Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador linux mint 19.1. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador linux mint 19.1. Mostrar todas as postagens

Linux Mint revela melhorias no ambiente gráfico e novidades

Nenhum comentário

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Quem chega ao mundo Linux, muito provavelmente, se depara com a indicação do Linux Mint para começar a usar o pinguim (muito boa opção por sinal), assim não sentindo tanto a mudança de sistema e atenuando também a curva de aprendizagem. Para quem está habituado com o Mint, já virou tradição esperar os posts mensais com as novidades sobre o sistema.


Linux Mint revela melhorias no ambiente gráfico e novidades






A espera acabou e eis que o tão aguardado post “toma vida” e traz algumas coisas interessantes sobre o sistema.

No começo da nota, Clement Lefebvre (líder do projeto), agradece aos apoiadores e as doações que o projeto recebeu, também comenta com  empolgação sobre a próxima versão BETA do Linux Mint (provavelmente ele esteja falando do Mint 19.2), com as melhorias e recursos que estão sendo implementadas. Complementou que o ciclo de desenvolvimento foi “meio conturbado”, mas que agora está tudo bem.

Novidades vindo no Mint 


A primeira novidade anunciada, é a possibilidade de “pinar” (fixar) itens no Nemo (o gerenciador de arquivos do Mint). Esse novo recurso permite que você destaque pastas ou arquivos para que eles apareçam sempre no topo das listas, facilitando a sua organização. Isso realmente é muito útil para quem sempre tem vários arquivos ou pastas que precisa acessar constantemente, apesar de existirem formas diferentes de fazer isso, a função de "pinagem" parece ajudar.



Outra novidade que chega ao Nemo são as ações condicionais, esse recurso pode ser usado  quando você clica com o botão direito do mouse em um arquivo, onde é possível ver as ações disponíveis para ele, que até hoje eram genéricas. Com o Nemo 4.2, essas ações poderão conter scripts ou comandos externos, e assim dar condições específicas para o arquivo em questão. Um exemplo dado no post é: Se você tem um arquivo de vídeo em .mkv e tem 4GB, e está precisando dividir ele, basta clicar com o botão direito do mouse e clicar em “Dividir”. Como falaram, o “céu é o limite” para essa nova tecnologia que está chegando no Nemo 4.2.

Um recurso muito útil foi adicionado ao Menu do Cinnamon,  a diferenciação dos programas instalados no sistema. Por exemplo, se você instalar o Gedit, ele aparecerá como “Editor de Texto”, assim como o Xed. Na nova atualização, eles terão uma distinção, com o nome na frente.



Isso também vale para os programas instalados via Flatpak. Se um programa já veio por padrão nos repositórios e você instalou uma versão via Flatpak, este terá o nome "Flatpak" entre parênteses.

Como no exemplo do Glade.




Essas mudanças são realmente úteis, pois ajuda na hora de “bater o olho” e identificar os aplicativos.

Outra novidade foi na atualização da MintBox, parceria entre o Linux Mint e a Compulab. A nova versão é a MintBox 3, baseado no Airtop 3, vindo logicamente com o Linux Mint mais atual. São duas configurações “não definitivas”, mas que por hora são:

1. Configuração básica: Com um Core i5 (6 núcleos), 16 GB de RAM, 256 GB EVO 970, módulo Wi-Fi e FM-AT3 FACE.  US$1543 (na cotação atual do dólar, R$3,84, sai aproximadamente R$5.900,00 )

2. High end: Com Core i9, GTX 1660 Ti, 32 GB de RAM, 1 TB EVO 970, WiFi e Módulo FACE FM-AT3. US$2698 (na cotação atual do dólar, R$3,84, temos o valor de R$10.400,00 )

A questão da Canonical e os 32 bits


Os desenvolvedores apontam que a falta de desenvolvimento desse repositório por parte do Ubuntu faria com que o Linux Mint também fosse um sistema de 64 bits apenas em futuros lançamentos, mas mencionaram que pacotes como Wine e Steam são importantes para eles, sendo assim, eles estudariam as possibilidade de continuar a oferecer tais recursos, talvez até mesmo de forma semelhante ao Ubuntu.

Segundo a informação, “até 2020” é considerado um tempo bom o suficiente para pensar nessas questões e definir como será o futuro em relação a isso caso a Canonical decida realmente encerrar o suporte durante esse ciclo que, supostamente, por conta do tempo de suporte da LTS do Ubuntu, duraria até 2025.

Os desenvolvedores também comentaram sobre os pacotes Snap e o estudo para incorporá-los nativamente ao Linux Mint, apontando várias questões de ordem mercadológica que fazem eles preferirem inicialmente o formato Flatpak, você pode ler mais sobre isso no blog oficial do Linux Mint.

Ansioso para a nova versão do Linux Mint? Nós diga aí nos comentários o que espera dele.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Mint traz atualização para Wine e anuncia novo site da comunidade

Nenhum comentário

terça-feira, 4 de junho de 2019

Em mais um relatório mensal disponibilizado pela equipe do Linux Mint, eles falam da enorme quantidade de doações recebidas, os e-mails de apoio ao pessoal e também algumas novidades que serão implementadas nos próximos updates.

Confira as novidades do Linux Mint do mês de Maio






No começo do relatório, eles agradecem a quantidade de US$24.149,00 recebidos por 868 doadores, além dos patrocinadores comunitários e “não comunitários”. Isso ajuda e muito a manter um projeto deste tamanho “em pé”, além dos milhares de e-mails parabenizando o trabalho deles.

Outra novidade importante apresentada foi referente ao WINE 4, que agora consta nos repositórios do Linux Mint. Eles detectaram que as versões presentes eram obsoletas (tanto a stable quanto a de desenvolvimento) e assim gerando vários conflitos e erros.

Agora estando disponível nos repositórios, o WINE 4.0 veio para corrigir esses problemas, além do suporte para Vulkan, joysticks e Direct3D 12. Foi criado também um meta pacote chamado de wine-installer, para facilitar a instalação do WINE no Linux Mint.

Outras novidades também foram apresentadas, como:

- Novo visual do site da comunidade



- O editor de texto padrão Xed, agora suportará comentários alternados e em blocos. Recurso este mais voltado para Devs, e para utilizá-lo, basta pressionar Crtl+/ .

Para conferir o “Monthly News” do Linux Mint, basta acessar ele através deste link.

Deixe nos comentários o que você espera do projeto, e se você pensa em ajudá-lo de alguma forma.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Canonical lança atualização com 11 correções de Kernel para Ubuntu 18.04, atualize agora!

Nenhum comentário

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Diversas vulnerabilidades foram descobertas no kernel utilizado pelo Ubuntu 18.04 Bionic Beaver, seus flavours (Kubuntu, Xubuntu, Lubuntu, Ubuntu Budgie, Ubuntu Mate, Ubuntu Studio, Ubuntu Kylin) e sistemas derivados como o Linux Mint 19.1 também são afetados por tais problemas.

vulnerabilidade-kernel-ubuntu-linux-mint

Num total de 11 vulnerabilidades, 7 encontradas por Wen Xu (CVE-2018-10876, CVE-2018-10877, CVE-2018-10878, CVE-2018-10879, CVE-2018-10880, CVE-2018-10882 e CVE-2018-10883) durante a implementação do sistema de arquivos EXT4 no kernel Linux. 

Tais brechas podem fazer uso do buffer livre ou estourá-lo, forçando gravações até travar o sistema.

Outras vulnerabilidades estão relacionadas a virtualização, podendo expor informações confidenciais entre máquina host e convidada (CVE-2018-14625). Também foram encontrados problemas na implementação do KVM (Kernel-based Virtual Machine) possibilitando um atacante local, usando uma VM convidada que poderia ganhar privilégios administrativos na máquina host (CVE-2018-16882 e CVE-2018-19407) .

Vulnerabilidades encontradas pelo Google Project Zero


O analista de segurança da Google, Jann Horn do Project Zero, que visa encontrar vulnerabilidades em sistemas e relatar aos seus responsáveis, localizou 2 erros, 1 na chamada do sistema e outro no sistema de arquivos procfs do kernel (CVE-2018-18281 e CVE-2018-17972).

Usuários de Ubuntu 18.04, Linux Mint 19.1 e derivados devem atualizar imediatamente


Se você utiliza algum sistema baseado no Ubuntu 18.04 ou o mesmo, atualize seu sistema neste momento, você pode utilizar a interface gráfica (no Ubuntu pesquise por: “Atualizador de Programas”), ou então atualizar pelo terminal, para isso ou os comandos:

sudo apt update && sudo apt dist-upgrade

Depois reinicie sua máquina para efetivação das alterações no kernel, caso você tenha o livepatching da Canonical ativo do seu Ubuntu, isso não será necessário 

vulnerabilidade-atualizar-ubuntu-18.04

Usuários devem atualizar para o kernel linux-image 4.15.0-44.47, para instalações genéricas e usuários do Ubuntu 18.04.1 LTS ou posterior usando a série 4.18 do kernel, devem atualizar para linux-image 4.18.0-14.15 ~ 18.04.1.

E você já atualizou seu sistema? Não perca tempo e deixe sua distro “redondinha”.

Te aguardo no próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Windows 7 com data para morrer, e agora, o que fazer?

Nenhum comentário

segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

O sistema mais popular entre usuários Windows, o “Seven”, para os íntimos. Está com os dias contados. Após inúmeros anúncios de suporte estendido, o tempo está findando, e não haverá prorrogação, seu destino foi decretado. As únicas opções são: Migrar para outra versão mais recente do Windows, ou dar a chance a um novo sistema, e claro, você pode continuar num sistema inseguro, sem atualizações de segurança, mas arque com as consequências de tais decisões.

fim-suporte-windows

Com 36% da base de usuários Microsoft, atualmente o Windows 7 mantém uma porcentagem enorme de utilizadores, mas em 14 de Janeiro de 2020 terá suporte encerrado. 

Para empresas, via suporte pago, poderá ser estendido até Janeiro de 2023. Um gasto adicional, para quem pretende continuar com o sistema. Tendo em vista a situação econômica do Brasil, não julgo ser algo viável para pequenos e médios negócios.

O que devo fazer?


O aconselhável é migrar de sistema o quanto antes, só que algumas barreiras dificultam a vida dos usuários.

Hardware datado é um problema, que em minhas manutenções, observo em demasia. O brasileiro parece não ligar muito para questões técnicas, e tem uma máxima: “Ta funcionando? Então tá bom”. Claro que isso não é uma regra, e nem todas as pessoas são assim. Apenas é um reflexo destes anos com manutenção e clientes que atendi.

Com máquinas mais modestas, é notória a dificuldade do PC, funcionar com versões superiores ao Windows 7. E com o fim do Seven, migrar para o Windows 10, não seria uma das melhores escolhas (nem versões como Windows 8.1).

Manter a versão desatualizada do sistema, também está fora de questão. Vulnerabilidades, portas abertas para cibercriminosos, bugs e outras dores de cabeça, são apenas os pormenores. E convenhamos, o Windows já tem fama de ter problemas com segurança, imagine sem suporte.

Solução inovadora


Se com um PC fraco, migrar para uma versão recente do Windows, não é a possível melhor escolha. O que fazer?

Não me entenda mal, não é por que o blog fala principalmente sobre Tecnologias abertas e Linux, que eu vá indica-lo cegamente, sem pontuar algumas questões. O blog Diolinux tem compromisso com a veracidade dos fatos, quando algo for opinativo, será o mais claro possível.

A solução que a MS recomenda, é adquirir hardware novo e migrar para o Windows 10, mas falar isso é “chover no molhado”, e para nossa realidade (situação econômica brasileira), nem sempre é uma opção.

Nestes casos, recomendo alguns levantamentos: Sua empresa ou você utiliza algum software insubstituível? Você é acomodado e não quer ter o trabalho de aprender algo novo ou dar uma chance quando alguma situação fugir de sua alçada?

Se não teve problemas com as duas respostas acima, lhe indico o Linux. Uma alternativa, segura, moderna, eficiente e com o sistema certo (para iniciantes). Fácil de entender. 

Qual distro devo escolher?


Neste contexto, para usuários que estão migrando do Windows 7, não me vem outro nome na cabeça, além do “Linux Mint”. É um sistema fácil e intuitivo para usuários Windows.

A lógica, do “menu iniciar”, “barra de tarefas”, é algo simples e do cotidiano desses usuários. No Linux Mint, o visual não seria o problema.

linux-mint-cinnamon

Com a nova versão 19.1, muitas mudanças visuais, são familiares a novos usuários, e por basear-se no Ubuntu, a facilidade de drivers, programas, não serão barreiras para leigos. 

Só existe o Linux Mint, para novos usuários?


Sendo curto e grosso, a resposta é: NÃO!

Diversas soluções estão disponíveis, o próprio Ubuntu é uma delas. Com vários “sabores”, você poderá testar as interfaces disponíveis. Provavelmente a versão principal com Gnome, não seja a melhor escolha. Mas existem outras com XFCE, Mate etc.

O número de distribuições Linux para iniciantes é enorme, então aconselho testar, ver qual casa com seu computador, qual é do seu agrado etc. Essa é uma das magias do Linux, ter opções e interfaces. Algo que no Windows é diferente.

Facilidades e diferenças na instalação


Como todo sistema novo, exigirá tempo e paciência. Nesse primeiro momento, é onde muitos desistem. 

Alguns usuários, inflados por seu ego, não aceitam que não sabem, que Linux não é igual ao Windows. É normal ter algumas situações adversas com o tempo, o “bicho de 7 cabeças” será um “gatinho”, gerando momentos e reflexões: “Isso não é difícil”. 

O legal de sistemas como Linux Mint e Ubuntu são suas facilidades e softwares pré-instalados. Economizando um tempo no pós-instalação. E claro, existem diferenças na instalação do Linux e Windows, mas nada tão complicado, que um simples passo a passo não resolva.

Ainda falta algum tempo, vou aproveitar e depois migrar


Você tem todo o direito de esperar e utilizar o sistema que bem entender. Uma dica que dou é ir nesse período substituindo os softwares utilizados, por soluções multiplataforma. Assim o impacto será menor, e não terá dores ao migrar de sistemas.

Existem ótimas alternativas no mercado, por exemplo no lugar do Corel Draw, você pode começar a utilizar o Inkscape, confira essa lista, com outros exemplos de programas open source, que você pode utilizar no Windows.

Eis que o fim está próximo” e ir se planejando é o melhor a se fazer. Então não deixe para última hora, comece a se programar, testar novas alternativas. Aposto que não vai se arrepender. 

É usuário do Windows 7? Conhece alguém que utiliza ele? Deixe nos comentários sua opinião, e compartilhe com seu amigo esta postagem. 

Nos vemos no próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


A sua vez de migrar para Linux - Linux Mint 19.1 é lançado

Nenhum comentário

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018


Depois de uma espera de 3 meses e muita apreensão, eis que o tão aguardado Linux Mint 19.1 saiu da versão BETA e é finalmente lançado como uma versão final disponível para download.


 A sua vez de migrar para Linux  - Linux Mint 19.1 é lançado






No dia 9 de Setembro de 2018 a equipe do Linux Mint soltou uma nota rápida em seu blog anunciando o provável codinome para a nova versão e uma estimativa de quando seria lançado. A primeira parte foi revelada naquele post mesmo,o codinome seria “Tessa”, mas a data precisa de lançamento ainda não, sendo mencionado que seria em meados de Dezembro, antes do Natal.

Leia Mais: Linux Mint 19.1 já tem nome e estimativa de lançamento!
Em 31 de Outubro de 2018, Clement Lefebvre (CEO do Linux Mint) anunciou algumas mudanças que viriam na nova versão do sistema, como a melhoria no tema Mint-Y, acrescentando maior contraste à interface, além de incorporar os  dois  applets famosos, o Icing Task Manager e CobiWindowsList, criando uma versão própria e nativa do Mint, atendendo pedidos da comunidade, o que trouxe um melhor acabamento visual e funcionalidades mais modernas ao sistema, de forma semelhante ao visual do Windows 7 e 10.

Leia Mais: Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro

A versão Beta do sistema estava disponível até hoje (19/12/2018) para que a comunidade e entusiastas pudessem testar e reportar os bugs, problemas e afins para a equipe de desenvolvedores antes do lançamento final. Tanto que fizemos um artigo bem completo sobre essa versão, mesmo estando na versão BETA, e no que ela poderia ajudar na migração dos novos usuários para o Linux. Também fizemos um vídeo bem bacana falando sobre, você pode conferir logo abaixo.

       


A versão Beta do Linux Mint 19.1 já era consideravelmente estável antes mesmo da versão final, porém, desencorajamos o seu uso em produção, visto que ainda se tratava de um estágio do desenvolvimento da distro.

Por fim, foi finalmente lançada hoje a versão final do Linux Mint 19.1 (Cinnamon, MATE e XFCE) para que todos instalem em suas máquinas e desfrutem da nova versão. 

Atualizações para a versão


No comunicado do blog oficial do sistema, os desenvolvedores anunciaram as novidades do sistema, links para download e informações de suporte, além do requerimento mínimo de hardware. Ainda não foi divulgado o processo de upgrade das versões mais antigas para a mais nova, porém, não deverá ser diferente do que vimos em outras versões:

      

Para quem estava usando o Beta, basta manter o sistema atualizado através do gerenciador de atualizações, entretanto, há a recomendação de fazer a adição de um pacote via terminal ou gerenciador de softwares, atualizar o sistema e então reiniciar para garantir que tudo fique de acordo, o comando recomendado é o seguinte:

sudo apt install xul-ext-lightning

Suporte e Download

O Linux Mint 19.1 tem suporte até 2023. O que garante a você muito tempo para usar o sistema em empresas e até mesmo no seu computador particular. A base se mantém, continuando com o Ubuntu 18.04.1 LTS. Confira também “o que fazer depois de instalar o Linux”:

       

O vídeo é de uma versão mais antiga do sistema, mas as informações continuam precisas e valiosas.
Para baixar o Linux Mint e escolher qual flavour (sabor) dele você quer, basta acessar o link e partir para o abraço! 😃

Linux Mint Cinnamon 64 bits - Download
Linux Mint Cinnamon 32 bits - Download
Linux Mint Cinnamon 64 bits - Torrent

Linux Mint MATE 64 bits - Download
Linux Mint MATE 32 bits - Download
Linux Mint MATE 64 bits - Torrent

Linux Mint XFCE 64 bits - Download
Linux Mint XFCE 32 bits - Download
Linux Mint XFCE 64 bits - Torrent

[UPDATE] Hoje foi disponibilizado a opção de atualizar o Linux Mint 19 para o 19.1 via Gerenciador de Atualizações, fizemos um artigo bem completinho mostrando como proceder, confiram.

Você já está usando a nova versão do Linux Mint? O que está achando do desempenho e estabilidade até então? Ficou melhor que a versão anterior?

Compartilhe conosco o seus pensamentos através dos comentários, até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro

Nenhum comentário

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

No blog oficial do Linux Mint, Clement Lefebvre (idealizador do projeto), anunciou algumas mudanças no visual do Cinnamon e também agradeceu aos apoiadores do projeto

 Confiram as novidades do Linux Mint 19.1 que chegam em Dezembro






Ao todo foram anunciadas três novidades em relação a interface gráfica e uma em relação ao XApps (aplicativos esses que são padrões nas 3 versões do Mint).

A primeira novidade em relação a interface é com o tema Mint-Y, que recebeu melhorias e mudanças sutis feitas por Joseph McCullar, adicionando maior contraste às fontes e apps ícones, o que deixará o desktop mais vívido, você pode ver um exemplo na imagem abaixo:


A diferença também é perceptível  quando o tema é aplicado na área de trabalho, com isso os ícones estão mais escuros e às bordas das janelas estão com uma facilidade de identificação melhor também.


Nos dois exemplos mostrados ficam evidentes as melhorias feitas por Joseph, na primeira ficando à direita e na segunda ficando abaixo da linha vermelha.

A segunda melhoria foi a correção de ícones monocromáticos em fundos brancos ou quando o usuário alterar a cor do fundo e assim não ficando funcional, como por exemplo em submenus e afins.  Para resolver esse problema, o Linux Mint 19.1 será fornecido com suporte para ícones simbólicos para o  Redshift, para o Applet de controle de volume d ambiente MATE, da ferramenta de teclado na tela (onboard) e para o applet de gerenciamento de rede.

A terceira mudança vem no Cinnamon e sua versão 4.0,  que vai trazer um novo layout do painel. Haverão mudanças na cor, tamanho e ícones para que eles se comportem melhor em telas com diferentes resoluções.

Colocando um visual mais moderno no Cinnamon

A grande mudança no Cinnamon é adesão de um novo sistema de gerenciamento de janelas inspirados em dois  applets famosos, o Icing Task Manager e CobiWindowsList, applets esses que deixam as janelas com aspectos parecidos já adotados por outros sistemas, como Windows, macOS e Ubuntu. Esses applets fazem com que às janelas abertas fiquem “juntas” e que a exibição dessas janelas seja sobreposta. Segundo Clement, ele veio trabalhando nessa solução junto com Niko Krause, Joseph e Jason para implementar essa funcionalidade no sistema, como reflexo da popularidade dos Applets, embutindo essa função diretamente no Cinnamon.

É uma postura que nos agrada especialmente, pois, como comentados no Diolinux Friday Show sobre “O que há de errado com o GNOME”, a noção de você observar quais são os complementos mais baixados e adicioná-los como funcionalidades ao sistema é uma forma muito elegante de entregar o sistema que os usuários desejam.

Outra melhoria feita no Cinnamon foi a adequação dos ícones aos diferentes tipos de ícones no painel, podendo ir dos 24x ao 64x sem perder a qualidade e nitidez dos mesmos. Esse recurso é especialmente bom para quem usa o Mint em telas de altíssima resolução.

Já na parte do sistema serão lançadas duas melhorias bem sutis mas muito bem-vindas. A primeira foi em relação aos XApps, onde Stephen Collins adicionou uma nova forma de selecionar os ícones que estão presentes na biblioteca do sistema, assim mostrando os ícones e o caminho deles.  A nova ferramenta permite que você troque o ícone de qualquer aplicação de uma forma muito simples e intuitiva conforme a sua vontade.


No Update Manager haverão novidades também, foi adicionado o suporte para kernels mainline e assim podendo ser escolhidos pelo usuário versões diferentes da que vem por padrão instalada, semelhante ao Manjaro.

Por último e não menos importante, o ‘Welcome” ou “Bem Vindo” do Linux Mint agora vai deixar você escolher qual layout quer usar no sistema, sendo possível escolher entre “Traditional” (Tradicional) ou “Modern” (Moderno). O tradicional é o Mint exatamente como você conhece, e o “moderno” é este com ícones sobrepostos na barra, assim como no Windows 10, essa mudança provavelmente deixará a interface do Linux Mint ainda mais amigável para quem vem do Windows, ainda que seja uma mudança simples.

Para maiores informações, acessem o blog oficial deles.

Legal ver a equipe do Linux Mint querendo dar uma “polida” no sistema e assim dar uma cara mais moderna para o sistema e assim querer atrair mais usuários para o sistema,  principalmente aqueles vindo do Windows (7 e 10) e fazendo com que a curva de aprendizado seja menor e facilitando a adaptação dos mesmos.

O Cinnamon é uma das últimas interfaces da lançar esse modo nativamente, algo que você já encontra no KDE Plasma e no próprio GNOME Shell há muito tempo, mas, antes tarde do que nunca, certo? As versões 19.x geralmente são lapidações da versão 19, ainda que existam aprimoramentos, certamente mudanças maiores são esperadas para a versão 20 do Linux Mint, que sairá somente em 2020.

Conte-nos através dos comentários o que você achou das novidades e o que tem achado do Linux Mint 19. =) 

Até a próxima e um forte abraço.
____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo