Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador novidade. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador novidade. Mostrar todas as postagens

Primeira versão beta do Microsoft Edge é lançada

Nenhum comentário

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

Não é de hoje que a Microsoft vem investindo uma certa atenção no desenvolvimento de seu navegador Microsoft Edge. Depois de mudar para base Chromium, a empresa se juntou ao grupo de navegadores que fazem uso do projeto open source. Recentemente anunciamos que o Google Chrome ganhará um melhor gerenciamento energético, tudo isso graças ao Microsoft Edge.

navegador-microsoft-edge-beta-chromium-windows-mac-browser

Depois de muita espera, e trabalho por parte da MS, seu navegador Microsoft Edge é disponibilizado oficialmente. Ao menos, em primeiro momento, a versão beta. Depois de passar por versões Canary e Dev, o browser chega no último passo até a primeira versão estável. Implementações vistas anteriormente se fazem presentes, como esperado, e os usuários poderão conferir um pouco o funcionamento do programa. Algumas dessas features, são: Modo Internet Explorer (para sites e sistemas que ainda fazem uso e apenas são compatíveis com o IE), Microsoft Search (incorporando o buscador Bing), e um sistema de proteção baseado no Windows Defender (que pretende isolar sites não confiáveis) e suporte para 14 idiomas diferentes.

O Edge ainda está em construção, então, não espere um navegador estável e sem eventuais bugs. Inclusive a Microsoft está oferecendo recompensas que podem chegar até 15 mil dólares por vulnerabilidade encontrada. Ficou interessado? Acesse o blog MSR para mais detalhes

navegador-microsoft-edge-beta-chromium-windows-mac-browser

Em sua publicação oficial a Microsoft informa que continuará comprometida em colaborar com a comunidade Chromium, sendo ativa e mantendo o pleno envolvimento com o projeto. E parece que a MS está se empenhando em manter este compromisso, basta ver toda contribuição que tem feito para o projeto Chromium.

Neste primeiro lançamento apenas as versões para Windows e macOS estão disponíveis para download. Para quem duvida de uma versão para o pinguim, em sua Build 2019, conferência para desenvolvedores MS, a empresa através de um slide deixou claro a intenção de distribuir seu navegador não apenas para o Windows. Você pode ler a matéria completa acessando este link, e ficar por dentro do assunto.

Não foi desta vez (para os usuários Linux), entretanto, se está no Windows ou macOS, o download do Edge pode ser efetuado diretamente do site da Microsoft

E você, usará o Microsoft Edge ou permanecerá em seu browser atual? Nem vai experimentar o navegador da MS? (#Malvadão 😂️😂️🤣️).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, e seja complacente nos comentários, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Microsoft.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Game brasileiro vai virar desenho animado no Cartoon Network

Nenhum comentário
Não sei se você já ouviu a frase: “brasileiro só não domina o mundo porque não quer”, em meu cotidiano já ouvi diversas vezes, e lá no fundinho acredito nesse dito popular (😁️😁️😁️). Capacidade o brasileiro tem de sobra, às vezes faltam condições ou oportunidades, mas com trabalho e dedicação podemos chegar lá.

desenho-animação-birdo-studio-cartoon-network-pocket-trap-game-jogo-ninjin

A Cartoon Network em coprodução com o Birdo Studio, estúdio de animação brasileiro, irá lançar o desenho animado Ninjin, inspirado no jogo brasileiro de mesmo nome. A série animada será baseada na obra do estúdio Pocket Trap, responsável pelo jogo Ninjin.

Ninjin começou como um game de ação mobile, para plataforma iOS em 2013, ganhando mais tarde em 2018 uma continuação para consoles e PC. Você pode acessar a versão Steam, por este link. Infelizmente para PC, só existe a versão Windows e no ProtonDB (no momento em que escrevo este artigo) não existem relatos de usuários que adquiriram e testaram o jogo no Linux via SteamPlay.


O jogo é bem frenético com inimigos te bombardeando a todo tempo e tem como protagonistas o coelho Ninjin e a raposa Akai, ambos ninjas. Tudo isso sem perder aquele típico humor brasileiro.

desenho-animação-birdo-studio-cartoon-network-pocket-trap-game-jogo-ninjin-akai

Mencionei anteriormente que no ProtonDb não tinham relatos de outros jogadores, porém, o Ninjin possui uma versão Demo, e ao menos em meu Ubuntu 18.04, consegui executar normalmente via SteamPlay (bastou instalar e jogar). Caso tenha se interessado pelo jogo, vale o teste.

desenho-animação-birdo-studio-cartoon-network-pocket-trap-game-jogo-ninjin-steamplay-steam-proton-linux-ubuntu

O Birdo Studio fica localizado em São Paulo e é responsável por diversos projetos. No entanto, a série “Star Wars: Forces of Destiny” da Disney XD e “Vinicius & Tom: Funny by Nature” podem ser as mais conhecidas entre os brasileiros. Os personagens que protagonizam a série Vinicius & Tom, são as mascotes das Olimpíadas Rio 2016.


Você pode assistir toda série diretamente no canal Rio 2016 no Youtube.

Podemos esperar um nível de qualidade com essa parceria entre a Cartoon Network e a Birdo Studio, que a animação Ninjin faça muito sucesso. Sua data de estreia está marcada para 4 de Setembro no canal pago Cartoon Network.

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google Chrome ganhará melhor gerenciamento de energia

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Um projeto em pleno desenvolvimento sempre tende a obter melhores resultados, seja com refatorações de código, adições ou até mesmo mudanças. Algo “na ativa” dificilmente regride em sua performance e demais aspectos, a não ser por alguma situação muito específica ou por mudanças de liderança.

google-chromium-chrome-edge-microsoft-browser-navegador-web-app-linux-windows

Há pouco tempo abordamos a possibilidade da chegada do Microsoft Edge para Linux, o browser da Microsoft agora compartilha a mesma base de outros. O Chromium é um projeto open source e que serve de alicerce para diversos navegadores, e a Google sem dúvidas é a mais famosa de todos. Possuindo a mesma base, inevitavelmente uma hora ou outra ambas empresas, Microsoft e Google, seriam beneficiadas com código e modificações, mesmo concorrendo com seus produtos.

Recentemente a Microsoft indicou que os navegadores baseados em Chromium poderiam ser mais eficientes, e nas últimas semanas passou a pôr na prática e aperfeiçoar alguns aspectos do Edge. Obviamente, que essas mudanças são para benefício próprio, entretanto, o Google Chrome também sai ganhando com isso.

Com toda descrição sobre como obter maior economia de bateria, a MS revelou os passos necessários para esse maior gerenciamento em sua página do Github. Então, a Google passa a testar essas implementações em seu navegador na versão Canary. As modificações sugeridas pela Microsoft prometem menor consumo de energia.

"Como o consumo de mídia é um cenário de alto uso, esse uso extra de energia tem um impacto negativo na vida útil da bateria. Essa alteração impedirá o armazenamento em cache de determinado conteúdo de mídia em disco com a finalidade de melhorar a vida útil da bateria dos usuários", declarou Shawn Pickett, engenheiro sênior de software da Microsoft. 

Basicamente durante atividades, como o consumo de streaming multimídia, os dados escritos em disco serão reduzidos e alocados para memória do dispositivo. Além de ser mais eficiente, o recurso permite menor consumo energético, exigindo menos do hardware. Algo simples, mas que pode fazer toda diferença. Agora nos resta esperar a versão final do Google Chrome, com tais melhorias.

É curioso pensar que a Microsoft, depois de ser veterana na “Guerra dos Browsers” iria auxiliar uma empresa rival, mesmo que direta ou indiretamente. Isso só evidencia a mudança de postura da empresa nos últimos anos. Ponto para o CEO da empresa, Satya Nadella, que vem desempenhando um ótimo trabalho na gigante do Vale do Silício.

E você, utiliza o Google Chrome em notebooks? Economia de bateria nunca é demais (😁️😁️😁️).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Uso da tecnologia NFC cresce em nosso país, segundo o Banco do Brasil

Nenhum comentário
O Brasil não é conhecido por acompanhar as últimas tendências tecnológicas, entretanto, os brasileiros passaram a utilizar ainda mais o NFC neste ano de 2019, como reporta o Banco do Brasil.

brasil-nfc-android-google-samsung-apple-pay-bb-bradesco-elo-cartao

O crescimento reportado foi de 400% a mais no primeiro semestre de 2019, com um faturamento das transações via NFC com um acréscimo de 100% no mesmo período. Totalizando quase 3,5 milhões de transações utilizando a tecnologia de aproximação, sendo que boa parte foram através de carteiras digitais. 

Ao pensarmos que esses números representam apenas os clientes do Banco do Brasil, fica ainda mais colossal a quantidade de dinheiro movimentado se os demais bancos e fintechs somassem seus resultados e relatórios de uso.

O NFC pode ser utilizado em conjunto com diversos serviços, como: a pulseira Ourocard, cartões Ourocard Visa Universitário, Platinum ou Infinite com chip contactless e aplicativos de carteiras digitais. Os maiores exemplos destes apps, em que vem se tornando parte do cotidiano dos brasileiros são o Samsung Pay, Apple Pay e Google Pay.

O Banco do Brasil tem como objetivo substituir os cartões de seus clientes, por versões modernas, proporcionando e facilitando os pagamentos por aproximação.

“Emitiremos 5 milhões de cartões com a tecnologia NFC até o final deste ano. Em 2020, praticamente substituiremos os cartões de toda a nossa base de clientes”, informa o diretor de meios de pagamentos do Banco do Brasil, Edson Costa.

A holding brasileira Elo, sociedade formada entre o Banco do Brasil e Bradesco, passa a aceitar pagamentos via Google Pay. Agora donos de cartões desta bandeira, também poderão fazer uso do NFC.

“O Bradesco mantém o compromisso em oferecer todos os jeitos de pagar pelo celular. Agora os clientes que possuem os cartões Bradesco Elo Débito, Múltiplo ou Crédito também poderão realizar suas compras através do Google Pay”, declara Vinicius Urias Favarao, diretor do Bradesco Cartões.

O diretor de produtos da Elo entende que os brasileiros estão a procura de comodidade e agora com a acessibilidade da tecnologia, seus clientes buscam soluções mais inteligentes.

“Os hábitos de consumo estão em transformação e a tendência é que o consumidor tenha cada vez mais opções de pagamento. Nossa associação com o Google Pay é um passo em direção a esse futuro do mercado de pagamentos no Brasil”, analisa Felipe Maffei, diretor de produtos da Elo.

E você, faz uso do NFC em seus pagamentos?

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: Discovery.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


CEO da AMD confirma nova placa de vídeo com arquitetura NAVI

Nenhum comentário
A atual presidente e CEO da AMD, Lisa Su, confirmou durante a reunião de acionistas da empresa, alguns rumores que circulavam no mercado de hardwares.


Lisa Su deixou claro que a AMD já estaria trabalhando em uma placa NAVI, que faz uso dos novos chips de 7 nm da empresa. Há algum tempo, rumores indicavam que a AMD estava desenvolvendo um novo modelo da nova geração de suas GPUs. Com a confirmação da CEO da AMD, essa é a primeira vez que a companhia aborda oficialmente esse equipamento.

Podemos observar que os rumores se confirmam a cada dia, dando maior força a essas especulações. Provavelmente essa nova GPU vem para substituir a atual linha Radeon VII, que foca no segmento de alta performance. Os rumores indicam que seu codinome será “Navi 12”, mas Lisa Su não revelou mais informações, apenas confirmou que a empresa vem trabalhando no equipamento, sem dar mais detalhes.

Analistas da área acreditam que as placas NAVI do segmento de alta performance (que serão superiores as Radeon VII, provavelmente serão chamadas de RX 5800 XT) e deverão ser lançadas ainda neste ano de 2019.

É interessante relembrar que durante a Computex de 2019, um climão pairou entre Lisa Su e Jensen Huang, CEO da Nvidia. Huang criticou as GPUs Radeon VII por não suportarem a tecnologia Ray tracing. Na época, Lisa Su se recusou a comentar e simplesmente respondeu que a AMD daria maiores detalhes sobre seus planos no decorrer deste ano. Evidentemente o Ray tracing é muito importante e provavelmente a AMD não ficaria atrás de sua concorrente. Tudo indica que os novos modelos de suas GPUs Navi suportarão a tecnologia.

Ansioso para os novos modelos de GPUs AMD?

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: TechPowerUp.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Novo GNOME MPV é lançado e tem seu nome alterado para Celluloid. Aprenda como instalar o player

Nenhum comentário

sexta-feira, 16 de agosto de 2019

O player GNOME MPV é famoso entre os usuários do GNOME, sendo um frontend do GTK para o mpv, o programa recebeu uma nova versão. Em seguida irei destacar as principais mudanças desta nova versão e demonstrar como obter as últimas versões de lançamento do software.

gnome-mpv-celluloid-player-video-musica-linux-ubuntu-mint-gtk-ppa-flathub-flatpak

Player de música e vídeo, são coisas muito pessoais. Mas estar aberto a novas experiências, e quem sabe substituir uma atual solução por uma nova, pode lhe proporcionar bons resultados.

Outrora chamado de GNOME MPV, o player de vídeos, agora foi renomeado para Celluloid (em sua versão 0.17).

O por quê dessa mudança? Segundo um dos membros do GNOME, Tobias Bernard, o nome era “não-descritivo”:

“O nome atual é um pouco deselegante e não se encaixa realmente com outros aplicativos na plataforma GNOME. Bons nomes de aplicativos geralmente são um único substantivo relacionado ao domínio do aplicativo (por exemplo, "Fragments" para um aplicativo de torrent ou "Peek" para um gravador de tela).”

gnome-mpv-celluloid-player-video-musica-linux-ubuntu-mint-gtk-ppa-flathub-flatpak

Há pouco tempo Tobias escreveu no blog oficial do GNOME, uma postagem com dicas e demonstrando um passo a passo para dar bons nomes aos seus projetos. Você pode acessar uma postagem que escrevi, aqui no blog Diolinux, complementando com minhas experiências as dicas do Tobias. Recomendo para quem deseja iniciar um novo projeto (seja software, canal no Youtube, site, nome de marca, etc) ou possui um atualmente e gostaria de um nome mais condizente. Você pode acessar essa postagem, por este link (falo um pouco do OSistemático, e algumas curiosidades, aposto que gostará 😉️😉️😉️).

Celluloid, esse nome tem haver com vídeos?


Alguns podem estar se perguntando: Mas porque Celluloid? Celluloid (em português celulóide) é o nome de um plástico transparente feito em folhas de cânfora e nitrocelulose, antigamente utilizado para filme cinematográfico (por ser altamente inflamável, era comum ocorrer acidentes durante a exibição dos filmes). O nome segue algumas das regrinhas descritas na postagem que disponibilizei no link acima. Obviamente que existiria uma mudança em seu ícone, isso ocorreu na versão anterior do app (0.16). Este novo ícone representa muito bem o nome Celluloid, pois sua figura é de um quadro de filme de celulóide, somado a um símbolo de player e uma pequena barra indicando ser um reprodutor.

gnome-mpv-celluloid-player-video-musica-linux-ubuntu-mint-gtk-ppa-flathub-flatpak

Principais alterações na versão 0.17 do Celluloid:

  • Nome renomeado de GNOME MPV para Celluloid;
  • Tradução Turca adiciona por @TeknoMobil;
  • Tradução em Esperanto adicionada por @ F3nd0;
  • Migração do opengl-cb para a nova API de renderização;
  • Melhor compatibilidade com atalhos de teclado numpad;
  • Melhor compatibilidade com atalhos de teclado unicode;
  • Encaminhamento dos eventos do “media-keys” para o mpv;
  • Adicionado a chave dconf para controlar o limite de velocidade do cursor para mostrar os controladores;
  • Adicionado a opção para suprimir erros de reprodução;
  • E muito mais.

Como instalar o Celluloid


Por conta dessa transição do nome GNOME MPV para Celluloid, não será raro encontrar ambas as formas de se adquirir o programa. Alguns pacotes e repositórios o denominam pelo antigo nome e outros pelo novo. Por exemplo, no Ubuntu você encontrará a versão antiga pesquisando em sua loja por “GNOME MPV”, entretanto, para instalar os últimos lançamentos deverá recorrer ao PPA ou o pacote em Flatpak.

Celluloid (GNOME MPV) via PPA


A opção via PPA em meu ponto de vista não é a melhor opção. Justamente por conta da migração, o repositório continua com o pacote da versão .016, a anterior a 0.17 com o novo nome (na data deste post 16/08/2019). No momento não existem informações se o PPA será trocado ou apenas o pacote. Inclusive no próprio site oficial do Celluloid essa opção é disponibilizada. No entanto, recomendo a segunda forma que irei demonstrar adiante. Agora se mesmo assim deseja instalar por essa maneira, eis os comandos.

Adicionando o PPA via terminal:

sudo add-apt-repository ppa:xuzhen666/gnome-mpv

Atualizando a lista de pacotes:

sudo apt update

Instalando o Celluloid (GNOME MPV) do PPA via terminal:

sudo apt install gnome-mpv

Removendo o Celluloid (GNOME MPV) via terminal:

sudo apt remove gnome-mpv

Removendo o PPA via terminal:

sudo add-apt-repository -r ppa:xuzhen666/gnome-mpv 

Celluloid Flatpak via Flathub


O Celluloid está disponível do repositório Flathub, facilitando a instalação para maioria das distribuições Linux. Caso esteja utilizando Linux Mint, não será necessário nenhuma configuração. Pesquise na loja por: “Celluloid” e instale a aplicação. Usuários do Ubuntu podem adicionar o suporte ao Flatpak e também instalar pela loja. Configure conforme este tutorial.

gnome-mpv-celluloid-player-video-musica-linux-ubuntu-mint-gtk-flathub-flatpak

Para usuários de outras distribuições, veja neste link a forma de habilitar o suporte a Flatpak. Lembrando que o repositório do Flathub deverá ser adicionado. Já se prefere instalar via terminal ou a loja de sua distro Linux não possui integração com o Flatpak, use os comandos logo abaixo para instalar o Celluloid. Obviamente, que você o Flatpak já deve estar configurado em seu sistema, conforme o procedimento que informei anteriormente.

Adicionando o repositório Flathub via terminal:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalando o Celluloid Flatpak via terminal:

flatpak install flathub io.github.celluloid_player.Celluloid

Removendo o Celluloid Flatpak via terminal:

flatpak remove io.github.celluloid_player.Celluloid

Se preferir pode compilar o Celluloid, em seu repositório do Github existe todo procedimento. 

E você, costumava usar o GNOME MPV ou utiliza outro player? Gosto muito do VLC. O visual dele não é um dos melhores, mas ele “roda até tampa de garrafa” (😁️😁️😁️). No entanto, o Celluloid se comportou bem e não tive maiores problemas (nem com legendas).

Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus, e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, que agora irei ver alguns vídeos no Celluloid, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do antivírus ClamAV

Nenhum comentário

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

O ClamAV é um antivírus desenvolvido pela Cisco Systems, líder mundial em soluções para TI e redes, de código aberto e famoso entre os usuários Linux e BSD. Multiplataforma, o ClamAV está disponível para muitos sistemas operacionais, como: Windows, Linux, BSD, Solaris e macOS. Uma alternativa interessante na detecção de trojans, vírus, malwares e demais ameaças.

clamav-antivirus-virus-malware-trojan-linux-mac-windows-bsd

Recentemente a Cisco lançou uma nova versão de seu antivírus, ClamAV 0.101.3, eliminando uma vulnerabilidade que poderia permitir um ataque de negação de serviços através da transferência de um arquivo ZIP. Obviamente, que esse arquivo deveria ser previamente preparado e com tal intenção maliciosa. Essa ameaça é uma variação do “bomba zip” não recursiva, conhecido também por outros nomes (bomba da morte ou descompressão).

O bomba zip consegue bloquear ou desativar o programa ou sistema em que tentar descompactá-lo. Com uma carga de descompressão monstruosa um arquivo com essa natureza tenta atingir a taxa máxima de compactação do formato zip, algo em torno dos 28 milhões de vezes. Por exemplo, um arquivo bomba zip com 10MB irá descompactar aproximadamente 281 TB de dados (“não há computador que aguente” 😵️😵️😵️). O intuito dessa técnica é abrir brechas para vírus no sistema durante toda essa sobrecarga, desabilitando ou dificultando o uso de antivírus na máquina (isso se existir software com esse propósito instalado, caso contrário será “um passo a menos” para o bomba zip).

A nova versão do ClamAV 0.101.3 consegue identificar o bomba zip e suas variantes, como também atualizou a biblioteca libmspack integrada, eliminando o vazamento de dados ao abrir um arquivo chm especialmente projetado (CVE-2019-1010305). Paralelamente uma versão beta da nova ramificação do ClamAV 0.102 foi apresentada. Essa versão transferiu a varredura de arquivos abertos do processo clamd para o clamonacc separado. Com isso existe a possibilidade do clamd trabalhar sem a necessidade de privilégios elevados do usuário root.

Suporte para arquivos (ESTsoft) foram implementados e o programa freshclam redesenhado, isso permitiu a adição do HTTPS e a capacidade para trabalhar com mirrors de solicitações em portas de rede não-80.

Você utiliza antivírus em sua distro Linux? Em breve iremos demonstrar como é fácil instalar o antivírus ClamAV, e em quais cenários seriam extremamente válidos a sua utilização. 

Até lá fique ligado no blog Diolinux e participe de nossa comunidade Diolinux Plus.

Te aguardo no próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎️

Fonte: ClamAV, UbunLog.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

KDE Connect no macOS e Windows! Isso mesmo! Você não leu errado!

Nenhum comentário

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Praticidade é algo que sempre desejamos, indiferente do sistema operacional. Integrar Android e PC, ao menos que minimamente, é uma tarefa requisitada por muitos. No mundo Linux uma aplicação faz muito bem esse papel, seu nome é KDE Connect.

kde-connect-mac-windows-linux-android-app-smartphone-google

Ao instalar o Ubuntu sempre adiciono o KDE Connect em minha lista de aplicações. No Gnome, especificamente, uma boa pedida é utilizar a extensão GSconnect. Temos um post de instalação do KDE Connect e no caso do Ubuntu com Gnome, o GSconnect. Acesse a postagem e veja como utilizar o programa no Ubuntu e derivados. No entanto, o assunto de hoje é a integração do KDE Connect no Windows e macOS.

Google “contribuindo com KDE Connect”


A gigante das buscas é uma das muitas empresas que impactam o mundo open source. Seja com suas contribuições diretas, com auxílio no desenvolvimento ou dinheiro,como promoção. O curioso que desta vez, é que essa “contribuição” foi de forma indireta, através do Google Summer of Code 2019. Incentivados pela Google, diversos alunos são apresentados ao desenvolvimento de software open source. Esse programa permite que esses estudantes tenham maior contato com projetos abertos e em suas férias auxiliem no desenvolvimento de programas. Desde 2005, ano de sua criação, o Google Summer of Code reuniu mais de 14.000 estudantes e mais de 24.000 mentores ao redor do mundo inteiro. Num total, foram mais de 651 organizações de código aberto auxiliadas, e alguns estudantes estão trabalhando no KDE Connect para Windows e macOS.

KDE Connect no macOS


O Mac, por exemplo, possui o recurso de “continuidade” entre o macOS e o iOS. Essa função é muito interessante, porém, usuários de Android poderão sentir a necessidade de algo parecido. O KDE Connect no sistema da maçã, é uma boa solução.

Basicamente para utilizar o KDE Connect no sistema da Apple, você terá que ter as últimas versões (a partir do macOS 10.14 Mojave). Isso se o intuito for uma simples instalação de um DMG, versões inferiores também poderão fazer uso da ferramenta. No entanto, a construção (compilação do KDE Connect) deverá ser manual. Em breve versões estáveis serão lançadas, até lá os usuários de Mac devem acessar o KDE Binary Factory e obter o arquivo DMG.

kde-connect-mac-dmg-linux-android-app-smartphone-google

Baixe o KDE Connect para macOS, por este link.

Enfatizando que a opção disponibilizada atualmente precisa de permissão para execução de aplicativo de um desenvolvedor não certificado. Todavia é uma questão de tempo para não ser mais necessário esse passo em seu Mac. 

Caso queira mais informações sobre o KDE Connect para macOS, acesse o blog do estudante Weixuan Xiao, responsável por essa façanha.

KDE Connect no Windows


No Windows o KDE Connect pode ser compilado para sua utilização, porém, existem muitos problemas e plugins importantes sem suporte. Por esse motivo a versão para o sistema da Microsoft até hoje não foi considerada estável o suficiente para ser apresentada pelo projeto do KDE Connect. Mais uma vez um estudante, Piyush Aggarwal, participante do programa da Google, entra em ação e pretende resolver as atuais falhas e incompatibilidades.

A versão Windows ainda está em um estado mais “embrionário”, todavia Piyush vem, em seu blog, demonstrando os avanços em seu desenvolvimento. Eis um vídeo demonstrando um pouco do funcionamento do KDE Connect no Windows 10.


Mais informações podem ser obtidas no blog de Piyush, ele descreveu detalhadamente seus testes e resultados.

O app Android do KDE Connect está disponível diretamente na Google Play Store e F-Droid.

É muito interessante ver projetos de código aberto serem auxiliados por estudantes que, ao mesmo tempo que ganham expertise, contribuem com ótimas soluções. Com o Google Summer of Code, a Google proporciona a entrada de jovens profissionais no mundo open source.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


XFCE 4.14 enfim lançado! Saiba quais são as novidades

Nenhum comentário
O XFCE é conhecido por ser relativamente leve e bem conservador. Não é difícil ver alguns usuários chamando ele de “rocha”, pois, sua fama é de prezar pela estabilidade e nem sempre acompanhar as últimas novidades (ao contrário de um KDE Plasma da vida). No entanto, essa característica não é um defeito, apenas um modo de se trabalhar.

xfce-gtk3-linux-interface-leve-customizável

A nova versão do “Ratinho mais querido entre os pinguins”, vem repleto de novidades e polimentos, eis logo a seguir alguns destes principais destaques:

  • Porte dos principais componentes de GTK2 para GTK3, do D-Bus GLib para GDBus; 
  • Área de trabalho com suporte a função do monitor principal RandR;
  • O gerenciador de janelas do XFCE agora possui suporte a VSync, HiDPI, aprimoramento do GLX com drivers proprietários NVidia ou XInput2;
  • Refinamento no plugin que permitia o agrupamento de janelas em listas;
  • Sincronização entre os wallpapers do usuário com Contas e Serviço;
  • Possibilidade de escalonamento das janelas GTK na caixa de diálogo de aparência e uso da fonte mono espaçada (a visualização por tópicos foi abandonada);
  • O mecanismo para pesquisa de aplicativos pode ser aberto como uma janela única, ou de forma tradicional. Sua navegação via terminal foi aprimorada.

A mudança não ficou apenas nos painéis ou componentes que “desenham e formam” a interface. As aplicações receberam muitas novidades. Podemos dizer que essa versão 4.14 do XFCE foi uma das que mais trouxeram mudanças. Por vários anos o XFCE permaneceu apenas com correções de desempenho e falhas, sem novidades ou adições que mudassem o comportamento, ou algum de seus elementos. Como mencionado anteriormente, essa característica mais conservadora do projeto, é um dos pilares que reforçam essa sensação de robustez e confiança do XFCE. Obviamente que outros aspectos, como leveza e um alto nível de personalização, são chamarizes para novos usuários.

  • O Thunar recebeu várias funcionalidades e correções, que vão de aspectos visuais à experiência do usuário. Por exemplo, sua barra de caminho recebeu uma revisão completa, suporte a miniaturas maiores e para ícones como miniatura (ou até mesmo arquivos de música, com álbuns em suas miniaturas). Melhor navegação via teclado e suporte a Blu-ray, pelo gerenciador de volume do Thunar;
  • Parole Media Play passou a possuir um “modo mini”, melhor integração com transmissões de rede e podcasts. O mesmo passou a inibir protetores de tela ou até mesmo configurações de energia que desligassem a tela, durante a reprodução de conteúdo;
  • O gerenciador de bateria foi refinado, permitindo suporte ao botão XF86Battery e o novo protetor de tela xfce4. Além, de correções de bugs e ajustes de recursos já existentes;
  • O add-on do painel ganhou novas funções, como: poder exibir o tempo ou percentual de baterias e dependerá do ícone padrão do UPower para trabalhar com temas de ícones. Afinal, com o LXDE migrando para base QT, o complemento do painel que responsável por isso foi removido.
  • O serviço de notificação recebeu um modo não perturbe e suporte a persistência;
  • Ristretto obteve melhoras em seu design e passa a poder configurar o plano de fundo da área de trabalho;
  • O gerenciador de área de transferência, através do GtkApplication, passa a ter maior compatibilidade com atalhos do teclado.
  • Melhorias no add-on do painel pulseaudio, proporcionando o controle de players de mídia remotamente;
  • A captura de tela com mais liberdade, sendo que o usuário pode mover a largura e altura da seleção de captura, entre outros detalhes;
  • E muito mais novidades.

Para maiores detalhes acesse o comunicado oficial do lançamento do XFCE 4.14. Lembrando que as Daily Builds do Xubuntu 19.10 estão com a versão de teste do XFCE 4.14, sendo questão de tempo para usarem a final.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

Fonte: XFCE.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

LibreOffice 6.3 lançado com melhorias de performance

Nenhum comentário

sexta-feira, 9 de agosto de 2019

O LibreOffice é uma das suítes offices mais famosas no meu Linux e em outros sistemas. A cada lançamento sua interface vem sendo refinada e a compatibilidade com os formatos de arquivos fechados da Microsoft sendo refinados.

suite-office-libreoffiice-linux-windows-mac-documento-trabalho-slide-planilha-apresentação

O LibreOffice 6.3 traz melhorias na exportação e abertura de documentos, além de continuar o refinamento em seu visual, algo iniciado há algum tempo e que passou a estar disponível na versão anterior 6.2.

Outra importante mudança, que anteriormente tinha sido anunciada, é o fim de suas versões binárias de 32 bits para sistemas baseados em Debian ou Red Hat oferecidas pela The Document Foundation. No entanto, o suporte para sistemas desta arquitetura será mantido por mais alguns meses na versão atual 6.2, entretanto, a nova versão só está disponível para arquiteturas 64 bits. Inclusive é aconselhável que usuários em sistemas de produção, mantenham-se na versão 6.2, caso desejem maior estabilidade.

Comparado a versão 6.2, o LibreOffice 6.3 consegue exportar quase duas vezes mais rápido, enquanto ao abrir arquivos ODT no Writer, sua performance pode chegar a mais de 90% mais veloz. Melhorias na exportação de PDFe adicionado suporte para importar gráficos do DOCX (drawingML). Novidades, como uma janela de “dica do dia” ao iniciar o programa (uma vez por dia), um novo infobar (informando as notas de lançamento a cada nova versão), uma versão compacta da interface NotebookBar chamada de “Tabbed Compact” (auxiliando donos de laptops com pouco espaço), outra interface denominada “Contextual Single” (para Writer e Draw), e muito mais. 

Veja algumas novidades no vídeo demonstrativo:


A versão 6.3 receberá suporte por dez meses, com periódicas atualizações até 29 de maio de 2020. Você pode acessar seu site oficial para efetuar o download do LibreOffice.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Anunciado o HarmonyOS, o novo sistema operacional da Huawei

Nenhum comentário
Ao longo de todo esse impasse, entre EUA e Huawei, noticiamos o desenrolar dessa história. Caso não tenha conhecimento, leia a primeira postagem aqui do Diolinux sobre o relacionamento complicado entre os Estados Unidos e a Huawei.

huawie-hongmengos-harmonyos-smartphone-android-unix-linux-tv-laptops

Alguns cogitaram a possibilidade da Huawei criar parcerias com outras empresas e embarcar Linux em seus laptops, escrevi um artigo acerca do tema, enquanto outros apostaram em um sistema que funcionasse em ambas plataformas. Informações de usuários que testaram o então denominado HongMeng OS foram detalhadas nesta postagem.

Fim do mistério?


Afinal, é HongMeng OS ou HarmonyOS? Acontece que ambos estão corretos, entretanto, HarmonyOS é o nome em inglês. A Huawei fez diversos registros de nomes e antes de seu pronunciamento oficial, ainda existia muita especulação quanto ao nome correto. HarmonyOS será adotado globalmente.

Em sua conferência para desenvolvedores deste ano, a Huawei anunciou seu novíssimo sistema operacional e revelou mais detalhes e possíveis planos para o mesmo.

O HarmonyOS é um sistema baseado em microkernel, que pode executar diversas operações de Linux, Unix e Android, tudo na mesma plataforma. Seu foco é suportar um vasto portfólio de dispositivos e cenários. Tablets, TVs, dispositivos IoT, Wearables, PCs e muito mais opções. Além das fabricantes poderem embarcar o HarmonyOS. O lançamento da solução chinesa foi acelerado, devido a toda situação desconfortável com os EUA. Segundo Yu Chengdong, CEO da Huawei Consumer BG, que o sistema da empresa foi projetado para funcionar em várias plataformas e que uma possível migração de Android para HarmonyOS seria algo relativamente simples. Isso, se por algum motivo a Google deixasse de ser parceira da empresa.

Yu revelou que inicialmente o sistema tinha data prevista de lançamento para meados de 2020, mas devido aos problemas com os EUA, a empresa empenhou-se no desenvolvimento de sua solução, investindo em 4000-5000 pessoas para tornarem o projeto viável antes da data.

O HarmonyOS é software open source, segundo a Huawei não é baseado em Linux (mas pode trabalhar com o mesmo) e tem previsão de lançamento junto a TV Honor Smart Screen, amanhã dia 10 de Agosto. Assim maiores detalhes serão revelados, lembrando que essa conferência (HDC 2019) tem como foco os desenvolvedores. Sendo de código aberto a empresa visa acelerar sua adoção e desenvolvimento.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

Conheça o emulador de Nintendo DS, melonDS

Nenhum comentário

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Não vou negar que sou um apaixonado por portáteis e já tive a oportunidade de possuir a maioria deles. No entanto, nem todos os meus consoles estão em perfeito estado (ou ainda “vivos”). É aí que entra outra paixão que possuo, os emuladores.

melonDS-nintendo-ds-emulador-desmume-jogo-linux-windows-game-retro

melonDS é um emulador de Nintendo DS, um dos portáteis mais importantes da indústria dos games. Desculpe a minha empolgação, mas falar do DS me remete a minha adolescência, época em que corria atrás para comprar meus consoles e games (servente de pedreiro, várias gambiarras, vendas e até mesmo o meu início em TI).

Muitos leitores irão citar o DeSmuME como uma alternativa aos seus jogos de Nintendo DS. Concordo que o emulador é muito bom, entretanto, desde 2015 não é lançada uma nova versão em seu site. Atualmente gosto de utilizar o DeSmuME modificado (poderei criar uma postagem sobre) e o melonDS.

melonDS-nintendo-ds-emulador-desmume-jogo-linux-windows-game-retro

Comparado ao DeSmuME, o melonDS é um novato, porém o emulador é promissor e vem recebendo dia após dia novas funcionalidades. Além da performance e recursos gráficos em torno de sua emulação. Atualmente utiliza como renderizador gráfico o OpenGL, mas com o desenvolvimento acelerado do programa, não duvido que o Vulkan se torne uma nova opção. Alguns recursos do emulador, de forma bem resumida, são:

  • Núcleo quase completo (CPU, vídeo, áudio, …);
  • Renderizador OpenGL, upscaling 3D (permitindo escalar a resolução nativa do DS, aumentando em até 8x); 
  • Simula partes do hardware, como o RTC (relógio interno do DS), microfone, tampa fechada / aberta; 
  • Suporte a joystick;
  • Savestates;
  • Vários modos de posicionamento / dimensionamento / rotação de exibição da tela do jogo; 
  • (WIP) Wifi: multiplayer local, conectividade on-line (requer a “libpcap”, para seu funcionamento); 
  • Versão Windows e Linux;
  • Software livre sob licença GPL3 (acesse o github do melonDS);
  • E muito mais está planejado. 

Recursos que serão implementados no futuro:


  • Emulação do Nintendo DSi;
  • Gráficos 3D com pixels perfeitos;
  • Aprimoramento da libui e a interface do emulador;
  • Suporte para renderizar telas separadamente;
  • Emulação de addons;
  • Entre outras funcionalidades (depurador, visualizadores de gráficos, cheat crapo, etc).

Recursos que também estão planejados, mas em segundo plano:


  • Melhorias no wifi;
  • Emular flashcarts ou outro hardware sofisticado;
  • Compatibilidade big-endian (Wii, etc);
  • Tempo de atualização do LCD (usado por alguns jogos para mesclagem de efeitos);
  • Recursos relevantes sugeridos pelos usuários do melonDS.

Novidades, aprimoramentos e mais informações sempre estão disponíveis no site oficial do melonDS. Seu desenvolvimento e lançamentos constantes, são características que me animam neste projeto. Afinal, se algo continua em desenvolvimento, significa que cada vez o emulador se tornará mais maduro e completo, enquanto, algo estagnado não oferece possíveis melhorias.

melonDS-nintendo-ds-emulador-desmume-jogo-linux-windows-game-retro

Como baixar o melonDS


Para obter as últimas versões do melonDS, basta efetuar o download diretamente de seu site oficial. Tanto a versão Windows, como Linux são executáveis. Não é necessário instalar a aplicação em seu sistema. Todavia, para seu funcionamento alguns arquivos são exigidos.

O melonDS requer cópias da BIOS / firmware de um DS. Arquivos necessários:

  • bios7.bin, 16 KB: BIOS ARM7
  • bios9.bin, 4KB: BIOS ARM9
  • firmware.bin, 128/256 / 512KB: firmware

Para utilizar o emulador será necessário esses 3 arquivos, vindouros de um DS original ou DS Lite. Por motivos óbvios não podemos disponibilizar os arquivos aqui no blog Diolinux. Adicione os arquivos junto ao executável do melonDS e o emulador funcionará normalmente.

Lembrando que no Linux você tem que dar a permissão de execução do melonDS. Clique com o botão direito do seu mouse sobre o executável do melonDS. Vá em “Propriedades” >> “Permissões” e marque o checkbox.

melonDS-nintendo-ds-emulador-desmume-jogo-linux-windows-game-retro

Mesmo com a interface em inglês o emulador é intuitivo e em poucos minutos você aprende todas as configurações do programa. Caso só tenha utilizado o DeSmuME, recomendo experimentar o melonDS.

Participe de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Como instalar o Blender no Linux

Nenhum comentário

sexta-feira, 2 de agosto de 2019

O Blender é uma ferramenta de código aberto e super poderosa. Não é atoa que muitos o chamam de canivete suíço. Isso devido aos inúmeros tipos de trabalhos que podem ser feitos diretamente no programa. Modelagem 3D, manipulação, animação 2D e 3D, simulação, renderização, composição, motion tracking, e até mesmo edição de vídeos. Me diz se não é um verdadeiro “mil e uma utilidades”?

blender-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete-snap-flatpak

A versão 2.80 estava sendo aguardada há muito tempo, os mais ansiosos estavam usando a beta 2.79c. Temos uma postagem sobre o lançamento do tão aguardado Blender 2.80, confira acessando esse link e veja as novidades. Eu mesmo era uma dessas pessoas, não que domine o Blender ou faça mil maravilhas com o software, entretanto, sempre desejei aprender a modelagem 3D (estava sondando e estudando um bem interessante que encontrei na Udemy) e também usava o Blender para outros fins (utilizo às vezes para exportar meus vídeos com fundo transparente, quando o Kdenlive não coopera 😁😁😁).

Instalando o Blender no Linux


O Blender encontra-se nos repositórios da maioria das distribuições Linux, podendo ser instalado normalmente via terminal ou pela loja. Todavia nem sempre essas versões acompanharão os últimos lançamentos. Este é o caso do Ubuntu 18.04, que mantém a versão 2.79. Pesquise se em seu sistema o Blender está na versão 2.80, caso não. Demonstrarei a seguir como obter as últimas versões do Blender. 

Blender “portable”


A primeira forma de conseguir as versões mais atuais do programa, é diretamente em seu site oficial. Deste modo não será necessário instalar o Blender em sua distribuição. O arquivo distribuído é no formato TAR.BZ2, bastando descompactar e executar com dois cliques a aplicação. No entanto, se o programa não executar, verifique nas propriedades do arquivo se o mesmo tem permissão para execução (Aqui veio por padrão habilitado).

blender-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete

Blender via Snap


Dando continuidade, o Blender está disponível na Snapcraft e mantido pela Blender Foundation (organização que gere o projeto). Aos usuários de Ubuntu basta pesquisar na loja por: “Blender”. Verifique se está selecionando a versão em Snap.

blender-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete-snap

Outras distribuições Linux podem fazer uso do Snap, mas é necessário ter o mesmo habilitado. Instalar via terminal, é uma opção:

Instalar Blender Snap via terminal:

sudo snap install blender --classic

Remover Blender Snap via terminal:

sudo snap remove blender

Blender via Flatpak


A terceira forma que demonstrarei como obter o Blender é via Flatpak. Essa versão é mantida pela comunidade do Flathub, assim sendo, o sistema deverá ter o repositório do Flathub adicionado (além do Flatpak configurado, obviamente). Ao contrário das duas opções acima apresentadas, essa pode demorar um tempo para se alinhar com os últimos lançamentos (por exemplo, demorou uns 2 dias para o Blender Flatpak ser atualizado para versão 2.80). O empacotamento é de responsabilidade da comunidade, então é normal este pequeno “delay”, nada que vá atrapalhar. No Linux Mint, pesquise normalmente por: “Blender” e verifique se escolheu a versão Flatpak antes de instalar. Já o Ubuntu precisa ser configurado, acesse essa postagem e veja como proceder. Se utiliza algum sistema sem o suporte ao Flatpak, essa dica pode lhe ser útil. Após configurar no Ubuntu, proceda como descrevi anteriormente no caso do Mint.

blender-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete-flatpak

A instalação via terminal é muito simples também, e caso não tenha adicionado o repositório Flathub ao seu sistema, eis como proceder:

flatpak remote-add --if-not-exists flathub https://flathub.org/repo/flathub.flatpakrepo

Instalar Blender Flatpak via terminal:

flatpak install flathub org.blender.Blender

Remover Blender Flatpak via terminal:

sudo flatpak remove org.blender.Blender

Bônus (deixando a interface do Blender em Português)


Seu Blender não veio em português? Não se desespere! Veja como é fácil traduzir a interface do programa.

Na barra de ferramentas superior clique em “Edit” >> “Preferences...” e estando na categoria “Interface” vá até à sessão “Translation”. Marque as opções que deseja (começando pela própria “Translation”). Em “Language” escolha o idioma desejado, no meu caso “Brazilian Portuguese (Português do Brasil)”.

blender-traduzir-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete-snap-flatpak

Salve clicando no menu “hambúrguer”, localizado no canto inferior esquerdo, em seguida em “Save Preferences”.

blender-traduzir-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete-snap-flatpak

Pronto! Agora o Blender está com a interface em português.

blender-traduzir-eevee-linux-3d-open-source-modelagem-animação-desenho-maquete-snap-flatpak

Participe de nossa comunidade no Diolinux Plus, quem sabe você acabe aprendendo umas dicas de Blender por lá.

Até o próximo post, que vou aprender mais um “cadiquin” de Blender, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.

A espera acabou! Linux Mint 19.2 “Tina” é lançado!

Nenhum comentário
A espera acabou. Linux Mint 19.2 “Tina” finalmente é lançada de forma oficial e você já pode baixar a distro.

A espera acabou! Linux Mint 19.2 “Tina” é lançado!






Nesta Sexta-feira (2), foram liberadas para download as imagens ISO do Linux Mint, para que você possa baixar e instalar no seu PC. A nova edição focou em lapidar ainda mais as aplicações e recursos, isso traz para os usuários algumas novas facilidades e alguns softwares atualizado e otimizados.

Principais novidades


●Kernel Linux 4.15.0-54 com suporte até 2023, com suporte para atualização para o 5.x via Gerenciador de atualizações; 

● Cinnamon 4.2, XFCE na 4.12 e MATE na 1.22;

● Wine na versão 4.0 por default;

● Boot-Repair incluso na ISO do sistema;

● Possibilidade de “Pinar” pastas no Gerenciador de Arquivos Nemo;

● Documentos recentes estão agora habilitados por padrão no Menu do Cinnamon.

● Nemo tem condições para executar ações, como um script ou comando externo quando o usuário clica com o botão direito do mouse sobre um arquivo;
● Agora no Menu, haverá diferenciação dos programas, além de informar em qual formato está instalado, como por exemplo, se o programa for em Flatpak ou não;

E quem tem placa híbrida?


Um ponto que vale salientar nessa versão, é a preocupação do pessoal do Mint em entregar a melhor experiência para quem tem Placas da NVIDIA, em especial os notebooks híbridos ou Optimus Card. A equipe do Mint demonstra alguns parâmetros se o método do "nomodeset"  não funcionar. Antes de tentar esses parâmetros, eles recomendam que na hora da instalação do sistema, você instale o driver proprietário da NVIDIA e que no reboot, informando que não será necessário se preocupar com “mais nada”. Depois do reboot, um ícone aparecerá na barra de tarefas, podendo assim trocar de GPU ali mesmo.

Se você não conseguir “subir” o sistema, os parâmetros que eles recomendam são:

"nouveau.noaccel=1" no lugar do "nomodeset".

ou  "noapic noacpi nosplash irqpoll" no lugar do "quiet splash".

Outra possibilidade é usar o  "Compatibility mode" (modo de compatibilidade na hora de dar o boot e instalar o Mint).

Depois da instalação, usar o "Advanced Options" -> "Recovery mode"  no menu de boot e escolher a opção de “resume”. 

Requisitos mínimos e download



Os requisitos mínimos para rodar o Linux Mint Beta 19.2 são:

● 1GB de memória RAM ou 2GB para uma experiência mais confortável;

● 15GB de espaço em disco ou 20GB para ter uma “folga”;

● Resolução mínima da tela de 1024x768

Fizemos um artigo no momento do último Beta do Linux Mint contendo todas as novidades do sistema, clique aqui para conferir.


Se você estiver utilizando a versão BETA do Linux Mint 19.2, basta utilizar o Gerenciador de Atualizações e aplicar os updates ali presente. Em breve a equipe do Mint vai disponibilizar o procedimento de como migrar das versões 19 e 19.1, então fique de olho no blog.

Para baixar a nova versão do Linux Mint, basta acessar este link e escolher a sua interface preferida.

Este artigo não acaba aqui, continue trocando uma ideia lá no nosso fórum.

Espero você até a próxima, um forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo