas vezes nos pegamos vendo um filme ou série através do notebook ou PC bem confortável e relaxado, e ai precisamos aumentar o volume, parar o filme ou qualquer coisa do tipo mas o bendito do notebook ou PC está longe e assim tirando a gente do conforto das almofadas, travesseiros e cobertas depois de uma "batalha homérica" para chegar naquele conforto que queríamos. Bom, nesse artigo vamos mostrar como transformar o seu celular, através do navegador, em um controle remoto do VLC Player.







O procedimento para transformar o celular em um controle do VLC é bem simples de fazer. Primeiramente precisamos descobrir qual o IP da nossa maquina, que podemos obter de duas formas.

A primeira forma de obter é através da ferramenta gráfica aonde se configura as conexões do sistema, geralmente chamada de Redes e na aba detalhes ali está o seu IP, que pode ser por exemplo 192.168.1.50.

Já o segundo método é através do terminal, e vamos usar dois comandos bem simples, o primeiro é net-tools, que com ele você vai poder usar o ifconfig.  E para instalar é usado o seguinte comando:
sudo apt install net-tools -y
E depois vamos rodar o comando ifconfig no terminal, e assim obtermos o IP.

Agora vamos configurar o VLC Player, o processo é bastante simples também.

Abrindo o VLC vamos em "Ferramentas/Tools" e depois clicamos em "Preferencias/Preference" para acessar o menu de configurações. 

Feito isso, vamos até o rodapé do programa e colocamos a seguinte opção "Mostrar Configurações/Show Settings" e logo embaixo também marcamos a opção "Todas/All".



Depois de ativar e ver todas as opções, agora vamos entrar na "aba" Interface" e procurar por "Main Interfaces/Interface Principal" e ativar a opção "Web".

E logo abaixo vamos na opção "Lua", e ali no campo password/senha, vamos colocar uma senha simples de se decorar, pode ser 1234 por exemplo.


Depois de termos feito isso, agora vamos para o nosso navegador no celular, e no caso pode ser tanto o Google Chrome como o Mozilla Firefox, e no campo aonde digitamos o endereço de algum site, vamos digitar o IP que "pegamos" nas etapas anteriores seguido da porta 8080, então ficaria assim: http://192.168.1.240:8080 . E assim que aparecer a tela de login, podemos pular a parte do usuário e só colocar a senha que colocamos lá no VLC.


Existem sim outras formas de transformar o celular em controle do VLC, mas ai ia precisar apps de terceiros, mas nesse post gostaria de mostrar como fazer esse processo sem precisar de nenhum app extra.

Conte para nós se deu certo ai para você essa dica e se tem alguma alternativa bem bacana.

Deixe a sua opinião nos comentários pra gente. =)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Nenhum comentário

sábado, 31 de março de 2018

Sempre que um pessoal novo chega a alguma distro Linux, como Ubuntu ou o Mint (que estamos tomando como base), sempre se perguntam quais programas devem instalar para ter uma certa produtividade ou diversão na plataforma. E nesse post vou mostrar alguns aplicativos que na minha opinião, vão lhe ajudar nessa "jornada". Para facilitar vou dividir em categorias. Então chega mais! 👊😁

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux






Quando terminamos de instalar qualquer distro Linux sempre nos perguntamos quais programas devemos instalar para aproveitarmos ao máximo o sistema que terminamos de instalar, na lista abaixo vou mostrar alguns programas que eu acho bacana ter no computador.

1 - Navegador de Internet


Como não poderia faltar estou recomendando o browser (navegador) mais popular do momento, que é o Google Chrome, onde você vai poder utilizar para acessar praticamente tudo na internet, como Bancos, YouTube, Netflix, Facebook, etc.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Chrome, você pode clicar AQUI.

2 - Multimídia 


Como ninguém é de ferro e precisa se divertir e relaxar, nada melhor do que ouvir uma música e ver um vídeo com a família ou amigos.

Por isso começo com o Spotify, que reúne uma gama enorme de musicas no seu acervo. Ele já aparece nas centrais de programas da maioria das distros Linux, e se não estiver, também é encontrado nos formatos Snap e Flatpak.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux
Para baixar, basta clicar AQUI.

O próximo da minha lista acho que seja essencial em qualquer sistema operacional, servindo para abrir praticamente qualquer arquivo de vídeo e áudio. Estou falando do versátil e "guerreiro" VLC Player, recomendo ele porque o uso há praticamente 10 anos e nunca me deixou na mão para reproduzir qualquer arquivo multimídia. 


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar ele, você tem duas alternativas, clicando AQUI você a sua Central de Programas e instala ele, ou clicando AQUI e baixando direto do site dele.

Por último um programa que me conquistou pela versatilidade e praticidade em poder baixar vídeos da internet, como Facebook, Dailymotion e YouTube por exemplo, o 4K Vídeo download.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Você pode baixar ele através do site da desenvolvedora, clicando AQUI.

3 - Games e apps complementares


Esta categoria pode gerar alguma discordância ou algo do tipo, mas não podemos negar que temos games e aplicativos complementares para quem gosta de dar uma jogadinha no pinguim.

Primeiro vamos começar pela Steam, que é atualmente a maior plataforma de distribuição e vendas de jogos online, metade do seu seu acervo já tem porte para o Linux, além disso, como já foi mostrado aqui no blog, existem outras 7 plataformas de distribuição que você pode acessar AQUI, além da plataforma da Valve, ou seja, Games no Linux estão se tornando algo muito sério para várias empresas.


Para baixar a Steam, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site da Steam e baixar clicando AQUI.

Também não poderia faltar o Discord, a plataforma de comunicação mais usada pela galera gamer e que também está disponível para Linux.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Discord, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site oficial e baixar clicando AQUI.

4 - Messengers


Nessa sessão vou recomendar dois programas desenvolvidos pela comunidade para os dois messengers mais populares e usados no momento. O Messenger do Facebook e o WhatsApp.

O primeiro foi desenvolvido por Dario Ferrando, utilizando a plataforma Electron,  e conseguiu trazer o messenger do Facebook para qualquer sistema operacional, como você pode ver na imagem abaixo, ele é bem "simpático" e de fácil manuseio.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Messenger, você pode acessar o site deles clicando AQUI. Lembrando que não se trata de um cliente oficial.

O segundo foi desenvolvido pelo Enrico204, também utilizando a plataforma Electron, e assim trazendo a vida uma versão de desktop, do popular WhatsApp. Ele funciona da mesma forma que a versão Web com a diferença de que possui integração com a barra de notificações do sistema.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o WhatsApp Desktop, você pode acessar o site deles clicando AQUI. No caso do Linux Mint você o encontra na própria Central de Aplicativos da distros.

5 - Produção Audiovisual 


Nesta categoria vou recomendar dois aplicativos que eu uso no meu dia a dia. Quero fazer uma menção "de honra" ao GIMP, que já teve inúmeros posts aqui no site e que você pode conferir AQUI.
Apesar do GIMP ser extremamente versátil e poderoso, para as pessoas que só querem editar as suas fotos de uma forma mais simples em uma interface mais "moderninha", o Pixeluvo se torna uma opção.


Pixeluvo é um editor de imagem extremamente prático e de muito fácil de aprendizado. Ele conta com duas versões, uma Free (que tem algumas limitações) e uma paga que custa até o presente momento US$ 34,00. Você pode inclusive ver o vídeo demonstrativo dele no canal Diolinux.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Pixeluvo, você pode acessar o site deles clicando AQUI.

O último aplicativo dessa minha lista, e que não poderia faltar, é o poderosíssimo editor de áudio Audacity. Muitos produtores de conteúdo, tanto na internet quanto na industria "convencional", utilizam ele por causa da sua simplicidade e fácil manuseio, mas não deixando a desejar para soluções pagas.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Audacity, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site do software e baixar clicando AQUI

E esse foi o meu TOP 10 de aplicativos que todo mundo deveria ter na sua distro Linux, mas me conte você quais aplicativos não podem faltar na sua pós-instalação do Linux, os comentários estão abertos para você! :)

Até a proxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google pretende bloquear anúncios no Google Chrome nativamente

Nenhum comentário

quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

A empresa dona do navegador mais popular da atualidade, o Google Chrome, anunciou que pretende bloquear anúncios nativamente pelo navegador à partir de Fevereiro de 2018.

Google Chrome bloqueará anúncios nativamente






A Google anunciou que está trabalhando em um atualização para o Chrome para o próximo ano que pode impactar a forma com que os anúncios serão exibidos.

Existe um problema sério na questão de exibição de anúncios (geralmente falando) na internet, os chamados "anúncios ruins", não somente pelo conteúdo (pois isso é debatível), mas especialmente pela forma como são exibidos, como pop-ups, e outros anúncios intrusivos são comumente utilizados em vários sites par fins de geração de receita e isso acaba atrapalhando a usabilidade de qualquer site.

O grande problema em se "bloquear anúncios deliberadamente" é que é basicamente através deles e de suas "várias variáveis" (para citar Engenheiros do Hawaii) que "a internet" se mantém. Simplesmente cortá-los é quebrar uma grande economia, inclusive para Google e seu AdSense e AdWords. Por conta disso, a empresa se reuniu com outras grandes companhias como Facebook, Twitter, Washington Post, entre outras, para discutir o chamado "Better Ads Standards", uma iniciativa de contornar esse problema.

O Chrome como agente mediador


A ideia não é acabar com os anúncios, afinal isso seria ruim em vários sentidos; melhor conteúdo com anúncio do que sem conteúdo, certo? No entanto não se pode negligenciar o fato de que existem vários anúncios que podem ser prejudiciais para a experiência dos usuários na internet.

Como o Google Chrome é atualmente o navegador mais popular de forma disparada, a Google pretende implementar nele um bloqueador de anúncios nativo que bloqueará todos os anúncios que forem considerados invasivos, obrigando os anunciantes e as empresas que criam anúncios a criar modelos mais adequados e que respeitem o consumidor.

O problema dentro do Google


Apesar de terem comentado sobre isso, o Google precisa tomar cuidado com seus próprios anúncios. Eu sou usuário do AdSense há alguns anos e procuro colocar aqui no blog apenas anúncios com tamanhos e locais que se mesclem com o conteúdo e não atrapalhem a sua experiência enquanto você está lendo, mas mesmo que eu delimite tamanho, como os blocos são dinâmicos, as vezes um anunciante tem um banner que extrapola os padrões de layout do blog e acaba zoando muito as coisas. Sinceramente espero que você nunca tenha flagrado isso aqui, mas as vezes acontece.

Será que o Chrome vai bloquear estes anúncios também? Boa pergunta.

Entrando pra Blacklist


Apesar de termos que esperar para ver o sistema funcionando na prática, algumas informações interessantes sobre o "workflow do negócio" já foram comentadas.

Ao identificar um anúncio inadequado, além de bloquear a exibição, o Chrome levará o ID desse anúncio para uma blacklist e este ficará por lá por no mínimo 30 dias, talvez com isso seja possível forçar os anunciantes a criarem anúncios menos invasivos.

Atualização na surdina


O funcionamento desse bloqueador de anúncios ainda não está bem claro, mas ele não deve ser como as extensões que bloqueiam anúncios atualmente, não sabemos se você poderá bloquear anúncios manualmente nele ou não, caso contrário ele será mais uma ferramenta de controle de qualidade da Google mesmo, visando melhorar a experiência de navegação de seus usuários, do que qualquer outra coisa.

A ferramenta deve chegar como um atualização no navegador sem maiores alardes.

Eficaz no Android?


Uma das grandes preocupações é utilizar esse mesmo recurso no Android para evitar anúncios que estraguem a navegação do usuário, no entanto, apesar de ser uma medida boa, isso deve se limitar ao Google Chrome e não parece afetar diretamente os Apps.

Na minha opinião esse tipo de medida contra propagandas invasivas ou em excesso nos Apps também deveria ocorrer, existem vários Apps que são simplesmente impossíveis de se utilizar por conta de tantos anúncios, eu entendo perfeitamente a necessidade de rentabilizar os projetos e não sou contra a existência de anúncios em Apps, mas as pessoas passaram a privilegiar aplicativos que as atendem melhorar sem as incomodarem com esse tipo de coisa, boa senso por parte de quem desenvolve é importante também.


Seria muito bom se a Google tomasse alguma atitude sobre o controle de qualidade de anúncios em aplicativos também. Não custa sonhar.

Você conhece os 3 pilares dos anúncios na internet? Confira esses dois vídeos do nosso canal:



Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



Vale a pena comprar um Chromebook? Entenda se esses computadores servem para você

Nenhum comentário

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Os Chromebooks estão recebendo muita atenção nos últimos meses, 2017 foi um ano excelente para este tipo de equipamento, mas dado o seu perfil e funcionamento, não são todas as pessoas, especialmente no Brasil, que encontraram nesses dispositivos a melhor opção na hora de fazer compras. No entanto, a dúvida ainda permanece, vale a pena?

Chromebook vale a pena?






Sem ao menos testar um, vai ser muito complicado você ter uma real noção para saber se um Chromebook se encaixa no seu dia a dia, por isso eu produzi este material, assim você pode ao menos ter uma noção do que te espera. Eu passei uma semana utilizando um modelo da HP, dada a data de lançamento, um modelo antiquado, mas ainda perfeitamente funcional.

No vídeo eu mostro para você como funciona o Chromebook e mostro as principais opções e configurações do Chrome OS, sistema operacional que acompanha o equipamento.



Chrome OS, o sistema operacional da Google


Como você deve ter reparado, os Chromebooks não vem com o sistema operacional Windows, comum em computadores de varejo, ou mesmo distros Linux, como Ubuntu, vendido em computadores da Dell, HP, entre outros. O que você encontrar no Chromebook é o Chrome OS, um sistema operacional desenvolvido pela Google especialmente para este tipo de dispositivo. 

E você que pensava que a Google "só" tinha o Android, né?

O conceito dos Chromebooks segue a mesma linha de otimização dos MacBooks da Apple, com um sistema operacional otimizado para o hardware, que procura extrair o máximo de desempenho do equipamento. O Chrome OS é um sistema operacional baseado em Linux também, por conta disso ele tem um ótimo nível se segurança, por ser um sistema que basicamente se limita a aplicações Web, aplicativos de Android e similares, eu arriscaria a dizer que ele pode ser até um pouco mais seguro do que distribuições Linux "comuns".

Limitações de Hardware


À primeira vista pode parecer que um Chromebook não tem hardware muito potente, especialmente se comparado a outros computadores e Notebooks da atualidade, no entanto, a demanda por hardware dele é muito menor do que qualquer outro computador de mesmas proporções, tornando o computador veloz, mesmo sem os processadores mais fortes que existem e grandes quantidades de RAM.

Com um sistema extremamente otimizado, a bateria dura muito, não há muito consumo de memória e nem  de processador, permitindo um uso bem confortável em condições moderadas. Como é de se esperar, Chromebooks mais potentes terão um desempenho ainda melhor, como o Pixelbook, que carrega um Intel Core i5, com a opção de utilizar um i7.

O armazenamento interno também não é dos maiores, especialmente para os padrões atuais, mas a função desse armazenamento é para armazenar o próprio sistema operacional (Chrome OS), além de alguns arquivos locais não muito grandes.

Geralmente quando você compra um Chromebook você também ganha espaço de armazenamento grátis no Google Drive para colocar os seus arquivos. Algo como 100GB por dois anos, depois você deverá pagar por isso. O valor gira em torno de 6 reais por mês atualmente. É claro, sempre será possível utilizar um HD Externo para complementar, ou ainda outros serviços em nuvem, que também geralmente possuem planos grátis e pagos.

O perfil de usuário


Como eu mencionei no vídeo, Chromebooks não são para todos. Quem poderá produzir livremente com o Chrome OS serão as pessoas que não dependem de programas específicos que rodem apenas instalados localmente, como alguns softwares de outras distros Linux, de Windows ou macOS.

Certas tarefas ainda são complicadas de realizar com os Chromebooks, como edição de vídeo por exemplo, seja pela ausência de grandes programas para essa finalidade, seja pelos próprios processadores que eles comportam não serem os ideais para essa finalidade, no entanto, a maior parte dos usuários domésticos que usam o computador para acesso a internet pode, em tese, usar um Chromebook sem maiores impeditivos. 

É um ótimo computador para pessoas que não entendem nada de informática e usam apenas para acessar o Facebook, YouTube, Netflix, Spotify, escrever textos, ler e-mails e coisas relacionadas.

O Chrome OS praticamente não tem necessidade de manutenção, não fragmenta e raramente ficará lento (a menos que você encha o armazenamento interno ou o cache do navegador esteja com algum problema), preocupações são mínimas atualmente.

Vale mencionar que gerações mais recentes de Chromebooks possuem integração com a Google Play, a loja de Apps do Android, o que permite que você instale uma certa gama de aplicativos de Android no seu computador, nesta semana mesmo, conforme mencionado aqui no blog, a Microsoft publicou o Office para o Chrome OS.

Alguns modelos novos também tem tela sensível ao toque e são reversíveis, ou seja, você pode literalmente usá-los como Tablets, com alguns Apps Android, talvez você não sinta tanta falta de um Tablet Android propriamente dito, reservadas das limitações já conhecidas.

Apesar de você ter acesso a alguns games no Chromebook, como jogos nativos e jogos que você pode acessar apenas pelo navegador (além de alguns jogos de Android), ele ainda não é, definitivamente, uma solução para os gamers, sendo um computador especialmente interessante para trabalho, produção de conteúdo em texto, como para quem escreve blogs ou trabalha diretamente através de páginas ou algo relacionado e claro, uso doméstico de consumo de conteúdo na internet.

Uma dica muito simples para se testar se você poderia ou não viver feliz com um Chromebook é instalar o Google Chrome (o navegador) no seu computador atual e tentar utilizar somente ele para fazer de tudo, explore MUITO a Chrome Web Store, a loja de Apps do Chrome, e veja se você encontra todos os aplicativos de que precisa. A experiência não é exatamente a mesma, mas ajuda a dar uma noção. Lembre que o Chrome OS do Chromebook vai te fornecer algumas ferramentas a mais para que o seu uso seja mais tranquilo, então se não encontrar algo no Google Chrome, não tire conclusões precipitadas, pesquise e veja e se o recurso está disponível para o Chromebook.

O que você acha dos Chromebooks e do Chrome OS? Vai comprar um para você? Já utiliza?  Conte pra gente nos comentários.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft Office chega ao Chrome OS da Google

Nenhum comentário

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

O Chrome OS segue a sua escalada no mercado de computadores portáteis. Há algum tempo a Google anunciou a integração entre o Chrome OS e uma série de aplicativos Android, o que aumenta muito as possibilidades do sistema e agora, uma dessas aplicações é nada mais nada menos do que o Microsoft Office.

Microsoft Office no Chrome OS






Tirando o Android, podemos dizer que o Chrome OS é o segundo "Linux" a receber suporte para o Microsoft Office, que na verdade, é o mesmo aplicativo disponível para o sistema do "Robozinho verde".

A Microsoft informou que a aplicação seguirá o mesmo conceito no Chrome OS que segue no Android, dispositivos com mais de 10 polegadas de tela serão obrigados a ter uma assinatura no Office 365 para poder utilizá-lo, o que se tratando dos computadores, torna isso praticamente obrigatório. 



Em telas menores, em Smartphones e Tablets, você pode usar o Office sem custo adicional. O Office oferecido para Android e agora para o Chrome OS não é, no entanto, tão completo quanto a versão de computador, oferecida para Windows e macOS, mas já pode saciar um pouco da necessidade de quem precisava dessas aplicações por algum motivo, visto que já existe a versão Online do Office que pode ser acessada por qualquer um que tenha uma conta Microsoft e que também tem suas limitações mas é plenamente funcional e que também é uma alternativa.

Fonte

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como evitar lag na Netflix no seu navegador (Configuração escondida)

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A Netflix tem uma das melhores transmissões de streaming que existem, com uma internet de qualidade razoável você dificilmente enfrenta travamentos, no entanto, existem outros fatores que podem fazer com que a sua Netflix fique "lagada" no navegador.

Lag na Netflix






Uma conexão instável pode ser um pesadelo para quem quer maratonar aquela série no final de semana, no entanto, a qualidade da sua internet não é o único fator, outra coisa que pode deixar a Netflix com lag é um hardware que não consegue entregar muito desempenho gráfico, como este computador aqui que eu ressuscitei e usei essa técnica para poder assistir a Netflix nele sem muitos problemas.

Ajustar a sua transmissão Netflix


Tela de carregamento da Netflix


Existe um menu de configuração "secreto" dentro da Netflix que permite que você ajuste a qualidade do vídeo para melhor ou para pior. As vezes mudando um pouco o bitrate ou o CDN (Content Delivery Network) a sua Netflix pode parar de travar sem que você perca muita qualidade.

Abrindo o console da Netflix


Vamos começar a brincadeira abrindo o console da Netflix, com ela aberta em qualquer filme ou série pressione as teclas: Ctrl+Alt+Shift+D

Console Netflix

Você pode observar especialmente o Bitrate e ao lado a referência da resolução utilizada. Nessa tela aparecem várias informações interessantes, como por exemplo a taxa de quadros por segundo, quadros perdidos, entre outras coisas.

A forma da Netflix trabalhar faz com que o ajuste dessas opções seja automático, mas isso não quer dizer que seja sempre o ideal para você, apesar da intenção ser essa. 

Agora você vai aprender a configurar essas opções manualmente.

Ainda no vídeo que você estava, se você pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+D você esconde o console, pressione agora Ctrl+Alt+Shift+S para abrir um pop-up de configuração:

Configuração de bitrate na Netflix

Na janela que se abre você pode configurar o Bitrate de áudio, vídeo e alterar o servidor principal de conteúdo, eventualmente mudar de servidor pode tornar a entrega mais rápida.

Números de Bitrate menores geralmente indicam uma transmissão em qualidade reduzida  e por isso mais leve para a sua conexão e hardware, então tente reduzir um pouco a qualidade se você estiver com muito lag e veja se você consegue ainda assistir ao filme ou série em uma qualidade que você goste ou tolere.

Depois de selecionar os valores basta clicar em "Override", caso queira voltar ao padrão é só clicar em "reset". Pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+S faz o menu sumir.

Aproveite a sua Netflix sem travamentos e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como adicionar o repositório oficial do Google Chrome no Deepin

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

O Google Chrome é o navegador mais popular da atualidade e ele já vem pré-instalado e no repositório do Deepin Linux, uma das distros que mais tem chamado a atenção nos últimos meses. O Deepin é baseado no Debian mas possui um repositório próprio de onde todos os seus softwares preveem, por isso, alguns softwares podem demorar um pouco mais para atualizar.

Google Chrome oficial no Deepin



Quando nós entrevistamos os desenvolvedores do Deepin, eles explicaram como funciona o repositório e o ciclo de atualizações da distro. Como o Chrome faz parte do repositório deles, o mesmo vale para ele.

O Chrome do Deepin não é desatualizado demais, mas mesmo assim, como se trata de um navegador de internet, mantê-lo sempre na última versão pode ser importante. Se você não quiser aguardar até que os desenvolvedores do Deepin façam a atualização do software, a forma de contornar isso e ter sempre a última versão instalada é adicionando o repositório oficial da Google no Deepin.

Como adicionar o repositório oficial do Google Chrome no Deepin


O Deepin é baseado no Debian, como já mencionado, logo, não vamos usar PPAs, como no Ubuntu, vamos usar os repositórios do Debian, você pode ler mais sobre isso na própria Wiki do "sistema universal".

Você poderia ir até o site da Google e baixar o Chrome, instalando com dois cliques, isso também funcionaria, porém, isso não adiciona o repositório ao Deepin, fazendo com que você tenha que instalar o browser a cada lançamento manualmente, podemos automatizar essa tarefa fazendo uma pequena configuração.

Geralmente os arquivos de repositórios ficam em /etc/apt/sources.list, este arquivo de texto contém os repositórios padrões da distro, são eles que modificamos neste tutorial, onde você aprendeu a deixar o download de pacotes do Deepin mais rápido, no entanto, não é este arquivo que temos que alterar para modificar os repositórios adicionais, como o do Skype, Spotify e do Google Chrome.

Os repositórios adicionais ficam no diretório /etc/apt/sources.list.d. Use o gerenciador de arquivos do sistema para navegar até esta pasta:

Configuração de listas de repositório no Deepin

Nesta pasta, clique com o botão direito do mouse e vá na opção de "Abrir em nova janela como administrador".

Configuração de listas de repositório no Deepin

Na janela em modo Root, crie um novo arquivo de texto e coloque o nome de google-chrome-stable.list

Configuração de listas de repositório no Deepin

Abra o arquivo que você criou com o editor de texto de sua preferência e cole a seguinte linha dentro dele, depois salve o arquivo:
deb [arch=amd64] http://dl.google.com/linux/chrome/deb/ stable main

Google Chrome repository

Depois de salvar, pode fechar o editor de texto e agora você terá um arquivo google-chrome-stable.list dentro daquele diretório.

Google Chrome repository

Depois disso, basta mandar atualizar o sistema, você pode fazer isso pelo utilitário de atualização:

Atualização do Deepin

Ou é claro, pelo terminal:
sudo apt update
Se houverem atualizações, você poderá instalá-las.

Essa dica vale para qualquer repositório extra do Debian que você queira adicionar, eu uso também o do Spotify e do Skype para mantê-los sempre nas últimas versões.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Recheado de recursos, novo Opera pode ser o seu novo navegador!

Nenhum comentário

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Eu tenho uma fidelidade incrível ao Google Chrome como navegador principal há vários anos, mas nunca deixei de utilizar outras opções, como o igualmente ótimo Mozilla Firefox, para fazer algumas atividades específicas. Recentemente tivemos o lançamento de uma nova versão do Opera e eu realmente gostei do que vi.

Opera browser




O Opera recebeu uma grande reformulação nas últimas versões e ele agora está mais completo e interessante, parece ser um browser voltado para quem fica navegando o tempo todo.

Opera Linux

Uma das coisas mais interessantes que eu encontrei nele foi a "barra social" do lado esquerdo, que tem diversas utilidades, entre elas o acesso rápido ao Messenger do Facebook e ao WhatsApp. Clicando com o botão direito na barra você também consegue adicionar outros atalhos, inclusive para o Telegram. 

Isso já é muito legal, mas não para por aí não! Se você for como eu e gosta de ouvir vídeos no YouTube (isso mesmo, ouvir) enquanto navega na internet ou faz outra atividade, bom, que tal um vídeo flutuando por cima do conteúdo?

Player YouTube Opera
Que tal ler os artigos do blog Diolinux e curtir um Arctic Monkeys ao mesmo tempo? Demais, não é? :D

E olha só, você não precisa estar com o navegador em primeiro plano pro recurso funcionar, ele fica flutuando na sua área de trabalho também. 


Para ativar a função no YouTube, Dailymotion e bom... francamente não achei algum player que não funcionasse, basta acessar o conteúdo, como no YouTube, e clicar um pequeno botãozinho verde que aparece no topo do player e boom! Player flutuante. Se você fechar a pequena janela o vídeo continua sendo reproduzido na aba normalmente, não há qualquer interrupção.

Outra coisa bem legal para quem usa Notebook, Ultrabook ou qualquer coisa do tipo, é o recurso para poupar bateria que reduz a atividade do navegador e não carrega determinados recursos dos sites para poupar a carga da bateria do seu computador.

Modo economia do Opera

Outro recurso ótimo é a presença de uma VPN nativa do navegador com diferentes localizações para o usuário escolher. O serviço de VPN te mostra inclusive a quantidade de dados trafegados por ela.

VPN no Opera

Basta ativar a função de VPN nas configurações e você consegue conectar-se a uma através da barra de endereços do próprio navegador.

A interface é customizável, ele suporta vários temas e tem um loja de extensões também que não me parece tão rica quanto a do Chrome, mas que tem muita coisa bacana, então vale a pena observar quais são os complementos que você precisa.

Loja de extensões do Opera

Como contra, ao menos no Linux, a Netflix não funciona no Opera nativamente, pelo que pesquisei nos fóruns, as versões futuras pretendem melhorar isso, então se você usa o serviço é melhor manter ao menos um outro browser instalado, como o Chrome ou o Firefox.

Você pode baixar o novo Opera e fazer um test drive diretamente do site oficial do navegador, apesar de não utilizá-lo como padrão ainda, estou gostando muito da experiência.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Pipelight é descontinuado e desenvolvedor recomenda remoção do computador

Nenhum comentário

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O projeto Pipelight está sendo descontinuado, segundo as informações do criador, Michael Müller, por falta de tempo e necessidade, ele vai encerrar as suas atividades. 

Pipelight é descontinuado


Segundo o anúncio no site oficial, o Pipelight não vai simplesmente ficar indisponível, como todo bom software open source, ele ainda disponibiliza o seu código fonte no site Bitbucket, entretanto, não haverão mais atualizações de segurança para ele, o desenvolvedor recomenda que, se possível, os usuários removam ele do computador.

O projeto Pipelight teve início em 2013 com a ideia de trazer suporte para serviços de Streaming, como a Netflix (na época) para o Linux, já que estes serviços utilizavam os plugins NPAPI Silverlight para disponibilizar o conteúdo, com o tempo, o Pipelight além de dar suporte para o Silverlight no Linux, deu suporte também para o Adobe Flash de Windows e para o UnityWeb Player, também de Windows, todos rodando sob implementações do Wine Staging.

Em 2015, a Google encerrou o suporte para plugins NPAPI no Chrome (o navegador Chromium também, juntamente com os derivados do projeto encerram o suporte), o que acabou forçando as empresas a criarem novas formas de disponibilizar conteúdo que ficassem independentes de plugins, fazendo com que o principal uso do Pipelight fosse direcionado ao Firefox. Em alguns meses o Firefox também irá deixar de suportar este tipo de plugin, então o Pipelight ficará obsoleto e dependeria de muitas "gambiarras" para funcionar.

Diante deste cenário, onde, segundo Müller, "há mais código do que tempo para fazer", e também há menor necessidade, visto que a maior parte destes serviços já funciona no Linux diretamente do navegador, sem ser necessário adicionar funções, o Pipelight perde o seu sentido de existir, e por isso, está sendo descontinuado.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




KDE Plasma deverá receber integração com Google Chrome

Nenhum comentário

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Um dos desenvolvedores da distribuição KaOS, uma distro independente que usa a interface KDE Plasma como padrão, anunciou uma integração do Plasma com o Chrome para um futuro próximo.

KDE Plasma - Integração com o Google Chrome


O Plasma deverá receber em breve uma integração com o Google Chrome que vai um pouco além da integração que o Gnome Shell tem, ainda que ela seja ativada de forma semelhante. O Gnome Shell tem uma extensão para o Chrome e para o Firefox que permite que você instale complementos à partir do site extensions.gnome.org, na versão do Google Chrome você pode inclusive sincronizar as extensões, assim como faz com qualquer outro App.

KDE Plasma com integração com o Chrome

A integração do Plasma com o Chrome será ainda mais profunda aparentemente, o complemento permitirá uma legítima interação nativa do navegador mais utilizado do mundo com o ambiente desktop do projeto KDE. Não temos muito mais além de imagens como está logo acima, mas tudo indica que a integração abrange o famoso KDE Connect, controle de mídia sendo reproduzida no Google Chrome através de plasmoids, notificações de downloads, pesquisa por conteúdos e abas do navegador através do KRunner, entre outros ainda não detalhados.

Usuários do KDE Plasma certamente ficarão satisfeitos, não é? :)

Até o momento eu pude colher a informação de que o pacote plasma-browser-extension, que seria o responsável por essa integração, está ainda sob construção e será liberado no GitHub em breve, ou seja, ainda não está disponível para o público, porém, mediante a aprovação, ele poderá ser integrado ao Desktop KDE Plasma padrão nas próximas versões.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como fazer o Google Chrome e o Firefox reconhecerem todos os Emojis

Nenhum comentário

domingo, 23 de abril de 2017

Digamos que eu não seja uma pessoa que usa tanto assim os Emojis, mas percebo uma crescente de utilização deles em vários sites, incluindo em mensagens de e-mail, até mesmo em seus títulos, vídeos no YouTube, entre outros.





O problema do navegador não reconhecer os Emojis, é que no lugar deles algumas vezes são apresentados caracteres completamente "bugados" que não nos mostram o que a pessoa que estava emitindo a mensagem gostaria de nos passar.

Emojis faltando

Um exemplo que posso dar, é no meu vídeo sobre o futuro do Ubuntu sem o Unity, sem o complemento do Emojis simplesmente aparece em seu lugar um retângulo com "muito pouca emoção".

Se você possui a fonte Noto da Google instalada, dificilmente algum emoji vai deixar de aparecer, mas ainda assim, ele terá uma aparência deste tipo, variando de acordo com o tipo do emoji.

Emojis faltando

Independente do caso, podemos resolver o problema com duas extensões, ou melhor, com uma, diferente para cada navegador.

1 - Resolvendo o problema no Mozilla Firefox

Firefox Emoji

No caso do Mozilla Firefox, vamos precisar de uma extensão chamada "Emoji Everywhere", você encontra ela no próprio repositório de extensões do Firefox. 

Usando o Firefox, clique neste link e adicione a extensão, recarregue as páginas ou feche a abra o navegador e você verá que será possível ver os emojis normalmente.

2 - Ativando os Emojis no Google Chrome

Emoji for Chrome

Assim como no Firefox, os Emojis para o Chrome vem através de uma pequena extensão de nome "Emoji for Google Chrome", ela está na Chrome WebStore, basta clicar aqui através do Google Chrome e adicionar ela normalmente.

Esta extensão cria no Chrome/Chromium um pequeno ícone que fica perto da barra de pesquisa na direita na parte superior, por ele você consegue facilmente adicionar emojis aos seus textos em qualquer página que você esteja, além é claro, de permitir que você visualize os emojis em qualquer página, que é o objetivo deste post.

Agora que as extensões estão instaladas, você verá a diferença:

Emojis no Linux

Agora você não deverá ter mais problemas com este tipo de caractere, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Microsoft Edge é o navegador menos seguro do concurso Hacker Pwn2Own de 2017

Nenhum comentário

quarta-feira, 22 de março de 2017

Parece que o ano não começou tão bem para o novo Internet Explorer navegador da Microsoft, o Edge. Ele tomou o lugar do famigerado IE no Windows 10, apesar de todo o marketing de segurança que a empresa fez, o browser se mostrou na competição Pwn2Own de 2017 o navegador menos seguro.

Microsoft Edge Hackeado


O site Tom's Hardware pulicou uma matéria comentando sobre o último Pwn2Own, uma maratona hacker que visa testar a segurança dos navegadores de internet e de uma série de outros softwares, os hackers que conseguirem explorar falhas de segurança nos navegadores são recompensados com prêmios em dinheiro.

Cada equipe pode escolher qual será o seu alvo, normalmente as escolhas são baseadas em estudos prévios para saber em qual software o ataque será direcionado, normalmente as equipes escolhem aqueles que eles acreditam que tem uma maior chance de atingir o objetivo e receber o prêmio, os valores também variam de acordo com o impacto que o hack tem no sistema ou no browser.

O grande "vencedor" do evento de 2017 foi o Microsoft Edge, o navegador foi hackeado 5 vezes na maratona e de formas diferentes, sendo que uma delas foi capaz de afetar até mesmo o Kernel do Windows, podendo comprometer o sistema como um todo, a equipe 360 Security, que descobriu essa falha, recebeu o prêmio de 105 mil dólares.

O segundo colocado ficou com o Safari, navegador dos sistemas da Apple, ele foi hackeado 4 vezes, porém, uma das falhas que foram utilizadas para invasão já estão corrigidas na nova versão beta do browser que a Apple deverá liberar em breve para os usuários. Então podemos considerar 3 para ele.

Logo após tivemos o Mozilla Firefox, com apenas uma invasão confirmada, no ano passado o Firefox nem foi testado no evento porque os competidores julgaram que seria muito fácil de invadi-lo. Na melhor posição, no caso a última, ficou o Google Chrome/Chromium, que não foi hackeado nenhuma vez.

Neste tipo de evento, os softwares normalmente recebem uma quantidade diferente de tentativas de invasão, o Firefox por exemplo, recebeu duas e foi hackeado em uma, o Chrome recebeu apenas uma que falhou, e assim por diante, como o site Tom's Hardware explica, os alvos mais visados pelos hackers normalmente provém de estudo prévios que são feitos, fazendo com que os especialistas escolham os que é provável que tenham sucesso, como o Chrome tem se mostrado seguro nos últimos tempos, menos pessoas estão tendo interesse, pois fica mais difícil ganhar o prêmio.

Apesar de eu achar que esse tipo de atividade pode ser influenciada por patrocínio, como por exemplo a Google pagar para as pessoas procurarem hackear o Edge, não podemos esquecer que o contrário também poderia ser verdadeiro, afinal, dinheiro não é problema lá pelos lados de Redmond. 

Independente do que cause o resultado, ele é importante, o ideal é que você que usa o Windows 10 com o Edge procure uma alternativa. Como o projeto do Chrome e o Firefox são projetos abertos, fica mais fácil de torná-los mais seguros por conta do modo de desenvolvimento, ou seja independendo do motivo, o Edge foi efetivamente hackeado e forma agressiva, ainda que simplesmente ter código aberto não signifique qualidade, como podemos ver no ano passado a situação do Firefox.

Curiosamente, este tipo de informação chega aos usuários ao mesmo tempo que a Microsoft começou a investir em publicidade dentro do Windows 10, muitas vezes anunciando seus próprios produtos através da interface do sistema, eu mesmo me deparei nesta semana com um Pop-Up que diz "O Microsoft Edge é mais rápido e seguro que o Google Chrome, mude agora para ele!", esse tipo de marketing acaba confundindo os usuários mais leigos, o que me parece ser prejudicial.

O que podemos fazer como usuários, é cobrar que todos os softwares, especialmente os que tem acesso á internet, não somente navegadores, independe de quem os desenvolva, tenham suas falhas de segurança corrigidas o mais rápido possível, afinal, não é porque Firefox e Chrome tiveram notas melhores neste evento que eles não  podem possuir falhas, não é mesmo? O Edge, bom, por  mais que a Microsoft se esforce e até force um pouco a utilização dele, ele continua vivendo o estigma do Internet Explorer.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo