Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador maquina virtual. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador maquina virtual. Mostrar todas as postagens

Parallels é a solução da Apple para rodar jogos de Windows no macOS

Nenhum comentário

segunda-feira, 19 de agosto de 2019

O Parallels Desktop é uma das mais famosas aplicações do mundo do macOS para virtualização de sistemas operacionais, a versão atual traz suporte para o DX11 da Microsoft e permite uma virtualização de Windows mais otimizada do que a versão anterior.

Microsoft e Apple






A versão 15 do Parallels Desktop oferece suporte para DirectX 11 rodando sobre o Apple Metal, o que permite que agora a virtualização de Windows consiga rodar até 15% mais rápido, segundo os desenvolvedores.

Os desenvolvedores admitem que sempre que um sistema for virtualizado dessa forma, parte do desempenho não será aproveitado, especialmente em games, mas mesmo assim, essa mudança deve agradar as pessoas que querem usar o macOS para jogar, visto que o Proton ainda não funciona nativamente no macOS, como funciona no Linux.


Apesar de poder ser utilizado para games, a ferramenta é focada em produtividade, com ferramentas como o Microsoft Office, que mesmo possuindo uma versão para o macOS, muitas pessoas costumam preferir a versão que roda no Windows.

Atualmente existem outras ferramentas gratuitas para fazer este tipo de virtualização, como o VirtuaBox ou o VMWare, mas o Parallels é feito para o macOS e pensado para ser integrado com o sistema, como nos mostra o trailer acima. Esses benefícios não saem de graça, o aplicação tem ofertas diferentes, mas o valor para quem decidir compra-lo "para sempre" é de 100 dólares aproximadamente.

E no mundo Linux?


Atualmente existem muitas chances do seu jogo favorito de Windows rodar no Linux também, graças ao Proton e ao Wine, ou mesmo ao Lutris, que diferente de virtualização, usam uma tecnologia diferente, e fazem uma tradução, não criando um hardware virtual, mas fazendo o jogo pensar que está rodando no Windows. Por si só, isso já torna mais viável ser um gamer de Linux atualmente, do que um gamer de macOS.

Quando se fala em Virtualização, Linux tem muitas opções também, especialmente em ambientes robustos, onde o acesso a hardware é fortemente exigido, no entanto, a virtualização de ambientes 3D ainda é problemática, assim como no macOS.

VirtualBox, VMWare, e KVM, através de aplicações como o próprio VirtualBox ou o GNOME Boxes, são excelentes alternativas para manter a produtividade com aplicações Windows que você eventualmente necessite. Todo esse setup pode ser potencialmente gratuito e open source, tirando o próprio Windows, obviamente.

Você tem dúvidas sobre Virtualização? Participe do nosso fórum.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


VirtualBox 6.0.10 chega com suporte para driver UEFI no Ubuntu e Debian

Nenhum comentário

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Uma das aplicações mais populares para virtualização de sistemas, o VirtualBox, recebeu uma atualização pequena, mas que trouxe boas novidades para os utilizadores Linux.

Atualização do VirtualBox






A Oracle anunciou a versão 6.0.10 do VirtualBox, que acaba de se tornar a quinta revisão de manutenção da série 6.x do software, com várias correções de bugs e a adição de alguns novos recursos para usuários Linux.

Dois meses após a última atualização, o novo VB, para os íntimos, vem com suporte melhorado para Secure Boot UEFI com assinatura de drivers para Ubuntu e Debian. Adicionalmente, os hosts Linux receberam melhor suporte para versões diferentes do Kernel Linux, contemplando melhor o range de versões disponível entre Debian e Fedora, por exemplo.


Grande parte dos esforços foram voltados para mitigar bugs reportados por usuários, especialmente das pessoas que compilam o VirtualBox à partir do código fonte usando versões recentes do framework Qt.

Tivemos melhorarias para sistemas Linux quando rodados como guests também, permitindo agora que o VirtualBox "se lembre" com maior facilidade do tamanho e resolução das telas depois de um reboot. Houve melhorias também no manuseio das VMs através do utilitário VBoxManage, via linha de comando, corrindo bugs que faziam com que as máquinas perdessem o controle de I/O e pastas compartilhadas em alguns casos.

Você pode fazer o download do VirtualBox diretamente do site oficial, inclusive nas versões de Windows e macOS, não somente Linux. Se você já estava usando o VB na versão 6 em umambiente não crítico, esse update não deve oferecer qualquer risco, lembre-se também de baixar novamente o Oracle VM VirtualBox Extension Pack, para garantir recursos estendidos.

Quer falar sobre virtualização de sistemas com a nossa comunidade? Vem conhecer o nosso fórum!

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o VirtualBox 6.0 no Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Hoje você aprenderá a instalar a ferramenta de virtualização de sistemas, Virtualbox, confira o passo a passo e aprenda a usar o recurso para o seu trabalho ou estudo.

oracle-virtualbox-vbox-linux-ubuntu-mint

O VirtualBox é uma ótima ferramenta para estudos ou até mesmo testes, é comum profissionais de TI e entusiastas utilizarem softwares de virtualização para simular um comportamento, aprender algo novo, ou simplesmente conferir um SO.

Veja o vídeo a seguir e entenda um pouco sobre virtualização de sistemas.


Antes de partir propriamente para instalação, e pôr as “mãos na massa”, confira um pouco das novidades contidas a partir da versão 6.0 do VirtualBox.


  • Exportação de máquinas virtuais para Oracle Cloud Infrastructure;
  • Suporte a gráficos 3D para VMs do Windows;
  • Introdução de um novo gerenciador de arquivos, que permite copiar arquivos entre VM e host;
  • Suporte a resoluções HiDPI aprimorada;
  • Suporte ao acesso de discos convidados pelo host em sistemas macOS;
  • Nova interface da aplicação;
  • E muito mais…

Pré-requisitos para instalação do VirtualBox 6.0 


Em primeiro lugar vamos instalar alguns pacotes, caso ainda não estejam instalados em seu sistema. O procedimento pode ser feito via terminal ou via Synaptic, para adicionar tais softwares a sua distro.

Os seguintes pacotes serão instalados: gcc, make, linux-headers-generic e o dkms

Você poderá instalar cada pacote com o Synaptic, conforme a imagem abaixo, ou utilizar os referentes comandos no terminal:

sudo apt update 

sudo apt-get install gcc make linux-headers-$(uname -r) dkms

synaptic-virtualbox-vbox

Outro passo importante é remover a versão anterior ao VirtualBox 6.0, se por algum motivo a tenha instalado no sistema, podendo ser feito por interface gráfica ou via comando.

sudo apt remove virtualbox virtualbox-5.2

Baixando e instalando o VirtualBox 6.0


Neste ponto cabe uma observação. Existem duas maneiras de se instalar o VirtualBox direto do site em seu sistema, adicionando o repositório oficial ou efetuando o download do arquivo “.deb”, irei demonstrar ambas.

Adicionando o repositório do VirtualBox em seu Ubuntu, Linux Mint e derivados


Execute o comando para adicionar a chave do repositório ao seu sistema.

wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox_2016.asc -O- | sudo apt-key add -

wget -q https://www.virtualbox.org/download/oracle_vbox.asc -O- | sudo apt-key add -

Adicione o repositório com os pacotes do VirtualBox.

sudo sh -c 'echo "deb http://download.virtualbox.org/virtualbox/debian $(lsb_release -sc) contrib" >> /etc/apt/sources.list.d/virtualbox.list'

Agora instale o VirtualBox na sua distribuição.

sudo apt update && sudo apt install virtualbox-6.0

Baixando o VirtualBox do site e instalando no sistema


A segunda forma é efetuando o download diretamente da página oficial, e baixando o pacote “.deb” referente a sua versão do sistema.

download-virtualbox-linux-mint-ubuntu

Logo após, dê 2 cliques no pacote “.deb” e instale normalmente.

Tenha em mente que desta maneira as atualizações deverão ser feitas manualmente, baixando a cada nova versão e instalando-a outra vez. Este método é interessante caso queira atualizar apenas quando desejado.

Adicionando o pacote de extensões do VirtualBox


No site do VirtualBox, efetue o download do pacote de extensões com ele você terá algumas funcionalidades a mais no programa, como suporte à devices via USB entre outras coisas.

(procure algo como: “VirtualBox Extension Pack”, entretanto observe e baixe conforme a versão do Virtualbox instalado em seu sistema).

Para o download da versão 6.0, basta clicar no botão “download” a seguir.

 Baixe o pacote de extensões  do  VB.

Vá até o local que baixou o arquivo, clique com o botão direito do mouse e abra com o VirtualBox.

extension-virtualbox-adicional

Instale o pacote de extensões e aceite os termos de licença.

instalar-vbox-adicional

E pronto! Agora você poderá criar suas VMs e efetuar diversos testes, sem medo de comprometer seu sistema real.

interface-nova-virtualbox

Aprenda a trabalhar com o software e domine o VirtualBox, vídeo super completo sobre o tema.


Até a próxima pessoal, espero vocês aqui no blog Diolinux, e façam seus inúmeros testes no VirtualBox, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Agora você pode testar o KDE Plasma Mobile no VirtualBox

Nenhum comentário

sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Os desenvolvedores do Plasma Mobile anunciaram que o público pode testar o sistema operacional para dispositivos móveis através de uma simples máquina virtual, assim todos os interessados poderão ter uma noção do que está por vir ao mundo dos Smartphones.

Plasma Mobile VirtualBox






Iniciativas como a do Librem 5, o Smartphone da Purism, podem dar um hardware para sistemas operacionais como o Plasma Mobile, enquanto isso não acontece, acaba ficando complicado de ver como o sistema está e o que ele tem a oferecer, pelo menos até agora.

Para facilitar a vida de quem quer testar e ajudar no desenvolvimento do Plasma Mobile, a comunidade KDE criou uma série de ISOs que podem rodar no VirtualBox, ou outros virtualizadores de sistemas, permitindo que você tenha acesso aos primeiros Alphas da versão para dispositivos móveis do Plasma.

Plasma Mobile

Apesar da experiência no VirtualBox não refletir a experiência que as pessoas poderão ter nos Smartphones, os desenvolvedores pedem para que sejam testadas funções básicas do sistema, como a instalação de aplicativos, configurações, adição de Widgets na Home, entre outras coisas.

Você pode fazer o download das ISOs de teste do Plasma Mobile aqui.

Mais informações e recomendações dos desenvolvedores você encontra aqui. O devs também pedem para que os usuários lembrem que se trata de uma versão experimental, devem haver bugs e não é recomendável usar o Plasma Mobile em produção ainda.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Kernel Linux vai incluir o VirtualBox Guest Additions por padrão

Nenhum comentário

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

O VirtualBox é uma das principais ferramentas na hora de testar sistemas operacionais diferentes sem precisar formatar os discos propriamente ditos, e agora a eficiência dele dentro das distros Linux aumentará ainda mais com a chegada do Kernel 4.16.

VirtualBox Additions fará parte do Kernel Linux






Usar o VirtualBox é muito simples, existem configurações avançadas também, claro, mas de forma geral, com poucos cliques qualquer um consegue utilizar a ferramenta para experimentar um sistema operacional.



Apesar de ser simples de configurar, no entanto existe um recurso que precisa ser instalado para que o desempenho da sua máquina virtual seja aprimorado, caso contrário, a aceleração gráfica fica prejudicada e muitas vezes a resolução da tela fica errada também, além de outros detalhes, esse recurso é o VirtualBox Guest Additions.

A boa notícia  é que você não precisará mais instalar esse recurso na sua distribuição pra ter as mesmas funcionalidades no seu VB à partir do Kernel Linux 4.16, tornando as coisas mais automáticas e práticas.

Por que isso é importante?


O VB Guest Additions já é um software livre, então nada de código proprietário precisará ser incorporado ao Kernel, mas sobretudo, isso facilitará a vida das próprias distros que ao rodarem em caráter de testes dentro de um VB (inclusive no Windows) não precisarão de maiores modificações para funcionar perfeitamente e ter os recursos avançados já ativados "by default".

Algumas distros como o Ubuntu e o Linux Mint já incluem esse recurso em seu Kernel, garantindo uma melhor experiência, no entanto, o recurso agora se estenderá para todas as distros que adorarem a versão 4.16 do Linux e superiores.

Esse projeto está sendo liderado e desenvolvido pela galera da Red Hat, uma das maiores empresas que trabalham com Linux no mundo, nós temos uma série de entrevistas no canal Diolinux no YouTube com eles, confira aqui.


_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como exportar uma máquina virtual do VirtualBox para o VMWare

Nenhum comentário

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Há alguns dias eu estava fazendo uns testes com o Chromium OS e acabei percebendo que o jeito mais fácil de criar um pen drive bootável com ele é através de uma função presente apenas no Chrome de Windows e para isso eu tive que exportar uma máquina virtual do VirtualBox para o VMWare e agora vou te ensinar como fazer, além de dar mais detalhes sobre a história.

Exportar Maquina virtual do VirtualBox para o VMWare




Como eu dizia, eu estava testando uma ferramenta para criação de pen drive bootável que só estava presente no Windows, então para usar o recurso eu estava na expectativa de utilizar um Windows que eu tinha no meu VirtualBox, utilizo o sistema normalmente em minhas aulas quando se faz necessário, porém, mesmo instalando as extensões, os USBs não estavam funcionando corretamente, foi então que eu decidi utilizar o VMWare para isso, uma vez que no programa os UBS funcionam nativamente, sem a necessidade de extensões ou extras.

A questão é que eu não estava com muita paciência para reinstalar o Windows em outra máquina virtual, foi então que me veio a mente se "seria possível exportar um Windows de uma VM para outra", sendo uma o VB e a o outra o VMW. E sim, é possível! E é assim que se faz:

1 - Desligue completamente a máquina virtual no VirtualBox, se a máquina virtual estiver em modo suspenso ou ligada, certifique-se de desliga-la por completo.

2 - Clique no menu "Arquivo" e depois em "Exportar Appliance"

3 - Seleciona a máquina virtual que você deseja exportar.

4 - Escolha um local para salvar o arquivo .ova

5 - Siga as instruções na tela e comece a exportação.

O interessante deste recurso é que esta é uma forma de você exportar também máquinas virtuais de um VirtualBox para outro em máquinas diferentes, pode ser muito útil.

Para importar o seu arquivo .ova no VMWare faça o seguinte:

1 - Abra o VMWare e clique em "File" e depois em "Open a Virtual Machine"

2 - Selecione o arquivo .ova que você exportou do VirtualBox e confirme a importação, depois disso é só aguardar o processo.

Dica: Ao iniciar o seu sistema exportado do VB no VMWare, remova (caso tenha instalado) os adicionais para convidado do VirtualBox do sistema para evitar conflitos e instale o VMWare Tools.

Aproveite!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Lançado Kernel Linux 4.3 com 7 novidades importantes

Nenhum comentário

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

A cada lançamento, mais melhorias e adição de novos recursos. Nesse lançamento, as melhorias ocorrem fortemente nos drivers de vídeo open source e no desempenho do SMP.


Lançado kernel 4.3


O kernel Linux 4.3 foi lançado em sua versão estável no dia 01/11/2015. Nesse lançamento, o kernel Linux 4.3 trás suporte ao Intel Skylake, retrabalharam no suporte aos drivers de vídeo open source da NVIDIA, e muitas outras mudanças no código, totalizando 20.6 milhões de linhas de código.

Basicamente, as melhorias neste lançamento, foram:

- O Intel Skylake (nona geração) é habilitado por padrão. 

- Suporte inicial a drivers de vídeo open source AMD R9 Fury "Fiji" (apesar que esse suporte inicial não possui gerenciamento de energia / reclock. Então o desempenho ainda é bastante baixo, como já abordamos sobre o assunto no artigo em que colocam os drivers open source a prova.) É necessário estar com o Mesa 11.0+ para uso dos gráficos acelerados AMDGPU. 

- Um grande retrabalho no driver DRM Nouveau para suporte a placas de vídeo da Nvidia. Algumas melhorias feitas também para Reclock, seleção de GPU e dentre outras alterações (apesar de não aparentar nenhuma melhoria em desempenho). 

- Suporte a OpenGL 3.3 no VMware. 

- O suporte ao sistema de arquivos EXT3 foi removido desde que o suporte ao EXT3 pode ser tratado pelo EXT4. 

- Correções no XFS, EXT4, F2FS e melhorias no Btrfs RAID 5/6. 

- Correções no TRIM e outras melhorias menores.

Linus afirma em seu e-mail que já está aberta a temporada de desenvolvimento do kernel 4.4. É esperado para o kernel 4.4 melhorias na parte AMDGPU, ter aceleração 3D no VirGL para o QEMU guest VM, melhorias no Reclocking Nouveau para os GPUs da Nvidia, suporte ao Snapdragon 820 e dentre outras melhorias e adições de recursos.

Para baixar a nova versão do kernel, clique no link abaixo:

 link para o kernel 4.3

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como melhorar o desempenho do VirtualBox

Nenhum comentário

quarta-feira, 29 de abril de 2015

Confira algumas dicas para melhorar o desempenho de sistemas virtualizados no VirtualBox.

melhorando o desempenho do virtualbox

Veja como melhorar o desempenho do VirtualBox


O VirtualBox é uma plataforma de virtualização muito popular no mundo da tecnologia, com ele você consegue virtualizar outros sistemas operacionais como Windows, Linux e Mac OSX  diretamente no seu computador e assim usufruir de todos os sistemas sem precisar formatar a sua máquina real.

Veja também:
Como instalar o VMWare no Ubuntu
Eu costumo usar o VirtualBox (e também o VMWare) com bastante frequência, especialmente para fazer as reviews das distribuições Linux no canal do Diolinux, você pode ver algumas delas aqui.

Inclusive já usei o Windows Virtualizado no meu Ubuntu para dar aula de Photoshop e realizei a minha incumbência sem passar por apertos, tudo isso porque se configurado corretamente o VirtualBox tem um desempenho bem satisfatório, ainda mais, é claro, se você estiver rodando ele numa máquina com uma certa potência.

Dicas para acelerar o VirtualBox


Memória RAM


Na verdade é bem simples, são pequenos ajustes que podem fazer o seu uso do VB mais tranquilo, independente do sistema que você instale, a não ser que seja uma distro Linux extremamente leve o ideal é ter ao menos 2GB de RAM para a máquina Virtual, claro, desde que você tenha ao menos 4 GB de RAM na máquina real.

Configurações do VirtualBox

Nas configurações da sua máquina virtual (clique na máquina que você instalou e clique em 'Configurações') você encontra a sessão Sistema, como mostrado na imagem acima, nela existe uma barra de deslisar que permite que você ajuste a Memória base como no exemplo acima, a memória em questão é medida em MB (mega bytes) e não GB (Giga Bytes), portanto, para colocar ao menos 2 GB de RAM você precisa configurar para 2048 MB.

Coloque o máximo de memória de vídeo possível

memória de vídeo do virtualbox


Na mesma tela de configuração anterior logo abaixo da sessão Sistema existe a sessão Monitor, nela você deve marcar a opção Habilitar Aceleração 3D em Recursos Estendidos (como na imagem acima)  e na barra de deslisar de Memória de Vídeo coloque o máximo valor disponível (ele pode variar de acordo com o sistema operacional e a sua placa de vídeo).

Instalando os adicionais para convidado

Esta talvez seja a parte mais importante, os Adicionais para Convidado do VirtualBox instalam uma serie de drivers que permitem habilitar mais funcionalidades na máquina virtual, como aumentar o desempenho gráfico de maneira suficientemente satisfatória para rodar alguns games mais leves até.

No vídeo abaixo mostramos como instalar o adicionais para convidado no VirtualBox usando Linux.


Conclusão

É importante ressaltar que estas dicas foram realizadas no Linux mas podem ser aplicadas em todos os sistemas operacionais, como nestes casos:

- Linux Host, Windows Virtualizado;
- Windows Host, Linux Virtualizado;
- Linux Host, Linux Virtualizado;
- Windows Host, Windows Virtualizado;
- Mac OS Host, Windows Virtualizado;
- Mac OS Host, Linux Virtualizado;
- Linux Host, Mac OS Virtualizado;
- Windows Host, Mac OS Virtualizado.

Curtiu a dica? Agora você já pode rodar algumas aplicações mais pesadas e também testar novos sistemas sem se preocupar tanto com o desempenho.

Até a próxima!

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Como instalar o VMWare Player no Linux

Um comentário

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Tutorial de instalação do VMWare Player no Ubuntu


VMWare é uma das melhores soluções do mercado para fazer virtualização de sistemas, o programa suporta tanto Linux, quanto Mac e Windows e hoje vamos aprender como fazemos para instalar essa ferramenta no nosso sistema Linux, a versão utilizada no exemplo é o Ubuntu 14.04 LTS.

VMWare no Linux

Existem duas versões do mesmo produto, a VMWare Player que é grátis e destinada ao público doméstico e a VMWare Workstation que como o nome faz referência tem eu foco em empresas e servidores.

Hoje aprenderemos a instalar a versão grátis desta poderosa ferramenta, para inicio de conversa precisamos baixar o arquivo instalador, clique neste link e baixe o arquivo do VMWare.

O arquivo que você vai baixar tem uma extensão um pouco diferente do convencional, .bundle, mas não se preocupe, a instalação é igual a de um arquivo com extensão SH que é bem comum no mundo Linux.

Depois de baixado o arquivo...


Você precisa dar permissões de execução a ele, para isso clique com o botão direito no mesmo e vá até a opção propriedades, na aba Permissões marque a caixa que permite execução do arquivo como programa, como está na imagem abaixo.


Depois disso você precisará abrir o seu terminal pois a instalação só pode ser feita em modo Root, no terminal você tem duas opções:

sudo nautilus

Este comando vai abrir o gerenciador de arquivos em modo Root, dessa forma basta você ir até o local onde está o seu arquivo, no meu caso era a Área de Trabalho, dar dois cliques e na mensagem que aparecer clicar em "Executar num terminal".

Alternativamente você pode navegar pelo terminal até a pasta onde está o seu arquivo instalador do VMWare Player e executá-lo assim:

sudo ./nome_do_arquivo.bundle

no caso:

sudo ./VMware-Player-6.0.3-1895310.x86_64.bundle

Seja qual for a maneira que você escolher a próxima tela será como esta imagem abaixo:


Apenas aceite os termos

Aceite os termos de licença, fique à vontade para lê-los, na próxima temos mais uma questão pedindo se você deseja que o programa envie informações anônima para a VMWare Software afim de melhor o programa, mais uma vez escolha SIM (Yes) ou NÃO (No) e clique em Next.


Na próxima tela é possível inserir um serial caso você tenha um licença paga do produto, assim ocorrerá uma atualização para o VMWare Workstation, entretanto, isso é opcional e você pode seguir clicando Next sem problemas.


Tudo certo para a instalação, apenas clique em Install.


Aguarde alguns momentos... e pronto, você pode abrir ela pelo menu de aplicativos da sua distro.


Você pode se perguntar qual a vantagem de utilizar o VMWare Player ao invés do VirtualBox e eu te digo, se você pretendo apenas testar os sistemas não haverá muita diferença, e claro o VMWare Player apesar de grátis não é Open Source como o VirtualBox, em termos mais práticos dá para perceber uma grande diferença em performance 3D no VMWare, sendo possível rodar vários games de Windows por ele, e para ser sincero essa foi a grande vantagem que encontrei, alguns jogos que não rodavam pelo Wine e um ambiente para poder treinar com o After Effects pois preciso dele no meu trabalho.

Lifeless Planet

É isso aí pessoal, até a próxima!

VirtualBox da Erro depois de atualização de Kernel

Nenhum comentário

terça-feira, 19 de novembro de 2013

VirtualBox - Erro ao executar ‘/etc/init.d/vboxdrv setup’

Esse erro é muito comum quando você faz um upgrade manual do Kernel Linux, ele pode acontecer mesmo nas atualizações automáticas, o erro consiste em uma falha de configuração do Kernel responsável pelo VirtualBox, como se fosse um erro de driver, o erro ocorre quando tentamos iniciar uma máquina virtual no programa, gerando a imagem abaixo.

Erro no VirtualBox

Para corrigir este erro no Ubuntu, no Linux Mint e em distros derivadas basta executar os seguintes comandos:

sudo dpkg-reconfigure virtualbox-dkms 
sudo modprobe vboxdrv
Isso deve bastar para fazer o seu VirtualBox funcionar normalmente, porém pode ser necessário instalar alguma pacote do kernel que por ventura tenha "ficado no caminho" se este comando assim não der certo execute este abaixo e depois execute os comandos acima novamente.
sudo apt-get install linux-headers-`uname -r`
Agora sim, volte a desfrutar no seu VirtualBox.

Compartilhe para mostrar aos seus amigos



Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Elian Medeiros 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

Como rodar games e Apps do Android no Linux - Tutorial

10 comentários

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Use o sistema Android juntamente com a sua distribuição

Todos já conhecem ou já ouviram falar do sistema Android do Google, ele como sabemos é voltado para dispositivos móveis, como Smartphones e Tablets, mas cá para nós se existisse uma versão para desktop possivelmente eu a usaria.
Existem vários pontos nesta longa caminhada de tentar rodar o Android no Linux, etc. Existem iniciativas reais como o Android x86 e ainda sonhos de juntar plataformas como o Ubuntu e o Android e por enquanto são somente projetos.
O ideal a princípio seria o uso o Android x86, porém, este ainda está em fase de testes e é muito pouco compatível com hardwares variados.
Eis que surge uma luz para usarmos o Android e seus aplicativos com o auxilio do Virtual Box através do projeto AndroidVM.

Tux Android

Rodando aplicativos e games em 3D no Linux

Primeiramente gostaria de deixar claro que os procedimentos a seguir podem ser utilizados em qualquer distribuição, porém como eu uso o Linux Mint e Ubuntu os procedimentos serão descritos nesta distribuições, em caso de dúvidas use a sessão de comentários do site.

O que é o AndroidVM?

A ideia inicial do projeto é simples, executar tão bem quanto possível o Android em plataformas virtuais como o Virtual Box. As últimas versões disponíveis estão na ultima versão do Android também, sendo assim, nova máquina virtual Android vai rodar a versão Jelly Bean do Sistema, neste projeto foram adaptados recursos do sistema para ser rodado exclusivamente no Virtual Box, desta forma o uso de outro emulador de máquina virtual é desaconselhável, porém o mesmo projeto deverá rodar no Windows também, desde que este use o Virtual Box também.
AndroidVM

Instalação e configuração

Gostaria de informar que li a respeito desta notícia no Ubuntu Vibes, mas como seguindo somente aquelas instruções não obtive o melhor resultado, estou reescrevendo com algumas mudanças e observações.

Você poderá baixar os arquivos necessários através desta página. Os arquivos OVA que estão dispostos e os Android VM estão na versão Jelly Bean, o que diferencia um do outro é a resolução da tela, algumas são mais adequadas a versões de smartphones e outras adaptas para tablets.

Você pode baixar a que quiser, mas quiser baixar a mesma que eu, baixe esta.
O Ubuntu Vibes sugere que baixemos também, outros arquivos, como o Android VM, particularmente estes arquivos não fizeram uma grande diferença, a ideia do AndroidVM é executar o sistema operacional do Google em uma tela em separado. Baixe o arquivo mesmo assim, caso você não utilize como eu, bastará deletá-lo. Existem versões para Windows, Linux e Mac, baixe a versão para Linux referente a arquitetura do seu processador, se for 32 bits ou 64 bits, caso você não saiba como verificar qual é a arquitetura do seu sistema, sugerimos que leia este artigo e depois volte aqui.


Instalando o Virtual Box

Para usarmos os arquivos que baixamos vamos precisar instalar o Virtual Box, em ambos os casos no Linux Mint ou no Ubuntu, você poderá instalar via central de programas, caso prefira via terminal faça:

sudo apt-get install virtualbox

Depois de instalado o Virtual Box

Precisamos configurar a máquina virtual para que ela dê acesso a rede ao Android que vamos instalar, para isso acesse o menu de configurações do Virtual Box e na guia Rede ou Network, adicione uma nova conexão:

virtual box

Dê OK, e adicione o arquivo OVA que você baixou na máquina virtual, depois da importação, vá nas configurações do sistema da máquina virtual Android:

Virtual Box Configurações

Na aba de configurações do sistema o mais importante é habilitar a aceleração por Hardware, na aba aceleração, nas abas processadores e placa-mãe, você define quanto do processador da sua máquina será dedicado ao Virtual Box e quanta memória, obviamente quanto mais processador e memória melhor.
Outra modificação que devemos fazer é na guia Monitor, habilite a opção aceleração 3D.

Virtual Box no Linux

Nesta mesma aba você pode aumentar a memória de vídeo até 128 ( no meu caso ), deixe no máximo.

Na aba que se refere a configurações de rede vamos definir qual será o adaptador de rede da nossa máquina virtual.


Vamos selecionar a conexão que criamos no primeiro passo selecionando a opção, Host-only Adapteer ou Placa de rede exclusiva do hospedeiro em português.


Agora vamos rodar o Android

Feitas todas as configurações, agora é hora de botar o Android para rodar, dê dois cliques na máquina virtual ou clique em iniciar ( start ).
As configurações normais do Android ( para Tablet se você baixou o mesmo arquivo que nós) se seguirão, aceite os termos, cadastre a sua conta Google..
O mouse será equivalente ao seu dedo na tela do Android, na tela de bloqueio deslize para o cadeado aberto para desbloquear o sistema.

Android rodando no Linux Mint pelo Virtual Box

Depois que você abrir o seu sistema existe um pequeno app para a configuração do AndroidVM, clique nele e habilite a aceleração 3D por OpenGL.



Depois disso o sistema vai reiniciar, após isso você poderá usar o Android normalmente, instale alguns apps pelo app do Google Play, alguns jogos 3D e teste o sistema.

Confira algumas telas:

Android rodando no Virtual Box

Android rodando no Virtual Box

Android rodando no Virtual Box

Android rodando no Virtual Box

Android rodando no Virtual Box

Android rodando no Virtual Box

Uma dica um tanto obvia, eu sem pensar instalai o Game Speed Night Moto, jogo que se utiliza dos sensores de gravidade dos smartphones e tablets, coisa que obviamente a máquina virtual não disponibiliza, nem você virando o monitor rsrsrs, portanto procure games que não se utilizam deste recurso.

Alguns games infelizmente não rodam, como foi o caso do Resident Evil 4, mas dá pra fazer testes dos seus softwares, e ainda usar alguns bons recursos do sistema Android.
Se a sua intenção é usar a VM para testar os seus programas, talvez lhe interesse em conhecer a suite SDK para programar para Android que é possível instalar no Ubuntu, acesse aqui.

Opcional

Como citamos anteriormente, no artigo do Ubuntu Vibes eles se utilizaram um arquivo chamado AndroidVM para rodar o Android Externamente, quero deixar claro que para mim não funcionou, mas caso você queira tentar, basta extrair os arquivos que você baixou, abrir o terminal e navegar até a pasta de arquivos extraídos e rodar o comando:

./run.sh 1024 600 160
Usando os parâmetros de resolução e DPI que você desejar:

Até a próxima pessoal, dúvidas, críticas e sugestões use a sessão de comentários. Até mais.

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 


Como instalar o VMWare 5 no Ubuntu e no Linux Mint

Nenhum comentário

segunda-feira, 19 de novembro de 2012


Versão 5 do VMWare Player lançado, aprenda a instalar na sua distro

wmwareplayer-ubuntu

O VMWare é uma das ferramentas mais completas de virtualização de sistemas operativos, diferentemente do Virtual Box, que é Open Source, o VMWare Player tem o código fonte fechado. O que não diminui em nada as suas qualidades.
Umas das quais eu mais destaco é a possibilidade que temos de usar entradas USB na máquina virtual sem precisar instalar pacotes extras, como é o caso do Virtual Box.

Instalação do Ubuntu 12.04/12.10 e Mint 13

Primeiramente precisamos instalar algumas dependências, no terminal cole o comando:


sudo apt-get install build-essential linux-headers-`uname -r`
Agora para sistemas de 32 bits use os comandos a seguir para a instalação:


mkdir ~/VMware && cd ~/VMware

wget -c http://goo.gl/qGcHF -O VMware-Player-5.0.1-894247.i386.bundle.tar

tar -xvf VMware-Player-5.0.1-894247.i386.bundle.tar

chmod +x VMware-Player-5.0.1-894247.i386.bundle

sudo sh VMware-Player-5.0.1-894247.i386.bundle
Para sistemas de 64 bits use os comandos abaixo:


mkdir ~/VMware && cd ~/VMware

wget -c http://goo.gl/aoveM -O VMware-Player-5.0.1-894247.x86_64.bundle.tar

tar -xvf VMware-Player-5.0.1-894247.x86_64.bundle.tar

chmod +x VMware-Player-5.0.1-894247.x86_64.bundle

sudo sh VMware-Player-5.0.1-894247.x86_64.bundle
Depois basta seguir as instruções de instalação.
Qualquer dúvida use a sessão de comentários.

Fonte

Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 


RemoteBox: Gerencie suas VM remotamente

Nenhum comentário

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Conheça o Software

O RemoteBox é uma aplicação com GUI escrito em Perl que permite aos usuários gerenciar VMs (máquinas virtuais), criadas com o VirtualBox, remotamente ou localmente.
Você pode gerenciar a partir de um servidor remoto como se eles estivessem instalados localmente.


RemoteBox com Interface Gráfica 

Caracteríscas

  • Cliente VirtualBox  com interface de GTK
  • Gerenciar contas no VirtulBox remotamente com a possibilidade de criar / editar os hóspedes
  • A instalação do RemoteBox não requer Apache / IIS
  • Iniciar / parar / pausa / salvar as VMs
  • Ver / interagir com VMs usando RDP (Remote Desktop Protocol)
  • Configurar sistema / configurações de tela (processador, monitor de vídeo, pastas compartilhadas, dispositivos de entrada, de áudio, portas I / O, etc)
Se você desejar ver características mais específicas do programa acesse este link A última versão do RemoteBox é a 1.4, e suporta a última versão do VirtualBox 4.2.0. 

Instalação

Para instalar RemoteBox 1.4 a partir do PPA no Ubuntu 12.10/12.04/11.10 ou Linux Mint 13/12, abra o terminal e digite estes comandos:


sudo add-apt-repository ppa:upubuntu-com/virtual
sudo apt-get update
sudo apt-get install remotebox
Depois é só abrir o software pela Dash:

RemoteBox na Dash do Ubuntu 

Virtual Box no Ubuntu

Para outras distribuições, você pode baixar a partir de RemoteBox aqui: http://remotebox.knobgoblin.org.uk/downloads.cgi

Fonte

Fique por dentro de tudo o que acontece no Diolinux...

              Twitter Diolinux@blogdiolinux   Facebook  blogdiolinux  Twitter Diolinux@dionatanvs   Google Plus Circule do Google +

Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo