Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador open source. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador open source. Mostrar todas as postagens

Nova versão do editor de vídeo OpenShot lançada!

Nenhum comentário

sexta-feira, 22 de março de 2019

A gama de editores de vídeo no Linux é enorme, e recentemente postamos uma lista de softwares de edição do básico ao profissional, o OpenShot constava entre as opções indicadas, sendo uma ótima alternativa para novatos, e o melhor de tudo, multiplataforma.

editor-video-openshot-linux-windows-mac

Com o passar dos anos o OpenShot vem timidamente recebendo novos recursos, inclusive você pode acessar uma entrevista que o nosso parceiro Gabriel do Toca do Tux, fez ao desenvolvedor e criador do OpenShot, Jonathan Thomas, mesmo não sendo deste ano, é interessante comparar as mudanças que o software recebeu desde aquela época.

Novidades no Openshot 2.4.4


O editor recebeu algumas novidades e correções de bugs, irei destacar algumas, e caso queira ver todas as mudanças acesse o site oficial com o anúncio desta release.


Dimensionamento e sincronização entre quadros-chave


Este era um bug que vinha ocorrendo no OpenShot ao trabalhar com vídeos com frame rates diferentes, isso ocasionava em resultados catastróficos, em que seu vídeo poderia ficar acelerado ou lento demais. Nesta versão este bug foi corrigido, e esperasse um controle maior, seja trabalhando com vídeos com quadros-chave diferentes, ou com a exportação de um projeto em outro frame rate diferente dos vídeos da time line.

Aperfeiçoado o desempenho e visualização da Time Line


Algo que sempre perseguiu o OpenShot, foram seus engasgos na visualização ou na time line do projeto, não era incomum ver alguns travamentos durante a edição de um vídeo mais robusto, com o aprimoramento do cache de imagens e outras melhorias com foco nesse problema, o OpenShot tende a não passar por tais situações corriqueiramente.

editor-video-openshot-linux-windows-mac

Suporte a renderização SVG


Compatível com render neste formato para criação de seus títulos, o OpenShot conta com este novo recurso graças a biblioteca resvg. Assim os títulos criados com o software não ficarão serrilhados ou perderão a qualidade, conforme a resolução do projeto.

Suporte a presets personalizados pelo usuário


Agora é possível criar seu próprio preset de exportação do projeto, ainda não é algo tão prático, sendo necessário criar um arquivo XML. Você pode usar como base os presets padrões do editor, e adicioná-lo ao diretório correspondente a estas configurações, localizado em: “/home/seu-usuario/.openshot_qt/presets/”, assim seu preset customizado aparecerá no programa.

Novo Widget de propriedades


Um novo elemento adicionado ao editor de vídeos foi o widget de propriedades, que por padrão pode se encaixar no lado esquerdo ou direito, essa nova maneira de acessar as propriedades dos elementos vêm para evitar rolagens demasiadas do mouse e facilitar o processo de animação. Altamente customizável, essa forma de visualizar as propriedades pode ser incorporada em outros painéis de configurações no OpenShot. 

widget-propriedades-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Portabilidade de seus projetos, com caminhos relativos


Uma funcionalidade muito útil e implementada no OpenShot 2.4.4, é a facilidade de manusear o arquivo do projeto entre os diretórios. Sendo assim, não ocorrerá o erro do programa desconfigurar o projeto ao trocá-lo de lugar. O editor consegue “magicamente” ao salvar o arquivo, transformar os caminhos dos elementos que fazem parte dele, em caminhos relativos, e ao abri-lo novamente ele identifica o novo caminho tornando-o em um caminho absoluto. Não espere milagres espalhando os arquivos em inúmeras pastas, então sempre mantenha seus arquivos num único diretório.

Novos idiomas e suporte ao Constante Rate Factor (CRF)


As línguas Hindi, Árabe e Chinês foram adicionadas ao programa. O suporte a CRF foi adicionado por default no preset do formato VP9, porém podendo ser utilizado nos demais, graças ao refatoramento da biblioteca libopenshot::FFmpegWriter, que é desenvolvida focada no comportamento do Editor de vídeos OpenShot.

Veja o registro das alterações no OpenShot


Através do menu “Ajuda >> Sobre OpenShot >> Changelog” é possível ver as modificações no programa em seu changelog, com a data de cada commit de seu Github oficial.

changelog-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Correção do bug nas Waveforms


Ao separar clips que continham visualização das waveforms (ondas sonoras) ativas, ocorria um bug que impossibilitava visualizá-las, dificultando o manuseio destes arquivos na edição, agora no OpenShot 2.4.4, o mesmo foi corrigido.

Muitas outras correções, inclusive para versão Windows, foram disponibilizadas, caso queira maiores detalhes acesse a postagem de seu lançamento em sua página oficial.

Baixando o editor de vídeos OpenShot


Para ter o OpenShot em suas últimas versões, recomendo a versão disponibilizada oficialmente direto do site em AppImage, outra possibilidade é instalar sua versão em Flatpak, com atualizações automáticas.

Você pode efetuar o download do flatpak direto do Flathub, caso não saiba como configurar o Flatpak em sua distro, segue uma postagem de como proceder. Se estiver no Linux Mint, basta pesquisar na loja e instalar a versão flatpak.

flatpak-mint-install-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Sendo uma ótima alternativa para quem está começando a editar, o OpenShot é voltado a edições simples e caseiras, caso queira algo mais “intermediário”, recomendo altamente o Kdenlive, tendo em vista que funcionalidades relativamente comuns em outros editores, estão começando a chegar no OpenShot. É dificultoso a edição de projetos mais elaborados neste editor, no entanto mesmo recebendo “atrasado” algumas funções o OpenShot está a cada dia se tornando maduro, quem sabe num futuro ele deixe esse “título” de editor básico para intermediário. 

Não é de hoje que o projeto recebe críticas por existir, muitos creem que a soma de esforços em outro projeto, como o já citado Kdenlive, seria de maior valor, justamente pelo OpenShot estar atrás de diversos editores de vídeo, comparando suas funcionalidades e recursos.

Porém não esqueçamos que a liberdade do software Livre/Open Source garante tais situações, talvez o desenvolvedor do OpenShot tenha uma visão diferente de editor de vídeo, e é natural que ele siga outro rumo, afinal quem desenvolve é ele. Sei que certamente existem pessoas que preferem o OpenShot ao invés do Kdenlive, e esse seria um público carente caso o programa deixasse de existir.

Entendo os dois lados e mesmo me posicionando mais de um do que do outro, sei que esse é um dos aspectos de ser livre.

E você utiliza o OpenShot? Que tal continuar essa discussão sobre o OpenShot em nosso fórum Diolinux Plus

Até a próxima postagem, e como sempre, compartilhe o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Você realmente precisa do Windows?

Nenhum comentário

quinta-feira, 14 de março de 2019

Algo que sempre ocorre, seja em cursos, grupos ou até mesmo em alguns casos em faculdades, é o Windows como único meio de uso, porém muitos usuários estão na plataforma da Microsoft por desconhecer alternativas, não me julgue mal, de forma alguma creio que o Windows é um “lixo” ou qualquer coisa do tipo, apenas que nem todo mundo precisa dele.


Já prevejo nos comentários vários usuários que não entendem que por indicar uma outra solução, não signifique que o Windows seja ruim, caso veja esse tipo de comentário simplesmente ignore, sua vida será mais feliz (😁😁😁), ressalvas feitas, vamos ao que interessa. 

O uso de sistemas operacionais para utilizadores comuns, praticamente é resumido em navegação na web, consumo de multimídia e criação de documentos, isso quando a pessoa utiliza alguma suite office, outro aspecto interessante, é cada vez mais a não dependência de aplicações Microsoft. 

É comum ver o VLC Player instalado para reproduzir os vídeos, navegadores como Google Chrome e Firefox, para navegação web, entre outras aplicações de terceiros no cotidiano de um user Windows, e destas ferramentas boa parte são encontradas no Linux ou macOS.

Eis um ponto importante, utilizamos na maior parte do tempo aplicações e o SO em si é “subutilizado”, ao trocar uma máquina com Windows e por uma distro Linux, estilo Kubuntu ou Linux Mint, verá que para uma pessoa não familiarizada com tecnologia, o sistema será irrelevante, no final das contas o que fará a diferença é um atalho do seu browser favorito. Faça o teste, é muito engraçado ver as reações, mostre uma distro com KDE e diga ser o novo Windows, depois dos inúmeros elogios (que certamente a pessoa dirá), revele a verdade, recomendo muito essa brincadeira. 😁😋😅

Nem todo usuário usa Photoshop!


Sejamos sinceros, quantas pessoas você conhece que utilizam Photoshop, After Effects, Premiere, AutoCad, Corel Draw, Vegas, e quaisquer outras ferramentas de uso profissional específico, mas que sempre estão em comparativos dizendo que Linux não é bom porque atualmente não as possui. Chega a ser hilário afirmar que por não possuir tais aplicações o Linux não serve para o usuário comum. A única “real barreira” que vejo, é a suíte office da Microsoft, todavia alternativas de visual parecido existem, e isso pode ser um facilitador ao migrar para uma nova solução.

Se você usa algum desses softwares, e não está disposto a migrar para alternativas ou quem sabe é impossibilitado, talvez o Linux não seja a melhor solução em seu caso, e não existe nada de errado em afirmar isso, o problema é achar que para ser um designer, editor, desenhista etc; O Photoshop é obrigatório, e soluções como Krita, Gimp não são para uso profissional, tal argumento é tão infundado que profissionais utilizam ferramentas livres para seus trabalhos, e para não ficar apenas em meras palavras, veja com seus próprios olhos um baita exemplo, “O Jedi do Gimp” Elias de Carvalho Silveira.


Um “gamer de verdade” só usa Windows!


Gosta de jogos? Eu adoro! Mas espera aí, sou usuário Linux, logo não posso jogar. Geralmente brinco com meus amigos, quando eles estão jogando algum game no Linux, e sempre solto a frase: “Mas Linux não tem jogos”, e conforme o mesmo argumento de “Linux não tem Photoshop, logo não é para usuário comum”, ocorre no lado gamer.

Jogos no sistema do pinguim não faltam, só de nativos Steam, são mais de 3 mil jogos e com o advento do Steam Play, outros 4100 dos 6957 testados até o momento, acrescentam a lista e o número só não é maior, pois os anti-cheats estão dificultando o funcionamento de alguns jogos, entretanto se no passado era fácil citar vários títulos indisponíveis no Linux, a realidade se tornou a oposta, e antes que alguns pensem: “Joguinhos de navegador qualquer um roda”, me diga se Devil May Cry 5, Warframe, Dragon Ball Fighter Z, PES 2019, GTA 5 e Overwatch são “joguinhos de navegador?”. 😁😁😁

Nos comparativos apenas a Steam é listada como a única forma de jogar no Linux, porém através do Lutris vários títulos da Origin, Uplay, Battlenet e Epic Store, funcionarão, além de emuladores de vídeo games, e mais ainda, confira 7 sites/lojas (além da Steam) para encontrar games para Linux.

Você pode acompanhar nossas lives na Twitch.tv, e ver o desempenho dos games no Linux, algo interessante e que muitos não sabem, é como otimizar e potencializar sua distro Linux para jogos, obtendo o máximo de proveito da plataforma. Os jogos tem um papel tão importante que estão mudando o Linux (no bom sentido, claro 😜).


Então Linux é para todos os tipos de jogadores? Depende, pode ser que algum jogo específico não esteja disponível, seja por “birra” do anti-cheat ou alguma incompatibilidade, é sempre bom conferir no site ProtonDB e ver quais jogos funcionam, e se não funcionar, neste caso o Linux não será a melhor escolha para ti, no entanto isso não desqualifica toda uma plataforma.

Seguir canais especializados em tutoriais voltados a jogos, é uma boa sacada, alguns exemplos com diversos tutoriais para Steam Play, Proton, Wine, Lutris, PlayOnLinux são: Tuxter Games, Livre Software, MADRUGUEDS, e em nosso canal Diolinux também existe muito conteúdo voltado à games.

Pensando no futuro, não apenas no agora


Uma boa prática que pode proporcionar maior liberdade para você, é dar preferência a softwares multiplataforma, que não dependa de um único sistema, os seus programas sempre estarão disponíveis. Anteriormente mencionei que as aplicações têm maior peso em nossas experiências, pensando no futuro, não serão mais necessárias grandes adaptações e não importando o sistema, seja Windows, macOS ou Linux.

Coloque numa balança, o quanto você realmente precisa do Windows, pratique essa ideia de priorizar programas disponíveis em ambas plataformas, vá migrando de aplicativos, caso esteja em dúvida, eis uma lista para iniciar tal mudança, garanto que não ser dependente de apenas um sistema operacional é algo libertador.

“Windows é ruim e o Linux perfeito”


“O Windows é um sistema todo bugado e o Linux perfeito em todos os aspectos”, infelizmente muitos pensam assim, outros julgam o Windows como “a perfeição em forma de sistema” e o Linux “algo inútil”, ambos estão tremendamente equivocados.

Bem como já falei aqui no blog, no post sobre o Windows 7 e o fim de seu suporte, o projeto Diolinux tem um compromisso com a veracidade dos fatos, e nenhum sistema é perfeito, e algumas situações podem fazê-lo desistir de migrar para Linux, e uma delas pode ser a ideia de grande parte da comunidade, que eventualmente tecem críticas ásperas, e nem sempre são baseadas em termos técnicos, ou que respeitam a escolha e liberdade do próximo.


Resumindo, para usuários de perfil comum que acessam o Facebook ou basicamente utilizam a internet, não precisam obrigatoriamente do Windows, já em outros casos, como abordei logo acima, sua utilização não é uma regra, usamos na maioria esmagadora do tempo as aplicações, como na brincadeira do “Windows KDE”, muitos usuários nem saberiam a diferença.

Ter um sistema que proporcione segurança, robustez e horas economizadas com desfragmentação ou preocupações com pragas virtuais, pode ser uma ótima escolha, e diversas pessoas estão dando uma chance ao Linux. Tenha em mente que a maneira mais inteligente é ter a disposição suas aplicações indiferente do sistema operacional, ao seu alcance em qualquer ocasião.

Reveja se existe algo que lhe prende em algum sistema, experimente ser livre, permita-se descobrir novas coisas, e aprender com os erros, abra a sua mente e promova coisas boas sem ofender ninguém impondo seu ponto de vista.

Espero que tenha ficado claro que existem opções, e que o Windows nem sempre é necessário, apenas fomos condicionados durante nossas vidas no mundo da informática.

E você, tem alguma aplicação que lhe impede de usar outro sistema? Sempre quando vejo esses comparativos, o Photoshop é citado de boca cheia, o engraçado que em todos esses anos trabalhando com manutenção de computadores, se instalei 5 vezes esse tipo de software para algum cliente, foi muito (😁😅😂), não estou dizendo que ninguém os utilizam, apenas que não é a regra.

Te espero no próximo post, sejam educados e complacentes com a opinião alheia, e não se esqueça de compartilhar as postagens do blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft torna Open Source seu app calculadora

Nenhum comentário

quinta-feira, 7 de março de 2019

Há quem diga que a Microsoft apenas está preparando o terreno para num futuro próximo “se apropriar” do Linux e do mundo Open Source, ainda existe quem afirma que com o Satya Nadella a postura da empresa mudou e que a MS adaptou-se ao mercado, porém sempre existirá a dúvida pairando na mente, de quem viveu aquela época obscura da empresa.

calculadora-app-windows-10-opensource-codigo-aberto-ms-mit

Inegavelmente com o passar dos anos, a Microsoft veio disponibilizando cada vez mais o código de seus softwares, em 2014 o Microsoft .NET Framework teve parte do seu código disponibilizado, também teve o motor do JavaScript em seu “finado” browser Edge (em breve a atual versão do Edge, será baseado no Chromium), o Chakra, parece que a empresa está “cedendo” ao padrão de mercado, o “jeito Open de Ser”, e desta vez mais uma aplicação entra na lista, o app de calculadora do Windows 10.

calculadora-app-windows-10-opensource-codigo-aberto-ms-mit

Distribuído sobre a licença de código aberto MIT, o app de calculadora do Windows 10, que é desenvolvido com o XAML, Azure Pipeline e Universal Windows Platform (UWP). Disponível no Github, todo o cronograma de desenvolvimento da aplicação, assim como a possibilidade de sugerir funcionalidades ou implementações, estará ao alcance dos desenvolvedores, e por ser Open Source, seu código pode ser utilizado em outros projetos.

Algo interessante para os novos desenvolvedores que pretendem utilizar de tais tecnologias, é ver como a MS utiliza seus padrões de desenvolvimento, uma forma eficaz de ver todo o processo e familiarizar-se com tais ferramentas.

E você acha que a MS está a cada dia indo em rumo ao Open Source? Será que no futuro o Windows será de código aberto? Algo interessante e que também pode entrar em discussão, ao se pensar numa Microsoft mais aberta, é seu pacote universal de programas, pauta de um Diocast, intitulado “Esse Windows ainda vai virar Linux?”, caso não tenha acompanhado basta ouvir todo esse bate-papo. 

Te espero no próximo post, e lembre-se, seja educado e respeite a opinião alheia, não esqueça de compartilhar o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Book Manager, sua biblioteca particular

Nenhum comentário

terça-feira, 5 de março de 2019

Já se deparou com aquela bagunça, sem antes ter devidamente catalogado seus livros e agora encontra-se perdido? Ou gostaria de ser mais organizado e ter uma mini biblioteca particular em sua casa? O software “Book Manager” tem essa proposta.

book-manager-gerenciador-livros

Com um design simples e minimalista, o app proporciona a catalogação dos seus livros de forma intuitiva, sem exagerar em muitas funcionalidades, o foco é para uso pessoal ou amador.

Com versões para Linux, Mac e Windows, a aplicação é desenvolvida em Node.js e de código aberto, facilitando a migração de sistema ou até mesmo a utilização em mais de uma máquina.

Book Manager, simples e intuitivo


A interface do programa é minimalista e amigável, nela ficam à mostra seus livros catalogados, com título, autor, status (se está lendo, vai ler ou já leu o livro), breve descrição da obra e um botão de nome “FULL INFO”, na qual você verá todos os detalhes e a possibilidade de editá-los.

book-manager-gerenciador-livros-interface-principal

O cadastro dos livros é de fácil entendimento, nele você preencherá com todas as informações pertinentes ao seu material, e se desejar poderá indicar ao programa o caminho da capa ilustrativa.

book-manager-gerenciador-livros-cadastro

Durante o cadastro ou edição dos livros, existe a opção de criar notas, elas podem ser visualizadas em uma “aba” exclusiva para tais anotações.

book-manager-gerenciador-livros-notas

Como citei anteriormente, o programa é multiplataforma, e seria demasiadamente desgastante recadastrar todo material, então há a possibilidade de exportar e importar as informações de toda sua biblioteca pessoal, porém, o diretório com as imagens deve ser manualmente adicionado pelo usuário, pois o “backup da biblioteca” não passa de um arquivo “.json”, com todas as instruções (o seu conteúdo pode ser visto facilmente a o abrir em qualquer editor de texto).

book-manager-gerenciador-livros-backup

Efetuando o download e instalação


Para baixar o Book Manager, basta clicar no botão abaixo, ficará ao seu encargo escolher qual versão do app instalar em seu sistema, em DEB ou AppImage, caso não saiba como executar os AppImagens, temos esse post demonstrando todo procedimento.

 Baixe o Book Manager

Gostou do software? Achei bem interessante, estou ciente que existem outras alternativas, mas ter novas opções sempre é bom, inclusive, use os comentários para informar os seus preferidos.

Você conhece outro app que efetue a mesma funcionalidade do Book Manager? O que achou dele?

Te espero aqui no blog Diolinux, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova atualização do “Ubuntu Touch OTA-8”

Nenhum comentário
No dia 5 de Abril de 2017, Mark Shuttleworth fundador da Canonical, anunciou ao mundo o fim do Ubuntu Phone, aparelho responsável por trazer embarcada a versão mobile do Ubuntu. Muitos imaginaram que o Ubuntu Touch teve seu fim decretado, entretanto a comunidade abraçou o projeto e vem desenvolvendo o sistema para smartphones paralelamente desde então.

ubuntu-touch-mobile-smartphone

Empenhados em manter o projeto vivo, a comunidade UBports vem ativamente lançando versões periódicas do Ubuntu Touch, e ao contrário do que muitos pensam, o sistema se mantém vivo e recebendo novas implementações por parte dessa comunidade. Esse é um dos pontos fortes de alternativas de código aberto, o software nunca morrerá enquanto existir um público interessado e disposto a desenvolvê-lo.

Constante amadurecimento da plataforma


É evidente de que o Ubuntu Touch não tem as mesmas funcionalidades e recursos que sistemas consolidados no mercado como o Android e iOS, contudo a UBports vem lapidando o sistema e corrigindo eventuais bugs, por exemplo, na última atualização que ocorreu no início do ano, foi adicionado o suporte a temas no teclado do sistema, algo simples, mas que demonstra o carinho e apego a plataforma.

temas-teclado-ubuntu-touch-mobile-smartphone

Com a nova atualização “Ubuntu Touch OTA-8”, o Ubuntu Touch recebeu diversas melhorias, seja de correção de bugs ou funcionalidades em seus apps nativos. 

Outra coisa a se observar, é a repentina velocidade no desenvolvimento por parte da UBports, sua última atualização a “Ubuntu Touch OTA-7”, foi há menos de 2 meses, e a anterior em Dezembro. Essa fórmula de “1 mês e meio, 2 meses para cada atualização”, parece estar se tornando rotina, caso esse ritmo continue, podemos ver novidades com mais frequência e quem sabe maior força do sistema. 

O “Ubuntu Touch OTA-8” tem data de lançamento prevista para 6 de Março

ubuntu-touch-mobile-smartphone-tablet

Maior compatibilidade com dispositivos Android


Muitos usuários gostariam de testar o Ubuntu Touch em seus aparelhos Android (me inclua nessa lista 😂😂😂), porém o número de devices compatíveis é bem restrito. Uma notícia que pode agradar aos entusiastas da tecnologia, é que a partir desta versão, o sistema vem com uma atualização do script de pré-inicialização do contêiner Android para halium-boot, modo que permite a conversação entre os drivers do sistema, com os feitos para Android, isso permitiria aos desenvolvedores do UBports portarem o Ubuntu Touch para mais dispositivos Android no futuro.

Animado com a possibilidade de testar o Ubuntu Touch em aparelhos Android? Infelizmente apenas alguns modelos são suportados, mas imagine instalar o Ubuntu num aparelho “comum no Brasil”, como um Moto G. 

Deixe nos comentários sua opinião, e claro, compartilhe o conteúdo do blog Diolinux com mais e mais pessoas.

Até a próxima, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


HP e mais 33 empresas tornam-se membros da Linux Foundation

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

No dia 25 de Fevereiro de 2019, a Linux Foundation anunciou em seu site oficial a adição de novos membros, para o incentivo e colaboração de seus projetos Open Source.

linux-foundation-novos-membros-hp

São 29 membros Silver e 5 membros associados, totalizando 34 empresas que comprometem-se a auxiliar na manutenção de projetos tecnológicos de código aberto, por meio de doações e desenvolvimento, isso promove uma maior aceleração de tais tecnologias, na robustez e novas implementações. 

Ao contrário do que o nome sugere, a Linux Foundation não é apenas responsável pelo kernel Linux, e sim outros projetos como Hyperledger, Kubernetes, Node.js e ONAP etc; Uma verdadeira incubadora de novas tecnologias, que agora com novos membros mais projetos poderão se beneficiar.

Gigantes que contribuem para o Linux e tecnologias abertas crescerem 


Fundada no ano 2000, a Linux Foundation vem ganhando a cada dia novos membros, atualmente com mais de 1000 empresas, temos gigantes da tecnologia como: Google, Intel, Qualcomm, Oracle, Dell, Adobe, Faceebook, Toshiba, Toyota, Panasonic, Uber, Ebay, Epic Games, Valve, Globo.com, Lg, Sony, Lenovo, Microsoft e muito mais, fazendo parte desse aglomerado, e o novíssimo membro a fazer parte da família é a HP, famosa por seus periféricos, notebooks e impressoras. 

Parece que a HP demorou um pouco para se tornar membro, levando em consideração que outras empresas que atuam no mesmo ramo já eram membros há algum tempo, porém, a Microsoft, uma das mais famosas empresas do mundo da tecnologia, tornou-se membro apenas em 2016, quando seu CEO, Satya Nadella, estava mudando os paradigmas da empresa, que antes considerava, nas palavras de Steve Ballmer, Linux como “um câncer”, e atualmente vem contribuindo com projetos Open Source, distribuindo versões abertas de seus softwares, como o PowerShell e Visual Studio, além de dizer publicamente que “ama o Linux”, criando até mesmo sua própria distribuição.

Que mais empresas possam abraçar projetos Open Source, e que a tecnologia evolua de forma inteligente e mais aberta.

Quais empresas você gostaria que abraçassem a causa da Linux Foundation? Deixe nos comentários suas previsões para o futuro do mundo Linux.

Até o próximo post, aqui no blog Diolinux, te aguardo SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Foundation lança projeto que visa salvar vidas, o ELISA

Nenhum comentário

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

A discussão de robôs tomando cada vez mais o lugar de humanos em tarefas é algo que acalora alguns corações, e uma das problemáticas é a falta de confiança que esses equipamentos possam passar, aliás, um componente importante, o humano, não está guiando tal robô autônomo.

linux-foundation-elisa-robo-autonomo

Quando falamos em máquinas autônomas, sempre vem em nossas mentes os carros sem motoristas andando pelas ruas, porém, a tecnologia não se limita apenas neste nicho, diversas outras áreas podem ter por trás uma inteligência artificial, com alguma tarefa importante e crítica a segurança e vida de um humano, seja com a possibilidade de algum dano material ou ambiental.

Linux, confiança e robustez na qual empresas confiam


Famoso por garantir maiores possibilidades de segurança, escalonamento e robustez, o Linux é empregado em diversos ramos da tecnologia, e empresas estavam ansiosas por poderem adotá-lo nesta área tão crítica e delicada que é o setor de autônomos, entretanto, mesmo participando de alguns projetos, e até mesmo carros autônomos, não existia uma padronização ou ferramentas voltadas para este tipo de tecnologia, com foco em segurança de missões críticas, ocasionando em desenvolvimento por parte das empresas e em alguns casos falta de documentação, inviabilizando a implantação do Linux por desconhecimento técnico de suas capacidades .

A Linux Foundation lançou no dia 21 de Fevereiro de 2019 o Enabling Linux in Safety Applications (ELISA), um projeto Open Source que visa auxiliar as empresas com ferramentas voltadas a segurança e confiabilidade, permitindo a criação de certificações de sistemas baseados em Linux com foco na segurança, e evitando possíveis perdas humanas. 

Parcerias com grandes empresas como: a fabricante de chips britânica Arm, BMW, empresas de plataformas autônomas Kuka, Linutronix e Toyota, tornarão o trabalho de órgãos de certificação e padronização em múltiplas indústrias em algo coeso, um meio do Linux formar a base de sistemas críticos de segurança em todos os setores, de forma simplificada.

carro-autonomo-linux-robo-ai

O ELISA terá como tarefa principal o desenvolvimento de documentação de referência e casos de uso, guiando a comunidade em como proceder com boas práticas de engenharia de segurança, aprimorando processos de automatização. Outra parte importante do projeto, será o amparo a membros referente a atitudes e posições que devem ser adotadas em caso de algum erro, e suas possíveis soluções, de certa forma, semelhante ao que aconteceu com a padronização e organização de tecnologia Open Source em Hollywood para outras finalidades.

E você, o que acha de tecnologias autônomas em nosso cotidiano? Deixe nos comentários seus anseios para o futuro das máquinas autônomas, e opiniões sobre o tema.

Te espero no próximo post aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


AMD contrata mais desenvolvedores para seu driver Open Source no Linux

Nenhum comentário
Recentemente a AMD anunciou que está a procura de novos profissionais para compor sua equipe de desenvolvimento dos drivers Open Source, tal aumento de pessoas pode ocasionar em melhores implementações, e quem sabe novidades à caminho.

amd-driver-gpu-video-linux-opensource

Contribuindo no kernel Linux com o Mesa, o back-end do compilador LLVM e contêineres no Linux, a AMD vem empenhando-se no desenvolvimento de suas soluções e amadurecendo de seu driver de Código Aberto, o AMDGPU

Depois de abandonar seu antigo driver proprietário, o Catalyst, parece que novas atenções estão voltadas a sua alternativa Open Source, o AMDGPU, claro que existe sua solução proprietária, o AMDGPU-PRO, porém, sua necessidade por parte do público Linux não é uma via de regra, dando maior liberdade para quem não sente-se confortável ao utilizar drivers de código fechado, ou quer a facilidade de apenas instalar o sistema operacional e usar, sem sair atrás de drivers.

Segue um vídeo do canal “Sir Rob Linux Brasil”, que visa comparar o desempenho dos drivers abertos da AMD, versus os drivers proprietários da sua concorrente, Nvidia. Podemos perceber que os drivers AMDGPU estão a cada lançamento obtendo melhorias em jogos.


Novidades podem estar chegando aos utilizadores de placas de vídeo AMD, no mês passado funcionalidades exclusivas do driver proprietário foram incorporados no AMDGPU, é possível que novos recursos venham, e com mais desenvolvedores, melhorias de performance e correção de bugs podem ser solucionados com maior agilidade.

Interessado na vaga de desenvolvedor? Acesse a página oficial da AMD e entre em contato com eles.

Tem hardware AMD? Possuo uma Nvidia, entretanto gostaria de adquirir uma placa de vídeo AMD, gosto muito dos hardwares oferecidos pela empresa (sou “xonado” pelo meu Ryzen 😍😍😍).

Deixe nos comentários sua opinião e experiências com placas de vídeo AMD no sistema do pinguim.

Até o próximo post, te aguardo SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Software da Sony, OpenColorIO, é o segundo projeto a entrar na Academy Software Foundation

Nenhum comentário

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Em Agosto do ano passado (2018), noticiamos que a Linux Foundation se juntou a Hollywood para criar um conglomerado de empresas para fomentar o uso de tecnologias e softwares open sources pela “Academia de Artes e Ciências Cinematográficas" nas produções, assim nascendo a “Academy Software Foundation” (ASWF). O OpenColorIO é o segundo projeto a entrar na chancela.

 Software da Sony, OpenColorIO, é o segundo projeto a entrar na Academy Software Foundation






O primeiro projeto a entrar para a ASWF foi o OpenVDB, que é uma biblioteca em C++ de código aberto, desenvolvida pela DreamWorks Animation, que faz a organização de aplicações volumétricas e também  manipulação de dados para as produções. Para saber mais sobre o projeto, acesse este link.

A segunda empresa a entrar com algum projeto na ASWF foi a Sony Pictures Imageworks, com o software OpenColorIO (OCIO), que é uma ferramenta fundamental nas produções de animações e produções que usam VFX, tecnologia usada em alguns filmes famosos, como: Spider-Man ™: Into the Spider-Verse , Spider-Man ™: Homecoming , Hotel Transylvania 3 , Ghostbusters , Alice no País das Maravilhas  e Watchmen .




O anúncio foi feito por Emily Rosen Olin, Gerente Senior PR da The Linux Foundation, em um post no blog oficial do projeto. Que ainda contou com uma declaração do Vice-Presidente da Sony, Michael Ford, responsável pelo desenvolvimento de softwares dentro da companhia, com a seguinte declaração:

"O OpenColorIO sempre foi um recurso para toda a comunidade de animação visual, com muitas contribuições e compromissos externos. Queremos contribuir com a comunidade que o utiliza no dia a dia e ,a Academy Software Foundation é a opção mais natural para isto. Os desenvolvedores e empresas que o utilizam todos os dias nos darão a direção do projeto, começando com recursos que serão adicionados na nova versão 2.0.” 

Para ler o post completo, basta acessar este link da ASWF.

O OpenColorIO pode ser utilizado com alguns softwares já presentes no Linux, como o Krita, Nuke, Natron e o Blender. No momento o OpenColorIO tem o instalador para RedHat e CentOS, mas no site dele é ensinado como a compilar o programa na sua distro.

Para saber como fazer isso, basta acessar este link aqui.

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


YACReader, o seu leitor de HQs no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

Se você é um aficionado por HQs, tem algumas delas baixadas no seu Ubuntu,Linux Mint ou outra distro Linux, e precisa de algum leitor pensado para essa função, o YACReader veio para lhe ajudar.

 YACReader, o seu leitor de HQs no Linux






Muitos que vem chegando no mundo Linux estão procurando programas para facilitar o seu dia a dia com tarefas triviais, como ler quadrinhos. O YACReader foi uma grata surpresa ao procurar por programas para essa tarefa.

Algumas características do YACReader




O YACReader é escrito em C++ e tem código aberto, com ele você pode ler arquivos nos seguintes formatos: rar, zip, cbr, cbz, tar, pdf, 7z and cb7,jpeg ,gif ,png , tiff e bmp.

Outras características interessantes:
  • Transições bonitas, personalizáveis ​​e suaves como um “fluxo de HQ”;
  • Leitura de página dupla;
  • Traduções disponíveis para Holandês, Francês, Alemão, Português (brasileiro), Russo e Turco;
  • Opção para usar aceleração de hardware;
  • Suporte multiplataforma para Linux, Windows, macOS e iOS;
  • Suporte a Tags;
  • Modo de navegação rápida;

Para mais informações sobre o YACReader, basta acessar o site deles.




O software é disponibilizado em .deb (Ubuntu, Linux Mint, Debian, Deepin, elementary OS, etc), em .rpm (Fedora, openSUSE, etc) e através do AUR (Arch Linux, Manjaro, Antergos, etc.), de modo que você pode escolher na página de downloads o adequado para a sua distro.

Agora você vai poder ler às suas HQs na sua distro e não perder mais aquela saga que você tanto ama. 😀

Espero você no próximo post, forte abraço.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Foundation lança o novo LF Edge, criando uma estrutura unificada para Edge Computing e dispositivos IoT

Nenhum comentário

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

No dia 24 de Janeiro a organização sem fins lucrativos responsável pelo Kernel mais famoso do mundo, a Linux Foundation, anuncia um novo projeto visando a união e maior organização abrangente em tecnologias que exijam coisas conectadas, processamento de baixa latência e mobilidade.

lfedge-linux-foundation-iot-edge

O “Edge Computing” é um paradigma de computação com devices distribuídos em nós, podendo estes dispositivos estarem em parcial ou total distribuição, conhecidos por serem IoT, “internet das coisas” ou Edge devices.

Ao invés de trabalhar num ambiente centralizado em nuvem, os Edge devices, com sua dinâmica de nós, descentralizam-se geograficamente. São responsáveis por cidades inteligentes, computação física, sistemas ciber-físicos, sensores em devices inteligentes, roteadores, aplicativos multimídia, realidade aumentada, jogos em nuvem e a internet das coisas.

LF Edge, e os projetos que o compõem


Composto por 5 projetos, anteriormente alguns autônomos, a iniciativa LF Edge é proposta como uma forma de unir a atual fragmentação do mercado quando se trata de IoT (Internet das coisas). A então mundial empresa Gartner, líder em pesquisa e consultoria no mercado estipula que até 2020 o número de dispositivos IoT ultrapasse os 20,4 bilhões, essa nova empreitada da Linux Foundation veio para facilitar tal tecnologia e criar uma união aberta para inúmeras possibilidades que o mercado oferece. 

lfedge-linux-foundation-iot-edge-IoTantes-IoTagora

Um pouco sobre cada projeto


Akraino Edge Stack cria stacks de softwares de código aberto que suportam serviços em nuvem, otimizados para sistemas e aplicativos de Edge Computing.

EdgeX Foundry é focado na criação de estruturas abertas para Edge computing e IoT.


Home Edge Project com contribuições no código pela gigante coreana Samsung Electronics, é um ecossistema de serviços de Edge Computing e IoT voltados ao uso do cotidiano, como eletrodomésticos inteligentes etc. 


Open Glossary of Edge Computing procura fornecer uma coleção de termos relacionados ao léxico Edge Computing.

Project EVE (Mecanismo de Virtualização Edge) responsável por oferecer níveis de controle por meio de virtualização de Edges devices, podendo particionar o hardware e aumentar a carga de trabalho por várias aplicações.

Unidade ao Edge Computing e IoT


Apoiado por várias líderes do segmento, (Premier) Arm, AT & T, Baidu, Dell EMC, Dianomic Inc., Ericsson, HP Inc., HPE, Huawei, IBM, Intel, Nokia Solutions, Tecnologias Qualcomm, Red Hat, Samsung Electronics, Seagate Technology, Tencent, WindRiver, Wipro, ZEDEDA, Canonical Group Limited e muito mais. O Projeto LF Edge parece trazer união a um mercado antes fragmentado.

O LF Edge visa criar um conjunto abrangente e coordenado de ferramentas open source, permitindo maior agilidade na criação de soluções de computação IoT e Edge.

A Linux Foundation vem fornecendo eventos, treinamentos, ferramentas e fomentando projetos open source. Com esse novo passo a internet das coisas ganha uma robusta estrutura, e quem sai ganhando somos nós usuários destas tecnologias.

Te aguardo no próximo post, SISTEMATICAMENTE!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Akira, a nova ferramenta para design no Linux

Nenhum comentário

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Uma ferramenta muito interessante para designers no Linux está com financiamento coletivo aberto, seu nome é “Akira”. Um programa que visa fazer frente aos concorrentes proprietários, feito por designers e pensado para designers.

akira-design-vetorial-linux

Parafraseando Alessandro Castellani, desenvolvedor líder do Akira, ‘‘[...] o status atual do Linux no Desktop, não permite que designers sejam produtivos e competitivos, num mundo tão acelerado [...]”. “[...] E o único propósito do Akira é mudar drasticamente isso”.

Eu sei que parece um pouco audacioso, mas em tempos que profissionais estão cada vez mais dependentes de ferramentas proprietárias. Uma nova alternativa Open Source, pode proporcionar portas que por algum motivo, aplicações como: GIMP, Inkscape, Krita, Gravit Designer ou qualquer outro software, não trouxeram, seja por dificuldade de adaptação do usuário, interface ou alguma funcionalidade inexistente. Uma nova ferramenta pode ser um novo ponto de partida.

O financiamento coletivo da aplicação, está sendo feita através do KickStarter. Na categoria “Tudo ou nada”, na qual o projeto só irá adiante caso alcance seu objetivo até 4 de Março.

Tecnologias no desenvolvimento do Akira


Quem afirma que aplicações em GTK são inferiores as alternativas em QT, por conter limitações de funcionalidades no desenvolvimento, vai se surpreender com a escolha dos desenvolvedores do Akira. Que decidiram escrever inteiramente a base do software em Vala e GTK + 3. O sistema de criação de projetos, Meson, será utilizado em seu desenvolvimento. 

A aplicação visa ser uma alternativa viável aos grandes softwares do mercado, e totalmente nativa para sistemas baseados em Linux. Informações sobre o suporte a outras plataformas, não foram dadas pelos responsáveis do projeto. 

mockup-interface-akira

Formas de distribuição


Inicialmente com proposta de ser distribuído na loja de apps do ElementaryOS, e em Flatpak. Os desenvolvedores do Akira, mostraram-se abertos a outras formas de empacotamento, como: Snap e AppImage, mas nestes casos, contando com a ajuda de colaboradores da comunidade.

Um PPA com as Daily Builds, com a evolução do projeto, também está nos planos.

Lista de recursos para primeira versão


Temas adaptáveis e uma interface altamente customizável, o Akira visa trazer maior liberdade no manuseio visual da aplicação, seja com o modo dark ou janelas com rótulos ou sem rótulos, não importa. A intenção é que o designer tenha o controle.

modo-dark-akira-janelas-temas

Um projeto dentro do projeto


A equipe do Akira pretende construir uma nova biblioteca para lidar com as telas da aplicação, algo baseado em vetores SVG, dando maior escalabilidade ao software. Esta biblioteca será independente da aplicação, podendo ser incorporada em outros projetos.

Mais funcionalidades


Terá como todo software de imagens vetoriais, formas geometricas para uso variado. Painel de camadas, para organização das layers do projeto. Gerenciador de fontes, mas em primeiro momento o nativo do padrão GTK, com planos futuros para algo desenvolvido por eles.

painel-camadas-akira-layers


Formatos suportados pela aplicação


Um novo formato será utilizado para o projeto “.akira”, escrito em JSON, ele trará todas as informações necessárias, como: cores, fontes, símbolos etc. Com a possibilidade de um controle de versionamento dentro do arquivo.

Já os formatos de exportação, serão: SVG, PNG, JPG e PDF, sem suporte inicial para formatos proprietários.

Um pouco sobre a equipe de desenvolvimento


Com uma equipe de 4 pessoas em seu desenvolvimento, 2 deles sendo membros da Gnome Foundation e 1 do Elementary OS. O projeto Akira visa, em 4 meses, lançar a primeira versão do software. Um prazo muitíssimo curto, diga-se de passagem.

Nesse contexto fica evidente a escolha de algumas tecnologias em torno de seu desenvolvimento. Mas isso, de forma alguma, desqualifica tais tecnologias, pelo contrário, se desenvolvedores experientes estão dispostos a utilizá-las em uma empreitada tão ambiciosa, isso só demonstra sua capacidade e viabilidade técnica no projeto.

Colabore, quanto mais boas alternativas, melhor!


As colaborações para desenvolvimento da aplicação Akira, podem ser feitas em sua página do KickStarter, com mais informações e funcionalidades do app.

E aí, curtiu a possibilidade de um novo software para design no Linux? O que achou da proposta do Akira? Deixe nos comentários, quais softwares você utiliza para criar seus trabalhos. Eu utilizo muito, o GIMP em conjunto ao Inkscape.

Te vejo no próximo post, até lá, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Conheça alternativas Open Source ao Android

Nenhum comentário

terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Você sabia que Linux além de dominar o segmento servidores, também domina os sistemas operacionais para dispositivos móveis? Muitos negam que Android é Linux e usam o “argumento” de, “se não utilizar ferramentas GNU, então não é Linux”. 

Se quer saber mais sobre esse tema de Android ser ou não Linux, acesse o post e acabe de uma vez por todas, com essa dúvida cruel. No fim das contas o que define um sistema “ser Linux” ou não é usar o Kernel Linux.

alternativas-opensource-android

Mas quais são as alternativas ao Android? Será ele o único sistema móvel disponível no mercado? Melhor ainda. Quais as alternativas de Código Aberto?

Irei apresentar brevemente 5 alternativas Open Source ao popular robozinho verde, a lista não obedece nenhuma ordem específica. Dada as ressalvas, vamos conhecer as opções.

Tizen


sistema-mobile-tizen

O Tizen é um sistema operacional móvel, também baseado em Linux, como o Android. Tem muito apoio da Linux Foundation, Samsung e Intel. O primeiro smartphone lançado com o sistema de fábrica foi o Samsung Z, na Índia. Infelizmente o Tizen não teve a projeção esperada, muitos afirmam que o sistema não terá futuro. Isso deixo aos especialistas e “Pais/Mães Diná” de plantão.

postmaketOS


sistema-mobile-postmartketos

Também conhecido como pmOS, o postmarketOS está em desenvolvimento inicial. Trata-se da distribuição Alpine Linux configurada para toques.Com pacotes próprios, visa ser instalado em smartphones e obter ótima performance, assim como sua versão desktop.

Librem 5


smartphone-opensource-librem

Com a audaciosa proposta de oferecer um sistema e hardware de código aberto, o Librem 5 é uma iniciativa que visa segurança e privacidade de seus usuários.

Um Smartphone que virá com distribuições Linux adaptadas ao toque como: PureOS, Debian, Ubuntu, SUSE, Fedora e Arch. É um dos projetos mais aguardados pela comunidade, e muitos estão ansiosos de quais serão os rumos do projeto.

Plasma Mobile


sistema-plasma-mobile-kde

O Plasma Mobile é a versão da interface do KDE para smartphones. Atualmente já pode ser testado em dispositivos como o LG Nexus 5. É interessante ver o conceito de convergência no Projeto KDE, entre sua DE e aplicações. Pois os apps do Plasma Mobile utilizam a framework Kirigami, possibilitando desenvolvimento dos seus softwares tanto para mobile como desktop.

Ubuntu Touch


sistema-mobile-ubuntu-touch

Abandonado pela Canonical em 2017, o Ubuntu Touch teve uma complicada trajetória. Primeiro a campanha de arrecadamento para seu desenvolvimento, não foi tão bem. Com meta de 32 milhões de Dólares, arrecadando 12 Milhões.

Após a campanha de crowndfunding, muitos pensaram que o projeto seria abandonado. Eis que em Fevereiro de 2015 a Canonical firma parceria com a empresa espanhola BQ e lança seu primeiro aparelho. Logo depois, pela fabricante chinesa Meizu, mas não tendo o retorno esperado, o sistema foi abandonado pela Canonical em Abril de 2017.

Então a comunidade entra em ação, abraçando o projeto e não deixando morrer. Novas funcionalidades estão sendo incorporadas, como a possibilidade de execução de apps Android.

Mantido pela UBPorts, é relativamente cedo para falar sobre o destino do Ubuntu Touch, se o mesmo vai vingar ou morrer com sua proposta de conversão.

E você, sabia de tantas alternativas? É muito bom ver que outros sistemas vem crescendo e amadurecendo. Melhor ainda quando são projetos de código aberto, agregando diversas vantagens e fomentando o desenvolvimento de mais boas alternativas.

Deixe nos comentários se conhece mais opções ao popular Android, nos vemos no próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo