Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador monitores. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador monitores. Mostrar todas as postagens

Unite - Extensão “Pixel Saver” compatível com Ubuntu 19.04

Nenhum comentário

sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Pixel Saver é uma das extensões que sempre utilizei no GNOME Shell, para quem não conhece, ela é responsável por adicionar os botões das janelas (minimizar, maximizar/restaurar e fechar) na barra superior da interface. Convenhamos, ter duas barras e ocupando espaço em um monitor com baixa resolução é péssimo.

extension-extensão-gnome-shell-economizar-espaço-tela-monitor-ubuntu-fedora-unite-pixel-saver

Nas últimas versões do GNOME a extensão perdeu suporte e deixou de funcionar. No entanto, a dica de hoje é sobre um substituto de peso, que chega ser superior ao Pixel Saver. Estou falando a extensão “Unite”.

Caso esteja achando familiar essa palavra, saiba que justamente este é o intuito da extensão, tornar o comportamento das janelas ao maximizar semelhante à interface gráfica Unity 7. Veja abaixo o GIMP aberto, na esquerda sem a extensão habilitada e na direita com a extensão Unite.

extension-extensão-gnome-shell-economizar-espaço-tela-monitor-ubuntu-fedora-unite-pixel-saver

Algumas aplicações não funcionam perfeitamente em resoluções menores que Full HD, no caso do GIMP, preste atenção na barra de ferramentas. Sem a extensão ela é bem maior, pois se deixar na mesma espessura de quando o Unite está habilitado o programa perde a opção de maximizar.

extension-extensão-gnome-shell-economizar-espaço-tela-monitor-ubuntu-fedora-unite-pixel-saver

O ganho de espaço é nítida na minha resolução de 1366x766, ficar sem um complemento desses é inconcebível (em meu cotidiano). Obviamente, que as aplicações GNOME ou a maioria em GTK, são pensadas para possuir os botões das janelas na mesma barra, assim ao maximizar, não existe uma perda de espaço. Todavia apps que não foram concebidos com esse planejamento, ocuparão mais espaço em tela (ocasionando em duas barras, e quem não tem um monitor Full HD sofre).

Além de sua funcionalidade principal o Unite agrega outros recursos, dispensando outras extensões. Alterar o posicionamento das notificações do sistema e do relógio na barra superior. O comportamento dos botões das janelas na barra superior, como diversos temas para combinar com o que está utilizando nas suas aplicações (destaque ao Yaru, Arc, tema do Pop entre outros). A extensão é muito eficiente e se no passado sofria de eventuais bugs, atualmente não notei nenhum.

extension-extensão-gnome-shell-economizar-espaço-tela-monitor-ubuntu-fedora-unite-pixel-saver

A instalação é da extensão Unite é simples, e ela é totalmente compatível com o Ubuntu 18.04 e 19.04 (que são as versões do Ubuntu disponíveis na data deste post). Segue postagens para auxiliar os novatos, na instalação de extensões no GNOME.




Você pode instalar tanto pelo site ou loja do Ubuntu, conforme o primeiro link demonstra. O gerenciamento pode ser feito pela aplicação GNOME Tweaks (Ajustes), abordado no segundo link, e também pela loja do Ubuntu. No site GNOME Extensions, você pode averiguar a compatibilidade com a versão do GNOME Shell.

Mesmo sendo totalmente estável em meu uso diário, tenho que esclarecer que toda e qualquer extensão adicionada no sistema pelo usuário é de sua responsabilidade. Seja consciente e evite adicionar um “rio de extensões” em seu sistema (😉️😉️😉️).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, compartilhe este conteúdo, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Papéis de parede diferentes em cada monitor no Ubuntu

Nenhum comentário

domingo, 30 de junho de 2019

Quem utiliza mais de um monitor no Ubuntu talvez já se deparou com a impossibilidade de utilizar papéis de parede distintos em cada desktop. Essa limitação do Gnome-Shell pode ser contornada com um simples programa.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper

O HydraPaper é um gerenciador de papéis de parede com suporte multi-monitor para o GNOME. Através dele a utilização de diferentes wallpapers em cada monitor será uma realidade. Para ser sincero, o HydraPaper utiliza uma biblioteca Python chamada Pillow e mescla ambas imagens, configurando-as como um único wallpaper com a opção “Estender” habilitada. Parece uma gambiarra que contorna o “problema”, mas sejamos honestos, “o mundo é dos mais espertos” (😁😁😁).

Funcionamento do HydraPaper


No meu caso possuo 2 monitores de resoluções diferentes, e o HydraPaper funciona muito bem em ambos. Ao executar o programa pela primeira vez, você deve adicionar o caminho das pastas que estão seus wallpapers. Basta clicar no primeiro ícone superior à esquerda (uma pasta), logo em seguida no símbolo de “+” e navegar até o local de suas imagens.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

Caso não apareça as imagens, não se desespere, clique novamente no ícone da “pasta” e “marque e desmarque a chave seletora”.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

Clique no ícone que representa o seu monitor, e em seguida na imagem que quer configurar como seu wallpaper. Repita o processo para cada monitor.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

Na segunda aba do programa ficam as imagens selecionadas como favoritas, para adicionar a essa categoria, clique com o botão direito do mouse sobre a imagem e a opção aparecerá.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

O mesmo processo vale para remover dos favoritos.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

Ao escolher as imagens que deseja setar como wallpaper, clique no ícone de “aceitar”.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

Outras configurações estão presentes na aplicação, nada muito customizável, porém, opções, como: setar randomicamente os wallpapers, mudar o atalho padrão para fechamento do HydraPaper, selecionar os papéis de parede com o duplo clique, visualizar os favoritos, apagar todos os favoritos ou o cache, estão presentes.

wallpaper-dois-monitores-gnome-ubuntu-hydrapaper-linux-fllatppak-flathub

Instalando o HydraPaper em seu sistema


A instalação do HydraPaper é feita por meio do Flatpak, então, um dos requisitos é ter o mesmo e o repositório do Flathub configurados em seu sistema. Esse post é um passo-a-passo bem intuitivo (após configurar pesquise por “HydraPaper” diretamente na loja), inclusive ele demonstra até como habilitar a instalação de pacotes Flatpak via loja do Ubuntu. Já para quem prefere a praticidade do terminal, utilize os comandos, mas antes configure o Flatpak em seu sistema:

Adicione o repositório do Flathub:

flatpak remote-add --if-not-exists flathubhttps://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instale o HydraPaper:

flatpak instalar flathub org.gabmus.hydrapaper

Esse comando lhe permite executar o HydraPaper via terminal, não vejo muita necessidade, pois, ele aparecerá junto a suas aplicações:

flatpak run org.gabmus.hydrapaper

A remoção é através deste comando:

flatpak uninstall org.gabmus.hydrapaper/x86_64/stable

Utilizo diariamente o HydraPaper, julgo indispensável para quem possui mais de um monitor e gosta personalizar seu desktop.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, a galera gosta de personalizar o sistema.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GL-Z - Uma ferramenta para monitorar Vulkan e OpenGL no Linux, Windows e macOS

Nenhum comentário

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Com a crescente de games no mundo Linux, especialmente depois de implementações mais frequentes do Vulkan, criou-se uma demanda para testes, benchmarks e formas de análise, para aferir o desempenho nas plataformas. Hoje você vai conhecer uma ferramenta muito útil para fazer o monitorando do seu CPU e GPU em múltiplas plataformas.

Vulkan API monitoring






Existem muitas ferramentas de monitoramento para Linux, porém, é menos comum encontrar alguma que agrupe várias funcionalidades em "uma coisa' só e ainda por cima funcione exatamente da mesma forma em outros sistemas operacionais para facilitar a comparação. É por isso que o GL-Z é tão interessante.

Quando se fala de Vulkan, a própria API inclui algumas opções para visualização da taxa de FPS, entre outras coisas, nesse aspecto, até mesmo a própria Steam possui um contador de FPS, mas a quantidade de quadros na tela é só um dos fatores que você pode querer monitorar, ainda que para o OpenGL exista o projeto GLXOSD, o GL-Z se torna mais interessante pois, além de monitorar o OpenGL,  também consegue monitorar o Vulkan em todas as plataformas.

Capacidades do GL-Z


Configurações do GL-Z Linux

O GL-Z é um pouco esquisito. A forma principal de trabalhar da aplicação consiste em uma janela que permite a criação de várias outras janelas menores, cada qual responsável por monitorar alguma coisa diferente, como o CPU ou a GPU. Ele funciona exatamente da mesma forma em qualquer sistema, porém, existem variações, você pode rodar janelas menores para monitorar coisas específicas, por exemplo:

Monitorando OpenGL com o GL-Z

Entre os recursos do GL-Z estão:

  • Suporte a multiplataforma, sendo Windows e Linux de 64 bits, macOS e Raspberry Pi;
  • Informações de OpenGL, com dados em geral, extensões, utilizaçãod e memória;
  • Informações sobre o Vulkan, como dados em geral e extensões (assim como no OpenGL) para cada dispositivo Vulkan conectado;
  • Monitorando de CPU, mostrando o uso no Linux e no Windows;
  • Monitoramento da GPU, exibindo uso, temperatura no Linux e no Windows, com a possibilidade de exportar os dados para um arquivo de texto simples;
  • Dados de CPU e GPU podem ser capturados e exportados para um arquivo cvs para análise facilitada.

O GL-Z também tem código aberto e tem arquivos de configuração bem simples de entender e modificar, por exemplo, alterar a imagem que aparece ao fundo da janela, adicionando qualquer uma de seu desejo consiste em apenas modificar um arquivo dentro de uma pasta chamada "data".

A aplicação também tem um impacto mínimo no seu hardware, tornando-a ideal para monitoramento, consumindo apenas 16 MB de RAM e praticamente não fazendo-se presente para o uso do processador e da placa de vídeo.

Download e utilização do GL-Z


O download para qualquer plataforma pode ser feito no site oficial, a versão de Linux vem compactada no formato tar.gz, basta extrair, como você faria com qualquer arquivo do tipo. 

Dentro da pasta onde os arquivos foram extraídos você encontrará os seguintes arquivos:

Executáveis Linux

O GL-Z funciona como uma aplicação portátil, não precisando ser instalado, o que é muito bacana. 

O item circulado é o binário executável, basta dar dois cliques para que ele abra a aplicação principal, caso você tenha algum problema em executá-lo dessa forma, verifique nas propriedades do arquivo se ele está com a opção de execução marcada.

Existem alguns arquivos ".sh" (Shell Scripts) que também pode ser rodados dando dois cliques,  estes estão assinalados com setas na imagem acima, apenas verifique se o seu gestor de arquivos está configurado para abrir esse tipo de arquivo, com ele você consegue abrir variações do GL-Z, como a da imagem acima onde mostramos o software monitorando apenas o OpenGL.

Dicas

- Você pode usar o GL-Z rodando enquanto você joga e ativar a captura de logs através do menu "tools";

- Se quiser ver algum monitor enquanto joga, basta clicar com o botão direito na borda da janela e pedir para que ele fique "sempre no topo";

- Todos os logs de captura de dados que você fizer estarão dentro da própria pasta do programa com o nome "log" em alguma parte do arquivo.

Se você quiser exibir os FPS de forma sobreposta ao game, de forma parecida com o que o FRAPS faz no Windows, use um parâmetro simples na inicialização do jogo, como mostramos neste artigo.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GearBest agora tem processadores Intel, AMD e placas de vídeo por preços imperdíveis!

Nenhum comentário

terça-feira, 24 de abril de 2018

Você que acessa o nosso blog e canal com frequência já deve ter percebido a parceria de longa data que temos com a loja GearBest. Eles são um parceiro muito valioso e nos ajudam a continuar trazendo conteúdo para vocês. Hoje eu fui informado de uma novidade excelente para quem deseja comprar hardware por um preço mais camarada!

Hardware com descontos






Agora você pode comprar processadores Intel, AMD, placas de vídeo Nvidia e AMD, Monitores, SSDs (incluindo os M.2) com descontos incríveis na GearBest! 

São marcas variadas que incluem, além de Intel, AMD e Nvidia, outras empresas famosas como Samsung, Western Digital (WD), Yeston, Kingston, iGame e outras.

👉 A promoção especial para os gamers dura apenas 7 dias e você pode acessar a página com descontos especiais através DESTE LINK.

Existem alguns produtos que estão extremamente baratos se comparados ao padrão, como um belo monitor de 31,5 polegadas full HD com tela curva por pouco mais de R$ 1000,00, ou um SSD M.2 de 120 GB por R$ 150,00. Que tal uma 1050 ti por pouco mais de R$ 650,00? Confira no link acima.

Para mais descontos para produtos da GearBest, incluindo Smartphones de outros gadgets, você pode consultar a nossa página fixa aqui no blog onde atualizamos semanalmente as ofertas que eles oferecem para vocês, leitores do Diolinux, juntamente com os Flash Sales e cupons de desconto.

Aproveite enquanto durarem os estoques, porque sim, existem unidades exatas para cada produto, basta acompanhar o contador na própria página.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Diferença entre as telas resistivas e capacitivas

Nenhum comentário

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Com o avanço da tecnologia  muitas tendências foram ultrapassadas, sempre substituídas por tecnologias mais modernas que são mais fáceis de serem usadas e proporcionam produtos que satisfazem mais as pessoas. Isso foi o que aconteceu com as telas touchscreens. Hoje a tecnologia mas avançada usada na confecção dessas telas é a capacitiva que é uma evolução da anterior, a resistiva.



touch
 
Depois da introdução do iPhone no mercado, a Apple ditou a regra: Smartphone tem que ter uma tela touchscreen (já existiam aparelhos touchscreen antes, mas nenhum foi tão badalado). Primeiramente devemos saber quais telas equipam determinados aparelhos, as telas resistivas hoje equipam quase todos Smartphones da Nokia que rodam o sistema operacional Symbian, exemplos: Nokia N97, 5800, 5530, 5230, N97 Mini (com exceção do N8, E7 e X6) além dos famosos “genéricos” fabricados na China. 
Já a capacitiva tem como o maior exemplo o iPhone, que foi o pioneiro ao usar essa tecnologia na indústria móvel e mais recentemente o poderoso Samsung Galaxy S.
 

Como funcionam as telas resistivas

A tela resistiva detecta a posição do toque de acordo com a junção de duas “placas” condutoras sobrepostas. Quando o usuário toca a tela (pode ser com uma caneta ou qualquer objeto sólido), há um contato entre as duas numa determinada coordenada, sim!, coordenada, visto que utiliza-se de linhas horizontais e verticais (X,Y) para gerar um sinal elétrico de acordo a posição do toque. Não entendeu? é muito simples, você toca e dependendo de onde, o sinal gerado assumirá um valor. 

Mas e a tela capacitiva, como funciona?

Já a tela capacitiva possui características diferentes, pois funciona com o conceito dos capacitores.
Capacitores? o que é isso? : Capacitores são componentes eletrônicos capazes de armazenar energia.
Mas isso na verdade não seria uma pilha ou bateria?
Não, visto que capacitores armazenam energia e são capazes de descarregá-las em segundos ou frações de segundos, enquanto as pilhas ou baterias descarregam em minutos ou horas. As baterias através de reações químicas geram elétrons, sem falar que todas as pilhas e baterias possuem polos (+ e -)  diferentemente dos capacitores (alguns capacitores também possuem pólos mais são raros).
Telas capacitivas funcionam com o conceito de capacitores, ou seja, armazenando energia. Ao tocar o “sensor capacitivo”, entre aspas, pois na verdade é constituído de uma retícula de micro fios laminados entre duas camadas de vidro, o conceito de capacitância é colocado em prática e a localização do toque é calculada em função da alteração das características elétricas no sensor.
 
Recapitulando: com o toque há uma modificação nas características elétricas do sensor e temos a posição na tela, simples não ?
Este sensor pode até mesmo ser montado por traz de uma instalação de vidro de segurança de até 18 mm.


Tela multi-toque (multitouch)

Um display multi-toque reconhece múltiplos pontos de interação simultâneos, frequentemente incluindo também a pressão de cada um independentemente, assim como a posição. Isso permite gestos e interação através de vários dedos ou mãos, aumentando a qualidade da utilização do display, contribuindo para a manipulação direta através de gestos intuitivos. Dependendo do tamanho do display, alguns dispositivos suportam mais de um utilizador no sistema simultaneamente.
 
Como conclusão, temos, que a tecnologia está ai e que temos tanto acompanhá-la como decifrá-la, ou se quiser fique para trás e seja um simples usuário.

Dica:
Para descobrir se um celular tem tela resistiva ou capacitiva busque um objeto (que não arranhe a tela) como uma tampa de caneta e toque na tela, se ele acionar alguma função do aparelho (substituindo seu dedo) a tela é resistiva, se você só conseguir acionar alguma função usando os dedos a tela é capacitiva.

Fonte: Tekimobile

Como bloquear/desbloquear OSD em monitor AOC

9 comentários

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Aprenda a desbloquear os monitores AOC


Monitor AOC


Alguma vez você tentou mexer nas configurações do seu Monitor AOC e se deparou com a mensagem "OSD bloqueado"? Para desbloquear é muito fácil.Existem dois jeitos, depende do seu monitor:

  1. Desligue o monitor. Quando for liga-lo novamente aperte e segure a tecla MENU, que tem em seu monitor, ai então ligue-o novamente, mas não se esqueça de manter a tecla MENU Para bloquear refaça o procedimento.
  2. Desligue o monitor. Pressione o botão para o lado esquerdo, mantenha-o pressionado e pressione e ligue-o novamente, só solte quando o monitor ligar por completo. Para bloquear refaça o procedimento.

Lembrando que isto foi com um monitor da marca AOC de LCD, mais provavelmente funciona com monitores mais antigos e de outras marcas também.


Quer continuar por dentro de tudo o que acontece por aqui?

Então curta nossa página no FACEBOOK, siga o blog no TWITTER  - Siga também nossos escritores 
@dionatanvs - +Dionatan Simioni - + Junior Formagini 

Baixe o APP do Diolinux para o seu Smartphone

Se você tiver alguma dúvida procure um de nossos grupos de discussão no Facebook:

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo