Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador gtk. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gtk. Mostrar todas as postagens

KDE Plasma 5.12.9 LTS lançado

Nenhum comentário

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Usuários da versão 5.12 LTS (Long Term Support) do KDE Plasma tiveram uma boa notícia no último dia 10 de setembro, com o lançamento da nona versão de manutenção do desktop environment. Com um total de 24 correções de erros e atualizações de tradução, a versão 5.12.9 deve ser o último update antes do lançamento da próxima LTS.

kde-plasma-5.12.9-lancado

Lançada em fevereiro de 2018, a versão 5.12 é a atual versão de longo suporte do KDE Plasma. A versão recém lançada, a 5.12.9, deve ser a última atualização de manutenção agendada para a atual LTS. Segundo os mantenedores do projeto KDE, novas versões de correção deverão ser lançadas apenas se houver a necessidade de corrigir vulnerabilidades críticas de segurança ou erros que possam causar instabilidade no uso do Plasma Desktop.

Essa nova versão conta com seis meses de correções de erros e traduções da comunidade KDE. As correções são consideradas relativamente pequenas, mas importantes. Entre elas, podemos destacar as seguintes:

Mudança no ‘applet’ da Lixeira para que utilize as mesmas configurações de sombras dos ícones da área de trabalho.

applet-lixeira-kde-plasma

Melhoria na nitidez dos nomes de pastas e arquivos.

modificação-nomes-pastas-arquivos kde-plasma

Correção na tradução dos controles multimídia na tela de bloqueio.

Correção de um bug no dicionário do ‘Krunner’ que fazia com que o mesmo não mostrasse nenhuma definição para a palavra pesquisada.

Se você quiser ver a lista completa com todas as correções, acesse o registro de mudanças da versão.

A próxima LTS do KDE Plasma deverá ser a versão 5.18, e está agendada para meados de fevereiro de 2020.

Se você estiver utilizando o KDE Plasma na versão 5.12.8, é recomendado que fique atento às atualizações da sua distro, para que assim que esteja disponível você o atualize para a atual 5.12.9.

À mim parece que os ‘desktop environments’ do mundo Linux vem crescendo em um ritmo bastante acelerado nos últimos tempos, o que acho ótimo. As melhorias no KDE Plasma nos últimos lançamentos foram incríveis, o que você pode ver por este, e este posts. Já no “lado GTK da força”, a versão 3.32 do GNOME veio “com tudo”, e a 3.34 já chegou com muitas melhorias. O XFCE, além das melhorias excelentes na versão 4.14 também prometeu um intervalo de tempo mais curto até o lançamento da próxima versão.

Na verdade, todo o “mundo Linux” para desktop vem crescendo de forma cada vez mais rápida, e há muito para se falar sobre isso. Mas isso já é assunto para outro post. 😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

_____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GNOME 3.34 lançado, confira as novidades

Nenhum comentário

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Depois de muito empenho ao desenvolver o GNOME 3.34, cerca de 6 meses, a nova versão de codinome “Thessaloniki” é anunciada. Para quem achou estranho o codinome, saiba que a cidade foi sede do evento GUADEC (Conferência Europeia do Usuário e Desenvolvedor do GNOME). Também conhecida por “Tessalônica”, é a segunda maior cidade da Grécia, sendo homenageada neste lançamento.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade

Novos recursos, melhorias de performance, atualizações visuais para vários aplicativos e correções de bugs, são as novidades do GNOME 3.34, alguns destaques são:

Novo design nas configurações de “Plano de Fundo”, facilitando a seleção de wallpapers personalizados.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-wallpaper-personalizado

O recurso tão aguardado e já abordado por nós, com um post detalhando tudo, é a possibilidade de criar pastas nativamente no menu do GNOME Shell. Agora basta arrastar o ícone de um aplicativo e soltar em cima de outro, para criar uma pasta. 

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-app-pasta-folder-menu

Houve um aprimoramento na navegação web, o navegador do GNOME passa a manter processos em sandbox, com a capacidade de fixar guias e um recurso que permite bloquear anúncios através de filtros de conteúdo do WebKit. 

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-webkit-browser-navegador-sandbox

O GNOME Boxes passa a suportar a inicialização de VMs a partir de imagens de CD/DVD anexadas. 

gnome-boxes-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-vm-maquina-virtual

Já o GNOME Jogos recebeu suporte para salvar múltiplos save states dos jogos. 

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-jogos

Sua aplicação de música, o GNOME Músicas, enfim atualiza automaticamente a biblioteca de músicas. Além de receber o recurso Gapless playback (reprodução sem intervalos), compatível com um número massivo de formatos.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-musica

Os programas GNOME Photos (Fotos), GNOME To Do (Tarefas) e Totem (Vídeos), receberam um redesign em seus ícones. O gerenciador de arquivos do GNOME, Nautilus (Arquivos), agora avisa ao usuário quando o mesmo tentar mover algum arquivo em um diretório protegido contra gravação. Quem não curte o atalho atividades, pode desativá-lo sem o auxílio de uma extensão de terceiros.

Essa versão está recheada de novidades, seja para o usuário comum ou desenvolvedor. Por exemplo, o Mutter passa a ter integração com o Sysprof. Mais fontes de dados foram adicionadas, facilitando a criação de perfis de desempenho em um aplicativo e diversas melhorias no Builder, incluindo um inspetor D-Bus integrado. Um prato cheio para desenvolvedores GNOME.

gnome-apps-shell-thessaloniki-linux-flatpak-flathub-interface-open-source-software-livre-comunidade-sysprof-d-bus-mutter

Pessoalmente fiquei animado com várias coisas nessa versão 3.34 (algumas dispensarão o uso de extensões que sempre adiciono 😁️😁️😁️) e nosso querido desenvolvedor brasileiro do GNOME, Georges Stavracas, pontuou o que mais gostou com esse lançamento.

“Como usuário GNOME, o que está me deixando mais animado é o gapless playback no GNOME Músicas. Seguido do GNOME Jogos.

Como desenvolvedor, o que me deixa mais maluco é a integração do Mutter com o Sysprof. Está abrindo portas para todo tipo de melhoria, e isso porque só começamos”.

Veja abaixo o vídeo de lançamento do GNOME 3.34, um trabalho primoroso e muito bonito. Detalhe, feito com software livre, segundo informado pelo Georges em uma de suas lives desenvolvendo o GNOME em seu canal pessoal no Youtube.


A versão 3.34 pode ser obtida diretamente nos repositórios das distros (isso depende do sistema, nem todos irão receber essa versão), se preferir os programas podem ser instalados via Flatpak, basta pesquisar no Flathub. Outra alternativa é compilar o GNOME direto do repositório oficial do projeto, nada recomendado para novos usuários.


Participe de nosso fórum Diolinux Plus. Assim você sempre fica por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: GNOME.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GTK e Qt, do que se trata?

Nenhum comentário

terça-feira, 3 de setembro de 2019

O mundo Linux é cheio de nomenclaturas diferentes que fazem parte do vocabulário dos usuários, dentre elas estão as palavras ou siglas "GTK" e "Qt". Vamos entender um pouco melhor do que se trata.

GTK e Qt





Temos um quadro no canal Diolinux chamada "DTL", o "Dicionário de Termos Linux", onde explicamos o significado de palavras que fazem parte desse universo, que todo mundo comenta no dia a dia, mas nem sempre sabe o significado.

O episódio dessa semana nos oferece a explicação sobre o tema "GTK" e "Qt":


O que é GTK e Qt?


Vamos começar definindo o que eles ambos são, GTK e Qt  são Widget Toolkits, que são bibliotecas de software utilizadas para criar interfaces gráficas para programas de computador.

Elas permitem que os desenvolvedores de softwares criem a interface dos programas, onde o usuário final vai interagir, clicando, deslizando interruptores, selecionando opções, etc.

No mundo Linux é muito comum o software rodar em modo texto também, e uma interface é construída para dar fácil acesso às ferramentas, o que permite que existam várias interfaces diferentes para um mesmo tipo de aplicação.

GTK


O GTK é exatamente um desses Widget Toolkits, que é completamente de código aberto e multiplataforma, apesar de ser menos comum, o GTK pode ser usado para fazer aplicações para Windows e macOS também.

O GNOME é o principal projeto que utiliza essa tecnologia e o GTK é responsável então pelo visual das aplicações do GNOME e de outros projetos que também usam ele, como MATE, Cinnamon, XFCE, Budgie, entre outros.

Opções de ambientes GTK


Apesar de o GTK não possuir exatamente um sistema com suporte para temas, como ele é de código aberto,  pode ser configurado para que os Widgets sejam exibidos de forma diferente e mudei o seu visual. 

É dessa forma que as distros que usam GNOME e/ou GTK criam seus visuais personalizados, é dessa mesma forma que, o que a gente convencionou a chamar de temas, são criados.

Que aplicativos são criados com GTK?

Todo o core de aplicações GNOME é GTK, mas existem outros softwares, como o GIMP, GNU Emacs, Ardour, AbiWord, Pidgin, o antigo Unity 7 do Ubuntu, entre muitos outros.

Qt


Assim como o GTK, o Qt também é um Widget Toolkit, multiplataforma e de código aberto, porém, ao contrário do GTK, que é geralmente usando em meio Linux a projetos com ligações ao GNOME, o Qt é amplamente usado em outros sistemas, incluindo o Linux, sendo popular também em aplicações que rodam no Windows, macOS, Android e sistemas embarcados.

Qt Creator


Atualmente o Qt é mantido pela ‘The Qt Company”, e pelo “Qt Project” de forma open source, o que envolve tanto desenvolvedores individuais e comunidades, quanto empresas e organizações comerciais.

Da mesma forma que o GTK, o Qt também é usado para dar o visual que as aplicações terão, e por ser usado de formas variadas, não só no mundo Linux, ele acaba tendo várias integrações com outros produtos do mercado.

Dentre os projetos famosos que usam o Qt, estão o KDE Plasma, a DDE, interface atual do Deepin, que migrou de GTK também, o LXQt, o Unity 8, projeto da Canonical com interface conversível, o Blackbarry 10, O SailfishOS, o Tesla Model S, o webOS, o MeeGO, entre outras.

Entre as empresas e projetos que usam o Qt, seja em software aberto ou proprietário, estão alguns elementos do Adobe Photoshop, alguns projetos da Autodesk, Bitcoin Core, CryEngine, DaVinci Resolve, Google Earth, VLC, OBS Studio, Telegram, Teamviewer, Virtualbox, WPS Office, entre outros.

Existe também um longa lista de empresas que usa Qt, que vão desde empresas reconhecidas por software, como  Adobe e Valve, passando por empresas de hardware, como AMD, até empresas de indústrias diferentes, como a Disney.

Você já sabia do que se tratavam essas palavras? Você tem alguma preferência? Compartilhe as suas opiniões no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Assista gameplays na TwitchTV com o GNOME Twitch

Nenhum comentário
A Twitch.tv é uma plataforma repleta de jogadores, muitos até profissionais, e acompanhar as jogatinas, pode ser algo divertido e relaxante. Caso não acompanhe o nosso trabalho na Twitch, considere interagir conosco. Temos lives de segunda a sexta, às 20h. Venha comprovar que Linux é um sistema viável para gamers. Vire SUB do canal

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

Não é difícil ver usuários alegando que não conseguem assistir a Twitch, sei muito bem como é passar por essa situação, há um tempo sofria com esse mal. Um paliativo que aliviou os constantes engasgos ao acompanhar uma transmissão, foi justamente o app que irei apresentar. Longe de ser o “Santo Graal”, mas proporcionou a, minha e de alguns que recomendei, possibilidade de assistir e interagir na Twicth. Atualmente minha conexão é um pouco melhor, mas em dias de instabilidades, confesso que ainda recorro ao programa (😁️😁️😁️). 

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

GNOME Twitch


O GNOME Twitch é um cliente/player focado na plataforma de streaming TwitchTV, o programa possui recursos interessantes, como: aceleração por hardware, com 4 back-end disponíveis, bate-papo integrado, escolha da qualidade da transmissão, tema dark, modo fullscreen, etc. Em constante desenvolvimento, a aplicação é distribuída em vários formatos, conforme mostra seu site oficial. Hoje irei apresentar duas formas, via Snap e Flatpak. Assim, não importa a distribuição que esteja utilizando, estes formatos cobrem boa parte das distros Linux.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

GNOME Twitch via Snap


O formato Snap pode ser habilitado nos principais sistemas baseados em Linux, no Ubuntu o mesmo já vem por padrão. Para usuários de outros sistemas, acesse essa postagem e configure o Snap. Nem toda loja possui a integração com esse tipo de pacote, caso a sua não tenha tal recurso, a instalação via terminal pode ser a solução. No Ubuntu é opcional, caso queira instalar via interface gráfica, abra a loja e pesquise por: “Gnome Twitch”.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-snapcraft

Efetuar a instalação via terminal é bem simples, após ter configurado o Snap em seu sistema, digite os comandos a seguir.

Instalando o GNOME Twitch Snap via terminal:

sudo snap install gnome-twitch

Removendo o GNOME Twitch Snap via terminal:

sudo snap remove gnome-twitch

GNOME Twitch via Flatpak


O repositório Flathub também possui o programa. Para quem deseja esse formato, como o Snap, ele pode ser configurado nas principais distribuições e algumas já vem com ele habilitado. O Linux Mint é um exemplo. Aos usuários de Ubuntu, demonstramos todo passo a passo para configurar o Flatpak e adicionar o repositório Flathub no sistema. Acesse essa postagem e configure seu Ubuntu. Após os procedimentos, pesquise normalmente na loja por: “Gnome Twitch Flatpak

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-flathub-flatpak

Outras distribuições podem configurar o Flatpak, por este link. A adição do repositório Flathub, pode ser diretamente no setup oficial. O uso do terminal, como a alternativa em Snap, também é uma opção.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o GNOME Twitch Flatpak via terminal:

flatpak install flathub com.vinszent.GnomeTwitch

Removendo o GNOME Twitch Flatpak via terminal:

flatpak remove com.vinszent.GnomeTwitch

Configurando o Back-end do GNOME Twitch


Se você instalou o GNOME Twitch e “na hora H” apareceu uma mensagem do gênero: “Sem reprodutor carregador!”. Não se preocupe, acesse no local indicado pelo app “Clique aqui para carregar um”.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

Outra maneira é com a janela do GNOME Twitch em foco ir “Definições”, em seu menu, que no caso do Ubuntu você pode acessar essa opção clicando na barra superior. Detalhe, basta ir na primeira opção, se quiser logar com sua conta da Twitch.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

Na aba “Reprodutores”, selecione o que mais lhe agradar. Sempre utilizo o “GStreamer OpenGL player backend”, efetue os testes da melhor alternativa para sua situação. Pode ocorrer de apenas o áudio da stream ser reproduzida, ao mudar de backend também, mas ao reiniciar o programa as mudanças serão aplicadas.

linux-ubuntu-mint-gnome-twitch-games-live-streamer-stream-gtk-snap-flatpak

O GNOME Twitch me ajuda bastante, e caso tenha problemas de instabilidades ao ver transmissões da TwichTV, recomendo experimentar a aplicação. Explore suas opções, em “Definições” >> “Geral” existem algumas que podem auxiliar quem tem uma conexão ruim. Essas são as duas formas que indico a utilização do GNOME Twitch, obviamente, que existem outras e você pode até instalar sem recorrer ao Snap ou Flatpak. No entanto, as versões podem não ser as mais recentes. A decisão é sua.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e acompanhe nossas lives na Twitch, com essa dica é bem capaz de não ter mais complicações com instabilidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Lollypop um player de música completo

Nenhum comentário

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Lollypop é um poderoso player de música desenvolvido em GTK, software livre e muito famoso no meio GNOME. No entanto, sua usabilidade não se limita ao ecossistema GNOME, podendo ser utilizado em diversos ambientes e até outros sistemas. Afinal, o player também está disponível para FreeBSD.

player-música-gnome-gtk-lollypop-ppa-flatpak-ubuntu-mint

Durante este ano de 2019 venho mais do que nunca utilizando diversos players de música. Há muito tempo substitui meus “momentos sonoros” pelo streaming via Spotify, e quando offline utilizava o VLC player. Infelizmente meu player favorito foi “abandonado pela Canonical”, era o Music, uma das aplicações do Unity 8 com convergência conforme o redimensionamento da janela. Obviamente que sou movido tanto pela praticidade, funcionalidades, como visual. Veja o visual logo abaixo do Music.

music-ubuntu-unity8-canonical

Contudo, se existe algo em que o Lollypop não peca (e não estou falando do Android 😁😁😁), é em seu visual e quantidade de recursos. O player chama a atenção com seu visual minimalista e elegante. Além, de também possuir uma certa convergência ao se adaptar conforme redimensione sua janela.

player-música-gnome-gtk-lollypop-ppa-flatpak-ubuntu-mint

Uma curiosidade é que o Lollypop é o player de música padrão do smartphone com Linux da Purism, o Librem 5. Algumas características deste belo player, que posso destacar são:

  • Tema dark;
  • Reprodução dos principais formatos de áudio, por exemplo: MP3, MP4, OGG, FLAC, entre outros (até hoje não tive problema com formatos);
  • Navegação de suas músicas por: gênero, artista, capa;
  • Pesquisa rápida e eficiente;
  • Integração com atalhos de teclado;
  • Suporte a lista de reprodução (podendo importar playlists);
  • Visualização em modo tela cheia;
  • Sincronização MTP;
  • Suporte a telas de alta intensidade (HiDPI);
  • Suporte a TuneIn;
  • Integração com a web, podendo buscar informações de canções diretamente em serviços, como o Last.fm;
  • Download das capas dos albúns e dos artistas (o legal que o player não te força esse recurso, sendo totalmente opcional);
  • Suporte a rádio;
  • Visualização do artista por contexto;
  • Equalizador de áudio;
  • Sistema de favoritos, você pode dar notas as suas músicas com estrelas (podendo ouvir as prediletas ou pesquisar e montar suas playlists “mais acaloradas”);
  • Adição de vários diretórios em locais diferentes com suas músicas;
  • Possibilidade de ouvir música via streaming (por incompatibilidades com algumas APIs proprietárias, esse recurso pode nem sempre funcionar perfeitamente);
  • Opções como: transição suave entre as músicas, repetição, separação por categorias, redimensionamento das miniaturas de seus álbuns, e muito mais. 

player-música-gnome-gtk-lollypop-ppa-flatpak-ubuntu-mint

Existem várias formas de se obter o Lollypop nas distribuições, como Arch Linux, Fedora e OpenSUSE. Basta pesquisar normalmente no repositório, seja via terminal ou pela loja. No Ubuntu e derivados existe a possibilidade da adição de um PPA ou via Flatpak (forma que também pode ser utilizada em outras distros).

Lollypop via PPA


A instalação via PPA é um meio de se obter o Lollypop, entretanto, caso seja iniciante recomendo a segunda opção. Particularmente não creio que atualmente o uso de PPAs seja a melhor forma de se obter softwares no Ubuntu, salvo poucas exceções.

Adicionando o PPA via terminal:

sudo add-apt-repository ppa:gnumdk/lollypop

Atualizando a lista de pacotes:

sudo apt update

Instalando o Lollypop do PPA via terminal:

sudo apt install lollypop

Removendo o PPA:

sudo apt-get install ppa-purge && sudo ppa-purge ppa:gnumdk/lollypop

Lollypop via Flatpak


O Lollypop encontra-se no repositório Flathub, antes de tudo, para instalar o Lollypop desta maneira será necessário ter o Flatpak configurado em seu sistema. Para usuários de outras distros que não sejam o Ubuntu ou Mint, acesse essa postagem (o repositório do Flathub deve ser adicionado, conforme irei abordar ao demonstrar o processo via terminal). No Ubuntu, você pode acompanhar todo passo a passo deste post, e além de configurar o Flatpak, configurar a GNOME Software (loja do Ubuntu) para efetuar suas instalações via interface gráfica. Após ter tudo pronto, pesquise por: “Lollypop” e instale a aplicação (no Linux Mint, basta pesquisar, não sendo preciso nenhuma configuração prévia).

player-música-gnome-gtk-lollypop-flathub-flatpak-ubuntu-mint

O processo pode ser igualmente feito via terminal, caso tenha preferência ou sua distribuição não possua uma loja que suporte este tipo de pacote.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Lollypop Flatpak via terminal:

flatpak install flathub org.gnome.Lollypop

Removendo o Lollypop Flatpak via terminal:

flatpak remove org.gnome.Lollypop

Conclusão


O Lollypop é uma alternativa muito interessante, funcional e bonita. Ao que parece o mesmo permanecerá em meu sistema por muito tempo. O player passou a ser um de meus favoritos, seja por sua beleza ou eficiência. No entanto, existem muitas soluções atuais em que eu e meu colega de trabalho, Ricardo (O Cara do TI), abordamos durante este ano de 2019. Recomendo que experimente e descubra qual o melhor player de música para você. Segue a lista: Olivia Player, Elisa Player, Museeks, Tauon Music Box e o Strawberry para os mais saudosistas. 

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, existem muitos audiófilos por lá também (😁😁😁).

Agora vou ouvir algumas músicas no Lollypop, enquanto vou criando a capa deste post, SISTEMATICAMENTE! 😎


Fonte: GNOME.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Atualização no tema Yaru do Ubuntu 19.10 recebe elogios do time do GNOME

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Constante lapidação é um modus operandi muito interessante de seguir no mundo de desenvolvimento de software. A Canonical anunciou mudanças que devem chegar ao novo tema do Ubuntu, o Yaru, que recebeu elogios até mesmo da comunidade GNOME pela postura de desenvolvimento.

Yaru theme Ubuntu 19.10






O tema Yaru foi responsável pela modernizada no visual do Ubuntu que tivemos com a versão 19.04, ele é realmente muito belo e amigável aos olhos, algo que o Ubuntu precisava muito, depois de anos usando o Ambiance sem maiores modificações.

O trabalho com o Yaru, no entanto, não está completamente finalizado, e imagens vazadas onde alguns novos detalhes podem ser percebidos:

Tema Yaru novo

Como podemos ver, o novo Yaru parece respeitar mais o tema padrão do GNOME, o Adwaita, desde o formato dos switches na interface, até mesmo espaçamento e posicionamento dos elementos.

Em 25 de Maio deste ano, alguns desenvolvedores GNOME comentaram, de forma aberta, que gostariam que as distros parassem de estilizar os seus aplicativos por contra própria, apontando vários problemas e bugs que só aconteciam nos softwares por conta dessas modificações, onde as distros que criavam o problema, não arcavam com a solução dele, ao mesmo tempo que não tentavam criar uma temificação que ajudasse a não quebrar os aplicativos, mesmo sem perder a identidade visual que se propõem a carregar.

É sabido que isso acontecia, muitas vezes, sem que as distros tivessem consciência do problema. Ao modifcar as fontes, o espaçamento, o posicionamento e o CSS do temas GTK para dar "a cara" que gostariam, as distros acabavam criando alguns aplicativos bugados, com ícones sem contraste, ou simplesmente visuais quebrados, quando os reports de bugs eram feitos por conta desses problemas, eles iam diretamente para o desenvolvedor original do App, que nada tinha a ver com a modificação que causou o mesmo.

Ainda que o tema Yaru não fosse um grande problema neste sentido, há sempre coisas que podem melhorar em relação ao que você pode fazer de forma colaborativa, e mais uma vez a Canonical acatou o feedback da comunidade em relação a isso, dessa vez a comunidade de desenvolvedores GNOME, e está trabalhando nesse polimento do Yaru para que não existam estes conflitos.

O perfil do GNOME Twitter parabenizou o Ubuntu pela atitude:

GNOME cumprimenta Ubuntu

Em uma tradução livre:

"Nós apreciamentos o tempo dedicado pelo Ubuntu para nos ajudar a evitar a fragmentação de temas, permacendo próximo das escolhas de design dos designers do GNOME e de seus desenvolvedores. Isso é realmente uma decisão 'de classe' de um grande grupo de pessoas. Estamos entusiasmados para ver o produto final".

No fórum do Ubuntu podemos ver mais alguns screenshots do projeto, que tem o objetivo de ser lançado com o Ubuntu 19.10, caso haja tempo suficiente para fazer a adição. Apesar de parecer simples, o visual do sistema é algo muito importante e quando feito de forma profissional, requer vários testes para ver se ele não quebra o visual das aplicações pré-instaladas e, no mínimo, as mais comuns utilizadas pelas pessoas.

Outra característica que está sendo considerada é adicionar, nas configurações do sistema, uma opção para ativar o tema dark sem a necessidade de instalar o GNOME Tweaks, o que não muda muito as coisas na prática, mas é um toque legal, que o Pop!_OS por exemplo, possui.

O que você achou do novo visual? Compartilhe suas ideias no nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


XFCE 4.14 enfim lançado! Saiba quais são as novidades

Nenhum comentário
O XFCE é conhecido por ser relativamente leve e bem conservador. Não é difícil ver alguns usuários chamando ele de “rocha”, pois, sua fama é de prezar pela estabilidade e nem sempre acompanhar as últimas novidades (ao contrário de um KDE Plasma da vida). No entanto, essa característica não é um defeito, apenas um modo de se trabalhar.

xfce-gtk3-linux-interface-leve-customizável

A nova versão do “Ratinho mais querido entre os pinguins”, vem repleto de novidades e polimentos, eis logo a seguir alguns destes principais destaques:

  • Porte dos principais componentes de GTK2 para GTK3, do D-Bus GLib para GDBus; 
  • Área de trabalho com suporte a função do monitor principal RandR;
  • O gerenciador de janelas do XFCE agora possui suporte a VSync, HiDPI, aprimoramento do GLX com drivers proprietários NVidia ou XInput2;
  • Refinamento no plugin que permitia o agrupamento de janelas em listas;
  • Sincronização entre os wallpapers do usuário com Contas e Serviço;
  • Possibilidade de escalonamento das janelas GTK na caixa de diálogo de aparência e uso da fonte mono espaçada (a visualização por tópicos foi abandonada);
  • O mecanismo para pesquisa de aplicativos pode ser aberto como uma janela única, ou de forma tradicional. Sua navegação via terminal foi aprimorada.

A mudança não ficou apenas nos painéis ou componentes que “desenham e formam” a interface. As aplicações receberam muitas novidades. Podemos dizer que essa versão 4.14 do XFCE foi uma das que mais trouxeram mudanças. Por vários anos o XFCE permaneceu apenas com correções de desempenho e falhas, sem novidades ou adições que mudassem o comportamento, ou algum de seus elementos. Como mencionado anteriormente, essa característica mais conservadora do projeto, é um dos pilares que reforçam essa sensação de robustez e confiança do XFCE. Obviamente que outros aspectos, como leveza e um alto nível de personalização, são chamarizes para novos usuários.

  • O Thunar recebeu várias funcionalidades e correções, que vão de aspectos visuais à experiência do usuário. Por exemplo, sua barra de caminho recebeu uma revisão completa, suporte a miniaturas maiores e para ícones como miniatura (ou até mesmo arquivos de música, com álbuns em suas miniaturas). Melhor navegação via teclado e suporte a Blu-ray, pelo gerenciador de volume do Thunar;
  • Parole Media Play passou a possuir um “modo mini”, melhor integração com transmissões de rede e podcasts. O mesmo passou a inibir protetores de tela ou até mesmo configurações de energia que desligassem a tela, durante a reprodução de conteúdo;
  • O gerenciador de bateria foi refinado, permitindo suporte ao botão XF86Battery e o novo protetor de tela xfce4. Além, de correções de bugs e ajustes de recursos já existentes;
  • O add-on do painel ganhou novas funções, como: poder exibir o tempo ou percentual de baterias e dependerá do ícone padrão do UPower para trabalhar com temas de ícones. Afinal, com o LXDE migrando para base QT, o complemento do painel que responsável por isso foi removido.
  • O serviço de notificação recebeu um modo não perturbe e suporte a persistência;
  • Ristretto obteve melhoras em seu design e passa a poder configurar o plano de fundo da área de trabalho;
  • O gerenciador de área de transferência, através do GtkApplication, passa a ter maior compatibilidade com atalhos do teclado.
  • Melhorias no add-on do painel pulseaudio, proporcionando o controle de players de mídia remotamente;
  • A captura de tela com mais liberdade, sendo que o usuário pode mover a largura e altura da seleção de captura, entre outros detalhes;
  • E muito mais novidades.

Para maiores detalhes acesse o comunicado oficial do lançamento do XFCE 4.14. Lembrando que as Daily Builds do Xubuntu 19.10 estão com a versão de teste do XFCE 4.14, sendo questão de tempo para usarem a final.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: XFCE.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Novidades no GNOME 3.33.4

Nenhum comentário

quarta-feira, 24 de julho de 2019

O lançamento da próxima versão do Ubuntu está bem perto, o Ubuntu 19.10 está programado para 17 de Outubro e acompanhará o GNOME 3.34. No entanto, antes de sabermos as novidades da nova versão, o GNOME 3.33.4 é lançado. 

gnome-shell-linux-ubuntu-19.10

A versão 3.33.4 não é um grande lançamento, como sugere seu número de versionamento, entretanto, as novidades e melhorias contidas nela, também estarão presentes na próxima versão 3.34.

Algumas novidades do GNOME 3.33.4


  • Melhorias no sistema de compilação de softwares, o Meson, para EOG e outros componentes;
  • GTK+ 3.24.10 compativél com o protocolo XDG-Output e várias correções.
  • Muitas melhorias no Gnome-Shell e seu compositor de janelas Mutter;
  • Mudanças no modo clássico do GNOME, desabilitando a visão geral do GNOME 3 e diversas modificações;
  • Agora o GMD mata a sessão do usuário ao parar o gerenciador de janelas;
  • O GNOME Boxes adicionou a opção de aceleração 3D em seu diálogo de propriedades. Incluindo suporte para o VirtIO-GPU;
  • Foi repaginada a caixa de diálogo do gerenciamento de calendários do aplicativo GNOME Calendar;
  • Grande parte do código do GNOME Music foi reescrito. A equipe de desenvolvimento do app vem trabalhando nas listas, no MPRIS e na capacidade de reproduzir músicas sem espaços;

Você pode acessar o código das mudanças desta versão por este link. Lembrando que esta versão é o último lançamento até o beta do GNOME 3.34.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Phoronix, GNOME.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

3 alternativas para desenhos simples, estilo "Microsoft Paint"

Nenhum comentário

quinta-feira, 18 de julho de 2019

O Microsoft Paint é um programa muito popular entre usuários do Windows, na qual provavelmente você quando mais jovem, já tenha “perdido” algumas horas em frente ao PC. A criançada adora rabiscar e pôr a imaginação em ação. Se busca por uma ferramenta similar, irei apresentar 3 alternativas. Indo da mais simples para a mais completa em recursos.

alternativa-linux-ms-microsoft-paint-google-canvas-web-app-drawing-kolourpaint-gnome-kde-gtk-qt-ubuntu-flatpak-snap

Essa postagem não tem como objetivo indicar softwares para edição ou desenhos elaborados, soluções como: GIMP, Krita, Inkscape, entre outros são os indicados. Afinal, programas assim podem ser bem complexos para crianças e o objetivo é apenas rabiscar e se divertir, quem sabe despertar um Leonardo da Vinci ou Van Gogh (sem suas excentricidades, claro 😕😕😕).

Google Canvas


O Google Canvas vem sendo chamado por muitos sites, como o “Paint” da Google. Inclusive noticiamos na época de seu lançamento, no início do ano. A solução é online e sendo bem simples o seu funcionamento. Se busca por algo rápido e que não exija instalação, ele pode ser uma alternativa a se considerar. Mesmo possuindo pouquíssimas ferramentas, dependendo do perfil de quem for utilizar o programa, o Canvas é mais que suficiente.

alternativa-linux-ms-microsoft-paint-google-canvas-web

Por ser online, conexão com a internet será requisito e uma conta Google. Acesse o Google Canvas por este link. Se ficou alguma dúvida, considere ler nossa postagem sobre o serviço.

Drawing


Pensado para ambiente o GNOME (mas pode ser utilizado nos demais), o Drawing possui alguns recursos à mais que o Google Canvas. Digamos que ele é o intermediário da nossa lista. O número de ferramentas e opções dão um pouco mais de autonomia, entretanto, nada tão complexo. Além de desenhar com a ferramenta, pequenas edições podem ser realizadas. O Drawing suporta imagens no formato PNG, JPEG e BMP.

alternativa-linux-ms-microsoft-paint-app-drawing-gnome-kde-gtk-ubuntu-flatpak

O Drawing está disponível oficialmente via Flatpak no Flathub. Caso não tenha configurado em seu sistema o Flatpak, essa postagem tem todo procedimento. Se utiliza Ubuntu, este post ensina como habilitar o suporte a esse tipo de pacote na loja da distribuição (Software Ubuntu/Gnome Software), permitindo instalação do Drawing via interface gráfica (depois de adicionar o suporte, pesquise por “Drawing”, encontre a aplicação e efetue a instalação). No Linux Mint, basta pesquisar na loja pelo programa. Caso queira instalar via terminal, proceda assim:

Habilite o repositório do Flathub (se não tem configurado)

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instale o Drawing Flatpak via terminal:

flatpak install flathub com.github.maoschanz.drawing

Para desinstalar via terminal:

flatpak remove com.github.maoschanz.drawing/x86_64/stable

Kolourpaint


A última aplicação da lista é o Kolourpaint, talvez o mais completo do gênero. Possuindo até mais ferramentas que o próprio Microsoft Paint. Se quer mais opções e uma familiaridade com o app da Microsoft, o Kolourpaint é a opção certa. Para se ter uma noção, o programa suporta vários tipos de arquivos, como o formato do Adobe Photoshop (PSD) e do GIMP (XCF).

alternativa-linux-ms-microsoft-paint-app-kolourpaint-kde-gtk-qt-ubuntu-flatpak-snap

Você pode obter o Kolourpaint de várias formas. Pesquise normalmente na loja de sua distribuição e instale diretamente do repositório, ou via Flatpak ou Snap. Digamos que queira utilizar no formato Snap. Configure primeiramente o Snap em sua distribuição, conforme este artigo, lembrando que no Ubuntu não é necessário configurar e você encontrará normalmente na loja. Utilize estes comandos se a loja de sua distribuição não possui integração com os Snaps.

A versão Snap pode ser instalado por esse comando:

sudo snap install kolourpaint

Para remover o Kolourpaint Snap:

sudo snap remove kolourpaint

Outra opção é via Flatpak. Relembrando que será necessário ter o Flatpak configurado e o repositório do Flathub também. Além, de poder instalar via interface gráfica na Gnome Software. Caso não tenha configurado, na parte que abordei sobre o Drawing, demonstrei como proceder.

Instalação via Flatpak:

flatpak install flathub org.kde.kolourpaint

Remoção da aplicação Flatpak:

flatpak remove org.kde.kolourpaint/x86_64/stable

Essas são as 3 alternativas ao Microsoft Paint, se conhece alguma interessante compartilhe nos comentários ou em nosso fórum Diolinux Plus

Particularmente não me dou bem com esse tipo de aplicativo, acho que deu para notar nas imagens (😂😂😂). No entanto, quando instalei o Kolourpaint no pc de um usuário (com esse perfil, uma criança e tal...) o resultado foi super positivo. Já se você precisa criar artes mais elaboradas, utilize algum dos softwares que citei no início do artigo.

Acho que irei continuar no Inkscape + GIMP (😋😋😋), mas se alguém sentir a falta do Microsoft Paint, opção é o que não falta. Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançamento do GTK 4 está se aproximando cada vez mais!

Nenhum comentário

sábado, 11 de maio de 2019

Você já pode ter se deparado com termos como Qt, GTK e se for novato no Linux pode estar "boiando" com essas nomenclaturas. Calma que tudo isso é mais simples do que o imaginado.

gtk+-gtk4-gtk3.96-gnome-interface-vullkan-opengl-linux-DE

Qt e GTK + são kits de ferramentas para criar interfaces gráficas. Falando especificamente do GTK+, ele é o núcleo da plataforma de desenvolvimento do GNOME, mas não limitado a ele apenas. Por exemplo aplicações para outras interfaces como: Cinnamon, XFCE, Deepin Desktop (DDE), KDE etc; Podem ser criadas em GTK+, e indo além, o GTK pode ser usado em outros sistemas operacionais como BSD, Windows e macOS.

O tão aguardado GTK 4


Como a tecnologia tende a evoluir, não seria diferente com o GTK, e desde seu lançamento em 1998 o toolkit do GNOME vem recebendo melhorias e novas implementações. Atualmente em sua versão 3.24 o GTK está prestes a receber uma reformulação com o tão aguardado GTK 4. Novos recursos e refatorações em seu código estão previstas. Isso significa uma nova forma de compor as aplicações desenvolvidas com essa framework.

A demora do GTK 4 é justificável se levarmos em consideração a proposta do mesmo, que visa ser uma API estável e que não obrigue os desenvolvedores a refazer partes dos códigos de suas aplicações há cada atualização, num período curto de 6 meses, que basicamente é o que pode ocorrer com o atual GTK 3. 

Mudanças do GTK 3 para o GTK 4


Além de abandonar alguns widgets e adicionar novos ao GTK 4, a nova versão tem várias propostas como: adição do suporte ao Vulkan e ao OpenGL para melhorar a velocidade de suas aplicações, visto que a GPU "irá desenhar" os elementos visuais na tela. Código mais limpo, refatoração de códigos antigos, desenvolvimento com o Wayland em mente, mas sem perder suporte ao X11.

gtk+-gtk4-gtk3.96-gnome-interface-vullkan-opengl-linux-DE-efeitos-blur

Sabemos que o GTK 4 incluirá o suporte ao tão amado ou odiado "Blur", a possibilidade de animações 3D e efeitos gráficos etc.

A espera pode estar chegando ao fim


Os planos dos desenvolvedores GNOME é oferecer uma API segura e estável, que não precise de mudanças de bases a curto e médio prazo, dando maior conforto a quem desenvolve aplicações em GTK, afinal mesmo com atualizações do toolkit, os developers não precisarão readaptar suas aplicações.

No momento os desenvolvedores podem testar o GTK 4 junto ao GTK 3.96, "a versão na qual será transformado em GTK 4".

Caso queira ver todas as informações técnicas sobre o GTK 3.96 e GTK 4, acesse o anúncio oficial do blog do GTK e veja a fundo suas novidades.

Será que em 2019 iremos ver o lançamento da versão estável do GTK 4? Com tantas notícias "bombásticas" saindo no mundo Linux, já não duvido de mais nada (😊😊😊).

E você ansioso pelas novidades do GTK 4? Continue esse bate-papo lá em nosso fórum Diolinux Plus.

Te espero até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Oomox, uma ferramenta para criar temas GTK

Nenhum comentário

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Recentemente disponibilizamos uma personalização do tema Mint-Y, todo customizado “na unha”, e com o processo explicado passo-a-passo num vídeo na Twitch.

O resultado final foi esplêndido, porém trabalhoso, sendo preciso alguns softwares para criar tal customização, o GIMP como sempre presente 😉😁😁, entretanto por ser algo demorado algumas pessoas desistirão no meio do caminho, mas existe uma solução prática e acessível, agradecemos ao nosso leitor Jhonatan Dias pela dica.

temas-gtk-oomox

Caso queira customizar seu sistema, sem ter muito trabalho, a ferramenta Oomox é ideal para você, com ela a criação de temas GTK será rápida e intuitiva.

Instalando a aplicação Oomox


Na página do GitHub do Oomox você verá diversas formas de instalação para cada distribuição Linux. No caso do Ubuntu, Linux Mint e derivados, você pode efetuar o download de um arquivo “.deb” e instalar via interface gráfica, ou instalar a versão em Flatpak, diretamente do Flathub ou loja do seu sistema, caso esteja habilitado.

Não sabe como adicionar suporte ao repositório Flathub no seu Ubuntu? Confira o post e configure o Flatpak em seu sistema (no Linux Mint 19 o Flatpak já vem habilitado por padrão).

Depois de habilitar o repositório Flathub ao seu sistema, basta pesquisar na loja por Oomox, e instalar o programa.

oomox-flatpak-temas-gtk

A interface do Oomox


O software tem sua interface dividida basicamente em 4 elementos, uma barra superior com botões responsáveis por ações como: “Importar esquemas de cores”, “Clonar o tema”, “Salvar o tema”, “Renomear o tema”, “Excluir o tema”, “Exportar o tema”, “Exportar os ícones”, “Exportar os esquemas de cores para o terminal” e um menu hambúrguer com todos os atalhos do programa.

A parte principal da aplicação é subdividida em 3, na esquerda ficam os “‘Presets” e “Plugins”, com variações de temas oferecidas previamente pelo programa, e também ficará os temas customizados e criados pelo usuário.

No centro ficam propriamente todas as opções de customizações dos temas, como o “Theme Style” que lhe permite personalizar e criar temas baseados no momento em 3 temas super conhecidos pela comunidade, que são: o “Numix”, “Material” e “Arc”.

Além das cores dos temas e seus elementos, existe a possibilidade de criar alguns temas de ícones com variações de cores, como esquemas de cores para o terminal.

A última parte do software na direita, fica o preview das modificações em tempo real, muito útil e evitando a aplicação manual do tema para ver os resultados.

oomox-interface-tutorial

Criando seu tema


Existem diversas maneiras de se criar um tema no Oomox, entretanto julgo mais simples proceder da seguinte maneira:

1º Encontre um Preset de um tema que goste e clone o tema.

2º Modifique as cores conforme seu senso crítico de design, afinal o tema é seu.

Para modificar os valores, basta clicar nos quadrados e escolher conforme a paleta de cores, ou digitar o valor hexadecimal da cor.

3º Depois de customizar todas as cores, do preset escolhido e do theme style, salve o tema.

4º Na barra superior clique em “Export Theme”, uma janela aparecerá, marque a opção e dê prosseguimento a ação, aguarde o processo finalizar.

exportar-tema-gtk-oomox-tutorial

Seu tema será exportado para pasta do seu usuário atual, na home, dentro de “.themes”.

oomox-tema-exportado-distribuir

Você poderá distribuir cópias deste seu tema para amigos, e caso queira dos ícones também, basta clicar em “Export Icons”, e eles serão exportados para pasta “.icons” do seu usuário atual.

Para visualizar as pastas ocultas tanto no Mint como no Ubuntu, basta pressionar a combinação de teclas CTRL+H, e as pastas serão visíveis.

Aplicando o tema no Ubuntu (Gnome)


No Ubuntu pesquise na loja por “Ajustes do Gnome” e instale o programa, caso deseje faça via terminal com o comando:

sudo apt install gnome-tweak-tool

baixar-gnome-tweak-tool

Pesquise por “Ajustes” no menu do Ubuntu e abra o programa.

executar-gnome-ajustes

Na aba “Aparência”, selecione o seu tema na opção “Aplicativos”.

setar-tema-oomox

Aplicando o tema no Mint Cinnamon


No Linux Mint pesquise por “Configurações do sistema” no menu, logo em seguida acesse a opção em “Aparência>>Temas”.

temas-linux-mint

Em temas notará diversas alternativas, como “Borda da janela”, “Controles” e “Área de Trabalho”. Selecione o tema que acabou de criar em cada uma destas opções e customize sua distro.

temas-linux-mint-configurar-oomox

Com essa aplicação é muito simples modificar a aparência do sistema e deixá-lo ao seu gosto, recomendo por sua criatividade e “lado artístico” à prova e sair criando numerosos temas GTK.

Gostou da aplicação Oomox? Já conhecia ou utilizava? Deixe nos comentários suas opiniões sobre o programa.

Te espero no próximo post, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo