Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo.

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador linux mint. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador linux mint. Mostrar todas as postagens

Como resolver o problema de screen tearing de placas híbridas no Ubuntu 18.04 LTS e no Mint 19

Nenhum comentário

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Neste artigo vamos mostrar como consertar um problema bem chato que acontece quando instalamos o Ubuntu 18.04/Mint 19 em um notebook com placas de vídeo híbridas (Intel+Nvidia). O problema em si está relacionado ao momento da instalação do driver proprietário da Nvidia em notebooks com placas de vídeo híbridas que utilizam o PRIME para fazer a alternância entre os chip gráficos.







Para isso vamos fazer em 3 passos simples, não se preocupem.

Primeiro vamos abrir o terminal, você pode fazer isso utilizando a combinação de teclas Ctrl+Alt+T ou procurando por "terminal" no menu do seu sistema.

No terminal digite este comando:

sudo gedit /etc/modprobe.d/nvidia-drm-nomodeset.conf

Obs: No lugar do gedit pode ser o editor de texto da sua preferencia, como nano, vim, xed, kate e etc.

 Como resolver o problema de screen tearing de placas hibridas no Ubuntu 18.04 LTS e no Mint 19

Segundo, o editor vai se abrir permitindo que você digite (ou copiar e colar) o seguinte comando dentro dele:

options nvidia-drm modeset=1

Feito isso basta salvar o arquivo.

Depois vamos dar um update no initramfs e reinicializar o notebook. O comando para atualizar o initramfs é o:

sudo update-initramfs -u


 Como resolver o problema de screen tearing de placas hibridas no Ubuntu 18.04 LTS e no Mint 19

Terceiro, depois de reinicializar, vamos checar se o procedimento deu certo com o seguinte comando.

sudo cat /sys/module/nvidia_drm/parameters/modeset

Obs: A saída tem que ser Y.

 Como resolver o problema de screen tearing de placas hibridas no Ubuntu 18.04 LTS e no Mint 19


Uma dica extra é ir no "PowerMizer" no "Nvidia Settings" e colocar no "Preferred Mode" a opção "Prefer Maximum Performance". isso vai ajudar bastante também.

 Como resolver o problema de screen tearing de placas hibridas no Ubuntu 18.04 LTS e no Mint 19


Esse procedimento foi feito em um notebook Dell Inspiron 7559 - Core i5 6300HQ com chip graficos IntelGraphics HD 530 e NVDIA GTX 960M no Xubuntu 18.04 LTS e no Linux Mint 19.

Conte aí nos comentários se a dica ajudou você a solucionar esse problema. =)
Até uma próxima e um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O que é um programa "pesado"

Nenhum comentário

quinta-feira, 12 de julho de 2018

Uma das perguntas mais frequentes encontradas no canal, ou até mesmo aqui no blog, é “tal interface do Linux é pesada?”. Quando perguntamos se uma interface é ou não pesada, o que devemos levar em consideração? Ou melhor, o que é um programa pesado afinal de contas?


Podemos definir um programa pesado, tanto no linux, Windows ou macOS, como um programa que usa muitos “recursos da máquina”. Basicamente podemos incluir quatro itens em nossa lista na hora de verificar se um programa é ou não pesado para nosso computador. Estes itens são: processador, memória RAM, armazenamento e GPU.

Tendo em mente que esses são os recursos que você irá avaliar, fica muito mais fácil de escolher, por exemplo, a interface adequada para a sua máquina, se o intuito é escolhê-la por ser mais “leve”. 

Também é importante lembrar que um programa pode ser considerado pesado, mas não necessariamente nesses quatro itens, pois depende do que você está avaliando no seu computador. Podemos usar como exemplo o Cinnamon, a interface mais popular do Linux Mint.

O Cinnamon, por exemplo, pode ser considerado tanto pesado, quanto leve, dependendo do que você levar em consideração na hora de avaliar. Em comparação com outras interfaces disponíveis, se formos avaliar o uso do processador, ele é um ambiente gráfico leve, se estiver falando de memória, ele é um ambiente gráfico leve, se você está falando de disco rígido de armazenamento, ele também é ambiente leve, agora, se você estiver falando de gráficos, aí você poderá considerá-lo um ambiente mais pesado. Mas então Linux Mint é um sistema leve ou pesado? Depende do que você for avaliar.

Apesar de através de comparativos entre sistemas conseguirmos dizer quais são um pouco mais pesados que outros, devemos considerar também a potência do hardware que você tem disponível no seu computador, pois isso fará grande diferença na hora de considerar um sistema “leve ou pesado”. Confira o vídeo na canal, em que discutimos em detalhes o que podemos analisar em um programa para considerá-lo “pesado”.



Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19 "Tara" finalmente lançado, confira todas as novidades e faça o download

Nenhum comentário

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Como previsto, chegando ao final de mês de Junho, temos o lançamento do Linux Mint 19, de codinome "Tara", nas versões Cinnamon, MATE e XFCE. Confira agora as novidades da versão e faça o download.

Linux Mint 19 Download






A nova versão do Linux Mint, que tem suporte a atualizações de segurança até 2023, está finalmente disponível em sua versão estável. Baseando-se no Ubuntu 18.04 LTS, o Linux Mint 19 chega com muitas melhorias e modificações se comparado com a versão imediatamente anterior, confira o vídeo que produzimos com as principais novidades:


As novidades inclusas no Beta se mantiveram para a versão final, apenas atualizando pequenos detalhes e corrigindo bugs que apareceram nesta fase. Para saber todas as novidades inclusas na versão 19 do Linux Mint, confira este artigo aqui do blog.

A versão principal, com o ambiente gráfico Cinnamon, também possui uma página com todas as novidades presentes no Mint 19 no site oficial. Falando em Cinnamon, o ambiente está na sua versão mais recente no Linux Mint 19, chegando a versão 3.8, confira este artigo do blog para conhecer as novidades do Cinnamon 3.8.


Vale a pena consultar também as notas de lançamento da nova versão aqui.

Download e atualização


Para as pessoas que estão se perguntando se poderão atualizar da versão Beta para a versão final ou mesmo da versão 18.3 para a versão 19, em ambos os casos a resposta é "sim".

Nesta página você encontra, além dos links para download do Linux Mint, as instruções para atualização do sistema.

Independente do método, os desenvolveres recomendam que você use o TimeShift, o software de backup incluso no Linux Mint, para fazer um Snapshot de todo o sistema, assim você poderá reverter o processo em caso de problemas.


Usuários do Linux Mint 19 Beta, depois de fazerem seus backups, podem atualizar o sistema pelo gestor de atualizações normalmente e aplicar algumas modificações que devem ser feitas via terminal nesta ordem:
sudo apt remove ttf-mscorefonts-installer
sudo apt install libreoffice-sdbc-hsqldb sessioninstaller ttf-mscorefonts-installer
sudo rm -f /etc/systemd/logind.conf
sudo apt install --reinstall -o Dpkg::Options::="--force-confmiss" systemd
sudo rm -f /etc/polkit-1/localauthority/50-local.d/com.ubuntu.enable-hibernate.pkla
Para os usuários da versão 18.3, os desenvolvedores informaram que ainda vão produzir as instruções de atualização, então teremos que esperar um pouco até termos as instruções oficiais, mas se for de alguma forma semelhante com a atualização da versão passada, será mais ou menos como mostramos neste vídeo: 


Você pode baixar o Linux Mint 19 "Tara" na versão Cinnamon, seja em download direto ou por torrent nesta página. Você também encontra na mesma página o download para versões de 32 e 64 bits.

Você pode também baixar a versão com XFCE aqui e ler sobre as novidades da versão nas notas oficiais aqui.

Se você preferir a versão com MATE do Linux Mint, você pode fazer o download aqui nesta página e ler sobre as novidades da release aqui.

Sugestão para o pós-instalação do Linux Mint


O Linux Mint possui um sistema de gerenciamento que permite que qualquer pessoa, com ou sem conhecimento técnico, use o sistema, aqui segue um vídeo com "coisas para você fazer depois de instalar o Linux Mint" sem precisar usar o terminal para nada:


Aproveite e conte pra gente o que você está achando desta nova versão, qual o recurso novo que você mais gostou? O que ainda está faltando para o Mint ficar ainda melhor?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Feral Interactive libera "Game Mode" para Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 10 de abril de 2018

A principal empresa de portes de jogos para Linux, a Feral Interactive, anunciou uma nova ferramenta Open Source para ajudar a otimizar o desempenho de jogos no Linux. Trata-se de um daemon e uma lib que permitem que os games extraiam mais desempenho dos processadores.

Linux Game Mode






O chamado "Game Mode" da Feral Interactive, que está trazendo ainda nesta semana o "Rise of the Tomb Raider" pra Linux e macOS, consiste em fazer com que o game consiga alocar "mais atenção" do processador para assim melhorar o desempenho do mesmo.

O recurso foi criado especialmente para ajudar os jogadores que possuem apenas Placas Intel HD Graphics para jogar ou alguma outra APU AMD, onde em ambos os casos, o desempenho do jogo está diretamente ligado ao desempenho do CPU.

Ainda assim, mesmo jogadores que tenham placas de vídeo dedicada (da Nvidia por exemplo), poderão tirar alguma vantagem do recurso.

Como funciona e como instalar


O "Game Mode" é algo que funciona em Background no sistema e altera o comportamento do "CPU Governor" para uma aplicação em específico, no caso um jogo. O recurso consiste em uma espécie de "combo" de biblioteca e daemon que permite aos jogos requisitarem certas otimizações para o kernel de forma temporária.

O código da ferramenta está disponível no GitHub para os interessados em testar.

A ideia não é incluir o recurso diretamente nos jogos atualmente, sendo algo que o usuário deve tomar a liberdade para si de usar ou não, mas em tese, nada impede que existem implementações diferentes do futuro.

Para instalar no seu sistema (apenas distros baseadas em Ubuntu e Arch) você deverá fazer a instalação via linha de comando, trata-se de um ajuste avançado, mas não necessariamente complicado.

Precisamos de algumas dependências antes:

(Ubuntu, Linux Mint, elementary OS e derivados)
sudo apt install meson libsystemd-dev pkg-config ninja-build git
(Arch, Manjaro e derivados):
sudo pacman -S meson systemd ninja git 
Os demais comandos são iguais para qualquer distro:
git clone https://github.com/FeralInteractive/gamemode.git 

cd gamemode
./bootstrap.sh
Depois disso, reinicie o computador para que o Daemon inicie já junto com o sistema e observe se tudo inicializa corretamente. Você pode pressionar a tecla "F8" para verificar a inicialização em modo "verbose" para ter mais informações.

Depois disso você precisa indicar manualmente que o jogo deve usar este recurso, o que teoricamente pode ser feito com um comando assim:
LD_PRELOAD=/usr/\$LIB/libgamemodeauto.so ./game
Onde "./game" no final é o caminho e binário do jogo, mas no caso da Steam, fica mais simples, basta editar os parâmetros de inicialização.

Clique com o botão direito do mouse sobre o jogo na sua biblioteca Steam, vá em propriedades e depois clique em "Set Launch Options" e cole o seguinte comando:
LD_PRELOAD=$LD_PRELOAD:/usr/\$LIB/libgamemodeauto.so %command%
Assim como está na imagem:

Diolinux tesde Game Mode Feral Interative

Clique no "Ok" e jogue normalmente.

Testes preliminares e desempenho


Claro que é cedo para dizer qualquer coisa, o projeto acabou de ser anunciado e ainda deve receber muitas melhorias e otimizações, mas a primeira vista a impressão foi boa.

Eu vou instalar alguns games mais pesados para fazer alguns testes e verificar, mas testei com dois jogos, Rocket League e Ballistic Overkill e os resultados foram interessantes.

Os jogos são relativamente leves e a máquina é potente (Ryzen 7, 16 GB de RAM DDR4 de 3000 Mhz, SSD e um GTX 1060 de 3 GB), mas ainda assim tive uma pequena melhoria.

Em ambos os jogos eu obtive uma média de 10 a 15 FPS acima do "normal" sem essa modificação. Ambos os jogos já rodavam muito acima dos 100 FPS, então a diferença em game não se torna grande, ainda mais em uma máquina assim, no caso do Ballistic Overkill por exemplo, o game chega a passar de 200 FPS.

Ambos os jogos foram testados com todos os gráficos, texturas e filtros nas opções de qualidade máxima.

Pretendo fazer testes em hardware mais modesto, onde ali sim, espero ter resultados mais animadores.

Se você testar, compartilhe conosco o resultado através da sessão de comentários, lembre de informar o hardware do computador, distro, qual e game e qual configuração gráfica você estava usando e se possível, mencione um "antes e depois".

Para deixar de usar o "Game Mode" no jogo, basta tirar o parâmetro de inicialização do lançador da Steam. Outra coisa que esperamos do futuro é que existe uma forma mais simples para aplicar esta funcionalidade, exigindo menos conhecimento técnico, funcionando talvez como um pacote de software, como qualquer outro que você instala dando dois cliques, ou que seja uma função já incorporada nos próprios jogos.

Bom proveito!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.



TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Nenhum comentário

sábado, 31 de março de 2018

Sempre que um pessoal novo chega a alguma distro Linux, como Ubuntu ou o Mint (que estamos tomando como base), sempre se perguntam quais programas devem instalar para ter uma certa produtividade ou diversão na plataforma. E nesse post vou mostrar alguns aplicativos que na minha opinião, vão lhe ajudar nessa "jornada". Para facilitar vou dividir em categorias. Então chega mais! 👊😁

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux






Quando terminamos de instalar qualquer distro Linux sempre nos perguntamos quais programas devemos instalar para aproveitarmos ao máximo o sistema que terminamos de instalar, na lista abaixo vou mostrar alguns programas que eu acho bacana ter no computador.

1 - Navegador de Internet


Como não poderia faltar estou recomendando o browser (navegador) mais popular do momento, que é o Google Chrome, onde você vai poder utilizar para acessar praticamente tudo na internet, como Bancos, YouTube, Netflix, Facebook, etc.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Chrome, você pode clicar AQUI.

2 - Multimídia 


Como ninguém é de ferro e precisa se divertir e relaxar, nada melhor do que ouvir uma música e ver um vídeo com a família ou amigos.

Por isso começo com o Spotify, que reúne uma gama enorme de musicas no seu acervo. Ele já aparece nas centrais de programas da maioria das distros Linux, e se não estiver, também é encontrado nos formatos Snap e Flatpak.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux
Para baixar, basta clicar AQUI.

O próximo da minha lista acho que seja essencial em qualquer sistema operacional, servindo para abrir praticamente qualquer arquivo de vídeo e áudio. Estou falando do versátil e "guerreiro" VLC Player, recomendo ele porque o uso há praticamente 10 anos e nunca me deixou na mão para reproduzir qualquer arquivo multimídia. 


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar ele, você tem duas alternativas, clicando AQUI você a sua Central de Programas e instala ele, ou clicando AQUI e baixando direto do site dele.

Por último um programa que me conquistou pela versatilidade e praticidade em poder baixar vídeos da internet, como Facebook, Dailymotion e YouTube por exemplo, o 4K Vídeo download.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Você pode baixar ele através do site da desenvolvedora, clicando AQUI.

3 - Games e apps complementares


Esta categoria pode gerar alguma discordância ou algo do tipo, mas não podemos negar que temos games e aplicativos complementares para quem gosta de dar uma jogadinha no pinguim.

Primeiro vamos começar pela Steam, que é atualmente a maior plataforma de distribuição e vendas de jogos online, metade do seu seu acervo já tem porte para o Linux, além disso, como já foi mostrado aqui no blog, existem outras 7 plataformas de distribuição que você pode acessar AQUI, além da plataforma da Valve, ou seja, Games no Linux estão se tornando algo muito sério para várias empresas.


Para baixar a Steam, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site da Steam e baixar clicando AQUI.

Também não poderia faltar o Discord, a plataforma de comunicação mais usada pela galera gamer e que também está disponível para Linux.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Discord, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site oficial e baixar clicando AQUI.

4 - Messengers


Nessa sessão vou recomendar dois programas desenvolvidos pela comunidade para os dois messengers mais populares e usados no momento. O Messenger do Facebook e o WhatsApp.

O primeiro foi desenvolvido por Dario Ferrando, utilizando a plataforma Electron,  e conseguiu trazer o messenger do Facebook para qualquer sistema operacional, como você pode ver na imagem abaixo, ele é bem "simpático" e de fácil manuseio.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Messenger, você pode acessar o site deles clicando AQUI. Lembrando que não se trata de um cliente oficial.

O segundo foi desenvolvido pelo Enrico204, também utilizando a plataforma Electron, e assim trazendo a vida uma versão de desktop, do popular WhatsApp. Ele funciona da mesma forma que a versão Web com a diferença de que possui integração com a barra de notificações do sistema.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o WhatsApp Desktop, você pode acessar o site deles clicando AQUI. No caso do Linux Mint você o encontra na própria Central de Aplicativos da distros.

5 - Produção Audiovisual 


Nesta categoria vou recomendar dois aplicativos que eu uso no meu dia a dia. Quero fazer uma menção "de honra" ao GIMP, que já teve inúmeros posts aqui no site e que você pode conferir AQUI.
Apesar do GIMP ser extremamente versátil e poderoso, para as pessoas que só querem editar as suas fotos de uma forma mais simples em uma interface mais "moderninha", o Pixeluvo se torna uma opção.


Pixeluvo é um editor de imagem extremamente prático e de muito fácil de aprendizado. Ele conta com duas versões, uma Free (que tem algumas limitações) e uma paga que custa até o presente momento US$ 34,00. Você pode inclusive ver o vídeo demonstrativo dele no canal Diolinux.


TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Pixeluvo, você pode acessar o site deles clicando AQUI.

O último aplicativo dessa minha lista, e que não poderia faltar, é o poderosíssimo editor de áudio Audacity. Muitos produtores de conteúdo, tanto na internet quanto na industria "convencional", utilizam ele por causa da sua simplicidade e fácil manuseio, mas não deixando a desejar para soluções pagas.

TOP 10 - Aplicativos que todo mundo deveria ter no seu Linux

Para baixar o Audacity, você pode utilizar a Central de Programas da sua distro ou acessar o site do software e baixar clicando AQUI

E esse foi o meu TOP 10 de aplicativos que todo mundo deveria ter na sua distro Linux, mas me conte você quais aplicativos não podem faltar na sua pós-instalação do Linux, os comentários estão abertos para você! :)

Até a proxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Intel deixará de produzir o seu instalador de drivers para Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 30 de março de 2018

A Intel anunciou que está descontinuando o software instalador de drivers da empresas para as distros Linux. O "Linux Graphics Update Tool" está obsoleto e deixará de ser produzido.

Intel aposenta instalador de drivers para Linux






Nós já falamos algumas vezes aqui no blog sobre esta ferramenta da Intel e de fato, ela já foi mais útil. Geralmente a empresa lançada drivers com suporte "oficial" apenas para Ubuntu e Fedora, no entanto, distros derivadas também podiam se beneficiar dela, ainda que necessitasse de alguns ajustes, como o Linux Mint.

Intel Drivers


A Intel anunciou que a ferramenta de atualização de drivers será descontinuada por um simples motivo, as distros Linux atualmente já estão conseguindo trazer a versão mais recente dos drivers da empresa no próprio Kernel Linux, eliminando a necessidade de uma ferramenta como esta.

Vale ressaltar que isso nada tem a ver com os drivers da Intel em si, eles continuam sendo desenvolvidos e otimizados normalmente, o que deixamos de ter a ferramenta de atualização, puramente por praticidade e falta de necessidade.

Em um "mundo ideal" esse tipo de coisa se tornaria mais comum, isso também vem acontecendo nos sistemas que usam o Kernel Linux quando o assunto é Driver AMD, enquanto isso, os drivers Nvidia, que tem um ótimo desempenho, ainda são instalados de outra forma.

Recomendo assistir a nossa entrevista com o Alfredo Heiss, representante da AMD aqui no Brasil, para entender melhor essa relação entre os drivers open source e o Linux:


O "modus operandi" do Linux de forma geral acaba gerando esse tipo de comportamento, ainda assim, alguns hardwares mais específicos ainda pode necessitar de suporte externo, enquanto que a maior parte tem suporte diretamente do Kernel, inclusive de atualizações para versões mais recentes.

Até a próxima!

Fonte
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Top 10 Melhores Jogos no Steam para Linux

Nenhum comentário
Eu acho que nem precisaria avisar que uma lista como esta possui informações baseadas em opinião pessoal, mas mesmo assim vamos fazer esse contrato de acordo informal, de forma que você pode se sentir à vontade para adicionar outros títulos que você goste através dos comentários. Mesmo assim, temos aqui ótimas indicações para quem gosta de jogar no Linux, selecionando games de estilos e categorias diferentes para você se divertir no "sistema do pinguim", vamos lá?

TOP 10 Games para Linux na Steam






Existem vários games grátis e bons para Linux, eles estão reunidos em um outro artigo aqui do blog, na lista de hoje todos eles são pagos e disponibilizados através da plataforma Steam da Valve, então fique de olho em promoções para comprar os games com desconto.

1 - Hitman


Focando em ser furtivo, na exploração do mundo aberto e na satisfação de conseguir o assassinato perfeito, os jogos Hitman ganharam uma base de fãs incondicionais. O último lançamento da franquia, intitulado simplesmente de Hitman, foi um sucesso enorme, com gráficos atualizados e incríveis locais de assassinato no jogo. Essa franquia dá um ângulo completamente novo ao tema de assassino destemido.

Confira o gameplay no nosso canal:


2 - Xcom 2


Muito aclamada por oferecer um combate tático tenso baseado em turnos, a franquia Xcom foi retomada recentemente. Com mais personalização de personagens do que nunca, além de um novo e enorme arsenal de armas, o Xcom 2, o mais recente da franquia, foi um grande sucesso entre os jogadores de todas as partes, por uma boa razão.


3 - Rocket League


Um dos jogos mais populares e jogados no Steam atualmente (e um dos meus preferidos), Rocket League é uma ideia simples levada ao extremo. O que é Rocket League? É futebol jogado com carros de controle remoto. 

Com milhões de jogadores ao redor do mundo, Rocket League é um jogo que todos devem experimentar pelo menos uma vez, principalmente se você gosta de coisas que voam, como drones, ou outras coisas controladas por rádio.


4 - Mad Max


Tendo sido retomada pelo filme Mad Max: Estrada da Fúria, a franquia Mad Max está viva e botando pra quebrar de novo. O jogo Mad Max com certeza é prova disso. Oferecendo gráficos incríveis, além de combates viscerais e a capacidade de personalizar um veículo do deserto, o jogo com certeza deixará os viciados em carros felizes. Além disso, tem uma excelente história que se desenvolve enquanto você joga.


5 - SOMA


Os criadores de Amnesia: The Dark Descent acertaram em cheio. O jogo foi um sucesso viral, permitindo que a empresa prosseguisse para projetos maiores e mais interessantes. SOMA é o próximo grande jogo dos desenvolvedores, e foi recebido com aclamação quase universal. É assustador, instigante e, certamente, uma experiência que permanecerá com os jogadores por muito tempo. E provavelmente não é uma boa ideia jogar SOMA sozinho, em casa, no escuro.


6 - Deus Ex: Mankind Divided


Uma franquia clássica retomada, Deus Ex: Mankind Divided olha para um futuro onde a modificação ciborgue humana é possível. Combinando jogabilidade flexível com uma narrativa profunda e instigante, é obrigatório para aqueles que buscam um pouco mais do que os jogos de tiro em primeira pessoa comuns.


7 - Superhot


Superhot apresenta um conceito original e interessante; o tempo só passa quando você se move. Use essa mecânica inteligente para derrotar vários inimigos, usando a vantagem para superar uma enorme vulnerabilidade. Além disso, você se sentirá como uma estrela de filmes de ação enquanto faz isso.


8 - Dying Light


O gênero de ação zumbi pode estar saturado, mas Dying Light injeta vida nova nele, adicionando uma cidade de mundo aberto e a capacidade de se movimentar nela como um ninja. O foco visceral no combate corpo a corpo com zumbis faz dessa uma experiência única no ataque aos zumbis.


9 - The Talos Principle


O gênero de quebra-cabeça em primeira pessoa não está exatamente fazendo um sucesso estrondoso, mas com o excelente jogo de quebra-cabeça The Talos Principle, com certeza ainda é um dos melhores gêneros em jogos de PC. Apenas para aqueles que gostam de um desafio mental. Outro detalhe curioso é que "Talos" foi o primeiro game para Linux a rodar com Vulkan.


10 - Portal 2


Portal 2 é um dos jogos de quebra-cabeça em primeira pessoa mais aclamados, oferecendo não só quebra-cabeças brilhantes, como uma das melhores histórias em todos os jogos. Também há um modo cooperativo com sua própria seleção de quebra-cabeças, para que você e um amigo possam resolvê-lo como equipe.


Para finalizar...


É importante dizer que esta é somente a "ponta do iceberg". Atualmente cerca de metade do catálogo de jogos da Steam está disponível para Linux, por isso é bem provável que algum game que você goste esteja de fora da lista. Para falar a verdade, eu mesmo deixei vários dos meus favoritos de fora ao montar esse "TOP 10" em prol de deixar os estilos de jogos mais ecléticos e diversificados, então eu reitero, por favor comente abaixo os títulos que você mais curte, assim os outros leitores terão ainda mais referências.

Convido você a acessar a nossa playlist de gameplays de jogos para Linux no canal Diolinux e acessar um outro artigo aqui do blog com 50 jogos nativos para Linux para conhecer outras opções legais.

Outro artigo bacana para você conferir aqui no blog é que mostramos outras 7 lojas, além da Steam, onde você pode comprar jogos para Linux.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como configurar a sua placa de som no Linux facilmente

Nenhum comentário

terça-feira, 27 de março de 2018

Muitos usuários novos que chegam ao Linux ficam com dúvida em como configurar o som em Notebooks e Desktops, pois quando plugam algum Headset ou fones de ouvido e mesmo assim o "bendito" do som teima em sair pelas caixas de som ou qualquer outro lugar. E hoje nesse artigo vamos mostrar como configurar a sua placa de som no Linux facilmente e alguns "pulos do gato" para não passar mais apertos. Borá lá?

Como configurar placa de som no Linux






A configuração que vamos mostrar a seguir é relativamente simples e fácil de se fazer, mas muitos usuários novos no Linux ainda se confundem ou ainda não tiveram a oportunidade de explorar o sistema à fundo. 

Estamos usando o Linux Mint como base do tutorial, mas basta que vocês localizem o caminho do som na sua distro, o resto é idêntico.

Primeiramente, clicamos no "Menu", depois em "Configuração de Sistema" e por fim em "Som".



Você também podem chegar nessa tela de configuração, através do ícone de som, clicando nele e depois clicando em configurações de som.

Nessa tela, você tem duas abas importantes, a "Saída" e a "Entrada", aonde na aba "Saída" você vai ter os dispositivos como caixas de som, fones de ouvido ou qualquer outro dispositivo que lhe forneça uma saída ( 👊agora faz todo sentido, não é?), e na aba "Entrada", você vai ter todos os dispositivos que lhe vão fornecer uma entrada, como microfones.

Alguns macetes e dicas de como ver se a placa de som está configurada


Agora os "pulos do gato" que mencionamos no começo do texto.

Muitas pessoas que estão usando alguma distro Linux pela primeira vez podem estranhar que ao conectar o seu Headset ou fone de ouvido eles não recebam o som.

Isso acontece pois no Linux ele vai "soltar" o som na saída que você escolheu e não "tentar adivinhar", como acontece no Windows por exemplo.

Isso é facilmente contornável na aba "Saída", aonde você pode configurar em qual dispositivo o som deverá sair, como a saída HDMI que você liga na TV, o seu Fone de Ouvido, Headset e por ai vai.

Vídeo do canal mostrando como fazer


No nosso canal fizemos um vídeo mostrando como fazer essas configurações e mais algumas dicas que você pode conferir logo abaixo:




Com isso você não deve ter mais dificuldades na hora de configurar o seu som nas distros Linux. Ratificando, aqui fizemos o tutorial com o Linux Mint e o Ubuntu (representados no vídeo acima), no entanto, estas mesmas técnicas são válidas para outras distribuições e outras interfaces, salvo as suas pequenas diferenças.

Você pode deixar nos comentários as suas experiências com placas de som e Linux.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Stacer - Otimizador para Linux recebe novas funcionalidades

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de março de 2018

Existem vários utilitários para distros Linux que te ajudam a otimizar, organizar a fazer manutenções no seu sistema operacional. O Stacer é certamente uma das opções com funcionalidades mais completas aliadas a um visual atraente.

Stacer - Otimizador para Linux






Não é a primeira vez que o Stacer aparece aqui no blog, nós temos inclusive um vídeo para mostrar para você como ele funciona:


A versão nova do Stacer chega com um redesenho para a interface da aplicação e acrescenta novas funcionalidades.

Destaques da nova versão

Stacer - Otimizador para Linux
A nova versão possui temas claros e escuros

Ao abrir a nova versão do Stacer as mudanças são muito óbvias, chamando a nossa atenção, especialmente se comparado à versão anterior. Temos agora nas configurações a opção de usar a aplicação com um tema claro e um escuro.

Todas as sessões de monitoramento e ajustes estão agrupadas em uma coluna na parte esquerda da aplicação. Sendo que o Dashboard principal (esse da imagem acima) mostra uma espécie de "resumo" do sistema operacional e dos consumos de hardware do computador.

Outras funcionalidades do Stacer incluem um utilitário para configurar aplicações que iniciam junto com o sistema:

Stacer Linux

Ferramenta para limpar resíduos de pacotes antigos no sistema e liberar espaço em disco:

Stacer Linux

Gerenciador de serviços que iniciam junto com o sistema:

Stacer Linux

Monitor de processos que permite que você encerre os que não quiser que estejam em execução:

Stacer Linux

Monitor de pacotes de software que te mostra a quantidade instalada no sistema e permite que você os remova selecionando-os em uma lista simples:

Stacer Linux

Monitor de consumo de hardware do sistema, incluindo uso do processador, memória RAM e rede:

Stacer Linux

Gerenciador de repositórios, que além de listá-los e permitir a ativação e desativação, também permite a edição dos mesmos e a adição também.

Stacer Linux

A última aba do software te mostra algumas opções de configuração do Stacer, como em qual aba você quer que ele inicie e se você quer que ele inicie juntamente com o sistema. Além disso, é possível criar alertas para quando o uso de processador ou memória ultrapassar um determinado valor que você pode definir:

Stacer Linux

Agora, além da aplicação em si, o Stacer é capaz de criar um ícone na área de notificação, facilitando o seu acesso por parte do usuário.

Gostou da aplicação e quer testar? Basta acessar esta página e fazer o download para a sua distro. Ele tem pacotes em .deb e .rpm, além da versão em AppImage, compatíveis com sistemas de 64 bits.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


INXI - Um comando simples e completo para obter informações da sua distro Linux

Nenhum comentário

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

O terminal Linux pode ser muito poderoso e útil para inúmeras coisas, uma delas é obter informações sobre o seu próprio hardware e sistema operacional, existem vários comandos que você pode utilizar para obter informações específicas, assim como existem programas gráficos, como o CPU-X, mas hoje, você vai conhecer uma excelente ferramenta para obter informações de uma forma muito organizada chamada "INXI".

Inxi - Linux Comandos






Saber informações a respeito do nosso computador e sistema operacional pode ser útil em diversas circunstâncias. Há um bom tempo, no início do canal Diolinux, eu fiz um vídeo mostrando como ver informações semelhantes através de alguns softwares gráficos, você pode conferir aqui se quiser:


Você pode usar uma lista imensa de comandos para obter informações, ou usar algum utilitário, que além de ser prático, muitas vezes traz as informações de forma mais clara. Como o Screenfatch por exemplo (comandos para Debian, Ubuntu, Mint, Deepin, elementary OS e derivados):
sudo apt install screenfetch
screenfetch
Linux Mint Screenfetch

Apesar do Screenfetch mostrar as informações de forma organizada (e até mostrar uma "imagem" com o logo da distro) você pode querer um pouco mais e é justamente aí que entra o INXI.

O primeiro passo é instalar a ferramenta, acredito que o "inxi" esteja disponível no repositório padrão de todas as distros mais comuns, então consulte a documentação e o repositório do seu sistema para instalar. Mais uma vez, distros como Debian, Ubuntu, Linux Mint, elementaryOS, Deepin e derivados podem usar este comando:
sudo apt install inxi
Uma vez instalado, você pode rodar o comando:
inxi
 Ele vai te dar uma saída básica, mas rica em informações:

Comando Inxi

Mas é claro que você pode também obter informações de forma ainda mais organizada e precisa usando alguns parâmetros. Um dos meus favoritos é:
inxi -b
Linux Command Inxi -b

Veja como essa saída consegue ser detalhada. Podemos ver o nome do computador, modelo, ID do produto, modelo da placa-mãe, modelo e data da BIOS, resolução da tela, taxa de atualização, processador, memória, drivers de rede, drivers de vídeo, chip gráfico e muitas outras coisas.

Existem muitos outros parâmetros para verificar coisas específicas, se você rodar o comando:
inxi -h
Você consegue ver todos eles:

Linux Inxi Help Command

Dentre toda as opções disponíveis, aqui vão os meus destaques (mas sinta-se à vontade para explorar):

inxi -A (para ver informações das placas de som/áudio do computador);
inxi -C (para ver informações gerais apenas do CPU);
inxi -f (para ver informações básicas do CPU e das flags que ele suporta);
inxi -D (para ver informações completas de armazenamento dos SSDs/HDDs, etc);
inxi -n (para ver informações sobre a placa de rede, incluindo o mac);
inxi -G (para ver informações sobre a placa de vídeo);
inxi -l (para ver informações sobre a tabela de partições).

E estes são apenas alguns exemplos. Preste atenção na "caixa alta" que alguns parâmetros tem, colocá-los em letras maiúsculas e minúsculas faz diferença no resultado. Reforçando, consulte o inxi -h em caso de dúvidas.

ꔷ Quer aprender a dominar o terminal Linux? Conheça o nosso cursos completo!

Uma outra documentação interessante sobre o INXI que você pode consultar está na Manpage do Ubuntu no site da Canonical, confira aqui.

Espero que a dica tenha sido útil para você, até a próxima! :)

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo