Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador macos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador macos. Mostrar todas as postagens

Dropbox Transfer, o concorrente do Firefox Send, disponível para todos usuários

Nenhum comentário

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Pensando em transferir arquivos de forma descomplicada? O Dropbox acaba de lançar seu serviço de compartilhamento para concorrer com o Firefox Send e o WeTransfer.

dropbox-transfer-firefox-send-wetransfer-compartilhamento-shared-link-web-arquivos-download

Serviços de compartilhamento e transferência de arquivos estão cada vez mais se tornando comuns, ainda mais com a crescente onda de trabalhos à distância. E estou falando de todo tipo de trabalho, seja ele remunerado ou alguma atividade em grupo. Transferir arquivos acaba por ser bem prático, ao invés de sempre contar com um pendrive. Melhor estar precavido em casos que o uso de alguma mídia física seja possível, aliás, melhor ter um “plano b” (quem sabe um “c” 😋️😁️😉️). Já em ocasiões em que não é possível utilizar meios físicos, tais soluções são perfeitas.

No lançamento da solução da Mozilla, abordamos em um artigo que você pode conferir acessando este link. Desde seu anúncio de lançamento, venho fazendo uso do Firefox Send, e agora o Dropbox disponibiliza sua alternativa. Serviços destinados à rápidos compartilhamentos, são conhecidos, outro bem famoso é o WeTransfer.

Chamado de Dropbox Transfer, a solução do Dropbox também é gratuito e conta com alguns diferenciais. Depois de um longo período em fase beta, cerca de uns quatro meses, enfim está disponível para todos os usuários. Quando anunciado, comentamos sobre a solução e demonstramos alguns de seus aspectos.

dropbox-transfer-firefox-send-wetransfer-compartilhamento-shared-link-web-arquivos-download

Para adicionar os arquivos e compartilhá-los com terceiros, é obrigatório possuir uma conta no Dropbox. A mesma pode ser a versão gratuita, já quem recebe o link para download não precisa possuir conta. As transferências têm validade de sete dias após o envio na versão free do Dropbox, para usuários Professional 30 dias, Business Advanced 60 dias e Enterprise ou Education pode durar até 90 dias.

dropbox-transfer-firefox-send-wetransfer-compartilhamento-shared-link-web-arquivos-download

O tipo de conta também interfere no tamanho máximo de envio de cada arquivo, indo de 100 MB para o básico e aumentando para 2 GB (Plus e Business Standard), chegando aos 100 GB para contas Professional, Business Advanced, Enterprise e Education.

Você pode acessar o anúncio de lançamento no blog oficial do Dropbox por este link.

Para fazer uso do Dropbox Transfer, basta acessar por aqui e logar com sua conta do Dropbox.

O serviço, por enquanto, pode ser acessado via web ou pelo app do Dropbox no iOS. Provavelmente a aplicação desktop e sua versão Android recebam o recurso em breve.

Cada alternativa tem seus prós e contras, como mencionei venho utilizando o Firefox Send e agora tenho mais um para testar e analisar os pontos forte e fracos. 

Usa esse tipo de serviço, o que achou do Dropbox Transfer? Deixe nos comentários sua opinião e participe de nossa comunidade Diolinux Plus para sempre ficar por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Dropbox.


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

LibreOffice e GIMP são vítimas da “maldição do macOS Catalina”

Nenhum comentário

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

LibreOffice e GIMP estão entre as vítimas da “maldição Catalina”, assim como alguns programas no novo macOS, usuários estão enfrentando problemas.

macos-libreoffice-gimp-segurança-catalina-monaje-mac-apple-mackbook-gatekeeper

O macOS 10.15 Catalina foi lançado recentemente, com algumas novidades em suas aplicações, recursos e visual. Contudo, alguns inconvenientes provindos da nova política da Apple, que visa proteger seus usuários que utilizam softwares de terceiros, aborrecem usuários e desenvolvedores. 

Para mais detalhes do lançamento do macOS Catalina 10.15, assista o vídeo do MacMagazine, especializado em conteúdos voltados ao mundo da maçã.


Antes de adentrar ao assunto desta matéria, confira um vídeo na perspectiva de alguém que usa Linux diariamente ao utilizar o sistema operacional da Apple. É interessante notar as experiências que um usuário habituado ao Linux, possa ter com o sistema da maçã.


“Maldição Catalina”


Apelidado por vários usuários mac, como “maldição Catalina/maldição do Catalina” a forma que a Apple resolveu proteger seu sistema de possíveis ameaças vem ocasionando alguns transtornos para donos de computadores da empresa. Ao menos usuários sem conhecimento de tais mudanças e que estão sendo pegos de surpresa.

No início do mês a Apple lembrou aos desenvolvedores, por meio de nota, que os aplicativos da App Store e de fora, deverão ser autenticados para serem executados por padrão no macOS Catalina. Caso esses softwares não autenticados pela Apple sejam utilizados no sistema, avisos e alguns erros em seu funcionamento, poderão ocorrer.

“Para proteger ainda mais os usuários no macOS Catalina, estamos trabalhando com desenvolvedores para garantir que todos os softwares, distribuídos na App Store ou fora dela, sejam assinados ou autenticados pela Apple. Isso dará aos usuários mais confiança de que o software que eles baixam e executam, independentemente de onde eles o obtêm, foram verificados quanto a problemas de segurança conhecidos”.

Os desenvolvedores então são convidados a autenticarem suas aplicações perante a empresa, assim conseguindo um certificado digital de desenvolvedor, enviando seus aplicativos para avaliação. Após ser atestada a segurança do app, um ticket virtual é adicionado ao executável que o aprova perante o Gatekeeper (o recurso de segurança do macOS que verifica se os programas são seguros para execução).

Contudo, ao tentar executar o LibreOffice no macOS Catalina, uma mensagem com apenas duas opções é apresentada aos usuários, sendo elas: “Mover para lixeira” e “Cancelar”

macos-libreoffice-gimp-segurança-catalina-monaje-mac-apple-mackbook-gatekeeper

A equipe do LibreOffice afirma que “seguiu devidamente as instruções” e que o programa “foi reconhecido pela Apple”. Você pode ver essa alegação diretamente no blog oficial da The Document Foundation, responsável pelo LibreOffice. 

No link acima, a equipe do LibreOffice demonstra como contornar essa situação, enquanto tudo não é resolvido. Se você é usuário de macOS e gosta do LibreOffice, talvez seja interessante proceder conforme eles informam.

Outros softwares vêm enfrentando alguns problemas, devido a esse novo funcionamento do sistema, o programa de edição de imagens GIMP também entra na lista. Especificamente em seu caso, alguns problemas de permissão começam a aparecer ao tentar acessar arquivos em locais, como Área de trabalho e Documentos.

macos-libreoffice-gimp-segurança-catalina-monaje-mac-apple-mackbook-gatekeeper

Uma das hipóteses deste mau funcionamento, é que a devida janela de diálogo não está sendo chamada, ocasionando este bug. Usuários estão contornando esse empecilho, utilizando o GIMP via terminal e acessando seus arquivos desta mesma forma. Para mais detalhes, acesse o tópico de discussão de usuários da Apple.

A “maldição Catalina” não está apenas sob programas de código aberto, pelo contrário, softwares proprietários também estão sendo afetados. Um exemplo que posso citar é quanto ao app de configuração/gestão de mouse e teclados o Logitech Options, que precisa de uma série de passos para funcionar adequadamente no sistema.

Enfim, a medida de segurança é bem interessante, entretanto não parece ter sido implementada satisfatoriamente. Há quem diga que forçar tal segurança é um erro da empresa, e vários amantes da Apple estão aconselhando e atrasando as atualizações de seus sistemas. 

O que você acha sobre esse assunto? Deixe nos comentários a sua opinião.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, e compartilhe nosso conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do VirtualBox tem suporte ao Kernel Linux 5.3, e várias outras melhorias

Nenhum comentário

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

O VirtualBox é, sem dúvidas, o software de virtualização mais utilizado do mercado. A popularidade não é à toa, já que além de ser um dos melhores, se não o melhor software do segmento, o mesmo é frequentemente atualizado com correções de bugs e adição de novas funcionalidades.

nova-versao-do-virtualbox-suporta-kernel-linux-5.3-e-muito-mais

No último dia 15 foi divulgado em seu site oficial o lançamento da versão de número 6.0.14, que conta com suporte ao Kernel Linux 5.3, e várias outras melhorias para os três sistemas operacionais: Linux, Windows e MacOS.

Se você tem dúvidas sobre o que é, como funciona ou como utilizar o VirtualBox, temos um excelente artigo “sistematicamente” escrito pelo HenriqueAD, que irá tirar muitas, ou todas as suas dúvidas. :)

Correções multiplataforma


Correções foram feitas no “core” de virtualização do software. A nova versão do VirtualBox agora terá um melhor suporte para sistemas com vários processadores. Também foi corrigido um bug que fazia com que, em raras ocasiões, máquinas virtuais salvas em “save state”, e hospedadas em máquinas com CPUs Intel, não iniciassem mais.

Também foi corrigida uma falha em potencial, que fazia com que o sinal de rede fosse interrompido sem motivo aparente em sistemas convidados instalados em UEFI. Continuando com as correções multiplataforma, foi removida uma falha que fazia com que alguns aplicativos fechassem, e a interface “flickasse” (partes da tela piscavam) ao utilizar os adaptadores de vídeo “VBoxSVGA” e “VMSVGA”.

Correções no MacOS e Windows


No MacOS foi corrigido um bug que fazia com que a VM fechasse inesperadamente, principalmente na versão 10.15 Catalina. Já em hospedeiros Windows, a captura de dispositivos USB que antes costumava apresentar falhas em determinadas situações, tornou-se mais confiável.

Correções em sistemas Linux, hospedeiros e convidados


Como mencionado anteriormente, foi adicionado suporte a versão 5.3 do Kernel Linux. Também foi aprimorada a detecção da versão do Python instalada no sistema hospedeiro durante a criação de pacotes RPM, o que deve alterar algumas dependências e assim evitar alguns erros durante a instalação.

Foi corrigido um bug que forçava a desmontagem de pastas compartilhadas entre os sistemas convidado e hospedeiro, e também aprimorada a compatibilidade com sistemas convidados rodando o ALSA com emulação AC’97. Por fim, foi adicionado suporte ao Red Hat Enterprise Linux 7.7 e 8.1 Beta, bem como ao CentOS e Oracle Linux 7.7.

Considerando que a versão anterior foi lançada cerca de um mês antes desta, o número de aprimoramentos apresentado não é de se reclamar. Todavia, mesmo sendo muito popular e poderoso, o VirtualBox não é o único virtualizador disponível internet a fora. Também existem outras excelentes opções.

Dito isso, gostaríamos de saber qual virtualizador você utiliza, e quais você acha que merecem ser testados, e ter um artigo sobre eles aqui no blog. Diga nos comentários, e ajude-nos a divulgar o que é bom.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉

______________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

FlightGear: um simulador de vôo open source

Nenhum comentário
Simuladores de vôo são softwares incríveis, extremamente complexos, muito divertidos e educativos, especialmente para entusiastas da aviação. Hoje lhes apresentarei o FlightGear. Um simulador de vôo open source, multiplataforma, e extremamente completo.


Usuários do FlightGear podem usufruir de quase 7500 aeroportos ao redor de todo o planeta, mais de 1200 liveries (pinturas de aeronaves) diferentes, e quase 500 diferentes modelos de aeronaves, incluindo aviões civis de pequeno e grande porte, helicópteros, e jatos militares. Tudo isso completamente de graça.

No launcher próprio do software, antes mesmo de iniciar o simulador em si, você já começa a perceber o nível de completude do FlightGear. A primeira tela exibida mostra qual é a aeronave e aeroporto selecionados no momento, bem como alguns detalhes das configurações.


Explorando um pouco mais, na aba “Aircraft”, você já tem uma lista com centenas de aeronaves disponíveis para download e instalação, o que pode ser feito com apenas um clique.


Dentre todas as aeronaves que já testei, indicarei à vocês três, que são as minhas preferidas. Para aqueles que querem um desafio menor, com um avião menor, uma ótima pedida é o Cessna 172P Skyhawk. Para aqueles que querem voar com grandes aviões, mas ainda estão começando, minha sugestão é o Boeing 777. Já para aqueles que querem um desafio muito maior, e o mais próximo possível da realidade, minha sugestão é o mais realista de todos, Boeing 707.

Lembrando que para que essas aeronaves apareçam na lista, primeiro você deve ativar o repositório oficial do FlightGear na aba “Addons” (assunto que abordaremos mais adiante).


Na aba “Location” pode-se escolher em qual aeroporto, pista ou estacionamento você quer que o simulador inicie, o quê significa praticamente qualquer aeroporto do mundo. Para escolher o aeroporto você pode pesquisar pelo código ICAO, ou nome do mesmo no campo de busca. No exemplo acima, estou pesquisando pelo aeroporto de Guarulhos, que pode ser encontrado pelo código ICAO, que é “SBGR”. Ou simplesmente pesquisando por “Guarulhos”.


Na aba “Envinroment” temos algumas funcionalidades muito interessantes. Aqui podemos escolher a hora do dia em que queremos fazer o nosso vôo, o quê pode ser manhã, tarde, noite, entardecer, amanhecer, ou a hora real do local escolhido. 

Também podemos escolher e estação do ano, verão ou inverno, o que influenciará nas texturas do jogo. Por exemplo, adicionando neve em locais nos quais neva durante o inverno.

A opção “Advanced Weather Modeling” nos dá uma simulação climática mais detalhada baseada no terreno e local. Alterando coisas como direção e velocidade do vento, pressão atmosférica, entre outras.

Selecionando “Real-World Weather” o FlightGear utilizará informações em tempo real de como está o clima no local em que você está.

Além das opções acima, você também pode escolher uma condição climática específica, como: ensolarado, neve, tempestade, chuva pesada, tempestade de raios, e muito mais.


A aba “Settings” nos dá muitas opções de configurações, então falarei apenas daquelas que considero mais importantes.

É possível conectar-se a servidores multiplayer, onde você poderá encontrar e conversar com pessoas do mundo todo voando no FlightGear. Bem como ver qual o tipo de aeronave, velocidade, altitude e plano de vôo da pessoa em questão.

A opção “Download scenery automatically” ativa uma funcionalidade chamada “TerraSync”. Com a TerraSync ativada, o FlightGear faz download automático e em tempo real do local onde você está, para onde está indo e por onde está passando. Desta forma o usuário não precisa se preocupar em baixar todos os cenários e instalá-los manualmente. E é claro que, para a maioria das pessoas também não seria muito bom se todos os mais de 100GB de cenários já estivessem incluídos durante a instalação do software.

Se tratando de configurações gráficas, não temos tantas opções como em jogos normais. Aliás, simuladores de vôo definitivamente não são jogos. No FlightGear podemos selecionar um nível de AntiAliasing em até 4x, e escolher entre três renderizadores diferentes.

O renderizador padrão não possui grandes efeitos visuais, mas é mais leve e garante a compatibilidade com um maior número de hardwares e modelos de aeronaves. O ALS (Atmospheric Light Scaling) possui mais efeitos, é visualmente muito mais bonito, e também aumenta consideravelmente a distância de renderização. Por fim temos o Rembrandt. Este é o mais avançado de todos os três renderizadores, porém, também é o mais pesado.

É muito importante esclarecer que a forma com que simuladores de vôo pesam no seu sistema é bastante diferente da forma com que jogos funcionam. Simuladores de vôo precisam simular uma quantidade enorme de sistemas de vôo, que normalmente funcionam em equipamentos milionários e super poderosos nos aviões reais. É um trabalho realmente pesado, que faz com que simuladores de vôo normalmente exijam muito mais da sua máquina do que jogos. Por isso, ter um PC que rode, por exemplo, GTA V no máximo, não necessariamente significa que você conseguirá rodar um simulador de vôo nas configurações máximas a 60 FPS. Em geral, 30 FPS sem quedas é um valor muito bom para se conseguir em um simulador de vôo em PCs domésticos.


Por fim, temos a aba “Addons”. É aqui que você deve vir para ativar o repositório oficial de aeronaves do FlightGear, para ter disponível as centenas de modelos diferentes que aparecerão na aba “Aircraft”. É também através desta aba que você poderá instalar manualmente cenários, módulos e aeronaves que você baixou.

Além das quase 500 aeronaves disponíveis no repositório oficial do FlightGear, também existem repositórios de terceiros. Chamados de Hangares. Estes hangares, como o próprio nome já diz, são mantidos por terceiros e não pelos desenvolvedores do FlightGear. Por isso não existem garantias quanto ao seu funcionamento.

Cabine do 777-300 no FlihtGear
Uma vez que você já tenha escolhido a sua aeronave, aeroporto, e configurado tudo ao seu gosto, basta clicar em “Fly!” e passar horas e horas como comandante, co-piloto e passageiro dos seus aviões. 😁

Por mais óbvio que possa parecer, é sempre bom esclarecer que voar em um simulador não é a mesma coisa que voar em um jogo como GTA, por exemplo. Para tirar o melhor proveito do que o software tem a oferecer, é necessário que você tenha conhecimentos mínimos sobre aviação, e sobre como um avião funciona. Ou então, que tenha interesse em aprender sobre isso.

Como instalar?


O FlightGear está disponível nos repositórios oficiais de todas as principais distros. Então basta você procurar por ele na loja de apps da sua distro, e clicar em instalar.

Para usuários Windows e MacOS, o FlightGear está disponível para download no site oficial.

Formas de instalar é o que não faltam, e também é possível instalá-lo via Flatpak. Para isso, você pode visitar a página do software no Flathub, ou simplesmente executar o comando abaixo:

flatpak install flathub org.flightgear.FlightGear

Se você não sabe o que é, ou como trabalhar com Flatpaks, confira o nosso tutorial sobre o assunto. Lembrando que após ter instalado o suporte ao Flatpak, será necessário adicionar o repositório Flathub, que pode ser feito com o comando abaixo:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Se você tem interesse em mais informações sobre como voar no FlightGear, diga nos comentários. E talvez futuramente eu produza mais algum artigo, ou vídeo mostrando um pouco mais sobre o software, e como utilizá-lo.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉

______________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft lança a nova versão de sua plataforma de desenvolvimento Open Source

Nenhum comentário

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

O .NET Core é uma plataforma para desenvolvimento de aplicações web, desktop, IoT, mobile e jogos, desenvolvida pela Microsoft. Compatível com Windows, Linux e macOS, é oferecido sob a licença MIT, sendo assim de código aberto e disponível no Github.

dotnet-framework-net-core-microsoft-windows-visual-studio-developer-desenvolvimento-programador

Anunciado em 2014, o .NET Core veio como a solução Open Source do já conhecido .NET Framework, esse sim proprietário.

Com uma semana repleta de anúncios da Microsoft para seus desenvolvedores, sua fonte Cascadia Code é um exemplo. O .NET Core 3.0 vem com diversas melhorias, conforme é apresentado em seu anúncio oficial: 

“Temos o prazer de anunciar o lançamento do .NET Core 3.0. repleto de melhorias, incluindo a adição de Windows Forms e WPF, a adição de novas APIs JSON, suporte ao ARM64 e melhoria do desempenho geral. O C# 8 também faz parte desta versão, que com fluxos anuláveis, assíncronos e mais padrões. O F# 4.7 está incluso e focado em descomplicar a sintaxe utilizada no .NET Standard 2.0”.

O lançamento é compatível com versões anteriores, facilitando a atualização das aplicações. A nova versão promete maior desempenho, suporte às linguagens de programação C# 8 e F# 4.7, APIs JSON, redução no uso de memória com um garbage collection mais eficiente, inclusão padrão de executáveis nos aplicativos, suporte a novos chips ARM, aprimoramento no desempenho do framework via contêineres, entre outras novidades.

Para usuários do Visual Studio, a Microsoft informa que, basta atualizar a IDE para obter automaticamente a última versão do .NET Core.

dotnet-framework-net-core-microsoft-windows-visual-studio-developer-desenvolvimento-programador

Sistemas suportados pela plataforma


O .NET Core 3.0 é suportado nos seguintes sistemas operacionais:

  • Alpine: 3.9+
  • Debian: 9+
  • openSUSE: 42.3+
  • Fedora: 26+
  • Ubuntu: 16.04+
  • RHEL: 6+
  • SLES: 12+
  • macOS: 10.13+
  • Windows: 7, 8.1, 10 (1607+)
  • Windows Server: 2012 R2 SP1 +

Nota: Os aplicativos Windows Forms e WPF funcionam apenas no Windows.

Os chips suportados pela tecnologia são:

  • x64 no Windows, macOS e Linux;
  • x86 no Windows;
  • ARM32 no Windows e Linux;
  • ARM64 no Linux (kernel 4.14+).


Para mais detalhes técnicos, pontuando cada melhoria e novas adições ao framework, acesse o anúncio oficial no blog de desenvolvedores da Microsoft.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Microsoft.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Crie notas no Android e PC com o OpenTodoList

Nenhum comentário

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

No mercado existem inúmeros programas para compor anotações, sejam planos, tarefas, roteiros ou até ideias mirabolantes. Pessoalmente não consigo ficar sem um app de notas. Alguns preferem o Evernote, Google Keep ou Simplenote, todos são ótimas alternativas, porém, hoje irei apresentar uma nova opção.

opentodolist-evernote-google-keep-simplenote-flatpak-flathub-snap-snapcraft-appimage-windows-mac-android-apk-software-livre-notas-to-do-lista

OpenTodoList é um software livre, escrito em Qt e usando QML em sua interface gráfica. Possui versões para Windows, Linux e macOS, além de uma versão móvel para o robozinho verde, Android.

Talvez a aplicação não seja tão poderosa, quando comparamos com algumas ferramentas mais populares anteriormente citadas. No entanto, caso privacidade esteja em primeiro lugar, o app pode ser muito interessante. Digo isso, pois seus dados não ficarão armazenados em algum servidor de terceiros. Pelo contrário, suas notas só vão ser sincronizadas com algum serviço na web, mediante a configuração no OpenTodoList.

opentodolist-evernote-google-keep-simplenote-flatpak-flathub-snap-snapcraft-appimage-windows-mac-android-apk-software-livre-notas-to-do-lista

Curiosamente esse é seu maior triunfo e fracasso, dependendo do tipo de usuário. O programa possibilita a criação de notas em uma “repositório local”, seja em seu computador ou smartphone. Todavia, para sincronizar com a nuvem é obrigatório um servidor NextCloud ou ownCloud (servidores WebDAV, também podem ser configurados na aplicação).

A biblioteca (o “repositório local com suas notas”), nada mais é que um diretório, onde todos os itens estão. Isso permite utilizar um serviço de terceiro, como um GDrive, Dropbox, ou seja qual for. Para sincronizar suas informações. 

A lógica é simples, salve em uma pasta sincronizada e em outro aparelho aponte sua biblioteca para mesma pasta sincronizada. Não é uma das melhores e mais elegantes soluções, mas pode contornar essa deficiência do app.

opentodolist-evernote-google-keep-simplenote-flatpak-flathub-snap-snapcraft-appimage-windows-mac-android-apk-software-livre-notas-to-do-lista

Instalação do OpenTodoList


O projeto conta com diferentes versões do OpenTodoList, acesse o Github com os pacotes pré-compilados e baixe conforme seu sistema (Windows, Linux ou macOS). Inclusive para Linux, existe a opção em AppImage. Caso não saiba executar esse tipo de programa no Linux, essa postagem demonstra todo procedimento.

OpenTodoList via Snap


Uma forma prática de instalar o gerenciador de notas é via Snapcraft. No Ubuntu pesquise por “OpenTodoList” na loja e instale normalmente. Demais distribuições podem configurar o Snap por este artigo, caso não possua o suporte ativo a esse tipo de pacote. 

opentodolist-evernote-google-keep-simplenote-flatpak-flathub-snap-snapcraft-appimage-windows-mac-android-apk-software-livre-notas-to-do-lista

Para os amantes do terminal, é muito simples instalar por ele. Obviamente, que o Snap já deve estar configurado no sistema.

Instalando o OpenTodoList Snap via terminal:

sudo snap install opentodolist

Removendo o OpenTodoList Snap via terminal:

sudo snap remove opentodolist

OpenTodoList via Flatpak


O Flatpak também é uma alternativa, como pode observar a utilização de pacotes universais no Linux está se tornando cada vez mais comum. Os requisitos para utilizar o programa nesse formato, são: o Flatpak configurado no sistema e o repositório Flathub adicionado. No Linux Mint, basta pesquisar por: “OpenTodoList” e instalar o app sem prévias configurações. 

Já no Ubuntu apenas o Snap vem por default. Contudo, não se preocupe. Acesse essa postagem e depois de configurar tudo, pesquise por: “OpenTodoList” diretamente na loja e escolha a versão em Flatpak.

opentodolist-evernote-google-keep-simplenote-flatpak-flathub-snap-snapcraft-appimage-windows-mac-android-apk-software-livre-notas-to-do-lista

Usuários de outras distros, podem configurar o Flatpak em seus sistemas por esse link. Já o guia oficial do Flatpak, além de demonstrar a configuração, ensina como adicionar o repositório Flathub. Se preferir fazer tudo via terminal, eis os comandos logo abaixo.

Adicionando o repositório Flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Picard Flatpak:

flatpak install flathub net.rpdev.OpenTodoList

A remoção pode ser desta maneira:

flatpak remove net.rpdev.OpenTodoList

OpenTodoList Android


Diretamente da Google Play, a versão Android pode ser adquirida, acesse este link e seja redirecionado a loja de apps do Google ou utilize um leitor QR-Code.

opentodolist-evernote-google-play-keep-simplenote-flatpak-flathub-snap-snapcraft-appimage-windows-mac-android-apk-software-livre-notas-to-do-lista

Para mais informações acesse o GitLab do OpenTodoList.

Experimente o OpenTodoList e avalie se a aplicação atende suas necessidades, como sempre dizem “não custa nada tentar” (😁️😁️😁️).

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


MusicBrainz Picard 2.2 lançado com player embutido

Nenhum comentário

terça-feira, 17 de setembro de 2019

Organizar seus álbuns musicais nem sempre é uma tarefa simples, ainda mais quando é necessário pesquisar pelas informações corretas. Pois bem! MusicBrainz Picard pode ser uma ótima solução.

musicbrainz-picard-metabrainz-musica-som-audio-album-cd-meta-tag-info-mp4-m4a-ogg-mp3-flac-editor

MusicBrainz Picard é um software open source, multiplataforma e desenvolvido pela Fundação MetaBrainz, a mesma responsável pelo banco de dados MusicBrainz. O Picard pode, com apenas um clique, encontrar diversos álbuns de música em diferentes formatos, como: MP3, FLAC, OGG, M4A, WMA, WAV, entre outros.

Utilizando as impressões digitais de áudio AcoustID, os arquivos são identificados e comparados com as músicas no banco de dados, isso tudo sem que os metadados estejam presentes em seus arquivos ou estejam incompletos. Editar as tags de suas músicas com o programa torna-se bem prático.

Algumas novidades do MusicBrainz Picard 2.2


Diversos bugs foram corrigidos, resolvendo falhas em suas versões, seja para Windows, Linux, macOS, etc.

Outros recursos mais técnicos foram adicionados, caso tenha interesse, acesse este link e veja os detalhes. Uma novidade que posso destacar, entre as demais, é a adição de um player de música embutido. O recurso ainda é beta, mas simplificará o ato de editar as tags e demais configurações. Poupando tempo, ao não obrigar o uso de outro player em conjunto. Algo simples, mas que vem para somar e tornar tudo mais fácil. Ainda é possível escolher por outro player instalado, lembre-se que por se tratar de uma feature em beta, pode ocorrer bugs com essa nova função.

musicbrainz-picard-metabrainz-musica-som-audio-album-cd-meta-tag-info-mp4-m4a-ogg-mp3-flac-editor

Instalação do MusicBrainz Picard 2.2


Existem versões do app para muitas plataformas, irei demonstrar para o Ubuntu via PPA, Flatpak e Snap, para englobar o máximo possível de distribuições Linux. Aliás, Flatpak é a maneira que aconselho e utilizo o software no Linux. Outras distribuições podem tanto instalar a versão contida no Flathub, que demonstrarei a seguir, ou acessar o link “Linux” e escolher conforme sua distro no site oficial do Picard (Snap também é uma opção).

Baixe a versão conforme seu sistema operacional:


Picard via PPA


Usuários de Ubuntu e derivados podem instalar o Picard via PPA conforme demonstrarei, entretanto, reforço que o uso do Flatpak e Snap diminui a obrigatoriedade de tal método.

Adicionando o PPA Stable do Picard:

sudo add-apt-repository ppa:musicbrainz-developers/stable

Atualizando a lista de pacotes:

sudo apt update

Instalando o Picard:

sudo apt install picard

Caso queira remover o Picard via PPA, desinstale o programa e depois remova seu PPA.

Removendo o Picard:

sudo apt remove picard

Removendo o PPA:

sudo add-apt-repository -r ppa:musicbrainz-developers/stable

Picard via Flatpak


Outro modo de obter o Picard, é via Flatpak. O programa encontra-se no repositório Flathub, facilitando a instalação nas principais distribuições Linux. Usuários do Linux Mint podem pesquisar diretamente na loja pelo programa, caso esteja utilizando o Ubuntu, não se preocupe, essa postagem demonstra a configuração do Flatpak e adição do Flathub no sistema da Canonical. Assim, basta pesquisar na loja por “Picard flatpak” e instalar o app.

musicbrainz-picard-metabrainz-musica-som-audio-album-cd-meta-tag-info-mp4-m4a-ogg-mp3-flac-editor-ppa-ubuntu-snap-mint-flatpak-flathub-snapcraft

Usuários de outras distros, podem configurar o Flatpak em seus sistemas por esse link. Já o guia oficial do Flatpak, além de demonstrar a configuração, ensina como adicionar o repositório Flathub. Se preferir fazer tudo via terminal, eis os comandos logo abaixo.

Adicionando o repositório Flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Picard Flatpak:

flatpak install flathub org.musicbrainz.Picard

A remoção pode ser desta maneira:

flatpak remove org.musicbrainz.Picard

Picard via Snap


O Picard também está na Snapcraft, vale ressaltar que na presente data em que escrevo este artigo, essa versão está na “2.1” e não encontrei no site do Picard a menção de um pacote Snap. Provavelmente este Snap é empacotado pelo pessoal da Canonical, sem envolvimento da Fundação MetaBrainz.

No Ubuntu basta pesquisar diretamente na loja por: “Picard” e instalar a versão em Snap, outros sistemas baseados em Linux devem adicionar o suporte ao Snap. Acesse este guia e configure seu sistema

Instalando o Picard Snap:

sudo snap install picard

Removendo o Picard Snap:

sudo snap remove picard

O Picard é uma aplicação interessantíssima, ainda mais com sua enorme base de dados, porém, caso queira outras alternativas o “EasyTag” e “Puddletag” são recomendadas e vale o teste.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, até a próxima e compartilhe este conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Modo escuro finalmente chega ao Slack

Nenhum comentário

domingo, 15 de setembro de 2019

Modo noturno, modo escuro, dark mode... chame como você quiser, mas é um fato que as variações escuras de aplicativos e sites se tornaram muito populares, especialmente nos últimos anos. Agora, após uma longa espera, chegou a vez do Slack lançar o modo escuro para as suas versões de navegador e desktop no Linux, Windows e MacOS.

modo-escuro-chega-ao-slack

O Slack é um aplicativo de comunicação em equipe com uma ampla gama de funcionalidades, que para muitos são os diferenciais que o deixam à frente de alternativas como Microsoft Teams ou Discord.

Já publicamos artigos sobre o Slack, Microsoft Teams e Discord aqui no blog.

Mesmo sendo um serviço muito completo e amplamente utilizado, apenas agora, em Setembro de 2019 o Slack passa a ter um modo escuro disponível. Como usuário do Slack, posso dizer que é uma funcionalidade que estava fazendo muita falta.

Alguns utilizam o modo escuro simplesmente porque gostam, outros porque trabalham à noite, em um ambiente com baixa iluminação, sofrem de enxaqueca, ou tem algum problema visual. Casos nos quais o modo escuro realmente pode fazer toda a diferença.

O Slack já possuía modo escuro no aplicativo para dispositivos móveis, o qual possui configurações separadas da versão desktop. Utilizar o modo escuro no smartphone não significa que você também tenha que utilizá-lo desktop. Segundo a equipe do Slack, em um futuro próximo a funcionalidade dos temas nas versões desktop do aplicativo funcionarão em sincronia com o tema do seu sistema, ou seja, se você estiver utilizando um tema escuro no seu sistema, o Slack automaticamente utilizará o modo escuro. E vice-versa.

Em seu post original no blog do Slack, a equipe explica que a demora para o lançamento do modo escuro deveu-se ao fato de que eles queriam construir um ‘dark mode’ que funcionasse perfeitamente em toda e qualquer parte do Slack. Para alcançar tal objetivo eles tiveram que redesenhar toda a interface do aplicativo do zero, e até mesmo re-arquitetar algumas dessas partes.

Mas finalmente, para a felicidade de todos nós que esperamos tanto, seja por gosto ou necessidade, o modo escuro do Slack finalmente chegou!

Como ativar o modo escuro no Slack?


É importante ressaltar que para poder utilizar esta funcionalidade o seu aplicativo do Slack precisa estar na versão 4.0.3 no MacOS, e 4.0.2 no Windows e Linux.

• Já com o aplicativo aberto, clique no nome do seu workspace no canto superior esquerdo, e então clique em ‘Preferências’.

ativando-modo-escuro-slack-imagem1

• Então clique na aba ‘Temas’ e selecione ‘Escuro’.

ativando-modo-escuro-slack-imagem2

modo-escuro-ativado-slack

Pronto! Você finalmente pode descansar “seus olhinhos de noite serena”, e apreciar o belo visual do modo escuro do Slack.

Você utiliza o Slack e assim como eu também sentia muito a falta do modo escuro? Ou você acha que essa “história” de modo escuro não passa de “frescura”? Diga-nos o quê você pensa, e vamos compartilhar conhecimento. 😁

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Por hoje é tudo pessoal! 😉

____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Controle a central multimídia Kodi pelo smartphone

Nenhum comentário

segunda-feira, 2 de setembro de 2019

O Kodi é uma aplicação incrível, caso queira instalar o aplicativo em sua distribuição Linux, acesse este artigo com todo passo a passo. Porém, o que seria de um “cinema em casa”, sem a comodidade de assistir seus filmes e executar as demais funções do Kodi, sem a necessidade de se levantar e utilizar um teclado ou mouse, por exemplo.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Para quem deseja controlar sua central multimídia, Kodi, diretamente de um smartphone, poderá instalar o controle remoto oficial do projeto. No caso de usuários Android, o “Kore, Official Remote for Kodi”, já para o iOS de nome “Official Kodi Remote”. 

As aplicações são intuitivas e dispensam maiores explicações, entretanto, configurar o controle remoto no Kodi instalado em seu computador, talvez não seja tão intuitivo assim. Mas, calma que vou demonstrar esse processo.

Antes de configurar o controle remoto no Kodi, obviamente, o aplicativo deve estar instalado em seu smartphone e o Kodi no computador.

Kore, Official Remote for Kodi (Android)


Acesse o link e efetue o download diretamente da Google Play, ou pode utilizar um leitor QR-Code e instalar mirando a câmera de seu smartphone no código QR (que também irá efetuar o download diretamente da Google Play).

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-google-play-kore-multimidia-app-linux

Official Kodi Remote (iOS)


Uma alternativa para iOS está disponível gratuitamente na loja da Apple, a versão também é oficial, sendo uma ótima pedida para usuários da plataforma da maçã. Você pode acessar o link da aplicação diretamente na App Store. Ou fazer uso de um leitor QR-Code, como no exemplo anterior.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-ios-apple-store-multimidia-app-linux

Configurando o controle remoto no Kodi


Com ambos instalados, o app no PC e em seu smartphone, vamos começar “a brincadeira”. Em meu caso estou utilizando o Kore, pois possuo um Android, mas creio que seja praticamente a mesma coisa no iOS. 

Abra o Kodi, e certifique-se que ambos estejam na mesma rede wifi (PC e smartphone).

No Kodi, vá até “Definições” (o ícone de engrenagem).

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Em seguida, até a opção “Serviços”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Navegue para categoria “Controle” e habilite às duas opções na sessão “Controle de aplicações”. Sendo elas: “Permitir controle remoto de aplicativos neste sistema” e “Permitir controle remoto de aplicativos em outros sistemas”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Outras mudanças podem ser aplicadas, como dar nome ao usuário ou atribuir uma senha. Particularmente só adiciono uma senha, o usuário nem mexo (😁️😁️😁️).

Abra o app em seu smartphone, e nele você verá o Kodi e sua máquina. Selecione e vá prosseguindo conforme o app te mostra.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Se assim como eu, configurou um usuário e senha, será necessário informar para conseguir se conectar. Clique em “Testar”, quanto tudo estiver concluído.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Se a aplicação não conseguiu encontrar o Kodi em sua rede, acesse o “menu hambúrguer” (no caso do Kore, aqueles “3 traços” no canto superior esquerdo), clique no símbolo de adição “+”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Configure manualmente o usuário, IP, porta e senha. Esse passo tem as mesmas configurações da imagem acima, para quem adicionou uma senha ao Kodi, e para saber o IP é muito simples. Novamente no Kodi, em “Definições”, depois “Dados do sistema”.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Veja o número do endereço IP e configure no app.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux-ip

O app é bem intuitivo e em pouquíssimos minutos você entende todo seu funcionamento. Muito prático e recheado de recursos.

kodi-controle-remoto-oficial-smartphone-android-ios-google-play-apple-store-kore-multimidia-app-linux

Sempre utilizo o Kodi junto ao Kore, é uma dupla inseparável. Confesso que sua configuração pode confundir novos usuários, mas nada de outro mundo. Todas às vezes que utilizei o mesmo, não passei por problemas em sua configuração. Ao menos aqui, em todos esses anos, ele sempre reconhece de primeira. Recomendo o uso, já a alternativa para iOS, não posso comentar muito (não possuo um smartphone da marca).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, te espero aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

O poderoso DaVinci Resolve chega para Linux na versão 16 com várias melhorias!

Nenhum comentário

domingo, 25 de agosto de 2019

O poderoso editor de vídeos, software de correção de cores, pós-produção e tratamento de áudio da Blackmagic Design, o DaVinci Resolve, finalmente chega na versão 16 estável, depois de vários meses de testes com a versão Beta.







Eu venho utilizando o DaVinci Resolve para editar os vídeos do canal Diolinux no YouTube desde Fevereiro deste ano, aproximadamente, e percebo que consigo, com ele, entregar melhores resultados, e de forma mais eficiente para vocês. A melhor parte é que a versão grátis dele, ainda que não seja open source, consegue ser muito completa e eficiente para produtores de conteúdo profissional.

Destaques da versão 16 do DaVinci Resolve


A nova versão do DaVinci Resolve insere uma nova "Neural Engine", que utiliza redes neurais e tecnologias de "machine learning" para certas funções e efeitos, como reconhecimento de faces para tracking em composições, criação de efeitos de sincronização, super-escala e até mesmo, correção automática de cores.

Em se tratando de edição de áudio com o Fairlight, a configuração da forma com que as ondas sonoras aparecem foi aprimorada, para facilitar a sincronia com o vídeo, temos suporte para som tridimensional, processamento de voz, e vários outros detalhes menores, que visam agilizar a produção de conteúdo.

Novas ferramentas foram adicionadas para editar "key frames" para efeitos de vídeo ResolveFX, nas páginas de edição e de coloração. Algo nova da versão, é uma aba voltada para edição de vídeo em alta velocidade, ideal para quem produz vídeos para redes sociais diariamente.

Houve otimização na renderização de material no Fusion, o compositor do DaVinci Resolve, concorrente ao After Effects, e também à renderização de vídeo padrão, que já era excelente na versão 15.

Confira de forma detalhada todas as novidades:


Para baixar a nova versão, basta acessar o site da Blackmagic e fazer o download.

Se precisar de ajuda para instalar o Resolve no Linux, confira o nosso artigo especial sobre o assunto aqui.

Dúvidas sobre o DaVinci Resolve? Participe do nosso fórum. :)

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo