Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador macos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador macos. Mostrar todas as postagens

MusicBrainz Picard 2.2 lançado com player embutido

Nenhum comentário

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Organizar seus álbuns musicais nem sempre é uma tarefa simples, ainda mais quando é necessário pesquisar pelas informações corretas. Pois bem! MusicBrainz Picard pode ser uma ótima solução.

musicbrainz-picard-metabrainz-musica-som-audio-album-cd-meta-tag-info-mp4-m4a-ogg-mp3-flac-editor

MusicBrainz Picard é um software open source, multiplataforma e desenvolvido pela Fundação MetaBrainz, a mesma responsável pelo banco de dados MusicBrainz. O Picard pode, com apenas um clique, encontrar diversos álbuns de música em diferentes formatos, como: MP3, FLAC, OGG, M4A, WMA, WAV, entre outros.

Utilizando as impressões digitais de áudio AcoustID, os arquivos são identificados e comparados com as músicas no banco de dados, isso tudo sem que os metadados estejam presentes em seus arquivos ou estejam incompletos. Editar as tags de suas músicas com o programa torna-se bem prático.

Algumas novidades do MusicBrainz Picard 2.2


Diversos bugs foram corrigidos, resolvendo falhas em suas versões, seja para Windows, Linux, macOS, etc.

Outros recursos mais técnicos foram adicionados, caso tenha interesse, acesse este link e veja os detalhes. Uma novidade que posso destacar, entre as demais, é a adição de um player de música embutido. O recurso ainda é beta, mas simplificará o ato de editar as tags e demais configurações. Poupando tempo, ao não obrigar o uso de outro player em conjunto. Algo simples, mas que vem para somar e tornar tudo mais fácil. Ainda é possível escolher por outro player instalado, lembre-se que por se tratar de uma feature em beta, pode ocorrer bugs com essa nova função.

musicbrainz-picard-metabrainz-musica-som-audio-album-cd-meta-tag-info-mp4-m4a-ogg-mp3-flac-editor

Instalação do MusicBrainz Picard 2.2


Existem versões do app para muitas plataformas, irei demonstrar para o Ubuntu via PPA, Flatpak e Snap, para englobar o máximo possível de distribuições Linux. Aliás, Flatpak é a maneira que aconselho e utilizo o software no Linux. Outras distribuições podem tanto instalar a versão contida no Flathub, que demonstrarei a seguir, ou acessar o link “Linux” e escolher conforme sua distro no site oficial do Picard (Snap também é uma opção).

Baixe a versão conforme seu sistema operacional:


Picard via PPA


Usuários de Ubuntu e derivados podem instalar o Picard via PPA conforme demonstrarei, entretanto, reforço que o uso do Flatpak e Snap diminui a obrigatoriedade de tal método.

Adicionando o PPA Stable do Picard:

sudo add-apt-repository ppa:musicbrainz-developers/stable

Atualizando a lista de pacotes:

sudo apt update

Instalando o Picard:

sudo apt install picard

Caso queira remover o Picard via PPA, desinstale o programa e depois remova seu PPA.

Removendo o Picard:

sudo apt remove picard

Removendo o PPA:

sudo add-apt-repository -r ppa:musicbrainz-developers/stable

Picard via Flatpak


Outro modo de obter o Picard, é via Flatpak. O programa encontra-se no repositório Flathub, facilitando a instalação nas principais distribuições Linux. Usuários do Linux Mint podem pesquisar diretamente na loja pelo programa, caso esteja utilizando o Ubuntu, não se preocupe, essa postagem demonstra a configuração do Flatpak e adição do Flathub no sistema da Canonical. Assim, basta pesquisar na loja por “Picard flatpak” e instalar o app.

musicbrainz-picard-metabrainz-musica-som-audio-album-cd-meta-tag-info-mp4-m4a-ogg-mp3-flac-editor-ppa-ubuntu-snap-mint-flatpak-flathub-snapcraft

Usuários de outras distros, podem configurar o Flatpak em seus sistemas por esse link. Já o guia oficial do Flatpak, além de demonstrar a configuração, ensina como adicionar o repositório Flathub. Se preferir fazer tudo via terminal, eis os comandos logo abaixo.

Adicionando o repositório Flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Picard Flatpak:

flatpak install flathub org.musicbrainz.Picard

A remoção pode ser desta maneira:

flatpak remove org.musicbrainz.Picard

Picard via Snap


O Picard também está na Snapcraft, vale ressaltar que na presente data em que escrevo este artigo, essa versão está na “2.1” e não encontrei no site do Picard a menção de um pacote Snap. Provavelmente este Snap é empacotado pelo pessoal da Canonical, sem envolvimento da Fundação MetaBrainz.

No Ubuntu basta pesquisar diretamente na loja por: “Picard” e instalar a versão em Snap, outros sistemas baseados em Linux devem adicionar o suporte ao Snap. Acesse este guia e configure seu sistema

Instalando o Picard Snap:

sudo snap install picard

Removendo o Picard Snap:

sudo snap remove picard

O Picard é uma aplicação interessantíssima, ainda mais com sua enorme base de dados, porém, caso queira outras alternativas o “EasyTag” e “Puddletag” são recomendadas e vale o teste.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, até a próxima e compartilhe este conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Modo escuro finalmente chega ao Slack

Nenhum comentário

domingo, 15 de setembro de 2019

Modo noturno, modo escuro, dark mode... chame como você quiser, mas é um fato que as variações escuras de aplicativos e sites se tornaram muito populares, especialmente nos últimos anos. Agora, após uma longa espera, chegou a vez do Slack lançar o modo escuro para as suas versões de navegador e desktop no Linux, Windows e MacOS.

modo-escuro-chega-ao-slack

O Slack é um aplicativo de comunicação em equipe com uma ampla gama de funcionalidades, que para muitos são os diferenciais que o deixam à frente de alternativas como Microsoft Teams ou Discord.

Já publicamos artigos sobre o Slack, Microsoft Teams e Discord aqui no blog.

Mesmo sendo um serviço muito completo e amplamente utilizado, apenas agora, em Setembro de 2019 o Slack passa a ter um modo escuro disponível. Como usuário do Slack, posso dizer que é uma funcionalidade que estava fazendo muita falta.

Alguns utilizam o modo escuro simplesmente porque gostam, outros porque trabalham à noite, em um ambiente com baixa iluminação, sofrem de enxaqueca, ou tem algum problema visual. Casos nos quais o modo escuro realmente pode fazer toda a diferença.

O Slack já possuía modo escuro no aplicativo para dispositivos móveis, o qual possui configurações separadas da versão desktop. Utilizar o modo escuro no smartphone não significa que você também tenha que utilizá-lo desktop. Segundo a equipe do Slack, em um futuro próximo a funcionalidade dos temas nas versões desktop do aplicativo funcionarão em sincronia com o tema do seu sistema, ou seja, se você estiver utilizando um tema escuro no seu sistema, o Slack automaticamente utilizará o modo escuro. E vice-versa.

Em seu post original no blog do Slack, a equipe explica que a demora para o lançamento do modo escuro deveu-se ao fato de que eles queriam construir um ‘dark mode’ que funcionasse perfeitamente em toda e qualquer parte do Slack. Para alcançar tal objetivo eles tiveram que redesenhar toda a interface do aplicativo do zero, e até mesmo re-arquitetar algumas dessas partes.

Mas finalmente, para a felicidade de todos nós que esperamos tanto, seja por gosto ou necessidade, o modo escuro do Slack finalmente chegou!

Como ativar o modo escuro no Slack?


É importante ressaltar que para poder utilizar esta funcionalidade o seu aplicativo do Slack precisa estar na versão 4.0.3 no MacOS, e 4.0.2 no Windows e Linux.

• Já com o aplicativo aberto, clique no nome do seu workspace no canto superior esquerdo, e então clique em ‘Preferências’.

ativando-modo-escuro-slack-imagem1

• Então clique na aba ‘Temas’ e selecione ‘Escuro’.

ativando-modo-escuro-slack-imagem2

modo-escuro-ativado-slack

Pronto! Você finalmente pode descansar “seus olhinhos de noite serena”, e apreciar o belo visual do modo escuro do Slack.

Você utiliza o Slack e assim como eu também sentia muito a falta do modo escuro? Ou você acha que essa “história” de modo escuro não passa de “frescura”? Diga-nos o quê você pensa, e vamos compartilhar conhecimento. 😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Controle a central multimídia Kodi pelo smartphone

Nenhum comentário

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

O Kodi é uma aplicação incrível, caso queira instalar o aplicativo em sua distribuição Linux, acesse este artigo com todo passo a passo. Porém, o que seria de um “cinema em casa”, sem a comodidade de assistir seus filmes e executar as demais funções do Kodi, sem a necessidade de se levantar e utilizar um teclado ou mouse, por exemplo.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Para quem deseja controlar sua central multimídia, Kodi, diretamente de um smartphone, poderá instalar o controle remoto oficial do projeto. No caso de usuários Android, o “Kore, Official Remote for Kodi”, já para o iOS de nome “Official Kodi Remote”. 

As aplicações são intuitivas e dispensam maiores explicações, entretanto, configurar o controle remoto no Kodi instalado em seu computador, talvez não seja tão intuitivo assim. Mas, calma que vou demonstrar esse processo.

Antes de configurar o controle remoto no Kodi, obviamente, o aplicativo deve estar instalado em seu smartphone e o Kodi no computador.

Kore, Official Remote for Kodi (Android)


Acesse o link e efetue o download diretamente da Google Play, ou pode utilizar um leitor QR-Code e instalar mirando a câmera de seu smartphone no código QR (que também irá efetuar o download diretamente da Google Play).

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-google-play-kore-multimidia-app-linux

Official Kodi Remote (iOS)


Uma alternativa para iOS está disponível gratuitamente na loja da Apple, a versão também é oficial, sendo uma ótima pedida para usuários da plataforma da maçã. Você pode acessar o link da aplicação diretamente na App Store. Ou fazer uso de um leitor QR-Code, como no exemplo anterior.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-ios-apple-store-multimidia-app-linux

Configurando o controle remoto no Kodi


Com ambos instalados, o app no PC e em seu smartphone, vamos começar “a brincadeira”. Em meu caso estou utilizando o Kore, pois possuo um Android, mas creio que seja praticamente a mesma coisa no iOS. 

Abra o Kodi, e certifique-se que ambos estejam na mesma rede wifi (PC e smartphone).

No Kodi, vá até “Definições” (o ícone de engrenagem).

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Em seguida, até a opção “Serviços”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Navegue para categoria “Controle” e habilite às duas opções na sessão “Controle de aplicações”. Sendo elas: “Permitir controle remoto de aplicativos neste sistema” e “Permitir controle remoto de aplicativos em outros sistemas”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Outras mudanças podem ser aplicadas, como dar nome ao usuário ou atribuir uma senha. Particularmente só adiciono uma senha, o usuário nem mexo (😁️😁️😁️).

Abra o app em seu smartphone, e nele você verá o Kodi e sua máquina. Selecione e vá prosseguindo conforme o app te mostra.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Se assim como eu, configurou um usuário e senha, será necessário informar para conseguir se conectar. Clique em “Testar”, quanto tudo estiver concluído.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Se a aplicação não conseguiu encontrar o Kodi em sua rede, acesse o “menu hambúrguer” (no caso do Kore, aqueles “3 traços” no canto superior esquerdo), clique no símbolo de adição “+”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Configure manualmente o usuário, IP, porta e senha. Esse passo tem as mesmas configurações da imagem acima, para quem adicionou uma senha ao Kodi, e para saber o IP é muito simples. Novamente no Kodi, em “Definições”, depois “Dados do sistema”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Veja o número do endereço IP e configure no app.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux-ip

O app é bem intuitivo e em pouquíssimos minutos você entende todo seu funcionamento. Muito prático e recheado de recursos.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Sempre utilizo o Kodi junto ao Kore, é uma dupla inseparável. Confesso que sua configuração pode confundir novos usuários, mas nada de outro mundo. Todas às vezes que utilizei o mesmo, não passei por problemas em sua configuração. Ao menos aqui, em todos esses anos, ele sempre reconhece de primeira. Recomendo o uso, já a alternativa para iOS, não posso comentar muito (não possuo um smartphone da marca).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

O poderoso DaVinci Resolve chega para Linux na versão 16 com várias melhorias!

Nenhum comentário

domingo, 25 de agosto de 2019

O poderoso editor de vídeos, software de correção de cores, pós-produção e tratamento de áudio da Blackmagic Design, o DaVinci Resolve, finalmente chega na versão 16 estável, depois de vários meses de testes com a versão Beta.







Eu venho utilizando o DaVinci Resolve para editar os vídeos do canal Diolinux no YouTube desde Fevereiro deste ano, aproximadamente, e percebo que consigo, com ele, entregar melhores resultados, e de forma mais eficiente para vocês. A melhor parte é que a versão grátis dele, ainda que não seja open source, consegue ser muito completa e eficiente para produtores de conteúdo profissional.

Destaques da versão 16 do DaVinci Resolve


A nova versão do DaVinci Resolve insere uma nova "Neural Engine", que utiliza redes neurais e tecnologias de "machine learning" para certas funções e efeitos, como reconhecimento de faces para tracking em composições, criação de efeitos de sincronização, super-escala e até mesmo, correção automática de cores.

Em se tratando de edição de áudio com o Fairlight, a configuração da forma com que as ondas sonoras aparecem foi aprimorada, para facilitar a sincronia com o vídeo, temos suporte para som tridimensional, processamento de voz, e vários outros detalhes menores, que visam agilizar a produção de conteúdo.

Novas ferramentas foram adicionadas para editar "key frames" para efeitos de vídeo ResolveFX, nas páginas de edição e de coloração. Algo nova da versão, é uma aba voltada para edição de vídeo em alta velocidade, ideal para quem produz vídeos para redes sociais diariamente.

Houve otimização na renderização de material no Fusion, o compositor do DaVinci Resolve, concorrente ao After Effects, e também à renderização de vídeo padrão, que já era excelente na versão 15.

Confira de forma detalhada todas as novidades:


Para baixar a nova versão, basta acessar o site da Blackmagic e fazer o download.

Se precisar de ajuda para instalar o Resolve no Linux, confira o nosso artigo especial sobre o assunto aqui.

Dúvidas sobre o DaVinci Resolve? Participe do nosso fórum. :)

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Parallels é a solução da Apple para rodar jogos de Windows no macOS

Nenhum comentário

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

O Parallels Desktop é uma das mais famosas aplicações do mundo do macOS para virtualização de sistemas operacionais, a versão atual traz suporte para o DX11 da Microsoft e permite uma virtualização de Windows mais otimizada do que a versão anterior.

Microsoft e Apple






A versão 15 do Parallels Desktop oferece suporte para DirectX 11 rodando sobre o Apple Metal, o que permite que agora a virtualização de Windows consiga rodar até 15% mais rápido, segundo os desenvolvedores.

Os desenvolvedores admitem que sempre que um sistema for virtualizado dessa forma, parte do desempenho não será aproveitado, especialmente em games, mas mesmo assim, essa mudança deve agradar as pessoas que querem usar o macOS para jogar, visto que o Proton ainda não funciona nativamente no macOS, como funciona no Linux.


Apesar de poder ser utilizado para games, a ferramenta é focada em produtividade, com ferramentas como o Microsoft Office, que mesmo possuindo uma versão para o macOS, muitas pessoas costumam preferir a versão que roda no Windows.

Atualmente existem outras ferramentas gratuitas para fazer este tipo de virtualização, como o VirtuaBox ou o VMWare, mas o Parallels é feito para o macOS e pensado para ser integrado com o sistema, como nos mostra o trailer acima. Esses benefícios não saem de graça, o aplicação tem ofertas diferentes, mas o valor para quem decidir compra-lo "para sempre" é de 100 dólares aproximadamente.

E no mundo Linux?


Atualmente existem muitas chances do seu jogo favorito de Windows rodar no Linux também, graças ao Proton e ao Wine, ou mesmo ao Lutris, que diferente de virtualização, usam uma tecnologia diferente, e fazem uma tradução, não criando um hardware virtual, mas fazendo o jogo pensar que está rodando no Windows. Por si só, isso já torna mais viável ser um gamer de Linux atualmente, do que um gamer de macOS.

Quando se fala em Virtualização, Linux tem muitas opções também, especialmente em ambientes robustos, onde o acesso a hardware é fortemente exigido, no entanto, a virtualização de ambientes 3D ainda é problemática, assim como no macOS.

VirtualBox, VMWare, e KVM, através de aplicações como o próprio VirtualBox ou o GNOME Boxes, são excelentes alternativas para manter a produtividade com aplicações Windows que você eventualmente necessite. Todo esse setup pode ser potencialmente gratuito e open source, tirando o próprio Windows, obviamente.

Você tem dúvidas sobre Virtualização? Participe do nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


KDE Connect no macOS e Windows! Isso mesmo! Você não leu errado!

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Praticidade é algo que sempre desejamos, indiferente do sistema operacional. Integrar Android e PC, ao menos que minimamente, é uma tarefa requisitada por muitos. No mundo Linux uma aplicação faz muito bem esse papel, seu nome é KDE Connect.

kde-connect-mac-windows-linux-android-app-smartphone-google

Ao instalar o Ubuntu sempre adiciono o KDE Connect em minha lista de aplicações. No Gnome, especificamente, uma boa pedida é utilizar a extensão GSconnect. Temos um post de instalação do KDE Connect e no caso do Ubuntu com Gnome, o GSconnect. Acesse a postagem e veja como utilizar o programa no Ubuntu e derivados. No entanto, o assunto de hoje é a integração do KDE Connect no Windows e macOS.

Google “contribuindo com KDE Connect”


A gigante das buscas é uma das muitas empresas que impactam o mundo open source. Seja com suas contribuições diretas, com auxílio no desenvolvimento ou dinheiro,como promoção. O curioso que desta vez, é que essa “contribuição” foi de forma indireta, através do Google Summer of Code 2019. Incentivados pela Google, diversos alunos são apresentados ao desenvolvimento de software open source. Esse programa permite que esses estudantes tenham maior contato com projetos abertos e em suas férias auxiliem no desenvolvimento de programas. Desde 2005, ano de sua criação, o Google Summer of Code reuniu mais de 14.000 estudantes e mais de 24.000 mentores ao redor do mundo inteiro. Num total, foram mais de 651 organizações de código aberto auxiliadas, e alguns estudantes estão trabalhando no KDE Connect para Windows e macOS.

KDE Connect no macOS


O Mac, por exemplo, possui o recurso de “continuidade” entre o macOS e o iOS. Essa função é muito interessante, porém, usuários de Android poderão sentir a necessidade de algo parecido. O KDE Connect no sistema da maçã, é uma boa solução.

Basicamente para utilizar o KDE Connect no sistema da Apple, você terá que ter as últimas versões (a partir do macOS 10.14 Mojave). Isso se o intuito for uma simples instalação de um DMG, versões inferiores também poderão fazer uso da ferramenta. No entanto, a construção (compilação do KDE Connect) deverá ser manual. Em breve versões estáveis serão lançadas, até lá os usuários de Mac devem acessar o KDE Binary Factory e obter o arquivo DMG.

kde-connect-mac-dmg-linux-android-app-smartphone-google

Baixe o KDE Connect para macOS, por este link.

Enfatizando que a opção disponibilizada atualmente precisa de permissão para execução de aplicativo de um desenvolvedor não certificado. Todavia é uma questão de tempo para não ser mais necessário esse passo em seu Mac. 

Caso queira mais informações sobre o KDE Connect para macOS, acesse o blog do estudante Weixuan Xiao, responsável por essa façanha.

KDE Connect no Windows


No Windows o KDE Connect pode ser compilado para sua utilização, porém, existem muitos problemas e plugins importantes sem suporte. Por esse motivo a versão para o sistema da Microsoft até hoje não foi considerada estável o suficiente para ser apresentada pelo projeto do KDE Connect. Mais uma vez um estudante, Piyush Aggarwal, participante do programa da Google, entra em ação e pretende resolver as atuais falhas e incompatibilidades.

A versão Windows ainda está em um estado mais “embrionário”, todavia Piyush vem, em seu blog, demonstrando os avanços em seu desenvolvimento. Eis um vídeo demonstrando um pouco do funcionamento do KDE Connect no Windows 10.


Mais informações podem ser obtidas no blog de Piyush, ele descreveu detalhadamente seus testes e resultados.

O app Android do KDE Connect está disponível diretamente na Google Play Store e F-Droid.

É muito interessante ver projetos de código aberto serem auxiliados por estudantes que, ao mesmo tempo que ganham expertise, contribuem com ótimas soluções. Com o Google Summer of Code, a Google proporciona a entrada de jovens profissionais no mundo open source.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


LibreOffice 6.3 lançado com melhorias de performance

Nenhum comentário

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

O LibreOffice é uma das suítes offices mais famosas no meu Linux e em outros sistemas. A cada lançamento sua interface vem sendo refinada e a compatibilidade com os formatos de arquivos fechados da Microsoft sendo refinados.

suite-office-libreoffiice-linux-windows-mac-documento-trabalho-slide-planilha-apresentação

O LibreOffice 6.3 traz melhorias na exportação e abertura de documentos, além de continuar o refinamento em seu visual, algo iniciado há algum tempo e que passou a estar disponível na versão anterior 6.2.

Outra importante mudança, que anteriormente tinha sido anunciada, é o fim de suas versões binárias de 32 bits para sistemas baseados em Debian ou Red Hat oferecidas pela The Document Foundation. No entanto, o suporte para sistemas desta arquitetura será mantido por mais alguns meses na versão atual 6.2, entretanto, a nova versão só está disponível para arquiteturas 64 bits. Inclusive é aconselhável que usuários em sistemas de produção, mantenham-se na versão 6.2, caso desejem maior estabilidade.

Comparado a versão 6.2, o LibreOffice 6.3 consegue exportar quase duas vezes mais rápido, enquanto ao abrir arquivos ODT no Writer, sua performance pode chegar a mais de 90% mais veloz. Melhorias na exportação de PDFe adicionado suporte para importar gráficos do DOCX (drawingML). Novidades, como uma janela de “dica do dia” ao iniciar o programa (uma vez por dia), um novo infobar (informando as notas de lançamento a cada nova versão), uma versão compacta da interface NotebookBar chamada de “Tabbed Compact” (auxiliando donos de laptops com pouco espaço), outra interface denominada “Contextual Single” (para Writer e Draw), e muito mais. 

Veja algumas novidades no vídeo demonstrativo:


A versão 6.3 receberá suporte por dez meses, com periódicas atualizações até 29 de maio de 2020. Você pode acessar seu site oficial para efetuar o download do LibreOffice.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


ONLYOFFICE lança atualização e adiciona novos recursos para a suíte office

Nenhum comentário

segunda-feira, 22 de julho de 2019

O ONLYOFFICE é a escolha de muitas pessoas para trabalhar com com documentos, planilhas e apresentações em alternativa ao LibreOffice ou Microsoft Office. Uma nova versão está disponível com novos recursos, vamos conhecer ela juntos?

ONLY Office






A atualização do ONLYOFFICE para Windows, Linux e macOS nos traz várias modificações, dentre elas, podemos destacar:

- Edição de imagem diretamente do aplicativo, sem necessidade de usar plugins de terceiros, sendo possível agora inverter, rotacionar, cortar, alinhar as imagens à páginas, em margens e em slides, com opções para aplicar shapes também;

- As fórmulas do aplicativo de planilhas do ONLYOFFICE receberam atenção, e agora temos algumas novas (ASC, BETAINV, HYPERLINK);

- Com a atualização 5.4, é possível que você imprima áreas selecionadas usando uma ferramenta desenhada para isso, garantindo maior precisão;

ONLYOFFICE editor de apresentações

- Outra novidade, sempre bem-vinda, é a melhoria de compatibilidade com arquivos do Microsoft Office, além disso, agora é possível salvar documentos como templates XML do MS Office, templates da Open Document Foundation e também em uma versão padronizada ISO de PDF chamada de PDF-A.

-  Você tem a possibilidade de inserir arquivos de áudio e vídeo nas suas apresentações usando os novos plugins audio&video;

- Outro recurso adicionado permite que você envie os seus documentos em anexo usando o plugin "Send". A integração atual permite usar Outlook ou Thunderbird;

- Agora o Chinês está disponível como linguagem de interface, somando as outras mais de 200 linguagens disponíveis.

Onde baixar o novo ONLYOFFICE?


O ONLYOFFICE é um software muito interessante, pois com ele você pode criar o seu próprio servidor para edição de texto, planilhas e apresentações, mas ele também pode funcionar offline com a versão para Desktop, você encontra todos os links de download no site oficial.

O ONLYOFFICE está disponível na Snap Store para Ubuntu e outras distros com suporte a ele:



Alguma dúvida? Participe do nosso fórum gratuitamente.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


O que leva um novo usuário desistir do Linux?

Nenhum comentário

quinta-feira, 11 de julho de 2019

Novos usuários que por algum motivo se aventuram em terras desconhecidas, ou para os mais íntimos, “o mundo do pinguim,”, acabam passando por situações nem sempre agradáveis. Uma parte acaba desistindo e passam a repudiar a plataforma, seja por uma desilusão ou não conseguirem moldar o sistema, como o que usava anteriormente. Hoje irei abordar alguns motivos que levam novos usuários a desistirem do Linux.


Em 2015 o Dionatan Simioni, simplesmente o “mandachuva do Diolinux” (😇😇😇), escreveu uma postagem com tema semelhante. Aconselho que leiam, e de fato algumas coisas também estarão presentes neste. No entanto, irei abordar conforme minha visão dos fatos e espero que você também enriqueça essa postagem comentando e dando seu ponto de vista.

“O início do fim”


O ser humano gosta de conforto e rotina, qualquer coisa que mude esse “modus operandi” irá nos causar aversão. Usar algo novo nos proporcionará um misto de sensações, como: medo, anseio, impotência, alegria, raiva, surpresa, fascínio, recordação, frustração entre outros sentimentos. A forma que canalizamos esses momentos ao descobrir um mundo novo, será um dos aspectos que ditará o fim ou início. Não é difícil identificar usuários que se tornarão amargurados com a experiência de utilizar Linux. Quantas vezes você já não viu alguém procurando uma distribuição Linux igual ao Windows? Não estou dizendo em uma interface que tenha a lógica de funcionamento semelhante, mas sim pessoas que querem um Linux como o Windows. Seja na instalação e seleção de softwares, atualizações, interface, atalhos, comportamento, sistema de arquivos e tudo mais. Usuários que não mudam essa mentalidade, estão fadados a abandonarem o Linux. A premissa é muito simples: “Por que usar Linux, se o que na realidade você quer é utilizar outro sistema?”, no caso o Windows. Talvez por características e vantagens que o Linux possua, porém, nada é só vantagens ou só defeitos. Aventurar-se ao novo requer uma mudança de paradigmas, e isso não é para qualquer um.

Instalação do sistema 


Ao contrário do Windows e macOS o Linux não está presente pré-instalado no ato da compra de um hardware geralmente, claro que existem exceções, mas isso, querendo ou não, acaba dificultando parte do processo. “Obrigatoriamente” um novo usuário, ou terá que solicitar a instalação por meio de terceiros, ou fazer por conta própria. Essa já é uma primeira barreira, instalar uma distribuição “na cara e na coragem”. 

Vejo muitos usuários de Windows usarem isso como o “xeque-mate”, mas lembre-se que o mesmo ocorre com o Windows. A diferença é que qualquer “técnico de esquina” instala uma cópia pirata do sistema da Microsoft, enquanto, outros nem ao menos sabem o que é Ubuntu. Atualmente instalar uma distro como Ubuntu, Linux Mint, Deepin, etc; não é uma tarefa complicada, isso no modo automático. Lembrando que estamos falando de um novato, que não conhece nada de Linux. Procedimentos, como: criar pendrive bootável, desativar secure boot, verificar se está em modo UEFI ou Bios LEGACY, são coisas que exigirão pesquisas e alguns tutorias no Youtube.

Opções, muitas opções, qual sistema escolher?


Uma das características que mais gosto no Linux, é tido como defeito e qualidade: ter muitas opções. Isso possibilita utilizar a distribuição que mais se aproxime ao seu perfil ou confundir os novatos (“uma via de mão dupla”). Um usuário despercebido e que não “manje nada de Linux” pode até ficar confuso com tantas distribuições, todavia, uma se sobressai entre as outras. Claro, que não digo que ela é a melhor, simplesmente é a que quase todo novo usuário inicia. Estou falando do Ubuntu. Seja por sua vasta documentação, blogs, tutoriais, canais no Youtube e tudo mais. O Ubuntu aparecerá logo ao pesquisar por alguma solução para Linux, e provavelmente ele será o primeiro sistema em que os novos usuários ouvirão ou irão se aventurar. No entanto, é inegável que a quantidade assombrosa de sistemas Linux podem tornar a escolha bem difícil para alguns usuários.

Incompatibilidade com hardwares 


Nesses anos que utilizo Linux, não me recordo de ter passado por este problema, mesmo no início em que sempre estive preocupado com incompatibilidades, “nunca fui agraciado” com esse tipo de situação (sempre pesquiso bastante antes de adquirir algum hardware, isso pode contribuir). Talvez um device ou hardware muito datado, ou uma placa wifi muito específica, acabem tirando o sono de algumas pessoas ao tentar instalar uma distro. Diversos fóruns estão com tópicos do tipo: “minha placa wifi não funciona em distro tal”, “impressora y não funciona no Linux”, “não consigo jogar com o driver proprietário de placa x” e por aí vai…

Catálogo de programas indisponíveis para Linux


Outra barreira que acaba desestimulando o uso de Linux, são alguns softwares inexistentes na plataforma. Esse assunto é bem delicado, pois, a “culpa” não é do Linux em si (se é que existem culpados). Algumas empresas julgam sem necessidade um porte ou desenvolvimento de seus programas para outros sistemas. Um exemplo bem expressivo é a Adobe, com sua suite de criação. 

Quando o assunto é Adobe, logo aparecem usuários dizendo: “Você pode utilizar o Gimp” ou “Existe o Kdenlive, Blender, DaVinci Resolve”. Digamos que não é tão simples assim, e dependendo do caso, nem sempre o usuário pode migrar de programa.

Gamers e suas dificuldades no Linux 


Jogar no Linux não é “um bicho de 7 cabeças”. Houve uma tremenda evolução nestes últimos anos, e muitos títulos se fazem presentes no sistema do pinguim. Se há alguns anos era impossível jogar games, como: GTA V, The Witcher 3, Overwatch, Dota 2, Counter Strike entre outros. Atualmente não é mais assim, porém, mesmo com inúmeros games nativos, SteamPlay (que permite executar games do Windows no Linux), nem sempre a tarefa será das mais amigáveis. Alguns jogos não irão funcionar de primeira, sendo preciso alguns ajustes. Sites, como o ProtonDB e tutoriais ensinando alguns parâmetros, podem facilitar o processo, mas isso vai exigir algumas tentativas e erros. 

Para jogos que façam uso de Wine, Proton (SteamPlay), dependendo do hardware a performance pode ser prejudicada e visivelmente afetando a gameplay. Anteriormente abordei o caso de programas que não funcionam no Linux, e com jogos não é diferente. Dependendo do game em questão, a única solução será manter um dualboot, abandonar o jogo ou desistir do Linux (ao menos momentaneamente). O que mais me impressiona nesta história, é a capacidade do Linux rodar jogos do Windows de maneira que parece algo nativo. Obviamente que isso dependerá do seu hardware e do jogo. Um aspecto que atrapalha o funcionamento destes games no Linux são os anti-cheats, na qual já abordamos em outra postagem.

Tipos de pacotes, particularidades do sistema e nomenclaturas 


Talvez esse seja o ponto em que os novatos mais se atrapalham. O que é um Flatpak, Snap, AppImage, apt, dnf, tray, repositório, etc, etc, etc. São tantas novidades que ou das duas uma: “o cara fica doido e sai correndo” (😜😜😜) ou começa a refletir do porquê disso e começa a aprender. Para usuários que querem um Linux igual ao Windows, a jornada acaba aqui. Para quem entende que é algo novo e aceita a realidade, que “não sabemos de tudo”, a jornada apenas começou. Esse passo exige muita humildade, pois, é de nossa natureza, querer ser o melhor. Aceitar que novas situações, experiências, tecnologias nem sempre estarão em nossos plenos domínios, evita frustrações, nos condicionando para o aprendizado. Tudo isso irá depender do usuário, e não do novo sistema. Algo que quero salientar é: que usuário é diferente de administrador de sistema. Não é obrigado a aprender tecnicamente como as coisas funcionam, apenas tirar proveito da tecnologia e utilizar em seu dia-a-dia. Uma coisa que nem sempre acaba acontecendo, os usuários de Linux acabam criando um apreço e mesclando entre serem “usuários e administradores”. Gosto de chamar esse grupo de “usuário intermediário”, que é aquele cara que não chega a ser um administrador pleno, mas que sabe muito e por vezes administra sozinho seu sistema. Se você chegou a este ponto, dificilmente desistirá do Linux.

Comunidade áspera 


Por muito tempo a comunidade Linux recebeu este rótulo, uma comunidade ácida e que espantava os iniciantes e suas “perguntas burras”. O motivo da existência de vários blogs, sites e canais do Youtube, em parte, foi devido a essa conduta repugnante. Sendo sincero, felizmente nunca passei por uma situação humilhante em algum fórum ou grupo. O motivo? Não participava de nenhum, e sempre quando me permitia a navegar por essas águas, observava tais atrocidades. Sempre fui um lobo solitário, buscando resolver meus próprios problemas. Por conta disso, perdi oportunidades de conhecer pessoas que realmente se importavam com os outros. Sei que a acidez de algumas comunidades já afastaram muitos usuários, algumas pessoas não compreendem que começamos do início, por mais estranho que isso possa soar. Enfim, pessoas sensatas estão levantando grupos que realmente fazem a diferença, fóruns que não menosprezam os iniciantes e que na possibilidade de algum “sem noção” ofender alguém, logo ignoram esse indivíduo, e é claro que, isso não se restringe a grupos que falam sobre Linux ou Software Livre e Open Source, é possível ver comportamentos similares em qualquer grupo “rival”, sobretudo no mundo da tecnologia, Intel e AMD, Nvidia e AMD, Xbox e Play Station, Samsung e Apple, etc; etc.

Ideias radicais


Você já ouviu pessoas dizerem a palavra “Ruindows”? Algumas falam em tom de gozação e em círculos com amigos, assim como sempre brinco e falo “Linûx” ou “que Linux não tem jogos”. O problema que algumas realmente pensam assim. Na realidade não tiro o direito de pensarem nesse tipo de coisa, vejo como reprovável quando querem empurrar esse pensamento “goela abaixo”. Muitos usuários nem sequer experimentam Linux, por acreditar que seus usuários são assim. Esse tipo de comportamento também ocorre em outros usuários de sistemas distintos. Não é raro ver alguns usuários do Windows espalhando lorotas de que: “Não tem como ser gamer e usar Linux” ou “Linux é coisa de comunista/fascista”. Muita desinformação ronda a internet.

Minha singela conclusão


Linux é um ecossistema que proporciona muitas vantagens e facilidades de uso, entretanto, “nem tudo são flores”. Existem defeitos, dificuldades e uma provável obrigatoriedade na mudança de sua rotina ou algumas ideias e pensamentos. Longe de ser algo ruim, apenas diferente, não existe certo ou errado nisso. Caso o programa no qual você “ganha seu suado pão” não esteja presente, não é crime algum não migrar ou deixar de utilizar o Windows, por exemplo. Aquele jogo que você mais gosta não está no Linux, ou não existe a possibilidade de jogá-lo. Não há problema em não fazer um dualboot. Sim, existem nomenclaturas e conceitos um pouco confusos, mas é absolutamente comum sentir-se desorientado ao iniciar em algo novo. Aprenda o essencial, minha esposa, por exemplo utiliza Linux e não sabe o que é um Flatpak. Ela simplesmente abre a loja do Linux Mint e instala o que quer. Minha mãe nem sabe o que é Linux, Windows, ou seja lá o que for e usava Ubuntu (😂😂😂). Mesmo criança meu irmãozinho utilizava, agora adolescente passou a vasculhar e fazer coisas sem ao menos me pedir ajuda. Recentemente ele resolveu um problema de um jogo via SteamPlay, descobriu sozinho alguns comandos do winetricks que solucionaram o bug no game e fez algo que tentei por algumas semanas sem resultado.

Os motivos abordados neste post, são os que julgo serem os principais a desmotivarem o uso do Linux para novos usuários. Fique a vontade para expor suas ideias, claro, sendo complacente com a opinião alheia. Não ofenda ou empurre seu ponto de vista, isso só gera brigas e não uma verdadeira e saudável discussão.

Para quem precisa de uma comunidade “mente aberta”, considere participar de nosso fórum Diolinux Plus. Não importa se usa Windows, macOS, iOS, Android, Linux seja o que for. O intuito do Diolinux Plus é auxiliar os usuários e promover debates de ideias de alto nível, sem picuinhas ou brigas de ego.

Até o próximo post, que hoje o assunto rendeu (😁😁😁), compartilhe esta postagem, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Top 3 melhores apps de captura de tela no Linux

Nenhum comentário

sábado, 6 de julho de 2019

Há quem prefere simplesmente fazer uma captura de tela, entretanto, outros usuários querem mais. Tem horas que uma mera ilustração não resolve, e você terá que “desenhar” para que o outro não fique com dúvidas. Quase soa como aquele ditado “você quer que eu desenhe?”. Nesses momentos, uma ferramenta com mais recursos é uma boa solução.

captura-tela-linux-mac-windows-ksnip-flameshot-deepin-screenshot-foto-monitor-printscreen-captura-janela-appimage-deb-rpm-fedora-ubuntu-mint-arch-manjaro

Antes de apresentar meu top 3, quero deixar claro que não estou colocando em ordem de “o melhor para o pior”. Na realidade as 3 opções se parecem bastante, mesmo mudando sua forma de trabalho, o resultado será praticamente o mesmo.

Flameshot


O Flameshopt esbanja praticidade e facilidade em seu uso, inclusive temos um post dedicado a ele. Você poderá adicionar setas, formas geométricas, texto, ocultar informação, selecionar apenas o desejado, mudar as cores dos objetos inseridos e muito mais. Para instalar o Flameshot em sua distribuição, acesse o post que citei anteriormente. O Flameshot também está na maioria dos repositórios.

captura-tela-linux-mac-windows-ksnip-flameshot-deepin-screenshot-foto-monitor-printscreen-captura-janela-appimage-deb-rpm-fedora-ubuntu-mint-arch-manjaro

Caso esteja no Ubuntu, Mint ou derivado, utilize o comando para instalar:

sudo apt install flameshot

Instalação no Fedora:

sudo dnf install flameshot

Instalação no Manjaro, Arch:

sudo pacman -S flameshot

Ksnip


A vantagem do Ksnip sobre os outros desta lista é ser multiplataforma, assim, não importa se você está usando Linux, Windows ou macOS. Sua lógica de funcionamento é a mais peculiar. Ao invés de aplicar as alterações “em tempo real” durante a captura de tela, o programa primeiro faz a screenshot para depois dar a possibilidade de adições de elementos. Você pode baixar o Ksnip diretamente de seu Github. Para Linux existem 3 opções: DEB (Debian, Ubuntu e derivados), RPM (Fedora, openSUSE, etc) e o pacote em AppImage. Este último com a vantagem da portabilidade, sem a necessidade de instalação, além, de rodar em diversas distribuições. Caso não saiba como executar esse tipo de formato, acesse essa postagem.

captura-tela-linux-mac-windows-ksnip-flameshot-deepin-screenshot-foto-monitor-printscreen-captura-janela-appimage-deb-rpm-fedora-ubuntu-mint-arch-manjaro

Deepin Screenshot


A próxima aplicação da lista, confesso que depois que passei a usar não consegui ficar sem, é o Deepin Screenshot. Uma ferramenta simples, mas bem completa. Também possui funcionalidades de: adição de formas geométricas, setas, blur, texto, seleção de área específica, etc. O Deepin Screenshot vem nativamente em sua distribuição de origem, como esperado, mas a aplicação encontra-se na maior parte das distribuições Linux. No caso do Ubuntu 18.04 e superior, Linux Mint 19 e superior, Fedora 30 e superior, por exemplo. Pesquise por “Deepin” na loja de seu sistema e verá o programa. 

captura-tela-linux-mac-windows-ksnip-flameshot-deepin-screenshot-foto-monitor-printscreen-captura-janela-appimage-deb-rpm-fedora-ubuntu-mint-arch-manjaro

Caso esteja no Ubuntu, Mint ou derivado, utilize o comando para instalar:

sudo apt install deepin-screenshot

Instalação no Fedora:

sudo dnf install deepin-screenshot

Instalação no Manjaro, Arch:

sudo pacman -S deepin-screenshot

Curiosamente as 3 aplicações são desenvolvidas em Qt, e fica ao seu critério qual utilizar. O Flameshot destaca-se na quantidade de opções e por adicionar um ícone na bandeja de seu sistema. Já o Ksnip é uma escolha perfeita para quem utiliza mais de um sistema e gostaria da mesma aplicação em ambos. Outro ponto, é sua forma peculiar de funcionamento. Podendo agradar a uns e outros não. Por fim, o Deepin Screenshot preza por simplicidade e tem a comodidade de estar na maioria dos repositórios oficiais. Claro, que com ambas as ferramentas você poderá criar capturas de telas mais elaboradas de forma prática. Os tutoriais que escrevo para o blog Diolinux são com o auxílio do Deepin Screenshot. Em eventuais manutenções ou auxílios, já cheguei utilizar a ferramenta.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Atualização do VLC corrige falha grave de segurança

Nenhum comentário

domingo, 30 de junho de 2019

O VLC Player, é uns dos mais famosos players de música e vídeo entre as plataformas. Tanto que existem versões dele para Linux, Android, macOS, iOS,  Windows e até além disso, como mostra o site oficial. Reproduzindo quase todos os formatos do mercado, só ficando de fora alguns muitos específicos.

Atualização do VLC corrige falha grave de segurança





Por ser bem popular, ele acaba recebendo ataques corriqueiramente, das mais diversas formas. Com esses ataques, foram descobertas duas vulnerabilidades no aplicativo, que poderiam dar alguma dor de cabeça aos usuários, sendo assim, a atualização é recomendada.

A primeira foi a CVE-2019-5439, que segundo o relatório do NIST ( National Institute of Standards and Technology) informa, existia uma vulnerabilidade que pode “estourar” o buffer no VLC Media Player <3.0.7, causando uma falha que pode se acarretar em uma execução remota de código.

Já a segunda, é a CVE-2019-12874, que segundo o NIST, é “Um problema que foi descoberto em zlib_decompress_extra in modules/demux/mkv/util.cpp no ​​ VLC media player 3.x até 3.0.7. O demuxer Matroska, enquanto analisa um tipo de arquivo MKV mal formado, tem um double free.

Isso rendeu um posto do Jean-Baptiste Kempf, presidente da VideoLAN, em seu blog, falando sobre essas e as outras 31 vulnerabilidades.

Então se possível, atualize o seu VLC o mais breve possível.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Conheça o editor de imagens vetoriais Boxy SVG

Nenhum comentário

segunda-feira, 24 de junho de 2019

O editor de imagens vetoriais Boxy SVG tem como foco, usuários “não técnicos”, bem como designers e desenvolvedores profissionais. Com uma interface inspirada em programas conceituados, Inkscape, Sketch e Adobe Illustrator. O Boxy SVG tem como premissa ser simples, familiar e completo. Sejam trabalhos como, criação de ícones, banners, gráficos ou ilustrações, a ferramenta “quer entrar no páreo entre os atuais gigantes do desenho vetorial”.

boxy-svg-inkscape-adobe-illustrator-sketch-icone-imagem-vetorial-banner-site-layout-web-design-linux-windows-chrome

O programa é proprietário e conta com versões para Linux, Chrome OS, macOS, Windows e até um web app. Algumas características do Boxy SVG, são:

  • Interface limpa e intuitiva;
  • Interface inspirada em softwares conceituados no mercado (Inkscape, Sketch e Adobe Illustrator);
  • Compatibilidade total com o formato aberto SVG;
  • Possibilidade em salvar os arquivos em SVG e SVGZ;
  • Exportação em PNG, JPG, WebP, PDF e HTML5;
  • Integração com o site/banco de imagens Pixabay;
  • Integração de fontes do Google;
  • Guias manuais, guias inteligentes e grade;
  • Operações de caminho (unir, cruzar, subtrair, excluir, fechar, inverter, etc.);
  • Operações de organização (alinhar, girar, inverter, ordenar, agrupar, etc.).

boxy-svg-inkscape-adobe-illustrator-sketch-icone-imagem-vetorial-banner-site-layout-web-design-linux-windows-chrome

Outro aspecto que podemos observar no Boxy SVG é seu foco em desenvolvedores web, facilitando a criação dos layouts e sites. Para esse público alvo, alguns pontos importantes podem ser evidenciados, como:

  • Mecanismo de renderização baseado em cromo;
  • Inspetor de código SVG e CSS semelhante ao Chrome Dev Tools;
  • Limpeza da saída SVG, preservando as IDs, classes, títulos e outros metadados;
  • Suporte de edição de sprites em SVG.

boxy-svg-inkscape-adobe-illustrator-sketch-icone-imagem-vetorial-banner-site-layout-web-design-linux-windows-chrome

Instalando o Boxy SVG


Como anteriormente mencionado, o software é multiplataforma. Acesse o site oficial do Boxy SVG, nele você encontrará os links para cada sistema. A versão Linux está no formato Snap.

boxy-svg-inkscape-adobe-illustrator-sketch-icone-imagem-vetorial-banner-site-layout-web-design-linux-windows-chrome-snap-ubuntu

Caso ainda não possua o Snap configurado em seu sistema, essa postagem demonstra como é simples esse passo. Para usuários do Ubuntu, basta pesquisar na loja e efetuar a instalação normalmente.

boxy-svg-inkscape-adobe-illustrator-sketch-icone-imagem-vetorial-banner-site-layout-web-design-linux-windows-chrome-snap-loja-ubuntu

Se preferir instalar via terminal ou a loja de sua distribuição não possuir integração com os pacotes Snap, também é muito simples:

Comando para instalar:

sudo snap install boxy-svg

Comando para remover:

sudo snap remove boxy-svg

Utilizei o Boxy SVG e efetuei diversos testes, e mesmo não sendo um artista profissional não encontrei muitas dificuldades com a interface do programa. Claro, que uma adaptação pode ser necessária. No meu caso utilizo o Inkscape para compor as personagens do OSistemático e com o Boxy SVG as coisas não são exatamente iguais ao Inkscape. Isso é bom, mesmo com forte inspiração nele e outros programas vetoriais, o Boxy SVG tem sua própria identidade.

A questão é: você substituiria o programa que usa atualmente pelo Boxy SVG? Vale o teste, porém, a migração no meu caso não (já não sei quanto ao seu 😁😁😁).

Participe de nosso fórum Diolinux Plus, se gosta de desenho vetorial, lá encontrará outros artistas…

Até o próximo post, como sempre, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo