Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador open source. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador open source. Mostrar todas as postagens

Kdenlive 19.04.01 lançado com diversas correções!

Nenhum comentário

terça-feira, 14 de maio de 2019

O Kdenlive 19.04 foi lançado no dia 18 de Abril, com essa nova versão vieram muitas novidades e mudanças no programa, entretanto um bug bem chato estava atrapalhando a edição de vídeos no software. No dia 11 de Maio, uma nova versão foi lançada, corrigindo este problema.

kdenlive-19.04.01-editor-videos-linux-kde-ubuntu-gratis-gratuito-edição

Edição de vídeo no Linux é repleto de ótimas opções, temos o Davince Resolve, Ligthtworks, ShotCut, Openshot, entre outras ferramentas. Porém um dos queridinhos sempre foi o Kdenlive. Muitos canais no Youtube sobre Linux, são editados ou foram por muitos anos com essa ferramenta, que é o caso do Diolinux. Em meu canal OSistemático, venho produzindo conteúdo desde o início (2016) com essa ferramenta, e mesmo tendo pontos fortes e fracos considero um bom editor de vídeos.

Kdenlive um editor em constante amadurecimento


Durante o início do canal OSistemático, sofria bastante com a versão do Kdenlive contida nos repositórios do Deepin. E durante um bom tempo, foram meses de situações que envolviam o travamento do programa e em alguns casos até a perda do projeto. Então um belo dia resolvi experimentar a versão que é recomendada pelo projeto, o Kdenlive em AppImage, e posso lhe garantir parecia outro programa.

A versão 19.04 veio recheada de mudanças, uma timeline refatorada (feita totalmente do zero), a possibilidade de gravar o áudio diretamente do editor, adição da renderização de vídeos com fundo transparente, melhora no render (ainda não é um ShotCut ou Davince Resolve durante a renderização, mas está bem melhor que as versões antigas). São inúmeras mudanças. E como novas mudanças podem ocasionar novos bugs, assim foi.

kdenlive-19.04.01-editor-videos-linux-kde-ubuntu-gratis-gratuito-edição-timeline

Mais de 40 bugs corrigidos no Kdenlive


  • Foram várias correções, eis alguns bugs solucionados:
  • Falha ao abrir projetos antigos;
  • Erro ao desfazer efeito de ganho/gama;
  • Correção na gravação do áudio;
  • Efeito fade-out quebrado;
  • Miniaturas em alguns clips com falhas;
  • Seleção de clipe bin mais rápido;
  • Efeito de todas as guias com falhas;
  • “Agulha” da timeline se perdia;
  • Imprecisão nos atalhos de corte na timeline;
  • Correções na compilação para Windows; 
  • E muito mais correções…

Veja a lista completa de bugs corrigidos no site oficial do Kdenlive.

Durante esse tempo que editei com a versão 19.04, notei apenas 3 bugs que eram: A agulha que sempre se perdia na timeline, acarretando na imprecisão do corte utilizando atalhos. Por algum motivo o Nvenc não foi reconhecido, impossibilitando a utilização de minha placa de vídeo para render, proxys e previews. E em alguns projetos o vídeo não era exportado com o fundo transparente.

kdenlive-19.04.01-editor-videos-linux-kde-ubuntu-gratis-gratuito-edição-osistematico-canal-youtube-diolinux

Utilizei mesmo assim na produção de meus vídeos e o único bug que atrapalhava minha produtividade era “a agulha se perdendo”. Durante nenhum momento o aplicativo fechou ou algo assim.

Kdenlive 19.04.01 em AppImage e Flatpak


Caso utilize o Kdenlive para suas produções, recomendo a dar uma chance para essa nova versão, 19.04.01. Dou preferência pelos AppImages do Kdenlive, por conta de sua estabilidade e praticidade. Entretanto outra solução que venho usando e gostando bastante é o oferecido no Flathub em Flatpak. Esse formato terá a vantagem da atualização, enquanto no AppImage você deverá baixar o editor a cada update.

Para executar o Kdenlive em AppImagem é muito simples, acesse a matéria e proceda como no passo-a-passo. No caso do Kdenlive Flatpak, será necessário configurar algumas coisas, então segue o post completo

O link para download de ambas versões encontram-se no site oficial do Kdenlive, baixe e experimente.

E você edita vídeos com o Kdenlive? Já editei alguns projetos com essa nova versão 19.04.01 e estou gostando muito, migrei totalmente para ela (😁😁😁).

Que tal continuar todo esse bate-papo sobre edição de vídeo em nosso fórum Diolinux Plus?

Até o próximo post, aqui no blog Diolinux, te espero SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft torna Open Source seu kit de desenvolvimento de computação quântica

Nenhum comentário

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Quem poderia imaginar uma Microsoft tão Open Source, se olharmos para o passado e compararmos "ambas Microsoft" veremos que Satya Nadella, atual CEO da MS, fez uma mudança e tanto de paradigmas na empresa.

open-source-quantum-development-kit-computador-quântico-ms-microsoft-q#

A computação quântica é algo que em muitos casos é relacionado ao futuro, porém já é o presente em super computadores (que fazem previsões meteorológicas etc.), mesmo engatinhando no aspecto "usuário comum/empresarial", é algo que vai mudar nossa forma de lidar com as máquinas.

Não sabe o que é e como funciona um computador quântico? Então veja o vídeo a seguir:


Gosto muito da Lei de Moore, e acredito que a próxima revolução nos computadores será a computação quântica em nossos lares. E empresas como a Microsoft, já se ligaram que esse é o futuro (presente, se você for mais atento). Dona de uma linguagem de programação específica para computadores quânticos, o Q#, a Microsoft acaba de anunciar que disponibilizará seu kit de desenvolvimento para computação quântica no Github. A build 2019 do Quantum Development Kit será de código aberto e proporcionará um amadurecimento na tecnologia e formação de vários profissionais interessados na área.

O compilador e os simuladores quânticos terão seu código aberto, e se você pensa que a MS é pioneira nisso, saiba que outras empresas, como a IBM, também estão investindo na área da computação quântica Open Source.

Acesse o pronunciamento oficial e veja os demais detalhes.


E você acredita que em pouquíssimos anos estaremos com computadores quânticos em nossas casas, quem sabe em nossos bolsos?

Continue esse bate-papo lá no nosso fórum Diolinux Plus. Até o próximo post SISTEMATICAMENTE! 😎
___________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Foundation recebe mais 43 novos membros

Nenhum comentário

sexta-feira, 3 de maio de 2019

Famosa por encabeçar e promover o movimento Open Source, a Linux Foundation tem cases de sucesso como o próprio Kernel Linux, porém não se limita apenas ao seu desenvolvimento. E mais membros vão contribuir para o crescimento do Open Source e projetos de código aberto.

linux-foundation-open-source-members-hyperledger-kubernets-node.js-onap

No dia 25 de Abril, a Linux Foundation, organização sem fins lucrativos, anunciou a adição de 38 novos membros "Silver", que além de contribuir com desenvolvimento, apoio em projetos de código aberto e pessoas, investirão com dinheiro a essas iniciativas.

Assim tecnologias Open Source como Hyperledger , Kubernetes , Linux , Node.js e ONAP, irão receber o suporte de mais empresas. Isso significa, maior aprimoramento e adoção destes projetos, que inclusive são padrões de vários segmentos e tem seu crescimento "a todo vapor".

Ao todo são 43 novos membros, sendo 38 "Silver", entre eles a Kodi Foundation (responsável por um dos player mais famosos, o Kodi Player), a Stanford University (nem precisa de apresentações 😁😁😁) e com empresas reconhecidas em nosso país, a exemplo uma das maiores instituições financeiras o HSBC. E uma das maiores fabricantes de automóveis do mundo e maior montadora da Europa, a Volkswagen.

Os outros 5 membros associados são agências governamentais ou organizações sem fins lucrativos, que demonstram um comprometimento com a manutenção, construção e uso de tecnologias Open Source.

Caso queira ver a lista completa, com todos os novos membros, acesse o link.

A cada dia mais e mais empresas estão enxergando o valor do Open Source, e contribuindo, seja utilizando as tecnologias, promovendo-as, desenvolvendo ou financiando.

E isso é muito interessante, para vermos que sim, este é um modelo de negócio rentável e viável.

Que tal continuar esse assunto lá em nosso fórum Diolinux Plus? Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


SuperTuxKart 1.0 lançado com modo online e novidades!

Nenhum comentário

segunda-feira, 22 de abril de 2019

A versão estável “1.0” do SuperTuxKart é lançada! E repleto de novidades, como o tão aguardado modo multiplayer online. Para quem já é jogador assíduo do game, e está se “remoendo” e dizendo: “Eu já jogava online!”, porém esse modo na época estava em beta, e não vinha em nenhuma versão stable do jogo, agora vem…

supertuxkart-tux-mario-kart-jogo-corrida-linux-gratuiro-opensource-software-livre

Conhecido por muitos como “O Mario Kart do Pinguim”, o SuperTuxKart é fortemente inspirado no game de kart do encanador bigodudo, com diferenciais e personagens marcantes do mundo Open Source/Livre. Como o Tux, mascote do Linux, Wilber, mascote do GIMP, Daemon, o famoso “diabinho” do BSD entre outras figuras icônicas.


Corridas no multiplayer online


Além do multiplayer local, já conhecido do game, o modo online proporciona uma jogatina tanto em salas públicas quanto em privadas, caso você ou algum amigo seja o host da partida.

A quantidade de jogadores num mesmo servidor são de 10 players. Uma conexão estável e ping baixo é requerido para o host, caso contrário não será incomum ver karts sumindo e aparecendo do nada (👻👻👻).

Novas pistas e aprimoramento dos karts


Particularmente sou um jogador (quase que compulsivo) de Mario Kart, indiferente da versão (😁💓🚘), e para quem curte o jogo da Nintendo, perceberá que mesmo sendo “inspirado” no game mais famoso de corrida de kart, o SuperTuxKart não é uma cópia genérica, possuindo vários diferenciais.

Começando por seus modos de jogo. Você poderá se divertir com o modo clássico de corrida, praticar correndo contra o tempo, batalhar com seus amigos capturando bandeiras ou até mesmo jogando um “Rocket League” com mascotes do mundo Livre.

Os itens durante a corrida também possuem mecânicas únicas, por exemplo um que sempre me atrapalha é o “chiclete”. Oh! Itenzinho chato viu (😠😠😡).

Algo que me incomoda em SuperTuxKart, é o balanceamento dos karts no jogo e controle da gameplay, entretanto a equipe de desenvolvimento atentou-se a esses detalhes e aprimorou os mesmos, tornando-os mais equilibrados. Novas pistas também foram adicionadas e outras pequenas mudanças foram feitas.

SuperTuxKart ou Mario Kart?


A comparação não é a melhor possível, visto que a proposta é diferente. Por ser software livre o SuperTuxKart é acessível a todos que possuem um computador e que queiram se divertir sem gastar um tostão com seus amigos. Lembrando que existe uma versão Android, então a jogatina pode ser portátil. Outro ponto são os modos diferentes de jogos, como o de futebol e caça bandeiras, isso tudo sem levar em consideração os personagens como o próprio Tux.

Não me entenda mal , de forma alguma quero falar que o Mario Kart é inferior, longe de mim tal besteira, no entanto mesmo sendo um jogador mais hardcore de Mario Kart, indico o SuperTuxKart para jogadores casuais (não espere o mesmo nível de gráficos e tudo mais, comparado ao Mario Kart, o game visa outro público). Seja para jogar com seu filho, irmão, amigos ou cônjuge. Vários momentos engraçados irão surgir, experimente. 

Baixando o SuperTuxKart


Você pode adquirir o game de algumas maneiras, para quem usa Arch ou Manjaro, basta pesquisar por “supertuxkart” no AUR.

No caso de Ubuntu, Mint e derivados. Existe um PPA, com versões estáveis e candidates do jogo.

Para instalar via PPA, abra o terminal e digite os seguinte comandos:

sudo add-apt-repository ppa:stk/dev

sudo apt update

sudo apt install supertuxkart

Para adicionar o PPA via interface gráfica, eis um artigo com um bom exemplo.

Outros meios é via Snap ou Flatpak, entretanto até o momento, em que escrevo este artigo, a versão do game não foi atualizada.



Aprenda como configurar o Snap neste post, e Flatpak neste outro.

No entanto a forma que mais indico é a distribuída pela própria equipe de desenvolvimento do SuperTuxKart. Basta efetuar o download diretamente do SourceForge.

 Download SuperTuxKart 1.0

Depois de baixar o game, extraia o conteúdo do arquivo, no diretório que desejar, e execute o script “run_game.sh” para iniciar o jogo.

Se desejar executar o SuperTuxKart sem a necessidade do terminal, clique com o botão direito do mouse em cima do “run_game.sh”, vá em “Propriedades, depois na aba “Permissões” e marque a opção “Permitir execução do arquivo como um programa”. 

supertuxkart-tux-mario-kart-jogo-corrida-linux-gratuiro-opensource-software-livre-marcar-execução-programa

A seguir instale o programa “Menu Editor”.

Você pode fazer via terminal com o comando:

sudo apt install menulibre

Ou pesquisar na loja por “Menu Editor

menulibre-editor-menu-linux

Abra o Menu Editor, selecione alguma categoria (a de jogos é a indicada). Clique no primeiro símbolo/botão, no meu caso é um “+”, em seguida na opção “Adicionar Lançador”.

Preencha como na imagem abaixo, e na opção “Comando”, clique no ícone de pasta e vá até o arquivo “run_game.script”, selecione o mesmo. Escolha um ícone ao seu gosto.

menulibre-editor-menu-linux

Se existir alguma dúvida com o procedimento, veja o vídeo sobre o “Menu Editor”. O procedimento foi realizado no Deepin, entretanto é indiferente a distribuição.



A versão Android pode ser baixada diretamente da Google Play Store.

E você, já testou o modo online do SuperTuxKart? Se ainda não baixou, não perca tempo…

Acesse nosso fórum Diolinux Plus e encontre outros jogadores, para quem sabe marcar uma jogatina (😁😁😁).

Até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova versão do editor de vídeo OpenShot lançada!

Nenhum comentário

sexta-feira, 22 de março de 2019

A gama de editores de vídeo no Linux é enorme, e recentemente postamos uma lista de softwares de edição do básico ao profissional, o OpenShot constava entre as opções indicadas, sendo uma ótima alternativa para novatos, e o melhor de tudo, multiplataforma.

editor-video-openshot-linux-windows-mac

Com o passar dos anos o OpenShot vem timidamente recebendo novos recursos, inclusive você pode acessar uma entrevista que o nosso parceiro Gabriel do Toca do Tux, fez ao desenvolvedor e criador do OpenShot, Jonathan Thomas, mesmo não sendo deste ano, é interessante comparar as mudanças que o software recebeu desde aquela época.

Novidades no Openshot 2.4.4


O editor recebeu algumas novidades e correções de bugs, irei destacar algumas, e caso queira ver todas as mudanças acesse o site oficial com o anúncio desta release.


Dimensionamento e sincronização entre quadros-chave


Este era um bug que vinha ocorrendo no OpenShot ao trabalhar com vídeos com frame rates diferentes, isso ocasionava em resultados catastróficos, em que seu vídeo poderia ficar acelerado ou lento demais. Nesta versão este bug foi corrigido, e esperasse um controle maior, seja trabalhando com vídeos com quadros-chave diferentes, ou com a exportação de um projeto em outro frame rate diferente dos vídeos da time line.

Aperfeiçoado o desempenho e visualização da Time Line


Algo que sempre perseguiu o OpenShot, foram seus engasgos na visualização ou na time line do projeto, não era incomum ver alguns travamentos durante a edição de um vídeo mais robusto, com o aprimoramento do cache de imagens e outras melhorias com foco nesse problema, o OpenShot tende a não passar por tais situações corriqueiramente.

editor-video-openshot-linux-windows-mac

Suporte a renderização SVG


Compatível com render neste formato para criação de seus títulos, o OpenShot conta com este novo recurso graças a biblioteca resvg. Assim os títulos criados com o software não ficarão serrilhados ou perderão a qualidade, conforme a resolução do projeto.

Suporte a presets personalizados pelo usuário


Agora é possível criar seu próprio preset de exportação do projeto, ainda não é algo tão prático, sendo necessário criar um arquivo XML. Você pode usar como base os presets padrões do editor, e adicioná-lo ao diretório correspondente a estas configurações, localizado em: “/home/seu-usuario/.openshot_qt/presets/”, assim seu preset customizado aparecerá no programa.

Novo Widget de propriedades


Um novo elemento adicionado ao editor de vídeos foi o widget de propriedades, que por padrão pode se encaixar no lado esquerdo ou direito, essa nova maneira de acessar as propriedades dos elementos vêm para evitar rolagens demasiadas do mouse e facilitar o processo de animação. Altamente customizável, essa forma de visualizar as propriedades pode ser incorporada em outros painéis de configurações no OpenShot. 

widget-propriedades-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Portabilidade de seus projetos, com caminhos relativos


Uma funcionalidade muito útil e implementada no OpenShot 2.4.4, é a facilidade de manusear o arquivo do projeto entre os diretórios. Sendo assim, não ocorrerá o erro do programa desconfigurar o projeto ao trocá-lo de lugar. O editor consegue “magicamente” ao salvar o arquivo, transformar os caminhos dos elementos que fazem parte dele, em caminhos relativos, e ao abri-lo novamente ele identifica o novo caminho tornando-o em um caminho absoluto. Não espere milagres espalhando os arquivos em inúmeras pastas, então sempre mantenha seus arquivos num único diretório.

Novos idiomas e suporte ao Constante Rate Factor (CRF)


As línguas Hindi, Árabe e Chinês foram adicionadas ao programa. O suporte a CRF foi adicionado por default no preset do formato VP9, porém podendo ser utilizado nos demais, graças ao refatoramento da biblioteca libopenshot::FFmpegWriter, que é desenvolvida focada no comportamento do Editor de vídeos OpenShot.

Veja o registro das alterações no OpenShot


Através do menu “Ajuda >> Sobre OpenShot >> Changelog” é possível ver as modificações no programa em seu changelog, com a data de cada commit de seu Github oficial.

changelog-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Correção do bug nas Waveforms


Ao separar clips que continham visualização das waveforms (ondas sonoras) ativas, ocorria um bug que impossibilitava visualizá-las, dificultando o manuseio destes arquivos na edição, agora no OpenShot 2.4.4, o mesmo foi corrigido.

Muitas outras correções, inclusive para versão Windows, foram disponibilizadas, caso queira maiores detalhes acesse a postagem de seu lançamento em sua página oficial.

Baixando o editor de vídeos OpenShot


Para ter o OpenShot em suas últimas versões, recomendo a versão disponibilizada oficialmente direto do site em AppImage, outra possibilidade é instalar sua versão em Flatpak, com atualizações automáticas.

Você pode efetuar o download do flatpak direto do Flathub, caso não saiba como configurar o Flatpak em sua distro, segue uma postagem de como proceder. Se estiver no Linux Mint, basta pesquisar na loja e instalar a versão flatpak.

flatpak-mint-install-editor-video-openshot-linux-windows-mac

Sendo uma ótima alternativa para quem está começando a editar, o OpenShot é voltado a edições simples e caseiras, caso queira algo mais “intermediário”, recomendo altamente o Kdenlive, tendo em vista que funcionalidades relativamente comuns em outros editores, estão começando a chegar no OpenShot. É dificultoso a edição de projetos mais elaborados neste editor, no entanto mesmo recebendo “atrasado” algumas funções o OpenShot está a cada dia se tornando maduro, quem sabe num futuro ele deixe esse “título” de editor básico para intermediário. 

Não é de hoje que o projeto recebe críticas por existir, muitos creem que a soma de esforços em outro projeto, como o já citado Kdenlive, seria de maior valor, justamente pelo OpenShot estar atrás de diversos editores de vídeo, comparando suas funcionalidades e recursos.

Porém não esqueçamos que a liberdade do software Livre/Open Source garante tais situações, talvez o desenvolvedor do OpenShot tenha uma visão diferente de editor de vídeo, e é natural que ele siga outro rumo, afinal quem desenvolve é ele. Sei que certamente existem pessoas que preferem o OpenShot ao invés do Kdenlive, e esse seria um público carente caso o programa deixasse de existir.

Entendo os dois lados e mesmo me posicionando mais de um do que do outro, sei que esse é um dos aspectos de ser livre.

E você utiliza o OpenShot? Que tal continuar essa discussão sobre o OpenShot em nosso fórum Diolinux Plus

Até a próxima postagem, e como sempre, compartilhe o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Você realmente precisa do Windows?

Nenhum comentário

quinta-feira, 14 de março de 2019

Algo que sempre ocorre, seja em cursos, grupos ou até mesmo em alguns casos em faculdades, é o Windows como único meio de uso, porém muitos usuários estão na plataforma da Microsoft por desconhecer alternativas, não me julgue mal, de forma alguma creio que o Windows é um “lixo” ou qualquer coisa do tipo, apenas que nem todo mundo precisa dele.


Já prevejo nos comentários vários usuários que não entendem que por indicar uma outra solução, não signifique que o Windows seja ruim, caso veja esse tipo de comentário simplesmente ignore, sua vida será mais feliz (😁😁😁), ressalvas feitas, vamos ao que interessa. 

O uso de sistemas operacionais para utilizadores comuns, praticamente é resumido em navegação na web, consumo de multimídia e criação de documentos, isso quando a pessoa utiliza alguma suite office, outro aspecto interessante, é cada vez mais a não dependência de aplicações Microsoft. 

É comum ver o VLC Player instalado para reproduzir os vídeos, navegadores como Google Chrome e Firefox, para navegação web, entre outras aplicações de terceiros no cotidiano de um user Windows, e destas ferramentas boa parte são encontradas no Linux ou macOS.

Eis um ponto importante, utilizamos na maior parte do tempo aplicações e o SO em si é “subutilizado”, ao trocar uma máquina com Windows e por uma distro Linux, estilo Kubuntu ou Linux Mint, verá que para uma pessoa não familiarizada com tecnologia, o sistema será irrelevante, no final das contas o que fará a diferença é um atalho do seu browser favorito. Faça o teste, é muito engraçado ver as reações, mostre uma distro com KDE e diga ser o novo Windows, depois dos inúmeros elogios (que certamente a pessoa dirá), revele a verdade, recomendo muito essa brincadeira. 😁😋😅

Nem todo usuário usa Photoshop!


Sejamos sinceros, quantas pessoas você conhece que utilizam Photoshop, After Effects, Premiere, AutoCad, Corel Draw, Vegas, e quaisquer outras ferramentas de uso profissional específico, mas que sempre estão em comparativos dizendo que Linux não é bom porque atualmente não as possui. Chega a ser hilário afirmar que por não possuir tais aplicações o Linux não serve para o usuário comum. A única “real barreira” que vejo, é a suíte office da Microsoft, todavia alternativas de visual parecido existem, e isso pode ser um facilitador ao migrar para uma nova solução.

Se você usa algum desses softwares, e não está disposto a migrar para alternativas ou quem sabe é impossibilitado, talvez o Linux não seja a melhor solução em seu caso, e não existe nada de errado em afirmar isso, o problema é achar que para ser um designer, editor, desenhista etc; O Photoshop é obrigatório, e soluções como Krita, Gimp não são para uso profissional, tal argumento é tão infundado que profissionais utilizam ferramentas livres para seus trabalhos, e para não ficar apenas em meras palavras, veja com seus próprios olhos um baita exemplo, “O Jedi do Gimp” Elias de Carvalho Silveira.


Um “gamer de verdade” só usa Windows!


Gosta de jogos? Eu adoro! Mas espera aí, sou usuário Linux, logo não posso jogar. Geralmente brinco com meus amigos, quando eles estão jogando algum game no Linux, e sempre solto a frase: “Mas Linux não tem jogos”, e conforme o mesmo argumento de “Linux não tem Photoshop, logo não é para usuário comum”, ocorre no lado gamer.

Jogos no sistema do pinguim não faltam, só de nativos Steam, são mais de 3 mil jogos e com o advento do Steam Play, outros 4100 dos 6957 testados até o momento, acrescentam a lista e o número só não é maior, pois os anti-cheats estão dificultando o funcionamento de alguns jogos, entretanto se no passado era fácil citar vários títulos indisponíveis no Linux, a realidade se tornou a oposta, e antes que alguns pensem: “Joguinhos de navegador qualquer um roda”, me diga se Devil May Cry 5, Warframe, Dragon Ball Fighter Z, PES 2019, GTA 5 e Overwatch são “joguinhos de navegador?”. 😁😁😁

Nos comparativos apenas a Steam é listada como a única forma de jogar no Linux, porém através do Lutris vários títulos da Origin, Uplay, Battlenet e Epic Store, funcionarão, além de emuladores de vídeo games, e mais ainda, confira 7 sites/lojas (além da Steam) para encontrar games para Linux.

Você pode acompanhar nossas lives na Twitch.tv, e ver o desempenho dos games no Linux, algo interessante e que muitos não sabem, é como otimizar e potencializar sua distro Linux para jogos, obtendo o máximo de proveito da plataforma. Os jogos tem um papel tão importante que estão mudando o Linux (no bom sentido, claro 😜).


Então Linux é para todos os tipos de jogadores? Depende, pode ser que algum jogo específico não esteja disponível, seja por “birra” do anti-cheat ou alguma incompatibilidade, é sempre bom conferir no site ProtonDB e ver quais jogos funcionam, e se não funcionar, neste caso o Linux não será a melhor escolha para ti, no entanto isso não desqualifica toda uma plataforma.

Seguir canais especializados em tutoriais voltados a jogos, é uma boa sacada, alguns exemplos com diversos tutoriais para Steam Play, Proton, Wine, Lutris, PlayOnLinux são: Tuxter Games, Livre Software, MADRUGUEDS, e em nosso canal Diolinux também existe muito conteúdo voltado à games.

Pensando no futuro, não apenas no agora


Uma boa prática que pode proporcionar maior liberdade para você, é dar preferência a softwares multiplataforma, que não dependa de um único sistema, os seus programas sempre estarão disponíveis. Anteriormente mencionei que as aplicações têm maior peso em nossas experiências, pensando no futuro, não serão mais necessárias grandes adaptações e não importando o sistema, seja Windows, macOS ou Linux.

Coloque numa balança, o quanto você realmente precisa do Windows, pratique essa ideia de priorizar programas disponíveis em ambas plataformas, vá migrando de aplicativos, caso esteja em dúvida, eis uma lista para iniciar tal mudança, garanto que não ser dependente de apenas um sistema operacional é algo libertador.

“Windows é ruim e o Linux perfeito”


“O Windows é um sistema todo bugado e o Linux perfeito em todos os aspectos”, infelizmente muitos pensam assim, outros julgam o Windows como “a perfeição em forma de sistema” e o Linux “algo inútil”, ambos estão tremendamente equivocados.

Bem como já falei aqui no blog, no post sobre o Windows 7 e o fim de seu suporte, o projeto Diolinux tem um compromisso com a veracidade dos fatos, e nenhum sistema é perfeito, e algumas situações podem fazê-lo desistir de migrar para Linux, e uma delas pode ser a ideia de grande parte da comunidade, que eventualmente tecem críticas ásperas, e nem sempre são baseadas em termos técnicos, ou que respeitam a escolha e liberdade do próximo.


Resumindo, para usuários de perfil comum que acessam o Facebook ou basicamente utilizam a internet, não precisam obrigatoriamente do Windows, já em outros casos, como abordei logo acima, sua utilização não é uma regra, usamos na maioria esmagadora do tempo as aplicações, como na brincadeira do “Windows KDE”, muitos usuários nem saberiam a diferença.

Ter um sistema que proporcione segurança, robustez e horas economizadas com desfragmentação ou preocupações com pragas virtuais, pode ser uma ótima escolha, e diversas pessoas estão dando uma chance ao Linux. Tenha em mente que a maneira mais inteligente é ter a disposição suas aplicações indiferente do sistema operacional, ao seu alcance em qualquer ocasião.

Reveja se existe algo que lhe prende em algum sistema, experimente ser livre, permita-se descobrir novas coisas, e aprender com os erros, abra a sua mente e promova coisas boas sem ofender ninguém impondo seu ponto de vista.

Espero que tenha ficado claro que existem opções, e que o Windows nem sempre é necessário, apenas fomos condicionados durante nossas vidas no mundo da informática.

E você, tem alguma aplicação que lhe impede de usar outro sistema? Sempre quando vejo esses comparativos, o Photoshop é citado de boca cheia, o engraçado que em todos esses anos trabalhando com manutenção de computadores, se instalei 5 vezes esse tipo de software para algum cliente, foi muito (😁😅😂), não estou dizendo que ninguém os utilizam, apenas que não é a regra.

Te espero no próximo post, sejam educados e complacentes com a opinião alheia, e não se esqueça de compartilhar as postagens do blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft torna Open Source seu app calculadora

Nenhum comentário

quinta-feira, 7 de março de 2019

Há quem diga que a Microsoft apenas está preparando o terreno para num futuro próximo “se apropriar” do Linux e do mundo Open Source, ainda existe quem afirma que com o Satya Nadella a postura da empresa mudou e que a MS adaptou-se ao mercado, porém sempre existirá a dúvida pairando na mente, de quem viveu aquela época obscura da empresa.

calculadora-app-windows-10-opensource-codigo-aberto-ms-mit

Inegavelmente com o passar dos anos, a Microsoft veio disponibilizando cada vez mais o código de seus softwares, em 2014 o Microsoft .NET Framework teve parte do seu código disponibilizado, também teve o motor do JavaScript em seu “finado” browser Edge (em breve a atual versão do Edge, será baseado no Chromium), o Chakra, parece que a empresa está “cedendo” ao padrão de mercado, o “jeito Open de Ser”, e desta vez mais uma aplicação entra na lista, o app de calculadora do Windows 10.

calculadora-app-windows-10-opensource-codigo-aberto-ms-mit

Distribuído sobre a licença de código aberto MIT, o app de calculadora do Windows 10, que é desenvolvido com o XAML, Azure Pipeline e Universal Windows Platform (UWP). Disponível no Github, todo o cronograma de desenvolvimento da aplicação, assim como a possibilidade de sugerir funcionalidades ou implementações, estará ao alcance dos desenvolvedores, e por ser Open Source, seu código pode ser utilizado em outros projetos.

Algo interessante para os novos desenvolvedores que pretendem utilizar de tais tecnologias, é ver como a MS utiliza seus padrões de desenvolvimento, uma forma eficaz de ver todo o processo e familiarizar-se com tais ferramentas.

E você acha que a MS está a cada dia indo em rumo ao Open Source? Será que no futuro o Windows será de código aberto? Algo interessante e que também pode entrar em discussão, ao se pensar numa Microsoft mais aberta, é seu pacote universal de programas, pauta de um Diocast, intitulado “Esse Windows ainda vai virar Linux?”, caso não tenha acompanhado basta ouvir todo esse bate-papo. 

Te espero no próximo post, e lembre-se, seja educado e respeite a opinião alheia, não esqueça de compartilhar o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Book Manager, sua biblioteca particular

Nenhum comentário

terça-feira, 5 de março de 2019

Já se deparou com aquela bagunça, sem antes ter devidamente catalogado seus livros e agora encontra-se perdido? Ou gostaria de ser mais organizado e ter uma mini biblioteca particular em sua casa? O software “Book Manager” tem essa proposta.

book-manager-gerenciador-livros

Com um design simples e minimalista, o app proporciona a catalogação dos seus livros de forma intuitiva, sem exagerar em muitas funcionalidades, o foco é para uso pessoal ou amador.

Com versões para Linux, Mac e Windows, a aplicação é desenvolvida em Node.js e de código aberto, facilitando a migração de sistema ou até mesmo a utilização em mais de uma máquina.

Book Manager, simples e intuitivo


A interface do programa é minimalista e amigável, nela ficam à mostra seus livros catalogados, com título, autor, status (se está lendo, vai ler ou já leu o livro), breve descrição da obra e um botão de nome “FULL INFO”, na qual você verá todos os detalhes e a possibilidade de editá-los.

book-manager-gerenciador-livros-interface-principal

O cadastro dos livros é de fácil entendimento, nele você preencherá com todas as informações pertinentes ao seu material, e se desejar poderá indicar ao programa o caminho da capa ilustrativa.

book-manager-gerenciador-livros-cadastro

Durante o cadastro ou edição dos livros, existe a opção de criar notas, elas podem ser visualizadas em uma “aba” exclusiva para tais anotações.

book-manager-gerenciador-livros-notas

Como citei anteriormente, o programa é multiplataforma, e seria demasiadamente desgastante recadastrar todo material, então há a possibilidade de exportar e importar as informações de toda sua biblioteca pessoal, porém, o diretório com as imagens deve ser manualmente adicionado pelo usuário, pois o “backup da biblioteca” não passa de um arquivo “.json”, com todas as instruções (o seu conteúdo pode ser visto facilmente a o abrir em qualquer editor de texto).

book-manager-gerenciador-livros-backup

Efetuando o download e instalação


Para baixar o Book Manager, basta clicar no botão abaixo, ficará ao seu encargo escolher qual versão do app instalar em seu sistema, em DEB ou AppImage, caso não saiba como executar os AppImagens, temos esse post demonstrando todo procedimento.

 Baixe o Book Manager

Gostou do software? Achei bem interessante, estou ciente que existem outras alternativas, mas ter novas opções sempre é bom, inclusive, use os comentários para informar os seus preferidos.

Você conhece outro app que efetue a mesma funcionalidade do Book Manager? O que achou dele?

Te espero aqui no blog Diolinux, até o próximo post, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Nova atualização do “Ubuntu Touch OTA-8”

Nenhum comentário
No dia 5 de Abril de 2017, Mark Shuttleworth fundador da Canonical, anunciou ao mundo o fim do Ubuntu Phone, aparelho responsável por trazer embarcada a versão mobile do Ubuntu. Muitos imaginaram que o Ubuntu Touch teve seu fim decretado, entretanto a comunidade abraçou o projeto e vem desenvolvendo o sistema para smartphones paralelamente desde então.

ubuntu-touch-mobile-smartphone

Empenhados em manter o projeto vivo, a comunidade UBports vem ativamente lançando versões periódicas do Ubuntu Touch, e ao contrário do que muitos pensam, o sistema se mantém vivo e recebendo novas implementações por parte dessa comunidade. Esse é um dos pontos fortes de alternativas de código aberto, o software nunca morrerá enquanto existir um público interessado e disposto a desenvolvê-lo.

Constante amadurecimento da plataforma


É evidente de que o Ubuntu Touch não tem as mesmas funcionalidades e recursos que sistemas consolidados no mercado como o Android e iOS, contudo a UBports vem lapidando o sistema e corrigindo eventuais bugs, por exemplo, na última atualização que ocorreu no início do ano, foi adicionado o suporte a temas no teclado do sistema, algo simples, mas que demonstra o carinho e apego a plataforma.

temas-teclado-ubuntu-touch-mobile-smartphone

Com a nova atualização “Ubuntu Touch OTA-8”, o Ubuntu Touch recebeu diversas melhorias, seja de correção de bugs ou funcionalidades em seus apps nativos. 

Outra coisa a se observar, é a repentina velocidade no desenvolvimento por parte da UBports, sua última atualização a “Ubuntu Touch OTA-7”, foi há menos de 2 meses, e a anterior em Dezembro. Essa fórmula de “1 mês e meio, 2 meses para cada atualização”, parece estar se tornando rotina, caso esse ritmo continue, podemos ver novidades com mais frequência e quem sabe maior força do sistema. 

O “Ubuntu Touch OTA-8” tem data de lançamento prevista para 6 de Março

ubuntu-touch-mobile-smartphone-tablet

Maior compatibilidade com dispositivos Android


Muitos usuários gostariam de testar o Ubuntu Touch em seus aparelhos Android (me inclua nessa lista 😂😂😂), porém o número de devices compatíveis é bem restrito. Uma notícia que pode agradar aos entusiastas da tecnologia, é que a partir desta versão, o sistema vem com uma atualização do script de pré-inicialização do contêiner Android para halium-boot, modo que permite a conversação entre os drivers do sistema, com os feitos para Android, isso permitiria aos desenvolvedores do UBports portarem o Ubuntu Touch para mais dispositivos Android no futuro.

Animado com a possibilidade de testar o Ubuntu Touch em aparelhos Android? Infelizmente apenas alguns modelos são suportados, mas imagine instalar o Ubuntu num aparelho “comum no Brasil”, como um Moto G. 

Deixe nos comentários sua opinião, e claro, compartilhe o conteúdo do blog Diolinux com mais e mais pessoas.

Até a próxima, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


HP e mais 33 empresas tornam-se membros da Linux Foundation

Nenhum comentário

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

No dia 25 de Fevereiro de 2019, a Linux Foundation anunciou em seu site oficial a adição de novos membros, para o incentivo e colaboração de seus projetos Open Source.

linux-foundation-novos-membros-hp

São 29 membros Silver e 5 membros associados, totalizando 34 empresas que comprometem-se a auxiliar na manutenção de projetos tecnológicos de código aberto, por meio de doações e desenvolvimento, isso promove uma maior aceleração de tais tecnologias, na robustez e novas implementações. 

Ao contrário do que o nome sugere, a Linux Foundation não é apenas responsável pelo kernel Linux, e sim outros projetos como Hyperledger, Kubernetes, Node.js e ONAP etc; Uma verdadeira incubadora de novas tecnologias, que agora com novos membros mais projetos poderão se beneficiar.

Gigantes que contribuem para o Linux e tecnologias abertas crescerem 


Fundada no ano 2000, a Linux Foundation vem ganhando a cada dia novos membros, atualmente com mais de 1000 empresas, temos gigantes da tecnologia como: Google, Intel, Qualcomm, Oracle, Dell, Adobe, Faceebook, Toshiba, Toyota, Panasonic, Uber, Ebay, Epic Games, Valve, Globo.com, Lg, Sony, Lenovo, Microsoft e muito mais, fazendo parte desse aglomerado, e o novíssimo membro a fazer parte da família é a HP, famosa por seus periféricos, notebooks e impressoras. 

Parece que a HP demorou um pouco para se tornar membro, levando em consideração que outras empresas que atuam no mesmo ramo já eram membros há algum tempo, porém, a Microsoft, uma das mais famosas empresas do mundo da tecnologia, tornou-se membro apenas em 2016, quando seu CEO, Satya Nadella, estava mudando os paradigmas da empresa, que antes considerava, nas palavras de Steve Ballmer, Linux como “um câncer”, e atualmente vem contribuindo com projetos Open Source, distribuindo versões abertas de seus softwares, como o PowerShell e Visual Studio, além de dizer publicamente que “ama o Linux”, criando até mesmo sua própria distribuição.

Que mais empresas possam abraçar projetos Open Source, e que a tecnologia evolua de forma inteligente e mais aberta.

Quais empresas você gostaria que abraçassem a causa da Linux Foundation? Deixe nos comentários suas previsões para o futuro do mundo Linux.

Até o próximo post, aqui no blog Diolinux, te aguardo SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Linux Foundation lança projeto que visa salvar vidas, o ELISA

Nenhum comentário

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

A discussão de robôs tomando cada vez mais o lugar de humanos em tarefas é algo que acalora alguns corações, e uma das problemáticas é a falta de confiança que esses equipamentos possam passar, aliás, um componente importante, o humano, não está guiando tal robô autônomo.

linux-foundation-elisa-robo-autonomo

Quando falamos em máquinas autônomas, sempre vem em nossas mentes os carros sem motoristas andando pelas ruas, porém, a tecnologia não se limita apenas neste nicho, diversas outras áreas podem ter por trás uma inteligência artificial, com alguma tarefa importante e crítica a segurança e vida de um humano, seja com a possibilidade de algum dano material ou ambiental.

Linux, confiança e robustez na qual empresas confiam


Famoso por garantir maiores possibilidades de segurança, escalonamento e robustez, o Linux é empregado em diversos ramos da tecnologia, e empresas estavam ansiosas por poderem adotá-lo nesta área tão crítica e delicada que é o setor de autônomos, entretanto, mesmo participando de alguns projetos, e até mesmo carros autônomos, não existia uma padronização ou ferramentas voltadas para este tipo de tecnologia, com foco em segurança de missões críticas, ocasionando em desenvolvimento por parte das empresas e em alguns casos falta de documentação, inviabilizando a implantação do Linux por desconhecimento técnico de suas capacidades .

A Linux Foundation lançou no dia 21 de Fevereiro de 2019 o Enabling Linux in Safety Applications (ELISA), um projeto Open Source que visa auxiliar as empresas com ferramentas voltadas a segurança e confiabilidade, permitindo a criação de certificações de sistemas baseados em Linux com foco na segurança, e evitando possíveis perdas humanas. 

Parcerias com grandes empresas como: a fabricante de chips britânica Arm, BMW, empresas de plataformas autônomas Kuka, Linutronix e Toyota, tornarão o trabalho de órgãos de certificação e padronização em múltiplas indústrias em algo coeso, um meio do Linux formar a base de sistemas críticos de segurança em todos os setores, de forma simplificada.

carro-autonomo-linux-robo-ai

O ELISA terá como tarefa principal o desenvolvimento de documentação de referência e casos de uso, guiando a comunidade em como proceder com boas práticas de engenharia de segurança, aprimorando processos de automatização. Outra parte importante do projeto, será o amparo a membros referente a atitudes e posições que devem ser adotadas em caso de algum erro, e suas possíveis soluções, de certa forma, semelhante ao que aconteceu com a padronização e organização de tecnologia Open Source em Hollywood para outras finalidades.

E você, o que acha de tecnologias autônomas em nosso cotidiano? Deixe nos comentários seus anseios para o futuro das máquinas autônomas, e opiniões sobre o tema.

Te espero no próximo post aqui no blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


AMD contrata mais desenvolvedores para seu driver Open Source no Linux

Nenhum comentário
Recentemente a AMD anunciou que está a procura de novos profissionais para compor sua equipe de desenvolvimento dos drivers Open Source, tal aumento de pessoas pode ocasionar em melhores implementações, e quem sabe novidades à caminho.

amd-driver-gpu-video-linux-opensource

Contribuindo no kernel Linux com o Mesa, o back-end do compilador LLVM e contêineres no Linux, a AMD vem empenhando-se no desenvolvimento de suas soluções e amadurecendo de seu driver de Código Aberto, o AMDGPU

Depois de abandonar seu antigo driver proprietário, o Catalyst, parece que novas atenções estão voltadas a sua alternativa Open Source, o AMDGPU, claro que existe sua solução proprietária, o AMDGPU-PRO, porém, sua necessidade por parte do público Linux não é uma via de regra, dando maior liberdade para quem não sente-se confortável ao utilizar drivers de código fechado, ou quer a facilidade de apenas instalar o sistema operacional e usar, sem sair atrás de drivers.

Segue um vídeo do canal “Sir Rob Linux Brasil”, que visa comparar o desempenho dos drivers abertos da AMD, versus os drivers proprietários da sua concorrente, Nvidia. Podemos perceber que os drivers AMDGPU estão a cada lançamento obtendo melhorias em jogos.


Novidades podem estar chegando aos utilizadores de placas de vídeo AMD, no mês passado funcionalidades exclusivas do driver proprietário foram incorporados no AMDGPU, é possível que novos recursos venham, e com mais desenvolvedores, melhorias de performance e correção de bugs podem ser solucionados com maior agilidade.

Interessado na vaga de desenvolvedor? Acesse a página oficial da AMD e entre em contato com eles.

Tem hardware AMD? Possuo uma Nvidia, entretanto gostaria de adquirir uma placa de vídeo AMD, gosto muito dos hardwares oferecidos pela empresa (sou “xonado” pelo meu Ryzen 😍😍😍).

Deixe nos comentários sua opinião e experiências com placas de vídeo AMD no sistema do pinguim.

Até o próximo post, te aguardo SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Software da Sony, OpenColorIO, é o segundo projeto a entrar na Academy Software Foundation

Nenhum comentário

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Em Agosto do ano passado (2018), noticiamos que a Linux Foundation se juntou a Hollywood para criar um conglomerado de empresas para fomentar o uso de tecnologias e softwares open sources pela “Academia de Artes e Ciências Cinematográficas" nas produções, assim nascendo a “Academy Software Foundation” (ASWF). O OpenColorIO é o segundo projeto a entrar na chancela.

 Software da Sony, OpenColorIO, é o segundo projeto a entrar na Academy Software Foundation






O primeiro projeto a entrar para a ASWF foi o OpenVDB, que é uma biblioteca em C++ de código aberto, desenvolvida pela DreamWorks Animation, que faz a organização de aplicações volumétricas e também  manipulação de dados para as produções. Para saber mais sobre o projeto, acesse este link.

A segunda empresa a entrar com algum projeto na ASWF foi a Sony Pictures Imageworks, com o software OpenColorIO (OCIO), que é uma ferramenta fundamental nas produções de animações e produções que usam VFX, tecnologia usada em alguns filmes famosos, como: Spider-Man ™: Into the Spider-Verse , Spider-Man ™: Homecoming , Hotel Transylvania 3 , Ghostbusters , Alice no País das Maravilhas  e Watchmen .




O anúncio foi feito por Emily Rosen Olin, Gerente Senior PR da The Linux Foundation, em um post no blog oficial do projeto. Que ainda contou com uma declaração do Vice-Presidente da Sony, Michael Ford, responsável pelo desenvolvimento de softwares dentro da companhia, com a seguinte declaração:

"O OpenColorIO sempre foi um recurso para toda a comunidade de animação visual, com muitas contribuições e compromissos externos. Queremos contribuir com a comunidade que o utiliza no dia a dia e ,a Academy Software Foundation é a opção mais natural para isto. Os desenvolvedores e empresas que o utilizam todos os dias nos darão a direção do projeto, começando com recursos que serão adicionados na nova versão 2.0.” 

Para ler o post completo, basta acessar este link da ASWF.

O OpenColorIO pode ser utilizado com alguns softwares já presentes no Linux, como o Krita, Nuke, Natron e o Blender. No momento o OpenColorIO tem o instalador para RedHat e CentOS, mas no site dele é ensinado como a compilar o programa na sua distro.

Para saber como fazer isso, basta acessar este link aqui.

Espero você no próximo post, forte abraço.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo