Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador mesa driver. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador mesa driver. Mostrar todas as postagens

COPR: Os PPAs do Fedora

Nenhum comentário

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Saiba o que são e como utilizar os repositórios copr do Fedora.


Todos, ou ao menos a maioria de vocês que estão lendo esse artigo já devem saber o que é, ou ao menos ter ouvido falar nos PPAs. Aos “desavisados”, os PPAs são repositórios de softwares para o Ubuntu e seus derivados que podem ser criados e mantidos por qualquer pessoa que tenha conhecimento o suficiente para fazê-lo.

Caso você ainda esteja meio que “boiando” no assunto repositórios, o vídeo abaixo com certeza irá deixar bem claro do que se trata.


Agora que você já sabe o que são repositórios, vamos aos copr.

A sigla copr significa “Cool Other Package Repo”, e em termos leigos é uma plataforma na qual qualquer desenvolvedor pode criar repositórios para distribuir os seus softwares para que possam ser instalados de forma facilitada em qualquer máquina com o Fedora instalado.

A associação com os PPAs é inevitável, já que a ideia por trás do serviço é bastante semelhante, mas na prática os repositórios copr são utilizados para objetivos um pouco diferentes do que os PPAs.

É extremamente comum encontrar programas internet afora que dependam de PPAs para serem instalados no Ubuntu e derivados. Já no caso do Fedora, a maior parte dos programas utilizados pela maioria dos usuários estão presentes nos repositórios oficiais ou no RPM Fusion, de forma que podem ser instalados diretamente da loja de aplicativos do sistema. Em outros casos, muitos desenvolvedores optam por disponibilizar os pacotes .rpm, que podem ser instalados de forma semelhante aos .deb da base Debian/Ubuntu ou aos .exe do Windows.

Na maioria dos casos, os repositórios copr são utilizados para fins de testes, disponibilizando versões “bleeding edge”, betas ou até alphas de softwares, como por exemplo o repositório “che-mesa” que contém versões extremamente atualizadas do Mesa Driver, sobre o qual falamos neste artigo.

Como utilizar?


Todos os repositórios copr podem ser encontrados no site oficial do serviço, e a instalação procede da seguinte forma:

No exemplo abaixo estarei ativando o copr do repositório “che-mesa”, utilizando os nomes do usuário e do repositório que podem ser encontrados na página do mesmo, conforme pode ser visto na imagem abaixo.

sudo dnf copr enable che/mesa

Encontrando nome do usuário/repositório no copr.
Pronto! Agora na próxima vez que você atualizar o seu sistema, ou instalar algum software o repositório será sincronizado automaticamente. 

Para remover o repositório, basta utilizar o mesmo comando, substituindo “enable” por “remove”, conforme o exemplo abaixo.

sudo dnf copr remove che/mesa

E por fim, para remover todos os softwares que haviam sido instalados a partir do repositório recém removido, basta rodar o comando a seguir:

sudo dnf distro-sync

Obs.: Os repositórios copr assim como os PPAs são repositórios que podem ser criados e mantidos por qualquer pessoa que tenha o conhecimento necessário para fazê-lo. Tanto nós do Diolinux, quanto a equipe do próprio Fedora não podemos garantir a segurança ou o funcionamento de qualquer copr. Use por sua conta e risco!

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no fórum Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Kisak PPA: Uma ótima opção para o Mesa Driver no Ubuntu

Nenhum comentário

sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Conheça o “kisak-mesa”, um PPA do Mesa Driver mantido por um desenvolvedor afiliado à Valve que pode ser uma excelente alternativa aos velhos conhecidos Padoka e Oibaf.

kisak-ppa-alternativa-ao-mesa-driver-no-ubuntu-debian-e-derivados

Recentemente fizemos um artigo apresentando a vocês opções de PPAs para o Mesa Driver, e como utilizá-los no Ubuntu e seus derivados. Foi na sessão de comentários do referido artigo recebemos uma sugestão do nosso amigo Esdras sobre o Kisak PPA, que após ter testado, cheguei a conclusão de que é uma opção tão boa quanto, ou talvez até melhor que os PPAs Padoka e Oibaf.

As Diferenças


As diferenças entre o Padoka Stable, Padoka Unstable e Oibaf já foram abordadas no artigo anterior, por isso neste artigo me limitarei a falar sobre o diferencial do Kisak PPA.

Tratando-se do Mesa Driver, bem como da grande maioria dos softwares, o melhor é sempre utilizar uma versão do mesmo que não seja muito antiga, mas também que não seja muito nova. Versões muito recentes dos softwares, também conhecidas como “bleeding edge” ou “unstable” tem o lado positivo de trazerem sempre as últimas atualizações e recursos dos mesmos, mas tem também o lado negativo de não terem sido muito testadas e tendem a apresentar mais bugs.

Padoka e Oibaf


Dito isso, no momento em que estou escrevendo este artigo o Padoka Stable traz a versão 19.2 do Mesa Driver, que não chega a ser uma versão velha, é a mesma que está presente por padrão no Ubuntu 19.10 e Fedora 31. O Mesa 19.2 é uma versão estável, mas não traz algumas novidades importantes como o compilador de shaders ACO, e o Vulkan Overlay Layer. Isso faz com que o Padoka Stable seja uma excelente opção para usuários de distros com pacotes um pouco mais antigos, como o Ubuntu 18.04 LTS que não buscam por essas novas funcionalidades, não fazendo sentido utilizá-lo em distros com pacotes mais atuais, como o Fedora 31 ou Ubuntu 19.10.

Tanto o Padoka Unstable quanto o Oibaf encontram-se com o Mesa na versão 20.0, que é justamente a versão mais atual do software. É a versão que traz todas as novidades, mas também é aquela que mais tem chances de apresentar algum bug. Sendo assim, eu diria que é uma boa escolha para se utilizar para fins de testes, em máquinas que não são utilizadas para produção, e em casos nos quais o usuário não irá ser muito prejudicado caso alguma coisa “quebre”.

Kisak PPA


Por fim temos o kisak-mesa, que é mantido por um desenvolvedor afiliado à Valve, e moderador do Github da mesma. O Kisak PPA traz o Mesa Driver na versão 19.3, que traz várias melhorias que não estão presentes no 19.2, ao mesmo tempo não sendo tão “bleeding edge” quanto a versão 20.0. Sendo assim uma excelente opção para usuários de qualquer distro atual, já que é capaz de fornecer uma versão mais atual do Mesa Driver, ao mesmo tempo não sendo tão “bleeding edge”.

Atualmente o Kisak PPA suporta o Ubuntu nas versões 18.04.3 LTS, 19.04 e 19.10.

Como instalar?


O procedimento de utilização do Kisak PPA é o mesmo de qualquer outro PPA. Caso você não conheça esse procedimento, temos um artigo que lhes mostra como instalar PPAs no Ubuntu sem o uso do terminal.

Para instalar o Kisak PPA simplesmente copie e cole o comando abaixo no seu terminal.

Ubuntu e derivados:

sudo apt-add-repository ppa:kisak/kisak-mesa -y && sudo apt update && sudo apt upgrade -y

KDE Neon:

sudo apt-add-repository ppa:kisak/kisak-mesa -y && pkcon update

Agora é recomendável que você reinicie o seu sistema, e pronto!

Para checar qual é a versão do Mesa Driver que você está utilizando no momento, copie e cole o comando abaixo, e observe conforme na imagem a seguir:

glxinfo | grep OpenGL

Descobrindo a versão em uso do Mesa Driver utilizando o comando "glxinfo | grep OpenGL".
Obs.: PPAs são repositórios que podem ser criados e mantidos por qualquer pessoa que tenha o conhecimento necessário para fazê-lo. Nós do Diolinux não garantimos o funcionamento de qualquer PPA. Use por sua conta e risco!

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no fórum Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Instale a última versão do Mesa Driver no Fedora, Ubuntu e derivados

Nenhum comentário

terça-feira, 24 de dezembro de 2019

Manter o Mesa Driver em uma versão mais atualizada pode dar ao usuário acesso a novas funcionalidades, melhor compatibilidade, e em alguns casos até melhorias de desempenho em jogos e aplicações 3D, o que pode ser um excelente negócio, especialmente para usuários de GPUs AMD, e APUs Intel.


Por possuírem lançamentos fixos (point release) e um grande foco em estabilidade, distribuições como o Linux Mint, as versões LTS do Ubuntu, e outras distros que são baseadas nela, com o tempo acabam ficando com certos softwares em versões relativamente antigas. Para contornar tal característica nessas distros é bastante comum utilizarmos os PPAs (Personal Packages Archives), que como o próprio nome já diz são repositórios pessoais nos quais qualquer usuário com o devido conhecimento pode manter e distribuir pacotes próprios ou de terceiros.

A versão mais atual do Ubuntu, a 19.10, bem como o Fedora 31 fazem uso do Mesa Driver na versão 19.2. Já a versão 18.04 LTS do Ubuntu está utilizando o Mesa 18.0, e o Linux Mint 19.3 utiliza o Mesa Driver 19.0. Todavia, a versão estável mais recente do Mesa atualmente é a 19.3, que não está presente em nenhuma dessas distros, e pode ser uma versão muito interessante para usuários de chips gráficos Intel e AMD.

O Mesa Driver 19.3 trouxe melhorias de compatibilidade importantes para proprietários de GPUs Navi da AMD, e CPUs Intel da microarquitetura “Tiger Lake”. Essa também é a primeira versão a trazer por padrão o compilador de shaders ACO, desenvolvido pela Valve, e também o software de monitoramento de hardware em jogos, o Mesa Vulkan Overlay. Já cobrimos todas essas novidades e várias outras no post de lançamento do Mesa Driver 19.3.

Agora mostrarei a vocês como manter os drivers atualizados no Ubuntu, derivados do Ubuntu e Fedora. Para o Ubuntu e derivados temos três PPAs diferentes que podemos utilizar. São eles o Padoka nas versões de teste e estável, e também o Oibaf PPA. Já para o Fedora 31 utilizaremos um repositório copr, que de forma simplificada, são como os PPAs, só que para o Fedora.

Como instalar no Ubuntu e derivados?


Caso você esteja utilizando o Elementary OS, antes de adicionar qualquer PPA será necessário instalar o pacote “software-properties-common”, o que pode ser feito com o comando abaixo:

sudo apt install software-properties-common

Padoka Stable


A versão estável do PPA do Padoka, que atualmente conta com o mesa na versão 19.0, é uma excelente escolha especialmente para usuários da versão LTS do Ubuntu que não querem se arriscar em instalar uma versão de testes. O “Padoka Stable” também é o PPA recomendado pela Valve na Wiki oficial do Proton. Para instalar o “Padoka Stable” simplesmente copie e cole o comando abaixo no seu terminal:

sudo apt-add-repository ppa:paulo-miguel-dias/pkppa -y && sudo apt update && sudo apt upgrade -y

Para o KDE Neon o comando é o seguinte:

sudo apt-add-repository ppa:paulo-miguel-dias/pkppa -y && pkcon update

Padoka Unstable


A versão “Unstable” do PPA do Padoka conta com o Mesa na versão 20.0, e é compatível com as versões 18.04 LTS e 19.10 do Ubuntu, bem como com as distros derivadas dessas versões. Essa é a versão mais atualizada do Mesa Driver disponível atualmente, e conta com todas as mais recentes novidades implementadas pelos desenvolvedores. Todavia, essa também é uma versão de testes, e não é recomendado o seu uso caso você esteja procurando por estabilidade. É perfeitamente possível que você jamais tenha qualquer problema ao utilizar tal versão, que inclusive é a que eu utilizo. Mas como o próprio nome já diz, é uma versão “Unstable”. Então use por sua conta e risco.

Para instalar o “Padoka Unstable” simplesmente copie e cole o comando abaixo no seu terminal:

sudo apt-add-repository ppa:paulo-miguel-dias/mesa -y && sudo apt update && sudo apt upgrade -y

Para o KDE Neon o comando é o seguinte:

sudo apt-add-repository ppa:paulo-miguel-dias/mesa -y && pkcon update

Oibaf PPA


O Oibaf PPA é o repositório no qual o “Padoka Unstable” é baseado, e também traz a versão mais recente do Mesa Driver, que atualmente é a 20.0. Por ser uma versão “unstable”, todas os avisos citados anteriormente sobre o “Padoka Unstable” também se aplicam ao Oibaf PPA. Como diferencial, o Oibaf é compatível com um número maior de versões do Ubuntu, sendo elas a 18.04, 18.10, 19.04 e 19.10.

Para instalar o “Oibaf PPA” simplesmente copie e cole o comando abaixo no seu terminal:

sudo apt-add-repository ppa:oibaf/graphics-drivers -y && sudo apt update && sudo apt upgrade -y

Para o KDE Neon o comando é o seguinte:

sudo apt-add-repository ppa:oibaf/graphics-drivers -y && pkcon update

Como instalar no Fedora 31?


No Fedora 31 utilizaremos o repositório “che/mesa”, que também conta com o Mesa Driver na versão 20.0. Sendo assim, todas os avisos citados anteriormente sobre o “Padoka Unstable” e o “Oibaf PPA” também se aplicam ao “che/mesa”.

Para atualizar o Mesa Driver para a versão 20.0 através do “che/mesa”, primeiro abra o editor de texto da sua preferência em modo de superusuário. Para fazê-lo, abra o terminal e digite “sudo NomeDoEditorDeTexto”. Por exemplo, se você estiver utilizando o GNOME Shell, o editor de texto padrão é o Gedit. Nesse caso, o comando é “sudo gedit”.

Feito isso, acesse a página oficial do repositório che/mesa, e conforme mostrado na imagem abaixo copie o conteúdo da primeira caixa de texto, cole dentro do editor de texto que você abriu como “root”, e salve o arquivo no diretório “/etc/yum.repos.d/” com o nome de “che-llvm.repo”.

Por fim, novamente abra o editor de texto em modo “root”, cole dentro dele o conteúdo da segunda caixa de texto, e salve no mesmo diretório “/etc/yum.repos.d/” com o nome de “che-mesa.repo".

Agora é só atualizar o seu sistema através da loja de aplicativos, ou com o comando abaixo:

sudo dnf update -y

Pronto! Após ter atualizado o Mesa Driver através do procedimento de sua preferência, é só reiniciar o sistema e aproveitar as novas funcionalidades. Mas lembre-se: se você não está tendo problemas, e não está precisando de nenhuma das novas funcionalidades, a melhor escolha é sempre manter a versão que está instalada no seu sistema por padrão. Como diz o ditado: “Em time que está ganhando não se mexe”.

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo, e FELIZ NATAL! 🎄🎅😃


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Shadow of the Tomb Raider: Linux vs Windows

Nenhum comentário

sábado, 21 de dezembro de 2019

Um dos fatores mais determinantes quando uma pessoa está escolhendo um sistema operacional, é o seu desempenho em jogos. Tendo isso em mente, decidimos comparar o desempenho de um Triplo A recente, o Shadow of the Tomb Raider, entre o Windows e uma distribuição Linux.


Como diz aquele velho ditado: "Old habits die hard". É difícil perdermos velhos hábitos e matarmos velhos mitos, que há muito tempo já não são mais uma realidade. Infelizmente a crença de que sistemas Linux são difíceis, só para "hackers", e não rodam jogos ainda são uma verdade na cabeça de muitas pessoas, especialmente daquelas que não estão familiarizadas com a realidade atual dos sistemas Linux.

Combater esse tipo de desinformação é uma das "teclas" nas quais mais batemos aqui no Diolinux. Inclusive, essa foi uma das principais razões para termos criado o nosso canal na Twitch há cerca de um ano atrás, e desde então mostramos diariamente como é perfeitamente possível utilizar um sistema Linux para jogos hoje em dia, e em uma grande parte dos casos é algo extremamente fácil de ser feito. 

Antes de continuarmos, é importante deixar claro que toda vez que você ler o termo "o Linux" nesse artigo, estarei me referindo às distribuições Linux para desktop de modo geral.

O jogo que vamos testar hoje relata o terceiro capítulo da história da Lara Croft, foi lançado em setembro de 2018, e teve a sua versão para Linux lançada em outubro deste ano (2019). Quando se trata de tecnologia, é como se o tempo passasse mais rápido, mas mesmo tendo passado cerca de um ano desde o lançamento de Shadow of the Tomb Raider, o mesmo ainda é um jogo atual, com gráficos excelentes, e jogado por muitas pessoas, o que fez dele a escolha perfeita para este comparativo.

O Benchmark


É sabido que gravar a tela sem uma placa de captura causa um efeito negativo no desempenho dos jogos, o que acabaria prejudicando os nossos testes. Por esse motivo, apresentarei os resultados através de texto e prints dos resultados do benchmark.

No lado do Linux temos o KDE Neon na versão 5.17.4, utilizando o driver AMDGPU presente no Kernel Linux 5.0 e o Mesa Driver 20.0 (Padoka PPA). A API gráfica utilizada é o Vulkan. No lado do Windows 10 Home temos a versão 1909 com o driver Radeon Software Adrenaline 2020 edition 19.1, a API gráfica utilizada é o DirectX 12.

O hardware utilizado é um Ryzen 5 2600 3.8Ghz, 2x8 GB DDR4 2666Mhz e uma Radeon RX580 8GB. O jogo foi testado em 1080p, no preset alto e com o VSync desligado.

Nas imagens abaixo você confere os resultados do benchmark próprio do Shadow of the Tomb Raider, bem como as configurações gráficas, e sistema operacional no qual os testes foram realizados.

Vamos aos resultados no Windows 10.




Na versão Windows o benchmark resultou em uma média de 70 FPS, com mínima de 56 e 11039 quadros gerados. Nos testes em gameplay, durante os primeiros dez minutos de jogo (sem contar cutscenes), o jogo apresentou uma média de 70 FPS, com oscilações entre 63 e 88 FPS.

Agora vamos aos resultados dos testes no Linux.




Na versão Linux o benchmark resultou em uma média de 50 FPS, com mínima de 41 e 8027 quadros gerados. Nos testes em gameplay, durante os primeiros dez minutos de jogo (sem contar cutscenes), o jogo apresentou uma média de 50 FPS, com oscilações entre 45 e 65 FPS. Na versão Linux com o vsync desligado ocorreu bastante stuttering, o que não aconteceu na versão Windows.

Sobre os resultados


Ao comparar o desempenho do jogo em ambos os sistemas percebemos uma diferença de cerca de 20 FPS, o que no meu caso acabou não sendo um grande problema, já que mesmo no Linux o jogo continua perfeitamente jogável. Na verdade, só consigo perceber a diferença nos FPS se o contador estiver ligado. Além de que eu poderia diminuir um pouco os gráficos, melhorando a taxa de quadros, e a “perda de qualidade” seria praticamente imperceptível aos olhos.

Felizmente não costumo jogar com contadores de FPS ligados, os utilizo apenas para testes, então a minha experiência de jogo com o Shadow of the Tomb Raider no Linux nunca foi comprometida, uma vez que meus olhos não percebem nenhuma lentidão enquanto estou jogando.

Todavia, 20 FPS ainda é uma diferença realmente grande. No meu caso, com a média caindo de 70 para 50, essa diferença acabou não sendo muito perceptível. Mas imagine uma pessoa com um hardware mais simples, que consegue rodar o jogo há uma média de 40~50 FPS no Windows. Seguindo o resultados deste teste, a média que essa pessoa atingiria no Linux seria de 20~30 FPS. Ou seja, o jogo passaria de jogável para praticamente não jogável. Apesar de serem os mesmos 20 frames de diferença, ao descermos um pouco os números a diferença na experiência de jogo passa a ser extremamente maior.

É importante deixar claro que as diferenças de desempenho dos jogos entre o Linux e o Windows podem variar de acordo com cada jogo, e até com o hardware utilizado. Neste caso, o Shadow of the Tomb Raider teve um desempenho bastante inferior no sistema do Pinguim, mas em outros casos o desempenho pode ser exatamente o mesmo, ou até superior no Linux. É uma questão de saber como os jogos que você gosta rodam na sua máquina, só assim você poderá saber se no seu caso passar a usar apenas Linux é ou não uma boa ideia.

A seguir você confere um benchmark em vídeo, feito pelo Renato do blog e canal FastOS.


Conclusão


Obs.: Para fins de esclarecimento, o trecho a seguir é baseado na minha opinião, e não representa o posicionamento do projeto Diolinux e de seus outros membros sobre o assunto.

No final das contas, podemos dizer que o Linux é uma plataforma para jogos tão boa quanto o Windows?

Bem, em geral, definitivamente não!

Para mim fica bem claro que se tratando de jogos o Windows ainda está bem a frente de qualquer distribuição Linux. Todavia, isso não significa que o Windows necessariamente será uma melhor opção para todos. Ao escolher entre dois ou mais sistemas operacionais devemos analisar tudo o que tais sistemas tem a oferecer, e o quão bem cada um atende as nossas necessidades em todos os aspectos, não apenas em jogos.

Hoje em dia um número muito grande de jogos, incluindo muitos Triplo A e games extremamente populares rodam no Linux com um desempenho muito próximo, igual, e em alguns casos até superior ao Windows. E podem ser instalados sem qualquer tipo de gambiarra, através de procedimentos iguais ou muito semelhantes à instalação dos mesmos no Windows. Portanto se os jogos que você joga fazem parte dessa enorme lista dos que funcionam, então para você o Linux será uma plataforma para jogos tão boa quanto o Windows. Por outro lado, se os jogos que você gosta não rodam ou não possuem um desempenho satisfatório no Linux, a melhor opção no quesito jogos continua sendo o Windows.

Dito isso, afirmar que em geral o Linux não serve para jogos, possui poucos títulos, e só tem jogos desconhecidos é uma completa desinformação! Assim como o Windows ser um sistema que atende um maior número de usuários de uma forma mais completa no quesito jogos, no presente momento ainda é um fato!

A sua vez!


Agora chegou a hora de você dar a sua opinião sobre o assunto! 😁 Qual é a sua experiência com jogos no Linux? E mais importante, essa experiência é de quanto tempo atrás? Se tratando de jogos, a plataforma está evoluindo de maneira bastante rápida, e é bem possível que um jogo que não funcionava há um mês atrás seja completamente funcional hoje em dia. Então relate nos comentários abaixo as suas experiências positivas e negativas com jogos no Linux, e dê a sua opinião de forma educada e sempre respeitando as opiniões contrárias.

Vamos colaborar para que juntos possamos tornar o Linux cada vez melhor. 😀

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉


Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Mesa ACO recebe implementações para melhorar o desempenho de jogos

Nenhum comentário

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Recentemente o compilador de shaders ACO recebeu melhorias com o objetivo de reduzir em grande parte o número de operações de memória utilizadas pelo software, o que deve melhorar o desempenho de jogos e outras aplicações 3D.

mesa-aco-recebe-implementacoes-para-melhorar-o-desempenho-de-jogos

O ACO é um compilador de shaders desenvolvido pela Valve, com o objetivo de substituir o “LLVM Shader Compiler”, que atualmente é o padrão na versão atual do Mesa Driver na maioria das distros. Para tirar um melhor proveito do conteúdo deste artigo, é muito importante que você saiba o que é um compilador de shader, e por sua vez o ACO. Caso você não saiba do que se trata, fortemente recomendo que leia o artigo que escrevemos sobre o assunto.

Agora que você já sabe do que estamos falando, vamos às novidades.

Na última segunda-feira (25), a equipe de desenvolvimento do Mesa Driver incluiu no código do mesmo uma implementação que já estava sob revisão há quatro meses. Se formos analisar o tempo que foi necessário manter tal implementação em revisão, não é preciso ser um profissional de T.I. para perceber que trata-se de algo bastante complexo. Seguindo a lógica, uma implementação com um nível relativamente alto de complexidade também trará grandes benefícios.

Tal implementação, que entre os desenvolvedores está sendo chamada de “load/store vectorizer”, é uma contribuição do desenvolvedor Rhys Perry. O que ela faz é, de forma simplificada, diminuir a quantidade de código com que o compilador de shaders precisa trabalhar para executar determinadas tarefas. Esse comportamento faz com que o número de operações de memória simultâneas também seja reduzido, e quanto menor for este número, menor serão os tempos de carregamento, e mais alta será a taxa de FPS.

Até o presente momento, foram realizados testes com dois jogos, sendo eles Nier: Automata e GTA V. Nesses testes foi notada uma diminuição no número de operações de memória de 13% e 15%, respectivamente. Vale ressaltar que os benefícios devem ser visíveis em outros jogos além dos dois que foram testados, bem como outras aplicações 3D. 

Essas implementações deverão estar disponíveis para os usuários na versão 20.0 do Mesa Driver, que deverá ser lançado como estável no final de Fevereiro.

Já dissemos isso várias vezes aqui no Diolinux, e volto a dizer como cada vez mais fico surpreso, e animado com a velocidade com que “o Linux” vem evoluindo como uma plataforma para jogos, especialmente nos últimos dois ou três anos. É realmente impressionante!

Agora diga-nos qual é a sua opinião sobre o assunto. Será mesmo que algum dia “o Linux” chegará a ser uma plataforma de jogos considerada “mainstream”?

Você gosta de Linux e tecnologia? Tem alguma dúvida ou problema que não consegue resolver? Venha fazer parte da nossa comunidade no Diolinux Plus

Isso é tudo pessoal! 😉



Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 19.10 Beta é lançado de forma oficial

Nenhum comentário

sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Seguindo o cronograma de desenvolvimento, o “freeze” Beta do Ubuntu 19.10 é lançado com as novidades prometidas que  podem ser testadas pelos usuários.

Ubuntu 19.10 Beta é lançado de forma oficial






Como relatamos em alguns artigos referentes ao Ubuntu 19.10, ele viria com muitas novidades e que elas iam pavimentar muitas coisas que chegariam na próxima LTS do Ubuntu, a versão 20.04.


Às novidades que chegam são:

● GNOME 3.34;
● Kernel 5.3;
● Novo tema Yaru, agora tendo nos modos light e dark;
● Inicialização mais rápida, com o ZFS;
● Driver da NVIDIA já na versão 435.21 
● Mesa Driver 19.1.6, podendo ter update para a versão 19.2; 



Sobre os drivers da NVIDIA, como já havíamos comentado nos Diolinux Friday Show e em alguns artigos, o Ubuntu e as suas flavours vão trazer os driver proprietários na própria ISO do sistema, assim facilitando a vida do pessoal que usa GPUs da empresa. Para o pessoal das híbridas (como eu 😁😂) a opção On-Demand, que faria mais ou menos a mesma função do "finado" Bumblebee, está habilitada. Se você instalar o MATE Optimus, já vai vir com as variáveis offload-glx e offload-vulkan habilitadas, assim possibilitando a utilização da GPU dedicada somente nos casos que for necessário, como por exemplo jogar na Steam. Outra novidade sobre os drivers da NVIDIA, é que eles receberam updates diretamente dos repositórios oficiais do Ubuntu, assim não precisando mais da adição de PPA. Eles serão “assinados” pela própria NVIDIA, assim assegurando que se você quiser usar com o UEFI e Boot Secure, não terá problemas.

             

Para baixar a ISO do Ubuntu 19.10 beta, basta clicar aqui.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Ubuntu 18.04.3 LTS lançado com Kernel 5.0 e várias melhorias

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de agosto de 2019

A Canonical lançou um Point Release da versão LTS do Ubuntu 18.04, agora chegando na versão 18.04.3 LTS e contando com algumas novidades bem interessantes.

Ubuntu 18.04.3 LTS lançado com Kernel 5.0 e várias melhorias





Essas Point Releases do Ubuntu, são imagens ISO novas, contendo as correções de bugs, patches de segurança, além de updates dos principais aplicativos ali presentes. Com essa nova ISO, é esperado uma economia de tempo em relação aos updates, pois os mesmos não precisam ser baixados e instalados posteriormente.

Algumas correções importantes foram feitas no Gnome-Shell, na Gnome Software, no Mutter, o MESA Driver foi atualizado, entre outras correções que você pode conferir aqui.

Essas melhorias só foram possíveis, pois essa nova versão do Ubuntu “puxa” algumas coisas do HWE (hardware enablement stack ou conjunto de ativação de hardware) do Ubuntu 19.04. Isso quer dizer que as melhorias e novidades contidas no 19.04 estão agora presentes no 18.04 LTS, permitindo que o usuário se mantenha em uma versão de longo tempo de suporte,  mesclando com as novidades lançadas em versões mais recentes do Ubuntu

Dentro destas novidades, estão as novas versões do Kernel, Mesa Driver e o Driver da NVIDIA.

● Kernel passou da versão 4.18.0-25.26 para a versão 5.0.0-23.24; 

● Mesa Driver 18.2.x series para a série 19.0.2 (com suporte para Vulkan)


●Drivers da Nvidia inclusos : versões 390, 418 e uma versão mais recente da série 430 (mais precisamente há 430.26).



Sobre os drivers da Nvidia, é interessante eles já disponibilizarem as últimas versões pelo repositório. Isto mostra que eles estão dispostos a facilitar a vida de quem tem GPUs do “lado verde da força”, como mostramos em reportagens recentes, que você pode conferir aqui e aqui.

Atualizando


Se você instalou a versão 18.04 LTS (Abril de 2018), e fez todos os updates desde então, teoricamente já está com boa parte dessas melhorias, só não tendo o novo Kernel e os drivers de vídeo. Vai ser preciso habilitar o HWE para isso. O procedimento é bem simples e é feito pelo terminal. Depois de aberta a aplicação, basta digitar ou copiar/colar o seguinte comando:

sudo apt-get install --install-recommends linux-generic-hwe-18.04 xserver-xorg-hwe-18.04

Se você instalou o Ubuntu 18.04.2 LTS e fez os updates, você deverá receber essas atualizações normalmente através do gerenciador de atualizações em modo gráfico.

Se você preferir fazer uma instalação limpa, sem problemas, basta baixar a ISO novamente através deste link.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Unity 2019.1 lançado, com a versão para Linux saindo da fase Experimental

Nenhum comentário

quinta-feira, 18 de abril de 2019

A Unity é uma game engine muito famosa e utilizada em grandes games do mercado e em outros projetos também, como animações, aplicações para Arquitetura/Engenharia e Construção, Mobile entre outros. Agora quem quiser abranger essas áreas e utilizar Linux para isso, poderá de forma mais tranquila.


 Unity 2019.1 lançado, com a versão para Linux saindo da fase Experimental






Até nesta versão do Unity, o editor para Linux era tratado como Experimental pelo pessoal do Unity Technologies, e tendo algum “delay” de lançamento em relação as versões para Windows e macOS, mas agora não mais. Conforme anúncio feito no blog oficial, agora a versão para Linux está como Preview e assim receberá os updates junto com as outras plataformas.



Para eles chegarem neste resultado para Linux, tiveram que dar algumas prioridades de configurações na plataforma e que são bem interessantes, como:

- Sistemas Operacionais suportados oficialmente inicialmente são o Ubuntu 16.04, 18.04 e CentOS 7 com  arquitetura x86-64;

- Ambiente de desktop GNOME rodando em cima do X11;

- Driver de vídeo proprietário da Nvidia e o Mesa Driver para AMD (por hora nada de Intel para GPUs.);

- High-Definition Render Pipeline com melhorias e com menos ajustes (mas alguns problemas ainda permanecem, porém menores), com melhorias no suporte para Vulkan no Linux;

- Correção da mensagem "o jogo não está respondendo" em desktops com GNOME.

A lista de melhorias, correções de bugs e funções novas é enorme, tornando a leitura muito massiva e cansativa. Mas se você quer conferir todas elas, pode conferir o post lá no blog oficial do Unity.

Muito bom ver que uma ferramenta importante para desenvolvimento de games e outros projetos, está agora disponível de forma não experimental para Linux, assim abrindo o leque de opções para os devs poderem usar qualquer sistema operacional. E também poder ver alguns erros em jogos que utilizam Unity serem corrigidos também.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá  no nosso  fórum

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Dirt Rally 4 vai ser portado para Linux pela Feral Interactive

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de março de 2019

O game de rally feito pela Codemasters, o Dirty 4, será portado oficialmente pela competente Feral Interactive, que já fez o porte de alguns games de sucesso, como F1 2017, HITMAN -Game of the year , Rise of the Tomb Raider™: 20 Year Celebration, Mad Max e Deus Ex: Mankind Divided™ como exemplos.


 Dirt Rally 4 vai ser portado para Linux pela Feral Interactive










No anúncio, eles deram detalhes de quais requisitos serão necessários para rodar o game. E como já era esperado, vai ser usado a API gráfica Vulkan. Os requisitos mínimos para rodar o game são: 

⏺ SO: Ubuntu 18.04
⏺ Processador: Intel® Core™ i3-3225 3.3ghz
⏺ GPU: Nvidia 680 2GB, AMD R9 285 2GB (GCN 3ª geração e superior) ou superior
⏺ Memória RAM: 4 GB de RAM
⏺ Armazenamento: 39GB

Também foi mencionado que a distro Linux suportada de forma oficial será o Ubuntu, já quem preferir usar outra distro, provavelmente vá funcionar mas que não são apoiadas pela Feral. 

Já em relação aos drivers de vídeo, eles aconselham a usar para NVIDIA a versão 418.43 e para AMD vai precisar utilizar o Mesa Driver 18.3.4 ou superior. Temos artigos explicando como instalar os drivers mais recentes para NVIDIA e AMD (é só clicar nos nomes deles [emoji]). 

O jogo está programado para ser lançado nesta Quinta-Feira (28). Para comprar, você pode ir direto na Loja da Feral, na Humble Store e na Steam.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

Continue a discussão sobre o Jogo lá no nosso fórum

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo driver Mesa 18.2 se destaca por dar melhor suporte para GPUs AMD

Nenhum comentário

sábado, 15 de setembro de 2018

Nos últimos tempos houve uma crescente onda jogos chegando ao Linux, ainda mais com a “forcinha” dada pela Valve via o Steamplay usando o Proton, fez com que o desenvolvimento dos drivers das empresas como Nvidia, Intel e AMD para a parte de GPUs dessem uma acelerada, algo como ir de 50km/h para 200km/h. Visto os recentes updates dos drivers da Nvidia, tanto na versão Stable quanto na versão Testing (Beta). 


 Novo driver Mesa 18.2 se destaca por dar melhor suporte para GPUs AMD






E essa evolução se faz necessária, pois a API Gráfica VULKAN vem evoluindo também, como o DxVk e os drivers precisam acompanhá-la.

Na semana passada foi anunciado de forma oficial a disponibilidadeo da nova versão do MESA Driver, chegando na versão 18.2 e contemplando usuários da Intel e AMD, visto que a Nvidia tem o driver proprietário deles.

As melhorias anunciadas para AMD foram tanto para DareonSI (OpenGL) quanto para RADV (Vulkan) e compatibilidade com a nova tecnologia Vega 20. Outras novidades foram:

-  Suporte para melhor compressão de texturas STC;
- Anti-aliasing Radeon EQAA;
- OpenGL ES 3.2 e OpenGL 4.4 no RadeonSI;
- Adição de novas extensões para o Vulkan;
- Melhoria na velocidade da compilação do shader LLVM no RADV;
- Adição de extensões com recursos adicionais para Realidade Virtual utilizando VULKAN.

Outra melhoria que foi apresentada é dedicada aquem precisa fazer virtualização de sistemas operacionais. Na versão 18.2.0 do Mesa, temos o OpenGL 4.3 para os driver VirGL quando usado KVM nas máquinas convidadas,ambém virá ativado o recurso Broadcom V3D por padrão, melhorando assim o suporte ao cache do shader no processamento de sombras no RadeonSI.

Já para Intel, as novidades foram menores mas tiveram como a otimização para NIR, inclusão do OpenGL 4.6 e SPIR-V e extensões adicionais  para o ANV e a implementação do VULKAN para IPG.

Se você quiser experimentar essas novidades no Ubuntu, Linux Mint e derivados, pode adicionar esse PPAs, temos alguns artigos aqui no blog mostrando como adicionar eles via interface gráfica caso você não goste de usar o terminal.



Existem dois repositórios PPA que lhe darão acesso às versões mais recentes do Mesa Driver, você pode escolher um dos dois e atualizar o seu sistema:

1 - O primeiro PPA é do pessoal do  “Ubuntu-X team” que ainda está na última versão estável, a 18.1, mas que vai chegar em breve, o PPA deles é o ppa:ubuntu-x-swat/updates

2 - A segunda opção é o “Padoka”, uns dos devs apoiados pela Valve, o PPA em questão atualiza os mesmos pacotes que o do Ubuntu-X Team:   ppa:paulo-miguel-dias/pkppa 

Alternativamente, se você quiser testar as novidades antes de todos, também é possível adicionar o PPA do repositório instável, recomendado apenas para usuários um pouco mais avançados que sabem se virar em caso de problemas:  ppa:paulo-miguel-dias/mesa

Caso você não use o computador para jogos o desempenho esteja satisfatório para você, mantenha o sistema como ele está, a atualização do Mesa Driver deverá chegar nativamente ao Ubuntu, Linux Mint e seus derivados assim que os desenvolvedores considerarem-no estável o suficiente.

Mantenha sempre o seu sistema atualizado, é de graça! :)
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo