Diolinux - O modo Linux e Open Source de ver o Mundo

Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador processador. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador processador. Mostrar todas as postagens

Distros Linux de 32 bits dão adeus ao novo LibreOffice

Nenhum comentário

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Famoso entre os usuários de Linux, uma ótima alternativa ao Microsoft Office, a suíte LibreOffice é sucesso e vem por padrão na maioria das distribuições. Uma próxima versão está por vir, o LibreOffice 6.3, porém, nem todos os usuários poderão usufruir dos últimos lançamentos.

libreoffice-linux-processador-32bits-64bits-the-documentpfoudation-tdf-ms-microsoft-office-word-powerpoit-excel

A versão 6.3 ainda está em fase beta, entretanto, diversas melhorias estão entre os planos da The Document Foundation. Melhorias adicionais de desempenho, em recursos e ferramentas são esperadas na próxima versão. Além de melhorar a compatibilidade com outros formatos office. É notório que conforme o tempo passe, mais softwares e sistemas começam a abandonar arquiteturas antigas como a dos processadores de 32 bits. A mudança da TDF não é arbitrária, muito menos uma surpresa. Afinal, nas notas do lançamento da versão 6.2 do software, a possibilidade foi cogitada.

“As versões binárias do Linux x86 (32 bits) serão descontinuadas. Não haverá versões do Linux x86 produzidas pela TDF após o 6.2. Isso não significa que a compatibilidade com o Linux x86 será removida”.

libreoffice-linux-processador-32bits-64bits-the-documentpfoudation-tdf-ms-microsoft-office-word-powerpoit-excel

Aos poucos o 32 bits está finalmente deixando de ser suportado!


Não é nenhuma surpresa que vários softwares estão começando a abandonar a arquitetura de 32 bits (x86-32). A versão principal do Ubuntu já não conta com a versão de 32 bits, o Google Chrome perdeu o suporte em 2016 e recentemente o Xubuntu também entrou na lista. Devido a suas limitações o seu sucessor começou a se popularizar no mercado, e dificilmente caso tenha adquirido um computador a partir de 2010, seu processador é 32 bits. Infelizmente ao possuir um hardware datado, a solução é óbvia. Faça um upgrade, ou será obrigado a utilizar versões antigas do LibreOffice.

A suíte de documentos mais famosa do mundo Linux está em beta, caso seja curioso (e saiba o que está fazendo), você poderá baixar a versão 6.3 neste link.

Utiliza algum computador com um processador 32 bits? Até pouco tempo tinha um, bem velhinho (😁😁😁). Faça parte de nosso fórum Diolinux Plus e fique por dentro das novidades.

Até o próximo post, compartilhe e indique o blog Diolinux, SISTEMATICAMENTE! 😎
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Microsoft torna Open Source seu kit de desenvolvimento de computação quântica

Nenhum comentário

segunda-feira, 6 de maio de 2019

Quem poderia imaginar uma Microsoft tão Open Source, se olharmos para o passado e compararmos "ambas Microsoft" veremos que Satya Nadella, atual CEO da MS, fez uma mudança e tanto de paradigmas na empresa.

open-source-quantum-development-kit-computador-quântico-ms-microsoft-q#

A computação quântica é algo que em muitos casos é relacionado ao futuro, porém já é o presente em super computadores (que fazem previsões meteorológicas etc.), mesmo engatinhando no aspecto "usuário comum/empresarial", é algo que vai mudar nossa forma de lidar com as máquinas.

Não sabe o que é e como funciona um computador quântico? Então veja o vídeo a seguir:


Gosto muito da Lei de Moore, e acredito que a próxima revolução nos computadores será a computação quântica em nossos lares. E empresas como a Microsoft, já se ligaram que esse é o futuro (presente, se você for mais atento). Dona de uma linguagem de programação específica para computadores quânticos, o Q#, a Microsoft acaba de anunciar que disponibilizará seu kit de desenvolvimento para computação quântica no Github. A build 2019 do Quantum Development Kit será de código aberto e proporcionará um amadurecimento na tecnologia e formação de vários profissionais interessados na área.

O compilador e os simuladores quânticos terão seu código aberto, e se você pensa que a MS é pioneira nisso, saiba que outras empresas, como a IBM, também estão investindo na área da computação quântica Open Source.

Acesse o pronunciamento oficial e veja os demais detalhes.


E você acredita que em pouquíssimos anos estaremos com computadores quânticos em nossas casas, quem sabe em nossos bolsos?

Continue esse bate-papo lá no nosso fórum Diolinux Plus. Até o próximo post SISTEMATICAMENTE! 😎
___________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Google aconselha desenvolvedores criarem Apps 64bits

Nenhum comentário

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Processadores 64 bits oferecem diversas vantagens sobre os de arquitetura 32 bits, mas parece que nem todo desenvolvedor visa criar aplicativos em versão 64 bits. Isso “obrigou” a Google a dar o ultimato. Calma que não é todo esse alarde que alguns veem fazendo.

apps-playstore-google-64bits

Nesta Terça-feira, 15 de Janeiro, Vlad Radu, gerente de produtos da Google, anunciou no blog de desenvolvedores Android, os planos da empresa para o futuro do Android em relação a arquitetura de processador dos aplicativos.

A intenção é que processadores em tal arquitetura, tirem maior proveito ao executar apps em 64 bit. Atualmente, nem todas aplicações possuem sua variante em 64 bits, limitando um smartphone de 64 bits obrigando os aparelhos a utilizarem as versões 32 bits, e por consequência, não extraírem o máximo de desempenho, como foram projetados.

O fim dos 32 bits? Será?


Com o pronunciamento, algumas dúvidas ficaram no ar. Não que a nota pelo gerente da Google foi confusa, pelo contrário, mas alguns portais de tecnologias noticiaram que seria o fim dos aplicativos em 32 bits na Play Store.

Para quem esse requisito se aplica?


A proposta da Google é de que no dia 1º de Agosto de 2021, a Play Store deixe de dar suporte 32 bits para aparelhos que suportam 64 bits. Isso não significa que smartphones com processadores 32 bits sejam afetados. Os apps em 32 bits não acabarão, apenas donos de aparelhos com suporte 64 bits, passarão a extrair o máximo de seus gadgets. Pois existirão versões de apps apropriadas, não obrigando a utilizar 32 bits.

Se essa transição for feita com sucesso, provavelmente as pessoas não vão perceber nenhuma diferença em relação a disponibilidade de Apps, ainda que talvez sintam um melhor desempenho em alguns, o que é uma coisa boa, sem dúvida.

Salvo algumas exceções, como jogos feitos na Unity 5.6 em 32 bits, até o prazo de 2021, poderão manter suas versões de 32 bits, sem a necessidade de uma 64 bits.

Aplicações segmentadas ao Wear OS, Android TV, ou pacotes não destinados aos usuários do Android 9 Pie ou posterior, também não se enquadrarão nesta obrigatoriedade.

Uma tarefa perfeitamente possível


Para maior parte dos desenvolvedores Android a mudança será relativamente simples. Visto que as linguagens que dominam o desenvolvimento de apps Android são, o Java e Kotlin, e não precisam de alterações de código para suportar ambas arquiteturas, 32 bits e 64 bits.

A Google está esperançosa em tecnologias de inteligência artificial, machine learning (aprendizado de máquinas), e dispositivos mobiles mais imersivos. O suporte ao 64 bits prepara todo ecossistema para tais inovações, permitindo novos recursos avançados.

Assim como nos desktops, o próximo passo é deixar a era de 32 bits para trás nos smartphones.

Você possui algum smartphone com processador 64 bits? Pensava que os 32 bits iriam acabar? Deixe nos comentários o que acha disso tudo.

Até o próximo post, aqui no blog Diolinux, nos vemos, SISTEMATICAMENTE! 😎

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


32 ou 64 bits: Qual usar no meu PC?

Nenhum comentário

sábado, 21 de julho de 2018

Há um tempo fizemos um vídeo falando sobre a utilização de sistemas de 64 e 32 bits, tanto no Linux, quanto no Windows. No post de hoje vamos retomar um pouco dessa ideia e discutir quando cada um deles pode ser utilizado.







Sistemas operacionais podem ser projetados para serem utilizados em cima de processadores de 32 ou de 64 bits, sendo que um sistema de 64 bits, não consegue rodar em um processador de 32 bits, porém um sistema operacional de 32 bits, consegue rodar em um processador de 64. Isso quer dizer que você pode utilizar um sistema operacional de 32 bits, tanto em processadores de 32 quanto de 64 bits. 

No entanto, caso utilize Windows, um sistema de 32bits não conseguirá reconhecer mais do que 4gb de memória RAM (Exceto em versões especiais para servidores), isso quer dizer que você pode estar desperdiçando memória caso tenha mais memória do que isso. Já para isso no Linux, temos um recurso acessível a praticamente todas as distros chamado "Kernel PAE", sendo que "PAE" é uma sigla para “physical address extension”. O kernel PAE possibilita que sejam reconhecidos mais de 4 gigas de memoria RAM, mas ainda assim fica a dúvida: quando devemos utilizar um sistema de 32 bits e quando devemos usar um de 64 bits?

Bom, a resposta prática é: Quando seu processador FOR de 32 bits.

E para isso, talvez tenha que voltar muito no tempo para encontrar facilmente um processador que não seja 64 bits. Caso tenha um processador de 64 bits, opte por rodar um sistema de 64 bits, pois caso rode um sistema de 32 em um de 64 bits, além de desperdiçar um pouco do desempenho do seu processador, você pode estar jogando um pouco de memória RAM fora.

Existem pessoas que preferem colocar sistema de 32 bits em máquinas com pouca memória como netbooks por exemplo, pois os sistemas de 64 bits acabam usando um pouco mais de memória RAM que os de 32 bits, apesar de ainda não ser a melhor coisa a ser feita pois você acaba deixando de aproveitar melhor o processamento do CPU e o impacto na memória RAM, acaba nem sendo assim, tão grande.

Caso você não tenha entendido o que os processadores tem a ver com a escolha de um sistema 32 ou 64 bits, assista o vídeo abaixo, assim você pode entender melhor a relação entre eles. Esse conteúdo foi feito para leigos no assunto, então caso tenha um maior conhecimento e deseja estudar ainda mais, confira esse post com informações mais completas sobre o assunto.


Espero que esse post tenha ajudado você :)
Até mais!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


GearBest agora tem processadores Intel, AMD e placas de vídeo por preços imperdíveis!

Nenhum comentário

terça-feira, 24 de abril de 2018

Você que acessa o nosso blog e canal com frequência já deve ter percebido a parceria de longa data que temos com a loja GearBest. Eles são um parceiro muito valioso e nos ajudam a continuar trazendo conteúdo para vocês. Hoje eu fui informado de uma novidade excelente para quem deseja comprar hardware por um preço mais camarada!

Hardware com descontos






Agora você pode comprar processadores Intel, AMD, placas de vídeo Nvidia e AMD, Monitores, SSDs (incluindo os M.2) com descontos incríveis na GearBest! 

São marcas variadas que incluem, além de Intel, AMD e Nvidia, outras empresas famosas como Samsung, Western Digital (WD), Yeston, Kingston, iGame e outras.

👉 A promoção especial para os gamers dura apenas 7 dias e você pode acessar a página com descontos especiais através DESTE LINK.

Existem alguns produtos que estão extremamente baratos se comparados ao padrão, como um belo monitor de 31,5 polegadas full HD com tela curva por pouco mais de R$ 1000,00, ou um SSD M.2 de 120 GB por R$ 150,00. Que tal uma 1050 ti por pouco mais de R$ 650,00? Confira no link acima.

Para mais descontos para produtos da GearBest, incluindo Smartphones de outros gadgets, você pode consultar a nossa página fixa aqui no blog onde atualizamos semanalmente as ofertas que eles oferecem para vocês, leitores do Diolinux, juntamente com os Flash Sales e cupons de desconto.

Aproveite enquanto durarem os estoques, porque sim, existem unidades exatas para cada produto, basta acompanhar o contador na própria página.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Bug dos processadores Intel pode afetar também processadores ARM e AMD

Nenhum comentário

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Ontem nós publicamos aqui no blog uma notícia sobre um bug que afeta os processadores Intel dos últimos 10 anos, onde a correção para o problema poderia afetar consideravelmente o desempenho dos mesmos, em alguns casos causando até 30% de perda de potência.

Processadores com bug






Algumas horas depois, essa notícia repercutiu pelo mundo e as empresas, comunidades e desenvolvedores começaram a se manifestar. A Microsoft que, como tínhamos informado ontem, iria lançar a correção para o Windows na próxima Terça-feira, como de costume para este tipo de atualização, resolveu lançar um atualização de emergência hoje mesmo e ela já está disponível, assim como a correção para Linux, que saiu ainda ontem, para macOS, ainda não temos informações.

A Intel finalmente se pronunciou sobre o caso comentando que este problema pode afetar outros CPUs também, como os da AMD e os ARM, no entanto, não desmentiu o fato do problema de redução de desempenho.

Na noite de ontem o blog sobre segurança da Google comentou que o "Project Zero", programa da empresa que busca encontrar falhas em produtos de outras companhias também, entrou na jogada mostrando quais eram as falhas que foram detectadas e confirmou as informações da Intel, dizendo que a falha pode realmente comprometer processadores de outros fabricantes também, não somente os do "lado azul".

A AMD respondeu rápido a essas possibilidades, dizendo que seus engenheiros analisaram as falhas apontadas pela Google:

AMD Bug

Basicamente, a primeira das três variáveis de ataque pode ser corrigida via update de software e não deve afetar o desempenho dos chips, no segundo caso, a diferença de arquitetura parece não tornar os CPUs AMD como vetores para ataque e no último caso, existem diferenças nas arquiteturas dos processadores da AMD que impedem a falha de ser explorada, ou seja, para o "lado vermelho da força" de todos os males, ainda é o menor.

A ARM Holdings nãos e pronunciou sobre o caso ainda e a Intel diz estar trabalhando em correções de firmware que poderão ajudar aos desenvolvedores de sistemas operacionais a contornar o problema.

Segundo a Google, até mesmo os Chromebooks podem ser afetados, mas a correção para ele se dá em passos simples, basta garantir que ele esteja atualizado e ativar o seguinte parâmetro:

 chrome://flags/#enable-site-per-process

No dia 24 de Janeiro deve ser lançado o Chrome 64, juntamente com a atualização para o Chrome OS, o que deve resolver o problema nos equipamentos, no Android, o problema pode ser um pouco maior, visto a fragmentação de atualizações que existe caso o problema seja confirmado em processadores ARM, mas ainda não temos informações o suficiente para falar sobre isso, não ficou claro se essa falha afeta os processadores dos iPhones também.
Para mais informações fique ligado aqui no blog e sempre mantenha os seus sistemas operacionais atualizados.
Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Correção em falha de processadores Intel pode acabar reduzindo o desempenho do CPU em até 30%

Nenhum comentário

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

O ano mal começou e a Intel já está tendo problemas de segurança com seus processadores. Os processadores Intel, tanto x86 quanto x64, fabricados nos últimos 10 anos podem ter seu desempenho fortemente afetado devido a necessidade de uma atualização a nível de kernel dos sistemas operacionais, sejam eles Windows, macOS ou Linux.

CPU Intel problemas de segurança










Geralmente esse tipo de problema é corrigido via update de firmware, mas desta vez isso não será o suficiente. Os desenvolvedores de sistemas operacionais terão de fazer alterações do Kernel para evitar a falha e isso pode acabar reduzindo a performance dos processadores da Intel em até 30%, variando de acordo com o modelo.
O problema não está completamente claro pois até o momento em que eu escrevo este artigo a Intel não se manifestou claramente sobre o caso. O que se sabe, até então, é que esse erro afeta a forma com que o Kernel dos sistemas operacionais  lidam com instruções do CPU, isso acaba fazendo com que o Kernel não consiga gerenciar corretamente as permissões de acesso, dando margem para que atacantes pudessem ter acesso ao user space do sistemas operacionais e conseguir acesso a senhas e informações sigilosas em muitos casos.

Além dos processadores convencionais de desktop, a falha também afeta processadores de servidores e ambientes em nuvem, como Amazon EC, Google Compute Engine e Microsoft Azure.

No Linux a atualização para corrigir a falha já está disponível, então apenas mantenha os seu sistema atualizado, logo a atualização deve chegar até você (se já não chegou), para Windows, a Microsoft deve lançar na próxima semana a atualização para a correção, a Apple parece estar trabalhando no caso também, mas  ainda não há previsão de quando a correção estará disponível para os usuários da "maçã".

Com a atualização, a ideal é que o Kernel não possa ser mais acessado por nenhum processo em execução, o que consequentemente irá aumentar o esforço do processador para executar os seus processos, impactando a performance, o que pode ter efeitos diferentes de CPU para CPU.

Para conseguir isso os desenvolvedores precisam separar completamente a memória do kernel do KPTI (Isolamento da Tabela de Página do Kernel). Esta atualização leva o Kernel a um endereço completamente separado, então, ele fica invisível para um processo em execução, evitando os ataques.

A AMD não perdeu a viagem e aproveitou, claro, para ressaltar que seus processadores estão livres dessa falha.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Silício nos processadores? Pesquisadores conseguem criar os primeiros cristais de Grafeno perfeitos

Nenhum comentário

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Há muito tempo que se ouve falar do tal "limite do silício", limite este que impediria o crescimento vertical da capacidade computacional que temos hoje em dia, obrigando as empresas a buscar tecnologias auxiliares que ajudem na melhoria do desempenho nos processadores, melhorando-os geração após geração, como a adição de múltiplos núcleos, entre outras coisas.

Grafeno deve substituir o Silício no futuro




Dois cientistas da Coreia do Sul conseguiriam realizar uma façanha para o mundo tecnológico e científico nunca antes vista. Eles conseguiram sintetizar um cristal de grafeno perfeito (ou quase) com 50 cm te comprimento e 5 cm de largura.

Antes de você entender o que isso significa...

O que é o Grafeno e porque ele é importante para a tecnologia


Atualmente o Silício é um dos principais componentes para a fabricação de componentes eletrônicos, incluindo os processadores, que são o coração da nossa capacidade computacional, contudo, este material tem algumas limitações, sendo assim, existem várias iniciativas de encontrar algo que possa substitui-lo e o Grafeno é um dos principais candidatos.

O Silício suporta atualmente frequências que variam de 4 a 5 Ghz em condições "normais", enquanto o Grafeno consegue passar facilmente dos 500 Ghz, algo que nenhum overclock chegou perto, os recordes atuais mal conseguem chegar a 9 Ghz.

Mas além disso, o grafeno tem outras potencialidades que o fazem um ótimo candidato para substituir o silício. O grafeno é constituído basicamente de uma camada muito fina de grafite, o mesmo material que encontramos nos lápis escolares comuns, porém, o que torna ele realmente especial é a estrutura dos átomos individuais e como eles se distribuem de forma hexagonal, se uma folha de grafeno plana for enrolada, os átomos criam nanotubos de carbono. Como o grafeno é um material extremamente fino, ele permite que cargas elétricas fluam facilmente por ele, o que permite criar transistores mais eficientes.

A utilização deste material para a fabricação de processadores seria uma forma muito eficiente de aumentar a potência computacional e reduzir o tamanho, diminuindo também o consumo de energia e por consequência, aumentando a eficiência.

A realização dos sul coreanos


Placas de Grafeno

Os dois professores do Instituto de Ciências Básicas da Coreia do Sul, Feng Ding e Rodney Ruoff, juntamente com seus colegas de projeto, conseguiram criar cristais de grafeno de um tamanho nunca visto até então: Meio metro de comprimento e 5 cm de largura, estes são os maiores já criados na história, os cristais de grafeno criados antes disso não passavam de alguns milímetros. Além de grandes, eles são praticamente perfeitos, são 99,9% planos e alinhados, algo essencial para a utilização em processadores.

O método utilizado para a criação deles é relativamente "simples e artesanal", os estudiosos criaram uma placa de cobre extremamente alinhada e moldaram o grafeno sobre ela, desta forma, os átomos da substância simplesmente mantiveram o alinhamento da placa de cobre no qual estavam em cima, proporcionando este alinhamento quase perfeito.

Segundo os cientistas, o tamanho das placas de grafeno depende basicamente do tamanho do molde, não há um limite para isso, porém, não existem placas de cobre dessa forma na indústria atualmente, sendo assim, cada laboratório que for tentar criar placas de grafeno precisará "dar um jeito" para criar as suas próprias placas de cobre para usar de molde, pelo menos até que a indústria passe a produzi-las.

Para fabricar as placas foi necessário aquecer a substância a 1030 graus Celsius por cerca de 20 minutos. Uma fabricação relativamente rápida para os padrões atuais.

O que isso significa para futuro?


Uma das maiores dificuldades sempre foi criar estes cristais de grafeno de forma utilizável, agora com esta "receita", é questão de tempo até que automatizemos e otimizemos a produção deste tipo de material condutor que poderá revolucionar drasticamente a forma com que nos relacionamos com a tecnologia.

Não existem datas para um processador com grafeno entrar no mercado ainda, muito menos um prazo para nós termos um destes em nossas casas, mas tudo indica que em pelo menos uma década a computação poderá dar grandes saltos.

Até a próxima!

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Intel anuncia novo Core i9 com 18 núcleos e 36 threads

Nenhum comentário

terça-feira, 30 de maio de 2017

Não totalmente de surpresa, mas ainda assim de forma surpreendente, a Intel anunciou na Computex deste ano em Taiwan a nova série de processadores da família Core i. O Core i9 deve chegar ao mercado para atender a necessidades muito específicas e claro, concorrer com a novo topo de linha da AMD.

Lançamento Core i9 Xtreme



A nova linha da Intel, batizada de Core X, vai trazer novos processadores para o mercado muito em breve, ela é composta de versões "turbinadas" do Core i5 e i7 e traz também a grande novidade, o Core i9, que segundo a Intel é o primeiro processador com 18 núcleos voltado para consumidores finais domésticos.

Pelas informações liberadas, a intenção da empresa com o novo Core i9 é atender aos consumidores gamers especialmente, especificamente os entusiastas em hardware e pessoas que querem rodar games em altíssima resolução e fazer transmissões ao vivo na internet ao mesmo tempo, como a galera que faz streaming pelo Twitch e pelo YouTube (o que me lembra que eu tenho que voltar a fazer isso no canal). Toda a linha Core X também será desbloqueada para overclock.

O novo Core i9


Os novos processadores serão feitos à partir de uma versão melhorada da arquitetura Skylake X, mas temos exceções, existem dois modelos mais simples da linha Core X que são baseados na Kabylake X, versão modificada da sétima geração da Intel, apesar da diferença, ambos são compatíveis com o mesmo chipset, o X299, que segundo a Intel, estará disponível em breve para os consumidores.

Dentre os modelos disponíveis o mais poderoso, por assim dizer, é o Core i9 Extreme Edition, o processador com 18 núcleos e 36 threads que custa cerca de 2 mil dólares, até o momento não temos a especificação do cache dele ou do clock base. Haverão também variações do Core i9 com menor quantidade de núcleos, existirão versões com 16 núcleos, 14 núcleos, 12 núcleos e 10 núcleos, custando, 1700, 1400, 1200 e 1000 dólares, respectivamente. Além destes modelos com 10 ou mais núcleos, existem outros lançamentos de Core i9 mais "modestos" que tem 8, 6 e 4 núcleos, cada um com o dobro de threads, como todos os outros. Houve também o anúncio de um novo Core i5 com 4 núcleos e quatro threads que obviamente é o CPU mais barato de todos estes anúncios, custando cerca de 240 dólares, alem de evoluções, segundo o Verge,  menos chamativas na linha i7.

Fonte e mais informações no The Verge.
____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Qualcomm cria processador de 48 núcleos e 10 nanômetros para concorrer com Intel

Nenhum comentário

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

O mercado de processadores de alta performance para servidores acabou de ganhar uma nova opção e a Intel acabou de ganhar um concorrente também, trata-se da processador  ARMv8 da Qualcomm.

Qualcomm cria processador de 48 núcleos




A Qualcomm já tem seu "lugar ao sol" nos dispositivos móveis, sendo uma das principais fabricantes de processadores ARM do mundo, mas apesar de ter conquistado este mercado, a empresa atua em segmentos diferentes e um destes é o ramo de servidores de alta performance.

O anúncio do novo processador mostrou uma combinação muito poderosa, até 48 núcleos ARMv8 e apenas 10 nanômetros, a ideia da empresa é concorrer com os  processadores Xeon da Intel, que são muito populares atualmente.

A litografia extremamente baixa chama a atenção pois parece ser algo que a Intel está tendo dificuldade de implementar em seus chips, além disso, o novo processador da Qualcomm também usa a tecnologia FinFET, que permite encaixar os transistores de uma forma diferente e mais eficiente, é a mesma tecnologia que a Nvidia usa em sua nova geração Pascal. O resultado disso é um processador energeticamente eficiente, o que é um fator muito interessante para se considerar na implementação e manutenção de um Data Center.

_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Arquitetura ARM não é a preferida de Linus Torvalds

Nenhum comentário

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Linus Torvalds, criador do Kernel Linux, declarou em uma entrevista a sua preferência por arquitetura de processadores, apesar dos ARM serem muito populares hoje em dia graças aos dispositivos móveis, eles não são a preferência de Torvalds.

ARM e Linus Torvalds




Recentemente Linus Torvalds respondeu algumas perguntas em uma conferência da Linaro Connect, uma delas foi questionando qual era a sua arquitetura de processadores favorita, sem balbuciar ele respondeu: x86.

Após a resposta, Linus foi indagado do por quê da escolha, ainda mais por conta da popularidade atual da arquitetura ARM, utilizada em inúmeros Smartphones que rodam Android, que por sua vez rodam o Kernel Linux.

Torvalds comentou que o a longa história de vida do x86 certamente ajuda ele a ter uma posição privilegiada em seu conceito. Segundo o criador do Linux, toda essa história faz com que haja pouca fragmentação de software e hardware e "as coisas simplesmente funcionam".

Para Linus, a infraestrutura em torno do CPU importa mais do que ele mesmo:

“O que importa é toda a infraestrutura em torno do conjunto de instruções, e a x86 possui toda essa infraestrutura...em muitos níveis diferentes. Está fez um caminho que nenhuma outra arquitetura conseguiu fazer até o momento”, afirmou Torvalds.

Isso explica um pouco da fragmentação do Android, onde cada especificação é ligeiramente diferente da outra, obrigando os desenvolvedores a criarem versões do Kernel específicas para cada dispositivo, segundo Linus, a variedade e tão grande que é este pode o principal motivo de não haver uma versão do Android que rode em todos os aparelhos sem distinção.

Fonte.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




32 ou 64 bits? Qual é o melhor sistema para o seu computador?

Nenhum comentário

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Existem diversos sistemas operacionais que dão suporte para arquiteturas diferentes, as mais comuns são as de 32 bits e as de 64 bits. Há quem diga que 64 bits é a melhor escolha sempre, em contrapartida, existem pessoas que até hoje utilizam 32 bits nos seus computadores. Afinal de contas, qual é a melhor para você?

32 ou 64 bits, qual utilizar




Muitas pessoas tem essa dúvida e se você é uma delas, agora chegou a hora de você esclarecer um pouco mais este assunto. Atualmente não há mais real necessidade em utilizar sistemas operacionais de 32 bits, salvo alguns casos em específico, mas nós fizemos um vídeo para explicar para você tudo direitinho, confira:


Inscreva-se no nosso canal para receber mais vídeos como este.

E aí, conseguiu definir qual é a melhor arquitetura para o seu computador?

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Como ativar todos os núcleos do seu processador no boot do Ubuntu

Nenhum comentário

terça-feira, 19 de julho de 2016

O Ubuntu possui uma configuração de de "Concurrency" que permite habilitar todos os núcleos,isso faz com que o Boot do seu sistema seja mais rápido que o normal e pode até melhorar o desempenho em determinadas aplicações.

Ativar todos os núcleos do processador no Ubuntu




A ideia para este tutorial surgiu de uma conversa com um seguidor do blog, o Bernardo Ramos, ele me mostrou um vídeo de um tweak que pode ser feito no Windows para ativar todos os núcleos do processador na inicialização do sistema.


Ele me perguntou se era possível fazer o mesmo no Ubuntu, a reposta é: Sim, é possível. E francamente, é até mais fácil.

Para ativar todos os núcleos do seu processador no boot do Ubuntu basta rodar este comando no terminal:
sudo gedit /etc/init.d/rc
Ao rodar este comando, o Gedit vai ser abrir com o arquivo de configuração, você pode substituir o Gedit por qualquer outro editor de texto de sua preferência.

Pressione as teclas de atalho "Ctrl+F" para abrir a caixa de pesquisa e digite a palavra "Concurrency".

Configure no Gedit

Como você pode ver na imagem acima, ela aparece em vários trechos do arquivo, porém, só precisamos alterar as duas linhas assinaladas pelas setas, deixando o arquivo como ele está, ou seja, você precisa comentar a linha 
CONCURRENCY:"none" e descomentar a linha CONCURRENCY:makefile.

Dica: "Comentar" significa adicionar o símbolo "#" antes da palavra, e "descomentar" significa removê-lo.
Feito isso, salve o arquivo e reinicie o computador, provavelmente na própria inicialização você poderá sentir um tempo de boot reduzido.

Mas vamos aos testes... 


Vamos lá, apesar da dica ser interessante, o cara do vídeo do Windows afirmava que aumentava muito o desempenho e etc... Eu estou usando há dois dias esta configuração no meu Notebook e só posso informar que no meu caso a diferença na usabilidade não foi muito grande. Para ser sincero, eu não à percebi, pelo menos em termos práticos, no teste de benchmark foi diferente.

Como você viu no vídeo acima, o YouTuber, ThioJoe, utilizou um software chamado "GeekBench" para fazer os testes de desempenho, felizmente este programa possui uma versão para Linux.
Veja como usar o GeekBench no Linux para fazer benchmarks de processador
Eu fiz também os testes e realmente nos testes de benchmark o resultado foi notável:

CONCURRENCY:"none" 

Benchmark Ubuntu com GeekBench

CONCURRENCY:makefile

Geekbench Ubuntu

Como você pode ver, a pontuação subiu consideravelmente. Mas é só isso...

Realmente, tirando o teste de benchmark não senti diferença na usabilidade no sistema e nem no Boot, uma vez que uso SSD e ele já é bem rápido por padrão, tive alguns travamentos estranhos ao editar um vídeo no Kdenlive também, mas pode ter sido coincidência.

Vou deixar que você teste e também dê um feedback, quem sabe com Discos Rígidos tradicionais a diferença seja maior, por isso é importante que você comente se a modificação deu alguma diferença para você.

Para desfazer a alteração que você fez, basta editar novamente o arquivo e comentar novamente a linha CONCURRENCY:makefile e descomentar a linha CONCURRENCY:"none".

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Canonical pretende eliminar suporte para arquitetura 32 bits no Ubuntu 18.04 LTS

Nenhum comentário

quinta-feira, 30 de junho de 2016

A discussão de manter o suporte ativo hardware de 32 bits continua viva e na verdade voltou à tona com um plano de ação para o seu extermínio incluído. Se você usa o Ubuntu de 32 bits essa pode não ser uma boa nova.

Ubuntu de 32 bits deverá ser descontinuado




Mais cedo ou mais tarde isso vai acontecer, o que a Canonical discute atualmente é: Como fazer isso sem causar impacto negativo nos usuários?

A aposta é ir fazendo essa mudança com calma e aos poucos. Temos atualmente uma LTS (Ubuntu 16.04 LTS) que tem suporte até 2021 para a arquitetura de 32 bits, o que permite que os futuros lançamentos cortem o suporte para esta arquitetura gradualmente.

A versão 16.10 que sai em Outubro deste ano, a versão 17.04 que sairá em Abril do ano que vem e a versão 17.10, que sairá em Outubro de 2017, deverão ter ainda suporte para arquitetura 32 bits, porém, de forma reduzida.

A versão Desktop e a Server deverão ter apenas versões de 64 bits, entretanto, o Ubuntu Mininal (ou Net Install), assim como a versão Cloud, terão construções de 32 bits, permitindo que qualquer um que deseje possa montar o seu sistema para plataformas de 32 bits.

A versão 18.04 LTS ainda permitirá a execução de binários de 32 bits na plataforma, mas não terá mais ISOs instaláveis com esta arquitetura, na versão 18.10 a intenção é que não tenhamos mais suporte para a arquitetura de 32 bits definitivamente.

Snaps serão úteis


Numa situação com esta, os pacotes Snap serão úteis, através deles será possível rodar aplicações de 32 bits em um sistema de 64 bits sem maiores problemas, segundo a Canonical, esta será uma alternativa simples para pessoas que tem necessidade específicas.

Motivos para a Canonical abandonar o Ubuntu 32 bits


Os motivos apontados pela empresa para deixar de trabalhar com o Ubuntu de 32 bits são contundentes. A versão de 32 bits não tem muitos usuários e gera muito trabalho para a geração das ISOs, seus testes, além de consumir recursos de banda e armazenamento nos servidores, inclui-se aqui também o trabalho da equipe de manutenção do Ubuntu, que tem que atualizar e corrigir problemas em todas as ISOs de 32 e 64 bits, sem a existência da plataforma, o trabalho seria cortado pela metade.

Algumas pessoas ainda usam 32 bits, mesmo tendo processador de 64 bits, já que o Kernel PAE do Linux permite que se use um sistema de arquitetura mais antiga sem abrir mão de mais de 4GB de RAM, que computadores um pouco mais parrudos costumam possuir.

O Ubuntu não deve ser a única distribuição a fazer isso, além de seus derivados, ao longo do tempo mais sistemas deverão "entrar na onda", afinal, as tecnologias são substituídas ao longo do tempo, isso é absolutamente normal.

O que você acha da decisão? A versão de 32 bits do Ubuntu iria fazer falta para você depois de 2018? Conte pra gente através dos comentários.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Debian 9 não suportará algumas arquiteturas de 32 bits

Nenhum comentário

quinta-feira, 12 de maio de 2016

A futura versão do Debian vai cortar o suporte para algumas arquiteturas de 32 bits, continue lendo para saber o motivo e como isso pode te impactar.





Conforme o tempo passa as coisas vão mudando, os mais radicais diriam que não precisamos mais de sistemas 32 bits hoje em dia, mas o Debian com todo seu conceito de distribuição Linux universal surpreendeu um pouco por informar que estará abandonando o suporte para arquiteturas de 32 bits, pelo menos algumas.

Ben Hutchings, desenvolvedor do Debian,  informou-nos que o Debian 9 "Stretch", removerá o suporte para arquitetura de 32 bits mais antiga. Esta decisão faz com que processadores i586 e híbridos i586/686 não tenham mais suporte.

A decisão havia sido tomada ainda no ano passado após o lançamento do compilador GCC, que se propôs a suportar apenas processadores i686. Você pode ler o anúncio oficial aqui.

Esta mudança já foi implementada com o Kernel Linux 4.3 que estava no repositório instável do Debian no ano passado e que está sendo disponibilizado para o Debian "Jessie".

Os processadores que não serão mais suportados pelo Debian na versão 9 serão: AMD K5, K6, K6-2 (aka K6 3D), K6-3, DM&P/SiS Vortex86, Vortex86SX , Cyrix III, MediaGX, MediaGXm, IDT Winchip C6, Winchip 2, Intel Pentium, Pentium com MMX, Rise mP6 ,VIA C3 'Samuel 2' e C3 'Ezra'.

Como você pôde ver, realmente são chips antigos, porém, caso você seja uma das pessoas que utiliza algum deles, o Debian "Jessie" deverá suportar os mesmos até 2018 pelo menos, ainda que tenha suporte até 2020 da distribuição como um todo.

Acho que até lá você pode mudar de processador né? Se você tem um processador de 32 bits que não é nenhum destes aí ou com estas arquiteturas citadas, pode ficar tranquilo, tudo deve continuar funcionando normalmente, pelo menos por enquanto.

Até a próxima!
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Processadores Skylake da Intel tem bug que causa travamento

Nenhum comentário

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

A nova geração dos processadores Intel está sofrendo com um bug no mínimo chato quando são forçados a trabalhar com cálculos muito grandes, ocasionando o travamento do CPU e por consequência, do computador como um todo.

Processadores Skylake com Bug

O site alemão Hardwareluxx foi o primeiro a reportar o problema, ele foi detectado ao utilizar o programa Prime95, muito comum em utilização pelas pessoas que querem testar os processadores, pessoas que fazem overclock e demais entusiastas de hardware.
Leia também: Vale a pena fazer Overclock?
O software Prime95 faz com que o processador execute transformações de Fourier para multiplicar números muito grandes, o que causa grande carga no CPU, e com este bug, fazendo o processador travar. O problema foi identificado no hardware e ocorre em qualquer sistema operacional, pessoas que utilizem a linha Skylake em supercomputadores ou em máquinas que executem cálculos pesados podem ter problemas.

Por conta da natureza do problema é improvável que um usuário domésticos enfrentem o bug, mas isso serve de alerta para lembrar que até mesmo algumas das empresas mais tradicionais eventualmente falham e esta não seria a primeira vez da Intel, felizmente o bug não deve afetar tantas pessoas.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Processadores ARM impulsionarão o mercado de Notebooks

Nenhum comentário

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Existem muitos boatos pela internet sobre a suposta "queda dos computadores", dizendo que este mercado se tornará obsoleto e suplantado por Smartphones e Tablets, porém, algumas dados indicam que o mercado de Laptops ainda está ativo e crescente e pode ganhar vida nova com processadores ARM.

Processador ARM

ARM é o futuro da computação móvel?


Eles são pequenos, poderosos e não esquentam muito, seriam os processadores ARM o futuro da computação móvel?

Um processador ARM é encontrado em cerca de 90% dos dispositivos móveis populares, isso inclui Smartphones e Tablets, porém, a utilização do processador com a arquitetura ARM é muito mais ampla. Segundo a empresa de pesquisas tecnológicas IHS iSuppli, em 2015 quase um 1/4 dos Notebooks vendidos possui um processador deste tipo e tendência é aumentar para o próximo ano.

Processadores ARM são atraentes por vários motivos, mas especialmente por permitirem a construção de um aparelho ainda mais leve, terem um temperatura média de trabalho mais baixa de processadores x86 por exemplo e ainda serem econômicos, gastando pouca bateria se comparados com processadores atuais, o que também uma boa vantagem para Notebooks.

A Google por exemplo já vem investindo neste mercado com os Chromebooks e atualmente existem outros dispositivos que são híbridos entre Tablets e Notebooks.

Via: PC World.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Diferenças no ARM32 e ARM64 para os programadores Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Linus Torvalds afirmou que na LinuxCon Europe que 2016 será o ano dos processadores ARM nos laptops. Mas alguma coisa muda quando se trata da programação de 32 para 64 bits?

Diferenças no ARM32 e ARM64 para os programadores Linux

Hoje os processadores ARM estão muito presente no nosso dia a dia (coisa que não era tão comum assim) devido seu uso nos smartphones e tablets. Quando o assunto foi a arquitetura ARM, na LinuxCon Europe 2015, Linus respondeu:
Estou feliz de ver que o ARM está fazendo progresso. Um desses dias, terei uma máquina com ARM. Disseram que esse ano, mas talvez seja ao que vem. 2016 será o ano do laptop ARM.

Lentamente, os Chromebooks estão tomando o mundo, e grande número dos Chromebooks estão equipados com ARM. Muitas pessoas que compram o Chromebook não se importam qual processador está la desde que funcione, assim o ARM está se espalhando.

Mas se tratando de ARM de 32 bits e de 64 bits, há certas diferenças. O site EDN Network publicou um artigo debatendo sobre esse assunto que certas diferenças podem afetar no comportamento do software.

Figura-com-as-diferenças-de-arquitetura-arm

Caso você seja um programador Linux trabalhando com ARM (ou pretende ser um), talvez você queria saber essas diferenças. Também há um slide no Linux Plumbers Conf relatando a migração de código de ARM para ARM64.
_____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.




Intel desenvolve software gráfico de alto desempenho para Linux

Nenhum comentário

terça-feira, 20 de outubro de 2015

E Linux cada vez mais vem ganhando espaço nos desktops. A Intel está tornando seu trabalho open-source ao desenvolver um software de alto desempenho para gráficos que originalmente foi desenvolvido para visualizações cientificas. Acompanhem aqui no Diolinux.

Intel desenvolve software de alto desempenho para Linux

Intel desenvolve software de alto desempenho para Linux

A Intel está planejando integrar este novo projeto OpenSWR ao Mesa para empregá-lo nos Linux em ambientes desktop como um software de rasterização mais rápido do que está atualmente disponível (LLVMpipe).

O OpenSWR deveria ser ideal para casos onde não há um GPU discreto disponível ou os drivers falham ao funcionar. Esse software de rasterização implementa o OpenGL 3.2 aos CPUs da Intel/AMD tendo suporte ao AVX(2) (Sandy Bridge / Bulldozer and newer) enquanto que o 29~51x estiver sendo mais rápido que o LLVMpipe e o código estiver licenciado sob a MIT. O código, entes de ser integrado ao Mesa, está sendo fornecido no GitHub.

Fonte
____________________________________________________________________________
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.


Definindo afinidade de um processo a um determinado núcleo do CPU no Linux

Nenhum comentário

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

CPU Affinity é uma propriedade de gerenciamento do sistema que permite direcionar para um ou mais núcleos específicos do processador um determinado processo ou programa manualmente, saiba mais sobre esse mecanismo na matéria.

CPU Affinity

Veja como atribuir um certo processo a um certo núcleo do processador


Estamos conversando esta semana com alguns amigos do grupo do Diolinux no Facebook e essa questão foi levantada, se seria possível não apenas alterar a prioridade de um determinado processo mas também atribuir um processo a um determinado núcleo do processador.

Basicamente o que você precisa ter para poder realizar uma ação destas é ter um processador multi núcleo sem restrição por marca ou modelo, pode ser tanto Intel quanto AMD, mesmo assim é bom lembrar que quanto mais núcleos o seu processador tiver mais opções você tem.

Eu vou tentar simplificar uma coisa complicada


Normalmente a função de atribuir um processo a um núcleo é atribuída ao sistema operacional, descendo de nível um pouco mais, é função do kernel e sendo mais específico ainda é um processo do Kernel chamado "Scheduler", é ele que vai definir a afinidade de um processo e atribuí-lo a um núcleo, para entender o que acontece normalmente vamos utilizar um exemplo:

Gimp

Ao abrir o programa de edição de imagens GIMP o sistema vai se encarregar de atribuir o processo do GIMP, quando você abrir outro programa qualquer ele terá momentaneamente uma prioridade mais alta e tomara o lugar do GIMP neste núcleo, mas como o sistema gerencia os processos de um jeito inteligente ele irá jogar o GIMP para outro núcleo, mantendo assim o desempenho dos dois programas.

Caso você atribua o GIMP manualmente a um determinado núcleo, usando o mesmo exemplo acima, quando você abrir um outro programa e este exigir a atenção do núcleo onde o GIMP está é possível que o processo GIMP fique parado até que o processador "tenha tempo de falar com ele de novo", ou seja, nesta caso não é muito vantajoso.

Por que você faria isso então?


Em primeiro lugar, por que você pode! Em segundo lugar, pode ser interessante para o gerenciamento de energia, você pode utilizar apenas um núcleo para rodar determinados programas e assim fazer a sua bateria durar mais.
 
No fim das contas acho que esta matéria serve mais para conhecimento do que para utilização, na maioria das vezes a melhor opção é deixar o sistema trabalhar para você.

Como funciona o taskset


Para mandarmos um processo direto para ser executado por um determinado núcleo ou núcleos nós vamos utilizar o taskset, que é um recurso que já vem junto com kernel Linux.

Monitor do Sistema Ubuntu

Se você observar o aplicativo que vem junto com a maioria dos sistemas, no caso do Ubuntu, o Monitor do Sistema onde você pode ver o nome de todos os processos, na aba "Recursos" você consegue ver quantos núcleos o seu processador tem.

Núcleos do Processador

Existem duas formas de utilizar o taskset, abrindo um programa que estava fechado ou modificando um processo que já está em execução, por exemplo:

Para direcionar um processo já aberto para um núcleo do processador no terminal fazemos assim:

taskset -pc 0 2432

 Sendo que:

Azul: É nome do comando usado para setar o processo a um determinado CPU
Laranja: É o parâmetro utilizando para modificar um programa já aberto.
Preto: É o número do núcleo do processador, 0 para o primeiro núcleo, 1 para o segundo, 2 para o terceiro e assim por diante.
Vermelho: O vermelho é o número do PID, se você observar na imagem do monitor do sistema acima onde é possível mostrar os processos na coluna de PIDS, este número utilizado no exemplo é o do GIMP.

Caso você queira abrir um programa já direcionando ele para um determinado núcleo faça assim:

taskset -c 0 gimp

Sendo que o primeiro comando é igual, o "-c" serve para direcionar o processo para um núcleo, "0" é mais uma vez o número do núcleo que você deseja mandar o programa e "gimp" no exemplo, é o programa que eu quero abrir.

Se quiser direcionar o processo para dois núcleos faça assim:

taskset -c 0,1 gimp
Observe o "0,1" isso indica quais são os núcleos que trabalharão com o GIMP (no exemplo), o mesmo pode ser feito para a primeira opção

Basicamente é isso, se você tiver alguma dúvida deixe-a nos comentários logo abaixo.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Viu algum erro ou gostaria de adicionar alguma sugestão a essa matéria? Colabore, clique aqui.
Blog Diolinux © all rights reserved
made with by templateszoo