Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador navegador. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador navegador. Mostrar todas as postagens

Recurso "Picture-in-Picture" chegará nativamente no Firefox

Nenhum comentário

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

O recurso “Picture-in-Picture” não é uma novidade exclusiva do Firefox, navegadores como o Google Chrome e Vivaldi possuem tal recurso já há algum tempo, porém, a Mozilla vem trabalhando na implementação da funcionalidade em seu navegador.

firefox-picture-in-picture-video-pop-up

Em processo inicial de desenvolvimento, a nova funcionalidade do browser da Mozilla, a princípio está disponível apenas na versão Nightly do Firefox. Quem já utilizou tal recurso, sabe o quão prático e cômodo pode ser fazer múltiplas tarefas e ao mesmo tempo consumir algum conteúdo.

O modo picture-in-picture permite a criação de uma pequena janela pop-up com um vídeo sobrepondo as demais aplicações. O Google Chrome e Vivaldi, permitem, ao assistir algum vídeo do Youtube, ativar este recurso clicando com o botão direito duas vezes sobre o vídeo e habilitar a funcionalidade.

Ativando o recurso Picture-in-Picture no Firefox Nightly 


Para testar o recurso PiP em desenvolvimento, baixe a versão Nigtly do Mozilla Firefox, ele virá num arquivo compactado, extraia em algum diretório de sua preferência, e execute o navegador clicando duas vezes em seu binário executável, de nome “firefox”.

O recurso não vem ativado por padrão, então vamos habilitar com alguns procedimentos.

No campo de endereços digite o seguinte comando:

about:config

habilitar-picture-in-picture-firefox

Logo após, na caixa de pesquisa, digite o seguinte texto:

media.videocontrols.picture-in-picture.enabled

O sinalizador por default vem como “false” altere para “true”,conforme a imagem abaixo.

ativar-picture-in-picture-firefox

Depois de configurarmos, podemos tornar os nossos vídeos no Youtube em uma janela pop-up, para isso clique com o botão direito do mouse duas vezes no vídeo em reprodução, e no menu de contexto escolha a opção “Picture-in-Picture”.

video-picture-in-picture-firefox

Recurso incompleto


Por ser algo em desenvolvimento, espere por bugs, ao testar o recurso notei que o áudio torna-se ausente e só fechando o modo picture-in-picture, o som retornou. Outro ponto, é que não existe um botão “fechar”, sendo necessário clicar novamente com o botão direito do mouse duas vezes sobre o vídeo na aba do navegador, e selecionar a mesma opção, assim o “mini player” será fechado.

Para utilização do modo PiP no Firefox, será necessário esperar a implementação definitiva ou utilizar extensões que simulem essa funcionalidade, lembrando que alguns sites como o próprio Youtube, possuem o modo “mini player”, entretanto não possibilitando a sobreposição em outras aplicações.

Estou ansioso para utilizar este recurso em meu Firefox, e você? Deixe nos comentários sua opinião e se usaria esta opção.

Te espero no próximo post SISTEMATICAMENTE! Até mais...

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Adicione temas oficiais ao seu Google Chrome

Nenhum comentário

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Se tem uma coisa que a maioria dos usuários Linux gostam, é de customizar o sistema, talvez esse seja o primeiro encanto ao instalar uma distro, sair trocando os temas e personalizando com cores prediletas, pois bem, basicamente essa é a novidade para usuários de Google Chrome.

temas-google-chrome-personalizar

A possibilidade de trocar o tema do browser da Google não é nada novo, porém, nesta semana a gigante das buscas lançou um plugin com diversas opções de cores para o Chrome. A coleção de temas visa agradar a todos os públicos, seja quem curte uma interface mais clara e colorida, ou pessoas como eu, que dão preferência a interfaces mais escuras. Inclusive um dos temas, o “Just Black”, simula um visual mais noturno, ideal para quem passa as noites e madrugadas utilizando o computador.

tema-preto-escuro-google-chrome-

Num total são 14 temas compatíveis com todas as versões do navegador, para aplicar ao seu navegador basta ir até a Chrome Web Store, selecionar o tema favorito e clicar no botão “Usar no Chrome”, Simples e prático.

temas-google-chrome-oficial

Até o momento o tema agraciado por quem sabe da novidade é o “Classic Blue” com 75 usuários.

tema-azul-oficial-classico-google-chrome

Você utiliza o Google Chrome? Curtiu a novidade? Com os temas oficiais da Google a segurança de algo padronizado é maior. Deixe nos comentários o que achou da novidade.

Aguardo você no próximo post, aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Assista o Netflix no navegador Vivaldi

Nenhum comentário

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Famoso por ir na contramão do atual mercado de browsers, o Vivaldi implementa a cada dia novas funcionalidades e dá maior liberdade na personalização do navegador, porém, um recurso importante estava ausente, ao menos nativamente, a possibilidade de consumir conteúdos em sites como Netflix e Amazon Prime Video.

vivaldi-netflix

Vários sites de mídias populares, como os já citados, Netflix e Amazon Prime Video, HBO, Hulu entre outros, usam o EME (Encrypted Media Extensions), uma forma de gerenciamento de mídias digitais com direitos (DRM).

Uma tecnologia chamada Widevine é a responsável por proteger os conteúdos destes provedores de serviços audiovisuais, e nas versões anteriores do Vivaldi a mesma não era presente, sendo necessário a instalação manual.

Netflix sem gambiarras no Vivaldi


Nas versões atuais o Vivaldi conta com o Widevine incorporado nativamente, facilitando o uso de usuários Linux, pois a funcionalidade era presente na versão Windows.

Codecs de áudio e vídeo proprietários


Um dos pontos abordados pela equipe do Vivaldi, refere-se ao uso de padrões proprietários pelo mercado, na concepção deles, formatos como MP4 (H.264/AAC), deveriam ser substituídos por alternativas livres como por exemplo o Webm (AV1/Opus). Lembrando que o h.264 é um formato proprietário e livre de royalties ao usuário final, contudo o consórcio responsável pelo codec, o MPEG-LA, informa que sempre será uma alternativa gratuita.

Caso alguma mídia de formato proprietário não funcione no Vivaldi, o mesmo poderá ser executado via terminal, com uma mensagem explicando como proceder. Anteriormente não existia tal facilitador. 

Outro ponto é o armazenamento em cache da cópia da biblioteca utilizada no manuseio de codecs proprietários, evitando erros caso a distribuição atualize para uma biblioteca com versão não suportada pelo browser.

Você utiliza o Vivaldi para consumir conteúdo via streaming? Sei que alguns usuários vão alegar que há algum tempo o navegador já suportava sites como o Netflix, no entanto quem testou o browser no passado, e realizava os procedimentos para o funcionamento destes tipos de sites, poderiam ficar desorientado ao não encontrar esse passo a passo explicativo feita pela própria equipe do navegador.


Deixe nos comentários sua opinião sobre esse navegador, te aguardo aqui no blog Diolinux, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo Firefox 65, veja as novidades

Nenhum comentário

terça-feira, 29 de janeiro de 2019



Famoso não apenas entre usuários Linux, o Mozilla Firefox é um dos principais browsers da atualidade, com o lançamento desta nova versão, o navegador recebe um polimento na segurança e compatibilidade com tecnologias da web.

mozilla-firefox

Com novas opções de bloqueio de conteúdo, a versão 65 do Firefox vem mantendo sua filosofia de “privacidade sem restrições de funcionalidades ao navegar na web”. Por exemplo, ao clicar no “i”, conforme imagem abaixo, opções e informações sobre a página estão disponíveis, caso tenha concedido alguma permissão especial ao site uma mensagem indicará tais privilégios.

sites-firefox

Outras configurações avançadas estão disponíveis, você pode configurá-las acessando: Preferências >> Privacidade e Segurança >> Bloqueio de conteúdo.

Existem 3 opções: Padrão, Rigoroso e Personalizado. Por padrão o Firefox 65 bloqueia apenas rastreadores conhecidos em janelas no modo anônimo, na segunda opção “Rigoroso” ele bloqueia todos os rastreadores e informa que isso pode prejudicar o funcionamento de alguns sites. 

No modo “Personalizado” você tem a total liberdade de bloquear uma lista de sites e permitir quais possam acessar os cookies ou se a configuração será válida durante navegação privada ou não, ainda é possível gerenciar ou limpar os dados de sites no Firefox. 

configuração-sites-firefox

Mais novidades no Firefox 65


Outra melhoria nesta nova versão é o aprimoramento na batalha contra os pop-ups, pois o Firefox impedirá que várias janelas abram numa mesma página. A proteção “Stack Smashing” que é uma vulnerabilidade que força o aplicativo “estourar” em meio a tantos processos, foi aprimorada.

Para usuários que usam multilinguagens em diferentes sites, serão contemplados com a opção de idiomas sem necessariamente efetuar o download de cada pacote de linguagem.

Gerenciador de tarefas remodelado


Remodelado o gerenciador de tarefas do Firefox está mais direto ao ponto, com informações detalhadas de uso de RAM e consumo de CPU, isso permite identificar os processos que estão devorando mais recursos ou até ocasionando travamentos. 

gerenciador-tarefas-firefox

Suporte ao padrão de imagem WebP da Google


E as novidades não param, o formato desenvolvido para web da Google o WebP foi adicionado ao Firefox 65, essa tecnologia permite arquivos menores e com mesma qualidade de outros formatos, além das opções de compactação com e sem perdas.

Como obter essa nova versão?


O Firefox 65 está disponível em seu site oficial, se você utiliza Linux Mint, Ubuntu ou derivados, a atualização virá do repositório oficial sem a necessidade de baixar do site da Mozilla. (Até o momento desta matéria a atualização não tinha chegado nos repositórios do Ubuntu, confira em sua distribuição).

E você utiliza o Mozilla Firefox? Gosto demais deste browser e utilizo em meu cotidiano. Deixe nos comentários quais melhorias e implementações almeja paras novas versões.

Te vejo no próximo post e compartilhe o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


“Ad block” nativo do Google Chrome tem data confirmada

Nenhum comentário

terça-feira, 22 de janeiro de 2019

Os bloqueadores de anúncio são utilizados em diversos navegadores, inclusive no Google Chrome, mas em sua maioria não são nativos e acabam prejudicando os produtores de conteúdo. Visando o benefício mútuo, a Google decidiu implementar uma maneira diferente ao bloquear propagandas da internet.

google-chrome-bloqueador-anúncios-propagandas

O bloqueador de propagandas do Google Chrome, não afetará os produtores de conteúdo, ao menos os que estiverem em normalidade com suas regras.

E quais tipos de propagandas serão bloqueados?


Formada pelas principais empresas de mídia online, a Coalition for Better Ads, depois de uma extensa pesquisa com mais de 66 mil consumidores, em países que representam 70% dos gastos com publicidade online. Elaborou um conjunto de regras com tipos de propagandas, que ao critério dos usuários são abusivas.

Essas regras têm como objetivo o aumento da comodidade ao navegar pela internet por parte dos usuários e ao mesmo tempo manter o sustento de sites que utilizam tais recursos.

Algo que os atuais bloqueadores não fazem, pois impedem qualquer tipo de propaganda, tanto as abusivas, quanto as aceitáveis.

Anúncios intrusivos como: Pop-ups, que contém reprodução automática de vídeo ou áudio, com contagem regressiva etc, serão bloqueados pelo “Ad block” nativo do Chrome. No total são 12 tipos de anúncios com experiência intrusiva.

exemplo-anúncio-desktop

O conjunto de regras também é válido para sites em dispositivos móveis, que além dos exemplos acima, costumam ter outros tipos adicionais de propagandas em sua experiência ao consumir conteúdo online. Então grandes propagandas fixas ou anúncios que cobrem toda tela, serão igualmente bloqueados.

exemplo-anúncio-mobile

Com essa medida a Google deseja aumentar a facilidade e conforto da experiência dos internautas, sem propagandas e anúncios abusivos que estragam toda navegação.

O interessante dessa história, é que ao contrário de bloqueadores atuais, apenas as propagandas chatas serão impedidas de serem mostradas, não afetando os produtores de conteúdo e nem obrigando o usuário a ativar ou desativar o recurso em determinados sites. 

Gostou da novidade? Ela está prevista para o dia 9 de Julho.

Deixe nos comentários se usa algum bloqueador de anúncios, e se acha justa essa medida de bloquear apenas conteúdos abusivos. E se outros bloqueadores também passassem a aderir este comportamento.

Até o próximo post, te espero, SISTEMATICAMENTE, aqui no blog Diolinux. 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do navegador Opera é lançada, faça o download

Nenhum comentário

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Dentro das vastas opções de navegadores presentes no Linux, o Opera se destaca nas listas de indicações de “qual navegador usar”, e assim “brigando” com Google Chrome e Mozilla Firefox.

 Nova versão do navegador Opera é lançada, faça o download






A primeira novidade que a versão 56 do Opera traz é a possibilidade de ver vídeos no formato “pop up” ou de forma destacada, assim não precisando usar nenhum tipo de plugin, permitindo conciliar trabalho e entretenimento sem que um atrapalhe o outro.
Opera 56 with improved video pop out with volume control

Outra novidade apresentada foi a implementação de um controle de volume no “pop up” e assim facilitando a tarefa de controlar a mídia em execução, esse mecanismo também pode ser chamado de “picture in picture” e pode ser utilizado em outros navegadores também, como o Chrome, através de extensões.



Outra mudança foi no visual do indicador de zoom, que agora é aberto em um “pop up”, permitindo ajustes mais diretos e o mesmo pode ser feito em Configurações > Básico > Aparência > Zoom da Página. 

Zoom level indicator

Além de correções de bugs pontuais e melhorias, agora para reportar algum bug ficou mais fácil, basta clicar no botão Menu > Ajuda > Reportar Erro e seguir os procedimentos na tela. Muito mais prático e rápido, assim ajudando os devs do Opera a resolver eventuais problemas

Opera 56 bug or issue reporting

Para maiores detalhes sobre a versão, você pode acessar o blog oficial do Opera.

Para baixar a nova versão do navegador, você pode acessar este link e fazer o download da versão adequada para o seu sistema  .deb e .rpm. 

Agora nós diga aí nos comentários se você já usa o Opera e se gostou das novidades. E se você ainda não usa, diga aí também se pretende usá-lo.

Até a próxima e um forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como usar o novo visual do Google Chrome (Material 2)

Nenhum comentário

domingo, 22 de julho de 2018

A Google parece estar trabalhando em uma renovação visual para o Chrome a fim de comemorar o décimo aniversário do navegador em Setembro, mas por que esperar até lá, não é verdade?

Google Chrome New Design






A ideia do projeto é renovar um pouco o visual já clássico pra não dizer velho do Google Chrome para a comemoração do décimo aniversário, o tema continua sendo o "Material", porém, nominado agora como "Material 2". 

Como usar o novo tema no seu Chrome/Chromium


O primeiro passo é ter uma versão compatível com o novo tema, a versão compatível é a 67, mas se você não estiver usando ela, é possível fazer o download a partir do site oficial ou instalar uma versão do repositório dev da sua distro.

Com o seu Google Chrome aberto com o tema normal, digite na barra de endereços:
chrome://flags/#top-chrome-md
Assim você deverá chegar  a esta página:

Configuração Material 2 no Chrome

Na opção "UI Layout the browsers' top chrome" altere a opção "Default" para "Refresh":

Configuração do Chrome

Depois de selecionar a opção basta reiniciar o browser e você terá acesso ao novo visual.

Você perceberá na própria omnibox a diferença no visual e nas abas também. Talvez com o tempo novos detalhe sejam implementados, este visual também deve refletir no visual do Chrome OS também.

E aí, gostou das mudanças?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Vivaldi Browser chega ao Raspberry Pi

Nenhum comentário

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Agora os usuários de Raspberry Pi poderão utilizar o navegador de internet Vivaldi, hoje os desenvolvedores anunciaram o lançamento da versão ARM do navegador.


Vivaldi no Raspberry Pi






Além de suportar o Windows, macOS e Linux Desktop, agora o Vivaldi suporta também Linux em versões ARM, sendo compatível com modelos populares do Raspberry, nominadamente: Raspberry Pi Zero, Raspberry Pi 2 e Raspberry Pi 3.

Apesar do "Rasp" ser muito popular, a variedade de aplicativos ainda não é tão grande quanto outras arquiteturas tradicionais de computador, como AMD64 por exemplo, por isso o suporte de um navegador atual e inovador como o Vivaldi é algo que devemos prestigiar.

Confira abaixo a entrevista que fizemos com o criador do Vivaldi:


Se você se interessou em usar o Vivaldi no seu Raspberry, é só fazer o download por este endereço.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como evitar lag na Netflix no seu navegador (Configuração escondida)

Nenhum comentário

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

A Netflix tem uma das melhores transmissões de streaming que existem, com uma internet de qualidade razoável você dificilmente enfrenta travamentos, no entanto, existem outros fatores que podem fazer com que a sua Netflix fique "lagada" no navegador.

Lag na Netflix






Uma conexão instável pode ser um pesadelo para quem quer maratonar aquela série no final de semana, no entanto, a qualidade da sua internet não é o único fator, outra coisa que pode deixar a Netflix com lag é um hardware que não consegue entregar muito desempenho gráfico, como este computador aqui que eu ressuscitei e usei essa técnica para poder assistir a Netflix nele sem muitos problemas.

Ajustar a sua transmissão Netflix


Tela de carregamento da Netflix


Existe um menu de configuração "secreto" dentro da Netflix que permite que você ajuste a qualidade do vídeo para melhor ou para pior. As vezes mudando um pouco o bitrate ou o CDN (Content Delivery Network) a sua Netflix pode parar de travar sem que você perca muita qualidade.

Abrindo o console da Netflix


Vamos começar a brincadeira abrindo o console da Netflix, com ela aberta em qualquer filme ou série pressione as teclas: Ctrl+Alt+Shift+D

Console Netflix

Você pode observar especialmente o Bitrate e ao lado a referência da resolução utilizada. Nessa tela aparecem várias informações interessantes, como por exemplo a taxa de quadros por segundo, quadros perdidos, entre outras coisas.

A forma da Netflix trabalhar faz com que o ajuste dessas opções seja automático, mas isso não quer dizer que seja sempre o ideal para você, apesar da intenção ser essa. 

Agora você vai aprender a configurar essas opções manualmente.

Ainda no vídeo que você estava, se você pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+D você esconde o console, pressione agora Ctrl+Alt+Shift+S para abrir um pop-up de configuração:

Configuração de bitrate na Netflix

Na janela que se abre você pode configurar o Bitrate de áudio, vídeo e alterar o servidor principal de conteúdo, eventualmente mudar de servidor pode tornar a entrega mais rápida.

Números de Bitrate menores geralmente indicam uma transmissão em qualidade reduzida  e por isso mais leve para a sua conexão e hardware, então tente reduzir um pouco a qualidade se você estiver com muito lag e veja se você consegue ainda assistir ao filme ou série em uma qualidade que você goste ou tolere.

Depois de selecionar os valores basta clicar em "Override", caso queira voltar ao padrão é só clicar em "reset". Pressionar novamente Ctrl+Alt+Shift+S faz o menu sumir.

Aproveite a sua Netflix sem travamentos e até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça o Falkon, o novo navegador do projeto KDE

Nenhum comentário

sábado, 25 de novembro de 2017

O Falkon não é exatamente uma novidade, mas eu não vi mais ninguém falando sobre ele nos últimos tempos, então resolvi instalar e testar e assim aproveitar para fazer um post sobre ele, já que eu nunca tinha tido a oportunidade de escrever sobre.

Falkon Browser KDE Project






Saindo um pouco do chamado "mainstream" de browsers, existem vários projetos interessantes de navegadores para finalidades diferentes. Talvez você ainda não tenha ouvido falar do Falkon, mas é possível que tenha ouvido falar do QupZilla.

QupZilla Browser

O Falkon é exatamente o mesmo projeto QupZilla agora incubado pelo KDE, uma das maiores comunidades de desenvolvimento de software livre. Com um nome mais moderno e uma comunidade mais forte, utilizando o Qt como ferramenta para a construção do software, ele pode acabar se tornando o navegador padrão do KDE Plasma no futuro.

Por enquanto ele está disponível apenas para testes e pode ser testado através de pacotes Snap (aqueles do Ubuntu). O navegador vem com bloqueador de propagandas ativado por padrão e tem suporte a alguns temas (não muito bonitos) até o momento.

Configurações de temas

Nos testes que eu fiz, utilizando 4 abas abertas com o blog Diolinux, Gmail, YouTube e Facebook ele foi bem econômico em memória RAM, consumindo cerca de 450 MB apenas, o que é um valor baixo comparando com outros browsers da atualidade.

Eu até tinha a pretensão de colocar aqui a pontuação do browser do BaseMark, mas ele não tem suporte a WebGL no momento (ou não está funcionando corretamente) e nem conseguiu finalizar o teste.

Como testar o Falkon na sua distribuição


Como eu havia mencionado, o Falkon está sendo distribuído em formato Snap, então é assim que temos que instalá-lo. Como trata-se de um software em desenvolvimento, bugs são esperados e testar ele como Snap vai impedir que qualquer componente do seu sistema seja afetado.

O primeiro passo é habilitar o suporte para os pacotes Snap. Confira este tutorial para aprender como fazer. Caso você use o Ubuntu 16.04 LTS ou uma versão mais nova, o suporte para Snap já vem instalado por padrão.

Depois disso, vamos precisar usar o terminal e copiar e colar dois comandos:
sudo snap install kde-frameworks-5 
sudo snap install --edge falkon
Depois de instalado, você deve rodá-lo assim:
snap run falkon
Em caso de dúvida, consulte o manual do Snap que eu escrevi aqui no blog. 

Se quiser remover o Falkon do sistema é só usar:
sudo snap remove falkon
 Até a próxima!

____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Lançada nova versão do Vivaldi Browser, confira a novidades

Nenhum comentário

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

O excelente navegador de internet Vivaldi recebeu uma atualização interessante que trouxe uma série de novidades, especialmente para PRO users!

Vivaldi Browser





A versão 1.12 do Vivaldi está disponível para download, com ela os desenvolvedores lançaram uma série de novas funcionalidades, dentre elas:

- Funções avançadas para detalhamento de imagens

-  Gerenciador de downloads aprimorado

- Controle de saturação para páginas

Confira o vídeo demonstrativo:


Você pode baixar o novo Vivaldi através do site oficial, se você já estiver com ele instalado, ele deverá se atualizar sozinho juntamente com o restante do sistema.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como navegar na internet e pesquisar no Google pelo terminal Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Apesar da interação com o terminal no Linux não ser mais algo obrigatório para usar as distribuições há muito tempo, o terminal é a ferramenta preferida de usuários mais avançados, especialmente profissionais na área e esse interesse acabou gerando inúmeras ferramentas interessantes, hoje você vai conhecer uma delas.

Usando o links2 para navegar na internet






É comum pensarmos em "Google Chrome", "Firefox", "Opera", "Safari", e outros, quando falamos em "navegadores de internet", porém, o que esses softwares mais complexos fazem, podem ser feito de forma simplista (é claro) através do terminal Linux.

Curiosamente existem várias opções para se navegar na internet ou pesquisar no Google usando o terminal, como Lynx e o Googler, o primeiro um navegador, o segundo, uma ferramenta para fazer pesquisas, porém, eu vou te apresentar o links2, uma navegador em modo texto, que dos que eu conheço, é o que eu considero mais fácil de se utilizar.

Pesquisando na internet com o links2


O primeiro passo é instalar a ferramenta. O link2 está nos repositórios padrões das distros, no Ubuntu, Debian, derivados e semelhantes, você pode instalá-lo facilmente usando o comando:
sudo apt install links2
Uma vez instalado, o funcionamento é simples, basta informar ao links2, qual o site que você deseja acessar, como por exemplo o Google. No terminal digite:
links2 www.google.com 
Ao fazer isso você acessará o Google e poderá usar o teclado para navegar entre todas as opções do site de forma relativamente simples e claro, fazer pesquisas:

Pesquisando pelo terminal Linux

Dá até pra ler os posts do blog:

Lendo no modo terminal

O links2 tem também vários menus para facilitar o seu acesso ao recursos do navegador, ao pressionar a tecla "ESC" você terá acesso ao menu do navegador, por ele você pode ir para uma site em específico, basta digitar o endereço desejado:

Links2

É uma ótima ferramenta para quem passa o dia no terminal ou se vê numa situação onde apenas o terminal está disponível.

Faça um teste e brinque um pouco com ele, tenho certeza de que vai achar interessante! :)

Ajude o blog compartilhando este artigo e até a próxima!

_____________________________________________________________________________

Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Privacidade extrema! Mozilla lança Firefox Focus para Android e iOS

Nenhum comentário

quinta-feira, 6 de julho de 2017

A Mozilla lançou uma nova versão do Firefox chamada de "Focus" com o objetivo em trazer privacidade online para os usuários. Muitos navegadores prometem esse tipo de coisa, mas a Mozilla elevou o Focus a um nível que eu ainda não tinha visto.

Privacidade online



A ideia por trás do Firefox Focus é muito simples: "Navegue como se ninguém estivesse olhando"

O conceito é simples de fato, mas tornar isso possível é uma história completamente diferente. Para atingir essa finalidade o Focus é capaz de bloquear os ditos "rastreadores" online, além disso ele traz ferramentas simples e intuitivas que permitem que você limpe o seu histórico, senhas e cookies, além de bloquear automaticamente propagandas nos sites.

O Focus não é um substituto ao Firefox tradicional, tanto que dentro dele mesmo você tem uma opção para abrir a página no navegador tradicional, você pode ver ele quase como um complemento para o seu navegador principal.

A remoção de componentes rastreadores tem prós e contras, dependendo do que você deseje, ao mesmo tempo que pode deixar a sua navegação mais rápida por carregar menos elementos na página, também pode causar uma aparência quebrada nos sites que necessitam de determinados complementos para a sua estrutura ou funcionalidade. Bloquear anúncios também pode ter uma prerrogativa negativa do ponto de vista do sustento dos sites que você gosta, mas, exatamente pensando nisso, o próprio Focus possui um botão em suas configurações que permite que você habilite os elementos em páginas específicas.

A minha surpresa


Eu instalei ele no meu Android e pensei em tirar alguns prints para mostrar as funções dele por aqui, acontece que o Focus bloqueia qualquer rastreio no aparelho, inclusive os prints. A função simplesmente não funciona com ele aberto. Tentei espelhar ele através do AirDroid para capturar as telas e o resultado foi esse:

Focus Firefox

Mais uma tela preta. Ok, legal essa função! Me surpreendeu de verdade. Mas será que ele evita gravações de vídeo também?

Usei o programa que eu sempre uso para fazer os vídeos sobre Android do canal, o AZ ScreenRecorder, e para minha surpresa, ao abrir o Focus eu consegui navegar normalmente, mas ao consultar a gravação em vídeo tive a mesma tela preta enquanto navegava por ele.

Olha Mozilla, duas palavras: "para béns."

O único jeito de te mostrar alguma coisa é tirando uma foto do celular. (ele possui versão para iOS também)

Firefox Focus
Reprodução: TechCrunch
O design do App é muito belo e com uma paleta de cores agradável, me lembrou a do "Suicide Squad" um pouco até. Simples e direto ao ponto, você abre o App, digita o site que você quer, habilita ou desabilita os rastreadores e ao sair, há um botão de lixeira que permite que você limpe tudo de uma vez. Muito prático.
Vale o teste com certeza, até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Recheado de recursos, novo Opera pode ser o seu novo navegador!

Nenhum comentário

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Eu tenho uma fidelidade incrível ao Google Chrome como navegador principal há vários anos, mas nunca deixei de utilizar outras opções, como o igualmente ótimo Mozilla Firefox, para fazer algumas atividades específicas. Recentemente tivemos o lançamento de uma nova versão do Opera e eu realmente gostei do que vi.

Opera browser




O Opera recebeu uma grande reformulação nas últimas versões e ele agora está mais completo e interessante, parece ser um browser voltado para quem fica navegando o tempo todo.

Opera Linux

Uma das coisas mais interessantes que eu encontrei nele foi a "barra social" do lado esquerdo, que tem diversas utilidades, entre elas o acesso rápido ao Messenger do Facebook e ao WhatsApp. Clicando com o botão direito na barra você também consegue adicionar outros atalhos, inclusive para o Telegram. 

Isso já é muito legal, mas não para por aí não! Se você for como eu e gosta de ouvir vídeos no YouTube (isso mesmo, ouvir) enquanto navega na internet ou faz outra atividade, bom, que tal um vídeo flutuando por cima do conteúdo?

Player YouTube Opera
Que tal ler os artigos do blog Diolinux e curtir um Arctic Monkeys ao mesmo tempo? Demais, não é? :D

E olha só, você não precisa estar com o navegador em primeiro plano pro recurso funcionar, ele fica flutuando na sua área de trabalho também. 


Para ativar a função no YouTube, Dailymotion e bom... francamente não achei algum player que não funcionasse, basta acessar o conteúdo, como no YouTube, e clicar um pequeno botãozinho verde que aparece no topo do player e boom! Player flutuante. Se você fechar a pequena janela o vídeo continua sendo reproduzido na aba normalmente, não há qualquer interrupção.

Outra coisa bem legal para quem usa Notebook, Ultrabook ou qualquer coisa do tipo, é o recurso para poupar bateria que reduz a atividade do navegador e não carrega determinados recursos dos sites para poupar a carga da bateria do seu computador.

Modo economia do Opera

Outro recurso ótimo é a presença de uma VPN nativa do navegador com diferentes localizações para o usuário escolher. O serviço de VPN te mostra inclusive a quantidade de dados trafegados por ela.

VPN no Opera

Basta ativar a função de VPN nas configurações e você consegue conectar-se a uma através da barra de endereços do próprio navegador.

A interface é customizável, ele suporta vários temas e tem um loja de extensões também que não me parece tão rica quanto a do Chrome, mas que tem muita coisa bacana, então vale a pena observar quais são os complementos que você precisa.

Loja de extensões do Opera

Como contra, ao menos no Linux, a Netflix não funciona no Opera nativamente, pelo que pesquisei nos fóruns, as versões futuras pretendem melhorar isso, então se você usa o serviço é melhor manter ao menos um outro browser instalado, como o Chrome ou o Firefox.

Você pode baixar o novo Opera e fazer um test drive diretamente do site oficial do navegador, apesar de não utilizá-lo como padrão ainda, estou gostando muito da experiência.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Pipelight é descontinuado e desenvolvedor recomenda remoção do computador

Nenhum comentário

sexta-feira, 5 de maio de 2017

O projeto Pipelight está sendo descontinuado, segundo as informações do criador, Michael Müller, por falta de tempo e necessidade, ele vai encerrar as suas atividades. 

Pipelight é descontinuado


Segundo o anúncio no site oficial, o Pipelight não vai simplesmente ficar indisponível, como todo bom software open source, ele ainda disponibiliza o seu código fonte no site Bitbucket, entretanto, não haverão mais atualizações de segurança para ele, o desenvolvedor recomenda que, se possível, os usuários removam ele do computador.

O projeto Pipelight teve início em 2013 com a ideia de trazer suporte para serviços de Streaming, como a Netflix (na época) para o Linux, já que estes serviços utilizavam os plugins NPAPI Silverlight para disponibilizar o conteúdo, com o tempo, o Pipelight além de dar suporte para o Silverlight no Linux, deu suporte também para o Adobe Flash de Windows e para o UnityWeb Player, também de Windows, todos rodando sob implementações do Wine Staging.

Em 2015, a Google encerrou o suporte para plugins NPAPI no Chrome (o navegador Chromium também, juntamente com os derivados do projeto encerram o suporte), o que acabou forçando as empresas a criarem novas formas de disponibilizar conteúdo que ficassem independentes de plugins, fazendo com que o principal uso do Pipelight fosse direcionado ao Firefox. Em alguns meses o Firefox também irá deixar de suportar este tipo de plugin, então o Pipelight ficará obsoleto e dependeria de muitas "gambiarras" para funcionar.

Diante deste cenário, onde, segundo Müller, "há mais código do que tempo para fazer", e também há menor necessidade, visto que a maior parte destes serviços já funciona no Linux diretamente do navegador, sem ser necessário adicionar funções, o Pipelight perde o seu sentido de existir, e por isso, está sendo descontinuado.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo