Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador linux mint. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador linux mint. Mostrar todas as postagens

Slimbook Battery 3 uma alternativa para gerenciar a energia da bateria do seu notebook com Ubuntu e Linux Mint

Nenhum comentário

quinta-feira, 16 de maio de 2019

Muitos usuários de Linux, muito provavelmente usam notebooks, buscando mobilidade e comodidade em poder fazer o seu trabalho onde for. E bateria é um item de extrema importância, pois um sistema que balanceia consumo de energia com performance é extremamente útil. O Slimbook Battery 3 vem para ajudar.

 Slimbook Battery 3 uma alternativa para gerenciar a energia da bateria do seu notebook com Ubuntu e Linux Mint






A empresa espanhola Slimbook vende notebooks com Linux instalados neles, podendo ser com Kde Neon, Mint, Ubuntu além de venderem com Windows também.

E um dos apps deles que se destacam, é o que faz o gerenciamento da bateria dos seus notebooks, mas que pode ser usado em qualquer hardware de outro fabricante. Dentro da aba informações da aplicação, eles deixam bem um agradecimento ao pessoal do TLP, NVIDIA, AMD e Intel, a mensagem é:

“Agradecimentos especiais para TLP (© 2019, linrunner), Nvidia, AMD e Intel por nos oferecer as ferramentas necessárias para tornar isso possível!”.



Mas vamos para o que interessa, que é a instalação do Slimbook Battery 3. Por hora ele só está disponível via ppa, então somente Ubuntu, Linux Mint e afins vão conseguir instalar ele. Para adicionar o ppa, você tem duas formas, uma de forma gráfica e a outra via terminal. Da forma gráfica ensinamos neste artigo bem completo. No terminal, basta copiar e colar os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:slimbook/slimbook

sudo apt-get update

sudo apt-get install slimbookbattery -y

Feito o procedimento acima, basta esperar e reiniciar o sistema para que as configurações sejam aplicadas.
Eles recomendam não utilizar junto com o Slimbook Baterry 3 nenhum outro app que faz o mesmo gerenciamento, pois podem entrar em conflito e não funcionar.




Eles ainda disponibilizam um manual (em inglês) mostrando “tim-por-tim” cada função do app. Vale a pena conferir. O código fonte do app é disponibilizado via GitHub e Launchpad.

Falando em gerenciamento, também fizemos um artigo de como instalar uma interface gráfica para o TLP, que você pode conferir aqui

Muito útil ter mais de uma ferramenta para essa finalidade, ainda mais de quem vende notebooks com Linux e ainda disponibiliza para uso em outros equipamentos, isso ajuda e muito quem precisa “esticar” a bateria. Uma “mão na roda”.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Qual distro Linux é a mais popular? (sem achismo)

Nenhum comentário

quarta-feira, 8 de maio de 2019

O mundo Linux é repleto de opções, que agradam diversos tipos e níveis de usuários, e sempre existe aquele sistema que por algum motivo temos uma maior afinidade. Às vezes por uma paixão acabamos por ficar presos em uma bolha e não enxergar sua real popularidade.

distro-distribuição-linux-popular-maior-mais-famosa

Como medir a real popularidade de uma distribuição Linux? Eis a questão. Mensurar a quantidade de usuários no Linux não é uma tarefa tão simples, visto que não existe um controle de quantos usuários estão utilizando distro X ou distro Y, e mesmo se tivesse isso seria apenas nichado as distribuições que fizessem esse controle.

"A falsa popularidade do Distrowatch" 


Não é difícil encontrarmos usuários Linux que pautam a popularidade de um sistema baseado em Linux, de forma única e exclusivamente pelo site Distrowatch. E isso é um erro tremendo, sabe o porquê? A resposta é um tanto quanto simples, pois o Distrowatch mede o número de pesquisas dentro do próprio site sobre determinada distribuição. Como medida de popularidade, não podemos nos embasar pelo Distrowatch, afinal as distribuições nas posições altas da plataforma, ali estão por apenas quem conhece o site, e convenhamos nem toda pessoa que ouviu sobre Linux ou usa, vive pesquisando no Distrowatch. Agora um site como o Google, é bem mais provável tirarmos uma base interessante de dados, pois quem não pesquisa nele? (Sei que existem as exceções, mas galera isso é o mínimo do mínimo, as massas utilizam fortemente o buscador da gigante das buscas).

Veja a popularidade de um site com o Alexa


O Alexa é um serviço da Amazon, na qual várias informações relevantes podem ser levantadas, como a posição de um determinado site mundialmente, rank dentro de cada país, países que ele mais tem popularidade e muito mais. Com o auxílio desta ferramenta, dados pertinentes do quão acessado o site da distro é, nos dá indícios de sua popularidade, ao compararmos com outros sites de outros sistemas Linux.

Efetue seus testes com alguns sites oficiais das distros, e veja qual distribuição tem uma maior popularidade, com base no ranking de seu site.

Como exemplo veja os sites das distribuições: Fedora, Ubuntu, Linux Mint e Manjaro. E o comparativo do ranking global de cada um (quanto menor o número, mais alto a posição).

Fedora: posição global em 43,291.

Ubuntu: posição global em 1,893.

Linux Mint: posição global em 3.924.

Manjaro: posição global em 17.680.

Levando como base o ranking mundial, segundo o Alexa, o site do Ubuntu tem maior popularidade entre os demais.

Claro que você não deve apenas se basear em um site, então a ferramenta a seguir é um ótimo complemento.

Compare as pesquisas com o Google Trends


Uma poderosa ferramenta, e julgo eu, ser a melhor para mensurar a popularidade de qualquer sistema (ou o que for) é o Google Trends. Com ele você poderá ver gráficos com os comparativos das pesquisas, sejam elas mundiais ou do nosso país. Filtrar determinadas informações e na prática observar o quão pesquisado, e consequentemente popular, um sistema é. Como o Google é o buscador mais utilizado do planeta, a assertividade dos dados é extremamente alta e ilustra muito bem o tema desta matéria (Além de obter dados de outras fontes como o YouTube).

Utilizando os mesmos sistemas, que acima comparamos, o Fedora, Ubuntu, Linux Mint e Manjaro. Veja o quão popular o Ubuntu é comparado aos demais sistemas.

distro-distribuição-sistema-linux-mais-procurado-pesquisado-google-ubuntu-fedora-mint-manjaro

A diferença de popularidade é gigantesca, assim fica evidente o porquê de em muitos casos, pessoas que são leigas quando o assunto é Linux, acharem que o Ubuntu é sinônimo de Linux.

Mídias sociais e comunidade


Outra forma que pode ser um "plus" ao medir a popularidade de uma distribuição, é ver o engajamento de outras pessoas em comunidades e redes sociais. Ver o número de seguidores nas contas oficiais das distros Linux é uma maneira de observar o quão interessadas estão as pessoas. E num somatório geral, esse é o tipo de dado que não pode ficar de fora.

Popularidade não quer dizer superioridade 


Não me entenda mal, mensurar e demonstrar com dados (e não achismo ou "fanboyzisse") que o Ubuntu é o sistema Linux mais popular, de forma alguma descaracteriza a qualidade e trabalho dos demais sistemas baseados em Linux. Com isso podemos observar que sim! O Ubuntu é a porta para muitos usuários, devido grande parte a sua popularidade. E o porquê de tal popularidade? Não sei dizer especificamente. Talvez tenha sido a sua tática inicial de oferecer CD's de instalação, ou as ferramentas que traziam facilidades ao usuário. O Unity 7 que tornava sua DE diferente dos demais sistemas. Não sei, só podemos testemunhar que os dados são estes.

Que tal um vídeo super completo, e com mais detalhes sobre tais ferramentas e o assunto: "popularidade das distros"? Então assista esse material com diversos comparativos e veja na prática todo o conteúdo deste post (e mais).


Continue esse assunto em nosso fórum Diolinux Plus. Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint 19.2 já tem nome, novidades e novo repositório para testes

Nenhum comentário

terça-feira, 2 de abril de 2019

Os desenvolvedores do Linux Mint fazem um report mensal do projeto no blog oficial. Em Março, mês passado, tivemos muito planejamento feito pela equipe para o Linux Mint 19.2, que deve sair entre Maio e Junho desse ano.

Linux Mint 19.2 Tina






O codinome da nova versão será "Tina", sem maiores explicações, mas seguindo a velha lógica da mesma letra do alfabeto para versões com a mesma base, e nomes femininos terminando com a letra "A". O sistema continuará baseando-se no Ubuntu 18.04.2 LTS, como era de se esperar.

Nos post de anúncio tivemos alguns parágrafos dedicados a conversar sobre a profissão de desenvolvedor do sistema, com várias reflexões sobre o assunto, parecendo um real desabafo, você pode ler na íntegra aqui.

No mês passado os desenvolvedores do Linux Mint anunciaram a intenção de reformular o site da distro e o próprio logotipo, segundo as informações, ainda não foi chegado a um concenso de como as coisas devem ser, mas que o caminho para isso já está mais claro.

Melhorias visuais


Talvez esse realmente seja o maior ponto fraco do Linux Mint. O tema atual está longe de ser horrível, mas convenhamos que ele também não causa nenhum "uau!" para quem vê pela primeira vez, possuindo vários recursos interessantes que não é tão comum de ver em outras distros, como uma variação de cores entre GTK e ícones para todos os gostos praticamente, mas ainda assim, parece não ser o suficiente.

Os desenvolvedores comentaram que ficam meio divididos por conta do Linux Mint costumar oferecer uma experiência sólida em relação a usabilidade e aparência, os usuários que gostam da distro como ela é, não parece ser tão favoráveis a mudanças, incluindo no próprio site, mas mesmo assim, a galera do Mint parece estar ciente de que as coisas precisam de uma modernizada. 

Hábito é uma coisa muito muito complicada mesmo.

Ainda que as mudanças não sejam drásticas, algumas coisas podem parecer um pouco diferentes no Linux Mint 19.2 em relação ao 19.1. 

Um desses pontos é o contraste entre os elementos na tela. Na última atualização o tema "Mint-Y", padrão atual do sistema, recebeu muito mais contraste do que antes e aparentemente os desenvolvedores ainda não ficaram satisfeitos com o resultado. Você pode ver alguns exemplos do trabalho sendo realizado nesta página.

Linux Mint novo tema

Outra novidade virá à partir das fontes. Agora as fontes Noto, usadas na versão atual do Linux Mint serão substituídas pelas fontes Ubuntu, você pode acompanhar o progresso em relação a isso nesta página do GitHub onde existem algumas comparações. A fonte OpenSans, que o elementary OS utiliza foi considerada também, mas no fim das contas, a fonte Ubuntu acabou ficando.

Por conta disso os pacotes fonts-noto, fonts-noto-hinted and fonts-noto-unhinted serão removidos do sistema, este último estava causando peguenos engasgos no Chromium, então, dois problemas resolvidos de uma vez. O suporte a Emojis deve funcionar melhor também nessa nova versão.

A cor do Mint pode mudar?


Há algum tempo eu falei por email com o Clement Lefebvre, líder do projeto Linux Mint, sobre coisas que poderiam ser melhoradas no Mint. Lembro que sugeri a mudança do tema do Mint para azul, ficando um pouco mais padrão de mercado e "fresh Mint", por assim dizer, sem tirar, claro, a possibilidade da galera voltar para o verde.

Na ocasião ele concordou comigo sobre o tema, porém, indicou que mudar a cor do projeto realmente faz mudar boa parte da identidade visual da distro, o que pode ser bom ou ruim, dependendo de como for feito.

Nesta página no GitHub, Clem comenta sobre a questão dos tons do Linux Mint, comentando essa questão do "azul" que eu havia mencionado, informando que a decisão atual irá focar mais em diminuir a cor verde da interface.

Mostrando um comparativo de como o tema do Linux Mint força muito mais a sua cor acendente do que outros temas, por exemplo:

Paleta de cores do Linux Mint atual
Paleta de cores do Linux Mint atual

Paleta de cores do Adwaita
Paleta de cores do tema Adwaita do GNOME

Paleta de cores do Adapta
Paleta de cores do tema Adapta
Como podemos ver, o tema do Linux Mint (Mint-Y) acaba forçando a presença do verde em vários lugares onde os outros temas não o fazem, e isso só é bom se você gosta muito de verde e não conheço muita gente que goste, ao menos não desse verde que o Mint usa. Por isso, a ideia é alterar esse comportamento aos poucos e dar opções de ajustes de cores para os usuários, assim o Mint não vai perder sua identidade e você poderá fazer as alterações como quiser e deixar o Mint com a sua cor favorita.

Sinceramente, torço para que a o tema Adapta com as suas várias cores entre no sistema.

Para finalizar o assunto do tema, temos também a informação que o Linux Mint suportará melhor os Dark Mode das aplicações. Não sabemos ainda como exatamente isso vai funcionar, acho que vamos ter que aguardar pra ver.

Melhorias no Cinnamon


O Cinnamon Desktop é a "menina dos olhos" do Linux Mint. Apesar da interface ter diversos colaboradores, o Cinnamon foi um projeto que nasceu pelo Linux Mint e é ali que ele recebe os seus principais incrementos.

O foco principal é no "Muffin", que apesar de ter um nome de "bolinho", é um componente muito sério. O Muffin é o compositor de janelas do Cinnamon, assim como o Mutter é no GNOME. O foco da equipe do Linux é fazê-lo funcionar de forma ainda mais flúida.

Foram feitas reconstruções e seu código e tudo foi documentado no GitHub, as mudanças tem muito potencial, porém, estão consumindo bastante tempo da equipe, especialmente por se tratar de uma parte tão sensível do sistema, mas segundo os próprios membros da equipe, melhorias no WM (Window Manager) valem o esforço.

A possibilidade de habilitar e desabilitar o VSYNC não exige mais a reinicialização do Cinnamon, e aqui temos mais novidades, como a adição da escolha entre 3 tipos diferentes de VSYNC, o que deve acabar com o tearing de uma vez por todas em todos os casos (cruzem os dedos). Por fim, teremos uma novo applet para manuseio de impressoras no Cinnamon.

Novo repositório de testes


Ao contrário do Ubuntu, que gera ISOs diárias (daily builds) do sistema em desenvolvimento, o Linux Mint sempre foi mais restrito neste sentido.

Para quem deseja acompanhar a evolução do projeto, agora existe um novo repositório "Alpha", que permite que você tenha as versões instáveis do Cinnamon e do restante de aplicações do Desktop do Linux Mint, como Nemo, e as "Mint tools", como o gerenciador de atualizações, gestor de drivers, etc.

Este repositório é um simples PPA que você pode adicionar à versão estável do Linux Mint e torná-lo instável (olha que maravilha!). Nem preciso dizer que você NÃO DEVE FAZER ISSO, a menos que saiba exatamente o que está fazendo e que NÃO SEJA na sua máquina de trabalho.

Para adicionar esse repositório, você pode usar estes comandos no terminal:
sudo add-apt-repository ppa:linuxmint-daily-build-team/daily-builds 
sudo apt update
sudo apt full-upgrade 

Aguardemos os próximos capítulos, ainda temos alguns meses até o lançamento e muita coisa pode acontecer.

O que você achou da versão 19.2 do Linux Mint?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Emulador de Nintendo GBA no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 28 de março de 2019

Por muitos anos usar Linux era sinônimo de programação ou algo do gênero, entretanto com a popularização da plataforma, outros tipos de usuários começaram a utilizar o sistema para diferentes tarefas, seja para trabalho, desenho, edição de vídeo, etc. Era natural que os gamers viessem, isso é uma realidade graças a iniciativas como Steam, Proton, Wine, DXVK entre outros. Porém existem gamers que apreciam os “clássicos”, aqueles jogos que movimentaram uma geração, os famosos retro-gamers, para quem curte uma boa jogatina, seja ela em 8-bits, 16-bits, 32-bits, não importa o nível dos gráficos e a quantidade de fps, o que importa é se o game é bom.

emulador-mgba-nintendo-gb-gbc-gba-linux-mint-ubuntu-snap-deb-flatpak

Em 2001 o console de bolso, Nintendo Game Boy Advance, sucessor do Nintendo Game Boy Color, foi lançado. Quem viveu aquela época sabe o quão cobiçado era esse portátil, nesse período possuía um GBC, anos depois viria a jogar no GBA e ver o quão elaborado eram seus novos jogos.

emulador-mgba-nintendo-gb-gbc-gba-linux-mint-ubuntu-snap-deb-flatpak-pokemon

Revivendo as jogatinas de sua infância


O mGBA é famoso entre os retro-gamers, multiplataforma, esse emulador open source vem a cada dia recebendo novas funcionalidades e crescendo sua base de usuários.

E quais suas vantagens comparado aos demais emuladores de GBA disponíveis? Em constante desenvolvimento o projeto visa ser mais rápido e preciso ao emular títulos do console da Nintendo, além de características e funcionalidades que você pode conferir logo abaixo:

  • Suporte de hardware altamente preciso do Game Boy Advance;
  • Suporte a hardware Game Boy/Game Boy Color;
  • Emulação rápida. Conhecido em rodar em hardwares modestos, como netbooks;
  • Suporte a cabo link local (no mesmo computador);
  • Suporte para dispositivos oficiais Nintendo, como por exemplo Game Boy Camera e Game Boy Printer;
  • BIOS integrada e suporte para arquivos de BIOS externas;
  • Relógio em tempo real, direto do host;
  • Modo turbo pressionando a tecla “Tab”;
  • Frameskip, configurável até 10;
  • Captura de tela;
  • Gravação de vídeo e GIF;
  • 9 slots de save state, que também são visíveis como capturas de telas;
  • Mapeamento de controles;
  • Suporte ao carregamento de ROMS compactadas em ZIP e 7z;
  • Importação e exportação de instâncias GameShark e Action Replay;
  • Core disponível para RetroArch/Libreto e OpenEmu;
  • Entre outras funcionalidades (são várias mesmo).

Sem sombra de dúvidas um dos diferenciais do mGBA, além de sua qualidade de emulação e suporte para GB, GBC e GBA, é seu desenvolvimento acelerado e planos de novos recursos. Algumas destas novas features, que virão num breve futuro são:

  • Suporte de cabo link multiplayer em rede;
  • Suporte para cabo link de barramento Dolphin/JOY;
  • Mixagem de áudio no formato M4A, para maior qualidade sonora;
  • Suporte a scripts Lua, aumentando mais ainda a flexibilidade e proporcionando novos recursos ao emulador;
  • Implementação de um e-Reader;
  • Compatibilidade com adaptador sem fio;
  • Pacote de depuração mais abrangente que o atual.

Baixando o emulador mGBA


O mGBA está presente na maioria dos repositórios das distribuições Linux, no entanto sua versão nem sempre será a mais recente. Outra possibilidade é efetuar a instalação do pacote contido em seu site oficial, nele você poderá perceber que as LTS do Ubuntu em vigência são suportadas, como o Ubuntu 16.04 e 18.04, também existe um pacote para o Ubuntu 18.10 e provavelmente quando novas versões do Ubuntu forem lançadas, esses pacotes DEB também serão atualizados.

Acesse este link e seja redirecionado ao site oficial do mGBA e efetue o download da versão mais recente, atente-se ao pacote referente seu sistema operacional.

Nesta última versão do emulador, sua equipe de desenvolvimento cometeu uma pequena gafe, pois ao empacotar o mGBA para o Ubuntu 18.04, substituíram uma biblioteca do Ubuntu 18.04 por outra do Ubuntu 18.10 (libmagickwand-6.q16-6), ocasionando em um erro de dependência. Tal incômodo foi solucionado por mim, que “reempacotei” com a biblioteca correta (libmagickwand-6.q16-3).

erro-dependencia-emulador-mgba-nintendo-gb-gbc-gba-linux-mint-ubuntu-snap-deb-flatpak

Caso esteja utilizando o Ubuntu 18.04 ou baseados como o Linux Mint 19, baixe os pacotes com a pequena modificação que efetuei, mas antes verifique se você teve o mesmo problema com a oferecida no site oficial.

 Baixe o mGBA para Ubuntu 18.04

São 3 pacotes (“libmgba.deb”, “mgba-qt.deb” e “mgba-sdl.deb”), instale normalmente clicando duas vezes sobre cada arquivo.

Após a instalação dos 3 arquivos, o mGBA aparecerá em seu menu de aplicativos. Vale ressaltar que esse foi outro problema que encontrei nesta versão do pacote DEB oficial (mGBA 0.7.1), dentro do pacote não existia um lançador do mGBA, assim sua execução só era possível via terminal com o seguinte comando:

mgba-qt

No pacote que disponibilizei, esse erro não existe mais. Se o problema persistir na versão que você efetuou o download (caso não utilize Ubuntu 18.04), existe a possibilidade de criar um lançador para o mGBA, com o editor de menu Alacarte, o nome do seu executável é “mgba-qt”, como no comando acima.

mGBA em Snap (pacote unofficial)


Como citado anteriormente, existem outras maneiras de instalar o mGBA, o Flatpak é uma alternativa, e por muito tempo utilizei ele neste formato, todavia o mesmo parece “estar abandonado” e não recebe atualizações há um bom tempo, então não vejo como uma boa alternativa neste caso.

Uma nova opção e que passou a existir a pouco tempo, é sua versão em Snap (aliás o mGBA é empacotado por um dos encabeçadores do Snap, o Alan Pope), mesmo não sendo empacotado pelos desenvolvedores do mGBA, o pacote mantém-se sempre atualizado, e caso não queira instalar a versão em DEB ou esteja utilizando outro sistema como um Fedora por exemplo, considere a versão em Snap.

Usa outra distribuição que não seja o Ubuntu e não tem o Snap habilitado? Então não perca tempo e aprenda como habilitá-lo em seu sistema. Acesse o link e comece a desfrutar deste formato de pacote.

No Ubuntu você poderá pesquisar e instalar o mGBA em Snap direto pela loja.

emulador-mgba-nintendo-gb-gbc-gba-linux-mint-ubuntu-snap-alan-pope

Se preferir, pode efetuar a instalação via terminal, com o comando:

sudo snap install mgba

Sempre quando estou jogando games dos portáteis de minha infância (que infelizmente atualmente são apenas “mostruário”), lembro dos momentos alegres e difíceis que passei, cada jogo tem uma história que me faz ter mistos de nostalgia e superação, jogos que fizeram (e fazem) parte de minha vida. Que depois incentivei meu irmão mais novo a jogá-los, e hoje em dia ele também é apaixonado por retro-games.

E você, também curte jogos de portáteis? Participe de nosso fórum Diolinux Plus, a galera é apaixonada por games.

Espero você até a próxima postagem, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instalando fontes no Linux para TCC e design gráfico

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de março de 2019

As normas da ABNT especificam algumas fontes para o desenvolvimento de um documento, sendo elas “Arial” ou “Times New Roman”, acontece que por padrão estas fontes não estão instaladas no sistema (na maioria dos casos), sendo necessário sua adição.

fontes-linux-ubuntu-mint-deepin-times-new-roman-arial-mscorefonts-ttf-otf

Adicionar fontes no Linux é uma tarefa super fácil, algumas estão até disponíveis nos repositórios oficiais do Ubuntu, Mint, Deepin entre outras distribuições. Também existe a possibilidade de efetuar o download de algum site e adicionar manualmente ao sistema, então vamos demonstrar ambas maneiras.

Adicionando as mscorefonts


As mscorefonts, também conhecidas por “Fontes Microsoft”, é o conjunto de fontes utilizadas comumente em especificações como a ABNT, este pacote é composto de tais fontes:

  • Andale Mono
  • Arial Black
  • Arial (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Comic Sans MS (Bold)
  • Courier New (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Georgia (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Impact
  • Times New Roman (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Trebuchet (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Verdana (Bold, Italic, Bold Italic)
  • Webdings

Via interface gráfica


Para adicionar as fontes Microsoft em seu Ubuntu ou Deepin por exemplo, você poderá utilizar tanto a interface gráfica quanto o terminal. Caso escolha instalar as fontes sem a utilização “da telinha preta”, o programa gerenciador de pacotes Synaptic, deverá ser instalado antes. Pesquise em sua loja por Synaptic e instale o mesmo, logo após, efetue a pesquisa do seguinte termo: “ttf-mscorefonts-installer”, essa são as mscorefonts.

fontes-synaptic-linux-ubuntu-mint-deepin-times-new-roman-arial-mscorefonts-ttf-otf

No caso do Linux Mint, não é necessário instalar o Synaptic, pois sua loja consegue encontrar o pacote de fontes.

fontes-linux-ubuntu-mint-install-deepin-times-new-roman-arial-mscorefonts-ttf-otf

Via terminal


Se você prefere fazer o procedimento acima via terminal, basta executar o comando:

sudo apt install ttf-mscorefonts-installer

Instalando outros tipos de fontes


É certo que fontes como Arial e Times New Roman, são largamente utilizadas em documentos de texto. E para outras situações, como na criação de artes no GIMP, Inkscape etc? Nestes casos podemos efetuar o download de fontes em sites e adicionar ao sistema.

Existem diversas maneiras de se proceder, seja literalmente clicando duas vezes sobre o arquivo, para visualizar e depois instalá-lo, ou criando um diretório em sua home, caso possua várias fontes.

Um ótimo site para conseguir uma gama (quase infinita 😎) de fontes, é o dafont.com, nele você poderá baixar gratuitamente diversos arquivos. Os formatos mais comuns de fontes são: “TTF” e “OTF”, após efetuar o download, clique duas vezes sobre o arquivo de fonte e o visualizador de fontes aparecerá, ou clique com o botão direito do mouse, a primeira opção será o programa para instalar fontes no sistema.

fontes-linux-ubuntu-mint-deepin-times-new-roman-arial-mscorefonts-ttf-otf

Depois de abrir o visualizador de fontes é tudo bem intuitivo, basta clicar em instalar e aguardar o processo.

fontes-linux-ubuntu-mint-deepin-times-new-roman-arial-mscorefonts-ttf-otf

O método é bem comodo e pratico, porém ao trabalhar com muitas fontes, fica chato instalar uma a uma, para contornar essa situação, crie uma pasta denominada “.fonts” em sua pasta pessoal, e adicione os arquivos neste diretório.

Para visualizar as pastas ocultas no Ubuntu, Linux Mint e Deepin, clique com a combinação de teclas “CTRL+H” e esses diretórios serão visíveis (no KDE a combinação é “ALT+.”), se a pasta “.fonts” não existir, crie ela.

fontes-linux-ubuntu-mint-deepin-times-new-roman-arial-mscorefonts-ttf-otf

O site DaFont é uma ótima opção para downloads de fontes, entretanto há alguns anos disponibilizamos um pack, com acredite se quiser! Mais de 4.500 fontes, baixe esse pacote no seguinte link.

Veja também esse tutorial em formato de vídeo, caso alguma dúvida tenha ocorrido.


O GIMP pode inicialmente não reconhecer as fontes adicionadas na pasta “.fonts”, caso isso ocorra, acesse o post que ensinamos como adicionar fontes no GIMP.

Auxilie os novatos no mundo Linux, compartilhando nossas postagens. Que tal engajar-se em nosso fórum Diolinux Plus?

Espero você até a próxima postagem, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja como instalar o navegador Brave no Ubuntu e Linux Mint

Nenhum comentário
Brave é um dos navegadores para internet mais populares para quem deseja ter privacidade na hora de navegar nos sites. Ele conta com bloqueadores de anúncios e rastreio dos sites, de forma nativa. Hoje vamos mostrar como instalar ele no Ubuntu e Linux Mint.


 Veja como instalar o navegador Brave no Ubuntu e Linux Mint





O Brave tem uma forma de instalar um tanto quanto “”peculiar”” em relação aos outros navegadores, que ou estão nas lojas das distros ou estão disponíveis em algum formato de pacote, de forma oficial como .deb; .rpm; Snap; Flatpak ou AppImage.



No caso dele, temos dois métodos para instalação Um que você vai precisar utilizar alguns comandos no terminal que é a forma “oficial” (mas nada tenebroso ou complicado rs) e a outra é via Snap, que é mantido pela comunidade e ainda não sendo uma forma oficial, mas com “aval” da Brave. Bom, vamos para a instalação.

Para instalar via terminal pressione Crtl+Alt+t ou procure no menu da sua distro por “Terminal”. Depois disto é só digitar ou copiar e colar os seguintes comandos, sempre prestando atenção nos espaços e nas letras maiúsculas e minúsculas, pois pode dar erro. Este método é para o Ubuntu 16.04 ou superior e Linux Mint 18 ou superior.

curl -s https://brave-browser-apt-release.s3.brave.com/brave-core.asc | sudo apt-key --keyring /etc/apt/trusted.gpg.d/brave-browser-release.gpg add -

source /etc/os-release

echo "deb [arch=amd64] https://brave-browser-apt-release.s3.brave.com/ $UBUNTU_CODENAME main" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/brave-browser-release-${UBUNTU_CODENAME}.list

sudo apt update && sudo apt install brave-keyring brave-browser -y


Se ocorrer erros, consultar o GitHub do Brave para solucionar, acessando aqui.

E a segunda forma é via Snap, que na própria page já avisa que é mantida pela comunidade e de forma “não oficial” ou “unofficial”. Mas antes de instalar ele via Snap, se você não usa Ubuntu e suas flavours e derivados, veja nesse tutorial de como ativá-lo em sua distro. Se estiver no Ubuntu e seus derivados que tiverem o snap já habilitado, basta procurar na “lojinha de apps” por Brave e instalar ele. Mas se você preferir instalar via terminal, também dá e é super simples, com o terminal aberto basta digitar ou copiar e colar o comando abaixo, e esperar o término da instalação.

sudo snap install brave

Depois é só procurar pelo navegador no Menu da sua distro e desfrutar do navegador. 😉

Espero você até a próxima, um forte abraço.

Continue a discussão sobre o "Brave" lá no nosso fórum.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Teste automaticamente seu computador com o utilitário Hardware Probe

Nenhum comentário

terça-feira, 26 de março de 2019

No mundo da informática é comum passarmos por problemas envolvendo hardware, seja incompatibilidades, desgaste natural ou quaisquer outros tipos de defeitos. Testar componente por componente atrás de um possível erro, nem sempre é uma tarefa simples. É comum quando alguém está nos ajudando através de um fórum (lá no Diolinux Plus por exemplo) perguntar sobre a versão do kernel, qual o nosso sistema, hardware etc; E nem sempre o usuário sabe prontamente como conseguir tais informações.

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

O utilitário Hardware Probe é perfeito para tais situações, com ele você poderá conseguir informações de seus componentes e ao mesmo tempo efetuar um breve teste automático, que pode dar uma pista de qual hardware está com mau funcionamento.

Além de verificar a operabilidade do seu computador, você contribui com um banco de dados de hardware no Linux, auxiliando o estudo de Teste de Confiabilidade Real no HDD/SSD e os desenvolvedores Linux

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

Ao rodar o teste (após a instalação um ícone aparecerá no menu de seu sistema), o terminal se abrirá e uma URL permanente para visualização do probe do computador será gerada, copie e abra em seu navegador favorito. Com diversas informações úteis para diagnósticos de possíveis problemas, esses dados podem ser compartilhados para consultas de componentes (devices), logs e periféricos do hardware em questão, simplificando todo o processo. 

Algo a salientar, é que seus dados pessoais não são capturados pelo Hardware Probe, mantendo o anonimato e coletando apenas informações necessárias, então calma que endereços IPs, MACs, serials, hostname, username, etc; Não serão coletados.

utilitario-URL-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

Instalando o utilitário Hardware Probe em seu sistema


O Hardware Probe está disponível oficialmente no seu Github em diversos formatos, RPM, DEB, Snap, AppImage e o pessoal do Flathub também disponibilizou em Flatpak.

No Linux Mint pesquise no Gerenciador de Aplicativos por: “Hardware Probe” e instale a versão em Flatpak que aparecerá na loja.

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux-mint-flatpak

Instalação do Hardware Probe Flatpak via terminal.

flatpak install flathub org.linux_hardware.hw-probe

Caso queira usar a versão em Flatpak no Ubuntu, acesse esse post de como configurar o suporte a esse tipo de empacotamento no sistema da Canonical e seus derivados.

No Ubuntu pesquise no Software Ubuntu por: “Hardware Probe” e instale a versão em Snap.

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux-ubuntu-snap

Instalação do Hardware Probe Snap via terminal.

sudo snap install hw-probe 

Já se deseja a versão Snap no Linux Mint ou outras distros, veja como adicionar o suporte ao seu sistema no seguinte post.

Como informado anteriormente, existem outros formatos como RPM, DEB e AppImage, você pode baixá-los diretamente do Github do projeto por esse link, no entanto testei o software em duas versões diferentes do AppImage e ao menos no Ubuntu o mesmo não funcionou, em Flatpak e Snap seu funcionamento foi perfeito. 

utilitario-informação-hardware-probe-info-componentes-pc-linux

Com esse utilitário será bem simples compartilhar as informações de seu hardware e sistema, então aconselho a sempre quando postar alguma dúvida de algum problema em seu hardware no fórum Diolinux Plus, adicionar juntamente a URL com as infos, assim as pessoas poderão ter uma base na hora de te auxiliar.

E você conhecia o Hardware Probe? Que tal continuar essa discussão sobre esse programa lá em nosso fórum Diolinux Plus

Espero você até a próxima postagem, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Webcamoid um app multiplataforma para a sua webcam

Nenhum comentário

terça-feira, 12 de março de 2019

A utilização de webcams tornou-se algo relativamente comum nos tempos atuais, seja acoplada em um notebook ou adquirida a parte, esse tipo de device atende diferentes públicos: usuários comuns, youtubers, conferencistas, entre outros.

Porém nem sempre os softwares oferecidos pelos fabricantes tem sua versão Linux, e alguns usuários desconhecem de soluções equivalentes ao “programa padrão da fabricante da webcam”.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Mesmo sendo relativamente simples configurar uma webcam no Linux, algumas features extras podem potencializar nossa experiência durante a utilização de tais equipamentos, e ajustes finos como: codec, bitrate, configurações na imagem, áudio e vídeo, são interessantes se você deseja um maior controle.

O Webcamoid é uma aplicação de código aberto escrito em C++/Qt5 multiplataforma, dotado de algumas características como: a possibilidade de gerenciar mais de uma webcam, mais de 60 filtros (efeitos nos vídeos), captura de tela, ajustes na qualidade do áudio e vídeo, assim como configurações mais avançadas de codec, bitrate, formatos de saída do vídeo etc.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Em sua versão Linux, além do v4l2loopback, tem incluso o suporte ao akvcam, driver de câmera virtual para Linux, na qual é o responsável por oferecer os mesmos recursos disponíveis nos drivers do Mac e Windows, possibilitando configurações persistentes, emulação dos controles da câmera (contraste, brilho, saturação, exposição, etc).

Instalando o Webcamoid


Em sua página oficial do Github, existem diversas opções do aplicativo destinado a cada sistema operacional, para o Linux recomendo a versão em AppImage, por ser mais prática e não exigir instalação.

Então efetue o download da aplicação neste formato.

 Baixar o Webcamoid

Após baixar o programa, clique com o botão direito do mouse, vá em propriedades e marque a opção “Permitir execução do arquivo como um programa”, não esqueça de verificar se a opção “Acesso”, está como “Leitura e escrita”.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux

Funcionalidades do Webcamoid


O app é organizado da seguinte maneira: uma espécie de dock, que faz o papel de atalhos das configurações, um painel lateral que conforme a opção exibe os dispositivos ou efeitos, e na direita um painel com ajustes destas opções.

A dock é composta de 8 atalhos, sendo o primeiro uma forma de ativar e desativar a webcam.

O segundo atalho permite escolher e configurar os dispositivos, alterando formato de vídeo, resolução, taxa de FPS, etc.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Também existe a possibilidade de setar a tela do seu desktop, para aplicar as demais opções de outros atalhos como efeitos, ou até mesmo efetuar uma captura de tela.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Sempre após mudar alguma opção e antes de gravar, seja a tela ou a webcam, clique no primeiro atalho, ele é o responsável por desligar e ligar, efetivando as modificações.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

No terceiro atalho existem as opções de áudio, nele você pode alterar o formato, canais e muito mais.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

O quarto atalho permite capturar uma imagem, inclusive com um contador de tempo.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

No quinto atalho opções de codec, bitrate, formatos de áudio e vídeo, entre outros, além do botão para efetuar a gravação.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Em seguida na próxima opção, estão disponíveis mais de 50 efeitos com ajustes, gastei um bom tempo testando e brincando com cada filtro.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Em preferências configurações avançadas estarão disponíveis, dando maior liberdade para quem é mais “hardcore”.

software-app-webcam-webcamoid-kde-appimage-linux-mac-windows

Particularmente gostei muito do Webcamoid, inclusive tive algumas ideias para OSistemático após fuçar em seus vários efeitos, outra coisa que me “encantou”, foi a riqueza de ajustes, caso seja dono de uma webcam, recomendo muito esse programa.

E você, já conhecia do Webcamoid? Deixe nos comentários suas experiências com o software, e se conhece outras aplicações interessantes.

Até o próximo post, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Veja as letras de suas músicas favoritas com o Musixmatch

Nenhum comentário

quarta-feira, 6 de março de 2019

Música é uma arte que requer sensibilidade sonora e muitas vezes desperta um sentimento único e que se molda conforme o ritmo, harmonia, letra e seu estado emocional, e sempre temos um estilo ou artista que afloram tais sentimentos, e que tal tirar proveito desse momento ao acompanhar as letras conforme a música é tocada? O programa de hoje proporciona tais possibilidades.

musicxmatch-letras-musicas-spotify

O Musixmatch é um dos maiores e mais populares apps Android, com ele você poderá acompanhar em tempo real seu artista interpretando alguma canção, e as letras serão visíveis nesse momento. Além de possuir uma versão mobile, o app conta com um cliente desktop.

Em sua versão mobile, o Musixmatch pode obter as letras de várias canções no Youtube, Spotify, Apple Music, SoundClound, Google Play Music, Pandora e mais.

musicxmatch-letras-musicas-spotify-google-music-apple-android

E qual a utilidade de ver letras das músicas?


Podemos aproveitar deste recurso para alguns fins como: Fazer um karaokê particular com as músicas favoritas, aprender algum idioma enquanto ouve música (sempre vejo os professores falarem que uma das melhores maneiras de praticar ou aprender outro idioma são através de filmes, seriados, livros e músicas), utilizar para aulas de canto e técnica vocal, ou simplesmente tirar uma duvida sobre um “trecho nebuloso” de alguma canção predileta (😂😂😂).

O legal desta aplicação que, ao menos no desktop que testei, não precisa ter a versão de um serviço pago para utilizá-lo em conjunto, falo especificamente do Spotify que é a plataforma de Streaming de áudio que consumo diariamente.

Instalando o Musixmatch


Como informado logo acima, o Musixmatch possui tanto versão mobile, como desktop, porém, irei focar na aplicação para PCs, se deseja instalar a versão para Android, basta acessar esse link que te levará direto à Google Play Store

Um ponto a salientar, é que sua versão desktop age em conjunto com o Spotify, então você precisa deste programa previamente instalado, e se utiliza a versão free, não tem problema algum.

Pesquise normalmente na loja do Ubuntu, Linux Mint, e instale o Spotify.

spotify-snap-flatpak-linux-mint-ubuntu

O Musixmatch é distribuído no formato Snap, sua instalação pode ser feita tanto via terminal, como na loja de aplicativos, caso esteja utilizando o Linux Mint ou derivados, você pode aprender como habilitar o Snap através deste post.

sudo snap install musixmatch

musicxmatch-letras-musicas-spotify-ubuntu-snap-loja

Para desinstalar o programa, você pode fazer da mesma maneira que instalou via interface gráfica ou com o comando:

sudo snap remove musixmatch

Configurando e utilizando o programa


Logo após instalar o Musixmatch, execute-o. Uma pequena janela abrirá, tenha em mente que o app funciona em conjunto ao Spotify, como já foi comentado, então ele deve estar funcionando e reproduzindo alguma canção.

musicxmatch-letras-musicas-spotify-janela-inicial

Antes de usarmos o programa, é necessário alguns passos, como criar uma conta no Musixmatch e logar com sua conta Spotify.

Clique na opção “Musixmatch login required”, ele abrirá uma nova janela, crie seu cadastro na plataforma.

cadastro-musicxmatch-letras-musicas

Depois conecte-se com sua conta Spotify, clicando em ”Connect to Spotify”.

login-cadastro-spotify

Após ter criado seu cadastro do Musixmatch e ter logado com sua conta Spotify, reproduza alguma música no Spotify, abra o app do Musixmatch através de seu ícone de bandeja e clique em “Show Musixmatch”.

bandeja-tray-musicxmatch-letras-musicas-spotify

E pronto! “Num passe de mágica” uma janela flutuante com a letra em tempo real será visível, caso o aplicativo não identifique ou perca seu login ao fechá-lo, efetue-o novamente, assim o app volta a sua normalidade.

musicxmatch-letras-musicas-spotify

Gostei bastante desta aplicação, sua versão desktop ainda tem menos funcionalidades que a mobile, entretanto creio que seja questão de tempo para a chegada de novos recursos.

E você, é apaixonado por música? Deixe nos comentários sua opinião, e se você assim como eu às vezes “dá uma de cantor” (😂😂😂), não perca tempo e experimente esse programa.

Te espero no próximos post, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo